MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA. Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA. Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR)"

Transcrição

1 MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR)

2 Escopo Conceitual Estudos de Iconologia Erwin Panofsky. Editorial Estampa, Lisboa, 1986, p Introdução.

3 Iconografia Ramo de estudo da História da Arte que trata do conteúdo temático das obras de arte, enquanto algo diferente de sua forma. Forma: estrutura geral de cor, linhas e volumes que constitui nosso mundo visual; Conteúdo temático ou significado: possui diferentes níveis, articulados.

4 Significado factual (quando identifico formas visíveis, com certos objetos que conheço através da experiência e quando identifico a mudança de suas relações), Significado expressivo (matizes psicológicos em relação ao objeto empatia) -> Significados primários ou naturais

5 Conteúdos I - Conteúdo temático primário ou natural formas puras reconhecidas por determinadas estruturas -> Mundo dos motivos artísticos II Conteúdo secundário ou convencional: combinação dos motivos artísticos com temas ou conceitos (Imagens, histórias e alegorias *) III Significado intrínseco ou Conteúdo concebendo as formas puras, os motivos, as imagens, as histórias e as alegorias como manifestações de princípios fundamentais -> VALORES SIMBÓLICOS

6 Imagens, histórias e alegorias Campo mais restrito da iconografia As imagens que transmitem a idéia, não de pessoas ou objetos concretos e isolados, mas noções gerais a Fé, a Luxúria, a Sabedoria que se chamam personificações ou símbolos. Assim, as alegorias, enquanto opostas à história, definem-se com combinações de personificações ou símbolos. Elementos sobrepostos

7 Valores simbólicos Sua descoberta e sua interpretação é o objeto da iconografia num sentido mais profundo: um método de interpretação que surge como síntese desse processo A identificação correta dos motivos é a condição prévia de análise iconográfica no sentido mais estrito, a análise correta das imagens, histórias e alegorias é a condição prévia para uma análise iconográfica mais profunda.

8 Como chegar a isso? Descrição pré-iconográfica: mundo dos motivos, identificados em nossa experiência. Necessidade de ampliar nossa experiência (fontes documentais, comparação com outras imagens) História do estilo Análise iconográfica: trata das imagens, história e alegorias. Familiaridade com temas e conceitos. História dos tipos. Análise Iconológica: Intuição sintética. História dos Símbolos. Outras fontes. Civilizações Diferentes, idéias filosóficas, religiosas, políticas, econômicas. Estilo de uma época.

9 HISTÓRIA E TRADIÇÃO Objeto de Interpretação Ato de Interpretação I. Conteúdo temático primário ou natural (A) factual, (B) expressivo constituindo o mundo dos motivos artísticos. II. Conteúdo temático secundário ou convencional, constituindo o mundo das imagens, histórias e alegorias. III. Significado intrínseco ou conteúdo, que constitui o mundo dos valores simbólicos. I Descrição pré-iconográfica (análise pseudoformal) II Análise Iconográfica no sentido mais estrito da palavra III Interpretação iconográfica em sentido mais profundo (síntese iconográfica)

10 HISTÓRIA E TRADIÇÃO Bagagem para a Interpretação I Experiência prática (familiaridade com os objetos e as ações) II Conhecimento das fontes literários (familiaridade com os temas e conceitos específicos) III- Intuição sintética (familiaridade com as tendências essenciais do espírito humano) Principio Controlador da Interpretação I. História do estilo (compreensão da maneira pela qual, sob condições históricas diferentes, objetos ou ações foram expressos por formas II História dos tipos (compreensão da maneira pela qual, sob condições históricas diferentes, temas ou conceitos, específicos foram expressos por objetos ou ações) III História dos sintomas culturais ou simbólicos em geral (compreensão da maneira pela qual, sob condições históricas diferentes, tendências essenciais do espírito humanos

ERWIN PANOFSKY. Panofsky com dois colegas

ERWIN PANOFSKY. Panofsky com dois colegas Sumário Os níveis de significado das obras de arte segundo Panofsky: o natural (pré-iconográfico), o convencional (iconográfico) e o intrínseco (iconológico). ERWIN PANOFSKY Panofsky com dois colegas ERWIN

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARTE Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARTE Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARTE Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARTE (L5009)

Leia mais

Sepultamento de Caravaggio: pelas lentes de Panofsky

Sepultamento de Caravaggio: pelas lentes de Panofsky Sepultamento de Caravaggio: pelas lentes de Panofsky Lívia Santos de Morais 1 Na Idade Média, os artistas não tinham o reconhecimento e a Arte não tinha autonomia sendo vista como artesanal, mecânica e

Leia mais

EMENTA Problemas de teoria e método em Sociologia da Cultura e História Social da Arte. Produção artística, cultural e intelectual.

EMENTA Problemas de teoria e método em Sociologia da Cultura e História Social da Arte. Produção artística, cultural e intelectual. UFSC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA TÓPICOS ESPECIAIS: SOCIOLOGIA DA ARTE E DA CULTURA PROF. ALEXANDRE BERGAMO

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/2017 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 1. A avaliação é contínua e sistemática.

Leia mais

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4-

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva Pombal PB SUMÁRIO Pesquisa Conceitos Características Objetivos Finalidades Requisitos Qualidades do pesquisador Tipos de pesquisa científica

Leia mais

O que é leitura fundamentalista?

O que é leitura fundamentalista? O que é leitura fundamentalista? O problema de base dessa leitura fundamentalista é que recusando levar em consideração o caráter histórico da revelação bíblica, ela se torna incapaz de aceitar plenamente

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2015 / 2016 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO - PORTUGUÊS - 10º ANO MANUAL: SENTIDOS, ASA Período Domínios / Tópicos de Conteúdo Metas Curriculares

Leia mais

A ICONOLOGIA DE PANOFSKY NA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA LEITURA DA OBRA DE HENRIQUE DE ARAGÃO.

A ICONOLOGIA DE PANOFSKY NA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA LEITURA DA OBRA DE HENRIQUE DE ARAGÃO. A ICONOLOGIA DE PANOFSKY NA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA LEITURA DA OBRA DE HENRIQUE DE ARAGÃO. Marlene Ferreira Royer * RESUMO: Este artigo propõe a análise da obra Gênesis do artista plástico Henrique de

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

Ensino Religioso nas Escolas Públicas

Ensino Religioso nas Escolas Públicas Ensino Religioso nas Escolas Públicas Fundamentação legal: Constituição Federal de 1988: qdo reconhece os direitos sociais dos cidadãos e estabelece a promoção da cidadania e da dignidade como dever do

Leia mais

Machado, Alvaro Manuel; Pageaux, Daniel-Henri. Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. 2ed. rev. aum. Lisboa: Presença, 2001.

Machado, Alvaro Manuel; Pageaux, Daniel-Henri. Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. 2ed. rev. aum. Lisboa: Presença, 2001. Machado, Alvaro Manuel; Pageaux, Daniel-Henri. Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. 2ed. rev. aum. Lisboa: Presença, 2001. Eis que é entregue ao público a segunda edição de Da Literatura Comparada

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

COMO SE PREPARAR PARA O. NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO Colégio da Faculdade Adventista da Bahia BR 101, Km 197, Cachoeira-BA. Tel.

COMO SE PREPARAR PARA O. NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO Colégio da Faculdade Adventista da Bahia BR 101, Km 197, Cachoeira-BA. Tel. COMO SE PREPARAR PARA O NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO Colégio da Faculdade Adventista da Bahia BR 101, Km 197, Cachoeira-BA. Tel. 3425-8000 LEIA MUITO Uma leitura observadora, reflexiva, atenta,

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 5º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 UM, DOIS, TRÊS COMEÇAR! UNIDADE

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE HISTÓRIA 2016 9º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139 / 2012, DE 5 DE JULHO)

Leia mais

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO Relacionamentos intrapessoal e interpessoal Prof. Msc Rita de Cassia Moser Alcaraz Comprometido Envolvimento: ato ou efeito de envolver-se, envoltura 2 relacionamento,

Leia mais

AULA 1 A constituição do campo de uma sociologia da vida econômica (I)

AULA 1 A constituição do campo de uma sociologia da vida econômica (I) AULA 1 A constituição do campo de uma sociologia da vida econômica (I) SOCIOLOGIA ECONÔMICA 02/2004 NADYA ARAUJO GUIMARÃES Conceito de ator Ação econômica Determinantes que estabelecem os limites da ação

Leia mais

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN CURSO SOBRE O CREMOS DA ASSEMBLEIA DE DEUS Segundo Artigo de Fé: Cremos, Na inspiração divina verbal e plenária da Bíblia Sagrada, única regra infalível

Leia mais

Professor Gerson Witte Artes - EMI Informática. As Cores. Professor Gerson Witte EMI Informática Artes I

Professor Gerson Witte Artes - EMI Informática. As Cores. Professor Gerson Witte EMI Informática Artes I As Cores Professor Gerson Witte EMI Informática Artes I Apesar de serem o mesmo fenômeno físico, existe duas maneiras de entender as cores. A cor é uma radiação eletromagnética, corresponde à parte do

Leia mais

A Reinvenção da Realidade 2015 Eduardo Galvani

A Reinvenção da Realidade 2015 Eduardo Galvani A Reinvenção da Realidade 2015 Eduardo Galvani A CULTURA NA VISÃO DOS ANTROPÓLOGOS (Plano de Aula) Por Eduardo Galvani Introdução Este breve ensaio tem por objetivo estruturar o conteúdo didático para

Leia mais

A. Análise do Jantar no Hotel Central Capítulo VI

A. Análise do Jantar no Hotel Central Capítulo VI Agrupamento de Escolas do Búzio Escola 2,3/S de Vale de Cambra Português 11ºano - A professora: Dina Baptista Ficha de trabalho sobre os Episódio da Crónica de Costumes d Os Maias, de Eça de Queirós A.

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

Planificação anual de Português 12º ano

Planificação anual de Português 12º ano Planificação anual de Português 12º ano 1 OBJETIVOS Desenvolver os processos linguísticos, cognitivos e metacognitivos necessários à operacionalização de cada uma das competências de compreensão e produção

Leia mais

Introdução ao pensamento de Marx 1

Introdução ao pensamento de Marx 1 Introdução ao pensamento de Marx 1 I. Nenhum pensador teve mais influência que Marx, e nenhum foi tão mal compreendido. Ele é um filósofo desconhecido. Muitos motivos fizeram com que seu pensamento filosófico

Leia mais

Ano Lectivo 2014/ ºCiclo 7 ºAno. 7.º Ano 1º Período. Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação

Ano Lectivo 2014/ ºCiclo 7 ºAno. 7.º Ano 1º Período. Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2014/2015 3 ºCiclo 7 ºAno 7.º Ano 1º Período Domínios / subdomínios Ojetivos Gerais / Metas Competências Específicas

Leia mais

Introdução ao fenómeno de Fátima

Introdução ao fenómeno de Fátima CURSOS DE VERÃO DO SANTUÁRIO DE FÁTIMA 1.ª edição Introdução ao fenómeno 14, 15 e 16 de julho de 2016 Santuário, Centro Pastoral de Paulo VI sinopse Com o objetivo de aproximar os estudiosos de um dos

Leia mais

FACULDADE DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

FACULDADE DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA 1º ano 1º semestre - TURMA 1A Temas de Psicologia Geral 13-15 T Anf. 17-19 P1 4 Profª Arlette Verhaeghe Métodos de Investigação em 13-15 T Anf. Profª Isabel Janeiro Psicologia: Noções Básicas 15-17 P1

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 - ESTREMOZ Competências Gerais PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: LITERATURA PORTUGUESA 2016-2017 - 10º Ano COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Leitura / Oralidade Seguir

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO. Profa. Dra. Renata Trigueirinho Alarcon

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO. Profa. Dra. Renata Trigueirinho Alarcon METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Profa. Dra. Renata Trigueirinho Alarcon O QUE É METODOLOGIA CIENTÍFICA? Método, deriva da palavra grega methodos, que etimologicamente, pode ser assim dividida: a) meta

Leia mais

FRANCIS BACON ( )

FRANCIS BACON ( ) FRANCIS BACON (1561-1626) foi um político, filósofo e ensaísta inglês, barão de Verulam Em 1584 foi eleito para a câmara dos comuns Sucessivamente, durante o reinado de Jaime I, desempenhou as funções

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: História e Geografia de Portugal. 1. Introdução. 2º Ciclo do Ensino Básico. Ano letivo de 2011/12

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: História e Geografia de Portugal. 1. Introdução. 2º Ciclo do Ensino Básico. Ano letivo de 2011/12 Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: História e Geografia de Portugal 2º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da

Leia mais

Justificativa. Centro Educacional Mundo do Saber. Palhoça, 18 de Fevereiro de Professora. Bárbara pereira. Turma. Maternal I.

Justificativa. Centro Educacional Mundo do Saber. Palhoça, 18 de Fevereiro de Professora. Bárbara pereira. Turma. Maternal I. Centro Educacional Mundo do Saber Palhoça, 18 de Fevereiro de 2013 Professora Bárbara pereira Turma Maternal I Projeto anual Justificativa O Projeto tem a importância essencial para a aprendizagem das

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA SOBRE FILOSOFIA DEFINIÇÃO TRADICIONAL (segundo a perspectiva ocidental) TEOLOGIA CIÊNCIA certezas dúvidas Bertrand Russell (1872-1970) utiliza seus temas

Leia mais

Profª: Adriana Oliveira

Profª: Adriana Oliveira ROTEIRO DE AVALIAÇÕES DA 4º UNIDADE PROCESSUAL Profª: Adriana Oliveira ATIVIDADES Atividades de casa e de classe DATAS Durante a unidade ASPECTOS A SEREM AVALIADOS/ ENCAMINHAMENTOS Pontualidade; Participação;

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008 1 Programa de História e Geografia de Portugal - 5º ANO Tema A A Península Ibérica lugar de passagem e fixação Subtema 1 Ambiente natural e primeiros povos Subtema 2 Os romanos na PI resistência e romanização

Leia mais

PROGRAMA QPP - QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA LIVROS NAS CRECHES

PROGRAMA QPP - QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA LIVROS NAS CRECHES PROGRAMA QPP - QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Ana Paula Dias Torres Maria Lucia de A. Machado São Paulo dezembro 2015 1 LIVRO É OBJETO PORTADOR DE CULTURA Dentre os diversos instrumentos do homem, o livro

Leia mais

AULA 4 O ensino da Matemática na Educação Infantil. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil

AULA 4 O ensino da Matemática na Educação Infantil. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil AULA 4 O ensino da Matemática na Educação Infantil A Educação Infantil é considerada, como a primeira etapa da educação básica, no Brasil, a partir de 1996. Os eixos de trabalho orientados à construção

Leia mais

CONCEPÇÕES DO ENSINO DE FILOSOFIA Uma reflexão sobre o currículo

CONCEPÇÕES DO ENSINO DE FILOSOFIA Uma reflexão sobre o currículo Uma reflexão sobre o currículo 1. A NATUREZA DA FILOSOFIA Atitude reflexiva que investiga criticamente condições de possibilidade. (PCN+, 1999; OCN, 2006) "A principal ocupação da Filosofia é questionar

Leia mais

ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA

ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia- Corpo, movimento e linguagem na era da informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 2.2 Conteúdos Cores

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 OBJETO DE AVALIAÇÃO O Exame de Equivalência à Frequência de História tem por referência o Programa de História em

Leia mais

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE Aninha Duarte 2004 CRÍTICA Arte ou faculdade de examinar e/ou julgar as obras do espírito, em particular as de caráter literário ou artístico. Apreciação minuciosa. (AURÉLIO,

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

Cultura Organizacional

Cultura Organizacional Cultura Organizacional Curso de Especialização em Gestão da Comunicação Organizacional e Relações Públicas ECA/USP A tradição antropológica Sistemas Simbólicos Antropologia Social Antropologia Cultural

Leia mais

A coleção está organizada em cinco séries temáticas, por faixa etária:

A coleção está organizada em cinco séries temáticas, por faixa etária: Coleção GIRA MUNDO Educação Infantil Na coleção Gira Mundo o brincar, o cantar e o fazer artístico são os eixos que atuam como forma de expressão da cultura da infância. São os grandes articuladores do

Leia mais

O HOMEM AGENTE CULTURAL

O HOMEM AGENTE CULTURAL CAPÍTULO 10 O HOMEM AGENTE CULTURAL Fonte: www.afam.com.br/img/jpg/livros-cultural.jpg "O homo culturalis representa a dimensão cultural do próprio homem em sua produção geral, ou seja, a cultura implica

Leia mais

JUPRUDÊNCIA DOS CONCEITOS - PUCHTA

JUPRUDÊNCIA DOS CONCEITOS - PUCHTA JUPRUDÊNCIA DOS CONCEITOS - PUCHTA Ponto de partida: - idéia de sistema (influência de Schelling) - visão do Direito como um organismo vivo; Influência do idealismo alemão (Hegel): identificação entre

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 A Redação Quando se fala em redação, em geral se associa a uma composição literária ou a uma dissertação de tese. No primeiro caso, relaciona-se a um trabalho fantasioso;

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL ANO: 8º ANO LECTIVO 010/011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS

Leia mais

MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA Maio de º Ano 3.º Ciclo do Ensino Básico

MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA Maio de º Ano 3.º Ciclo do Ensino Básico MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA Maio de 2016 Prova de 2016 7.º Ano 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as caraterísticas da prova extraordinária

Leia mais

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon A estética de Hegel Antonio Rodrigues Belon A necessidade universal da arte é, pois, a necessidade racional que o ser humano tem de elevar a uma consciência espiritual o mundo interior e exterior, como

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO ESQUEMA DECORATIVO DAS SALAS DO TRONO DO PERÍODO NEO-ASSÍRIO ( a.c.): IMAGEM TEXTO E ESPAÇO COMO VEÍCULOS DA RETÓRICA REAL

DESENVOLVIMENTO DO ESQUEMA DECORATIVO DAS SALAS DO TRONO DO PERÍODO NEO-ASSÍRIO ( a.c.): IMAGEM TEXTO E ESPAÇO COMO VEÍCULOS DA RETÓRICA REAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUEOLOGIA DESENVOLVIMENTO DO ESQUEMA DECORATIVO DAS SALAS DO TRONO DO PERÍODO NEO-ASSÍRIO (934-609 a.c.): IMAGEM

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA.

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA. SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA Código 19 3.º Ciclo do Ensino Básico Ano Letivo 2015 / 2016 O presente documento

Leia mais

ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA

ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE OLIVAIS. Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz

JUNTA DE FREGUESIA DE OLIVAIS. Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz Introdução Considerando a importância do papel das instituições públicas na promoção e apoio das artes e da cultura, nomeadamente da literatura e da ilustração

Leia mais

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Multidisciplinaridade: é a organização de conteúdos mais tradicional. Os conteúdos escolares são apresentados por matérias independentes umas das outras.

Leia mais

Investigação sobre o currículo Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o currículo Síntese da discussão do grupo temático Grupo temático Investigação sobre o currículo Investigação sobre o currículo Síntese da discussão do grupo temático Cristina Loureiro Escola Superior de Educação de Lisboa Irene Segurado Escola B2,3 Rui

Leia mais

ESTAMPARIA TÊXTIL: DIFERENCIAL CRIATIVO E COMPETITIVO. Ingresso Janeiro Informações: (51)

ESTAMPARIA TÊXTIL: DIFERENCIAL CRIATIVO E COMPETITIVO. Ingresso Janeiro Informações: (51) ESTAMPARIA TÊXTIL: DIFERENCIAL CRIATIVO E COMPETITIVO Ingresso Janeiro 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias ESTAMPARIA TÊXTIL: DIFERENCIAL CRIATIVO E COMPETITIVO Atualmente o design

Leia mais

O DIVERTIDO PRAZER DE LER

O DIVERTIDO PRAZER DE LER O DIVERTIDO PRAZER DE LER Para aprofundar nossos conhecimentos acadêmicos e aperfeiçoamento profissional, desenvolver competência, habilidades de leitura formamos leitores críticos e capacitados para lutar

Leia mais

Sumário detalhado 1. A Reforma: uma introdução O cristianismo no final da Idade Média O humanismo e a Reforma...54

Sumário detalhado 1. A Reforma: uma introdução O cristianismo no final da Idade Média O humanismo e a Reforma...54 Sumário Sumário detalhado...4 Prefácio à quarta edição... 11 Como usar este livro... 14 1. A Reforma: uma introdução... 17 2. O cristianismo no final da Idade Média... 41 3. O humanismo e a Reforma...

Leia mais

Análise de discursos textuais: questões

Análise de discursos textuais: questões Análise de discursos textuais: questões Com base no texto a seguir, responda às questões (1) e (2): Os Poemas Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês. Quando fechas

Leia mais

Teoria da Cor - Fundamentos Básicos

Teoria da Cor - Fundamentos Básicos Teoria da Cor - Fundamentos Básicos O objetivo desse material de apoio é trazer algumas informações básicas sobre teoria da cor, embora seu estudo seja muito mais amplo e envolve diversos aspectos de percepção,

Leia mais

Pela linha do tempo da história da arte

Pela linha do tempo da história da arte O processo artístico de ensino/aprendizagem orientado pela Profa. Kenia Olympia Fontan Ventorim, desenvolvido no ano de 2015 com os alunos do ensino médio do Instituto Federal do Espírito Santo Campus

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

paul ramírez jonas domínio público

paul ramírez jonas domínio público paul ramírez jonas No desenho que organiza as diversas atividades do espaço urbano, sua circulação e formas de ocupação, os monumentos representam uma pontuação, a demarcação de um território coletivo

Leia mais

PERDAS, DANOS E LUCROS CESSANTES. 210 páginas Publicado em: 14/10/2010 Editora: Juruá Editora

PERDAS, DANOS E LUCROS CESSANTES. 210 páginas Publicado em: 14/10/2010 Editora: Juruá Editora PERDAS, DANOS E LUCROS CESSANTES 210 páginas Publicado em: 14/10/2010 Editora: Juruá Editora 1 Regime principiológico Publicidade Impessoalidade CF Art. 37 Eficiência Moralidade Legalidade Perito Servidor

Leia mais

Análise da Informação Económica e Empresarial

Análise da Informação Económica e Empresarial Análise da Informação Económica e Empresarial Aula 4: Noções fundamentais sobre a realização de trabalho empírico em Economia e Gestão tratamento de informação e elaboração de relatórios Análise da Informação

Leia mais

O ESPORTE COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: SEUS MITOS, SUAS VERDADES E SUA REALIDADE CULTURAL, ECONÔMICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE ATUAL.

O ESPORTE COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: SEUS MITOS, SUAS VERDADES E SUA REALIDADE CULTURAL, ECONÔMICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE ATUAL. O ESPORTE COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: SEUS MITOS, SUAS VERDADES E SUA REALIDADE CULTURAL, ECONÔMICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE ATUAL. Prof. Mestre Gilberto Santiago Ferreira Macapá / AP Novembro

Leia mais

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO 1º Bimestre Para o 1º Ano do Ensino Médio, propomos o estudo do Teatro Popular Tradicional, uma modalidade de representação

Leia mais

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL Existem várias formas de comunicação. Quando o homem A! se utiliza da palavra, ou seja, da linguagem oral ou escrita,dizemos que ele está utilizando uma linguagem verbal,

Leia mais

PIBID HISTÓRIA 1 UFPR COORDENADORA: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISORA: PROFA. LORENA PANTALEAO ESCOLA ESTADUAL PADRE JOÃO WISLINSKI

PIBID HISTÓRIA 1 UFPR COORDENADORA: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISORA: PROFA. LORENA PANTALEAO ESCOLA ESTADUAL PADRE JOÃO WISLINSKI PIBID HISTÓRIA 1 UFPR COORDENADORA: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISORA: PROFA. LORENA PANTALEAO ESCOLA ESTADUAL PADRE JOÃO WISLINSKI 1. IDENTIFICAÇÃO Nome dos proponentes: Eric Gruber, Fabiane

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL - 8º ano

EDUCAÇÃO VISUAL - 8º ano EDUCAÇÃO VISUAL - 8º ano 2016/2017 Rotas de Aprendizagem mesquita.beta@gmail.com Profª Elisabete Mesquita Projeto 1: ANIMAÇÃO GRÁFICA DA CAPA Objetivo Geral: Reinventar uma foto do aprendente através do

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Era uma vez um cão: a centralidade do ato de contar histórias

Era uma vez um cão: a centralidade do ato de contar histórias Entrar por aqui... ... ou por aqui? Era uma vez um cão: a centralidade do ato de contar histórias De imediato, o livro ilustrado evoca duas linguagens: o texto e a imagem. Quando as imagens propõem uma

Leia mais

CONTEÚDO DA RECUPERAÇÃO 6º ANO

CONTEÚDO DA RECUPERAÇÃO 6º ANO 6º ANO - Interpretação textual; - Acentuação gráfica; - Ortografia; - Substantivo Adjetivo (flexão: número, gênero e grau); - Artigo Numeral (flexão: gênero - número). - Unidade 3 geometria (páginas 86

Leia mais

Duração do teste: 90 minutos

Duração do teste: 90 minutos Escola Secundária/3 da Rainha Santa Isabel, Estremoz Duração do teste: 90 minutos Ano Letivo 2011/2012 HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES 10º F+H Teste de Avaliação nº 3 7-Fev-2012 Utilize apenas caneta ou

Leia mais

Psicologia Percepção Visual

Psicologia Percepção Visual Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Processos sensoriais e perceptivos Conceitos básicos A sensação A percepção Sensação vs. percepção José Farinha, ESEC da

Leia mais

LIVRO FOTOGRAFIA FINE ART

LIVRO FOTOGRAFIA FINE ART Release LIVRO FOTOGRAFIA FINE ART Brasil ganha o primeiro livro de Fotografia Fine Art A obra Fotografia Fine Art, da fotógrafa Danny Bittencourt, ensina como desenvolver a fotografia artística através

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

Organização da Disciplina. Mercado de Capitais. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Aula 1 Economia e moeda

Organização da Disciplina. Mercado de Capitais. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Aula 1 Economia e moeda Organização da Disciplina Mercado de Capitais Aula 1 Prof. Cleverson Luiz Pereira Aula 1 Economia e moeda Aula 2 Sistema financeiro nacional X mercado financeiro Aula 3 Mercado de capitais e o mercado

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

Currículo do Curso de História

Currículo do Curso de História Currículo do Curso de História Licenciatura ATUAÇÃO O licenciado em História formado na UFV poderá atuar no ensino fundamental (séries finais: 5ª a 8ª séries), ensino médio e universitário. O curso está

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 022/2012-CONSU/UEAP

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 022/2012-CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 022/2012-CONSU/UEAP Aprova a matriz curricular do Curso de Especialização em Educação Especial. A Presidente do Conselho Superior

Leia mais

Eletiva A volta ao mundo através dos jogos

Eletiva A volta ao mundo através dos jogos Eletiva A volta ao mundo através dos jogos E.E. Princesa Isabel Sala 14 / 2ª. Sessão Professor(es) Apresentador(es): Cristina Viecelli Costa do Nascimento Jairo Augusto Fernandes Realização: Foco Por meio

Leia mais

Como elaborar um relatório

Como elaborar um relatório Francisco Carrapiço, 2001 Biologia Celular Como elaborar um relatório 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD Professor-Carlos Juscimar de Souza Série: 1º Turma:D Período:NOTURNO Ano: 2014 ESTRUTURANTE: ESPECÍFICO: Objetivo/Justificativa Metodologia Critério de. História Conhecer, contextualizar e da Arte: desenvolver

Leia mais

2017, ANO OFICIAL PARA VISITAR VISEU

2017, ANO OFICIAL PARA VISITAR VISEU 2017, ANO OFICIAL PARA VISITAR VISEU Síntese informativa apresentada em reunião do Conselho Estratégico do Município, a 4 de janeiro de 2017 2017, ANO OFICIAL PARA VISITAR VISEU Viseu está a ganhar uma

Leia mais

REGULAMENTO Depósito de Documentos no Repositório Científico. Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor Gabinete Apoio à Reitoria 1.

REGULAMENTO Depósito de Documentos no Repositório Científico. Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor Gabinete Apoio à Reitoria 1. REGULAMENTO Depósito de Documentos no Repositório Científico Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.1 Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial 26 de Março de 2012 Data de aplicação da

Leia mais

PROPAGANDA GUBERNAMENTAL: TÁCTICAS E ICONOGRAFÍAS DEL PODER Government propaganda: tactics and iconography of power

PROPAGANDA GUBERNAMENTAL: TÁCTICAS E ICONOGRAFÍAS DEL PODER Government propaganda: tactics and iconography of power RESENHA: FELIPE RICCIO 38 PROPAGANDA GUBERNAMENTAL: TÁCTICAS E ICONOGRAFÍAS DEL PODER Government propaganda: tactics and iconography of power Felipe Riccio Universidade Federal de Minas Gerais UFMG felipericcio@yahoo.com

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade O mundo antigo. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade O mundo antigo. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Pré-História e Antiguidade O mundo antigo Professor Isaac Antonio Camargo 1 4 O MUNDO ANTIGO Encontramos a arte na antigüidade dentro de civilizações mais preparadas técnica e socialmente,

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

Docência no Ensino Superior: aspectos didáticos e pedagógicos

Docência no Ensino Superior: aspectos didáticos e pedagógicos Docência no Ensino Superior: aspectos didáticos e pedagógicos Profa Dra Glaucia Maria da Silva DQ/FFCLRP/USP 01 de setembro de 2016 Sala 30 do Bloco 9A Objetivos Subsidiar o aluno de pós-graduação para

Leia mais