2. Planejamento e Controle da Produção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. Planejamento e Controle da Produção"

Transcrição

1 15 2. Planejamento e Controle da Produção O mercado torna-se a cada dia mais exigente e o dominio de novas tecnologias, de novos processos ou então sistemas e técnicas, é uma grande preocupação para as empresas. É notória a preocupação que as empresas têm de redefinir suas estratégias, com o intuito de melhorar seus processos produtivos. Neste sentido, o presente capítulo foi dividido em duas partes: a primeira define, classifica e analisa os sistemas de produção industrial e a segunda apresenta a definição do Planejamento de Controle da Produção (PCP), dando enfoque a sua estrutura e relação com os objetivos da organização e com os sistemas de produção industrial. A medida que o PCP ganha um papel de maior destaque no atendimento das prioridades competitivas das indústrias, ou conforme nos diz Corrêa e Gianesi (1997), os sistemas de PCP são o coração dos processos produtivos, ele passa ter uma maior importância no debate deste capítulo Sistemas de Produção Industrial Sipper e Bulfin (1997) dizem que grande parte dos sistemas de produção são como icebergs, ou seja, a porção que pode ser vista é apenas uma pequena parte do todo e por esse motivo ao estudá-los é necessário que muito componentes sejam levandos em conisderação como: produto, processos e trabalhadores. Para distinguir os sistemas de produção pode-se usar sua saída principal (outputs), isto é, a parte predominante do processo de produção de bens e serviços. Russomano (2000) diz que quando se trata de objetivos finais, a preocupação principal de uma empresa industrial é colocar seus produtos à venda, da mesma maneira que uma empresa comercial, mas em uma fase anterior de obtenção de seu produto. Neste trabalho o maior enfoque será nos sistemas de produção industrial, isto é, na produção de bens. O sistema de produção industrial, segundo MacCarthy e Fernandes (2000), é definido com um conjunto de elementos humanos, físicos e gerenciais interrelacionados, projetados para que a geração de produtos aconteça de forma que o valor final dos mesmos supere os custos incorridos em se obtê-los. A figura 1 apresenta os sistemas de produção inseridos em um ambiente, e por isso, influenciam e são influenciados ao mesmo tempo pelo sistema. Sipper e

2 16 Bulfin (1997) dizem que a manufatura é a espinha dorsal de qualquer sistema produtivo, o qual é considerado um processo que envolve o fluxo de dois componentes importantes: material e informação. Diante disso, nota-se que a principal atividade de um sistema produtivo é a transformação e o principal resultado é agregação de valor ao produto. Figura 1 - Modelo de entrada - transformação saída Fonte: Slack et al. (2002) Bonney et al. (1999) apresentam uma classificação para o sistema de produção onde utiliza a idéia de puxar e empurrar como parâmetros. No sistema empurrado as ordens de produção têm sua liberação na data de início, a qual corresponde à data de entrega prometida, retirado o lead time de produção e são delineadas por um gerenciamento centralizado. Assim que são liberadas, as ordens vão de operação a operação, ou seja, os materiais e informações seguem o mesmo sentido. No sistema puxado existe um controle baseado no estoque em processo, e assim, materiais e informações seguem em fluxos opostos. A interdependência das operações é a característica mais importante para distinguir um sistema do outro, de acordo com Sipper e Bulfin (1997). A figura 2 apresenta como cada centro é afetado e ao mesmo tempo afeta os adjacentes através do fluxo de materiais e informações, mostrando assim uma interdependência recíproca.

3 17 Figura 2 - Fluxo de materiais e informações em um sistema puxado. Fonte: Sipper e Bulfin (1997) A interdependência encontrada no sistema empurrado é seqüencial, ou seja, a saída (output) depende do input de outras operações. Uma medida para conseguir o isolamento desta dependência é a utilização de estoques regulares conforme apresentado na figura 3. Figura 3 - Fluxo de materiais e informações em um sistema empurrado. Fonte: Sipper e Bulfin (1997) No sistema puxado, entre duas operações consecutivas, existe uma quantidade de estoque, a qual tem sua reposição ajustada pelo processo posterior na proporção que é consumida. De maneira geral, para um sistema ser considerado puxado, os materiais devem ser transportados conforme são solicitados pelo processo posterior. Por outro lado, se os materiais são transportados para processos posteriores após serem processados ou concluídos, o sistema recebe o nome de empurrado.

4 18 MacCarthy e Fernandes (2000) desenvolveram um trabalho no qual é possível identificar um conceito importante, a repetibilidade, isto é, o tempo médio transcorrido entre a produção de dois lotes consecutivos de produtos iguais. De acordo com esses autores, um processo passa a ser repetitivo quando consume uma porcentagem significante, no mínimo 5%, do tempo total disponível na unidade produtiva. Fernandes e Godinho Filho (2006) citam os conceitos de variedade, diversidade e diferenciação de produtos com importantes referenciais para se entender os sistemas produtivos. Variedade se refere a uma habilidade dos sistemas produtivos em responder as mudanças decorrentes de um mix de produtos diferentes entre si. Diversidade se refere à habilidade dos sistemas produtivos em responder a mudanças no mix de produtos com características muito similares. Por fim, a diferenciação refere-se à produção de produtos sem similares no mercado Planejamento e Controle de Produção (PCP) Para considerar um sistema produtivo eficiente é necessário observar a forma como são resolvidos os problemas administrativos (TUBINO, 2000). O autor diz que para usufruir de todos os benefícios gerados pela divisão do trabalho e da especialização, deve existir uma coordenação entre atividades produtivas. O PCP tem o papel de conectar os diversos setores da empresa, com os fornecedores e clientes, além de ter a função de gerenciar o processo de produção e os serviços relacionados a ele. Correia e Gianesi (1997) dizem que há também uma característica bem discutida no conceito de PCP que é a existência das fases hierarquizadas dos processos decisórios. Além do mais, para esses autores, o PCP tem a função de garantir uma adequação entre as decisões operacionais e as decisões estratégicas da empresa. Segundo Sipper e Bulfin (1997), o PCP é uma parte importante quando se refere à tecnologia de gerenciamento da produção e por este motivo deve haver uma combinação entre os fluxos físicos e de informações com o objetivo de gerenciar o sistema de produção, mantendo uma relação com o ambiente externo. Os autores acrescentam dizendo que as principais funções do PCP são estabelecer metas e medir os desvios na produção, o que significa dizer que o PCP tem sua

5 19 essência no gerenciamento dos desvios, mantendo ao mesmo tempo o objetivo de organização como todo. Existe para o PCP uma separação em Planejamento da Produção (PP) e Controle da Produção (CP) feita por alguns autores, como Corrêa et al. (2001) está relacionado com a necessidade de se ter um planejamento parte da inércia intrínseca dos processos decisórios, ou seja, do tempo que transcorre desde a tomada de decisão até sua implantação. Burbidge (1990) traz uma abordagem que trata diretamente do CP, onde o mesmo é caracterizado com uma função que planeja, direciona e controla o suprimento de materiais, bem como as atividades de processamento da empresa. É importante ressaltar a relação estreita que existe entre as funções do CP e as funções de compra, fazendo com que algumas indústrias cheguem a considerá-las como parte de uma mesma função de gerenciamento de matérias. Para Tubino (2000), o objetivo do CP e garantir uma ligação consistente entre o planejamento e a execução das atividades operacionais. Para este trabalho adota-se a definição de PCP feita por Fernandes e Godinho Filho (2006), bem como a separação entre PP e CP. Por PP entende-se a atividade gerencial que tem como responsabilidade contabilizar a demanda e a capacidade de produção para um horizonte de médio prazo e então tomar decisões de intenção de forma agregada em termos de: a) O que produzir, comprar e entregar; b) Quanto produzir, comprar e entregar; c) Quando produzir, comprar e entregar; d) Quem e/ou onde e/ou como produzir. Essas decisões são geralmente tomadas com antecedência, objetivando subsidiar decisões relacionadas com a elaboração de contratos de fornecimento, sub-contratação temporária, terceirização, contratações e demissões no médio prazo, aquisição de novos equipamentos etc. No início do PP há uma gestão da demanda para médio prazo feita por meio de previsões. Essas mesmas previsões em conjunto com a gestão financeira, ou seja, as entradas que são necessárias para a realização do planejamento agregado de produção, terão com principal objetivo

6 20 elaborar um plano de produção que irá considerar as famílias de produtos, a fim de que os recursos de produção sejam utilizados eficientemente. O CP é considerado uma atividade gerencial que tem a responsabilidade de manter o fluxo de materiais através de informações e tomar decisões para execução regularizada. As decisões são desagregadas, detalhadas e de curto prazo em termos de: a) O que produzir, comprar e entregar; b) Quanto produzir, comprar e entregar; c) Quando produzir, comprar e entregar; d) Quem e/ou onde e/ou como produzir. Todas as decisões seguem a estrutura hierarquizada apresentada na figura 4. Figura 4 - Estrutura do PCP. Fonte: Fernandes e Godinho Filho (2006)

7 21 Na figura 5 podemos ver detalhadamente a caixa de controle de produção. Figura 5 - Estrutura do CP. Fonte: Fernandes e Godinho Filho (2006) O CP faz parte de um processo decisório que ocorre em etapas consecutivas e é direcionado do geral para o detalhe, através de cinco atividades de controle. a) Programar a produção em termos de itens finais; b) Programar ou organizar as necessidades em termos de componentes e materiais; c) Controlar a emissão de ordens de produção e compra; d) Programar e seqüenciar as tarefas nas máquinas; e) Analisar a capacidade de curto prazo. As cinco atividades apresentadas acima descrevem um programa de produção, no qual é feito um acompanhamento por meio dos níveis de estoque e de produção e,quando desvios são identificados, a produção é refeita. O PCP é composto também por outras atividades como: o balanceamento de linhas de

8 22 montagem, o rearranjo de relações produtivas e a integração com outras áreas e funções da empresa Análise comparativa entre as estruturas de Planejamento e Controle de Produção (PCP) De acordo com Corrêa et al. (1997), os sistemas de planejamento e controle da produção são sistemas híbridos, os quais têm vários elementos que trabalham de maneira integrada com a finalidade oferecer soluções mais adequadas para certas subunidades do setor produtivo. Antunes et al. (2008) dizem que a maximização dos meios de produção em conjunto com a minimização da ociosidade desses meios é o principal fundamento de um sistema de produção convencional. Esta estrutura de planejamento e controle da produção convencional tem como filosofia a produção empurrada, que se caracteriza por um cenário onde o fornecimento de produtos ocorre na quantidade correta e no momento exato, por meio de programações para cada etapa de produção. Este sistema apresenta dificuldade para se adaptar às mudanças ocasionais que decorrem de flutuações de demanda ou problemas de processo. Se essa dificuldade for levada em consideração, a fábrica irá estocar parte do produto entre os processos, com a intenção de reduzir os custos ligados às incertezas de vendas, ou seja, imprevisibilidades da demanda. Esta situação deixa a empresa sujeita a produzir produtos desnecessários que provocam um aumento dos estoques. Analisar o PCP por meio do mapeamento do fluxo de valor ajuda a melhorar estes cenários. De acordo com Rother e Shook (1999), o mapeamento é uma ferramenta de diagnóstico que permite a identificação e futura eliminação das perdas encontradas em cada etapa de produção, as quais provocam aumento no custo de produção. Por outro lado, contrastando com o PCP convencional, existe outra estrutura de planejamento e controle da produção dentro de uma filosofia de produção puxada, na qual a última etapa da linha de produção recebe as informações necessárias sobre: o que, quanto e quando produzir. Esta etapa tem como responsabilidade retirar do processo anterior a quantidade exata de produto no momento certo, o que provoca uma considerável redução dos estoques. Devido à forma como esta estrutura funciona, não existe a necessidade de uma distribuição no decorrer do mês de programações de produção por todo o processo.

9 23 Existe uma grande complexidade ao tratar dos sistemas produtivos e uma grande necessidade por informações confiáveis que produzem uma demanda por sistemas computacionais, os quais têm por objetivo programar e planejar a produção para o fornecimento de dados precisos, tais como o MRP (Material Requeriment Planning) ou MRPII (Manufacturing Resource Planning). Wight (1981) diz que o MRP II é um sistema onde é possível encontrar uma lógica bem estruturada de planejamento, que prevê uma sequência hierárquica de cálculos, verificações e decisões que têm o objetivo de alcançar um plano de produção viável. A metodologia do Just in Time (JIT) é composta por duas premissas básicas: a melhoria contínua e a eliminação de perdas, quando relacioanda a produção, Antunes el al. (2008) dizem que o princípio básico é procurar atender dinâmica e instantaneamente a variação da demanda do mercado consumidor, produzindo em pequenos e variados lotes. Diante disso, é notável que existe a necessidade de utilizar ferramentas que possibilitam gerenciar o fornecimento de materiais no exato momento em que são demandados pelos postos de trabalho, o que compõe o sistema Kanban para controle da produção. Para Monden (1984), Gianese e Correa (1993) e Browne et al. (1996) existem duas fases diferentes no planejamento da produção dentro do ambiente JIT: a programação mensal, que tem a responsabilidade de adaptar a demanda mensal no decorrer do ano, e a programação diária que se deve adaptar a variações de demanda diária, no decorrer do mês. Na adaptação mensal é desenvolvido um processo de planejamento da produção mensal, ou seja, existe a preparação de um programa mestre de produção chamando de MPS (Master Production Scheduling). O MPS mostra o nível médio de produção diário para cada processo, baseado em uma previsão de demanda feita para o mês. Por este motivo, uma sugestão de mix de produtos com suas respectivas quantidades é feita com o objetivo de atender dois meses a frente e um plano detalhado é formulado para o mês seguinte. Os fornecedores também têm o conhecimento dessas informações, permitindo a eles atender de maneira mais fácil as ordens de suprimentos.

10 24 A metodologia do JIT mostra diversas ferramentas e práticas operacionais, dentre as quais se destaca o Sistema Kanban, o Nivelamento da Produção e o Balanceamento da Produção. Os conceitos de Just in Time, sistema Kanban, serão melhor debatidos no capítulo 3, juntamente com o Sistema Toyota de Produção (STP), que é, de acordo com Shingo (1996) e Monden (1997), um dos pilares do JIT Os Sistemas de Coordenação de Ordem de Produção e Compra (SCO) O SCO é uma maneira de sistematizar as necessidades que os produtos finais têm, as quais são convertidas na forma de itens e componentes, que podem ser comprados ou fabricados internamente. A conversão é feita através da programação, controle e execução de ordens de produção e compra. Esses sistemas de emissão de ordens são bastantes abordados na literatura, mas com distintas denominações. De acordo com Graves et al. (1995), os mecanismos utilizados no controle dos fluxos de materiais, conforme definição do autor, têm o foco nos problemas ocorridos no momento de liberação do material dentro da manufatura e da autorização de produzir nos centros produtivos. Este trabalho divide esse mecanismo em três tipos; a) Mecanismos baseados em capacidade infinita. Esses mecanismos têm por pressuposto que a manufatura pode entregar seus produtos dentro de um dead line, levando em consideração estritamente a demanda, mas não a carga de trabalho. Alguns exemplos destes mecanismos são: o Material Requirements Planning (MRP) e Line Requirements Planning (LRP). b) Mecanismos baseados na produção. O limite da capacidade produtiva é considerado de forma implícita e a carga de trabalho de maneira explicita, mas não são considerados a demanda e o lead time de produção. Fazem parte desta classificação o ConWIP e o Kanban. c) Mecanismos combinados. De maneira resumida é a utilização em conjunto de dois ou mais mecanismos anteriores. É muito comum o agrupamento do MRP com o Kanban.

11 25 O principal objetivo destes mecanismos é assegurar um baixo nível de estoques em processo, mas ao mesmo tempo garantir um alto nível de serviço ao cliente, seja ele interno ou externo. Por outro lado, Fernando e Godinho Filho (1996) apresentam quatro maneiras diferentes nas quais o SCO pode ser classificado: a) Sistemas de pedido controlado. Existe a possibilidade de manter estoques de produtos finais. Esse sistema é subdividos em: Sistemas de programação por contrato. Nestes sistemas existe o controle na emissão de produtos com altos níveis de complexibilidade e/ou de projetos considerados especiais.um bom exemplo para neste caso é a fabricação de grandes máquinas. Sistemas de alocação de carga por encomenda. Sua aplicação, como o próprio nome já nos diz, ocorre em produtos sob encomenda, como por exemplo, fundições. O pricipal objetivo neste caso seria reemitir dentro da produção os pedidos dos clientes como se fossem ordens, que podem ser de fabricação ou requisição de compras e ferramentas. b) Sistemas controlados por nível de estoque (CNE). Como o próprio nome já diz, são sistema onde o controle é feito através do nível de estoque. Neste grupo estão os sistemas que puxam a produção. Esse sistema é subdivido em: Sistemas de revisão contínua. Quando o nível de estoque cai abaixo de um determinado nível ou número de unidades pré-definidos, ocorre a emissão de ordens. A ordem irá determinar a quantidade correta que será produzida. Sistemas de revisão periódica. Neste sistema os períodos entres as ordens podem ser regulares ou fixos. Diferentemente da revisão contínua, onde o número de unidades produzidas será sempre o mesmo, este sistema calcula as quantidades com o objetivo de alcançar o nível máximo de estoque.

12 26 Sistemas ConWIP CNE. A lógica deste sistema é manter o estoque em processo constante através da utilização de containers na linha de produção. O nível de estoque será determinado pelos containers. Ao chegar o último nível de produção, o conteúdo irá para o estoque e o container retornará ao primeiro nível e, assim, ganhará um cartão que tem por função determinar o que será feito. Sistema Kanban CNE. Este sistema, por envolver o tema central deste trabalho, será melhor abordado nos capítulos 3 e 4. c) Sistema de fluxo programado. Neste sistema há uma decisão feita com base na conversão das necessidades do MPS em itens de componentes. Tanto o fluxo de materiais como o fluxo de informações, seguem o mesmo sentido, isto é, são sistemas que empurram a produção. Ele pode ser das seguintes maneiras: Estoque base. As informação relacionadas ao que, quanto e quando produzir partem do PCP. Os lotes produzidos têm sua base de cálculo relacionada às quantidades consumidas no período anterior, aos estoques atuais e a na intenção de estoque futuro, que são empurrados para o estágio produtivo posterior. Period Batch Control (PBC). Neste sistema o intervalo que existe entre as ordens é fixo e o tamanho do lote irá variar. O funcionamento do sistema consiste basicamente numa explosão do MPS em termos de itens, após isso são atribuídos os tempos para emissão das ordens, a produção ou entrega das matériasprimas, para processamento, montagem e vendas, criando dessa forma um programa padronizado. Sistemas de lotes componentes. Neste caso é fixado o tamanho do lote para cada componente, que tem sua base de cálculo em função do lote econômico, e o intervalo entre as ordens desses componetes varia, tudo a partir do MPS. Existem diversas críticas quanto à utilização do lote econômico e algumas podem ser encontradas em Burbidge (1983).

13 27 Sistema de lote-padrão. As quantidades emitidas nas listas de ordens para os produtos finais são sempre as mesmas e com defasagens no tempo. O número de sub-montagens é fixo, enquanto que os intervalos entre as ordens desses sub-conjuntos é variável. Material Requirements Planning (MRP). Este sistema, que tem uma grande popularidade na literatura, possibilita que, a partir do MPS, sejam determinados o que, quanto e quando produzir e comprar os itens que serão produzidos. Para o cálculo é levado em consideração o nível de estoque, o tempo de reposição, o consumo previsto, dentre outros. Optimized Production Technology (OPT). É um sistema informatizado, de origem israelense, que utiliza técnicas de pesquisa operacional para efetuar o controle da produção. Neste sistema são considerados os gargalos da produção, isto é, recursos que têm uma capacidade menor. Alguns dos seus problemas de limitação são o alto custo e a dificuldade de entendimento da ferramenta. d) Sistema híbridos. São sistemas que detêm características das duas classes anteriores. Esta classe é formada por: Controle MaxMin. Funciona através do controle dos limites máximos e mínimos do estoque, em geral para itens que devem ser comprados. Neste caso é importante que o MPS tenha um bom nível de precisão, pois dessa forma grandes gastos com estoque de segurança são evitados. Os procedimentos são, de maneira geral, explodir o MPS, fixar os limites de estoque reserva com objetivo de prevenir falta ou exesso de estoque, emitir ordens na forma de programas de necessidades e criar uma base de registros dos estoques com o objetivo de auxiliar no controle. Sistema ConWIP H. A principal diferença existente entre esse sistema com o ConWip da classe b, é que neste caso os cartões ou

14 28 as ordens de produção são criadas com base na explosão do MPS que se origina do departamento de PCP da empresa. Sipper e Bulfin (1997) nomearam as ordens e os cartões como lista de pedidos em carteira backlog list. Desta maneira, o sistema possui algumas características de um sistema de estoque controlado e de fluxo programado. Sistema Kanban H. Este sistema, por envolver o tema central deste trabalho, será melhor abordado nos capítulos 3 e 4. Sistema Rope-Drum-Buffer (RDB). Com base na teoria das restrições, o sistema tem seu foco principal nos recursos que são considerados gargalos da produção. A idéia é que haja um sincronismo entre as etapas de produção, isto é, deve existir um único ritmo de produção para todos os centro produtivos (Drum), o qual é determinado pelo recurso gargalo, evitando dessa forma grandes estoques em alguns centros produtivos e falta de itens em outros. Além disso, o estoque de segurança (Buffer) é mantido antes do recurso gargalo, com o objetivo evitar a perda de tempo por falta de itens que serão produzidos. A corda (Rope) é o feedback de informação para o estoque de matérias-primas. Sistema DEWIP (Decentralized Work in Process). É um sistema voltado para ambientes job shop com alta diversidade de itens e um complexo fluxo de materiais. O estoque em processo de maneira descentralizada é considerado como a variável de controle principal para este sistema. Sistema LOOR (Load Oriented Order Release). Há nesse sistema uma carga limite para cada centro de trabalho, nas quais as tarefas são liberadas apenas quando as cargas projetadas estão abaixo da carga limite para um determinado período de tempo. As ordens de produção, o horizonte de planejamento e a capacidade produtiva são as principais variáveis consideradas pelo sistema. Da mesma forma que o DEWIP, este sistema é propício para ambientes com

15 29 alta diversidade de itens e com complexo fluxo de materiais com alto nível de complexibilidade. Sistema POLCA (Paired-cell Overlapping Loops of Cards with Authorization). É baseado em uma estratégia de obtenção de vantagem competitiva através da redução do lead time. Esse sistema que foi projetado para sistemas produtivos com estrutura celular, além dos altos níveis de estoque, utiliza informações referentes aos tempos (lead time) planejados para cada célula dos sistemas produtivos, com a finalidade de determinar quando cada uma delas irá iniciar o processamento das tarefas necessárias. As datas de início das operações são autorizadas por meio de cartões que apresentam a capacidade possível das células. Existem diversas teorias que abordam o tema de planejamento e controle da produção, e cada dia mais pesquisas são desenvolvidas dentro deste tema. De acordo com MacCarthy e Fernandes (2002), é muito difícil selecionar ou projetar um sistema PCP apropriado, pois existe um caráter integrativo das funções PCP, no qual há uma interface com todas as áreas funcionais da empresa. Diante disso, determinar a aplicabilidade de uma abordagem é muito complexo, principalmente por existir um número crescente de alternativas. Para finalizar, as análises que foram apresentadas anteriormente oferecem uma indicação de que existe uma dificuldade quando é feita a análise tanto do planejamento, quanto do controle da produção e suas estruturas, sem se preocupar com as relações de dependência, com as condições produtivas e ambientes que se interligam. Importante salientar que alguns elementos do PCP devem ser pensados não só pelo ponto de vista conceitual, mas também das regras ou condições que podem tornar viáveis sua efetividade.

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Clarissa Fullin Barco (UFSCar)cfbarco@hotmail.comFábio Barbin Villela (UFSCar)fbvillela@yahoo.com.br A inspiração para este estudo vem de uma

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Planejamento Agregado Planejamento Agregado.

Planejamento Agregado Planejamento Agregado. ADM II é o processo de balanceamento da produção com a demanda. Visa compatibilizar os recursos produtivos da empresa com a demanda. Normalmente é projetado para horizontes de tempo de 6 a 12 meses. Planejamento

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

Universidade do Sagrado Coração

Universidade do Sagrado Coração Universidade do Sagrado Coração Questões Administração da Produção II 1. DEFINA QUALIDADE Qualidade é a conformidade com os padrões estabelecidos pela organização para um determinado produto, mas também

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

MRP x JIT/Lean? MRP x JIT? Prof. João C. E. Ferreira - UFSC

MRP x JIT/Lean? MRP x JIT? Prof. João C. E. Ferreira - UFSC MRP: Movido pelo MPS Lead-time fixo Elevado uso do computador, para calcular quantas peças, e em qual momento tais peças devem ser fabricadas. Peças são fabricadas em resposta a instruções centralizadas,

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO.

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. 1 A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Aline Carla Herrero Alves Elizabete Alves dos Santos Francisco Cesar Vendrame Jovira Maria Sarraceni Máris

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

3. Sistema Toyota de Produção, Just in Time e o Sistema Kanban

3. Sistema Toyota de Produção, Just in Time e o Sistema Kanban 30 3. Sistema Toyota de Produção, Just in Time e o Sistema Kanban Este capítulo fornece as bases para o desenvolvimento de um procedimento que possibilite avaliar a utilização do sistema Kanban nas indústrias.

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EVOLUÇÃO E AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA KANBAN E DE SUAS ADAPTAÇÕES:

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Introdução - Sistema de PCP - Previsão da demanda - Planejamento da produção Gerência de Estoques - Lote Econômico - Plano de Produção Gerência de Projetos - CPM - PERT

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

MRP / MRP II MRP / MRP II

MRP / MRP II MRP / MRP II MRP = Material Requirement Planning (planejamento das necessidades de materiais) Surgiu da necessidade de se planejar o atendimento da demanda dependente (que decorre da independente) Lista de material

Leia mais

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Sânia da Costa Fernandes (UFG) saninha_fernandes@hotmail.com Tatiane Albuquerque Pires (UFG) tati_albuquerque_3@hotmail.com

Leia mais

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Henrique Holowka 1 (EPA, DEP/FECILCAM) henrique_engprod@yahoo.com Isabela Korczovei Lemes 2 (EPA, DEP/FECILCAM) kl.isabela@hotmail.com

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Produção Industrial 4ª Série Gerenciamento da Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFEREN SOB ENCOMENDA S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O CONTÍNUA IN TER MI TEN TE IN TER Página 2 de 17 SISTEMAS FATORES AS PRINCIPAIS DIVISÕES

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Um projeto é um esforço temporário realizado para criar um produto ou serviço único. Ou seja, é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Eduardo Dias Ferreira Belo Horizonte Agosto 2006 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivo... 4 1.1.1 Objetivo Geral... 4 1.1.2

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO

CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO Wattson Perales UFRN / CT / DEPT - Campus Universitário Natal RN 59072-970 e-mail: wattson@ct.ufrn.br After a bibliographic review about the theme on the most used

Leia mais

Prof. Msc. Marco Aurélio

Prof. Msc. Marco Aurélio Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção MRP MATERIAL REQUERIMENTS PLANNING Prof. Msc. Marco Aurélio Data: 05/03/2012 A históriado MRP começacom o episódiobíblicodaarcade Noé. DEUS DISSE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

Aula 06 PPCP ABERTURA

Aula 06 PPCP ABERTURA ABERTURA DISCIPLINA: PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PERÍODO LETIVO: 1 SEM/2015 SÉRIE: 6ª e 7ª Série PROFESSOR: Ivan Godoi Aula 06 DISCIPLINA CONTATO: ivan_godoi@aedu.com

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais