A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 THE IMPORTANCE OF THE COUNTING OF SOMATIC CELLS AND TOTAL BACTERIAL COUNTING FOR THE IMPROVEMENT OF THE QUALITY OF MILK IN THE BRASIL 1 Aracele Pinheiro Pales 2 ; Klayto José Gonçalves dos Santos 2 ; Evando Alves Figueiras 3 ; Carlos de Souza Melo 3. 1 Trabalho realizado através de revisão bibliográfica 2 Professor da UEG e FMB 3 Acadêmicos do Curso de Zootecnia UEG RESUMO. Durante muito tempo o leite foi considerado apenas um produto de importância para as crianças. Após se conhecer toda sua qualidade, seu consumo cresceu demasiadamente, com isso, o leite se tornou um elemento fundamental na mesa do brasileiro e também ganhou espaço no mercado, se importando a partir daí principalmente com a sua qualidade. Hoje, para se obter um produto de qualidade deve-se avaliar a quantidade de células somáticas presentes e contagens bacteriana total do leite, que são indicativos comprometedores do produto. A fim de se garantir a qualidade do leite que chega a mesa de milhões de brasileiros, ou até de outros países, foi elaborado a Instrução Normativa 51(IN 51), que legaliza alguns requisitos para se obter um leite com maior qualidade, porém a mesma interfere diretamente na rotina dos produtores de leite, o que causa uma certa resistência. A realidade é que quem não se adequar a ela, corre o risco de ficar fora do mercado. PALAVRAS-CHAVE: Contagem bacteriana total (CBT), contagem de células somáticas (CCS), instrução normativa 51, qualidade do leite. Revista Eletrônica Faculdade Montes Belos, Goiás, ISSN , v.1, n.2, p , nov. 2005

2 163 SUMMARY. During every time, the milk was considerated only a product of importance to children. After know all quality of the milk, your consumption growed too much, so the milk become a fundamental element in the table of brasilian, and won space in the market, so mind with your quality. Today, to have a product with quality, is need to assess the quantity of CCS permanent in this and make the CBT of milk, that are indicatives that can to compromise the product. With the intention of assure the quality of the milk, that arrive in the table of million brasilians, or even same of others countries, was condition the instrution normative 51, that legalize some requirement to get a milk with greater importance, however the IN 51 interfere directly in the routine of property of the milk, that cause a stamina of the property. The reality is that who no apropriate of a IN 51, to take a risk out of market. KEY WORDS: Total bacterial counting (CBT), counting of somatic cells (CCS), normative Instruction 51, quality of milk. INTRODUÇÃO Por muitos anos, o leite foi utilizado como alimento pelo homem. Nos tempos atuais, seu consumo apresenta uma taxa de crescimento constante, principalmente de produtos derivados como iogurte, queijos e etc (Carvalho, 1995). Durante o século XIX, o leite fresco era um alimento somente fornecido para as crianças, mas após a constatação de seus benefícios, houve a difusão do produto para consumo de adultos. Os mais importantes avanços na utilização do leite ocorreram na metade do século XX com a descoberta da importância das vitaminas, a partir deste momento o leite passou a ser um alimento dito como "perfeito" para todas as idades (Carvalho, 1995).

3 164 Por ser um alimento completo devido sua composição de água, proteínas, gordura, vitaminas e minerais, o leite se torna também um meio de cultura ideal para microrganismos, podendo os mesmos comprometer profundamente sua qualidade (Behmer, 1999). Mas quando falamos de qualidade, estamos relatando não apenas a presença de microrganismos no leite, pois alguns microrganismos são de estrema importância, principalmente para a indústria láctea. Dentre os principais constituintes do leite, a nível comercial os mais importantes para a indústria são as gorduras, as proteínas, principalmente a caseína, e a lactose que é considerada o açúcar do leite, sendo o teor destes nutrientes o indicativo de qualidade para seus derivados como queijo, manteiga e iogurte, além dos mesmos sofrem influencias de vários fatores que serão citados a seguir (Nickerson, 1998). A raça, por exemplo, é um dos fatores que mais influencia na qualidade e quantidade de leite produzido, pois quanto mais leite uma fêmea bovina produz mais baixo será a sua porcentagem sólida de gordura, proteínas e minerais. A composição do leite de uma vaca holandesa no topo de sua produção é em media de 88% de água e 12% de sólidos totais, já de uma vaca Jersey, que produz menos leite estes índices ficam em torno de 85,5% de água e 14,5% de sólidos totais. O teor de matéria gorda acompanha o mesmo critério, quanto mais leite uma vaca produz, mais baixo será o seu teor de gordura (Behmer, 1999). Os valores de sólidos do leite podem sofrer uma ligeira alteração, isto ocorrer por causa da genética de cada animal, observando que animais melhorados geneticamente ou selecionados para tal função podem contribuir para uma melhor qualidade do leite (CARVALHO, 1995). A alimentação é sem dúvida um fator base para qualquer ramo da produção animal e na bovinocultura de leite não seria diferente, podendo até dizer que o leite entra pela boca do animal. A composição da ração das vacas lactentes influencia diretamente na constituição do leite produzido. Se há excesso de algum nutriente na alimentação, como por exemplo, proteína, isto poderá

4 165 ocasionar um aumento na proteína bruta do leite, diminuindo a qualidade do leite, pois o excesso de proteína pode ser excretado na forma de uréia, provocando gostos e cheiro estranho no leite. No estágio de lactação, logo após o parto o teor de sólidos no leite e muito alto para suprir as necessidades do recém-nascido, nas primeiras semanas de lactação este nível tende a cair e se estabilizar e com a diminuição da produção de leite o teor de gordura vai aumentando gradativamente. É preciso lembrar que estes nutrientes possuem seus níveis máximos e mínimos, o teor de gordura varia entre 2,5 e 6%, sendo que para a indústria quanto mais alto este nível, maior será o aproveitamento da matéria prima (Behmer, 1999). O estado de saúde animal também deve ser observado, pois o leite é sintetizado na glândula mamária da fêmea e todos os seus componentes são retirados do sangue, sendo que para se produzir um litro de leite é preciso que circule pelo úbere em média 500 litros de sangue. Dessa forma para se obter um leite de qualidade, e necessário que o animal esteja saudável, pois toxinas ou até mesmo microrganismos patogênicos podem ser excretados no leite. Deve se tomar também cuidado com o uso de antibióticos, pois estes podem deixar resíduos no leite, para maior segurança e necessário que se respeite o período de carência de cada produto (Carvalho, 1995). A higiene é de fundamental importância para o sucesso de todos os outros fatores citados antes, de nada adianta ter genética e boa alimentação, se no momento de colher os frutos lhe falta competência para manusear o produto obtido. Os cuidados devem começar na propriedade, pois dali depende todos os elos da cadeia, principalmente o consumidor (Nickerson, 1998). A higiene do ordenhador, do úbere do animal e das instalações que este animal se encontra, assim como do material de ordenha, seja ela manual ou ordenha mecânica, influencia de forma decisiva na qualidade do leite obtido. É comum em propriedades leiteiras, antes da ordenha, o ordenhador fazer a limpeza das tetas com a vassoura da cauda do próprio animal. Este é um procedimento totalmente errado, pois além de não limpar a teta, ele esta contribuindo para a

5 166 impregnação de mais microrganismo na mesma. O ideal é que se lave a teta com água limpa, em seguida, se utilize um produto químico a base de hipoclorito de sódio, terminando seca-se as tetas com papel toalha. Esse processo e conhecido como pré-dipping. Este processo diminuirá a incidência de microrganismos no leite. É importante lembra que por mais higiênica que seja a ordenha, jamais teremos um leite livre de microrganismos, porém é possível controlar sua reprodução, impedindo assim a degradação dos sólidos totais do leite. A maioria dos microrganismos do leite se reproduz na temperatura ambiente (37ºC), a mesma temperatura do leite recém ordenhado, por esse motivo o leite deve ser resfriado o mais rápido possível para uma temperatura máxima de 7ºC (Behmer, 1999). Segundo a Instrução Normativa 51 os tratamentos utilizados no leite após a ordenha são classificados em três categorias: Leite tipo A: leite que provem de uma ordenha mecânica diretamente para o resfriador, sem entrar em contato com o meio externo, contendo no mínimo 3% de proteína e 2,9% de gordura. Leite tipo B: leite oriundo de ordenha manual, refrigerado logo após a ordenha atingido a temperatura máxima de 7ºC até três horas após sua entrada no resfriador e que permaneça na propriedade no máximo 48 horas após a ordenha, que tenha no mínimo 3% de proteína e 2,9 de gordura. Leite tipo C: leite oriundo de ordenha manual que não sofre nenhum tipo de tratamento na propriedade, sendo entregue no laticínio até às 10 horas da manhã do dia da ordenha, contendo no mínimo 3% de proteína e 2,9% de gordura. A preocupação do Ministério da Agricultura em relação ao prazo de entrega do leite e sua temperatura máxima é impedir a multiplicação dos microrganismos do leite, pois estes podem degradar proteínas e gordura além de liberar toxinas que podem ser prejudicar o organismo humano (Carvalho, 1995).

6 167 Além dos cuidados na ordenha, deve se ter cuidado no armazenamento e no transporte deste leite até o laticínio. A limpeza do tanque resfriador após a retirada do leite deve ser feita imediatamente, para evitar proliferação de colônias bacterianas nos resíduos de leite. A temperatura do resfriador deve sempre ser conferida, pois caso ocorra alteração pode comprometer todo o produto contido no resfriador e nunca exceder o nível máximo do resfriador evitando desajustes na sua funcionalidade, além de estar sempre atento as quedas de energia, que também comprometem o resfriamento do leite (Behmer, 1999). O transporte deve ser feito em caminhões isotérmicos e sua higiene é um fator que deve ser observado com muita atenção, mangueira e registros com vazamentos podem se uma fonte de entrada de microrganismos, comprometendo todos os cuidados tomados anteriormente (Nickerson, 1998). Após a chegada ao laticínio, o leite passará por uma nova etapa de manejo, onde várias análises serão executadas a fim de se avaliar a qualidade do leite recém chegado. Serão analisados a composição do leite, verificando se a porcentagem de água, gordura e proteína estão dentro dos índices aceitáveis. Outros testes importantes que devem ser feitos pelo menos uma vez por mês são a de contagem de células somáticas (CCS) e a contagem bacteriana total (CBT) (Nickerson, 1998). A CCS é um teste rápido e facilmente obtido a fim de determinar a qualidade do leite e avaliar a saúde da glândula mamária. Contagens de amostras de leite colhidas em tanques são mais comumente usadas na regulação e na determinação do preço pago ao produtor. A contagem de células somáticas do tanque de leite (CCSTL), tem relação direta e indicativa da prevalência de mastite, na composição do leite, riscos de contaminação do leite com antibióticos e probabilidade da presença de bactérias zoonóticas patogênicas (Behmer, 1999). Rebanhos que apresentam uma menor qualidade de células somáticas no tanque, conseqüentemente, apresentam maior produtividade e quando a CCS do tanque for superior a

7 cs/ml, o rendimento industrial na fabricação de queijos será menor e a qualidade sensorial do produto será inferior (Carvalho, 1995). A infecção intramamária é o fator que mais afeta a CCS do leite. Quando os microrganismos da mastite invadem um quarto do úbere e começam a se multiplicar, ou quando o número de microorganismos aumenta significativamente em um quarto já infectado, o organismo direciona os leucócitos do sangue para o interior da glândula mamária, com intuito de combater a agressão tecidual (Carvalho, 1995). A elevação da CCS no leite em um quarto de úbere afetado será geralmente associados à diminuição na produção de leite daquele quarto. Esta redução na produção de leite ocorre devido ao dano físico às células secretoras da glândula mamária e também com as alterações na permeabilidade vascular no alvéolo secretor. Em termos econômicos, a elevada CCS, que é um indicativo da ocorrência da mastite, traz grandes prejuízos econômicos tanto ao produtor de leite, quanto a indústria de laticínios e consumidores (Behmer, 1999). No que diz respeito ao produtor, as maiores perdas estão relacionadas à queda na produção de leite dos animais infectados (fig 1), além de outros custos adicionados associados à incidência de mastite, que podem ser quantificadas da seguinte ordem: o valor da produção de leite perdida (70% do total); descarte prematuro de vacas (14% do total); valor do leite descartado (7% do total) e despesas com medicamentos e técnicos (8% do total) (Carvalho, 1995).

8 169 Figura 1- CCS em tanque de expansão e seus respectivos valores de redução na produção de leite. Contagem de Células Somáticas - CCS no Tanque de Expansão (por ml de leite) % de Redução na Produção de Leite até Fonte: Embrapa Gado de Leite A mastite determina mudanças nas concentrações tanto dos principais componentes do leite como proteína, gordura e lactose, quanto de outras substâncias como minerais e enzimas (fig. 2). Os principais mecanismos pelos quais ocorre alteração nos níveis dos componentes do leite são a lesão às células epiteliais produtoras de leite, que pode resultar em alteração da concentração de lactose, proteína e gordura; e o aumento da permeabilidade vascular, que determina o aumento da passagem de substâncias do sangue para o leite, tais como sódio, cloro, imunoglobulinas e outras proteínas (NICKERSON, 1998).

