O Congresso Cisplatino e seus desdobramentos políticos no Brasil e na. região do Prata 1 Fábio Ferreira 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Congresso Cisplatino e seus desdobramentos políticos no Brasil e na. região do Prata 1 Fábio Ferreira 2"

Transcrição

1 região do Prata 1 Fábio Ferreira 2 ESTUDIOS HISTORICOS CDHRP- Agosto Nº 2 ISSN: O Congresso Cisplatino e seus desdobramentos políticos no Brasil e na Resumo: Desde 1816, a Província Oriental de José Gervásio Artigas encontrava-se ocupada pelas forças militares do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, sendo que, no ano seguinte, Montevidéu foi capitulada e transformada na sede de um governo português de âmbito local, submetido ao Rio de Janeiro. À frente do governo recém criado estava o general Carlos Frederico Lecor. Em 1821, drásticas mudanças vindas de Portugal colocaram em xeque o futuro da ocupação. Com a Revolução Liberal do Porto, que abalou duramente o Antigo Regime português, D. João VI passou a ter um gabinete liberal, sendo que o seu ministro dos Negócios Estrangeiros e Guerra era contrário à manutenção das forças lusas no Prata. Nesse contexto, o rei de Portugal ordenou que se realizasse o Congresso Cisplatino, para que os orientais decidissem qual seria o futuro do território invadido. Entretanto, Lecor e Juan José Durán agiram no sentido de que o congresso fosse composto, basicamente, por elementos favoráveis à união da Banda Oriental ao cetro joanino. Assim, o presente artigo irá analisar o Congresso Cisplatino, a decisão dos orientais pela união da antiga província de Artigas ao Reino Unido português e, ainda, seus desdobramentos, no Prata, nos anos posteriores. Palavras de referência: Congresso Cisplatino, Banda Oriental, Fontes históricas, História do Brasil, História do Uruguai. O alvorecer: Fatos precursores ao Congresso Cisplatino Com o processo de independência dos antigos domínios espanhóis na América e a conseqüente desagregação do Vice Reino do Rio da Prata, a parte denominada Banda Oriental, que corresponde à atual República Oriental do Uruguai, atravessou um processo revolucionário, que teve como grande expoente o general José Gervásio Artigas. Esta revolução levou os orientais a enfrentarem uma árdua guerra civil, que destruiu significativa parte do seu setor produtivo e desestruturou a sociedade oriental. Neste quadro, o príncipe regente português D. João de Bragança, instalado com sua corte no Rio de Janeiro, tentou, em dois momentos, estender as fronteiras dos seus domínios americanos até o Rio da Prata. Em 1811, D. João realizou sua primeira incursão militar à Banda Oriental, no entanto, o projeto de estabelecer-se às margens do Prata não logrou êxito. Alguns anos depois, em 1816, ocorreu a segunda tentativa expansionista, que foi bem sucedida. Neste ano, as forças militares do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, 1 O presente artigo é uma versão revista e atualizada do texto O discurso dos deputados orientais na criação do Estado Cisplatino publicado, em 2006, nos anais do VII Encontro Internacional da ANPHLAC. 2 Atualmente, o autor desenvolve, no PPGH/UFF, a tese intitulada A trajetória política de Carlos Frederico Lecor: Das guerras napoleônicas à criação da República Oriental do Uruguai ( ), sob a orientação da Prof.ª Dr.ª Gladys Sabina Ribeiro. Além disto, Fábio Ferreira defendeu, em 2007, no PPGHIS/UFRJ, a dissertação intitulada O General Lecor e as articulações políticas para a criação da Província Cisplatina: , orientado pela Prof.ª Dr.ª Francisca L. Nogueira de Azevedo. Contato:

2 lideradas pelo general português Carlos Frederico Lecor, veterano das guerras napoleônicas, invadiram o território oriental. As tropas contavam com cerca de homens, sendo que aproximadamente eram portugueses e a outra parcela, que somava 8.000, era de indivíduos oriundos do Reino do Brasil. 3 Montevidéu foi conquistada pacificamente em 20 de janeiro de 1817, após articulações políticas entre o seu Cabildo e os invasores. A partir de então, o general Lecor instalou-se na cidade, que passou a ter um governo português submetido ao Rio de Janeiro. Lecor realizou um governo de coalização com parte significativa dos orientais, concedendo aos de maior projeção social promoções na administação pública, condecorações e títulos nobiliárquicos. O general também adotou a política de realizar casamentos entre militares de suas tropas e mulheres orientais de importantes famílias, sendo que o próprio Lecor casou-se, em 1818, com Rosa Maria Josefa Herrera de Basavilbaso. Neste mesmo ano, D. João concedeu a Lecor o título nobiliárquico de Barão da Laguna. Paralelamente, Artigas resistia aos invasores no interior da Banda Oriental ou Província Oriental, como já a havia designado o líder revolucionário alguns anos antes. Entretanto, em 1820, a resistência aos portugueses já não era possível e Artigas teve que abandonar sua província, exilando-se no Paraguai de Francia. Assim, as forças de D. João VI passavam a controlar todo o território oriental. Em 1821, após alguns anos desse governo de coalizão em que Lecor e os seus aliados orientais eram fortemente beneficiados, a continuidade da ocupação lusa da Província Oriental encontrou-se ameaçada. Em Portugal havia ocorrido uma revolução liberal, que acabou por ter a adesão de várias partes do Reino do Brasil, como Pará, Bahia e Rio de Janeiro, além de Montevidéu, através da parcela portuguesa das tropas de Lecor. 4 Com a ascensão do liberalismo, Silvestre Pinheiro Ferreira, opositor à permanência lusa no território oriental, tornou-se ministro dos Negócios Estrangeiros e Guerra de D. João VI. Por esta razão, em um dos seus últimos atos no Rio de Janeiro, em 16 de abril de 1821, dez dias antes de retornar definitivamente a Portugal, o monarca ordenou que Lecor realizasse em Montevidéu um congresso inspirado nas Cortes de Lisboa, que, no momento, através de seus deputados, estava a elaborar uma constituição liberal para o Reino Unido português. 3 DONGHI, Tulio Halperin. Historia Argentina de la Revolución de Independencia a la confederación rosista, volume III. Buenos Aires: Editorial Piados, Para maiores detalhes sobre a reação à Revolução Liberal nos quadros militares de D. João VI estabelecidos no território oriental, ver o artigo Motins militares no mundo luso-brasileiro: o caso das tropas portuguesas no Estado Cisplatino Oriental publicado nos anais do XIII Encontro Regional de História. Disponível em: <http://www.encontro2008.rj.anpuh.org/resources/content/anais/ _arquivo_txtanpuhrj2008_v F.pdf>

3 O Congresso de Montevidéu seria composto por deputados orientais e estes deveriam definir o futuro da Banda Oriental. Como os interesses de Lecor e dos seus aliados eram pela permanência dos portugueses no Prata, o general e o estancieiro Juan José Durán, chefe político da província à época, agiram no sentido de que o congresso que viesse a ser realizado votasse pela incorporação da Banda Oriental ao cetro do rei português. Destarte, uma vez tendo exposto de forma sucinta relevantes fatos precursores ao Congresso Cisplatino, o item a seguir será dedicado à principal fonte histórica para a reconstituição das reuniões das Cortes de Montevidéu: As suas atas. O corpus documental: As atas do Congresso Cisplatino Para a reconstituição das sessões do Congresso Cisplatino, as suas atas são fontes extremamente relevantes. Primeiramente, estes registros encontra-se no Archivo General de la Nación, em Montevidéu, e retratam as sessões onde os orientais votaram pela anexação da antiga Província Oriental de Artigas ao Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. O conjunto documental é manuscrito e encontra-se em espanhol, sendo composto de oitenta páginas, divididas em dezenove atas. Destaca-se que este grupo de documentos é datado de 1821 e está em bom estado de conservação. As atas apresentam uma gama de informações, dentre elas a listagem dos deputados que estiveram presentes em cada uma das sessões do Congresso, os seus respectivos discursos e silêncios e, ainda, todas as propostas e votações, desde a da mesa diretiva, até a principal, a da incorporação da Banda Oriental ao Reino Unido português. Sobre as amplas possibilidades analíticas que este conjunto documental oferece, o contato do historiador com a ata de cada sessão fornece-lhe valiosos dados acerca de vários aspectos da sociedade oriental de então. Como exemplo, através das atas identifica-se a boa aceitação que a ocupação portuguesa tinha junto a uma parcela da elite oriental, a exclusão das camadas populares do congresso, o temor dos congressistas de que surgisse no território oriental uma nova liderança revolucionária como foi a de Artigas, além de uma série de aspectos políticos, econômicos e sociais da época. O Congresso Cisplatino Uma vez tendo exposto ao leitor acontecimentos históricos que levaram à convocação do Congresso Cisplatino, bem como breves considerações acerca da principal fonte documental a ser utilizada neste artigo, o conjunto de atas, o presente item será dedicado às sessões do advento de 1821, em especial àquela em que decidiu-se pela oficialização do enlace dos destinos dos orientais e dos luso-brasileiros.

4 hecho. 6 Apesar da argumentação apresentada pelos demais deputados para que Zúñiga ESTUDIOS HISTORICOS CDHRP- Agosto Nº 2 ISSN: O Congresso Cisplatino iniciou-se no dia 15 de julho de 1821, contando com doze deputados, e não dezoito, como foi estabelecido previamente por Durán. Como congressistas, constavam da seção de abertura Juan José Durán, Diputado por parte de esta Capital [Montevidéu], Presidente en esta Junta, como Gefe político de la Província: el Sor. Cura y Vicario D.or D. Dámaso Antonio Larrañaga, y el Sor. D. Tomás Garcia de Zúñiga también Diputados por esta Ciudad, así como su Síndico procurador general D. Gerónimo Pío Bianqui el Sor. D. Fructuoso Rivera, y el Sor D.or D. Francisco Llambí, Diputado por el vecindario de extramuros el Sor D. Luis Pérez, Diputado por el Departamento de S. José el Sor D. José Alagón, Diputado por el de la Colonia del Sacramento el Sor D. Romualdo Gimeno, diputado p.r el de Maldonado el Sor D. Loreto de Gomenzoro, Diputado por Mercedes como su Alcalde territorial: el Sor D. Vizente Gallegos, que lo es de Soriano y D. Manuel Lagos, del Cerro-Largo [...] 5 Conforme consta na ata do dia quinze, o deputado pelo departamento de Canelones, Felipe García, não apresentou-se, alegando problemas de saúde. Um outro ponto que observase é o fato de encontrar-se no documento a declaração do próprio Tomás García de Zúñiga de que ele nascera em Buenos Aires, apesar de uma das condições para ser parlamentar do congresso era a de ser natural do território oriental. No entanto, os congressistas consideraram que Zúñiga poderia participar do Congresso Cisplatino, pois entenderam que [...] siendo su nacimiento accidental en aquel pueblo, por cuando su familia antes y después fué siempre establecida en esta Ciudad, donde se educó y donde él se halla actualmente arraigado, siendo por tanto tenido él y toda su familia por naturales de la Prov.a no debía considerarse excluído del nombramiento q. se le había participasse do Congresso possa ser considerada coerente, o importante é saber que este deputado era destacado membro do círculo de Lecor, tendo, inclusive, ajudado, inúmeras vezes, financeiramente, à administração do general. 7 Provavelmente, se Zúñiga fosse opositor aos interesses políticos dos outros parlamentares e de Lecor, a justificativa para que esse indivíduo compusesse o Congresso Cisplatino não seria utilizada pelos seus pares ou, ainda, o próprio Zúñiga teria omitido esta informação. No mesmo dia quinze, houve a votação para presidente, vice presidente e secretário do Congresso Cisplatino. Para a presidência foi eleito, por onze votos, Durán, que só não elegeu-se por unanimidade em virtude dele próprio ter votado no padre Larrañaga. O 5 ACTAS DEL CONGRESSO CISPLATINO. Montevidéu, Acervo do Archivo General de la Nación, Montevideo. 6 Ibidem, f.2 7 Biblioteca Nacional de Buenos Aires. La Gaceta de Buenos Aires nº68, p.326. Arquivo Nacional do Rio de Janeiro. Fundo: Cisplatina, cx.977, pac. 28, doc.01.

5 sacerdote católico foi eleito, por maioria dos votos, como vice-presidente do Congresso e Francisco Llambí como secretário. Destaca-se que na mesa diretiva encontravam-se importantes aliados de Lecor. Após a eleição e juramentos, os congressistas determinam as regras do Congresso, que compunham nove itens: 1 Que nose admita a discusión proposicion alguna, que no sea apoyada por dos Diputados. 2 Que admitida se discuta y vote, si está suficientemente discutida, y declarándose así, se proceda á votación por el órden en que están sentados, empezando por el Sor Presidente. 3 Que cuando haya de hablar algún Diputado, tóme después la palabra el que primero la pidió, y así sucesivamente, á cuyo fin se irán anotando por su órden. 4 Que las Seciones sean públicas, sin embargo de pedirse secretas cuando convenga: que estas deben empezarse á las diez de la mañana y concluir á las dos de la tarde. 5 Que siempre se empenzará la secion por la lectura del acta del dia anterior. 6 Que la misma comisión nombrada examine los Poderes de los Diputados que vayan llegando, y dén cuenta de si son ó no bastantes. 7 Que qdo haya de oficiarse al Sor General, vaya suscripto el oficio del Presidente y Secretario; y a cualquiera otra autoridad, solo con la firma del Secretario. 8 Que no haya preferencia en el órden de los asientos. 9 Que el tratamiento del Congreso sea el de Honorable, y el de sus individuos en particular de Usted. 8 Com o primeiro item, identifica-se que diminuía-se a probabilidade de que uma proposição não conveniente viesse a ser discutida nas sessões do Congresso. Em relação ao segundo item, o fato do presidente ser o primeiro a votar foi decidido após a eleição de Durán para aquele cargo, podendo ser, deste modo, o posicionamento de Durán, diante de uma votação, uma sinalização de como os seus aliados deveriam votar. No quarto item, o recurso à sessão secreta possibilitava articulações com maior liberdade a favor de interesses e benefícios de determinados grupos da sociedade que, por seu turno, não poderiam tornar-se públicos. O sexto dava aos deputados reunidos em Montevidéu o poder de examinar se um parlamentar participaria ou não do Congresso. Os outros itens podem ser entendidos como necessários para o funcionamento do Congresso. No dia dezesseis, após missa celebrada por Larrañaga na Igreja Matriz de Montevidéu, apresentava-se aos congressistas Mateo Visillac, de Colônia do Sacramento, que [...] presentó sus Poderes [...] y leídos y examinados éstos, fueron aprobados, y prestó su juramento en la forma de estilo [...] e, em seguida, [...] se leyó el acta del día anterior y quedó aprobada. 9 Consta também da ata do dia 16 a seguinte mensagem de Lecor para os congressistas: 8 ACTAS DEL CONGRESO..., f.3v. 9 Ibidem, f.4.

6 Señores del Muy Honorable Congreso extraordinario de esta Provincia= S.M. El Rey del reyno unido de Portugal, Brasil y Algarbes, ha tomado en consideración las repetidas instancias, que han elevado á su real Presencia, Autoridades muy respetables de esta Provincia, solicitando su incorporación á la Monarquía Portuguesa, como el único recurso que en medio de tan funestas circuntancias, puede salvar el País de los males de la guerra y de los horrores de la Anarquía. Y deseando S.M. proceder en un asunto tan delicado con la circunspección q.e corresponde á la Dignidad de su Augusta persona, á la liberalidad, de sus principios, y al decoro de la Nación Portuguesa, ha determinado en la sabiduría de sus Consejos, que esta Provincia, representada en el Congreso extraordinario de sus Diputados, delibere y sancione en este negocio, con plena y absoluta libertad, lo que crea más útil y conveniente á la felicidad y verdaderos intereses de los pueblos que la constituyen. Si el Muy Honorable Congreso tubiere á bien decretar la incorporación a la Monarquía Portuguesa, Yo me hallo autorizado por el Rey p.a continuar en el mando y sostener con el Ejército el órden interior y la seguridad exterior bajo el imperio de las Leyes. Pero si el Muy Honorable Congreso estimase más ventajoso á la felicidad de los pueblos incorporar la Provincia á otros estados ó librar sus destinos á la formación de un Gob.o independiente, solo espero sus decisiones para prepararme á la evacuación de este territorio en paz y amistad conforme á las órdenes Soberanas La grandeza del asunto me excusa recomendarlo á la Sabiduría del Muy Honorable Congreso: todos esperan que la felicidad de la Provincia será la guía de sus acuerdos en tan difiiles circunstancias = Montevideo y julio diez y seis de mil ochocientos veinteuno = A los S.S. de Muy Honorable Congreso de esta Provincia = Barón de la Laguna= 10 Já nas primeiras linhas da mensagem, observa-se que o general afirmava que existiam autoridades locais que anelavam a união à monarquia lusa, vinculando este desejo à manutenção da ordem e à salvação do território oriental. De fato, este anseio não era novo. Por exemplo, em 1817, alguns meses após a ocupação de Montevidéu por Lecor, Jerónimo Pío Bianqui e Larrañaga, importantes figuras da sociedade montevideana, pediam a D. João a incorporação do território oriental aos domínios dos Bragança, porém, no referido momento, o projeto não vingou. 11 Retomando a mensagem de Lecor e a questão da conservação da ordem e da paz expostas pelo general, nota-se que nas discussões entre os congressistas, que serão analisadas posteriormente, surgiu como tópico o temor do retorno aos conflitos bélicos, vindo a ser esta a grande argumentação dos deputados orientais pela incorporação à monarquia lusa. Ressalta-se também que Lecor construía, na epístola, a imagem de que o Congresso Cisplatino daria-se em plena liberdade, sem qualquer tipo de coerção, buscando apenas o interesse dos orientais, e não de determinados grupamentos locais. De igual modo, neste contexto em que o Antigo Regime ibérico ruía e que os antigos domínios espanhóis passavam por um processo revolucionário, Lecor buscava erigir a figura de D. João VI como um rei liberal. 10 Ibidem, p.4v. 11 CASTELLANOS, Alfredo. La Cisplatina, la independência y la república caudillesca. Historia Uruguaya. Tomo Buenos Aires: Ediciones de La Banda Oriental.

7 Além das práticas protocolares que este tipo de correspondência possuía, a mensagem de Lecor pode ser entendida como meio de legitimar o já previsto e acordado resultado do Congresso diante da população oriental: A incorporação à monarquia lusa. Deste modo, os congressistas viriam a votar pela opção que era, ainda, associada pelo grupo de Lecor, ao impedimento de uma nova invasão militar ou a uma nova revolução na Banda Oriental, já desgastada por anos de guerra. 12 Escolhia-se, portanto, como o general expôs na missiva, a manutenção da ordem, da segurança e das leis. Assim, buscava-se criar na sociedade oriental e até mesmo nos governos estrangeiros, como Buenos Aires, Madri e Londres, a idéia de que os congressistas escolhiam a opção que não teria conseqüências dolorosas. Optava-se por manter o território oriental sob o império das leis, guardando a ordem interna e a segurança exterior da Província. Além disto, o aviso de Lecor, manipulando o imaginário da sociedade oriental temeroso em relação a um possível retorno dos conflitos armados, podia ser um meio de ratificar a argumentação dos congressistas que viriam a discursar e votar pela incorporação. Deixando de lado a mensagem de Lecor, destaca-se que Felipe García, deputado de Canelones, mesmo estando em Montevidéu, não compareceu ao Congresso, alegando continuar enfermo. Então, os congressistas pediram a Canelones o envio de um suplente, sendo atendidos com a substituição na pessoa do irmão de Felipe, Salvador Garcia, residente em Montevidéu. 13 Pode-se especular que a ausência de Felipe Garcia tenha sido um meio deste deputado boicotar o Congresso Cisplatino, talvez de forma individual, talvez em conjunto com outros parlamentares, pois a sua falta, e a de outros congressistas, que só se apresentaram posteriormente, fizeram com que Pérez, representante de San José, pedisse o adiamento do Congresso. Sem embargo, Larrañaga rejeitou esta proposição e defendeu a realização do Congresso neste momento. Uma segunda questão votada nesta sessão foi a seguinte: Se o Congresso estava legitimamente constituído com a forma em que foram realizadas as eleições para as cadeiras de deputado. Llambí tomou a palavra e, em seu discurso, colocou-se a favor. 14 Pérez, que na primeira questão apresentada tentou o adiamento do Congresso, posicionou-se novamente de 12 RIBEIRO, Ana.. Montevideo, la malbienquerida. Montevidéu: Ediciones de la Plaza, SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem ao Rio Grande do Sul. Brasília: Senado Federal, Acta del acuerdo celebrado por el Cabildo de Guadalupe en el que se nombró a Salvador García para sustituir a su hermano Felipe. Apud: DEVOTO, Juan E. Pivel. El Congreso Cisplatino (1821): repertorio documental, seleccionado y precedido de um análisis. Revista del Instituto Histórico y Geográfico del Uruguay, t.xii. Montevideo: 1936, p ACTAS DEL CONGRESO..., f.6.

8 forma antagônica à legitimidade do mesmo. Pérez contrastou as ordens de D. João VI com a maneira que Durán e Lecor realizaram o escrutínio para o Congresso, que foi estabelecendo eleições indiretas e concentradas nos Cabildos, instituições que, de uma maneira geral, apoiavam aos ocupadores. Pérez afirmou que [...] según el oficio circular, la intención de S.M.F. era examinar la intención general de los Pueblos, que no estaba reasumida en los Cabildos: que muchos pueblos ignoraban el obgeto de este Congreso; y que por consig.te era indispensable la elección, por el voto gral de los habitantes. 15 Em seguida, Gallegos manifestou-se afirmando que: [...] èl aunque había sido nombrado Alcalde territorial de Soriano, y creía merecer su confianza para el desempeño de estas funciones, que no podía decirse otro tanto del fin á que se llamaba en este Congreso, por que para ello no le habían dado sus Poderes los vecinos de aquellos Partidos. 16 Apesar das colocações apresentadas, Larrañaga defendeu tudo o que estava a ser feito e proposto no Congresso, afirmando, inclusive, que as medidas tomadas para a sua realização podiam não ser perfeitas, no entanto, eram legítimas. Pérez discordou de Larrañaga, respondendo que os costumes do país exigiam a votação de todos os seus habitantes. Larrañaga replicou e Bianqui defendeu a legitimidade do Congresso, afirmando [...] que él como Síndico había en otras ocasiones reasumido la voz del pueblo: que él era su organo y había tenido cuidado, de examinar, indagar y procurar orientarse de la opinión de los hombres sanos é interesados en el bien público; que del mismo modo debían hacerlo todos [...] por conseguiente estaba bien seguro de que su opinión seria la misma que tenían los hombres sensatos por quienes debían de hablar. 17 A questão da legitimidade do Congresso também levou outros congressistas a manifestarem-se. Llambí dizia que [...] en la necesidad de reunir un Congreso estando guarnecido los pueblos por tropas Portuguesas, nunca se podía prescindir del influjo de esta sobre aquellos; y que por consiguinte esa votación no siendo más libre sería tal vez mas expuesta a la colusion por las relaciones que se habían formado tanto por el enlaze de las familias, como por el de las Amistades. 18 Zúñiga expunha que él creía que era la medida mas justa que debía haberse tomado para esclarecer este asunto [...] 19 e, concordando com ele, estava Fructuoso Rivera. 15 Ibidem. 16 Ibidem, f.6v. 17 Ibidem, f Ibidem, f.7 e 7v. 19 Ibidem, f.7v.

9 Em seguida, colocou-se em votação se a questão estava suficientemente discutida. Todos os deputados, a exceção de Perez, responderam positivamente e, então, declarava-se o Congresso Cisplatino legitimamente constituído. Após essas discussões, no dia 18, o Congresso Cisplatino reuniu-se novamente. Apresentaram-se, nesta sessão, Alejandro Chucarro, da vila de Guadalupe, Salvador García, síndico suplente da mesma localidade e Manuel Antonio Silva, síndico de Maldonado. 20 Neste mesmo dia discutiu-se a questão do futuro do território oriental: [...] se propuso por el Sor Presidente, como el punto principal p.a que había sido reunido este Congreso si segun el presente estado de las circunstancias del Pais, convendría la incorporacion de esta Provincia á la Monarquía Portuguesa, y sobre que bases o condiciones; ó si por el contrario le sería más ventajoso constituirse independiente ó unirse á cualquiera otro Gobierno, evacuando el territorio las tropas de S.M.F. 21 O contato com a ata do dia 18 permite-nos identificar que os deputados Bianqui, Llambí e Larrañaga foram os únicos que discursaram a respeito desta questão, sendo eles favoráveis à anexação, expondo os seus argumentos sempre fazendo menção à possibilidade do retorno à guerra. Em sua fala, Bianqui defendeu a idéia de que transformar a província em um estado independente era algo, no âmbito político, impossível. Segundo o parlamentar, para sustentar a emancipação, necessitavam-se de meios, no entanto, o território oriental não os possuía para que fosse governado pacificamente. Não havia população, nem recursos, muito menos como impedir a guerra civil, ataques externos e como conquistar o respeito das outras nações. Ao seu catastrófico diagnóstico, Bianqui acrescentava que caso a Província Oriental se tornasse um Estado haveria a emigração dos capitalistas, voltando, assim, a ser o teatro da anarquia e a presa de um ambicioso atrevido. 22 As colocações de Bianqui mostram o temor existente no imaginário oriental quanto ao retorno dos conflitos bélicos, pois se este medo não fosse real, não haveria razão do deputado utilizá-lo em seu discurso. Se esse medo não existisse, o parlamentar não enfatizaria a possibilidade do retorno ao caos, nem do surgimento de um ambicioso atrevido, sendo que, neste caso, Bianqui provavelmente referia-se a Artigas e à possibilidade de surgir alguma outra liderança revolucionária como foi a do caudilho oriental. 20 Observa-se que a ata informa que Romualdo Gimeno, de Maldonado, apresentou-se neste dia, 18 de julho. No entanto, a ata do dia 15 dá a informação de que o deputado estava na sessão de abertura, bem como desta ata consta a sua assinatura. Assim, entendemos o dia 15 como a data da chegada do parlamentar e que o dado relativo ao dia 18 tenha sido algum erro. 21 ACTAS DEL CONGRESO..., f. 8v e Ibidem, f.9.

10 Uma vez anulando a possibilidade da Banda Oriental constituir-se em um estado autônomo, Bianqui falou da necessidade dos orientais incorporarem-se a algum outro estado. Buenos Aires e Entre-Ríos foram descartados pelos seus conflitos internos, já a Espanha o foi pela oposição dos pueblos e pelo fato deste reino ser incapaz de manter a Província Oriental em paz. Para o congressista, não havia outra opção que não fosse a incorporação à monarquia portuguesa sob uma constituição liberal. De acordo com Bianqui, com a manutenção do poder luso, impossibilitava-se a anarquia, o setor produtivo continuaria a desenvolver as suas atividades, restituindo-se, assim, os anos de guerras e prejuízos e, por fim, os arruaceiros ou dedicariam-se ao trabalho ou, então, sofreriam o rigor das leis. Em seguida, foi Llambí quem discursou. O deputado ressaltou que, com a eventual saída das tropas de Lecor, o território oriental ou sofreria novas invasões ou mergulharia em uma nova guerra civil. Corroborando com Bianqui, Llambí retomou os conflitos que a Banda Oriental sofreu nos anos anteriores, afirmando que mais da metade da sua população e de suas riquezas foram dizimadas, agregando que os orientais perderam o pouco armamento que tinham. Deste modo, Llambí apontava a devastação em que a província encontrava-se e utilizava-se deste fato para argumentar que os orientais estavam em uma situação de incapacidade completa de tornarem-se independentes e de garantirem a estabilidade da província. Após estas colocações, o parlamentar analisou a possibilidade da incorporação a outros estados, levantando a possibilidade da Espanha, Buenos Aires, Entre Rios e o Reino Unido português. 23 Madri foi descartada por razões como a distância, a impossibilidade espanhola de resolver as mazelas orientais e porque uma nova união com a Espanha levaria a conflitos armados no interior da província. As guerras em que Buenos Aires e Entre Rios estavam envolvidas impossibilitavam, segundo Llambí, a união da Banda Oriental a estes estados. Assim, o congressista expunha que A cualquier parte que vuelvo la vista me veo amenazado de los efectos de esta [a guerra]; y si à todos se les presenta con el horroroso aspecto que á mí, ningún mal deberémos temer tanto como él. 24 Diante deste amplo quadro de adversidades apresentado por Llambí, o parlamentar afirmava que, de fato, a Banda Oriental estava em poder das tropas portuguesas, o que não se podia evitar. Apontava que qualquer resolução, por melhor que fosse, poderia ser destruída pela força das armas de pequenos grupos paramilitares, o que significaria o início de uma 23 Ibidem, f.10 v e Ibidem, f.10 v e 11.

11 nova guerra. Aventurar-se nestas contingências seria uma imprudência que os congressistas teriam que responder para sempre aos pueblos. Percebe-se, então, no discurso de Llambí, uma significativa dose de pragmatismo ao destacar a fragilidade da província para sustentar-se independente, sendo sua fala mais um indício para identificar uma sociedade com seu imaginário temeroso em relação às guerras. O discurso enfatizando a possibilidade do indesejado retorno aos conflitos armados ou da manutenção da paz, é, sem dúvida, altamente persuasivo, especialmente se empregado em uma sociedade que carrega profundas feridas pelos longos anos de combates militares. Com sua exposição, Llambí apresentava argumentos favoráveis ao projeto cujo qual estava envolvido politicamente e, conseguintemente, justificava com dados práticos a atitude dos congressistas de anexarem o território oriental à monarquia lusa. Igualmente, este tipo de discurso justificava a presença de Lecor e de suas tropas na região. Após Llambí discursar, quem o fez foi Larrañaga. Pragmático e a rechaçar a guerra, o sacerdote católico dizia que os orientais encontravam-se, desde 1814, abandonados pela Espanha. Ainda segundo Larrañaga, Buenos Aires e as demais províncias fizeram o mesmo, deixando a Banda Oriental sozinha em uma guerra muito superior às suas forças. Por esta razão, em seu discurso, o padre anulou qualquer ligação do território oriental com as províncias limítrofes e com a Espanha. Larrañaga ainda apontava que após dez anos de revolução, o dever dos congressistas era o de conservar o que restou da província após o aniquilamento pelo qual esta passou e, deste modo, caso viessem a conseguir isto, seriam verdadeiros patriotas. Pragmaticamente, Larrañaga conclamou seus pares a afastarem a guerra e a desfrutarem da paz e da tranqüilidade através da união da província à monarquia portuguesa. Apesar de favorável à união com o cetro dos Bragança, Larrañaga defendeu a autonomia dos orientais, propondo que se considerasse o território oriental como um estado separado, conservando-se suas especificidades, como, por exemplo, suas leis, autoridades e idioma. Depois do discurso de Larrañaga acordou-se a incorporação do território oriental ao Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves: Entónces por una aclamacion general los S.S. Diputados dijeron: Este es el único medio de salvar la Provincia; y en el presente estado à ninguno pueden ocultàrse las ventajas que se seguiran de la Incorporac.n bajo condiciones que aseguren la libertad civil [...] En este estado, declaràndose suficientemente discutido el punto, acordaron la necesidad de incorporar esta Provincia, al Reyno Unido de Portugal, Brasil y Algarbes, Constitucional, y bajo la precisa circuntancia de que sean admitidas las condiciones

Considerações acerca de fatos precursores à construção da nação uruguaia i

Considerações acerca de fatos precursores à construção da nação uruguaia i Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 Considerações acerca de fatos precursores à

Leia mais

O General Lecor e o Congresso Cisplatino: considerações a respeito da incorporação de

O General Lecor e o Congresso Cisplatino: considerações a respeito da incorporação de O General Lecor e o Congresso Cisplatino: considerações a respeito da incorporação de Montevidéu e sua campanha ao Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. Fábio Ferreira Primeiramente, sobre Carlos

Leia mais

Motins militares no mundo luso-brasileiro: o caso das tropas portuguesas no Estado Cisplatino Oriental

Motins militares no mundo luso-brasileiro: o caso das tropas portuguesas no Estado Cisplatino Oriental Motins militares no mundo luso-brasileiro: o caso das tropas portuguesas no Estado Cisplatino Oriental Fábio Ferreira 1 Resumo Em 1816, forças militares compostas por elementos lusos e brasileiros invadiram

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

Anais Eletrônicos do VIII Encontro Internacional da ANPHLAC Vitória 2008

Anais Eletrônicos do VIII Encontro Internacional da ANPHLAC Vitória 2008 Os desdobramentos das revoluções de Maio e Liberal do Porto na Banda Oriental do Uruguai: 1810-1822 Fábio Ferreira 1 Resumo Em maio de 1810 iniciou-se em Buenos Aires, capital do Vice-Reino do rio da Prata,

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br

Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br PIMENTA, João Paulo. A independência do Brasil e a experiência hispanoamericana

Leia mais

Capital- Montevidéu. Língua oficial: Espanhol. Governo: República presidencialista. Presidente: José Mujica. Vice-presidente: Danilo Astori

Capital- Montevidéu. Língua oficial: Espanhol. Governo: República presidencialista. Presidente: José Mujica. Vice-presidente: Danilo Astori Capital- Montevidéu Língua oficial: Espanhol Governo: República presidencialista Presidente: José Mujica Vice-presidente: Danilo Astori PIB(nominal)- estimativa de 2014, US$ 58,569 bilhões IDH: 0,790 (50

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920)

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) SUB Hamburg A/548637 FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) Fernando Cacciatore de Garcia Editora Sulina Porto

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA O Decreto-Lei nº7/2003, de 15 de Janeiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto, retificada pela

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL O que seria necessário, para que o Brasil, após a independência fosse reconhecido como uma Nação Livre e soberana? Seria necessário que

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Contradições entre o sistema colonial e as propostas liberais a partir do século XVIII Guerra de sucessão do trono espanhol (1702-1713) Luís XIV conseguiu impor seu neto

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 ISSN 1852 8538 El Comité de Procesos Cooperativos y Asociativos - PROCOAS -, de la Asociación de Universidades

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL De um lado, a pressão napoleônica para Portugal aderir ao bloqueio PORTUGAL De outro

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 Não é possível exibir esta imagem no momento. A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 É também chamada Guerra da Tríplice Aliança

Leia mais

R E G I M E N T O. Preâmbulo

R E G I M E N T O. Preâmbulo R E G I M E N T O Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 115/97, de 19 de setembro) e de acordo com as alterações introduzidas

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se em Sessão Ordinária a totalidade dos Vereadores, sob

Leia mais

7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL

7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL 7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL A HISTÓRIA... A Independência do Brasil éum dos fatos históricos mais importantes de nosso país, pois marca o fim do domínio português e a conquista da autonomia política.

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes.

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes Carlos Malamud O reconhecimento, por parte da antiga potência colonial, das novas repúblicas

Leia mais

A ATUAÇÃO DO GENERAL LECOR NA INCORPORAÇÃO DE MONTEVIDÉU E SUA CAMPANHA À MONARQUIA PORTUGUESA: AS DIVERGENTES INTERPRETAÇÕES HISTORIOGRÁFICAS NO

A ATUAÇÃO DO GENERAL LECOR NA INCORPORAÇÃO DE MONTEVIDÉU E SUA CAMPANHA À MONARQUIA PORTUGUESA: AS DIVERGENTES INTERPRETAÇÕES HISTORIOGRÁFICAS NO A ATUAÇÃO DO GENERAL LECOR NA INCORPORAÇÃO DE MONTEVIDÉU E SUA CAMPANHA À MONARQUIA PORTUGUESA: AS DIVERGENTES INTERPRETAÇÕES HISTORIOGRÁFICAS NO BRASIL E NO URUGUAI 2 BIBLIOGRAFIA 17 1 A ATUAÇÃO DO GENERAL

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto)

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto) REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objeto) O funcionamento da Assembleia Geral rege-se pelo disposto no presente Regulamento e pelas demais disposições dos Estatutos

Leia mais

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze CONSELHO GERAL 2013-17 Ata número treze -------- Aos vinte e nove dias do mês de Abril de dois mil e quinze reuniu, pelas dezoito horas o conselho geral para tratar da seguinte ordem de trabalhos: -----

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2013 DIREITO

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2013 DIREITO Questão 0 A tese do caixa dois: HISTÓRIA (Imagem disponível em>http://amarildocharge.wordpress.com/0//0/a-tese-do-caixa-dois/ < acesso em: 0 out. 0) MARGINAIS DO PODER A 0º secção do julgamento do mensalão

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

CONSELHO DE DECANOS PREARQUISUR ASSUNÇÃO. Assunção, 3 e 4 de abril de 2006.

CONSELHO DE DECANOS PREARQUISUR ASSUNÇÃO. Assunção, 3 e 4 de abril de 2006. ARQUISUL ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS E FACULDADES DE ARQUITETURA PÚBLICAS DO MERCOSUL CONSELHO DE DECANOS PREARQUISUR ASSUNÇÃO Assunção, 3 e 4 de abril de 2006. Durante os dias 3 e 4 de abril de 2006, na Faculdade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LEIRIA COMUNICADO OFICIAL N.º 051 Data: 2012.09.26 Para conhecimento dos Clubes filiados, Comunicação Social e demais interessados, se comunica: REGIMENTO INTERNO DO Cumprindo

Leia mais

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA Vinda da Família Real esteve ligada à conjuntura européia do início do século XIX Napoleão X Inglaterra X Portugal Bloqueio Continental Convenção

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professora do Estúdio: Isabel Saraiva Silva Carga Horária:

Leia mais

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS ABERTURA Pessoa da cooperativa que não fará parte da mesa verifica o número de associados presentes certificando o quorum

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas MESA REDONDA SOBRE A ALTERAÇÃO DA LEI DE ARQUIVO PPGARQ Relatório Síntese Com a presença de

Leia mais

Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo

Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo Análise Europa Segurança Jéssica Silva Fernandes 28 de Agosto de 2010 Corte Internacional de Justiça se manifesta

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelo artigo 241.º, da Lei Constitucional, devem os municípios

Leia mais

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO ARTIGO. 1º. (Definição e Mandato) 1. São membros de pleno direito os delegados eleitos e designados e os membros por inerência

Leia mais

Projeto de Lei n.º 897/XII 4ª

Projeto de Lei n.º 897/XII 4ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 897/XII 4ª Primeira alteração à Lei nº 9/2008, de 19 de fevereiro - Regula o exercício do direito de associação pelo pessoal da Polícia

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UN SELLO DE CALIDAD EN LAS RELACIONES BILATERALES FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UM SELO DE QUALIDADE NAS RELAÇÕES BILATERAIS FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL diseño

Leia mais

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL ELIANNE MARIA MEIRA ROSA Professora Titular de Direito Internacional Público da Faculdade de Direito da Universidade Braz Cubas. Mogi das Cruzes-SP. Professora de Ética Geral e Profissional da Faculdade

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870)

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Thasley Westanyslau Alves Pereira * Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) ** O projeto Levantamento de Fontes para

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome Nº Ano Data: Professor: Piero/ Thales Nota: (valor 2,0) 2º semestre a) Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal na Grande Guerra de 1914-1918 Nuno Lemos Pires o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal participou na Grande Guerra em cinco grandes

Leia mais

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico espaço ibero-americano espacio iberoamericano Planejamento estratégico Quem somos, onde queremos ir e como chegaremos lá são indagações necessárias em todas as escolas Como qualquer empresa, instituições

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA MILHOMEM, André Luiz Borges; GENTIL, Heloisa Salles; AYRES, Sandra Regina Braz. Balanço de Produção Científica: A utilização das TICs como ferramenta de pesquisa acadêmica. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain.

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain. 1 A liberdade sindical como direito humano pela Declaração Universal dos Direitos do Homem da ONU e direito fundamental pela OIT a partir da visão de Jacques Maritain em suas obras Os direitos do homem

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

O Papel do Estado Juiz na Prevenção e Controle da Violência Contra a Mulher. PARA ELAS, por elas, por eles, por nós Belo Horizonte/MG 22/02/2003

O Papel do Estado Juiz na Prevenção e Controle da Violência Contra a Mulher. PARA ELAS, por elas, por eles, por nós Belo Horizonte/MG 22/02/2003 O Papel do Estado Juiz na Prevenção e Controle da Violência Contra a Mulher PARA ELAS, por elas, por eles, por nós Belo Horizonte/MG 22/02/2003 1 PRINCÍPIOS NORTEADORES DA LEI MARIA DA PENHA 1. PREVENÇÃO.

Leia mais

BANCO SANTANDER CENTRAL HISPANO, S.A.

BANCO SANTANDER CENTRAL HISPANO, S.A. BANCO SANTANDER CENTRAL HISPANO, S.A. Sede social: Paseo de Pereda nº 9 a 12, Santander, Espanha Capital Social: 2.384.201.471,5 euros Registada no Registro Mercantil de Santander Cantabria CIF A39000013

Leia mais

Tensões Separatistas na Bélgica

Tensões Separatistas na Bélgica Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves de Souza Paes 18 de fevereiro de 2008 Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Colóquio SRS. Como se sabe, a lei teve na sua origem um ante-projecto da APA, embora em certos pontos muito limitados dele se afaste.

Colóquio SRS. Como se sabe, a lei teve na sua origem um ante-projecto da APA, embora em certos pontos muito limitados dele se afaste. Colóquio SRS 1. Pedem-me que na abertura deste Colóquio faça uma breve história da génese da lei de Arbitragem Voluntária que foi publicada em 14 de Dezembro de 2011 e entrará em vigor em 14 de Março de

Leia mais

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III Memória da Reunião Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, dias 29 e 30 de outubro de 2008, a XX Reunião Especializada

Leia mais

ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y

ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y La CASA DA AMÉRICA LATINA, es una institución de derecho privado sin ánimo de lucro, con sede en la Avenida 24 de Julho, número 1188, en Lisboa, Portugal, representada

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos)

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) *C0051224A* C0051224A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) Altera o Parágrafo único do art. 66 da Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980. DESPACHO: ÀS COMISSÕES

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais