MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL"

Transcrição

1 A informação contida neste manual de apoio não é exaustiva e, como tal, não dispensa a consulta da legislação aplicável: Decreto-Lei n.º 64/2012, de 15 de março. Altera o Decreto-Lei 220/2006, de 03 de novembro, republicado pelo Decreto-Lei n.º 72/2010, de 18 de Junho - Regime geral de proteção social no desemprego dos trabalhadores por conta de outrem. MANUAL DE APOIO PROTEÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL SETEMBRO 2012

2 COMO É GARANTIDA A PROTEÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO? No sentido de proteger os trabalhadores que perdem o emprego de forma involuntária, e que se encontram inscritos para emprego no centro de emprego, a lei prevê a atribuição de um subsídio pago mensalmente: Subsídio de desemprego; Membros de órgãos estatutários (MOE s), isto é, administradores, diretores e gerentes de empresas que são, desde logo, contratados para desempenharem funções numa das referidas categorias profissionais. QUAIS AS CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA SER RECONHECIDO O DIREITO ÀS PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO? Subsídio social de desemprego, inicial ou subsequente ao subsídio de desemprego; Subsídio de desemprego parcial. QUEM TEM DIREITO ÀS PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO? O direito ao subsídio de desemprego é reconhecido ao beneficiário que: Resida em Portugal; Se for estrangeiro, tenha título válido de residência ou outra autorização que lhe permita ter um contrato de trabalho; Trabalhadores por conta de outrem; Tenha tido um emprego com contrato de trabalho; Membros de órgãos estatutários (MOE s), isto é, trabalhadores nomeados para cargos de gestão desde que, à data da nomeação, pertencessem ao quadro da própria empresa como trabalhadores contratados há pelo menos um ano e enquadrados no regime geral de segurança social dos trabalhadores por conta de outrem; Tenha ficado desempregado por razões alheias à sua vontade (desemprego involuntário); Esteja inscrito, à procura de emprego, no centro de emprego da área onde reside; QUEM NÃO TEM DIREITO ÀS PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO? Trabalhadores independentes ( recibos verdes ); Tenha pedido o subsídio no prazo de 90 dias a contar da data de desemprego; Cumpra o prazo de garantia.

3 QUAL O PRAZO DE GARANTIA EXIGIDO? Para ter direito ao subsídio de desemprego tem de ter trabalhado como contratado e descontado para a Segurança Social ou para outro regime obrigatório de proteção social durante pelo menos 360 dias nos 24 meses imediatamente anteriores à data em que ficou desempregado. Este novo prazo de garantia só se aplica aos requerimentos apresentados a partir de 01 de julho de 2012, ainda que o desemprego tenha ocorrido em data anterior. No caso de não ter o prazo de garantia referido, isto é, se não cumprir as condições para receber o subsídio de desemprego pode ter direito ao subsídio social de desemprego inicial, ou se já recebeu todo o Subsídio de Desemprego a que tinha direito e continua desempregado, pode ter direito ao subsídio social de desemprego subsequente, se: Tiver 180 dias com registo de remunerações, num período de 12 meses imediatamente anterior à data do desemprego; Se os rendimentos mensais por pessoa do agregado familiar não forem superiores a , isto é 80% do valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS ); Pode ainda ter direito ao subsídio de desemprego parcial se na data em que cessou o contrato de trabalho, que determina a concessão do subsídio de desemprego, também tem outro emprego por conta de outrem a tempo parcial ou exerce uma atividade independente desde que: A retribuição do trabalho por conta de outrem ou o rendimento relevante da atividade independente seja inferior ao valor do subsídio de desemprego; O exercício da atividade não seja feito na empresa que efetuou o despedimento do trabalhador e que determinou a atribuição do respetivo subsídio de desemprego ou em empresa ou grupo empresarial que tenha uma relação de domínio ou de grupo com aquela. O QUE CONTA PARA O PRAZO DE GARANTIA? Todos os dias que trabalhou como contratado; Os dias que trabalhou no mês em que foi despedido; Os dias de férias a que tinha direito e que foram pagos, mas que não foram gozados; Os dias em que esteve a receber subsídio da segurança social no âmbito da proteção na doença e na parentalidade, com exceção dos subsídios sociais parentais; Não contam para o prazo de garantia: Os dias em que esteve a receber prestações de desemprego;

4 Os dias em que trabalhou com contrato a tempo parcial (part-time), ou exerceu atividade independente e recebeu simultaneamente subsídio de desemprego parcial. QUAL O PRAZO QUE TENHO PARA PEDIR O SUBSÍDIO DE DESEMPREGO? No Centro de Emprego da zona onde vive, pode requerer o subsídio de desemprego até 90 dias depois da data do desemprego. No entanto, apenas tem direito a receber a partir da data de entrega do pedido. Se entregar o requerimento após o prazo de 90 dias, os dias correspondentes ao atraso serão descontados no período de concessão das prestações de desemprego. A contagem dos 90 dias fica suspensa enquanto o trabalhador estiver numa das seguintes situações: Baixa por doença (se a baixa se prolongar por mais de 30 dias, tem de ser comunicada à Segurança Social e confirmada pelo Sistema de Verificação de Incapacidades; caso contrário, retomase a contagem dos 90 dias do prazo a partir do 31.º dia de doença); A PARTIR DE QUANDO SE TEM DIREITO A RECEBER O SUBSÍDIO DE DESEMPREGO? Tem direito a receber o subsídio de desemprego desde o dia em que entrega o requerimento nos serviços da segurança social. QUAIS OS MONTANTES DAS PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO? SUBSÍDIO DE DESEMPREGO: O valor do subsídio de desemprego corresponde a 65% da remuneração de referência. Ao fim de 180 dias seguidos de concessão, o valor diário do subsídio de desemprego é reduzido em 10%. A aplicação desta redução pode determinar valores inferiores aos limites do montante mensal referidos seguidamente e só se aplica aos subsídios requeridos a partir do dia 1 de abril de NOTA: O montante mensal do subsídio de desemprego está sujeito a um limite mínimo e máximo, nunca podendo ser superior ao valor líquido da remuneração de referência que serviu de base de cálculo ao subsídio de desemprego. A receber subsídio por risco clínico durante a gravidez, subsídio por interrupção da gravidez, subsídio parental e subsídio por adoção. O valor líquido da remuneração de referência obtém-se pela dedução à remuneração de referência ilíquida do valor da taxa contributiva para segurança social a cargo do trabalhador e da taxa de retenção do IRS.

5 Montantes máximos do subsídio de desemprego: O valor mensal do subsídio de desemprego não pode ser superior a duas vezes e meia do valor do IAS ( 1.048,05). Este limite máximo só se aplica aos subsídios requeridos a partir de 01 de abril de O valor mensal do subsídio de desemprego não pode ser superior a 75% da remuneração líquida de referência que serviu de base de cálculo ao subsídio de desemprego. Montantes mínimos do subsídio de desemprego: O valor do subsídio de desemprego não pode ser inferior ao IAS ( ). Porém, nos casos em que 75% do valor líquido da remuneração de referência seja inferior ao IAS, o valor do subsídio de desemprego é igual ao menor dos seguintes valores: IAS ou valor líquido da remuneração de referência. Como se calcula o valor do subsídio de desemprego? Somam-se todas as remunerações declaradas dos primeiros 12 meses dos últimos 14 (a contar do mês anterior àquele em que ficou desempregado); Ao valor anterior soma-se o valor dos subsídios de férias e de Natal declarados e devidos durante estes 12 meses (no máximo, um subsídio de férias e um subsídio de Natal); Divide-se o total da soma por 12. Este valor é a remuneração de referência (R/12); Multiplica-se o valor obtido por 0,65 e obtém o montante mensal do subsídio de desemprego; Calcula-se o valor líquido da remuneração de referência, ou seja, desconta-se ao valor ilíquido da remuneração de referência os valores correspondentes à taxa de IRS e à taxa contributiva aplicável ao beneficiário; Multiplica-se o valor líquido da remuneração de referência por 0,75; Sem prejuízo da consideração dos valores mínimos e máximos acima referidos, o valor do subsídio de desemprego é igual a 65% da remuneração de referência ou a 75% do valor líquido da remuneração de referência quando aquele valor for superior a este, não podendo, em caso algum, ser superior ao valor líquido da remuneração de referência. Exemplos de cálculos de subsídio de desemprego: NOTA 1: Todos os exemplos partem do pressuposto de que o beneficiário é solteiro sem filhos para efeitos de aplicação da tabela de IRS para cálculo do valor líquido da remuneração de referência (RR).

6 NOTA 2: Todos os valores de prestação de desemprego que, abaixo, se apresentam, só se aplicam durante 180 dias (6 meses), uma vez que o valor diário do subsídio é reduzido em 10%, após este período. Um beneficiário com retribuição mensal de 550,00, correspondendo a uma RR de 641, 67 [( 550,00 X 14) : 12], temos: Valor do IAS = 419,22 Valor Líquido Remuneração Referência (VLRR) = 1.750,00 ( 192, ,50) = 1.295,00 75% do Valor Líquido Remuneração Referência = 1.295,00 X 0,75 = 971,25 Neste caso, o beneficiário tem direito a uma prestação de desemprego no valor mensal de 971,25. Valor do Subsídio de Desemprego (SD) = 641,67 X 0,65 = 417,10 Um beneficiário com retribuição mensal de 2.400,00, correspondendo a uma RR de 2.800,00 [( 2.400,00 X 14) : 12], temos: Valor Líquido Remuneração Referência (VLRR) = 641,67 ( 25, ,58) = 545,42 75% do Valor Líquido Remuneração Referência = 545,42 X 0,75 = 409,10 Neste caso, o beneficiário tem direito a uma prestação de desemprego no valor mensal de 419,22 (IAS). Um beneficiário com retribuição mensal de 1.500,00, correspondendo a uma RR de 1.750,00 [( 1.500,00 X 14) : 12], temos: Valor do IAS = 419,22 Valor do Subsídio de Desemprego (SD) = 1.750,00 X 0,65 = 1.137,50 Valor do IAS = 419,22 Valor do Subsídio de Desemprego (SD) = 2.800,00 X 0,65 = 1.820,00 Valor Líquido Remuneração Referência (VLRR) = 2.800,00 ( 308, ,00) = 1.848,00 75% do Valor Líquido Remuneração Referência = 1.848,00 X 0,75 = 1.386,00 Neste caso, como tanto o valor líquido da remuneração de referência como 75% desse valor são superiores a 2,5 IAS (valor máximo de subsídio de desemprego), o beneficiário tem direito a 1.048,05. (2,5 do IAS), de subsídio de desemprego.

7 SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO: O montante diário é calculado por referência ao valor do IAS ( ) na base de 30 dias por mês: 100% do IAS para os beneficiários com agregado familiar - 419,22; 80% do IAS para os beneficiários isolados - 335,38. SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL: O montante do subsídio parcial: O subsídio de desemprego, acrescido de 35%, corresponda a um montante inferior à remuneração mínima mensal garantida; A soma dos rendimentos de trabalho por conta de outrem ou de trabalho independente com o subsídio de desemprego parcial corresponda a um valor inferior à remuneração mínima mensal garantida. O valor do subsídio de desemprego parcial não pode ser superior ao valor do subsídio de desemprego que lhe corresponda. DURANTE QUANTO TEMPO SE PODE ESTAR A RECEBER PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO? Corresponde à diferença entre o valor do subsídio de desemprego acrescido de 35% deste valor e o da retribuição do trabalho por conta de outrem; Corresponde à diferença entre o valor do subsídio de desemprego acrescido de 35% do seu valor e o valor do duodécimo do seu rendimento anual relevante presumido pelo beneficiário para efeitos fiscais, nas situações em que o beneficiário exerce uma atividade profissional independente; Permanece igual ao subsídio de desemprego nas situações em que cumulativamente: SUBSÍDIO DE DESEMPREGO: Dependendo da sua idade e do número de meses com descontos para a Segurança Social, pode ser-lhe atribuído um determinado período de concessão do subsídio de desemprego, de acordo com a tabela abaixo discriminada. Esse período de concessão depende, ainda, dos seguintes requisitos: Nunca ter estado numa situação de desemprego até 31 de março de 2012;

8 Preencher o prazo de garantia exigido para atribuição do subsídio de desemprego (360 dias nos 24 meses imediatamente anteriores à data em que ficou desempregado). IDADE DO BENEFICIÁRIO MENOS DE 30 ANOS SUPERIOR A 30 E INFERIOR A 40 ANOS SUPERIOR A 40 E INFERIOR A 45 ANOS SUPERIOR A 45 ANOS Nº DE MESES DE REGISTO DE REMUNERAÇÕES Igual ou inferior a 24 meses 270 Superior a 24 meses Igual ou inferior a 48 meses 360 Superior a 48 meses 540 Igual ou inferior a 60 meses 540 Superior a 60 meses 720 Igual ou inferior a 72 meses 720 Superior a 72 meses 900 PERÍODO DE CONCESSÃO Dias por cada 5 anos com registo de remunerações + 30 Dias por cada 5 anos com registo de remunerações nos últimos 20 anos + 30 Dias por cada 5 anos com registo de remunerações nos últimos 20 anos + 60 Dias por cada 5 anos com registo de remunerações nos últimos 20 anos No caso de não preencher os requisitos acima referidos, isto é, já esteve numa situação de desemprego antes de 31 de março de 2012 e/ou não tem 360 dias com registos de remunerações nos 24 meses imediatamente anteriores à data em que ficou desempregado, aplica-se a seguinte tabela: IDADE DO BENEFICIÁRIO INFERIOR A 30 ANOS SUPERIOR A 30 E INFERIOR A 40 ANOS SUPERIOR A 40 E INFERIOR A 50 ANOS SUPERIOR A 50 ANOS Nº DE MESES DE REGISTO DE REMUNERAÇÕES PERÍODO DE CONCESSÃO Inferior a 15 meses 150 Igual ou superior a 15 e inferior 210 a 24 meses Dias por cada 5 anos com registo de Igual ou superior a 24 meses remunerações nos últimos 20 anos Inferior a 15 meses 180 Igual ou superior a 15 e inferior Dias por cada 5 anos a 24 meses com registo de remunerações nos últimos 20 anos Igual ou superior a 24 meses 420 Inferior a 15 meses 210 Igual ou superior a 15 e inferior 360 a 24 meses Igual ou superior a 24 meses Dias por cada 5 anos com registo de remunerações nos últimos 20 anos Inferior a 15 meses Igual ou superior a 15 e inferior a 24 meses Igual ou superior a 24 meses Dias por cada 5 anos com registo de remunerações nos últimos 20 anos

9 SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO: Idade igual ou superior a 52 anos. Beneficiários com idade inferior a 40 anos: Concedido durante metade dos períodos acima indicados, tendo em conta a idade do beneficiário à data em que terminou a concessão do subsídio de desemprego. Neste caso, ao cálculo da pensão de velhice é aplicada uma taxa de redução, por referência ao período de antecipação, até aos 62 anos de idade. (2) 62 Anos se o beneficiário tiver: Beneficiários com idade igual ou superior a 40 anos: O prazo de garantia exigido para a pensão; Tem a mesma duração do subsídio de desemprego atribuído inicialmente. SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL: Concedido até ao fim do período de atribuição definido para o subsídio de desemprego. ARTICULAÇÃO DO DESEMPREGO COM A PENSÃO DE VELHICE Nas situações de desemprego de longa duração e após esgotado o período de concessão do Subsídio de Desemprego ou do Subsídio Social de Desemprego (inicial), a idade de acesso à Pensão de Velhice pode ser antecipada para os: (1) 57 Anos se, à data do desemprego, o beneficiário tiver: 22 Anos civis com registo de remunerações; Idade igual ou superior a 57 anos, à data do desemprego. Os beneficiários nestas condições podem optar pelo regime referido em 1), desde que, à data do desemprego tenham, pelo menos, 22 anos com registo de remunerações. Nas situações em que o desemprego decorra de cessação do contrato de trabalho por acordo, ao montante da pensão de velhice é aplicada uma redução adicional que será anulada quando o beneficiário atingir 65 anos de idade. NOTA: Para os beneficiários que, na data de entrada em vigor do novo regime (abril de 2012), tenham requerido ou estejam a receber prestações de desemprego, mantêm-se em vigor as regras de antecipação da idade de acesso à pensão de velhice estabelecidas em legislação anterior. No entanto, se iniciar uma situação de desemprego de acordo com o novo regime, isto é, a partir de abril de 2012, e reunir as condições para poder

10 antecipar a idade de acesso à pensão de velhice deve dar essa indicação nos serviços da segurança social, caso contrário terá que esgotar o período de atribuição do subsídio de desemprego. Apresentando comprovativos do envio de candidaturas espontâneas, respostas a anúncios nomeadamente mediante a exibição de cópia de cartas remetidas; QUAIS AS MINHAS PRINCIPAIS OBRIGAÇÕES PARA QUE MANTENHA O DIREITO ÀS PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO? Comunicar à Segurança Social, no prazo de 5 dias úteis, a contar da data em que toma conhecimento da situação de desemprego; Apresentando comprovativos de comparência nas entrevistas de emprego, mediante a exibição de declaração de comparência emitida por representante ou trabalhador da entidade. Aceitar e cumprir o Plano Pessoal de Emprego; Aceitar emprego conveniente, trabalho socialmente necessário, formação profissional e outras medidas ativas de emprego em vigor; Apresentar-se quinzenalmente no Centro de Emprego (ou a outro local que lhe seja indicado); Procurar ativamente emprego, de acordo com o plano pessoal de emprego, e demonstrar ao Centro de Emprego que o faz Como comprovo as diligências de procura ativa de emprego? Entre outras possibilidades posso comprovar que efetuei diligências no sentido de procurar emprego:

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015 Direção-Geral da Segurança Social março 2015 O é uma prestação em dinheiro atribuída ao beneficiário para compensar a perda de remuneração, resultante do impedimento temporário para o trabalho, por motivo

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Parcial (6002 v4.15) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P.

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 8 de setembro de Série. Número 138

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 8 de setembro de Série. Número 138 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 8 de setembro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 161/2015 Estabelece a Medida Incentivo

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/37 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.31) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/19 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Parcial (6002 v4.24) PROPRIEDADE

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações compensatórias dos subsídios de férias, Natal ou outros semelhantes

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE FOLHA ANEXA AO REQUERIMENTO DOS SUBSÍDIOS PARENTAL, SOCIAL PARENTAL E PARENTAL ALARGADO, MOD.

PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE FOLHA ANEXA AO REQUERIMENTO DOS SUBSÍDIOS PARENTAL, SOCIAL PARENTAL E PARENTAL ALARGADO, MOD. PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE FOLHA ANEXA AO REQUERIMENTO DOS SUBSÍDIOS PARENTAL, SOCIAL PARENTAL E PARENTAL ALARGADO, MOD. RP 5049-DGSS 1. Quais os subsídios a requerer I INFORMAÇÕES O formulário

Leia mais

RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL

RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL Respostas às questões mais frequentes sobre a pensão antecipada na Segurança Social Pág. 1 RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores empregados e desempregados

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES FAQ s Regime Geral de Segurança Social dos Trabalhadores Independentes

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES FAQ s Regime Geral de Segurança Social dos Trabalhadores Independentes PERGUNTAS MAIS FREQUENTES FAQ s Regime Geral de Segurança Social dos Trabalhadores Independentes 1 Que categorias profissionais se encontram abrangidas pelo regime dos trabalhadores independentes? Estão

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO O Governo publicou, a 15 de Março, dois diplomas em matéria de protecção no desemprego: Decreto-Lei nº 64/2012, de 15 de Março

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO PARA ASSISTÊNCIA A NETO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO PARA ASSISTÊNCIA A NETO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO PARA ASSISTÊNCIA A NETO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio para Assistência a Neto (3017

Leia mais

1. O que é a Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego? 2. Que pessoas podem beneficiar do apoio financeiro?

1. O que é a Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego? 2. Que pessoas podem beneficiar do apoio financeiro? 1. O que é a Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego? E uma medida de emprego que pretende apoiar financeiramente os desempregados, a receber subsídio de desemprego, que celebrem contratos de

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA PRÉ REFORMA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA PRÉ REFORMA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA PRÉ REFORMA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução de Taxa Contributiva Pré Reforma (2005 v5.4) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DA PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO Decreto-Lei 64/2012, de 15 de Março

ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DA PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO Decreto-Lei 64/2012, de 15 de Março ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DA PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO Decreto-Lei 64/2012, de 15 de Março O Decreto-Lei 64/2012, de 15 de Março, aprova o regime de apoio aos desempregados com filhos a cargo,

Leia mais

Divisão de Recursos Humanos e Administração Página 0

Divisão de Recursos Humanos e Administração Página 0 Página 0 Regime de Faltas e Licenças e seus Efeitos Lei n.º 35/2014, de 20 de junho (LTFP) Todas as ausências ao serviço têm que ser obrigatoriamente comunicadas ao superior hierárquico, com antecedência,

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR CESSAÇÃO DE ATIVIDADE PARA MEMBROS DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS DAS PESSOAS COLETIVAS

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR CESSAÇÃO DE ATIVIDADE PARA MEMBROS DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS DAS PESSOAS COLETIVAS Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR CESSAÇÃO DE ATIVIDADE PARA MEMBROS DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS DAS PESSOAS COLETIVAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/26 FICHA TÉCNICA

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/40 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.40) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2014

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2014 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2014 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2014/ Janeiro / 28 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2014

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR CESSAÇÃO DE ATIVIDADE PARA TRABALHADORES INDEPENDENTES COM ATIVIDADE EMPRESARIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR CESSAÇÃO DE ATIVIDADE PARA TRABALHADORES INDEPENDENTES COM ATIVIDADE EMPRESARIAL Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR CESSAÇÃO DE ATIVIDADE PARA TRABALHADORES INDEPENDENTES COM ATIVIDADE EMPRESARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/28 FICHA TÉCNICA

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/41 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.53) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Regras Técnicas

Regras Técnicas Regras Técnicas 2007-2008 2008 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/23 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Social de Desemprego, Inicial ou Subsequente

Leia mais

ESTABELECE MECANISMOS DE CONVERGÊNCIA

ESTABELECE MECANISMOS DE CONVERGÊNCIA ESTABELECE MECANISMOS DE CONVERGÊNCIA DO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DA FUNÇÃO PÚBLICA COM O REGIME GERAL DA SEGURANÇA SOCIAL NO QUE RESPEITA ÀS CONDIÇÕES DE APOSENTAÇÃO E CÁLCULO DAS PENSÕES (LEI N.º 60/2005,

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/38 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional - Certificação (N28 v4.06) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma Plano Poupança Reforma Tipo de Cliente Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. Descrição O PPR Único - 3ª Série é um Plano de Poupança Reforma, que se destina a fomentar poupanças para constituição

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de Manual de GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/41 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 4.55) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

PPR ÚNICO - 12ª Série

PPR ÚNICO - 12ª Série 1 TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se essencialmente a Clientes, com perfil conservador, que privilegiam a garantia de rendimento e capital investido

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Mensal Vitalício (4004 v4.18) PROPRIEDADE

Leia mais

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 ASSUNTO: PROCESSAMENTO DE REMUNERAÇÕES 2017 A partir de 1 de janeiro de 2017, por força da entrada em vigor do Orçamento do Estado para o ano de 2017, aprovado pela

Leia mais

Guia da Segurança Social: Como vão funcionar os descontos para quem tem recibos verdes

Guia da Segurança Social: Como vão funcionar os descontos para quem tem recibos verdes Guia da Segurança Social: Como vão funcionar os descontos para quem tem recibos verdes *Fonte: Dinheiro vivo Desde a entrada em vigor do Código Contributivo (Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro), em 1

Leia mais

CÓDIGO CONTRIBUTIVO Principais Implicações para as Empresas. João Santos

CÓDIGO CONTRIBUTIVO Principais Implicações para as Empresas. João Santos CÓDIGO CONTRIBUTIVO Principais Implicações para as Empresas João Santos Enquadramento Legal Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social (CC) Aprovado pela Lei n.º 110/2009,

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR INTERRUPÇÃO DA GRAVIDEZ

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR INTERRUPÇÃO DA GRAVIDEZ GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR INTERRUPÇÃO DA GRAVIDEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Interrupção da Gravidez (3021 v1.12) PROPRIEDADE

Leia mais

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se a fomentar a poupança para constituição de um complemento de reforma. Direccionado para Clientes com idade inferior

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ALTERAÇÃO E CESSAÇÃO DE SERVIÇO DOMÉSTICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ALTERAÇÃO E CESSAÇÃO DE SERVIÇO DOMÉSTICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ALTERAÇÃO E CESSAÇÃO DE SERVIÇO DOMÉSTICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Inscrição, Alteração e Cessação do Serviço Doméstico (1003 v4.09)

Leia mais

NOTA INFORMATIVA. ASSUNTO: Orçamento de Estado 2014 l Processamento de Remunerações

NOTA INFORMATIVA. ASSUNTO: Orçamento de Estado 2014 l Processamento de Remunerações NOTA INFORMATIVA ASSUNTO: Orçamento de Estado 2014 l Processamento de Remunerações Considerando o disposto na Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro, diploma que aprova o Orçamento de Estado para 2014, cumpre

Leia mais

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO)

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) Condições de Acesso (Portaria n.º 985/2009 de 4 de Setembro) 0 PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO

Leia mais

COMPENSAÇÃO DEVIDA PELA CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO LEI N.º 69/2013, DE 30 DE AGOSTO

COMPENSAÇÃO DEVIDA PELA CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO LEI N.º 69/2013, DE 30 DE AGOSTO PÓS-TROIKA O QUE MUDOU NOS DESPEDIMENTOS? Autora: Sofia Pamplona, Associada na TELLES. COMPENSAÇÃO DEVIDA PELA CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO LEI N.º 69/2013, DE 30 DE AGOSTO 1 CONTRATO DE TRABALHO CELEBRADO

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE ORFANDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE ORFANDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO DE ORFANDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Orfandade (7006 V4.16) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional

Leia mais

Subsídio de desemprego Atualizado em: 07-12-2015

Subsídio de desemprego Atualizado em: 07-12-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de desemprego Atualizado em: 07-12-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores abrangidos pelo regime geral de Segurança Social dos trabalhadores por conta de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª ALTERA O DECRETO-LEI N.º 91/2009, DE 9 DE ABRIL, REFORÇANDO O REGIME DE PROTECÇÃO NA PARENTALIDADE DO SISTEMA PREVIDENCIAL E DO SUBSISTEMA DE SOLIDARIEDADE

Leia mais

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO O requerimento deve ser preenchido manualmente.

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR RISCO CLÍNICO DURANTE A GRAVIDEZ

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR RISCO CLÍNICO DURANTE A GRAVIDEZ Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR RISCO CLÍNICO DURANTE A GRAVIDEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Risco Clínico

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 236/IX ENQUADRAMENTO DE PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATIVO À EVENTUALIDADE DE DESEMPREGO. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 236/IX ENQUADRAMENTO DE PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATIVO À EVENTUALIDADE DE DESEMPREGO. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 236/IX ENQUADRAMENTO DE PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATIVO À EVENTUALIDADE DE DESEMPREGO Exposição de motivos O Tribunal Constitucional (TC), mediante iniciativa do Provedor

Leia mais

Decreto-Lei n.º 361/98, de 18 de Novembro *

Decreto-Lei n.º 361/98, de 18 de Novembro * Decreto-Lei n.º 361/98, de 18 de Novembro * De harmonia com princípios constitucionalmente previstos e tendo em conta o estabelecido no artigo 70.º da Lei n.º 28/84, de 14 de Agosto, foi instituído o regime

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DE TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DE TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DE TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Proteção Social de Trabalhadores em Funções Públicas

Leia mais

REGULAMENTO DO SUBSÍDIO AO ARRENDAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO

REGULAMENTO DO SUBSÍDIO AO ARRENDAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO REGULAMENTO DO SUBSÍDIO AO ARRENDAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO Artigo 1.º (Âmbito) 1 O presente regulamento regula a concessão de subsídio ao arrendamento pelo município de Santo Tirso. 2 Podem

Leia mais

INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO APOIO À CONTRATAÇÃO DE JOVENS, DE DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO E DE DETERMINADOS PÚBLICOS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v4.19) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Medidas excecionais de apoio

Leia mais

GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Fundo de Garantia Salarial (2003 v4.13) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Porteiros de Prédios Urbanos e Similares (2025 V4.13) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local

Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local REGIME DAS FALTAS E LICENÇAS E SEUS EFEITOS Lei da Parentalidade - Decreto-Lei de 9 de Abril e Código do Trabalho (CT) Trabalhadora grávida Pelo tempo e número de vezes necessárias Prova ou declaração

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 28 de novembro de 2014 PROTEÇÃO SOCIAL 2004-2013 Nota introdutória A Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM) divulga, pela primeira vez, no seu novo portal, uma série retrospetiva com os principais

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE (aprovado pelo Conselho Directivo em 2 de Dezembro de 2009, sob proposta do Conselho Pedagógico)

REGULAMENTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE (aprovado pelo Conselho Directivo em 2 de Dezembro de 2009, sob proposta do Conselho Pedagógico) REGULAMENTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE (aprovado pelo Conselho Directivo em 2 de Dezembro de 2009, sob proposta do Conselho Pedagógico) O novo Código do Trabalho aprovado pela Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro,

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.09) PROPRIEDADE

Leia mais

Pensão de invalidez Atualizado em:

Pensão de invalidez Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Pensão de invalidez Atualizado em: 30-12-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Membros de órgãos estatutários Trabalhador

Leia mais

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 20/2012, de 14 de maio A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei altera a Lei n.º 64-B/2011, de

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE INVALIDEZ

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE INVALIDEZ Manual de GUIA PRÁTICO PENSÃO DE INVALIDEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/27 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Invalidez (7002 v4.23) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Projecto de Lei n.º 620/X

Projecto de Lei n.º 620/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 620/X Altera as Regras da Atribuição do Subsídio de Desemprego, introduzindo uma maior justiça social A crise económica e financeira mundial tem vindo a gerar recessão

Leia mais

REAL PPR Informações Pré-Contratuais

REAL PPR Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se a fomentar a poupança para constituição de um complemento de reforma, direccionado para Clientes com idade inferior

Leia mais

A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL E A APOSENTAÇÃO ANTECIPADA NA CGA: o que dispõe a lei em vigor em 2016

A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL E A APOSENTAÇÃO ANTECIPADA NA CGA: o que dispõe a lei em vigor em 2016 A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL E A APOSENTAÇÃO ANTECIPADA NA CGA: o que dispõe a lei em vigor em 2016 ÍNDICE : o que encontra neste estudo 1-A reforma antecipada na Segurança Social (Regime Geral)

Leia mais

GUIA PRÁTICO REEMBOLSO DE DESPESAS DE FUNERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REEMBOLSO DE DESPESAS DE FUNERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REEMBOLSO DE DESPESAS DE FUNERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Reembolso de Despesas de Funeral (7007 V4.14) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO ISENÇÃO DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO DOS JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

1802 Diário da República, 1.ª série N.º de Março de 2009

1802 Diário da República, 1.ª série N.º de Março de 2009 1802 Diário da República, 1.ª série N.º 56 20 de Março de 2009 actualiza o regime jurídico de protecção social na eventualidade desemprego. Artigo 2.º Prorrogação 1 É prorrogada, por um período de seis

Leia mais

QUANTO CUSTA? Oferece um desconto de 25% face ao preço da assinatura normal.

QUANTO CUSTA? Oferece um desconto de 25% face ao preço da assinatura normal. O QUE É? Assinatura mensal Andante, válida para o percurso casa/escola, destinada a todos os estudantes dos 4 aos 18 anos (inclusivé) que não frequentam o ensino superior e que não beneficiam de transporte

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2016

SEGUROS DE VIDA IRS 2016 SEGUROS DE VIDA IRS 2016 (Lei n.º 7 - A/2016 de 30 de Março) generali.pt 2 IRS 2016 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios... 3 2. Tributação dos benefícios... 3 2.1.

Leia mais

FICHA TÉCNICA TÍTULO PROPRIEDADE AUTOR MORADA DATA DE PUBLICAÇÃO

FICHA TÉCNICA TÍTULO PROPRIEDADE AUTOR MORADA DATA DE PUBLICAÇÃO FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Morte PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social AUTOR Instituto Nacional de Segurança Social MORADA Rua Cirilo da Conceição e Silva, 42, 1º andar

Leia mais

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO SOLIDÁRIO PARA IDOSOS

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO SOLIDÁRIO PARA IDOSOS Manual de GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO SOLIDÁRIO PARA IDOSOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Complemento Solidário para Idosos

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR RISCO CLÍNICO DURANTE A GRAVIDEZ

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR RISCO CLÍNICO DURANTE A GRAVIDEZ GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR RISCO CLÍNICO DURANTE A GRAVIDEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Risco Clínico Durante a Gravidez (3013 v1.13)

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE REGULAMENTO. Subsídio "Apoio ao Estudante"

CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE REGULAMENTO. Subsídio Apoio ao Estudante CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE REGULAMENTO Subsídio "Apoio ao Estudante" A educação é a forma mais simples de transformar uma sociedade. Uma população mais culta permite acolher novas ideias de futuro e

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.20)

Leia mais

Tunísia Atualizado em: 12-11-2015

Tunísia Atualizado em: 12-11-2015 Tunísia Atualizado em: 12-11-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores que sejam nacionais de Portugal ou da Tunísia, que estejam ou tenham estado sujeitos à legislação

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva Medida

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.11)

Leia mais

Taxas. A percentagem das taxas varia em função da qualidade do trabalhador, da entidade empregadora ou da actividade exercida.

Taxas. A percentagem das taxas varia em função da qualidade do trabalhador, da entidade empregadora ou da actividade exercida. Taxas Conheça as taxas aplicáveis aos es por conta de outrem e as taxas aplicáveis aos gerentes e administradores, utilizadas para apurar as contribuições que a empresa tem de entregar à Segurança Social.

Leia mais

Formador: Carlos Varandas Nunes. Seminário Lei do Trabalho em Funções Públicas

Formador: Carlos Varandas Nunes. Seminário Lei do Trabalho em Funções Públicas Formador: Carlos Varandas Nunes Seminário Lei do Trabalho em Funções Públicas Apresentação Carlos Varandas Nunes 46 anos Mestre em Gestão- Administração Pública Organização da Formação Dúvidas que me fizeram

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v4. 22) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

PARECER N.º 83/CITE/2009. Assunto: Queixa apresentada nesta Comissão pela trabalhadora Dispensas para amamentação Processo n.

PARECER N.º 83/CITE/2009. Assunto: Queixa apresentada nesta Comissão pela trabalhadora Dispensas para amamentação Processo n. PARECER N.º 83/CITE/2009 Assunto: Queixa apresentada nesta Comissão pela trabalhadora Dispensas para amamentação Processo n.º 57 QX/2009 I OBJECTO 1.1. A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO AO ARRENDAMENTO HABITACIONAL. DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA para instrução da candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO AO ARRENDAMENTO HABITACIONAL. DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA para instrução da candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO AO ARRENDAMENTO HABITACIONAL DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA para instrução da candidatura (APRESENTAR ORIGINAIS E ENTREGAR FOTOCÓPIAS DE TODOS OS DOCUMENTOS) B.I./ C.C./Cédula

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da Taxa Contributiva Trabalhadores com Deficiência (2007

Leia mais

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO Manual de GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bolsa de Estudo (4010 v1. 15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO CEFAD. Preâmbulo:

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO CEFAD. Preâmbulo: Preâmbulo: O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva igualdade de oportunidades, traduzida na aposta da qualificação para a promoção

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VELHICE

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VELHICE GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P Pág. 1/31 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Velhice (7001 v4.41) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

PARENTALIDADE PRESTAÇÕES ASSEGURADAS PELA SEGURANÇA SOCIAL PROCEDIMENTOS

PARENTALIDADE PRESTAÇÕES ASSEGURADAS PELA SEGURANÇA SOCIAL PROCEDIMENTOS Subsídio por Risco Clínico durante a Gravidez: Pelo período de tempo que, por prescrição médica, for considerado necessário para prevenir o risco 100% da, não podendo ser inferior a 80% de Subsídio por

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 52/2014 de 30 de Julho de 2014

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 52/2014 de 30 de Julho de 2014 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 52/2014 de 30 de Julho de 2014 Considerando que o regime dos reembolsos é um benefício único aos utentes do

Leia mais

Decreto-Lei n.º 246/2015, de 20 de outubro

Decreto-Lei n.º 246/2015, de 20 de outubro Decreto-Lei n.º 246/2015, de 20 de outubro A Lei n.º 90/2009, de 31 de agosto, que aprova o regime especial de proteção na invalidez, teve por objetivo a unificação de vários regimes especiais de proteção

Leia mais

Regime Jurídico de Protecção Social na Parentalidade

Regime Jurídico de Protecção Social na Parentalidade CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Regime Jurídico de Protecção Social na Parentalidade Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito e Informática,

Leia mais

CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO

CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO Ex. mo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova I - IDENTIFICAÇÃO E RESIDÊNCIA BI/Cartão do Cidadão NIF E-mail Data de Nascimento NIB Estado Civil Naturalidade Sexo Filiação do Cônjuge (Se

Leia mais

Principais alterações do novo Regime Contributivo da Seg. Social

Principais alterações do novo Regime Contributivo da Seg. Social Principais alterações do novo Regime Contributivo da Seg. Social Introdução: Neste documento serão apresentadas as principais alterações do Código de Regimes Contributivos do Sistema Previdencial da Segurança

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 1 (DESPESAS ELEGÍVEIS)

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 1 (DESPESAS ELEGÍVEIS) ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 1 (DESPESAS ELEGÍVEIS) SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA - ( PROGRAMAS INTEGRADOS DE IC&DT de acordo com alínea d) do artigo 103º do RECI) Para além das condições

Leia mais

INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Requerimento PRESTAÇÕES FAMILIARES Abono de Família Pré-Natal e Abono de Família para Crianças e Jovens

INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Requerimento PRESTAÇÕES FAMILIARES Abono de Família Pré-Natal e Abono de Família para Crianças e Jovens INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Requerimento PRESTAÇÕES FAMILIARES Abono de Família Pré-Natal e Abono de Família para Crianças e Jovens Nota: Os requerentes de abono de família para crianças

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR Cap. I Disposições Gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento disciplina a atribuição de bolsas de

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR ASSISTÊNCIA DE TERCEIRA PESSOA

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR ASSISTÊNCIA DE TERCEIRA PESSOA Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR ASSISTÊNCIA DE TERCEIRA PESSOA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Assistência

Leia mais

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo 2016/2017

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo 2016/2017 INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA Condições de acesso ao incentivo 2016/2017 A Lei nº 82-D/2014, de 31 de dezembro (Lei da Fiscalidade Verde ), alterada pela Lei n.º 7-A/2016 de 30 de

Leia mais