REGULAMENTO ACADÉMICO. VI. Mobilidade internacional REG-001/V00

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO ACADÉMICO. VI. Mobilidade internacional REG-001/V00"

Transcrição

1

2 Mobilidade de Estudos 1. Objeto O presente Regulamento define as regras de Mobilidade de Estudantes ao abrigo dos Programas Garcilaso (Laureate International Universities) e de Aprendizagem ao Longo da Vida (Erasmus +) aplicáveis na Europeia. 2. Atribuições do Student Services International Relations Office 2.1. A organização da candidatura anual ao programa Erasmus A elaboração dos impressos para a candidatura anual A seleção dos estudantes a admitir nos programas existentes A divulgação dos candidatos admitidos para mobilidade A divulgação dos resultados da seriação dos candidatos às bolsas de estudos A entrega aos estudantes dos documentos necessários para o período de mobilidade nas Universidades de Acolhimento O envio às Universidades de Acolhimento de todo o processo dos candidatos à mobilidade A gestão do período de mobilidade dos estudantes estrangeiros que venham a frequentar a Europeia. 3. Mobilidade de Docentes A mobilidade de Docentes é analisada casuisticamente pelo Reitor. 4. Estudantes elegíveis para mobilidade 4.1. Podem concorrer ao Programa Garcilaso estudantes de Licenciatura e de Mestrado da Europeia que pretendam frequentar, num determinado período letivo, unidades curriculares numa das instituições do grupo Laureate International Universities com as quais a Universidade Europeia tem um Acordo Bilateral válido para esse ano letivo Podem concorrer ao Programa Erasmus + estudantes de Licenciatura e de Mestrado da Universidade Europeia que pretendam frequentar, num determinado período letivo, unidades curriculares numa das instituições europeias com as quais a Universidade Europeia tem um Acordo Bilateral válido para esse ano letivo Os estudantes Erasmus + devem ser nacionais de um estado membro participante no Erasmus +, ou nacionais de outro país, desde que inscritos num curso regular numa IES do país participante detentora de uma EUC válida, tendo em conta a natureza do programa Qualquer estudante com mais de três unidades curriculares em atraso, exclusive, pode fazer Mobilidade, no entanto, deixa de ter qualquer direito a bolsa De acordo com o novo programa Erasmus +, a decorrer desde 1 de Janeiro de 2014, o estudante poderá fazer, em cada ciclo de estudos, até 12 meses de mobilidade, sendo que essa mobilidade poderá ser dividida entre mobilidade para estudos ou para estágio Os estudantes não poderão efetuar uma mobilidade duas vezes, para a mesma Instituição de acolhimento, a menos que os programas de mobilidade sejam diferentes Os estudantes devedores à Universidade Europeia não podem ser admitidos nos programas de mobilidade internacional Os estudantes de mestrado só podem concorrer no 1º, 2º e 3º semestre letivos quando o Mestrado é de 120 ECTS ou no 1º, 2º semestres quando o Mestrado é de 90 ECTS. Critérios de Elegibilidade 1 Acordo Bilateral válido com a Universidade de Acolhimento 2 Para o programa Erasmus + a UE tem que ser detentora de EUC válida 3 Não podem ser devedores à Universidade Europeia 4 Licenciaturas Mobilidade 3º a 6º, e 8º semestre, se dupla 5 Mestrados 120 ECTS Mobilidade 1º, 2º e 3º semestre 6 Mestrados 90 ECTS Mobilidade 1º e 2º semestre 5. Duração da mobilidade 5.1. O período mínimo de mobilidade ao abrigo do programa Erasmus + ou Garcilaso é de 3 meses ou o equivalente a um trimestre académico, sendo o período máximo de 12 meses, ou equivalente a um ano académico completo Nos casos em que o período de mobilidade seja inferior a um semestre letivo, o estudante deverá informar-se junto do Student Services International Relations Office se os ECTS conferidos são Página 2 de 11

3 suficientes para o reconhecimento de equivalência às unidades curriculares do seu plano de estudo na Universidade Europeia. Em todos os casos é a Reitoria que deve aprovar estes pedidos de mobilidade. 6. Universidades em concurso 6.1. Os estudantes podem concorrer às Universidades com as quais a Europeia tenha um Acordo Bilateral no âmbito dos Programas Garcilaso e Erasmus + válido durante o ano letivo a que se refere a candidatura O estudante poderá ainda concorrer a outras Universidades estrangeiras com as quais a Europeia não tenha celebrado um Acordo Bilateral, desde que haja indicações prévias neste sentido na Universidade potencial de acolhimento. Neste caso deverá, ser previamente solicitada esta aprovação junto das mesmas. Para o efeito, o estudante deverá manifestar o seu interesse em frequentar a referida Universidade ao Student Services International Relations Office, que efetuará posteriormente os contactos necessários para o estabelecimento do eventual Acordo Bilateral. 7. Processo de pré-candidatura de estudantes 7.1. Para o efeito de candidatura às Universidades a concurso, os estudantes devem preencher o impresso de pré-candidatura, no qual mencionarão, por ordem de preferência, os países e as Universidades Parceiras a que concorrem A data limite para a entrega dos impressos de pré-candidatura aos Programas é definido por calendário próprio, emitido todos os anos letivos pelo Student Services International Relations Office. 8. Processo de seleção 8.1. Terminado o processo de pré-candidatura, todos os estudantes serão chamados a participarem numa entrevista e após a mesma, serão dados a conhecer os resultados por ordem de seriação dos estudantes, de acordo com as Universidades a que concorrem no Student Services International Relations Office Para efeitos de seriação de candidatura à mobilidade serão considerados os seguintes elementos: a média do estudante, o número de unidades curriculares efetuadas e o número de créditos ou ECTS obtidos. Estes elementos são registados após a época de exames imediatamente anterior à data de seleção dos candidatos, em função dos seguintes critérios: Número de unidades curriculares já realizadas Média de curso; 8.3. Os estudantes que simultaneamente tenham concluído todas as unidades curriculares e obtida uma média mais elevada terão prioridade na escolha das Universidades a que se candidataram Os estudantes com apenas uma unidade curricular em atraso terão prioridade em relação aos estudantes com duas unidades curriculares em atraso. Por sua vez, estes terão prioridade em relação aos estudantes com três unidades curriculares em atraso Os estudantes com mais de três unidades curriculares em atraso não serão elegíveis para seriação para a mobilidade, conforme referido em Casos omissos serão casuisticamente analisados pelo Reitor da Universidade Europeia. Nestes casos, o estudante deverá apresentar um requerimento via ElpUs Online. 9. Procedimentos após a seleção dos candidatos 9.1. Após a seleção e ordenação dos estudantes, as listas são afixadas no Campus Online O período para a seriação e afixação dos resultados por parte do Student Services International Relations Office será fixado anualmente no calendário de mobilidade internacional As eventuais reclamações devem ser dirigidas, por requerimento via ElpUs Online, ao Reitor, num prazo máximo de 5 dias após a data de publicação da seriação. O estudante poderá ainda ser ouvido pela Provedora do Estudante. O despacho de resposta não admite recurso Os estudantes devem, sob a orientação do Coordenador do respetivo curso da Universidade Europeia e do Student Services International Relations Office, preencher o formulário de proposta de equivalência entre as unidades curriculares a realizar na Universidade de Acolhimento e as da Universidade Europeia, tendo atenção às unidades curriculares que são lecionadas no 1º ou no 2º semestre. Este documento será o suporte para o preenchimento do Acordo de Estudos Final. 10. Formalização da candidatura O período para a formalização da candidatura será fixado anualmente pelo Student Services Página 3 de 11

4 International Relations Office Para a formalização da candidatura, o processo do estudante deverá conter os seguintes documentos: Ficha da Candidatura disponível Online, podendo podendo ser feito o download ou, em alternativa, solicitada ao Student Services International Relations Office a sua versão em papel; Proposta de Equivalência - Plano de Estudos que pretende realizar na Universidade de Acolhimento para a qual foi selecionado; Cópia do Bilhete de Identidade ou do Cartão do Cidadão; Cópia do Cartão de Contribuinte ou do Cartão do Cidadão; Número de Identificação Bancária; Fotografia atualizada; Documento de conhecimento das Normas do Programa Internacional selecionado, devidamente datado e assinado, facultado pelo Student Services International Relations Office; Passaporte (cópia) para os estudantes que se deslocarem para fora da União Europeia. 11. Desistências Se o estudante pretender desistir do programa em que está inscrito deverá comunicar com a devida justificação, por escrito, a sua decisão ao Student Services International Relations Office. Esta obrigação de comunicação deverá ser efetuada em qualquer fase do concurso (antes ou depois da divulgação dos respetivos resultados). 12. Documentos obrigatórios antes do início da mobilidade Application form formulário de candidatura da Universidade de Acolhimento. Algumas Universidades exigem que seja efetuada uma candidatura online, cabendo ao estudante o seu preenchimento e o respetivo envio. Nestes casos, deve ser entregue uma cópia da referida candidatura no Student Services International Relations Office Learning Agreement programa de estudos no qual estão discriminadas as unidades curriculares que o estudante se propõe frequentar na Universidade de Acolhimento, bem como o número de ECTS correspondente a cada uma delas. Este deve ser acordado e assinado pelas Instituições de Ensino Superior de origem e de acolhimento e pelo estudante, antes do início da mobilidade Cartão Europeu de Seguro de Doença - documento que se destina a assegurar a assistência médica em países membros da União Europeia. Deverá ser requerido no Centro Distrital de Segurança Social da área de residência, nos Serviços Locais e Lojas do Cidadão ou através da internet. No caso de mobilidade para um país não pertencente à União Europeia onde não seja válido o Cartão Europeu de Seguro de Doença, o estudante deverá fazer um Seguro de Saúde Contrato e Carta de Estudante do Programa Internacional selecionado - direitos e obrigações do Estudante Garcilaso/ Erasmus +, a ser assinado pelas partes antes do início da mobilidade. Documentos necessários 1 Application form 2 Learning Agreement 3 Cartão Europeu de Seguro de Doença 4 Contrato e Carta de Estudante do Programa Internacional 13. Preparação da Mobilidade O tratamento de todas as questões práticas como: a viagem, o alojamento e os seguros é da inteira responsabilidade do estudante Cabe ao estudante assegurar-se do cumprimento dos prazos estipulados e da entrega de todos os documentos necessários, nomeadamente os solicitados pelas Universidades de Acolhimento O Estudante deverá comparecer na Universidade Parceira, no primeiro dia do calendário letivo. Caso exista algum impedimento, o mesmo deverá ser comunicado à Universidade Europeia para posterior comunicação à universidade parceira 14. Documentos obrigatórios no decurso da mobilidade Confirmação de chegada atesta que o estudante deu entrada na Universidade de Acolhimento e deu início ao seu período de mobilidade. Este documento deve ser assinado e carimbado pela Universidade de Acolhimento, à chegada do estudante e enviado para o Student Services International Relations Office da Europeia; Alteração ao Learning Agreement (quando aplicável) documento que formaliza, após a chegada Página 4 de 11

5 do estudante à Universidade de Acolhimento, as alterações ocorridas ao programa de estudos inicialmente acordado Qualquer alteração carece da aprovação do Coordenador e só será válida se tiver o acordo da Universidade Europeia e da Universidade de Acolhimento As alterações ao plano de estudos não autorizadas implicarão o não reconhecimento da equivalência que o estudante venha a obter na Universidade de Acolhimento As eventuais alterações terão de estar concluídas no prazo máximo de 30 dias. Procedimentos e Prazos 1 Confirmação de Chegada 2 Alteração ao Learning Agreement (quando aplicável) 3 Aprovação da Alteração ao Learning Agreement pelo Coordenador (máx.30 dias) 15. Documentos obrigatórios após a conclusão da mobilidade Declaração de Estada documento que confirma o período de estudos no estrangeiro, a ser assinado e carimbado pela Universidade de Acolhimento no fim do período de estada na mesma, a ser entregue no Student Services International Relations Office da Universidade Europeia; Relatório de Estudante, para estudantes Erasmus + Todos os estudantes que realizarem mobilidade ao abrigo do programa Erasmus + devem preencher um relatório final individual (do respetivo ano académico), o mais tardar, até 15 dias após o seu regresso, fazendo uso de uma ferramenta eletrónica especificamente desenvolvida para esse efeito, disponível no endereço Cópia do Certificado da Transcrição de Notas emitido pela Universidade de Acolhimento. Documentos necessários 1 Declaração de Estada 2 Relatório de Estudante para estudantes Erasmus + 3 Cópia do Certificado da Transcrição de Notas emitido pela Universidade de Acolhimento 16. Atribuição de Bolsas As bolsas de estudo disponíveis para efeitos de mobilidade são atribuídas com base num processo de seriação que considere o número de unidades curriculares em atraso e a média do estudante à altura da atribuição da bolsa, tendo em consideração as condições de elegibilidade e processo de seriação de candidatos, que constam do ponto 4. e 8. do presente regulamento Os candidatos não contemplados pela bolsa Erasmus +, atribuída pela Agência Se o número de candidatos exceder o número de bolsas de estudos definido anualmente, quer pela Agência Nacional quer pela Entidade Instituidora, poderá verificar-se a existência de candidatos selecionados que não venham a usufruir de bolsa de estudo para a mobilidade O estudante que tenha mais de três unidades curriculares em atraso, exclusive, pode fazer Mobilidade, mas deixa de ter qualquer direito a bolsa A atribuição de bolsas de estudo rege-se pelas normas dispostas no Regulamento de Bolsas de Estudo. 17. Condições para o reconhecimento de unidades curriculares As unidades curriculares concluídas com aproveitamento na Universidade de Acolhimento são reconhecidas pela Europeia, desde que correspondam ao plano de estudos acordado Para efeitos do previsto no ponto 18.1., do capítulo de Mobilidade Internacional, o candidato deve comunicar quaisquer alterações ao plano de estudo que ocorram durante a sua estadia na Universidade de Acolhimento. Para este efeito, deverá remeter ao Responsável pelo Student Services International Relations Office, no prazo máximo de 30 dias após a chegada à Universidade de Acolhimento, o (s) conteúdo (s) programático (s) da (s) nova (s) unidade (s) curricular (es) e demais informações complementares, nomeadamente carga (s) horária (s) e número (s) de créditos ECTS. Aplica-se o disposto na alínea (Alteração ao Learning Agreement ) A não aprovação das alterações referidas na alínea 18.2 inviabiliza o reconhecimento/equivalência O reconhecimento só pode ser considerado mediante apresentação do Transcript of Records (Certificado de Notas), emitido pela Universidade Parceira A entrega das classificações obtidas no âmbito dos Programas Internacionais não deverá ultrapassar o semestre seguinte à conclusão da estadia na Universidade de Acolhimento. Página 5 de 11

6 18. Equivalência e classificação Os estudantes não podem realizar unidades curriculares no período de mobilidade que já tenham realizado na Europeia, para efeito de melhoria de classificação final. A frequência e a classificação obtidas serão nulas, não produzindo efeito no processo académico do estudante O reconhecimento das unidades curriculares não implica que as notas obtidas na Universidade de Acolhimento coincidam com as notas que venham a ser atribuídas pela Europeia Cada unidade curricular efetuada na Universidade de Acolhimento terá equivalência apenas a uma unidade curricular da Europeia As unidades curriculares realizadas na Universidade de Acolhimento sem correspondência a unidades curriculares do plano de estudos da Europeia são reconhecidas a título de unidades extracurriculares As unidades curriculares referidas na alínea poderão ser consideradas para a obtenção de equivalências a título de unidades curriculares opcionais As unidades curriculares realizadas na Universidade de Acolhimento que excedam o número de unidades curriculares optativas no plano de estudo do curso que o estudante frequenta na Europeia constarão do Suplemento ao Diploma. 19. Conversão de notas O reconhecimento das unidades curriculares não implica que as notas obtidas na Universidade de Acolhimento coincidam com as notas que venham a ser atribuídas pela Europeia O reconhecimento de unidades curriculares realizadas na Universidade de Acolhimento determina a atribuição dos créditos ECTS estabelecidos na Europeia Às unidades curriculares realizadas em Universidades onde não vigore o sistema de créditos ECTS são atribuídos os créditos correspondentes às unidades curriculares homólogas do plano de estudos da Europeia As classificações obtidas na Universidade de Acolhimento são convertidas na escala de 0 a 20, de acordo com a Tabela de Conversão de Notas. Serão consideradas para efeitos de equivalências apenas as unidades curriculares com classificação igual ou superior a 10 valores Os casos omissos serão casuisticamente apreciados pelo Reitor da Universidade Europeia As equivalências e classificações são homologadas pelo Conselho Científico da Universidade Europeia. 20. Exames da Época Especial Internacional (E.E.I.) Um exame de mobilidade especial é um exame que é realizado por um estudante que fez mobilidade, no âmbito do programa de mobilidade da Universidade Europeia A inscrição deverá ser efetuada através do ElpUs Online -> Formulário: Inscrição em Exames de Época Especial Internacional Mobilidade durante o 1º semestre: Para realizar exames na Época Especial Internacional de Maio (E.E.I. Maio), o estudante deverá efetuar a sua inscrição até ao dia 31 de Março de O estudante que se tenha inscrito para a E.E.I. Maio e falte é automaticamente inscrito para a Época Especial Internacional de Julho (E.E.I. Julho) O estudante que reprove num exame na E.E.I. Maio e queira realizar exame na E.E.I. Julho (como recurso) deverá efetuar a sua inscrição até 72 horas após a pauta ser disponibilizada no Campus Online e liquidar a respetiva propina de acordo com o preçário em vigor O estudante que não consiga obter aprovação na E.E.I Maio e/ou na E.E.I. Julho, fica com a unidade curricular em atraso tendo de efetuar a inscrição no ano letivo seguinte e liquidar as respetivas propinas de acordo com o preçário em vigor Mobilidade durante o 2º semestre: Para realizar exames na Época Especial Internacional de Setembro (E.E.I. Setembro), o estudante deverá efetuar a sua inscrição até ao dia 14 de Agosto de O estudante que se tenha inscrito para a E.E.I. Setembro e falte é automaticamente inscrito para a Época Especial Internacional de Outubro (E.E.I. Outubro) O estudante que reprove num exame na E.E.I. Setembro e queira realizar exame na E.E.I. Outubro (como recurso) deverá efetuar a sua inscrição até 72 horas após a pauta ser disponibilizada no Campus Online e liquidar a respetiva propina de acordo com o preçário em vigor. Página 6 de 11

7 O estudante que não consiga obter aprovação na E.E.I Setembro e/ou na E.E.I. Outubro, fica com a unidade curricular em atraso tendo de efetuar a inscrição no ano letivo seguinte e liquidar as respetivas propinas de acordo com o preçário em vigor Mobilidade durante o 2º semestre em Kendall College: Para realizar exames na Época Especial Internacional de Novembro (E.E.I. Novembro), o estudante deverá efetuar a sua inscrição até ao dia 09 de Outubro de O estudante que se tenha inscrito para a E.E.I. Novembro e falte é automaticamente inscrito para a Época Especial Internacional de Dezembro (E.E.I. Dezembro) O estudante que reprove num exame na E.E.I. Novembro e queira realizar exame na E.E.I. Dezembro (como recurso) deverá efetuar a sua inscrição até 72 horas após a pauta ser disponibilizada no Campus Online e liquidar a respetiva propina de acordo com o preçário em vigor O estudante que não consiga obter aprovação na E.E.I Novembro e/ou na E.E.I. Dezembro, fica com a unidade curricular em atraso tendo de efetuar a inscrição no ano letivo seguinte e liquidar as respetivas propinas de acordo com o preçário em vigor Mobilidade durante 1º e 2º semestres: Para realizar exames na Época Especial Internacional de Setembro (E.E.I. Setembro), o estudante deverá efetuar a sua inscrição até ao dia 14 de Agosto de O estudante que se tenha inscrito para a E.E.I. Setembro e falte é automaticamente inscrito para a Época Especial Internacional de Outubro (E.E.I. Outubro) O estudante que reprove num exame na E.E.I. Setembro e queira realizar exame na E.E.I. Outubro (como recurso) deverá efetuar a sua inscrição até 72 horas após a pauta ser disponibilizada no Campus Online e liquidar a respetiva propina de acordo com o preçário em vigor O estudante que não consiga obter aprovação na E.E.I Setembro e/ou na E.E.I. Outubro, fica com a unidade curricular em atraso tendo de efetuar a inscrição no ano letivo seguinte e liquidar as respetivas propinas de acordo com o preçário em vigor Os estudantes que optem por realizar os exames na época normal ou na época de recurso, perdem o direito a realizar exames na Época Especial Internacional O estudante que pretenda e tenha condições para realizar exames na Época Especial de Trabalhador-Estudante e/ou Época Especial de Conclusão de Curso deverá obedecer aos procedimentos que estão regulamentados para essas épocas Os calendários de exame serão divulgados até 10 dias úteis após o términus do período de inscrições no Campus Online em Calendários de exames -> Época Especial Internacional Caso tenha reprovado numa unidade curricular em atraso, contemplada no seu acordo de estudos, o estudante deverá efetuar a inscrição nessa unidade curricular em atraso, de acordo com os prazos limites de inscrição para o semestre em que esteve em mobilidade e liquidar a respetiva propina de acordo com o preçário em vigor. 21. Cancelamento da mobilidade Ouvido o Student Services International Relations Office, o Reitor reserva-se o direito de instruir o regresso do estudante em casos tais como: Ausência de condições logísticas de acolhimento; Não conformidade das unidades curriculares aprovadas no Learning Agreement com as unidades curriculares ministradas na Universidade de Acolhimento; Verificação, a posteriori, de eventuais irregularidades no processo do estudante; Problemas disciplinares e/ou comportamentais do estudante em mobilidade; Outras situações que possam obrigar a tal procedimento. 22. Incumprimento O incumprimento das normas dos programas de mobilidade de estudos pode determinar sanções como o não reconhecimento do período de estudos ou a devolução, pelo estudante, da Bolsa de estudos que, eventualmente, lhe tenha sido concedida As sanções previstas no número anterior são aplicadas pelo Reitor, ouvido o estudante em incumprimento e o Student Services International Relations Office. Em casos considerados como Página 7 de 11

8 graves, os visados serão submetidos ao Conselho Disciplinar Situações de incumprimento inviabilizam novas candidaturas no âmbito do ciclo de estudos respetivo. Mobilidade de Estágios ao abrigo do Programa Erasmus + 1. Objeto O presente Regulamento define as regras de Mobilidade de Estudantes em estágio ao abrigo dos Programas Erasmus + aplicáveis na Universidade Europeia. 2. Atribuições do Student Services International Relations Office São atribuições do Student Services International Relations Office, nomeadamente: 2.1. A organização da candidatura anual ao programa Erasmus A elaboração dos impressos para a candidatura anual A seleção dos estudantes a admitir nos programas existentes A divulgação dos candidatos admitidos para mobilidade A divulgação dos resultados da seriação dos candidatos às bolsas de estudos para estágio A entrega aos estudantes dos documentos necessários para o período de mobilidade nas instituições de acolhimento O envio às instituições de acolhimento de todo o processo dos candidatos à mobilidade. 3. Estudantes elegíveis para mobilidade de estágio 3.1. Podem concorrer ao Programa Erasmus + para estágio (Erasmus Placement) estudantes de licenciatura, mestrado ou doutoramento na Universidade Europeia que pretendam realizar, num determinado período letivo, um estágio num país estrangeiro que esteja abrangido pelo programa Erasmus Os estudantes Erasmus + devem ser nacionais de um estado membro participante no Erasmus +, ou nacionais de outro país, desde que inscritos num curso regular numa IES do país participante ou que tenham terminado um curso numa instituição detentora de uma ECHE válida, tendo em conta a natureza do programa Qualquer estudante com três ou mais unidades curriculares em atraso pode fazer Mobilidade, no entanto, deixa de ter qualquer direito a bolsa (ver parte de Unidades Curriculares em atraso) Os estudantes devedores à Universidade Europeia não podem ser admitidos nos programas de mobilidade internacional O estágio terá de ser sempre reconhecido e aprovado, mediante as diretrizes que forem determinadas pela Reitoria. 4. Duração da mobilidade 4.1. Os estudantes poderão fazer 02 a 12 meses de estágio em qualquer um dos ciclos de estudo. Contudo, deverão ter em consideração que ao fazerem 12 meses de estágio, não poderão concorrer ao programa Erasmus + para estudos O estágio em questão poderá ser feito no âmbito de uma mobilidade, ou seja, durante o semestre de estudos, no Verão, desde que perfaça 2 meses, ou até 1 ano depois do estudante se graduar na Universidade Europeia. 5. Instituições legitimadas No que respeita a instituições que podem acolher os estudantes no âmbito desta mobilidade: a) IES com a ECHE aprovada para o novo programa; b) Qualquer instituição pública ou privada ativa no mercado de trabalho ou que atue nos seguintes ramos de atividade: educação, formação ou juventude. 6. Processo de candidatura de estudantes 6.1. Mobilidade de estágio integrada na mobilidade de estudos: O procedimento utilizado para este caso respeita integralmente a mobilidade de estudos, isto é, o estudante terá que seguir as mesmas fases/processo de um estudante que se candidata para fazer mobilidade de estudos Mobilidade de estágio a decorrer no Verão/Finalistas ou Recém-Graduados: Submissão da proposta através de formulário disponível no ElpUs Online; Página 8 de 11

9 Validação realizada pelo Coordenador, que aprecia e despacha a proposta apresentada pelo estudante A data limite para submissão de candidaturas é definida por calendário próprio emitido todos os anos letivos pelo Student Services International Relations Office. 7. Processo de Seleção 7.1. Terminado o processo de candidatura, serão afixados os resultados por ordem de seriação dos estudantes no campus Online Para efeitos de seriação de candidatura à mobilidade serão considerados os seguintes elementos: a média do estudante, o número de unidades curriculares efetuadas e o número de créditos ou ECTS obtidos Estes elementos são registados após a época de exames imediatamente anterior à data de seleção dos candidatos, em função dos seguintes critérios: Número de unidades curriculares já realizadas; Média de curso Os estudantes que simultaneamente tenham concluído todas as unidades curriculares e obtida uma média mais elevada, terão prioridade na colocação e na possível obtenção de uma bolsa para estágio Os estudantes com apenas uma unidade curricular em atraso terão prioridade em relação aos estudantes com duas unidades curriculares em atraso. Por sua vez, estes terão prioridade em relação aos estudantes com três unidades curriculares em atraso. 8. Procedimentos após a seleção dos candidatos 8.1. Após a seleção e ordenação dos estudantes, as listas são afixadas no campus Online para consulta O período para a seriação e afixação dos resultados por parte do Student Services International Relations Office será fixado anualmente no calendário de mobilidade internacional As eventuais reclamações devem ser dirigidas, por requerimento via ElpUs Online, ao Reitor, num prazo máximo de 5 dias após a data de publicação da seriação. O estudante poderá ainda ser ouvido pela Provedora do Estudante. O despacho de resposta não admite recurso. 9. Formalização da candidatura 9.1. O período para a formalização da candidatura será fixado anualmente pelo Student Services International Relations Office Para a formalização da candidatura, o processo do estudante deverá conter os seguintes documentos: Ficha de Candidatura disponível ElpUs Online; Cópia do Bilhete de Identidade ou do Cartão do Cidadão; Cópia do Cartão de Contribuinte ou do Cartão do Cidadão; Número de Identificação Bancária; Fotografia atualizada (jpeg); Passaporte (cópia) para os estudantes que se deslocarem para fora da União Europeia. 10. Desistências Se o estudante pretender desistir do programa em que está inscrito deverá comunicar com a devida justificação, por escrito, a sua decisão ao Student Services International Relations Office. Esta obrigação de comunicação deverá ser efetuada em qualquer fase do concurso (antes ou depois da divulgação dos respetivos resultados). 11. Preparação da Mobilidade O tratamento de todas as questões práticas, como a viagem, visto (caso se justificar) e o alojamento é da inteira responsabilidade do estudante O seguro em estágio é proporcionado pela Universidade Europeia, salvo se o estudante for finalista, pois nesse caso terá de ser o estudante a responsabilizar-se sobre o mesmo Cabe ao estudante assegurar-se do cumprimento dos prazos estipulados e da entrega de todos os documentos necessários, nomeadamente os solicitados pela instituição de acolhimento O estudante deverá comparecer na instituição de acolhimento na data acordada entre ambas as partes. Página 9 de 11

10 12. Documentos obrigatórios antes do início da mobilidade Application form documento oficial da Comissão Europeia para os estudantes que fazem mobilidade de estágio Cartão Europeu de Seguro de Doença - documento que se destina a assegurar a assistência médica em países membros da União Europeia. Deverá ser requerido no Centro Distrital de Segurança Social da área de residência, nos Serviços Locais e Lojas do Cidadão ou através da internet. No caso de mobilidade para um país não pertencente à União Europeia onde não seja válido o Cartão Europeu de Seguro de Doença, o estudante deverá fazer um Seguro de Saúde Contrato e Carta de Estudante do Programa Internacional selecionado - direitos e obrigações do Estudante Garcilaso/Erasmus +, a ser assinado pelas partes antes do início da mobilidade Protocolo de Estágio, assinado por todas as Partes. 13. Documentos obrigatórios após a conclusão da mobilidade Mobilidade de estágio integrada na mobilidade de estudos Relatório de Estudante, para estudantes Erasmus + Todos os estudantes que a realizarem devem preencher um relatório final individual (do respetivo ano académico), o mais tardar, até 15 dias após o seu regresso, fazendo uso de uma ferramenta eletrónica especificamente desenvolvida para esse efeito, disponível no endereço: Mobilidade de Estágio a decorrer no Verão/Finalistas ou Recém-Graduados Relatório de Estudante, para estudantes Erasmus + Todos os estudantes que a realizarem devem preencher um relatório final individual (do respetivo ano académico), o mais tardar, até 15 dias após o seu regresso, fazendo uso de uma ferramenta eletrónica especificamente desenvolvida para esse efeito, disponível no endereço: Documentos de avaliação de estágio (plano de estágio, relatório de estágio, mapa de assiduidade), devidamente preenchidos, assinados e carimbado pela instituição de acolhimento. 14. Atribuição de Bolsas As bolsas de estudo disponíveis para efeitos de mobilidade para estágio são atribuídas com base num processo de seriação que considere o número de unidades curriculares em atraso e a média do estudante à altura da atribuição da bolsa, tendo em consideração as condições de elegibilidade e processo de seriação de candidatos, que constam do presente regulamento Se o número de candidatos exceder o número de bolsas de estudos definido anualmente, quer pela Agência Nacional quer pela Entidade Instituidora, poderá verificar-se a existência de candidatos selecionados que não venham a usufruir de bolsa de mobilidade para estágio O estudante que tenha mais de 3 (três) unidades curriculares em atraso pode fazer Mobilidade, mas deixa de ter qualquer direito a bolsa A atribuição de bolsas de estudo rege-se pelas normas dispostas no Regulamento de Bolsas de Estudo. 15. Conversão de notas O reconhecimento de unidades curriculares obtidas através da realização de estágio curricular determina a atribuição dos créditos ECTS estabelecidos na Universidade Europeia As classificações obtidas na instituição de acolhimento são convertidas na escala de 0 (zero) a 20 (vinte), de acordo com a Tabela de Conversão de Notas. Serão consideradas para efeitos de equivalências apenas as unidades curriculares com classificação igual ou superior a 10 (dez) valores Os casos omissos serão casuisticamente apreciados pelo Reitor da Universidade Europeia As equivalências e classificações são homologadas pelo Conselho Científico da Universidade Europeia. 16. Cancelamento da mobilidade Ouvido o Student Services International Relations Office, o Reitor reserva-se o direito de instruir o regresso do estudante em casos tais como: Ausência de condições logísticas de acolhimento; Sendo estágio curricular, só poderá ser considerado como válido se a sua natureza (objetivos e funções a desempenhar) e tema forem compatíveis com aqueles que estão fixados para a unidade curricular a substituir. A validação é realizada pelo Coordenador, que aprecia e Página 10 de 11

11 despacha a proposta apresentada pelo estudante. Estas propostas serão formalizadas através de um formulário disponível no ElpUs Online; Sendo um estágio não curricular, só poderá ser considerado válido se constituir uma maisvalia para o currículo/formação do estudante; Verificação, a posteriori, de eventuais irregularidades no processo do estudante; Problemas disciplinares e/ou comportamentais do estudante em mobilidade; Outras situações que possam obrigar a tal procedimento. 17. Incumprimento O incumprimento das normas do programa de mobilidade de estágios pode determinar sanções como o não reconhecimento do período de estágio ou a devolução, pelo estudante, da Bolsa de estudos que, eventualmente, lhe tenha sido concedida As sanções previstas no número anterior são aplicadas pelo Reitor, ouvido o estudante em incumprimento e o Student Services International Relations Office. Em casos considerados como graves, os visados serão submetidos ao Conselho Disciplinar Situações de incumprimento inviabilizam novas candidaturas no âmbito do ciclo de estudos respetivo. 18. Situações Omissas As situações omissas neste Regulamento, quer para a mobilidade de estudos quer para a mobilidade de estágios, serão casuisticamente analisadas e despachadas pelo Reitor O Reitor poderá, para este efeito, consultar e/ou ouvir outros órgãos da Universidade Europeia, bem como a Agência Nacional. Página 11 de 11

Regulamento Erasmus 2011/2012

Regulamento Erasmus 2011/2012 1. Preâmbulo O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior e reforçar o contributo do ensino superior para, entre outros, o processo de inovação a

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. VIII. Bolsas de Estudo REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. VIII. Bolsas de Estudo REG-001/V00 Artigo 1º Bolsas Erasmus + 1. Objeto 1.1. As bolsas de estudo Erasmus + são atribuídas pela Agência Nacional PROALV diretamente à Universidade Europeia. Posteriormente, a Universidade Europeia distribui

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estudos

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa

da Universidade Católica Portuguesa Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO Aprovado no Conselho Científico de 2 de julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE CAPÍTULO I - REGIMES DE AVALIAÇÃO Artigo 1º - Modalidades de avaliação CAPÍTULO II - AVALIAÇÃO CONTÍNUA Artigo 2.º - Regime de avaliação contínua

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00 IV. Disposições específicas para mestrados Artigo 1º Concessão do Grau O grau de mestre é conferido através da aprovação em todas as unidades curriculares que integram o plano de estudos do mestrado e

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

Programa ERASMUS+ Regulamento UBI

Programa ERASMUS+ Regulamento UBI Programa ERASMUS+ Regulamento UBI 1. Critérios de elegibilidade dos estudantes ERASMUS+ O (a) estudante deverá preencher todos os requisitos enunciados nas Normas para a Gestão das Subvenções Erasmus 2014/2015,

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA 1. Quem se pode candidatar à mobilidade Erasmus para estudos?

Leia mais

GUIA DO ESTUDANTE. Licenciaturas. Pag. 1. ISLA Campus Lisboa Laureate International Universities

GUIA DO ESTUDANTE. Licenciaturas. Pag. 1. ISLA Campus Lisboa Laureate International Universities Pag. 1 ÍNDICE I REGULAMENTO DAS LICENCIATURAS... 4 Objectivo... 4 Condições de funcionamento... 4 Estrutura curricular, plano de estudos e unidades de créditos ECTS... 4 Mobilidade de estudantes... 7 Reconhecimento

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS FORMALIZAÇÃO DA CANDIDATURA 1. Quais são os prazos para formalizar a candidatura?

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00 III. Disposições específicas para licenciaturas Artigo 1º Concessão do Grau 1. O grau de licenciado é conferido aos que, através da aprovação em todas as unidades curriculares obrigatórias e optativas

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE PROGRAMA SECTORIAL ERASMUS REGULAMENTO DE MOBILIDADE

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE PROGRAMA SECTORIAL ERASMUS REGULAMENTO DE MOBILIDADE INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE PROGRAMA SECTORIAL ERASMUS REGULAMENTO DE MOBILIDADE 1. Introdução O presente documento visa regulamentar as condições a que deve obedecer a mobilidade de estudantes,

Leia mais

Mobilidade Estudantil:

Mobilidade Estudantil: Mobilidade Estudantil: 1. Programa Erasmus: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2. Protocolo Brasil e China: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2 Protocolo Brasil e China As regras a aplicar

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O que é o Erasmus+? O Erasmus+ teve início no dia 1 de Janeiro de 2014. PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O Erasmus+ é o novo programa da UE para a educação, formação, juventude e desporto que se

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1.

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1. REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento disciplina os regimes de reingresso,

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Instituto Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO 1 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

normas de carácter geral programa ERASMUS na vertente estudos

normas de carácter geral programa ERASMUS na vertente estudos programa ERASMUS+ 2016 2017 FACULDADE DE BELAS-ARTES UNIVERSIDADE DE LISBOA guia informativo do programa erasmus estudos o que é o programa ERASMUS +? O programa ERASMUS+, com início em Janeiro de 2014,

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8 EDITAL 1º Ciclo de Estudos - Ano Letivo 2015/2016 Concurso para os regimes de Reingresso, Mudança de Curso, Transferência, e Concursos Especiais de Ingresso (titulares de curso médio ou superior e maiores

Leia mais

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Artigo 1.º Criação 1.1. A Escola Superior de Comunicação Social inclui na sua oferta educativa, uma

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 30 de dezembro de 2014 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA Capítulo I Disposições gerais

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Artigo 1º Objectivo e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento visa orientar

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA 1. Quem se pode candidatar à mobilidade Erasmus para estudos?

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014)

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA MINISTRADO PELAS ESCOLAS SUPERIORES AGRÁRIAS DOS INSTITUTOS POLITÉCNICOS DE BRAGANÇA, DE CASTELO BRANCO,

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade?

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade? ERASMUS+ - MOBILIDADE DE ESTUDANTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Erasmus+? Quais os tipos de mobilidade a que posso concorrer? Quem pode candidatar-se? Que restrições existem? Já fui beneficiário de

Leia mais

Sessão Esclarecimento ERASMUS

Sessão Esclarecimento ERASMUS Sessão Esclarecimento ERASMUS 2014/2015 07/03/2014 O Erasmus Estudos (SMS) - podem fazer disciplinas e o trabalho/projeto para a tese; O Erasmus Estágio (SMP) - não podem fazer disciplinas, mas podem fazer

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento estabelece o regime aplicável aos programas de intercâmbio, mobilidade de estudantes e cooperação internacional nos quais o IPAM

Leia mais

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Considerando o disposto na Portaria nº 268/2002 publicado em Diário da República, I Série-B, Nº61 de 13

Leia mais

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO (PROPOSTA) Ú~e ~JU&~~L~ 6~i ~ / ~ 7J7t1 REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO Conforme o determinado pelo artigo 45 O A do Decreto Lei n 074/2006

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL. Ano letivo de 2015/2016

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL. Ano letivo de 2015/2016 EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL Ano letivo de 2015/2016 João Baptista da Costa Carvalho, Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA), torna público a

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP)

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) Critérios de elegibilidade do Estudante Erasmus Estatuto legal do estudante: Os estudantes devem ser nacionais de um estado membro participante no Programa de Aprendizagem

Leia mais

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Considerando o disposto na Portaria nº 268/2002 publicado em Diário da República, I Série-B, Nº61 de 13

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PREÂMBULO Nos termos do artigo 11.º do Decreto -Lei n.º 43/2014 de 18 de março, é aprovado o Regulamento das Condições de Ingresso nos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) do Instituto Politécnico

Leia mais

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM TERAPIA OCUPACIONAL ANO LECTIVO DE 2015/2016 REPUBLICAÇÃO

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM TERAPIA OCUPACIONAL ANO LECTIVO DE 2015/2016 REPUBLICAÇÃO EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM TERAPIA OCUPACIONAL ANO LECTIVO DE 2015/2016 REPUBLICAÇÃO Agostinho Luís da Silva Cruz, Presidente da Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto (ESTSP),

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO

PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO 1. ENTIDADES COORDENADORAS Coordenador de Mobilidade do Mestrado em: Engenharia Biológica (https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/cursos/mebiol/programas-de-mobilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica.

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica. Regulamento do Concurso Especial de Acesso aos Cursos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para Titulares de Cursos Médios, Superiores e Pós- Secundários Tendo por base

Leia mais

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho.

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho. Perguntas Frequentes: CANDIDATURAS E PRAZOS 1. Quais os prazos para apresentar candidatura ao Programa Retomar? O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de

Leia mais

wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas Guia Prático de Mobilidade dos dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl

wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas Guia Prático de Mobilidade dos dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghj klçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc vbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmq Gabinete de Relações Exteriores wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

Regulamento do Programa Erasmus +

Regulamento do Programa Erasmus + Regulamento do Programa Erasmus + Projeto Novas competências para o futuro 2015-2017 O que é o Erasmus +? Erasmus+ é o programa da União Europeia nos domínios da educação, da formação, da juventude e do

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg PREÂMBULO O Decreto Lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelos Decretos Lei n. os 107/2008, de 25 de Junho,

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio 1. Devo matricular-me na UAc mesmo indo para o estrangeiro? 2. Tenho de pagar propinas na UAc? 3. Tenho que pagar propinas na Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA A Portaria n.º 401/2007, de 5 de abril, aprovou o Regulamento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) CONCURSO DE ACESSO E DE REINGRESSO NOS CURSOS DE MESTRADO. Edição de 2014/2015 EDITAL

ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) CONCURSO DE ACESSO E DE REINGRESSO NOS CURSOS DE MESTRADO. Edição de 2014/2015 EDITAL EDITAL João Alberto Sobrinho Teixeira, Presidente do Instituto Politécnico de Bragança; João Baptista da Costa Carvalho, Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave; Maria do Rosário Gambôa

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES I Regime de Ingresso 1. Podem concorrer à primeira matrícula nos CURSOS SUPERIORES DO ISTEC os indivíduos habilitados com: 1.1 Curso do ensino secundário, ou legalmente equivalente, com prova de ingresso

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão (Aprovado por Deliberação de Mesa nº466/14, de 22 de Abril, com as alterações

Leia mais

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução REGULAMENTO Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades Introdução O Banco Santander Totta, S.A., em parceria com as Instituições de Ensino Superior aderentes (doravante «IES»), e através da

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

EDITAL SRI/UNIFESP Nº 026/2013 EDITAL PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO COM INSTITUIÇÕES CONVENIADAS

EDITAL SRI/UNIFESP Nº 026/2013 EDITAL PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO COM INSTITUIÇÕES CONVENIADAS EDITAL SRI/UNIFESP Nº 026/2013 EDITAL PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO COM INSTITUIÇÕES CONVENIADAS A da UNIFESP, juntamente com a, no uso de suas atribuições, nos termos do art. 19, inciso

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica se a todos os cursos ministrados no ISEP, podendo existir casos em

Leia mais

REGULAMENTO Mobilidade Macau

REGULAMENTO Mobilidade Macau Face à parceria estabelecida entre a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) e o Instituto de Formação Turística em Macau (IFT Macau) no âmbito da qual são facultadas possibilidades de

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais)

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais) Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES Regulamento Artigo 1º (Disposições Gerais) O Programa de Bolsas de Mobilidade para Estudantes da Universidade de Lisboa tem por objectivo proporcionar

Leia mais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, segue o modelo aprovado pela

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Preâmbulo No seguimento da terceira alteração ao Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, introduzida pelo Decreto-Lei

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO

REGULAMENTO ACADÉMICO I. Disposições Gerais Artigo 1º Objetivo O regulamento académico tem por objetivo definir a aplicação das normas que organizam e regulam todas as formações conducentes à obtenção do grau de licenciado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 Considerando os objetivos do Governo dos Açores em promover, na Região, um conhecimento especializado de temáticas

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão

Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão Artigo 1º Âmbito e Disposições Gerais 1. O presente Regulamento é aplicável às candidaturas aos cursos de Licenciatura da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

Anexo 7 CTC 25/1/2012

Anexo 7 CTC 25/1/2012 Anexo7 CTC25/1/2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE LISBOA Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Educação de Lisboa

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

PRÉ-CANDIDATURAS E SELEÇÃO DOS CANDIDATOS... 2 CANDIDATURAS... 5 PREPARAÇÃO DA MOBILIDADE... 8 DURANTE O PERIODO DE MOBILIDADE...

PRÉ-CANDIDATURAS E SELEÇÃO DOS CANDIDATOS... 2 CANDIDATURAS... 5 PREPARAÇÃO DA MOBILIDADE... 8 DURANTE O PERIODO DE MOBILIDADE... Índice PRÉ-CANDIDATURAS E SELEÇÃO DOS CANDIDATOS... 2 CANDIDATURAS... 5 PREPARAÇÃO DA MOBILIDADE... 8 DURANTE O PERIODO DE MOBILIDADE... 12 Gabinete de Mobilidade ICBAS - 2013 Página 1 PRÉ-CANDIDATURAS

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO Preâmbulo Considerando o Decreto-Lei n.º 216/92 de 13 de Outubro; Considerando o Decreto-Lei n.º 16/94 de 22 de Janeiro; Considerando o Decreto-Lei n.º 42/2005

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS INDICE PREÂMBULO... 2 ARTIGO 1 - (Âmbito)... 2 ARTIGO 2 (Natureza)... 2 ARTIGO 3 (Gestão das atividades de pós-gradução)...

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014 Reitoria despacho RT-55/2014 A Universidade do Minho tem vindo a atrair um número crescente de estudantes estrangeiros, que hoje representam um importante contingente da sua comunidade estudantil. Com

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais