ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DA COMUNICAÇÃO TOTAL EM INDIVÍDUO AUTISTA FAVORECENDO A INCLUSÃO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DA COMUNICAÇÃO TOTAL EM INDIVÍDUO AUTISTA FAVORECENDO A INCLUSÃO SOCIAL"

Transcrição

1 ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DA COMUNICAÇÃO TOTAL EM INDIVÍDUO AUTISTA FAVORECENDO A INCLUSÃO SOCIAL Áquila Teixeira Guerra de Farias 1 Cibele Soeiro Lanna 1 Elisamara Diniz Cunha da Silva 2 Cláudia Gonçalves de Carvalho Barros 3 Carla Menezes da Silva 3 Rua Formiga, 462 A. Bairro Lagoinha. Cep: Belo Horizonte / MG. Telefone: ou RESUMO Objetivo: acompanhar o desenvolvimento das habilidades comunicativas (verbais e/ou não verbais) com a introdução da Comunicação Total, em dois indivíduos autistas, sendo um do sexo feminino e outro do sexo masculino. Método: os atendimentos foram observados em um período de seis meses, ocorrendo duas vezes por semana, sendo alternados em terapias individuais e em grupo. Os resultados foram obtidos através de testes sócio-cognitivos e da avaliação, por parte da terapeuta em situações espontâneas. Resultados: pôde-se observar uma evolução nas habilidades comunicativas em situações espontâneas, embora esse fato não tenha sido confirmado nos testes sócio-cognitivos. Conclusão: a Comunicação Total é um recurso terapêutico útil, funcionando não apenas como um meio de comunicação suplementar e/ou alternativa, mas também como um instrumento para estimulação do desenvolvimento da linguagem e habilidades comunicativas essenciais para uma comunicação eficaz e inclusão social. 1 Graduanda do 8º período do Curso de Fonoaudiologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. 2 Docente da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais). 3 Docente do Curso de Fonoaudiologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

2 Palavras-Chave: transtorno autístico; desenvolvimento da linguagem; comunicação; gestos; socialização. ABSTRACT Purpose: to follow the development of the communication abilities (verbal and/or not verbal), with the introduction of the Total Communication, in two autist individuals, being one female and the other male. Method: the therapies had been observed in a period of six months, occurring two times per week, being alternated in individual therapies and group. The results had been gotten through tests partner-cognitive and of the evaluation, on the part of the therapist in spontaneous situations. Results: an evolution in the communicative abilities in spontaneous situations could be observed, this fact has even so not been confirmed in the tests partner-cognitive. Conclusion: the Total Communication is an efficient therapy resource, functioning not only as a supplemental and/or alternative media, but also as an instrument for stimulate the development of the language and essential communicative abilities for an efficient communication and social inclusion. Key-Words: autistic disordes; language development; communication; gestures; socialization. 1. INTRODUÇÃO A linguagem é um processo simbólico de pensamento e organização de experiências que possibilita a comunicação entre os indivíduos, através da oralidade, escrita e/ou gestos. Ela está ligada à formação de conceitos e permite a integração da pessoa ao meio em que vive, sendo um vínculo de trocas, de relações e de construção de conhecimentos. Seu desenvolvimento se dá através da interação de aspectos físicos, cognitivos, emocionais e sociais. Várias são as patologias que apresentam como sintoma alterações de linguagem, sendo uma delas o autismo, que foi descrito por Kanner em 1943 como um tipo de psicose infantil. Atualmente é classificado no CID-10 como um Transtorno Invasivo do Desenvolvimento, que atinge três grandes áreas: dificuldade de interação social, dificuldade de comunicação verbal e não verbal e presença de comportamento, interesse e atividades estereotipadas.

3 A etiologia do autismo ainda é desconhecida, mas há uma condição física ligada à anormalidade biológica e neuroquímica do cérebro, com um forte componente genético. Os critérios de diagnóstico são baseados na observação e identificação de comportamentos específicos. É necessário verificar o início do surgimento dos sintomas antes dos 30 meses e sua evolução, a presença ou não de deficiência mental, a severidade do quadro e as áreas mais ou menos afetadas, sendo a comunicação e a linguagem as mais prejudicadas. Os comportamentos específicos de linguagem no autista são observados desde a fase pré-linguística, sendo caracterizados pela ausência de contato visual e outras estratégias não verbais para estabelecer atenção compartilhada; desenvolvimento atrasado ou ausente da imitação espontânea e flexível; dificuldade em estabelecer jogos espontâneos, funcionais e simbólicos; comportamento desorganizado no relacionamento com os pais; dificuldade na compreensão do significado emocional ou social dos estímulos. Na verificação das características lingüísticas, observa-se um atraso na aquisição de linguagem expressiva e receptiva das habilidades não-verbais, tais como: expressões faciais, gestos, posturas corporais, modulações do tom de voz, contato visual e vocalizações. Nas habilidades verbais, o desenvolvimento lexical das crianças autistas apresenta-se similar às crianças em desenvolvimento normal de linguagem. O desenvolvimento fonológico e sintático segue o mesmo curso que o de crianças normais. O maior déficit presente na linguagem é no aspecto semântico e pragmático, ou seja, no uso funcional da fala. Muitos estudos relatam que o principal déficit da linguagem no autista é quanto ao uso funcional, ou seja, a pragmática. A partir da abordagem que valoriza a função pragmática, os elementos do contexto, são incluídos na linguagem e podem ser estabelecidas as funções dos atos comunicativos. Nesse contexto, todos os gestos, contato visual, expressões faciais ou vocalizações são interpretados como uma forma de comunicação. Dessa forma, a Comunicação Suplementar e/ou Alternativa (CSA) têm-se mostrado como um bom recurso para potencializar as habilidades comunicativas e desmistificar a linguagem oral como único suporte de comunicação. A CSA é uma área da atuação clínica que objetiva compensar (temporária ou permanentemente) dificuldades de indivíduos com desordens severas de expressão (isto é, prejuízos severos na fala, linguagem e escrita). (6-7) Dentre os Sistemas de CSA que podem ser utilizados com os indivíduos autistas está a Comunicação Total de Benson Schaeffer (1980), também conhecida como Fala Sinalizada. A Comunicação Total foi desenvolvida para pessoas que apresentam graves alterações de linguagem e comunicação, como portadores de deficiência mental grave ou transtornos

4 graves no desenvolvimento. Trata-se de um tipo de comunicação sem ajuda, caracterizado pelo uso de dois sinais comunicativos simultaneamente, o código oral ou fala e o código sinalizado ou signos. Seu objetivo é promover a comunicação espontânea baseada inicialmente na produção de sinais manuais, para passar, de maneira progressiva e quando for possível, à produção da fala. Busca a conscientização do usuário quanto à percepção do outro como um parceiro de comunicação, pronto a atender suas iniciativas e ao poder de regular o meio e não apenas responder a ele, tornando-se mais ativo mediante um meio de expressão, podendo ser esse verbal ou não. Antes de iniciar a execução da técnica, é necessário a realização de uma entrevista com os familiares do indivíduo, fazendo um levantamento detalhado sobre os hábitos do mesmo, alimentos, brinquedos ou objetos preferidos, pessoas mais próximas etc. O primeiro gesto deve estar relacionado a um objeto ou atividade muito desejada pelo usuário. Assim que o primeiro gesto for automatizado, passa-se para o segundo e assim por diante. Porém, antes de iniciar o aprendizado do terceiro gesto é necessário um trabalho de discriminação entre os dois primeiros. Nessa etapa é importante uma boa avaliação para que o vocabulário escolhido seja motivador e útil para o indivíduo. O método é baseado na modelagem das mãos do aprendiz como forma de auxílio para desenvolver o uso de sinais e não a imitação. O terapeuta deve dirigir-se ao indivíduo, falando e configurando os sinais ao mesmo tempo, no momento em que a criança produz, espontaneamente, algum comportamento orientado em direção ao que deseja. Logo, todas as vezes que o objeto trabalhado estiver presente, o usuário deve pedi-lo mediante o gesto, aumentado sua conscientização como agente ativo da comunicação. Cada vez que o usuário executa o gesto, mesmo que tenha sido totalmente moldado pelo terapeuta, deve-se dar o objeto pedido associado à fala, visando reforçar a relação entre o gesto, a fala e o objeto. Inicialmente, o terapeuta dará toda a ajuda na execução dos gestos e à medida que o usuário for aprendendo e aprimorando sua execução, a ajuda do terapeuta é retirada. A Comunicação Total possui uma estrutura própria. Seus sinais manuais são baseados na língua de sinais, porém são adaptados por terapeutas que trabalham com autistas. No Brasil não existe uma língua de sinais baseada na Libras e adaptada a pessoas com autismo e outras alterações na comunicação. Assim, é utilizado o Glossário de signos para pessoas com autismo e outras alterações de comunicação (1992), elaborado pelo Centro de Professores de Madri Espanha.

5 Com o desenvolvimento do indivíduo, a Comunicação Total promove a espontaneidade e generalização das aprendizagens, ou seja, o indivíduo utiliza os símbolos aprendidos quando necessário, tornando-se mais ativo na comunicação, com diferentes parceiros e em locais diversos. Para alcançar esse estágio de generalização, o terapeuta deve promover ao usuário diferentes experiências com o objeto de desejo em locais diversos e com parceiros diferentes. Nessa fase da terapia é importante o trabalho integrado com a família e a escola, orientado pais e professores no intuito de compreenderem os possíveis atos comunicativos ou gestos produzidos pelo usuário, para que ele seja atendido no seu pedido, tornando a comunicação efetiva. O objetivo da presente pesquisa foi acompanhar e relatar a introdução da Comunicação Total e o desenvolvimento das habilidades comunicativas (verbal e/ou não verbal) em dois indivíduos autistas, observando se houve contribuições para o desenvolvimento linguístico dos mesmos e relatando para a sociedade e classe de fonoaudiólogos a eficácia do recurso de comunicação utilizado. 2. APRESENTAÇÃO DOS CASOS CLÍNICOS Para realização dessa pesquisa foram utilizados como critérios de inclusão e exclusão, indivíduos diagnosticado como autista, segundo os critérios do CID-10 e estar em terapia fonoaudiológica na clínica e escola da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. Foram selecionados dois sujeitos, sendo um do sexo feminino e outro do masculino. A coleta de dados foi composta pela realização de uma avaliação formal (Testes Sócio-cognitivos de Fernandes e Molini), pela observação direta e informal dos sujeitos em contextos e situações diferentes (escola e clínica), pela entrevista com os familiares, pelos registros em vídeos e protocolos individuais. Durante a entrevista com os pais, foi feito um levantamento detalhado sobre os hábitos familiares e preferências do sujeito em questão. Através das informações obtidas, pode-se traçar o perfil do sujeito, confirmar a indicação para o uso da Comunicação Total e definir os primeiros objetos a serem utilizados. Os Testes Sócio-Cognitivos propostos por Fenandes e Molini (2001) tem como dados observáveis a intenção comunicativa e imitação gestual, intenção comunicativa e imitação vocal, uso de objeto mediador, jogo combinatório e jogo simbólico. Pôde-se assim verificar o nível sócio-cognitivo dos pacientes e obter parâmetros para comparação ao final do período da pesquisa. Os materiais para os testes sócio-cognitivos foram: brinquedos, miniaturas de

6 telefones, pano, mão biônica, lápis sem ponta, apontador, cesta de lixo, durex, papel e miniatura de casinha. Os atendimentos fonoaudiológicos foram observados durante seis meses, sendo esses alternados em terapia individual e em grupo, realizados duas vezes por semana, com trinta minutos de duração cada. Foram programados 22 atendimentos individuais que consistiam na apresentação do objeto de desejo, direcionando o sujeito, indiretamente, à solicitação do mesmo. Durante a intervenção também foram criadas situações de brincadeira conjunta, atividades que evocam espontaneamente o diálogo e reações a situações cotidianas com o intuito de trabalhar a relação interpessoal. A terapeuta atuava dando significado comunicativo a todas as atividades casuais da criança, ou seja, reagia a atitudes que não eram claramente comunicativas como se fossem. Foram programados 22 atendimentos em grupo a fim de promover a generalização. O grupo era composto pelos dois sujeitos estudados e outros três colegas de classe que também estavam aprendendo a Comunicação Total. O local utilizado foi a sala de aula, dentro da própria APAE. A professora recebeu orientação necessária quanto à técnica de comunicação empregada e a importância de suas atitudes para ampliar as possibilidades de uma comunicação espontânea por parte do usuário. A intervenção ocorria no momento da merenda, pois, coincidentemente, o objeto de desejo que estava sendo trabalhado com todos os participantes era um tipo de comida. Assim, os alimentos eram expostos sobre a mesa e no momento em que os sujeitos iam pegar ou pedir os alimentos eram realizadas as manipulações já citadas. Os atendimentos eram realizados sempre por duas terapeutas, sendo uma responsável pela intervenção e a outra pela observação do comportamento dos sujeitos. Os registros dos atendimentos foram feitos em protocolos individuais. Os resultados serão apresentados através da descrição do desenvolvimento das habilidades comunicativas dos sujeitos da pesquisa, sem haver comparação entre eles. Essa pesquisa recebeu a aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, sob o número , sendo parte integrante do trabalho de conclusão de curso. Os sujeitos envolvidos foram informados sobre a pesquisa e permitiram sua realização por meio da assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

7 2.1 Sujeito 1 O sujeito 1, KV, do sexo feminino, tinha 7 anos e 2 meses no início do tratamento. Na avaliação sócio-cognitiva verificou-se ausência de todos os parâmetros avaliados, já citados anteriormente. A paciente vocalizava alguns fonemas sem funcionalidade e aleatoriamente, apresentava estereotipias com as mãos e boca, não fazia contato visual, tinha resistência ao toque e pouco tempo de atenção. Após avaliação houve a introdução da Comunicação Total com o uso da fruta banana. Inicialmente a paciente permanecia desinteressada e irritada diante das estimulações da terapeuta, não demonstrando iniciativa para solicitar o alimento desejado e nem interagindo nas atividades propostas. No decorrer das sessões fonoaudiológicas, KV aumentou a interação com a terapeuta, solicitando sua ajuda para realização do gesto na obtenção do alimento. Ao ver o objeto de desejo, KV colocava suas mãos entre as da terapeuta e aguardava a realização do gesto. Essa facilitação foi sendo diminuída devido a evolução da paciente. Posteriormente a criança criou espontaneamente outro gesto para solicitar atividade lúdica ao perceber que através dos gestos obtinha o que desejava. KV batia na mão da terapeuta para chamar sua atenção e posicionava as mãos na direção do rosto para iniciar a brincadeira (adedanha). Nos atendimentos em grupo a evolução da paciente foi similar ao atendimento individual, apresentando inicialmente desinteresse e isolamento. Posteriormente interagiu apenas com a terapeuta para solicitar o que desejava. Para finalização do estudo, os testes sócio-cognitivos foram realizados novamente, após 6 meses, porém não houve evolução nas habilidades dos mesmos. Pôde-se observar em situações espontâneas o aumento do contato visual e utilização desse como recurso para obter atenção do outro; inibição da estereotipia de mãos e boca; aumento do tempo de atenção; uso de gesto corporal para indicar se deseja ou não o estímulo e aumento das vocalizações, porém sem funcionalidade. É importante ressaltar que no período proposto seriam realizados 44 atendimentos, porém a paciente teve grande quantidade de faltas, comparecendo em apenas 26 atendimentos (13 individuais e 13 em grupos). Os fatores relacionados a problemas familiares e de saúde também contribuíram para o pouco rendimento da paciente na terapia. 2.2 Sujeito 2 O sujeito 2, WP, do sexo masculino, tinha 10 anos e 7 meses no início do tratamento. Na avaliação sócio-cognitiva verificou-se ausência de todos os parâmetros avaliados, já

8 citados anteriormente. O paciente apresentava crises de auto e hetero-agressão, gritos freqüentes, ausência do contato visual, resistência ao toque, pouco tempo de atenção, movimento estereotipado de mãos e ausência de vocalizações. Após a avaliação houve a introdução da Comunicação Total com uso de um alimento de sua preferência (batata chips). No segundo atendimento o paciente já solicitava o alimento por meio do gesto, realizando o movimento correto, porém com forma manual alterada. Com a automatização do gesto da batata, foi inserido o suco como outro alimento de desejo e o treino do gesto correspondente. Inicialmente, para realização do novo gesto, foi oferecida ajuda física pela terapeuta, auxiliando na dissociação do gesto já adquirido. Essa facilitação foi sendo retirada à medida que o paciente se mostrou capaz de diferenciar os gestos, solicitando o objeto de desejo. No final do período estabelecido para a realização da pesquisa, estava sendo inserido novo gesto correspondente ao biscoito. No atendimento em grupo WP apresentou, inicialmente, dificuldade na interação com o grupo e na intenção comunicativa, não solicitando o objeto de desejo, mesmo já tendo seu gesto automatizado. No decorrer da terceira sessão passou a solicitar o objeto em situações dirigidas e na sessão seguinte já o solicitava espontaneamente. Para finalização do estudo, os testes sócio-cognitivos foram realizados novamente, porém não houve evolução nas habilidades dos mesmos. Já nas situações espontâneas pôde-se observar no decorrer dos 44 atendimentos, aumento no tempo de atenção; inibição da hetero e diminuição da auto-agressão; diminuição dos movimentos estereotipados das mãos; aumento das vocalizações, porém sem funcionalidade; diminuição da resistência ao toque e melhora na interação com o outro. 3. DISCUSSÃO Através dos resultados obtidos nesse estudo de caso pôde-se verificar o favorecimento das habilidades comunicativas e interação social com o uso da Comunicação Total. Esse fato foi relatado em outros estudos, enfatizando o uso de recursos de comunicação alternativos, não apenas como um meio comunicativo, mas como instrumento de mediação, possibilitando maior desenvolvimento lingüístico, cognitivo e interacional. Nessa pesquisa a Comunicação Total possibilitou aos sujeitos o desenvolvimento de bases precursoras para comunicação (contato visual, aumento do tempo de atenção, imitação gestual) necessárias para a interação e diminuiu comportamentos prejudiciais para o

9 desenvolvimento das mesmas, como, estereotipais gestuais e vocais, resistência ao toque, auto e hetero-agressão. Esses ganhos foram avaliados em situações espontâneas, que segundo Fernandes, são mais eficazes para detectar os melhores escores apresentados pelo sujeito do que em situação dirigida. O teste sócio-cognitivo é um exemplo de situação dirigida, na qual é selecionado um dia para aplicação do mesmo, avaliando apenas aquele momento de desempenho do indivíduo, que pode não apresentar a real evolução do mesmo. Isso reforça a eficácia da terapia fonoaudiológica em indivíduos autistas, sendo a CSA um bom recurso terapêutico para um desenvolvimento da linguagem e, conseqüentemente, a possibilidade da inclusão social. Em pesquisas realizadas com indivíduos autistas foi possível observar as grandes variações individuais entre eles, pois, se diferem de acordo com o nível cognitivo, a intensidade do quadro autístico e com o contexto que o cerca. Esse fato foi confirmado nessa pesquisa, pois ambas as famílias dos pacientes e os professores foram orientadas quanto à necessidade da estimulação em casa e na escola e pôde-se verificar a diferença na evolução dos dois indivíduos e como o ambiente familiar influencia no ganho das habilidades. Para exemplificar, o sujeito 1 não teve uma boa evolução, não conseguindo automatizar nenhum gesto, provavelmente, devido ao ambiente familiar conturbado com ausência de estimulação e faltas constantes nos atendimentos. Já o sujeito 2, conseguiu automatizar dois gestos, provavelmente por ter sido assíduo e estimulado em todos os contextos (escolar, familiar e clínico). Outro fator relevante que influenciou nos resultados foi o curto período de tempo proposto para o estudo e poucas sessões de terapia por semana. O comportamento em diferentes contextos foi investigado em outras pesquisas, chegando à conclusão de mudança no mesmo em variadas situações comunicativas e parceiros diferentes. Através dos atendimentos em grupo foi possível comprovar a mudança no comportamento em diferentes contextos, necessitando de treino para adequação dos gestos e aceitação do novo ambiente comunicativo. Esse fato mostra a importância da estimulação e uso da CSA em diferentes ambientes, oferecendo ao indivíduo maior independência e relação com o outro no meio em que vive. Além disso, propicia vivenciar situações como pedir algo que deseja comer ou beber, escolher um brinquedo, ir à padaria, entre outras coisas. Dessa forma, aumentará a possibilidade da inclusão social, visto que essa é um processo no qual a sociedade se adapta para poder incluir, em seus sistemas sociais gerais, pessoas com necessidades especiais que, por sua vez, se preparam para assumir os seus papéis na sociedade.

10 4. CONCLUSÃO A presente pesquisa possibilitou a constatação da eficácia da Comunicação Total, não apenas como um recurso de CSA, mas também como um instrumento para estimulação do desenvolvimento da linguagem e das habilidades comunicativas essenciais para a comunicação e interação social. Por meio da pesquisa bibliográfica e dos atendimentos realizados em sala de aula, envolvendo o contato com outros profissionais, pôde-se confirmar a escassez de pesquisas e estudos científicos sobre a CT e um conhecimento limitado por parte desses e sociedade em geral sobre a utilização e benefícios da CT. Sendo assim, a atuação fonoaudiológica é de fundamental importância na busca por recursos que possibilitem a socialização, a independência de comunicação e socialização do indivíduo autista. REFERÊNCIAS ZAPATA AB. A comunicação como fator relevante para viabilização da inclusão. Temas sobre Desenvolvimento. 2001; 10(58): FERNANDES FDM, LEPIQUE M. Comunicação Gestual em Criança com Distúrbio Global do Desenvolvimento: Intenção Comunicativa, Imitação e Funções Comunicativas. Jornal Brasileiro de Fonoaudiologia. 2001; 2(7): FERNANDES FDM. Aspectos funcionais da comunicação de crianças autistas. Temas sobre Desenvolvimento. 2000; 9(51): FERNANDES FDM, BARROS CHC. Funções Comunicativas Expressas por Crianças Autistas O Uso de Procedimentos Específicos para Inseri-las no Contexto da Terapia de Linguagem. Jornal Brasileiro de Fonoaudiologia. 2001; 2(6): MOLINI DR, FERNANDES FDM. Crianças com Distúrbios Psiquiátricos e de Linguagem Desempenho Social e Cognitivo. Jornal de Fonoaudiologia. 2002; 3(11): BATISTA R. Necessidades Educativas Especiais. Lisboa: Dinalivro; LIMA CLFA, FONSECA LF. Paralisia Cerebral: neurologia, ortopedia, reabilitação. Rio de Janeiro: MEDSI, Guanabara Koogan; ALMIRALL CB, CAMATS-SORO E, BULTÓ CR. Sistemas de Sinais e Ajudas Técnicas para a Comunicação e a Escrita. São Paulo: Santos; 2003.

11 SCHAEFFER B, KOLLINZAS G, MUSIL A, MCDOWEL P. Spontaneous verbal language for autistic children through signed speech. Sign Language Studies. 1977; 17: SCHAEFFER B. Teaching Signed Speech to nonverbal children: Theory and method. Sign Language Studies. 1980; 26: MOLINI DR, FERNANDES FDM. Teste específico para análise sócio-cognitiva de crianças autistas um estudo preliminar. Temas sobre Desenvolvimento. 2001; CHUN RYS. Comunicação suplementar e/ou alternativa: favorecimento da linguagem de um sujeito não falante. Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2003; 15(1): MOREIRA EC. A Comunicação Alternativa e Suplementar: as oportunidades da inclusão. Temas sobre Desenvolvimento. 2001; 10(58):

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Palestrantes: Francielle Martins e Julia Tognozzi Orientadoras: Profª Drª Dionísia Ap. Cusin Lamonica e Fga. Ms. Camila da Costa Ribeiro O que é autismo?

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Desempenho comunicativo de crianças com síndrome de Down em duas situações diferentes

Desempenho comunicativo de crianças com síndrome de Down em duas situações diferentes Desempenho comunicativo de crianças com síndrome de Down em duas situações diferentes Palavras-chave: síndrome de Down; desenvolvimento da linguagem; adores A pragmática estuda a competência envolvida

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil Aline Daniela Gomes da Silva Vieira Discente de Psicologia Universidade Sagrado Coração Bauru-SP. e-mail: ninedvieira@hotmail.com Raquel Regina

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica.

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. Autores: Carla Aparecida de Vasconcelos Bruna Ferreira de Oliveira Sirley Alves Carvalho César Reis A partir

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

LAHMIEI - UFSCar. + DSM-IV - Critérios Diagnósticos TEA. + Por que linguagem é importante? + Como ensinar linguagem? Tipos de linguagem

LAHMIEI - UFSCar. + DSM-IV - Critérios Diagnósticos TEA. + Por que linguagem é importante? + Como ensinar linguagem? Tipos de linguagem DSM-IV - Critérios Diagnósticos TEA Prejuízo qualitativo na interação social Prejuízos qualitativos na comunicação www.ijobasd.org Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses e atividades

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL ORIENTAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DA APRENDIZAGEM SEMESTRAL Educação Infantil Estimulação Essencial e Pré-Escolar O relatório da Educação Infantil - Estimulação Essencial

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

ASPECTOS BÁSICOS PARA COMPREENSÃO, DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS DE LINGUAGEM NA INFÂNCIA

ASPECTOS BÁSICOS PARA COMPREENSÃO, DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS DE LINGUAGEM NA INFÂNCIA ASPECTOS BÁSICOS PARA COMPREENSÃO, DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS DE LINGUAGEM NA INFÂNCIA BASIC ASPECTS FOR UNDERSTANDING, DIAGNOSIS AND PREVENTION OF THE LANGUAGE DISORDERS IN THE CHILDHOOD Jaime

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

MÉTODO DAS BOQUINHAS

MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS ALFABETIZAÇÃO FONOVISUOARTICULATÓRIA Refletir sobre a educação e sobre novas formas de encarar a aprendizagem tem se tornado constante, principalmente em relação

Leia mais

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI PRISCILA CAMARA DE CASTRO ABREU PINTO psicastro@hotmail.com UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MARCIA

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

DEFICIÊNCIA FÍSICA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA FÍSICA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA FÍSICA Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC Comprometimento do aparelho locomotor que compreende o sistema osteoarticular, o sistema muscular e o sistema nervoso. As doenças

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo Esta é a segunda edição do manual sobre o autismo, elaborado pelo Grupo de Saúde Mental da Avape (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência), em parceria

Leia mais

Autismo Rede Biomédica de Informações

Autismo Rede Biomédica de Informações Autismo Rede Biomédica de Informações DSM-IV Critérios, Transtornos Invasivos do Desenvolvimento 299.00 Transtornos Autisticos A. Um total de seis ( ou mais) itens de (1), (2) e (3), com pelo menos dois

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

Centro de Terapia Ocupacional do Rio de Janeiro

Centro de Terapia Ocupacional do Rio de Janeiro O Centro de Terapia Ocupacional do Rio de Janeiro como Centro de Referência na Área da Comunicação Alternativa Rio de Janeiro Occupational Therapy Center as a Reference Center for Alternative Communication

Leia mais

Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção

Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção + Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção + Análise Aplicada do Comportamento (ABA) Modelo de intervenção embasado no Behaviorismo Radical, de Skinner (O comportamento

Leia mais

PROPOSTA DE OFICINAS DE LEITURA E ESCRITA COMO APOIO PARA CRIANÇAS COM ATRASO DE LINGUAGEM ESCRITA

PROPOSTA DE OFICINAS DE LEITURA E ESCRITA COMO APOIO PARA CRIANÇAS COM ATRASO DE LINGUAGEM ESCRITA PROPOSTA DE OFICINAS DE LEITURA E ESCRITA COMO APOIO PARA CRIANÇAS COM ATRASO DE LINGUAGEM ESCRITA Ana Paula ZABOROSKI anapaulazaboroski@yahoo.com.br Ana Cândida SCHIER aninhaschier@yahoo.com.br Jáima

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

USO DA TECNOLOGIA ASSISTIVA COMO FERRAMENTA MEDIADORA DE COMUNICAÇÃO

USO DA TECNOLOGIA ASSISTIVA COMO FERRAMENTA MEDIADORA DE COMUNICAÇÃO 1 USO DA TECNOLOGIA ASSISTIVA COMO FERRAMENTA MEDIADORA DE COMUNICAÇÃO Eixo Temático: Tecnologia Assistiva promovendo o processo ensino-aprendizagem das Pessoas com Deficiência Intelectual. Modalidade

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL

EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE UM PROGRAMA INFORMATIZADO DE LEITURA NA ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM ESCOLA REGULAR E ESPECIAL Camila Graciella Santos Gomes Universidade Federal de São

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

O uso da Comunicação Suplementar e/ou Alternativa em sala de aula Uma abordagem interdisciplinar

O uso da Comunicação Suplementar e/ou Alternativa em sala de aula Uma abordagem interdisciplinar O uso da Comunicação Suplementar e/ou Alternativa em sala de aula Uma abordagem interdisciplinar Carla Menezes da Silva Janaina Maria Maynard Marques Eixo Temático: Relato de experiência e Comunicação

Leia mais

O Autismo E O Lúdico

O Autismo E O Lúdico O Autismo E O Lúdico Autora: Lucinéia Cristina da Silva (FEF) * Coautora: Alexandra Magalhães Frighetto (UFMT) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: A apresentação desse artigo tem como

Leia mais

I - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA

I - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA I - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR EM FUNÇÕES OROFACIAIS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Profª Drª Cláudia Regina Furquim de Andrade Características: (duração 12 meses)

Leia mais

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ)

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Da anomia à heteronomia na infância Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Hipótese mais difundida: indiferenciação primordial entre mãe e bebê

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

CURSO SOBRE A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Falada e Escrita:

CURSO SOBRE A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Falada e Escrita: CURSO SOBRE A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Falada e Escrita: Nadia Browning Nadiabrowning@gmail.com Julho 2008, Porto Alegre Objetivo: proporcionar um conhecimento básico em COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA (CA) falada

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER

SÍNDROME DE ASPERGER Philipe Machado Diniz de Souza Lima CRM 52.84340-7 Psiquiatra Clínico Psiquiatra da Infância e Adolescência Atuação: CAPSI Maurício de Sousa Matriciador em Saúde Mental AP3.3 SÍNDROME DE ASPERGER Síndrome

Leia mais

A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO

A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO Adriana Cattalini, Silvia Aparecida Fornazari. Centro Universitario Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO /Lins,SP. acattalini@bol.com.br,

Leia mais

Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso

Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso Olívia Silva e Silva Fonoaudióloga Dayanne Rezende Heitor de Queiroz Terapeuta Ocupacional Resumo O presente artigo

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE ACIEPE BRINQUEDOTECA PARA TODOS : AVALIAÇÃO E DESCRIÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE ACIEPE BRINQUEDOTECA PARA TODOS : AVALIAÇÃO E DESCRIÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE ACIEPE BRINQUEDOTECA PARA TODOS : AVALIAÇÃO E DESCRIÇÃO Fabiana Cia (Professora Adjunta do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós- Graduação em Educação Especial da Universidade

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Universo Autista. um mundo a ser descoberto APOSTILA PECS. www.universoautista.com.br

Universo Autista. um mundo a ser descoberto APOSTILA PECS. www.universoautista.com.br Universo Autista um mundo a ser descoberto APOSTILA PECS www.universoautista.com.br PECS - Sistema de Comunicação através da troca de Figuras - é uma forma de comunicação alternativa e aumentativa que

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA

ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA André Martins Alvarenga Universidade Federal do Pampa andrealvarenga@unipampa.edu.br Bruna Borges Telmo Universidade Federal

Leia mais

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos.

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos. Plano de Ação 2013 Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias Objetivos Origem dos Recursos Infraestrutura Público Alvo Capacidade de Atendimento Recursos Financeiros Utilizados Recursos

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25)

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL LAUDO DE AVALIAÇÃO AUTISMO (Transtorno Autista e Autismo Atípico) Serviço Médico/Unidade

Leia mais

Fonoaudiologia educacional e autismo: sem comunicação não há inclusão! Autores: PATRÍCIA BLASQUEZ OLMEDO, CÁTIA CRIVELENTI DE FIGUEIREDO WALTER,

Fonoaudiologia educacional e autismo: sem comunicação não há inclusão! Autores: PATRÍCIA BLASQUEZ OLMEDO, CÁTIA CRIVELENTI DE FIGUEIREDO WALTER, Fonoaudiologia educacional e autismo: sem comunicação não há inclusão! Autores: PATRÍCIA BLASQUEZ OLMEDO, CÁTIA CRIVELENTI DE FIGUEIREDO WALTER, Palavras-chave: Autismo, Inclusão Educacional, Barreiras

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta:

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta: PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) Dispões sobre o reconhecimento e definição da dislexia e dá outras providências. O Congresso Nacional Decreta: Artigo 1º - Esta lei reconhece a dislexia

Leia mais

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA LINGUAGEM A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio

Leia mais

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Löhr, Thaise ROGERS, S. J.; DAWSON, G. Intervenção precoce em crianças com autismo: modelo Denver para a promoção

Leia mais

Palavras-chave: Comunicação alternativa. Terapia Ocupacional. Paralisia Cerebral.

Palavras-chave: Comunicação alternativa. Terapia Ocupacional. Paralisia Cerebral. 2 A TERAPIA OCUPACIONAL UTILIZANDO-SE DA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA E AMPLIADA, COMO MEDIADORA EM UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL VISANDO FAVORECER AS HABILIDADES DE COMUNICAÇÃO E INTERAÇÃO DE UMA CRIANÇA

Leia mais

Apresentadoras: Francine Ramos (3º ano) Isabela Alves de Quadros (2º ano)

Apresentadoras: Francine Ramos (3º ano) Isabela Alves de Quadros (2º ano) Apresentadoras: Francine Ramos (3º ano) Isabela Alves de Quadros (2º ano) Orientadora: Profa. Dra. Aline Aceituno da Costa Fga. Géssyka Gomes Marcandal (mestranda Saúde Coletiva) Data: 08/08/2012 Horário:

Leia mais

INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM AUTISMO PERTENCENTE À COMUNIDADE CIGANA NO ENSINO REGULAR ESTUDO DE CASO NUMA ESCOLA DE VIANA DO CASTELO

INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM AUTISMO PERTENCENTE À COMUNIDADE CIGANA NO ENSINO REGULAR ESTUDO DE CASO NUMA ESCOLA DE VIANA DO CASTELO UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CENTRO REGIONAL DE BRAGA INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM AUTISMO PERTENCENTE À COMUNIDADE CIGANA NO ENSINO REGULAR ESTUDO DE CASO NUMA ESCOLA DE

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Palavras-chaves: capacitação, fala, promoção da saúde Introdução As instituições de educação infantil constituem

Leia mais

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo Por Sabrina Ribeiro O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por

Leia mais

Desenvolvimento Infantil Típico e Atípico 2. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Desenvolvimento Infantil Típico e Atípico 2. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Desenvolvimento Infantil Típico e Atípico 2 Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Desenvolvimento Atípico Presença de atrasos de desenvolvimento ou anormalidades no comportamento da criança quando comparado

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

ESTUDO DE CASO: CONSULTORIA COLABORATIVA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA CONTROLE DE COMPORTAMENTOS INADEQUADOS

ESTUDO DE CASO: CONSULTORIA COLABORATIVA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA CONTROLE DE COMPORTAMENTOS INADEQUADOS ESTUDO DE CASO: CONSULTORIA COLABORATIVA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA CONTROLE DE COMPORTAMENTOS INADEQUADOS CRISTIANE BRAGA DE PAIVA 1 ; Universidade Federal de São Carlos/ Programa de Pós Graduação em Educação

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA JUNTO A UM PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE: O PAPEL DOS PROFESSORES E DA FAMÍLIA Ana Paula Marques Leal Barbosa 1 Adriana Garcia Gonçalves 2 1 Aluno do Curso de Pedagogia; Campus

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais