Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António"

Transcrição

1 Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Exames Nacionais de Língua Portuguesa e Matemática 9º ANO As provas de exame de Língua Portuguesa e de Matemática incidem sobre as aprendizagens e competências do 3º Ciclo. Destinam-se a todos os alunos que pretendam concluir o 3º Ciclo. Tendo por base o Despacho nº3536/2009 de 28 de Janeiro, assim como o Despacho Normativo nº 10/2009, de 19 de Fevereiro, damos a conhecer alguns procedimentos relativos aos exames nacionais de 9º ano. Será efectuada uma avaliação sumativa externa, traduzida em exames nacionais, que irão incidir exclusivamente sobre as aprendizagens do 3º Ciclo., com um peso percentual de 30%. Não são admitidos às provas de exames nacionais, os alunos que, após a avaliação sumativa interna no final do 3º período, tenham obtido: classificação de frequência de nível 1 simultaneamente nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática; classificação de frequência inferior a três em três disciplinas, excepto se alguma delas for Língua Portuguesa e/ou Matemática e se nelas tiver obtido nível 2. A menção de Não Satisfaz na área curricular não disciplinar de Área de Projecto corresponde a classificação inferior a três numa disciplina. As provas de exame são constituídas por provas escritas, com a duração de 90 minutos cada uma. A elaboração das provas e os respectivos critérios de classificação são da competência do GAVE. São cotadas na escala percentual de 0 a 100, sendo a classificação final da prova expressa na escala de níveis de 1 a 5, de acordo com a seguinte tabela: Percentagem Nível Os exames nacionais realizam-se numa fase única, ( 1ª fase ) com duas chamadas. A 1ª Chamada é de carácter obrigatório. EXAME DE LÍNGUA PORTUGUESA DIA 19 DE JUNHO, ( 6ª FEIRA ), 9H EXAME DE MATEMÁTICA DIA 22 DE JUNHO, ( 2ª FEIRA ), 9H Os exames nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática terão tolerância de 30 minutos. Os alunos que começarem a usar a tolerância têm de cumprir os 30 minutos na íntegra. A 2ª Chamada destina-se apenas a situações excepcionais devidamente comprovadas. Só serão aceites atestados médicos e documentos comprovativos de impedimentos legais. EXAME DE LÍNGUA PORTUGUESA DIA 25 DE JUNHO, ( 5ª FEIRA ), 9H EXAME DE MATEMÁTICA DIA 26 DE JUNHO, ( 6ª FEIRA ), 9H A prova de exame de Língua Portuguesa Língua Não Materna será realizada nas seguintes datas: 1ª Chamada 2ª chamada 19 de Junho ( 6ª feira ) 13 de Julho ( 2ª feira )

2 A classificação final a atribuir a cada uma das disciplinas ( Língua Portuguesa e Matemática ) é calculada de acordo com a fórmula constante no 7.4 do Despacho Normativo nº10/2009: CF= 7Cf + 3Ce CF = Classificação Final 10 Cf = Classificação de frequência no final do 3º Período Ce = Classificação de exame As pautas de classificação das provas de exame são afixadas na escola no dia 13 de Julho de No final do 3º Ciclo, o(a) aluno(a) não progride e obtém a menção de Não Aprovado(a) se tiver obtido: classificação inferior a três simultaneamente nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática; classificação inferior a três em três disciplinas ou em duas disciplinas e a menção de Não Satisfaz na Área de Projecto. Exames de Equivalência à Frequência Estes exames realizam-se em duas fases, com uma única chamada. São elaborados a nível de escola, sob orientação e responsabilidade do Conselho Pedagógico, que define os respectivos critérios de elaboração e classificação das provas. As provas incidem sobre as aprendizagens e competências definidas para o final dos 2º e 3º ciclos. Os alunos do 3.º ciclo do ensino básico realizam os exames nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática como autopropostos, sendo submetidos a uma prova oral na disciplina de Língua Portuguesa. As provas são cotadas na escala percentual de 0 a 100, sendo a classificação final da prova expressa na escala de níveis de 1 a 5, de acordo com a seguinte tabela: Percentagem Nível A classificação das provas dos exames de equivalência à frequência é da responsabilidade dos professores que integram os grupos de docência. O Júri das provas destes exames é constituído por 3 elementos, devendo ser, pelos menos 2, sempre que possível, professores do grupo de docência da disciplina. A classificação das provas orais e práticas, tal como as escritas, é expressa na escala percentual de 0 a 100. Nas disciplinas com exame constituído por uma única prova, a classificação de exame será a obtida na prova realizada e é expressa na escala de 1 a 5. Nas provas constituídas por 2 provas, escrita e oral, a classificação de exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das 2 provas expressas percentualmente na escala de 1 a 5.

3 A afixação da matriz da prova é feita até o dia 15 de Maio ( 6ª feira ) de 2009, após aprovação do Conselho Pedagógico. Os critérios de classificação são sempre afixados após a realização de cada prova. O calendário da realização das provas de exame de equivalência à frequência deve ser divulgado até o dia 15 de Maio de Os exames nacionais de equivalência a frequência destinam-se aos alunos que se encontram nas seguintes situações:. Tenham iniciado o ano lectivo com 15 anos ou mais anos de idade e que anulem a matrícula após o dia 11 de Março, inscrevem-se nos 2 dias úteis a seguir à data da anulação da matrícula.. Tenham atingido a idade limite da escolaridade obrigatória ( 15 anos até 31 de Agosto ) sem aprovação na avaliação sumativa final nos 6º e 9.º ano de escolaridade e se candidatem aos exames na qualidade de autopropostos no mesmo ano lectivo. Inscrevem-se no dia útil imediatamente a seguir ao da afixação das pautas, para a fase de Junho Os alunos autopropostos do 6º ano realizam os exames em todas as disciplinas na 1ª fase dos exames. Os alunos do 9º ano realizam os exames de equivalência à frequência nas disciplinas em que não obtiveram aprovação. A inscrição na época de Setembro nos exames de equivalência à frequência dos alunos autopropostos dos 2º e 3º ciclos que, tendo realizado exames na fase de Junho, e não concluíram o respectivo ciclo de estudos, decorre de 16 a 20 de Julho, desde que a sua realização lhes permita a certificação de conclusão de ciclo. Data das Provas: Fase de Junho: - 19 de Junho a 6 de Julho ( 3º Ciclo ) 25 de Junho a 7 de Julho ( 2º Ciclo ) ( Nos exames de Língua Portuguesa e de Matemática, os alunos autopropostos podem, em situações excepcionais, realizar exame na 2ª chamada, nas condições previstas para os alunos internos ). Fase de Setembro: - 1 a 7 de Setembro Destinada aos alunos autopropostos dos 2º e 3º ciclos que, tendo realizado exames na 1ª fase, não concluíram o respectivo ciclo de estudos, e desde que a sua realização lhes permita a certificação de conclusão de ciclo. Os alunos de 6º e 9º anos inscrevem-se e realizam na 2ª fase os exames das disciplinas em que não obtiveram aprovação na 1ª fase, desde que a sua realização lhes permita condições de aprovação no final de ciclo. Condições de Aprovação: Consideram-se aprovados, nos 2º e 3º ciclos, os alunos que não se encontrem numa das seguintes situações: a) Tenham obtido classificação inferior a 3, em simultâneo, nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática; b) Tenham obtido classificação inferior a 3 em três disciplinas, ou em duas e a menção de Não Satisfaz na Área de Projecto.

4 Provas a realizar: 2º Ciclo do Ensino Básico Língua Portuguesa Língua Estrangeira DISCIPLINAS TIPO DE PROVA DURAÇÃO (em minutos) História e Geografia de Portugal Matemática Ciências da Natureza Educação Visual e Tecnológica Prática de tolerância Educação Musical a) As provas orais não deverão ultrapassar a duração máxima de quinze minutos. DISCIPLINAS Língua Portuguesa 3º Ciclo do Ensino Básico TIPO DE PROVA DURAÇÃO (em minutos) Português Língua Não Materna Língua Estrangeira I Língua Estrangeira II História Geografia Matemática Ciências Naturais Físico-Química Educação Visual Educação Tecnológica Introdução às tecnologias da Informação e da Comunicação Prática Prática de tolerância de tolerância Prática 90 Educação Física b) Prática ou (Teórica*) 45* Área Projecto (b) (c) 35 a 45 a) As provas orais não deverão ultrapassar os 15 minutos; b) Provas a realizar pelos alunos referidos na alínea f) do ponto 1.3 do Regulamento de Exames do Ensino Básico; Nos casos em que se verifique impossibilidade de realização da prova prática de Educação Física, por razões devidamente comprovadas de ordem médica, a mesma poderá ser substituída por uma prova escrita. c) Depois de afixada a matriz da prova, o aluno deverá desenvolver um projecto e respectivo relatório, consistindo a oral na defesa desse mesmo projecto.

5 As pautas referentes às classificações dos exames de equivalência à frequência das restantes disciplinas devem ser afixadas até o dia 14 de Julho de Os resultados dos processos de reapreciação das provas dos exames nacionais e dos de equivalência à frequência são afixados no dia 7 de Agosto de As pautas referentes às classificações dos exames de equivalência à frequência da época de Setembro têm de ser afixadas até ao dia 14 de Setembro de Os resultados dos processos de reapreciação das provas dos exames nacionais e dos de equivalência à frequência da época de Setembro são afixados no dia 6 de Outubro de º ANO FASE DE JUNHO 25 de Junho ( 5ª feira) Língua Portuguesa Escrita: : 11:00 26 de Junho ( 6ªfeira ) Língua Estrangeira I ( Inglês ) Escrita: : 11:00 29 de Junho ( 2ªfeira ) História e Geografia de Portugal 30 de Junho ( 3ªfeira ) Matemática 2 de Julho ( 5ªfeira ) Ciências da Natureza 3 de Julho ( 6ªfeira ) Educação Visual e Tecnológica 6 de Julho ( 2ªfeira ) Educação Musical FASE DE SETEMBRO 1 de Setembro ( 3ª feira ) Língua Portuguesa Educação Musical Escrita: : 11:00 2 de Setembro ( 4ª feira ) Língua Estrangeira I ( Inglês ) Escrita: : 11:00 3 de Setembro ( 5ª feira ) História e Geografia de Portugal 4 de Setembro ( 6ª feira ) Matemática Educação Visual e Tecnológica 7 de Setembro ( 2ª feira ) Ciências da Natureza

6 9º ANO FASE DE JUNHO 19 de Junho ( 6ª feira) Língua Portuguesa Escrita: : 11:30 22 de Junho ( 2ªfeira ) Matemática 23 de Junho ( 3ªfeira ) Língua Estrangeira I ( Inglês ) Escrita: : 11:30 24 de Junho ( 4ªfeira ) Língua Estrangeira II ( Francês ) Escrita: : 11:30 25 de Junho ( 5ªfeira ) História 26 de Junho ( 6ªfeira ) Geografia 29 de Junho ( 2ªfeira ) Ciências Naturais 30 de Junho ( 3ªfeira ) Físico-Química 2 de Julho ( 5ªfeira ) Educação Visual Área de Projecto 3 de Julho ( 6ª feira ) Educação Tecnológica 6 de Julho ( 2ª feira ) Introdução às tecnologias da Informação e da Comunicação 7 de Julho ( 3ª feira ) Educação Física FASE DE SETEMBRO 1 de Setembro ( 3ª feira ) História Língua Estrangeira II ( Francês ) 2 de Setembro ( 4ª feira ) Físico-Química Língua Estrangeira I ( Inglês ) 3 de Setembro ( 5ª feira ) Geografia Área de Projecto Educação Visual 4 de Setembro ( 6ª feira ) Ciências Naturais Educação Física 7 de Setembro ( 2ª feira ) Educação Tecnológica Introdução às tecnologias da Informação e da Comunicação Escrita: : 16:00 Escrita: : 16:

7 Exames a nível de escola equivalentes a exames nacionais Os alunos com necessidades educativas especiais de carácter permanente que, ao longo do seu percurso educativo, tenham tido adaptações curriculares individuais e adequações no processo de avaliação, constantes do seu programa educativo individual, podem realizar exames a nível de escola equivalentes a exames nacionais, sob proposta do conselho de turma, não sendo a sua realização impeditiva de prosseguimento de estudos de nível secundário. São elaboradas sob a orientação e responsabilidade do Conselho Pedagógico, que define os respectivos critérios de elaboração e classificação, por proposta do grupo disciplinar ou departamento curricular. A classificação de todos os exames a nível de escola é da responsabilidade do JNE e são enviados para o agrupamento de exames. Realizam-se nas datas estabelecidas no calendário dos exames nacionais.

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO (1º E 2º CICLO) 2014 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais de Língua Portuguesa e Matemática do

Leia mais

Secretariado de Exames

Secretariado de Exames REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 2012 Secretariado de Exames Despacho Normativo nº 14/2011, de 18 de Novembro Despacho nº 1942/2012, de 10 de Fevereiro Norma 01 /JNE / 2012, de 23 de Fevereiro Para

Leia mais

Secretariado de Exames

Secretariado de Exames REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 2012 Secretariado de Exames Despacho Normativo nº 14/2011, de 18 de Novembro Despacho nº 1942/2012, de 10 de Fevereiro Norma 01 /JNE / 2012, de 23 de Fevereiro Para

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (1º E 2º CICLO) 2016 QUAIS AS CONDIÇÕES DE APROVAÇÃO? No final do 1º ciclo do ensino básico o aluno obtém a menção de Aprovado

Leia mais

15/05/2015. Informações/Procedimentos. Provas finais de Português e Matemática 2015

15/05/2015. Informações/Procedimentos. Provas finais de Português e Matemática 2015 Escola EB 2.3 de Atouguia da Baleia Reunião com encarregados de educação: 6º ano 15/05/2015 Informações/Procedimentos Provas finais de Português e Matemática 2015 Coordenadora dos diretores de turma do

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESCLARECIMENTOS PARA OS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESCLARECIMENTOS PARA OS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Quando são publicados os resultados da avaliação interna? As pautas de avaliação interna (de frequência) são publicadas dia 8 de junho. Quem se deve inscrever para a realização de exames finais nacionais?

Leia mais

REUNIÃO DO PROFESSOR TITULAR DA TURMA com os EE COORDENAÇÃO DO SECRETARIADO DE EXAMES

REUNIÃO DO PROFESSOR TITULAR DA TURMA com os EE COORDENAÇÃO DO SECRETARIADO DE EXAMES 2015 REUNIÃO DO PROFESSOR TITULAR DA TURMA com os EE LEGISLAÇÃO A informação relativa aos Exames 2015, encontra-se disponível na página eletrónica do agrupamento: http://www.ae-anobre.pt/index.php/2014-02-

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS FINAIS DE 4º ANO 2013/2014

REGULAMENTO DAS PROVAS FINAIS DE 4º ANO 2013/2014 REGULAMENTO DAS PROVAS FINAIS DE 4º ANO 2013/2014 Legislação A legislação referente aos exames encontra-se disponível na página Web do Agrupamento de Escolas de António Nobre em www.ae-anobre.pt Exames

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário

Exames Nacionais do Ensino Secundário 2014 Exames Nacionais do Ensino Secundário DECRETO-LEI N.º 139/2012 [PLANO DE ESTUDOS] PORTARIA N.º 243/2012 [AVALIAÇÃO] DESPACHO N.º 8248/2013 [CALENDÁRIO DE EXAMES] NORMA 01/JNE/2014 [INSTRUÇÕES PARA

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

Exames Nacionais Provas de Equivalência à Frequência Ensino Secundário

Exames Nacionais Provas de Equivalência à Frequência Ensino Secundário 2016 Exames Nacionais Provas de Equivalência à Frequência Ensino Secundário DECRETO-LEI N.º 139/2012 [PLANO DE ESTUDOS] PORTARIA N.º 243/2012 [AVALIAÇÃO] DESPACHO N.º 7104-A/2015 [CALENDÁRIO DE EXAMES]

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

PROVAS FINAIS DE 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (6.º ano de escolaridade) PORTUGUÊS MATEMÁTICA

PROVAS FINAIS DE 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (6.º ano de escolaridade) PORTUGUÊS MATEMÁTICA PROVAS FINAIS DE 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (6.º ano de escolaridade) PORTUGUÊS MATEMÁTICA Documento informativo para alunos e Encarregados de Educação 2013/2014 Quais são os alunos admitidos à realização

Leia mais

Exames 2016 Ensino Secundário

Exames 2016 Ensino Secundário (Realização, Condições de admissão, Inscrição, Situações excecionais de realização, Classificação e Melhoria de classificação) Exames 2016 Ensino Secundário 1 Realização dos exames finais nacionais: 1-

Leia mais

Provas Finais de Ciclo 9.ºano Informação para Encarregados de Educação e Alunos. Quais são os alunos admitidos à realização das Provas Finais?

Provas Finais de Ciclo 9.ºano Informação para Encarregados de Educação e Alunos. Quais são os alunos admitidos à realização das Provas Finais? AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA ÁGUA 788 Escola Básica Integrada da Boa Água EB n.º da Quinta do Conde EB/JI do Pinhal do General JI do Pinhal do General Secretariado de exames Provas Finais de Ciclo 9.ºano

Leia mais

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano)

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano) DE FINAL DE ANO (6.º ano) As competências essenciais deverão estar desenvolvidas. INTERNA A avaliação sumativa interna corresponde à avaliação de final de ano letivo EFEITOS DA INTERNA Condições de admissão

Leia mais

Exames 2008 Ensino Básico e Secundário

Exames 2008 Ensino Básico e Secundário Exames 2008 Ensino Básico e Secundário http://sitio.dgidc.min-edu.pt/jne/ Área de escolas Utilizador jne Password jne_2006 Abril/Maio 2008 1 EXAMES NACIONAIS ENSINO BÁSICO 2 Exames Nacionais Ensino Básico

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de abril de Gabinete da Secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário

Diário da República, 2.ª série N.º de abril de Gabinete da Secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário Diário da República, 2.ª série N.º 71 10 de abril de 2012 12729 c) Autorizar despesas eventuais de representação dos serviços até ao montante de 10 000; d) Autorizar a concessão de transferências correntes

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Exames Informações Alunos / EE Ensino Secundário

Exames Informações Alunos / EE Ensino Secundário Exames 2016 Informações Alunos / EE Ensino Secundário ÍNDICE Exames Finais Nacionais / Provas de Equivalência à Frequência Calendário Condições de admissão Inscrições Classificação /Melhoria Normas Gerais

Leia mais

Provas Finais de Ciclo 4º e 6º ano 2014/2015

Provas Finais de Ciclo 4º e 6º ano 2014/2015 AGRUPAMENTO ESCOLAS DE MIRANDA DO CORVO Provas Finais de Ciclo 4º e 6º ano 2014/2015 Reunião Pais e Encarregados de Educação 13 de maio de 2015 PROVAS FINAIS DE CICLO 4º e 6º ANO As provas finais de Português

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

I Número de Junho de 2011 S - 31

I Número de Junho de 2011 S - 31 30 de Junho de 2011 S - 31 I Portaria n.º 73/2011 de 30 de Junho Altera a Portaria n.º 53/2006, de 22 de Maio O Decreto Legislativo Regional n.º 17/2005/M, de 11 de Agosto, estabeleceu o regime jurídico

Leia mais

Salesianos de Manique - Escola 2015/2016 9º ANO / Conclusão do Ensino Básico Provas Finais do Ensino Básico. 9.º Ano

Salesianos de Manique - Escola 2015/2016 9º ANO / Conclusão do Ensino Básico Provas Finais do Ensino Básico. 9.º Ano Salesianos de Manique - Escola 2015/2016 9º ANO. 2015 / 2016 Conclusão do Ensino Básico Provas Finais do Ensino Básico Reunião Geral de Encarregados de Educação Manique, Salesianos de Manique - Escola

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 11º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2016/2017 1 O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação,

Leia mais

Datas das Provas Finais e da afixação das pautas (adaptado do anexo V do Despacho n.º 8248/2013):

Datas das Provas Finais e da afixação das pautas (adaptado do anexo V do Despacho n.º 8248/2013): 1º Ciclo do Ensino Básico Provas Finais 2013/2014 O presente documento procura resumir os principais pontos sobre as provas finais do 4º ano, mas também as condições de aprovação ou não aprovação, previstas

Leia mais

ESCLARECIMENTO AOS ALUNOS/ ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO. Provas Finais de Ciclo de Português e Matemática do 2.º Ciclo

ESCLARECIMENTO AOS ALUNOS/ ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO. Provas Finais de Ciclo de Português e Matemática do 2.º Ciclo OSMMC Colégio Moderno de S. José Vila Real ESCLARECIMENTO AOS ALUNOS/ ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO (Norma 02/JNE/2015) O DOCUMENTO TEM DE SER LIDO E ESCLARECIDO PELA DIRETORA DE TURMA AOS ALUNOS DOS 6.ºS ANOS,

Leia mais

REGULAMENTO N.º 3/2015

REGULAMENTO N.º 3/2015 REGULAMENTO N.º 3/2015 REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS NA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade NORMA 01/JNE/2014 Instruções para a inscrição Provas Finais de Ciclo Exames Nacionais NORMA 01/JNE/2014 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo

Leia mais

PROVAS FINAIS DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO 4.º ano de escolaridade PORTUGUÊS MATEMÁTICA

PROVAS FINAIS DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO 4.º ano de escolaridade PORTUGUÊS MATEMÁTICA PROVAS FINAIS DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO 4.º ano de escolaridade PORTUGUÊS MATEMÁTICA Documento informativo para alunos e Encarregados de Educação 2013/2014 Quem as realiza? As provas serão realizadas

Leia mais

Gabinete do Secretário de Estado da Educação DESPACHO NORMATIVO

Gabinete do Secretário de Estado da Educação DESPACHO NORMATIVO DESPACHO NORMATIVO A Lei Orgânica do Ministério da Educação - Decreto-Lei n.º 213/2006, de 27 de Outubro - determina que o Júri Nacional de Exames tem por missão, em matéria de avaliação das aprendizagens,

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO 3º CICLO 2016 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais do 3.º ciclo destinam-se a todos os alunos

Leia mais

Calendário Geral de Exames / Acesso ao Ensino Superior 2012

Calendário Geral de Exames / Acesso ao Ensino Superior 2012 Calendário Geral de Exames / Acesso ao Ensino Superior 2012 Data Acção Início da venda, nas escolas de ensino secundário, do boletim e das instruções de inscrição nos exames Inscrição para a realização

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Autonomia Avaliação externa dos estabelecimentos de educação e ensino Delegação de competências Professor bibliotecário Manuais escolares

Leia mais

7 de julho de 2016 Número 118

7 de julho de 2016 Número 118 7 de julho de 2016 7 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 282/2016 O calendário de atividades educativas e escolares constitui um elemento indispensável à organização e planificação do ano escolar,

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA (2) Diário da República, 2.ª série N.º 45 5 de março de 2015

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA (2) Diário da República, 2.ª série N.º 45 5 de março de 2015 5606-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 45 5 de março de 2015 PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário Despacho normativo n.º 6-A/2015

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO EMNOP 16 de Dezembro de 2008 1 Legislação de referência Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo De acordo com o estipulado no Regulamento do concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional a ciclos de estudo de licenciatura na Universidade de Atlântica, e no cumprimento do Decreto-Lei

Leia mais

Júri Nacional de Exames

Júri Nacional de Exames Júri Nacional de Exames http://www.dgidc.min-edu.pt/jne jne@dgidc.min-edu.pt Abril - 2011 1 2 PROVAS DE AFERIÇÃO DO ENSINO BÁSICO Provas de Aferição CALENDÁRIO DATA DA APLICAÇÃO DAS PROVAS DE AFERIÇÃO

Leia mais

NORMA 01/JNE/2013 Instruções para a Inscrição nas Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário 2

NORMA 01/JNE/2013 Instruções para a Inscrição nas Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário 2 NORMA 01/JNE/2013 Instruções para a Inscrição nas Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário 2 OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO A Norma 01/JNE/2013 contém as instruções a observar no presente

Leia mais

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Objetivos Promover o desenvolvimento adequado dos processos de avaliação dos alunos tendo em vista

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO

EXAMES FINAIS NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES FINAIS NACIONAIS/PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA - 2016 ENSINO SECUNDÁRIO A informação contida neste documento não dispensa a leitura do resumo da norma 02/JNE/2016 que se encontra afixada no

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO I- Introdução Os critérios de avaliação são definidos de acordo com o currículo, os programas das disciplinas e as metas curriculares, sendo operacionalizados pelos professores da

Leia mais

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Agrupamento de Escolas Dr. Alberto Iria Olhão C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Ano Letivo 2015-2016 Critérios Gerais de Avaliação 2015-2016 1 1. Avaliação A avaliação constitui um processo

Leia mais

Júri Nacional de Exames Encontros Regionais de Educação abril 2016

Júri Nacional de Exames Encontros Regionais de Educação abril 2016 Júri Nacional de Exames Encontros Regionais de Educação abril 2016 PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 4 IDEIAS PARA RETER 1. DESCOMPLICAR AS PROVAS

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 17 Data: 2013/03/26 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

Agrupamento de Escolas Vergílio Ferreira

Agrupamento de Escolas Vergílio Ferreira Agrupamento de Escolas Vergílio Ferreira Regulamento Interno do Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Conselho Pedagógico: 16 de junho 2016 Conselho Geral: 11 de julho

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade Relatório 2011 AVALIAÇÃO NORMA 01/JNE/2012 EXTERNA DA APRENDIZAGEM Instruções Exames para Nacionais a inscrição Provas e Provas Finais e Exames de Aferição

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO (3º CICLO) 2014 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais de Língua Portuguesa e Matemática do 9º ano

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Educação Pré-Escolar

Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar Sendo a primeira etapa na educação básica, as competências gerais para a Educação Pré Escolar constituem um conjunto de princípios para apoiar o Educador de Infância na sua prática,

Leia mais

Critérios pedagógicos para a constituição de turmas

Critérios pedagógicos para a constituição de turmas Critérios pedagógicos para a constituição de turmas ANEXO I Critérios Pedagógicos para a elaboração de Turmas 2014/2015 Artigo 1º Preâmbulo Com este regulamento pretende-se uniformizar, de uma forma esclarecedora,

Leia mais

Critérios de constituição de turmas para o ano letivo 2013/2014

Critérios de constituição de turmas para o ano letivo 2013/2014 Critérios de constituição de turmas para o ano letivo 2013/2014 A constituição de turmas dos alunos do ensino diurno que ingressem pela primeira vez na Escola far-se-á de acordo com o determinado no Despacho

Leia mais

Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017

Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017 Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais Ano letivo 2016/2017 Concurso realizado ao abrigo do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 de março, que aprov o Estatuto do Estudante Internacional

Leia mais

NORMAS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

NORMAS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO NORMAS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 1. TIPOS DE AVALIAÇÃO 1. Entende-se por avaliação da aprendizagem o processo de verificação dos conhecimentos e capacidades do/a estudante

Leia mais

CRITÉRIOS DE CONTRATAÇÃO AEAN

CRITÉRIOS DE CONTRATAÇÃO AEAN CRITÉRIOS DE CONTRATAÇÃO AEAN 2015-2016 Grupos de Recrutamento (Ano Letivo 2015-2016) Bolsa de Contratação de Escola / Contratação de Escola I. Procedimento Concursal / Grupos de Recrutamento [Bolsa de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2016/2017 A distribuição do serviço docente da Escola Secundária da Ramada (doravante designada

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP)

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) Artigo 1º Objeto O presente regulamento disciplina o concurso especial de acesso

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAGERALDE EXAMES2013 FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2013 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral do Ensino Superior e Direção-Geral

Leia mais

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Critérios Específicos de Avaliação 2013/2014 Introdução Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO Físico-Química Prova 11 O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2016 pelos alunos que se encontram abrangidos

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação ÍNDICE 1 - PROCESSO DE AVALIAÇÃO... 3 2 INTERVENIENTES NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO SUMATIVA EXTERNA... 5 3 INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO... 5 4 - ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO... 6 5 - CRITÉRIOS

Leia mais

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas REGULAMENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A CANDIDATURA À MATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM TECNOLOGIAS DA MÚSICA MINISTRADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA DO INSTITUTO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) Nos termos da alínea e) do art.º 33.º do Regime de Autonomia, Administração e Gestão, constante do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÉMIO DE MÉRITO

REGULAMENTO DO PRÉMIO DE MÉRITO Agrupamento de Escolas da Maia REGULAMENTO DO PRÉMIO DE MÉRITO 2013/2014 Índice 1. Enquadramento... 1 2. Objetivos... 2 3. Disposições gerais... 2 3.1. Âmbito... 2 3.2. Intervenientes... 2 3.3. Divulgação

Leia mais

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 1. Introdução O presente regulamento refere-se ao Estágio e Projecto Individual, previsto nos planos curriculares dos cursos de licenciatura da Escola Superior

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO HOMOLOGADO 01 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Conselho Directivo ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO GERAL DO REGIME DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-LICENCIATURA

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º de Outubro de

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º de Outubro de Diário da República, 1.ª série N.º 192 4 de Outubro de 2007 7107 concessão da presente zona de caça, abrangendo vários prédios rústicos sitos na freguesia de Santo André, município de Santiago do Cacém,

Leia mais

Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral

Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO Sistematização do Regulamento das Provas e dos Exames do Ensino Secundário. Anexo II do Despacho normativo n.º 1-D/2016 de 4 de março

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Foi aprovado a 17 de março de 2016, em Conselho de Ministros, o Decreto-Lei que procede à terceira alteração ao Decreto-Lei

Leia mais

DESPACHO N.º GR.01/04/2014. Aprova o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto

DESPACHO N.º GR.01/04/2014. Aprova o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto DESPACHO N.º GR.01/04/2014 Aprova o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto No uso da competência que me é consagrada na alínea o), do n.º 1, do artigo

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 22 Data: 2015/05/12 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

U LISBOA. Despacho D-5/2016. Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017

U LISBOA. Despacho D-5/2016. Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017 U LISBOA (DIRETOR] Despacho D-5/2016 Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais Ano letivo 2016/2017 Considerando o Decreto-Lei n.2 36/2014, de 10 de março, que aprov o Estatuto

Leia mais

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2015/2016 No âmbito da distribuição de serviço docente o Conselho Pedagógico reafirma o primado da importância fulcral

Leia mais

4328 Diário da República, 1.ª série N.º de agosto de 2012

4328 Diário da República, 1.ª série N.º de agosto de 2012 4328 Diário da República, 1.ª série N.º 155 10 de agosto de 2012 Número de módulos capitalizáveis Carga horária semanal (a) Número de módulos capitalizáveis Carga horária semanal (a) Número de módulos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação)

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no artº. 32º do Regulamento do Ciclo de Estudos

Leia mais

NOTA INFORMATIVA: 2 - Condições de Admissão aos exames finais nacionais do ensino secundário

NOTA INFORMATIVA: 2 - Condições de Admissão aos exames finais nacionais do ensino secundário NOTA INFORMATIVA: DT s/ Encarregados de Educação e Alunos dos 11º/12º anos EXAMES FINAIS NACIONAIS 2016 DATAS DOS EXAMES FINAIS NACIONAIS 11º/12º - 1ª Fase Português: 15 de junho 9:30 Filosofia: 15 de

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO POR MÉRITO

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO POR MÉRITO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO POR MÉRITO ÍNDICE OBJECTO 3 ÂMBITO 3 CONCEITO 3 COMPETÊNCIAS 4 VALOR DA BOLSA 4 NÚMERO DE BOLSAS A ATRIBUIR 4 DISTRIBUIÇÃO DAS BOLSAS 4 ADMISSÃO 4 CRITÉRIOS

Leia mais

Exames nacionais do ensino secundário GUIA GERAL DE EXAMES. Acesso ao ensino superior DGES/DGIDC-JNE

Exames nacionais do ensino secundário GUIA GERAL DE EXAMES. Acesso ao ensino superior DGES/DGIDC-JNE 2011 Exames nacionais do ensino secundário GUIA GERAL DE EXAMES Acesso ao ensino superior DGES/DGIDC-JNE FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames Ano 2011 Exames Nacionais do Ensino Secundário e Acesso

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Ano letivo 2013-2014 INTRODUÇÃO - Avaliação (Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho) - A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMARES MODELO DE REGIMENTO INTERNO. dos CONSELHOS DE TURMA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMARES MODELO DE REGIMENTO INTERNO. dos CONSELHOS DE TURMA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMARES MODELO DE REGIMENTO INTERNO dos CONSELHOS DE TURMA DE 2009 Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Turma é constituído por todos os professores da turma, um delegado e subdelegado

Leia mais

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E DE INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E DE INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E DE INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto O presente regulamento

Leia mais

Reunião com os Alunos/Encarregados de Educação. Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário. Cadaval, 29 de maio de 2015

Reunião com os Alunos/Encarregados de Educação. Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário. Cadaval, 29 de maio de 2015 Reunião com os Alunos/Encarregados de Educação Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário Cadaval, 29 de maio de 2015 1 Exames Finais Nacionais e Provas de Equivalência à Frequência Calendário 1.ª fase

Leia mais

3.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Finanças e Educação. Educação PARTE C PARTE H PARTE J1. Sexta-feira, 4 de março de 2016 Número 45. Município do Porto

3.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Finanças e Educação. Educação PARTE C PARTE H PARTE J1. Sexta-feira, 4 de março de 2016 Número 45. Município do Porto II SÉRIE Sexta-feira, 4 de março de 2016 Número 45 ÍNDICE 3.º SUPLEMENTO PARTE C Finanças e Educação Gabinetes do Secretário de Estado do Orçamento e da Secretária de Estado Adjunta e da Educação: Portaria

Leia mais

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE 161718 Regimento Interno do Departamento da Educação pré escolar 2013//2014 Constituição do departamento O departamento curricular da educação pré-escolar é constituído

Leia mais

Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior

Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior Titulares de um diploma de técnico superior profissional Artigo 1.º Âmbito São abrangidos pelo concurso especial os titulares de

Leia mais

3. O requerimento deve ser apresentado pelo encarregado de educação ou pelo próprio aluno, quando maior, ao diretor da escola, até 6 de maio.

3. O requerimento deve ser apresentado pelo encarregado de educação ou pelo próprio aluno, quando maior, ao diretor da escola, até 6 de maio. Guia Geral para Alunos Praticantes Desportivos Provas e Exames 2016 1 ÉPOCA ESPECIAL ALUNOS PRATICANTES DESPORTIVOS 1. Os alunos praticantes desportivos de alto rendimento e de seleções nacionais podem

Leia mais

Artigo 1.º (Objetivo e âmbito) Artigo 2.º (Condições para requerer a inscrição)

Artigo 1.º (Objetivo e âmbito) Artigo 2.º (Condições para requerer a inscrição) REGULAMENTO DAS PROVAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS, DOS TITULARES DE UM DIPLOMA

Leia mais

ESTUDANTE INTERNACIONAL CANDIDATURAS, EMOLUMENTOS, CRITÉRIOS DE SERIAÇÃO E DOCUMENTOS A APRESENTAR

ESTUDANTE INTERNACIONAL CANDIDATURAS, EMOLUMENTOS, CRITÉRIOS DE SERIAÇÃO E DOCUMENTOS A APRESENTAR ESTUDANTE INTERNACIONAL CANDIDATURAS, EMOLUMENTOS, CRITÉRIOS DE SERIAÇÃO E DOCUMENTOS A APRESENTAR Prazos de Candidatura 2016/17: Primeira fase: 01 a 27 de março Segunda fase: 06 a 24 de junho Nota: Para

Leia mais

ORIENTAÇÕES EMANADAS DO CONSELHO PEDAGÓGICO DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

ORIENTAÇÕES EMANADAS DO CONSELHO PEDAGÓGICO DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Conselho Pedagógico AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES EMANADAS DO CONSELHO PEDAGÓGICO DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Tendo em conta a importância do acto de avaliar, pelas repercussões no futuro escolar do aluno, importa

Leia mais

Já estamos a falar de exames Nacionais Finais!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Já estamos a falar de exames Nacionais Finais!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Já estamos a falar de exames Nacionais Finais!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Exames Nacionais Exames de equivalência à frequência 2017 11º ano/12º ano Quem se deve inscrever? Internos Alunos inscritos nos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2014-2015 O Agrupamento de Escolas de Aveiro definiu os presentes critérios gerais

Leia mais