Conseguir cobertura total para o saneamento e a higiene dentro de uma geração lições do leste asiático

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conseguir cobertura total para o saneamento e a higiene dentro de uma geração lições do leste asiático"

Transcrição

1 Conseguir cobertura total para o saneamento e a higiene dentro de uma geração lições do leste asiático Fotografia: Casas no Cheong-Gae nos anos sessenta (esquerda), e o rio em 2014 (direita), Seoul, Coreia do Sul. Fotografias de Seoul: Museu de História de Seoul (esquerda) istock/tanjala Gica (direita) Este documento para discussão define alguns dos resultados preliminares da investigação em progresso nos estados do leste asiático sobre a economia política relativa aos serviços de saneamento e de higiene que conseguiram cobertura total dentro de uma geração. Estas conclusões iniciais generalizadas não se destinam a reivindicar que há esquemas para o êxito, mas sim contribuir para o diálogo emergente nos sectores do saneamento e da higiene sobre como se podem realizar as mudanças necessárias, por etapas, para concretizar o acesso universal aos serviços até Elaborado por: Henry Northover, Shin Kue Ryu, Timothy Brewer Investigador Principal Shin Kue Ryu WaterAid outono

2 Há uma forte possibilidade de que a estrutura pós-2015 da ONU, Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, venha a incluir a meta do acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030 como parte de uma ordem do dia mais ampla para a erradicação da pobreza. Saneamento 1 para todos será particularmente difícil de conseguir. A nível global, o saneamento é considerado o Objectivo de Desenvolvimento do Milénio mais distante da meta desejada. Para a maioria dos países da África ao Sul do Saara e do Sul da Ásia, o progresso tem sido particularmente lento para concretizar, ampliar e manter os serviços. Para alcançar a meta do acesso universal até 2030, é essencial melhorar o desempenho do sector de saneamento 2, o que irá exigir novas abordagens estratégicas. No entanto, há falta de estratégias exaustivas que possam ser usadas como guia para alterar decisivamente a eficácia da agenda das reformas. Este documento introduz alguns dos resultados preliminares da investigação em progresso em quatro países do leste asiático Singapura, Coreia do Sul, Malásia e Tailândia 3 cujo objectivo é preencher essa lacuna. Estes países foram seleccionados porque produziram resultados rápidos e notáveis para conseguir cobertura total de saneamento nas fases formativas de estados nação. Apesar das condições iniciais destes países terem sido muito diferentes das que se encontram actualmente nos países "frágeis" e "menos desenvolvidos" em África e no Sul da Ásia, podem utilizar-se algumas conclusões úteis que contribuam informação para as discussões sobre as abordagens estratégicas de desenvolvimento para concretizar saneamento para todos: A liderança política de alto nível, que não teve origem na procura liderada pela comunidade, foi fundamental Os objectivos de higiene, limpeza e saúde pública produziram melhorarias no saneamento Uma abordagem bem coordenada de diversos sectores foi uma condição necessária para que o saneamento melhorasse rapidamente Houve optimização de capacidades juntamente com melhorias no saneamento A visão da cobertura total de saneamento surgiu antes de se conseguirem níveis de riqueza nacional Alcançar um limite de PIB per capita não foi decisivo para a decisão estratégica de definir o rumo para se concretizar a cobertura total de saneamento. A monitorização foi contínua e melhoraram-se os padrões à medida que se concretizavam os objectivos 1 "Saneamento" aqui representa a separação, eliminação e tratamento seguros das excreções humanas. 2 "Sector" aqui é aceite como representando as actividades e agências (incluindo ministérios do governo, agências do sector público, sector privado e grupos da sociedade civil) necessárias para planear, implementar e monitorizar a provisão contínua dos serviços. 3 Estudo de caso sobre a malária, pendente. Resumo de relatório completo a ser publicado em Dezembro de

