Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016."

Transcrição

1 Slide 1 EIRELI: Análise Legal e os Resultados Práticos Porto Alegre (RS), 20 de junho de Slide 2 Conteúdo Programático: - Análise Histórica da Introdução das EIRELI s no Direito Brasileiro; - Conceito das EIRELI s; - Características Legais (administração, titularidade, responsabilidade civil, entre outros); - Vantagens da Adoção deste Modelo; - Análise Econômica, uma visão da Previsão vs. Realidade. Slide 3 A empresa individual de responsabilidade limitada ( EIRELI ) é constituída por uma única pessoa, titular da totalidade do capital, devidamente integralizado, não inferior a 100 vezes o maior salário mínimo vigente no País. É um ente personificado, um agente econômico regulado pela lei para atuar no mercado e exercer uma atividade econômica organizada. A EIRELI tem um pressuposto de validade peculiar, o valor mínimo de capital. Trata-se de patrimônio que está sujeito a regras distintas as do patrimônio de seu fundador porque é transferido à pessoa da empresa por ele constituída.

2 Slide 4 MODIFICAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI Nº /11 AO CÓDIGO CIVIL. Art. 44: São pessoas jurídicas de direito privado: VI as empresas individuais de responsabilidade limitada. Art. 980-A: A empresa individual de responsabilidade limitada será constituída por uma única pessoa titular da totalidade do capital social, devidamente integralizado, que não será inferior a 100 (cem) vezes o maior salário mínimo vigente no País. (demais parágrafos) Art. 1033, único: Não se aplica o disposto inciso IV caso o sócio remanescente, inclusive na hipótese de concentração de todas as cotas da sociedade sob sua titularidade, requeira, no Registro Público de Empresas Mercantis, a transformação do registro da sociedade para empresário individual ou para empresa individual de responsabilidade limitada, observado, no que couber, o disposto nos arts a 1115 deste Código. Slide 5 EIRELI x SOCIEDADE Art. 966: Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou serviços. Art. 981: Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha, entre si, dos resultados. EIRELI = CONCEITO DE EMPRESA Slide 6 TITULAR DO CAPITAL DA EIRELI O capital da EIRELI deve estar nas mãos de uma pessoa natural. Embora a lei a não individualize, dando a entender, à primeira vista, que é possível sua constituição por pessoa jurídica ou física, é preciso considerar que o instituto foi criado com o fim de organizar juridicamente a atividade econômica do empreendedor individual e assim reduzir o risco do seu negócio e proteger, desse modo, seu patrimônio pessoal. Portanto, sua criação por uma pessoa jurídica não envolveria este interesse. O Departamento Nacional de Registro do Comércio, por meio da Instrução Normativa nº 117, de 2011, limitou a constituição de EIRELI por pessoas físicas. Importante destacar que a Justiça Estadual do Rio de Janeiro, em março deste ano, proferiu uma decisão liminar (em mandado de segurança preventivo processo nº ) garantido que uma empresa consultoria desse continuidade ao processo de transformação de sua empresa limitada em EIRELI.

