Corte Fácil: equipamento para medir e cortar raízes para processamento de minicenouras.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corte Fácil: equipamento para medir e cortar raízes para processamento de minicenouras."

Transcrição

1 Corte Fácil: equipamento para medir e cortar raízes para processamento de minicenouras. João Bosco Carvalho da Silva 1 ; João Mendonça Naime 2 ; Jairo Vidal Vieira Embrapa Hortaliças C. postal 218 CEP Brasília-DF 2- Embrapa Instrumentação Agropecuária. RESUMO A tecnologia de processamento de mini cenouras foi desenvolvida na Embrapa Hortaliças no ano de O processo consiste em tornear pedaços de raiz de cenoura tornando-os arredondados, visualmente mais atrativos e prontos para serem consumidos, agregando valor à categoria de raízes finas que freqüentemente são descartadas. A etapa mais trabalhosa e que estrangula o processo tem sido a preparação da matéria prima, quando as raízes de cenoura são cortadas e separadas por diâmetro, para posteriormente serem processadas na torneadora. Atualmente o trabalho é realizado manualmente, utilizandose apenas uma faca e um gabarito para medição dos pedaços de cenoura. Nesta etapa, um operário consegue cortar cerca de seis caixas de cenoura por dia. Para aumentar o rendimento do trabalho e melhorar a padronização do produto, foi desenvolvido um equipamento que facilita a medição e a realização dos cortes. Neste equipamento, as raízes são colocadas sobre uma estrutura que se movimenta sobre dois eixos horizontais e contém uma guilhotina com lâmina fina. A medição do diâmetro e do comprimento é feita por duas barras inclinadas. O operário movimenta a estrutura até o ponto correspondente à medida desejada e aciona manualmente a guilhotina. Os pedaços de raiz passam por uma fenda e caem em uma caixa colocada embaixo da máquina. Em seguida, o operário reposiciona o restante da raiz para realizar novos cortes. Avaliação realizada com quatro operários resultou na estimativa de aumento do rendimento de corte de sete para dez caixas por operário por dia. Palavras-chave: Daucus carota, minicenoura, cenourete, catetinho, processamento mínimo.

2 ABSTRACT Corte Fácil: Equipment for measure and cut roots for nimi-carrot processing. A new technology for mini-carrots processing was developed by Embrapa Hortaliças on year The process consist in remove angular parts of carrots pieces becoming them rounded, visually attractive and ready to use, adding value to thin roots that is frequently discharged. The most hard phase that difficult the process has being the raw material preparation, when the roots are cut and grated by diameter for later processing in a burnisher. Nowadays this work is handily done employing only a knife and a measure pattern to cut pieces of carrot. In this case a worker cut about six crates a day. Intending to improve yield and have better pattern of mini-carrots, it was developed a equipment that becomes easier the measurement and cut procedure. The roots are put in a mobile structure that runs over two horizontal shafts and has a guillotine whit a sharp blade. The measurement of length and diameter are done by two inclined bars. The worker moves the structure just at the point correspondent to the diameter measure and act handily the guillotine. The pieces run across a space and fall into a box under the machine. After that, the worker replace the remain to cut a new piece. Evaluation was done with four worker and estimate the incremental yield of seven to tem crates a day. Keywords: Daucus carota, mini-carrot, baby carrot, minimally processing. INTRODUÇÃO A minicenoura é um produto saudável, visualmente atrativo e pronto para ser consumido. O processo de produção exige relativamente pouco investimento, e tem sido adotado por diversas agroindústrias de base familiar, tendo como resultado a substituição total da importação das baby carrots e a redução do custo ao consumidor em cerca de 30%. O preço, entretanto ainda é muito alto, comparando-se o custo da matéria prima e o preço do produto processado. Por isso foi necessário buscar alternativas tecnológicas para redução dos custos com aumento da capacidade de processamento. O processamento consiste na remoção das superfícies angulares de pedaços de raiz de cenoura cortados em tamanho padronizado. Utilizando-se um equipamento denominado de torneadora, os pedaços são submetidos à abrasão, tornando-se arredondados. (Silva et al., 2001; Lana et al., 2001; Embrapa Hortaliças, 2002).

3 A etapa mais trabalhosa e que estrangula o processo tem sido a preparação da matéria prima, quando as raízes de cenoura são cortadas e separadas por diâmetro e comprimento, para posteriormente serem processadas na torneadora. Atualmente o trabalho é realizado manualmente, utilizando-se apenas uma faca e um gabarito para medição do diâmetro e do comprimento dos pedaços de cenoura. Nesta etapa, um operário consegue cortar cerca de seis caixas de cenoura por dia. MATERIAL E MÉTODOS Para aumentar o rendimento do trabalho, foi desenvolvido um equipamento que facilita a medição e a realização dos cortes. Neste equipamento, as raízes são colocadas sobre uma estrutura que se movimenta sobre dois eixos horizontais e contém uma guilhotina com lâmina fina. O operário movimenta a estrutura até o ponto correspondente à medida desejada e aciona manualmente a guilhotina. Os pedaços de raiz passam por uma fenda e caem em uma caixa colocada embaixo da máquina. Em seguida, o operário posiciona a raiz para novo corte. A medição do comprimento dos pedaços de raiz é obtida com a distância entre a lâmina de corte e a barra limitadora do comprimento. Parte da lateral dessa barra é fixada a seis centímetros da lâmina, para cortar pedaços que após o processamento são denominados de cenourete. Outra parte da barra limitadora do comprimento tem a lateral inclinada, para medir comprimentos variáveis de acordo com o diâmetro, que é medido por outra barra inclinada, instalada ao lado da lâmina. Dessa forma, quando o operário encosta a raiz simultaneamente na barra de diâmetro e na barra de comprimento, realiza o corte de pedaços que possuem o diâmetro igual ao comprimento, produzindo então a matéria prima para o produto denominado de catetinho, que tem o formato esférico. Ao acionar a lâmina, no final do curso da guilhotina aciona-se automaticamente um circuito elétrico de duas solenóides que afastam a barra medidora do comprimento, permitindo que o pedaço cortado caia na caixa colocada embaixo do equipamento. Em resumo, o equipamento é um gabarito que permite cortar pedaços de raiz de cenoura para serem processados como cenourete e como catetinho.

