MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS:"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB - PRIMEIROS RESULTADOS: Médias de desempenho do SAEB/ em perspectiva comparada Fevereiro de 2007

2 Presidente da República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Reynaldo Fernandes Diretor de Avaliação da Educação Básica Amaury Patrick Gremaud Coordenadora-Geral de Avaliação da Educação Básica Luiza Massae Uema

3 Introdução O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB) coleta informações sobre o desempenho acadêmico dos alunos brasileiros, apontando o que sabem e são capazes de fazer, em diversos momentos de seu percurso escolar, considerando as condições existentes nas escolas. Os dados, obtidos com a aplicação de provas aos alunos e de questionários a alunos, professores e diretores, permitem acompanhar a evolução do desempenho e dos diversos fatores associados à qualidade e à efetividade do ensino ministrado nas escolas. A partir das informações do SAEB, o Ministério da Educação - MEC e as Secretarias Estaduais e Municipais podem definir ações voltadas para a correção das distorções e debilidades identificadas e dirigir seu apoio técnico e financeiro para o desenvolvimento e a redução das desigualdades ainda existentes no sistema educacional brasileiro. Além disso, realizar avaliações e divulgar seus resultados é uma forma do poder público prestar contas da sua atuação a alunos, professores, pais e à sociedade em geral, proporcionando uma visão clara do processo de ensino e das condições em que ele é desenvolvido. Assim, o SAEB tem como principal objetivo oferecer subsídios para a formulação, reformulação e monitoramento de políticas públicas, contribuindo, dessa maneira, para a universalização do acesso e a ampliação da qualidade, da eqüidade e da eficiência da educação brasileira. Neste documento serão apresentados os resultados de desempenho dos alunos de 4ª e 8ª séries do Ensino Fundamental e da 3ª série do Ensino Médio, em Língua Portuguesa e Matemática na série histórica do SAEB, assim como alguns dados específicos da edição do SAEB/. Apresentar os resultados de uma série histórica requer considerações acerca da questão de comparabilidade dos resultados. É sabido que o SAEB, desde sua primeira aplicação em nível nacional em 1990, tem procurado utilizar as melhores metodologias de coleta e análise de dados. Naquela ocasião, não havia sido introduzido no sistema um mecanismo que pudesse garantir a possibilidade de comparação de resultados de um ano para o outro. A cada ano os resultados eram analisados separadamente sendo, ao final, possível verificar a existência de aspectos comuns entre as avaliações, como por exemplo, conteúdos em que os alunos se saíam bem ou mal. Neste caso, realizava-se algo como uma metaanálise dos resultados. A partir de 1995, porém, houve a intenção explícita de garantir a comparabilidade e assim, formar uma série histórica de resultados da avaliação. Na área educacional existem técnicas de ligação que permitem que dois ou mais resultados de avaliações em larga escala sejam comparáveis. O procedimento adotado nas análises do SAEB tem por base a metodologia de equalização, que supõe controle da coleta de dados e das técnicas estatísticas para transformar os escores, para que, ao final, os resultados sejam comparáveis. Até 1993, o SAEB utilizou a Teoria Clássica de Testes (TCT) para a construção dos instrumentos, atribuição dos escores e análise dos resultados, não havendo planejamento para uma comparação dos resultados. A partir de 1995, foi introduzido o uso da Teoria de Resposta ao Item (TRI) para a construção de instrumentos, a atribuição de escores e a análise, de forma a viabilizar a comparação dos resultados. Os resultados obtidos a partir da TRI são independentes de grupos e não são afetados pela dificuldade dos testes.

4 A confiabilidade na comparação dos resultados ao longo dos anos é também garantida por meio da inclusão de itens comuns às avaliações de edições anteriores nos testes. A partir desses itens comuns é que se torna possível a comparação de resultados de um ciclo para o outro. Este tipo de equalização é chamado de equalização de grupos não equivalentes com itens comuns. Do ponto de vista dos instrumentos, os testes utilizados no SAEB tem por base as matrizes de referência, que orientam a construção e seleção de itens de avaliação. A cada processo de aperfeiçoamento pelo qual passam as matrizes, tabelas de conversão são criadas para que haja relação de comparabilidade entre os ciclos de avaliação. Quanto às amostras de alunos, convém ressaltar que em todas as edições do SAEB os procedimentos de amostragem basearam-se em metodologia científica, que garante precisão nas estimativas dos parâmetros populacionais. São amostras aleatórias, probabilísticas e representativas da população de referência. De maneira geral, a população de referência do SAEB é composta pelos alunos brasileiros do ensino regular que freqüentam a 4ª e 8ª séries do Ensino Fundamental e a 3ª série do Ensino Médio, de todas as. Entretanto, faz-se necessário salientar que a população de referência do SAEB é dinâmica, ou seja, os alunos que a constituem em cada ciclo apresentam uma estrutura variada em relação, como por exemplo, ao nível sócio-econômico-cultural, fatores não controlados pelo sistema. Além disso, o próprio sistema educacional apresenta um dinamismo próprio, cujas mudanças são captadas pelo SAEB, apesar de não serem controladas por ele. Nessa linha, em cada levantamento do SAEB houve pequenas variações que deram a forma final para as populações de referência. O mesmo ocorreu na definição das amostras. Todavia, manteve-se similaridade na sua estrutura, permitindo, dessa maneira, comparações entre anos. Seguem algumas características dos ciclos do SAEB. Abrangência Alunos Ciclo Escolas 4ª série EF 8ª série EF 3ª série EM Total

5 Escolas Pesquisadas Ciclo Urbana Rural Municipal Estadual Federal Particular 1995 X X (1) X X X X 1997 (6) X X(2) X X - X 1999 X X (3) X X - X 2001 X X (3) X X - X 2003 X X (4) X X X (5) X X X (4) X X X (5) X (1) em todas as séries (2) em todas as séries, exceto na Região Norte (3) somente na 4ª série dos Estados da Região Nordeste, Minas Gerais e Sul (4) somente na 4ª série das 5 regiões (5) amostra nacional (6) exclusive turmas profissionalizantes de 3ª série Os dados da série histórica apresentados neste documento referem-se às médias de desempenho nos estratos comuns, diretamente comparáveis: Brasil: urbano, rural, público (estadual e municipal) e privado Regiões: urbano, público (estadual e municipal) e privado : urbano, público (estadual e municipal) e privado As médias de desempenho são acompanhadas do respectivo erro padrão, medida que revela a precisão das estimativas. Também são apresentadas as diferenças absolutas entre as médias de desempenho de 2003 e e sua significância estatística (diferença de média usando teste bilateral). Quando o asterisco aparece na tabela indica que a diferença é estatisticamente significativa para o nível de confiança de 95%.

6 Dados Gerais

7 Tabela 1 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa Brasil 1995 Série Dif. Sig. 4a Série do E.F. 188,3 (1,6) 186,5 (1,6) 170,7 (0,9) 165,1 (0,8) 169,4 (0,8) 172,3 (1,0) 2,9 * 8a Série do E.F. 256,1 (1,4) 250,0 (2,0) 232,9 (1,0) 235,2 (1,3) 232,0 (1,0) 231,9 (1,0) -0,1 3a Série do E.M. 290,0 (1,9) 283,9 (2,1) 266,6 (1,5) 262,3 (1,4) 266,7 (1,3) 257,6 (1,6) -9,1 * Gráfico 1 - Médias de Proficiencia em Língua Portuguesa - Brasil a E.F. 8a E.F. 3a E.M. Obs.: As médias dos anos de 1995, 2003 e foram estimadas incluindo o estrato de escolas públicas federais. Em todos os anos, a zona rural foi avaliada e incluída para a estimativa das médias apenas na 4ª série. Para a composição do estrato rural não foi incluída a Região Norte em 1997 e em 1999 e 2001, apenas participaram os estados da Região Nordeste, Minas Gerais e o Mato Grosso. 6

8 Tabela 2 Médias de Proficiência em Matemática Brasil 1995 Série Dif. Sig. 4a Série do E.F. 190,6 (1,5) 190,8 (1,2) 181,0 (0,9) 176,3 (0,8) 177,1 (0,8) 182,4 (0,9) 5,3 * 8a Série do E.F. 253,2 (1,9) 250,0 (2,1) 246,4 (1,1) 243,4 (1,2) 245,0 (1,1) 239,5 (1,1) -5,5 * 3a Série do E.M. 281,9 (2,6) 288,7 (3,0) 280,3 (1,7) 276,7 (1,3) 278,7 (1,4) 271,3 (1,8) -7,4 * Gráfico 2 - Médias de Proficiencia em Matemática - Brasil a E.F. 8a E.F. 3a E.M. Obs.: As médias dos anos de 1995, 2003 e, foram estimadas incluindo o estrato de escolas públicas federais. Em todos os anos, a zona rural foi avaliada e incluída para a estimativa das médias apenas na 4ª série. Para a composição do estrato rural não foi incluída a Região Norte em 1997 e em 1999 e 2001, apenas participaram os estados da Região Nordeste, Minas Gerais e o Mato Grosso. 7

9 4ª série do Ensino Fundamental 8

10 Tabela 3 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Urbanas sem Federais (1) (2) Dif. (1),(2) Brasil 191,6 (1,6) 187,8 (1,6) 172,3 (1,0) 168,3 (0,9) 173,1 (0,8) 175,5 (1,1) 2,4 Norte 175,0 (3,2) 172,0 (1,6) 160,2 (1,0) 156,9 (1,1) 161,7 (1,4) 163,8 (1,2) 2,1 Rondônia 175,3 (3,7) 173,5 (2,8) 162,5 (1,9) 160,5 (1,5) 162,2 (2,7) 166,6 (2,0) 4,4 Acre 168,0 (4,0) 163,3 (1,6) 154,2 (2,5) 148,7 (2,5) 159,6 (3,0) 172,5 (1,8) 12,9 * Amazonas 178,3 (5,7) 176,9 (2,0) 169,0 (2,5) 162,4 (2,2) 163,3 (1,9) 163,0 (2,1) -0,3 Roraima 181,7 (4,3) 161,8 (1,6) 166,6 (3,8) 157,0 (4,5) 165,2 (4,1) 165,9 (5,0) 0,7 Pará 174,5 (6,3) 171,1 (3,1) 158,2 (1,7) 156,5 (2,0) 160,7 (2,7) 163,5 (2,4) 2,8 Amapá 167,9 (6,0) 167,8 (2,7) 164,4 (4,2) 155,8 (4,2) 156,3 (1,8) 159,6 (2,4) 3,3 Tocantins 174,3 (3,3) 172,8 (3,2) 151,1 (2,4) 147,6 (3,0) 165,0 (3,4) 162,1 (2,5) -2,9 Nordeste 182,6 (2,6) 179,5 (1,7) 159,7 (0,8) 151,7 (1,0) 158,0 (1,0) 159,1 (1,1) 1,1 Maranhão 167,7 (10,4) 176,1 (3,0) 158,6 (2,3) 150,3 (2,4) 152,2 (3,2) 155,7 (2,8) 3,4 Piauí 191,7 (10,0) 182,2 (3,8) 156,6 (1,8) 155,8 (2,1) 160,6 (3,1) 156,9 (2,1) -3,7 Ceará 185,5 (3,2) 186,1 (3,8) 158,7 (2,0) 152,8 (3,2) 160,4 (2,6) 163,8 (2,0) 3,3 Norte 182,2 (4,4) 174,1 (3,7) 156,3 (2,0) 145,0 (2,3) 150,1 (2,8) 150,8 (1,3) 0,8 Paraíba 185,1 (8,8) 180,6 (3,2) 169,5 (1,9) 158,6 (1,5) 158,0 (2,3) 158,6 (2,5) 0,6 Pernambuco 181,4 (3,5) 176,6 (3,1) 158,4 (1,9) 151,5 (2,3) 161,4 (1,7) 162,3 (2,2) 0,9 Alagoas 178,1 (7,1) 171,3 (3,5) 157,3 (3,0) 153,2 (2,4) 154,8 (2,4) 154,5 (3,9) -0,2 Sergipe 186,3 (6,4) 176,8 (3,0) 160,8 (2,6) 155,2 (2,2) 160,5 (2,0) 163,8 (1,7) 3,3 Bahia 186,4 (6,7) 181,3 (5,1) 160,7 (2,0) 149,5 (2,6) 159,0 (2,8) 159,1 (3,3) 0,1 Sudeste 197,1 (2,9) 194,5 (3,2) 180,4 (2,0) 179,7 (1,8) 182,5 (1,6) 185,2 (2,3) 2,8 Minas Gerais 204,9 (3,1) 213,2 (4,1) 181,0 (6,3) 179,7 (4,5) 185,1 (2,3) 190,5 (3,3) 5,5 Espírito Santo 184,2 (3,7) 177,5 (1,1) 173,8 (1,9) 170,2 (1,9) 176,8 (1,6) 180,4 (2,1) 3,7 Rio de Janeiro 194,7 (5,7) 183,6 (4,0) 182,5 (2,3) 179,8 (2,5) 183,4 (2,5) 183,7 (2,2) 0,3 São Paulo 196,2 (4,6) 191,0 (5,4) 179,9 (2,2) 180,4 (2,6) 181,4 (2,7) 183,7 (4,1) 2,4 Sul 195,9 (2,7) 192,4 (2,2) 179,1 (1,7) 176,0 (1,2) 180,0 (1,9) 182,5 (1,8) 2,6 Paraná 200,4 (4,2) 195,0 (4,3) 179,6 (3,3) 173,1 (2,2) 175,8 (4,0) 183,8 (3,7) 8,0 Santa Catarina 193,4 (5,4) 197,7 (3,5) 180,9 (2,1) 176,6 (2,0) 182,5 (1,9) 181,2 (2,2) -1,3 Sul 191,7 (4,8) 186,8 (4,3) 177,7 (2,3) 178,7 (1,6) 183,0 (2,1) 182,0 (2,1) -1,0 Centro Oeste 195,5 (2,7) 184,6 (1,3) 170,7 (1,2) 165,2 (1,2) 174,0 (1,2) 176,8 (1,4) 2,7 Sul 194,1 (3,2) 187,7 (3,6) 173,0 (2,3) 160,6 (1,8) 166,8 (2,1) 172,8 (1,9) 6,0 * Mato Grosso 176,9 (4,7) 172,8 (3,0) 159,4 (2,2) 152,2 (1,9) 161,2 (2,2) 167,4 (2,4) 6,2 Goiás 198,6 (5,1) 187,8 (2,2) 174,1 (2,2) 167,3 (2,1) 176,3 (1,9) 176,3 (2,5) 0,0 Distrito Federal 205,9 (5,1) 187,0 (2,4) 174,1 (2,5) 185,7 (3,9) 194,1 (4,2) 193,6 (3,4) -0,5 Sig. 9

