AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA"

Transcrição

1 AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA Prof. Fabricia SENSORES DE PRESENÇA Sensores de Presença; Sensores e Posição; Sensores Ópticos; Sensores de Velocidade. Sensores Industriais Sensores Ópticos; Sensores de Presença Sensor óptico por retrorreflexão; Sensor óptico por transmissão; Sensor óptico por reflexão difusa; Sensor infravermelho ativo; Sensor infravermelho passivo; Sensor janela de luz; Barreira ultrassônica. Sensores Ópticos Ø Componentes eletrônicos de sinalização e comando que detectam qualquer material sem contato mecânico; Ø o princípio de funcionamento baseia-se na existência de um emissor e um receptor; Sensores de Presença Sensores Ópticos O sinal de luz gerado pelo emissor do sensor óptico é modulado em uma determinada freqüência e o receptor de sinal do sensor é acoplado a um filtro que só considera sinais da mesma freqüência do emissor. Ø A luz do emissor deve atingir o receptor com intensidade suficiente para fazer com que o sensor comute na saída; 1

2 Sensores Ópticos Ø Oscilador: gera o sinal elétrico modulado e envia ao emissor; Ø Emissor: transforma o sinal do oscilador em um feixe de luz pulsante; Ø Receptor: converte o sinal de luz pulsante em sinal elétrico modulado; Ø Pré-amplificador: amplifica o sinal do receptor para níveis compatíveis com circuito eletrônico do sensor; Sensores de Presença Sensores ópticos Ø Discriminador: compara o nível do sinal recebido do analisador da freqüência com níveis preestabelecidos; Ø Estágio de saída: recebe o sinal do discriminador e comuta a carga; Ø LED: indicador de estado, sendo acionado pelo discriminador; Ø Fonte de alimentação: a alimentação do circuito sensor é feito por um regulador interno. Sensores ópticos Aplicações: Contagem e posicionamento de objetos Sensores Ópticos Aplicações: Contagem e posicionamento de objetos Sensores ópticos por retrorreflexão Sensores ópticos por retrorreflexão Ø O emissor e o receptor estão montados juntos; Ø O feixe de luz é estabelecido entre o emissor e o receptor por intermédio do refletor; Ø O sensor é ativado quando o objeto interrompe o feixe de luz. Ø Objetos transparentes, claro ou brilhantes podem não são detectados por esse tipo de sensor; Ø A distância de acionamento é dependente das características do refletor; Ø Uma falha no emissor pode ser interpretada como se um objeto estivesse presente. 2

3 Sensores ópticos por transmissão Emissor e receptor montados em dispositivos separados; Quando alinhados criam uma barreira de luz; A presença de um objeto interrompendo essa barreira faz com que o sensor seja ativado. Sensores ópticos por reflexão difusa Emissor e receptor montados no mesmo dispositivo; A luz enviada pelo emissor cria uma região ativa; A presença de um objeto faz com que essa luz seja refletida de forma difusa, de volta ao receptor, ativando o sensor. Sensor infravermelho ativo Sensor infravermelho passivo Esses sensor tem o mesmo princípio de funcionamento dos sensores ópticos do tipo barreira, porém usados em outro tipo de aplicação (alarmes, sistema de controle de intrusão); Podem ser do tipo retrorreflexivos utilizados em instalações prediais; Apenas um receptor infravermelho com ajuste de sensibilidade; Utilizado em alarmes de intrusão. Podem do tipo transmissão (transmissor e receptor) utilizados em aplicações como alarmes, iluminação automática e portas de garagens. Janela de luz Funciona da mesma forma que o sensor infravermelho ativo; Barreira Ultrassônica Sinais ultrassônicos são como ondas de som audíveis, porém com frequências muito mais altas; Possuem desde 4 até 24 feixes de luz entre os elementos; sensores São usados em sistema de segurança de máquinas industriais; Podem ser usados na detecção de pessoas nos elevadores (sistema antifechamento de portas) Possuem cristais piezelétricos que ressonam a uma frequência desejada e convertem energia elétrica em energia acústica e vice-versa; As ondas sonoras são transmitidas e refletidas na forma de um cone de um objeto para o transdutor. 3

4 Barreira Ultrassônica Podem detectar objetos de diversos formatos; Sensor de Posição Eles não são percebidos como acontece nos sistemas de luz; Na reflexão (em objetos) não formam nenhum padrão visível; A distância máxima entre receptor e transmissor é na ordem de 15m, variando de acordo com as condições do ambiente; Sensores de proximidade indutivos; Sensores de proximidade capacitivos; Sensores de proximidade magnéticos; Encoders. Utilizado para: detecção de pessoas, medidas de diâmetros de rolos. Sensores Indutivos São sensores de proximidade sem contato que utilizam um campo de frequência de rádio com um oscilador e uma bobina; A presença do objeto altera o campo e o circuito eletrônico detecta essa alteração. Precauções: Sensores indutivos ü Quando o sensor for instalado em um painel metálico ou ao instalar duas ou mais unidades do mesmo sensor frente a frente ou lado a lado é necessário deixar uma distância mínima. Características Gerais: Sensores indutivos ü Não possuem peças móveis e atuam sem contato físico; ü São totalmente vedados, tornando possível o uso em água, óleos, poeira etc; ü Têm grande precisão na repetição ponto de comutação (repetibilidade); ü Substituem com vantagens as chaves fim de curso e microchaves. Sensores indutivos Aplicações - detectores de proximidade: ü Controle de presença ou ausência, fim de curso; ü Detecção de passagem, de posicionamento; ü Contagem de peças. Aplicações recomendações de uso: ü Em condições ambientais severas, presença de poeira, óleo de corte, agentes químicos, umidade, vapores, choques e vibrações; ü Peças de pequenas dimensões; ü Automatismo estático. 4

5 Sensores Capacitivos São projetados para operar através de um campo eletrostático e detectando as alterações nesse campo quando algo se aproxima da face ativa; Quando o alvo se aproxima ele aumenta capacitância atinge determinado valor o sensor comuta de aberto para fechado. Sensores Capacitivos Blindados: usados quando os objetos difíceis de detectar por possuírem campo eletrostático muito concentrado, no entanto está sujeito comutações falsas se houver acumulo de resíduos na face ativa do sensor; Não Blindados: usado com objetos fáceis de detectar e pode ser instalado em locais que apresentam condições adversas de poeira, umidade e temperatura. Sensores Capacitivos Utilizado para detectar metais, plásticos, madeira, papelão entre outros; Aplicações: controle do nível de silo, contagem de caixas. Encoders Dispositivos que convertem um deslocamento linear ou angular em um trem de pulsos, e ainda podem ser interpretados como um byte; Divididos em dois tipos: ü Incremental: indicam o deslocamento somente em relação a um ponto inicial de referência; ü Absoluto: medem o deslocamento em relação a um ponto de referência interno do dispositivo. Encoders Encoders Aplicações : ü Controle numérico; ü Controle numérico de máquinas operatrizes ü Impressoras e Plotters X-Y; ü Controle de posição de disco de computadores; ü Controle de posições de radares. 5

6 LDR (Light Dependent Resistor) O LDR possui a interessante característica de ser um componente eletrônico cuja resistência elétrica diminui quando sobre ele incide energia luminosa. Isto possibilita a utilização deste componente para desenvolver um sensor que é ativado (ou desativado) quando sobre ele incidir energia luminosa. LDR (Light Dependent Resistor) A resistência do LDR varia de forma inversamente proporcional à quantidade de luz incidente sobre ele, isto é, enquanto o feixe de luz estiver incidindo, o LDR oferece uma resistência muito baixa. Quando este feixe é cortado, sua resistência aumenta. Aplicações: ü medidores de luz; ü detetores de incêndio ou de fumo; ü controladores de iluminação. Fotodiodo O fotodiodo é um diodo de junção construído de forma especial, de modo a possibilitar a utilização da luz como fator determinante no controle da corrente elétrica. É u dispositivo de junção pn semicondutor cuja região de operação é limitada pela região de polarização reversa e caracteriza-se por ser sensível à luz. Aplicações: Fotodiodo ü o foco automático de filmadora, ü na unidade ótica do CD Player e em sistema contador de pulso; ü rede de iluminação pública como sensor crepuscular; ü Temperatura; ü Vazão. Introdução SENSORES DE TEMPERATURA Quando Galileu inventou o primeiro termômetro no Séc. XVII eles eram utilizados para fins médicos e meteorológicos; Eram tubos de vidro abertos em um dos lados parcialmente preenchidos com ar e completados com água; 6

7 Introdução Somente cerca de 50 anos depois surgiram os primeiros termômetros de vidro com líquidos fechados desenvolvidos por Leopoldo, Cardinal dei Medici. Conhecidos como termômetros fiorentinos eram graduados entre 50, 100 e 300 graus; Em meados do Século XVIII o termômetro de mercúrio era o mais usado pela sua expansão uniforme. Termômetros de expansão de líquidos em bulbos de vidro São os termômetros de álcool ou mercúrio; O álcool tem a vantagem de ter um coeficiente de expansão maior que o mercúrio mas tem o limite de temperatura mais baixo; Esses termômetros baseiam-se no coeficiente de dilatação térmica Podem ser o tipo: imersão parcial (apenas parte do instrumento entra em contado) ou total (todo instrumento entra em contato). Termômetros de expansão de líquidos em bulbos de vidro Termômetros de imersão parcial Os termômetros do tipo imersão parcial está sujeito a erros maiores devido a diferença entre uma das partes do corpo do instrumento; A precisão desse tipo de instrumento é maior que 1º C. Termômetros Bimetálicos Constituem-se de duas tiras de metal com coeficientes de dilatação térmica diferente, fortemente fixadas; Quando a temperatura aumenta as tiras de metal começam a expandir e uma vai expandir mais que a outra resultando em uma deformação do conjunto; Utilizado para chavear um circuito ou para indicar uma determinada temperatura em uma escala; Usados em termostatos e em alguns disjuntores. Termômetros Bimetálicos 7

8 Termômetros Manométricos Utilizam a variação de pressão obtida pela expansão de algum gás ou vapor como meio físico para relacionar temperatura; Termômetros de mercúrio cobrem a faixa de -38 C a 590 C; Termômetro manométricos preenchidos com gás cobrem a faixa de -240 C a 645 C Sensores de Temperatura Os sensores de temperaturas são os mais utilizados em indústrias, veículos, eletrodomésticos e instalações prediais. Sensores de Temperatura -Termistores Resistores termicamente sensíveis.; São semicondutores eletrônicos que a resistência elétrica varia com a temperatura; Sensores de Temperatura -Termistores Existem duas variedades básicas de termissores: ü os de coeficiente positivo de temperatura (PTC) resistência aumenta com a temperatura; ü Os de coeficiente negativo de temperatura (NTC) resistência reduz com aumento de temperatura. Usados nas indústrias para detecção automática, medição e controle de energia física; Sensíveis a pequenas variações de temperatura. Sensores de Temperatura -Termistores Aplicações termissores: ü Química: regulação de nível de líquidos; ü Física: medição de vazão de gases e líquidos e radiometria; ü Medicina: termômetros; ü Regulação de temperatura: congelador, forno elétrico, sistema de ar condicionado e sistemas de aquecimento. ü Veículos: medição da temperatura da água e óleo; ü Projetos elétricos: compensação de variação de temperatura e medição de potência; ü Sistema de detecção e alarmes contra incêndio. Sensores de Temperatura Termistores NTC Mais usual para medições de temperatura; Não é muito usado em aplicações industriais; É um dos sensores de temperatura que fornecem a maior variação na saída por variação de temperatura, mas a relação não é linear; São elementos cuja resistência decresce com o aumento da temperatura. 8

9 Sensores de Temperatura Termistores PTC São resistores que apresentam um coeficiente térmico positivo, isto é, sua resistência aumenta com a temperatura; O coeficiente de temperatura do PTC é positivo apenas dentro de uma certa faixa de temperatura, fora dessa faixa o coeficiente é negativo ou nulo. Um termopar funciona medindo a diferença de potencial causada por fios diferentes. Isso pode ser usado para medir diretamente a diferença de temperaturas ou para medir uma temperatura absoluta, colocando uma junção a temperatura conhecida; Existem oito tipos se termoelementos: S, R, B, J, K, N, T e E; Após a descoberta do circuito termoelétrico, muitas combinações de elementos foram estudas. TERMOPARES T: ü Composição : Cobre(+) / Cobre Níquel(-) ü Faixa de utilização: -200 a 350 C ü Podem ser utilizados em atmosfera oxidantes, redutoras, inertes e no vácuo. ü Adequados para medições abaixo de zero grau; ü Apresentam boa precisão na sua faixa de utilização. TERMOPARES J: ü Composição : Cobre(+) / Cobre Níquel(-) ü Faixa de utilização: -40 a 750 C ü Podem ser utilizados em atmosfera oxidantes, redutoras, inertes e no vácuo e não devem ser usados em atmosfera sulfurosas; ü Não adequados para medições abaixo de zero grau; ü Baixo custo. TERMOPARES E: ü Composição : Cromo(+) / Cobre Níquel(-) ü Faixa de utilização: -200 a 900 C ü Podem ser utilizados em atmosfera oxidantes e inertes; ü Em ambientes redutores ou vácuo perdem suas características termoelétricas; ü Adequados para medições abaixo de zero grau; TERMOPARES K: ü Composição : Cromo(+) / Níquel - Alumínio(-) ü Faixa de utilização: -200 a 900 C ü Podem ser utilizados em atmosfera oxidantes e inertes; ü Ocasionalmente podem ser usados abaixo de zero grau; ü Não devem ser utilizados em atmosferas redutoras e sulfurosas; ü Seu uso no vácuo é por curto período de tempo. TERMOPARES S-R: ü Composição : S 90% Platina -10% Ródio(+) / Platina(-) R 87% Platina -13% Ródio(+) / Platina(-) ü Faixa de utilização: 0 a 1600 C ü Podem ser utilizados em atmosfera oxidantes e inertes; ü Não adequados para medições abaixo de zero grau em ambientes redutores ou vácuo ou atmosferas com vapores metálicos; ü Apresentam boa precisão em temperaturas elevadas. TERMOPARES B: ü Composição : 70% Platina -30% Ródio(+) 94% Platina -06% Ródio(+) ü Faixa de utilização: 600 a 1700 C ü Podem ser utilizados em atmosfera oxidantes e inertes; ü Não adequados para medições abaixo de zero grau em ambientes redutores ou atmosferas com vapores metálicos; ü Mais adequados para altas temperaturas do que os tipo S/R. TERMOPARES N: ü Composição : Níquel Cromo-Silício(+)/Níquel-Silício(-) ü Faixa de utilização: -200 a 1200 C ü Excelente resistência à oxidação até 1200 C. ü Apresentam maior estabilidade. 9

10 Limite de erros dos termopares: ü O erro pode ser representado em graus Celsius ou em porcentagem da temperatura medida. Termopares com isolação mineral: ü O termopar com isolação mineral é composto por um ou dois pares de fios isolados da bainha metálica por um pó isolante de óxido de magnésio altamente compactado; ü Devido essa construção eles ficam totalmente isolados do meio, resultando em maior vida útil; ü Os termopares com isolação mineral são disponíveis com diversos tipos de carga metálica para garantir sua integridade em qualquer ambiente corrosivo. Sensores de Temperatura Termopares Termopar com junção exposta ü Neste caso a junção quente fica exposta na ponta do sensor; ü Proporciona o tempo de resposta extremamente pequeno e grande sensibilidade a pequenas alterações de temperatura; ü Drástica redução de vida útil, especialmente em ambientes agressivos. Termopar com junção aterrada ü Neste caso a junção é soldada junto com a bainha; ü Proporciona tempo de resposta intermediário entre a junção exposta e a isolada; ü Suscetível a ruídos. Termopar com junção isolada ü Neste caso a junção é isolada e interna; ü Proporciona boa proteção e imunidade a ruídos; ü Tempo de resposta maior quando comparado com os anteriores Termoelementos ou Termopares Montagem de Termopares -Termopar com Isolação Mineral Cabos de extensão: Na maioria das aplicações industriais de medição de temperatura por meio de termopares o elemento sensor não se encontra junto com o instrumento receptor. Por esse motivo torna-se necessário que o instrumento seja ligado ao termopar por fios. Cabos e fios de extensão: ü São condutores fabricados com as mesmas ligas de fios dos termopares; ü Apesar de serem dos mesmos materiais apresentam um custo menor devido as limitações temperatura às quais podem ser submetidos; Cabos e fios de compensação: ü São condutores fabricados com ligas diferentes de fios dos termopares; ü São usados em termopares do tipo S e R. Sensores de Temperatura Termoresistência RTD São sensores de temperatura cujo princípio de funcionamento baseia-se na variação da resistência elétrica do elemento condutor em função da temperatura; São sensores de temperaturas muito utilizados na indústria por suas condições de estabilidade mecânica e térmica, resistência à contaminação, baixo índice de desvio pelo envelhecimento e tempo de uso, além de possuir uma larga faixa de trabalho e permitir ligações a longa distância; Os mais usados são: Pt-100; Pt-1000, Ni-100 e Ni

11 Sensores de Temperatura Termoresistência Termoresistência de platina (Pt-100): ü A termoresistência de platina é a mais usada industrialmente devido à grande estabilidade e precisão; ü Faixa de trabalho: Classe A (-200 a 650 C) e Classe B (-200 a 850 C a mais usada) Sensores de Temperatura Termoresistência X Termopar Vantagens do Pt-100 ü Possui maior precisão dentro da faixa de utilização; ü Possui melhor estabilidade e repetibilidade quando comparado com os termopares; ü Quando ligados corretamente não existe limite de distância; ü Dispensa o uso de cabos de extensão e compensação para ligação, sendo necessário somente fios comuns; ü Se adequadamente protegido, permite a utilização em qualquer ambiente; ü Curva de resistência x temperatura mais linear; ü Menos influenciados por ruídos elétricos. Sensores de Temperatura Termoresistência X Termopar Desvantagens do Pt-100 ü É mais caro que os demais sensores; ü Range de temperatura menor do que os termopares; ü Deteriora-se com maior facilidade quando ultrapassa a temperatura máxima de utilização; ü É necessário que todo o corpo do bulbo esteja com a temperatura estabilizada para a correta indicação; ü Possui um tempo de resposta mais alto que dos termopares; ü Mais frágil mecanicamente; ü Ele se autoaquece, exigindo instrumentação sofisticada. Referências Bibliográficas BALBINOT, A., BRUSAMARELLO, V. J., "Instrumentação e Fundamentos de Medidas", Volume 1, 2a Edição, LTC, Rio de Janeiro, 2011; BALBINOT, A., BRUSAMARELLO, V. J., "Instrumentação e Fundamentos de Medidas", Volume 2, 2a Edição, LTC, Rio de Janeiro,

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA Prof. Fabricia SENSORES DE PRESENÇA Sensores de Presença; Sensores e Posição; Sensores Ópticos; Sensores de Velocidade. Sensores Industriais Sensores Ópticos;

Leia mais

TM362 - Sistemas de Medição 2. Prof. Alessandro Marques.

TM362 - Sistemas de Medição 2. Prof. Alessandro Marques. TM362 - Sistemas de Medição 2 Prof. Alessandro Marques www.metrologia.ufpr.br Medição de temperatura SM 2 Termômetro O primeiro termômetro foi inventado por Galileu no início do século XVII. densidade

Leia mais

Temperatura. Termometria INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Escalas termométricas. Conceitos importantes. Relação entre as escalas 2/6/2011

Temperatura. Termometria INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Escalas termométricas. Conceitos importantes. Relação entre as escalas 2/6/2011 Termometria INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Professor Miguel Neto Temperatura É a ciência que estuda e desenvolve os instrumentos de medidas de temperatura. Está divida em: Pirometria: Medição de altas temperaturas,

Leia mais

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Sensores de Proximidade Digitais. Cedtec 2007/2

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Sensores de Proximidade Digitais. Cedtec 2007/2 CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO Sensores de Proximidade Digitais Cedtec 2007/2 Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível SENSORES EM GERAL De maneira geral, sensor é a parte do sistema de medidas que responde

Leia mais

Sensores de temperatura: efeitos mecânicos; termoresistências: RTDs, Termistores e Termopares; semicondutores

Sensores de temperatura: efeitos mecânicos; termoresistências: RTDs, Termistores e Termopares; semicondutores Sensores de temperatura: efeitos mecânicos; termoresistências: RTDs, Termistores e Termopares; semicondutores Prof. Osvaldo Ishizava Fatec Catanduva 2013 Efeitos Mecânicos Termômetros de expansão de líquidos

Leia mais

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC)

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC) As termoresistências, ou termómetros de resistência, são sensores de alta precisão e excelente repetibilidade de leitura. O seu funcionamento baseia-se na variação da resistência eléctrica de modo proporcional

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle

Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle Cadeia de comando Sensores, botoeiras, fim de curso de came ou rolete, barreiras pneumáticas ou fotoelétricas, pedais Motores, cilindros, atuadores Elementos de sinais Elementos de Trabalho Válvulas, contatores

Leia mais

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Instrumentação Eletroeletrônica Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Transdutores Instrumentação Eletroeletrônica 2 Processo Instrumentação Eletroeletrônica 3 Transdutores x Sensores SENSOR: é um elemento

Leia mais

Projeto de Automação I

Projeto de Automação I Projeto de Automação I 14/06/2010 Paulo Oshiro 1 SISTEMAS AUTOMATIZADOS Evolução da Eletrônica; Substituição da tomada de decisão; Controles e auto-correções através de sensoriamento e ações similares

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores

Fundamentos de Automação. Sensores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques TM247 - Sistemas de Medição Prof. Alessandro Marques amarques@ufpr.br www.metrologia.ufpr.br Circuitos e medições elétricas Elementos elétricos Resistividade e resistência elétrica Em um material homogêneo

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos Conceitos Básicos Sensores Industriais Elaine K. Meyer Mestrado profissional em Engenharia Elétrica Atuadores Sensores Analógicos Digitais Transdutor Conversores A/D e D/A Transmissor Características importantes

Leia mais

Instrumentos Aeronauticos. Parte II

Instrumentos Aeronauticos. Parte II Instrumentos Aeronauticos Parte II Indicador de ângulo de ataque Alarme AOA Medidor de AOA Medidor de AOA Medidor de AOA Circuito Pontas de prova Termômetros Mecânicos dilatação linear Eletrônicos termo

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Supressão de Zero Supressão de Zero Medição por pressão hidrostática em tanques fechados e pressurizados Medição por pressão hidrostática

Leia mais

TM362 - Sistemas de Medição 2. Prof. Alessandro Marques.

TM362 - Sistemas de Medição 2. Prof. Alessandro Marques. TM362 - Sistemas de Medição 2 Prof. Alessandro Marques www.metrologia.ufpr.br Sensores self-generating ou sensores ativos! Exemplos: Piezoelétricos; Termopares; Piroelétricos; Fotovoltaicos ; Eletroquímicos.

Leia mais

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica TE149 Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica Sinais elétricos Mundo Mundo Real Real Grandezas Físicas Físicas Sensor Atuador Condicionamento e Processamento

Leia mais

Posição x Deslocamento

Posição x Deslocamento 1 SENSORES Parte 5 Prof. Dr.-Ing. Fernando A.N. Castro Pinto Curso de Pós Graduação em Mecatrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro Depto/Programa LAVI Engenharia Mecânica Lab. Acústica & Vibrações

Leia mais

CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas

CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas Dispositivos e Equipamentos Prof. Ms. Andouglas Gonçalves da Silva Júnior andouglasjr@gmail.com Controle a relés eletromagnéticos Um relé elétrico é uma

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo Aula 3 Instrumentos de Pressão Prof. Gerônimo Instrumentos para medir Pressão As variáveis mais encontradas nas plantas de processos são: pressão, temperatura, vazão e nível. Estudando instrumentos de

Leia mais

Imprimir

Imprimir 1 de 14 28/02/2011 16:13 Imprimir PRODUTOS / Sensores 24/05/2010 10:27:02 O mundo dos Sensores - Parte II Veja na segunda parte deste artigo a abordagem dos principais sensores utilizados na indústria,

Leia mais

Métodos de Transferência de Calor

Métodos de Transferência de Calor Sensores de Temperatura A medição de temperatura requer essencialmente a transferência de uma certa quantidade de energia térmica do objecto para o sensor, que este converte num sinal eléctrico cujas características

Leia mais

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques TM247 - Sistemas de Medição Prof. Alessandro Marques amarques@ufpr.br www.metrologia.ufpr.br Medição de Temperatura Termômetro O primeiro termômetro foi inventado por Galileu no início do século XVII.

Leia mais

Medição de Nível. Sistema típico

Medição de Nível. Sistema típico Medição de Nível Nível pode ser definido como a altura de preenchimento de um líquido ou de algum tipo de material em um reservatório ou recipiente. A medição normalmente é realizada do fundo do recipiente

Leia mais

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Apresentação. Superfície Sensora. Dados Técnicos. Distância Sensora (S) Princípio de Funcionamento

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Apresentação. Superfície Sensora. Dados Técnicos. Distância Sensora (S) Princípio de Funcionamento Apresentação O HPS 850 é um dispositivo utilizado para detecção de campos magnéticos. Utiliza um transistor de efeito hall como elemento sensor que lhe confere um alto grau de robustez e vida útil, uma

Leia mais

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Soldagem Tipos de Soldagem Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado

Leia mais

Os transmissores de pressão podem usar sinais pneumáticos (3-15 psig), electrónicos (4-20mA) ou ainda electrónicos digitais.

Os transmissores de pressão podem usar sinais pneumáticos (3-15 psig), electrónicos (4-20mA) ou ainda electrónicos digitais. Há séculos que se conhecem métodos mecânicos de medição de pressão. Os manómetros de tubo em U, foram os primeiros indicadores de temperatura. Originalmente, estes tubos eram feitos de vidro e as escalas

Leia mais

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Superfície Sensora. Princípio de Funcionamento

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Superfície Sensora. Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Os sensores magnéticos foram idealizados para detectar campo magnético, gerado por um ímã permanente ou outro dispositivo qualquer gerador de campo magnético (Ex: eletroímã).

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Profª Elisabete N Moraes

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Profª Elisabete N Moraes UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Profª Elisabete N Moraes AULA 12 TIPOS DE DIODOS E SENSORES Curitiba, 23 de setembro de 2016.

Leia mais

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque Componentes eletrónicos Motherboard de um computador e respetivos componentes eletrónicos Alguns componentes eletrónicos Características dos díodos de silício São o tipo mais simples de componente eletrónico

Leia mais

Arduino Lab 06 Leitura de um sensor de temperatura do tipo NTC com o Arduino

Arduino Lab 06 Leitura de um sensor de temperatura do tipo NTC com o Arduino Arduino Lab 06 Leitura de um sensor de temperatura do tipo NTC com o Arduino Imagem montagem Resumo Neste Lab trataremos da leitura de temperatura utilizando um sensor do tipo NTC (Negative Temperature

Leia mais

Convecção natural. É o termo usado quando o movimento do fluido se dá devido às diferenças de densidade em um campo gravitacional.

Convecção natural. É o termo usado quando o movimento do fluido se dá devido às diferenças de densidade em um campo gravitacional. CAPÍTULO 6 - SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO INTRODUÇÃO O Sistema de Refrigeração tem por objetivo impedir que os elementos mecânicos do motor atinjam uma temperatura muito elevada ao contato com os gases da combustão.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL APLICADA À INDÚSTRIA DE PETRÓLEO

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL APLICADA À INDÚSTRIA DE PETRÓLEO INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL APLICADA À INDÚSTRIA DE PETRÓLEO Professor Valner Brusamarello - UFRGS Encontro V Temas abordados no curso Encontro I Introdução e definições gerais Incertezas em medições Encontro

Leia mais

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP VRP9-01 pressão de trab. 07bar WWW.ARFUSION.COM.BR Resfriador de painel VORTEX Os Resfriadores com Ar Comprimido - Vortex são destinados à aplicações especiais

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO

ESTUDO DIRIGIDO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE CAMPUS GARANHUNS CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM ELETROELETRÔNICA Disciplina: Instrumentação Industrial UNIDADE 2 Período Letivo: 2012.2

Leia mais

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 ELETROPNEUMÁTICA ELETROPNEUMÁTICA 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 4 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner

Leia mais

Detectores fotoeléctricos

Detectores fotoeléctricos Detectores fotoeléctricos Detectores fotoeléctricos Os detectores são equipamentos eléctricos que são utilizados para detectar os mais diversos tipos de objectos, nas mais diversas aplicações, quer industriais,

Leia mais

Relação Conceitual dos Medidores de Temperatura

Relação Conceitual dos Medidores de Temperatura ensão (Termopar) / Resistência (RTD ou Termistor) Lista 3 Sistemas de Instrumentação e Controle 1) Em relação a função de transferência resistência X temperatura em um RTD, resistência X temperatura em

Leia mais

Transdutores de Deslocamento

Transdutores de Deslocamento Transdutores de Deslocamento Potenciômetros são formados por um material condutor resistivo depositado em superfície isolante, com contatos fixos nas duas extremidades e um contato móvel (cursor) que se

Leia mais

AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES

AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES 1. Cadeia de comando 2 Sensores, botoeiras, fim de curso de came ou rolete, barreiras pneumáticas ou fotoelétricas, pedais

Leia mais

MATERIAIS USADOS EM DISJUNTORES DE ALTA E BAIXA TENSÃO, INCLUSIVE CHAVES ESTÁTICAS

MATERIAIS USADOS EM DISJUNTORES DE ALTA E BAIXA TENSÃO, INCLUSIVE CHAVES ESTÁTICAS MATERIAIS USADOS EM DISJUNTORES DE ALTA E BAIXA TENSÃO, INCLUSIVE CHAVES ESTÁTICAS Disjuntor de baixa tensão Disparo térmico (1): lâmina bimetálica de diferentes coeficientes de dilatação. Ex: Níquel e

Leia mais

Sensores Indutivos. Princípio de Funcionamento (ferromagnéticos)

Sensores Indutivos. Princípio de Funcionamento (ferromagnéticos) Sumário Introdução... 3 Sensores Indutivos... 4 Princípios de Funcionamento (ferromagnético)... 4 Princípios de Funcionamento (não ferromagnético)... 5 Distância Sensora e Histerese... 5 Alcance dos Sensores

Leia mais

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I AULA 01 Sensores - I 1 Programa Princípios de medição de grandezas físicas Instrumentos indicadores eletromecânicos Transdutores de instrumentação de sistemas de medições Circuitos de instrumentação: medições

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE DENSIDADE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE DENSIDADE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE DENSIDADE Introdução A medição da densidade de líquidos fornece uma informação valiosa para a determinação da concentração ou da composição de uma solução.

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS.

ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS. ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS. Abrangência: indústria de processamento eletrônico de dados, inclusive de produtos fabricados de acordo com

Leia mais

MATERIAIS UTILIZADOS EM FUSÍVEIS. Anderson V. Silva Rodrigo A. Aguiar 541

MATERIAIS UTILIZADOS EM FUSÍVEIS. Anderson V. Silva Rodrigo A. Aguiar 541 MATERIAIS UTILIZADOS EM FUSÍVEIS Anderson V. Silva Rodrigo A. Aguiar 541 ÍNDICE O que são fusíveis Partes Como funcionam Tipos Materiais dos Condutores - Propriedades Materiais dos Isolantes - Propriedades

Leia mais

Válvulas de Controle 25/11/20122

Válvulas de Controle 25/11/20122 25/11/2012 1 2012 25/11/20122 2 Tipos de Válvulas Os tipos de válvulas classificam-se em função dos respectivos tipos de corpos, e portanto, quando estivermos falando de tipos de válvulas deve-se subentender

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

Tutorial: Componentes passivos.

Tutorial: Componentes passivos. Tutorial: Componentes passivos. Autor: Samuel Cerqueira Pinto T-16 Data: 24/02/2013 Componentes Passivos Componentes passivos são os componentes eletrônicos que não possuem a capacidade de amplificar um

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS Prof. Fabricia Neres Tipos de Acionamento Os acionadores são dispositivos responsáveis pelo movimento nos atuadores. Podem ser classificados em: Acionamento Elétrico; Acionamento

Leia mais

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. Aplica-se ao Departamento de Gestão Técnica Comercial, fabricantes e fornecedores da empresa. 3.

1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. Aplica-se ao Departamento de Gestão Técnica Comercial, fabricantes e fornecedores da empresa. 3. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0016 MEDIDOR ELETRÔNICO MULTIFUNÇÃO PARA MEDIÇÃO INDIRETA PARA CLIENTES DO GRUPO B 1/9 1. FINALIDADE Estabelecer

Leia mais

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica 30(200)A.

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica 30(200)A. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0006 MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA 30(200)A 1/8 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos a serem

Leia mais

A configuração helicoidal, que se pode observar na figura seguinte, é bastante usada em termómetro com este tipo de funcionamento.

A configuração helicoidal, que se pode observar na figura seguinte, é bastante usada em termómetro com este tipo de funcionamento. Os termómetros bimetálicos pertencem ao conjunto de sensores ou elementos primários, instrumentos que estão em contacto com as unidades processuais e que integram um anel de controlo. São constituídos

Leia mais

Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros

Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Sensores Digitais - Óticos e Ultra-sônicos Sensores Óticos Os sensores óticos utilizam algum tipo de luz para detectar a presença (ou ausência) ou passagem de objetos.

Leia mais

Medidor de vazão Tipo Roda d água Série SPX

Medidor de vazão Tipo Roda d água Série SPX Medidor de vazão Tipo Roda d água Série SPX MANUAL DE INSTRUÇÕES E INSTALAÇÃO ÍNDICE. Características Gerais pag. 0. Princípios de Funcionamento pag. 0. Características Técnicas pag. 0 4. Módulos Eletrônicos

Leia mais

Comunicações de Rádio

Comunicações de Rádio Comunicações de Radio EFA Comunicações de Rádio AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL EFA SOCIEDADE, TECNOLOGIA E CIÊNCIA HELENA OLIVEIRA Página 1 Índice Comunicações de Rádio... 1 Introdução...

Leia mais

Indicador de Posições TD100

Indicador de Posições TD100 1. Introdução Indicador de Posições TD100 http://www.licht-labs.com info@licht-labs.com A indicação da posição de comutadores de derivações em carga de transformadores de força pode ser realizada com instrumentos

Leia mais

Circuitos eléctricos

Circuitos eléctricos Circuitos eléctricos O que é? n Designa-se de circuito eléctrico o caminho por onde a corrente eléctrica passa. n A corrente eléctrica é um movimento orientado de cargas, que se estabelece num circuito

Leia mais

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A

Fonte Bivolt 24 Vdc / 5 A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem uma saída

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES MARCUS V.S. DA SILVA, DENIS. F.G. DAVID, I. M. PEPE, Laboratório de Propriedades Ópticas-

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 7

Prof. Marcelo Cunha Parte 7 Prof. Marcelo Cunha Parte 7 www.marcelomachado.com Cabos Elétricos Coaxiais Pares trançados Ópticos Fibras ópticas Um dos primeiros tipos de cabo a ser utilizado em redes; Características: Núcleo de cobre

Leia mais

VANTAGENS CARACTERISTICAS GERAIS CHAVE DE NÍVEL CAPACITIVA RÁDIO FREQUÊNCIA

VANTAGENS CARACTERISTICAS GERAIS CHAVE DE NÍVEL CAPACITIVA RÁDIO FREQUÊNCIA O dispositivo tem capacidade para medir e controlar o nível mínimo, máximo ou estimar valores intermediários em controle de processos em diversos produtos na fase sólida, pó ou líquida. A haste utilizada

Leia mais

Simbologia e Identificação

Simbologia e Identificação www.iesa.com.br 1 Simbologia e Identificação As normas de instrumentação estabelecem símbolos gráficos e codificações para a identificação alfa-numérica de instrumentos que deverão ser utilizadas nos diagramas

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO KA047 TERMÔMETRO INFRAVERMELHO

MANUAL DE OPERAÇÃO KA047 TERMÔMETRO INFRAVERMELHO MANUAL DE OPERAÇÃO KA047 TERMÔMETRO INFRAVERMELHO Características: Medições Precisas sem contato Ponteiro laser embutido Intervalo de seleção automático e resolução de 0.1º ou 1º Botão de seleção para

Leia mais

Eletricidade Aplicada

Eletricidade Aplicada Eletridade Aplicada Eletricidade Aplicada Aula 21 Fabio L. Tomm fabiotomm@gmail.com Prova 2 23/11 Prova Substitutiva de uma das Provas 30/11 Trabalho de levantamento do seu consumo residencial, do esquema

Leia mais

Fonte Full Range Vac/Vdc 24 Vdc/ 3A

Fonte Full Range Vac/Vdc 24 Vdc/ 3A Descrição do Produto A fonte de alimentação é uma solução para aplicações de uso geral no que se refere a alimentação de controladores programáveis, sensores e comando de quadro elétricos. Tem duas saídas

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Robótica Industrial Aula 5 - Componentes III Sensores Controlador / Eletrônica de Controle Software / Programação IHM Eletrônica de Potência Classificação dos Sensores

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação SE Transdutor ultrassônico para a série de computadores de nível e vazão ITS Cod: 073AA-056-122M Rev. A Março / 2009 S/A Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo

Leia mais

Sensores. Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica. Claudinei de Jesus Donato 10/2013

Sensores. Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica. Claudinei de Jesus Donato 10/2013 Sensores Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica Claudinei de Jesus Donato 10/2013 Conforto 2 Segurança 3 Comodidade, Agilidade... 4 Resultado 5 Meio Ambiente Instinto de sobrevivência: dominar

Leia mais

2 Fundamentos teóricos

2 Fundamentos teóricos 20 2 Fundamentos teóricos 2.1. Motores de passo Motores de passo são atuadores eletromecânicos incrementais não-lineares. Permitir um controle preciso de posição e velocidade, aliado a um baixo custo,

Leia mais

Atuadores e Sistemas Hidráulicos

Atuadores e Sistemas Hidráulicos 1 Atuadores e Sistemas Hidráulicos Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Aula 1 Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos Introdução 2 Hidráulica é o ramo da engenharia

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Aula 7 Medidores de fluxo. Prof. Geronimo

Aula 7 Medidores de fluxo. Prof. Geronimo Aula 7 Medidores de fluxo Prof. Geronimo BOCAL DE VAZÃO O princípio de operação é idêntico ao das placas de orifício, constituindo-se em elemento primário gerador de pressão diferencial; a relação entre

Leia mais

Profs. Nunes - Marcílio - Larissa

Profs. Nunes - Marcílio - Larissa UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos Grupo de Mecânica dos Sólidos e Impacto em Estruturas Sensores e transdutores Profs. Nunes - Marcílio

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações. Professor:

Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações. Professor: Universidade Católica de Petrópolis Centro de Engenharia e Computação Introdução as Telecomunicações Professor: ATIVIDADE 4: Pesquise a respeito de antenas, o que são, quais os princípios básicos de funcionamento

Leia mais

SUMÁRIO BOTOEIRAS... CABO DE INSTRUMENTAÇÃO... CENTRAIS DE ALARME... Convencional - Endereçável DETECTORES DE FUMAÇA... DETECTORES DE TEMPERATURA...

SUMÁRIO BOTOEIRAS... CABO DE INSTRUMENTAÇÃO... CENTRAIS DE ALARME... Convencional - Endereçável DETECTORES DE FUMAÇA... DETECTORES DE TEMPERATURA... SUMÁRIO BOTOEIRAS... 02-07 CABO DE INSTRUMENTAÇÃO... 08 CENTRAIS DE ALARME... Convencional - Endereçável 09-18 DETECTORES DE FUMAÇA... 19-21 DETECTORES DE TEMPERATURA... 22 PLACAS DE SINALIZAÇÃO... 23-24

Leia mais

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Sejam manuais ou automatizadas, operações de corte a plasma emitem radiação e gases que apresentam riscos ao meio ambiente, saúde e segurança dos trabalhadores

Leia mais

Símbolo do diodo emissor de luz LED

Símbolo do diodo emissor de luz LED Diodos Especiais Introdução Com a diversificação dos tipos de materiais e da forma de construção utilizados para o desenvolvimento de componentes semicondutores, foi possível observar a ocorrência de diferentes

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 11. Introdução teórica Aula 11: Fotossensor

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 11. Introdução teórica Aula 11: Fotossensor Introdução teórica Aula 11: Fotossensor Um sensor fotoelétrico ou fotocélula é um dispositivo electrônico que responde à alteração da intensidade da luz. Eles são projetados especialmente para a detecção,

Leia mais

Lâmpada TUBO LED HO Por que a lâmpada tubo led HO Intral têm qualidade superior?

Lâmpada TUBO LED HO Por que a lâmpada tubo led HO Intral têm qualidade superior? Fabricado no Brasil Lâmpada TUBO LED HO Por que a lâmpada tubo led HO Intral têm qualidade superior? As lâmpadas tuboled HO são indicadas para uso profissional, comercial e industrial. Construídas com

Leia mais

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos 107484 Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti

Leia mais

Instrumentação Espacial. Parte I

Instrumentação Espacial. Parte I Instrumentação Espacial Parte I Introdução Magnetômetros (ok) Giroscópios (ok) Acelerômetros (ok) Radar (ok) Telescópios Sensor solar Espectrômetros Atuadores magnéticos (magnetorquer) Rodas de reação

Leia mais

Retificadores Tiristorizados Linha CF

Retificadores Tiristorizados Linha CF Retificadores Tiristorizados Linha CF Conceituada como fabricante de Retificadores Chaveados para Telecomunicações com certificados pela ANATEL a mais de 50 anos, a PROTECO traz ao mercado uma nova linha

Leia mais

TERMOREGULADOR. Esta linha de equipamentos necessitam de uma fonte fria para modular a temperatura. 2

TERMOREGULADOR. Esta linha de equipamentos necessitam de uma fonte fria para modular a temperatura. 2 TERMOREGULADOR Sua variação de controle poder chegar até 0,5ºC, esta precisão se da pelo controle de PID gerido pelo controlador GEFRAN instalado estrategicamente em seu painel frontal e fácil acesso ao

Leia mais

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução Robô segue luz Vanderlei Alves S. da Silva Introdução O mundo da robótica é algo realmente fascinante e podemos encontrar uma série de robôs capazes de fazer coisas incríveis. Alguns bem complexos de serem

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) o SEMESTRE DE 013 Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno Noturno Data : / / Experiência 6 O CAPACITOR

Leia mais

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX

MANUAL DE SERVIÇO. Condicionadores de Ar Split High-Wall. Modelos LX-HX Condicionadores de Ar Split High-Wall Modelos LX-HX Prezado Assistente Técnico, Este documento foi desenvolvido com o objetivo de proporcionar a você, o maior número de informações possíveis, buscando

Leia mais

Efetuadores e Atuadores

Efetuadores e Atuadores elcabral@usp.br 1 PMR2560 Robótica Efetuadores e Atuadores Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br elcabral@usp.br 2 Objetivos Efetuadores: Tipos principais; Exemplos. Atuadores: Requisitos; Tipos principais:

Leia mais

ELT030. 2º Semestre-2016

ELT030. 2º Semestre-2016 ELT030 Instrumentação 2º Semestre-2016 Estrutura típica de um instrumento de medição Em geral, um instrumento de medição possui um elemento sensor ou transdutor, um tratamento de sinais e um elemento de

Leia mais

Funcionamento. Sensores Ultrassônicos

Funcionamento. Sensores Ultrassônicos Os sensores de proximidade ultrassônicos podem ser usados como dispositivos de detecção sem contato em muitas áreas da indústria. Permitem detectar de forma precisa e confiável objetos de materiais, cores,

Leia mais

1 Medição de temperatura

1 Medição de temperatura 1 Medição de temperatura 1.1 Medidores de temperatura por dilatação/expansão 1.1.1 Termômetro à dilatação de líquido Os termômetros à dilatação de líquidos baseiam -se na lei de expansão volumétrica de

Leia mais

Medidor Trifásico SDM630D

Medidor Trifásico SDM630D Medidor Trifásico SDM630D MANUAL DO USUÁRIO Conteúdo 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 3 1.1 PESSOAL QUALIFICADO... 3 1.2 FINALIDADE... 4 1.3 MANUSEIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 2.1 ESPEFICICAÇÕES... 5 3 DIMENSÕES...

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

CAPÍTULO 5 DIODOS ESPECIAIS ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 05

CAPÍTULO 5 DIODOS ESPECIAIS ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 05 CAPÍTULO 5 DIODOS ESPECIAIS Aluno turma ANALÓGICA AULA 05 CAPÍTULO 5 - DIODOS ESPECIAIS Desde o descobrimento da junção semicondutora PN, muitos estudos têm sido realizados com os materiais semicondutores,

Leia mais

TVP. Manual de Instruções. MEDIDOR DE VAZÃO Tipo Deslocamento Positivo TECNOFLUID

TVP. Manual de Instruções. MEDIDOR DE VAZÃO Tipo Deslocamento Positivo TECNOFLUID Português TVP MEDIDOR DE VAZÃO Tipo Deslocamento Positivo Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote o modelo

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz Esquemático Simplificado Instalação residencial 3-Medidor 1-levantamento das potências (cargas) a serem instaladas na residência. NT-001 NT-001 Potência Total instalada

Leia mais

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0015 MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA COM SAÍDA RS485 1/8 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos a

Leia mais