CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR"

Transcrição

1 Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR Aluno: João Fernando Bortoleto Orientador: Antonio Vargas de Oliveira Figueira Departamento de Genética Avenida Pádua Dias, 11 - Caixa Postal 83, CEP: Piracicaba - São Paulo - Brasil Telefone: (0xx19) / 4125 / Fax: (0xx19)

2 SUMÁRIO introdução citologia sinalização genes e proteínas considerações finais

3 INTRODUÇÃO

4 INTRODUÇÃO aspectos gerais Destino Organismos multicelulares Organização Regulação Divisão celular Morte celular programada (PCD) ou apoptose

5 CITOLOGIA

6 CITOLOGIA morte celular em animais Buchnan et al., 2000 Apoptose x Necrose

7 CITOLOGIA morte celular em animais Alberts et al., 2006

8 CITOLOGIA morte celular em animais Wood et al., 2000 Alberts et al., 2006 Tecidos interdigitais Metamorfose em anuros Sistema nervoso Sistema imune

9 CITOLOGIA morte celular em plantas Wood et al., 2000 Alberts et al., 2006 Inflorescência de milho Folha de Monstera deliciosa

10 CITOLOGIA morte celular em plantas Buchanan et al., 2000

11 CITOLOGIA morte celular em plantas Wood et al., 2000 Jones e Dangl, 1996

12 CITOLOGIA morte celular em plantas Lam et al., 2004

13 CITOLOGIA morte celular em plantas Bassham, 2007

14 SINALIZAÇÃO

15 SINALIZAÇÃO generalidades Kuriyama e Fukuda, 2002

16 SINALIZAÇÃO generalidades McCabe et al., 1997 Alberts et al., 2006 Fatores Sobrevivência

17 SINALIZAÇÃO generalidades Fatores Suicídio

18 SINALIZAÇÃO generalidades Quirino et al., 2000 Lam et al., 2001 Cinética Senescência Resposta de hipersensibilidade

19 SINALIZAÇÃO mutantes mímicos Lorrain et al., 2003

20 SINALIZAÇÃO moléculas Lorrain et al., 2003

21 SINALIZAÇÃO moléculas Ácido Salicílico Promove PCD na HR Alta concentração no local de entrada do patógeno Influência de ROS na sua síntese Óxido Nítrico (NO) Induz PCD Existe também em animais

22 SINALIZAÇÃO moléculas Ácido Jasmônico Ferimentos Inibe PCD (stress oxidativo) ou induz PCD (HR) Etileno Senescência Promove PCD por ROS

23 SINALIZAÇÃO moléculas Brassinosteróides PCD na diferenciação de elementos traqueais Ácido Giberélico Promove PCD Ácido Abscísico Inibe PCD

24 SINALIZAÇÃO moléculas transdução de sinal iniciadores aceleradores ativação ou inibição gênica ativação ou inibição gênica ativação ou inibição gênica inibidores morte celular

25 SINALIZAÇÃO membrana plasmática Receptores na membrana plasmática Enzimas envolvidas no metabolismo de ROS percepção e propagação de sinais associadas com canais de membrana funções relacionadas com lipídios

26 SINALIZAÇÃO sinais associados com a membrana Pontier et al., 2002 Bacterioopsina (bo) em tabaco Fenótipo mímico de lesão Perturbação do ph

27 SINALIZAÇÃO sinais associados com a membrana Pontier et al., 2002 Bacterioopsina (bo) em tabaco Homeostase iônica e morte celular

28 SINALIZAÇÃO sinais relacionados com lipídios Meijer e Munnik, 2003 Ativação de enzimas e recrutamento de proteínas

29 SINALIZAÇÃO organelas Plastídios Metabolismo da porfirina Dano foto-oxidativo por acúmulo de intermediários

30 SINALIZAÇÃO organelas Tanaka e Tanaka, 2006

31 SINALIZAÇÃO organelas Tanaka e Tanaka, 2006

32 SINALIZAÇÃO organelas Lam et al., 2001 Mitocôndrias

33 SINALIZAÇÃO organelas Doorn, 2005

34 GENES E PROTEÍNAS

35 GENES E PROTEÍNAS em animais Hengartner, 2000

36 GENES E PROTEÍNAS em animais Hengartner, 2000 Família Bcl-2

37 GENES E PROTEÍNAS em animais Hengartner, 2000 Família Bcl-2

38 GENES E PROTEÍNAS cascatas proteolíticas Procaspases e caspases Sítio ativo: cisteína Clivagem do alvo: ácido aspártico específico Cascata de amplificação Proteínas-chave de PCD

39 GENES E PROTEÍNAS cascatas proteolíticas Hengatner, 2000 Caspases Proteínas adaptadoras Procaspases iniciadoras Mútua ativação Mudança conformacional Ativação Amplificação Caspases efetoras Alvo preferido

40 GENES E PROTEÍNAS cascatas proteolíticas Alberts et al., 2006

41 GENES E PROTEÍNAS em plantas LSD1 Arabidopsis thaliana Supressor da PCD Mutante não consegue restringir PCD Inativa lipases LOL1 (LSD1-like-1) A. thaliana Ativador da PCD Conservado

42 GENES E PROTEÍNAS em plantas MLO Cevada Suprime a PCD Interage com calmodulinas Provavelmente regulada por Ca +2

43 GENES E PROTEÍNAS em plantas Woltering, 2004 Caspase-like proteases (CLPs)

44 GENES animais x plantas Adams et al., 1998 Reguladores centrais conhecidos em animais Ausência dos ortólogos em plantas e leveduras

45 GENES animais x plantas Lacomme e Santa Cruz, 1999 Bax

46 GENES animais x plantas Dickman et al., 2001 Bcl-2, Bcl-xl, CED-9, IAP

47 GENES animais x plantas Lincoln et al., 2002 p53

48 GENES animais x plantas Lam et al., 2001 Inibidores Bax (BI)

49 GENES animais x plantas Bolduc et al., 2003 BI

50 GENES animais x plantas Watanabe e Lam, 2006 BI

51 GENES animais x plantas Kawai-Yamada et al., 2001 Bax e BI

52 CONSIDERAÇÕES FINAIS

53 CONSIDERAÇÕES FINAIS Propósido da PCD Diversidade de tipos celulares Morfologia da PCD Passos especializados Diferentes propósitos Diferentes executores

54 CONSIDERAÇÕES FINAIS Desconhecimento de reguladores centrais em plantas Reguladores alternativos Estratégias similares com moléculas funcionalmente relacionadas Caracterização funcional de genes relacionados a BI-1 Perspectivas no campo de respostas a stresses

55 FIM

Apoptose, ou morte celular programada

Apoptose, ou morte celular programada Apoptose, ou morte celular programada é um processo essencial para a manutenção do desenvolvimento dos seres vivos, sendo importante para eliminar células supérfluas ou defeituosas. As células têm um conjunto

Leia mais

Fatores moleculares da apoptose, necrose e envelhecimento celular. Professor Lucas Brandão

Fatores moleculares da apoptose, necrose e envelhecimento celular. Professor Lucas Brandão Fatores moleculares da apoptose, necrose e envelhecimento celular Professor Lucas Brandão professor@lucasbrandao.org Resumo Pontos Abordados Estímulos celulares (introdução) Morte celular (aspectos moleculares)

Leia mais

Apoptose. Prof. Tiago Collares, Dr. (MSN) ( )

Apoptose. Prof. Tiago Collares, Dr. (MSN) ( ) Apoptose Prof. Tiago Collares, Dr. tiago_collares@hotmail.com (MSN) collares.t@gmail.com (e-mail ) $99.50 $82.74 $31.86 Necessidades de Morte Celular em Organismos Multicelulares - Característica latente;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV CCS006 - BIOLOGIA CELULAR. Sinalização Celular SALVADOR - BA 2016

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV CCS006 - BIOLOGIA CELULAR. Sinalização Celular SALVADOR - BA 2016 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV CCS006 - BIOLOGIA CELULAR Sinalização Celular PROFª POLYANNA CARÔZO DE OLIVEIRA SALVADOR - BA 2016 Introdução Evolução da multicelularidade

Leia mais

Fisiologia celular I. Fisiologia Prof. Msc Brunno Macedo

Fisiologia celular I. Fisiologia Prof. Msc Brunno Macedo celular I celular I Objetivo Conhecer os aspectos relacionados a manutenção da homeostasia e sinalização celular Conteúdo Ambiente interno da célula Os meios de comunicação e sinalização As bases moleculares

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIOS VEGETAIS Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIO VEGETAL COMPOSTO ORGÂNICO, NÃO NUTRIENTE, DE OCORRÊNCIA NATURAL, PRODUZIDO NA PLANTA, O QUAL, EM BAIXAS CONCENTRAÇÕES (10-4 A 10-6 M), PROMOVE,

Leia mais

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases)

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Sinalização celular Importância dos processos de sinalização Seres unicelulares Seres multicelulares Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Receptores Proteínas -

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN 5799 - SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS Controle de Insetos Praga Mediado por RNA de interferência Aluno: Celso Spada

Leia mais

Aspectos gerais da estrutura celular

Aspectos gerais da estrutura celular Ciclo celular Aspectos gerais da estrutura celular A célula é a unidade básica da vida Altamente organizada, dividida em compartimentos As células surgem de outras células préexistentes As células são

Leia mais

COMER OU NÃO COMER? EIS A QUESTÃO! O PAPEL DA AUTOFAGIA A BIOLOGIA TUMORAL

COMER OU NÃO COMER? EIS A QUESTÃO! O PAPEL DA AUTOFAGIA A BIOLOGIA TUMORAL Universidade Federal do Rio Grande do Sul Laboratório de Sinalização e Plasticidade Celular COMER OU NÃO COMER? EIS A QUESTÃO! O PAPEL DA AUTOFAGIA A BIOLOGIA TUMORAL Msc. Eduardo Cremonese Filippi Chiela

Leia mais

Regulação da expressão gênica em Procariotos. John Wiley & Sons, Inc.

Regulação da expressão gênica em Procariotos. John Wiley & Sons, Inc. Regulação da expressão gênica em Procariotos Cada célula tem todos os genes, mas em um tecido apenas parte deles está ativa REGULAÇÃO DA EXPRESSÃO GÊNICA Diferenciação celular: diferentes tipos celulares

Leia mais

Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras

Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras Sinalização celular Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras Etapas da Sinalização 1) Síntese e liberação da molécula sinalizadora pela célula sinalizadora

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

Universidade do Extremo Sul Catarinense Unidade Acadêmica de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - PPGCS.

Universidade do Extremo Sul Catarinense Unidade Acadêmica de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - PPGCS. Universidade do Extremo Sul Catarinense Unidade Acadêmica de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - PPGCS Plano de Ensino Disciplina: Sinalização Celular Professores: Dr. Cláudio

Leia mais

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas Fisiologia Vegetal 2014 DESENVOLVIMENTO VEGETAL 1. Sinais e receptores 1.1. Introdução: sinais, receptores e vias de transdução do sinal 1.2. Mensageiros secundários. 1.3. Vias de transdução do sinal.

Leia mais

Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas. Sinalização Celular

Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas. Sinalização Celular Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Princípios Gerais Estrógenos Produzidos nos folículos ovarianos maduros, controla o aparecimento das características

Leia mais

Morte Celular Programada (Apoptose)

Morte Celular Programada (Apoptose) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR Morte Celular Programada (Apoptose) Profa. Dra. Nívea Macedo APOPTOSE A morte celular desempenha

Leia mais

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ÁCIDO ABSCÍSICO

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ÁCIDO ABSCÍSICO UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: ÁCIDO ABSCÍSICO (UM SINAL PARA A MATURAÇÃO DE SEMENTES E O ANTIESTRESSE) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO

Leia mais

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal:

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Fatores internos de controle LCE SLC0622- Biologia 3 2016 Hormônios Vegetais ou Fitormônios: fatores internos de controle Regulam o desenvolvimento e

Leia mais

ENSINO DE BIOLOGIA CELULAR DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR ICB USP

ENSINO DE BIOLOGIA CELULAR DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR ICB USP ENSINO DE BIOLOGIA CELULAR DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR ICB USP O Departamento ministra disciplinas de Biologia Celular, Biologia Tecidual e Biologia do Desenvolvimento para 14 cursos: Do ICB : Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA. Hormônios. Disciplina: Bioquímica 7 Turma: Medicina

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA. Hormônios. Disciplina: Bioquímica 7 Turma: Medicina UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA Hormônios Disciplina: Bioquímica 7 Turma: Medicina Profa. Dra. Nereide Magalhães Recife, 2004 Interação

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1247-2005 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN 5799 - SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS DEGRADAÇÃO PROTÉICA EM CLOROPLASTOS Camila Motta Borgonove Márcio de Castro Silva

Leia mais

Embriologia (BMH120) - Biologia Noturno. Aula 1

Embriologia (BMH120) - Biologia Noturno. Aula 1 Embriologia (BMH120) - Biologia Noturno Aula 1 Introdução das Bases Moleculares e Celulares: Sinalização Intracelular Prof. Rodrigo A. P. Martins ICB - LaNCE - HUCFF - UFRJ Objetivos Ao final desta aula

Leia mais

Unidade XI Transdução de sinal. Introdução

Unidade XI Transdução de sinal. Introdução Unidade XI Transdução de sinal 1. Introdução 2. Transdução de sinal em células vegetais e animais 3. Transdução de sinal no espaço e no tempo Introdução Desde os estudos clássicos, os pesquisadores têm

Leia mais

Mecanismos bio-moleculares responsáveis pela captação e interpretação dos sinais do meio externo e interno comunicação celular

Mecanismos bio-moleculares responsáveis pela captação e interpretação dos sinais do meio externo e interno comunicação celular Mecanismos bio-moleculares responsáveis pela captação e interpretação dos sinais do meio externo e interno comunicação celular Transferência citoplasmática direta de sinais elétricos e químicos Como as

Leia mais

FISIOLOGIA CELULAR. 4. Diferenciação celular 5. Formação dos tecidos 6. Níveis de organização do corpo humano. 1.

FISIOLOGIA CELULAR. 4. Diferenciação celular 5. Formação dos tecidos 6. Níveis de organização do corpo humano. 1. FISIOLOGIA CELULAR Sumário 1. Estrutura celular 2. Constituintes moleculares 3. Organelas 4. Diferenciação celular 5. Formação dos tecidos 6. Níveis de organização do corpo humano Mas eu só queria um diploma

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO. Ler na bibliografia recomendada os tópicos abordados, listados abaixo, e responder as questões complementares.

ROTEIRO DE ESTUDO. Ler na bibliografia recomendada os tópicos abordados, listados abaixo, e responder as questões complementares. ROTEIRO DE ESTUDO Ler na bibliografia recomendada os tópicos abordados, listados abaixo, e responder as questões complementares. Tópicos abordados 1)Visão Geral da Célula: Origem celular. Células como

Leia mais

INTRODUÇÃO À BIOQUÍMICA DA CÉLULA. Bioquímica Celular Prof. Júnior

INTRODUÇÃO À BIOQUÍMICA DA CÉLULA. Bioquímica Celular Prof. Júnior INTRODUÇÃO À BIOQUÍMICA DA CÉLULA Histórico INTRODUÇÃO 1665: Robert Hooke Compartimentos (Células) 1840: Theodor Schwann Teoria Celular 1. Todos os organismos são constituídos de uma ou mais células 2.

Leia mais

Superlista núcleo 1.

Superlista núcleo 1. Superlista núcleo 1. (Unicamp) Em relação a um organismo diploide, que apresenta 24 cromossomos em cada célula somática, pode-se afirmar que a) seu código genético é composto por 24 moléculas de DNA de

Leia mais

Sistema do Complemento. Vias de Ativação e Regulação. Atividades Biológicas de seus Produtos

Sistema do Complemento. Vias de Ativação e Regulação. Atividades Biológicas de seus Produtos Sistema do Complemento. Vias de Ativação e Regulação. Atividades Biológicas de seus Produtos O sistema do complemento é um mecanismo efetor da imunidade humoral, tanto inata como adquirida, que tem papel

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof a. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia Humana. Prof a. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia Humana Prof a. Deise Maria Furtado de Mendonça Organização Geral do Corpo Humano Átomos Moléculas Células Tecidos Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Órgãos Sistemas Compartimentos Líquidos

Leia mais

A comunicação celular permite a integração e harmonização de funcionamento entre células do mesmo tecido e de tecidos/órgãos diferentes.

A comunicação celular permite a integração e harmonização de funcionamento entre células do mesmo tecido e de tecidos/órgãos diferentes. Comunicação celular é o processo pelo qual as células de um organismo influenciam umas às outras por meio de moléculas, conhecidas como sinalizadores. A comunicação celular permite a integração e harmonização

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

Descoberta das citocininas

Descoberta das citocininas BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - esenvolvimento Prof. Marcelo C. ornelas Aula 5: Citocininas istórico As citocininas foram descobertas na década de 1950 quando o grupo de F. Skoog (EUA) identificou

Leia mais

Sinalização Celular. Rafael Silva Rocha FMRP-USP, SP, Brazil

Sinalização Celular. Rafael Silva Rocha FMRP-USP, SP, Brazil Sinalização Celular Rafael Silva Rocha FMRP-USP, SP, Brazil silvarochar@gmail.com http://silvarochar.wixsite.com/ssbl 1 A célula e seu ambiente Temperatura Nutrientes Estresses Integridade própria Injurias

Leia mais

Resposta imune inata (natural ou nativa)

Resposta imune inata (natural ou nativa) Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Imunologia Resposta imune inata (natural ou nativa) Profa. Dra. Silvana Boeira Acreditou-se por muitos anos que a imunidade inata fosse inespecífica

Leia mais

Fisiologia do Exercício

Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício REAÇÕES QUÍMICAS Metabolismo inclui vias metabólicas que resultam na síntese de moléculas Metabolismo inclui vias metabólicas que resultam na degradação de moléculas Reações anabólicas

Leia mais

Sinalização Celular e Alvos Farmacológicos

Sinalização Celular e Alvos Farmacológicos Final do século XVII Mecanismo de ação dos fármacos ainda era impedido pela ausência de métodos para a purificação dos princípios ativos e pela falta de método para a o teste de hipótese a respeito da

Leia mais

Relembrando: Material genético

Relembrando: Material genético REGULAÇÃO GÉNICA Relembrando: Material genético O MATERIAL GENÉTICO é o suporte físico do conjunto de padrões de informações hereditárias, transmitidas ao longo das gerações. GENE é a unidade de informação

Leia mais

Fisiologia Endócrina

Fisiologia Endócrina Fisiologia Endócrina Profa. Letícia Lotufo Claude Bernard: pai da endocrinologia Definiu o termo milieu intérieur Endocrinologia estudo das secreções internas do organismos. 1 Sistema Endócrino e Homeostasia

Leia mais

Morte Celular Programada. Morte Celular Programada I

Morte Celular Programada. Morte Celular Programada I Morte Celular Programada Morte Celular Programada I Prof a. Luciana B. Chiarini Sala: G2-04, Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho Centro de Ciências de Saúde Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Resposta inicial que, em muitos casos, impede a infecção do hospedeiro podendo eliminar os micróbios

Resposta inicial que, em muitos casos, impede a infecção do hospedeiro podendo eliminar os micróbios Resposta inicial que, em muitos casos, impede a infecção do hospedeiro podendo eliminar os micróbios Células da imunidade inata (macrófagos e neutrófilos) chegam rapidamente e em grande número no foco

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Bioquímica Metabólica ENZIMAS

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Bioquímica Metabólica ENZIMAS Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Bioquímica Metabólica ENZIMAS Origem das proteínas e de suas estruturas Níveis de Estrutura Protéica Estrutura das proteínas Conformação

Leia mais

Membranas biológicas

Membranas biológicas Citologia e Histologia Membranas biológicas Composição e Estrutura Prof a Dr a. Iêda Guedes Membranas biológicas 1. Considerações gerais 2. Estrutura de membrana 3. Lipídeos de membrana 4. Proteínas de

Leia mais

LEVEDURAS. Introdução. Leveduras. Bolores. - Habitat Morfologia Citologia Fisiologia - Aplicações. Saccharomyces. Penicillium

LEVEDURAS. Introdução. Leveduras. Bolores. - Habitat Morfologia Citologia Fisiologia - Aplicações. Saccharomyces. Penicillium Introdução - Habitat Morfologia Citologia Fisiologia - Aplicações Leveduras Saccharomyces Bolores Penicillium Aspergillus Penicillium Pleomorfismo: Saccharomyces cerevisiae Trigonopsis variablis Macroscopicamente:

Leia mais

Ribossomos: Grânulos encontrados geralmente no retículo endoplasmático rugoso. Têm a função de produzir proteínas.

Ribossomos: Grânulos encontrados geralmente no retículo endoplasmático rugoso. Têm a função de produzir proteínas. A CÉLULA A célula é a menor parte funcional dos seres vivos multicelulares e ainda pode ser um ser vivo como um todo, por exemplo, uma bactéria, que é uma única célula (ser vivo unicelular). As células

Leia mais

O CONTROLE DO CICLO CELULAR / PROLIFERAÇÃO EM CÂNCER: CONCEITOS E POTENCIAIS APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS

O CONTROLE DO CICLO CELULAR / PROLIFERAÇÃO EM CÂNCER: CONCEITOS E POTENCIAIS APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Laboratório de Sinalização e Plasticidade Celular O CONTROLE DO CICLO CELULAR / PROLIFERAÇÃO EM CÂNCER: CONCEITOS E POTENCIAIS APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS Msc. Eduardo

Leia mais

Estratégias de regulação do metabolismo. Epinefrina, glucagon e insulina

Estratégias de regulação do metabolismo. Epinefrina, glucagon e insulina Estratégias de regulação do metabolismo Epinefrina, glucagon e insulina Estratégias de regulação do metabolismo Com a participação de enzimas Aula sobre enzimas... Com a participação de hormônios como

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA RECEPTORES Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília fgeducar@marilia.unesp.br LIGANTE AGONISTA Possui afinidade pelo receptor O fármaco agonista

Leia mais

Divisão celular. A única situação em que dividir e multiplicar significam a mesma coisa

Divisão celular. A única situação em que dividir e multiplicar significam a mesma coisa Divisão celular A única situação em que dividir e multiplicar significam a mesma coisa Todos as células se dividem: 1. Em organismos unicelulares, divisão celular é o modo principal de reprodução 2. Em

Leia mais

Princípios. Gerais da Fisiologia Endócrina. Diego Veras Wilke

Princípios. Gerais da Fisiologia Endócrina. Diego Veras Wilke Princípios Gerais da Fisiologia Endócrina Diego Veras Wilke Claude Bernard: pai da endocrinologia Endocrinologia estudo das secreções internas do organismos. Sistema Endócrino e Homeostasia: Os hormônios

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: RELAÇÕES HÍDRICAS E ESTRESSE STAB - 2016 PROPRIEDADES EDÁFICAS CICLO DA CANA, TEMPERATURA E CHUVA Fonte: Casagrande, A. A., 1991.

Leia mais

Estudo da velocidade da reação enzimática e como ela se altera em função de diferentes parâmetros

Estudo da velocidade da reação enzimática e como ela se altera em função de diferentes parâmetros Estudo da velocidade da reação enzimática e como ela se altera em função de diferentes parâmetros Importante abordagem para o entendimento do mecanismo de ação de uma enzima. Vários fatores afetam a atividade

Leia mais

ÁCIDOS GRAXOS DA SÉRIE W3 NO PESCADO:CONSUMO E SUSTENTABILIDADE

ÁCIDOS GRAXOS DA SÉRIE W3 NO PESCADO:CONSUMO E SUSTENTABILIDADE ÁCIDOS GRAXOS DA SÉRIE W3 NO PESCADO:CONSUMO E SUSTENTABILIDADE Priscila Vieira e Rosa Professora Titular, M. Sc., D. Sc. Nutrição Animal/Peixes Universidade Federal de Lavras - DZO - UFLA ROTEIRO ÁCIDOS

Leia mais

Lesão celular e tecidual. Morte Celular. Necrose Celular. Morte celular. Tanatologia. Necrose Apoptose. Necrose Celular

Lesão celular e tecidual. Morte Celular. Necrose Celular. Morte celular. Tanatologia. Necrose Apoptose. Necrose Celular Lesão celular e tecidual Normal normal normal Morte celular Tanatologia Lesão celular reversível lesão celular irreversível - lesão Edema do RE e mitocôndrias Morte Edema do RE e perda dos ribossomos Edema

Leia mais

Expansão clonal de Linfócitos T Helper

Expansão clonal de Linfócitos T Helper Expansão clonal de Linfócitos T Helper Ativação dos linfócitos T Entrada do antígeno no organismo Captura do antígeno pelas células dendríticas Migração da célula dendrítica para gânglio linfático ou baço

Leia mais

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 38 Citologia

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 38 Citologia Prof. Marcelo Langer Curso de Biologia Aula 38 Citologia ENZIMAS Apenas alguns grupos de moléculas de RNA que apresentam função biocatalisadora, todas as enzimas são proteínas. FUNÇÕES DAS ENZIMAS: Proteínas

Leia mais

Regulação da Expressão Gênica em Eucariotos

Regulação da Expressão Gênica em Eucariotos Regulação da Expressão Gênica em Eucariotos Regulação da Expressão Gênica Trajetória da expressão de um gene Principal ponto de regulação Núcleo Citoplasma mrna inativo DNA RNA transcrito mrna mrna PROTEÍNA

Leia mais

Conceitos fundamentais de Biologia Celular

Conceitos fundamentais de Biologia Celular Conceitos fundamentais de Biologia Celular Principais estruturas da célula eucariótica O NÚCLEO Contém nos cromossomos todo o genoma (DNA) das células; Responsável pela síntese e processamento dos RNAs

Leia mais

VI CURSO DE SINALIZAÇÃO CELULAR NO CÂNCER

VI CURSO DE SINALIZAÇÃO CELULAR NO CÂNCER VI CURSO DE SINALIZAÇÃO CELULAR NO CÂNCER MÓDULO PRÁTICO DE AUTOFAGIA Marcos Thomé Conceitos básicos Estratégias de indução, inibição e bloqueio Abordagens metabólicas, farmacológicas e genéticas Metodologias

Leia mais

ÍNDICE. 1 A Célula Carlos Azevedo e Claudio E. Sunkel. 2 A Célula Procariota Ana Maria Parente

ÍNDICE. 1 A Célula Carlos Azevedo e Claudio E. Sunkel. 2 A Célula Procariota Ana Maria Parente ÍNDICE Lista de Autores... XIII Prefácio da 5.ª Edição... XVII Nota do Editor... XVIII Lista de Siglas e Abreviaturas... XIX 1 A Célula Carlos Azevedo e Claudio E. Sunkel Introdução... 1 Polimorfismo celular...

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: HORMÔNIOS E REGULADORES HORMÔNIOS VEGETAIS Flor AX, BR Meristema AX, GA, BR Folha jovem AX, GA Caule jovem - GA Semente imatura AX,

Leia mais

Proteínas catalisadoras que AUMENTAM a VELOCIDADE das reações, sem sofrerem alterações no processo global.

Proteínas catalisadoras que AUMENTAM a VELOCIDADE das reações, sem sofrerem alterações no processo global. ENZIMAS Proteínas catalisadoras que AUMENTAM a VELOCIDADE das reações, sem sofrerem alterações no processo global. Toda enzima é uma proteína, mas nem toda proteína é uma enzima! CARACTERÍSTICAS GERAIS:

Leia mais

AU10. Princípios Básicos de Genética Molecular 2: Regulação da Expressão Gênica. Juliana da Silveira Schauren

AU10. Princípios Básicos de Genética Molecular 2: Regulação da Expressão Gênica. Juliana da Silveira Schauren AU10 Princípios Básicos de Genética Molecular 2: Regulação da Expressão Gênica Juliana da Silveira Schauren Doutoranda PPG-GEN julianaschauren@gmail.com Resumo Introdução: revisão transcrição e tradução

Leia mais

Resposta Imunológica celular. Alessandra Barone

Resposta Imunológica celular. Alessandra Barone Resposta Imunológica celular Alessandra Barone Resposta mediada pelos linfócitos T: TCD4 e TCD8 Resposta contra microrganismos que estão localizados no interior de fagócitos e de células não fagocíticas

Leia mais

Potássio, Cálcio e Magnésio

Potássio, Cálcio e Magnésio Nutrição Mineral de Plantas Potássio, Cálcio e Magnésio Josinaldo Lopes Araujo 1. POTÁSSIO 1.1 Aspectos gerais Segundo nutriente mais consumido como fertilizantes no Brasil. A sua principal fonte no solo

Leia mais

Lipídeos e ácidos graxos

Lipídeos e ácidos graxos Lipídeos e ácidos graxos Tópicos de Estudo Lipídeos Lipoproteínas Passos da -oxidação Regulação em estados absortivos, fome e exercício Lipídeos que contem ácidos graxos Ácidos graxos e triacilgliceróis

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES BÁSICAS DAS SINAPSES E DAS SUBSTÂNCIAS TRANSMISSORAS

ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES BÁSICAS DAS SINAPSES E DAS SUBSTÂNCIAS TRANSMISSORAS ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES BÁSICAS DAS SINAPSES E DAS SUBSTÂNCIAS TRANSMISSORAS AULA 4 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Divisão sensorial do sistema nervoso Receptores

Leia mais

Introdução à Biologia Celular.

Introdução à Biologia Celular. Introdução à Biologia Celular http://aimediaserver.com/studiodaily/videoplayer/?src=harvard/harvard.swf&width=640&height=520 O que é uma célula? Pequenas unidades envolvidas por membranas e preenchidas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 403 BIOQUÍMICA BÁSICA --

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 403 BIOQUÍMICA BÁSICA -- UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 403 BIOQUÍMICA BÁSICA -- CARGA HORÁRIA CRÉDITOS PROFESSOR(A)

Leia mais

2 O esquema representa parte da membrana plasmática de uma célula eucariótica.

2 O esquema representa parte da membrana plasmática de uma célula eucariótica. 1 BIOLOGIA Os espermatozóides estão entre as células humanas que possuem maior número de mitocôndrias. a) Como se explica a presença do alto número dessas organelas no espermatozóide? b) Explique por que,

Leia mais

Bioensaios celulares: Princípios e Aplicações

Bioensaios celulares: Princípios e Aplicações Bioensaios celulares: Princípios e Aplicações Letícia Veras Costa Lotufo Laboratório de Oncologia Experimental Departamento de Fisiologia e Farmacologia, UFC lvcosta@secrel.com.br PROGRAMA: 11/02 aula

Leia mais

Cinthya Sternberg Laboratório de Pesquisa Translacional Coordenação de Pesquisa Clínica INCA

Cinthya Sternberg Laboratório de Pesquisa Translacional Coordenação de Pesquisa Clínica INCA Cinthya Sternberg Laboratório de Pesquisa Translacional Coordenação de Pesquisa Clínica INCA Células devem se comunicar para que possam proliferar, diferenciar, migrar e manter seu estado funcional. A

Leia mais

Biologia. Alexandre Bandeira (Rebeca Khouri) Citologia

Biologia. Alexandre Bandeira (Rebeca Khouri) Citologia Citologia Citologia 1. (UNESP) Em cada um dos gráficos A e B, há três curvas, porém apenas uma delas, em cada gráfico, representa corretamente o fenômeno estudado. No gráfico A, o fenômeno estudado é a

Leia mais

CITOLOGIA 8º ano Prof. Graziela Grazziotin Costa

CITOLOGIA 8º ano Prof. Graziela Grazziotin Costa CITOLOGIA 8º ano - 2017 Prof. Graziela Grazziotin Costa 1 Célula o Partes básicas: a) Membrana plasmática b) Citoplasma c) Núcleo 2 Célula o Menor porção viva de um organismo. o Eucarioto: presença de

Leia mais

ENEM PROVA AZUL RESUMO

ENEM PROVA AZUL RESUMO ENEM 2009 - PROVA AZUL RESUMO 2009 (19 questões) 1 Ecologia - Desequilíbrio Ambiental Bioquímica 1 2 Fisiologia Humana - Interpretação gráfica Biotecnologia 1 3 Doenças virais e Bioquímica - Soro x Vacina

Leia mais

Anatomia Humana Martini, Timmons & Tallitsch. Morfologia Humana. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira.

Anatomia Humana Martini, Timmons & Tallitsch. Morfologia Humana. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. Morfologia Humana Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br -A visualização das células só é possível por meio de diferentes metodologias de coloração e de microscopia; -Há

Leia mais

Evoluíram sua organização multicelular de. Independente Construção de tecidos em diferentes princípios

Evoluíram sua organização multicelular de. Independente Construção de tecidos em diferentes princípios Matriz Extracelular Células do Intestino Matriz Extracelular Plantas e Animais Evoluíram sua organização multicelular de forma: Independente Construção de tecidos em diferentes princípios Matriz Extracelular

Leia mais

Estrutura e função dos anticorpos. Alessandra Barone

Estrutura e função dos anticorpos. Alessandra Barone Estrutura e função dos anticorpos Alessandra Barone Estrutura e função dos anticorpos Anticorpos Glicoproteínas produzidas e excretadas por plasmócitos derivadas dos linfócitos B após exposição a antígenos

Leia mais

FARMACODINÂMICA. da droga. Componente da célula c. (ou organismo) que interage com a droga e

FARMACODINÂMICA. da droga. Componente da célula c. (ou organismo) que interage com a droga e FARMACODINÂMICA Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Princípio básicob A droga deve se ligar a um constituinte celular (proteína - alvo) para produzir uma resposta farmacológica. Proteínas alvos para ligação

Leia mais

SINALIZAÇÃO CELULAR. Hanahan & Weimberg - Halmarks of cancer - Cell 100:57-70, 2000.

SINALIZAÇÃO CELULAR. Hanahan & Weimberg - Halmarks of cancer - Cell 100:57-70, 2000. SINALIZAÇÃO CELULAR Hanahan & Weimberg - Halmarks of cancer - Cell 100:57-70, 2000. FORMAS DE SINALIZAÇÃO CÉLULA-CÉLULA. A sinalização celular pode ser realizada pelo contato direto entre as células ou

Leia mais

Genética do Crescimento e Envelhecimento Celular. Gerardo C. Mamani - Grupo de Melhoramento Animal e Biotecnología - Pirassununga

Genética do Crescimento e Envelhecimento Celular. Gerardo C. Mamani - Grupo de Melhoramento Animal e Biotecnología - Pirassununga Genética do Crescimento e Envelhecimento Celular Gerardo C. Mamani - Grupo de Melhoramento Animal e Biotecnología - Pirassununga - 2016 Sumario Genética do crescimento - Ciclo celular - Crescimento - Padrão

Leia mais

Proteínas II. (Enzimas) Bioquímica Prof. Dr. Marcelo Soares

Proteínas II. (Enzimas) Bioquímica Prof. Dr. Marcelo Soares Proteínas II (Enzimas) Conceitos Gerais e Funções As enzimas são proteínas especializadas na catálise de reações biológicas Consideradas as biomoléculas mais notáveis devido a sua extraordinária especificidade

Leia mais

EXERCÍCIO E ESTRESSE OXIDATIVO. Exercício e Estresse Oxidativo. O que são radicais livres? Reação de Óxido-Redução (Redox) O que são radicais livres?

EXERCÍCIO E ESTRESSE OXIDATIVO. Exercício e Estresse Oxidativo. O que são radicais livres? Reação de Óxido-Redução (Redox) O que são radicais livres? Referências bibliográficas EXERCÍCIO E ESTRESSE OXIDATIVO Prof. Dr. Paulo Rizzo Ramires Livro McArdle Fisiologia do Exercício Cap. 2 Vitaminas, minerais e água Parte 1 Vitaminas Atividade física, radicais

Leia mais

Professora Denise Biologia

Professora Denise Biologia Citologia CITOPLASMA Professora Denise Biologia www.e-conhecimento.com.br Célula Procariótica x Eucariótica Não há membrana nuclear Há apenas ribossomos Bactérias Há membrana nuclear (carioteca) Há todas

Leia mais

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Biologia 12º ano Material genético Material genético Genes e cromossomas As informações hereditárias transmitidas ao longo das gerações, segundo

Leia mais

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Conceito

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS. Enzimas. Prof. Me. Cássio Resende de Morais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS. Enzimas. Prof. Me. Cássio Resende de Morais FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Enzimas Prof. Me. Cássio Resende de Morais Enzimas Catalisadores biológicos: substâncias de origem biológica que aceleram

Leia mais

Processos Patológicos Gerais

Processos Patológicos Gerais Processos Patológicos Gerais Lesão Celular Irreversível = Morte Celular Necrose e Apoptose, Calcificação Patológica Enfermagem/ 2o sem Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Necrose Necrose:

Leia mais

Sistemas de controle da transcrição gênica. Procariotos

Sistemas de controle da transcrição gênica. Procariotos Sistemas de controle da transcrição gênica Procariotos Controle Positivo e Negativo: Há dois tipos de controle transcricional: Controle negativo: no qual uma proteína reguladora atua como um repressor

Leia mais

CITOLOGIA. kytos = célula logos = estudo) Unidade morfológica e funcional dos seres vivos

CITOLOGIA. kytos = célula logos = estudo) Unidade morfológica e funcional dos seres vivos Luci Freitas CITOLOGIA kytos = célula logos = estudo) Unidade morfológica e funcional dos seres vivos Tamanho das células Glóbulo vermelho na ponta de uma agulha Embrião humano na ponta de uma agulha Neste

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Fred. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Fred. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Fred DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 1º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citosol é a porção liquida do interior das células e de organismos intracelulares. O termo foi introduzido em 1965, como o conteúdo liberado quando células eram

Leia mais

Neuroprotecção pela insulina: como se constrói o puzzle. Ana I. Duarte

Neuroprotecção pela insulina: como se constrói o puzzle. Ana I. Duarte Neuroprotecção pela insulina: como se constrói o puzzle Ana I. Duarte anaimduarte@gmail.com Envelhecimento e metabolismo da glucose ET scan Normal Doença de Alzheimer (www.csua.berkeley.edu/~wuhsi/images.html)

Leia mais

A CÉLULA EUCARIÓTICA

A CÉLULA EUCARIÓTICA A CÉLULA EUCARIÓTICA ... A célula é a unidade básica, estrutural e funcional de todos os seres vivos... A maioria das células têm um tamanho de 10 a 100 micrómetros e formas variadas De acordo com a estrutura

Leia mais

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química Departamento de Engenharia Química Laboratório de Estudos em Couro e Meio Ambiente Isolamento, Seleção e Cultivo

Leia mais

SINAIS EXTRACELULARES. sinais e receptores químicos

SINAIS EXTRACELULARES. sinais e receptores químicos SINAIS EXTRACELULARES sinais e receptores químicos SINAIS EXTRACELULARES principais tipos SINAIS EXTRACELULARES exemplos MOLÉCULAS Metabolitos Citocinas Interleucinas Factores de crescimento Hormonas Nutrientes

Leia mais