11 Tabela 4 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Urbanas sem Federais (1) (2) Dif. (1),(2) Brasil 192,8 (1,6) 192,1 (1,1) 182,3 (0,9) 179,0 (0,9) 180,7 (0,8) 185,7 (1,0) 5,0 * Norte 175,4 (2,1) 174,9 (1,5) 171,3 (1,0) 163,6 (0,9) 165,4 (1,1) 169,9 (1,1) 4,5 * Rondônia 179,9 (4,6) 180,2 (2,0) 173,5 (2,3) 170,9 (1,8) 171,5 (2,1) 173,7 (1,6) 2,2 Acre 170,0 (1,6) 167,7 (1,6) 164,2 (2,8) 153,6 (1,8) 160,7 (2,4) 174,0 (2,4) 13,4 * Amazonas 178,5 (3,0) 177,8 (1,9) 175,3 (1,7) 167,8 (1,9) 169,3 (1,8) 175,0 (2,0) 5,7 * Roraima 181,6 (3,7) 166,8 (2,1) 169,6 (3,1) 168,8 (4,1) 171,4 (4,3) 174,4 (3,5) 3,0 Pará 173,0 (4,1) 173,3 (3,0) 171,2 (1,7) 161,8 (1,7) 161,8 (2,1) 167,0 (1,9) 5,2 Amapá 170,0 (5,0) 171,1 (2,7) 169,2 (2,7) 160,0 (4,1) 163,3 (1,7) 165,2 (2,8) 1,8 Tocantins 177,3 (3,4) 177,1 (2,4) 167,5 (2,4) 160,7 (2,2) 169,3 (3,7) 167,2 (3,1) -2,1 Nordeste 182,8 (2,2) 182,8 (1,4) 170,2 (0,7) 162,2 (0,9) 164,9 (1,0) 166,5 (1,1) 1,6 Maranhão 174,7 (5,1) 177,1 (3,7) 168,4 (2,1) 157,1 (1,8) 159,1 (2,6) 161,8 (2,2) 2,7 Piauí 194,6 (9,4) 179,5 (4,6) 171,8 (1,8) 164,9 (1,8) 161,7 (2,3) 162,2 (2,5) 0,4 Ceará 183,3 (3,6) 187,8 (2,8) 170,4 (1,7) 159,5 (2,7) 165,0 (2,6) 165,6 (2,8) 0,6 Norte 184,5 (4,9) 181,2 (2,5) 167,8 (2,7) 159,7 (2,5) 158,1 (2,3) 159,0 (1,9) 0,8 Paraíba 183,6 (8,9) 183,2 (3,8) 176,0 (2,0) 167,5 (1,9) 167,9 (2,1) 168,4 (3,0) 0,5 Pernambuco 184,8 (3,9) 180,0 (5,5) 167,5 (1,8) 162,0 (2,0) 166,5 (2,1) 170,4 (3,2) 3,9 Alagoas 179,4 (4,3) 174,7 (2,9) 173,8 (2,0) 164,5 (3,4) 163,1 (2,1) 162,6 (3,1) -0,5 Sergipe 185,6 (5,3) 181,4 (2,3) 174,7 (2,3) 168,2 (1,8) 167,4 (2,0) 171,5 (2,0) 4,1 Bahia 182,3 (5,5) 186,7 (2,5) 169,9 (1,7) 163,3 (2,3) 168,4 (2,7) 169,5 (2,6) 1,1 Sudeste 199,9 (3,0) 198,9 (2,0) 189,4 (1,9) 190,5 (1,8) 191,0 (1,7) 196,5 (1,9) 5,6 * Minas Gerais 211,0 (3,7) 215,9 (2,3) 190,8 (5,0) 193,3 (4,7) 198,2 (2,1) 207,2 (3,2) 9,0 * Espírito Santo 185,3 (4,2) 182,2 (1,5) 185,5 (2,0) 185,5 (2,3) 183,9 (1,8) 191,9 (2,6) 8,0 * Rio de Janeiro 195,4 (6,5) 189,1 (3,7) 188,3 (3,0) 187,2 (2,3) 192,2 (2,6) 196,6 (2,6) 4,4 São Paulo 198,7 (4,7) 195,9 (3,2) 189,4 (2,6) 190,8 (2,4) 187,8 (2,9) 192,0 (3,2) 4,2 Sul 194,6 (2,6) 198,0 (2,1) 188,5 (1,3) 188,2 (1,4) 187,8 (1,7) 196,2 (1,8) 8,4 * Paraná 198,9 (3,6) 200,0 (4,8) 187,1 (2,7) 187,3 (2,7) 183,6 (3,7) 202,9 (3,2) 19,3 * Santa Catarina 197,0 (4,6) 206,6 (2,2) 195,0 (1,9) 191,0 (2,0) 191,3 (1,6) 191,9 (2,8) 0,6 Sul 188,7 (4,6) 191,1 (3,7) 186,3 (1,8) 187,5 (1,8) 190,4 (1,8) 191,6 (2,6) 1,2 Centro Oeste 195,6 (3,4) 190,3 (2,5) 183,4 (1,1) 176,5 (1,2) 181,5 (1,3) 187,7 (1,4) 6,2 * Sul 195,9 (4,4) 192,9 (6,5) 183,6 (2,1) 170,9 (1,6) 175,2 (2,0) 184,7 (2,5) 9,5 * Mato Grosso 183,4 (5,3) 178,8 (4,5) 174,5 (1,8) 166,1 (2,0) 171,1 (2,4) 176,3 (2,4) 5,2 Goiás 198,8 (6,5) 194,0 (4,5) 186,9 (2,1) 177,3 (2,1) 182,5 (2,0) 186,2 (2,4) 3,7 Distrito Federal 198,2 (5,0) 191,5 (3,1) 185,5 (1,5) 197,5 (4,3) 200,7 (4,2) 208,4 (3,2) 7,7 Sig. 10

12 Tabela 5 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Estaduais (1) (2) Dif. (1),(2) Sig. Brasil 187,9 (1,7) 183,9 (2,6) 167,5 (1,8) 163,3 (1,8) 170,7 (1,3) 173,0 (1,4) 2,3 Norte 172,3 (2,6) 169,4 (2,0) 159,0 (1,4) 156,2 (1,3) 159,3 (1,6) 162,6 (1,9) 3,3 Rondônia 170,7 (3,3) 170,1 (3,4) 159,9 (2,5) 158,5 (1,8) 156,9 (3,3) 166,7 (2,7) 9,7 * Acre 163,4 (4,7) 160,7 (2,1) 153,0 (2,8) - 156,2 (2,7) 170,0 (2,2) 13,8 * Amazonas 175,4 (6,7) 170,5 (2,4) 164,7 (3,7) 162,2 (3,3) 159,2 (3,5) 161,0 (2,6) 1,8 Roraima 181,7 (4,3) 160,6 (1,6) 161,9 (3,2) ,2 (6,5) Pará 170,8 (5,5) 169,9 (4,2) 159,7 (2,8) 157,6 (2,5) 159,1 (3,7) 162,4 (3,9) 3,3 Amapá 163,6 (6,4) 166,2 (3,4) 161,4 (3,8) - 154,9 (2,0) 156,9 (3,1) 2,0 Tocantins 177,6 (4,3) 172,1 (4,5) 149,7 (3,2) 145,4 (4,7) - 161,2 (4,2) Nordeste 176,3 (2,1) 172,9 (3,2) 154,5 (1,3) 148,2 (1,3) 155,7 (1,4) 157,4 (1,3) 1,7 Maranhão 160,1 (7,6) 169,7 (3,1) 153,0 (3,7) 151,4 (3,4) 160,5 (6,4) 163,2 (3,1) 2,6 Piauí 169,4 (3,6) 181,5 (6,8) 151,6 (2,7) 153,0 (3,1) 153,6 (3,2) 148,4 (2,2) -5,2 Ceará 176,6 (1,8) 172,1 (5,9) 146,2 (3,8) 151,4 (3,3) - 162,3 (3,7) Norte 172,8 (4,8) 166,9 (6,1) 149,4 (2,9) 138,9 (4,0) 144,5 (2,8) 142,7 (2,2) -1,8 Paraíba 165,5 (6,1) 177,2 (3,7) 166,0 (2,7) 153,9 (2,6) 156,4 (2,4) 156,7 (4,0) 0,3 Pernambuco 166,8 (2,7) 165,9 (3,4) 154,8 (3,1) 142,3 (3,6) 154,0 (2,2) 152,0 (2,6) -2,0 Alagoas 180,7 (6,5) 171,0 (5,9) 156,4 (3,0) 154,0 (2,2) 156,8 (3,0) 155,4 (2,8) -1,4 Sergipe 175,9 (4,7) 172,5 (4,5) 152,5 (4,1) 148,9 (3,5) 157,0 (2,9) 163,7 (3,1) 6,7 Bahia 185,8 (4,0) 176,7 (8,7) 158,2 (3,2) 148,2 (3,1) 156,8 (3,5) 161,6 (2,7) 4,8 Sudeste 192,7 (2,9) 190,8 (4,9) 174,1 (3,7) 169,9 (3,7) 176,3 (2,5) 181,4 (2,9) 5,2 Minas Gerais 202,4 (3,4) 217,7 (4,9) 180,2 (12,0) 177,6 (9,3) 178,9 (3,6) 189,4 (6,3) 10,5 Espírito Santo 179,9 (1,9) 169,3 (0,2) 167,9 (2,9) 166,2 (3,2) 168,8 (2,7) 181,4 (4,1) 12,6 * Rio de Janeiro 182,9 (4,1) 166,7 (0,0) 168,0 (4,9) 168,0 (6,4) 168,3 (3,1) 175,0 (3,9) 6,6 São Paulo 190,6 (4,6) 182,3 (7,7) 172,9 (2,6) 166,9 (4,3) 176,8 (3,9) 177,9 (3,7) 1,1 Sul 195,3 (3,5) 191,6 (4,0) 177,5 (2,2) 176,4 (1,5) 184,3 (1,9) 182,9 (2,3) -1,5 Paraná 203,7 (4,9) 213,8 (0,0) 183,8 (3,9) 180,1 (3,9) 190,6 (2,4) 193,8 (3,1) 3,1 Santa Catarina 189,7 (6,5) 191,8 (5,5) 175,6 (3,3) 172,6 (2,1) 179,6 (2,2) 179,5 (3,2) -0,1 Sul 194,8 (5,6) 181,9 (8,6) 176,8 (3,4) 177,6 (2,3) 185,9 (3,0) 183,2 (3,5) -2,7 Centro Oeste 193,8 (2,6) 180,5 (1,8) 165,9 (1,8) 161,8 (1,8) 171,4 (1,6) 172,3 (2,0) 0,8 Sul 190,3 (3,2) 183,4 (6,9) 168,7 (4,1) 154,0 (3,0) 165,4 (2,2) 167,0 (2,8) 1,6 Mato Grosso 172,8 (5,8) 171,0 (4,7) 155,1 (3,7) 149,7 (2,9) 159,4 (3,7) 165,6 (3,4) 6,2 Goiás 200,3 (5,0) 186,3 (3,1) 171,7 (3,2) 162,8 (2,6) 171,1 (2,5) 165,1 (3,8) -6,0 Distrito Federal 202,1 (5,0) 176,4 (1,9) 162,7 (2,9) 177,7 (4,7) 184,8 (4,7) 185,6 (4,2) 0,8 11

