Apostila de História. Enem no Belém. Nome:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apostila de História. Enem no Belém. Nome:"

Transcrição

1 Apostila de História Enem no Belém Nome: 2015

2 Do Feudalismo ao Capitalismo Por volta do século XII, com a desintegração do feudalismo, começa a surgir um novo sistema econômico, social e politico. Denominado Capitalismo. A principal característica deste sistema é que no capitalismo o trabalho é assalariado e no feudalismo é servil. O capitalismo nasce da crise do sistema feudal. Depois da Revolução Industrial no século XVIII na Inglaterra é que se estabelece o verdadeiro capitalismo. Etapas do desenvolvimento do capitalismo: -Pré capitalismo: Formação do sistema. Destacava-se o artesanato. -Capitalismo Comercial: O capitalismo era considerado comercial, pois toda a renda se concentrava na mão de um comerciante. É o que marca o inicio da Revolução Industrial -Capitalismo Industrial: Promove a aceleração industrial, as indústrias se tornam grandes capitalistas. -Capitalismo Financeiro: Criação de sistemas bancários e acúmulo de indústrias nos países. Nestas cidades habitavam os burgos e futuramente chamados de burgueses. Capitalismo: Sistema de produção que se baseia no trabalho assalariado e na livre empresa. Feudalismo: Sistema econômico baseado no trabalho servil, obrigatório. Inicio dos tempos Modernos/ A expansão comercial e marítima Europeia O século XVI foi marcado pela agitação. Os europeus se lançaram a descoberta e a conquista de novos continentes. Impérios colônias foram fundados nas terras da América, dai começou varias influências de diversos países. Fatores da expansão Europeia

3 a)econômicos- Nesta época a Europa passava por uma crise. Processo de vida urbana Como não havia mais alimentos suficientes para a população, ficavam mais vulneráveis a doenças como a Peste Negra vinda do Oriente. A população foi reduzida a 1/3. No final do século XV a população europeia cresceu rapidamente. O comercio das especiarias que era a forma de economia na Europa apresentava dois problemas. -Os nobres que compravam estavam empobrecendo -E o Mediterrâneo se tornou polo comercial dos italianos e árabes por isso os preços dos produtos aumentou muito. Para que se pudesse empregar toda a capacidade produtiva da população urbana, seria preciso ampliar o mercado consumidor. Isso só seria possível se novos mercados fosses encontrados e novos mercados só havia fora da Europa. Com as minas europeias não produziam metal precioso suficiente só havia uma solução, obtê-lo fora da Europa, através da própria mineração ou então por meio de um comercio lucrativo. b) Sócio-político- Com o crescimento dos burgueses o andamento do comercio cresceu, favorecendo a centralização do governo. c) Religioso- O Clero em Portugal e na Espanha que até pouco tempo tinham estado em luta contra os muçulmanos teve o crescimento da expansão europeia. d) Culturais- Uso da bússola para orientação na navegação, invenção de caravelas pelos portugueses que tornou possível a navegação em alto mar. A expansão Portuguesa Desde o século XIII Portugal já tinha relações comerciais com a Inglaterra e as cidades italianas que começaram a estimular a expansão comercial. Começou a expansão portuguesa com a exploração colonial, que levava os portugueses as índias. Os descobrimentos se sucederam: Ceuta (1415), Madeira, Açores, Cabo Bojador, Cabo Branco, Cabo Verde, Golfo de Guiné, até a passagem do Equador em Em 1487,

4 Bartolomeu Dias ultrapassou o cabo das Tormentas ao seguir a mesma rota, em 1497, Vaco da Gama tocou Moçambique e Melindre na África Oriental antes de atingir Calecute. Vasco da Gama voltou para Portugal com um monte de especiarias. Em 1500, partiu de Portugal para o Brasil com uma frota comandada por Pedro Alvares Cabral. Alguns barcos faziam ligação da Índia com a China. Mas tarde Portugal voltou para a exploração comercial agrícola no Brasil. Exercícios 01.(Fuvest-SP) Portugal, nos séculos XV e XVI, exerceu importante papel no cenário europeu graças ao pioneirismo de sua navegação pelo Atlântico. a) Qual o objetivo da política portuguesa de incentivo à navegação? b) Cite duas inovações técnicas de navegação adotadas pelos portugueses. c) Quais as vantagens econômicas colhidas por Portugal nessas viagens? 02. Para organizar as expedições oceânicas e tentar descobrir uma rota marítima para chegar às Índias, foi necessário:

5 a) poder político b) conhecimentos técnicos c) recursos econômicos Comente todos estes itens. 3. (Espcex (Aman) 2011) Um conjunto de forças e motivos econômicos, políticos e culturais impulsionou a expansão comercial e marítima europeia a partir do século XV, o que resultou, entre outras coisas, no domínio da África, da Ásia e da América. O fato que marcou o início da expansão marítima portuguesa foi o (a) a) contorno do Cabo da Boa Esperança em b) conquista de Ceuta em c) chegada em Calicute, Índia, em d) ascensão ao trono português de uma nova dinastia, a de Avis, em e) descobrimento do Brasil em A expansão Espanhola Colombo procurou o rei de Portugal, mas este não se importou com o seu trabalho, porém na Espanha conseguiu o apoio de ricos armadores e da Rainha Elizabeth Castela que lhe confiou o comando de três navios. Mas tarde um navegador de Florença, Américo Vespúcio depois de navegar percebeu que as terras navegadas não eram da índia mas um novo continente entre a Europa e a Ásia. Dai o nome de América. Enquanto os portugueses permaneceram na costa das terras conquistadas, os espanhóis penetraram no território em busca de riquezas. Houve também o descobrimento dos metais que causou a hegemonia europeia.

6 A expansão Inglesa e Francesa Esses dois territórios tiveram problemas internos que atrasaram e dificultaram a sua expansão. Houve guerras internas (Guerra das Duas Rosas) e uma guerra externa (Guerra dos Cem Anos). Não houve muito êxito nas conquistas inglesas e francesas. Guerra das Duas Rosas Foi uma guerra civil travada pela disputa de terra da Inglaterra. A guerra das Duas Rosas foi travada entre os nobres da família Lancaster e da família York. As famílias rivais usavam como emblema uma rosa, dai vem o nome histórico do conflito. O Lancaster usava como símbolo uma rosa vermelha, já que a York era representada por uma rosa branca. A historia dessa guerra teve inicio em 1453 quando a família York afastou do poder o rei da Inglaterra, Henrique VI. Ricardo de Plantageneta, pertencente a família York recusava-se a sair do governo inglês, alegando que Henrique era incapaz de reinar e que tinha duvidas de que Eduardo Westemester era realmente o filho do monarca. Em 1461 com a morte do Duque Ricardo, a família York continuou a lutar pelo controle da Inglaterra. Outros assassinatos foram cometidos por ambas as famílias. O objetivo dessas mortes era acabar com os possíveis herdeiros do trono da Inglaterra. A paz entre a família Lancaster e a família York só seria possível com um ato publico de união. Henrique VII, que representava a família Lancaster, casou-se com Elizabeth de York. O casamento entre os dois representou a união entre as duas famílias rivais, selando o final da guerra das Duas Rosas. E essa união deu origem a dinastia Tudor.

7 A Guerra dos Cem Anos Foi um dos maiores conflitos da Idade Media, entre a França e a Inglaterra e que durou um século. Segundo a definição dos historiadores tudo começou em 1337 para terminar em Os normandos que haviam se estabelecidos na Inglaterra, tinham coroado sua decência como monarcas ingleses, estes possuíam na França grandes extensões de terra. Início dos tempos Moderno Reforma Protestante (Fim da Idade Media) A palavra reforma foi usada para designar o movimento geral de transformação religiosa. Contrarreforma- (uma relação contra Reforma Protestante) Relações entre Reforma e Tempos Modernos

8 Houve uma revolução intelectual e artística. A Reforma correspondeu a uma revolução no terreno religioso. Foi a Reforma que pela primeira vez questionou a autoridade do papa, pondo em dúvida os dogmas e rompeu com a unidade religiosa. Fatores da Reforma Um dos fatores da Reforma Protestante foi que os seguidores do cristianismo perceberam que o clero não estava praticando os ensinamentos de Cristo. Queria mudar a estrutura da Igreja não a doutrina. Já havia uma crise na organização eclesiástica, independentemente dos abusos. O problema vinha das ordens da Igreja e principalmente da Idade Media, quando os chefes da Igreja eram também homens do mundo. Houve vários problemas com relação os papas e as famílias italianas. Já não era a Igreja que tomava as próprias decisões. Quando Lutero rompeu com a igreja foi chamada todos os bispos para esses se pronunciarem a respeito da crise. Tradicionalmente se diz que foram os abusos do clero uma das causas da separação entre os cristãos. Quem foi Lutero? -Monge Alemão -Professor de Teologia A Reforma de Lutero Lutero denunciou as irregularidades presentes na Igreja. Foi ele quem criou as 95 teses que condenavam os abusos do clero. Mas tarde Lutero foi condenado pelo papa e teve que se refugiar no castelo de Wartburg, onde escreveu panfletos e passou a bíblia para o alemão. Muitos o apoiaram porque queriam se livrar das influencias católicas. Esses pontos foram vitoriosos e decisivos para a doutrina Luterana.

9 Esses princípios tomaram as terras pertencentes a Igreja Católica que passaram a ser considerados propriedades do Estado. Após alguns anos, tentaram impor o catolicismo aos príncipes luteranos. Como estes se rebelaram, passaram a ser chamados de Protestantes. Os fundamentos do luteranismo são: A salvação não era alcançada pelas obras e sim pela fé Será representado apenas salmos e leitura da bíblia É dispensável o clero como Intermediário de Deus Lutero conservou apenas 2 dos 7 sacramentos do catolicismo (batismo e eucaristia) A Reforma de Calvino Calvino começou a se preocupar com os problemas religiosos da França. Obrigado a se refugiar por causa do que pregava, foi condenado a morar na Suíça. Lá implantou as Ordenações eclesiásticas. Organizou a Igreja calvinista em termos de fieis, pastores e um conselho de anciãos. Calvino assimilou a principio os ensinamentos luteranos, mas depois na Instituição da Religião Cristã, propôs reformas mais radicais que as de Lutero. Também acreditava que a salvação é conseguida pela fé. Os Calvinos consideram a Igreja útil para a salvação. A Reforma Anglicana Henrique VIII rei da Inglaterra foi pioneiro neste processo, se revoltou contra a Igreja quando o papa não quis anular seu casamento. Então passou a ser o chefe de sua própria igreja anglicana a anulação do casamento do rei foi só um pretexto para separar a Inglaterra da Igreja Católica. Os sucessores de Henrique VIII tentaram primeiro transformar a Inglaterra num pais calvinista, depois faze-lo voltar ao catolicismo. Só mais tarde, sob o reino da Rainha Elizabeth I, estabeleceu-se definitivamente a Reforma Anglicana. Reação da Igreja Católica

10 Varias foram às iniciativas tomadas pelos católicos para fazer frente á Reforma. Os principais instrumentos da reforma da Igreja Católica, no entanto, foi o Concilio de Trento e os padres jesuítas. O Concilio tomou, também, medidas reformistas como: -Proibir os livros que não eram católicos -Restabeleceu a disciplina na Igreja -Restaurou a inquisição -Formação de padres em seminários Coma inquisição impediu-se que a Reforma Protestante se difundisse pelos países não atingidos pela reforma, Espanha e Portugal. Mas a Igreja católica pouco a pouco recuperou sua influencia. Exercícios: 1) (Vunesp) "O Pai e o Filho vêm a um homem e nele fazem sua morada, se ele amar Jesus Cristo (São João, XV, 23). Daí resulta a necessidade das obras porque o amor, a caridade só se manifesta pelas obras (São João, XIV, 21; Mateus, VII, 21), são obras que contam e Deus dará a cada um segundo suas obras." (Roland Mousnier, Os séculos XVI e XVII. In História Geral das Civilizações.) A importância do acúmulo gradual de boas obras para a salvação da alma é uma concepção: a) luterana. b) católica. c) sunita. d) jansenista. e) anabatista. 2) (Vunesp-2001) O tempo das descobertas foi, ainda, o tempo de Lutero, Calvino, Erasmo, Thomas Morus, Maquiavel, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Van Eyek, da Companhia de Jesus (Adauto Novaes, Experiência e destino.)