4 Para avaliar o equipamento, quatro operários realizaram trabalho cronometrado, cortando quatro porções de dez quilogramas de cenoura. O parâmetro utilizando foi o número de pedaços, tendo como comparativo o uso do corte fácil e o uso do gabarito de corte manual. RESULTADOS E DISCUSSÃO Avaliação realizada com quatro operários resultou na estimativa de aumento do rendimento de corte de sete para dez caixas por operário por dia, em relação ao processo atual de corte manual com utilização do gabarito de madeira. O rendimento do trabalho dependeu muito da habilidade do operário, pois cada cenoura tem que ser manuseada e posicionada para realizar cada corte. LITERATURA CITADA EMBRAPA HORTALIÇAS (Brasília,DF). Minicenouras: cenourete e catetinho. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças: Embrapa Informação Tenológica, Equipe Técnica: Dejoel de Barros Lima, Jairo Vidal Vieira, João Bosco Carvalho da Silva, Milza Moreira Lana, vídeo 18 min. LANA, M. M.; VIEIRA, J. V.; SILVA, J. B. C.; LIMA, D. B. L. Cenourete e Catetinho: minicenouras brasileiras. Horticultura Brasileira, Brasília, DF, v.19, n.3, p , nov Tipo: AP (635.05) SILVA, J. B. C. da; VIEIRA, J. V.; LIMA, M. M.; LIMA, D. de B. Produção de cenourete e catetinho. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças, p. (Embrapa Hortaliças. Circular Técnica, 28). AGRADECIMENTOS Os autores agradecem a colaboração de Eremita dos Santos Campos, Marisete Nunues Martins, Beatriz Moreira da Silva e Marcelo Nicolau Pinto, que realizaram a avaliação do equipamento.

5 Figura 1. Corte Fácil: equipamento para medir e cortar raízes para processamento de minicenouras. Brasília, Embrapa Hortaliças, Figura 2 Corte Fácil: equipamento para medir e cortar raízes para processamento de minicenouras - vista superior. Brasília, Embrapa Hortaliças, 2004

SILVA JBC; LANA MM; VIEIRA JV. 2009. Equipamentos para agroindústria de minicenouras Cenourete e Catetinho. Horticultura Brasileira 27: 109-113.

SILVA JBC; LANA MM; VIEIRA JV. 2009. Equipamentos para agroindústria de minicenouras Cenourete e Catetinho. Horticultura Brasileira 27: 109-113. SILVA JBC; LANA MM; VIEIRA JV. 2009. Equipamentos para agroindústria de minicenouras Cenourete e Catetinho. Horticultura Brasileira 27: 109-113. Equipamentos para agroindústria de minicenouras Cenourete

Leia mais

Comunicado. Técnico. Equipamentos para agroindústria de mini-cenouras Cenourete e Catetinho : 2. Classificador. Produção de Minicenouras

Comunicado. Técnico. Equipamentos para agroindústria de mini-cenouras Cenourete e Catetinho : 2. Classificador. Produção de Minicenouras Comunicado 59 Técnico ISSN 1414-9850 Junho, 2008 Brasília, DF Equipamentos para agroindústria de mini-cenouras Cenourete e Catetinho : 2. Classificador João Bosco Carvalho da Silva 1 Milza Moreira Lana

Leia mais

Comunicado. Técnico. Equipamentos para agroindústria de mini-cenouras Cenourete e Catetinho : 1. Cortadoras. Produção de Minicenouras

Comunicado. Técnico. Equipamentos para agroindústria de mini-cenouras Cenourete e Catetinho : 1. Cortadoras. Produção de Minicenouras Comunicado 58 Técnico ISSN 1414-9850 Junho, 2008 Brasília, DF Equipamentos para agroindústria de mini-cenouras Cenourete e Catetinho : 1. Cortadoras João Bosco Carvalho da Silva 1 Milza Moreira Lana 2

Leia mais

Comunicado. Técnico. Equipamentos para agroindústria de mini-cenouras Cenourete e Catetinho : 3. Processadoras. Produção de Minicenouras

Comunicado. Técnico. Equipamentos para agroindústria de mini-cenouras Cenourete e Catetinho : 3. Processadoras. Produção de Minicenouras Comunicado 60 Técnico ISSN 1414-9850 Junho, 2008 Brasília, DF Equipamentos para agroindústria de mini-cenouras Cenourete e Catetinho : 3. Processadoras João Bosco Carvalho da Silva 1 Milza Moreira Lana

Leia mais

Correção dos exercícios. Serras

Correção dos exercícios. Serras Correção dos exercícios Serras 1. Associe a coluna A (operação) com a coluna B (instrumentos). Coluna A Coluna B a) ( 2) Cortar b) ( 1) Serrar c) ( 3) Cinzelar 1. Com lâminas serrilhadas. 2. Com tesoura

Leia mais

Herdabilidade de caracteres de raiz utilizando-se diferentes grupos varietais de cenoura cultivados durante a primavera no Brasil Central

Herdabilidade de caracteres de raiz utilizando-se diferentes grupos varietais de cenoura cultivados durante a primavera no Brasil Central Herdabilidade de caracteres de raiz utilizando-se diferentes grupos varietais de cenoura cultivados durante a primavera no Brasil Central Jairo Vidal Vieira 1 ; Giovani Olegário da Silva 1 ; Leonardo S.

Leia mais

1 O Problema. 1.1 Introdução

1 O Problema. 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução Nos últimos anos, os hábitos alimentares têm sofrido significativas alterações face às mudanças ocorridas no estilo de vida da população. De acordo com Nantes et al. (1999),

Leia mais

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS)

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) João Carlos Chaves 1 Paulo Cesar Lima Segantine 2 1 Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Número Mínimo de Famílias de Meios-Irmãos em População de Cenoura Derivada da Cultivar Alvorada.

Número Mínimo de Famílias de Meios-Irmãos em População de Cenoura Derivada da Cultivar Alvorada. Número Mínimo de Famílias de Meios-Irmãos em População de Cenoura Derivada da Cultivar Alvorada. Jairo Vidal Vieira ; Warley Marcos Nascimento; João Bosco Carvalho e Silva Embrapa Hortaliças, C.Postal

Leia mais

CT 520 SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

CT 520 SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CT 520 SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Luminária Integrada com Kit Removível x Luminária Convencional - Estudo de Viabilidade Técnico-Econômica B. C. da Silva CPFL

Leia mais

Foi decretada a pena de morte no Brasil

Foi decretada a pena de morte no Brasil Foi decretada a pena de morte no Brasil Depois de mais de quinhentos anos de muita luta para combater os maus elementos que sugam nosso sangue e provocam uma verdadeira epidemia, causando dispensa de funcionários

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA COMEÇANDO A DESENHAR. Professor: João Carmo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA COMEÇANDO A DESENHAR. Professor: João Carmo UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA COMEÇANDO A DESENHAR Professor: João Carmo Ao trabalhar com o AutoCAD, começaremos com o comando Line.

Leia mais

Distância genética entre acessos de grupos varietais de cenoura obtidos de programas de melhoramento de três continentes

Distância genética entre acessos de grupos varietais de cenoura obtidos de programas de melhoramento de três continentes Distância genética entre acessos de grupos varietais de cenoura obtidos de programas de melhoramento de três continentes Giovani O. da Silva 1 ; Jairo V. Vieira 1 ; Leonardo S. Boiteux 1 ; Philipp W. Simon

Leia mais

DINÂMICA DO SISTEMA CARRO-PÊNDULO

DINÂMICA DO SISTEMA CARRO-PÊNDULO DINÂMICA DO SISTEMA CARRO-PÊNDULO Rafael Alves Figueiredo 1 Universidade Federal de Uberlândia Av. João Naves de Ávila, 2121, Santa Mônica, Uberlândia, MG, Brasil. rafamatufu@yahoo.com.br Márcio José Horta

Leia mais

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 2 - Na eletrosfera de um átomo de carbono temos 6 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

Leia mais

Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos?

Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos? Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos? Custeio significa apropriação de custos. Custeio por absorção Custeio Variável Custeio ABC Custeio por absorção: é derivado de

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife Dorival

Leia mais

Prova de Questões Analítico-Discursivas FÍSICA

Prova de Questões Analítico-Discursivas FÍSICA 1 Um garoto lança horizontalmente uma bola, da altura de 80,0 cm, com a intenção de atingir um buraco situado a 0,0080 km do ponto de lançamento, conforme figura abaixo. Com qual velocidade inicial, em

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 3

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 3 Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo Roteiro para prática experimental: EXPERIMENTO 3 Determinação da aceleração da gravidade local utilizando o plano inclinado por fuso Disciplina:

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO MILHO SAFRINHA E DA BRAQUIÁRIA EM SISTEMAS INTEGRADOS. Alceu Richetti (1), Gessí Ceccon (2)

VIABILIDADE ECONÔMICA DO MILHO SAFRINHA E DA BRAQUIÁRIA EM SISTEMAS INTEGRADOS. Alceu Richetti (1), Gessí Ceccon (2) VIABILIDADE ECONÔMICA DO MILHO SAFRINHA E DA BRAQUIÁRIA EM SISTEMAS INTEGRADOS Alceu Richetti (1), Gessí Ceccon (2) Introdução O estudo de sistemas de produção alternativos e diversificados é de fundamental

Leia mais

PMR2560 ELEMENTOS DE ROBÓTICA 2016 TRABALHO DE VISÃO COMPUTACIONAL CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS E VISÃO ESTÉREO

PMR2560 ELEMENTOS DE ROBÓTICA 2016 TRABALHO DE VISÃO COMPUTACIONAL CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS E VISÃO ESTÉREO PMR2560 ELEMENTOS DE ROBÓTICA 2016 TRABALHO DE VISÃO COMPUTACIONAL CALIBRAÇÃO DE CÂMERAS E VISÃO ESTÉREO Esse trabalho consiste de três partes. Na primeira parte do trabalho você vai calibrar duas câmeras

Leia mais

Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle

Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÂO ELETRÔNICA Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle

Leia mais

AULA PRÁTICA_ MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL_ ECV5330_ Profa Janaíde Cavalcante Rocha_ turma 540A e 542

AULA PRÁTICA_ MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL_ ECV5330_ Profa Janaíde Cavalcante Rocha_ turma 540A e 542 AULA PRÁTICA 05_ARGAMASSA 17) DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE CONSISTÊNCIA - NBR 13276 Preparação da argamassa a base de cal: Quantidade de material: 1500 a 2000g de material seco. - Misturar a areia, cal e

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PARALELIZAÇÃO DE UM MÉTODO ITERATIVO DE RECONCILIAÇÃO DE DADOS UTILIZANDO CLUSTERS DE PC S MURILO DO CARMO

Leia mais

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários.

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. Lista de exercício 3 - Fluxo elétrico e Lei de Gauss Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. 1. A superfície quadrada da Figura tem 3,2 mm de lado e está imersa

Leia mais

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal.

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Flávia M. V. Teixeira Clemente, Francisco V. Resende, Jairo V. Vieira Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70.359-970,

Leia mais

Lista de exercícios 8 Campos magnéticos produzidos por corrente

Lista de exercícios 8 Campos magnéticos produzidos por corrente Lista de exercícios 8 Campos magnéticos produzidos por corrente 1. Em um certo local das Filipinas o campo magnético da Terra tem um modulo de 39 µt, é horizontal e aponta exatamente para o norte. Suponha

Leia mais

Fechamento angular com GPS

Fechamento angular com GPS Fechamento angular com GPS Prof. Antonio Simões Silva Rodrigo Pereira Lima Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Civil 36570-000 Viçosa MG asimoes@ufv.br Resumo: Neste trabalho procurou-se

Leia mais

Professores: Bruno Fontana da Silva e Maria Cláudia de Almeida Castro Data: 22/08/2014

Professores: Bruno Fontana da Silva e Maria Cláudia de Almeida Castro Data: 22/08/2014 Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações ICO60801 Introdução à Computação Avaliação Teórica Hardware, bits e bytes

Leia mais

Amostras de Concreto Cilíndricas

Amostras de Concreto Cilíndricas Guia de Instruções de Medição com o Sonelastic para: Amostras de Concreto Cilíndricas ATCP Engenharia Física www.atcp.com.br São Carlos Brasil Índice 1. PREPARO DO CORPO DE PROVA CILÍNDRICO... 3 1.1. Colagem

Leia mais

"ANTROPOMETRIA DA POSTURA SENTADA - A MEDIÇÃO DAS CINCO VARIÁVEIS DE POSICIONAMENTO"

ANTROPOMETRIA DA POSTURA SENTADA - A MEDIÇÃO DAS CINCO VARIÁVEIS DE POSICIONAMENTO "ANTROPOMETRIA DA POSTURA SENTADA - A MEDIÇÃO DAS CINCO VARIÁVEIS DE POSICIONAMENTO" LAERTE MATIAS a RESUMO Utilizando um equipamento básico que permitiu a regulagem de vinco variáveis que são responsáveis

Leia mais

Lista de exercícios Prisma e cilindro

Lista de exercícios Prisma e cilindro Lista de exercícios Prisma e cilindro 1. Na figura a seguir, que representa um cubo, o perímetro do quadrilátero ABCD mede 8(1 + Ë2) cm. Calcule o volume do cubo em cm. 4. Em um tanque cilíndrico com raio

Leia mais

(baseado em 11 avaliações)

(baseado em 11 avaliações) Experimento cadastrado por Xambim Baldez em 30/06/2008 Classificação Total de exibições: 9512 (até 16/11/2011) (baseado em 11 avaliações) Palavras-chave: física,fonte,heron,garrafa,pet,energia,potencial,pressão,atmosf

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação FS80 CHAVE DE FLUXO TIPO PALHETA Cod: 073AA-015-122M Rev. C Novembro / 2008 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999 FAX:

Leia mais

Divisão de Engenharia Mecânica. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Aeronáutica e Mecânica. Prova de Seleção para Bolsas 1 o semestre de 2013

Divisão de Engenharia Mecânica. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Aeronáutica e Mecânica. Prova de Seleção para Bolsas 1 o semestre de 2013 Divisão de Engenharia Mecânica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Aeronáutica e Mecânica Prova de Seleção para Bolsas 1 o semestre de 2013 28 de fevereiro de 2013 Nome do Candidato Observações 1.

Leia mais

Cálculo de Índices de Segurança em Sistemas de Energia Elétrica Baseado em Simulação no Domínio do Tempo

Cálculo de Índices de Segurança em Sistemas de Energia Elétrica Baseado em Simulação no Domínio do Tempo João Magalhães Dahl Cálculo de Índices de Segurança em Sistemas de Energia Elétrica Baseado em Simulação no Domínio do Tempo Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF.

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. Sidney Figueiredo de Abreu¹; Arsênio Carlos Andrés Flores Becker² ¹Meteorologista, mestrando

Leia mais

Métodos Tempos e Movimentos

Métodos Tempos e Movimentos Métodos Tempos e Movimentos O homem é a medida de todas as coisas Protágoras de Abdera (Abdera, 480 a.c. - Sicília, 420 a.c.) Assim como Sócrates, Protágoras foi acusado de ateísmo, tendo seus livros queimados

Leia mais

Cálculo da Reserva de Benefícios Concedidos da Previdência Social

Cálculo da Reserva de Benefícios Concedidos da Previdência Social Mariana Marques Lima Cálculo da Reserva de Benefícios Concedidos da Previdência Social Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa

Leia mais

Calibrador. Seguindo as diretrizes da empresa para implantar. Um problema. Medição indireta. Calibradores

Calibrador. Seguindo as diretrizes da empresa para implantar. Um problema. Medição indireta. Calibradores A UU L AL A Calibrador Seguindo as diretrizes da empresa para implantar um programa de qualidade e produtividade, um dos funcionários alertou o supervisor sobre a perda de tempo em medir um grande lote

Leia mais

CADEIRA COM ADUTOR MANUAL DE CONFECÇÃO

CADEIRA COM ADUTOR MANUAL DE CONFECÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) CADEIRA COM ADUTOR MANUAL DE CONFECÇÃO PROJETO ELABORADO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

NEW WALL manual de aplicação

NEW WALL manual de aplicação NEW WALL manual de aplicação O New Wall é um painel de poliuretano de alta densidade. Com superfície texturizada é utilizado para decoração e revestimento de paredes. Sua textura é realista, imita materiais

Leia mais

Comunicado Técnico. Carrinho para transporte de hortaliças durante a colheita e comercialização

Comunicado Técnico. Carrinho para transporte de hortaliças durante a colheita e comercialização Comunicado Técnico 99 Março, 2014 Carrinho para transporte de hortaliças durante a colheita e comercialização Milza Moreira Lana 1 Valter Rodrigues atista 2 Durante a colheita de hortaliças, os trabalhadores

Leia mais

Theory Portuguese (Portugal) Antes de iniciar este problema, leia cuidadosamente as Instruções Gerais que pode encontrar noutro envelope.

Theory Portuguese (Portugal) Antes de iniciar este problema, leia cuidadosamente as Instruções Gerais que pode encontrar noutro envelope. Q1-1 Dois Problemas de Mecânica Antes de iniciar este problema, leia cuidadosamente as Instruções Gerais que pode encontrar noutro envelope. Parte A. O Disco Escondido (3,5 pontos) Considere um cilindro

Leia mais

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone Escola SENAI Comendador Santoro Mirone NÚCLEO DE ENERGIA & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 16 ÁREAS INDUSTRIAIS 22 NÚCLEOS DE TECNOLOGIA ALIMENTOS & BEBIDAS ENERGIA AUTOMAÇÃO & ELETRÔNICA CERÂMICA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO-POTÁVEIS NA EMPRESA PILECCO & CIA LTDA, ALEGRETE-RS 1

SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO-POTÁVEIS NA EMPRESA PILECCO & CIA LTDA, ALEGRETE-RS 1 Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 6, n. 1, p.1121, 2005. 11 ISSN 19812841 SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃOPOTÁVEIS NA EMPRESA PILECCO & CIA LTDA, ALEGRETERS

Leia mais

Comunicado. Técnico. Aproveitamento das raspas geradas na produção de minicenouras

Comunicado. Técnico. Aproveitamento das raspas geradas na produção de minicenouras Comunicado 33 Técnico ISSN 1414-9850 Dezembro, 2006 Brasília, DF Aproveitamento das raspas geradas na produção de minicenouras Cristina Maria Monteiro Machado 1 Celso Luiz Moretti 2 Rosa Maria de Deus

Leia mais

Instruções práticas para uso da cortadora Ruijie Laser RJ-1060

Instruções práticas para uso da cortadora Ruijie Laser RJ-1060 Instruções práticas para uso da cortadora Ruijie Laser RJ-1060 Por Yuri Spuras Tajima 2016 Tabela de configuração de impressão IMPORTANTE: (LEIA ANTES DE UTILIZAR A MÁQUINA) A OPERAÇÃO DA MÁQUINA DEVE

Leia mais

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas A medida de uma grandeza é obtida, em geral, através de uma experiência, na qual o grau de complexidade do processo de medir está relacionado com a grandeza em questão

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP E N G E N H A R I A C I V I L N 5 0. Aluno: R.A :

UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP E N G E N H A R I A C I V I L N 5 0. Aluno: R.A : UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP E N G E N H A R I A C I V I L N 5 0 Aluno: R.A : 1) Realize as operações abaixo: a) 45 45 59 + 86º54 12 = b) 128º42 57 + 325º41 52 = c) 120º00 00 56º24º03 = d) 178º20 30

Leia mais

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN RECURSOS HUMANOS / JOB DESIGN Introdução Conceitos, definição e origens Introdução Conceitos, definição e origens (Re)Definição de cargos? Introdução Conceitos, definição e origens Definição, conceitos

Leia mais

UNIDADE I Introdução à Topografia. palmo = 22 cm. Sistema sexagesimal (graus, minutos e segundos) Sistema centesimal (grados)

UNIDADE I Introdução à Topografia. palmo = 22 cm. Sistema sexagesimal (graus, minutos e segundos) Sistema centesimal (grados) FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS - FESO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Profª Drª Verônica Rocha Bonfim Engª Florestal

Leia mais

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica pro-t Perfil de transição entre pavimentos. Lâmina de metal em forma de T que se insere na junta de separação de dois pavimentos diferentes, permitindo cobrir ligeiras diferenças de altura.

Leia mais

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: FABIOLA DOS REIS LIMA CURSO:

Leia mais

Bucha de ancoragem expansível 15,0

Bucha de ancoragem expansível 15,0 08/2011 Instruções de montagem 999415006 pt ucha de ancoragem expansível 15,0 rt. n.º 581120000 Instruções de montagem ucha de ancoragem expansível 15,0 escrição do produto bucha de ancoragem expansível

Leia mais

BF-Full Hard. Produto do Laminador de Tiras à Frio

BF-Full Hard. Produto do Laminador de Tiras à Frio BF-Full Hard Produto do Laminador de Tiras à Frio Fluxo de Produção da BF-Full Hard BF-FH Laminação à Frio - Produto A unidade de laminação a frio reduz a espessura das chapas laminadas a quente, conferindo-lhes

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Cortes e seções. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Cortes e seções. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Cortes e seções Professor: João Carmo Introdução O recurso ao corte e à seção num desenho se dá, em geral, quando a peça a ser

Leia mais

Separata ao Boletim do Exército

Separata ao Boletim do Exército Separata ao Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO SEPARATA AO BE Nº 45/2015 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 105-DCT, DE 7 DE DEZEMBRO

Leia mais

CANOVA 300 / AUTOMEC 300

CANOVA 300 / AUTOMEC 300 FATIADORES DE FRIOS CANOVA 300 / AUTOMEC 300 Fatia com qualidade Queijos, embutidos, entre outros. Lâmina de 300 mm de diâmetro confeccionada em aço de longa durabilidade. A ador integrado de fácil uso;

Leia mais

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 3. AS PECTOS CONS TRUTIVOS 2. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 3. AS PECTOS CONS TRUTIVOS 2. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DESENVOLVI MENTO DE DISPOSITIVO PARA DETECÇÃO DE BARRAS INTERROMPIDAS EM ROTORES DE GAIOLA Agnaldo Reus Medeiros Rodrigues - Sç. Controle de Produtos I - cq-lab1@weg.com.br Vitor Marcon Sç. Metrologia

Leia mais

Extricação veicular pesada INFORMAÇÕES BÁSICAS

Extricação veicular pesada INFORMAÇÕES BÁSICAS Extricação veicular pesada INFORMAÇÕES BÁSICAS Mauricio Vidal de Carvalho Extricação é um termo muito utilizado em resgate, salvamento e medicina pré-hospitalar em geral. Extricar significa: "retirar uma

Leia mais

FÍSICA - Lucas SALA DE ESTUDOS 2º TRIMESTRE Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS MUNIZ Nome: nº

FÍSICA - Lucas SALA DE ESTUDOS 2º TRIMESTRE Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS MUNIZ Nome: nº FÍSICA - Lucas SALA DE ESTUDOS º TRIMESTRE Ensino Médio 3º ano classe: Prof.LUCAS MUNIZ Nome: nº Sala de Estudos ENERGIA MECÂNICA, POTÊNCIA E ELETRODINÂMICA 1. (Espcex (Aman) 014) Uma esfera é lançada

Leia mais

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DA BAHIA COELBA INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO LACTEC

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DA BAHIA COELBA INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO LACTEC 1 COMPANHIA DE ELETRICIDADE DA BAHIA COELBA INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO LACTEC Nova Configuração de Transformador de Distribuição Salvador - Bahia - Brasil NOVA CONFIGURAÇÃO DE TRANSFORMADOR

Leia mais

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Esquema Básico de Custos (Absorção)

Esquema Básico de Custos (Absorção) Esquema Básico de Custos (Absorção) Vamos exemplificar o esquema básico da Contabilidade de Custos, lembrando que é parte relativa a utilização de Custos para Avaliação de Estoques para fins fiscais e

Leia mais

EX TARIFÁRIO BOMBA HIDRÁULICA VOLUMÉTRICA ALTERNATIVA DE PISTÕES AXIAIS NCM:

EX TARIFÁRIO BOMBA HIDRÁULICA VOLUMÉTRICA ALTERNATIVA DE PISTÕES AXIAIS NCM: EX TARIFÁRIO BOMBA HIDRÁULICA VOLUMÉTRICA ALTERNATIVA DE PISTÕES AXIAIS NCM: 8413.50.10 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1. Montadora (repetir informação da Planilha de pleitos em excel): Komatsu 2. n Item (repetir

Leia mais

Sistema de treino EMS Integral Avançado de última geração que exercita 350 músculos simultaneamente.

Sistema de treino EMS Integral Avançado de última geração que exercita 350 músculos simultaneamente. DOSSIER INFORMATIVO A REVOLUÇÃO DA ELETROESTIMULAÇÃO Eletroestimulação Sistema de treino EMS Integral Avançado de última geração que exercita 350 músculos simultaneamente. Monitorização ao vivo Informação

Leia mais

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

Resultado dos recursos contra questões da prova objetiva

Resultado dos recursos contra questões da prova objetiva BIOLOGIA Uma antiga brincadeira consiste em questionar: Quem veio primeiro: o ovo ou a galinha?. Embora seja baseada em um raciocínio cíclico e retórico, à luz da Biologia, é possível estabelecer uma reposta

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL CURSO: TOPOGRAFIA PROF.: RIDECI FARIAS LEVANTAMENTO DE NIVELAMENTO

ENGENHARIA CIVIL CURSO: TOPOGRAFIA PROF.: RIDECI FARIAS LEVANTAMENTO DE NIVELAMENTO ENGENHARIA CIVIL CURSO: TOPOGRAFIA PROF.: RIDECI FARIAS LEVANTAMENTO DE NIVELAMENTO BRASÍLIA, DF 13/11/2004 1. OBJETIVOS Ao final do levantamento de nivelamento, o grupo deverá ser capaz de realizar um

Leia mais

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação Lista de exercícios 9 - Indução e Indutância 1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação φ B = 6,0t2 + 7,0t, onde φb está em miliwebers e t em segundos. (a) Qual

Leia mais

ebook - Vantagens na Utilização do Processo de Perfuração em Concreto com Perfuratriz. Considerando Encargos, Impostos, Custos com Transporte,

ebook - Vantagens na Utilização do Processo de Perfuração em Concreto com Perfuratriz. Considerando Encargos, Impostos, Custos com Transporte, ebook - Vantagens na Utilização do Processo de Perfuração em Concreto com Perfuratriz. Considerando Encargos, Impostos, s com Transporte, Alimentação e EPI's Seguros. Objetivo Este estudo tem como objetivo

Leia mais

Lojamundi Tecnologia Sem Limites br

Lojamundi Tecnologia Sem Limites  br Como Configurar Unifi-AcessPoint Unifi é um adaptador / Acess Point (AP)de rede sem fio ideal para redes WiFi de alto desempenho. Por meio desse dispositivo é possível estender sua rede WiFi em mais 180

Leia mais

Lista de Mecânica. Cinemática. Estática e Dinâmica. t 2s ;

Lista de Mecânica. Cinemática. Estática e Dinâmica. t 2s ; Lista de Mecânica Cinemática 1. Uma partícula é lançada obliquamente no campo gravitacional e move-se de acordo com a função r( t) i (4i 3k ) t ( 5k ) t (SI), onde a coordenada z é orientada para cima

Leia mais

Estimativa do consumo de sódio da população brasileira

Estimativa do consumo de sódio da população brasileira Estimativa do consumo de sódio da população brasileira Rafael Moreira Claro rafael.claro@gmail.com Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde Faculdade de Saúde Pública Universidade de São

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação LC 100 Chave de nível Cod: 073AA-010-122M Rev. A Março / 2009 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999 FAX: (11) 3488-8980

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 Desenho Técnico 2 Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte CORTES Em desenho técnico, o corte de uma peça é sempre imaginário. Ele permite ver as partes internas da peça. Na projeção em corte, a

Leia mais

Agradecimentos. Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica

Agradecimentos. Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica Agradecimentos Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL Entidade proponente: AES Eletropaulo Gerente

Leia mais

Características do MCU

Características do MCU ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Escola que a gente quer é a Escola que a gente faz! Características do MCU APROFUNDAMENTO DE ESTUDOS - ENEM FÍSICA O MCU é periódico. Apresenta velocidade angular e velocidade

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos CONTABILIDADE DE CUSTOS Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO 2.1 Custos diretos e custos indiretos Prof.: Marcelo Valverde CUSTOS Em relação a unidade produzida

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS CASE EMPLASTIC. Luis Franco de Campos Pinto Mestrando RA024435

PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS CASE EMPLASTIC. Luis Franco de Campos Pinto Mestrando RA024435 PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS CASE EMPLASTIC Luis Franco de Campos Pinto Mestrando RA024435 Roteiro Job Shop Scheduling Introdução Emplastic Introdução Processos Problema Características Dados Resultados Job

Leia mais

A.L.1.2 ATRITO ESTÁTICO E CINÉTICO

A.L.1.2 ATRITO ESTÁTICO E CINÉTICO A.L.1.2 ATRITO ESTÁTICO E CINÉTICO FÍSICA 12.ºANO BREVE INTRODUÇÃO Por que será mais fácil empurrar um caixote depois de ele entrar em movimento do que quando está parado? Esta é uma questão que poderá

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA.

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA. RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA São Paulo 2008 1 RESUMO Nenhum sistema construtivo pode ser apontado como

Leia mais

TESOURAS DE PODAR PRUNING SHEARS

TESOURAS DE PODAR PRUNING SHEARS TESOURAS DE PODAR PRUNING SHEARS TESOURA DE PODAR PRUNING SHEARS TESOURA TRADICIONAL PARA PODA. Tesoura em aço carbono forjado. Cabo com pintura eletrostática. TRADICIONAL PRUNING SHEAR. Forged, carbon

Leia mais

ROTEIRO DE MONTAGEM DO MATERIAL DA AULA PRÁTICA EQUAÇÃO DE BERNOULLI

ROTEIRO DE MONTAGEM DO MATERIAL DA AULA PRÁTICA EQUAÇÃO DE BERNOULLI CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO VICENTE DO SUL ROTEIRO DE MONTAGEM DO MATERIAL DA AULA PRÁTICA EQUAÇÃO DE BERNOULLI PROFESSOR RAFHAEL BRUM WERLANG 1.0 OBJETIVO Este roteiro destina-se a auxiliar

Leia mais

ATIVIDADE PRÁTICA 02: UTILIZANDO LIMITADORA DE PRESSÃO PROPORCIONAL A) CONHECENDO A VÁLVULA LIMITADORA DE PRESSÃO PROPORCIONAL:

ATIVIDADE PRÁTICA 02: UTILIZANDO LIMITADORA DE PRESSÃO PROPORCIONAL A) CONHECENDO A VÁLVULA LIMITADORA DE PRESSÃO PROPORCIONAL: ATIVIDADE PRÁTICA 02: UTILIZANDO LIMITADORA DE PRESSÃO PROPORCIONAL A) CONHECENDO A VÁLVULA LIMITADORA DE PRESSÃO PROPORCIONAL: A Figura 01 ilustra o esquema de uma válvula limitadora de pressão proporcional

Leia mais

Apostila de Física 35 Reflexão da Luz Espelhos Esféricos

Apostila de Física 35 Reflexão da Luz Espelhos Esféricos Apostila de Física 35 Reflexão da Luz Espelhos Esféricos 1.0 Definições Um plano, ao cortar uma superfície esférica, divide-a em 2 partes calotas de calotas esféricas. Espelho esférico Uma calota esférica,

Leia mais

web CurSo 2015 InStALAção DE ProDutoS EConomIzADorES DE ÁguA ACESSIBILIDADE

web CurSo 2015 InStALAção DE ProDutoS EConomIzADorES DE ÁguA ACESSIBILIDADE web curso 2015 Instalação de Produtos Economizadores de Água ACESSIBILIDADE A Linha Benefit da Docol possui produtos adequados a pessoas com dificuldades de locomoção, deficientes físicos e crianças. Os

Leia mais

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 18 MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO 1. INTRODUçãO Leiomiomas uterinos são os tumores mais frequentes do trato genital feminino, clinicamente aparentes em 25% das

Leia mais

Aula Transformações

Aula Transformações Aula 6 6. Transformações O gráfico de uma função f permite obter os gráficos de outras funções, via transformações elementares. Para simplificar, nesta seção consideraremos somente funções cujo domínio

Leia mais

Technologic tools to support WIM systems development

Technologic tools to support WIM systems development Ferramentas tecnológicas para auxiliar o desenvolvimento de sistemas WIM Gabriel Felix Gueler - gabriel.gueler@smarttech.com.br Smarttech. Resumo Este trabalho apresenta as tecnologias integradas utilizadas

Leia mais

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida Planejamento e Desempenho de Custos Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida O que é um orçamento? É o planejamento financeiro para um determinado projeto. Objetivo da aula: apresentar

Leia mais

CALIBRAÇÃO GRAVIMÉTRICA DE INSTRUMENTOS DOSEADORES DE LÍQUIDOS UTILIZADOS EM AMBIENTE CLÍNICO

CALIBRAÇÃO GRAVIMÉTRICA DE INSTRUMENTOS DOSEADORES DE LÍQUIDOS UTILIZADOS EM AMBIENTE CLÍNICO CALIBRAÇÃO GRAVIMÉTRICA DE INSTRUMENTOS DOSEADORES DE LÍQUIDOS UTILIZADOS EM AMBIENTE CLÍNICO Elsa Batista, Luis Sousa 2, Luis Ribeiro, Nelson Almeida, Eduarda Filipe, Rui F. Martins 2 Instituto Português

Leia mais

Como avaliar a discriminação de Sistemas de Medição por Variáveis

Como avaliar a discriminação de Sistemas de Medição por Variáveis Como avaliar a discriminação de Sistemas de Medição por Variáveis Por Cristina Werkema Um dos problemas que freqüentemente surgem associados aos sistemas de medição é a utilização de unidades de medida

Leia mais

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA Em 1819, Oersted ao aproximar uma bússola de um fio percorrido por corrente, observou que a agulha se movia, até se posicionar num plano perpendicular ao fio. Esta

Leia mais

Quando uma peça é muito pequena, fica difícil visualizar seu perfil e verificar suas medidas com os aparelhos e instrumentos já vistos.

Quando uma peça é muito pequena, fica difícil visualizar seu perfil e verificar suas medidas com os aparelhos e instrumentos já vistos. Projetores Um problema Quando uma peça é muito pequena, fica difícil visualizar seu perfil e verificar suas medidas com os aparelhos e instrumentos já vistos. Esse problema é resolvido com os projetores

Leia mais

abpe/e006 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação

abpe/e006 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação ABR 98 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação Especificação Origem: abpe - associação brasileira de tubos poliolefínicos e sistemas CTPE - Comissão Técnica

Leia mais

Determinação experimental de

Determinação experimental de Determinação experimental de 1. Introdução Neste experimento, utilizaremos um paquímetro, uma régua e uma fita métrica para fazer medidas de dimensões. Com estas medidas, será possível estimar experimentalmente

Leia mais