PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS E ARREDONDADOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS E ARREDONDADOS"

Transcrição

1 PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS E ARREDONDADOS Podem ser considerados como derivados do prisma, os modelos prismáticos com elementos circulares e arredondados. Figura 1 - Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Parte dos eixos isométricos o traçado da perspectiva isométrica dos modelos e sua representação em um prisma auxiliar, servindo como base de construção. O tamanho do comprimento, largura e altura desse prisma depende do modelo a ser traçado em perspectiva isométrica. Figura 2 - Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Prisma com elementos arredondados: c = comprimento I = largura h = altura Segundo Roberto Mattos, os elementos arredondados que aparecem no modelo têm forma de semicírculo. Para traçar a perspectiva isométrica de semicírculos, você precisa apenas da metade do quadrado auxiliar. Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 28

2 Veja abaixo o procedimento utilizado para o traçado desta perspectiva, de acordo com a proposta apresentada por Roberto Mattos: 1ª etapa - Trace o prisma auxiliar respeitando o comprimento, a largura e a altura aproximados do prisma com elementos arredondados. 2ª etapa - Marque, na face anterior e na face posterior, os semiquadrados que auxiliam o traçado dos semicírculos 3ª etapa - Trace os semicírculos que determinam os elementos arredondados, na face anterior e na face posterior do modelo 4ª etapa - Complete o traçado das faces laterais. 5ª etapa - Complete o traçado das faces laterais. Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 29

3 Na dia-a-dia, você encontrará peças e objetos que reúnem diversos elementos em um mesmo modelo. Segue abaixo alguns exemplos: Figura 3 - Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Os objetos representados vistos acima exibem chanfros, rebaixos, furos e rasgos. Até essa etapa da construção do seu conhecimento, você deverá estar apto a traçar qualquer objeto e isso se deve ao fato que a perspectiva isométrica desses modelos sempre partem de um prisma auxiliar e que obedece a sequência do procedimento (visto anteriormente). A seguir veja o desenho representado. É um modelo que trata-se também de diversos elementos: parte arredondada inclinada, furos e chanfros. Figura 4 - Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 30

4 Acompanhe abaixo o traçado da perspectiva isométrica do modelo acima, da 1ª à 4ª etapa: Agora é a sua vez! Represente a 5ª etapa: 5 Excelente! Se o seu traço ficou igual ao do modelo. Caso contrário, apague e refaça até obter um resultado satisfatório. Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 31

5 ATIVIDADE Atividade 01: Trace o modelo apresentado utilizando o reticulado da direita. Traçando todas as fases da perspectiva isométrica no mesmo desenho. Nota: o desenho deve ter ficado bem parecido com o modelo. Caso contrário, apague e faça de novo. Atividade 02: Observe e trace na malha a perspectiva isométrica do modelo que combina elementos paralelos, oblíquos e circulares. Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 32

6 Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 33

7 Atividade 03: Complete a frase no espaço indicado: O círculo, em perspectiva isométrica, tem sempre a forma parecida com. Atividade 04: Assinale com um X a alternativa correta. Na representação da perspectiva isométrica do círculo partimos da perspectiva isométrica: a) ( ) do retângulo auxiliar; b) ( ) da elipse auxiliar; c) ( ) do quadrado auxiliar; d) ( ) do círculo auxiliar. Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 34

8 Atividade 05: Ordene as fases do traçado da perspectiva isométrica do círculo representado na face da frente, escrevendo de 1 a 5 nos círculos. Atividade 06: Desenhe a perspectiva isométrica do círculo na lateral, partindo dos eixos isométricos traçados no reticulado. Atividade 07: Complete as 3ª e 4ª fases da perspectiva isométrica do círculo representado na face superior Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 35

9 Atividade 08: Complete a frase na linha indicada. Para traçar a perspectiva isométrica do cone partimos da perspectiva isométrica do. Atividade 09: Ordene as fases do traçado da perspectiva isométrica do cone na sequência correta, indicando de 1 a 5 nos círculos. Atividade 10: Assinale com um X a alternativa correta. Para traçar a perspectiva isométrica do cilindro partimos da perspectiva isométrica do: a) ( ) cone b) ( ) quadrado c) ( ) círculo d) ( ) prisma auxilia Atividade 11: Ordene as fases do traçado da perspectiva isométrica do modelo abaixo, escrevendo de 1 a 5 nos círculos. Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 36

10 Fonte: Mechanicalhandbook. Disponível em: < Acesso: 07 Março 2012, às 13h. UCG. Disponível em: < Acesso: 07 Março 2012, às 15h. Instituto Politécnico De Beja. Disponível em: < Acesso: 07 Março 2012, às 16h. Desenho Técnico Prof.ª Angélica Ferro P á g i n a 37

DESENHO TÉCNICO NOTAS DA AULA 02. Prof. André Rabelo

DESENHO TÉCNICO NOTAS DA AULA 02. Prof. André Rabelo DESENHO TÉCNICO NOTAS DA AULA 02 Prof. André Rabelo Perspectiva Meio de representar em um plano(2d), situações ou objetos tridimensionais. Isso sem perder a ideia de profundidade e relevo. Tipos de Perspectiva

Leia mais

EIXOS ISOMÉTRICOS. Docentes: Bruna Rocha João Victor Fazzan

EIXOS ISOMÉTRICOS. Docentes: Bruna Rocha João Victor Fazzan EIXOS ISOMÉTRICOS Docentes: Bruna Rocha João Victor Fazzan A fotografia mostra um objeto do mesmo modo como ele é visto pelo olho humano, pois transmite a idéia de três dimensões: comprimento, largura

Leia mais

1. Ordene as fases do traçado da perspectiva isométrica dos modelos, escrevendo os numerais de 1 a 5 nos quadradinhos.

1. Ordene as fases do traçado da perspectiva isométrica dos modelos, escrevendo os numerais de 1 a 5 nos quadradinhos. Perspectiva isométrica 1. Ordene as fases do traçado da perspectiva isométrica dos modelos, escrevendo os numerais de 1 a 5 nos quadradinhos. 2. Complete a frase na linha indicada. O círculo em perspectiva

Leia mais

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS Como estudado anteriormente, existem diferentes tipos de perspectiva (cônica, cavaleira e isométrica), veja a representação do cubo nas três perspectivas: Cada

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Desenho Mecânico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Introdução O desenho, para transmitir o comprimento, largura e altura, precisa recorrer a um modo especial de representação gráfica:

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Introdução Algumas peças apresentam partes arredondadas, elementos arredondados ou furos, como mostram os exemplos abaixo: parte arredondada furo

Leia mais

Mais de um corte nas vistas ortográficas

Mais de um corte nas vistas ortográficas Mais de um corte nas vistas ortográficas Introdução Dependendo da complexidade do modelo ou peça, um único corte pode não ser suficiente para mostrar todos os elementos internos que queremos analisar.

Leia mais

Perspectiva isométrica Identificar os elementos da perspectiva.

Perspectiva isométrica Identificar os elementos da perspectiva. EXERCICIO 1 Perspectiva isométrica Identificar os elementos da perspectiva. 1. Ordena as fases do traçado da perspectiva isométrica dos modelos numerando os quadradinhos de 1 a 5. 2. Completa a frase na

Leia mais

Projeção ortográfica de modelos com elementos diversos

Projeção ortográfica de modelos com elementos diversos Projeção ortográfica de modelos com elementos diversos A execução de modelos que apresentam furos, rasgos, espigas, canais, partes arredondadas etc., requer a determinação do centro desses elementos. Introdução

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica Introdução Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

Apresentação. Este é o terceiro e último livro do módulo

Apresentação. Este é o terceiro e último livro do módulo Apresentação Este é o terceiro e último livro do módulo de Leitura e interpretação de desenho técnico mecânico. Estudando as aulas deste livro - Dimensionamento -, você ficará sabendo como se lida com

Leia mais

DESENHO BÁSICO AULA 12

DESENHO BÁSICO AULA 12 DESENHO BÁSICO AULA 12 Cortes (continuação) Cortes: tipos Meio-Corte 1 Cortes: tipos Meio-Corte Cortes: tipos Meio Corte Sempre que a linha de simetria que atravessa a vista em corte for vertical, a parte

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 02 Projeção, vistas, diedros PROJEÇÕES Utiliza-se de projeções para comunicar a forma de um desenho 3D (três dimensões) em uma folha de papel (2D duas dimensões). São envolvidos

Leia mais

Caderno de exercício. Desenho 1

Caderno de exercício. Desenho 1 Caderno de exercício Desenho 1 Prof: Viviane Dorneles Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 1.1 Criando um desenho técnico O desenho é uma forma de linguagem usada pelos artistas. Desenho técnico é usado

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Perspectiva isométrica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Na aula anterior você aprendeu o traçado da perspectiva isométrica de um modelo simples: o prisma retangular. No entanto,

Leia mais

Projeção ortográfica e perspectiva isométrica

Projeção ortográfica e perspectiva isométrica Projeção ortográfica e perspectiva isométrica Introdução Para quem vai ler e interpretar desenhos técnicos, é muito importante saber fazer a correspondência entre as vistas ortográficas e o modelo representado

Leia mais

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 Desenho Técnico 2 Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte CORTES Em desenho técnico, o corte de uma peça é sempre imaginário. Ele permite ver as partes internas da peça. Na projeção em corte, a

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 06 Cotas, Símbolos. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 06 Cotas, Símbolos. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 06 Cotas, Símbolos 1. COTAGEM COTAGEM é a indicação das medidas das peças em seu desenho. Ao cotar você deve tentar imaginar se com as medidas representadas será possível

Leia mais

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA:

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA: PERSPECTIVA ISOMÉTRICA: Trata-se de uma projeção cilíndrica (paralela), em que o observador supostamente se encontra no infinito. Esta característica particular não permite que perspectiva apresente os

Leia mais

Desenho Técnico DETC1. Aula 10. Docentes: Adriana M. Pereira Bruna B. Rocha

Desenho Técnico DETC1. Aula 10. Docentes: Adriana M. Pereira Bruna B. Rocha DETC1 Aula 10 Docentes: Adriana M. Pereira Bruna B. Rocha Este prisma é limitado externamente por seis faces retangulares. As linhas estreitas que partem perpendicularmente dos vértices do modelo até os

Leia mais

Vistas auxiliares. Existem peças que têm uma ou mais faces A U L A. oblíquas em relação aos planos de projeção. Veja alguns exemplos.

Vistas auxiliares. Existem peças que têm uma ou mais faces A U L A. oblíquas em relação aos planos de projeção. Veja alguns exemplos. Vistas auxiliares Introdução Existem peças que têm uma ou mais faces oblíquas em relação aos planos de projeção. Veja alguns exemplos. Você deve estar lembrado que faces oblíquas não são representadas

Leia mais

Conceito Indica a proporção de grandeza entre o tamanho do desenho (definido layout) e o tamanho do objeto real representado.

Conceito Indica a proporção de grandeza entre o tamanho do desenho (definido layout) e o tamanho do objeto real representado. 5.Escala: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Conceito Indica a proporção de grandeza entre o tamanho do desenho (definido pelo tamanho do layout) e o tamanho do objeto

Leia mais

Leia com atenção antes de começar a fazer a prova

Leia com atenção antes de começar a fazer a prova CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA CEFET-SC / UNIDADE DE ARARANGUÁ Curso Técnico em Eletromecânica (TEM) DESENHO BÁSICO - prof. Andrei 2008 II SEGUNDA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA Aluno:

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo III Aula 03 Supressão de vistas em peças compostas As peças cilíndricas, ou que contêm partes cilíndricas, também podem ser representadas com

Leia mais

Desenho I - Iniciação ao desenho. Sumário

Desenho I - Iniciação ao desenho. Sumário Desenho I - Iniciação ao desenho Sumário Introdução 7 Desenho artístico e desenho técnico 8 Material de desenho técnico 11 Caligrafia técnica 16 Figuras geométricas 18 Sólidos geométricos 23 Perspectiva

Leia mais

Seção e encurtamento

Seção e encurtamento A U L A Seção e encurtamento Introdução Em desenho técnico busca-se, sempre, a forma mais simples, clara e prática de representar o maior número possível de informações. Você já viu como a representação

Leia mais

Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos Pearson Education do Brasil. Todos os direitos reservados.

Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos Pearson Education do Brasil. Todos os direitos reservados. Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos slide 1 reservados. Definição e Pré- Requisitos Ler um desenho significa entender a forma espacial do objeto representado O principal pré-requisito para fazer

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

Certas peças que têm superfícies oblíquas

Certas peças que têm superfícies oblíquas A UU L AL A Projeção com rotação Certas peças que têm superfícies oblíquas em relação aos planos de projeção, por convenção, são representadas por meio de outro tipo especial de projeção ortográfica: a

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2017 Aula 02 Projeção: tipos, vistas e diedros Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São

Leia mais

Supressão de vistas em peças compostas

Supressão de vistas em peças compostas A U L A Supressão de vistas em peças compostas Introdução As peças cilíndricas, ou que contêm partes cilíndricas, também podem ser representadas com supressão de uma ou duas vistas, desde que se utilizem

Leia mais

Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos:

Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos: Cotagem Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR 10126. Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos: Linhas de cota são linhas contínuas estreitas, com

Leia mais

Prof. Regis de Castro Ferreira

Prof. Regis de Castro Ferreira 1. INTRODUÇÃO As perspectivas são utilizadas para termos uma visão geral em três dimensões do objeto auxiliando na compreensão e execução do mesmo. As perspectivas se dividem em: 2. PERSPECTIVAS BASEADAS

Leia mais

Conjuntos mecânicos V

Conjuntos mecânicos V A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Conjuntos mecânicos V Introdução Os funcionários acharam importante a aula anterior porque puderam conhecer bem o calço-regulável e as diversas formas pelas

Leia mais

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS PRISMAS Os prismas são sólidos geométricos muito utilizados na construção civil e indústria. PRISMAS base Os poliedros representados a seguir são denominados prismas. face lateral base Nesses prismas,

Leia mais

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos A U L A Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Você já sabe que peças da área da Mecânica têm formas e elementos variados. Algumas apresentam rebaixos, outras rasgos,

Leia mais

Geometria Descritiva 28/08/2012. Elementos Primitivos da Geometria

Geometria Descritiva 28/08/2012. Elementos Primitivos da Geometria Geometria Descritiva Prof. Luiz Antonio do Nascimento ladnascimento@gmail.com www.lnascimento.com.br A Geometria, como qualquer outra ciência, fundamenta-se em observações e experiências para estabelecer

Leia mais

A Geometria nas Provas de Aferição

A Geometria nas Provas de Aferição Escola E.B. 2 e 3 de Sande Ficha de Trabalho de Matemática 6.º Ano A Geometria nas Provas de Aferição Nome: N.º Turma: 1. Assinala com um x a figura em que os triângulos representados são simétricos em

Leia mais

Projeções paralelas. Professor: João Carmo

Projeções paralelas. Professor: João Carmo Projeções paralelas Professor: João Carmo Projeções paralelas Introdução As múltiplas vistas (projeções ortogonais) não mostram, de forma direta, a configuração tridimensional do objeto. Elas são mais

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564)

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) Aula 03 1 Vistas auxiliares, 2 Projeção de peças com rotação, 3 Vistas especiais, 4 Vistas localizadas 5 Vistas simplificadas. 1.0 - VISTAS AUXILIARES ou projeção ortogonal

Leia mais

DESENHO BÁSICO AULA 03. Prática de traçado e desenho geométrico 14/08/2008

DESENHO BÁSICO AULA 03. Prática de traçado e desenho geométrico 14/08/2008 DESENHO BÁSICO AULA 03 Prática de traçado e desenho geométrico 14/08/2008 Polígonos inscritos e circunscritos polígono inscrito polígono circunscrito Divisão da Circunferência em n partes iguais n=2 n=4

Leia mais

Às vezes, a elaboração do desenho técnico mecânico envolve o trabalho de vários profissionais. O profissional que projecta a peça é o engenheiro ou o

Às vezes, a elaboração do desenho técnico mecânico envolve o trabalho de vários profissionais. O profissional que projecta a peça é o engenheiro ou o Às vezes, a elaboração do desenho técnico mecânico envolve o trabalho de vários profissionais. O profissional que projecta a peça é o engenheiro ou o desenhador. Primeiro ele imagina como a peça deve ser,

Leia mais

24 Controle trigonométrico

24 Controle trigonométrico A U A UL LA Controle trigonométrico Um problema Certos tipos de peças, devido à sua forma, não podem ser medidos diretamente. Essas medições exigem auxílio de peças complementares e controle trigonométrico,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564)

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) Aula 03 1 Vistas auxiliares, 2 Projeção de peças com rotação, 3 Vistas especiais, 4 Vistas localizadas 5 Vistas simplificadas. 1.0 - VISTAS AUXILIARES ou projeção ortogonal

Leia mais

Conjuntos mecânicos IV

Conjuntos mecânicos IV Conjuntos mecânicos IV A UU L AL A Do conceito das aulas estudadas em Elementos de Máquina, o pessoal que estava sendo treinado numa empresa achou que o curso só estaria completo se fosse estudado mais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO 2011-2012 Sólidos Geométricos NOME: Nº TURMA: Polígonos Um polígono é uma figura geométrica plana limitada por uma linha fechada.

Leia mais

VISUALIZAÇÃO. Representação (bidimensional) de Objetos (tridimensionais)

VISUALIZAÇÃO. Representação (bidimensional) de Objetos (tridimensionais) 1 VISUALIZAÇÃO Como habitantes de um mundo tridimensional, temos grande facilidade para lidar com o mundo bidimensional da Geometria Plana. Modelos concretos para os objetos com que lidamos na Geometria

Leia mais

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes.

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes. A UU L AL A Sistemas de cotagem Você já sabe que, embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. Os profissionais que

Leia mais

COTAGEM. Interpretação das formas de uma peça representada pelo desenho

COTAGEM. Interpretação das formas de uma peça representada pelo desenho Interpretação das formas de uma peça representada pelo desenho Interpretação das formas de uma peça representada pelo desenho Interpretação das formas de uma peça representada pelo desenho Interpretação

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico CADERNO DE EXERCÍCIOS

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico CADERNO DE EXERCÍCIOS Leitura e Interpretação de Desenho Técnico CADERNO DE EXERCÍCIOS Docente: Ivanoé João Rodowanski Curso: Engenharias 1 Unidade Pagina 1 131 de 31 1) De posse dos conhecimentos adquiridos sobre escalas,

Leia mais

Supressão de vistas em peças prismáticas e piramidais

Supressão de vistas em peças prismáticas e piramidais Supressão de vistas em peças prismáticas e piramidais A UU L AL A Em determinadas peças, a disposição adequada das cotas, além de informar sobre o tamanho, também permite deduzir as formas das partes cotadas.

Leia mais

Capítulo 2 TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO

Capítulo 2 TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Capítulo 2 TEORIA DO DESENHO PROJETIVO UTILIZADO PELO DESENHO TÉCNICO Definição de Projeção Ortogonal Nos desenhos projetivos, a representação de qualquer objeto ou figura será feita por sua projeção sobre

Leia mais

Tolerância geométrica

Tolerância geométrica A UU L AL A Tolerância geométrica A execução da peça dentro da tolerância dimensional não garante, por si só, um funcionamento adequado. Veja um exemplo. A figura da esquerda mostra o desenho técnico de

Leia mais

Desenho Auxiliado por Computador

Desenho Auxiliado por Computador UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE073 Seminários em Eletrotécnica Desenho Auxiliado por Computador (CAD - Computer Aided Design) Prof. Flávio Vanderson Gomes E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula

Leia mais

DESENHO GEOMÉTRICO AULA 3T EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

DESENHO GEOMÉTRICO AULA 3T EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 1 DESENHO GEOMÉTRICO AULA 3T EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 1. SÃO DADOS 3 SEGMENTOS, a = 3 cm, b = 2 cm e c = 2,5 cm. PEDE-SE ENCONTRAR A QUARTA PROPORCIONAL ENTRE a, b e c : PROCESSO I - Consideremos os 3 segmentos

Leia mais

Sugestão: Use papel transparente para copiar as figuras e comparar os lados e os ângulos.

Sugestão: Use papel transparente para copiar as figuras e comparar os lados e os ângulos. Você se lembra dos triângulos e quadriláteros do final da Aula 28? Eles estão reproduzidos na figura abaixo. Observe que a forma de cada triângulo, por exemplo, varia conforme aumentamos ou diminuímos

Leia mais

Matemática Geometria Espacial. Professor Bacon

Matemática Geometria Espacial. Professor Bacon Matemática Geometria Espacial Professor Bacon Prismas Volume Fórmula Geral: V= A.base x Altura (h) Área lateral = soma das áreas laterais Um caminhão basculante tem a carroceria com as dimensões indicadas

Leia mais

Projeção ortográfica de sólidos geométricos

Projeção ortográfica de sólidos geométricos Projeção ortográfica de sóidos geométricos Na aua anterior você ficou sabendo que a projeção ortográfica de um modeo em um único pano agumas vezes não representa o modeo ou partes dee em verdadeira grandeza.

Leia mais

Deve-se evitar a colocação de linhas de cota com inclinação correspondente às contidas no setor de 30 assinalado pelas hachuras:

Deve-se evitar a colocação de linhas de cota com inclinação correspondente às contidas no setor de 30 assinalado pelas hachuras: LINHAS DE COTA Os desenhos de algo a ser fabricado ou construído devem levar todas as informações necessárias à sua confecção, como: medidas, espécie de material, indicação de acabamento, etc. As linhas

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

3ª Ficha de Trabalho

3ª Ficha de Trabalho SOL SUNÁRI LRTO SMPIO 3ª icha de Trabalho MTMÁTI - 10º no 01/013 1ª. Parte : ( Questões Múltiplas ) 1. O perímetro do retângulo é igual a: ( ) 0 8 ( ) 10 8 ( ) 5 3 10 ( ) 100 15 15 75. diagonal de um quadrado

Leia mais

Representando Edificações

Representando Edificações Código da Disciplina CCE0985 Aula 7 Representando Edificações e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Escalas: NBR - 8196 Escala Numérica: é a relação que existe entre

Leia mais

Capítulo 4 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHOS

Capítulo 4 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHOS Capítulo 4 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHOS Definição e Pré-Requisitos Ler um desenho significa entender a forma espacial do objeto representado no desenho bidimensional resultante das projeções ortogonais.

Leia mais

Conjuntos mecânicos III

Conjuntos mecânicos III Conjuntos mecânicos III A UU L AL A Desenho de componente é o desenho de uma peça isolada que compõe um conjunto mecânico. Introdução Desenho de detalhe é o desenho de um elemento, de uma parte de um elemento,

Leia mais

INTERSEÇÃO DE SUPERFÍCIES

INTERSEÇÃO DE SUPERFÍCIES 1 INTERSEÇÃO DE SUPERFÍCIES INTRODUÇÃO Nesta aula você aprenderá a encontrar a linha de inteseção de duas superfícies, a classificar o tipo de interseção e além disso verá alguns exemplos de estruturas

Leia mais

NBR Princípios gerais de representação em desenho técnico

NBR Princípios gerais de representação em desenho técnico ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas MAIO 1995 NBR 10067 Princípios gerais de representação em desenho técnico Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal

Leia mais

GEOMETRIA MÉTRICA. As bases são polígonos congruentes. Os prismas são designados de acordo com o número de lados dos polígonos das bases.

GEOMETRIA MÉTRICA. As bases são polígonos congruentes. Os prismas são designados de acordo com o número de lados dos polígonos das bases. GEOMETRIA MÉTRICA 1- I- PRISMA 1- ELEMENTOS E CLASSIFICAÇÃO Considere o prisma: As bases são polígonos congruentes. Os prismas são designados de acordo com o número de lados dos polígonos das bases. BASES

Leia mais

Guilherme da Rocha. João Guilherme Macioro. Lucas Balasso Moraes. Mariana Steffens. Mário Celso Machado. Victor Otavio Preuss

Guilherme da Rocha. João Guilherme Macioro. Lucas Balasso Moraes. Mariana Steffens. Mário Celso Machado. Victor Otavio Preuss Guilherme da Rocha João Guilherme Macioro Lucas Balasso Moraes Mariana Steffens Mário Celso Machado Victor Otavio Preuss Perspectivas Representação gráfica que mostra os objetos em 3 dimensões Perspectivas

Leia mais

8.º Ano de Escolaridade 3.º Ciclo do Ensino Básico

8.º Ano de Escolaridade 3.º Ciclo do Ensino Básico Teste Intermédio de Matemática Teste Intermédio Matemática Duração do Teste: 90 minutos 30.04.2008 8.º Ano de Escolaridade 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro Identifica

Leia mais

Escola Secundária de Alberto Sampaio - Braga Junho de Proposta de correcção do exame nacional de Geometria Descritiva A (prova 708) 1ª fase

Escola Secundária de Alberto Sampaio - Braga Junho de Proposta de correcção do exame nacional de Geometria Descritiva A (prova 708) 1ª fase Exercício 1-1ª hipótese de resolução (escala 1:1) Jorge Marques e Estefânio Lemos 1 10 Exercício 1-2ª hipótese de resolução (escala 1:1) Jorge Marques e Estefânio Lemos 2 10 Exercício 1-3ª hipótese de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 21 a 50, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 16 CONE E CILINDRO. Professor Haroldo Filho

MATEMÁTICA MÓDULO 16 CONE E CILINDRO. Professor Haroldo Filho MATEMÁTICA Professor Haroldo Filho MÓDULO 16 CONE E CILINDRO 1. CILINDRO CIRCULAR Considere dois planos paralelos, α e β, seja R um círculo no plano α, seja s uma reta secante aos dois planos que não intersecta

Leia mais

UARCA-E.U.A.C. Escola Universitária de Artes de Coimbra

UARCA-E.U.A.C. Escola Universitária de Artes de Coimbra GDI - Geometria Descritiva I Exercícios práticos para preparação da frequência de semestre. Objectivos: Estes exercício-tipo, pretendem por um lado apresentar uma minuta, uma definição de exercício-tipo

Leia mais

Desenho e Projeto Assistido por Computador

Desenho e Projeto Assistido por Computador Desenho e Projeto Assistido por Computador LOM 3204 Departamento de Engenharia de Materiais Escola de Engenharia de Lorena - USP 2 AULA Tipos de linhas. 3 Os tipos de arestas que se representa no Desenho

Leia mais

Escola Secundária de Lousada

Escola Secundária de Lousada Escola Secundária de Lousada Ficha de Trabalho de Matemática do 8º ano - nº Data: / 04 / 01 Assunto: Áreas e Volumes de Sólidos II Lições nº, 1. Para vedar um terreno quadrangular com 900 m de área, o

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SEGMENTOS PROPORCIONAIS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SEGMENTOS PROPORCIONAIS 1 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SEGMENTOS PROPORCIONAIS 1. SÃO DADOS TRÊS SEGMENTOS, a = 3 cm, b = 2 cm e c = 2,5 cm. PEDE-SE ENCONTRAR A QUARTA PROPORCIONAL ENTRE a, b e c : PROCESSO I - Consideremos os três

Leia mais

As cotas horizontais são registradas da esquerda para a direita; as verticais de baixo para cima e as inclinadas, de modo a facilitar a leitura.

As cotas horizontais são registradas da esquerda para a direita; as verticais de baixo para cima e as inclinadas, de modo a facilitar a leitura. Definição : Processo de colocação das dimensões de um desenho para informação das suas medidas. DE DESENHOS TÉCNICOS DE DESENHOS DE ARQUITETURA Exemplo de colocação de linhas de cota para retângulos e

Leia mais

. Vistas ortográficas: desenhos resultantes das projeções ortogonais do objeto

. Vistas ortográficas: desenhos resultantes das projeções ortogonais do objeto 1 Curso: Engenharia Disciplina: Desenho Técnico Prof.ª Me. Aline Ribeiro PROJEÇÕES ORTOGONAIS 1. GEOMETRIA DESCRITIVA. Método desenvolvido por Gaspard Monge no século XVIII com o objetivo de representar

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO ENSINO MÉDIO 4º. BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE REVISÃO ENSINO MÉDIO 4º. BIMESTRE EXERCÍCIOS DE REVISÃO ENSINO MÉDIO 4º. BIMESTRE 1ª. SÉRIE Exercícios de PA e PG 1. Determinar o 61º termo da PA ( 9,13,17,21,...) Resp. 249 2. Determinar a razão da PA ( a 1,a 2, a 3,...) em que o primeiro

Leia mais

Conjuntos mecânicos IX

Conjuntos mecânicos IX A U A UL LA Conjuntos mecânicos IX Introdução Os treinandos aprenderam bastante interpretação e leitura de desenho do conjunto gancho com polia. Falta aprofundar mais o conhecimento de dois componentes:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. 3º Período Até 16 de junho 2.ª ª ª ª ª º Período 2º Período

PLANIFICAÇÃO ANUAL. 3º Período Até 16 de junho 2.ª ª ª ª ª º Período 2º Período ESCOLA SECUNDÁRIA INFAN TA D. MAR IA GEOMETRIA DESCRITIVA 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano letivo 2016/17 Dias da semana 1º Período 2º Período 3º Período Até 16 de junho 2.ª 13 12 7 3.ª 12 13 7 4.ª 12 12

Leia mais

V = 12 A = 18 F = = 2 V=8 A=12 F= = 2

V = 12 A = 18 F = = 2 V=8 A=12 F= = 2 Por: Belchior, Ismaigna e Jannine Relação de Euler Em todo poliedro convexo é válida a relação seguinte: V - A + F = 2 em que V é o número de vértices, A é o número de arestas e F, o número de faces. Observe

Leia mais

Não efetues arredondamentos nos cálculos intermédios.

Não efetues arredondamentos nos cálculos intermédios. COLÉGIO DE SANTA TERESINHA Ficha de Avaliação n.º1- Matemática 6.ºAno Caderno 1-40 minutos (com recurso à calculadora) Nome: N.º Turma: Class: Enc.Educ.: Prof: 1. Considera a figura ao lado, composta por

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO TÉCNICO

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO TÉCNICO LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO TÉCNICO Definição de Desenho Técnico Expressão gráfica que tem por finalidade a representação de forma, dimensão e posição de objetos de acordo com as diferentes necessidades

Leia mais

Geometria Espacial Cilindro, Cone, Esfera, Inscrição e Circunscrição

Geometria Espacial Cilindro, Cone, Esfera, Inscrição e Circunscrição Geometria Espacial Cilindro, Cone, Esfera, Inscrição e Circunscrição Enem 15 semanas 1. Um quadrado de lados medindo 1 cm sofre uma rotação completa em torno de um eixo paralelo a um de seus lados. A distância

Leia mais

Capitulo 4 Figuras Geométricas Planas

Capitulo 4 Figuras Geométricas Planas Página16 Capitulo 4 Figuras Geométricas Planas Ponto O ponto é a figura geométrica mais simples, não tem dimensão (comprimento, largura e altura) e é determinado pelo cruzamento de duas linhas. Identificação

Leia mais

Cotagem Abnt NBR 10126

Cotagem Abnt NBR 10126 Capítulo 06 Cotagem Abnt NBR 10126 O objetivo da norma NBR 10126 é fixar os princípios gerais de cotagem a serem aplicados em todos os desenhos técnicos. Aplicação Toda cotagem necessária para descrever

Leia mais

2. (Uerj) Um quadrado ABCD de centro O está situado sobre um plano.ב Esse plano contém o segmento OV, perpendicular a BC, conforme ilustra a imagem:

2. (Uerj) Um quadrado ABCD de centro O está situado sobre um plano.ב Esse plano contém o segmento OV, perpendicular a BC, conforme ilustra a imagem: 1. (Insper) Uma empresa fabrica porta-joias com a forma de prisma hexagonal regular, com uma tampa no formato de pirâmide regular, como mostrado na figura. As faces laterais do porta-joias são quadrados

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

OS PRISMAS. 1) Definição e Elementos :

OS PRISMAS. 1) Definição e Elementos : 1 OS PRISMAS 1) Definição e Elementos : Dados dois planos paralelos α e β, um polígono contido em um desses planos e um reta r, que intercepta esses planos, chamamos de PRISMA o conjunto de todos os segmentos

Leia mais

Meio-corte. Há tipos de peças ou modelos em que é A U L A. Nossa aula

Meio-corte. Há tipos de peças ou modelos em que é A U L A. Nossa aula Meio-corte Introdução Há tipos de peças ou modelos em que é possível imaginar em corte apenas uma parte, enquanto que a outra parte permanece visível em seu aspecto exterior. Este tipo de corte é o meio-corte.

Leia mais

PROVA 435/11 Págs. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

PROVA 435/11 Págs. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO PROVA 435/11 Págs. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) Cursos Gerais e Cursos Tecnológicos Duração da prova: 120 minutos 1.ª Fase 2000

Leia mais

Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental

Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de de 4ª Série Fundamental TEMA I ESPAÇO E FORMA A compreensão do espaço com suas dimensões e formas de constituição são elementos necessários

Leia mais

Ciência Hoje das Crianças. FNDE; Instituto Ciência Hoje, ano 19, n. 166, mar

Ciência Hoje das Crianças. FNDE; Instituto Ciência Hoje, ano 19, n. 166, mar lista de exercícios - 3º ano - matemática Aluno: Série: Turma: Data: Questão 1 É possível usar água ou comida para atrair as aves e observá-las. Muitas pessoas costumam usar água com açúcar, por exemplo,

Leia mais

Tolerância geométrica de orientação

Tolerância geométrica de orientação Tolerância geométrica de orientação A UU L AL A vimos a maneira de verificar a forma de apenas um elemento, como planeza, circularidade, retilineidade. O problema desta aula é verificar a posição de dois

Leia mais

DTE0003 Desenho Técnico Aula#10

DTE0003 Desenho Técnico Aula#10 CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS DTE0003 Desenho Técnico Aula#10 Professor Claudio Decker Junior claudio.decker@udesc.br PROJEÇÕES ORTOGONAIS http://www.youtube.com/watch?v=yogme48af8g

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 62/1.ª Chamada/2013 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI n.º

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PUBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRA ÇAS DA MARINHA / CP-CAP/2013) E PERMITIDO O USO DE RÉGUA SIMPLES

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Ficha de Trabalho. Espaço - Outra Visão

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Ficha de Trabalho. Espaço - Outra Visão Matemática Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Ficha de Trabalho 9º ano Espaço - Outra Visão 1. Arrumaram-se três esferas iguais dentro de uma caixa cilíndrica (figura 1). Como se pode observar

Leia mais