CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL"

Transcrição

1 ECONOMIA MICRO E MACRO AULA 03: A ELASTICIDADE E SUAS APLICAÇÕES TÓPICO 03: APLICAÇÕES DOS CONCEITOS DE ELASTICIDADE CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL A receita total ( ) é obtida pela multiplicação da quantidade vendida pelo preço de venda do bem. Por exemplo, a receita total da venda de 20 livros, a R$ 10,00 cada, é R$ 200,00. Onde: é o preço de venda do bem ou serviço i; é a quantidade vendida do bem ou serviço i. A receita média ( ) é a dividida pelo número de unidades vendidas, ou seja,.por exemplo: R$ 200,00 divididos por 20 unidades é igual a R$ 10,00/UNIDADE. Já a receita marginal ( ) é a variação (ou modificação) na causada pela venda de uma unidade adicional do bem, que nesse caso, também é R$ 10,00 (se o preço não variar), pois para cada unidade vendida a receita aumenta em R$ 10,00 (receita marginal). De forma genérica, RT = f (P;Q), temos: ou em termos de derivada da função RT: RMg = drt/d (valor da derivada no ponto) Onde: é a receita total de venda do bem ou serviço i no período 0; é a receita total de venda do bem ou serviço i no período 1; é a quantidade total vendida do bem ou serviço i no período 0; é a quantidade total vendida do bem ou serviço i no período 1. RELAÇÃO ENTRE A ELASTICIDADE-PREÇO DA DEMANDA E RECEITA MARGINAL Existe uma relação entre elasticidade-preço da demanda e receita marginal com implicações na Receita Total, em decorrência da política de preços praticada pela empresa. Assumindo que a relação entre a RMg e a EPd seja:

2 Vejamos, o rol de possibilidades das relações entre as variáveis, de acordo com a fórmula acima e com o quadro especificado a seguir: FÓRUM A empresa aérea Voe Bem decidiu baixar em 30% o preço da passagem aérea e a empresa Voe Melhor, ficou preocupada em estimar o impacto da redução de preço da sua concorrente sobre o número de seus passageiros. Promova com seus colegas uma discussão sobre o assunto, com base no conceito de elasticidade preço (sensibilidade) da demanda. Ainda na mesma linha de raciocínio debata as seguintes questões: SERÁ QUE QUANDO UMA LOJA DE DEPARTAMENTO PROMOVE UMA LIQUIDAÇÃO DE ELETRODOMÉSTICO, ELA PODERÁ PROVOCAR UM TUMULTO DE PESSOAS NELA? E CASO FOSSE UM REVENDEDOR DE GÁS DE COZINHA? O TUMULTO SERIA O MESMO? OLHANDO DE PERTO Portanto, com o auxílio do coeficiente da elasticidade-preço da demanda podemos avaliar com mais segurança, O que ocorre quando a empresa muda seu preço, a receita total cai ou sobe? ATIVIDADE DE PORTFÓLIO Nesta atividade, iremos discutir a importância para o produtor dos conceitos de elasticidade preço da demanda e elasticidade preço da oferta. Leia o texto abaixo e responda as questões propostas: a) Identifique a importância da elasticidade preço da demanda para os produtores de leite, quando seu preço aumenta; b) Identifique a relação entre os aumentos significativos de produção e de produtividade da pecuária leiteira e o aumento da elasticidade preço da oferta; c) Comente as consequências para o produtor de leite, nos casos de: 1. Uma elasticidade preço da demanda crescente; 2. Uma elasticidade preço da oferta baixa. d) Analise a (as) razão(ões) se numa condição de curto prazo a elasticidade preço da oferta de leite é baixa. Será que essa mesma condição ocorre no caso do longo prazo? Justifique.

3 ENVIE SUAS RESPOSTAS POR MEIO DO SEU PORTFÓLIO NO SOLAR. BOM TRABALHO! EXPORTAR PARA EQUILIBRAR O MERCADO Leia o texto Exportar para equilibrar o mercado Um dos mais importantes indicadores utilizados na análise econômica é a elasticidade de preço, de oferta e de demanda. A elasticidade-preço resulta da divisão entre a variação percentual da quantidade ofertada ou demandada, pela variação percentual do preço. Dois exemplos: a) se a elasticidade-preço da oferta for 1,2, um aumento de 10% do preço recebido, pelo produtor, em relação ao preço dos insumos, resultará em aumento de 12% na quantidade de leite, podendo o mesmo raciocínio ser feito quando se reduz o preço do leite, relativo ao dos insumos, em 10%, resulta em queda de 12% da quantidade; b) se a elasticidade-preço da demanda for -0,4, um aumento de 10% da quantidade que resultará em queda de 25%, no preço podendo o mesmo raciocínio ser feito quando se reduz em 10% a quantidade, o que causa um aumento de 25% do preço. Pesquisas recentes demonstram que a maior elasticidade-preço da oferta ocorre em sistemas de produção de gado holandês; a elasticidade intermediária, nos de gado mestiço; e a menor elasticidade, nos de gado azebuado. Em outras palavras, os sistemas de gado holandês são os que mais reagem aos estímulos do mercado. Nos últimos anos, a pecuária leiteira nacional tem obtido aumentos significativos de produção e produtividade, em razão da maior especialização do rebanho. Isto significa que a elasticidadepreço da oferta tem aumentado. Em outras palavras, tem aumentado a capacidade de resposta do produtor aos estímulos de mercado. Quanto à elasticidade-preço da demanda de leite, no Brasil, ela está em torno de -0,5, ou seja, ela é pequena. Deve-se registrar que, para o produtor, o que importa é a demanda da indústria, que, muitas vezes, antecipa-se ao comportamento do consumidor. Os conceitos discutidos anteriormente dão bases para a explicação do comportamento do mercado do leite, no ano passado e neste ano. No início do ano passado, o mercado estimulou aumento da produção, que aconteceu rapidamente e em grande volume. Em decorrência do aumento da produção, o preço despencou a partir do meio do ano. Neste ano, a indústria aumentou a demanda, razão por que o preço recebido pelo produtor subiu rapidamente e em níveis significativos. A combinação da elasticidade-preço da oferta crescente com a baixa elasticidade-preço da demanda ajuda a explicar as grandes oscilações do preço recebido pelo produtor de leite. Tal resultado é

4 maximizado pela ausência de mecanismos de estabilização do mercado, como o da política de preço mínimo, e pela estrutura concentrada da indústria de laticínios. Na ausência da política de preço mínimo para o leite tudo indica que o governo não deseja adotá-la - o mercado externo assume papel de destaque no equilíbrio do mercado doméstico, ora importando ora exportando derivados lácteos. Quanto às importações, elas são conhecidas por todos aqueles que trabalham na cadeia produtiva do leite, mesmo porque, frequentemente, são realizadas com preços artificialmente reduzidos, o que causa mais problemas do que soluções. A novidade, que ganha espaço e tem boas perspectivas, é a exportação de lácteos. Em 2000, as exportações brasileiras de lácteos alcançaram 13,36 milhões de dólares e, em 2001, 25,03 milhões, um crescimento de 87%. Existem indicações de que as exportações serão significativamente maiores que as do ano anterior. Tudo indica que exportar é o caminho para equilibrar o mercado doméstico, mesmo porque o Brasil é competitivo na produção de lácteos. Entretanto, não basta apenas querer exportar, é preciso ter condições de participar, com vantagens, do mercado externo. Qualidade e constância são atributos necessários para entrar e permanecer no mercado internacional, como exportador. Fonte: GOMES, Sebastião Teixeira. Exportar para equilibrar o mercado. Disponível em: 20EXPORTAR%20PARA%20EQUILIBRAR%20O%20MERCADO% 20( ).pdf [1] (Visite a aula online para realizar download deste arquivo.) OLHANDO DE PERTO PARA SE APROFUNDAR MAIS NESSE ASSUNTO RESOLVA A LISTA DE EXERCÍCIOS CLIQUE AQUI PARA ABRIR (Visite a aula online para realizar download deste arquivo.) REFERÊNCIAS MANKIW, N. Gregory Introdução à economia, São Paulo, Cengage Learning, Tradução da 3ª Edição Norte-Americana, 2008, p FONTES DAS IMAGENS EXPORTAR%20PARA%20EQUILIBRAR%20O%20MERCADO%20( ).pdf

5 Responsável: Prof. Raul dos Santos Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS Capítulo 2: O Básico sobre a Oferta e a Demanda Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS 1. Considere um mercado competitivo no qual as quantidades anuais demandadas e ofertadas

Leia mais

O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO

O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO Sebastião Teixeira Gomes 1 A partir de 1986 a economia brasileira experimentou nada mais nada menos que cinco planos de estabilização, com a moeda trocando de nome também

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 Estima-se que 80% das vacas ordenhadas, no Brasil, são mestiças de raças européias e zebuínas. Dentre as européias,

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO BRASIL

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO BRASIL 1 Sebastião Teixeira Gomes Este artigo tem como objetivo analisar alguns aspectos da cadeia produtiva do leite no Brasil, com ênfase no

Leia mais

O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas.

O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas. Elasticidades O conceito de elasticidade é usado para medir a reação das pessoas frente a mudanças em variáveis econômicas. Por exemplo: para alguns bens os consumidores reagem bastante quando o preço

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 03: LIMITES DE FUNÇÃO, CÁLCULO DE LIMITES E CONTINUIDADES TÓPICO 03: CONTINUIDADES Este tópico trata dos conceitos de continuidade de funções num valor e num intervalo, a compreensão

Leia mais

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE Guarapuava,07/10/2015 Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável Ronei Volpi Coordenador Geral da Aliança Láctea Sul Brasileira Competitividade

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 02: OPERAÇÕES DE DESCONTO Desconto é a denominação dada a um abatimento que se faz quando um título

Leia mais

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 01 : CONCEITOS BÁSICOS TÓPICO 01: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados em nossas aulas, como vídeos

Leia mais

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 25 Roberto H. Jank Jr. 1 A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE SÍNTESE RETROSPECTIVA O Brasil é o sexto maior produtor mundial de leite e deverá ser o terceiro nos próximos 5 anos, mantidas as nossas atuais taxas

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011

PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 PLANO DE ENSINO DO ANO LETIVO DE 2011 CURSO: Administração DISCIPLINA: Microeconomia CARGA HORÁRIA: 80 ANO: 1º. Ano PROFESSOR: Orlando Assunção Fernandes 1. EMENTA: A Ciência Econômica e o Papel da Microeconomia.

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Este documento representa a contribuição da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP), através

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Custos de Produção. Capítulo 5

Custos de Produção. Capítulo 5 Capítulo 5 Custos de Produção Quando um aqüicultor decide se engajar na produção, os requerimentos de recursos e o preço desses recursos devem ser determinados. Os recursos têm muitos usos, mas quando

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO AULA 01: PESSOAS: INTRODUZINDO OS SUBSISTEMAS E CONCEITOS TÓPICO 02: AS VÁRIAS FACES DA GESTÃO DE PESSOAS Quando falamos em gestão de pessoas é automático nos referirmos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EMENTA DE DISCIPLINA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EMENTA DE DISCIPLINA EMENTA DE DISCIPLINA EMENTA (Síntese do Conteúdo): De que trata a economia; o mercado, preços e elasticidades; a empresa e a produção; custos de produção; maximização do lucro e oferta; mercado imperfeito;

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Desde sua criação, em 1977, o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite (CNPGL), da EMBRAPA, vem se

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio.

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio. 1) O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é o da escassez. Explique porque, citando pelo menos um exemplo. A escassez é o problema fundamental da Economia, porque, dadas as necessidades

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 1 Introdução Sebastião Teixeira Gomes 2 De todas as cadeias produtivas do setor agropecuário, a que mais se transformou, nos últimos anos,

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite Tendências para o Setor Lácteo do Brasil e da América Latina Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

1ª OLIMPIADA DO LEITE

1ª OLIMPIADA DO LEITE 1ª OLIMPIADA DO LEITE Justificativa : Como o avanço e o aparecimento de novas tecnologias é de fundamental importância que o produtor rural, assim como em qualquer atividade que demande tecnologia, venha

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO I AULA 02: AMBIENTES ORGANIZACIONAIS E DA ADMINISTRAÇÃO TÓPICO 01: DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS inserir aqui conteúdo alternativo do flash (imagens ou versão textual) VERSÃO TEXTUAL

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA:CONCEITOS E PRINCÍPIOS

INTRODUÇÃO À ECONOMIA:CONCEITOS E PRINCÍPIOS INTRODUÇÃO À ECONOMIA:CONCEITOS E PRINCÍPIOS OBJETIVOS: Apresentar conceitos importantes para entender a Ciência Econômica; Discorrer sobre os princípios que envolvem a tomada de decisões dos indivíduos.

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá caros(as) amigos(as), Hoje, venho comentar as questões de Microeconomia e Finanças Públicas do último concurso aplicado pela FGV, onde essas disciplinas foram cobradas. É o concurso para Assessor Técnico

Leia mais

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br Curso para Concursos Módulo de Microeconomia Sumário 1. Introdução 2 2. Demanda e Oferta 8 3. Teoria do Consumidor 36 4. Teoria da Firma 52 5. Estruturas de Mercado 70 6. Questões de Concursos 85 7. Gabarito

Leia mais

Renan Borges Pereira¹, Rodrigo Rodrigues da Silva². Faculdade de Tecnologia de Ourinhos FATEC. renanzaum_1@hotmail.com¹, rodrigues_fatec@hotmail.

Renan Borges Pereira¹, Rodrigo Rodrigues da Silva². Faculdade de Tecnologia de Ourinhos FATEC. renanzaum_1@hotmail.com¹, rodrigues_fatec@hotmail. Renan Borges Pereira¹, Rodrigo Rodrigues da Silva² Faculdade de Tecnologia de Ourinhos FATEC renanzaum_1@hotmail.com¹, rodrigues_fatec@hotmail.com² Há algum tempo o termo computação em nuvem ou Cloud Computing

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VII Rendimento total, médio e marginal e conceito de elasticidade aplicado á procura e á oferta

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VII Rendimento total, médio e marginal e conceito de elasticidade aplicado á procura e á oferta EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VII Rendimento total, médio e marginal e conceito de elasticidade aplicado á procura e á oferta Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Receita

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 01: O SISTEMA E O PADRÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO TÓPICO 02: A EMPRESA E O COMÉRCIO EXTERIOR VERSÃO TEXTUAL Como a empresa pode ingressar no comércio

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Primeiro Trimestre 2015 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA Aula 4 FUNDAMENTOS DA ECONOMIA 1.2.3 Noção de custo de oportunidade e de análise marginal A escassez de recursos leva os produtores a efetuar escolhas para produção de bens. Em um mundo de recursos limitados,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 1

CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 1 CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 I. INTRODUÇÃO A análise da cadeia produtiva do leite será desenvolvida em quatro módulos: 1) Causas e efeitos das transformações recentes da cadeia

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

mbiente Virtua de Aprendizagem

mbiente Virtua de Aprendizagem mbiente Virtua de Aprendizagem Apresentação Este é o Ambiente Virtual de Aprendizagem - o AVA da Unisuam Online. É nosso desejo que a UNISUAM lhe proporcione uma qualificação acadêmica condizente com suas

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros Microeconomia Estruturas de mercado Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos Maximização de s Receita Marginal, Custo Marginal e Maximização de s PINDYCK, R. e RUINFELD, D. Microeconomia.

Leia mais

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo ESBOÇO 1. Risco 2. Risco de Fluxo de Caixa 3. Risco da Taxa de Re-investimento 4. Risco da taxa de juros 5. Risco do poder de compra 6. Retornos e

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

MANUAL DO AVA GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Rua Ramos Ferreira, 991 A - Centro Fone: (92) 3878-7479 / 3233-6836 Manaus AM CEP: 69010-120

MANUAL DO AVA GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Rua Ramos Ferreira, 991 A - Centro Fone: (92) 3878-7479 / 3233-6836 Manaus AM CEP: 69010-120 MANUAL DO AVA 1. O QUE É EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA? A Educação a Distância, como dispõe o Decreto nº 5.622, de 19/12/2005, caracterizase como uma modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

Fundamentos da Ciência Econômica MÓDULO I - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ECONOMIA. Ao final do estudo deste módulo, esperamos que você possa:

Fundamentos da Ciência Econômica MÓDULO I - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ECONOMIA. Ao final do estudo deste módulo, esperamos que você possa: Fundamentos da Ciência Econômica MÓDULO I - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ECONOMIA Ao final do estudo deste módulo, esperamos que você possa: Explicar o objeto de estudo da ciência econômica e seus conceitos

Leia mais

Apresentação. Nossa sugestão é que você experimente e não tenha medo de clicar!!!

Apresentação. Nossa sugestão é que você experimente e não tenha medo de clicar!!! Apresentação Este manual é uma orientação para os participantes de cursos no ambiente Moodle do INSTITUTO PRISMA. Tem como objetivo orientar sobre as ações básicas de acesso e utilização do ambiente virtual

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR AULA 02: TERCEIRO SETOR (PARTE I) TÓPICO 01: EIXOS TEÓRICOS Os fundamentos da Gestão Social não se restringem a ideais históricos.

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6.

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6. Capítulo : Concorrência Monopolística e Oligopólio Pindyck & Rubinfeld, Capítulo, Oligopólio :: EXERCÍCIOS. Suponha que, após uma fusão, todas as empresas de um setor monopolisticamente competitivo se

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

INDICADORES DA PECUÁRIA DE LEITE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ABORDAGEM DA FUNÇÃO DE PRODUÇÃO

INDICADORES DA PECUÁRIA DE LEITE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ABORDAGEM DA FUNÇÃO DE PRODUÇÃO INDICADORES DA PECUÁRIA DE LEITE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ABORDAGEM DA FUNÇÃO DE PRODUÇÃO JAQUELINE GOMES MEDEIROS; ALEXANDRE LOPES GOMES; JULIANA SOUZA OLIVEIRA. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Leia mais

COMO CALCULAR O PRINCIPAL INDICADOR PARA MEDIR A EFICIÊNCIA FINANCEIRA DE UMA

COMO CALCULAR O PRINCIPAL INDICADOR PARA MEDIR A EFICIÊNCIA FINANCEIRA DE UMA COMO CALCULAR O PRINCIPAL INDICADOR PARA MEDIR A EFICIÊNCIA FINANCEIRA DE UMA EMPRESA E ENTRE VÁRIAS EMPRESAS Comparar uma empresa em relação a ela mesma (evolução histórica) Comparar uma empresa em relação

Leia mais

NOVIDADES DO JAVA PARA PROGRAMADORES C

NOVIDADES DO JAVA PARA PROGRAMADORES C PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB NOVIDADES DO JAVA PARA PROGRAMADORES C Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o Conceito de Classes e Objetos Capacitar para a criação de objetos simples

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO A DISTÂNCIA SECADI/UFC AULA 02: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TÓPICO 03: CARACTERÍSTICAS DO ENSINO A DISTÂNCIA VERSÃO TEXTUAL Antes de iniciar este curso, você deve ter refletido bastante sobre

Leia mais

Passo 3 Acessar os arquivos do curso:

Passo 3 Acessar os arquivos do curso: Passo 3 Acessar os arquivos do curso: Prezado participante, veremos agora o nosso terceiro e último passo antes que você possa dar início ao seu curso. Nesta etapa você aprenderá como acessar e utilizar

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto PROJETO EXEMPLO Os aparelhos de som compactos da Sonic Jane Melody é a gerente de produto da linha de aparelhos de som compactos da Sonic. Cada sistema consiste em um amplificador/rádio AM-FM, um aparelho

Leia mais

Curso DSc Microeconomia Bacen - Básico 2015

Curso DSc Microeconomia Bacen - Básico 2015 Curso DSc Microeconomia Bacen - Básico 2015 Concentração Industrial Prof. Antonio Carlos Assumpção A importância de medirmos a concentração industrial: a maior concentração industrial proporciona maior

Leia mais

MERCADO DE LEITE: UMA ANÁLISE DAS FLUTUAÇÕES DO PREÇO

MERCADO DE LEITE: UMA ANÁLISE DAS FLUTUAÇÕES DO PREÇO MERCADO DE LEITE: UMA ANÁLISE DAS FLUTUAÇÕES DO PREÇO Aloisio Teixeira Gomes 1 Eliseu Roberto de Andrade Alves 1 Alexandre Lopes Gomes 2 Rosangela Zoccal 1 Resumo O objetivo deste trabalho é descrever

Leia mais

OFERTA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

OFERTA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS OFERTA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS Após a análise das principais características da demanda (que é o lado do consumidor), serão agora abordados alguns aspectos da oferta (que é o lado do produtor), que é

Leia mais

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante:

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante: Módulo A Introdutório - Bases legais, ao Curso políticas, e ao conceituais Ambiente Virtual e históricas da educação Apresentação Este módulo tem por objetivo promover o conhecimento do Ambiente Virtual

Leia mais

CRESCIMENTO DE VOLUME

CRESCIMENTO DE VOLUME CRESCIMENTO DE VOLUME 12% EM 2009 42 A Oxiteno iniciou 2009 com uma escala significativamente maior, como resultado do programa de investimentos em ampliação de sua capacidade produtiva conduzido nos últimos

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de asso Fundo - RS Eduardo Belisário Finamore 1 Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar a visão da teoria econômica sobre

Leia mais