Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação: Uma Análise Crítica 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação: Uma Análise Crítica 1"

Transcrição

1 Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação: Uma Análise Crítica 1 Jorge Antônio da Silva Sito 2 Resumo: O artigo propõe-se a analisar, do ponto de visto crítico e desmistificador, os marcos ideológicos constitutivos da proposta de Qualidade Total incorporada à matriz do neoliberalismo. Com tal propósito, organiza-se o texto referenciado nos seguintes procedimentos: de forma inicial, são apresentados alguns aspectos da gênese do pensamento neoliberal, seus principais pressupostos e os condicionantes de gestação da proposta de Qualidade Total. Em sequência, o caráter envolvente e até sedutor do corolário da Qualidade Total na Educação é analisado. Como desdobramento, sob o tema Qualidade Total: um novo paradigma?, busca-se caracterizar e situar, com base nas faces do pensamento pedagógico brasileiro, a referida concepção. Propõe-se a recolocação do conceito de qualidade para além do modelo neoliberal, procurando reforçar a necessidade de desmistificação da retórica neoconservadora de qualidade, negando-a como fenômeno político, voltado à defesa dos interesses da maioria da população, numa perspectiva inclusora e emancipatória. Busca-se, no contexto da contradição, sistematizar alguns pressupostos para o processo de travessia. Palavras-chave: Capitalismo - Neoliberalismo - Educação - Qualidade Total Ideologia. PRIMEIRAS PALAVRAS A partir do estudo do processo de desenvolvimento das sociedades capitalistas, verificamos que, na constante busca de hegemonização, ocorrem processos de adequações e readequações como formas de superação de seus conflitos paradigmáticos e crises orgânicas. O neoliberalismo, metamorfoseando o velho liberalismo, é um claro exemplo das várias facetas assumidas e a determinação permanente de buscar novos 1 Artigo apresentado ao Curso de Pós-Graduação Especialização em Organização Escolar da UFSM. 2 Secretário de Educação, Pedagogo, Especialista em Organização Escolar e Mestrando em Docência Universitária (UTN Buenos Aires).

2 2 conteúdos para os novos paradigmas de acumulação de capital e desenvolvimento econômico. A concepção neoliberal é uma resposta política a mais uma das crises capitalistas que ocorre no final da década de 70 e início da década de 80, crise esta do regime de acumulação fordista, e que leva os países do capitalismo central a lançarem mão desse mecanismo. À medida que emerge esse novo ideário como componente da organização capitalista, novas exigências são lançadas ao conjunto das organizações sociais, às práticas sociais, as políticas de Estado e, entre elas, a educação. Estas circunstâncias expressam as múltiplas influências de paradigmas que impactam a escola sendo, geralmente, usada como espaço estratégico e reforçador da dominação pelos processos de condicionamento e assujeitamento. Mas, apesar de todo esse processo que os fenômenos históricos incorporam, também se constituem mecanismos para o exercício da contradição e, nesses marcos, a escola pode caracterizarse como um espaço produtor da emancipação, potencializado para grandes contribuições às necessárias transformações, orientada por uma nova ética para além dos condicionamentos do capital. É com base nesta crença que é proposta a análise dessas influências, desatando alguns nós e, sobretudo, refletindo sobre alguns caminhos possíveis de superação do modelo de escola capitalista. Parte-se da premissa orientadora de que a tarefa dos sujeitos envolvidos em uma determinada prática social concreta e que nutrem a esperança de referendá-la no processo de transformação é identificá-la, compreendê-la e interpretá-la, enquanto manifestação objetiva, à luz de seus condicionantes, procedendo-se a sua enunciação ou negação como fenômeno político alternativo. É nessa perspectiva, que sugere-se analisar o tema Qualidade Total como conteúdo integrante do pensamento e discurso educacional, notadamente, na realidade brasileira; tese essa que se multiplicou lastreada pelo ideário neoliberal e passou a hegemonizar os vários organismos sociais e o imaginário popular como pensamento político estratégico. Essa reflexão se faz necessária como forma de desatar muitos nós, de desfazer muitos equívocos sobre a temática que, em virtude das estratégias da engenharia ideológica orquestrada pelos seus intelectuais históricos ou pelos intelectuais

3 3 neoconvertidos, conjugadas com o desconhecimento de seus suportes teóricos e filosóficos, acabou se constituindo e se expandindo. Os novos paradigmas de acumulação de capital vêm revestidos de conceituações e ações que dão configuração às renovadas relações econômicas, políticas e culturais nesse processo de (re)desenho histórico. A terceira Revolução Industrial, as significativas e profundas inovações tecnológicas, a redefinição da organização produtiva, as renovadas relações originárias da reestruturação do trabalho, a geração de mercados regionais, entre outros, são conteúdos históricos lançados pelos novos sustentáculos de desenvolvimento capitalista. Essas modificações estruturais e materiais vêm acompanhadas e articuladas numa intensa cadeia conectada e sustentada por um sistema de ideias, princípios e concepções coerentes com os objetivos e as metas estabelecidos pela economia de mercado. Há uma sintonia entre o que é dito, defendido e difundido no plano das ideias e o que efetivamente é posto em prática. (AZEVEDO, 1995:1) Dessa forma, para se compreender e interpretar a proposta de Qualidade Total e seus reflexos na educação, ocorre a necessidade do resgate de alguns mecanismos constitutivos de sua gênese e, principalmente, percebê-la como uma proposta engendrada no processo de desenvolvimento capitalista e justificada pelas suas exigências. Assim, procura-se no presente artigo, que se fundamenta em um processo de revisão bibliográfica, demonstrar o quanto o neoliberalismo, na condição de engenharia política global, se utiliza da educação institucionalizada como um dos campos estratégicos e privilegiados para lançar seus tentáculos. CONTEXTO NEOLIBERAL E A PROPOSTA DE QUALIDADE TOTAL Após a queda do muro de Berlim, como significação da derrocada do Socialismo Real, o capitalismo torna-se uma tendência hegemônica. É o Fim da História, como afirmavam seus teóricos e, a partir dessa condição, torna-se necessário gerenciar essa forma de organização com mais competência. Nesse processo de busca de hegemonia e da consequente necessidade de superação dos seus conflitos e crises orgânicas, o ideário

4 4 da ordem é construído e reconstruído, assumindo novas facetas que mascaram as velhas. Dessas exigências surge a política neoliberal, que se espalhou pelo mundo como uma saída política protagonizada por alguns países capitalistas centrais nos anos 70-80, como forma de busca de superação da profunda crise do regime de acumulação fordista, iniciada no final da década de 60. O neoliberalismo passou a se constituir na expressão política de gerenciamento dessa crise. Elucidando essa questão, Gentili (1994:13) caracteriza o neoliberalismo como uma necessidade estrutural do capitalismo ou, pelo menos, como a saída política para a necessidade estrutural: a redefinição de uma forma (o projeto) histórico de dominação de classe. Assim, o neoliberalismo se constitui em um novo processo de configuração da velha vertente liberal, decorrente da Revolução Industrial, caracterizada no contexto do século XVIII e redefinida ao longo do processo histórico, enquanto concepção que entende o homem e a sociedade como sujeitos e produtos da construção da livre concorrência, da ação dos mais capazes, mais eficientes e eficazes, cujas credenciais, na verdade, são decorrentes da liberdade suprema e edificante do grande Deus mercado. Nos anos 80, basicamente nos países capitalistas desenvolvidos, com a crise da social-democracia e a desestruturação dos Estados de Bem Estar Social a política neoliberal passa a se constituir em uma saída possível. Configura-se uma Nova Ordem Econômica a nível mundial (economia internacionalizada, globalização, blocos econômicos). O processo de globalização, configurado historicamente na virada do século, caracteriza-se pela formação de um mercado único e global. As relações econômicas, tanto produtivas quanto financeiras, ultrapassaram as fronteiras nacionais desregulamentando, desregrando os chamados mercados nacionais, constroem macroeconomias constituindo os chamados mercados emergentes nas regiões periférics do capitalismo, articulados com a formação dos chamados mercados regionais. (AZEVEDO, 1995:3) O novo paradigma exposto é o do Estado Mínimo: quanto menor a intervenção do Estado, melhor. O Estado é rotulado como o grande causador dos males econômicos e sociais e, a livre iniciativa como a grande redentora, como a única possibilidade de regeneração da atual democracia, da economia e com condições de redimensionar os organismos vitais da sociedade.

5 5 Esse processo, gerador da aceleração da corrente privativista, acaba por reduzir a função social do Estado, que passa a não possuir mais o domínio em relação ao estoque monetário internacional, enfrenta a queda das receitas públicas, acabando engessado e inviabilizado de atender as demandas da sociedade, principalmente no campo das políticas sociais e públicas. A tendência configurada é a do refluxo do Estado na relação com os interesses públicos e o alargamento para os interesses privados. A metamorfose do liberalismo para o neoliberalismo passou a exigir uma nova filosofia e arcabouço teórico capaz de dar sustentação e funcionalidade aos novos tempos. Surgem então, com nova roupagem, expressões, slogans e, nesse contexto, a tão propalada Qualidade Total, como mecanismos alavancadores de uma nova forma de gerenciamento do capitalismo e/ou como nova retórica conservadora, propagando-se desde o Japão, passando pelos países desenvolvidos e chegando, inclusive, em termos de tese hegemonizadora, de forma tardia, aos países periféricos. É obviamente importante, nesse processo de construção da hegemonia do discurso liberal/empresarial/capitalista, a criação de novas expressões e termos e a redefinição de velhos slogans e palavras e sua vinculação respectivamente positiva ou negativa ao campo bom (o capitalismo, a livre iniciativa, os empresários e suas inerentes virtudes) ou campo mau (a intervenção estatal, os movimentos sociais, os funcionários públicos, os políticos e seus essenciais defeitos). (SILVA, 1995:12) Esta nova filosofia tem seus pilares nos meios de comunicação e na ação do consumidor. A mídia como processadora de um verdadeiro ataque ideológico de inculcação dos pressupostos da tese de suprema autoridade do mercado, que passa a ditar normas, costumes, modas e, fundamentalmente, a configurar um quadro onde o consumidor (cliente), passa a ser substituto do cidadão. O que vale é o cliente, o que compra, o que tem a livre opção de consumir (suposta autonomia do cliente), quando na verdade já está pré-estabelecido o que deverá ser consumido. A estratégia em curso visa cooptar e manipular o afetivo, os sentimentos, os desejos, através do convencimento publicitário, não deixando espaços para circularem visões alternativas à lógica estabelecida. Isso pressupõe conceber que a política neoliberal precisa ser compreendida e analisada como um projeto estratégico global que, para

6 6 equacionamento, exige significativas reformas materiais, conjugadas essas reformas com uma estratégia de caráter cultural. O que estamos presenciando é um processo amplo de redefinição global das esferas social, política e pessoal, no qual complexos e eficazes mecanismos de significação e representação são utilizados para criar e recriar um clima favorável à visão social e política liberal. O que está em jogo não é apenas uma reestruturação neoliberal das esferas econômica, social e políticas, mas uma reelaboração e redefinição das próprias formas de representação e significação social. (SILVA, 1995:14) Dessa forma, noções de igualdade e justiça social recuam no espaço e cedem campo aberto para a redefinição de produtividade, de qualidade, de eficiência e modernidade. Assim, quem não se apropria e utiliza esta linguagem está ultrapassado, não é moderno. O neoliberalismo sustentado em sua parafernália estratégica se constitui, irrefutavelmente, em uma espécie de Epistemologia Social Global, isto é, em um conjunto de noções, conceitos e termos que acabam por constranger e marginalizar as formas de pensamento geradas fora dessas categorias hegemônicas. Oprime, portanto, outras ideias, outros conceitos, outros pressupostos teóricos e novos paradigmas, obscurecendo a memória e a construção popular autônoma. O projeto neoconservador, em síntese, incorpora essencialmente a definição de um espaço em que se torne impossível analisar o econômico, o político e o social, desconectado das premissas que justificam o arranjo organizacional capitalista. Para tal, seus intelectuais identificados ou neoconversos ( hoje, em muitas circunstâncias, os últimos mais fervorosos que os primeiros) se utilizam de frases de efeito, de caráter mirabolante. Em suas retóricas, elas surgem com muita freqüência, reveladoras, muito mais de uma atitude de marketing do que propriamente de uma leitura rigorosa e honesta sobre os condicionantes sociais e suas manifestações concretas na cotidianeidade. Em resumo, nesta operação da política neoliberal...os existentes defeitos da vida política e social são separados de qualquer conexão com o presente modo de organização econômica (o capitalismo) e vinculados tão somente a uma suposta tendência estatizante e burocratizante de seu modo de organização política. Corrupção, ineficiência, desperdícios são excrescências que sequer podem ser traçadas a algum possível mau funcionamente da dinâmica capitalista; elas são atribuídas, ao invés disso, a

7 7 uma política pública que, curiosamente, nada deve ao seu núcleo econômico). (SILVA, 1995:12) Esse paradigma, associado com o processo de redefinição dos padrões de acumulação capitalista, dos processos produtivos e as novas dimensões no campo científico e tecnológico passa, como política global, a colocar novas exigências para a educação, para os processos da escola, de acordo com a economia globalizada e os pressupostos de mercado. QUALIDADE TOTAL NA EDUCAÇÃO: O CANTO DA SEREIA A definição das funções da educação não ocorre processada por um vazio ideológico e conceitual. É decorrente de um feixe de determinantes, da correlação de forças, muitas vezes forças essas antagônicas em termos de concepção de mundo, de sociedade, de humano e de conhecimento. É nesse complexo quadro que é necessário buscar elementos para a análise e elucidação da proposta de Qualidade Total na Educação. Proposta essa que se espraiou no coletivo do pensamento educacional como nova categoria pedagógica e que, pela incessante busca de alternativas reais para a crise dessa prática social (a educação), pela sede do processo de qualidade e se for total tanto melhor, é que muitos educadores acabaram incorporando o conteúdo da proposta e, equivocadamente (ou de forma esperta), passaram a defendê-la como alternativa real ao quadro educacional brasileiro, seduzidos que foram pelo arcabouço neoliberal. Tal atitude, geralmente desprovida de criticidade, se efetivou quase que de forma genérica, sem que tenha ocorrido a reflexão e explicitação dos suportes ideológicos e filosóficos que dão sustentação à estrutura da bela sereia. A concepção de Qualidade Total na Educação é uma proposta ideológica que visa, na esteira da política neoliberal, ajustar a educação enquanto campo estratégico, a lógica empresarial voltada às necessidades de mercado. Desse modo, emerge um modelo de escola... ajustada ao projeto de reconversão econômica, social, política e cultural, ou seja, a mercoescola. (AZEVEDO, 1995:6).

8 8 Sobre a concepção de mercoescola, reforça (AZEVEDO, 1995:6): Essa visão elaborada pelo corolário neoliberal afirma a educação como uma mercadoria a mais, um bem que pode ser comprado, vendido ou consumido no mercado educacional. O mercado educacional garantirá a hierarquização da qualidade do serviço colocado à disposição dos usuários, ou seja, dos consumidores. Isso posto, explicita de forma clarividente que tal processo, também na educação, se vincula e ganha corpo e significação em toda a ação orquestrada no contexto capitalista e na sua busca de plena hegemonia. A tese da Qualidade Total recoloca também, no campo da educação, conceitos como eficiência, eficácia, produtividade, com uma nova roupagem, da mesma forma como introduz outros, a exemplo da terminologia parceria, expressão e concepção construída nas organizações populares e que passou a ser utilizada no contexto da parafernália neoliberal, geralmente como proposta entre ideários e interesses antagônicos - na verdade, acobertando, pela suposta possibilidade de parcerias, em interesses contraditórios e até inconciliáveis, o seu real significado, à vocação privativista. Assim, na sutileza, esse processo também é armado no espaço da educação, encobrindo a sua real face como proposta global estratégica, qual seja: a guerra econômica entre os países, a exacerbação da competição, do individualismo e, principalmente, o mascaramento dos seus reais impactos e suas verdadeiras vítimas : os seres humanos e o próprio conceito de cidadania, pois a busca de eficiência a todo custo, o excesso de competição entre empresas e outros setores produtivos, estão robotizando, moendo as pessoas e desmantelando instituições históricas, com a secundarização do afetivo, da solidariedade, a exemplo da própria família. Na análise desse processo, tendo como referência a realidade americana, o cientista político e historiador Edward Luttwark (1995:7), se posiciona da seguinte forma: O atual estágio do capitalismo (turbocapitalismo) 3, as traumáticas mudanças pelos quais está passando o país, a atitude obcecada pela eficiência e a ampliação do grau competitivo está destruindo as pessoas. Do ponto de vista humano, é cruel. Do ponto de vista econômico, é contraproducente. 3 O termo turbocapitalismo é uma expressão usada para configurar o estágio do capitalismo americano.

9 9 Isso revela que o discurso sobre modernidade e/ou pós-modernidade, que as elites tentam legitimar junto ao imaginário popular, apesar de todo o requinte, não consegue ocultar o caráter profundamente anti-humano, contraditório de suas concepções e, sobretudo, de sua prática. A ideologia da qualidade para a competitividade reforça os princípios individualistas, segregadores. Na educação, essa ideologia volta-se para a formação de uma mentalidade e de um comportamento ajustável às demandas do mercado, ou seja, competidor consoante à lógica de competição do capital. (JÚNIOR, 1994:60) A proposta de Qualidade Total na Educação precisa ser analisada a partir desses componentes condicionadores, a sua incorporação ao discurso e prática educativa, como decorrência das influências de uma pedagogia concebida e gestada nos marcos do capitalismo. Nesse sentido, embora de forma embrionária, mas como um exercício intelectual de reflexão-sistematização, é proposta a caracterização da mesma (Qualidade Total), enquanto tendência, no quadro do pensamento pedagógico brasileiro. A atitude reflexiva e sistematizadora tem por finalidade contribuir na superação dos inúmeros equívocos, hoje bastante enraizados na sustentação dos discursos pedagógicos e em algumas práticas nessa perspectiva pedagógica, embora ainda incipientes. Do mesmo modo busca a elucidação no sentido de que a qualidade que temos buscado construir em nossa militância cotidiana, nas escolas, nos sindicatos, nos partidos políticos comprometidos com a luta dos setores populares e outras instituições sociais se opõe radicalmente, em forma e conteúdo, à ideia de qualidade com vínculo, eminentemente de caráter mercadológico. É imperioso distinguir a concepção da qualidade total na educação do conceito de qualidade social de caráter emancipatório, de dimensão humanizadora, para não nos enredarmos nas armadilhas da polissemia. QUALIDADE TOTAL NA EDUCAÇÃO: UM NOVO PARADIGMA?

10 10 A configuração do pensamento pedagógico brasileiro, referenciado na produção teórica existente, tratada in genere, apesar dos vários enfoques, apresenta-nos dois grupos de pedagogias: as Pedagogias Liberais e as Pedagogias Progressistas, ou ainda na caracterização Freireana: Pedagogias para a domesticação e Pedagogias para a humanização. A primeira vertente de pedagogias pode ser traduzida pela configuração das concepções Tradicional, Escolanovista e Tecnicista. A segunda vertente é expressa pelas concepções Libertadora, Libertária e Crítico-Social dos Conteúdos. O primeiro bloco de pedagogias, com diferenciados pressupostos, possuem um fio condutor que as identificam e configuram similaridade, são pedagogias da ordem, de ajustamento à estrutura social, pedagogias para uma escola capitalista, portanto, com um conteúdo teórico-prático voltado para a domesticação, mantenedoras, pelo exercício de concepção, do processo de status quo. O segundo bloco de pedagogias, tratadas in genere, se diferenciam das primeiras por processarem a explicitação e a problematização das contradições da sociedade de classes por buscarem a humanização em contraposição ao ato de domesticação e, principalmente, por contemplarem um conteúdo político traduzido em suporte para a ação pedagógica transformadora e emancipadora, por consequência, de natureza contrahegemônica. Nesse contexto referencial do pensamento pedagógico, como podemos situar a proposta de Qualidade Total na Educação enquanto paradigma gestado e parido no bojo do capitalismo? A Qualidade Total na Educação é uma proposta conservadora ou de um novo conservadorismo, travestido de modernidade, identificando-se por consequência com o quadro das Pedagogias da Ordem, podendo ser definida como uma proposta neotecnicista, forjada em um modelo organizacional nos marcos do Taylorismo/Fordismo com novos revestimentos (Neo-Tayloristas/Neo-Fordistas). Sobre esse modelo de pedagogias do capital, é possível observar: O aprendizado, para o capital, deve ter como foco as mudanças comportamentais do educando, no sentido deste localizar-se dentro da cadeia produtiva através da conscientização de seu papel como fornecedor e cliente, buscando-se, inclusive, a padronização do trabalho mental. (FIDALGO, 1994:35)

11 11 A presente ofensiva é, portanto, carregada de similaridades com os projetos educacionais que vêm historicamente reproduzindo a ideologia hegemonizadora do capital, exemplificados pelos próprios projetos da ditadura militar como na configuração do tecnicismo educacional, evidentemente, que resguardadas as especificidades e as diferenças de períodos históricos. Não estabelece, dessa forma, uma ruptura com o paradigma de escola Taylorista/Fordista, de caráter verticalizado, autoritária, que trabalha com o conhecimento de forma fragmentada, produzindo uma visão parcializada da realidade, onde a historicidade e a provisoriedade do conhecimento não são percebidos como mecanismos inerentes do ato de produção humana, o que despotencializa e compromete as possibilidades de formação de sujeitos capacitados para responderem aos desafios da vida no mundo e com o mundo. Não é por acaso que a grande ideóloga e multiplicadora da concepção de Qualidade Total na Educação no Brasil, Cosete Ramos, foi autora, no período do tecnicismo, no discurso desenvolvimentista presenciado a partir da década de 60, de vários livretos intitulados de Engenharia da Instrução; naquele período, como hoje, baseava-se e sustentava-se na estrutura burocrática do Ministério de Educação e Cultura, convergente à época com tal ideário. Por esses caminhos, a referida professora mantém a sua coerência no sentido de continuar defendendo uma proposta pedagógica e de escola com as mesmas diretrizes e princípios em termos de concepção educacional, evidentemente, com novos contornos, o que não poderia ser diferente, pois as demandas históricas da sociedade capitalista para a educação se modificaram e tornou-se necessária a readaptação do pensamento e das ações educativas. Essa contextualização da proposta e os eixos orientadores da Qualidade Total em Educação são fundamentais no sentido de trazer à tona os mecanismos constitutivos desse discurso de viés conservador; discurso esse que, pelo seu caráter estratégico, pelo processo de adestramento do cognitivo, do afetivo, das vontades coletivas e individuais, acaba por gerar o anestesiamento, o conformismo, o imobilismo, como forma hegemonizadora do imaginário social.

12 12 O processo de inculcação ideológica é, competentemente, trabalhado pelos grandes meios de comunicação, esparramando-se pelos vários espaços da sociedade, a exemplo do campo educacional, de forma sutil ou explícita, como os grandes processos pirotécnicos que fazem parte das pautas educacionais no Brasil neste momento histórico analisado. Essa atitude, eifada da intencionalidade política explicitada, é uma ação engenhosamente planificada, constituindo-se em efetivos pilares para a massificação do pensar, do sentir e do agir. O desvelamento desses fatores ideológicos nos permite a construção de alternativas de reflexão, capazes de referenciarem e potencializarem a ação de construção de instrumentos de fuga ao canto da sereia, a embriaguez com os novos conceitos e terminologias, processos esses que acabam, em última análise, por sufocar e em muitos casos inviabilizar todo o manancial que vem sendo elaborado e experenciado no campo das pedagogias alternativas que buscam a transformação do quadro hegemônico instituíudo. É importante compreender que quando um discurso desse tipo se torna hegemônico ele não apenas coloca novas questões, introduz novos conceitos e categorias; ele, sobretudo, desloca e reprime outras categorias, obscurece a memória popular, ocupa lugar de categorias que moveram nossas lutas no passado, redefinidas agora como anacrônicas e ultrapassadas. (SILVA, 1995:220) A estratégia neoliberal, ao buscar o ajustamento da educação institucionalizada às regras do mercado, tornando o conhecimento um produto comercial por excelência, determina também a retirada da educação da esfera pública, matando, consequentemente, o processo de autonomia, a liberdade, na exata medida em que a transforma em objeto de consumo individual, promovendo a escancarada mercantilização no grande supermercado educacional. Isso acaba por gestar a morte da concepção de esfera pública nos espaços institucionalizados de educação, à medida em que emperra a discussão, a elaboração pública coletiva. Um outro aspecto que precisa ser explicitado e discutido do arcabouço teórico de sustentação da proposta de QTE é a situação que se refere ao processo reducionista configurado na análise dos problemas sociais e educacionais onde, via de regra, ocorre a transformação dos complicadores, das mazelas relativas a esses campos, eminentemente,

13 13 a um enfoque técnico, com o consequente silenciamento da dimensão política. Portanto, uma atitude de secundarização do político e de exacerbação do técnico. As questões políticas como desigualdade, injustiça, evasão e insucesso escolar não são tratadas em termos de distribuição desigual de recursos materiais e simbólicos de poder, mas como questões técnicas, vinculadas a processos de ineficiência, ineficácia, no gerenciamento de recursos humanos e materiais. A situação dramática de desmantelamento das escolas brasileiras, o crescente processo de proletarização dos profissionais da educação e a crise enfrentada pelos estudantes é vista como má gestão e desperdício de recursos por parte dos poderes públicos. A falta de produtividade, o pouco esforço dos professores e administradores é encarado como consequência dos métodos atrasados e inadequados de ensino com conteúdos incompatíveis e anacrônicos, nesse sentido, para problemas avaliados como técnicos, soluções técnicas, ou melhor, questões políticas traduzidas como técnicas. Talvez residam nessas questões os mais graves equívocos da concepção de Qualidade Total na Educação, principalmente por reduzir a análise dos problemas educacionais ao nível micro-institucional, ou seja, ao âmbito de cada uma das escolas, não avaliando esses problemas como decorrência de uma concretude macro-estrutural. É concebido que, de forma reducionista, através dos comitês, dos times e/ou pactos de qualidade firmados em cada instituição de ensino, produz-se, gradativamente, o contágio de todo o complexo educacional mudando, em decorrência, as mazelas do sistema. Ora, buscar resolutividade para os problemas educacionais em nível de complexidade com esses limites de análise do fenômeno educativo, retrata o quanto é descompromissada e nefasta a política neoliberal para a educação brasileira. A cultura filosófica, que serve como motor e combustível ao referido conceito, é a filosofia racionalista, que concebe o homem como um ser utilitário, servil, ajustado e com comportamento padronizado. A visão de mundo que envolve a ideologia da qualidade, racionalista do tipo instrumental, tem o objetivo de condicionar o ato de pensar, a criativdade, a personalidade dos indivíduos e do coletivo, modelando, padronizando um comportamento a uma normalidade eficiente e eficaz ao mundo do capital. (JÚNIOR, 1994: 60)

14 14 A organização escolar exigida tem base no modelo organizacional de caráter interfuncional, modelo esse pautado pela promoção de um distanciamento entre quem pensa e quem executa, onde a liderança tem um papel imprescindível. Dessa forma, o diretor passa a ser o grande mentor intelectual de representação das diretrizes educacionais e, ao mesmo tempo, gerente no processo de implementação do conteúdo dessas diretrizes. O gerenciamento interfucional objetiva consolidar a visão da organização, dos seus objetivos estratégicos, cabendo tal responsabilidade à alta administração, ou seja, a cúpula estabelece as metas (pensar) e os trabalhadores executam (fazer). Nessa dinâmica, o controle se sobrepõe à autonomia e gera a dicotomização entre o ato de pensar e o ato de fazer. A caracterização do gerenciamento interfuncional fica assim clara se fizermos uma analogia com um navio. As pessoas que trabalham na base do navio (casa das máquinas) têm como função manter o navio funcionando, fazendo pequenos ajustes para que o navio funcione melhor. Mas estas pessoas não sabem em que direção está indo o navio. Já na cabine do comandante, estão as pessoas responsáveis em determinar a direção em que o navio vai navegar. (FREITAS, 1992:18) A organização estruturada dessa forma, para ter funcionalidade, precisa da mecanização como alicerce da robotização, com um conjunto de atividades repetidas ciclicamente e que exigem o envolvimento de todos na sua operacionalização e correção. A ideia de interfuncionalidade fica bastante clara na adaptação feita por Cosete Ramos ao campo pedagógico, com base no pensamento de Deming 4, questão essa que só não é captada por uma leitura acrítica e reprodutora quando Cosete Ramos (1992:71) afirma: Qualidade se decide no topo (direção da escola), mas se contrói debaixo para cima (através dos comitês de qualidade). A ênfase metodológica da proposta recai em uma ação pragmática e despolitizadora, o que não poderia ser diferente, por ser uma pedagogia da ordem, do status quo. Se primasse pela dialeticidade, pela politização, colocaria em xeque a estrutura capitalista, o que seria um contrasenso face aos seus pressupostos e contexto de origem. 4 W. Eduards Deming-Teórico americano pioneiro da teoria administrativa da qualidade.

15 15 Em síntese, esse paradigma pedagógico significa um refluxo sem precedentes na possibilidade de elaboração e equacionamento de uma proposta alternativa para a escola, notadamente, na realidade brasileira. Ao refletir sobre essa questão, Miguel Arroyo (1995:75) assume a seguinte posição: Recolocar o modelo de qualidade na educação e, consequentemente, a questão metodológica na estreiteza das relações de mercado é como um recuo de séculos. Também é perceptível que o forte conteúdo de cooptação que subjaz ao ideário neoliberal, representado pela Qualidade Total na Educação, se reflete de forma significativa no coletivo dos trabalhadores, sobretudo nos trabalhadores em educação das escolas públicas, tentando impor um processo de limitação a esses profissionais através do estímulo ao individualismo, às ações adaptadas, geradoras de desagregação. Assim, as organizações de professores com caráter coletivo são colocadas num plano secundário em termos de significado ou até refutadas, sendo apenas concebidas iniciativas organizativas de tal natureza no âmbito das instituições escolares inaugurando, dessa forma, um processo de fragmentação e pulverização. Cosete Ramos, embora mencione os sindicatos em sua proposta como instituições externas para alianças, tem explicitado em suas pregações, como missionária da Qualidade Total, uma atitude contraditória ao se referir às organizações sindicais, entendendo-as como grupos corporativos que supostamente defendem os interesses dos trabalhadores. RECOLOCANDO A QUESTÃO DA QUALIDADE PARA ALÉM DO NEOLIBERALISMO Por toda a reflexão até aqui desenvolvida, pelo desvelamento dos componentes da engenharia política neoliberal, entende-se que a sua negação e superação como fenômeno politico não é uma tarefa fácil, devido à sua força política e intelectual como paradigma capitalista. Perry Anderson, ao definir caminhos para essa travessia, evoca uma das máximas de Lênin, de cuja liderança e legado as propostas alternativas seguem precisando jamais subestimar o inimigo. Nesse sentido, argumenta o autor:

16 16 É perigoso iludir-se com a ideia de que o neoliberalismo é um fenômeno frágil ou arcaico, ou já anacrônico. Continua a ser uma ameaça ativa e muito ponderosa, tanto aqui na América Latina quanto na Europa ou em outras partes. Um adversário formidável que foi vitorioso muitas vezes nos últimos anos, mas que não é invencível. (ANDERSON, 1995:16) Na luta política de busca pela ruptura com o neoliberalismo e de construção de perspectivas superadoras que possam surgir além dessa concepção, entende o autor supracitado que não podemos esquecer três lições básicas, fornecidas pelo próprio neoliberalismo. Primeira lição: não ter medo de estar absolutamente contra a corrente política do nosso tempo. Esse fato implica em paciência histórica, muitas vezes em uma postura política de oposição marginal mas que, estrategicamente, espera a configuração de condições objetivas históricas para uma atitude política mais determinada. Segunda lição: não transigir em ideias, não aceitar nenhuma diluição de princípios. As teorias neoliberais foram extremas e marcadas por falta de moderação, um iconoclatismo chocante para os bens pensantes do seu tempo; mas não perderam eficácia; por isso, ao contrário, foi propriamente o radicalismo, a dureza intelectual do temário neoliberal, que lhe assegurou uma vida tão vigorosa e uma influência finalmente tão esmagadora, exercendo o papel de uma visão verdadeira hegemônica do mundo. Terceira lição: não caracterizar nenhuma instituição estabelecida como imutável. Quando o neoliberalismo era um fenômeno politicamente menosprezado e marginal, durante o grande auge do capitalismo dos anos 50 e 60, parecia ao consenso burguês daquele tempo inconcebível criar desemprego de cerca de 40 milhões de pessoas nos países ricos, sem provocar transtornos sociais, parecia impensável redistribuir renda abertamente, em voz alta, dos pobres aos ricos, em nome do valor da desigualdade; parecia inimaginável privatizar não somente o petróleo, mas também a água, a receita, os hospitais, escolas, até prisões. Mas tudo isto se comprovou factível quando a correlação de forças mudou com a longa recessão. A mensagem do neoliberalismo foi, neste sentido, eletrizante em sociedades capitalistas. Nenhuma instituição, por mais consagrada e familiar é, em princípio, intocável; a paisagem institucional é muito mais maleável do que se crê.

17 17 Essas três lições são relevantes no processo de superação do neoliberalismo e a questão da qualidade precisa ser refletida no bojo de todas essas circunstâncias, exatamente com o objetivo de não ser cometido o equívoco neoliberal de buscar reconstruí-la de forma reducionista, tratando a questão da qualidade como essencialmente técnica. A palavra qualidade, por sua polissemia, pode traduzir através de seu conteúdo vários interesses politicos. A expressão qualidade não é neutral ou ociosa, pois adquire significação no lastro ideológico em que é concebida. Pode prestar-se para o anúncio ou para a astúcia. Portanto, a concepção de qualidade configurada como necessária na perspectiva de vida plena, nada tem a ver com a qualidade nas marcas do neoliberalismo. Aliás, é importante ressaltar que a qualidade já existe, mas para uma minoria da população e é esse processo de qualidade que buscam refinar os neoliberais, oferecendo-a aos seus clientes (os possuidores da condição de comprar). A grande discussão que precisa ser desenvolvida é no sentido de uma proposta de qualidade que venha a beneficiar a maioria historicamente excluída dos benefícios gerados pela ciência, pela tecnologia e pelo processo de desenvolvimento. Essa possibilidade implica em se ter claro que a luta política precisa ganhar conteúdo e consistência para a desestabilização da política neoliberal. Na area da educação é inegável a necessidade de uma pedagogia de qualidade para além da proposta da Qualidade Total na Educação, que inaugure novas e mais amplas possibilidades de capacitação do humano, de modo a exercer a sua cidadania em plenitude, de permitir-lhe compreender, interpretar e agir na dinâmica da sociedade, intervindo nesse contexto como sujeito politico propositivo e com uma formação sólida e global que lhe permita também competência nas múltiplas relações. Essa construção exige uma discussão da qualidade inclusora, fato esse negado ao longo da história pela sociedade capitalista, na dimensão de formação de um homem ominilateral. É preciso explicitar, para que se saiba a favor de quem e contra o que a qualidade está sendo pensada e praticada. A sociedade capitalista promoveu, nos últimos anos, a ampliação das oportunidades de acesso à escola, mas não permitiu ainda à dialética quantidadequalidade na perspectiva da mudança imprescindível da função social da escola.

18 18 Retomar e ampliar esse debate é uma questão necessária e inadiável para aqueles(as) que sonham e realizam, realizam e sonham a luta por uma escola diferente, realmente cidadã, como contraponto à escola neoliberal e a qualidade como concessão tutelada. Possuímos todo um manancial que é produto da construção social, das lutas populares, dos diversos movimentos sociais, da ação comprometida e apaixonada de educadores(as) em múltiplos espaços, conteúdo esse que precisa ser resgatado, organizado e ganhar visibilidade a fim de dar substância e horizontes a uma proposta de qualidade radicalizada. Foi a articulação das experiências democráticas, dos fazeres pedagógicos alternativos que fertilizaram o campo progressista em décadas de lutas, que semearam e acalentaram o sonho embrionário de uma educação emancipadora, associada a um projeto sócio-cultural, voltado à formação de sujeitos históricos capazes de, conscientemente, produzir e transformar a sua existência. (AZEVEDO, 1995:13) Essa reversão do eixo da concepção de qualidade como anúncio-conquista em oposição à astúcia-concessão precisa ter presente esse acúmulo dos setores organizados da sociedade que é, exatamente, um dos focos de ataque do projeto neoliberal, tentando obscurecê-lo. É preciso efetivar uma ação de radicalização da democracia no interior da escola, sendo esse espaço um campo fértil no desdobramento de práticas renovadas de participação, resultantes de uma consciente atitude política. Isso requer uma nova concepção de gestão e o eixo balizador de toda essa nova dinâmica deve ser o princípio de gestão democrática como mecanismo fomentador da democracia participativa. Da mesma forma, é necessário que a escola se constitua em um palco diversificado de atores e atrizes sociais das múltiplas visões de mundo e que se crie, por essa ação coletiva de solidariedade e de respeito às pluralidades, as sínteses superadoras. Urge, portanto, nesse processo de redefinição da qualidade, uma ação de reconstrução curricular que seja balizada de forma competente para incorporar às desigualdades existentes, problematizando-as nos caminhos da superação, um currículo capaz de contemplar as múltiplas culturas e vozes que ressoam no espaço da escola,

19 19 reconstrução essa baseada em princípios que representem diretrizes comuns, construídas coletivamente. Este padrão de qualidade não pode reduzir-se à aplicação de fórmulas de controle, nem subordinar-se à lógica da produção de bens de consumo. Em síntese, uma educação de qualidade, entre outros fatores, pressupõe os seguintes movimentos: a) Compromisso politico que replique em competência técnica e competência política; b) A capacitação do cidadão com conteúdos que proporcionem a autonomia individual e coletiva, que resgate a relação entre conhecimento, produção e relações sociais em uma perspective histórico-crítica; c) Uma ação continuada para a instrumentalização do professor, com este adquirindo consciência dessa necessidade e criando formas autônomas de capacitação; d) Buscar a formação de um homem global, solidário, fraterno e com espírito coletivo; e) Proporcionar vivências teórico-práticas de instrumentalização para o exercício pleno da cidadania; f) Gerar condições ao aluno para desenvolver ao máximo seus talentos, competências e habilidades; g) Constituir uma concepção pedagógica reflexiva-crítica e propositiva que justifique-se em processo de travessia no chão da sala de aula; h) Instituir a escola como um espaço prazeroso, de alegria, gerando condições para o aguçamento da curiosidade epistemológica; i) Profissionais da Educação assumindo a condição de autoridades do conhecimento; j) Uma escola arquitetonicamente estruturada, contando com equipamentos e condições físicas adequadas; k) Transformar a escola em espaço de mediação, realizando as sínteses unificadoras entre o feixe de informações e conhecimentos que complexificam-se no atual paradigma societário.

20 20 Uma escola de qualidade social precisa conhecer com profundidade as expectativas, os sonhos e as esperanças dos que a ela chegam e nela transitam. Não é mais possível uma escola anestesiada em relação à realidade, impotente aos apelos populares, com uma estrutura burocrática, verticalizada e com conteúdos anacrônicos, desinteressantes e até desnecessários. Esse modelo de escola há muito tempo não tem mais significado, pela sua pequena serventia. É uma escola velha em quase todos os ângulos que possa ser analisada, onde a qualidade em função da necessidade da maioria é um produto em escassez ou praticamente inexistente. Apesar dessa situação obscura da escola e, ao mesmo tempo, paradoxalmente a paixão, a generosa contribuição de processos alternativos, bem como a crença inarredável de muitos no sentido do espaço da escola como um espaço de transformação, é o que possibilita o desenho dos contornos de um fértil campo de possibilidades transgressoras na educação. Portanto, a possibilidade do anúncio projeta-se nos vácuos da contradição, embora reconhecendo-se as adversidades, os caminhos marcados por desencontros e desencantos, o que constitui um quadro complexo para o enraizamento de uma pedagogia da esperança, conforme explicita Freire (1994): Quando muita gente faz discursos pragmáticos e defende nossa adaptação aos fatos, acusando sonho e utopia não apenas inúteis, mas também de inoportunos enquanto elementos que fazem necessariamente parte de toda prática desocultadora das mentiras dominantes, pode parecer estranho falar em pedagogia da esperança. (FREIRE, 1994:9). Todavia, partejar uma pedagogia da esperança nos marcos da contradição, traz como exigência a manutenção de sonhos e utopias na esteira dos interesses coletivos da sociedade, pois são exatamente essas crenças que a política neoliberal quer mutilar. Reorganizá-las e potencializá-las é uma tarefa política inadiável. PARA (NÃO) CONCLUIR Nessa investida global da política neoliberal o mercado passa a ser o instrumento determinante, regulador da economia e da vida social, baseando-se na tese de que as políticas sociais e a diversidade dos organismos da sociedade devem subordinar-se às

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: UM EXERCÍCIO DE CONSTRUÇÃO SISTÊMICA E COMPLEXA 1

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: UM EXERCÍCIO DE CONSTRUÇÃO SISTÊMICA E COMPLEXA 1 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: UM EXERCÍCIO DE CONSTRUÇÃO SISTÊMICA E COMPLEXA 1 Jorge Antônio da Silva Sitó 2 Resumo: O artigo pretende refletir sobre a perspectiva do Projeto Político e Pedagógico de uma

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

POLITICAS PUBLICAS DE QUALIFICAÇÃO. Da concepção a concertação

POLITICAS PUBLICAS DE QUALIFICAÇÃO. Da concepção a concertação POLITICAS PUBLICAS DE QUALIFICAÇÃO Da concepção a concertação 1 Cenário da qualificação nos países em desenvolvimento constatação 1. Desarticulação das políticas de emprego, desenvolvimento e educação:

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR P L A N E J A M E N T O Projeto PolíticoPedagógico Proposta Pedagógica curricular Plano de Trabalho Docente Plano

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa

AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa Luís Fernando de Freitas Camargo Professor do Curso de Geografia e Especialização em PROEJA Centro Federal

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa Historiadora, Especialista em Políticas Públicas, responsável, nesta gestão, pela chefia de gabinete da

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR Heloísa Luck O trabalho escolar é uma ação de caráter coletivo, realizado a partir da participação conjunta e integrada dos membros de todos os segmentos

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

Utopias e educação libertadora: possíveis fazeres na prática escolar participativa

Utopias e educação libertadora: possíveis fazeres na prática escolar participativa P á g i n a 19 Utopias e educação libertadora: possíveis fazeres na prática escolar participativa Marcos Antonio da Silva * Resumo: O presente trabalho analisa, crítico-dialeticamente, as práticas quotidianas

Leia mais

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola.

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Prof. Dr. Juares da Silva Thiesen Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Centro de Educação - CED Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Ementa: Legitimidade

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação básica, onde a prática pedagógica deve favorecer a construção do conhecimento das crianças de 0 a 6 anos

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais