CD Padrinho do Povo. Bendito o povo reunido em Seu amor! (Caderno de Partituras) Letra e música: Ir. Miria Therezinha Kolling, ICM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CD Padrinho do Povo. Bendito o povo reunido em Seu amor! (Caderno de Partituras) Letra e música: Ir. Miria Therezinha Kolling, ICM"

Transcrição

1 Pdrinho do Povo endito o povo reunido em Seu mor! (rno Prtiturs) Letr e músic: Ir. Miri Therezinh Koing, IM

2 presentção Irmã Míri Koing, d ongregção do Imcudo orção Mri. Quem não conhece?... Um pequenin gignte, que se tem feito presente por todos os recntos sse píscontinente e mis ém, encntndo mentes e corções com forç e suvid seus cntos, portdores d o Nov do Reino... Sus crições correm seus sentimentos inspirdos n fé contemptiv do Mistério Psc ceebrdo, procmdo e cntdo n Liturgi e n vid do Povo eus que, ns estrds d vid, cminh n estrd Jesus. gor, romeir do meu Pdrinho, somndo seu cnto o cnto d Nção Romeir, que todo cnto mrch pr este recnto encntdor do Norste, com se quem busc Terr Prometid! Váris vezes Irmã Míri esteve em Juzeiro do Norte, pr ministrr cursos cnto pstor e iturgi. qui, conosco, prticipou ds romris o Pe. ícero Romão tist, vivenciou fé dos romeiros, dmirou os sberes e os cntos sses peregrinos, homens e muheres fé. Neste novo Pdrinho do Povo Irmã Míri dá voz e expressão à experiênci cristã do cminho romeiro em Juzeiro, no no d é. São músics que integrm e se inscrevem no ptrimônio d espirituid e d místic d fé dos romeiros e romeirs Noss Senhor ds ores e do Pdrinho Pe. ícero. Nd mis oportuno, nem mis be mneir comemorr o inquentenário d onstituição sobre Sgrd Liturgi do oncíio Vticno II, que veio, 50 nos trás, propornos vot às fontes e o reencontro com s rízes cuturis cd povo, em fiid Àquee que se fez crne e evntou seu brrco no meio nós (Jo 1,14). ind, este novo se insere no cim do próximo 13º ncontro Interecesi ds s, em Juzeiro do Norte, cuo em é: s romeirs do Reino no cmpo e n cid e o tem: Justiç e Profeci serviço d Vid. Por fim, ceebrremos em 2014 o entenário d iocese rto, terr querid Noss Senhor d Penh, que é mesm Mãe ds ores todos nós. nte com gente, Irmã Míri, nest cminhd, tnts vezes penos. Sintonizndo com os nseios e espernçs dos romeiros e romeirs todo cnto, untese nós pr cntrmos com os seus e os nossos cntos, egri d fé e d irmnd. rto, 25 neiro 2013 om ernndo Pnico, ispo iocesno

3 œ horinho & # #2 4 m m _ Se bem vin do,() Se bemvindo, migo()! mi go()! Se bem vin do(), ir mão(ã)! L. e m.: Ir. Míri T. Koing Nos s_ e gri _é m & # #.. (Mxixe) J œ.. Ĵ { ior, por que vo cê ve io pr ti ci pr! Que bom que é re ver os ir mãos & # # # # m... ĵ œj { fé! Sen tir ns mãos o_ br ço do co r ção! Que......ção! Se bemvindo(), migo! Se bemvindo, irmão(ã)! Noss egri é mior, Porque você veio prticipr! Que bom que é Rever os irmãos fé! Sentir ns mãos O brço do corção! (bis) 5

4 œ Xote Sempre novo eu me egro (ntrd) Ir. Miri T. Koing & # #2 4 _ _ 1 Sem pre no vo eu me_ e gro qun do ve nho pr ce e & # # m m brr œ no sn tu á rio do Se nhor. É Ter r Sn t, chão s gr do on pi so: ben di to_o co r & # # œ œ œ # m po vo re u ni do_em seu mor! œ Qun t e gri no meu & # # m m # # ção! Mes mo cn s do do ps so_n d do, ben ço do me sin to_en & # # Œ # m m n œ œ tão! eus três ve zes Sn to mo r qui nes te u œ gr; e_o P r & # # œ œ # m m í so se_ bre_em sor ri so, p r_ co her Sempre novo eu me egro qundo venho Pr ceebrr no Sntuário do Senhor: É Terr Snt, chão sgrdo on piso: endito o povo reunido em Seu mor! Qunt egri no meu corção! Mesmo cnsdo do psso nddo, bençodo me sinto então! eus três vezes snto mor qui neste ugr, o Príso se bre, em sorriso, Pr coher os que vêm ouvr! Sou peregrino, estou sempre cminho, uscndo Terr Prometid, chão em for... qui ceebro fé em eus e me renovo: endito o povo reunido em Seu mor! 3. Tenho sud sse tempo sertneo, Vivo com fome e se Nosso Senhor! eiz quem encontr em eus su forç: endito o povo reunido em Seu mor! 4. Jerusém, id Snt é o Juzeiro, On os romeiros vêm cntr o seu ouvor, Peregrinndo em romri o no inteiro: endito o povo reunido em Seu mor! 6 os que vêm ou vr!

5 œ œ ião 3. óri eus! (Hino Louvor) & 2 4. bœ. # ( n ) ó ri_ eus á ns tu rs e pz n ter r às su s cri & Œ # m rs! 1 b nos Texto: N Músic: Ir. Miri T. Koing tu ó ri_ eus tos céus, pz n ter r_ seus m dos! & Œ # œ œ vós ou vm, Rei ce es te, os que fo rm i ber t dos! in: Œ &. bœ b... mém, mém, mém! óri eus nos tos céus, Pz n terr seus mdos! vós ouvm, Rei ceeste, Os que form ibertdos! óri eus á ns turs, pz n terr às sus criturs! in: mém, mém, mém! (bis) eus e Pi, nós vos ouvmos, dormos, bendizemos; mos góri o vosso nome, Vossos dons grcemos! mém, mém, mém! 3. Senhor nosso, Jesus risto, Unigênito do Pi, Vós, eus oriro Snto, Nosss cups perdoi! 4. Vós, que estis unto do Pi, omo nosso intercessor, cohei nossos pedidos, teni nosso cmor! 5. Vós somente sois o Snto, O tíssimo, o Senhor, om o spírito ivino, e eus Pi no espendor!

6 œ (Vsedo) 4. O usto, qu pmeir... (Smo responsori) Texto: Smo 91 Músic: Ir. Miri T. Koing & b3 4 q.. # nœ _ œ.. _. # ĵ _. _. O us to, qu p mei r, fo ri rá! & b m m Œ ( ).. _ Smodi: 1 o mo_é bom gr cer mos o Se nhor, & b Œ m m œ. œ œ nœ. e cn tr s mos ou vor o eus tís si mo! & b Œ m. b º. œj m nun ci b r pe & b Œ Œ.. Œ o vos so_ mor fi e noi te_in tei r! m nhã vos s bon d O usto, qu pmeir forirá! Smodi (S 91): omo é bom grcermos o Senhor cntr smos ouvor o eus tíssimo! nuncir pe mnhã voss bond, o vosso mor fie noite inteir! O homem usto crescerá como pmeir, orirá igu o cedro que há no Líbno; N cs do Senhor estão pntdos, Nos átrios meu eus forescerão. 3. Mesmo no tempo d vehice drão frutos, heios seiv e fohs verntes; dirão: É usto mesmo o Senhor eus: Meu Rochedo, não existe nee o m!" Obs.: Outrs opções, com smodi conforme Liturgi ds hors: Refrão 2: Senhor, em voss cs hbitrei! (Smo 23) Refrão 3: Senhor, eu cntrei o vosso mor! (Smo 144) 8

7 Xote 5. eui (cmção o vngeho) Ir. Miri T. Koing & # #2 4 # m m m _ œ. # œ e u i, e u i! Lou vor ê gó ri_ Ti, Se nhor Je & # # # m m # # m m sus, P vr_ ter n, i ho_ m do eus Pi, que re mos ============ & # #. 6 _ = voz! e, e u i! & # # W m # W (Versícuo): Meus migos, egrivos e exuti e gri, porque será grn voss recompen s no céu. ho e_ou _ vir tu eui, eui! Louvor e góri Ti, Senhor Jesus, Pvr tern, iho mdo eus Pi, Queremos hoe ouvir tu voz! e, eui! Versícuo: Meus migos, egrivos e exuti egri, Porque será grn voss recompens no céu! (Mt 5,12) 9

8 ião & # _ V _ mos pre p 6. endito ses, ó Senhor (Oferends) rr me s s _ t ri c n tu re z, p _ r_ Ir. Miri T. Koing fes t & # m mor. Nes tes dons do pão e vi nho, for ç_e vi d no c mi nho! is & # _ bên ção do Se nhor! en _ m di to se s, ó Se nhor, eus do_u ni ver so, pe os & # m n # º dons que re ce be mos, gr ç_e bên ção tus mãos! m nos ss mãos, o do com pro # # m & m _ ( ) Œ mis so d pr ti h. So mos u m só _ f mí Vmos preprr mes st ric nturez, Pr fest do mor! Nestes dons do pão e vinho, forç e vid no cminho: is bênção do Senhor! _ i, so mos po vo ir mãos! endito ses, ó Senhor, eus do universo, Peos dons que recebemos, grç e bênção tus mãos! m nosss mãos, o compromisso d prtih: Somos um só fmíi, somos povo irmãos! É o pão que nos sustent, é o vinho que iment Noss vid em comunhão! orpo e Sngue d inç, que vid nos cnç, z nós um povo irmão! 10

9 œ œ œ œ œ ião. Snto! ( repetição) Músic: Ir. Miri T. Koing & # #2 4 _ Sn. œ { { to, Sn to, Sn to, Se nhor eus do u ni ver so! ver so! O & # m # nœ œ œ œ œj œ J œj { { {. céu e ter r pro c mm vos s gó ri! O gó ri. Ho & # #. œj ns tu rs! Ho......tu rs! en di.. œj { { to O que vem em & # # _ m nœ œ œ { { no me do Se nhor! en... nhor! en di to_o que vem em s no me & # # œ J œj œj.. { { œj { Œ nhor! en......nhor! Ho s n ns tu rs! Ho......tu rs! n do Se Snto, Snto, Snto! Senhor eus do universo! (bis) O céu e terr Procmm voss góri! (bis) Hosn ns turs (bis) endito O que vem m nome do Senhor! (bis) endito O que vem m nome do Senhor! (bis) Hosn ns turs! (bis) 11

10 œ œ œ (Ritmo ivre) 8. Por risto... (oxoogi) Músic: Ir. Miri T. Koing m m & W m m W W Pres.: Por risto, com risto, em risto, vós, eus Pi todopo roso, n unid do spírito Snto, m ============= & W W tod honr e tod góri, gor e pr sempre! ião & 2 m 4 _.. m _. ss.: ris to_é_o nos so_ mém, mém, ============= & m.. Ĵ œ { œ mém, mém! Pi, mém, _ mém! mém, p r_ gó ri eus Pi, risto é o nosso mém, mém, mém, Pr góri eus Pi, mém, mém! (bis) 12

11 œ œ œ_ œ œ œ_ œ_ œ œ _ œ_ œ œ_ œ œ_ œ œ œ_ œ œ_ œ Tod sertne 9. Venhm à mes! (omunhão) Letr e músic: Ir. Miri T. Koing & # # # 4. 1 Ve nhm à me s s t Sn t_u c ris ti, Pão d_ e & # # # _ # º # gri que s ci _o po vo meu! Ve nhm, f min tos, fr cos, po bres e se & # # # # m, # _ # n tos: sou no_ tr o i men to do mor, m ná do céu! & # # # œ_j œ_ œ œ_j œj œ œ œ_j œ_ œ œ Ĵ œj œ œ s t_é e i: pão p r_o po vo, me di d che i do vi nho? # # # _ œj œ œ Ĵ œ J œ œ _ œj œ œ J Ĵ œ œ œ & # # # œ œ_j œ_ œ œ œ # º / œ œ œ #œ œ œ_ # m œ_ œ_ œ_ œ_ œ_ no vo! So nho que so nh_o meu i vi no o r ção: o mu nhão que_é vi d? # # # n œ œ J œ œ œ œ œ œ #œ œ #œ œ œ œ œ œ œ œ œ & # # # m œ œ œ_ œ_ œ œ œ œ # º _ œ_j œ_ œ œ œ œ œ œ œ œ pe n, p r to dos s v ção! So nho que sonh_o meu i vi no o r? # # # œ œ œ œ œ œ œ œ n œ J œ œ œ œ œ œ #œ œ œ œ # # # / & œ œ # m m œ_ œ_ œ_ œ_ œ œ œ œ œ œ œ œ Ó #.. in: m Ó ção: o mu nhão que_é vi d pe n, p r to dos s v ção! ção!? # # # œ œ œ œ œ œ œ œ œ œ _ _ œ œ œ œ œ_ _ Ó Ó 13

12 9. Venhm à mes (omunhão) Venhm à mes st Snt ucristi, Pão d egri que sci o povo meu! Venhm, fmintos, frcos, pobres e sentos: Sou no tr o imento do mor, mná do céu! st é ei: pão pr o povo, Medid chei do vinho novo! Sonho que sonh o meu ivino orção: omunhão que é vid pen, pr todos svção! (bis) Venhm, fitos e cnsdos sus ids: ste é o pão que tem do céu todo o sbor: Pão d sú, sou remédio, pen vid, Só u curo s ferids, doce ívio sou n dor! 3. Venh o perto e o onge, meus mdos, Todos bemvindos est ei, dom mior! Meu peito em chms, peo mor á incendido, eseoso se dr, pus em divino e snto rdor! 4. Venhm, ovehs do rebnho meu Pi, e su vid eu tomo cont, om Pstor. Quem está comigo, brigo tem, seguro vi, Junto às fontes águ viv u renovo o seu vigor. 5. Venhm Mim, e encontrrão tern Vid, Pois neste mundo, em meio às trevs, sou Luz! Meu orpo e Sngue são comid e bebid, imento o cminheiro que me segue té cruz!... 14

13 œ Modinh cnção & # m c º # m m. œj eus 10. eus nunc ixou... (Refrão ornte) i xou tr b ho sem Letr: Pe. ícero Romão tist Músic: Ir. Miri T. Koing & # œj # # ( ) º. Œ n m # # á gri ms, nem á gri ms sem con so ção! eus nem á gri xou ms, nem & # m m nem_ # m # #_. Œ sem re com pen s, á gri ms, nem nun c recom pen s, nun c i tr b ho á gri ms sem con so ção! eus nunc ixou trbho sem recompens, Nem ágrims, nem ágrims, Nem ágrims sem consoção! eus nunc ixou trbho sem recompens, Nem ágrims, Nem ágrims sem consoção! 15

14 Xote & # m m 2 4 { _ s tá no 1 stá no céu! (Louvor fin) céu, es tá no céu; meu stá no céu, está no céu, Meu Pdim iço está com eus, Nosso Senhor! (bis) do seu povo é pdrinho e protetor! P dim i ço_es tá com Ir. Miri T. Koing & # m _ m m _ # m { nhor! s tá no......nhor, _e do seu po vo é p dri nho_e pro te tor! & # m m 1 u á s bi que_e r sn to meu P dim: só fez ô bem, sem ver & # œ m m m _ n.. quem! S cri fi cou su vi d, pe o po vo, co mo fez Je sus, que mor reu n & #. m m # cruz, e res sur giu em uz: mor _ per dão c pz _ mr té o fim! eus, _ Nos _ so Se u á sbi que er snto meu Pdim: Só fez o bem, sem ver quem! Scrificou su vid peo povo, como fez Jesus, Que morreu n cruz, e ressurgiu em uz: mor perdão cpz mr té o fim! Um di históri ess verd irá sber: stá no céu, pois snto é... rá ustiç quem foi usto e fenu vid dos irmãos, Pobre ergueu do chão, todos u mão, prometeu por nós eus intercer! 16

15 _ œ œ œ œ_ œ_ œ_ œ œ_ œ œ_ œ œ œ_ œ_ œ_ œ_ œ œ œ œ œ œ (Modinh) & # #2 4 _ # m Œ Mãe eus, 1 Orção Noss Senhor ds ores Mãe so be m r n, Mãe ds o res, Letr: Pe. ícero Romão tist Músic: Ir. Miri T. Koing e_ho e p r & # # # m. _ sem pre_eu me en tre go_ vós, co mo fi ho_e ser vo. on s gro_o vos so ser & # # # º m m m # vi ço_ mi nh m, o meu cor po e tu do que me per ten ce. & # # Ĵ œ œ œ_ œ_ œ_ œ œ J œ œ œ_ œ_ œ œ_ ben ço i mi nh f mí i, os meus tr b hos, meus h ve res. & # # # m œ œ _ Ĵ œ_ Ĵ nœ_. J œ_ œ_ œ_. œ J Se #œ_ mi nh pro œ_ te #œ_ to r œ_ n vi d e con du zi me_o céu, & # # œ # m œ m œ_ œ_ #œ œ œ œ.. Ĵ in: œ_ œ_ œ J œ œ r vi ver fe iz, œ_ J p r vi ver fe iz por to d e ter ni d. & # #. Ĵ œ mém, mém! œ _ mém, _ ĵ mém! p Mãe eus, Mãe sobern, Mãe ds ores, e hoe pr sempre eu me entrego vós, como fiho e servo. onsgro o vosso serviço minh m, o meu corpo, e tudo que me pertence. bençoi minh fmíi, os meus trbhos, meus hveres. Se minh protetor n vid e conduzime o céu, pr viver feiz, pr viver feiz, por tod eternid! (bis) in: mém, mém! mém, mém! 1

16 œ œ œ Xote 13. Quem bebeu, não beb mis!... Ir. Miri T. Koing & bb b 2 m m 4. m. Œ œ b.. b Œ { Quem be beu, não be b mis! Quem m tou, não m te mis! Quem & bb m b m m b m. œ. bou, não rou be mis! Quem men tiu, não min t mis! Quem pe & bb b Œ œ m œ œ œ b { { Quem be......mis! b Nin guém po ter bom fim, cou, f zen do_o & bb b b m m { mão; nin guém po ser fe iz, sem con ver ter seu co r ção! não m pe Nin guém... ter & bb b Œ #.. Œ _ #. m { {. _ m _ ção! É fe iz quem fz o & bb m b m m Œ _ m { _ mor nos vem eus: so mos to dos bem, fi hos e seus! n ter r_o É fe... céu...seus! á o que seu seu tem! mis! co O rou ir r "Quem bebeu, não beb mis! Quem mtou, não mte mis! Quem roubou, não roube mis! Quem mentiu, não mint mis! Quem pecou, não peque mis!" (bis) (Pe. ícero Romão tist) Ninguém po ter bom fim, zendo o m o seu irmão! Ninguém po ser feiz, Sem converter seu corção! (bis) É feiz quem fz o bem, n terr o céu á tem! O mor nos vem eus: Somos todos fihos seus! (bis) 18

17 œ œ horinho 14. Meu Pdim!... Ir. Miri T. Koing & # m m m 2 4. m 1 Meu P dim, eu vou cn tr teu eus, eus que te fez s sim & # m m # m. tão hu m no, tão bom, p r_o po vo um dom! Meu P dim, u & # m º m vou ou vr bres, teu eus, do_in fe iz pro # te eus que te & # # m m m œ œ œ œ œ tor Meu fez P tão dim, no tu vi d bre, o bên ção m & # m º ( œ # º ) # # _ Meu P dim, és nos so n o pz! o r ção Je sus & # m # m # te en cheu su uz, fez ti bom_ ps tor! p dri nos nho trz! dos po no co r ção teu o fi pr finizr m m m.. & # m á se_en con tr o céu: És mi gre do_ mor! & # fi in: m m œ J És mi gre do_ mor, és mi gre do_ mor, do_ # mor! Meu Pdim, u vou cntr teu eus, eus que te fez ssim Tão humno, tão bom, Pr o povo um dom! Meu Pdim! u vou ouvr teu eus, eus que te fez tão nobre, O pdrinho dos pobres, o infeiz protetor. Meu Pdim, Tu vid bênção nos trz! Meu Pdim, És nosso no pz! orção Jesus Te encheu su uz, ez ti bom pstor! no corção teu, Já se encontr o céu: És migre do mor! Meu Pdim, ntr tu vid eu vou, Vou feiz, porque sei Que o mor, tu ei, Pr o céu te evou!... Meu Pdim, Trind eu vou cntr, n voz do meu cnto, e eus o povo snto Louv Quem te criou! in: És migre do mor, és migre do mor, do mor! 19

18 œ œ Tod & # # # 2 4 _. _. _. _ 1 Nos _ c _. mi nhos 15. Noss Senhor ds nis _. do Ju zei rô _. nin _ guém _ nun _ c Ir. Miri T. Koing & # # # Œ. # m # m _ I u mi n_o c mi nhei ro _ # â c & ## # Œ _. # m céu! Mãe eus, Mãe ds n is, Lu mi nu r_és Je sus! & # # # œ # º / œj. œ œ Nos sos ps sos tu c re is o' di vi n,_e ter n Luz! Nos cminhos do Juzeiro Ninguém nunc se peru: Iumin o cminheiro cr uz que nos vem á do céu! Mãe eus, Mãe ds nis, Luminur és Jesus! Nossos pssos tu creis o' divin, etern Luz! Nos cminhos st vid Tu sozinho nunc estás: N chegd e n prtid, É Mãe que o fiho sempre ev e trz! 3. Quem cminh com Mri, É feiz, mesmo n dor; e Jesus não se svi, Pois seu cminho é feito mor! 4. Ó Senhor ds nis, Nos crei o corção: Se grç e uz és chei, Teus fihos ivr d escuridão! _ r uz _ que #_ nos _ se _ vem _ per á _ u: _ do 20

19 œ œ œ ião 16. Juzeiro, prbéns! Ir. Miri T. Koing & b2 m 4 b _ 1 Ju zei ro,_és um mi gre Je sus, Nos so Se nhor, pr mos & b trr o mun do_in tei ro que há vi d no ser tão; u m vi d que se & b b m m m b bre_à_e ter ni d do mor: quem pro fe ti zou foi e e, P dre & b / b Ro mão! Ref.: Meu Ju í ce ro zei ro, se á são teus nos cem, Mi te & b m m #_ b m b _ se m os ro mei ros que_ qui vêm! o Nor s te_in tei ro tu és nos so m ior & b m..... bem! in: P r. béns, p r béns, Juzeiro, és um migre Jesus, Nosso Senhor, Pr mostrr o mundo inteiro que há vid no sertão; Um vid que se bre à eternid do mor: Quem profetizou foi ee, Pdre ícero Romão! Meu Juzeiro, se á são teus nos cem, Mi te sem os romeiros que qui vêm! o Norste inteiro tu és nosso mior bem! in: Prbéns, prbéns, prbéns! Juzeiro, governdo peo "sábio do sertão", Não scuis dos teus pobres: tu riquez e teu vor! Seu refúgio em ti encontre sofrid mutidão, Pois cohes tod gente, n egri e n dor! 3. Juzeiro, tu nsceste à sombr do ver uá; ontinus chão sgrdo, Pdim iço ssim te fez. És cs do "pdrinho", e como o mr do erá, O infinito ti se bre, como o eus em quem tu crês! 4. Juzeiro, teus princípios obeçm os eus, Pr que tenhs sempre bênção e um povo em pz, feiz! Peregrinos neste mundo cminhndo pr os céus, ihos somos st terr, em ti está noss riz! p r béns!

20 œ œ œ œ Mrchrncho Não vês, não vês?... (Inspirdo nos preceitos ecoógicos do Pdim iço) Ir. Miri T. Koing & c m _ 1 Não vês s nu vens ps sen do á no céu, i vres e so ts r r mn do_á gu no & m # # œ œ œ # chão?... Não vês s fo res que se brem no r dim, co brin do_ ter r be e z_em co res & bœ b º œ œ m mi?... Não vês pn t ger mi nr, cre cer, fo rir, se_en cher fru tos v ri do_e bom s & m _.. # m. m #. bor?... Não vês, não vês, não vês? Não vês mão eus que tu do fez?... Ref.: mãe n tu re z & # m sen te,_é dom eus! Res pei to_e cui d do pr com e ves ter... se que res ser fe iz, nos so m & œ œ œ m œ œ # (n) bœ m m _ ri dor ben diz, pois tu do_ e_é u tor e tm bém o Se nhor, e_o homem ser vidor, e_o homem m ========= & m # = ser vi dor do seu mor! é pre Não vês s nuvens pssendo á no céu, Livres e sots rrmndo águ no chão?... Não vês s fores que se brem no rdim, obrindo terr beez em cores mi?... Não vês pnt germinr, crescer, forir, Se encher frutos vrido e bom sbor?... Não vês, não vês, não vês?... Não vês mão eus que tudo fez?... Não sperdices águ, mior bem, Nem sues rios, mres e gos, terr e chão... Tmbém não queimes o roçdo, pntção, O nosso ver é preciso preservr! eix que vivm su vid os nimis, Protege os morros, s irs, cmpo em for: Não vês, não vês, não vês?... Não vês mão eus que tudo fez?... mãe nturez é presente, é dom eus, Respeito e cuiddo pr com e ves ter... se queres ser feiz, nosso ridor bendiz, Pois tudo e é utor e tmbém o Senhor; o homem, servidor; o homem, servidor do Seu mor! 22

21 œ œ Tod sertne 18. d r, um sntuário eus! Ir. Miri T. Koing & # m 2 4 b _ b º 1 Mi nh c si nh, rn cho sim pes á no_ gres te, _ e gri _e uz se & # m _ ves te: Sn tu á rio é eus! Se n ro ç, n _ #_ # ci d,_em to do & # m m œj œ J # cn to, c d r é um re cn to Je sus, nos so Se nhor! oi "P dim vi d_u m_o r ção! m c d s, um # tr! & # œ J m m i ço" que_en si nou nos ss f mí is re zr e_ tr b hr, f zer d # & #_ m # d quin t, u m_o fi & # m œ œ œ œ # º / ci n! o nos so r, um o r tó rio, & # m m sus e M ri! Tr b ho_e & # # m n # º / { œ "O re co mo se fos se ho e mor rr, e tr b he co mo se nun c & # Œ Œ m œ { fos se mor rer!" P dim_ i in: _ ço,...rer! #_ ben ço Lá do s o f r sob o_o m _ ção! to d mí is, hr Tr o dos nos so b o i ho_e n r r! o do ções r Je _ ção!" Hor to, m # & # / # m / # œ œ m m m # ============= & = ço s f mí is, nos so r! ben 23

22 18. d r, um sntuário eus! Minh csinh, rncho simpes á no greste, e egri e uz se veste: Sntuário é eus! Se n roç, n cid, em todo cnto, d r é um recnto Jesus, Nosso Senhor! oi Pdim iço que ensinou nosss fmíis rezr e trbhr, zer d vid um orção! m cd s, um tr! d quint, um oficin! o nosso r, um ortório, Sob o ohr dos orções Jesus e Mri! Trbho e orção! Trbho e orção! Ore como se fosse hoe morrer, trbhe como se nunc fosse morrer! (bis) (Pdre ícero) in: Lá do to d oin do Horto, Pdim iço, benço s fmíis, nosso r! benço s fmíis, nosso r! Minh fmíi, mesmo pobre e most, Tem o corção em fest, Qundo pis este chão!... É dom sgrdo, bênção forte, ção divin, Luz eus que iumin nossos pssos e o viver! om Pdim iço, nosso snto bom d cs, Oficins e tres São trbho e orção!. 24

23 Índice Nº Títuo Págin Se bemvindo, migo()!... 5 Sempre novo eu me egro (ntrd) óri eus (Hino ouvor) O usto, qu pmeir... (Smo responsori) eui (cmção o vngeho) endito ses, ó Senhor (Oferends) Snto Por risto... (oxoogi) Venhm à mes (omunhão) eus nunc ixou... (Refrão ornte) stá no céu! (Louvor fin) Orção Noss Senhor ds ores Quem bebeu, não beb mis! Meu Pdim! Noss Senhor ds nis Juzeiro, prbéns! Não vês, não vês d r, um sntuário eus! São Puo, 2013 Letr e músic: Ir. Miri T. Koing emi: ditorção ds prtiturs: ncore urivdo Siv erreir emi:

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

«G ˆ ˆ ˆ. l ˆ«. ˆ«======================== & 2 fi C ˆ ˆ««G7 ======================== & ˆ«. ˆ«======================== & ˆ«

«G ˆ ˆ ˆ. l ˆ«. ˆ«======================== & 2 fi C ˆ ˆ««G7 ======================== & ˆ«. ˆ«======================== & ˆ« 1) Hoe é festa diferente (bertura) (ountry) ======================== & 2 fi 4. = 1 Ho e_é ( "eebrações speciais" nº 3 Pauus) es O céu em minhas mãos Missa de Primeira ucaristia ta di fe ren te pra quem

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

P Á S C O A. 1. HOJE É DIA DE FESTA Abertura ========================== j « Vem C ˆ «. ˆ ˆ ˆ«««« res-

P Á S C O A. 1. HOJE É DIA DE FESTA Abertura ========================== j « Vem C ˆ «. ˆ ˆ ˆ«««« res- ix 1 P Á S O 1. HOJ É I ST bertur L.: Mri Pu Rodrigues M.: urivdo S. erreir & b m 4. œ J Ó R.: Ho e é di fes t e e gri! Vem cn tr, & b. vem cn tr: é fes t d res sur rei ção! Vem cn tr, & b. Œ _ vem cn

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

CD MOSTRA-ME TUA GLÓRIA - 1. ELE REINARÁ INTR: E B/E C#m B E/G# A9 E B A E B A IGUAL A TI JESUS OUTRO NÃO HÁ E B A CHEIO DE GLÓRIA E PODER

CD MOSTRA-ME TUA GLÓRIA - 1. ELE REINARÁ INTR: E B/E C#m B E/G# A9 E B A E B A IGUAL A TI JESUS OUTRO NÃO HÁ E B A CHEIO DE GLÓRIA E PODER CD MOSTR-ME TU LÓRI - 1. ELE REINRÁ INTR: E B/E C#m B E/# 9 E B E B IUL TI JESUS OUTRO NÃO HÁ E B CHEIO DE LÓRI E PODER C#m7 B E/# TEU REINDO NÃO VI TER FIM E B E B COM TEU OLHR DE FOO VENS PR REINR E

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Cantarei ao meu Senhor (Caderno de Partituras) Letra e música: Ir. Miria Therezinha Kolling, ICM

Cantarei ao meu Senhor (Caderno de Partituras) Letra e música: Ir. Miria Therezinha Kolling, ICM antarei ao meu Senhor (aderno de Partituras) Letra e música: Ir. Miria Therezinha Koing, IM 2012 antarei ao meu Senhor... Quando os tambores e batuques africanos começaram a soar soenemente, anunciando

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

COMUNHÃO E PARTICIPAÇÃO. ****** TRANSPONDO PARA Bm

COMUNHÃO E PARTICIPAÇÃO. ****** TRANSPONDO PARA Bm COMUNHÃO PRTICIPÇÃO rquidiocese de Goiânia OMINGO RMOS 01 de abril de 2012 no XXIX **** CLMMOS O CRUCIICO **** 1 BRTUR QUNO JSUS S PROXIMOU (38º Curso - mar/09) - Pag. 06 - aixa 02 Tom original: Sugerimos

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F DUS INFINITO utor: Marília Mello Intro: F / /D Db F / /D Db F m b F Senhor eu te apresento o meu coração m b F u coloco toda minha vida em tuas mãos b /b m Dm Porque sei que tudo sabes de mim, Senhor b

Leia mais

Hino da CF 2010 ====================== & 2 C. ci - por ======================= ˆ ˆ ˆ ˆ««« ˆ ˆ« ====================== & œ ««« mui - to

Hino da CF 2010 ====================== & 2 C. ci - por ======================= ˆ ˆ ˆ ˆ««« ˆ ˆ« ====================== & œ ««« mui - to œ ====================== & 2 4 Œ = Refr.: Je sus ci v por pri mei ro um Rei no de jus ti ç_e seus v o res: "Vós não po deis ====================== & = Deus e o di nhei ro e mui to gr 1. =======================

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

Cantos para Quaresma (Ano A 2011)

Cantos para Quaresma (Ano A 2011) ORAÇÃO DA C 2011 Senhor Deus, nosso Pi e Cridor. A beez do universo reve voss grnz, A sbedori e o mor com que fizestes tods s coiss, E o eterno mor que tenr por todos nós. Pecdores que somos, não respeitmos

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira SÊNECA Sobre os enganos do mundo fotos Olegario Schmitt 3 são paulo 2011 Quem se la men ta de que al guém te nha mor ri do se la men ta de ter nas

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Encontro de Liturgia e Canto Pastoral 2010

Encontro de Liturgia e Canto Pastoral 2010 ncontro de Liturgi e nto Pstor 2010 ucristi, Pão d Unidde dos iscípuos Missionários ic conosco, Senhor! oordenção: Irmã Míri T. Koing oborção: ndré Zmur Loc: t: ÍNI 2010 Nº Títuo Pág. cohid eiz estou...

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

PESCADOR. Introdução: A E D E (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção. E qual é o meu destino, minha vocação

PESCADOR. Introdução: A E D E (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção. E qual é o meu destino, minha vocação PSCDOR Introdução: D (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção D qual é o meu destino, minha vocação Carregar tua palavra, qualquer direção Dm Dm chamar outras almas, em outros mares pescar Pescador

Leia mais

1 - NOITE FELIZ (Franz Gruber) não tem no CD

1 - NOITE FELIZ (Franz Gruber) não tem no CD 1 - NOIT LIZ (ranz Gruber) não tem no C (introdução) 7 m m/c# G 7 G G G Noite feliz, noite feliz 7 G Ó Senhor, eus de amor C G Pobrezinho nasceu em Belém C G is na lapa Jesus, nosso bem 7 m m/c# orme em

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

Missa - 10/5/2015. Entrada

Missa - 10/5/2015. Entrada Missa - 10/5/2015 ntrada m F#m 1. Todos unidos formamos um só corpo, um povo que na Páscoa nasceu. G Membros de Cristo, no sangue redimidos, Igreja peregrina de eus. m F#m Vive conosco a força do spírito,

Leia mais

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ SEIA 23 DE JUNHO 2013 ENTRADA NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, POVO SACERDOTAL, IGREJA SANTA

Leia mais

As Crianças Cantam o Tempo Comum

As Crianças Cantam o Tempo Comum s rinçs ntm o Tempo omum Pequenos ntores uritib PR Vi Ver I Regênci: Ir. ustódi M. rdoso, II ÍNI orção crinç (Ir. isbete T. do Prdo) 1. orção crinç... 03 2. Perdão... 04 3. óri... 05 4. cmção... 06 5.

Leia mais

É tempo de recomeçar. Ir. Custódia Cardoso e Coral Pequenos Cantores de Curitiba

É tempo de recomeçar. Ir. Custódia Cardoso e Coral Pequenos Cantores de Curitiba É temp de recmeçr Ir. Custódi Crds e Cr Pens Cntres de Curitib ÍNIC 1. uz vi Brihr...3 2. Perdã, Senhr...4 3. Cr d dvent...5 4. Sm respnsri 9...6 5. eui... eus ns f... 6. É temp de grç...8. Snt é Senhr...9

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia)

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia) Vamos adorar a Deus //: SI LA SOL LA SI SI SI LA LA LA SI SI SI SI LA SOL LA SI SI SI LA LA SI LA SOOL SOOL :// Vamos adorar a Deus, Meu Senhor e Salvador Vamos adorar a Deus, com o nosso louvor. B I S

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná.

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Advo ga dos Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Man da do de Se gu ran ça 768.003-5 Jul ga men to: Órgão Espe ci al. Rel.:

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

«««««======================== «««««««j ˆ«««ˆ ˆ«

«««««======================== «««««««j ˆ«««ˆ ˆ« œ Meu craçã, um presépi Missa d Nata cm crianças 1) Os sins estã badaand (ntrada) Letra e Música: Maria Sarnberg & # # # 2 4 _ œ _ Os si ns es tã ba da an d, bim, bim. Os an ji nhs es & # # # º tã can

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

AS CRIANÇAS CANTAM. Primeira Eucaristia e Celebrando com Maria. Pequenos Cantores de Curitiba - PR (Vila Verde CIC)

AS CRIANÇAS CANTAM. Primeira Eucaristia e Celebrando com Maria. Pequenos Cantores de Curitiba - PR (Vila Verde CIC) S CRINÇS CNTM Primeir ucristi e Ceebrndo com Mri Pequenos Cntores de Curitib PR (Vi Verde CIC) Regênci: Ir. Custódi M. Crdoso, CIIC ÍNIC Primeir ucristi Jesus, meu migo (Ir. isbete T. do Prdo, CIIC) 1.

Leia mais

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA Som da Vila Cifras e Fichas Técnicas Músicas 1. Nosso Louvor... 3 2. És... 4 3. Toda Honra, Glória e Louvor... 5 4. Agora e Sempre... 6 5. Àquele que pode... 7 6.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

1-SANTÍSSIMA TRINDADE

1-SANTÍSSIMA TRINDADE Ordinário 1-SANTÍSSIMA TRINDADE A E7 A A7 D BM A E7 A EM NOME DO PAI, EM NOME DO FILHO, EM NOME DO ESPÍRITO SANTO, ESTAMOS AQUI. (BIS) D E C#M F#M BM E7 A D E C#M F#M PARA LOUVAR E AGRADECER, BENDIZER

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

XV DOMINGO DO TEMPO COMUM

XV DOMINGO DO TEMPO COMUM XV DOMINGO DO TEMPO COMUM Jesus chamou os doze Apóstolos e começou a enviá-los dois a dois 1. Admonição de entrada 2. Entrada: Em nome do Pai Refrão: Em nome do Pai, em nome do Filho, em nome do Espírito

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

01 C À tua presença. C D- À Tua presença venho, SENHOR, C G. Com reverência, pois Tu és Deus; C F E assim poder receber

01 C À tua presença. C D- À Tua presença venho, SENHOR, C G. Com reverência, pois Tu és Deus; C F E assim poder receber 01 C À tua presença C - À Tua presença venho, SNHOR, C Com reverência, pois Tu és eus; C F assim poder receber C o que Tu tens para mim, F F- C assim também entregar o que há em mim. C Quero exaltar Teu

Leia mais

O Senhor, minha festa

O Senhor, minha festa O Senhor, minha festa (aderno de Partituras) 35 anos de música itúrgica (coetânea) Ir. Miria T. Koing Índice Nº Títuo Página O Senhor, minha esta (Introdução)... 34 Missa da izade (191) 1 Vamos aminhando

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós.

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós. Lausperene Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos

Leia mais

Cantos para o Tempo Pascal Inicio da Missa O Senhor ressurgiu! Letra e Música: Pe. Ney Brasil

Cantos para o Tempo Pascal Inicio da Missa O Senhor ressurgiu! Letra e Música: Pe. Ney Brasil Inicio da Missa O Senhor ressurgiu! Letra e Música: Pe. Ney Brasil C Em F C... O Senhor ressurgiu,... Aleluia, aleluia! F Dm Dm7 G...É o Cordeiro Pascal,... Aleluia, aleluia! C Em F C Imolado por nós,...

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta QUÓ RUM ACA DÉ MI CO Vol. 11 Nº 1, ene ro-junio 2014, Pp. 11-23 Uni ver si dad del Zu lia ISSN 1690-7582 En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta Ma ría Eli

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

LIVRO DO DESASSOSSEGO

LIVRO DO DESASSOSSEGO Fernando Pessoa LIVRO DO DESASSOSSEGO composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa organizaçã0 Richard Zenith 3 a edição Copyright 2011 by Assírio & Alvim e Richard Zenith

Leia mais

DA INSOLÊNCIA À OBEDIÊNCIA Alterações nas atitudes dos despossuídos (1900-1945)

DA INSOLÊNCIA À OBEDIÊNCIA Alterações nas atitudes dos despossuídos (1900-1945) ENSA I O DA INSOLÊNCIA À OBEDIÊNCIA Alterações nas atitudes dos despossuídos (1900-1945) Eduardo Cintra Torres Aquela onda de insolência A che ga da do ca pi ta lis mo aos cam pos e o cres ci men to do

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

9.Mais Alto Apresent. Oferendas. 7.Quero ouvir Tua Palavra Aclamação C Am7 Quero ouvir tua palavra. 8. Sê Bendito, Senhor, para sempre

9.Mais Alto Apresent. Oferendas. 7.Quero ouvir Tua Palavra Aclamação C Am7 Quero ouvir tua palavra. 8. Sê Bendito, Senhor, para sempre antos Tempo Quaresmal 2014 É para a liberdade que risto nos libertou (l. 5, 1) 1.Hino da 2014 anto de ntrada e inal Bm m D É para a liberdade que risto nos libertou, #m Bm Jesus libertador! #7 Bm É para

Leia mais

Vou Louvar Álbum TEMPO DE DEUS DE Luiz Carlos Cardoso

Vou Louvar Álbum TEMPO DE DEUS DE Luiz Carlos Cardoso Vou Louvar DE Luiz Carlos Cardoso EM LUTAS OU PROVAS, TRIBULAÇÕES EU SEMPRE ORO E LOUVO AO SENHOR AO LADO DE JESUS CERTA É A VITÓRIA ELE É O LIBERTADOR NÃO TEMEREI MAL ALGUM NO MEIO DO LOUVOR ESTÁ O SENHOR

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança M. J. Ryan O poder da autoconfiança Para a verdade, a beleza e a sabedoria que existem em cada um de nós. E, em particular, para Dawna Markova, que me ensinou a cultivar essas qualidades. Confie em si

Leia mais

Análise sobre a (não) caracterização do crime de racismo no Tri bu nal de Justiça de São Paulo

Análise sobre a (não) caracterização do crime de racismo no Tri bu nal de Justiça de São Paulo Análise sobre a (não) caracterização do crime de racismo no Tri bu nal de Justiça de São Paulo Anal y sis of the (non) char ac ter iza tion of the crime of rac ism in São Paulo Court of Jus tice Simone

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público Pedro, Tiago, João no barquinho Os três no barquinho no mar da Galiléia Jogaram a rede Mas não pegaram nada Tentaram outra vez E nada

Leia mais

Solenidade da Assunção de Nª Senhora. Ano B

Solenidade da Assunção de Nª Senhora. Ano B Solenidade da Assunção de Nª Senhora Admonição Inicial Cântico Inicial (Tu és o Sol) Refrão: Tu és o sol de um novo amanhecer! Tu és farol, a vida a renascer Maria! Maria! És poema de amor! És minha Mãe

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais

Nossa Senhora Chitãozinho & Xororó Cubra-me com seu manto de amor Guarda-me na paz desse olhar Cura-me as feridas e a dor me faz suportar

Nossa Senhora Chitãozinho & Xororó Cubra-me com seu manto de amor Guarda-me na paz desse olhar Cura-me as feridas e a dor me faz suportar Nossa Senhora Chitãozinho & Xororó Cubra-me com seu manto de amor Guarda-me na paz desse olhar Cura-me as feridas e a dor me faz suportar Que as pedras do meu caminho Meus pés suportem pisar Mesmo ferido

Leia mais