INOVAÇÃO PARA O PROGRESSO ADUANEIRO. Pemba, 26 de Janeiro de Se não fazes parte da solução então és parte do problema! Provérbio Africano

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO PARA O PROGRESSO ADUANEIRO. Pemba, 26 de Janeiro de Se não fazes parte da solução então és parte do problema! Provérbio Africano"

Transcrição

1 INOVAÇÃO PARA O PROGRESSO ADUANEIRO Pemba, 26 de Janeiro de 2013 Se não fazes parte da solução então és parte do problema! Provérbio Africano

2 Tópicos 1. Introdução; 2. Inovação; 3. Riscos de não Inovar; 4. Época pré-jue; 5. Janela Única Electrónica e suas Funcionalidades; 6. Conclusão. 2

3 INTRODUÇÃO O relatório da Comissão Económica para África da ONU de 2005 estabelece: As Alfândegas precisam urgentemente de reformas. A África esta a sofrer dos maiores custos médios de desembaraço aduaneiro do mundo, nomeadamente 12 dias em media. A Estónia e a Letónia apresentam 1 dia como tempo médio de desembaraço nas Alfândegas, a Etiópia apresenta um tempo médio de 30 dias. Muitos procedimentos aduaneiros são por vezes da época Bizantina na sua complexidade Os tempos de desembaraço chegam a elevar em cerca de 10% o custo do produto na exportação. etc. etc. 3

4 INOVAÇÃO Inovação é a exploração com sucesso de novas ideias; Inovação não é um bicho de sete cabeças, é um bicho de grandes cabeças. Ou seja, cabeças criativas e realizativas, pois segundo Waldez Ludwing inovar é gerar valor a partir de idéias originais, a partir da criatividade. E criatividade só é reconhecida se for concretizada; Inovação é como usar os recursos para obter maior eficiência nos processos, quer produtivos quer administrativos ou financeiros, quer na prestação de serviços. 4

5 INOVAÇÃO (cont) Nas organizações a inovação é uma condição de sobrevivência, pois o mundo actual é um mundo em constante mudança, movimento contínuo, transformação; Se ficarmos parados, ficaremos também atrasados. Pequenas coisas não podem ser desprezadas, como detalhes no atendimento e no tratamento dos clientes, aspectos físicos das instalações, postura do funcionário, sinalização, etc. 5

6 QUAIS SÃO OS RISCOS DE NÃO INOVAR Quantas empresas conhecem que tiveram muito sucesso no passado mas desapareceram ou ficaram insignificantes porque surgiram produtos ou serviços mais inovadores? Certamente lembram-se das maquinas de escrever Olivetti, dos pagers, dos faxes, do StarTAC da Motorola e muito mais numa longa lista! Porque a Kodak não sobreviveu na era digital? 6

7 ÉPOCA PRÉ - INOVAÇÃO

8 Janela Única Electrónica das Alfândegas, Caso inédito de inovação em Moçambique e em África Fronteiras (14) Estâncias aduaneiras no interior (13) Portos (03) Centros de apoio (7) Centros regionais de formação (4) 8

9 Janela Única Electrónica Uma Inovação por excelência das Alfândegas Facilidade que permite a submissão de informação standartizada através dum único ponto de contacto cumprindo-se assim todos os requisitos estabelecidos para o desembaraço aduaneiro.

10 OBJECTIVOS DA JUE o Aumentar receita do Estado; o Diminuir os custos operacionais causados por demoras no desembaraço aduaneiro de mercadorias o o Criar plataforma electrónica centralizada de desembaraço; Melhorar as estatísticas Económicas; o Reduzir o tempo de desembaraço; o Reduzir no geral o custo de fazer negócios em Moçambique. 10

11 A OPÇÃO TECNOLOGICA DA JUE Forwarding Agents Shipping Agent Port Authority Ministries Controlling Agencies Shipping Agent Controlling Agencies Customs Manifest Customs Doc Review Traders Customs Banks Freight Station Dep of Statistics Ministries Customs Examination Shipping Agent Forwarding Agents Port Authority Traders Customs Management Ministries Controlling Agencies Traders Customs Banks Port Authority Customs Risk Assessment Customs Tariff Banks Dep of Statistics Freight Station Trade Community - Tradenet Customs - MCMS 11

12 JUE - UM ANO DEPOIS Implementação em números: 1193 funcionários aduaneiros de aproximadamente 1200 em áreas operacionais; 1076 Despachantes e seus ajudantes; 524 Colaboradores de agencias de navegação, autoridades portuárias, operadores de terminais e transitários; 225 Colaboradores de bancos comerciais; Aproximadamente USD 350 milhões de imposições aduaneiras foram colectadas em 2012 e 70,000 declarações aduaneiras submetidas. Antes e agora 12

13 Funcionalidades Sistema Aduaneiro CMS- Customs Management System: Manifesto de Carga; Declaração aduaneira; Gestão de Risco; Gestão da Pauta Aduaneira; Gestão de Armazéns e ZF Examinação e Insp. Nao-Intrusiva Auditoria pós-desembaraço; Gestão de Trânsito Gestão de garantias; Módulo de estatísticas 13

14 Funcionalidades Sistema Tradenet Sistema Tradenet inclui: Aviso/previsão de Chegada Emissão de contra-marcas de navios Agências de controlo Controlo Cambial Ordens de entrega Autorização de saída Interfaciamento com dispositivos de trânsito Troca de informação com outros sistemas Estatísticas comerciais 14

15 New Electronic Manifest Management Arrival Notice Process Create AR Submit AR Generate AR Ref No When AR Submitted Successfully System will Generate Unique AR Ref No Vessel Operator Vessel Operator Retrieve AR Ref Number Create Draft Manifest Submit Manifest Manifest only visible to Customs and Port Authority Manifest Submission Process End Process When Rotation Number is issued the Manifest Is made available to all entities NVC Rotation # Registered Rotation No Issued Commercial Vessel? Rotation Number Issuance Retrieve AR # AR Ref No Port Authority 15

16 Fluxo do Manifesto Rodoviário 16

17 Bank Payment Como funciona 6 Sistemas Centrais do BCI Sistemas Centrais da MCNET 4 Rede de Comunicações (ON-LINE) MBIM, BCI, Standard Bank e Moza banco and FNB 8 Comprovativo On internet banking the process takes upto 3 minutes. 17

18 Fase II Gestão electrónica do trânsito aduaneiro de mercadorias; Módulo de Avaliação de Mercadorias Submissão electrónica de pedidos de isenções; Submissão electrónica de pedidos de licenças e certificados; Gestão de regimes especiais (Imp. & Expor. Temporária); Gestão de risco e da auditoria pósdesembaraço; Importação e exportação temporária de viaturas; Módulo de Gestão de Ofensas; Entre outros. A JANELA ÚNICA ABRANGE 18

19 A SUA CONTRIBUIÇÃO PARA INOVAÇÃO 1. Que instituições do Estado são mais inovadoras que Alfândegas? 2.Liste 3 inovações mais relevantes das Alfândegas dos últimos 3 anos? 3. Diga a contribuição mais importante dada por si para a inovação nas Alfândegas? 4.Que atitude toma para que as Alfândegas sejam ainda mais inovadora? 5. Como tem lutado contra a resistência a inovação? 19

20 Em Conclusão INOVAR CONTINUAMENTE = PRESTAR SERVIÇO DE QUALIDADE E FACILITAR O COMÉRCIO! JANELA ÚNICA DAS ALFÂNDEGAS: O SISTEMA DE TODOS NÓS! OBRIGADO 20

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MODERNAS AO SERVI- ÇO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MODERNAS AO SERVI- ÇO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL EDIÇÃO Nº 24 Periodicidade: MENSAL Boletim Informativo DISP. REGº Nº 48/GABINFO-DEC/2012 DIRECÇÃO: Cacilda Z. Chicalia NOVEMBRO/2013 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MODERNAS AO SERVI- ÇO DO COMÉRCIO

Leia mais

Revisão da Estrutura de taxas dos fertilizantes e o seu impacto no mercado de fertilizantes

Revisão da Estrutura de taxas dos fertilizantes e o seu impacto no mercado de fertilizantes Revisão da Estrutura de taxas dos fertilizantes e o seu impacto no mercado de fertilizantes Ângelo Matenene 30/06/15 Estrutura da Apresentação OBJECTIVOS Identificar e verificar a aplicabilidade da legislação

Leia mais

Portal da Janela Única Electrónica

Portal da Janela Única Electrónica Portal da Janela Única Electrónica Instruções para acesso a funcionalidade Busque & Encontre A funcionalidade Busque e Encontre têm como objectivo proporcionar aos operadores de comércio externo, de entre

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Meeting Komatiport SISTEMA DA JANELA ÚNICA ELECTRÓNICA DAS ALFÂNDEGAS Komatipoort, 07 de Julhode 2014 Conteúdos da apresentação I. Vista Geral do projecto JUE II. Melhorias alcançadas

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira Curso Profissional de Técnicas de Secretariado. Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Curso Profissional de Técnicas de Secretariado. Escola Secundária de Paços de Ferreira Escola Secundária de Paços de Ferreira Curso Profissional Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO DA TERMINAL RODOVIÁRIA DO KM4

OPERACIONALIZAÇÃO DA TERMINAL RODOVIÁRIA DO KM4 EDIÇÃO Nº 36 Periodicidade: MENSAL Boletim Informativo DISP. REGº Nº 48/GABINFO-DEC/2012 DIRECÇÃO: Cacilda Z. Chicalia NOVEMBRO/ 2014 Utilizadores do corredor de Maputo DGA no encontro sobre a Terminal

Leia mais

TAXAS RODOVIÁRIAS EM MOÇAMBIQUE ROAD FEES IN MOZAMBIQUE

TAXAS RODOVIÁRIAS EM MOÇAMBIQUE ROAD FEES IN MOZAMBIQUE S RODOVIÁRIAS EM MOÇAMBIQUE ROAD S IN MOZAMBIQUE ZONA NORTE - S COBRADAS EM DÓLARES AMERICANOS NORTH - S CHARGED IN US DOLLARS TRAJECTO / ROUTE MANDIMBA - NACALA MILANGE - NACALA CALÓMUÈ - CUCHUMANO CALÓMUÈ

Leia mais

JUE CHEGA AO CENTRO E NORTE DO PAÍS

JUE CHEGA AO CENTRO E NORTE DO PAÍS EDIÇÃO FEVEREIRO/2012 N 5 Periodicidade: MENSAL ÚNICAElectrónica Boletim Informativo DISP. REGº Nº 48/GABINFO-DEC/2012 DIRECÇÃO: Cacilda Z. Chicalia JUE CHEGA AO CENTRO E NORTE DO PAÍS O projecto da Janela

Leia mais

Ressano Garcia. Com vista a tornar o processo mais tranquilo, foram tomadas medidas de carácter

Ressano Garcia. Com vista a tornar o processo mais tranquilo, foram tomadas medidas de carácter EDIÇÃO Nº 18 Periodicidade: MENSAL Boletim Informativo DISP. REGº Nº 48/GABINFO-DEC/2012 DIRECÇÃO: Cacilda Z. Chicalia MAIO/2013 APRESENTAÇÃO DA JUE NO MIC O Ministério de Industria e Comércio, recebeu

Leia mais

IX CONGRESSO DA AGEPOR 9 e 10 de Outubro/Douro

IX CONGRESSO DA AGEPOR 9 e 10 de Outubro/Douro IX CONGRESSO DA AGEPOR 9 e 10 de Outubro/Douro ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O SETOR MARÍTIMO-PORTUÁRIO (2006) VISÃO ESTRTÉGICA Reforçar a centralidade euro-atlântica de Portugal Aumentar fortemente a

Leia mais

Gestão por competências e aprendizagem na Autoridade Tributária e Aduaneira Damasceno Dias

Gestão por competências e aprendizagem na Autoridade Tributária e Aduaneira Damasceno Dias Gestão por competências e aprendizagem na Autoridade Tributária e Aduaneira Damasceno Dias Subdiretor-Geral dos Recursos Humanos e Formação da AT Agenda Como surge o (CFW Competency Framework for the Customs

Leia mais

DESPACHOS ADUANEIROS SUPRINDO A NECESSIDADE CADA VEZ MAIS EXIGENTE E DINÂMICA DO COMERCIO EXTERIOR.

DESPACHOS ADUANEIROS SUPRINDO A NECESSIDADE CADA VEZ MAIS EXIGENTE E DINÂMICA DO COMERCIO EXTERIOR. DESPACHOS ADUANEIROS SUPRINDO A NECESSIDADE CADA VEZ MAIS EXIGENTE E DINÂMICA DO COMERCIO EXTERIOR. EMPRESA Nosso objetivo é personalizar o atendimento para cada empresa, dando-as exclusividade com células

Leia mais

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012

Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Ponto de Situação da Execução da Carta de Qualidade da DSE 2012 Serviços Prestados Indicadores de Qualidade dos Serviços Previsibilidade de Cumprimento Taxa de Cumprimento 2012 1 Extensão de Patente de

Leia mais

Carta de apresentação

Carta de apresentação Carta de apresentação Perfil Somos uma media empresa composta por uma equipa de profissionais formados nas áreas de Técnicas de Contas, Recursos Humanos e Técnicas Aduaneiras, com mais de 5anos de experiencia

Leia mais

ÍNDICE. Direcção Geral das Alfândegas Pag. 1

ÍNDICE. Direcção Geral das Alfândegas Pag. 1 ÍNDICE PROCEDIMENTOS SUMÁRIOS DE DESEMBARAÇO ADUANEIRO DE MERCADORIAS...2 PARTE I...2 MANIFESTO DE CARGA...2 1.1. Procedimentos de Separação de Bill of Lading (BL)...2 1.2. Procedimentos de Desembaraço

Leia mais

OPERADOR ECONÓMICO AUTORIZADO QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO

OPERADOR ECONÓMICO AUTORIZADO QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO OPERADOR ECONÓMICO AUTORIZADO QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Maputo Fevereiro de 2016 ANTECEDENTES Elaborado a partir de um modelo de Quadro de Normas SAFE O requerente utiliza os detalhes no QAA para

Leia mais

DIREITO ADUANEIRO E COMÉRCIO INTERNACIONAL. Ana Paula Caliço Raposo 29 de janeiro 2014

DIREITO ADUANEIRO E COMÉRCIO INTERNACIONAL. Ana Paula Caliço Raposo 29 de janeiro 2014 DIREITO ADUANEIRO E COMÉRCIO INTERNACIONAL Ana Paula Caliço Raposo 29 de janeiro 2014 1 Plano da Apresentação Conselho de Cooperação Aduaneira/Organização Mundial das Alfândegas (OMA) Convenções e instrumentos

Leia mais

Ferramenta desenvolvida com software livre aprimora e amplia sistemas de importação na Receita Federal

Ferramenta desenvolvida com software livre aprimora e amplia sistemas de importação na Receita Federal Ferramenta desenvolvida com software livre aprimora e amplia sistemas de importação na Receita Federal FEVEREIRO/2016 Perfil A Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB desempenha funções essenciais

Leia mais

Ponto de Situação da Implementação da Estrategia para a Melhoria do Ambiente de Negocios PSWG Fevereiro de 2009

Ponto de Situação da Implementação da Estrategia para a Melhoria do Ambiente de Negocios PSWG Fevereiro de 2009 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO GABINTE DO APOIO AO SECTOR PRIVADO Ponto de Situação da Implementação da Estrategia para a Melhoria do Ambiente de Negocios PSWG Fevereiro de

Leia mais

ACÇÕES DE DISSEMINAÇÃO DA FASE II

ACÇÕES DE DISSEMINAÇÃO DA FASE II EDIÇÃO Nº 17 Periodicidade: MENSAL Boletim Informativo DISP. REGº Nº 48/GABINFO-DEC/2012 DIRECÇÃO: Cacilda Z. Chicalia ABRIL/2013 ACÇÕES DE DISSEMINAÇÃO DA FASE II WORKSHOP SOBRE O TRÂNSITO ADUANEIRO As

Leia mais

DIRECÇÃO ACADÉMICA BEIRA, ABRIL DE

DIRECÇÃO ACADÉMICA BEIRA, ABRIL DE SISTEMA DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES DIRECÇÃO ACADÉMICA BEIRA, ABRIL DE 2017 www.isced.ac.mz www.isced.ac.mz 1. SISTEMA DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES (SGR) O QUE É SGR? UMA FERRAMENTA CORPORATIVA ( ISCED ) PARA

Leia mais

Inovação na recolha e tratamento de dados estatísticos oficiais

Inovação na recolha e tratamento de dados estatísticos oficiais Inovação na recolha e tratamento de dados estatísticos oficiais A plataforma electrónica CIS 2008 Inovação na recolha e tratamento de dados estatísticos oficiais A plataforma electrónica CIS 2008 Daniel

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO.

O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO. www.portodecaio.ao O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO. INTRODUÇÃO Bem-vindo ao projecto Porto de Caio, a porta de entrada para o comércio na África. A instalação portuária de classe mundial, parte integral

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), que resulta da fusão da Direção-Geral dos Impostos (DGCI), da Direção-Geral das Alfândegas e dos Impostos

Leia mais

REPETRO Benefícios do Estado

REPETRO Benefícios do Estado REPETRO Benefícios do Estado O que é o REPETRO? Regime aduaneiro especial que permite a importação de equipamentos para serem utilizados diretamente nas atividades de pesquisa e lavra das jazidas de petróleo

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

31 ANOS DE EXCELÊNCIA EM SERVIÇOS DE COMÉRCIO EXTERIOR

31 ANOS DE EXCELÊNCIA EM SERVIÇOS DE COMÉRCIO EXTERIOR 31 ANOS DE EXCELÊNCIA EM SERVIÇOS DE COMÉRCIO EXTERIOR Desde 1986 na área de Comércio Exterior, o GRUPO BASKA trabalha com soluções que otimizam os processos de logística nas áreas de importação e exportação.

Leia mais

1.1 Tributação nas Importações. 1.3 Tributação nas Exportações. 1.4 Regimes Aduaneiros Especiais

1.1 Tributação nas Importações. 1.3 Tributação nas Exportações. 1.4 Regimes Aduaneiros Especiais 1.1 Tributação nas Importações 1.2 Preferências Tarifárias 1.3 Tributação nas Exportações 1.4 Regimes Aduaneiros Especiais 1.1 Tributação nas Importações 1.2 Preferências Tarifárias 1.3 Tributação nas

Leia mais

Somos a sua. MELHOR ESCOLHA para Transportes Rodoviários e Terminal de Containers em Santos SP

Somos a sua. MELHOR ESCOLHA para Transportes Rodoviários e Terminal de Containers em Santos SP Somos a sua MELHOR ESCOLHA para Transportes Rodoviários e Terminal de Containers em Santos SP Onde você estiver nos 4 cantos do mundo, você estará bem informado. Follow-up/Just in Time Essa ferramenta

Leia mais

O SHST PHC permite a gestão e organização dos serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho de qualquer tipo de empresa.

O SHST PHC permite a gestão e organização dos serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho de qualquer tipo de empresa. SHST 2007 Descritivo completo O SHST PHC permite a gestão e organização dos serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho de qualquer tipo de empresa. Benefícios Toda a gestão interna de SHST na empresa;

Leia mais

O QUE FAZ UM AGENTE DE CARGA INTERNACIONAL?

O QUE FAZ UM AGENTE DE CARGA INTERNACIONAL? O QUE FAZ UM AGENTE DE CARGA INTERNACIONAL? Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais, isto é, responsável pelo planejamento e a intermediação de soluções

Leia mais

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço S A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMNSTRAÇÃO DE SUA EMPRESA ndústria Comércio Serviço S O GestãoPro foi desenvolvido para atender as empresas que atuam nos setores da indústria, comércio e serviço. O grande diferencial

Leia mais

Formação de Despachante Aduaneiro

Formação de Despachante Aduaneiro Formação de Despachante Aduaneiro Apresentação do Professor Professor: Marco Antônio da Silva. Administrador de empresas, formado em Administração e carreira profissional desenvolvida na área de Comércio

Leia mais

Licenciamento Pesca Lúdica em Águas Oceânicas e Salobras

Licenciamento Pesca Lúdica em Águas Oceânicas e Salobras Licenciamento Pesca Lúdica em Águas Oceânicas e Salobras 1 16-04-2015 Processo 2007 2 Enquadramento Janeiro 2007 Licença obrigatória para a prática de pesca lúdica em águas oceânicas e salobras Objetivos

Leia mais

Importações sujeitas a Licenciamento Automático

Importações sujeitas a Licenciamento Automático Importações sujeitas a Licenciamento Automático Estão sujeitas a licenciamento automático as seguintes importações: Produtos relacionados no SISCOMEX e disponíveis no endereço eletrônico do MDIC; Operações

Leia mais

Vantagens e cenários de implementação

Vantagens e cenários de implementação TitanvoX Vantagens e cenários de implementação 1 índice A siptel Siptel 3 VANTAGENS VOIP E TITANVOX O que é VoIP 4 Quais as vantagens que voip proporciona 5 Quais as vantagens da TitanvoX 6 CENÁRIOS TITANVOX

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 Qualificação PME Esta candidatura consiste num plano de apoio financeiro a projetos que visam ações de qualificação de PME em domínios imateriais com o objetivo de

Leia mais

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter. ZPE CEARÁ A primeira a operar no Brasil Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.com/zpeceara CONCEITO A ZPE Zona de Processamento de Exportação é uma área

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO 1. Introdução O Estado Moçambicano encetou um processo de reformas legislativas e administrativas, visando dotar o País de leis

Leia mais

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional EAD Curso sob Regulamentação do Decreto de 19/12/ MEC

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional EAD Curso sob Regulamentação do Decreto de 19/12/ MEC FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional EAD Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais,

Leia mais

Forum Empresarial do Alentejo

Forum Empresarial do Alentejo 25 Julho 2017 Forum Empresarial do Alentejo Évora NERE Crédito Bancário Condições para as PME Agenda Quem somos Soluções Crédito Agrícola Soluções para PME e Empreendedores Exemplo do Protocolo com a CPPME

Leia mais

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais,

Leia mais

ENTENDENDO O VGM VERIFIED GROSS MASS

ENTENDENDO O VGM VERIFIED GROSS MASS ENTENDENDO O VGM VERIFIED GROSS MASS 1 Por que foi criada essa exigência? Segurança é fundamental para as operações de navegação e, lamentavelmente, muitos clientes (não somente no Brasil) informam equivocadamente

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2012 MFZ /06/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2012 MFZ /06/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima Rua Visconde de Inhaúma, 134 Gr 1005 CEP 20094-900 - Centro - Rio de Janeiro RJ Brasil Tel.: (55 21) 3232-5600 Fax.: (55 21) 3232-5619 E-mail: syndarma@syndarma.org.br

Leia mais

Agências de Promoção das Exportações Portugal e Irlanda

Agências de Promoção das Exportações Portugal e Irlanda Agências de Promoção das Exportações Portugal e Irlanda Aurora A.C. Teixeira* CEF.UP, Faculdade de Economia, Universidade do Porto; OBEGEF; INESC Porto * Trabalho desenvolvido em co-autoria com Inês Ferreira

Leia mais

Exploração de terminais portuários

Exploração de terminais portuários Exploração de terminais portuários 30º ENAEX Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2011 Wilen Manteli Presidente da ABTP Exploração de portos Decreto Imperial nº 1.746, de 1869 Art. 1º. Fica o Governo autorizado

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Controle Administrativo no Comércio Exterior São Paulo, 18 de setembro de 2013 Controle administrativo 1. O que é o controle administrativo? 2. Aspectos

Leia mais

Agente de Carga Internacional com Pós Graduação

Agente de Carga Internacional com Pós Graduação Agente de Carga Internacional com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais, isto é, responsável pelo planejamento e a intermediação

Leia mais

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos,

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, Alfândegas Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 Alfândegas O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, com

Leia mais

Agente de Carga Internacional

Agente de Carga Internacional Agente de Carga Internacional Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais, isto é, responsável pelo planejamento e a intermediação de soluções logísticas

Leia mais

Importação: Regras básicas

Importação: Regras básicas Importação: Regras básicas Pagamentos de importação de mercadorias em Angola 1 Procure o Ministério do Comércio (MINCO) para proceder ao registo de Exportador e Importador (REI). 3 Negocie com seu Exportador/Fornecedor:

Leia mais

PRANA SIGNIFICA ENERGIA VITAL. FOCADOS NISSO, NOS EMPENHAMOS PARA SER A ENERGIA PROPULSORA DA SUA RELAÇÃO COM O COMÉRCIO INTERNACIONAL CONECTANDO

PRANA SIGNIFICA ENERGIA VITAL. FOCADOS NISSO, NOS EMPENHAMOS PARA SER A ENERGIA PROPULSORA DA SUA RELAÇÃO COM O COMÉRCIO INTERNACIONAL CONECTANDO PRANA SIGNIFICA ENERGIA VITAL. FOCADOS NISSO, NOS EMPENHAMOS PARA SER A ENERGIA PROPULSORA DA SUA RELAÇÃO COM O COMÉRCIO INTERNACIONAL CONECTANDO SEUS NEGÓCIOS COM O MUNDO. QUEM SOMOS SOMOS UMA EMPRESA

Leia mais

Prestação Digital de Serviços Públicos para disponibilização no Portal do Cidadão

Prestação Digital de Serviços Públicos para disponibilização no Portal do Cidadão WORKSHOP CANDIDATURAS SAMA2020 Prestação Digital de Serviços Públicos para disponibilização no Portal do Cidadão B Bolsa de Documentos C - Alteração de Morada uma só vez JUNHO2016 2. DETALHE DAS PRÉ-FORMATADAS

Leia mais

Regulamentação externa e interna

Regulamentação externa e interna Regulamentação externa e interna Dada a extensão das atribuições da APL, S.A. e da sua área de jurisdição, as normas que regem a respetiva atividade ou que têm interesse para a mesma são muito diversas.

Leia mais

Manual do Utilizador do Documento Único : alterações. ( Ref. à circular nº. 36 / 2002, Série II).

Manual do Utilizador do Documento Único : alterações. ( Ref. à circular nº. 36 / 2002, Série II). DSRA Proc. 4.9 (5)/2001 CIRCULAR N.º 37/2003 SÉRIE II Assunto: OPTIMIZAÇÃO DO STADA IMPORTAÇÃO Manual do Utilizador do Documento Único : alterações. ( Ref. à circular nº. 36 / 2002, Série II). Atendendo

Leia mais

BENS DE DUPLO USO CONTROLOS NA EXPORTAÇÃO LUISA NOBRE MARIA MANUEL OLIVEIRA

BENS DE DUPLO USO CONTROLOS NA EXPORTAÇÃO LUISA NOBRE MARIA MANUEL OLIVEIRA Direcção Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo BENS DE DUPLO USO CONTROLOS NA EXPORTAÇÃO LUISA NOBRE MARIA MANUEL OLIVEIRA O quê? Porquê? Quem? Como? O quê? Quaisquer produtos,

Leia mais

Formação Analista em Comércio Exterior

Formação Analista em Comércio Exterior Formação Analista em Comércio Exterior Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista em Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento, coordenação

Leia mais

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A.

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. _Objectivos e Fins Exploração do serviço público aeroportuário de apoio à aviação civil nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, bem como no terminal civil de Beja,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Novo Regime Geral de Resíduos (RGR) Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de Junho 1. Quando vai entrar em vigor e modo de

Leia mais

TOTVS - Microsiga Protheus Comércio Exterior

TOTVS - Microsiga Protheus Comércio Exterior 30/06/2011 Sumário Sumário... 2 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 Novas funcionalidades... 3 1.2 Demurrage por Contêiner... 3 1.3 Importação por Conta e Ordem... 3 1.4 Workflor... 4 1.5 Custeio de Armazenagem...

Leia mais

SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira Maio 13

SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira Maio 13 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira Maio 13 Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio João Simonette Sirlene Silva

Leia mais

Comprometendo-se a proteger a Comunidade do comércio desleal e ilegítimo apoiando a actividade económica legítima.

Comprometendo-se a proteger a Comunidade do comércio desleal e ilegítimo apoiando a actividade económica legítima. Sendo o objectivo dos Regulamentos (CE) nº 1005/2008 do Conselho e (CE) nº1010/2009, da Comissão, assegurar que todos os produtos de pesca comercializados e importados ou exportados pela comunidade, tenham

Leia mais

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016 Agenda Internacional da Indústria 22 de setembro de 2016 Apresentação 1. Panorama do Comércio Exterior Brasileiro 2. CNI 3. Área Internacional da CNI 4. Agenda Internacional da Indústria 5. Pesquisa Desafios

Leia mais

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Panorama

Leia mais

COMPLEXIDADE TRIBUTÁRIA E REFLEXOS NOS NEGÓCIOS SETEMBRO DE 2016

COMPLEXIDADE TRIBUTÁRIA E REFLEXOS NOS NEGÓCIOS SETEMBRO DE 2016 COMPLEXIDADE TRIBUTÁRIA E REFLEXOS NOS NEGÓCIOS SETEMBRO DE 2016 A Complexidade tributária comprovada por números Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), apenas no ano de 2014,

Leia mais

República de Moçambique PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial nº4/2000 de 17 de Março

República de Moçambique PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial nº4/2000 de 17 de Março República de Moçambique PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto Presidencial nº4/2000 de 17 de Março No âmbito da reforma do sistema aduaneiro, visando disciplinar o correcto funcionamento dos orgãos do Aparelho

Leia mais

ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO ANEXOS VERSÃO

ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO ANEXOS VERSÃO 1 ATO DELEGADO CÓDIGO ADUANEIRO DA UNIÃO VERSÃO abril 2016 1 VERSÕES DATA AUTOR VERSÃO COMENTÁRIO Criação do Documento 01-02-2016 Ana Bela Ferreira 1ª (original) 20-04-2016 Ana Bela Ferreira 2ª versão

Leia mais

A Transformação da Administração Pública

A Transformação da Administração Pública A Transformação da Administração Pública Lisboa, 3 e 4 Novembro 2008 www.ama.pt Transformar o Sector Público Definição A mudança de funcionamento do sector público, de um modelo estático, focado na organização,

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

Despacho Aduaneiro de Importação. Decisão

Despacho Aduaneiro de Importação. Decisão 1 Despacho Aduaneiro de Importação Declaração de Importação (DI) NCM Habilitação SISCOMEX Tratamento Administrativo Importação Dispensada de Licenciamento Deferido Licença de Importação (LI) Licenciamento

Leia mais

Zonas de Processamento de Exportação - ZPE

Zonas de Processamento de Exportação - ZPE Zonas de Processamento de Exportação - ZPE Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Desenvolvimento, Indústria e Comércio - FONSEIC Brasília, 29 de abril

Leia mais

APRESENTAÇÃO ITAMBÉ. Engº: Mauricio Petenusso 18 de Novembro de 2009

APRESENTAÇÃO ITAMBÉ. Engº: Mauricio Petenusso 18 de Novembro de 2009 APRESENTAÇÃO ITAMBÉ Engº: Mauricio Petenusso 18 de Novembro de 2009 HISTÓRICO - Itambé - COOPERATIVA CENTRAL DOS PRODUTORES RURAIS DE MINAS GERAIS LTDA LATICÍNIOS ATIVIDADES /NEGÓCIOS RAÇÕES ARMAZÉNS HISTÓRICO

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

RS - ICMS - REPETRO - Isenção, redução da base de cálculo e transferência de saldo credor - Alterações

RS - ICMS - REPETRO - Isenção, redução da base de cálculo e transferência de saldo credor - Alterações Edição nº. 07 Gestão 2011-2014 19 de setembro de 2011. ALERTA GERENCIAL RS - ICMS - REPETRO - Isenção, redução da base de cálculo e transferência de saldo credor - Alterações Por meio do Dec. Est. RS Nº

Leia mais

Acompanhamento dos Processos de Despacho. Conaportos Agosto de 2013

Acompanhamento dos Processos de Despacho. Conaportos Agosto de 2013 Acompanhamento dos Processos de Despacho Conaportos Agosto de 2013 Fluxo Logístico/Processual da Carga na Importação 1 2a 4 Atracação do Navio no Porto Deferimento de LI pelo Órgão Anuente, nos casos em

Leia mais

MULTIRIO MULTICAR ÍNDICE. Armazenagem... Serviços Acessórios... Procedimentos Administrativos... Transporte e Serviços Relacionados...

MULTIRIO MULTICAR ÍNDICE. Armazenagem... Serviços Acessórios... Procedimentos Administrativos... Transporte e Serviços Relacionados... 2017 MULTIRIO MULTICAR A MultiRio é um Terminal de Contêineres e a MultiCar é um Terminal Roll-on/Rolloff, ambos do Grupo Multiterminais localizados no Porto do Rio de Janeiro. Os Terminais contam com

Leia mais

Curso de Legislação Aduaneira para ATRFB. Prof. Thális Andrade

Curso de Legislação Aduaneira para ATRFB. Prof. Thális Andrade Curso de Legislação Aduaneira para ATRFB Prof. Thális Andrade -Professor -Importância da matéria de Legislação Aduaneira -Bibliografia básica BRASIL. Ministério da Fazenda. Disponível em: .

Leia mais

INCOTERMS Check list para uma boa utilização na prática

INCOTERMS Check list para uma boa utilização na prática INCOTERMS 2010 INCOTERMS 2010 1. O que são? 2. Antecedentes históricos e evolução 3. Elementos chave 4. 2 classes & principais diferenças entre D e C 5. As obrigações ao abrigo de cada regra Incoterms

Leia mais

Departamento Farmacêutico

Departamento Farmacêutico REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE Departamento Farmacêutico Entidade Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde Tania V. Sitoie Outubro de 2016 Bio Latim America São Paulo 1 Estrutura Departamento

Leia mais

PRODUTOS V4. Digital Signage Retail Analytics Gestão de Filas Sistemas Interactivos. Q-better.com

PRODUTOS V4. Digital Signage Retail Analytics Gestão de Filas Sistemas Interactivos. Q-better.com PRODUTOS V4 Digital Signage Retail Analytics Gestão de Filas Sistemas Interactivos Q-better.com PRODUTOS DISPONÍVEIS Q-DS Digital Signage Q-DS Multiview Q-DSI Interactivo Crie e faça a gestão das suas

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais - Introdução

Regimes Aduaneiros Especiais - Introdução Regimes Aduaneiros Especiais - Introdução Marcelo Alvares Vicente Advogado, Professor universitário Mestre em Direito Tributário pela PUC/SP Despachante aduaneiro credenciado 8ª RF/RFB 1 Regimes aduaneiros

Leia mais

O atendimento na quarta revolução industrial. Nino Albano

O atendimento na quarta revolução industrial. Nino Albano O atendimento na quarta revolução industrial Nino Albano A evolução do atendimento aos clientes 1ª onda do atendimento: Balcão de atendimento 2ª onda do atendimento: Centrais telefônicas 3ª onda do atendimento:

Leia mais

Programa Comex Infoco. Tema: Domine os Trâmites Documentais na Exportação

Programa Comex Infoco. Tema: Domine os Trâmites Documentais na Exportação Programa Comex Infoco Tema: Domine os Trâmites Documentais na Exportação Apresentação do Professor André Renato Gomes Graduado em Administração de Empresas com Ênfase em Comércio Exterior pela Universidade

Leia mais

Declaração de Importação (DI) Desembaraço Aduaneiro. NCM Habilitação SISCOMEX. Tratamento Administrativo. Deferida. Licença de Importação (LI)

Declaração de Importação (DI) Desembaraço Aduaneiro. NCM Habilitação SISCOMEX. Tratamento Administrativo. Deferida. Licença de Importação (LI) 1 Desembaraçada Desembaraço Aduaneiro Deferida Vinculada à DI Declaração de Importação (DI) NCM Habilitação SISCOMEX Tratamento Administrativo Importação Dispensada de Licenciamento Deferida Licença de

Leia mais

Introdução. Enquadramento. Descrição

Introdução. Enquadramento. Descrição Interfaces Homem Máquina 07/08 Grupo 4 Projecto: G sm Relatório Final Introdução O nosso projecto consiste no desenvolvimento de uma aplicação de gestão de mesadas. A aplicação pretende ser uma ferramenta

Leia mais

GUIÃO EXPORTADOR 2016

GUIÃO EXPORTADOR 2016 GUIÃO EXPORTADOR 2016 1 1 - Preparação do processo de exportação, em Portugal 1.1 - Documentos necessários para efetuar uma exportação (modo geral): - Fatura Comercial, mercadoria discriminada, valores

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério de Economia e Finanças Autoridade Tributária de Moçambique

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério de Economia e Finanças Autoridade Tributária de Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério de Economia e Finanças Autoridade Tributária de Moçambique Discurso da Exma. Senhora Presidente da Autoridade Tributária Por Ocasião do Encerramento da 7ª Edição do Fórum

Leia mais

REGISTOS CONTABILÍSTICOS

REGISTOS CONTABILÍSTICOS OPERADOR ECONÓMICO AUTORIZADO REGISTOS CONTABILÍSTICOS MAPUTO MARÇO DE 2016 CONTEXTO PRINCIPAIS DISPOSIÇÕES PARA O OEA Legais Acordos Código Aduaneiro CONVENÇÃO DE QUIOTO REVISTA QUADRO SAFE DA OMA Políticas

Leia mais

Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior

Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior FGV/2017 Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior Abrão Miguel Árabe Neto Secretário de Comércio Exterior Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - CENÁRIO ATUAL Desafios à Competitividade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DE SALVADOR

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DE SALVADOR MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DE SALVADOR PORTARIA ALF/SDR Nº 14, de 5 de maio de 2014. Disciplina o atendimento da Seção

Leia mais

CONVERSANDO COM ESPECIALISTAS DE MERCADO: O papel do despachante aduaneiro no comércio internacional

CONVERSANDO COM ESPECIALISTAS DE MERCADO: O papel do despachante aduaneiro no comércio internacional CONVERSANDO COM ESPECIALISTAS DE MERCADO: O papel do despachante aduaneiro no comércio internacional Horário: 19h10 Local: Sala UL 25, bloco amarelo, FCA Limeira, 05 de setembro de 2012. O DESPACHANTE

Leia mais

ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio

ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio De forma a garantir que a prestação digital de serviços públicos não implica a exclusão de quem não saiba ou não possa utilizar os serviços públicos

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil: Integração e Padronização para a Prestação de Serviços Públicos

Governo Eletrônico no Brasil: Integração e Padronização para a Prestação de Serviços Públicos Governo Eletrônico no Brasil: Integração e Padronização para a Prestação de Serviços Públicos João Batista Ferri de Oliveira Agenda Cenários Diretrizes do Governo Eletrônico Integração e Interoperabilidade

Leia mais

O NOSSO LADO GO. Na GO>Express respondemos diariamente a esta questão. Conseguimos inovar porque temos um lado que faz a diferença.

O NOSSO LADO GO. Na GO>Express respondemos diariamente a esta questão. Conseguimos inovar porque temos um lado que faz a diferença. Na GO>Express respondemos diariamente a esta questão. Conseguimos inovar porque temos um lado que faz a diferença. O NOSSO LADO GO Agência: Say U Consulting Director Criativo: Marta Gonçalves Director

Leia mais

PATROCINADORES PRINCIPAIS

PATROCINADORES PRINCIPAIS PATROCINADORES PRINCIPAIS PATROCINADORES PRINCIPAIS Apoio Institucional Patrocinadores Globais APDSI PRIMAVERA Public Services nos grandes desafios do setor da Saúde Ângela Brandão Vice Presidente PRIMAVERA

Leia mais

Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados

Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados Apresentação preparada para o Seminário Perspectivas para a economia brasileira nos próximos anos, na FIESP

Leia mais

NORMA GERAL PARA O CREDENCIAMENTO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE COLETA DE RESÍDUO GERAL

NORMA GERAL PARA O CREDENCIAMENTO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE COLETA DE RESÍDUO GERAL NORMA GERAL PARA O CREDENCIAMENTO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE COLETA DE RESÍDUO GERAL TÍTULO Capítulo Norma Geral 5 Área de Relações com o mercado e Comunidades 5 Meio Ambiente Seção Nome 01

Leia mais

Sistemática do Comércio Exterior Adriana Viana Ana Cristina Bidueira Hellen Assunção Emanoela Pacheco Marla Noleto Karina Rodrigues

Sistemática do Comércio Exterior Adriana Viana Ana Cristina Bidueira Hellen Assunção Emanoela Pacheco Marla Noleto Karina Rodrigues Prof. Alexandre Almeida Sistemática do Comércio Exterior Adriana Viana Ana Cristina Bidueira Hellen Assunção Emanoela Pacheco Marla Noleto Karina Rodrigues O RECOF é o regime que permite a importação de

Leia mais