13 Tabela 6 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Estaduais (1) (2) Dif. (1),(2) Sig. Brasil 189,3 (1,6) 187,5 (1,7) 178,1 (1,7) 175,2 (1,6) 178,3 (1,2) 181,8 (1,4) 3,5 Norte 173,2 (1,9) 172,6 (1,8) 170,2 (1,3) 163,3 (1,1) 165,2 (1,5) 167,4 (1,6) 2,2 Rondônia 174,7 (4,3) 177,2 (2,3) 170,0 (3,1) 166,7 (2,2) 165,8 (2,7) 172,1 (2,4) 6,3 Acre 167,6 (1,8) 164,1 (2,0) 161,2 (1,8) - (1,9) 156,0 (2,4) 171,6 (3,0) 15,6 * Amazonas 177,1 (3,3) 170,4 (2,3) 170,1 (2,0) 166,7 (2,8) 165,2 (2,9) 173,6 (2,8) 8,5 * Roraima 181,6 (3,7) 165,7 (2,2) 167,3 (3,1) - (4,4) - (5,6) 173,5 (4,2) Pará 169,6 (3,9) 172,6 (3,8) 174,3 (3,1) 163,3 (2,1) 164,5 (3,0) 162,7 (2,9) -1,8 Amapá 168,3 (4,5) 170,3 (3,2) 166,7 (3,1) - (3,5) 161,6 (1,7) 163,0 (3,0) 1,4 Tocantins 176,7 (3,3) 177,4 (3,4) 167,3 (3,2) 159,9 (3,4) - (5,7) 169,7 (5,4) Nordeste 175,1 (1,4) 175,9 (2,1) 164,3 (1,1) 159,7 (1,2) 162,8 (1,3) 163,0 (1,6) 0,2 Maranhão 167,5 (4,7) 172,3 (4,2) 162,3 (3,3) 161,7 (2,4) 164,0 (6,1) 164,8 (3,2) 0,8 Piauí 170,6 (6,5) 175,8 (8,7) 165,3 (2,6) 160,3 (2,6) 155,3 (3,6) 159,3 (2,6) 3,9 Ceará 178,5 (1,9) 175,2 (4,3) 162,0 (2,6) 162,4 (3,8) - (4,0) 158,9 (5,0) Norte 175,3 (3,1) 177,5 (4,6) 162,0 (4,6) 155,4 (4,4) 153,4 (2,5) 154,3 (3,1) 0,9 Paraíba 166,3 (3,1) 179,8 (4,6) 172,7 (2,7) 164,4 (3,0) 169,4 (3,0) 165,9 (5,1) -3,5 Pernambuco 168,0 (2,6) 164,8 (5,8) 159,8 (2,8) 155,5 (3,3) 159,7 (2,1) 162,4 (3,3) 2,7 Alagoas 178,0 (4,7) 175,7 (1,1) 169,4 (4,1) 162,4 (2,6) 159,3 (2,2) 164,9 (3,0) 5,6 Sergipe 179,9 (4,8) 176,7 (3,2) 168,4 (3,8) 159,4 (2,8) 163,7 (3,4) 170,1 (3,2) 6,4 Bahia 179,0 (2,6) 181,5 (4,0) 165,8 (2,3) 160,0 (2,9) 167,4 (3,0) 168,5 (3,3) 1,1 Sudeste 196,3 (2,7) 194,6 (2,9) 184,2 (3,5) 183,3 (3,4) 184,6 (2,3) 191,2 (2,9) 6,6 Minas Gerais 210,0 (4,1) 220,5 (2,2) 188,0 (10,1) 192,7 (8,9) 194,3 (3,4) 209,9 (5,9) 15,6 * Espírito Santo 179,8 (1,6) 173,1 (2,2) 179,2 (3,2) 185,4 (3,9) 176,7 (2,9) 186,0 (4,5) 9,3 Rio de Janeiro 179,0 (5,4) 169,0 (0,0) 173,5 (4,5) 172,2 (5,7) 174,4 (3,3) 179,0 (4,1) 4,6 São Paulo 193,6 (3,7) 186,8 (4,6) 184,6 (3,6) 180,5 (3,3) 181,9 (3,6) 182,9 (4,0) 1,0 Sul 195,3 (3,7) 195,8 (2,2) 189,2 (1,7) 188,7 (1,7) 192,0 (1,7) 194,9 (2,2) 2,9 Paraná 193,5 (5,4) 215,5 (0,0) 190,4 (4,4) 194,8 (4,1) 201,0 (2,7) 208,3 (3,2) 7,4 Santa Catarina 198,2 (6,6) 197,8 (1,0) 190,1 (2,0) 185,6 (2,2) 185,7 (2,1) 188,0 (4,4) 2,3 Sul 194,4 (6,0) 186,1 (5,5) 188,4 (2,8) 188,8 (2,7) 194,0 (2,6) 196,7 (2,7) 2,7 Centro Oeste 191,5 (2,4) 184,9 (3,7) 178,8 (1,9) 172,2 (1,7) 178,9 (1,6) 185,6 (1,9) 6,7 * Sul 192,2 (4,0) 190,7 (11,2) 180,2 (3,9) 165,3 (2,4) 171,2 (2,6) 179,8 (3,1) 8,6 * Mato Grosso 175,3 (5,1) 178,7 (7,0) 173,9 (2,9) 163,3 (2,8) 170,7 (2,6) 176,1 (2,8) 5,4 Goiás 199,5 (5,2) 188,3 (7,3) 182,0 (3,7) 170,7 (2,2) 178,1 (2,7) 178,3 (4,1) 0,3 Distrito Federal 192,2 (3,6) 180,6 (2,7) 176,2 (1,4) 188,0 (5,1) 191,4 (4,5) 201,1 (3,8) 9,7 12

14 Tabela 7 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Municipais (1) (2) Dif. (1),(2) Sig. Brasil 186,4 (2,8) 179,0 (1,5) 167,1 (1,2) 162,5 (1,2) 165,2 (1,2) 169,0 (1,9) 3,8 Norte 174,1 (6,5) 167,1 (2,6) 154,8 (1,6) 152,0 (2,0) 158,5 (2,5) 158,3 (1,6) -0,2 Rondônia 176,1 (0,0) 168,0 (2,3) 155,2 (1,8) 154,2 (3,4) 160,7 (5,1) 157,3 (2,9) -3,4 Acre 178,9 (7,9) 162,0 (3,0) 155,1 (4,8) - 162,5 (7,5) - (3,5) Amazonas 173,4 (7,2) 172,5 (3,0) 167,1 (2,7) 153,5 (1,9) 159,3 (1,7) 158,6 (3,6) -0,7 Roraima ,9 (6,5) 186,5 (31,7) Pará 175,8 (8,8) 165,5 (4,6) 152,5 (2,2) 152,6 (3,0) 157,7 (4,0) 158,0 (2,6) 0,3 Amapá 147,9 (15,6) 161,3 (1,6) 150,7 (4,7) Tocantins 166,6 (5,9) 168,2 (3,9) 149,3 (3,2) 145,4 (2,1) 159,3 (3,5) 158,1 (2,5) -1,2 Nordeste 166,8 (5,1) 169,1 (1,4) 153,9 (1,2) 143,8 (1,4) 148,7 (1,5) 150,1 (1,6) 1,4 Maranhão 146,4 (7,8) 171,3 (1,8) 156,5 (3,3) 143,9 (3,2) 141,5 (3,7) 148,4 (3,8) 6,8 Piauí 170,3 (6,0) 168,2 (1,8) 150,3 (2,4) 147,4 (3,3) 154,5 (5,2) 151,2 (3,0) -3,3 Ceará 182,7 (3,6) 184,4 (4,9) 152,2 (2,5) 142,8 (3,6) 148,9 (3,2) 148,8 (3,3) -0,1 Norte 172,1 (4,5) 168,2 (2,9) 151,8 (3,4) 138,0 (3,1) 140,6 (4,4) 144,4 (1,9) 3,7 Paraíba 182,6 (5,1) 172,0 (6,0) 164,5 (3,2) 154,8 (2,1) 148,8 (3,2) 147,6 (3,4) -1,2 Pernambuco 169,2 (8,9) 163,3 (0,4) 151,5 (2,8) 141,3 (2,9) 151,0 (2,6) 152,4 (3,2) 1,4 Alagoas 162,3 (5,5) 164,0 (5,8) 150,6 (4,7) 146,4 (3,8) 146,8 (3,8) 147,9 (5,4) 1,1 Sergipe 174,8 (2,5) 166,9 (6,2) 157,9 (3,5) 150,6 (3,0) 153,1 (3,1) 154,8 (2,8) 1,7 Bahia 166,5 (23,6) 161,9 (0,5) 153,3 (2,8) 141,6 (4,1) 151,2 (4,0) 151,5 (4,2) 0,3 Sudeste 194,0 (5,6) 184,4 (3,5) 175,6 (2,5) 177,3 (2,1) 176,3 (2,5) 179,7 (4,0) 3,4 Minas Gerais 218,7 (6,1) 185,9 (6,2) 174,7 (4,8) 173,7 (3,9) 183,4 (3,6) 184,9 (3,9) 1,5 Espírito Santo 181,5 (8,7) 169,3 (2,8) 167,6 (3,6) 160,2 (2,2) 172,5 (2,6) 171,2 (2,7) -1,3 Rio de Janeiro 188,1 (5,2) 178,5 (5,6) 177,2 (2,6) 172,9 (3,0) 174,9 (3,8) 178,4 (2,7) 3,5 São Paulo 197,3 (11,7) 190,5 (6,0) 176,1 (4,7) 182,6 (3,7) 173,9 (4,3) 178,8 (7,6) 4,9 Sul 191,6 (3,4) 185,1 (1,8) 173,6 (2,6) 169,2 (1,9) 172,1 (2,9) 177,2 (2,6) 5,1 Paraná 193,9 (4,3) 183,9 (3,1) 173,9 (4,1) 167,2 (2,8) 170,0 (4,7) 179,0 (4,4) 9,0 Santa Catarina 204,8 (9,5) 196,2 (0,6) 178,1 (2,9) 171,6 (3,8) 176,6 (3,3) 176,3 (3,5) -0,3 Sul 183,7 (5,4) 182,1 (1,4) 170,4 (3,7) 171,9 (2,8) 173,6 (3,4) 174,1 (3,0) 0,5 Centro Oeste 186,0 (1,8) 177,4 (1,7) 165,9 (1,9) 157,2 (2,0) 165,2 (1,8) 170,2 (2,4) 4,9 Sul 203,1 (4,4) 184,1 (2,6) 168,2 (3,1) 158,6 (2,0) 159,2 (4,0) 169,2 (2,9) 10,0 * Mato Grosso 172,1 (3,7) 164,3 (1,7) 157,6 (2,6) 147,6 (2,5) 155,8 (2,9) 163,7 (3,8) 8,0 Goiás 186,0 (1,4) 179,7 (2,4) 168,8 (3,2) 161,9 (3,7) 172,2 (2,6) 173,2 (3,9) 1,0 Distrito Federal

15 Tabela 8 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Municipais) (1) (2) Dif. (1),(2) Brasil 185,2 (1,9) 183,3 (1,2) 176,7 (1,1) 171,7 (1,2) 172,4 (1,3) 178,9 (1,6) 6,6 * Norte 173,5 (4,5) 169,1 (3,2) 166,8 (1,5) 158,3 (1,5) 160,4 (1,9) 165,8 (1,6) 5,3 * Rondônia 182,3 (0,0) 171,6 (3,2) 169,1 (2,2) 169,6 (3,7) 171,3 (3,7) 166,0 (2,4) -5,3 Acre 172,8 (2,1) 169,8 (3,2) 165,0 (4,4) - 164,0 (5,2) - Amazonas 174,3 (8,0) 175,1 (2,8) 175,5 (3,7) 160,9 (1,4) 167,0 (1,9) 170,4 (3,4) 3,3 Roraima ,1 (3,9) 180,0 (7,5) Pará 172,5 (6,1) 166,7 (5,7) 165,0 (2,1) 157,2 (2,3) 156,5 (3,1) 165,3 (2,5) 8,7 * Amapá 153,4 (12,4) 162,5 (2,2) 164,2 (2,2) Tocantins 178,6 (9,1) 170,2 (3,2) 164,0 (2,9) 155,7 (1,9) 162,4 (3,8) 158,8 (2,3) -3,6 Nordeste 168,7 (2,9) 170,9 (2,3) 165,1 (1,1) 153,5 (1,3) 155,6 (1,3) 157,4 (1,5) 1,8 Maranhão 159,6 (6,9) 169,5 (1,4) 167,5 (3,0) 149,1 (2,3) 150,2 (2,5) 154,9 (2,6) 4,7 Piauí 168,1 (6,8) 165,2 (1,0) 168,6 (2,5) 157,6 (2,4) 154,6 (3,1) 152,9 (3,5) -1,7 Ceará 172,2 (3,0) 176,9 (5,3) 162,5 (2,4) 147,9 (2,8) 153,0 (3,0) 152,9 (4,5) -0,1 Norte 172,2 (3,5) 169,6 (1,6) 161,2 (2,9) 151,1 (3,3) 149,6 (3,3) 150,4 (2,7) 0,8 Paraíba 163,1 (3,1) 169,7 (3,1) 169,2 (2,8) 161,9 (2,9) 156,8 (2,5) 157,6 (3,7) 0,7 Pernambuco 172,7 (3,4) 172,3 (10,3) 160,2 (2,4) 149,1 (2,0) 156,5 (3,2) 157,9 (4,7) 1,5 Alagoas 169,2 (2,5) 165,7 (3,9) 170,2 (2,7) 158,4 (5,3) 157,5 (3,1) 155,4 (4,3) -2,1 Sergipe 174,2 (1,8) 170,7 (7,0) 171,4 (3,4) 167,4 (1,9) 158,2 (2,3) 161,2 (3,5) 3,0 Bahia 170,7 (12,8) 170,3 (4,7) 165,0 (3,0) 157,3 (3,7) 160,0 (3,8) 162,2 (3,4) 2,2 Sudeste 191,7 (4,0) 189,1 (2,4) 183,7 (2,3) 185,1 (2,5) 184,4 (2,8) 190,4 (3,1) 6,0 Minas Gerais 213,2 (3,3) 186,5 (5,6) 186,2 (2,2) 185,3 (5,3) 194,7 (3,3) 197,7 (4,1) 3,0 Espírito Santo 182,0 (3,7) 173,3 (3,4) 179,1 (3,2) 172,4 (3,0) 177,2 (2,9) 185,6 (3,8) 8,4 Rio de Janeiro 189,5 (4,1) 185,5 (5,0) 180,9 (4,8) 180,1 (2,8) 185,4 (3,7) 193,3 (3,4) 7,8 São Paulo 191,4 (8,0) 194,9 (2,9) 184,0 (4,4) 188,5 (4,0) 179,7 (5,0) 186,4 (5,6) 6,7 Sul 188,5 (2,1) 191,9 (2,4) 181,8 (2,1) 181,1 (2,2) 179,7 (2,5) 191,5 (2,7) 11,8 * Paraná 193,0 (1,7) 189,2 (1,5) 180,9 (3,2) 180,8 (3,5) 176,9 (4,3) 198,8 (3,8) 21,9 * Santa Catarina 193,5 (7,2) 208,8 (1,5) 193,0 (3,8) 187,3 (3,7) 187,7 (2,7) 187,6 (4,1) -0,2 Sul 179,2 (3,9) 189,3 (6,4) 177,3 (3,0) 177,9 (2,7) 180,3 (2,6) 179,1 (4,4) -1,3 Centro Oeste 187,8 (3,3) 183,7 (4,2) 179,6 (1,3) 168,7 (2,1) 172,8 (2,0) 178,2 (2,3) 5,5 Sul 203,0 (5,9) 185,7 (7,5) 178,9 (2,6) 166,9 (1,8) 169,2 (3,4) 180,1 (4,1) 11,0 * Mato Grosso 184,1 (6,2) 166,8 (2,9) 168,1 (2,3) 161,9 (3,1) 164,6 (3,8) 169,7 (4,2) 5,1 Goiás 186,5 (3,6) 189,6 (5,8) 185,3 (2,1) 173,1 (3,7) 178,1 (3,0) 181,0 (3,5) 2,9 Distrito Federal Sig. 14

16 Tabela 9 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Particulares (1) (2) Dif. (1),(2) Brasil 217,2 (3,9) 225,7 (1,4) 209,1 (1,4) 209,4 (1,1) 215,0 (1,1) 211,6 (1,1) -3,3 * Norte 203,0 (4,7) 210,8 (3,3) 199,6 (2,8) 194,9 (2,2) 202,5 (2,6) 202,3 (1,7) -0,2 Rondônia 201,5 (1,8) 208,7 (4,8) 198,8 (2,0) 194,7 (3,7) 206,9 (2,4) 205,2 (3,0) -1,7 Acre 210,0 (0,0) 185,6 (5,8) 185,9 (0,0) Amazonas 198,9 (10,7) 224,2 (8,8) 203,4 (5,5) 206,7 (3,7) 212,0 (3,3) 201,2 (3,7) -10,8 * Roraima ,8 (8,2) 237,1 (0,0) Pará 204,7 (5,1) 206,1 (4,2) 195,2 (4,6) 189,8 (3,4) 201,6 (3,9) 203,2 (2,9) 1,6 Amapá 219,6 (2,7) 208,8 (4,3) 211,1 (7,6) Tocantins ,1 (3,4) 203,5 (4,7) 197,9 (2,6) - (13,1) 203,4 (4,1) Nordeste 204,1 (4,9) 215,8 (1,9) 192,3 (1,9) 194,6 (1,2) 202,7 (1,4) 200,0 (1,3) -2,7 Maranhão 200,5 (9,6) 203,0 (12,4) 191,6 (5,2) 197,6 (4,6) 198,6 (5,3) 187,7 (4,4) -10,9 Piauí 227,3 (18,6) 207,0 (7,0) 194,4 (3,5) 199,0 (3,4) 204,6 (4,1) 204,6 (2,4) 0,0 Ceará 204,3 (7,3) 217,2 (3,3) 195,5 (5,4) 191,9 (2,8) 201,9 (3,9) 200,8 (3,0) -1,1 Norte 207,4 (2,7) 206,0 (3,2) 195,2 (4,1) 189,2 (3,1) 197,6 (3,9) 193,6 (2,9) -4,0 Paraíba 200,4 (11,6) 203,2 (7,3) 190,8 (4,9) 187,7 (3,4) 200,9 (4,8) 197,7 (2,7) -3,2 Pernambuco 199,2 (6,2) 219,3 (1,3) 182,7 (4,8) 194,7 (2,9) 201,4 (2,8) 204,4 (3,0) 3,0 Alagoas 205,7 (9,6) 186,4 (8,8) 187,9 (5,6) 190,5 (3,1) 198,4 (2,4) 199,7 (2,7) 1,3 Sergipe 216,8 (3,2) 207,1 (5,0) 199,5 (4,1) 194,9 (2,4) 196,6 (3,0) 194,3 (4,6) -2,3 Bahia 202,5 (22,1) 239,0 (2,2) 197,3 (3,4) 200,8 (3,3) 210,9 (2,6) 203,3 (3,0) -7,6 Sudeste 236,5 (4,9) 235,6 (2,2) 219,6 (2,7) 218,8 (2,0) 223,6 (2,0) 218,8 (2,2) -4,7 Minas Gerais 281,2 (0,0) 246,4 (6,6) 234,3 (2,5) 232,1 (2,2) 232,5 (2,2) 233,5 (2,4) 1,0 Espírito Santo 229,3 (4,0) 219,5 (5,6) 209,7 (3,1) 212,3 (3,4) 215,2 (3,1) 218,8 (3,0) 3,6 Rio de Janeiro 235,4 (2,6) 213,6 (6,5) 210,4 (5,3) 208,9 (3,7) 217,8 (3,0) 206,9 (4,4) -10,9 * São Paulo 235,6 (8,4) 252,8 (3,6) 223,0 (3,8) 221,8 (2,9) 225,5 (3,2) 221,8 (3,3) -3,7 Sul 229,7 (5,8) 231,0 (3,7) 216,9 (2,4) 215,7 (1,5) 219,5 (1,6) 219,3 (1,7) -0,3 Paraná 228,1 (6,1) 234,7 (0,0) 222,8 (2,9) 216,6 (2,0) 221,6 (1,9) 223,9 (2,5) 2,3 Santa Catarina ,5 (0,5) 222,0 (3,4) 221,3 (2,0) 227,0 (3,0) 218,7 (2,6) -8,3 * Sul 236,9 (13,3) 224,6 (8,9) 209,0 (5,1) 212,0 (2,9) 213,4 (3,1) 214,8 (3,3) 1,4 Centro Oeste 229,3 (5,2) 220,8 (5,3) 212,6 (1,9) 209,1 (1,9) 213,1 (4,1) 210,9 (1,9) -2,2 Sul 218,1 (0,0) 216,7 (4,7) 213,0 (2,9) 209,3 (2,2) 213,7 (2,5) 218,3 (2,6) 4,7 Mato Grosso 214,2 (26,2) 202,5 (7,4) 196,1 (4,0) 202,7 (3,0) 206,5 (4,6) 200,3 (5,6) -6,2 Goiás 230,7 (2,0) 221,7 (11,9) 213,7 (4,0) 206,1 (3,2) 206,5 (8,0) 205,7 (2,9) -0,7 Distrito Federal 242,6 (9,5) 236,3 (9,5) 220,4 (2,9) 216,9 (4,1) 226,6 (5,0) 221,2 (4,1) -5,4 Sig. 15

17 Tabela 10 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Particulares (1) (2) Dif. (1),(2) Sig. Brasil 222,2 (5,0) 232,5 (1,7) 217,7 (1,3) 222,1 (1,1) 223,8 (1,2) 226,4 (1,3) 2,6 Norte 202,3 (6,7) 213,9 (3,3) 205,9 (1,8) 202,6 (2,6) 204,8 (2,9) 211,1 (2,1) 6,2 Rondônia 206,6 (4,9) 216,8 (4,6) 210,6 (2,5) 209,7 (3,7) 214,8 (2,5) 217,3 (4,3) 2,6 Acre 199,3 (0,0) 188,2 (6,0) 240,8 (0,0) Amazonas 189,9 (12,4) 227,7 (9,5) 208,9 (3,9) 209,1 (5,8) 209,7 (4,0) 211,0 (4,9) 1,3 Roraima ,7 (1,3) 216,6 (0,0) Pará 211,9 (0,6) 207,8 (3,9) 201,6 (2,6) 199,0 (3,9) 204,3 (5,1) 210,0 (3,3) 5,6 Amapá 205,1 (2,5) 205,1 (6,3) 201,0 (1,4) Tocantins ,0 (1,9) 208,6 (3,5) 213,1 (3,8) - 211,3 (4,0) Nordeste 205,6 (4,8) 222,4 (2,5) 202,6 (1,5) 206,0 (1,3) 209,5 (1,5) 211,4 (1,5) 1,9 Maranhão 200,8 (2,9) 206,2 (17,4) 196,3 (3,7) 203,6 (4,3) 203,2 (6,5) 199,5 (5,3) -3,7 Piauí 234,8 (17,7) 213,5 (6,6) 206,0 (4,2) 210,0 (4,0) 208,9 (4,2) 212,3 (3,7) 3,4 Ceará 200,8 (9,0) 229,9 (1,9) 203,6 (4,2) 200,9 (3,1) 210,4 (4,4) 209,1 (3,4) -1,3 Norte 208,7 (3,4) 211,6 (2,1) 208,1 (3,5) 202,8 (3,2) 200,4 (4,4) 201,5 (2,6) 1,1 Paraíba 201,4 (12,6) 213,9 (7,7) 201,3 (3,2) 200,0 (3,1) 211,4 (4,2) 209,6 (2,9) -1,8 Pernambuco 204,7 (5,9) 225,3 (3,2) 202,4 (4,1) 207,3 (3,0) 204,3 (2,9) 217,6 (4,0) 13,2 * Alagoas 203,5 (0,1) 191,8 (10,7) 199,4 (4,4) 207,7 (3,6) 207,3 (3,4) 208,9 (3,7) 1,6 Sergipe 206,3 (5,9) 214,2 (2,8) 206,4 (3,1) 207,1 (2,6) 209,9 (2,8) 209,9 (4,7) -0,1 Bahia 203,7 (21,4) 241,6 (4,5) 202,4 (2,9) 212,8 (3,2) 220,3 (2,5) 217,0 (3,8) -3,4 Sudeste 247,5 (8,0) 242,7 (2,8) 227,6 (2,7) 232,1 (2,0) 234,3 (2,2) 236,8 (2,4) 2,5 Minas Gerais 271,6 (0,0) 255,4 (13,5) 247,8 (2,7) 251,0 (2,5) 243,7 (2,4) 252,7 (2,8) 9,0 * Espírito Santo 240,3 (17,8) 228,4 (4,2) 223,1 (3,0) 223,7 (4,5) 228,0 (3,1) 232,9 (3,8) 4,9 Rio de Janeiro 240,2 (10,2) 219,1 (6,2) 221,2 (4,4) 219,9 (3,1) 224,5 (4,8) 220,1 (4,2) -4,4 São Paulo 251,9 (11,7) 259,9 (4,0) 227,2 (4,4) 235,3 (3,3) 238,5 (2,9) 242,6 (3,6) 4,0 Sul 236,3 (9,3) 235,8 (4,5) 224,5 (2,4) 229,9 (1,7) 229,9 (1,7) 234,1 (2,1) 4,1 Paraná 242,7 (10,2) 245,1 (0,0) 236,8 (4,2) 235,1 (2,0) 235,5 (2,5) 239,1 (3,7) 3,6 Santa Catarina ,2 (6,1) 230,1 (3,1) 237,5 (2,3) 236,4 (2,6) 237,2 (3,2) 0,8 Sul 212,0 (7,8) 219,8 (10,3) 210,8 (3,8) 221,1 (3,3) 220,9 (3,1) 227,3 (3,5) 6,4 Centro Oeste 237,1 (6,8) 231,7 (5,7) 220,5 (1,6) 223,3 (1,9) 220,3 (4,2) 224,0 (2,2) 3,7 Sul 242,0 (0,0) 224,7 (14,1) 218,1 (2,3) 223,6 (2,6) 227,1 (2,7) 231,9 (3,0) 4,8 Mato Grosso 228,5 (29,9) 208,5 (7,5) 211,1 (3,5) 215,2 (2,7) 216,8 (4,4) 220,3 (4,2) 3,6 Goiás 234,2 (6,6) 239,7 (11,4) 223,9 (2,6) 218,4 (3,3) 211,6 (7,6) 217,5 (3,7) 5,8 Distrito Federal 254,0 (14,5) 242,4 (11,8) 222,9 (3,6) 235,0 (3,9) 232,8 (6,9) 233,6 (3,8) 0,9 16

18 Tabela 11 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Rurais sem Federais Brasil e Regiões Brasil e Regiões 2003 (1) (2) Dif. (1),(2) Sig. Brasil 144,0 (1,9) 148,3 (2,0) 4,3 Norte 144,4 (2,7) 144,2 (2,4) -0,3 Nordeste 134,8 (3,1) 142,1 (3,4) 7,2 Sudeste 166,8 (3,2) 161,3 (3,3) -5,5 Sul 162,4 (3,0) 165,7 (1,7) 3,3 Centro Oeste 151,8 (3,7) 160,7 (3,7) 9,0 Tabela 12 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Rurais sem Federais Brasil e Regiões 2003 (1) (2) Dif. (1),(2) Sig. Brasil 152,9 (1,7) 157,8 (1,9) 4,9 Norte 153,2 (2,4) 152,1 (2,4) -1,1 Nordeste 143,1 (2,4) 149,1 (3,5) 6,0 Sudeste 176,1 (3,9) 178,0 (3,8) 2,0 Sul 174,7 (2,6) 180,4 (3,0) 5,8 Centro Oeste 162,6 (2,8) 171,4 (3,2) 8,8 * Tabela 13 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Federais Brasil (1) (2) Dif. (1),(2) Sig. Escolas Federais 226,3 (4,1) 228,0 (8,9) 1,7 Tabela 14 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Federais Brasil Unidades da 2003 (1) (2) Dif. (1),(2) Sig. Escolas Federais 233,0 (4,4) 244,0 (8,0) 10,9 17

19 Tabela 15 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Urbanas sem Federais Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 175,5 (1,1) 180,9 (1,3) 173,7 (1,5) Norte 163,8 (1,3) 170,8 (1,5) 160,1 (1,8) Rondônia 166,6 (2,0) 168,6 (2,1) 165,7 (2,7) Acre 172,5 (1,8) 178,7 (1,9) 166,0 (3,1) Amazonas 163,0 (2,1) 171,3 (3,0) 151,2 (2,7) Roraima 165,9 (5,0) 175,1 (5,4) 149,2 (2,9) Pará 163,5 (2,4) 169,1 (2,8) 162,0 (3,0) Amapá 159,6 (2,4) 163,9 (3,6) 153,1 (2,6) Tocantins 162,1 (2,5) 180,2 (3,6) 159,6 (2,7) Nordeste 159,1 (1,1) 170,5 (1,1) 155,4 (1,4) Maranhão 155,7 (2,8) 175,5 (3,1) 151,0 (3,3) Piauí 156,9 (2,1) 171,5 (2,8) 151,3 (2,4) Ceará 163,8 (2,0) 169,9 (2,3) 160,7 (2,8) Norte 150,8 (1,3) 163,0 (2,4) 146,3 (1,6) Paraíba 158,6 (2,5) 175,4 (2,6) 154,0 (3,2) Pernambuco 162,3 (2,2) 164,6 (4,0) 161,7 (2,6) Alagoas 154,5 (3,9) 171,8 (2,3) 146,5 (5,2) Sergipe 163,8 (1,7) 174,0 (2,6) 160,2 (2,3) Bahia 159,1 (3,3) 172,1 (3,0) 155,4 (4,0) Sudeste 185,2 (2,4) 186,6 (2,8) 184,8 (3,0) Minas Gerais 190,5 (3,3) 190,9 (4,4) 190,5 (3,7) Espírito Santo 180,4 (2,1) 185,3 (5,9) 179,8 (2,3) Rio de Janeiro 183,7 (2,2) 189,6 (4,3) 180,5 (2,7) São Paulo 183,7 (4,1) 184,5 (4,2) 183,4 (5,5) Sul 182,5 (1,8) 187,3 (2,3) 181,8 (2,0) Paraná 183,8 (3,7) 188,0 (4,0) 183,0 (4,4) Santa Catarina 181,2 (2,2) 187,8 (4,4) 180,7 (2,4) Sul 182,0 (2,1) 186,4 (2,8) 181,3 (2,4) Centro Oeste 176,8 (1,4) 189,4 (1,9) 170,0 (1,9) Sul 172,8 (1,9) 191,2 (2,7) 164,8 (2,2) Mato Grosso 167,4 (2,4) 165,3 (2,8) 167,8 (2,8) Goiás 176,3 (2,5) 188,8 (2,8) 173,2 (3,1) Distrito Federal 193,6 (3,4) 193,6 (3,4) - 18

20 Tabela 16 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Urbanas sem Federais Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 185,7 (1,0) 190,2 (1,3) 184,2 (1,2) Norte 169,9 (1,1) 177,8 (1,4) 165,8 (1,4) Rondônia 173,7 (1,6) 175,2 (2,4) 173,1 (2,2) Acre 174,0 (2,4) 181,0 (3,0) 166,8 (3,7) Amazonas 175,0 (2,0) 183,9 (2,5) 162,3 (2,9) Roraima 174,4 (3,5) 180,7 (3,7) 163,0 (4,7) Pará 167,0 (1,9) 170,4 (2,5) 166,0 (2,3) Amapá 165,2 (2,8) 169,0 (4,1) 159,4 (3,1) Tocantins 167,2 (3,1) 184,4 (3,7) 164,8 (3,4) Nordeste 166,5 (1,1) 176,7 (1,5) 163,2 (1,3) Maranhão 161,8 (2,2) 181,4 (3,6) 157,2 (2,4) Piauí 162,2 (2,5) 178,2 (2,5) 156,1 (3,0) Ceará 165,6 (2,8) 171,6 (3,2) 162,6 (3,9) Norte 159,0 (1,9) 169,7 (3,7) 155,0 (2,3) Paraíba 168,4 (3,0) 185,2 (3,7) 163,8 (3,7) Pernambuco 170,4 (3,2) 168,0 (6,1) 171,0 (3,7) Alagoas 162,6 (3,1) 180,8 (2,5) 154,2 (4,2) Sergipe 171,5 (2,0) 183,2 (2,8) 167,3 (2,6) Bahia 169,5 (2,6) 181,4 (3,3) 166,1 (3,2) Sudeste 196,5 (1,9) 196,9 (2,6) 196,4 (2,4) Minas Gerais 207,2 (3,2) 208,7 (4,5) 207,0 (3,6) Espírito Santo 191,9 (2,6) 199,7 (7,1) 190,9 (3,0) Rio de Janeiro 196,6 (2,6) 205,6 (3,5) 191,8 (3,5) São Paulo 192,0 (3,2) 190,7 (4,0) 192,5 (4,2) Sul 196,2 (1,8) 200,6 (1,9) 195,6 (2,0) Paraná 202,9 (3,2) 203,4 (2,8) 202,8 (3,8) Santa Catarina 191,9 (2,8) 203,3 (4,1) 191,1 (3,0) Sul 191,6 (2,6) 196,6 (3,1) 190,7 (3,0) Centro Oeste 187,7 (1,4) 201,4 (1,8) 180,4 (1,8) Sul 184,7 (2,5) 202,9 (2,6) 176,7 (3,2) Mato Grosso 176,3 (2,4) 174,5 (3,6) 176,7 (2,8) Goiás 186,2 (2,4) 196,3 (3,0) 183,7 (2,9) Distrito Federal 208,4 (3,2) 208,4 (3,2) - 19

21 Tabela 17 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Estaduais e Municipais Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 170,6 (1,3) 172,9 (1,6) 169,9 (1,6) Norte 160,8 (1,4) 165,4 (1,7) 158,6 (1,9) Rondônia 163,3 (2,1) 162,4 (2,0) 163,7 (2,8) Acre Amazonas 159,8 (2,2) 166,8 (3,4) 151,1 (2,7) Roraima Pará 160,6 (2,6) 162,1 (3,1) 160,2 (3,2) Amapá Tocantins 159,8 (2,6) - - Nordeste 152,4 (1,2) 159,7 (1,2) 150,4 (1,5) Maranhão 151,8 (3,1) 170,3 (2,8) 148,7 (3,5) Piauí 150,2 (2,0) 160,5 (3,1) 146,9 (2,4) Ceará 155,5 (2,7) 154,5 (3,6) 155,8 (3,4) Norte 143,7 (1,4) 152,6 (2,2) 140,8 (1,8) Paraíba 153,0 (2,9) 165,3 (3,0) 150,0 (3,5) Pernambuco 152,3 (2,5) 146,0 (2,6) 153,7 (2,9) Alagoas 149,9 (4,1) 164,5 (2,6) 143,9 (5,4) Sergipe 159,0 (2,0) 163,1 (2,6) 157,7 (2,6) Bahia 153,4 (3,5) 165,5 (2,8) 150,2 (4,2) Sudeste 180,4 (2,7) 178,9 (3,3) 180,8 (3,4) Minas Gerais 187,1 (3,6) 180,5 (5,3) 187,9 (4,0) Espírito Santo 174,6 (2,3) - - Rio de Janeiro 177,8 (2,3) - - São Paulo 178,4 (4,7) 177,4 (5,0) 178,8 (6,2) Sul 179,0 (2,0) 179,4 (2,7) 178,9 (2,2) Paraná 179,9 (4,1) 180,7 (4,7) 179,8 (4,7) Santa Catarina 177,8 (2,4) 176,4 (2,9) 177,8 (2,5) Sul 178,7 (2,3) 178,6 (3,5) 178,7 (2,6) Centro Oeste 171,2 (1,6) 181,7 (2,3) 166,3 (2,0) Sul 168,3 (2,0) 186,0 (3,3) 161,3 (2,3) Mato Grosso 164,6 (2,6) 163,1 (2,3) 164,9 (3,0) Goiás 170,7 (2,9) 178,9 (3,3) 169,1 (3,5) Distrito Federal 185,6 (4,2) 185,6 (4,2) - 20

22 Tabela 18 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Estaduais e Municipais Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 180,1 (1,1) 180,9 (1,5) 179,8 (1,4) Norte 166,7 (1,1) 172,2 (1,5) 164,1 (1,5) Rondônia 169,9 (1,8) 168,0 (2,5) 170,7 (2,3) Acre Amazonas 172,0 (2,2) 179,9 (2,9) 162,1 (2,9) Roraima Pará 163,8 (2,0) 162,9 (2,7) 164,0 (2,4) Amapá Tocantins 164,7 (3,3) - - Nordeste 159,2 (1,2) 164,8 (1,5) 157,7 (1,4) Maranhão 157,2 (2,2) 172,2 (3,4) 154,7 (2,5) Piauí 155,2 (2,5) 167,0 (2,6) 151,4 (3,0) Ceará 155,8 (3,4) 153,4 (3,5) 156,8 (4,5) Norte 151,9 (2,0) 157,8 (3,6) 150,0 (2,4) Paraíba 162,5 (3,4) 174,7 (4,2) 159,5 (4,1) Pernambuco 159,1 (3,6) 148,2 (5,3) 161,6 (4,2) Alagoas 157,9 (3,3) 173,5 (2,9) 151,5 (4,4) Sergipe 165,4 (2,3) 171,3 (2,9) 163,5 (3,0) Bahia 163,4 (2,8) 174,5 (3,0) 160,5 (3,4) Sudeste 190,7 (2,2) 187,4 (3,0) 191,7 (2,7) Minas Gerais 203,5 (3,4) 196,9 (5,3) 204,3 (3,8) Espírito Santo 185,7 (3,0) - - Rio de Janeiro 190,7 (2,8) - - São Paulo 184,9 (3,7) 180,9 (4,6) 186,4 (4,8) Sul 192,6 (2,0) 191,9 (2,2) 192,6 (2,2) Paraná 199,4 (3,6) 194,4 (3,1) 200,3 (4,1) Santa Catarina 187,8 (3,0) 191,7 (2,3) 187,5 (3,2) Sul 188,0 (2,8) 189,0 (3,9) 187,8 (3,1) Centro Oeste 181,7 (1,5) 193,3 (2,0) 176,4 (2,0) Sul 180,0 (2,7) 197,0 (3,0) 173,3 (3,3) Mato Grosso 172,6 (2,6) 171,9 (3,2) 172,7 (3,0) Goiás 180,2 (2,7) 183,5 (3,1) 179,5 (3,2) Distrito Federal 201,1 (3,8) 201,1 (3,8) - 21

23 Tabela 19 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Estaduais Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 173,0 (1,4) 176,4 (2,2) 171,9 (1,7) Norte 162,6 (1,9) 166,9 (2,0) 160,5 (2,8) Rondônia 166,7 (2,7) 165,2 (2,4) 167,3 (3,7) Acre 170,0 (2,2) 173,1 (1,9) 166,0 (4,5) Amazonas 161,0 (2,6) 170,5 (4,0) 152,8 (3,7) Roraima 163,2 (6,5) - - Pará 162,4 (3,9) 162,9 (4,2) - Amapá 156,9 (3,1) 160,7 (4,5) 150,6 (3,2) Tocantins 161,2 (4,2) - - Nordeste 157,4 (1,3) 166,5 (1,4) 155,0 (1,7) Maranhão 163,2 (3,1) 176,2 (4,3) 157,1 (4,3) Piauí 148,4 (2,2) 156,4 (4,4) 145,5 (2,5) Ceará 162,3 (3,7) 168,3 (4,3) - Norte 142,7 (2,2) 159,6 (3,5) 136,7 (2,3) Paraíba 156,7 (4,0) 169,4 (5,2) - Pernambuco 152,0 (2,6) 158,2 (5,4) 150,9 (2,9) Alagoas 155,4 (2,8) 165,8 (3,6) 142,7 (3,9) Sergipe 163,7 (3,1) 173,4 (3,8) 159,6 (4,3) Bahia 161,6 (2,7) 166,9 (4,1) 160,3 (3,2) Sudeste 181,4 (2,9) 181,1 (4,8) 181,5 (3,5) Minas Gerais 189,4 (6,3) 187,5 (6,3) 189,7 (7,1) Espírito Santo 181,4 (4,1) - - Rio de Janeiro 175,0 (3,9) - - São Paulo 177,9 (3,7) 180,0 (5,7) 176,8 (4,8) Sul 182,9 (2,3) 183,3 (2,9) 182,8 (2,7) Paraná 193,8 (3,1) 193,1 (4,2) 194,4 (4,7) Santa Catarina 179,5 (3,2) 173,1 (2,9) 180,0 (3,4) Sul 183,2 (3,5) 182,0 (4,3) 183,4 (4,1) Centro Oeste 172,3 (2,0) 181,7 (3,3) 165,0 (2,4) Sul 167,0 (2,8) 175,5 (1,8) 164,7 (3,6) Mato Grosso 165,6 (3,4) 160,2 (3,7) 166,5 (3,8) Goiás 165,1 (3,8) 171,3 (7,5) 164,1 (4,3) Distrito Federal 185,6 (4,2) 185,6 (4,2) - 22

24 Tabela 20 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Estaduais Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 181,8 (1,4) 183,7 (2,2) 181,2 (1,8) Norte 167,4 (1,6) 171,7 (1,7) 165,3 (2,2) Rondônia 172,1 (2,4) 168,7 (3,4) 173,6 (3,0) Acre 171,6 (3,0) 174,3 (3,4) 168,2 (5,4) Amazonas 173,6 (2,8) 181,5 (3,6) 166,8 (4,2) Roraima 173,5 (4,2) - - Pará 162,7 (2,9) 163,1 (3,4) - Amapá 163,0 (3,0) 167,9 (4,2) 154,8 (2,7) Tocantins 169,7 (5,4) - - Nordeste 163,0 (1,6) 172,9 (1,9) 160,4 (1,9) Maranhão 164,8 (3,2) 179,2 (5,8) 158,2 (3,8) Piauí 159,3 (2,6) 162,6 (4,4) 158,0 (3,1) Ceará 158,9 (5,0) 165,4 (6,0) - Norte 154,3 (3,1) 166,0 (6,2) 150,1 (3,4) Paraíba 165,9 (5,1) 180,7 (5,4) - Pernambuco 162,4 (3,3) 176,9 (6,2) 159,8 (3,6) Alagoas 164,9 (3,0) 172,7 (4,2) 155,3 (3,6) Sergipe 170,1 (3,2) 178,4 (3,9) 166,6 (4,3) Bahia 168,5 (3,3) 173,1 (4,8) 167,3 (3,9) Sudeste 191,2 (2,9) 186,2 (5,0) 192,7 (3,5) Minas Gerais 209,9 (5,9) 206,0 (7,0) 210,4 (6,7) Espírito Santo 186,0 (4,5) - - Rio de Janeiro 179,0 (4,1) - - São Paulo 182,9 (4,0) 182,4 (3,3) 183,1 (5,2) Sul 194,9 (2,2) 195,8 (4,8) 194,7 (2,5) Paraná 208,3 (3,2) 208,5 (2,5) 208,2 (4,2) Santa Catarina 188,0 (4,4) 188,6 (4,9) 187,9 (4,8) Sul 196,7 (2,7) 192,9 (2,8) 197,5 (3,2) Centro Oeste 185,6 (1,9) 196,2 (2,2) 177,4 (2,5) Sul 179,8 (3,1) 188,8 (5,2) 177,3 (3,9) Mato Grosso 176,1 (2,8) 173,0 (4,4) 176,6 (3,2) Goiás 178,3 (4,1) 180,2 (3,8) 178,0 (4,7) Distrito Federal 201,1 (3,8) 201,1-23

25 Tabela 21 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Municipais Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 169,0 (1,9) 170,2 (2,2) 168,7 (2,4) Norte 158,3 (1,6) 163,3 (2,9) 156,0 (1,8) Rondônia 157,3 (2,9) 156,5 (3,8) 157,5 (3,7) Acre Amazonas 158,6 (3,6) 164,2 (5,1) 148,7 (4,2) Roraima Pará 158,0 (2,6) 160,2 (2,3) - Amapá Tocantins 158,1 (2,5) 169,8 (3,5) 155,3 (2,9) Nordeste 150,1 (1,6) 156,7 (1,5) 148,2 (2,0) Maranhão 148,4 (3,8) 164,1 (3,4) 146,8 (4,2) Piauí 151,2 (3,0) 163,2 (4,1) 147,6 (3,4) Ceará 148,8 (3,3) 151,4 (4,7) - Norte 144,4 (1,9) 147,5 (2,5) 143,4 (2,3) Paraíba 147,6 (3,4) 162,6 (3,8) - Pernambuco 152,4 (3,2) 142,5 (2,2) 154,8 (3,9) Alagoas 147,9 (5,4) 163,2 (3,8) 144,1 (6,4) Sergipe 154,8 (2,8) 148,1 (2,8) 156,3 (3,2) Bahia 151,5 (4,2) 165,2 (3,3) 147,9 (5,1) Sudeste 179,7 (4,0) 177,5 (4,4) 180,4 (5,0) Minas Gerais 184,9 (3,9) 171,9 (8,4) 186,2 (4,2) Espírito Santo 171,2 (2,7) 175,9 (5,3) 170,5 (3,0) Rio de Janeiro 178,4 (2,7) 182,4 (4,5) 175,7 (3,4) São Paulo 178,8 (7,6) 174,6 (8,3) 180,0 (9,4) Sul 177,2 (2,6) 176,0 (4,4) 177,3 (2,9) Paraná 179,0 (4,4) 177,4 (5,9) 179,2 (4,9) Santa Catarina 176,3 (3,5) 181,7 (5,7) 176,0 (3,6) Sul 174,1 (3,0) 169,1 (5,2) 174,4 (3,1) Centro Oeste 170,2 (2,4) 181,9 (2,5) 167,1 (3,0) Sul 169,2 (2,9) 191,2 (4,5) 158,3 (2,6) Mato Grosso 163,7 (3,8) 165,1 (2,9) 163,5 (4,6) Goiás 173,2 (3,9) 181,6 (3,7) 171,5 (4,7) Distrito Federal

26 Tabela 22 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Urbanas Municipais Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 178,9 (1,6) 178,8 (2,0) 179,0 (1,9) Norte 165,8 (1,6) 172,8 (2,8) 162,5 (1,8) Rondônia 166,0 (2,4) 166,5 (3,2) 165,8 (3,1) Acre Amazonas 170,4 (3,4) 178,8 (4,2) 155,4 (3,5) Roraima Pará 165,3 (2,5) 162,4 (3,9) - Amapá Tocantins 158,8 (2,3) 174,1 (3,8) 155,3 (2,8) Nordeste 157,4 (1,5) 161,2 (1,9) 156,3 (1,9) Maranhão 154,9 (2,6) 164,9 (3,0) 153,9 (2,9) Piauí 152,9 (3,5) 169,8 (3,1) 147,9 (4,2) Ceará 152,9 (4,5) 150,7 (4,1) - Norte 150,4 (2,7) 151,8 (3,8) 149,9 (3,3) Paraíba 157,6 (3,7) 170,8 (5,9) - Pernambuco 157,9 (4,7) 140,2 (4,8) 162,2 (5,5) Alagoas 155,4 (4,3) 174,3 (4,0) 150,7 (5,2) Sergipe 161,2 (3,5) 161,0 (3,6) 161,2 (4,2) Bahia 162,2 (3,4) 174,8 (3,6) 158,8 (4,1) Sudeste 190,4 (3,1) 188,2 (3,8) 191,1 (3,8) Minas Gerais 197,7 (4,1) 185,8 (7,4) 198,9 (4,4) Espírito Santo 185,6 (3,8) 191,3 (4,6) 184,8 (4,4) Rio de Janeiro 193,3 (3,4) 199,2 (3,8) 189,1 (4,8) São Paulo 186,4 (5,6) 179,3 (7,0) 188,4 (6,8) Sul 191,5 (2,7) 188,6 (3,0) 191,8 (2,9) Paraná 198,8 (3,8) 190,6 (3,8) 199,9 (4,3) Santa Catarina 187,6 (4,1) 196,8 (4,2) 187,2 (4,3) Sul 179,1 (4,4) 178,2 (4,9) 179,1 (4,7) Centro Oeste 178,2 (2,3) 187,9 (2,7) 175,7 (2,8) Sul 180,1 (4,1) 201,1 (4,2) 169,8 (5,0) Mato Grosso 169,7 (4,2) 171,1 (4,0) 169,4 (5,0) Goiás 181,0 (3,5) 184,7 (3,9) 180,2 (4,2) Distrito Federal

27 Tabela 23 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa - 4ª série E.F. Escolas Particulares Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 211,6 (1,1) 214,4 (1,3) 209,8 (1,6) Norte 202,3 (1,7) 206,5 (2,1) 195,4 (2,9) Rondônia 205,2 (3,0) - - Acre Amazonas 201,2 (3,7) - - Roraima Pará 203,2 (2,9) 213,8 (4,1) 195,6 (5,3) Amapá Tocantins 203,4 (4,1) - - Nordeste 200,0 (1,3) 204,3 (1,8) 196,9 (1,7) Maranhão 187,7 (4,4) 185,6 (7,2) 190,7 (2,9) Piauí 204,6 (2,4) 209,9 (4,0) 199,3 (2,2) Ceará 200,8 (3,0) 203,9 (3,9) 196,8 (4,8) Norte 193,6 (2,9) 201,3 (3,9) 188,4 (3,9) Paraíba 197,7 (2,7) 212,9 (3,0) 189,0 (3,9) Pernambuco 204,4 (3,0) 212,1 (3,3) 201,0 (4,0) Alagoas 199,7 (2,7) 206,0 (4,0) 190,4 (3,1) Sergipe 194,3 (4,6) 211,3 (5,5) 181,4 (5,9) Bahia 203,3 (3,0) 206,4 (3,8) 201,9 (4,0) Sudeste 218,8 (2,2) 222,0 (2,8) 217,1 (3,1) Minas Gerais 233,5 (2,4) 240,8 (3,5) 230,6 (3,1) Espírito Santo 218,8 (3,0) - - Rio de Janeiro 206,9 (4,4) - - São Paulo 221,8 (3,3) 224,2 (3,2) 220,5 (4,8) Sul 219,3 (1,7) 221,9 (2,0) 218,3 (2,2) Paraná 223,9 (2,5) 224,5 (2,9) 223,7 (3,4) Santa Catarina 218,7 (2,6) - - Sul 214,8 (3,3) 218,4 (3,4) 213,3 (4,5) Centro Oeste 210,9 (1,9) 216,9 (2,7) 203,8 (2,9) Sul 218,3 (2,6) 219,9 (3,8) 216,6 (3,5) Mato Grosso 200,3 (5,6) - - Goiás 205,7 (2,9) 211,2 (4,3) 202,3 (3,9) Distrito Federal 221,2 (4,1) 221,2 (4,1) - 26

28 Tabela 24 Médias de Proficiência em Matemática - 4ª série E.F. Escolas Particulares Capital e Interior Total Capital Interior Brasil 226,4 (1,3) 228,5 (1,5) 225,0 (1,9) Norte 211,1 (2,1) 214,8 (2,9) 204,9 (2,7) Rondônia 217,3 (4,3) - - Acre Amazonas 211,0 (4,9) - - Roraima Pará 210,0 (3,3) 219,2 (5,9) 203,4 (3,8) Amapá Tocantins 211,3 (4,0) - - Nordeste 211,4 (1,5) 213,9 (2,2) 209,6 (2,2) Maranhão 199,5 (5,3) 199,5 (8,3) 199,5 (4,8) Piauí 212,3 (3,7) 217,4 (5,5) 207,3 (5,0) Ceará 209,1 (3,4) 211,7 (4,7) 205,7 (5,1) Norte 201,5 (2,6) 213,4 (4,3) 193,3 (3,2) Paraíba 209,6 (2,9) 224,3 (4,5) 201,1 (3,7) Pernambuco 217,6 (4,0) 218,5 (4,0) 217,1 (5,4) Alagoas 208,9 (3,7) 215,1 (5,4) 199,7 (4,7) Sergipe 209,9 (4,7) 224,0 (5,4) 199,1 (6,3) Bahia 217,0 (3,8) 217,1 (5,6) 216,9 (5,0) Sudeste 236,8 (2,4) 240,6 (3,2) 234,8 (3,4) Minas Gerais 252,7 (2,8) 265,1 (4,0) 247,9 (3,5) Espírito Santo 232,9 (3,8) - - Rio de Janeiro 220,1 (4,2) - - São Paulo 242,6 (3,6) 245,1 (3,9) 241,2 (5,2) Sul 234,1 (2,1) 238,5 (2,8) 232,4 (2,7) Paraná 239,1 (3,7) 248,3 (4,9) 235,1 (4,7) Santa Catarina 237,2 (3,2) - - Sul 227,3 (3,5) 228,0 (3,8) 227,0 (4,7) Centro Oeste 224,0 (2,2) 230,2 (2,9) 216,7 (3,3) Sul 231,9 (3,0) 235,6 (3,6) 228,0 (4,9) Mato Grosso 220,3 (4,2) - - Goiás 217,5 (3,7) 224,9 (5,8) 212,9 (4,9) Distrito Federal 233,6 (3,8) 233,6 (3,8) - 27

29 8 ª série do Ensino Fundamental

30 Tabela 25 Médias de Proficiência em Língua Portuguesa 8ª série E.F. Escolas Urbanas sem Federais (1) (2) Dif. (1),(2) Sig. Brasil 256,9 (1,4) 250,7 (2,1) 232,9 (1,0) 235,2 (1,3) 231,9 (1,0) 231,7 (0,9) -0,1 Norte 238,7 (2,5) 241,8 (1,7) 226,3 (1,1) 229,3 (1,6) 224,9 (2,1) 225,7 (1,2) 0,8 Rondônia 236,5 (3,9) 243,7 (2,5) 221,6 (3,3) 237,4 (2,0) 223,4 (1,7) 232,9 (4,0) 9,5 * Acre 229,9 (4,8) 229,6 (2,6) 219,4 (2,6) 222,5 (2,8) 226,0 (3,2) 228,2 (3,3) 2,3 Amazonas 236,4 (5,9) 239,0 (3,7) 226,1 (2,3) 221,2 (3,1) 221,0 (5,1) 217,5 (1,8) -3,5 Roraima 243,9 (3,5) 233,5 (2,3) 227,1 (2,1) 229,4 (5,0) 237,9 (6,3) 224,5 (7,9) -13,4 Pará 250,2 (3,4) 249,1 (3,9) 229,6 (1,4) 235,9 (1,9) 227,4 (2,7) 231,2 (2,2) 3,9 Amapá 234,2 (3,2) 242,4 (3,0) 233,3 (3,0) 232,5 (2,9) 234,7 (4,7) 223,2 (2,9) -11,5 * Tocantins 222,0 (6,2) 233,4 (1,6) 221,7 (4,7) 227,9 (7,2) 222,4 (4,0) 219,6 (3,1) -2,8 Nordeste 231,8 (1,9) 242,6 (2,6) 224,5 (1,0) 221,7 (1,3) 222,3 (1,2) 219,4 (1,1) -2,8 Maranhão 219,8 (6,0) 231,8 (3,9) 214,2 (2,3) 215,6 (2,8) 219,4 (2,5) 218,5 (2,2) -0,9 Piauí 226,6 (6,1) 243,9 (5,5) 227,7 (2,6) 228,9 (2,6) 223,5 (3,7) 220,6 (2,8) -2,9 Ceará 238,4 (2,8) 245,4 (9,3) 230,1 (1,9) 219,6 (3,0) 220,8 (2,5) 217,9 (3,0) -2,9 Norte 240,5 (8,3) 238,7 (4,1) 222,6 (2,3) 228,2 (2,2) 221,0 (2,7) 219,0 (2,5) -2,0 Paraíba 237,0 (5,9) 241,8 (2,8) 225,1 (2,0) 224,6 (2,7) 221,5 (2,2) 219,5 (3,1) -2,0 Pernambuco 231,4 (6,0) 244,6 (3,2) 218,8 (3,1) 217,9 (3,5) 220,2 (4,0) 215,8 (2,1) -4,3 Alagoas 217,7 (7,7) 228,9 (4,4) 219,3 (2,1) 216,6 (2,4) 215,6 (2,4) 210,0 (3,3) -5,6 Sergipe 235,8 (4,6) 238,0 (2,8) 228,1 (2,1) 226,5 (2,9) 221,3 (3,3) 231,1 (4,1) 9,9 Bahia 232,8 (3,7) 248,0 (6,9) 229,2 (2,6) 225,9 (3,2) 228,9 (3,0) 224,8 (2,8) -4,1 Sudeste 267,2 (2,3) 251,7 (3,8) 235,3 (1,8) 240,3 (2,5) 235,4 (2,0) 237,4 (1,8) 2,0 Minas Gerais 266,2 (4,4) 256,2 (14,4) 238,4 (2,6) 242,5 (2,7) 232,0 (4,1) 238,1 (3,1) 6,1 Espírito Santo 248,0 (6,1) 241,6 (2,9) 238,0 (2,2) 240,6 (2,1) 231,3 (2,2) 234,5 (2,8) 3,1 Rio de Janeiro 263,6 (6,2) 259,8 (5,1) 244,8 (2,3) 247,4 (2,0) 239,5 (3,6) 236,7 (2,5) -2,8 São Paulo 269,8 (3,1) 248,1 (1,9) 230,7 (2,9) 237,2 (4,3) 236,3 (3,0) 237,4 (2,8) 1,1 Sul 262,7 (2,5) 260,2 (5,4) 239,3 (2,2) 246,4 (2,2) 242,3 (1,6) 239,0 (2,1) -3,3 Paraná 259,8 (4,8) 262,4 (2,8) 235,3 (4,7) 240,5 (4,5) 238,3 (3,4) 230,0 (4,4) -8,3 Santa Catarina 256,5 (3,0) 257,4 (2,2) 242,1 (1,7) 245,9 (3,8) 242,5 (1,9) 246,1 (2,5) 3,6 Sul 268,8 (3,2) 259,5 (13,7) 242,4 (2,4) 252,4 (2,3) 245,9 (2,2) 244,5 (2,2) -1,5 Centro Oeste 257,1 (4,1) 255,0 (2,6) 235,7 (1,3) 237,2 (1,4) 234,6 (2,0) 233,1 (1,3) -1,5 Sul 251,2 (5,2) 257,2 (2,1) 232,0 (3,2) 244,8 (2,4) 238,8 (2,6) 239,9 (2,0) 1,1 Mato Grosso 248,1 (8,0) 240,2 (3,6) 231,5 (2,9) 231,9 (2,3) 224,7 (2,1) 224,7 (2,8) 0,0 Goiás 255,2 (8,2) 258,0 (4,6) 236,2 (2,1) 232,3 (2,4) 236,4 (3,9) 230,4 (2,0) -6,0 Distrito Federal 274,3 (5,3) 261,3 (3,8) 242,4 (2,3) 249,1 (3,7) 240,0 (4,7) 247,0 (3,0) 7,0 29

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6.

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6. Produção Brasileira de Abacaxi por Estado 2007 Pará 15.462 701.948 125.596 Paraíba 11.600 625.527 150.054 Minas Gerais 7.593 596.668 127.597 Bahia 6.430 282.634 63.185 São Paulo 3.620 271.380 76.161 Rio

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio Tiragem Limitada República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Ministério da Educação e do Desporto - MEC Paulo Renato Souza Secretaria

Leia mais

Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil Histórico da Revisão

Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil Histórico da Revisão Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil O presente documento tem por

Leia mais

ção: Motivaçõ ções e Metas

ção: Motivaçõ ções e Metas Equidade e Eficiência Educaçã ção: Motivaçõ ções e Metas RANKINGS REGIONAIS MOTIVOS DE EVASÃO Ranking Motivo de Evasão: TRABALHO (Demanda1) TOTAL BRASIL 1,43 0 a 17 anos 1 Minas Gerais 2,27 2 Pernambuco

Leia mais

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Fonte: IBGE/Pnad. Elaboração própria. Nota: a PNAD até o ano de 2003 não abrangia a área rural da região Norte (exceto o Tocantins). Nos anos de 1994, 2000

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A ACRE B1 Repouso Semanal Remunerado 18,06 0,00 18,06 0,00 B2 Feriados 4,77 0,00 4,77 0,00 B3 Auxílio - Enfermidade 0,91 0,69 0,91 0,69 B4 13º Salário 10,97 8,33 10,97 8,33 B7 Dias de Chuvas 1,68 0,00 1,68

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos - 2016 Data: 24/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de mortos 2016 Estado

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL GT Mortalidade Infantil METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL RIPSA - Rede Interagencial de Informações para a Saúde A taxa de mortalidade infantil é um indicador utilizado para medir

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores CAGED Apresentação A partir deste mês, os Observatórios do Trabalho do DIEESE passam a divulgar a Síntese de Indicadores, com resultados

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 FLUXO - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

TÊNIS DE MESA Nº 04 13/09/2017

TÊNIS DE MESA Nº 04 13/09/2017 TÊNIS DE MESA Nº 04 13/09/2017 Relatório de Resultados TÊNIS DE MESA - EQUIPES - Feminino 13/09/2017 HORA JOGO FASE UF RESULTADO UF PARCIAIS CAT 09:00 J1 ELIM GOIAIS 1 X 3 MATO GROSSO 0-2\2-1\0-2\0-2 F

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes - 2015 Data: 18/05/2016 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de acidentes -

Leia mais

Caracterização dos Recursos Físicos e Humanos dos Órgãos Estaduais de Segurança Pública. Efetivo Armas Letais Viaturas Coletes a Prova de Balas

Caracterização dos Recursos Físicos e Humanos dos Órgãos Estaduais de Segurança Pública. Efetivo Armas Letais Viaturas Coletes a Prova de Balas Ministério da Justiça Caracterização dos Recursos Físicos e Humanos dos Órgãos Estaduais de Segurança Pública Efetivo Armas Letais Viaturas Coletes a Prova de Balas Uma Perspectiva Democrática e Contemporânea

Leia mais

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Audiência pública Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.157/2016

RESOLUÇÃO CFM nº 2.157/2016 RESOLUÇÃO CFM nº 2.157/2016 (Publicada no D.O.U. de 20 de dezembro 2016, Seção I, p. 75) Aprova previsão orçamentária do Conselho Federal de Medicina e dos Conselhos Regionais de Medicina para o exercício

Leia mais

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 jan/16 fev/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 6,57 Margem Bruta de Distribuição 15,73 16,14 Preço de Distribuição 37,57

Leia mais

DESAFIOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA

DESAFIOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA DESAFIOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA José Francisco Soares Presidente do Inep Novembro 2015 SUMÁRIO I. Desafios conceituais II. Desafios relativos às escolas III.Desafios relativos aos resultados IV.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.134/15

RESOLUÇÃO CFM nº 2.134/15 RESOLUÇÃO CFM nº 2.134/15 (Publicada no D.O.U. de 15 de dezembro de 2015, Seção I, p. 248) Aprova previsão orçamentária do Conselho Federal de Medicina e dos Conselhos Regionais de Medicina para o exercício

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 13,07 13,08 13,07 13,09 13,09 13,08 13,08 13,09 13,23 13,23 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 15,26 15,27 15,26 15,27 15,28 15,26

Leia mais

GEOGRAFIA MÓDULO 11. As Questões Regionais. As divisões regionais, região e políticas públicas, os desequilíbrios regionais. Professor Vinícius Moraes

GEOGRAFIA MÓDULO 11. As Questões Regionais. As divisões regionais, região e políticas públicas, os desequilíbrios regionais. Professor Vinícius Moraes GEOGRAFIA Professor Vinícius Moraes MÓDULO 11 As Questões Regionais As divisões regionais, região e políticas públicas, os desequilíbrios regionais Existem três divisões regionais amplamente divulgadas

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Março de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

PIB 2012 Estado do Tocantins

PIB 2012 Estado do Tocantins PIB 2012 Estado do Tocantins Parceiros: GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SANDOVAL LÔBO CARDOSO Governador do Estado TOM LYRA Vice-governador do Estado JOAQUIM CARLOS PARENTE JUNIOR Secretário JOAQUÍN EDUARDO

Leia mais

Déficit Habitacional 2009

Déficit Habitacional 2009 Déficit Habitacional 2009 Eduardo May Zaidan 28 de outubro de 2010 Déficit habitacional: conceito O déficit habitacional é a medida das carências de moradia de uma determinada sociedade. Essas carências

Leia mais

MATERIAL SUPLEMENTAR. Tabela 1. Total de mamógrafos existentes e em uso no SUS, de acordo com tipo, em Salvador, Bahia e Brasil no ano de 2015.

MATERIAL SUPLEMENTAR. Tabela 1. Total de mamógrafos existentes e em uso no SUS, de acordo com tipo, em Salvador, Bahia e Brasil no ano de 2015. MATERIAL SUPLEMENTAR Tabela 1. Total de mamógrafos existentes e em uso no SUS, de acordo com tipo, em Salvador, Bahia e Brasil no ano de 2015. EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM - Brasil Equipamento

Leia mais

jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 jul/17 ago/17 set/17

jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 jul/17 ago/17 set/17 Superintendência de Defesa da Concorrência, Evolução Estudos e Regulação dos preços Econômica de GLP - SDR (R$ / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 13,24 13,25 13,88 14,64 14,64 15,51

Leia mais

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016

CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 CENSO BRASILEIRO DE SHOPPING CENTERS 2015/2016 V2 1 1. SETOR 2 UNIVERSO DISTRIBUIÇÃO MACRO REGIÕES SHOPPINGS EM OPERAÇÃO - UNIDADES 26 NORTE 80 NORDESTE 50 CENTRO OESTE 292 SUDESTE 520 +3,5% 538 SHOPPINGS

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil Data 17 / 12 / 2012

Estatísticas do Registro Civil Data 17 / 12 / 2012 Estatísticas do Registro Civil 2011 Data 17 / 12 / 2012 Em 2011, o total de registros foi 2,0% maior que em 2010, indicando a melhoria da cobertura do registro civil de nascimento no País. Houve acréscimo

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 10/2012

ESTUDO TÉCNICO N.º 10/2012 ESTUDO TÉCNICO N.º 10/2012 Análise da sub-declaração do recebimento de Benefícios pelo Programa Bolsa Família (PBF) e/ou Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) no Censo Demográfico 2010 MINISTÉRIO

Leia mais

Cursos de Dança no Brasil. Dulce Aquino

Cursos de Dança no Brasil. Dulce Aquino Cursos de Dança no Brasil Dulce Aquino Cursos de Dança no Brasil Instituições Federais Instituições Estaduais 3 cursos 9 cursos Total 3 Total de Cursos de Dança nas IES - 3 3 11 Norte - 3 Nordeste - 11

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA INSTITUTO NACIONAL DE IDENTIFICAÇÃO NOTAS TÉCNICAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA INSTITUTO NACIONAL DE IDENTIFICAÇÃO NOTAS TÉCNICAS NOTAS TÉCNICAS Conceituação das definições A pesquisa abrange todos os indiciamentos realizados ( fonte: Sistema Nacional de Informações Criminais SINIC) pela Polícia Federal entre 2010 e 2013. Dados apresentados

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO FORMAL CELETISTA Outubro 2017 CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS CAGED

NÍVEL DE EMPREGO FORMAL CELETISTA Outubro 2017 CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS CAGED NÍVEL DE EMPREGO FORMAL CELETISTA Outubro 2017 CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS CAGED BRASIL SALDO DO EMPREGO FORMAL - SEM AJUSTES - PERÍODO DE OUTUBRO DE 2016 A OUTUBRO 2017 2 BRASIL SALDO

Leia mais

PERFIL DO MAGISTÉRIO

PERFIL DO MAGISTÉRIO PERFIL DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA MEC Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Censo do Professor 97 1 Diretoria de Informações e Estatísticas Educacionais João Batista Ferreira Gomes

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação MARÇO DE 2016

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação MARÇO DE 2016 Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação MARÇO DE 2016 DEFINIÇÕES A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP/SEPROSP com base em dados do sistema RAIS-CAGED do Ministério do

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Prévia do Mapa da Violência Os jovens do Brasil

Prévia do Mapa da Violência Os jovens do Brasil Prévia do Mapa da Violência 2014. Os jovens do Brasil A recente divulgação das bases de dados do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde (MS), correspondentes ao ano de 2012,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA DIVISÃO REGIONAL BRASILEIRA

EVOLUÇÃO DA DIVISÃO REGIONAL BRASILEIRA EVOLUÇÃO DA DIVISÃO REGIONAL BRASILEIRA A divisão regional do Brasil não foi sempre a mesma. A primeira sugestão de regionalização foi apresentada em 1913 e, depois dela, outras propostas surgiram tentando

Leia mais

SONDAGEM SOBRE HÁBITOS DE LEITURA E DE PESQUISA JURÍDICA ASSOCIADOS AASP. Q1 Sexo. Respondidas: Ignoradas: 36

SONDAGEM SOBRE HÁBITOS DE LEITURA E DE PESQUISA JURÍDICA ASSOCIADOS AASP. Q1 Sexo. Respondidas: Ignoradas: 36 Q1 Sexo Respondidas: 5.469 Ignoradas: 36 Feminino Masculino Feminino Masculino 36,83% 2.014 63,17% 3.455 Total 5.469 1 / 14 Q2 Faixa etária Respondidas: 5.485 Ignoradas: 20 Até 25 anos 26 a 35 anos 36

Leia mais

O MAPA DA EXTREMA INDIGÊNCIA NO CEARÁ E O CUSTO FINANCEIRO DE SUA EXTINÇÃO

O MAPA DA EXTREMA INDIGÊNCIA NO CEARÁ E O CUSTO FINANCEIRO DE SUA EXTINÇÃO CAEN-UFC RELATÓRIO DE PESQUISA Nº5 O MAPA DA EXTREMA INDIGÊNCIA NO CEARÁ E O CUSTO FINANCEIRO DE SUA EXTINÇÃO (Apresenta um Comparativo com os Estados Brasileiros) Autores da Pesquisa Flávio Ataliba Barreto

Leia mais

4ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos 2012

4ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos 2012 4ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos 2012 Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba e Região Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região Fetec-CUT(PR)

Leia mais

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 Produção Industrial Mensal Produção Física: Março de 2012 Os indicadores da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física PIM-PF, referentes ao mês de março

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça Anexo I SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA E SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA TABELA PADRONIZADA DO NÚMERO DOS PROCESSOS NOS ÓRGÃOS DO PODER JUDICIÁRIO 1 SUPREMO

Leia mais

Contratação de empresas para limpar o nome. Março de 2017

Contratação de empresas para limpar o nome. Março de 2017 Contratação de empresas para limpar o nome Março de 2017 OBJETIVOS DO ESTUDO Conhecer o negócio de contratação de empresas para limpar o nome: abordagem, promessas e resultados sobre a vida dos endividados;

Leia mais

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari Mercado de Trabalho Empregos formais Estado de São Paulo Município: Capivari SÍNTESE Estado de São Paulo População estimada em 2014 44.035.304 População 2010 41.262.199 Área (km²) 248.222,36 Densidade

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDUSTRIAS DE SUPLEMENTOS MINERAIS RUA AUGUSTA, 2676 13 ANDAR SALA 132 CEP 01412-100 SÃO PAULO SP Telefone: (011) 3061-9077 e-mail:

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 Iniciação Científica Karoline Almeida Cavalcanti Universidade Estadual

Leia mais

Desafios do Federalismo Brasileiro. Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais

Desafios do Federalismo Brasileiro. Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais Desafios do Federalismo Brasileiro Paula Ravanelli Losada Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais Federação desigual Arranjo Federativo Brasileiro As desigualdades regionais

Leia mais

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015 ! TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015! Jogos Escolares da Juventude 2015 12 a 14 anos Boletim Oficial de Resultados 04/09/2015 CENTRO DE FORMAÇÃO OLÍMPICA - QUADRA 1 TÊNIS DE MESA - EQUIPE - Feminino 1 09:00

Leia mais

Exercícios Complementares de Ciências Humanas Geografia Ensino Fundamental. Regiões Brasileiras

Exercícios Complementares de Ciências Humanas Geografia Ensino Fundamental. Regiões Brasileiras de Geografia Exercícios Complementares Regiões Brasileiras 1. O mapa mostra a divisão do Brasil entre as cinco regiões do IBGE. Identifique-as e, na sequência, relacione as características listadas a seguir

Leia mais

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017

Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017 Pesquisa de Emprego em Tecnologia da Informação JULHO DE 2017 DEFINIÇÕES A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP/SEPROSP com base em dados do sistema RAIS-CAGED do Ministério do

Leia mais

Gestão e avaliação para a melhoria da qualidade da educação Buenos Aires, Argentina 02 a 04 de setembro de 2008

Gestão e avaliação para a melhoria da qualidade da educação Buenos Aires, Argentina 02 a 04 de setembro de 2008 Gestão e avaliação para a melhoria da qualidade da educação Buenos Aires, Argentina 02 a 04 de setembro de 2008 Héliton R. Tavares Diretor de Avaliação da Educação Básica, DAEB/INEP/MEC heliton.tavares@inep.gov.br

Leia mais

Política Nacional da Educação Infantil Desafios e alternativas para o aumento do atendimento na educação infantil com qualidade

Política Nacional da Educação Infantil Desafios e alternativas para o aumento do atendimento na educação infantil com qualidade Política Nacional da Educação Infantil Desafios e alternativas para o aumento do atendimento na educação infantil com qualidade 161905-Implementando o m... 016 v2 1 Como está a Educação Básica no Brasil,

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

AÇÕES CULTURAIS E EDUCATIVAS EM INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS ESTADUAIS BRASILEIRAS. Keyla Santos Jussara Borges

AÇÕES CULTURAIS E EDUCATIVAS EM INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS ESTADUAIS BRASILEIRAS. Keyla Santos Jussara Borges AÇÕES CULTURAIS E EDUCATIVAS EM INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS ESTADUAIS BRASILEIRAS Keyla Santos Jussara Borges Art. 1º - É dever do Poder Público a gestão documental e a proteção especial a documentos de

Leia mais

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS

ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS ANÁLISE DA REPARTIÇÃO REGIONAL DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS MONTANTE DE RECEITAS E RECURSOS PÚBLICOS (em R$ milhões) Receita Estadual () BNDES Estatais Agências Financeiras União Royalties e Participações

Leia mais

Educação Superior Enade e IGC dos Estados e DF

Educação Superior Enade e IGC dos Estados e DF Educação Superior Enade e IGC dos Estados e DF Enade 2015 O Conceito Enade é um indicador de qualidade que avalia o desempenho dos estudantes a partir dos resultados obtidos anualmente para os cursos que

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 03/12/2017 a 09/12/2017 Os

Leia mais

jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12

jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 Coordenadoria de Defesa da Evolução Concorrênciados preços de GLP (R$ / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 11,33 11,34 11,33 11,34 11,33 11,34 11,34 11,33 11,34 11,34 11,34 11,34

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2015 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 10/09/2017 a 16/09/2017 Os

Leia mais

jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10

jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 Coordenadoria de Defesa da Evolução Concorrência dos preços de GLP (R$ / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 11,33 11,34 11,34 11,32 11,33 11,33 11,33 11,34 11,34 11,34 11,34 Preço

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 09 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA (SE) 02/2016 (10 A 16/01/2016) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIA NO BRASIL A partir desta edição, o informe epidemiológico do COES passa a apresentar

Leia mais

Anuário Brasileiro de Desastres

Anuário Brasileiro de Desastres Anuário Brasileiro de Desastres 2010 A produção deste anuário pretende demonstrar a importância em criar, ampliar e manter canais de comunicação entre as fontes oficiais de informação e a imprensa. Para

Leia mais

Produto Interno Bruto

Produto Interno Bruto Produto Interno Bruto 2000 2001 2002 2003 * * Participação do RS no PIB do BR Participação (%) São Paulo 32,2 Rio de Janeiro 11,6 Minas Gerais 8,9 Rio Grande do Sul 6,2 Paraná 6,0 Santa Catarina 4,2 Bahia

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Março/15) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Av. Presidente Juscelino Kubitschek, Itaim Bibi , São Paulo/SP Telefone: (11)

Av. Presidente Juscelino Kubitschek, Itaim Bibi , São Paulo/SP Telefone: (11) ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO - O IPVA é o tributo estadual, cuja arrecadação é a segunda mais importante, depois do ICMS; - A estimativa de arrecadação de IPVA (Imposto

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Maio/15) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Inovação e Criatividade na Educação Básica

Inovação e Criatividade na Educação Básica MEC Inovação e Criatividade na Educação Básica 2015 Objetivo Criar as bases para uma política pública de fomento a inovação e criatividade na educação básica Desafios da Educação Básica no Brasil hoje

Leia mais

TAMANHO DAS ESCOLAS DO 1 GRAU

TAMANHO DAS ESCOLAS DO 1 GRAU MINISTÉRIO CA EDUCAÇÃO SECRETARIA_ ADMINISTRAÇÃO GERAL COORNAÇÃO PLANEJAMENTO SETORIAL COORNAÇÃO INFORMAÇÕES PARA O PLANEJAMENTO TAMANHO DAS ESCOLAS DO 1 GRAU TRABALHO ELABORADO POR ELIZEU FRANCISCO CALSING

Leia mais

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio última atualização da pesquisa: 2011 1 2 CARACTERÍSTICAS DOS DOMICÍLIOS 3 ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. e 2 O O 7

ANUÁRIO DO TRABALHO. e 2 O O 7 ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2 O O 7 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo

Leia mais

OPINIÃO DOS EMPRESÁRIOS A RESPEITO DA CONCILIAÇÃO BANCÁRIA

OPINIÃO DOS EMPRESÁRIOS A RESPEITO DA CONCILIAÇÃO BANCÁRIA OPINIÃO DOS EMPRESÁRIOS A RESPEITO DA CONCILIAÇÃO BANCÁRIA OBJETIVOS DO ESTUDO Levantar a opinião dos empresários de comércio e serviços a respeito da realização dos processos de controle e conciliação

Leia mais

Anexo 3. Tabela matriz: medidas de desigualdades em saúde por estado, segundo variáveis de estratificação de desigualdades e ano calendário

Anexo 3. Tabela matriz: medidas de desigualdades em saúde por estado, segundo variáveis de estratificação de desigualdades e ano calendário Tabelas Anexo 3 Tabela matriz: medidas de desigualdades em saúde por estado, segundo variáveis de desigualdades e ano calendário Acre (n=22) Alagoas (n=102) Amapá (n=16) de q1 q2 q3 q4 q5 (maior) 1991

Leia mais

AS DESPESAS DOS GOVERNOS FEDERAL, ESTADUAIS E MUNICIPAIS COM A FUNÇÃO GESTÃO AMBIENTAL EM 2010

AS DESPESAS DOS GOVERNOS FEDERAL, ESTADUAIS E MUNICIPAIS COM A FUNÇÃO GESTÃO AMBIENTAL EM 2010 AS S DOS GOVERNOS FEDERAL, ESTADUAIS E MUNICIPAIS COM A FUNÇÃO AMBIENTAL EM 2010 (Estudo Técnico nº 173) François E. J. de Bremaeker Salvador, maio de 2012 2 AS DESPEAS DOS GOVERNOS FEDERAL, ESTADUAIS

Leia mais

Vencimento 22/07/2015

Vencimento 22/07/2015 Nº do Cliente: 316861 Período: 04/06/2015 a 03/07/2015 Mês de referência: 07/2015 Data de emissão: 08/07/2015 Número do celular: 11 95008-0541 Nº da fatura: 000000108919 Vencimento 22/07/2015 Total a Pagar

Leia mais

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a dezembro/2016

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a dezembro/2016 Saldo de Empregos no Setor Bancário Janeiro a dezembro de 2016 Analise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego De janeiro a dezembro de 2016 foram fechados 20.553

Leia mais

/ ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO

/ ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Cultivar e guardar a Criação Disciplina: Geografia / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO Ano: 5º - Ensino Fundamental - Data: 25 / 8 / 2017 Assunto: Regiões Brasileiras.

Leia mais

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA JOÃO ELOI OLENIKE GILBERTO LUIZ DO AMARAL LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL FERNANDO STEINBRUCH

Leia mais

Experiência Brasileira

Experiência Brasileira SEGUNDA REUNIÓN REGIONAL SOBRE EVALUACIÓN Y ESTIMACIONES DEMOGRÁFICAS CON BASE EN INFORMACION CENSAL Introdución a la evaluación de datos demográficos Experiência Brasileira Santiago, Chile, 11 al 16 junio

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro em 2013 FEVEREIRO DE 2014 RESUMO O país criou 730.687 novos postos de trabalho em 2013, desempenho este 16% menor do que o apresentado em 2012. No

Leia mais

Panorama Educacional Brasileiro

Panorama Educacional Brasileiro Brasileiro Centro de Políticas Públicas do Insper Março de 2014 Apresentação A educação é uma questão fundamental no cotidiano brasileiro, pois é a partir de uma boa base educacional que um país se desenvolve

Leia mais

Noções Básicas sobre. Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso. População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica

Noções Básicas sobre. Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso. População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica Encontro Nacional de Coordenadores da Saúde do Idoso Noções Básicas sobre População Idosa no Cenário Nacional: Transição Demográfica Joilson Rodrigues de Souza Coordenador de Disseminação de Informações

Leia mais

Dados Básicos sobre Recursos Humanos. ObservaRH - NESP/CEAM/UnB

Dados Básicos sobre Recursos Humanos. ObservaRH - NESP/CEAM/UnB Dados Básicos sobre Recursos Humanos ObservaRH - NESP/CEAM/UnB Brasília/DF 2007 Apresentação O conjunto de dados básicos sobre recursos humanos integra as expectativas das delegações que participaram da

Leia mais

Panorama Educacional Brasileiro

Panorama Educacional Brasileiro Brasileiro Centro de Políticas Públicas do Insper Outubro de 2014 Apresentação A educação é uma questão fundamental no cotidiano brasileiro, pois é a partir de uma boa base educacional que um país se desenvolve

Leia mais

Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A Divulgação dos resultados parciais do programa em 2013.

Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A Divulgação dos resultados parciais do programa em 2013. Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A Divulgação dos resultados parciais do programa em 2013. O Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A tem por objetivo a prevenção e controle da hipovitaminose

Leia mais

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a junho/2016

GRÁFICO 1 Saldo do Emprego Bancário Brasil janeiro/2015 a junho/2016 Saldo de Empregos no Setor Bancário Janeiro a junho de 2016 Analise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego No primeiro semestre de 2016 foram fechados 6.785

Leia mais

Panorama Educacional Brasileiro

Panorama Educacional Brasileiro Brasileiro Centro de Políticas Públicas do Insper Janeiro de 2017 Apresentação A educação é uma questão fundamental no cotidiano brasileiro, pois é a partir de uma boa base educacional que um país se desenvolve

Leia mais

Dados sobre o Programa de Educação Tutorial PET atualizados em abril de Fonte: SESu/MEC Apresentação: Diretoria da CENAPET

Dados sobre o Programa de Educação Tutorial PET atualizados em abril de Fonte: SESu/MEC Apresentação: Diretoria da CENAPET Dados sobre o Programa de Educação Tutorial PET atualizados em abril de 05 Fonte: SESu/MEC Apresentação: Diretoria da CENAPET Informações Gerais Número de Grupos: 84 Número de IES: Categoria Administrativa

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE D TABELA BÁSICA / EDIÇÃO 2016 PRIMEIRA FASE REF ROD DATA - DIA HORA GR JOGO ESTÁDIO CIDADE 1ª 12/06 - Dom A1 Rondônia RO x Amazonas AM A1 Acre AC x Amapá AP A2 Tocantins

Leia mais