3 Slide 7 RESPONSABILIDADE DO TITULAR DO CAPITAL Para que o titular do capital da EIRELI não responda pessoalmente pelas obrigações que ela venha assumir é preciso que sejam atendidas as regras estabelecidas para sua regular constituição e que seu capital esteja totalmente integralizada no momento em que o ato constitutivo for levado a registro perante a Junta Comercial. Destaca-se que a integralização do capital deve ocorrer em dinheiro e/ou em bens que efetivamente totalizam a expressão monetária desse capital. Além disso, se o titular do capital, na condução dos negócios da EIRELI, desviar-se dos fins a que ela se propõe ou praticar alguma ilegalidade, não terá a limitação de sua responsabilidade pelas obrigações que assim forem contraídas. Também não o terá se não mantiver perfeita separação entre o seu patrimônio e o da EIRELI por ele criada (hipótese que conduz à desconsideração da personalidade jurídica art.50 Código Civil) Slide 8 MODO DE CONSTITUIÇÃO O ato constitutivo EIRELI, embora não explicitado na lei, materializa-se por uma declaração unilateral firmada pelo seu criador, em instrumento público ou particular, no que devem estar presentes as exigências regulamentares constantes do Manual de Atos de Registro, aprovado pela Instrução Normativa nº 117/2001, do Departamento Nacional de Registro do Comércio. Esse ato constitutivo deve ter obrigatoriamente: Identificar e qualificar seu autor, com o número do registro civil e do cadastro de pessoas físicas, endereço, nacionalidade, profissão, estado civil, residência; Nome empresarial da EIRELI (firma ou denominação); Endereço da Sede; Objeto preciso e Completo; Capital destinado ao empreendimento; Data do início do funcionamento; Prazo de duração (podendo ser indeterminado); Período do Exercício Social; Indicação e qualificação do Administrador (caso não seja o titular da EIRELI); Declarações (i) integralização do capital; e (ii) que o titular não participa de nenhuma outra EIRELI. Apesar de não haver previsão legal, é extremamente conveniente que o ato constitutivo da EIRELI regule situações futuras, como os casos de dissolução, morte ou incapacidade do titular. Por requerimento apresentado à Junta Comercial do Estado onde a EIRELI terá sua sede, seu ato de constituição é nela registrado. Slide 9 NOME EMPRESARIAL DA EIRELI A identificação da EIRELI é feita pelo seu nome empresarial, distinto do nome civil da pessoa de seu criador, embora possa adotar o deste na sua composição. A lei determina que seja acrescida a expressão EIRELI no final do nome que for a ela atribuído. Esse nome pode ser uma Firma ou uma Denominação. Firma: nome comercial subjetivo, composto pelo nome civil do titular do seu capital, por extenso ou abreviado, opcionalmente seguido da indicação do gênero da atividade e, necessariamente, da expressão EIRELI. Denominação: nome empresarial objetivo, composto de expressões fantasias seguintes do objeto (ramo da atividade) e da expressão EIRELI. Tanto a Firma como a Denominação devem observar os princípios da veracidade, originalidade e unicidade.

4 Slide 10 OBJETO SOCIAL DA EIRELI O objeto social da EIRELI deve ser descrito nos parâmetros do art. 997 do CC, ou seja: claro, possível, determinado e lícito. As atividades econômicas inseridas como objeto social da EIRELI devem ser, a priori, consideradas empresárias de acordo com o conceito do art. 966 do CC. EIRELI x ATIVIDADES NÃO EMPRESARIAIS A EIRELI pode ser comparada as regras do art. 983 do CC? Slide 11 ADMINISTRAÇÃO DA EIRELI A administração da EIRELI deve ser exercida, unicamente, pelo sócio? Pode ser aplicada a EIRELI as considerações do art do CC quanto a nomeação de administrador? As responsabilidades do administrador estão preconizadas no art do CC e não se vinculam a sua pessoa física quando pautadas em conformidade com os parâmetros legais e contratuais. Slide 12 DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO Ocorre a dissolução da EIRELI quando: Advento de seu prazo de duração; Vontade do seu titular; Extinção da autorização para funcionar no ramo de negócio que constitui seu objeto; Anulação de sua constituição; Pela falência. A EIRELI não se submete as causas de dissolução da falta de pluralidade; inexequibilidade do fim social. Quanto a dissolução, não há necessidade de designação de liquidante (por razões da composição social), devendo apenas, elaborar Balanço de Encerramento e, uma vez inexistindo passivo, averbar na Junta competente.

5 Slide 13 APLICAÇÃO SUBSIDIÁRIA DAS REGRAS PREVISTAS PARA SOCIEDADE LIMITADA Não se admite, como nas Sociedades Limitadas, que a EIRELI possa aplicar as regras supletivas das Sociedades Anônimas, em caso de lacuna. A EIRELI utiliza-se, unicamente, das regras das Sociedades Limitadas para sua aplicação extensiva. Slide 14 VANTAGENS DA EIRELI Em consonância com as regras similares adotadas em diversos outros países como França, Espanha, Portugal, Itália, Reino Unido e outros, a EIRELI permite que o seu titular explore atividade econômica sem a exposição de seus bens pessoais; Separação de patrimônio da pessoa jurídica e seu titular; Organização da atividade econômica; Redução dos índices de informalidade estímulo a formalização (e arrecadação tributária); Diminuição da burocracia e custos envolvidos pelo uso generalizado das sociedades limitadas; Ausência de necessidade de constituição de sociedades com os chamados laranjas. Slide 15 PONTOS DE REFLEXÃO SOBRE EIRELI Formação do capital social em valor elevado aos propósitos da Lei /11; Indefinição quanto a possibilidade de constituição de EIRELI por pessoas jurídicas; Indefinição quanto ao posicionamento da EIRELI na estrutura legal societária brasileira.

6 Slide 16 Análise dos Resultados Econômicos Previsão x Realidade Otimismo x Frustração Slide 17 LUCAS MARTINS DIAS Depto. Societário, Contratual e Mercado de Capitais Telefone:

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL A SOCIEDADE NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha,

Leia mais

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012.

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - EXIGÊNCIAS PARA CONSTITUIÇÃO 2.1 - Nome Empresarial

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL 1. A recuperação extrajudicial é uma modalidade prevista na Lei Nº 11.101/2005, e pode ser adotada pelo empresário em dificuldade e com

Leia mais

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis AULA 5 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 5.1. Desconsideração da personalidade jurídica da empresa Em algumas situações, o patrimônio

Leia mais

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias Michele Schwan Advogada OAB/RS 86.749 As três modalidades de constituição de empresa mais utilizadas no Rio Grande do Sul, conforme a Junta

Leia mais

Curso Direito Empresarial Administração

Curso Direito Empresarial Administração AULA 4 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 4.1. As sociedades empresárias A pessoa jurídica Sociedade empresária é um agrupamento

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira jrodrigo@portoweb.com.br 1. A LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL: ANÁLISE GERAL 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão

Leia mais

1 Classificação das sociedades

1 Classificação das sociedades 1 Classificação das sociedades Qto à forma de exploração do objeto Qto à personificação Qto ao regime de constituição Qto à forma de constituição Qto à nacionalidade Qto ao capital Qto à responsabilidade

Leia mais

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. EMPRESÁRIO... 3 1. Caracterizando o empresário... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Elementos essenciais de caracterização do empresário... 4 1.3 Classificação do empresário...

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES 1 TIPOS DE SOCIEDADES NO DIREITO BRASILEIRO SOCIEDADE EM COMUM não tem personalidade jurídica os sócios são ilimitadamente responsáveis SOCIEDADE SIMPLES atividades

Leia mais

ATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA (MODELO)

ATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA (MODELO) ATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA (MODELO) Pelo presente instrumento, - [Nome do Advogado], [nacionalidade], [estado civil], advogado (a), inscrito(a) na OAB/RN sob n. [...], inscrito(a)

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. DIREITO EMPRESARIAL I Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. Empresário Empresário é a pessoa que toma a iniciativa de organizar uma atividade econômica de produção ou circulação de bens ou serviços. Pode Ser

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL CAPÍTULO 1 Do Direito Comercial ao Direito Empresarial 3 1. Origem do Direito Comercial... 3 2. Teoria dos atos de comércio (sistema francês)... 4 3.

Leia mais

Direito Empresarial

Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 7 Empresário e estabelecimento empresarial Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Evolução - Empresa Teoria subjetiva Corporações de ofício Teoria objetiva atos de comércio lista taxativa

Leia mais

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES CONCEITO Rubens Requião ensina que empresa é aquilo que o empresário ou a sociedade empresária faz, de forma que os efeitos da empresa não são senão

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE ATOS INTEGRANTES DA TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS PERTINENTES AO REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS MERCANTIS E ATIVIDADES AFINS.

ESPECIFICAÇÃO DE ATOS INTEGRANTES DA TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS PERTINENTES AO REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS MERCANTIS E ATIVIDADES AFINS. S ESPECIFICAÇÃO DE INTEGRANTES DA TABELA DE S DOS SERVIÇOS PERTINENTES AO REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS MERCANTIS E ATIVIDADES AFINS. Resolução Plenária n.º 006/2016, que reajustou a tabela de preços da

Leia mais

CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA

CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA 1 CONCEITO DE SOCIEDADE Código Civil - Art. 981 Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício

Leia mais

AULA Constituição da Sociedade de Pessoas

AULA Constituição da Sociedade de Pessoas AULA 3 6. Constituição da Sociedade de Pessoas Do Contrato Social Art. 997. A sociedade constitui-se mediante contrato escrito, particular ou público, que, além de cláusulas estipuladas pelas partes, mencionará:

Leia mais

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ;

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ; x Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social Empresa : 1. empreendimento ; 2. organização econômica destinada à produção ou venda de mercadoria ou serviços,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes que devem ser observadas na regulamentação, na vigilância e na supervisão das instituições de pagamento e dos arranjos de pagamento

Leia mais

ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS

ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS...(nome da Sociedade)... [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e

Leia mais

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Pessoas Jurídicas Pessoas Jurídicas Pessoas jurídicas são entidades criadas para a realização de um fim e reconhecidas pela ordem jurídica como sujeitos de direitos e deveres. Pessoas Jurídicas Características:

Leia mais

Provimento Nº.../2016. Dispõe sobre a Sociedade Individual de Advocacia

Provimento Nº.../2016. Dispõe sobre a Sociedade Individual de Advocacia Provimento Nº.../2016 Dispõe sobre a Sociedade Individual de Advocacia O CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 54, V, da Lei n 8.906,

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães Matéria: Obrigações do empresário: O Regime Empresarial Registro: matrícula, arquivamento e autenticação Órgãos de Atuação: DNRC e Junta Comercial Escrituração:

Leia mais

LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002

LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 Institui o Código Civil. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:... LIVRO II DO DIREITO DE EMPRESA TÍTULO

Leia mais

PLANO DE CURSO : DIREITO SOCIETÁRIO (CÓD. ENEX 60131) ETAPA: 6ª TOTAL DE ENCONTROS:

PLANO DE CURSO : DIREITO SOCIETÁRIO (CÓD. ENEX 60131) ETAPA: 6ª TOTAL DE ENCONTROS: PLANO DE CURSO DISCIPLINA: DIREITO SOCIETÁRIO (CÓD. ENEX 60131) ETAPA: 6ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos, filmes

Leia mais

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais.

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Profissionais liberais que prestam os serviços de forma direta e profissionais

Leia mais

PROVA DISCURSIVA (P 2 )

PROVA DISCURSIVA (P 2 ) PROVA DISCURSIVA (P 2 ) Na prova a seguir que vale dez pontos, faça o que se pede, usando as páginas correspondentes do presente caderno para rascunho. Em seguida, transcreva os textos para as respectivas

Leia mais

código civil Art. 47 Art. 48 Art. 45 Art. 49 Art. 50 Art. 46 Art. 51

código civil Art. 47 Art. 48 Art. 45 Art. 49 Art. 50 Art. 46 Art. 51 34 código civil I - as associações; II - as sociedades; III - as fundações. IV - as organizações religiosas; V - os partidos políticos; VI - as empresas individuais de responsabilidade limitada. (Acrescido

Leia mais

ROTEIRO PARA REGISTRO DE EMPRESAS

ROTEIRO PARA REGISTRO DE EMPRESAS Setembro / 2016 ROTEIRO PARA REGISTRO DE EMPRESAS Francisco Ananias Roteiro para registros de empresas, abordando os aspectos de natureza jurídica dos atos sociais INTRODUÇÃO Elucidar algumas dúvidas,

Leia mais

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros ANEXO II Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de 2004 Rendimento pelo IGP-M + Juros TERMO DE ADITAMENTO À ESCRITURA DA [N.º de ordem da emissão] EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES DA [Nome da Companhia

Leia mais

RELATÓRIO. O i. Conselheiro Federal relator, Dr. Luiz Flávio Borges D Urso, sugeriu redação para o Regulamento Geral nos seguintes termos, verbis:

RELATÓRIO. O i. Conselheiro Federal relator, Dr. Luiz Flávio Borges D Urso, sugeriu redação para o Regulamento Geral nos seguintes termos, verbis: Proposição n. 49.0000.2016.000773-1/COP Origem: Presidente do Conselho Federal da OAB. Protocolo n. 49.0000.2016.000764-4. Assunto: Proposta de Provimento. Sociedades Individuais de Advocacia. Relator:

Leia mais

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica:

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: 1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: a) sociedade em nome coletivo b) sociedade em comandita simples c) sociedade de capital e indústria

Leia mais

ANEXO À PORTARIA Nº 616/SAS, DE 16 DE MARÇO DE Formulário de Requerimento FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO

ANEXO À PORTARIA Nº 616/SAS, DE 16 DE MARÇO DE Formulário de Requerimento FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO ANEXO À PORTARIA Nº 616/SAS, DE 16 DE MARÇO DE 2016. Formulário de Requerimento FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO Desejo receber comunicações da GEOS/SAS, via Correios, no endereço da sede social da empresa.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. Estabelece procedimentos relacionados com a instrução de processos de autorização para funcionamento, alterações

Leia mais

Série Estudo Esquematizado Direito Empresarial André Luis Santa Cruz Ramos 4ª para 5ª edição

Série Estudo Esquematizado Direito Empresarial André Luis Santa Cruz Ramos 4ª para 5ª edição p. 82. Substituir o terceiro parágrafo pelo que segue: Assim como todos nós, pessoas físicas, possuímos um nome civil, o qual nos identifica nas relações jurídicas de que participamos cotidianamente, os

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DIR321 Direito Empresarial - Direto Societário

Programa Analítico de Disciplina DIR321 Direito Empresarial - Direto Societário 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Direito - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 3 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal 3 Períodos

Leia mais

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Dispõe sobre a criação de Acervos Técnicos de Pessoas

Leia mais

1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente:

1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente: DIREITO EMPRESARIAL 1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente: A) O juiz dissolve a sociedade, se acolher o pedido; B) Mesmo se acolhido o pedido,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ-SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em

Leia mais

DIREITOS DOS ACIONISTAS

DIREITOS DOS ACIONISTAS DO GRUPO DE ESTUDOS DE DIREITO EMPRESARIAL FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DIREITO SOCIETÁRIO APLICADO Mário Tavernard Martins de Carvalho Patrocinadores: 2 Direitos essenciais

Leia mais

Empresário Irregular:

Empresário Irregular: ... depois de estudarmos que o conceito de empresário encontra-se no artigo 966 do CC e que o conceito de empresa se extrai do conceito de empresário, vejamos agora a figura do empresário e da sociedade

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Situação: PARCIALMENTE CONVERGENTE 1. Introdução O IAS 31 Interests in Joint Ventures trata da contabilização das

Leia mais

Direito Empresarial

Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS O contrato social é o regulador das relações obrigacionais entre os sócios, alicerçada na Constituição Federal, nas leis e nos princípios gerais do Direito, sendo os

Leia mais

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016

Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: / POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS. Junho de 2016 Darby Administração de Investimentos Ltda. CNPJ/MF: 05.977.098/0001-55 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho de 2016 Esta Política de Gestão de Riscos ( Política ) é de propriedade exclusiva de Darby Administração

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo TABELA DE PREÇOS DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO JUCESP RATIFICADA, NOS TERMOS DO ARTIGO 4º DA DELIBERAÇÃO JUCESP N. 1/2015, PELO COLÉGIO DE VOGAIS DA JUCESP EM SESSÃO PLENÁRIA REALIZADA EM 22/12/2015.

Leia mais

(NÃO DISPENSA A LEITURA E ADOÇÃO DE REGRAS ESTABELECIDAS NO DECRETO-LEI Nº 229/2004, DE 10 DE DEZEMBRO) CONTRATO DE SOCIEDADE DE SOLICITADORES

(NÃO DISPENSA A LEITURA E ADOÇÃO DE REGRAS ESTABELECIDAS NO DECRETO-LEI Nº 229/2004, DE 10 DE DEZEMBRO) CONTRATO DE SOCIEDADE DE SOLICITADORES (NÃO DISPENSA A LEITURA E ADOÇÃO DE REGRAS ESTABELECIDAS NO DECRETO-LEI Nº 229/2004, DE 10 DE DEZEMBRO) CONTRATO DE SOCIEDADE DE SOLICITADORES OUTORGANTES: PRIMEIRO: F., natural da freguesia de concelho

Leia mais

Organograma do Direito de Empresa no Código Civil.

Organograma do Direito de Empresa no Código Civil. Organograma do Direito de Empresa no Código Civil www.mariacelesteadv.com.br CÓDIGO CIVIL (LEI 10.406/02) DO DIREITO DE EMPRESA Livro II, arts 966 a 1.195 SOCIEDADE - arts. 981 segs. EMPRESÁRIO - arts.966

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / Av. Cel. Martiniano, 993 Centro COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / Av. Cel. Martiniano, 993 Centro COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO EDITAL DE INSCRIÇÃO E/OU RENOVAÇÃO A na forma do art. 34, 1 da Lei n 8.666/93, torna público que para fornecimento de materiais e prestações de serviços ao Município de Caicó / RN, os interessados deverão

Leia mais

PROC-IBR-GER 010/2016 Análise do Reajustamento

PROC-IBR-GER 010/2016 Análise do Reajustamento INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-GER 010/2016 Análise do Reajustamento Primeira edição válida a partir de: / / www.ibraop.org.br

Leia mais

A associação tem como fim...

A associação tem como fim... ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação, sede e duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação, e tem a sede na, freguesia de, concelho de e constitui-se por. 2. A associação tem o número

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo ANEXO I A QUE SE REFERE À PORTARIA JUCESP Nº 49, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015. Republicado por não ter sido atualizado o valor correspondente ao arquivamento de debênture e demais informações complementares.

Leia mais

Manual de Normas Módulo de Distribuição de Ativos - MDA

Manual de Normas Módulo de Distribuição de Ativos - MDA Manual de Normas Versão: 06/10/2015 Documento Público MANUAL DE NORMAS DE MÓDULO DE DE DISTRIBUIÇÃO DE ATIVOS - MDA SUMÁRIO 06/10/2015 CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES 3 CAPÍTULO

Leia mais

DICAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE RECLAMAÇÃO AO MRP

DICAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE RECLAMAÇÃO AO MRP CABEÇALHO: Indicar a cidade e a data de assinatura do formulário. RECLAMANTE: Nome ou Razão Social do investidor RECLAMADA: Razão Social do Participante da BM&FBOVESPA que deu origem ao suposto prejuízo

Leia mais

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 2014 SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS. SOCIEDADES EM COMUM. SOCIEDADES SIMPLES. SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO. SOCIEDADES EMPRESARIAIS CLASSIFICAÇÕES DAS SOCIEDADES QUANTO

Leia mais

Considerações gerais sobre a EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Omar Augusto Leite Melo*

Considerações gerais sobre a EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Omar Augusto Leite Melo* Imprimir Enviar por E-mail Curtir 3 Compartilhe: Omar Augusto Leite Melo Advogado e Consultor Tributário. Pós Graduado em Direito Tributário pelo Centro de Extensão Universitária CEU de São Paulo. Professor.

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Denominação, sede, objecto e duração da sociedade ARTIGO 1º

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Denominação, sede, objecto e duração da sociedade ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração da sociedade ARTIGO 1º A sociedade anónima que, por força do Decreto-Lei nº 93/93, de 24 de Março, continua a personalidade jurídica da empresa

Leia mais

1. A sociedade tem por objecto:.

1. A sociedade tem por objecto:. CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima e a firma. 2. A sociedade tem o número de pessoa colectiva e o número de

Leia mais

RESOLUÇÃO N I - a atuação da entidade com derivativos de renda variável subordina-se aos limites referidos no art.25, inciso II, alínea 'd';

RESOLUÇÃO N I - a atuação da entidade com derivativos de renda variável subordina-se aos limites referidos no art.25, inciso II, alínea 'd'; RESOLUÇÃO N 3357 Documento normativo revogado pela Resolução 3456, de 01/06/2007. Altera o Regulamento anexo à Resolução 3.121, de 2003, que dispõe sobre as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos

Leia mais

REQUERIMENTO DE CADASTRO DE FORNECEDOR PESSOA JURÍDICA

REQUERIMENTO DE CADASTRO DE FORNECEDOR PESSOA JURÍDICA REQUERIMENTO DE CADASTRO DE FORNECEDOR PESSOA JURÍDICA Solicitamos o Cadastro de Fornecedores da UniRV - Universidade de Rio Verde, nos termos da Lei nº 8666/93 Art. 27,28 e 29 atualizada, conforme informações

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA SISTEMÁTICA TRIBUTÁRIA COOPERATIVA

FUNDAMENTOS DE UMA SISTEMÁTICA TRIBUTÁRIA COOPERATIVA FUNDAMENTOS DE UMA SISTEMÁTICA TRIBUTÁRIA COOPERATIVA Marco Túlio de Rose I. EXPOSIÇÃO INICIAL II. PERSONALIDADE E PATRIMONIALIDADE III. PROBLEMÁTICA PATRIMONIALIDADE IV. SISTEMÁTICA TRIBUTÁRIA DECORRENTE

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Direito Empresarial I Código: DIR-461 Pré-requisito: - CH Total: 60 h Período Letivo: 2016.1 Turma:

Leia mais

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve:

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve: Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 02.09.2016 1. Objetivo: Este procedimento visa regular as atividades dos Agentes Autônomos de Investimento no ambiente da Guide Investimentos

Leia mais

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas Endesa Brasil ÍNDICE 3 3 3 3 4 6 6 1. Objeto 2. Alcance 3. Aplicação 4. Conceitos 5. Conteúdo 6. Responsabilidades

Leia mais

REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE - FILANTRÓPICA. Pedro Pereira Atuário MIBA nº. 850

REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE - FILANTRÓPICA. Pedro Pereira Atuário MIBA nº. 850 REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE - FILANTRÓPICA Pedro Pereira Atuário MIBA nº. 850 Base legal: RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações, dispõe sobre os procedimentos para solicitação de autorização

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 566, DE 31 DE JULHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 566, DE 31 DE JULHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 566, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre a oferta pública de distribuição de nota promissória. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

Resumão sobre Cooperativismo

Resumão sobre Cooperativismo Resumão sobre Cooperativismo Apresentação Com o intuito de facilitar a compreensão em relação às cooperativas, eu tive a ideia de fazer este resumão. A iniciativa visa, primordialmente, esclarecer e tirar

Leia mais

Criação de serviços municipais

Criação de serviços municipais Desafios do Saneamento: Criação de serviços municipais 1.1 Titularidade municipal Constituição Federal estabelece titularidade dos municípios para serviço de saneamento básico CF/88: Art. 30. Compete aos

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Novembro 2015 1. Introdução Este manual de gerenciamento de risco de liquidez foi criado pela equipe da Spectra Investimentos e visa atender os requerimentos

Leia mais

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público Diana Pinto e Pinheiro da Silva 1. Execução de Serviço Público Execução de serviço público Dificuldade de definição [...] o conceito de serviço público

Leia mais

Edinando Luiz Brustolin Assessor Jurídico da FECAM

Edinando Luiz Brustolin Assessor Jurídico da FECAM Edinando Luiz Brustolin Assessor Jurídico da FECAM Natureza jurídica do MEI Microempreendedor Individual é a pessoa natural que exerce atividade econômica de maneira profissional e habitual, individual

Leia mais

IMPACTO DAS RESOLUÇÕES NORMATIVAS 195, 200 e 204 EDITADAS PELA ANS

IMPACTO DAS RESOLUÇÕES NORMATIVAS 195, 200 e 204 EDITADAS PELA ANS IMPACTO DAS RESOLUÇÕES NORMATIVAS 195, 200 e 204 EDITADAS PELA ANS RN 195 Vigência: 03.11.2009 (alterada pelas RNs 200 e 204); Objetivos: a) classificar e disciplinar as características dos planos privados

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo regime instituído pelo Decreto-Lei nº 234/2007, de 19 de Junho Uso exclusivo da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código:091 Município: São Carlos/SP Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Cargo de confiança 1) A determinação do empregador para que

Leia mais

TERMO DE CONCESSÃO E ACEITAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO A PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E/OU TECNOLÓGICA

TERMO DE CONCESSÃO E ACEITAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO A PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E/OU TECNOLÓGICA 1 / 7 TERMO DE CONCESSÃO E ACEITAÇÃO DE APOIO FINANCEIRO A PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E/OU TECNOLÓGICA CONCEDENTE: NOME: CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NATUREZA JURÍDICA:

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 117, DE 2005 I - RELATÓRIO. Altera a Lei n 5.764/71, no tocante às cooperativas de crédito.

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 117, DE 2005 I - RELATÓRIO. Altera a Lei n 5.764/71, no tocante às cooperativas de crédito. COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO N o 117, DE 2005 Altera a Lei n 5.764/71, no tocante às cooperativas de crédito. Autor: Conselho de Defesa Social de Estrela do Sul - Condesesul Relator: Deputado

Leia mais

VIA RÁPIDA EMPRESA - VRE. Luciana Moniz Coordenadora do Escritório Regional da Junta Comercial do Sindilojas-SP

VIA RÁPIDA EMPRESA - VRE. Luciana Moniz Coordenadora do Escritório Regional da Junta Comercial do Sindilojas-SP VIA RÁPIDA EMPRESA - VRE Luciana Moniz Coordenadora do Escritório Regional da Junta Comercial do Sindilojas-SP Processos Abertura de Empresas Alterações Baixas Processos Instantâneos Busca de Nome Ficha

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 FORMALIDADES DA ESCRITURAÇÃO

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.154, de 12/5/ DOU 1 de 13/5/2011

Instrução Normativa RFB nº 1.154, de 12/5/ DOU 1 de 13/5/2011 Instrução Normativa RFB nº 1.154, de 12/5/2011 - DOU 1 de 13/5/2011 Dispõe sobre a dedutibilidade dos juros pagos ou creditados por fonte situada no Brasil à pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada

Leia mais

Um verdadeiro líder, deve dar elementos para que cada um na equipe encontre sua própria motivação. Eugênio Mussak

Um verdadeiro líder, deve dar elementos para que cada um na equipe encontre sua própria motivação. Eugênio Mussak Um verdadeiro líder, deve dar elementos para que cada um na equipe encontre sua própria motivação. Eugênio Mussak Prof. Flávio Barbosa flavio062004@hotmail.com http://fbdesenvolvimento.eti.br 1.3 DADOS

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 02. Contrato de Construção do Setor Imobiliário

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 02. Contrato de Construção do Setor Imobiliário COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 02 Contrato de Construção do Setor Imobiliário Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 15 Índice REFERÊNCIAS Item HISTÓRICO

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2012 MFZ /06/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2012 MFZ /06/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima Rua Visconde de Inhaúma, 134 Gr 1005 CEP 20094-900 - Centro - Rio de Janeiro RJ Brasil Tel.: (55 21) 3232-5600 Fax.: (55 21) 3232-5619 E-mail: syndarma@syndarma.org.br

Leia mais

REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE

REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as regras de constituição

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO EMENTA DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO DISCIPLINA: Teoria Geral do Direito do Trabalho CARGA-HORÁRIA: 10 horas EMENTA: Estudo sobre a introdução ao direito do trabalho, analisando

Leia mais

Certificado Digital - Pessoa Jurídica. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A ou CNPJ A3)

Certificado Digital - Pessoa Jurídica. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A ou CNPJ A3) Certificado Digital - Pessoa Jurídica DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A ou CNPJ A3) Além dos documentos da Pessoa Jurídica, são necessários, também, dois documentos de identificação do

Leia mais

PONTO 1: Sociedade Limitada PONTO 2: PONTO 3: PONTO 4: 1. SOCIEDADE LIMITADA 1.1 TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA

PONTO 1: Sociedade Limitada PONTO 2: PONTO 3: PONTO 4: 1. SOCIEDADE LIMITADA 1.1 TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA 1 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Sociedade Limitada PONTO 2: PONTO 3: PONTO 4: Art. 1.052 do CC e ss. 1. SOCIEDADE LIMITADA 1.1 TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA Prevista

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N. 2617/2015. (Do Relator) (Apensado o PL 2926/2015)

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N. 2617/2015. (Do Relator) (Apensado o PL 2926/2015) COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N. 2617/2015 (Do Relator) (Apensado o PL 2926/2015) Altera a Lei nº 13.254, de 13 de janeiro de 2016, que dispõe

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/ SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA ACORDO DE COOPERAÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/ SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA ACORDO DE COOPERAÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2016 - SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA ACORDO DE COOPERAÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS E RECOMENDAÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DE UM PORTFÓLIO DE SERVIÇOS ( SMART CAMPUS ) PARA

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 248, quarta-feira, 26 de dezembro de 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 123, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 248, quarta-feira, 26 de dezembro de 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 123, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 248, quarta-feira, 26 de dezembro de 2012 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I LEI Nº 2.493 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Lei Municipal relativa ao Empreendedor Individual e dá outras providências A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Relação de Documentos para Dar Baixa no CNPJ

Relação de Documentos para Dar Baixa no CNPJ Relação de Documentos para Dar Baixa no CNPJ 1. Baixa da Inscrição da Entidade (Matriz) Natureza Jurídica (NJ) Data do Evento Ato Extintivo (regra geral) Órgão Público NJs 101-5, 102-3, 103-1, 104-0, 105-8,

Leia mais

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 1. Sociedades Seguradoras Nacionais, Sociedades de Capitalização e Sociedades de Previdência Privada Aberta com fins lucrativos. 1.1- ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA - AGE

Leia mais