11 O período e os nomes citados no texto correspondem a: A) cultura do Renascimento científico e artístico italiano, política Iluminista e Humanista e Contrareforma religiosa. B) cultura Iluminista e Renascentista, política do Absolutismo Real e Reforma Presbiteriana. C) cultura do Renascimento e Humanismo, política Absolutista, Reforma e Contra-reforma. D) cultura do Renascimento e do Iluminismo, reformas da política Absolutista e difusão do paganismo. E) cultura do Renascimento artístico e científico, Despotismo Esclarecido e políticas de liberdade religiosa. 3) (Uneb) O anglicanismo é a religião oficial da monarquia inglesa nos dias atuais. Essa afirmativa encontra explicação no século XVI, quando: a) o luteranismo se expandiu na Inglaterra. b) Henrique VIII propiciou a reforma religiosa no país. c) o Papa apoiou a organização da igreja anglicana. d) o crescente enfraquecimento político da monarquia inglesa ocorreu. e) os Reis Católicos ameaçaram a manutenção das relações entre Espanha e Inglaterra. 4) (UFMG) Todas as alternativas contêm objetivos da política da Igreja Católica, esboçada durante o Concílio de Trento, EXCETO: a) A expansão da fé cristã. b) A moralização do clero. c) A reafirmação dos dogmas. d) A perseguição às heresias.

12 5.O catolicismo na Europa estava em descompasso com as transformações de seu tempo no século XVI, ou seja, condenava o luxo excessivo e: a) o cristianismo b) o batismo c) as lutas europeias d) as artes e culturas e) Usura 6. As graves críticas contra a igreja católica no século XVI e as insatisfações acumulara-se de tal maneira que surgiu um movimento conhecido como: a) Iluminismo b) Reforma protestante c) Realismo d) Humanismo e) Egocentrismo 7. Segundo Martinho Lutero: a) As boas obras e a fé são necessárias para a salvação. b) Somente as boas obras é capaz de levar o homem a salvação. c) A fé sem obras não oferece a salvação. d) Apenas a fé pode salvar o homem. e) Não precisa ter fé e boas obras para alcançar a salvação. O Absolutismo

13 O Absolutismo é um sistema politico no qual a autoridade será concentrada na pessoa do soberano, atinge seu auge no século XVIII, com Luís XIV da França. Na Inglaterra o absolutismo foi iniciado por Henrique VIII e consolidado por Elizabeth I no século XVI, até ser limitado pelas Revoluções Inglesas. A Acessão do poder real O rei apresenta o interesse da nação. Exercia de fato o poder: baixava leis, organizava a justiça, arrendava a cobrança de impostos, mantinha o exercito, nomeava funcionários e etc. O rei atacou o particularismo das diferentes regiões dos países e opôs se aos privilégios das varias classes sociais o poder forte era indispensável pa5ra que as decisões impostas pelas lutas politicas e econômicas entre as nações fossem tomadas rapidamente. Os nobres tinham nível de vida elevado: tinham varias despesas com vestuários, bailes, habitação para se mantiver foram obrigados a se aproxima dos reis. Os nobres que viviam na corte dependiam economicamente do rei. No absolutismo o rei era considerado Deus na Terra, defensor da Igreja e da partia. Nicolau Maquiavel usava a violência para colocar o seu poder em pratica. O Poder Absoluto na França As guerras de religião, que abalaram o país nos fins do século XVI, e principio do século XVII, retardaram o avanço do absolutismo. Por volta de 1520 começaram a aparecer em Paris, os primeiros protestantes, que aos poucos vão conseguindo novas ordens. Foi crescendo uma oposição a centralização e ao avanço crescente do poder real deu a luta religiosa na França de caráter politico. Com Francisco II ( ) o poder era exercido pelas famílias católicas. Os protestantes tentaram atrair o rei para o seu partido dos Huguenotes. A reação dos católicos foi violenta, massacrando num conflito os protestantes. Ambos os lados resolveram pedir ajuda estrangeira: Os Huguenotes a Elizabeth I rainha da Inglaterra e os católicos de Felipe rei da Espanha. A rainha em 1570, chamada Catarina de Medicés, dá aos protestantes o direito de celebrarem o seu culto nos subúrbios e em quatro praças fortes, uma delas considerada a capital dos protestantes. A trégua beneficiou os protestantes que com o casamento de um príncipe da

14 casa real de Bourbon com a rainha protestante do Reino de Navarra, conquistaram condições para que o herdeiro Henrique de Navarra, educado protestante, chegasse ao trono. Travaram um plano para o assassinato de Coligny que era protestante,,as o plano falhou. Na Noite de São Bartolomeu foram assassinatos cerca de 3000 protestantes, entre os quais Coligny. Ressurgiu então a guerra, violenta, estimulada pelo papa e seus representantes na França. Dois anos depois morreu Carlos IX e subiu ao trono seu irmão, Henrique III, começando a disputa que ficou sendo conhecida como a guerra dos três Henriques. Henrique de guise, mais preocupado em conquistar a coroa que defender a fé, fundou a Liga Católica que passou a exercer juntamente com Catarina Medicés forte pressão sobre o Rei Henrique III. Este mandou assassinar Henrique de Guise e foi deposto pela Liga. Aliou-se em seguida com Henrique de Navarra e cercou Paris. Henrique III foi assassinato e seu herdeiro legal acabou sendo Henrique de Navarra. Henrique VI iniciou a dinastia de Bourbon, que substituía a de Valois, reinante na França desde a Idade Media. Henrique iniciou a expulsão dos Espanhóis. A fim de pacificar católicos e protestantes, nesse mesmo ano promulga o Edito de Nantes, pelo qual era dada liberdade de culto dos protestantes. Henrique IV também foi assassinado, então subiu ao trono Luís XIII que teve sua mãe como regente, Maria de Medicés que decide combater os protestantes. A perseguição termina quando invadem o local onde os protestantes estavam refugiados. Sobre o trono de Luís XVI, sob a regência da rainha mãe que governou até E teve a formação de um conselho com a seguinte ordem: -Conselho (composto por 6 conselheiros) -Chanceler (diretor das finanças) -Secretario de Estado Para controlar a nobreza atraiu-a para a corte, oferecendo luxo, festas e pensões. O palácio de Versalhes passou acolher cerca de 6000 pessoas. Em 1685, redefinindo a politica religiosa na França, Luís XVI, aboliu totalmente o Edito de Nobres fazendo com que os protestantes deixem o pais. Em 1715 da supremacia francesa na Europa. O Absolutismo na Inglaterra

15 O poder rela na Inglaterra começou a se formar no século XI, com a Dinastia Tudor. A luta coma Igreja permitiu-lhe assumir o controle das propriedades eclesiásticas na Inglaterra. A filha de Henrique VII, Elizabeth I, conseguiu aumentar ainda mais o poder real, perseguição religiosa tanto aos católicos quanto aos protestantes. Durante o reinado de Elizabeth, o poder politico absoluto foi implantado de fato. A dinastia Stuart tentou obter a legalização do seu poder real e a religião seguida era o catolicismo. A administração do país ficou da seguinte maneira: -Conselho Privado (direitos do rei) -Comissões (preparava os assuntos a serem discutidos pelo conselho) -Gabinete Particular (pertencente ao rei, composto por 3 secretários secretos, que informava sobre os problemas da sociedade) -Tribunais (onde se realizava a justiça) A afirmação absoluta do poder provocou um choque com o Parlamento. A politica de uniformização religiosa deu a revoltas que aumentavam coma tentativa de cobrar impostos que já não tinha uso. Esta revolta foi parar no Parlamento que se recusava a auxiliar o rei. O rei percebendo que o Parlamento não seguia mais o que ele queria tentou planejar a morte de deputados. Houve a Ruptura entre o rei, tirando o Absolutismo e pondo em pratica o Parlamentarismo. Exercícios: 01. (FUVEST) No processo de formação dos estados Nacionais da França e da Inglaterra, podem ser identificados os seguintes aspectos: a) Fortalecimento do poder da nobreza e retardamento da formação do estado moderno. b) Ampliação da dependência do rei em relação aos senhores feudais e à Igreja. c) Desagregação do feudalismo e centralização política. d) Diminuição do poder real e crise do capitalismo comercial.

16 e) Enfraquecimento da burguesia e equilíbrio entre o Estado e a Igreja. 2. Qual das alternativas abaixo define de forma correta o Absolutismo? A - Sistema econômico que prevaleceu na Europa na época do Antigo Regime. B - Sistema econômico e político que prevaleceu na França durante toda Idade Média. C - Sistema político e administrativo que prevaleceu nos países da Europa entre os séculos XVI e XVIII. Tinha como principal característica a concentração de poderes nas mãos dos reis. D - Sistema político e administrativo que prevaleceu nos países da Europa e Ásia entre os séculos XI e XV. Tinha como principal característica a concentração de poderes nas mãos dos senhores feudais. 2. Qual das alternativas abaixo apresenta apenas poderes que os reis tinham na época do Absolutismo? A - Criar taxas, escolher o nome de crianças e mudar os nomes dos adultos, tirar e nomear os papas da Igreja Católica. B - Fundar cidades, vigiar a vida privada das pessoas, obrigar as pessoas a mudarem de religião, decidir sobre questões de outros países. C - Estabelecer o preço das mercadorias comercializadas em outros países, obrigar os casais a terem filhos. D - Criar impostos, decidir sobre questões da justiça, julgar e condenar pessoas, determinar ações econômicas, criar leis e influenciar em questões religiosas. 3.Descreva as principais características do absolutismo:

17 04.Dentre os itens constantes desta questão, um deles não faz parte dos acontecimentos importantes que assinalam a chegada da Idade Moderna. O item é: a) o Humanismo e o Renascimento. b) os grandes descobrimentos e a expansão geográfica. c) formação do Estado nacional. d) a Reforma e a Contra-Reforma. e) a Revolução Francesa. 05.Assinale a opção que expressa corretamente uma prática dos Estados Modernos Absolutos europeus nos séculos XV - XVIII: a) Combate aos privilégios da nobreza. b) Centralização política e administrativa. c) Política econômica liberal. d) Fragmentação territorial. e) Abandono do tributarismo e do fiscalismo.

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja A REFORMA RELIGIOSA A REFORMA, FOI UM MOVIMENTO RELIGIOSO EM OPOSIÇÃO À IGREJA CATÓLICA PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento)

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015 Crise da Igreja no séc. XVI Reforma Religiosa e Contra-Reforma Muitos Humanistas criticaram a Igreja de então devido ao comportamento dos seus membros: Os Papas estavam mais interessados no luxo e no seu

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO 01) O Estado moderno, que representou o fim das concepções políticas medievais, encontrou vários teóricos. Entre eles merecem destaque Maquiavel,

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1. Profª Viviane Jordão

A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1. Profª Viviane Jordão A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1 Profª Viviane Jordão O que é Nação? Nação é um contrato político. Os integrantes de uma nação compartilham os mesmos direitos e uma mesma história. Ser brasileiro

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Conceito: O Renascimento foi um movimento importante, de renovação cultural e artística que se originou na Itália no séc. XIV e marcou a mudança da idade Média para a idade Moderna.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

História_A. Trabalho Realizado por: Patrícia Santo 10ºHLH Nº19

História_A. Trabalho Realizado por: Patrícia Santo 10ºHLH Nº19 História_A Trabalho Realizado por: Patrícia Santo 10ºHLH Nº19 O tema fucal deste trabalho é a Reforma protestante, onde irei abordar os seguintes subtópicos: Os motivos que levaram ao surgimento desta

Leia mais

Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim

Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim 1. Qual das alternativas abaixo apresenta características do Renascimento Cultural? A - Teocentrismo; valorização da cultura egípcia;

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal.

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. Conteúdo para recuperação do I Semestre I Bimestre II Bimestre 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. As Reformas Religiosas; A África. Feudalismo; Sistema político, econômico e social que se formou

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Prof. Alexandre Goicochea História

Prof. Alexandre Goicochea História FRANCO Merovíngia Carolíngio ISLÂMICO Maomé Xiitas (alcorão) e Sunitas (suna e alcorão) BIZÂNTINO Justiniano Igreja Santa Sofia Iconoclastia Monoticismo (Jesus Cristo só espírito) Corpus Juris Civilis

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 9 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP FINALIDADE: Estudar dois movimentos ocorridos na Europa no início dos tempos

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima Prof.ª. Maria Auxiliadora Mudanças no final da Idade Média Política - Nobreza e Clero perdem o poder - Rei centraliza o poder

Leia mais

Reformas religiosas Reforma protestante

Reformas religiosas Reforma protestante Reformas religiosas Reforma protestante Durante a Idade Média, o poder tanto político quanto econômico estava nas mãos da Igreja Católica. Contrariando alguns ensinamentos do cristianismo tradicional,

Leia mais

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII HISTÓRIA SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII - A Dinastia

Leia mais

Revolução Inglesa. Guilherme I foi o primeiro rei da Inglaterra e da Normandia.

Revolução Inglesa. Guilherme I foi o primeiro rei da Inglaterra e da Normandia. Revolução Inglesa Guilherme I foi o primeiro rei da Inglaterra e da Normandia. Após seu governo, em 1215, a Inglaterra publicou a primeira Carta Magna, que previa a formação de um Parlamento que possuía

Leia mais

DEUS,, GLÓRI@ E OURO A expansão marítimo- comercial compreende o período das grandes viagens empreendidas pelos países europeus nos séculos XV e XVI em busca de riquezas além-mar. mar. Inseridas no contexto

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano DICAS DO PROFESSOR História 7º Ano A REFORMA PROTESTANTE AS PRINCIPAIS CRÍTICAS DE LUTERO Vida desregrada; Opulência; Luxo do alto clero; Venda de cargos; Venda de relíquias sagradas; Venda de indulgências.

Leia mais

MONARQUIA FRANCESA SÉC. XV-XVIII AUGE DO ABSOLUTISMO E ANTECEDENTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA.

MONARQUIA FRANCESA SÉC. XV-XVIII AUGE DO ABSOLUTISMO E ANTECEDENTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA. MONARQUIA FRANCESA SÉC. XV-XVIII AUGE DO ABSOLUTISMO E ANTECEDENTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA SÉC. XVI: OS VALOIS NO PODER Guerras de religião: católicos X protestantes; Obstáculo para a centralização; Absolutistas

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA -Características: *Grandes transformações no sistema feudal; *aumento da produção agrícola; *aparecimento da burguesia; *crise de poder da nobreza feudal. IGREJA NA

Leia mais

As descobertas do século XV

As descobertas do século XV As descobertas do século XV Expansãomarítima: Alargamento do espaço português procurando terras noutros continentes através do mar; O acontecimento que marca o início da expansão portuguesaéaconquistadeceutaem1415;

Leia mais

Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL

Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL OBS:CÓPIA DO ÍTEM CORRETO JUSTIFICADO. Absolutismo - Questões de Vestibulares

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 3

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 3 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 3 5 Nome: Data: Unidade 3 1. Relacione as colunas a seguir, que apresentam algumas inovações tecnológicas utilizadas a partir do século X. (a) Moinho de

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA

REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA NOME: ANO: 8º TURMA: ENS. FUND. II DATA: / /2014 PROF.: Ariany Galvão ATIVIDADE COMPLEMENTAR História (2º BIMESTRE) REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA UMA INTRODUÇÃO A Revolução Inglesa do século XVII

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Reforma Protestante e Contrarreforma

Reforma Protestante e Contrarreforma Reforma Protestante e Contrarreforma Causas As pessoas que não corcondavam com o comportamento do alto e baixo clero e com a maneira que a Igreja era conduzida. Corrupção do clero religioso: para ganhar

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França Prof. Cristiano Pissolato Formação dos Estados nacionais França Ducado da Normandia sob controle Plantageneta (ING). Ducado da Bretanha administrada pela dinastia Plantageneta (ING) a partir de 1116 porque

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Yann/Lamarão Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude.

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Os Estados Nacionais Modernos e o Absolutismo Monárquico Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Quanto aos reis,

Leia mais

Forma de organização econômica e tutorial rural na qual o trabalhador arrenda uma porção de terreno sob condição de reservar parte de sua produção como pagamento ao proprietário. O colono é denominado

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia

Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia A Crise Européia dos Séculos XIV e XV - fatores - econômicos - monopólio do comércio Veneza / falta de metais - políticos - Guerra dos Cem Anos - naturais - peste

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Estudo Dirigido História -6 o ano Luciana Corrêa

Estudo Dirigido História -6 o ano Luciana Corrêa Conteúdos do 3º bimestre No 3º bimestre de 2015 estudaremos alguns povos que viveram na Ásia, na África e na Europa entre os séculos VII e XVI. Vamos conhecer um pouco como era a vida dos árabes, malinquês

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder 1- Unificação dos Estados Nacionais Centralização do poder 1.1- Nobreza classe dominante Isenção de impostos; Ocupação de cargos públicos; Altos cargos no exército. 1- Conceito: Sistema de governo que

Leia mais

1. Portugal no século XIV tempo de crise

1. Portugal no século XIV tempo de crise 1. Portugal no século XIV tempo de crise A situação que se viveu em Portugal no século XIV foi de uma situação de crise, e foram vários os fatores que contribuíram para isso: Crise agrária os Invernos

Leia mais

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro.

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10. Maria Stuart País que governou Escócia Período 1542-1567

Leia mais

REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI.

REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI. REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI INTRODUÇÃO CONTEXTO: Transição feudo-capitalista. Crise do poder clerical na Europa Ocidental. Crise do pensamento teocêntrico europeu. DEFINIÇÃO Quebra do monopólio católico

Leia mais

EXPANSÃO MARÍTIMA REFORMA RELIGIOSA RENASCIMENTO. Expansão Marítima

EXPANSÃO MARÍTIMA REFORMA RELIGIOSA RENASCIMENTO. Expansão Marítima EXPANSÃO MARÍTIMA REFORMA RELIGIOSA RENASCIMENTO Expansão Marítima Muitas expedições europeias não retornavam. Isto alimentava o imaginário dos europeus de que o oceano estaria repleto de criaturas místicas,

Leia mais

Revolução Inglesa (séc XVII) Introdução:

Revolução Inglesa (séc XVII) Introdução: Revolução Inglesa (séc XVII) Introdução: Na história antiga havia o último grande império, o Império Romano, que teve seu apogeu no século I, momento em que viveu sua extensão máxima, tal que ocupou o

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades Resoluções das atividades Sumário Capítulo 12 Expansão marítima e comercial europeia...1 Capítulo 13 Fim da Idade Média e Renascimento cultural...2 Capítulo 14 Reformas religiosas, Antigo Regime e absolutismo...3

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa 05/09/2012

Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa 05/09/2012 Rompimento da Unidade da Igreja Católica devido ao surgimento de novas religiões. ORIGEM Martinho Lutero, em 1517, rompeu com o Papa Leão X por causa da venda das indulgências. Publicou as 95 Teses em

Leia mais

8º ANO 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI E.1. O EXPANSIONISMO EUROPEU

8º ANO 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI E.1. O EXPANSIONISMO EUROPEU 8º ANO 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI E.1. O EXPANSIONISMO EUROPEU -Da crise económica à recuperação:. As dificuldades do séc. XIV;. A Europa no séc. XV. - Origens

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra)

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Apresentamos um conjunto de 8 PowerPoint que abordam todos os conteúdos programáticos e das Metas Curriculares do 8.º ano. Estes obedecem

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Historia

Leia mais

Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014

Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014 Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014 Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Disciplina de História Ano:8º Temas Conteúdos Conceitos E : Expansão e Mudança

Leia mais