9 170 Figura 2- Efeitos diretos da alta contagem de células somáticas na composição da matériaprima. Componente do Leite Alteração no Rendimento Industrial Sólidos Totais Redução de até 12% Caseína Redução de até 18% Gordura Redução de até 12% Cálcio e Fósforo Redução de até 75% Sódio Aumento de até 100 % Cloretos Aumento de até vezes Fonte: Embrapa Gado de Leite A adoção da prática de CCS para agregar valor ao leite no Brasil é recente, hoje se permite um máximo de de cel/ml para o leite tipo C, cel/ml para o leite tipo B e para o leite tipo A, ate 2011 o leite tipo C não será mais aceito, sendo que o limite máximo de CCS para o leite tipo B devera ser de cel/ml e o tipo A será de cel/ml, valores estes regidos pela Instrução Normativa 51. Os limites máximos de CCS nos principais paises podutores de leite são demonstrados na figura 3. Figura 3- Limites máximos de CCS nos principais produtores de leite mundiais País / Região Limite Máximo de CCS (por ml de leite) União Européia e Nova Zelândia Canadá Estados Unidos Brasil (Normativa 51) Fonte: Embrapa Gado de Leite

10 171 Além da CCS outra análise que vem sendo empregada para tentar agregar valor ao leite denominada de Contagem Bacteriana Total (CBT), que significa a contagem do número de colônias presentes em dada amostra de leite, previamente incubada a 32ºC basicamente da contaminação inicial do leite, bem como taxa de multiplicação microbiana (Carvalho, 1995). De modo geral, a carga microbiana do leite é uma variável dependente de carga inicial e da taxa de multiplicação dos microorganismos. A carga bacteriana inicial pode ser definida como a concentração de microorganismos existentes no leite armazenado no tanque resfriador, imediatamente após o termino da ordenha, e depende basicamente de três fatores. O primeiro diz respeito á contaminação microbiana do leite dentro da própria glândula mamária, ou seja, da saúde do rebanho em termos de mastite, o segundo fator está relacionado com higiene da ordenha, e, mais especificamente, com a limpeza e a desinfecção da superfície dos tetos e finalmente as condições de limpeza dos utensílios e equipamentos de ordenha também são fundamentais observando-se a qualidade da água utilizada na lavagem dos tetos durante a ordenha, e também na higienização e desinfecção do sistema de ordenha (Behmer, 1999). A taxa de multiplicação bacteriana está diretamente relacionada com a temperatura de armazenamento do leite. Recomenda-se que a temperatura de armazenamento seja no máximo 4ºC, dentro de duas horas após o término da ordenha, e menor que, 7ºC durante a adição de leite da ordenha consecutiva. Deve-se destacar a importância do correto funcionamento e dimensionamento do sistema de produção frio (Nickerson, 1998). Para manter o bom padrão microbiológico, deve-se atentar para os aspectos ligados a obtenção e armazenamento do leite, devendo o mesmo chegar ao local de armazenamento (latão ou tanque) com uma contagem bacteriana variando entre 500 e UFC/mL. Em termos de refrigeração, deve-se ter como meta 4ºC dentro de duas horas após a primeira ordenha. Já na segunda ordenha, nos casos em que se utiliza o sistema de tanque de expansão, a temperatura do

11 172 leite de mistura não deve ultrapassar 7ºC e deve voltar para 4ºC dentro de 1 hora após o término da ordenha (Behmer, 1999). Figura 4 Peridiocidade mínima de análises e resultados exigidos pela Instrução Normativa 51 Análise Periodicidade (mínima) Resultados Contagem Padrão de Placas 1 vez por mês Máx UFC/ml Contagem de Células Somáticas 1 vez por mês Máx cel/ml Gordura 2 vezes por mês Mín. 3,0% Proteína 2 vezes por mês Mín. 2,9% Sólidos não-gordurosos 2 vezes por mês Mín. 8,4% Temperatura Fonte: Embrapa Gado de Leite A cada Coleta Máx. 7ºC na Propriedade Rural Tanto a CCS quanto a CBT requerem do produtor uma maior emprego de tecnologia, mão de obra qualificada e uma melhor escolha de animais para seu rebanho, pois atualmente apenas produzir não é mais suficiente, para fechar a dura concorrência mercadológica, onde consumidores exercem papel principal no mercado. Devido a este fator, investir em qualidade tornou-se um papel fundamental para as indústrias. A qualidade do leite e dos produtores lácteos disponibilizados pela indústria, para o mercado interno ou para exportação, depende da qualidade da matéria-prima recebida para processamento. Daí a grande necessidade de se obter uma matéria-prima de qualidade (Carvalho, 1995).

12 173 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA CARVALHO, Arnaldo Laboissiero et al. Qualidade do leite do Centro-Oeste, Goiânia: Editora da UFG, BEHMER, Manuel Lecy Arruda. Tecnologia do leito, SP: 13º ed. Editora Noel, Revista Balde Branco, nº 143, março de NICKERSON, S. C.; Estratégia para combater mastite bovina. In: SIMPOSIO INTERNACIONAL SOBRE QUALIDADE DO LEITE, 1., Curitiba PR: ANAIS... Cuitiba PR, p

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Aula 05 Manejo de Ordenha Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Introdução Em geral, a ordenha determina a quantidade e a qualidade do leite. Retorno do investimento

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE - PNQL HISTÓRICO: Surgiu em 1996 na EMBRAPA Gado

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa. A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011 Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.br 32 3311-7537 Conteúdo 1. Breve histórico sobre o tema Qualidade do

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP Laerte Dagher Cassoli 1, Paulo F. Machado 2 Clínica do Leite ESALQ /USP Piracicaba, SP 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 Coleção SENAR 133 Leite Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 TRABALHADOR NA bovinocultura de leite COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 2005, SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Leia mais

Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia

Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . UNEB Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia - Pesquisa da UNEB analisará

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS Rua: Victor Sopelsa, nº 3000 Bairro Salete E-mail: sac-lableite@uncnet.br Fone: (49) 3441-1086 Fax: (49) 3441-1084 Cep: 89.700-000 Concórdia Santa Catarina Responsável /Gerente

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS 67 TRABALHO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 EVALUATION OF CHEMICAL COMPOSITION

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Curso de Medicina Veterinaria Disciplina: Tecnologia e Inspeção de Leite e Derivados Profª Andrea O B Botelho 8 e 9º períodos ROTEIRO DE ESTUDOS - Estes

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO LEITE CRU REFRIGERADO PRODUZIDO NO MUNICÍPIO DE SAPOPEMA/PR MICROBIOLOGICAL QUALITY AND PHYSICAL CHEMISTRY OF RAW REFRIGERATED MILK PRODUCED IN THE CITY SAPOPEMA/PR

Leia mais

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Nívea Maria Vicentini Pesquisadora Embrapa Gado de Leite 15 o Encontro Técnico do Leite Campo Grande, 15 de maio de 2012 O QUE É O PAS?

Leia mais

IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE

IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE 1 IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE JOSÉ AUGUSTO HORST A produção de leite no Brasil vem crescendo a cada ano, tendo dobrado sua produção nos últimos 20 anos, com uma produção anual

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO

AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO Marcus Vinicios da Costa de Souza 1 ; Ariely Conrrado de lima 2 ; Jussara Maria

Leia mais

LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE

LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE A EXPERIÊNCIA DO POOL LEITE ABC Arnaldo Bandeira Mestrado em Produção Animal - UFSM Mestrado em Administração de Empresas - ESADE Pós Graduação em Agribusiness - FAE MBA

Leia mais

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite 1 O QUE PODE AFETAR A COMPOSIÇÃO DO LEITE? RAÇA MANEJO MASTITE ESTRESSE ALIMENTAÇÃO Mastite Doença que mais causa prejuízos econômicos na cadeia

Leia mais

CONTROLE LEITEIRO. Segundo SILVA (2006), as finalidades do controle leiteiro são várias, destacando-se:

CONTROLE LEITEIRO. Segundo SILVA (2006), as finalidades do controle leiteiro são várias, destacando-se: CONTROLE LEITEIRO * Migacir Trindade Duarte Flôres O controle leiteiro é o registro de produção, em 24 horas, de cada animal, sendo uma ferramenta de aferição da capacidade de produção de leite de uma

Leia mais

Coleção SENAR 133. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 51

Coleção SENAR 133. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 51 Coleção SENAR 133 Leite Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 51 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL Presidente do Conselho Deliberativo Senadora Kátia Abreu Entidades Integrantes do Conselho

Leia mais

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7 CAPÍTULO 7 Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade Rodolpho de Almeida Torres Vânia Maria Oliveira Guilherme Nunes de Souza Introdução A qualidade do leite para o consumidor está

Leia mais

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP.

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP. Boas práticas de produção associadas à higiene de ordenha e qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus

Leia mais

Procedimentos de coleta e envio de amostras de leite para determinação dos componentes do leite e contagem de células somáticas.

Procedimentos de coleta e envio de amostras de leite para determinação dos componentes do leite e contagem de células somáticas. Procedimentos de coleta e envio de amostras de leite para determinação dos componentes do leite e contagem de células somáticas. 1- Coleta de Amostras Coleta de amostra individual: A- Ordenha manual e

Leia mais

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 O Conseleite foi criado originalmente em

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Agenda 1. Situação atual da qualidade do leite 2. Conceitos

Leia mais

QUALIDADE DO LEITE. Maria Aparecida Vasconcelos Paiva Brito e José Renaldi Feitosa Brito

QUALIDADE DO LEITE. Maria Aparecida Vasconcelos Paiva Brito e José Renaldi Feitosa Brito Capítulo 3 - Qualidade do leite QUALIDADE DO LEITE Maria Aparecida Vasconcelos Paiva Brito e José Renaldi Feitosa Brito A qualidade do leite é definida por parâmetros de composição química, características

Leia mais

INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ

INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ Fernanda Mattioda (UTFPR) fermattioda@yahoo.com.br Juliana Vitoria Messias Bittencourt (UTFPR) julianavitoria@utfpr.edu.br

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Introdução a Pecuária Leiteira Valdirene Zabot Zootecnista valdirene@unochapeco.edu.br

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Vinicius Emanoel Carvalho 1, Thiago Paim Silva 1, Marco Antônio Faria

Leia mais

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO Obtenção de Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO A produção

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Laboratório de Análise de Leite MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS Versão:.01/2012

Leia mais

Material e Métodos Perspectivas e avanços da qualidade do leite no Brasil

Material e Métodos Perspectivas e avanços da qualidade do leite no Brasil 1 SITUAÇÃO ATUAL DA QUALIDADE DO LEITE EM SANTA CATARINA Laboratório Estadual Da Qualidade do Leite De Santa Catarina Companhia Integrada De Desenvolvimento Agrícola De Santa Catarina CIDASC/ Universidade

Leia mais

PAGAMENTO DO LEITE POR QUALIDADE

PAGAMENTO DO LEITE POR QUALIDADE PAGAMENTO DO LEITE POR QUALIDADE Paulo Fernando Machado Professor Titular em Bovinocultura de Leite Clínica do Leite Departamento de Zootecnia ESALQ-USP O Programa Nacional de Melhoria da Qualidade do

Leia mais

PROCESSAMENTO DO LEITE

PROCESSAMENTO DO LEITE PROCESSAMENTO DO LEITE Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Clara Costa Zica Gontijo¹; Brenda Veridiane Dias¹; Silvana Lúcia dos Santos Medeiros² ¹Estudante de Zootecnia.

Leia mais

LÁCTEOS SEGUROS CRITÉRIO DE SELEÇÃO DO LEITE PARA A PRODUÇÃO DE DERIVADOS LÁCTEOS

LÁCTEOS SEGUROS CRITÉRIO DE SELEÇÃO DO LEITE PARA A PRODUÇÃO DE DERIVADOS LÁCTEOS Artigo nº 5 LÁCTEOS SEGUROS CRITÉRIO DE SELEÇÃO DO LEITE PARA A PRODUÇÃO DE DERIVADOS LÁCTEOS Em 1º de janeiro de 1995 entrou em vigor a união aduaneira do MERCOSUL. Desde então, o Brasil deu um salto

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

QUALIDADE DO LEITE, CÉLULAS SOMÁTICAS E PREVENÇÃO DA MASTITE

QUALIDADE DO LEITE, CÉLULAS SOMÁTICAS E PREVENÇÃO DA MASTITE Anais do II Sul- Leite: Simpósio sobre Sustentabilidade da Pecuária Leiteira na Região Sul do Brasil / editores Geraldo Tadeu dos Santos et al. Maringá : UEM/CCA/DZO NUPEL, 2002. 212P. Toledo PR, 29 e

Leia mais

Ano 5 n o 41 abril/2012

Ano 5 n o 41 abril/2012 Ano 6 no 71 outubro/2012 Ano 5 n o 41 abril/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Convênio APCBRH/UFPR GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ MANUAL GESTÃO DE CONTROLE DE

Leia mais

Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras

Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras ISSN 1676-7667 Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras 39 Introdução A caprinocultura leiteira tem aumentado sua participação no cenário agropecuário brasileiro de forma bastante significativa

Leia mais

O PAS-LEITE Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados

O PAS-LEITE Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados O PAS-LEITE Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados Brasília - DF, 21 de Fevereiro de 2013. Paschoal G. Robbs Consultor SEBRAE Grande Aliança MANTENEDORES SENA (Colombia) SINDIRAÇÕES ABIMA

Leia mais

Utilizando a CCS e a CBT como ferramenta em tempos de pagamento por qualidade do leite

Utilizando a CCS e a CBT como ferramenta em tempos de pagamento por qualidade do leite Utilizando a CCS e a CBT como ferramenta em tempos de pagamento por qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos Professor Doutor Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP Campus de Pirassununga,

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

Controle Leiteiro como Ferramenta de Melhoria na Qualidade do Leite e na Gestão da Propriedade

Controle Leiteiro como Ferramenta de Melhoria na Qualidade do Leite e na Gestão da Propriedade Controle Leiteiro como Ferramenta de Melhoria na Qualidade do Leite e na Gestão da Propriedade Altair Antonio Valloto, Superintendente APCBRH, Méd.Vet.Especialista em Bovinocultura Leiteira. Mestrando

Leia mais

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 37 AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 Resumo: A elevada procura pela qualidade dos produtos

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL 1 - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA O leite destinado à fabricação de produtos lácteos deve ser de boa qualidade. Essa qualidade está diretamente relacionada

Leia mais

ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3. Resfriamento do leite...3. Higiene na ordenha...4. Controle de Mastite...

ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3. Resfriamento do leite...3. Higiene na ordenha...4. Controle de Mastite... ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3 Resfriamento do leite...3 Higiene na ordenha...4 Controle de Mastite...5 Controle de Resíduos de antimicrobianos...9 Nutrição

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE - CEO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA - DZO CRISTIANO WELTER

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE - CEO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA - DZO CRISTIANO WELTER UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE - CEO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA - DZO CRISTIANO WELTER CONTROLE LEITEIRO E REPRODUTIVO DE UMA PEQUENA PROPRIEDADE COM

Leia mais

PATRÍCIA FERNANDA VASCONCELLOS INSTITUTO QUALITTAS CURSO HIGIENE E INSPIÇÃO EM PRODUTOS DE ORIGEM ANINAL

PATRÍCIA FERNANDA VASCONCELLOS INSTITUTO QUALITTAS CURSO HIGIENE E INSPIÇÃO EM PRODUTOS DE ORIGEM ANINAL PATRÍCIA FERNANDA VASCONCELLOS INSTITUTO QUALITTAS CURSO HIGIENE E INSPIÇÃO EM PRODUTOS DE ORIGEM ANINAL Revisão sobre a qualidade do leite no Brasil: Aspectos Físicos, Químicos e Nutritivos Campinas,

Leia mais

MASTITE EM VACAS LEITEIRAS

MASTITE EM VACAS LEITEIRAS MASTITE EM VACAS LEITEIRAS PELEGRINO Raeder do Carmo MELLO Fernando Carvalho de AMARAL Getulio Anízio Caíres do Acadêmicos do curso de Medicina Veterinária da FAMED-Garça-SP E-mail: raeder.vet@hotmail.com

Leia mais

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO O colostro é o leite obtido na primeira ordenha após o parto. Da segunda à 10 a ordenha pós-parto, o leite obtido se chama leite de transição, pois vai ficando mais

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo.

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo. Leite e derivados Objectivos: Conhecer a composição química e estrutura física do leite. Descrever leite inteiro, meio gordo magro e enriquecido. Descrever manteiga. Descrever natas. Descrever requeijão,

Leia mais

ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG

ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG E. A. S. Mendes 1, C. V. Pires 2, A. M. da Silva 3, L. S. Silva 4. 1- Universidade Federal

Leia mais

Processo de industrialização do leite pasteurizado

Processo de industrialização do leite pasteurizado Processo de industrialização do leite pasteurizado Bruna dos Santos 1 (FECILCAM) brunadosantos@hotmail.com Igor José do Nascimento 1 (FECILCAM) - igor_jnascimento@live.com Fabiane Avanzi Rezende 1 (FECILCAM)

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Bruno Souza Franco ¹, Susana Rubert Manfio 1, Cristiano

Leia mais

A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima

A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima Fispal - Sorvetes Junho/2014 2014 Centro de Tecnologia SENAI-RJ Alimentos e Bebidas Educação Profissional Curso Técnico de Alimentos Curso

Leia mais

Manual Controle de Mastite

Manual Controle de Mastite Manual Controle de Mastite Prezados clientes, A Zoetis está disponibilizando esse material como parte de sua política de prover aos seus clientes as mais recentes informações relacionadas à sanidade animal

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros Instruções de montagem e utilização Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Caprinos e Ovinos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Influência do transporte a granel na qualidade do leite cru refrigerado. Influence of the bulk milk shipping on the quality of cooled raw milk

Influência do transporte a granel na qualidade do leite cru refrigerado. Influence of the bulk milk shipping on the quality of cooled raw milk ARTIGO ORIGINAL/ ORIGINAL ARTICLE Influência do transporte a granel na qualidade do leite cru refrigerado Influence of the bulk milk shipping on the quality of cooled raw milk RIALA6/1234 Marco Antônio

Leia mais

ANEXO I - DOS CENTROS TECNOLÓGICOS, UNIDADES TEMÁTICAS, CARGA-HORÁRIA, NÚMERO DE VAGAS, CURSOS, REQUISITOS MÍNIMOS E TEMAS.

ANEXO I - DOS CENTROS TECNOLÓGICOS, UNIDADES TEMÁTICAS, CARGA-HORÁRIA, NÚMERO DE VAGAS, CURSOS, REQUISITOS MÍNIMOS E TEMAS. ERRATA 001 - EDITAL 013/2013/ITEP/OS Onde lê-se: ANEXO I - DOS CENTROS TECNOLÓGICOS, UNIDADES TEMÁTICAS, CARGA-HORÁRIA, NÚMERO DE VAGAS, CURSOS, REQUISITOS MÍNIMOS E TEMAS. CT CURSO DISCIPLINA CH VAGAS

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE CÉLULAS SOMÁTICAS SOBRE A QUALIDADE DE IOGURTE NATURAL E QUEIJO MINAS FRESCAL

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE CÉLULAS SOMÁTICAS SOBRE A QUALIDADE DE IOGURTE NATURAL E QUEIJO MINAS FRESCAL EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE CÉLULAS SOMÁTICAS SOBRE A QUALIDADE DE IOGURTE NATURAL E QUEIJO MINAS FRESCAL Lisiane Cristine Rincon de Lima (PIBIC/CNPq/UEM), Maryanne Gluck Torres, Denise Felix da Silva,

Leia mais

Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC

Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC Comunicado Técnico Outubro, 80 ISSN 1676-7675 Sobral, CE 2007 Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC Lea Chapaval 1 Introdução Um dos aspectos mais importantes dentro de um Programa de Controle

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

Série GESTÃO E QUALIDADE EDIÇÃO SEBRAE-RJ / SENAR-RIO / FAERJ 2008. Guia Prático da Produção Intensiva de Leite Gestão e Qualidade 1

Série GESTÃO E QUALIDADE EDIÇÃO SEBRAE-RJ / SENAR-RIO / FAERJ 2008. Guia Prático da Produção Intensiva de Leite Gestão e Qualidade 1 Série GESTÃO E QUALIDADE EDIÇÃO SEBRAE-RJ / SENAR-RIO / FAERJ 2008 Guia Prático da Produção Intensiva de Leite Gestão e Qualidade 1 SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS Os preços recebidos pelos produtores de leite em março (referente à produção de fevereiro) seguiram em alta, de acordo com levantamentos do Centro de

Leia mais

O sucesso do Gir Leiteiro

O sucesso do Gir Leiteiro O sucesso do Gir Leiteiro The success of Dairy Gir Por/Text Silvio Pinheiro Queiroz 50_Animal Business-Brasil Sumário Fruto de rigoroso e persistente trabalho de seleção genética, o Gir Leiteiro vem alcançando

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE CAMPO DO CONTROLE LEITEIRO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE CAMPO DO CONTROLE LEITEIRO CONTROLE 1 de 5 MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE CAMPO DO CONTROLE CONTROLE 2 de 5 1. Objetivo Este manual tem como objetivo a padronização do preenchimento do relatório de campo (R.1) do serviço

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA AUTOMAÇÃO NA PRODUÇÃO LEITEIRA 1

DIAGNÓSTICO DA AUTOMAÇÃO NA PRODUÇÃO LEITEIRA 1 Diagnóstico COMUNICAÇÃO da automação na produção leiteira 635 DIAGNÓSTICO DA AUTOMAÇÃO NA PRODUÇÃO LEITEIRA 1 Diagnosis of automation in dairy farming Juliana Vilela Lourençoni Botega 2, Roberto Alves

Leia mais

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles.

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Publicado em 03/09/2010 por Breno Bracarense, graduando em

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

Pool Leite. SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE GUARAPUAVA, PR 08/outubro/2015 Henrique Costales Junqueira henrique@castrolanda.coop.

Pool Leite. SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE GUARAPUAVA, PR 08/outubro/2015 Henrique Costales Junqueira henrique@castrolanda.coop. Pool Leite SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE GUARAPUAVA, PR 08/outubro/2015 Henrique Costales Junqueira henrique@castrolanda.coop.br Palestrante Granja Primavera, Juiz de Fora, Minas Gerais,

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área temática: Tecnologia e Produção Maximiliane Alavarse Zambom (Coordenadora da Ação de Extensão) Leslié Defante 1,

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

Cartilha do. Agente de Coleta

Cartilha do. Agente de Coleta Cartilha do Agente de Coleta Edição 1-2011 Índice 04 Introdução Apresentamos um guia indispensável para você fazer uma coleta de leite adequada. Análise de leite e coleta de amostras Um passo a passo dos

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

Processamento de leite UHT

Processamento de leite UHT Processamento de leite UHT O leite foi desde os tempos mais remotos um alimento de eleição para os povos. Contudo, apesar de nutritivo era muito sensível e deteriorava-se depressa, pelo que não tinha poder

Leia mais

Eficiência de desinfetantes em manejo de ordenha em vacas leiteiras na prevenção de mastites

Eficiência de desinfetantes em manejo de ordenha em vacas leiteiras na prevenção de mastites Eficiência de desinfetantes em manejo de ordenha em vacas leiteiras na prevenção de mastites Efficiency of Disinfectants in the management of milking dairy cows for the prevention of mastitis Luis Oliveira

Leia mais