Demonstração de Fluxos de Caixa Análise. Consolidação Relações entre empresas Consolidação integral Consolidação proporcional Equivalência patrimonial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Demonstração de Fluxos de Caixa Análise. Consolidação Relações entre empresas Consolidação integral Consolidação proporcional Equivalência patrimonial"

Transcrição

1 AULA 11 Demonstração de Fluxos de Caixa Análise Consolidação Relações entre empresas Consolidação integral Consolidação proporcional Equivalência patrimonial - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 1 Análise dos Fluxos de Caixa O fluxo das actividades operacionais é o principal fluxo. A actividade operacional da empresa é o ganha-pão de qualquer empresa. Este fluxo deve ser positivo! E deve cobrir os juros pagos, os dividendos pagos e o investimento de substituição - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 2 1

2 Análise dos Fluxos de Caixa O fluxo das actividades de investimento representa o assegurar que a empresa pode manter-se em laboração competitiva no futuro. Fluxo negativo significa que a empresa está a investir e como tal geralmente até é um bom sinal. - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 3 Análise dos Fluxos de Caixa Fluxo das actividades de financiamento: Idealmente, a empresa libertaria fundos operacionais suficientes para remunerar os capitais (próprios ou alheios) investidos na empresa. No entanto o crescimento não pode ficar limitado pelos fundos libertados pela actividade operacional. Assim a empresa pode ir buscar algum financiamento e este fluxo torna-se positivo. Fluxo positivo neste caso, é bom ou é mau? - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 4 2

3 Análise dos Fluxos de Caixa Variação de caixa e seus equivalentes deve ser positiva ou negativa? Depende: Da origem dos fundos Da posição inicial de caixa - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 5 Consolidação Demonstrações financeiras: Simples de uma única empresa Consolidadas de um grupo, apresentadas com as de uma única entidade IAS relevantes: IAS 27 Demontrações financeiras consolidadas e separadas IAS 28 Investimentos em associadas IAS 31 Interesses em emprendimentos conjuntos IFRS 3 Concentrações de actividades empresariais (Goodwill) - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 6 3

4 Controlo e participação financeira Controlo: é o poder de gerir as políticas financeiras e operacionais de uma entidade de forma a obter benefícios das suas actividades. Ocorre quando: a empresa-mãe é proprietária, directa ou indirectamente, de mais de metade do poder de voto. ou quando a empresa-mãe não é proprietária, directa ou indirectamente, de mais de metade do poder de voto mas tem poder de controlo. Participação financeira: é a soma das percentagens do capital detido pela empresa-mãe e pelas suas subsidiárias - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 7 Relações entre empresas 1) Subsidiária: é uma entidade que é controlada por outra entidade, a empresa-mãe. Normalmente a participação financeira é superior a 50% 2) Associada: entidade sobre a qual o investidor tenha influência significativa*. Normalmente a participação financeira é entre 20% e 50% 3) Empreendimentos conjuntos: partilha de controlo 4) Outros: restantes situações (*) Influência significativa: é o poder de participar nas decisões das politicas financeira e operacional da empresa mas que não é controlo nem controlo conjunto - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 8 4

5 Demonstrações consolidadas Subsidiárias Consolidação integral Empreendimentos conjuntos Associadas Consolidação Proporcional ou Equivalência Patrimonial Equivalência patrimonial Outros investimentos Custo ou justo valor - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 9 Consolidação Consolidação: apresentar as contas de um conjunto de empresas como se tratasse de uma única entidade Grupo: constituído pela empresa mãe e todas as suas subsidiárias Perímetro de consolidação: respeita às empresas que vão ser incluídas na consolidação - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 10 5

6 Consolidação Integral Somam-se as rubricas como se se tratasse de uma única entidade, eliminando as relações intragrupo. 1. As DF consolidadas combinam as DF da empresa-mãe e das suas subsidiárias, linha a linha adicionando items idênticos de activos, passivos, capital próprio, rendimentos e gastos 2. Os saldos, transacções, rendimentos e gastos intragrupo devem ser eliminados por inteiro 3. Quando a participação é inferior a 100% é necessário identificar os interesses minoritários nos resultados e no capital próprio 4. Deve-se eliminar o valor do investimento da empresa-mãe e a parte da empresa-mãe no capital próprio de cada subsidiária à data da aquisição da participação e calcular o goodwill - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 11 Goodwill O goodwill representa um pagamento feito pela adquirente, em antecipação de benefícios económicos futuros de activos que não sejam capazes de ser individualmente identificados e separadamente reconhecidos. Deve ser reconhecido à data de aquisição Goodwill = custo de aquisição % de participação x justo valor dos valores contabilísticos identificáveis à data da participação - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 12 6

7 Goodwill Se Goodwill positivo Reconhecido no activo Não é amortizado Mas tem de se fazer testes de imparidade Se Goodwill negativo Reavaliar a identificação e a mensuração dos activos e passivos identificáveis Reconhecer imediatamente nos resultados qualquer excesso remanescente após a reavaliação - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 13 Consolidação Proporcional Só se soma parte das rubricas da empresa participada. 1.As D.F. consolidadas combinam as DF da empresa-mãe e a % detida das suas subsidiárias, linha a linha adicionando items idênticos de activos, passivos, capital próprio, rendimentos e gastos 2. Os saldos, transacções, rendimentos e gastos intragrupo devem ser eliminados na proporção 3. Nunca há interesses minoritários 4. Deve-se eliminar o valor do investimento da empresa-mãe e a parte da empresa-mãe no capital próprio de cada subsidiária à data da aquisição da participação e calcular o goodwill - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 14 7

8 Método da Equivalência Patrimonial O investimento é inicialmente reconhecido pelo custo e ajustado depois pela alteração pós aquisição Os resultados do investidor incluem a parte do investidor nos resultados da investida - Contabilidade Financeira II 2007/ º Semestre 15 8

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Consolidação Consolidação Demonstrações financeiras: Simples de uma única empresa Consolidadas de um grupo, apresentadas com as de uma única entidade IAS relevantes:

Leia mais

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas NCRF14 Concentrações de actividades empresariais Definições ( 9) Concentração

Leia mais

DC6 - Eliminação dos Resultados não Realizados nas Transacções entre Empresas do Grupo (1) Directriz Contabilística n.º 6

DC6 - Eliminação dos Resultados não Realizados nas Transacções entre Empresas do Grupo (1) Directriz Contabilística n.º 6 DC6 - Eliminação dos Resultados não Realizados nas Transacções entre Empresas do Grupo (1) Directriz Contabilística n.º 6 Maio de 1992 1. A presente Directriz tem por finalidade tratar dos resultados não

Leia mais

Uma empresa-mãe é uma entidade que detém uma ou mais subsidiárias.

Uma empresa-mãe é uma entidade que detém uma ou mais subsidiárias. Interesse minoritário é a parte dos resultados e dos activos líquidos de uma subsidiária atribuível a interesses de capital próprio que não sejam detidos, directa ou indirectamente através de subsidiárias,

Leia mais

Investimentos Financeiros

Investimentos Financeiros Investimentos Financeiros Eduardo Sá Silva Associadas e Subsidiárias Os grandes projetos exigem um esforço de concentração de energias, conhecimentos e meios financeiros, nem sempre ao alcance das possibilidades

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 28 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 28 Investimentos em Associadas ÍNDICE Parágrafos Âmbito 1 Definições 2-12 Influência Significativa 6-10 Método da Equivalência Patrimonial 11-12 Aplicação

Leia mais

NCRF 23 Os Efeitos de Alterações em Taxas de Câmbio

NCRF 23 Os Efeitos de Alterações em Taxas de Câmbio NCRF 23 Os Efeitos de Alterações em Taxas de Câmbio Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 21 - Os Efeitos de Alterações em Taxas de Câmbio,

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar limitações da análise tradicional. A necessidade deste

Leia mais

Programa Anual de. Administradores não executivos. Novos desafios da prestação de informação financeira para de Maio de 2014

Programa Anual de. Administradores não executivos. Novos desafios da prestação de informação financeira para de Maio de 2014 Programa Anual de Desenvolvimento de Administradores não executivos Novos desafios da prestação de informação financeira para 2014 28 de Maio de 2014 IFRS 11: Acordos conjuntos (Joint Arrangements) 2 Novos

Leia mais

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores)

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores) INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS Exame de Recurso 18 de Fevereiro de 2013 Duração: 2H 30M Por favor leia com atenção antes

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 23 OS EFEITOS DE ALTERAÇÕES EM TAXAS DE CÂMBIO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 23 OS EFEITOS DE ALTERAÇÕES EM TAXAS DE CÂMBIO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 23 OS EFEITOS DE ALTERAÇÕES EM TAXAS DE CÂMBIO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 21 Os

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 13

Norma contabilística e de relato financeiro 13 Norma contabilística e de relato financeiro 13 Interesses em Empreendimentos Conjuntos e Investimentos em Associadas Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais

Leia mais

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores)

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores) INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS Exame Época Normal 01 de Fevereiro de 2013 Duração: 2H 30M Por favor leia com atenção antes

Leia mais

ANEXO I - MODELOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO I - MODELOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS >> Voltar ao índice ANEXO I - MODELOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS O presente documento apresenta um conjunto de modelos de demonstrações financeiras e um modelo de divulgação com os ajustamentos de transição

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

20790 Diário da República, 2.ª série N.º de julho de 2015

20790 Diário da República, 2.ª série N.º de julho de 2015 20790 Diário da República, 2.ª série N.º 146 29 de julho de 2015 b) A quantia escriturada que teria sido determinada (líquida de amortização ou depreciação) se nenhuma perda por imparidade tivesse reconhecida

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE RELATÓRIO E CONTAS 2010 3º TRIMESTRE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONDENSADAS 30 de Setembro de 2010 (Página Intencionalmente deixada em branco) EDP - Energias de Portugal Demonstração dos Resultados Consolidados

Leia mais

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS)

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS) SONAE INDÚSTRIA - SGPS, S.A. - Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia, Portugal Capital Social: 700 000 000 Matriculada na C. R. C. da Maia sob o nº 1067 Pessoa Colectiva nº 500 204 128

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 23.12.2015 L 336/49 REGULAMENTO (UE) 2015/2441 DA COMISSÃO de 18 de dezembro de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos termos

Leia mais

As IFRS (1) são adoptadas por algumas

As IFRS (1) são adoptadas por algumas Contas individuais, consolidadas e separadas: das IFRS para o SNC P o r A n t ó n i o G e r v á s i o L é r i a s Este artigo tenta caracterizar os vários tipos de contas no normativo das IFRS, passando

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE RELATÓRIO E CONTAS 2009 3º TRIMESTRE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONDENSADAS 30 de Setembro de 2009 EDP - Energias de Portugal Demonstração dos Resultados Consolidados para os períodos de 9 meses findos

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR 1.º SEMESTRE DE 2016 O BIM - Internacional de Moçambique, S.A., com o intuito de manter informados os senhores Clientes e o público em geral da evolução da sua actividade,

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE. 1. Introdução O IAS 28 Investments in Associates é aplçicado ao registro de investimentos

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IAS/IFRS)

TRANSPOSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IAS/IFRS) Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua dos Remolares, nº 14, 1200-371 Lisboa Portugal Capital Social 5.000.000 NIPC 500 255 342 Matrícula de Registo Comercial de Lisboa nº 5489 FACTO

Leia mais

Contabilidade Financeira II (1G111)

Contabilidade Financeira II (1G111) IV. Consolidação de Contas (1G111) IV. Consolidação de contas 1. Perímetro de consolidação definição do perímetro de consolidação Devese considerar apenas, no conjunto consolidado, as empresas sobre as

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 Demonstrações Financeiras Intercalares Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 2017 Índice Demonstração dos resultados Balanço Demonstração das alterações dos capitais próprios Demonstração

Leia mais

Venda de 2% do BFA. Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI. 11 Novembro 2016

Venda de 2% do BFA. Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI. 11 Novembro 2016 Venda de 2% do BFA Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI 11 Novembro 2016 Impacto da venda de 2% nas contas consolidadas do BPI Em 7 de Outubro de 2016

Leia mais

Consolidação de contas e o método da equivalência patrimonial

Consolidação de contas e o método da equivalência patrimonial Outubro 2014 FORMAÇÃO À DISTÂNCIA Consolidação de contas e o método da equivalência patrimonial DIS4114 Augusto Jorge Ribeiro Simões www.otoc.pt FICHA TÉCNICA Título: Consolidação de contas e o método

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R2) Demonstrações Separadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R2) Demonstrações Separadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R2) Demonstrações Separadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 27 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

Contabilidade Avançada. Apostila I. Prof. Marcelo Evandro Alves

Contabilidade Avançada. Apostila I. Prof. Marcelo Evandro Alves ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIENCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE TANGARA DA SERRA. DEPARTAMENTO DE CIENCIAS CONTABEIS Missão da UNEMAT: Garantir a produção

Leia mais

Principais Impactos dos Novos IFRS na Indústria de Real Estate. Apresentação APIMEC 27/03/2014

Principais Impactos dos Novos IFRS na Indústria de Real Estate. Apresentação APIMEC 27/03/2014 Principais Impactos dos Novos IFRS na Indústria de Real Estate Apresentação APIMEC 27/03/2014 Agenda Novos pronunciamentos contábeis em 2013 e seus impactos para a indústria de Real Estate Pronunciamentos

Leia mais

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone: Tatuapé

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone: Tatuapé de Oliveira 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa Energética-2010-Cesgranrio) Considere a operação a seguir. A Cia. Ordem e Progresso, após a apuração do seu resultado, efetuou

Leia mais

Banco Comercial Português

Banco Comercial Português Ativo Ativo Bruto 2017 Imparidades e amortizações 2016 Caixa e disponibilidades em bancos centrais 2,144,795-2,144,795 2,618,275 Disponibilidades em outras instituições de crédito 1,113,371-1,113,371 421,850

Leia mais

Norma Contabilística e de Relato Financeiro 14. Concentrações de Atividades Empresariais

Norma Contabilística e de Relato Financeiro 14. Concentrações de Atividades Empresariais correntes; pode mostrar a sua parte nos ativos fixos tangíveis da entidade conjuntamente controlada separadamente como parte dos seus ativos fixos tangíveis. Ambos os formatos de relato mostrariam quantias

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE

RELATÓRIO E CONTAS º TRIMESTRE RELATÓRIO E CONTAS 2010 1º TRIMESTRE (Página Intencionalmente deixada em branco) 2 EDP - Energias de Portugal Demonstração dos Resultados Consolidados para os períodos de 3 meses findos em 31 de Março

Leia mais

Alterações ao SNC Breve Síntese

Alterações ao SNC Breve Síntese Alterações ao SNC 2016 - Breve Síntese A publicação do Decreto-Lei n.º 98/2015 transpõe para o ordenamento jurídico interno a Directiva Europeia de Contabilidade, que em conjunto com a publicação das Portarias

Leia mais

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA Prof. Mauricio Pocopetz OBJETIVOS O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer: a contabilização de investimentos em coligadas e em controladas; e definir

Leia mais

MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL. Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas

MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL. Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas Definições relevantes: Associada: é uma entidade (aqui se incluindo as entidades que não sejam

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 25.11.2015 L 307/11 REGULAMENTO (UE) 2015/2173 DA COMISSÃO de 24 de novembro de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008, que adota determinadas normas internacionais de contabilidade nos termos

Leia mais

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS CONSOLIDADOS AUDITADOS PARA 2002 DE ACORDO COM AS NORMAS CONTABILÍSTICAS INTERNACIONAIS (IAS).

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS CONSOLIDADOS AUDITADOS PARA 2002 DE ACORDO COM AS NORMAS CONTABILÍSTICAS INTERNACIONAIS (IAS). SONAECOM DIVULGA RESULTADOS CONSOLIDADOS AUDITADOS PARA 2002 DE ACORDO COM AS NORMAS CONTABILÍSTICAS INTERNACIONAIS (IAS). Porto, Portugal, 21 Abril 2003 (Tradução para português do original em inglês)

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência CONTABILIDADE FINANCEIRA II Data: 6 de Janeiro de 2010 Duração: 2 horas e 30 minutos 2ª Frequência Responda a cada grupo em folhas separadas Grupo I (45 minutos 6,5 valores) 1. Apresenta-se de seguida

Leia mais

C N. ANEXO (modelo geral)

C N. ANEXO (modelo geral) ANEXO (modelo geral) O presente documento não constitui um formulário relativo às notas do Anexo, mas tão só uma compilação das divulgações exigidas pelas NCRF. Assim, cada entidade deverá criar a sua

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 1.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 3 de Junho de 2009 Início: 8h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: CONTABILIDADE AVANÇADA PROFESSOR: KAMILLE

Leia mais

2010 RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS Desempenho Económico, Ambiental e Social

2010 RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS Desempenho Económico, Ambiental e Social 2010 RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS Desempenho Económico, Ambiental e Social Criando valor sustentável em centros comerciais Indice 1 Demonstracao da posicao financeira consolidada em 31 de Dezembro de

Leia mais

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução Índice PPU CD 1. Introdução 1.1. Contabilidade 1.1.1. Importância da Contabilidade 1.1.2. Plano de Negócios e Orçamento 1.1.3. Contabilidade de Gestão ou Analítica 1.1.4. Os Preparadores da Informação

Leia mais

- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL -

- FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL - XIII JORNADAS DE CONTABILIDADE E FISCALIDADE DA APOTEC - LISBOA / CULTURGEST / 1 DE MARÇO DE 2007 - - FUTURA NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NACIONAL - 1 TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS... E NÓS SEC IOSCO PORTUGAL

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística 1 Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 2 Sistema de Normalização Contabilística APRESENTAÇÃO do SNC ESTRUTURA CONCEPTUAL

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 6-I000-0-06-07

Leia mais

Centro Social Paroquial de São Nicolau

Centro Social Paroquial de São Nicolau Centro Social Paroquial de São Nicolau Anexo às Demonstrações Financeiras de 2015 1. Caracterização da entidade O Centro Social Paroquial de São Nicolau foi constituído em 1993 e tem a sua sede social

Leia mais

CURSO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CURSO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS CURSO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy Consolidação

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS INNOVATIVE SPIRITED MODERN

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS INNOVATIVE SPIRITED MODERN 2007 RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS INNOVATIVE SPIRITED MODERN Indice 1 Balanços consolidados em 31 de Dezembro de 2007 e 2006 2 Demonstrações consolidadas de resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras (IAS 1) Conjunto de D.F. Balanço - Contabilidade Financeira II 2008/ 2009 1º Semestre 2 1 Demonstrações Financeiras

Leia mais

2. No Balanço Patrimonial Consolidado, o Ativo Circulante será em R$:

2. No Balanço Patrimonial Consolidado, o Ativo Circulante será em R$: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profª.: Márcia

Leia mais

1. A sociedade X apresenta o seguinte Balanço a X (POC):

1. A sociedade X apresenta o seguinte Balanço a X (POC): GRUPO I No contexto de preparação do Balanço de Abertura de acordo com as NCRF (SNC) e considerando as contas apresentadas de acordo com o POC, e um utente das DFs que tem como principais informações financeiras

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 25 IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 Impostos sobre o Rendimento,

Leia mais

A seguir a correção da prova de contabilidade geral, aplicada pela FCC, neste final de semana passado.

A seguir a correção da prova de contabilidade geral, aplicada pela FCC, neste final de semana passado. Olá, meus amigos. A seguir a correção da prova de contabilidade geral, aplicada pela FCC, neste final de semana passado. Por enquanto, uma vez que ainda não temos gabarito, nenhuma possibilidade de recurso.

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Situação: PARCIALMENTE CONVERGENTE 1. Introdução O IAS 31 Interests in Joint Ventures trata da contabilização das

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2016 E DE 2015

DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2016 E DE 2015 2 DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2016 E DE 2015 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dez 2016 31 dez 2015 Reexpresso Nota 4 ATIVOS NÃO CORRENTES: Ativos fixos

Leia mais

NOTAS AUXILIARES DE PREENCHIMENTO

NOTAS AUXILIARES DE PREENCHIMENTO Anexo à Instrução nº 23/2004 NOTAS AUXILIARES DE PREENCHIMENTO Tendo em vista facilitar o preenchimento dos modelos de reporte da situação analítica, prestam-se os seguintes esclarecimentos: 1. Os itens

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 468-I0060-8 0-06-

Leia mais

7708 Diário da República, 1.ª série N.º de setembro de 2015

7708 Diário da República, 1.ª série N.º de setembro de 2015 7708 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 ção à data de relato. Tais dispêndios são reconhecidos na mesma base como se surgissem independentemente de uma reestruturação. NCP 16

Leia mais

Abaixo, o gabarito extraoficial da prova de contabilidade do TCE PE.

Abaixo, o gabarito extraoficial da prova de contabilidade do TCE PE. CORREÇÃO DA PROVA TCE PE PROF. GABRIEL RABELO/LUCIANO ROSA/JULIO CARDOZO Resolução da prova TCE PE Olá, pessoal, tudo bem? Abaixo, o gabarito extraoficial da prova de contabilidade do TCE PE. Prova bem

Leia mais

Norma Nr.031 / 1995 de 28/12 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

Norma Nr.031 / 1995 de 28/12 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Norma Nr.031 / 1995 de 28/12 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento das demonstrações financeiras individuais das empresas integradas

Leia mais

Ativos Intangíveis e Goodwill

Ativos Intangíveis e Goodwill Ativos Intangíveis e Goodwill O conceito de goodwill ainda é motivo de discussão pela sua subjetividade e dificuldade de mensuração. O goodwill é um ativo intangível, assim como contas a receber, despesas

Leia mais

ANEXO N.º 6 MODELO GERAL

ANEXO N.º 6 MODELO GERAL ANEXO N.º 6 MODELO GERAL O presente documento não constitui um formulário relativo às notas do Anexo, mas tão só uma compilação das divulgações exigidas pelas NCRF. Assim, cada entidade deverá criar a

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência CONTABILIDADE FINANCEIRA II Data: 31 de Maio de 2010 Duração: 2 horas e 30 minutos 2ª Frequência Responda a cada grupo em folhas separadas Grupo I (25 minutos 3,5 valores) A empresa M tem participações

Leia mais

Abaixo, o gabarito extraoficial da prova de contabilidade do TCE PE.

Abaixo, o gabarito extraoficial da prova de contabilidade do TCE PE. CORREÇÃO DA PROVA TCE PE PROF. GABRIEL RABELO/LUCIANO ROSA/JULIO CARDOZO Resolução da prova TCE PE Olá, pessoal, tudo bem? Abaixo, o gabarito extraoficial da prova de contabilidade do TCE PE. Prova bem

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira dos primeiros nove meses

Leia mais

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs Instruções: - responda apenas 10 perguntas desta lista. A folha com as respostas entrega deverá ser realizada ao início do próximo encontro (21

Leia mais

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS o m i s s ã o 1 MEIOS FINANEIROS LÍQUIDOS * 11 aixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Instrumentos financeiros * 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 21.11.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 312/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 1174/2013 DA COMISSÃO de 20 de novembro de 2013 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 Fevereiro 2011 EXERCÍCIO Nº 1 Aplicação do MEP 1. A entidade A adquiriu 40% do capital da entidade X por

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: MÉTODO DA TAXA DE JURO EFECTIVA NO RECONHECIMENTO DE RENDIMENTOS E GASTOS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento D52439/02 - ANEXO.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento D52439/02 - ANEXO. Conselho da União Europeia Bruxelas, 20 de setembro de 2017 (OR. en) 12297/17 ADD 1 DRS 55 ECOFIN 727 EF 196 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 14 de setembro de 2017 para: Secretariado-Geral

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18. Investimento em Coligada e em Controlada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18. Investimento em Coligada e em Controlada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 Investimento em Coligada e em Controlada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 28 Índice ALCANCE 1 Item DEFINIÇÕES 2

Leia mais

IFRS 12 Divulgação de Investimentos em outras Entidades

IFRS 12 Divulgação de Investimentos em outras Entidades IFRS 12 Divulgação de Investimentos em outras Entidades Março de 2013 Objetivo Subsidiárias Reúne em uma única norma os requerimentos de divulgação relacionados a Acordos de Investimento em Empreendimento

Leia mais

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre

Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre 2012 Informação Financeira Consolidada Intercalar 3ºTrimestre Elementos mínimos previstos na IAS 34 de acordo com o Artigo 10º do Regulamento da CMVM nº5/2008 Glintt Global Intelligent Technologies, S.A.

Leia mais

Enquadramento Macroeconómico/Sectorial

Enquadramento Macroeconómico/Sectorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2013 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Enquadramento Macroeconómico/Sectorial

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2016 de 08 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 07/2016 de 08 de Agosto INSTRUTIVO N.º 07/2016 de 08 de Agosto ASSUNTO:MÉTODO DA TAXA DE JURO EFECTIVA NO RECONHECIMENTO DE RENDIMENTOS E GASTOS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Havendo necessidade de se estabelecer um conjunto de

Leia mais

Este tema desperta grande interesse,

Este tema desperta grande interesse, Fusões e aquisições na banca P o r M a r i a M a n u e l a V i e i r a R e i n o l d s d e M e l o Conheça o impacto da contabilização das novas Normas Internacionais de Relato Financeiro (IFRS n.º 3)

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, SA

Caixa Geral de Depósitos, SA 164 Relatório e Contas 2011 CGD 1.13. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) 31.12.2011 Pro forma 31.12.2010 Pro forma 01.01.2010 ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões,

Leia mais

2. No Balanço Patrimonial Consolidado, o Ativo Circulante será em R$:

2. No Balanço Patrimonial Consolidado, o Ativo Circulante será em R$: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profª.: Márcia

Leia mais

Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de Janeiro de 2012 Duração: 2 horas. Classificação. Informações

Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de Janeiro de 2012 Duração: 2 horas. Classificação. Informações CONTABILIDADE FINANCEIRA I Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de Janeiro de 2012 Duração: 2 horas NOME (completo) Nº de aluno(a) Nº da Prova Grupos I II III Total: Classificação Informações 1.

Leia mais

IPI Itaúsa Portugal Investimentos Sociedade Gestora de Participações Sociais, Lda

IPI Itaúsa Portugal Investimentos Sociedade Gestora de Participações Sociais, Lda IPI Itaúsa Portugal Investimentos Sociedade Gestora de Participações Sociais, Lda Relatório e contas Exercício findo em 31 de Dezembro de 2007 (contas individuais) IPI Itaúsa Portugal Investimentos SGPS,

Leia mais

Fundação Montepio Geral

Fundação Montepio Geral 1 Identificação da entidade A Fundação Montepio Geral (adiante designada por Fundação ) é uma instituição particular de solidariedade social e de utilidade pública, sem fins lucrativos, constituída a 4

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 18/2016 de 08 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 18/2016 de 08 de Agosto INSTRUTIVO N.º 18/216 de 8 de Agosto ASSUNTO: PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÃO SOBRE A COMPOSIÇÃO DOS FUNDOS PRÓPRIOS E RÁCIO DE SOLVABILIDADE Havendo necessidade de regulamentar o envio de informação a ser prestada

Leia mais

Diploma. Aprova os modelos de demonstrações financeiras para as diferentes entidades que aplicam o SNC

Diploma. Aprova os modelos de demonstrações financeiras para as diferentes entidades que aplicam o SNC Diploma Aprova os modelos de demonstrações financeiras para as diferentes entidades que aplicam o SNC Portaria n.º 220/2015 de 24 de julho Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 98/2015, de 2 de

Leia mais

IMPAIRMENT OF ASSETS NBC T REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01

IMPAIRMENT OF ASSETS NBC T REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01 IMPAIRMENT OF ASSETS NBC T 19.10 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01 1 1. OBJETIVO Assegurar que os ativos não estejam registrados contabilmente por um valor superior àquele passível

Leia mais

LEGISLAÇÕES/2008 ÁREA BANCÁRIA. Decreto-Lei nº 1/2008, de 14/01/08-Cria a Unidade de Informação Financeira - B. O. I Série nº 2, de 14/01/2008;

LEGISLAÇÕES/2008 ÁREA BANCÁRIA. Decreto-Lei nº 1/2008, de 14/01/08-Cria a Unidade de Informação Financeira - B. O. I Série nº 2, de 14/01/2008; LEGISLAÇÕES/2008 ÁREA BANCÁRIA Decreto-Lei nº 1/2008, de 14/01/08-Cria a Unidade de Informação Financeira - B. O. I Série nº 2, de 14/01/2008; Decreto-Lei nº 3/2008, de 21/01/2008-Revê o Decreto-Lei nº

Leia mais

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Universidade Federal de Pernambuco Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profa. Márcia Ferreira E- mail: marcia@ferreiraauditores.com.br

Leia mais

ATLÂNTICO EUROPA SGPS, S.A. Relatório e Contas

ATLÂNTICO EUROPA SGPS, S.A. Relatório e Contas ATLÂNTICO EUROPA SGPS, S.A. Relatório e Contas 1º Semestre 2014 Relatório Intercalar 1º Semestre 2014 ÍNDICE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 3 NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 8 Relatório Intercalar

Leia mais