3 A liderança política de alto nível, que não teve origem na procura liderada pela comunidade, foi fundamental Em cada um dos países estudados, as melhorias no saneamento e na higiene foram o resultado de um impulso político a alto nível, desde o chefe do governo para baixo, para melhorar os padrões nacionais de saúde pública, limpeza e práticas de higiene, que pode ter sido motivado pela competição intra-regional, o desenvolvimento de um contrato social para os estados recentemente independentes, o desejo de uma base económica reforçada e diversificada, ou a construção de uma identidade nacional com base na procura de "bens comuns". Mas em cada caso, procurou-se alcançar a meta da cobertura total de saneamento como parte de uma narrativa mais ampla relacionada com noções de bem-estar comum, modernidade e criação de nações. Para além de proporcionarem um forte estímulo político, os líderes nacionais também se responsabilizaram pela supervisão e pelas contribuições para as estratégias de implementação necessárias para concretizar serviços permanentes de saneamento. A supervisão pessoal por parte do chefe do governo foi próxima, de perfil elevado, e pessoal. Não se fez uma declaração num único documento, mas em vez disso levou-se a cabo um processo de promoção, de seguimento do progresso, legislação e, por vezes, medidas punitivas autoritárias, levando a mudanças nas normas sociais e culturais. Em Singapura, o projecto de criação da nação pós-independência nos anos sessenta centrou-se numa decisão estratégica para criar uma economia orientada para entreport 4, integrada num sistema de comércio global. A campanha de perfil elevado e a longo prazo, Keep Singapore Clean (Mantenha Singapura Limpa), foi criada com base em noções de modernidade que eram necessárias para atrair o investimento externo. Mas a campanha também é um meio de procurar o bem público comum para criar coesão social. As bases ideológicas para as mudanças de comportamento em relação à higiene eram uma mistura de ideias de responsabilidade cívica e de normas sociais associadas com as economias e as sociedades modernas. Na Coreia do Sul, o esforço feito nos anos sessenta para criar a nação foi articulado em termos de um contrato social oferecendo-se para criar uma sociedade com base no princípio de "viver bem". A acção do Presidente Park Cheung Hee sobre o saneamento e a higiene incluiu a emissão de decretos presidenciais periódicos exigindo a implementação acelerada de legislação e de reformas institucionais. Em visitas frequentes aos locais dos projectos, ambos os líderes faziam referência a observações locais específicas e usavam-nas para punir a falta de progresso. Ambos indicavam áreas de progresso mas também não tinham reservas em criticar as falhas. 4 Um posto de comércio onde a mercadoria pode ser importada e exportada sem se pagarem taxas de importação, frequentemente com lucro. 3

4 "O meu objectivo é planear, analisar, conceber, tão bom como qualquer no mundo. Mas, finalmente, tem de se ir lá, alguém tem de colocar o parafuso, apertar a porca, e tem de se ver que o fazem, o impulso que se lhe dá, é isso que define o ritmo." Líder do PAP e mais tarde Primeiro-Ministro Lee Kuan Yew, conversando com funcionários públicos e técnicos no Centro Político, 14 de Junho de Ambos os líderes também se concentraram em repetir as orientações de valores que achavam que eram a base da política de saneamento e higiene, ligando-as à narrativa mais grandiosa relacionada com a criação da nação e o desenvolvimento socioeconómico. Para ambos os países, o progresso do saneamento foi intercalado com momentos de crise que deram impulso às acções; choques negativos causados por incêndios em alojamentos de pouca qualidade, surtos de doenças, e agitação pública, tiveram um efeito significativo em acelerar o progresso, apesar da estratégia geral parecer ter sido principalmente motivada pela meta positiva de criação da nação. Os objectivos de higiene, limpeza e saúde pública produziram melhorias no saneamento Em todos os países estudados, as melhorias no saneamento ocorreram como parte de programas mais vastos de saúde pública, alojamento e higiene, em vez de se procurar consegui-lo através de uma meta separada. Como tal, desenvolveram-se infra-estruturas de saneamento lideradas pelo governo, e subsidiadas pelo público, em paralelo às alterações nas políticas de saúde pública e higiene. Na Coreia do Sul, o governo lançou um Programa de Erradicação de Parasitas. A provisão de uma infra-estrutura de saneamento nos projectos de alojamento de rendimentos baixos foi parte fundamental deste programa. Em Singapura, o lançamento da campanha de 1967 Keep Singapore Clean (Mantenha Singapura Limpa) seguiu-se rapidamente da introdução da Legislação da Saúde Pública, que foi a primeira de diversas medidas legais projectadas para regulamentar e mudar os comportamentos relativos à saúde pública. Essa motivação para mudar o comportamento foi apoiada por sanções punitivas. "Não tem nada que ver com se uma pessoa é rica ou se é pobre. É apenas um hábito social - uma sensação de responsabilidade que se estimula, se inculca, persuadindo e educando e, o que é mais necessário, disciplinando e punindo quem se recusar a adaptar-se ao que são padrões sociais desejáveis." O Primeiro-Ministro Lee Kuan Yew, falando sobre a campanha de 1967, Keep Singapore Clean 4

5 Uma abordagem bem coordenada de diversos sectores foi uma condição necessária para que o saneamento melhorasse rapidamente A criação de uma infra-estrutura de saneamento nova dentro de programas de desenvolvimento tal como alojamento a favor das pessoas pobres, renovamento urbano, e iniciativas de ensino primário e de saúde pública, assim como em esquemas de desenvolvimento rural mais amplos exigiu que a política pública e a coordenação institucional fossem sincronizadas. Em Singapura, a extensão generalizada do acesso ao saneamento nos agregados familiares ocorreu através de um enorme programa de alojamento de baixos rendimentos subsidiado pelo governo. A disponibilidade rápida e generalizada de alojamento público económico teve como resultado que um enorme número de pessoas se transferissem dos kampong informais, ou alojamento inadequado dos bairros degradados, onde a defecação ao ar livre era comum, para apartamentos com acesso a saneamento seguro privado. Na Coreia do Sul, o Presidente Park criou Planos de Desenvolvimento de cinco anos que enquadravam provisões tais como o saneamento como parte de um estímulo a nível nacional para melhorar as vidas dos cidadãos. Foi seguido de activismo presidencial que incluiu visitas frequentes aos locais dos projectos para monitorizar o progresso, tal como o Movimento das Aldeias Novas que incorporou a construção de infra-estruturas de saneamento nas zonas rurais. Um Programa de Erradicação de Parasitas com base nas escolas integrou eficazmente a monitorização da saúde pública e as mudanças de comportamento nos currículos de ensino nacional com o fim de erradicar infecções causadas por endoparasitas como um indicador de medição claro. Em ambos os países, a política de saneamento esteve frequentemente ancorada no âmbito de um único ministério, mas as cadeias de implementação passavam por diversas agências e ministérios. Para o coordenar havia supervisão ministerial das funções e responsabilidades. Na Coreia, delineou-se uma orientação detalhada sobre as funções específicas das instituições e dos funcionários públicos em diversos Decretos Presidenciais sucessivos. Em Singapura, o saneamento foi abrangido no âmbito do Ministério do Ambiente, com uma divisão estruturada em redor de funções funcionais capazes de prover tanto o hardware necessário, como os componentes das mudanças de comportamento. Os oficiais encarregados de promover as mudanças de comportamento encontravam-se na Divisão de Saúde Pública Ambiental, enquanto a Divisão de Engenharia Ambiental tinha responsabilidade pelos programas de hardware e as infra-estruturas. A figura que se segue demonstra como as duas funções - mudanças de comportamento e infra-estruturas - se encontravam no âmbito de um único ministério. É importante notar que o objectivo das mudanças de comportamento, destacado em amarelo, teve a mesma proeminência, e foi colocado em estruturas paralelas aos objectivos de provisão de hardware, destacados em azul. Também demonstra que a melhoria de capacidades (secção da Formação, Educação e Comunicações) foi destacada como uma prioridade separada. 5

6 Figura 1: Estrutura organizacional original do Ministério do Ambiente de Singapura Ministro Ministro de Estado Secretário Permanente Secretário Parlamentar Administração Geral (Vice-Secretário) Divisão de Engenharia Ambiental Divisão de Saúde Pública Ambiental Unidade de Planeamento Secção de Formação, Educação e Comunicações Departamento de Esgotos Secção de Quarentena e Epidemiologia Dept de Saúde Pública e Ambiental Secção de Vendedores Ambulantes Secção de Serviços de Engenharia Distritos de Saúde Secção de Escoamento Secção de Controlo de Vectores e Investigação Secção dos Alimentos Serviços Gerais Cemitérios e Crematórios Fonte: Ministério do Ambiente (1972) Relatório Anual. Singapura: Ministério do Ambiente 6

7 Houve optimização de capacidades juntamente com melhorias no saneamento O estabelecimento de estruturas apropriadas para realizar os mandados institucionais teve a vantagem de permitir que a forma administrativa seguisse a função da implementação, mas foi necessário lidar com o desafio da optimização de capacidades internas a nível mais generalizado. As atribuições de orçamento e os mandados eram, por si próprios, insuficientes. Os governos de cada país ofereceram incentivos para melhorar o desempenho, consolidados com uma motivação contínua de alto nível para criar sociedades coesivas. Mas também houve estratégias para um processo mais amplo de optimização de capacidades rápida e contínua a nível interno. Os funcionários foram mandados para o estrangeiro para seguirem formação, e foram inscritos em programas de formação e de certificação no país. E, crucialmente, o plano, a implementação e a monitorização das melhorias no saneamento não esperaram pela optimização das capacidades. O crescimento das capacidades do sector ocorreu juntamente com os esforços para se fazer progresso relativamente à cobertura de saneamento. A Coreia do Sul e Singapura desenvolveram capacidades como parte de uma agenda para reforçar o sector. Por vezes importando assistência técnica de agências de apoio externas, criaram as próprias capacidades institucionais e técnicas como parte das fases iniciais de implementação das estratégias nacionais. A visão e a estratégia para a cobertura total de saneamento surgiram antes de se conseguirem níveis de riqueza nacional Alcançar um limiar de rendimentos nacionais per capita parece não ter sido um factor essencial para a decisão de desenvolver um sector de saneamento nacional capaz de levar os serviços permanentes a todos os cidadãos. Nos anos sessenta, os níveis de rendimentos per capita nos estados do leste asiático estudados eram, no início das fases do planeamento do sector de saneamento nacional, equivalentes a muitos países da África ao Sul do Saara, o que é significativo porque sugere que a estratégia e a visão gerais vieram primeiro, e os investimentos para o sector, de diversas fontes, procuraram-se depois. A composição das finanças para proporcionar infra-estruturas de saneamento para as comunidades mais pobres consistiu em grande parte de fontes oficiais de finanças, principalmente das receitas do governo mas também de subsídios e empréstimos bilaterais e multilaterais, e tarifas de utentes ou rendas do alojamento público. Apesar de não ser o foco de atenção deste estudo, seria interessante analisar se a proliferação actual de fundos verticais, e a preferência cada vez maior de muitos doadores bilaterais por canalizar a Assistência Oficial ao Desenvolvimento através de atribuições com base nos resultados e no desempenho, fariam com que as estratégias financeiras dos estados em desenvolvimento do leste da Ásia fossem possíveis hoje em dia. 7

8 Tabela 1: Trajectórias diferentes para a cobertura nacional de saneamento melhorado País PIB per capita em 1960 (in USD) Taxa nacional de cobertura de saneamento melhorado em 2000 Coreia do Sul $ % Gana $183 10% Libéria $170 12% Senegal $249 43% Zâmbia $227 41% Zimbabwe $280 40% Fonte: Banco Mundial e UNICEF/OMS A monitorização foi contínua e melhoraram-se os padrões à medida que se concretizavam os objectivos As complexidades para coordenar diversos departamentos e políticas exigiram um processo contínuo e cíclico de monitorização e análise, que permitiu que os governos nacionais identificassem as fraquezas no desempenho e na implementação, e respondessem aos obstáculos com melhorias e reformas correctivas. Nos países estudados, a característica distintiva mesmo de algumas das políticas de saneamento nacionais mais centralizadas, foi um processo de monitorização contínua dos programas a nível local, desde o design, à cadeia de entrega, à implementação a nível de projecto, com reformas e melhorias de acompanhamento contínuas. Os Planos de Desenvolvimento de Cinco Anos da Coreia do Sul não eram grandes planos de base estáticos. Fizeram-se continuamente revisões e melhorias, por vezes com alterações anuais feitas através de decretos Presidenciais e Ministeriais, cada um definindo novas condições ou ajustes favoráveis. Em todos os países estudados a dinâmica pode ser caracterizada como um processo cíclico: uma motivação política de alto nível que define a extensão da cobertura de saneamento no âmbito de iniciativas de desenvolvimento, tais como proporcionar saúde pública e alojamento económico, apoiado por uma narrativa política empolgante relacionada com a criação de sociedades coesivas, de uma identidade nacional comum com normas e padrões criados com base em noções de responsabilidades partilhadas e colectivas. Os líderes nacionais e os oficiais das hierarquias superiores defendiam continuamente as vantagens proporcionadas por uma melhor cobertura de saneamento e pelo progresso - indo atrás do planeamento e das políticas até à cadeia de implementação para produzir um desempenho melhor. Por sua vez, os resultados da monitorização e a identificação dos obstáculos fundamentais contribuíram feedback para o processo de reforma e de melhoria, para produzir um desempenho melhor e resultados permanentes. Usar e responder à informação sobre a monitorização dos resultados pode ser o ingrediente essencial de um sector que continua a fazer progresso sólido e rápido. 8

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008)

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD (Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África) é um colóquio político para o Desenvolvimento de África, que o Japão iniciou em 1993 e conduziu

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Uma visão para WASH pós-2015

Uma visão para WASH pós-2015 Uma visão para WASH pós-2015 A visão da WaterAid para pós-2015 é uma estrutura de desenvolvimento nova e ambiciosa que unifica a erradicação da pobreza e os objectivos sustentáveis de desenvolvimento,

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

GRUPO DE AVALIAÇÃO INDEPENDENTE DOCUMENTO SOBRE A ABORDAGEM ANGOLA: AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA AO PAÍS

GRUPO DE AVALIAÇÃO INDEPENDENTE DOCUMENTO SOBRE A ABORDAGEM ANGOLA: AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA AO PAÍS GRUPO DE AVALIAÇÃO INDEPENDENTE DOCUMENTO SOBRE A ABORDAGEM ANGOLA: AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA AO PAÍS Antecedentes do País 1. Angola fica situada no sudoeste de África e tem uma área de 1,25 milhões de

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

Encaminhado em 2013 para reduzir a incidência de malária em >75% até 2015 (vs. 2000)

Encaminhado em 2013 para reduzir a incidência de malária em >75% até 2015 (vs. 2000) P TRIMESTRE Introdução RELATÓRIO DE RESUMO DA ALMA: 2P o DE 205 No mês de Julho de 205, a Etiópia e a Comissão Económica das Nações Unidas para África vão ser os anfitriões da 3ª Conferência Internacional

Leia mais

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Como podem as estatísticas nacionais contribuir aos avanços direccionados a satisfação das necessidades

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia A Igualdade dos Géneros como Boa Economia Um Plano de Acção do Grupo Banco Mundial Banco Mundial o acesso à terra, ao trabalho, aos mercados financeiros e de produtos é crucial para se aumentar o rendimento

Leia mais

O seu Guia Rápido da Abordagem Harmonizada de Transferência de Dinheiro aos Parceiros de implementação

O seu Guia Rápido da Abordagem Harmonizada de Transferência de Dinheiro aos Parceiros de implementação Bureau des Fonds et Programmes des Nations Unies au Cap Vert O seu Guia Rápido da Abordagem Harmonizada de Transferência de Dinheiro aos Parceiros de implementação O que é a Abordagem Harmonizada de Transferência

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Ricos em Recursos Naturais

Ricos em Recursos Naturais Acção de formação Gestão Crescimento Macroeconómica Económico e os Recursos em Naturais Países Ricos em Recursos Naturais Abril de 2015 Maio 2015 Sumário executivo A Presente palestra visa apresentar de

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS DA ENERGIA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS DA ENERGIA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS DA ENERGIA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO Preâmbulo Nós, os Ministros Africanos responsáveis pela Energia, reunidos em Joanesburgo, África do Sul nos dias 15 e 16 de Setembro

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 Panorama Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento O Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 demonstrará porque

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 26.2.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre "Cumprir os ODM: respostas inovadoras aos desafios sociais e económicos" Co-relatores:

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Espaço Fiscal e a Extensão da Protecção Social: Lições de Países em Desenvolvimento

Espaço Fiscal e a Extensão da Protecção Social: Lições de Países em Desenvolvimento Espaço Fiscal e a Extensão da Protecção Social: Lições de Países em Desenvolvimento Nuno Cunha, Coordenador dos Programas de Protecção Social da OIT em Moçambique 20 de Junho 2012 Centro de Conferências

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PROFESSOR(A)/ AGENTE DE COOPERAÇÃO PORTUGUÊS/ FRANCÊS

TERMOS DE REFERÊNCIA PROFESSOR(A)/ AGENTE DE COOPERAÇÃO PORTUGUÊS/ FRANCÊS TERMOS DE REFERÊNCIA PROFESSOR(A)/ AGENTE DE COOPERAÇÃO PORTUGUÊS/ FRANCÊS 1. INFORMAÇÕES DE BASE... 2 1.1. País beneficiário... 2 1.2. Entidade Adjudicante... 2 1.3. Informações úteis sobre o país...

Leia mais

O Ano Internacional do Saneamento 2008. Panorâmica

O Ano Internacional do Saneamento 2008. Panorâmica O Ano Internacional do Saneamento 2008 Panorâmica Um instantâneo da actual situação: 2,6 mil milhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a saneamento melhorado. 2 mil milhões vivem em zonas rurais.

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

RELATÓRIO DA PRESIDENTE DA CUA SOBRE ACTIVIDADES RELACIONADAS COM A SAÚDE

RELATÓRIO DA PRESIDENTE DA CUA SOBRE ACTIVIDADES RELACIONADAS COM A SAÚDE SA9430 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P.O. Box 3243 Telephone: 5517 700 Fax: 5517844 www.africa-union.org CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA SAÚDE (CAMH6) Sexta Sessão

Leia mais

Texto preparado. Previsões sobre o crescimento mundial

Texto preparado. Previsões sobre o crescimento mundial Novas Oportunidades e Novos Riscos: As Perspectivas para a África Subsariana e Moçambique David Lipton, Primeiro Subdirector-Geral do FMI Fundo Monetário Internacional Universidade Politécnica, Maputo

Leia mais

OFFICE OF THE SPECIAL ENVOY OF THE SECRETARY-GENERAL FOR THE GREAT LAKES REGION

OFFICE OF THE SPECIAL ENVOY OF THE SECRETARY-GENERAL FOR THE GREAT LAKES REGION OFFICE OF THE SPECIAL ENVOY OF THE SECRETARY-GENERAL FOR THE GREAT LAKES REGION Comunicado da Conferência de Consulta Regional sobre as Oportunidades de Investimento no Sector Privado da Região dos Grandes

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

www.sodepacangola.com

www.sodepacangola.com EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA Título do projecto: PROJECTO KUKULA KU MOXI, NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DAS CADEIAS DE DISTRIBUIÇÃO PARA O AGRONEGÓCIO (ASDP) 1. Introdução

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

Saneamento e Água para Todos. Como esta parceria global se transformou num catalisador dinâmico das mudanças

Saneamento e Água para Todos. Como esta parceria global se transformou num catalisador dinâmico das mudanças Saneamento e Água para Todos Como esta parceria global se transformou num catalisador dinâmico das mudanças Imagens da capa da frente: Will Boase Photography; WaterAid/Dermot Tatlow/ Panos Pictures; WaterAid/Dieter

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane

Universidade Eduardo Mondlane Universidade Eduardo Mondlane - Pobreza Urbana Intercâmbio entre a Ciência e a Prática - 16 Abril de 2008 Governação Municipal Participativa e a Redução da Pobreza Fernando Vieira 1 2 Estrutura e Objectivo

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Nós, os delegados tripartidos de 47 Estados Africanos membros da Organização Internacional do Trabalho ao Segundo

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS DE REDE DE GESTÃO DE CONHECIMENTO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO - NO.VA/NPCA/15/17

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS DE REDE DE GESTÃO DE CONHECIMENTO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO - NO.VA/NPCA/15/17 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS DE REDE DE GESTÃO DE CONHECIMENTO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO - NO.VA/NPCA/15/17 A União Africana (UA), estabelecida como um órgão Pan-Africano continental e único,

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA Um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente de saúde em mudança constante. O programa de Liderança Para a Mudança teve o apoio

Leia mais

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Se tivermos em atenção os factos, comprovados pelos registos e estatísticas mais ou menos oficiais, de cariz económico,

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde

Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde Instrumento de Apreciação Conjunta: Os atributos de una Estratégia nacional solida Versão 2: Setembro de 2011 Informação complementar em:

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Relatório. O problema do saneamento: O que pode e deve fazer o sector da saúde?

Relatório. O problema do saneamento: O que pode e deve fazer o sector da saúde? O problema do saneamento: O que pode e deve fazer o sector da saúde? Resumo Resumo de recomendações: 1. As instituições globais de saúde deveriam reconhecer e dirigir-se ao impacto do saneamento sobre

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Nota de contexto para a Iniciativa de Cidadania Europeia: A Água e o Saneamento são um direito humano!

Nota de contexto para a Iniciativa de Cidadania Europeia: A Água e o Saneamento são um direito humano! Historial A Federação Sindical Europeia dos Serviços Públicos (FSESP) decidiu encetar, no seu Congresso de 2009, uma iniciativa para a obtenção de um milhão de assinaturas para que a água seja considerada

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

Novembro 2012 - Setembro 2013

Novembro 2012 - Setembro 2013 ON SANITATION AND WATER KIT DE FERRAMENTAS DA CAMPANHA Novembro 2012 - Setembro 2013 Mantenha as suas promessas é uma campanha internacional que apela aos decisores para cumprirem os compromissos que assumiram

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Sessão Pública 19.01.2011 Assembleia da República ABERTURA Senhor Presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segunda Conferência Internacional sobre a nutrição Roma, 19-21 de Novembro

Leia mais

INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA

INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA FUNDAMENTO A Directora-Geral da OMS estabeleceu em 2000 uma Comissão sobre a Macroeconomia e a Saúde (CMS), composta por economistas de

Leia mais

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas Protecção Social para um Crescimento Inclusivo Nuno Cunha Nações Unidas Contexto moçambicano O País tem experienciado um crescimento económico impressionante nos últimos 15 anos Importantes progressos

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Agricultura e o CAADP: Uma Nova Visão para a África Se quisermos fazer com que a

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Versão de 11 de Julho de 2013

Versão de 11 de Julho de 2013 Moçambique: Avaliação do Pessoal na Área de Saúde Materna e Neonatal Revisão Documental Sumário Executivo Com o apoio da H4+ High Burden Countries Initiative Preparado pelo: Secretariado e Grupo Técnico

Leia mais

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL República de Moçambique MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Maputo, 06 de Outubro de 2006 1 PORQUE INSISTIR NO MEIO RURAL? Representa mais de 95% do território

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 Introdução RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 O continente africano tem travado uma longa e árdua guerra contra a malária, em cada pessoa, cada aldeia, cada cidade e cada país. Neste milénio,

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais