A ADOÇÃO DO CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE NO PROCESSO DE COMPRAS DE GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS: UM ESTUDO DE CASOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ADOÇÃO DO CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE NO PROCESSO DE COMPRAS DE GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS: UM ESTUDO DE CASOS"

Transcrição

1 A ADOÇÃO DO CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE NO PROCESSO DE COMPRAS DE GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS: UM ESTUDO DE CASOS Fernando Miguel Pinto Saliba Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto Coppead de Administração Mestrado em Administração Orientadora Prof a. Dr a. Rebecca Arkader (COPPEAD / UFRJ) Rio de Janeiro 2006

2 ii A ADOÇÃO DO CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE NO PROCESSO DE COMPRAS DE GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS: UM ESTUDO DE CASOS Fernando Miguel Pinto Saliba Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração COPPEAD, da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre. Aprovada por: Prof a. Rebecca Arkader, D.Sc. (COPPEAD/UFRJ) Orientadora Prof. Peter Wanke, D.Sc. (COPPEAD/UFRJ) Prof. Leonardo Lustosa, Ph.D. (PUC/RJ) Rio de Janeiro 2006

3 iii Saliba, Fernando Miguel Pinto A Adoção do Custo Total de Propriedade no Processo de Compras de Grandes Empresas Brasileiras: um Estudo de Casos / Fernando Miguel Pinto Saliba. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, x, 152 p. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Instituto COPPEAD de Administração, Orientadora: Rebecca Arkader. 1. Custo Total de Propriedade. 2. Processo de Compras. 3. Compras Estratégicas. I Arkader, Rebecca (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto COPPEAD de Administração. III. Título.

4 iv À minha família.

5 v AGRADECIMENTOS Aos meus pais, pelo amor e apoio constantes em tudo que faço, e ao meu irmão, pelo companheirismo durante todos esses anos. Tenho em vocês três grandes exemplos a seguir. À professora Rebecca Arkader, pela valiosa orientação e troca de conhecimento. À Flávia Rosário, pela pessoa especial que tem sido pra mim e pela força em todos os momentos que precisei ao longo desses dois anos de mestrado. Aos amigos Cláudia Woods e Leonardo Rangel, componentes da equipe Manguetown. A vitória que juntos conquistamos com certeza ficará para sempre na minha memória. Simplesmente inesquecível! Aos amigos Juliana Yonamine e Eduardo Rodrigues, pelo companheirismo durante o intercâmbio na Holanda. Em especial, à Juliana, pelo apoio e incentivo desde os anos de graduação. À turma 2004, pelos momentos vividos ao longo desses dois anos de mestrado. Ainda fico impressionado com a quantidade de grandes amigos que fiz nessa instituição. Amizades que, com certeza, seguirão comigo daqui em diante. Aos professores do COPPEAD, grandes responsáveis pelo sucesso dessa instituição e de seus alunos. A todos do COPPEAD, especialmente funcionários da Secretaria Acadêmica e da Biblioteca, por fazerem dessa instituição um lugar tão especial e agradável para se estudar. Aos meus familiares e amigos, pela incessante torcida para que tudo desse certo. Às empresas participantes da pesquisa e, em especial, aos entrevistados, pelo tempo concedido para que este estudo fosse realizado. Por fim, aos professores componentes da banca avaliadora, pela disponibilidade e pelas contribuições certeiras.

6 vi RESUMO SALIBA, Fernando Miguel Pinto. A Adoção do Custo Total de Propriedade no Processo de Compras de Grandes Empresas Brasileiras: um estudo de casos. Orientadora: Rebecca Arkader. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertação (Mestrado em Administração). O crescimento da importância estratégica do gerenciamento de compras vem obrigando as empresas a repensarem a forma como suas decisões de fornecimento são tomadas. Empresas cujas áreas de compras já desempenham esse novo papel, mais estratégico, começam a explorar diversas oportunidades relacionadas não só a benefícios de custos, como também a melhorias de desempenho. Um dos pilareschave desse novo processo de compras seria a adoção da metodologia de custo total de propriedade, ou TCO, do inglês Total Cost of Ownership. O presente estudo teve como objetivo investigar as principais características da adoção do custo total de propriedade no processo de compras de grandes empresas brasileiras. Mais especificamente, buscou-se identificar os fatores que motivaram as empresas a adotarem o TCO, caracterizar o processo de implementação, relatar os entraves percebidos e os benefícios obtidos e identificar as perspectivas futuras da adoção do TCO. Para isso, foram estudados três casos de grandes empresas que recentemente passaram a utilizar essa metodologia em suas decisões de compras. Os resultados do estudo indicam que a adoção do TCO é caracterizada como parte de um grande processo de reestruturação da função Compras das empresas, em que se destaca a formação de um grupo especializado no desenvolvimento de análises de TCO e isolado das atividades tradicionais dos processos de compras. Além dos benefícios de redução de custos, o TCO possibilita que as empresas estreitem o relacionamento com fornecedores considerados estratégicos. Os principais entraves observados são as dificuldades no levantamento de informações de custos e resistências tanto de fornecedores como do pessoal de suprimentos. Em vista dos resultados da pesquisa, a metodologia parece ser adequada ao processo de compras de itens estratégicos em grandes empresas do país.

7 vii ABSTRACT SALIBA, Fernando Miguel Pinto. A Adoção do Custo Total de Propriedade no Processo de Compras de Grandes Empresas Brasileiras: um estudo de casos. Orientadora: Rebecca Arkader. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertação (Mestrado em Administração). The growing strategic role of supply management is forcing companies to restructure the way their supply decisions are made. Companies in ing to explore several opportunities related not only to cost benefits, but also to performance improvement. One of the main pillars of this new purchasing process is the adoption of the total cost of ownership methodology. which the Purchase area already plays this new and more strategic role are start The purpose of this study is to investigate the main characteristics of the adoption of the total cost of ownership approach in the purchasing process of large Brazilian companies. Specifically, the study seeks to point out the factors that motivated companies to adopt TCO; to characterize the implementation process; to identify benefits and problems; and to point out future perspectives of TCO adoption. Three cases of large companies that have recently started to use this methodology were studied. The results indicate that the adoption of the total cost of ownership methodology can be characterized as part of an overall process of reorganization of the Purchasing function. Within this process, specialized groups are formed to develop TCO analyses, separate from the conduction of other activities in the purchasing process. In addition to cost reduction benefits, TCO allows companies to strengthen their relationships with strategic suppliers. The main problems identified were difficulties to collect cost information and the resistance of both suppliers and employees of the Purchasing function. The results point out that the TCO approach seems to be appropriate in the purchasing process for strategic items in large companies.

8 viii SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO RELEVÂNCIA DO ESTUDO ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO REVISÃO DE LITERATURA O PROCESSO DE COMPRAS E SUA ORGANIZAÇÃO O Processo de Compras Organização do Processo de Compras O CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE (TCO) Definições de Custo Total de Propriedade (TCO) Aplicações do TCO ao Processo de Compras Modelos de Categorização de Custos do TCO Classificação dos Modelos de TCO Aplicação do TCO às Diferentes Categorias de Compras O TCO em Comparação com Outras Metodologias Processo de Implementação do TCO Principais Entraves da Adoção do TCO Benefícios da Adoção do TCO QUADRO CONCEITUAL METODOLOGIA QUESTÕES DA PESQUISA MÉTODO DE PESQUISA ESCOLHA DOS CASOS COLETA E ANÁLISE DOS DADOS LIMITAÇÕES DO MÉTODO RESULTADOS OS CASOS A Adoção do TCO na Empresa ALPHA...57

9 ix A Adoção do TCO na Empresa BETA A Adoção do TCO na Empresa GAMMA ANÁLISE DOS RESULTADOS CONCLUSÕES RESPOSTA ÀS PERGUNTAS DO ESTUDO LIMITAÇÕES DO ESTUDO RECOMENDAÇÕES PARA ESTUDOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO ROTEIRO DE ENTREVISTAS COM AS EMPRESAS...148

10 x ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Objetivos e aplicações do TCO ao processo de compras Figura 2 Modelo de categorização do TCO por lógica temporal ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 Categorização do TCO por atividades-chave de Compras Quadro 2 Componentes do TCO identificados por Ferrin e Plank (2002) Quadro 3 Vantagens e desvantagens do uso dos diferentes modelos de TCO apresentadas por Ellram (1995) Quadro 4 Categorias de compras submetidas aos estudos de TCO Quadro 5 Classificação dos modelos de TCO utilizados nas empresas Quadro 6 Principais entraves do processo de adoção do TCO Quadro 7 Principais benefícios obtidos na adoção do TCO Quadro 8 Comparação entre características do processo de adoção do TCO...129

11 1. INTRODUÇÃO 1.1. OBJETIVO O presente estudo teve como objetivo investigar as principais características da adoção do custo total de propriedade no processo de compras de grandes empresas brasileiras. A partir de uma pergunta de pesquisa geral: Como se caracterizam os processos de adoção do custo total de propriedade no gerenciamento de compras de grandes empresas brasileiras?, o estudo foi orientado a questões específicas cujos objetivos seriam identificar os fatores que motivaram as empresas a adotarem o custo total de propriedade, caracterizar o processo de implementação, relatar os entraves e benefícios e levantar as perspectivas futuras da adoção do TCO RELEVÂNCIA DO ESTUDO As questões relacionadas à gerência de compras e fornecimento têm-se mostrado cada vez mais importantes para a gestão empresarial. A área de compras tornou-se prioritária (Anderson e Katz, 1998; Ellram, Ogden e Zsidisin, 2003) e, cada vez mais, passa a desempenhar um papel de grande relevância para que grandes corporações atinjam seus objetivos de economia de custos e aumento de lucratividade (Anderson e Katz, 1998). De fato, reconhecer a real importância da função Compras como fonte de competitividade seria fundamental para empresas que desejem estar presentes, de forma eficaz, em seus mercados hoje e no futuro (Herrera, 2001). Os estudos nessa área ganharam ainda mais relevância nos últimos anos graças ao aumento da participação dos custos de bens e serviços adquiridos externamente pelas empresas (Monczka, Trent e Handfield, 2002). Além disso, o crescimento da importância estratégica do outsourcing passou a exigir um gerenciamento mais eficaz dos custos associados ao processo de fornecimento (Ellram, Ogden e Zsidisin, 2003). Dessa forma, a área de compras passou a controlar elementos decisivos para o sucesso competitivo das empresas (Dobler e Burt, 1996).

12 2 Como as compras seriam o maior custo existente na maioria das organizações (Nelson, Moody e Stegner, 2001), a capacidade da área para gerenciar eficazmente e reduzir custos deveria ser considerada crítica para o sucesso no longo prazo (Malbert e Skeels, 2002) e poderia resultar em vantagens competitivas de valor significativo, não transferível e não imitável (Ellram, Ogden e Zsidisin, 2003). Segundo Slack e Lewis (2001), considerando que a compra de bens e serviços representa pelo menos 50% do custo total na maioria das organizações, pequenas reduções nos valores gastos apresentam grande impacto no resultado das empresas. Monczka, Trent e Handfield (2002) relatam percentuais ainda maiores, chegando a 55%. De fato, o processo de compras é visto, atualmente, como uma atividade com enorme potencial de redução de custos para as empresas (Anderson e Katz, 1998). A exploração de todo o potencial da área pode gerar vantagem competitiva não só através de benefícios de custos, mas também através de melhoria de desempenho (Monczka, Trent e Handfield, 2002). Assim, as organizações passaram a enxergar seus fornecedores como potenciais agentes para criação de valor (Mol, 2002). Esse processo poderia indicar que as vantagens competitivas não residiriam mais apenas dentro das empresas, mas também em suas decisões de fornecimento (Dyer e Singh, 1998). Tal crescimento de importância do gerenciamento de compras está obrigando as empresas a repensarem e a reestruturarem suas decisões de compras (Monckzca et al., 1998). Uma vez que o papel da função Compras teria mudado dentro das organizações, as empresas começariam, então, a repensar a forma com que suas decisões de fornecimento são tomadas (Anderson e Katz, 1998). Uma das mais importantes distorções que a área de compras ainda pode sofrer, devido a um posicionamento estratégico inadequado, seria a orientação para ganhos de preço em detrimento das dimensões mais importantes de custo e serviço (Herrera, 2001). Fornecedores com os preços mais atraentes não necessariamente são a melhor opção (Degraeve e Roodhooft, 1999b). Além disso, a ênfase da função Compras no preço peca por não considerar outros fatores de custos importantes,

13 3 que poderiam gerar benefícios de valores mais significativos e de maior sustentabilidade (Anderson e Katz, 1998). Em contrapartida, empresas cujas áreas de compras já desempenham esse novo papel mais estratégico começam a explorar diversas oportunidades para minimizar seus custos e maximizar o valor dos bens e serviços para seus usuários. Um dos pilares-chave desse novo processo de compras seria a adoção do conceito de custo total de propriedade, ou TCO, do inglês Total Cost of Ownership (Anderson, Glenn e Sedatole, 2000). O foco no custo total de propriedade em substituição à orientação por preço seria essencial para a exploração do potencial estratégico da área de compras (Anderson, Glenn e Sedatole, 2000). Além disso, a adoção do TCO afeta diretamente a forma como as empresas compram e promove oportunidades para significativas reduções de custo e aumento de lucratividade (Anderson e Katz, 1998; Ellram e Siferd, 1998). As oportunidades são ainda maiores tendo em vista os desenvolvimentos no campo da contabilidade gerencial que permitiriam a quantificação de custos relativos ao processo de compras e estabeleceriam melhores distinções entre diferentes fornecedores (Bennett, 1996; Carr e Ittner, 1992; Cavinato, 1992; Degraeve e Roodhooft, 1999b; Ellram, 1995; Ellram e Siferd, 1993; Roehm et al., 1992). Além disso, apesar da importância cada vez maior do gerenciamento dos custos incorridos nas atividades entre empresas (Cooper e Slagmulder, 1999; Spina e Zotteri, 2000; Handfield et al., 2000; Cokins, 2001; Tomkins, 2001), a literatura ainda ofereceria pouca evidência empírica do seu papel em tais relacionamentos e o seu desenvolvimento ainda estaria em etapa inicial (Kulmuala, 2004). É nesse contexto que pode ser identificada a relevância de um estudo sobre a adoção do custo total de propriedade no processo de compras das organizações. Uma vez que decisões erradas de fornecimento podem ser extremamente custosas para as empresas (Ellram e Siferd, 1993) e que as oportunidades de benefícios provenientes de melhorias nos processos de compras são consideráveis (Degraeve e Roodhooft, 1999a), o estudo sobre a adoção de uma metodologia como o TCO é de grande relevância.

14 4 Mais especificamente, o estudo também possui relevância por abordar a adoção do custo total de propriedade em grandes empresas do Brasil, país em que, apenas recentemente, tem havido ações empresariais mais consistentes de melhorias no processo de compras ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO O estudo aqui apresentado está organizado da seguinte forma: O primeiro capítulo apresentou os objetivos do estudo e sua relevância. O segundo capítulo traz a revisão da literatura sobre o tema, iniciando-se com uma descrição do processo de compras e de sua organização. Em seguida, são abordadas as definições, aplicações e classificações dos modelos de TCO. São detalhados os principais aspectos do processo de implementação do TCO, seus entraves e benefícios. Por último, é apresentado o quadro conceitual que busca resumir os principais pontos da adoção do custo total de propriedade identificados na literatura. O terceiro capítulo apresenta a metodologia do estudo, trazendo as perguntas da pesquisa, o método escolhido, o processo de coleta e análise dos dados e as limitações do método. O quarto capítulo apresenta os três casos estudados, seguindo a estrutura formada pelas perguntas da pesquisa e a análise dos resultados, confrontando as práticas identificadas em cada um dos casos e abordando pontos identificados na literatura. O quinto e último capítulo apresenta as conclusões, as limitações do estudo e as sugestões para estudos futuros sobre este mesmo tema.

15 5 2. REVISÃO DE LITERATURA O objetivo deste capítulo é apresentar os principais tópicos relacionados à adoção do custo total de propriedade no processo de compras das empresas. Para tanto, inicia-se com a descrição do processo de compras e de sua organização. Em seguida, são definidos o conceito de custo total de propriedade e suas aplicações. São, então, feitas comparações com outras abordagens para tomada de decisão de compras e apresentados modelos para categorização dos custos do TCO. Depois, são detalhadas as principais formas de se classificar os modelos de TCO e suas aplicações às diferentes categorias de compras. São, então, destacados os principais pontos relacionados ao processo de implementação do TCO, os principais entraves da sua adoção e os seus possíveis benefícios. Por fim, é montado um quadro conceitual que busca resumir os principais pontos associados à adoção do custo total de propriedade, identificados na literatura, que irão orientar a pesquisa de campo e a análise das questões tratadas neste estudo O PROCESSO DE COMPRAS E SUA ORGANIZAÇÃO O Processo de Compras O processo de compras é um dos processos-chave para o gerenciamento da cadeia de suprimentos de uma organização (Fleury, 2000), tendo fundamental importância para as operações da empresa. Seu principal objetivo é disponibilizar os insumos necessários às operações em tempo hábil e, principalmente, ao menor custo total (Bowersox e Closs, 2001). Nas últimas duas décadas, diversos estudos destacaram o fato de que o processo de compras teria deixado de ser um mero processamento de requisições e pedidos e estaria, cada vez mais, relacionado a atividades de cunho mais estratégico (Kraljic, 1983; Reck e Long, 1988; Cox, Harris e Parker, 1998; White e Hanmer-Lloyd, 1999). Segundo Monczka, Trent e Handfield (2002), o processo de compras seria realizado em ciclo composto por cinco grandes estágios:

16 6 1. Identificar ou antecipar necessidades de materiais ou serviços; 2. Avaliar potenciais fornecedores; 3. Selecionar fornecedores; 4. Apresentar requerimentos dos bens e serviços e recebê-los; 5. Avaliar e gerenciar continuamente o desempenho dos fornecedores. Na mesma linha, Wagner e Schwab (2003) colocam que atividades como a análise de mercado, especificação de bens e serviços, identificação de potenciais fornecedores, negociação, seleção e avaliação de fornecedores e gestão de contratos representariam os principais elementos do processo de compras. Além dessas principais atividades, seria possível inserir nesse processo atividades como o envolvimento precoce da área de compras nas equipes de desenvolvimento de produtos e sua participação no planejamento estratégico da empresa (Dobler e Burt, 1996). Neste século XXI, pode-se dizer que as empresas passaram a enxergar em seu processo de compras oportunidades para melhorar a qualidade de sua cadeia de suprimentos e reduzir significativamente seus custos (Monczka, Trent e Handfield, 2002). De fato, a organização que busca melhorar seu desempenho teria no seu processo de compras um importante fator que poderia favorecer e inclusive acelerar o seu sucesso (Herrera, 2001). É exatamente essa busca por oportunidades de reduções de custos e melhorias na execução do processo de compras que estaria fazendo com que as organizações compradoras passassem a adotar o custo total de propriedade. Tal conceito teria efeito direto sobre a forma como as empresas compram e promoveria oportunidades para melhorias significativas no resultado das empresas (Anderson e Katz, 1998).

17 Organização do Processo de Compras Observa-se o crescimento em importância do processo de compras na medida em que este passa a ser realizado progressivamente por equipes multifuncionais dentro da organização, e não apenas por um único departamento que reage a requisições de outras áreas (Johnson, Leenders e Fearon, 1998). O impacto cada vez maior das decisões de compras nas demais áreas da organização faria com que esse processo necessitasse o envolvimento de equipes multifuncionais (Ellram, 1993). Além disso, Kotler e Armstrong (1999) destacam como exemplo de mudança da organização do processo de compras o fato de algumas empresas terem fundido várias atividades compras, controle de estoque, planejamento de produção e transporte em um processo de alto nível chamado de gerenciamento estratégico de suprimentos.

18 O CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE (TCO) Definições de Custo Total de Propriedade (TCO) O custo total de propriedade pode ser definido como uma abordagem complexa que requer que a organização compradora identifique todos os custos relevantes das atividades de aquisição, posse e uso de um bem ou serviço comprado, e no qual são quantificados todos os custos relacionados a um fornecedor específico (Bennet, 1996; Carr e Itner, 1992; Cavinato, 1992; Ellram e Siferd, 1993; Ellram, 1993, 1994, 1995; Ellram, Ogden e Zsidisin, 2003). A seguir são apresentadas algumas definições de TCO encontradas na literatura. Verdadeiro Custo de Compras: Degraeve e Roodhooft (1999a) definiram o TCO como o verdadeiro custo de um bem ou serviço comprado, sendo formado por seu preço e outros fatores que reflitam custos adicionais gerados pelos fornecedores na cadeia de valor da empresa. De fato, seria através da implementação do custo total de propriedade que o verdadeiro custo de aquisição de um item ou serviço poderia ser determinado (Degraeve, Labro e Roodhooft, 2000). Soma dos Elementos de Custo Relevantes para Decisões de Compras: Somando-se ao componente preço, outros fatores de custo que desempenhariam papel importante nas decisões de compras ajudariam a compor o custo total de propriedade (Degraeve e Roodhooft, 1999b; Ferrin e Plank, 2002). Em artigo em que definiram os principais fundamentos do TCO, Ellram e Siferd (1993) afirmaram que, para uma tomada de decisão correta em compras, seria necessário incluir custos relativos a problemas de qualidade como retrabalho, inspeção e atrasos; custos relacionados à entrega considerando pontualidade, leadtime e pedido completo; custos relativos à comunicação com o fornecedor, tais como utilização de EDI ou fluxo de papel; custos associados à prestação de serviço, tais como expedição e devolução de itens devido a problemas de qualidade, problemas na entrega, erros na fatura, entre outros; e, por fim, custos administrativos, tais como treinamento e transferência de tecnologia. Quando todos esses fatores fossem levados em consideração, fornecedores com os preços mais atrativos não necessariamente

19 9 seriam a melhor opção para a empresa (Ellram e Siferd, 1993; Degraeve e Roodhooft, 1999b). Custos Incorridos ao Longo do Processo de Compras O custo total de propriedade poderia ser definido como um conceito de integração, sendo determinado a partir do fluxo de atividades relativas à compra do bem ou serviço e dos custos associados a essas atividades (Ellram, 1993, 1994; Ellram e Siferd, 1993; Ferrin e Plank, 2002). Degraeve e Roodhooft (1999a) também destacam o levantamento de todas as atividades do processo de compras como uma característica do TCO. A partir disso, os custos gerados por atividades realizadas ao longo de toda cadeia de valor da empresa, isto é, antes, durante e depois da compra, seriam identificados e contemplados nas decisões de fornecimento. Através das análises do fluxo do processo de compras feitas no TCO, uma empresa conseguiria determinar explicitamente quais seriam as atividades realizadas internamente ou por terceiros que estariam aumentando o custo dos bens e serviços comprados. Dessa forma, a organização deixaria de considerar apenas os custos alocados ou pagos externamente para a compra de determinado item (Ellram e Siferd, 1993). Identificação de Trade-Offs nas Decisões de Compras e Impactos nas Demais Áreas Anderson, Wouters e Wynstra (2005) definem o TCO como o processo de identificação de trade-offs de custo existentes nas decisões de compras. Esses custos poderiam ser incorridos tanto na área de compras, como em outras áreas da empresa compradora e até mesmo no próprio fornecedor. A inclusão de trade-offs existentes nas outras áreas seria característica fundamental do TCO, uma vez que as decisões de compras teriam impactos significativos em outras funções da organização (Ferrin e Plank, 2002; Anderson, Wouters e Wynstra, 2005). A identificação de trade-offs característica do TCO estaria em linha com a busca das organizações por ofertas de melhor valor tanto do ponto de vista do fornecedor como do usuário na empresa (Anderson e Narus, 1998, 2004; Doyle, 2000; Ulaga, 2001).

20 10 Custos de Compras Sob Ótica de Longo Prazo: Ellram, Ogden e Zsidisin (2003) afirmam que o TCO ajudaria as organizações a obterem uma visão de longo prazo do custo de se fazer negócio com determinado fornecedor. De fato, Ferrin e Plank (2002) associaram à adoção do custo total de propriedade a realização de análises dos impactos das decisões de fornecimento no longo prazo. Além disso, o TCO levaria em consideração custos ao longo de todo o ciclo de vida do item comprado (Degraeve, Labro e Roodhooft, 2000). Essa perspectiva ampliada possibilitaria avaliações mais corretas para cada situação de compra e eliminaria o processo decisório baseado estritamente no curto prazo, isto é, considerando principalmente a variável preço (Ferrin e Plank, 2002). Atualmente, a tomada de decisão de compras com base apenas no preço ainda seria dominante em grande parte das funções de compras das organizações (Anderson, Thomson e Wynstra, 2000). Custos de Compras ao Longo da Cadeia de Suprimentos Assim como o conceito de custo total aplicado ao campo da logística, o custo total de propriedade procuraria examinar custos associados à compra de bens e serviços ao longo de toda a cadeia de suprimentos. Sendo assim, o TCO consideraria custos incorridos em toda a operação da empresa, desde a formação de idéias iniciais, como, por exemplo, o trabalho realizado em conjunto com determinado fornecedor para o desenvolvimento de um item novo ou aperfeiçoado, até as exigências de garantia do item uma vez que o produto acabado já estivesse em uso pelo consumidor final (Ellram, 1993). Além disso, o TCO estaria diretamente associado às atividades de redução das barreiras existentes entre a organização compradora e seus fornecedores, como por exemplo ações de cooperação, compartilhamento de informações e identificação de trade-offs ao longo da cadeia de suprimentos. O TCO seria base para modificações na forma como essas empresas fariam negócios juntas, tais como reavaliar qual empresa seria responsável por determinada atividade ou quais seriam os efeitos de mudanças no processo de compras. Essa característica, ainda que considerada

21 11 pouco presente nas práticas do TCO, estaria em fase de expansão em termos de sua utilização (Anderson, Wouters e Wynstra, 2005) Objetivos e Aplicações do TCO ao Processo de Compras Ellram e Siferd (1998) desenvolveram um modelo em que apresentam os diferentes objetivos da adoção do TCO e as atividades do processo de compras que seriam apoiadas pelas análises de custo total de propriedade. Para cada um dos objetivos estratégico, tático e operacional as autoras listaram as principais aplicações dos modelos de TCO. Figura 1 Objetivos e aplicações do TCO ao processo de compras Objetivo do TCO: Principais Aplicações: Estratégico: Melhoria contínua Tático: Desenvolvimento de fornecedores Operacional: Gerenciamento e avaliação de fornecedores - questionamento de processos fundamentais - redefinição de processos - decisões de outsourcing - gerenciamento da cadeia de suprimentos - identificação de fatores que acarretam elevados custos tanto interna quanto externamente - feedback para fornecedores - acompanhamento de desempenho - seleção de fornecedores - alocação de volume de compras - alocação de custos a produtos Fonte: Ellram e Siferd (1998, p.67). O modelo aqui apresentado ilustra a amplitude de decisões que a abordagem do TCO pode apoiar, variando desde decisões operacionais de rotina, como por exemplo o volume comprado que deve ser alocado a determinado fornecedor, até decisões mais estratégicas, como a identificação de oportunidades de melhoria de processo e até mesmo indicações se determinada empresa deveria estar atuando

22 12 em ramo de negócios específico. Dessa forma, o TCO apresentaria aplicações bastante diversas para situações e organizações diferentes (Ellram e Siferd, 1998) Modelos de Categorização de Custos do TCO Como definido na seção 2.2.1, as análises de custo total de propriedade contemplam uma série de custos associados às atividades de compras de uma empresa. Segundo Ellram (1994), se determinado custo deve ou não ser incluído no TCO de um item específico geralmente depende da importância relativa ou da magnitude desse para o item comprado. De acordo com Degraeve e Roodhooft (1999a), a determinação das categorias de custo que devem ser incluídas nas análises de custo total de propriedade exige um bom conhecimento dos diferentes processos internos da empresa e, muitas vezes, a inclusão de determinada categoria está sujeita a discussões internas na organização. Para abordar a questão da definição dos custos a serem considerados, Ellram (1994) sugere a utilização de ferramentas como o gráfico de Pareto, que teriam como principal objetivo rastrear as categorias de custos mais relevantes para o processo de compra de determinado item. Além disso, a literatura apresenta modelos que auxiliam na identificação dos custos relevantes para as atividades de compras. A seguir são apresentados três desses modelos que identificam e classificam os custos que devem ser incluídos no TCO. O primeiro deles segmenta os custos a partir das atividades-chave da função compras de uma empresa (Ellram e Siferd, 1993). O segundo utiliza uma lógica temporal para facilitar a identificação de todos os custos incorridos antes, durante e após a compra propriamente dita (Ellram, 1993). O terceiro modelo busca segmentar os custos em níveis hierárquicos correspondentes à freqüência de ocorrência dos mesmos (Degraeve e Roodhooft, 1996, 1999a). Os três modelos encontram-se detalhados a seguir.

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

A APLICAÇÃO DO TOTAL COST OF OWNERSHIP (TCO) NA GESTÃO DE CUSTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

A APLICAÇÃO DO TOTAL COST OF OWNERSHIP (TCO) NA GESTÃO DE CUSTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS VIII CIAEC 054 A APLICAÇÃO DO TOTAL COST OF OWNERSHIP (TCO) NA GESTÃO DE CUSTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS Paulo Roberto Pinheiro Faculdade São Francisco de Assis (Brasil) José Luiz dos Santos Faculdade São

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TOTAL COST OF OWNERSHIP NO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

A IMPORTÂNCIA DO TOTAL COST OF OWNERSHIP NO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS A IMPORTÂNCIA DO TOTAL COST OF OWNERSHIP NO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PAULO ROBERTO PINHEIRO (UNIFIN) ppinheiro@unifin.com.br Paulo Schmidt (UFRGS) pschmidt@ufrgs.br Jose Luiz dos santos (UNIFIN)

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Valor total de compras de materiais e serviços da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de estoques da Companhia em relação ao

Valor total de compras de materiais e serviços da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de estoques da Companhia em relação ao Valor total de compras de materiais e serviços da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de estoques da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de compras de materiais/serviços

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 3 O que é estratégia? Estratégia da produção Qual a diferença entre as visões de cima para baixo

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais