ADENSAMENTO POR GRAVIDADE DE LODO DE ETA GERADO EM DECANTADOR CONVENCIONAL E DECANTADOR LAMINAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADENSAMENTO POR GRAVIDADE DE LODO DE ETA GERADO EM DECANTADOR CONVENCIONAL E DECANTADOR LAMINAR"

Transcrição

1 ADENSAMENTO POR GRAVIDADE DE LODO DE ETA GERADO EM DECANTADOR CONVENCIONAL E DECANTADOR LAMINAR Archimedes Pereira da Silva Junior (*) Faculdade de Engenharia Civil Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Engenheiro Civil; Mestrando em Saneamento e Ambiente. Ricardo de Lima Isaac Departamento de Saneamento e Ambiente Faculdade de Engenharia Civil Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Endereço (*): Avenida Nossa Senhora de Fátima, 1128 apto: R13 Taquaral Campinas São Paulo Brasil Tel:+55(19) RESUMO O lodo de decantador, em geral, contém a maior parte dos sólidos removidos no tratamento de água, cujo teor vai depender, fundamentalmente, da qualidade da água bruta, do tipo e dosagem de coagulante e dos produtos químicos ali empregados. E também, do tipo de decantador e do sistema de remoção de lodo. A parcela de lodo originária dos decantadores pode variar na faixa de 60-95% da quantidade total de resíduo produzido, enquanto que a água de lavagem dos filtros, na faixa de 5-40%. A remoção pode ser executada de forma mecanizada ou manual, dependendo do porte da ETA. As diferentes frações de água presente no lodo que podem ser ordenadas segundo sua dificuldade crescente de separação da fase sólida são: Água livre; Água intersticial; Água vicinal e Água de hidratação. Amostras de lodo foram coletadas semanalmente nas ETAs durante o verão (chuvas). Neste trabalho, o polímero foi aplicado nas amostras de lodo em uma concentração de 0,25% (w/w). Os polímeros testados no pré-condicionamento do lodo bruto eram todos de alto peso molecular para favorecer o adensamento por gravidade. Cinco polímeros foram testados e dentre eles foram escolhidos dois que melhor influenciaram o adensamento por gravidade do lodo. Escolhidos os dois melhores polímeros a próxima fase foi encontrar as condições ótimas para o adensamento do lodo por gravidade. Os ensaios constituíram basicamente em: a) fixar a rotação do agitador, fixar a dosagem de polímero e variar o tempo de mistura do condicionador; e b) com o melhor tempo de mistura, rotação fixa, variar a dosagem de polímero. A escolha do melhor polímero e dosagem ótima foi feita com base no fator de clarificação e espessamento, bem como na menor turbidez residual do sobrenadante e no máximo teor de sólidos do lodo adensado O teor de sólidos no lodo gerado no decantador convencional esteve na faixa de 0,28-1,28% enquanto que no decantador laminar esteve na faixa de 0,22-0,37% para o período de chuvas. Dos polímeros testados, o que acarretou melhores resultados foi do tipo aniônico, de alto peso molecular e alta densidade de carga. A dosagem ótima obtida foi de 1,0 mg/g SST para o lodo de decantador convencional e de 3,0 mg/g SST para o lodo de decantador laminar. Este estudo teve como objeto o lodo gerado em duas ETAs de ciclo completo, situadas lado a lado, recebendo a mesma água coagulada, uma porém com decantadores do tipo convencional e a outra do tipo laminar ou de alta taxa. Esses lodos assim adensados, nas suas respectivas condições ótimas, são objeto de um estudo em andamento na UNICAMP quanto à desidratação por centrífuga. Palavras-chave: Lodo de ETA, Decantador Convencional e Laminar, Adensamento, Condicionamento Químico, Polímeros Orgânicos Sintéticos. 1

2 INTRODUÇÃO Os dois principais tipos de resíduos gerados em ETAs convencionais ou de ciclo completo são lodo de decantador e água de lavagem de filtro. Tais resíduos, praticamente líquidos, necessitam tratamento e g. por adensamento e desidratação para adequado transporte e disposição final ou reuso benéfico. O lodo de decantador, em geral, contém a maior parte dos sólidos removidos no tratamento de água, cujo teor vai depender, fundamentalmente, da qualidade da água bruta, do tipo e dosagem de coagulante e demais produtos químicos ali empregados. E, por outro lado, do tipo de decantador e do sistema de remoção de lodo (Reali, 1999). Enquanto que em decantadores convencionais com limpeza manual e freqüência acima de 20 dias, o teor de sólidos, em geral, fica acima de 2,5% (Cordeiro, 1999), em decantadores com limpeza mecanizada, contínua ou semicontínua, o teor de sólidos pode ser tão baixo quanto 0,1%, mas com maior geração em volume de lodo. Os sistemas mecânicos de desidratação (isto é, centrífuga, filtro-prensa) requerem resíduos com teores de sólidos mais altos em sua entrada/alimentação, e g 3-4%, obtidos, para lodos contendo hidróxidos metálicos, através do adensamento com o auxílio de pré-condicionamento químico com polímeros orgânicos sintéticos (Isaac, 1999). No que se refere ao projeto e concepção da ETA, decantadores laminares têm como grande vantagem em relação aos decantadores convencionais a possibilidade de adoção de taxas de aplicação superficial mais elevadas e, conseqüentemente, de menores áreas para a mesma vazão tratada. Contudo, diante da necessidade de maior proteção ambiental e da imposição legal de se tratar e destinar adequadamente os resíduos das ETAs, faz-se necessário investigar melhor os lodos gerados em um tipo e outro de decantador, quanto às suas características qualitativas e quantitativas e, conseqüentemente, sua tratabilidade. OBJETIVO Avaliar comparativamente, através de estudo experimental em escala de laboratório, a adensabilidade de lodo de decantador convencional e decantador laminar, após condicionamento químico com polímeros orgânicos sintéticos. ORIGEM E CARACTERÍSTICAS DOS LODOS Como foi mencionado anteriormente, o lodo se acumula no fundo dos decantadores (ou eventualmente em floculadores com ar dissolvido) e na água de lavagem dos filtros e podem ser constituídos, principalmente, de partículas finas, ou colóides em suspensão, matéria orgânica e inorgânica e organismos microscópicos, como bactérias e vírus (Yuzhu, 1996). Qualquer tipo de resíduo de decantador consiste em uma combinação entre uma fase sólida com certa quantidade de líquido, o comportamento deste não deve ser erroneamente assumido como sendo igual ao da água em seu estado líquido natural (Reali, 1999). O lodo do decantador é caracterizado como sendo um fluido não Newtoniano, volumoso e tixotrópico, ou seja, apresenta-se no estado de gel quando em repouso, mas torna-se relativamente fluido quando agitado, além de ser de difícil sedimentação ou flotação (Yuzhu, 1996). De acordo com esta pesquisadora, a parcela de lodo originária dos decantadores pode variar na faixa de 60-95% da quantidade total de resíduo produzido, enquanto que a água de lavagem dos filtros, na faixa de 5-40%. No lodo os valores baixos de DBO 5, na faixa de 2-4 mg/l, e valores relativamente altos de DQO, da ordem de mg/l, são uma indicação da presença de pequena quantidade de matéria orgânica relativamente estável. Nas estações que utilizam sais de alumínio como coagulante, em geral, a quantidade de sólidos totais ( mg/l) e sólidos em suspensão ( mg/l) são baixos. Geralmente, a presença de sólidos em suspensão na água de lavagem de filtros esta em torno de 0,01%, conforme exposto por O Connor (1971). Os lodos de sedimentadores podem ser removidos continuamente ou periodicamente. A remoção pode ser executada de forma mecanizada ou manual, dependendo do porte da ETA. Quando se opta pela remoção mecanizada os equipamentos, normalmente, são projetados para operar em períodos que variam de uma vez por semana, ou por hora, ou mesmo com descargas contínuas. Em caso de remoção manual a freqüência, geralmente, é de duas vezes a cada três ou mais meses. Nos filtros os lodos são gerados por ocasião da sua lavagem que é feita, normalmente, em intervalos de 12 a 24 horas. Podendo chegar a ser feita a cada 2 u 6 horas (Reali, 1999). De acordo com aquele autor, há diferentes formas físicas da água no lodo, as quais exercem influência marcante na maior ou menor dificuldade de separação entre as fases. As diferentes frações de água presente no lodo, mostradas na figura 1, que podem ser ordenadas segundo sua dificuldade crescente de separação da fase sólida, segundo Vesilind (1994), são: 2

3 Água livre: é aquela não associada, nem influenciada, por partículas sólidas em suspensão. Pode ser removida por drenagem, adensamento e desidratação mecânica; Água intersticial: está retida nos interstícios dos flocos. Parte dela está presa no interior do floco, mas pode ser liberada se a estrutura do floco for destruída. Removível mecanicamente; Água vicinal: constituída por múltiplas camadas de moléculas de água fisicamente ligadas, as quais encontram-se firmemente presas à superfície da partícula por meio de pontes de hidrogênio. Sua diferença com a anterior é que aquela fica livre para se mover quando o confinamento é eliminado, e esta só pode ser removida pela diminuição da área superficial total de partículas sólidas a que ela pode se ligar. Removível por condicionamento químico e; Água de hidratação: quimicamente ligada à superfície da partícula, removível apenas pelo aumento da energia térmica. Fonte: Vesilind (1994) Figura 1: Distribuição da água no floco de lodo METODOLOGIA As amostras de lodo utilizadas neste trabalho eram provenientes das ETAs 3 e 4 da SANASA, na cidade de Campinas, Estado de São Paulo, Brasil (Figura 2). Estas duas ETAs, localizadas lado a lado, têm em comum a chegada de água bruta (rio Atibaia), pré-sedimentadores de CAP e unidade de mistura rápida (coagulante cloreto férrico). A partir desse ponto, o fluxo principal se divide entre uma e outra estação, sendo que a ETA 3 tem decantadores convencionais com raspadores de lodo circulares e a ETA 4 decantadores laminares e manifold de coleta de lodo. Figura 2: ETA 3/decantador convencional (em cima) e ETA 4/decantador laminar (embaixo) Amostras de lodo foram coletadas semanalmente nessas ETAs durante o verão (chuvas). No mesmo dia da coleta, as amostras eram caracterizadas quanto à série de sólidos e ph, segundo Standard Methods for Water and Wastewater Examination, 19ed. (1995). Todos os ensaios de condicionamento químico e adensamento por gravidade foram feitos na mesma semana de cada coleta, num prazo máximo de 5 dias. O trabalho experimental foi realizado no Laboratório de Protótipos do Departamento de Saneamento e Ambiente da Faculdade de Engenharia Civil da UNICAMP. Neste trabalho, o polímero foi aplicado nas amostras de lodo em uma concentração de 0,25% (w/w), a solução de polímero era preparada sempre no dia da aplicação. Os polímeros testados no pré-condicionamento do lodo bruto eram 3

4 todos de alto peso molecular ( 10 6 g), para favorecer o adensamento por gravidade. Na tabela 1 estão apresentadas as características dos polímeros utilizados nesta investigação experimental. TABELA 1: Características dos polímeros escolhidos POLÍMERO FABRICANTE CARGA APARÊNCIA COR 1 Praestol 2640 Stockhausen Médio Aniônico Granular Branco 2 Praestol 852 BC Stockhausen Médio Catiônico Granular Branco 3 G 999 Nalco Não Iônico Granular Branco 4 G 998 Nalco Alto Aniônico Granular Branco 5 G 9046 Nalco Alto Catiônico Granular Branco Os cinco polímeros apresentados na tabela 1 foram testados e dentre eles foram escolhidos dois que melhor influenciaram o adensamento por gravidade do lodo. A seleção foi feita a partir de testes preliminares em cones Imhoff e na instalação piloto (fase I). Os ensaios foram realizados aplicando-se a mesma dosagem (foram investigadas duas dosagens diferentes 2 e 4 mg/g SST) de cada um dos cinco polímeros a amostras de lodo, sob condições fixas de rotação e tempo de mistura, respectivamente, 645 rpm e 30s. A instalação piloto (figura 3) consistia de 6 colunas cilíndricas de acrílico, com diâmetro de 11 cm, altura de 75 cm e cerca de 6 L de capacidade cada uma. A aplicação do polímero à amostra (volume de 5 L) era feita numa caixa de acrílico, utilizando-se de um misturador de alta rotação (645 rpm). Cada ensaio de sedimentação era iniciado imediatamente após a introdução do lodo assim condicionado em cada coluna, e o tempo de sedimentação foi de 300 minutos. Figura 3: Instalação piloto para realização dos ensaios de adensamento por gravidade Escolhidos os dois melhores polímeros, na próxima fase (fase II) foram encontradas as condições ótimas (tempo de mistura e dosagem de polímero) para o adensamento do lodo por gravidade. Estes parâmetros foram determinados para o resíduo oriundo do decantador das duas ETAs, no período de chuvas, e para os dois polímeros escolhidos na fase anterior. Os ensaios constituíram basicamente em: a) fixar a rotação do agitador, fixar a dosagem de polímero e variar o tempo de mistura do condicionador; e b) com o melhor tempo de mistura, rotação fixa, variar a dosagem de polímero. Foram investigados tempos de mistura de 15, 30, 45, 60, 90, e 120 segundos e dosagens de 1, 3, 5, 7, 9, 11, 13 e 15 mg/g SST. Em cada ensaio o tempo total de sedimentação era de 300 segundos. A escolha do melhor polímero e dosagem ótima foi feita com base no fator de clarificação e espessamento, bem como na menor turbidez residual do sobrenadante e no máximo teor de sólidos do lodo adensado (Reali e Patrizzi, 1999). RESULTADOS O teor de sólidos no lodo gerado no decantador convencional esteve na faixa de 0,28-1,28% enquanto que no decantador laminar esteve na faixa de 0,22-0,37% para o período de amostragem (chuvas). No tocante as características químicas do lodo os parâmetros, sólidos totais e sólidos voláteis, ficaram dentro da faixa de valores, apresentados por YUZHU 4

5 (1996), que é de 0,1-2,0%, para lodo de decantador. Todavia os valores de ph encontrados foram maiores (8,4-8,9) do que os apresentados por aquela pesquisadora, que era da ordem de 6-8. Isto se deve ao fato da água a ser tratada ter o valor de seu ph aumentado (da ordem de 9) para que o coagulante utilizado (cloreto férrico) possa fazer a coagulação no mecanismo da varredura. Estação de Tratamento 3 Decantador Convencional Os ensaios realizados em cone Imhoff mostraram que os polímeros 2 e 5 foram os que obtiveram uma melhor captura dos sólidos em suspensão e portanto, apresentaram melhores resultados do valor da turbidez. Estes valores variam de 1,13 a 3,06 NTU para o polímero 2 e, ficam compreendidos entre 3,61-4,49 NTU para o polímero 5. Os ensaios em colunas de sedimentação, apenas vieram confirmar o bom desempenho dos polímeros 2 e 5 na captura dos sólidos em suspensão, resultando nos melhores valores para a turbidez do sobrenadante. Para o polímero 5 a turbidez foi de 1,8-2,49 NTU para a dosagem de polímero de 2 e 4 mg/g SST, respectivamente. O polímero 2 obteve os seguintes valores 0,93 e 2,8 NTU para dosagem de polímero de 2 e 4 mg/g SST, respectivamente. Ainda para o lodo da estação 3 os polímeros 2 e 5, tanto para os ensaios nos cone quanto para as colunas, apresentaram valores de teor de sólidos no lodo adensado bastante satisfatórios. O polímero 2 produziu resíduo espessado com teor de sólido que foi compreendido entre 1,39-4%. Por sua vez, o sedimento adensado com o polímero 5 atingiu valores de teor de sólido na faixa de 1,43 a 3,97%. Cabe ainda dizer que os polímeros 1 e 3, também tiveram um bom desempenho no tocante ao parâmetro teor de sólido no lodo adensado. Contudo, os valores da turbidez residual no sobrenadante depois de terminada a sedimentação, foi extremamente alta, chegando a valores da ordem de 9,48 e 12 NTU respectivamente para os polímeros 1 e 3. Para dosagem de 2 mg/g SST, os lodos condicionados com os polímeros 1, 3 e 4 foram os que resultaram em maiores valores para o fator de clarificação, isto é, 35,97 cm/min. Quando este parâmetro é combinado com o fator de espessamento, apenas os polímeros 3 e 4 se sobressaíram com valores de F e de 3,6 e 2,4 cm/min, respectivamente. No ensaio feito com dosagem de 4 mg/g SST para todos os polímeros testados foram obtidos os valores de F c de 35,97 cm/min. Quando analisados juntamente com os valores de F e os melhores condicionadores foram 3 e 4, respectivamente, com valores iguais a 3,6 e 2,77 cm/min. Para decidir quais os melhores polímeros foram combinados quatro parâmetros: menor valor da turbidez do sobrenadante; maior teor de sólidos no lodo adensado; e maiores valores dos fatores de clarificação e espessamento. Nos ensaios realizados, para determinação da condição ótima de adensamento, foi observado que o tempo de 45s foi o que produziu sobrenadante com menor valor de turbidez 0,76 NTU. O tempo de 30s foi o que atingiu o maior índice de teor de sólidos no lodo adensado 7,01%, isto para o polímero 2. No caso do polímero 4 o tempo de 15 s produziu sobrenadante com 2,07 NTU de turbidez e 30s de mistura foram suficientes para deixar o resíduo adensado com teor de 5,8%. Depois de encontrados os valores de F c e F e, verificou-se que os maiores valores destes foram atingidos com 30s de mistura para os dois polímeros em estudo. O valor de F c foi de 37,41 cm/min para os condicionadores 2 e 4. Para o primeiro o maior valor de F e foi 5,76 cm/min, e para o segundo não pôde ser determinado. Portanto, de acordo com os resultados obtidos, para a ETA 3, 30s mostrou ser o melhor tempo de mistura para o adensamento por gravidade. As melhores dosagens encontradas foram de 3mg/g SST para o polímero 2 e 1mg/g SST para o polímero 4. Para a primeira dosagem os parâmetros encontrados foram 9,37 e 37,41 cm/min para F e e F c, respectivamente, o valor da turbidez foi de 1,47 NTU e 3,55% de teor de sólidos no lodo adensado. A outra dosagem apresentou valor de turbidez de 3,70 NTU e 4,73% de teor de sólidos, os valores de F e e F c foram, respectivamente, 7,49 e 37,41 cm/min. Estação de Tratamento 4 Decantador Laminar Para o polímero 2 a turbidez residual do sobrenadante ficou compreendida entre 0,84 e 4,58 NTU, sendo que este último valor ficou muito acima da média que foi de 1,65 NTU. Os sobrenadantes de resíduos condicionados com polímero 5 apresentaram valores de turbidez que foram de 11,11 a 2,25 NTU. Referindo-se ao teor de sólido do lodo adensado os valores encontrados foram muito próximos para os ensaios realizados nos cones Imhoff assim como para aqueles feitos nas colunas de sedimentação, sendo a média dos valores de 1,27%. Quando o polímero foi dosado a 2 mg/g SST, os lodos condicionados com os produtos 1, 2 e 3 obtiveram os maiores valores para o fator de clarificação, isto é, 37,41 cm/min. Combinando este parâmetro com o fator de espessamento, apenas os polímeros 1 e 3 se mostraram com bom desempenho, com valores de F e de 2,34 e 2,67 cm/min, respectivamente. Para as análises feitas com dosagem de 4 mg/g SST todos os polímeros testados resultaram em 5

6 elevados valores de F c, de 37,41 cm/min. Quando combinados com os valores de F e os melhores condicionadores foram 3 e 4, respectivamente, iguais a 2,67 e 2,88 cm/min. Quando os quatro parâmetros foram combinados para se determinar qual seriam os dois polímeros escolhidos a serem utilizados na próxima fase, foi observado que os resíduos condicionados com os polímeros 2 e 5, mostraram um desempenho não muito inferior aos condicionadores 3 e 4, no tocante ao valor de F e. Todavia, estes tiveram um desempenho muito ruim no parâmetro turbidez, quando comparado com aqueles. Os polímeros 3 e 4 apresentaram valores de turbidez do sobrenadante, em torno de 6 a 7 vezes maiores que os condicionadores 2 e 5. Diante disto, os polímeros 2 e 5, catiônicos, foram os mais apropriados para os ensaios de adensamento nas colunas de sedimentação. Como o polímero 2 apresentou resultados melhores se comparado com o condicionador 5, este foi substituído pelo polímero 4, que mesmo não conseguindo bons valores na turbidez do sobrenadante (da ordem de 4,7 NTU), teve um desempenho melhor quando comparado com o polímero 3. Para a determinação das condições ótimas de adensamento, verificou-se que para o polímero 2, 60s de mistura produziu sobrenadante com valor de turbidez de 0,37 NTU e 15s de agitação gerou lodo adensado com teor de sólidos de 1,45%. Analisando agora o polímero 4. 45s de mistura produziu sobrenadante com 0,75 NTU de turbidez e 15s de mistura foram suficientes para originar sedimento com teor de 1,2% de sólidos. Definido os valores de F c e F e, concluiu-se que os maiores valores destes foram conseguidos com 15s de agitação para ambos polímeros investigados. O valor de Fc para o polímero 2 foi de 12,47 cm/min e para o polímero 4 foi de 37,41 cm/min. Já o fator de espessamento foi de 1,25 cm/min para o produto 2 e de 1,63 cm/min para o 4. Sendo assim, de acordo com os resultados encontrados, para a ETA 4, 15s revelou ser o melhor tempo de agitação para o adensamento por gravidade. A melhor dosagem encontrada foi de 3mg/g SST para o polímero 4, que obteve 1,97 e 37,41 cm/min para F e e F c, respectivamente, 1,11 NTU como valor da turbidez e 1,95% de teor de sólidos no lodo adensado. Para o polímero 2 os resultados não foram conclusivos. CONCLUSÃO Dos polímeros testados, o que acarretou melhores resultados foi do tipo aniônico, de alto peso molecular e alta densidade de carga. A dosagem ótima obtida foi de 1 mg/g SST e tempo de mistura de 30 segundos para o lodo de decantador convencional e de 3 mg/g SST e tempo de mistura de 15 segundos para o lodo de decantador laminar. Este estudo teve como objeto o lodo gerado em duas ETAs de ciclo completo, situadas lado a lado, recebendo a mesma água coagulada, uma porém com decantadores do tipo convencional e a outra do tipo laminar ou de alta taxa. No período de amostragem (chuva) o lodo gerado no decantador convencional apresentou teor de sólidos mais elevado e requereu menores dosagens de polímeros para o seu adensamento por gravidade em relação ao lodo gerado no decantador laminar. Esses lodos assim adensados, nas suas respectivas condições ótimas, são objeto de um estudo em andamento na UNICAMP quanto à desidratação por centrífuga. Agradecimentos À Direção e ao Corpo Técnico da Sociedade de Abastecimento de água e Saneamento/SA SANASA, pela autorização e auxílio, respectivamente, na coleta de amostras de lodo para a execução dos ensaios e; À FAPESP. pela concessão da bolsa de pesquisa que viabilizou a execução deste trabalho. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APHA / ASCE / AWWA Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater, Nova Iorque. edição 19,1995. CORDEIRO, J. S. Importância do tratamento e disposição adequada dos lodos de ETAs. In: Noções Gerais de Tratamento e Disposição Final de Lodos de Estações de Tratamento de Água. Rio de Janeiro p O CONNOR, J.T. Management of water treatment plant residues. In: Water Quality and Treatment. 3 ed., p REALI, M. A. P. Principais características quantitativas e qualitativas do lodo de ETAs. In: Noções Gerais de Tratamento e Disposição Final de Lodos de Estações de Tratamento de Água. Rio de Janeiro p REALI, M. A. P.; PATRIZZI, L. J. Espessamento de lodos de ETAs. In: Noções Gerais de Tratamento e Disposição Final de Lodos de Estações de Tratamento de Água. Rio de Janeiro p

7 VESILIND, P. A. The role of water in sludge dewatering. Water Environment Research, v. 66, n. 1, p. 4-11, jan./fev YUZHU, W. Condicionamento de lodo de estação de tratamento de água: estudo de caso v. Dissertação (Mestrado em Engenharia Hidráulica e Sanitária) Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, p

INFLUÊNCIA DO ph NO TRATAMENTO DE LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO POR PROCESSO DE STRIPPING DE AMÔNIA.

INFLUÊNCIA DO ph NO TRATAMENTO DE LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO POR PROCESSO DE STRIPPING DE AMÔNIA. INFLUÊNCIA DO ph NO TRATAMENTO DE LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO POR PROCESSO DE STRIPPING DE AMÔNIA. Edilma Rodrigues Bento Dantas 1 Graduanda em Engenharia Sanitária e Ambiental pela Universidade Estadual

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 15 Flotação e Filtração

Saneamento Ambiental I. Aula 15 Flotação e Filtração Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 15 Flotação e Filtração Profª Heloise G. Knapik 1 Conteúdo Módulo 2 Parâmetros de qualidade de água - Potabilização Coagulação

Leia mais

Classificação e distribuição dos sólidos em função do tamanho

Classificação e distribuição dos sólidos em função do tamanho UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Coagulação DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Sólidos Presentes

Leia mais

II-145 ESTUDO DE TRATAMENTO DOS EFLUENTES DE UMA FÁBRICA DE PAPEL PARA IMPRIMIR VISANDO O REUSO POR FLOTAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO

II-145 ESTUDO DE TRATAMENTO DOS EFLUENTES DE UMA FÁBRICA DE PAPEL PARA IMPRIMIR VISANDO O REUSO POR FLOTAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO II-145 ESTUDO DE TRATAMENTO DOS EFLUENTES DE UMA FÁBRICA DE PAPEL PARA IMPRIMIR VISANDO O REUSO POR FLOTAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO Ricardo Nagamine Costanzi (1) Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU*

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* Autores: Felix de Carvalho Augusto (apresentador) Técnico em Química (Colégio São José RJ), Químico Industrial (Faculdade da

Leia mais

RESUMO PALAVRAS CHAVE. Tratamento de Água, Resíduos, Sólidos, Lodo, Balanço de massa.

RESUMO PALAVRAS CHAVE. Tratamento de Água, Resíduos, Sólidos, Lodo, Balanço de massa. ESTUDO COMPARATIVO DA GERAÇÃO DE SÓLIDOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CONVENCIONAL DE CICLO COMPLETO E ETA CICLO COMPLETO COM DECANTADOR DE ALTA TAXA Francisco Gláucio Cavalcante de Souza (*) Escola

Leia mais

Estudo da Taxa de Consumo de Oxigênio em Sistemas de Lodos Ativados relacionado à Concentração de Sólidos Suspensos

Estudo da Taxa de Consumo de Oxigênio em Sistemas de Lodos Ativados relacionado à Concentração de Sólidos Suspensos Estudo da Taxa de Consumo de Oxigênio em Sistemas de Lodos Ativados relacionado à Concentração de Sólidos Suspensos Ricardo Nagamine Costanzi (1) Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Doutorando

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO UTILIZANDO FILTRO DE AREIA GROSSA COM ESCOAMENTO ASCENDENTE COMO PRÉ-TRATAMENTO À FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE

TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO UTILIZANDO FILTRO DE AREIA GROSSA COM ESCOAMENTO ASCENDENTE COMO PRÉ-TRATAMENTO À FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO UTILIZANDO FILTRO DE AREIA GROSSA COM ESCOAMENTO ASCENDENTE COMO PRÉ-TRATAMENTO À FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE Donizeti De Paula: engenheiro civil, estudante de pós-graduação

Leia mais

INPI 18/07/12 INPI. Consulta à Base de Dados do INPI 1/1. [ Pesquisa Base Marcas Pesquisa Base Desenhos Ajuda? ]

INPI 18/07/12 INPI. Consulta à Base de Dados do INPI 1/1. [ Pesquisa Base Marcas Pesquisa Base Desenhos Ajuda? ] 18/07/12 INPI INPI Instituto Nacional da Propriedade Industrial» Consultar por: Base Patentes Finalizar Sessão Consulta à Base de Dados do INPI [ Pesquisa Base Marcas Pesquisa Base Desenhos Ajuda? ] Patente

Leia mais

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES 16º ENCONTRO TÉCNICO DE ALTO NÍVEL : REÚSO DE ÁGUA SÃO PAULO, SP - 7 e 8 de Novembro de 2016 Associação

Leia mais

TRATAMENTO DE LODO PRODUZIDO PELA ETA FONTE TEMA I: ÁGUA AUTORES:

TRATAMENTO DE LODO PRODUZIDO PELA ETA FONTE TEMA I: ÁGUA AUTORES: TRATAMENTO DE LODO PRODUZIDO PELA ETA FONTE TEMA I: ÁGUA AUTORES: ENG.º JOSÉ ROBERTO MECIANO JUNIOR (1) ENGº. FERNANDO HENRIQUE LOURENCETTI (2) ENGº WILIAN THOMAZ MARÉGA (3) ENGº JOSÉ BRAZ SCOGNAMIGLIO

Leia mais

II-167 INFLUÊNCIA DA ALCALINIDADE NA PRECIPITAÇÃO DE FLUORETOS COM CÁLCIO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS PROVENIENTES DA FOSCAÇÃO DE VIDRO.

II-167 INFLUÊNCIA DA ALCALINIDADE NA PRECIPITAÇÃO DE FLUORETOS COM CÁLCIO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS PROVENIENTES DA FOSCAÇÃO DE VIDRO. II-167 INFLUÊNCIA DA ALCALINIDADE NA PRECIPITAÇÃO DE FLUORETOS COM CÁLCIO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS PROVENIENTES DA FOSCAÇÃO DE VIDRO. Márcio José Ishida Cipriani (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica

Leia mais

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS. Materiais Filtrantes para Tratamento de Água Potável e Efluentes Industriais.

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS. Materiais Filtrantes para Tratamento de Água Potável e Efluentes Industriais. I ENCONTRO DAS ÁGUAS 13 a 15 de maio de 2009 - Campo Grande MS Realização: SINTERCON Painel : Título da Palestra: Materiais Filtrantes para Tratamento de Água Potável e Efluentes Industriais. Palestrante:

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DE PRECIPITAÇÃO QUÍMICA DE EFLUENTE GALVÂNICO COM HIDRÓXIDO DE CÁLCIO E CARBONATO DE SÓDIO

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DE PRECIPITAÇÃO QUÍMICA DE EFLUENTE GALVÂNICO COM HIDRÓXIDO DE CÁLCIO E CARBONATO DE SÓDIO AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DE PRECIPITAÇÃO QUÍMICA DE EFLUENTE GALVÂNICO COM HIDRÓXIDO DE CÁLCIO E CARBONATO DE SÓDIO S. J. B. PERINI 1, H. C. M, SOUZA 2, M. L. MOLIN 3, B. L. B. PERINI 4, N. SELLIN 5 1,

Leia mais

PROJETO DE SEDIMENTADOR CONTÍNUO A PARTIR DE ENSAIOS DE PROVETA COM SUSPENSÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO UTILIZANDO O MÉTODO DE TALMADGE E FITCH

PROJETO DE SEDIMENTADOR CONTÍNUO A PARTIR DE ENSAIOS DE PROVETA COM SUSPENSÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO UTILIZANDO O MÉTODO DE TALMADGE E FITCH PROJETO DE SEDIMENTADOR CONTÍNUO A PARTIR DE ENSAIOS DE PROVETA COM SUSPENSÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO UTILIZANDO O MÉTODO DE TALMADGE E FITCH Guimarães, L. de M. J. (1); Oliveira, L. G. (Orientador) Universidade

Leia mais

ESTUDO DA SEDIMENTAÇÃO PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO DE INDÚSTRIA BENEFICIADORA DE ARROZ

ESTUDO DA SEDIMENTAÇÃO PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO DE INDÚSTRIA BENEFICIADORA DE ARROZ ESTUDO DA SEDIMENTAÇÃO PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO DE INDÚSTRIA BENEFICIADORA DE ARROZ C. O. MEDEIROS 1, R. R. LIMA 1, R. A. MARTINS 1, K. L. BUENO 1, J. V. DIEL 2, L. M. RODRIGUES 1, T. R. SOUZA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA DEGRADAÇÃO AERÓBIA DE DESPEJO DE ABATEDOURO DE AVES

UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA DEGRADAÇÃO AERÓBIA DE DESPEJO DE ABATEDOURO DE AVES ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental I - 15 UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA DEGRADAÇÃO AERÓBIA DE DESPEJO DE ABATEDOURO DE AVES Carlos Eduardo Blundi (1) Prof. Doutor do Departamento

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DO COMPORTAMENTO HIDRÁULICO DE MEIOS FILTRANTES DE AREIA- ANTRACITO E AREIA-CARVÃO ATIVADO GRANULAR NO TRATAMENTO DE ÁGUA

ESTUDO COMPARATIVO DO COMPORTAMENTO HIDRÁULICO DE MEIOS FILTRANTES DE AREIA- ANTRACITO E AREIA-CARVÃO ATIVADO GRANULAR NO TRATAMENTO DE ÁGUA ESTUDO COMPARATIVO DO COMPORTAMENTO HIDRÁULICO DE MEIOS FILTRANTES DE AREIA- ANTRACITO E AREIA-CARVÃO ATIVADO GRANULAR NO TRATAMENTO DE ÁGUA Seckler Ferreira Filho Sidney *, Arantes do Nascimento Teixeira

Leia mais

III APLICAÇÃO DO BALANÇO DE MASSA NO PROCESSO DE BIOESTABILIZAÇÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

III APLICAÇÃO DO BALANÇO DE MASSA NO PROCESSO DE BIOESTABILIZAÇÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS III-47 - APLICAÇÃO DO BALANÇO DE MASSA NO PROCESSO DE BIOESTABILIZAÇÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Valderi Duarte Leite (1) Doutor em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos da

Leia mais

IMPACTO DA CODISPOSIÇÃO DE LODO SÉPTICO NAS TRINCHEIRAS DE UM ATERRO SANITÁRIO RESUMO

IMPACTO DA CODISPOSIÇÃO DE LODO SÉPTICO NAS TRINCHEIRAS DE UM ATERRO SANITÁRIO RESUMO IMPACTO DA CODISPOSIÇÃO DE LODO SÉPTICO NAS TRINCHEIRAS DE UM ATERRO SANITÁRIO RESUMO Carlos Rafael Dufrayer 1 Patrícia Caldeira de Souza¹ Fabiana Barbosa de Resende¹ Milton Gonçalves da Silva Júnior¹

Leia mais

TESTE DE DIFERENTES TIPOS DE COAGULANTES EM ESCALA DE BANCADA

TESTE DE DIFERENTES TIPOS DE COAGULANTES EM ESCALA DE BANCADA TESTE DE DIFERENTES TIPOS DE COAGULANTES EM ESCALA DE BANCADA E. P. C. C. Santos*, F. F. Avelino**, V. L. Pádua*** *Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil lilial2000@yahoo.com.br ** Universidade

Leia mais

Ruiter Lima Morais 1 Yara Vanessa Portuguez Fonseca¹ RESUMO

Ruiter Lima Morais 1 Yara Vanessa Portuguez Fonseca¹ RESUMO AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE DBO E DE DQO DA ÁGUA RESIDUÁRIA DE UMA INDÚSTRIA FARMOCOSMECÊUTICA EMPREGANDO O PROCESSO DE LODOS ATIVADOS POR AERAÇÃO PROLONGADA Ruiter Lima Morais 1 Yara Vanessa Portuguez Fonseca¹

Leia mais

Paul Anthony Woodhead e David Charles Meissner Centroprojekt do Brasil Outubro 2008

Paul Anthony Woodhead e David Charles Meissner Centroprojekt do Brasil Outubro 2008 A aplicação do sistema de lodos ativados de baixa carga combinado com um seletor aeróbico para atender aos rigorosos padrões de emissão de efluentes tratados na indústria de papel e celulose. Paul Anthony

Leia mais

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 010

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 010 MELHORIA DA QUALIDADE DA ÁGUA TRATADA E AUMENTO DA CAPACIDADE DE ETAS ATRAVÉS DA ESCOLHA ADEQUADA DE COAGULANTES E AUXILIARES, EM ÁGUAS COM ALCALINIDADE ALTA (ESTUDO DE CASO) Elizabeth R. Halfeld da Costa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL Autores: ANDERSON RENATO VOBORNIK WOLENSKI - Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA Ivan Nicoletti Ferari 1, Aline Fernandes 1, Marcelo Hemkemeier 2 1 Centro

Leia mais

TRATAMENTO TERCIÁRIO DE ESGOTO SANITÁRIO VISANDO O REÚSO DA ÁGUA

TRATAMENTO TERCIÁRIO DE ESGOTO SANITÁRIO VISANDO O REÚSO DA ÁGUA TRATAMENTO TERCIÁRIO DE ESGOTO SANITÁRIO VISANDO O REÚSO DA ÁGUA L. A. OLIVEIRA 1 e V. S. MADEIRA 2 1 Universidade Federal da Paraíba 2 Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Engenharia Química

Leia mais

II Freitas - Brasil-1 APLICAÇÃO DE POLÍMEROS NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS: ENSAIOS DE TRATABILIDADE COM VISTAS À RECIRCULAÇÃO

II Freitas - Brasil-1 APLICAÇÃO DE POLÍMEROS NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS: ENSAIOS DE TRATABILIDADE COM VISTAS À RECIRCULAÇÃO II Freitas - Brasil-1 APLICAÇÃO DE POLÍMEROS NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS: ENSAIOS DE TRATABILIDADE COM VISTAS À RECIRCULAÇÃO Adiéliton Galvão de Freitas (1) Engenheiro Ambiental (UFV).

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr.

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. 18 de agosto de 2010, Rio de Janeiro GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. O Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro Dados

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB Bruno Andrade de Freitas (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Maick Sousa Almeida (2); Felipe Augusto da Silva Santos (3);

Leia mais

I QUANTIFICAÇÃO DE LODO EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I QUANTIFICAÇÃO DE LODO EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA I-075 - QUANTIFICAÇÃO DE LODO EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA Alexandre Saron (1) Mestre em engenharia civil, área de saneamento pela UNICAMP, Engenheiro químico pela Faculdades Oswaldo Cruz, atua como

Leia mais

I-028 UTILIZAÇÃO DE FILTRO ESPONJA PARA ENSAIOS DE BANCADA

I-028 UTILIZAÇÃO DE FILTRO ESPONJA PARA ENSAIOS DE BANCADA I-028 UTILIZAÇÃO DE FILTRO ESPONJA PARA ENSAIOS DE BANCADA Ramon Lucas Dalsasso (1) Engenheiro Sanitarista pela Universidade Federal de Santa Catarina UFSC / 1986. Mestre em Engenharia Ambiental pela UFSC

Leia mais

I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA Ricardo Lazzari Mendes (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC/USP).

Leia mais

I-104 BOIA DO ALEMÃO : UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AUTOMAÇÃO DE ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA TIPO TORREZAN

I-104 BOIA DO ALEMÃO : UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AUTOMAÇÃO DE ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA TIPO TORREZAN I-104 BOIA DO ALEMÃO : UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AUTOMAÇÃO DE ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA TIPO TORREZAN Osvaldo Rodrigues Carreiro Mecânico de Manutenção da SABESP Divisão de Manutenção

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Profª Heloise G. Knapik 1 Primeiro módulo: Dimensionamento de redes de

Leia mais

SIGNIFICÂNCIA DA CONFIGURAÇÃO DA DOSAGEM DE OZÔNIO E DA REMOÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO TOTAL EM SISTEMAS DE OZONIZAÇÃO POR CONTATO

SIGNIFICÂNCIA DA CONFIGURAÇÃO DA DOSAGEM DE OZÔNIO E DA REMOÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO TOTAL EM SISTEMAS DE OZONIZAÇÃO POR CONTATO SIGNIFICÂNCIA DA CONFIGURAÇÃO DA DOSAGEM DE OZÔNIO E DA REMOÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO TOTAL EM SISTEMAS DE OZONIZAÇÃO POR CONTATO Frederico de Almeida Lage Filho (1) Professor Visitante do Departamento de

Leia mais

Aula 4 Coagulação e Mistura rápida

Aula 4 Coagulação e Mistura rápida Sistemas de Água II - Aula 4 - Coagulação Mistura 17/09/2014 2 Aula 4 Coagulação e Mistura rápida 1 Coagulação O processo de coagulação envolve a aplicação de produtos químicos para a precipitação de compostos

Leia mais

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Cryslara de Souza Lemes, Prof. Dr. Paulo Sérgio Scalize Universidade Federal de Goiás, 74605-220, Brasil cryslara_sl@hotmail.com; pscalize.ufg@gmail.com

Leia mais

Video coagulação/floculação

Video coagulação/floculação Video coagulação/floculação Tratamento de Águas para Consumo Humano FILTRAÇÃO: Consiste na remoção de substâncias em suspensão, para as quais a sedimentação não foi eficaz através da passagem da água por

Leia mais

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME O SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto da cidade de Governador Valadares-MG, é uma Autarquia Municipal, criada pela Lei Municipal Nº276 de 01/09/1952,

Leia mais

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN V-7 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN André Luís Calado de Araújo (1) Engenheiro Civil pela UFPA (199). Mestre em Engenharia Civil pela UFPB (1993). PhD em

Leia mais

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 059

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 059 O PROBLEMA DA CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS EFLUENTES GERADOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA - O CASO DA UNIDADE DE TRATAMENTO E RECUPERAÇÃO DE RESÍDUOS - UTR DO SISTEMA RIO DAS VELHAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO COAGULANTE SULFATO FÉRRICO,EM DIFERENTES TEMPERATURAS. Abner Figueiredo Neto Fernanda Posch Rios Paulo Sérgio Scalize

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO COAGULANTE SULFATO FÉRRICO,EM DIFERENTES TEMPERATURAS. Abner Figueiredo Neto Fernanda Posch Rios Paulo Sérgio Scalize AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO COAGULANTE SULFATO FÉRRICO,EM DIFERENTES TEMPERATURAS Abner Figueiredo Neto Fernanda Posch Rios Paulo Sérgio Scalize Introdução Água bruta; Remoção de impurezas: Coagulação Floculação

Leia mais

Sistema de tratamento e aproveitamento de resíduos gerados em estação de tratamento de água

Sistema de tratamento e aproveitamento de resíduos gerados em estação de tratamento de água Sistema de tratamento e aproveitamento de resíduos gerados em estação de tratamento de água Dalton C. Bracarense Jordanna B. Lustosa Fabio Moreira S De Castro 26º Encontro Técnico AESABESP São Paulo, 6

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TRÊS DIFERENTES COAGULANTES NA REMOÇÃO DA TURBIDEZ DE ÁGUA DE MANANCIAL DE ABASTECIMENTO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TRÊS DIFERENTES COAGULANTES NA REMOÇÃO DA TURBIDEZ DE ÁGUA DE MANANCIAL DE ABASTECIMENTO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TRÊS DIFERENTES COAGULANTES NA REMOÇÃO DA TURBIDEZ DE ÁGUA DE MANANCIAL DE ABASTECIMENTO Diana Janice Padilha 1, Fabiane Cristina

Leia mais

PHENOTAN M Madeira Compensada

PHENOTAN M Madeira Compensada PHENTAN M Madeira Compensada PHENTAN M é uma resina modificada quimicamente, de origem vegetal, destinada à colagem de madeira compensada, especialmente aquelas que exigem resistência à água. CNSTITUIÇÃ

Leia mais

Leito de drenagem: sistema natural para redução de

Leito de drenagem: sistema natural para redução de Leito de drenagem: sistema natural para redução de volume de lodo de estação de tratamento de água Draining beds: natural system for sludge volume reduction in the water treatment plant Cali Laguna Achon

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental II023 CARACTERIZAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS RÁPIDOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E DOS SOBRENADANTES E SEDIMENTOS OBTIDOS APÓS ENSAIOS DE CLARIFICAÇÃO UTILIZAO POLÍMERO ANIÔNICO Paulo Sérgio

Leia mais

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para CAPÍTULO 5 RESULTADOS São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para as imagens coletadas no verão II, período iniciado em 18/01 e finalizado em 01/03 de 1999,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM PRAIAS ESTUARINAS

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM PRAIAS ESTUARINAS AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM ESTUARINAS Bianca Coelho Machado Curso de Engenharia Sanitária, Departamento de Hidráulica e Saneamento, Centro Tecnológico, Universidade Federal do Pará.

Leia mais

FIME. Basicamente, uma instalação FiME é composta por alguma combinação entre a: a pré-filtração dinâmica, Pré filtração grosseira. a filtração lenta.

FIME. Basicamente, uma instalação FiME é composta por alguma combinação entre a: a pré-filtração dinâmica, Pré filtração grosseira. a filtração lenta. FIME Para o uso eficiente da filtração rápida, é necessário o pré-tratamento da água bruta com coagulação química, podendo ou não haver a floculação e decantação ou flotação, dependendo da qualidade da

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO Tarcísio Pereira Lima Aluno de Engenharia Civil na Universidade de Ribeirão Preto UNAERP Universidade de Ribeirão Preto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROBIOLÓGICA, PARASITOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS RECIRCULADA EM ETA DE CICLO COMPLETO

CARACTERIZAÇÃO MICROBIOLÓGICA, PARASITOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS RECIRCULADA EM ETA DE CICLO COMPLETO CARACTERIZAÇÃO MICROBIOLÓGICA, PARASITOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS RECIRCULADA EM ETA DE CICLO COMPLETO Ivan Canale (1) Graduado em Ciências (Habilitação em Biologia) pela Universidade

Leia mais

AUMENTO DA OFERTA DE ÁGUA TRATADA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO COM FOCO NA BAIXADA FLUMINENSE

AUMENTO DA OFERTA DE ÁGUA TRATADA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO COM FOCO NA BAIXADA FLUMINENSE AUMENTO DA OFERTA DE ÁGUA TRATADA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO COM FOCO NA BAIXADA FLUMINENSE JUSTIFICATIVA PARA O INVESTIMENTO Este projeto permitirá o aumento de oferta de

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Alexandre de Vicente Ferraz Fábio Poggiani Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais

Leia mais

Pré-tratamento de água de purga de torre para o processo de osmose inversa

Pré-tratamento de água de purga de torre para o processo de osmose inversa X Workshop sobre Gestão e Reúso de Água na Indústria Prétratamento de água de Fabiana Valéria da Fonseca (Escola de QuímicaUFRJ) R.Suhett; V.M.J. Santiago; Bispo, D.; C.P. Borges 1 Características da Purga

Leia mais

Aula 5: Filtração. Introdução. Classificação dos filtros

Aula 5: Filtração. Introdução. Classificação dos filtros Curso: Engenharia Civil Disciplina: Sistema de Tratamento de Água e Esgoto Prof(a): Marcos Heleno Guerson de O Jr Nota de Aula! Aula 5: Filtração Introdução Após a passagem da água pelo tanque de decantação

Leia mais

Influência das condições operacionais na eficiência de Estações de Tratamento de Esgotos.

Influência das condições operacionais na eficiência de Estações de Tratamento de Esgotos. Painel 3 - Operação de Estações de Tratamento de Esgotos Influência das condições operacionais na eficiência de Estações de Tratamento de Esgotos. Cícero Onofre de Andrade Neto ANDRADE NETO, Cícero O.

Leia mais

DEMONSTRANDO A EFICÁCIA DE LIMPEZA DE DIFERENTES TIPOS DE DETERGENTES PARA LIMPEZA MANUAL DE DISPOSITIVOS MÉDICOS

DEMONSTRANDO A EFICÁCIA DE LIMPEZA DE DIFERENTES TIPOS DE DETERGENTES PARA LIMPEZA MANUAL DE DISPOSITIVOS MÉDICOS DEMONSTRANDO A EFICÁCIA DE LIMPEZA DE DIFERENTES TIPOS DE DETERGENTES PARA LIMPEZA MANUAL DE DISPOSITIVOS MÉDICOS 2 DEMONSTRANDO A EFICÁCIA DE LIMPEZA DE DIFERENTES TIPOS DE DETERGENTES PARA LIMPEZA MANUAL

Leia mais

4 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

4 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 4 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Inicialmente foram realizadas algumas determinações para avaliar o efeito da concentração de KCl na mobilidade eletroforética das partículas de hidróxido de cromo para a determinação

Leia mais

Inovações tecnológicas para tratamento e reúso de água: Enfrentando os desafios do Século XXI

Inovações tecnológicas para tratamento e reúso de água: Enfrentando os desafios do Século XXI Inovações tecnológicas para tratamento e reúso de água: Enfrentando os desafios do Século XXI José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br Aracajú, 09 de Dezembro de 2015 Resumo da apresentação Histórico dos problemas

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS UNIDADES DE TRATAMENTO DO LODO EM

AVALIAÇÃO DAS UNIDADES DE TRATAMENTO DO LODO EM AVALIAÇÃO DAS UNIDADES DE TRATAMENTO DO LODO EM UMA ETE DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL SUBMETIDA A DISTINTAS ESTRATÉGIAS OPERACIONAIS EVALUATION OF THE SLUDGE TREATMENT UNITS IN AN ACTIVATED SLUDGE TREATMENT

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA Graduada em Licenciatura em Ciêscias Bióloga e Mestra em Engenharia Civil e Ambiental pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e Professora de rede estadual de ensino da Bahia. Engenheiro

Leia mais

I IMPACTOS AMBIENTAIS PROVOCADOS PELO LANÇAMENTO IN NATURA DE LODOS PROVENIENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I IMPACTOS AMBIENTAIS PROVOCADOS PELO LANÇAMENTO IN NATURA DE LODOS PROVENIENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA I-020 - IMPACTOS AMBIENTAIS PROVOCADOS PELO LANÇAMENTO IN NATURA DE LODOS PROVENIENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA Cali Laguna Achon (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Leia mais

Influência das concentrações de amina e de amido e do ph na flotação de minérios de ferro da Mina do Pico

Influência das concentrações de amina e de amido e do ph na flotação de minérios de ferro da Mina do Pico Influência das concentrações de amina e de amido e do ph na flotação de minérios de ferro da Mina do Pico E. B. CASTRO 1 ; M. R. CRUZ 1 ; A. E. C. PERES 2 ; H. D. G. TURRER 2 (1) Minerações Brasileiras

Leia mais

SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5.

SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5. ESTUDOS E INVENTÁRIO QUALITATIVO DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5. Próximas etapas 1 - Considerações

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CQLAB - Consultoria e Controle de Qualidade Ltda. Determinação

Leia mais

LOGO. Classificação da matéria. Profa. Samara Garcia

LOGO. Classificação da matéria. Profa. Samara Garcia LOGO Classificação da matéria Profa. Samara Garcia Classificação da matéria Substância pura: matéria formada por unidades químicas iguais, sejam átomos ou moléculas, e assim apresentam propriedades químicas

Leia mais

II-257 CONDIÇÕES DE MISTURA, OXIGENAÇÃO E DESEMPENHO DE UMA LAGOA AERADA DE MISTURA COMPLETA

II-257 CONDIÇÕES DE MISTURA, OXIGENAÇÃO E DESEMPENHO DE UMA LAGOA AERADA DE MISTURA COMPLETA II-257 CONDIÇÕES DE MISTURA, OXIGENAÇÃO E DESEMPENHO DE UMA LAGOA AERADA DE MISTURA COMPLETA Olivia Souza de Matos (1) Engenheira Civil. Mestre da Área Interdisciplinar em Engenharia Ambiental - COPPE/UFRJ.

Leia mais

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S

G A N A I N D S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S S O L U Ç Õ E S A M B I E N T A I S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S ETE - ESTAÇÕES DE TRATAMENTO PARA ESGOTO As Estações de tratamento para esgoto da Ganaind possuem alto padrão e rigorosidade na fabricação,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BIODEGRADAÇÃO DE LODO DE INDÚSTRIA CÍTRICA NO SOLO ATRAVÉS DO ENSAIO DE RESPIROMETRIA

AVALIAÇÃO DA BIODEGRADAÇÃO DE LODO DE INDÚSTRIA CÍTRICA NO SOLO ATRAVÉS DO ENSAIO DE RESPIROMETRIA AVALIAÇÃO DA BIODEGRADAÇÃO DE LODO DE INDÚSTRIA CÍTRICA NO SOLO ATRAVÉS DO ENSAIO DE RESPIROMETRIA Bruno Coraucci Filho (1) Engenheiro Civil, formado pela Faculdade de Engenharia de Limeira (UNICAMP),

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O USO DO SULFATO DE ALUMÍNIO E DO HIDROXICLORETO DE ALUMÍNIO NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE VAPOR

COMPARAÇÃO ENTRE O USO DO SULFATO DE ALUMÍNIO E DO HIDROXICLORETO DE ALUMÍNIO NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE VAPOR COMPARAÇÃO ENTRE O USO DO SULFATO DE ALUMÍNIO E DO HIDROXICLORETO DE ALUMÍNIO NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE VAPOR Diogo Luiz Gasola * Sergio Luis Marquezi ** José Carlos Azzolini *** Resumo É imprescindível

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach Conceito de Biogás É o gás obtido a partir da fermentação anaeróbica de material orgânico: resíduos

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS PRESTADOR: SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A - SANASA Relatório R4 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

Leia mais

4. Reagentes e Metodologia Analítica

4. Reagentes e Metodologia Analítica 4. Reagentes e Metodologia Analítica 4.1. Reagente para os testes de oxidação Os reagentes P.A empregados durante os testes de oxidação foram: KCN (Merck) NaOH (Vetec) H 2 SO 4 (Vetec) H 2 O 2 (Peróxidos

Leia mais

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Tubulações Prof. Vicente Luiz Scalon 1181 - Lab. Mecânica dos Fluidos Objetivo: Medida de perdas de carga linear ao longo de tubos lisos e rugosos.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR PROCESSO DE LODOS ATIVADOS

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR PROCESSO DE LODOS ATIVADOS AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR PROCESSO DE LODOS ATIVADOS Simone Damasceno (1) Engenheira Agrônoma, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia

Leia mais

EFEITO DA PRÉ-OZONIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE LODO EM PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES TÊXTEIS

EFEITO DA PRÉ-OZONIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE LODO EM PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES TÊXTEIS EFEITO DA PRÉ-OZONIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE LODO EM PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE EFLUENTES TÊXTEIS Maurício Luiz Sens (1) Professor Adjunto do Departamento de Engenharia Sanitária

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS PARA TROCA DE FILTROS DE AR EM SISTEMAS DE AR CONDICIONADO. Engº Alexandre Fornasaro

ASPECTOS TÉCNICOS PARA TROCA DE FILTROS DE AR EM SISTEMAS DE AR CONDICIONADO. Engº Alexandre Fornasaro 1 ASPECTOS TÉCNICOS PARA TROCA DE FILTROS DE AR EM SISTEMAS DE AR CONDICIONADO Engº Alexandre Fornasaro 2 Os sistemas de ar condicionado usados para as mais diversas atividades humanas (uso doméstico,

Leia mais

I Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente Progresso, Consumo e Natureza Desafios ao Homem

I Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente Progresso, Consumo e Natureza Desafios ao Homem TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL FARMACÊUTICO POR ADSORÇÃO COM CARVÃO ATIVADO Carla Jovania Gomes Colares (1) Área de Concentração: Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental. carla_jovania@yahoo.com.br

Leia mais

Sistemas, Substâncias puras e Misturas Separação de Misturas

Sistemas, Substâncias puras e Misturas Separação de Misturas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Campus Valença Sistemas, Substâncias puras e Misturas Separação de Misturas Professor: José Tiago Pereira Barbosa 1 Sistemas Para facilitar a

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

I-045 INFLUÊNCIA DO PRÉ-TRATAMENTO QUÍMICO NO DESEMPENHO DE UNIDADES DE FLOTOFILTRAÇÃO E DE FILTRAÇÃO DIRETA DESCENDENTE

I-045 INFLUÊNCIA DO PRÉ-TRATAMENTO QUÍMICO NO DESEMPENHO DE UNIDADES DE FLOTOFILTRAÇÃO E DE FILTRAÇÃO DIRETA DESCENDENTE I-045 INFLUÊNCIA DO PRÉ-TRATAMENTO QUÍMICO NO DESEMPENHO DE UNIDADES DE FLOTOFILTRAÇÃO E DE FILTRAÇÃO DIRETA DESCENDENTE Valter Lúcio de Pádua (1) Engenheiro Civil pela UFMG, mestre e doutor em Hidráulica

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE WETLANDS DE MACRÓFITAS AÉREAS PARA SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO

VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE WETLANDS DE MACRÓFITAS AÉREAS PARA SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE WETLANDS DE MACRÓFITAS AÉREAS PARA SEPARAÇÃO ÁGUA-ÓLEO L.A. NASCIMENTO 1 ; A. E. de MOURA 1 ; L.A. SARUBBO 2 ; V. A. dos SANTOS 2. 1 CGTI - Centro de Gestão

Leia mais

Nathália Stefane Gomes Tavares (1); Anthonny Bryan Araújo de Freitas (2); Ana Maria Araújo de Freitas (3); Henrique John Pereira Neves (4)

Nathália Stefane Gomes Tavares (1); Anthonny Bryan Araújo de Freitas (2); Ana Maria Araújo de Freitas (3); Henrique John Pereira Neves (4) TRATAMENTO DE ÁGUA CONTAMINADA PELA BACTÉRIA Pseudomonas aeruginosa POR ADSORÇÃO USANDO SABUGO DE MILHO: ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO ph, MASSA DE ADSORVENTE E AGITAÇÃO Nathália Stefane Gomes Tavares (1); Anthonny

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE Estudo de tratabilidade, ensaios de bancada, instalação piloto, dupla filtração, floto-filtração.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE Estudo de tratabilidade, ensaios de bancada, instalação piloto, dupla filtração, floto-filtração. ESTUDO DE TRATABILIDADE PARA DEFINIÇÃO DE PARÂMETROS DE DIMENSIONAMENTO DE UMA FUTURA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA Manoel do Vale Sales (*) Engenheiro Civil pela

Leia mais

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ I.22 I.22 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ Marco A. P. Reali (1) Engenheiro Civil pela Universidade de São Paulo EESC, Professor Doutor junto

Leia mais

O Estado Coloidal. Química dos Colóides e Superfícies. M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes Site: marongomes.wix.

O Estado Coloidal. Química dos Colóides e Superfícies. M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes   Site: marongomes.wix. Química dos Colóides e Superfícies Profº Janilson Lima Souza E-mail: Prof. janilsonlima@ifma.edu.br M.Sc. Maron Stanley Silva O. Gomes E-mail: maron@ifma.edu.br Site: marongomes.wix.com/maron A Ciência

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO DE PERDA DE CARGA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO DE PERDA DE CARGA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO DE PERDA DE CARGA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA AUTOR(ES): RAPHAEL

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO.

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO. CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO. Caracterização do empreendimento Empresa de lavagem de plástico

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2008 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2008, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro de abrangência

Leia mais

RIO DAS PEDRAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE

RIO DAS PEDRAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE RIO DAS PEDRAS PRESTADOR: SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO O concreto, de emprego usual nas estruturas, são constituídos de quatro materiais: 1. Cimento Portland 2. Água 3. Agregado fino 4. Agregado graúdo O cimento e a água

Leia mais

AULA 5 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica

AULA 5 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica AULA 5 Físico-Química Industrial Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica Prof a Janaina Barros 2010 CENTRIFUGAÇÃO 1 Se a matéria for constituída por mais de um tipo de molécula teremos uma MISTURA

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA.

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA. RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA São Paulo 2008 1 RESUMO Nenhum sistema construtivo pode ser apontado como

Leia mais

1 - Apresentar tecnologias utilizadas nas estações de tratamento de esgoto visando à remoção de nutrientes como nitrogênio e fósforo.

1 - Apresentar tecnologias utilizadas nas estações de tratamento de esgoto visando à remoção de nutrientes como nitrogênio e fósforo. Objetivo: 1 - Apresentar tecnologias utilizadas nas estações de tratamento de esgoto visando à remoção de nutrientes como nitrogênio e fósforo. 2 Apresentar a técnica de flotação em conjunto com uma estação

Leia mais

DATA: Nº de ordem GRAU: PROVA: TURMA MATRÍCULA: Estudo Independente

DATA: Nº de ordem GRAU: PROVA: TURMA MATRÍCULA: Estudo Independente FOLHA DE QUESTÕES CURSO: ASS.: Engenharia de Produção DISCIPLINA: NOME: Química Geral DATA: Nº de ordem GRAU: PROVA: TURMA MATRÍCULA: Estudo Independente 5PRD31A 01) O grupo de átomos que é encontrado

Leia mais