Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António"

Transcrição

1 Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Exames Nacionais de Língua Portuguesa e Matemática 9º ANO As provas de exame de Língua Portuguesa e de Matemática incidem sobre as aprendizagens e competências do 3º Ciclo. Destinam-se a todos os alunos que pretendam concluir o 3º Ciclo. Tendo por base o Despacho nº3536/2009 de 28 de Janeiro, assim como o Despacho Normativo nº 10/2009, de 19 de Fevereiro, damos a conhecer alguns procedimentos relativos aos exames nacionais de 9º ano. Será efectuada uma avaliação sumativa externa, traduzida em exames nacionais, que irão incidir exclusivamente sobre as aprendizagens do 3º Ciclo., com um peso percentual de 30%. Não são admitidos às provas de exames nacionais, os alunos que, após a avaliação sumativa interna no final do 3º período, tenham obtido: classificação de frequência de nível 1 simultaneamente nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática; classificação de frequência inferior a três em três disciplinas, excepto se alguma delas for Língua Portuguesa e/ou Matemática e se nelas tiver obtido nível 2. A menção de Não Satisfaz na área curricular não disciplinar de Área de Projecto corresponde a classificação inferior a três numa disciplina. As provas de exame são constituídas por provas escritas, com a duração de 90 minutos cada uma. A elaboração das provas e os respectivos critérios de classificação são da competência do GAVE. São cotadas na escala percentual de 0 a 100, sendo a classificação final da prova expressa na escala de níveis de 1 a 5, de acordo com a seguinte tabela: Percentagem Nível Os exames nacionais realizam-se numa fase única, ( 1ª fase ) com duas chamadas. A 1ª Chamada é de carácter obrigatório. EXAME DE LÍNGUA PORTUGUESA DIA 19 DE JUNHO, ( 6ª FEIRA ), 9H EXAME DE MATEMÁTICA DIA 22 DE JUNHO, ( 2ª FEIRA ), 9H Os exames nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática terão tolerância de 30 minutos. Os alunos que começarem a usar a tolerância têm de cumprir os 30 minutos na íntegra. A 2ª Chamada destina-se apenas a situações excepcionais devidamente comprovadas. Só serão aceites atestados médicos e documentos comprovativos de impedimentos legais. EXAME DE LÍNGUA PORTUGUESA DIA 25 DE JUNHO, ( 5ª FEIRA ), 9H EXAME DE MATEMÁTICA DIA 26 DE JUNHO, ( 6ª FEIRA ), 9H A prova de exame de Língua Portuguesa Língua Não Materna será realizada nas seguintes datas: 1ª Chamada 2ª chamada 19 de Junho ( 6ª feira ) 13 de Julho ( 2ª feira )

2 A classificação final a atribuir a cada uma das disciplinas ( Língua Portuguesa e Matemática ) é calculada de acordo com a fórmula constante no 7.4 do Despacho Normativo nº10/2009: CF= 7Cf + 3Ce CF = Classificação Final 10 Cf = Classificação de frequência no final do 3º Período Ce = Classificação de exame As pautas de classificação das provas de exame são afixadas na escola no dia 13 de Julho de No final do 3º Ciclo, o(a) aluno(a) não progride e obtém a menção de Não Aprovado(a) se tiver obtido: classificação inferior a três simultaneamente nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática; classificação inferior a três em três disciplinas ou em duas disciplinas e a menção de Não Satisfaz na Área de Projecto. Exames de Equivalência à Frequência Estes exames realizam-se em duas fases, com uma única chamada. São elaborados a nível de escola, sob orientação e responsabilidade do Conselho Pedagógico, que define os respectivos critérios de elaboração e classificação das provas. As provas incidem sobre as aprendizagens e competências definidas para o final dos 2º e 3º ciclos. Os alunos do 3.º ciclo do ensino básico realizam os exames nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática como autopropostos, sendo submetidos a uma prova oral na disciplina de Língua Portuguesa. As provas são cotadas na escala percentual de 0 a 100, sendo a classificação final da prova expressa na escala de níveis de 1 a 5, de acordo com a seguinte tabela: Percentagem Nível A classificação das provas dos exames de equivalência à frequência é da responsabilidade dos professores que integram os grupos de docência. O Júri das provas destes exames é constituído por 3 elementos, devendo ser, pelos menos 2, sempre que possível, professores do grupo de docência da disciplina. A classificação das provas orais e práticas, tal como as escritas, é expressa na escala percentual de 0 a 100. Nas disciplinas com exame constituído por uma única prova, a classificação de exame será a obtida na prova realizada e é expressa na escala de 1 a 5. Nas provas constituídas por 2 provas, escrita e oral, a classificação de exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das 2 provas expressas percentualmente na escala de 1 a 5.

3 A afixação da matriz da prova é feita até o dia 15 de Maio ( 6ª feira ) de 2009, após aprovação do Conselho Pedagógico. Os critérios de classificação são sempre afixados após a realização de cada prova. O calendário da realização das provas de exame de equivalência à frequência deve ser divulgado até o dia 15 de Maio de Os exames nacionais de equivalência a frequência destinam-se aos alunos que se encontram nas seguintes situações:. Tenham iniciado o ano lectivo com 15 anos ou mais anos de idade e que anulem a matrícula após o dia 11 de Março, inscrevem-se nos 2 dias úteis a seguir à data da anulação da matrícula.. Tenham atingido a idade limite da escolaridade obrigatória ( 15 anos até 31 de Agosto ) sem aprovação na avaliação sumativa final nos 6º e 9.º ano de escolaridade e se candidatem aos exames na qualidade de autopropostos no mesmo ano lectivo. Inscrevem-se no dia útil imediatamente a seguir ao da afixação das pautas, para a fase de Junho Os alunos autopropostos do 6º ano realizam os exames em todas as disciplinas na 1ª fase dos exames. Os alunos do 9º ano realizam os exames de equivalência à frequência nas disciplinas em que não obtiveram aprovação. A inscrição na época de Setembro nos exames de equivalência à frequência dos alunos autopropostos dos 2º e 3º ciclos que, tendo realizado exames na fase de Junho, e não concluíram o respectivo ciclo de estudos, decorre de 16 a 20 de Julho, desde que a sua realização lhes permita a certificação de conclusão de ciclo. Data das Provas: Fase de Junho: - 19 de Junho a 6 de Julho ( 3º Ciclo ) 25 de Junho a 7 de Julho ( 2º Ciclo ) ( Nos exames de Língua Portuguesa e de Matemática, os alunos autopropostos podem, em situações excepcionais, realizar exame na 2ª chamada, nas condições previstas para os alunos internos ). Fase de Setembro: - 1 a 7 de Setembro Destinada aos alunos autopropostos dos 2º e 3º ciclos que, tendo realizado exames na 1ª fase, não concluíram o respectivo ciclo de estudos, e desde que a sua realização lhes permita a certificação de conclusão de ciclo. Os alunos de 6º e 9º anos inscrevem-se e realizam na 2ª fase os exames das disciplinas em que não obtiveram aprovação na 1ª fase, desde que a sua realização lhes permita condições de aprovação no final de ciclo. Condições de Aprovação: Consideram-se aprovados, nos 2º e 3º ciclos, os alunos que não se encontrem numa das seguintes situações: a) Tenham obtido classificação inferior a 3, em simultâneo, nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática; b) Tenham obtido classificação inferior a 3 em três disciplinas, ou em duas e a menção de Não Satisfaz na Área de Projecto.

4 Provas a realizar: 2º Ciclo do Ensino Básico Língua Portuguesa Língua Estrangeira DISCIPLINAS TIPO DE PROVA DURAÇÃO (em minutos) História e Geografia de Portugal Matemática Ciências da Natureza Educação Visual e Tecnológica Prática de tolerância Educação Musical a) As provas orais não deverão ultrapassar a duração máxima de quinze minutos. DISCIPLINAS Língua Portuguesa 3º Ciclo do Ensino Básico TIPO DE PROVA DURAÇÃO (em minutos) Português Língua Não Materna Língua Estrangeira I Língua Estrangeira II História Geografia Matemática Ciências Naturais Físico-Química Educação Visual Educação Tecnológica Introdução às tecnologias da Informação e da Comunicação Prática Prática de tolerância de tolerância Prática 90 Educação Física b) Prática ou (Teórica*) 45* Área Projecto (b) (c) 35 a 45 a) As provas orais não deverão ultrapassar os 15 minutos; b) Provas a realizar pelos alunos referidos na alínea f) do ponto 1.3 do Regulamento de Exames do Ensino Básico; Nos casos em que se verifique impossibilidade de realização da prova prática de Educação Física, por razões devidamente comprovadas de ordem médica, a mesma poderá ser substituída por uma prova escrita. c) Depois de afixada a matriz da prova, o aluno deverá desenvolver um projecto e respectivo relatório, consistindo a oral na defesa desse mesmo projecto.

5 As pautas referentes às classificações dos exames de equivalência à frequência das restantes disciplinas devem ser afixadas até o dia 14 de Julho de Os resultados dos processos de reapreciação das provas dos exames nacionais e dos de equivalência à frequência são afixados no dia 7 de Agosto de As pautas referentes às classificações dos exames de equivalência à frequência da época de Setembro têm de ser afixadas até ao dia 14 de Setembro de Os resultados dos processos de reapreciação das provas dos exames nacionais e dos de equivalência à frequência da época de Setembro são afixados no dia 6 de Outubro de º ANO FASE DE JUNHO 25 de Junho ( 5ª feira) Língua Portuguesa Escrita: : 11:00 26 de Junho ( 6ªfeira ) Língua Estrangeira I ( Inglês ) Escrita: : 11:00 29 de Junho ( 2ªfeira ) História e Geografia de Portugal 30 de Junho ( 3ªfeira ) Matemática 2 de Julho ( 5ªfeira ) Ciências da Natureza 3 de Julho ( 6ªfeira ) Educação Visual e Tecnológica 6 de Julho ( 2ªfeira ) Educação Musical FASE DE SETEMBRO 1 de Setembro ( 3ª feira ) Língua Portuguesa Educação Musical Escrita: : 11:00 2 de Setembro ( 4ª feira ) Língua Estrangeira I ( Inglês ) Escrita: : 11:00 3 de Setembro ( 5ª feira ) História e Geografia de Portugal 4 de Setembro ( 6ª feira ) Matemática Educação Visual e Tecnológica 7 de Setembro ( 2ª feira ) Ciências da Natureza

6 9º ANO FASE DE JUNHO 19 de Junho ( 6ª feira) Língua Portuguesa Escrita: : 11:30 22 de Junho ( 2ªfeira ) Matemática 23 de Junho ( 3ªfeira ) Língua Estrangeira I ( Inglês ) Escrita: : 11:30 24 de Junho ( 4ªfeira ) Língua Estrangeira II ( Francês ) Escrita: : 11:30 25 de Junho ( 5ªfeira ) História 26 de Junho ( 6ªfeira ) Geografia 29 de Junho ( 2ªfeira ) Ciências Naturais 30 de Junho ( 3ªfeira ) Físico-Química 2 de Julho ( 5ªfeira ) Educação Visual Área de Projecto 3 de Julho ( 6ª feira ) Educação Tecnológica 6 de Julho ( 2ª feira ) Introdução às tecnologias da Informação e da Comunicação 7 de Julho ( 3ª feira ) Educação Física FASE DE SETEMBRO 1 de Setembro ( 3ª feira ) História Língua Estrangeira II ( Francês ) 2 de Setembro ( 4ª feira ) Físico-Química Língua Estrangeira I ( Inglês ) 3 de Setembro ( 5ª feira ) Geografia Área de Projecto Educação Visual 4 de Setembro ( 6ª feira ) Ciências Naturais Educação Física 7 de Setembro ( 2ª feira ) Educação Tecnológica Introdução às tecnologias da Informação e da Comunicação Escrita: : 16:00 Escrita: : 16:

7 Exames a nível de escola equivalentes a exames nacionais Os alunos com necessidades educativas especiais de carácter permanente que, ao longo do seu percurso educativo, tenham tido adaptações curriculares individuais e adequações no processo de avaliação, constantes do seu programa educativo individual, podem realizar exames a nível de escola equivalentes a exames nacionais, sob proposta do conselho de turma, não sendo a sua realização impeditiva de prosseguimento de estudos de nível secundário. São elaboradas sob a orientação e responsabilidade do Conselho Pedagógico, que define os respectivos critérios de elaboração e classificação, por proposta do grupo disciplinar ou departamento curricular. A classificação de todos os exames a nível de escola é da responsabilidade do JNE e são enviados para o agrupamento de exames. Realizam-se nas datas estabelecidas no calendário dos exames nacionais.

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO (1º E 2º CICLO) 2014 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais de Língua Portuguesa e Matemática do

Leia mais

Secretariado de Exames

Secretariado de Exames REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 2012 Secretariado de Exames Despacho Normativo nº 14/2011, de 18 de Novembro Despacho nº 1942/2012, de 10 de Fevereiro Norma 01 /JNE / 2012, de 23 de Fevereiro Para

Leia mais

Secretariado de Exames

Secretariado de Exames REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 2012 Secretariado de Exames Despacho Normativo nº 14/2011, de 18 de Novembro Despacho nº 1942/2012, de 10 de Fevereiro Norma 01 /JNE / 2012, de 23 de Fevereiro Para

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (1º E 2º CICLO) 2016 QUAIS AS CONDIÇÕES DE APROVAÇÃO? No final do 1º ciclo do ensino básico o aluno obtém a menção de Aprovado

Leia mais

15/05/2015. Informações/Procedimentos. Provas finais de Português e Matemática 2015

15/05/2015. Informações/Procedimentos. Provas finais de Português e Matemática 2015 Escola EB 2.3 de Atouguia da Baleia Reunião com encarregados de educação: 6º ano 15/05/2015 Informações/Procedimentos Provas finais de Português e Matemática 2015 Coordenadora dos diretores de turma do

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESCLARECIMENTOS PARA OS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESCLARECIMENTOS PARA OS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Quando são publicados os resultados da avaliação interna? As pautas de avaliação interna (de frequência) são publicadas dia 8 de junho. Quem se deve inscrever para a realização de exames finais nacionais?

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS FINAIS DE 4º ANO 2013/2014

REGULAMENTO DAS PROVAS FINAIS DE 4º ANO 2013/2014 REGULAMENTO DAS PROVAS FINAIS DE 4º ANO 2013/2014 Legislação A legislação referente aos exames encontra-se disponível na página Web do Agrupamento de Escolas de António Nobre em www.ae-anobre.pt Exames

Leia mais

REUNIÃO DO PROFESSOR TITULAR DA TURMA com os EE COORDENAÇÃO DO SECRETARIADO DE EXAMES

REUNIÃO DO PROFESSOR TITULAR DA TURMA com os EE COORDENAÇÃO DO SECRETARIADO DE EXAMES 2015 REUNIÃO DO PROFESSOR TITULAR DA TURMA com os EE LEGISLAÇÃO A informação relativa aos Exames 2015, encontra-se disponível na página eletrónica do agrupamento: http://www.ae-anobre.pt/index.php/2014-02-

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

Provas Finais de Ciclo 9.ºano Informação para Encarregados de Educação e Alunos. Quais são os alunos admitidos à realização das Provas Finais?

Provas Finais de Ciclo 9.ºano Informação para Encarregados de Educação e Alunos. Quais são os alunos admitidos à realização das Provas Finais? AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA ÁGUA 788 Escola Básica Integrada da Boa Água EB n.º da Quinta do Conde EB/JI do Pinhal do General JI do Pinhal do General Secretariado de exames Provas Finais de Ciclo 9.ºano

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano)

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano) DE FINAL DE ANO (6.º ano) As competências essenciais deverão estar desenvolvidas. INTERNA A avaliação sumativa interna corresponde à avaliação de final de ano letivo EFEITOS DA INTERNA Condições de admissão

Leia mais

Calendário Geral de Exames / Acesso ao Ensino Superior 2012

Calendário Geral de Exames / Acesso ao Ensino Superior 2012 Calendário Geral de Exames / Acesso ao Ensino Superior 2012 Data Acção Início da venda, nas escolas de ensino secundário, do boletim e das instruções de inscrição nos exames Inscrição para a realização

Leia mais

Salesianos de Manique - Escola 2015/2016 9º ANO / Conclusão do Ensino Básico Provas Finais do Ensino Básico. 9.º Ano

Salesianos de Manique - Escola 2015/2016 9º ANO / Conclusão do Ensino Básico Provas Finais do Ensino Básico. 9.º Ano Salesianos de Manique - Escola 2015/2016 9º ANO. 2015 / 2016 Conclusão do Ensino Básico Provas Finais do Ensino Básico Reunião Geral de Encarregados de Educação Manique, Salesianos de Manique - Escola

Leia mais

Provas Finais de Ciclo 4º e 6º ano 2014/2015

Provas Finais de Ciclo 4º e 6º ano 2014/2015 AGRUPAMENTO ESCOLAS DE MIRANDA DO CORVO Provas Finais de Ciclo 4º e 6º ano 2014/2015 Reunião Pais e Encarregados de Educação 13 de maio de 2015 PROVAS FINAIS DE CICLO 4º e 6º ANO As provas finais de Português

Leia mais

PROVAS FINAIS DE 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (6.º ano de escolaridade) PORTUGUÊS MATEMÁTICA

PROVAS FINAIS DE 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (6.º ano de escolaridade) PORTUGUÊS MATEMÁTICA PROVAS FINAIS DE 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (6.º ano de escolaridade) PORTUGUÊS MATEMÁTICA Documento informativo para alunos e Encarregados de Educação 2013/2014 Quais são os alunos admitidos à realização

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Exames 2008 Ensino Básico e Secundário

Exames 2008 Ensino Básico e Secundário Exames 2008 Ensino Básico e Secundário http://sitio.dgidc.min-edu.pt/jne/ Área de escolas Utilizador jne Password jne_2006 Abril/Maio 2008 1 EXAMES NACIONAIS ENSINO BÁSICO 2 Exames Nacionais Ensino Básico

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de abril de Gabinete da Secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário

Diário da República, 2.ª série N.º de abril de Gabinete da Secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário Diário da República, 2.ª série N.º 71 10 de abril de 2012 12729 c) Autorizar despesas eventuais de representação dos serviços até ao montante de 10 000; d) Autorizar a concessão de transferências correntes

Leia mais

I Número de Junho de 2011 S - 31

I Número de Junho de 2011 S - 31 30 de Junho de 2011 S - 31 I Portaria n.º 73/2011 de 30 de Junho Altera a Portaria n.º 53/2006, de 22 de Maio O Decreto Legislativo Regional n.º 17/2005/M, de 11 de Agosto, estabeleceu o regime jurídico

Leia mais

ESCLARECIMENTO AOS ALUNOS/ ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO. Provas Finais de Ciclo de Português e Matemática do 2.º Ciclo

ESCLARECIMENTO AOS ALUNOS/ ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO. Provas Finais de Ciclo de Português e Matemática do 2.º Ciclo OSMMC Colégio Moderno de S. José Vila Real ESCLARECIMENTO AOS ALUNOS/ ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO (Norma 02/JNE/2015) O DOCUMENTO TEM DE SER LIDO E ESCLARECIDO PELA DIRETORA DE TURMA AOS ALUNOS DOS 6.ºS ANOS,

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 11º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2016/2017 1 O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação,

Leia mais

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo De acordo com o estipulado no Regulamento do concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional a ciclos de estudo de licenciatura na Universidade de Atlântica, e no cumprimento do Decreto-Lei

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Autonomia Avaliação externa dos estabelecimentos de educação e ensino Delegação de competências Professor bibliotecário Manuais escolares

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO 3º CICLO 2016 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais do 3.º ciclo destinam-se a todos os alunos

Leia mais

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Agrupamento de Escolas Dr. Alberto Iria Olhão C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Ano Letivo 2015-2016 Critérios Gerais de Avaliação 2015-2016 1 1. Avaliação A avaliação constitui um processo

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

NORMAS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

NORMAS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO NORMAS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 1. TIPOS DE AVALIAÇÃO 1. Entende-se por avaliação da aprendizagem o processo de verificação dos conhecimentos e capacidades do/a estudante

Leia mais

Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral

Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO Sistematização do Regulamento das Provas e dos Exames do Ensino Secundário. Anexo II do Despacho normativo n.º 1-D/2016 de 4 de março

Leia mais

Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017

Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017 Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais Ano letivo 2016/2017 Concurso realizado ao abrigo do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 de março, que aprov o Estatuto do Estudante Internacional

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

Júri Nacional de Exames

Júri Nacional de Exames Júri Nacional de Exames http://www.dgidc.min-edu.pt/jne jne@dgidc.min-edu.pt Abril - 2011 1 2 PROVAS DE AFERIÇÃO DO ENSINO BÁSICO Provas de Aferição CALENDÁRIO DATA DA APLICAÇÃO DAS PROVAS DE AFERIÇÃO

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Foi aprovado a 17 de março de 2016, em Conselho de Ministros, o Decreto-Lei que procede à terceira alteração ao Decreto-Lei

Leia mais

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I ANO LECTIVO DE 2015-2016 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Disciplina de Matemática Critérios de Avaliação

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAGERALDE EXAMES2013 FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2013 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral do Ensino Superior e Direção-Geral

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP)

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) Artigo 1º Objeto O presente regulamento disciplina o concurso especial de acesso

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO Físico-Química Prova 11 O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2016 pelos alunos que se encontram abrangidos

Leia mais

Colégio Lemos de Castro Calendário das Avaliações diversificadas e/ou testes do 2º Bimestre 6º ano do Ensino Fundamental II TURMA 601

Colégio Lemos de Castro Calendário das Avaliações diversificadas e/ou testes do 2º Bimestre 6º ano do Ensino Fundamental II TURMA 601 6º ano do Ensino Fundamental II TURMA 601 6º ano do Ensino Fundamental II TURMA 603 20 DE MAIO 6ª PORTUGUÊS (INTERPRETAÇÃO E GRAMÁTICA) 1. A nota das avaliações diversificadas de Educação Artística do

Leia mais

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ÁREA CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM DO ADULTO E IDOSO Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica REGIME DE FREQUÊNCIA, AVALIAÇÃO, PRECEDÊNCIAS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição )

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição ) EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 107/2008

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2014-2015 O Agrupamento de Escolas de Aveiro definiu os presentes critérios gerais

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº.: S_DGE_2014/1836 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para:

CIRCULAR. Circular nº.: S_DGE_2014/1836 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para: CIRCULAR Data: 2014/05/07 Circular nº.: S_DGE_2014/1836 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Assunto: Adoção de manuais escolares com efeitos no ano letivo de 2014/2015 Para: Secretaria Regional Ed. dos Açores Secretaria

Leia mais

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE 161718 Regimento Interno do Departamento da Educação pré escolar 2013//2014 Constituição do departamento O departamento curricular da educação pré-escolar é constituído

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DELIBERAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DELIBERAÇÃO DELIBERAÇÃO Ao abrigo do disposto no n.º 1 do artigo 21.º do Decreto-Lei n.º 296-A/98, de 25 de Setembro, alterado pelos Decretos-Lei n. os 99/99, de 30 de Março, 26/2003, de 7 de Fevereiro, 76/2004, de

Leia mais

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e Agora Serviço de Psicologia e Orientação Psicóloga Eduarda Seabra Dossier Informação Escolar e Profissional Pág.1 1 Natureza dos Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

INFORMAÇÃO AOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO. CEE: /16 Alteração do Calendário Escolar

INFORMAÇÃO AOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO. CEE: /16 Alteração do Calendário Escolar INFORMAÇÃO AOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO CEE: 62 2015/16 Alteração do Calendário Escolar Exm@ Encarregad@ Educação, Face às recentes alterações introduzidas pelo Ministério de Educação no que respeita à

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS 2014 1 CAPÍTULO I - ÂMBITO Art.º 1.º (ÂMBITO) O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores

Leia mais

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas I - Matrículas 1. A matrícula é o acto administrativo, a realizar no início de cada ano lectivo e que confere ao estudante o direito a ingressar no estabelecimento

Leia mais

ATIVIDADES PARCIAIS I 16 A 27 DE MARÇO/2015. Manhã Atividade Parcial I Literatura 8,0 4,8. Manhã Atividade Parcial I Química 8,0 4,8

ATIVIDADES PARCIAIS I 16 A 27 DE MARÇO/2015. Manhã Atividade Parcial I Literatura 8,0 4,8. Manhã Atividade Parcial I Química 8,0 4,8 Prezado(a) aluno(a), Você está recebendo o Calendário de Provas da 1ª Etapa. Este instrumento será um guia para VOCÊ e sua família acompanharem seu desempenho escolar. ESTUDO, DISCIPLINA E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 3/2008

DELIBERAÇÃO N.º 3/2008 DELIBERAÇÃO N.º 3/2008 Ao abrigo do disposto no n.º 1 do artigo 21.º do Decreto-Lei n.º 296-A/98, de 25 de Setembro, alterado pelos Decretos-Lei n. os 99/99, de 30 de Março, 26/2003, de 7 de Fevereiro,

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações

Leia mais

Exames nacionais do ensino secundário GUIA GERAL DE EXAMES. Acesso ao ensino superior DGES/DGIDC-JNE

Exames nacionais do ensino secundário GUIA GERAL DE EXAMES. Acesso ao ensino superior DGES/DGIDC-JNE 2011 Exames nacionais do ensino secundário GUIA GERAL DE EXAMES Acesso ao ensino superior DGES/DGIDC-JNE FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames Ano 2011 Exames Nacionais do Ensino Secundário e Acesso

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO (3º CICLO) 2014 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais de Língua Portuguesa e Matemática do 9º ano

Leia mais

U LISBOA. Despacho D-5/2016. Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017

U LISBOA. Despacho D-5/2016. Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017 U LISBOA (DIRETOR] Despacho D-5/2016 Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais Ano letivo 2016/2017 Considerando o Decreto-Lei n.2 36/2014, de 10 de março, que aprov o Estatuto

Leia mais

EDITAL CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO NO IPCA. Ano Letivo de 2016/2017

EDITAL CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO NO IPCA. Ano Letivo de 2016/2017 EDITAL CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO NO IPCA Ano Letivo de 2016/2017 Por delegação de competências do Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e Ave, Agostinha Patrícia Silva Gomes faz saber

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTNADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS.

REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTNADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS. Regulamento Nos termos da lei e dos estatutos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT/UNL), procede-se à atualização do Regulamento das Provas Especialmente Adequadas

Leia mais

[REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS]

[REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS] 2015-16 Escola Superior de Educação Jean Piaget/Almada [REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS] REGULAMENTO PARA A INSCRIÇÃO E FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS 2015/2016 Artigo 1º Destinatários

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões Critérios de Avaliação Departamento de Expressões 2015/2016 5.º ano Disciplina Educação Visual instrumental 60% Trabalhos realizados de acordo com a planificação da disciplina Interesse e empenho 10% Comportamento/adequação

Leia mais

REGRAS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR

REGRAS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR REGRAS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR Documento aprovado na 21ª reunião do Conselho Pedagógico da ESTBarreiro/IPS, em 1 de Junho de 2005 1. Elementos Gerais 1.1 As equipas docentes deverão enviar

Leia mais

LICENCIATURA EM MÚSICA CONCURSO LOCAL DE ACESSO ANO LECTIVO EDITAL

LICENCIATURA EM MÚSICA CONCURSO LOCAL DE ACESSO ANO LECTIVO EDITAL LICENCIATURA EM MÚSICA CONCURSO LOCAL DE ACESSO ANO LECTIVO 2014-2015 EDITAL António M. Cunha, Reitor da Universidade do Minho, faz saber que se encontram abertas as candidaturas ao Concurso Local para

Leia mais

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência REGULAMENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A MATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM MÚSICA, MINISTRADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA DE LISBOA, DO INSTITUTO POLITÉCNICO

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor DESPACHO N.º 2016/R/11 Assunto: Calendário Escolar e Académico Ano Letivo 2016/2017 Nos termos do estabelecido n.º 1 do artigo 24.º dos Estatutos determino que: 1. O Calendário Escolar e Académico para

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática Ano Letivo Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática (De acordo com o Capítulo III, Artigo 18º do Regulamento das Provas e dos Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário, anexo ao Despacho

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

NOTA INFORMATIVA: 2 - Condições de Admissão aos exames finais nacionais do ensino secundário

NOTA INFORMATIVA: 2 - Condições de Admissão aos exames finais nacionais do ensino secundário NOTA INFORMATIVA: DT s/ Encarregados de Educação e Alunos dos 11º/12º anos EXAMES FINAIS NACIONAIS 2016 DATAS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS 11º/12º - 1ª Fase Português: 15 de junho 9:30 Filosofia: 15 de

Leia mais

ANO LETIVO 2015/2016 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ESCOLARES 1.º PERÍODO

ANO LETIVO 2015/2016 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ESCOLARES 1.º PERÍODO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA DOS OLIVAIS - 12 ANO LETIVO 20/2016 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ESCOLARES 1.º PERÍODO 4 h Reunião da Direção/Coordenadores de Estabelecimento h Reunião da Direção

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA ANO LETIVO /13 Escola Básica e Secundária de São João da Pesqueira. Resultados Internos e Externos do Agrupamento

AVALIAÇÃO INTERNA ANO LETIVO /13 Escola Básica e Secundária de São João da Pesqueira. Resultados Internos e Externos do Agrupamento 3333333333333 2012/13 Escola Básica e Secundária de São João da Pesqueira AVALIAÇÃO INTERNA Resultados Internos e Externos do Agrupamento (1º Ciclo, 2º Ciclo, 3º Ciclo e Secundário) LETIVO 2014-15 1 1.

Leia mais

Resolução nº 01/06. Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição

Resolução nº 01/06. Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição Resolução nº 01/06 Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição O Decreto-Lei n.º 74/2006, dos graus e diplomas do ensino superior, define limites temporais para a coexistência entre a nova

Leia mais

A avaliação de conhecimento é uma etapa decisiva, quer para os discentes quer para os docentes, onde se avalia a eficiência com que os conhecimentos

A avaliação de conhecimento é uma etapa decisiva, quer para os discentes quer para os docentes, onde se avalia a eficiência com que os conhecimentos SOBRE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS Introdução A avaliação de conhecimento é uma etapa decisiva, quer para os discentes quer para os docentes, onde se avalia a eficiência com que os conhecimentos transmitidos

Leia mais

Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Inglês - (Continuação) Formação Geral

Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Inglês - (Continuação) Formação Geral Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Inglês - (Continuação) Formação Geral Prova 367 2016 10º/11º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Introdução O presente documento visa

Leia mais

EDITAL. CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL Ano Letivo de 2016/2017

EDITAL. CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL Ano Letivo de 2016/2017 EDITAL CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL Ano Letivo de 2016/2017 Por delegação de competências do Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e Ave, Agostinha Patrícia

Leia mais

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 2/ º Elenco de provas de ingresso

DELIBERAÇÃO N.º 2/ º Elenco de provas de ingresso DELIBERAÇÃO N.º 2/2006 Considerando o disposto nos artigos 18.º, 19.º, 20.º e 21.º do Decreto-Lei n.º 296-A/98, de 25 de Setembro, alterado pelos Decretos-Lei n.ºs 99/99, de 30 de Março, 26/2003, de 7

Leia mais

4328 Diário da República, 1.ª série N.º de agosto de 2012

4328 Diário da República, 1.ª série N.º de agosto de 2012 4328 Diário da República, 1.ª série N.º 155 10 de agosto de 2012 Número de módulos capitalizáveis Carga horária semanal (a) Número de módulos capitalizáveis Carga horária semanal (a) Número de módulos

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Instituto Politécnico de Setúbal www.estsetubal.ips.pt Vias de Acesso às Licenciaturas da ESTSetúbal/IPS 12º Ano + Prova(s) de Ingresso Concurso Nacional Preferências:

Leia mais

Colégio de Alfragide. Informações 2.º Ano. Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques

Colégio de Alfragide. Informações 2.º Ano. Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques Sala 2º ano Colégio de Alfragide Informações 2.º Ano Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques Equipa Pedagógica Diretor Pedagógico Coordenadora 1º Ciclo Professor Titular Expressão Plástica Educação

Leia mais

Reitoria. despacho RT -11/2016

Reitoria. despacho RT -11/2016 Reitoria despacho RT -11/2016 Por proposta da direção do curso de Licenciatura em Música, ouvido o Instituto de Letras e Ciências Humanas, em cumprimento do estipulado no Regulamento do Concurso Local

Leia mais

dqua departamento de química universidade de aveiro PROJETO

dqua departamento de química universidade de aveiro PROJETO universidade de aveiro dqua departamento de química PROJETO Objetivos Pretende-se que o aluno desenvolva um miniprojeto de investigação, de forma supervisionada e integrado num dos grupos de investigação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 70 8 de Abril de 2011 2097 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DecretoLei n.º 50/2011 de 8 de Abril O presente decreto lei estabelece os princípios orientadores da organização e da

Leia mais

Edital Nº 022/16/PSCG EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVILLE

Edital Nº 022/16/PSCG EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVILLE Edital Nº 022/16/PSCG EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVILLE A Pró-Reitora de Ensino da Universidade da Região de Joinville UNIVILLE, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Realizam a prova, alunos autopropostos que se encontram abrangidos pelos planos de estudo instituídos pelo Decreto-Lei n.º 139/ 2012, de 5 de julho.

Realizam a prova, alunos autopropostos que se encontram abrangidos pelos planos de estudo instituídos pelo Decreto-Lei n.º 139/ 2012, de 5 de julho. grupamento de Escolas Padre João Coelho Cabanita INFORMÇÃO PROV DE EQUIVLÊNCI À FREQUÊNCI Inglês 2016 Prova código 06 2.º Ciclo do Ensino Básico o abrigo do Despacho normativo n.º 1-G/ 2016, de 6 de abril

Leia mais

EDITAL n.º 01 de 03/07/2014

EDITAL n.º 01 de 03/07/2014 EDITAL n.º 01 de 03/07/2014 A Escola Técnica Estadual de Francisco Morato, município de Francisco Morato, atendendo o disposto no 2.º do Artigo 61 do Regimento Comum das Escolas Técnicas Estaduais do Centro

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ensino Básico

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO MAGALHÃES INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2015 Ensino Básico Disciplina: Educação Física Ano: 6º Código da Prova: 28 Modalidade: Teórica e Prática 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 ESCOLA: NOME: TURMA:

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário Inscrição e Realização

Exames Nacionais do Ensino Secundário Inscrição e Realização Exames Nacionais do Ensino Secundário Inscrição e Realização NOTA: As disposições a seguir enunciadas quanto à elaboração e classificação de provas, prazos e locais de inscrição, número de fases de exames

Leia mais

Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA

Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA Governo dos Açores NÚCLEO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA I Caracterização da UNECA-TVA II Identificação e caracterização dos Alunos III Matriz Curricular para

Leia mais

ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES

ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES ENSINO MÉDIO 1ª E 2ª SÉRIES Ano Letivo 2016 1º Bimestre 2º Bimestre RP MB RP DISCIPLINAS P1 P2 C1 B1 P3 P4 C2 B2 1 1 2 L. PORT/LIT. BRAS./RED. MB 2 MS 1 3º Bimestre 4º Bimestre RP MB C RP P5 P6 C3 B3 P7

Leia mais

ANO LETIVO

ANO LETIVO ANO LETIVO 2011-2012 1.º PERÍODO DATA HORA ATIVIDADES Realização de exames de alunos autopropostos de 9.º 1 a 30 de Setembro A designar ano (02 a 06/09) Realização dos exames de módulos para conclusão

Leia mais

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1.º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha,

Leia mais

CURSOS ARTISTICOS ESPECIALIZADOS

CURSOS ARTISTICOS ESPECIALIZADOS CURSOS ARTISTICOS ESPECIALIZADOS Telf: 234 340 220 * Fax: 234 343 272 * info@aesbernardo.pt * www.aesbernardo.pt Página 1 de 11 OBJETIVOS Os cursos artísticos especializados têm como objetivos proporcionar

Leia mais

Critérios de Avaliação 2015/2016

Critérios de Avaliação 2015/2016 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Critérios de Avaliação 2015/2016 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais