PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO"

Transcrição

1 BANCO DE VOLUNTARIADO PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO 1 ORGANIZAÇÃO FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO OBSERVATÓRIO DA CIDADANIA E INTERVENÇÃO SOCIAL 1 ABRIL JULHO

2 FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO Ano Letivo 2013/2014 Enquadramento A importância do Voluntariado na sociedade atual, como instrumento de intervenção social bem como forma de exercicio de cidadania tem vindo a assumir uma importância crescente. A prática do Voluntariado deve, todavia, ser exercicida com responsabilidade e conhecimento dos diferentes contextos e diferentes públicos a que se destina. A falta de formação dos voluntários constitui uma dificuldade ao nível do seu desempenho eficiente e responsável e, ao mesmo tempo, um dos obstáculos ao seu acolhimento pelas organizações. Neste contexto, é importante uma formação consistente quer no plano da compreensão dos contextos de ação voluntária, quer dos direitos e deveres enquanto voluntário/a. Nos termos da Clausula terceira do protocolo estabelecido entre o Município de Coimbra, a Universidade de Coimbra e a Associação Académica de Coimbra, assinado em 28 de maio de 2013, compete à faculdade de Coimbra assegurar a formação de 25 voluntários encaminhados pelo Município de Coimbra em 2 períodos anuais: Outubro e Abril. 2 I - OBJETIVOS DA FORMAÇÃO E COMPETÊNCIAS O curso de Formação para a Prática de Voluntariado visa formar voluntários que promovam uma cultura responsável, solidária e de coesão social, capaz de contribuir para uma maior qualidade de vida de todos os cidadãos e que reforce os valores da cidadania. O curso engloba dois níveis de formação complementares: 1 - Formação Inicial para a Prática de Voluntariado (FIPV), que permitirá a aquisição de competências aos seguintes níveis:

3 - Sensibilização para a especificidade do trabalho voluntário, por referência ao trabalho profissional; - Compreensão dos pressupostos ético-deontológicos do trabalho voluntário e do enquadramento legal do voluntariado (direitos e deveres); - Valorização da dimensão humana e comunicacional no trabalho de voluntariado; - Preparação psicológica para o trabalho voluntário; - Preparação para o acompanhamento de actividades de animação cultural e educativa, incluindo técnicas expressivas; - Delineamento de uma carta de compromisso e de planeamento da actividade voluntária; - Partilha de experiências com outros voluntários no sentido de promover o debate sobre as questões operativas do voluntariado. 2 - Formação para a Prática de Voluntariado em Campos Específicos (FPVCE). Esta formação acrescentará as seguintes competências: - Compreensão do perfil de voluntariado em função das populações consideradas e das instituições de enquadramento. - Compreensão da complexidade dos contextos de acção. - Conhecimento sobre dinâmicas do trabalho de voluntariado em situações e com grupos específicos, designadamente: a) populações idosas e dependentes; b) situações de risco e perigo social; c) saúde; d) situações de exclusão social. 3

4 II - PLANO GLOBAL DO 0 ORGANIZAÇÃO O Observatório da Cidadania e (OCIS / FPCE-UC) será o núcleo responsável pela organização da formação. A formação será assegurada por docentes desta faculdade, bem como por formadores e colaboradores externos. A formação será co-assessorada por alunos voluntários da FPCE-UC. 1 DURAÇÃO MÁXIMA: 69 HORAS 2 Nº DE S: Anualmente serão realizados 2 cursos de Formação para a Prática de voluntariado (Abril e Outubro). 3 - Nº DE SESSÕES por curso (3 horas): 23 4 HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: 3ªfeira e 5ªfeira, das 17 às 20 horas. 5 - Nº TOTAL DE SEMANAS PREVISTAS: 11 por curso + Colóquio 4 6 INÍCIO DA FORMAÇÃO: Curso 01 abril Nº MÁXIMO DE FORMANDOS POR : 25 8 ESTRUTURA DO : O curso de Formação para a Prática de Voluntariado (FPV) será constituído por dois blocos: a) Formação Inicial para a Prática de Voluntariado (FIPV), formação mínima b) Formação para a Prática de Voluntariado em Campos Específicos (FPVCE) para o companhamento de populações diversos contextos e problemáticas: População Idosa e Dependente; Situações de Risco e de Perigo; Saúde e Situações de Exclusão Social. #Os formandos poderão optar por frequentar apenas a formação inicial ou complementá-la com a formação em alguns sub-módulo(s) (em que estejam interessados) ou em todos eles.

5 9 - DE FORMAÇÃO: Formação inicial: 5 módulos (27 horas); Trabalho voluntário com populações específicas (4 modulos; 12 sub-módulos) (36 horas); Abertura do Curso e Colóquio de Encerramento (6 horas) ABERTURA DO A FORMAÇÃO INICIAL DURAÇÃO 2 HORAS 27 HORAS A-1 - QUADRO REGULAMENTAR DO TRABALHO DE VOLUNTARIADO A-2 - ÉTICA E VOLUNTARIADO 6 HORAS A-3 - A ARTE DE OBSERVAR A-4 - COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL 6 HORAS A-5 TECNICAS EXPRESSIVAS E ANIMAÇÃO SOCIO-CULTURAL 9 HORAS B - O TRABALHO VOLUNTÁRIO COM POPULAÇÕES ESPECÍFICAS: EXPERIÊNCIAS PARTILHADAS 36 HORAS B-1 SER VOLUNTÁRIO COM POPULAÇÕES IDOSAS E DEPENDENTES 9 HORAS B-1-1 ASPETOS PSICO-SOCIAIS DO ENVELHECIMENTO B-1-2 ENVELHECIMENTO E VIDA ATIVA B-1-3 DEPENDÊNCIA E APOIO A ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA B2 SER VOLUNTÁRIO COM POPULAÇÕES EM SITUAÇÃO DE RISCO E 9 HORAS PERIGO 5 B-2-1 MAUS TRATOS E INSTITUCIONALIZAÇÃO B-2-2 COMPORTAMENTOS DE RISCO NA ADOLESCÊNCIA B-2-3 PESSOAS VITIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA B3 SER VOLUNTÁRIO NA SAÚDE B-3-1 CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE DOENÇA B-3-2 CUIDADOS CONTINUADOS B-3-3 CUIDADOS PALIATIVOS B4 SER VOLUNTÁRIO EM SITUAÇÕES DE EXCLUSÃO SOCIAL B-4-1 PESSOAS SEM-ABRIGO B-4-2 IMIGRANTES E MINORIAS ETNICAS B-4-3 TERRITÓRIOS CRÍTICOS COLÓQUIO com PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS DOS ESTUDANTES VOLUNTÁRIOS TOTAL 9 HORAS 9 HORAS 4 HORAS 69 HORAS

6 10 - NIVEIS e HORAS DE FORMAÇÃO O curso oferece 3 níveis de formação (à escolha do estudante) : a) Formação I: 33 horas Formação Inicial para a Prática de Voluntariado (FIPV) (sessão de abertura + módulo A + colóquio de encerramento) b) Formação II: Formação para a Prática de Voluntariado em Campos Específicos (FPVCE) (sessão de abertura + módulo A + [1 a 3] submódulos B + colóquio de encerramento). Modalidades: 42 Horas (módulo A e 1 submódulo B); 51 Horas - (módulo A e 2 submódulos B); 60 Horas - (módulo A e 3 submódulos B) c) Formação III: 69 horas (total das horas previstas) Formação para a Prática de Voluntariado (FPV) 11 COLÓQUIO DE ENCERRAMENTO: Ocorrerá no fim dos 2 ciclos (Julho). 6

7 III CALENDARIZAÇÃO DA FORMAÇÃO SINTESE GLOBAL De 01 de abril a 01 de julho de 2014 COLÓQUIO DE ENCERRAMENTO 10 julho 2014 ABERTURA DO 01 abril (15h) A FORMAÇÃO INICIAL De 01 abril a 15 maio 2014 B - O TRABALHO VOLUNTÁRIO COM POPULAÇÕES ESPECÍFICAS: EXPERIÊNCIAS PARTILHADAS De 20 de maio a 01 julho 2014 COLÓQUIO DE ENCERRAMENTO 10 julho CALENDARIZAÇÃO DO Formação Inicial A FORMAÇÃO INICIAL De 01 abril a 15 maio 2014 A-1 - QUADRO REGULAMENTAR DO 01 abr TRABALHO DE VOLUNTARIADO A-2 - ÉTICA E VOLUNTARIADO 03 e 08 abr A-3 - A ARTE DE OBSERVAR 10 abr A-4 - COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTO 22 e 24 abr INTERPESSOAL A-5 TECNICAS EXPRESSIVAS E ANIMAÇÃO 29 abr, 13 e 15 mai SOCIO-CULTURAL

8 B-1 SER VOLUNTÁRIO COM POPULAÇÕES IDOSAS E DEPENDENTES B-1-1 ASPETOS PSICO-SOCIAIS DO ENVELHECIMENTO B-1-2 ENVELHECIMENTO E VIDA ATIVA B-1-3 DEPENDÊNCIA E APOIO A ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA Formação Especifica POPULAÇÕES IDOSAS E DEPENDENTES maio 20 maio 22 maio 27 maio B2 SER VOLUNTÁRIO COM POPULAÇÕES EM SITUAÇÃO DE RISCO E PERIGO B-2-1 MAUS TRATOS E INSTITUCIONALIZAÇÃO B-2-2 COMPORTAMENTOS DE RISCO NA ADOLESCÊNCIA B-2-3 PESSOAS VITIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA B3 SER VOLUNTÁRIO NA ÁREA DA SAÚDE B-3-1 CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE DOENÇA B-3-2 CUIDADOS CONTINUADOS B-3-3 CUIDADOS PALIATIVOS Formação Especifica SITUAÇÃO DE RISCO E PERIGO Formação Especifica SAÚDE 29 maio - 05 junho maio 03 junho 05 junho 10, 12 e 17 jun 10 jun 12 jun 17 jun 8 B4 SER VOLUNTÁRIO EM SITUAÇÕES DE EXCLUSÃO SOCIAL B-4-1 PESSOAS SEM-ABRIGO B-4-2 IMIGRANTES E MINORIAS ETNICAS B-4-3 TERRITÓRIOS CRÍTICOS Formação Especifica SITUAÇÕES DE EXCLUSÃO SOCIAL 24 jun - 01 jul 24 jun 26 jun 01 jul

9 IV FORMADORES A formação será maioritariamente assegurada por docentes e colaboradores permanentes da FPCEUC, recorrendo em casos específicos a peritos ou atores experientes na prática de voluntariado. TOTAL DE FORMADORES ENVOLVIDOS: 18 a 21 FORMADORES EXTERNOS À FACULDADE: 9 (órgãos coordenadores de voluntariado, associações e profissionais experientes) DOCENTES DA FACULDADE: 12 Contactos em curso V - NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO A) DURAÇÃO: 69 HORAS B) CALENDÁRIO: ABRIL-JULHO DE C) DESTINATÁRIOS: Pessoas com idade igual ou superior a 18 anos, ao abrigo do protocolo estabelecido entre o Município de Coimbra, a Universidade de Coimbra e a Associação Académica de Coimbra, assinado em 28 de maio de D) INSCRIÇÕES: Inscrições limitadas: máximo de 25 pessoas por curso Período de inscrição: de 1 de Fevereiro a 15 de março de 2014 E) PROCESSO DE SELECÇÃO: Para efeitos de selecção serão utilizados os seguintes critérios: 1 - Preferência aos candidatos que já realizem actividades de voluntariado e que ainda não tenham recebido qualquer formação preparatória. 2 - Para os restantes, e caso as inscrições ultrapassem o limite, a selecção será efectuada por ordem de inscrição, podendo vir a ser equacionado um rácio por faculdade. 3 - Os candidatos que não forem selecionados na 1ª inscrição, serão colocados em igualdade de circunstância com os candidatos com prática de voluntariado, caso manifestem esse interesse na segunda inscrição.

10 F) AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO: A formação dará direito a um Certificado de Frequência e Aprovação, segundo os seguintes requisitos: 1 Cada formando terá de frequentar o mínimo de 70% (22 horas) da formação inicial; 2 - Cada formando terá de frequentar o mínimo de 70% (6 horas) da formação de cada módulo em que se inscreveu (assinar folha de presenças) e elaborar um portfólio correspondente à formação obtida; 3 A presença na sessão de abertura e colóquio de encerramento é obrigatória; 4 - Do Certificado constará sempre o número de horas e a área específica de formação para o voluntariado que frequentou; 5 Conforme a modalidade de formação escolhida, haverá 3 tipos de certificado: Formação I: Formação Inicial para a Prática de Voluntariado, com a especificação dos módulos e nº de horas (33 horas) Formação II: Formação para a Prática de Voluntariado em Campos Específicos designados e nº de horas. 42 Horas (módulo A e 1 módulo B); 51 Horas - (módulo A e 2 módulo B); 60 Horas - (módulo A e 3 módulo B) 10 Formação III: Formação para a Prática de Voluntariado, a especificação da totalidade dos campos e nº de horas (69 horas) G) CONDIÇÃO EXIGIDA PARA FUNCIONAMENTO DE CADA SUBMÓDULO B (B1 B4): Existência de um mínimo de 5 inscrições. No caso de tal não ocorrer far-se-á o encaminhamento dos candidatos para uma segunda opção em funcionamento. H) COLÓQUIO DE ENCERRAMENTO Ocorrerá no fim dos 2 ciclos (Julho) sob condição da participação de representantes dos grupos de voluntariado da Universidade na sua organização. Coimbra, 12 de Janeiro de 2014 A Coordenadora da Formação: Prof. Doutora Helena Neves Almeida

Praznik Formação Monitores 2016

Praznik Formação Monitores 2016 Praznik Formação Monitores 2016 Índice: 1 Programa 1.1 Objectivos 1.2 A quem se destina 2 O Formando 2.1 Direitos e deveres 2.2 Assiduidade 2.3 Avaliação 3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador

Leia mais

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado!

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Atenção! Este pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Treino de Competências Sociais em Crianças e Jovens: Uma Abordagem Prática Contribuir para o enriquecimento teo rico-pra tico

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo NATAL EM ATIVIDADE NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO Nota introdutória A Câmara Municipal pretende desenvolver programas

Leia mais

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º As Complementares (AC) atendem ao Parecer n 776/97 da CES, que trata das Diretrizes Curriculares dos cursos de graduação,

Leia mais

Novo Modelo de Formação

Novo Modelo de Formação Novo Modelo de Formação Conhecimento Melhoria Aperfeiçoamento Fomentar e favorecer a aquisição de conhecimentos Melhoria da qualidade de intervenção dos treinadores Promover o aperfeiçoamento qualitativo

Leia mais

VOLUNTARIADO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

VOLUNTARIADO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO VOLUNTARIADO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EDITAL N 001/2016 SELEÇÃO DE VOLUNTÁRIOS NO PARQUE NACIONAL DE JERICOACOARA O Parque Nacional de Jericoacoara (PNJ), Unidade de Conservação Federal administrada

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 9001:2008

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 9001:2008 CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 9001:2008 O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 2 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação

Leia mais

Europass curriculum vitae

Europass curriculum vitae Europass curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Morada(s) Correio(s) eletrónico(s) Carvalho, Rute Alexandra Tomás Rua António Pinheiro Lacerda, N.º 7, 2630-370 Arruda dos Vinhos Telefone(s)

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

Curso de qualificação em sensibilização para a protecção (proficiency in security awareness course) Secção VI/6-4, Quadro VI/6-1, STCW/10

Curso de qualificação em sensibilização para a protecção (proficiency in security awareness course) Secção VI/6-4, Quadro VI/6-1, STCW/10 Curso de qualificação em sensibilização para a protecção (proficiency in security awareness course) Secção VI/6-4, Quadro VI/6-1, STCW/10 1. Enquadramento O presente curso enquadra-se no definido pela

Leia mais

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Centro de Ciências da Saúde CCS. Serviço de Psicologia

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Centro de Ciências da Saúde CCS. Serviço de Psicologia Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde CCS Serviço de Psicologia Instrução Normativa n 01/2016 Estabelece as diretrizes para desenvolvimento de atividades e atendimento

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. , ~.> ~.) I INSTITUTO NACIONAL -l.l.í!sj DE ADMINISTRAÇÃO. I-p. PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA

PROGRAMA DE MONITORIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PROGRAMA DE MONITORIA Agosto/2010 2 1. O QUE É MONITORIA A Monitoria é a modalidade de ensino-aprendizagem,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Entidade Formadora: Questão de Igualdade Entidade Promotora: Edufoco FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Apresentação do curso e condições de frequência Certificado de Autorização de Funcionamento

Leia mais

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão de Recursos Humanos

Curso de Especialização em Gestão de Recursos Humanos Curso de Especialização em Gestão de Recursos Humanos Índice Designação do Curso... 2 Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objetivo Geral... 2 Objetivos Específicos...

Leia mais

[REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS]

[REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS] 2015-16 Escola Superior de Educação Jean Piaget/Almada [REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS] REGULAMENTO PARA A INSCRIÇÃO E FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS 2015/2016 Artigo 1º Destinatários

Leia mais

Plano de Ação Plano de Ação 2012

Plano de Ação Plano de Ação 2012 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel. 262 690 100/262

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Resolução nº 004/2015

Resolução nº 004/2015 Resolução nº 004/2015 Dispõe sobre estágio de prática docente para os alunos do Mestrado em Direito e Instituições do Sistema de Justiça. Art. 1º O Estágio de Prática Docente (EPD) tem por objetivo aperfeiçoar

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição)

CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição) CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição) A necessidade de renovar as práticas e as metodologias de intervenção social com vista a aumentar a eficácia e a eficiência do trabalho com os

Leia mais

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania.

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania. Formação Profissional para Pessoas ou Grupos com Necessidades Especiais Práticas do Centro de Reabilitação Profissional da CERCIPENICHE Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS //

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // Pós-Graduação Segurança Alimentar 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Nesta pós-graduação estudam-se os perigos, riscos, metodologias e legislação com que a segurança alimentar é confrontada na atualidade, numa

Leia mais

Clube da Proteção Civil

Clube da Proteção Civil Agrupamento de Escolas das Taipas Clube da Proteção Civil 1. Estrutura organizacional Coordenadora: Paula Ribeiro da Silva Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do grupo de trabalho:

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE GRAU II TREINADOR DE NATAÇÃO PURA, NATAÇÃO SINCRONIZADA E POLO AQUÁTICO

REGULAMENTO CURSO DE GRAU II TREINADOR DE NATAÇÃO PURA, NATAÇÃO SINCRONIZADA E POLO AQUÁTICO REGULAMENTO CURSO DE GRAU II 1. ORGANIZAÇÃO A organização do Curso de Grau II de Treinador de Natação Pura, Natação Sincronizada e Polo Aquático é da responsabilidade da Federação Portuguesa de Natação..

Leia mais

Curso de Preparação para o Concurso Externo de Ingresso. Inspetores Estagiários da Polícia Judiciária. Data Limite de Inscrição: 06 de maio

Curso de Preparação para o Concurso Externo de Ingresso. Inspetores Estagiários da Polícia Judiciária. Data Limite de Inscrição: 06 de maio Curso de Preparação para o Concurso Externo de Ingresso Inspetores Estagiários da Polícia Judiciária Data Limite de Inscrição: 06 de maio Enquadramento: Na sequência da abertura do Concurso Externo de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

Regulamento do Concurso dos torneios de nível A Grupo Juvenil

Regulamento do Concurso dos torneios de nível A Grupo Juvenil Regulamento do Concurso dos torneios de nível A Grupo Juvenil 1. Torneios Serão objecto de concurso para o ano de 2016, os seguintes torneios nas seguintes datas: (5) 1º Torneio 6 a 10 Fevereiro 3º Torneio

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Centro de Convívio de Portimão Capítulo I Disposições Gerais Norma I Âmbito da Aplicação O Centro de Convívio Sénior, estrutura da Câmara Municipal de Portimão, sediada

Leia mais

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Nota justificativa Considerando que a atividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a saúde e bemestar da população; Considerando que a

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Paula Cristina Pereira de Azevedo Pamplona Ramos, casada, nascida a , na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Angra do Heroísmo.

Paula Cristina Pereira de Azevedo Pamplona Ramos, casada, nascida a , na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Angra do Heroísmo. NOTA BIOGRÁFICA. 1 - Dados Pessoais Paula Cristina Pereira de Azevedo Pamplona Ramos, casada, nascida a 23-08- 1967, na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Angra do 2 - Habilitações Literárias Ensino

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E AGRÁRIAS COLÉGIO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS REGULAMENTO DO

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL Nº 023/2016, DE 24 DE AGOSTO DE 2016

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL Nº 023/2016, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL Nº 023/2016, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 BOLSA TUTORIA/CURSO SUPERIOR - LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFMG O DIRETOR GERAL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

I CIRCULAR OBJETIVOS. Estimular a produção acadêmica sobre o estágio supervisionado, tomando-o como um campo de pesquisa;

I CIRCULAR OBJETIVOS. Estimular a produção acadêmica sobre o estágio supervisionado, tomando-o como um campo de pesquisa; I CIRCULAR O Laboratório de Pesquisa em História Cultural (LAPEHC) informa que estarão abertas no período de 31 de outubro a 14 de novembro de 2016 as inscrições para submissão de resumos para o I Seminário

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 1. Preâmbulo Face ao actual modelo de profissionalização e aos imperativos de modernização organizacional, técnica

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior Regulamento Interno PASS Considerando a necessidade de regulamentar a resposta social, Programa de Acompanhamento (PASS), elaborou-se o presente regulamento com a finalidade de definir linhas orientadoras.

Leia mais

Troféu Português do Voluntariado Regulamento

Troféu Português do Voluntariado Regulamento Troféu Português do Voluntariado Regulamento INTRODUÇÃO Considerando a necessidade de promover e incentivar a prática do voluntariado, de relevar o trabalho anónimo, empenhado e desinteressado, de incentivar

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise

AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise Biblioteca Municipal de Castelo Branco 03 de abril de 2013 A ação de formação é realizada no âmbito do Projeto Saber viver em tempos de crise, apoiado financeiramente

Leia mais

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade de Évora Universidade de Aveiro Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Edital Abertura do Mestrado Gestão e Poĺıticas Ambientais Ano Letivo 2015/2016 1. O Curso

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA HABILITAÇÃO EM GESTÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA HABILITAÇÃO EM GESTÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA HABILITAÇÃO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO FLORIANÓPOLIS, SC 2011 CAPITULO I CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º O Curso de Biblioteconomia

Leia mais

NORMATIVA COMPLEMENTAR DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IFC CÂMPUS ARAQUARI CAPÍTULO I

NORMATIVA COMPLEMENTAR DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IFC CÂMPUS ARAQUARI CAPÍTULO I NORMATIVA COMPLEMENTAR DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IFC CÂMPUS ARAQUARI Estabelece normas complementares à Resolução nº 084/CONSUPER/2014, que

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014 Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica Edital 2013/2014 Setúbal, dezembro de 2012 ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS O curso de Pós-Graduação em Tecnologia Aeronáutica (PGTA) é uma realização da Escola Superior

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Associação Mais Proximidade Melhor Vida

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Associação Mais Proximidade Melhor Vida FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Associação Mais Proximidade Melhor Vida Diretor(a) Maria de Lourdes Pereira Miguel Setor de Atividade Economia Social Número de Efetivos 6 NIF 513199136 Morada Rua do

Leia mais

PROGRAMA CURRICULAR COZINHA NATURAL. PROGRAMA CURRICULAR do curso de COZINHA NATURAL CURSO: COZINHA NATURAL 2015/2016.

PROGRAMA CURRICULAR COZINHA NATURAL. PROGRAMA CURRICULAR do curso de COZINHA NATURAL CURSO: COZINHA NATURAL 2015/2016. PROGRAMA CURRICULAR do curso de CURSO: 2015/2016 DOCENTES: vários IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Cozinha Natural DOCENTES: vários HORAS DE FORMAÇÃO 78 horas. Serão creditadas as horas de contacto bem como as horas

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIAS DO TERAPEUTA EXPRESSIVO

PERFIL E COMPETÊNCIAS DO TERAPEUTA EXPRESSIVO APRESENTAÇÃO As terapias expressivas, consideradas práticas psicoterapêuticas de mediação corporal, têm vindo a crescer em termos de campos de acção desde a saúde mental, passando pelas dificuldades de

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO!

MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO! MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO! IPN - INSTITUTO PEDRO NUNES APRESENTAÇÃO Criado em 1991, por iniciativa da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra, o Instituto

Leia mais

EDITAL II/2016 DOCÊNCIA JÚNIOR

EDITAL II/2016 DOCÊNCIA JÚNIOR EDITAL II/2016 DOCÊNCIA JÚNIOR Comunicação de abertura de Processo de Seleção para o Programa de Docência Júnior Voluntária, resolução Nº 1625/CUN/2011 O Curso de Graduação em Psicologia da Universidade

Leia mais

CANDIDATURA

CANDIDATURA Licenciatura em Desporto CANDIDATURA 2013-2014 GUIA DE PRÉ-REQUISITOS REGULAMENTO DAS PROVAS DE APTIDÃO FUNCIONAL, FÍSICA e DESPORTIVA SETÚBAL 2013 1 INTRODUÇÃO Com o objetivo de cumprir os dispositivos

Leia mais

Curso Livre Online. Gestão de Parques e Reservas Naturais e Culturais. Plano Modular. Centro Português de Geo-História e Pré-História

Curso Livre Online. Gestão de Parques e Reservas Naturais e Culturais. Plano Modular. Centro Português de Geo-História e Pré-História Curso Livre Online Gestão de Parques e Reservas Naturais e Culturais Plano Modular Centro Português de Geo-História e Pré-História Apresentação da entidade organizadora Centro Português de Geo História

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente

Carta de Direitos e Deveres do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente CONTROLO DAS REVISÕES DO DOCUMENTO Versão Data Descrição Página(s) Próxima revisão 01 15.12.2009 Elaboração da 1ª versão do documento ----- Dezembro 2011 02 12.04.2010

Leia mais

PROJETO MULTIPLICADORES

PROJETO MULTIPLICADORES PROJETO MULTIPLICADORES 1. CONCEITO E CAMPO DE APLICAÇÃO Tendo em vista a gama de conhecimento existente entre profissionais no ramo da confecção e a constante necessidade de desenvolvimento e compartilhamento

Leia mais

FACULADADE ESTÁCIO DO RECIFE DIREÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO - EDITAL

FACULADADE ESTÁCIO DO RECIFE DIREÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO - EDITAL FACULADADE ESTÁCIO DO RECIFE DIREÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE PROJETOS DE EXTENSÃO - EDITAL 2016-2017 1 INTRODUÇÃO O Programa de Projetos de Extensão tem o objetivo de contribuir para a formação acadêmica,

Leia mais

28 de Maio, 17h00 GoFit Olivais

28 de Maio, 17h00 GoFit Olivais 28 de Maio, 17h00 GoFit Olivais COMPETIÇÃO NEAREST TO THE PIN A Competição Nearest To The Pin é prática comum nos Torneios de Golfe. Nesta edição, by ivoucheryou.com e longe dos campos de golfe, será realizada

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE FVJ COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE LETRAS E DE PEDAGOGIA

FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE FVJ COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE LETRAS E DE PEDAGOGIA FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE FVJ COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE LETRAS E DE PEDAGOGIA PROJETO DE EXTENSÃO ACADÊMICA ENSINANDO PARA APRENDER: CAMINHOS DA PROFISSÃO Edital 006/2015 FVJ Seleção de alunos dos

Leia mais

Psicologia e Educação

Psicologia e Educação Psicologia e Educação 2016.2 Profª. MSc. Fernanda Lima. Unidade III: O que pode fazer o psicólogo na escola. Psicólogo escolar: Papéis e funções na escola. Escola é um espaço social onde pessoas convivem

Leia mais

Curso Online Turismo e Musealização de Sítios Arqueológicos

Curso Online Turismo e Musealização de Sítios Arqueológicos Curso Online Turismo e Musealização de Sítios Arqueológicos PLANO MODULAR Apresentação da entidade organizadora Centro Português de Geo História e Pré-História (CPGP) Formado em outubro de 1993, constituiu-se

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM RECURSOS

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO

EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO ABERTURA O Diretor Geral do câmpus Araraquara do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, torna pública,

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Projeto Parentalidade Positiva

Projeto Parentalidade Positiva Curso de Conversação de Francês Projeto Parentalidade Positiva projeto EIDH - Uma escola amiga das famílias 1 Nota introdutória O Externato Infante D. Henrique (EIDH) é uma Escola Cooperativa, contratualizada

Leia mais

Projeto Solidariedade Ativa

Projeto Solidariedade Ativa Projeto Solidariedade Ativa Coordenador: Paulo Fernando Correia Lopes 2014/2015 1 Caracterização do Projeto O projeto dinamizado pelo Clube de Solidariedade Ativa tem por base o objetivo estratégico 2

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES

PROGRAMA DE ATIVIDADES PROGRAMA DE ATIVIDADES com amor e sexualidade. Ano letivo 2013-2014 Alunos ANO TEMA PÚBLICO- ALVO COMPETÊNCIAS DATAS DURAÇÃO 1 º ano gostar de ti I Alunos do 1º ano Estabelece a ligação entre pensar e

Leia mais

Programa de Promoção de Competências

Programa de Promoção de Competências Programa de Promoção de Competências Início: 15 de Junho Fim: 26 de Outubro Duração por sessão: 90 minutos Periodicidade: semanal / Bi-semanal Horário: 10h00 11h30 / 14h30 16h00 População Abrangida: Casais

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

VI SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: EXTENSÃO: CAMINHOS POSSÍVEIS PARA O ENFRENTAMENTO DAS DIVERSAS FORMAS DE POBREZA UEPB

VI SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: EXTENSÃO: CAMINHOS POSSÍVEIS PARA O ENFRENTAMENTO DAS DIVERSAS FORMAS DE POBREZA UEPB VI SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA: EXTENSÃO: CAMINHOS POSSÍVEIS PARA O ENFRENTAMENTO DAS DIVERSAS FORMAS DE POBREZA UEPB Período: 18 a 21 DE OUTUBRO de 2011 Campus I da UEPB ASSUNTO:

Leia mais

GUIA DO CURSO. 2ª Edição ( ) COORDENADOR: Prof. Doutor Mário do Carmo

GUIA DO CURSO. 2ª Edição ( ) COORDENADOR: Prof. Doutor Mário do Carmo GUIA DO CURSO 2ª Edição (-2011) COORDENADOR: Prof. Doutor Mário do Carmo ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO...3 2. CARACTERIZAÇÃO DO CURSO...9 2.1. Destinatários...9 2.2. Condições de Acesso...9 2.3 Objectivos...9

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 25-Set-2012 1. FUNDAMENTAÇÃO DO PROJETO Garantir o cumprimento do Currículo do 1º Ciclo, no que respeita à área da Expressão e Educação Físico-Motora;

Leia mais

Curso de Preparação para o Exame de Acesso à Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução

Curso de Preparação para o Exame de Acesso à Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Departamento de Ciências Jurídicas Curso de Preparação para o Exame de Acesso à Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução Instituto Politécnico de Leiria

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais APPACDM de Braga 2010 Tendo como pano de fundo a Convenção aprovada pelos Estados membros da ONU sobre os Direitos das Pessoas

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

CURRICULUM VITAE Licenciatura em Sociologia, realizada na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, com média final de 15 valores.

CURRICULUM VITAE Licenciatura em Sociologia, realizada na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, com média final de 15 valores. CURRICULUM VITAE ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO Mónica Catarina do Adro Lopes Nacionalidade: Portuguesa Naturalidade: Leiria B.I: 11580295 Contribuinte: 214859487 Data de nascimento: 02/12/78 Estado civil:

Leia mais