Transdutores capacitivos e indutivos. Prof. Valner Brusamarello

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transdutores capacitivos e indutivos. Prof. Valner Brusamarello"

Transcrição

1 Transdutores capacitivos e indutivos Prof. Vaner Brusamareo

2 Transdutores apacitivos Fornecem uma ateração da capacitância em resposta ao estímuo Ateração da distância, área ou dieétrico das pacas apacitor apacitância

3 Transdutores apacitivos Impementações mais comuns Pacas Paraeas iíndros oncêntricos ε r εo A d d Pacas Paraeas A ε r iíndros oncêntricos πε r εo r n r r r

4 Transdutores apacitivos Tipos Variação da Distância de Pacas Posição da paca Variação da Área Efetivas de Pacas Paraeas Posição da paca Variação da Permissividade Posição do Dieétrico Ateração do Dieétrico

5 Transdutores apacitivos Ateração da Distância das Pacas Função de Transferência Pacas Paraeas d A d ε ε r o A d d ε ε r o d d A 0 ε ε A r o d

6 Transdutores apacitivos Ateração da Distância das Pacas Variáveis Expúrias Ateração do dieétrico Desocamentos panares de uma paca em reação a outra Mudança do paraeismo entre as pacas Acopamento dos condutores por detrás das pacas

7 Transdutores apacitivos Ateração da Distância das Pacas Função de Transferência Pacas Paraeas d d A d ε r εo ε ε r o A d A d d Minimiza a Infuência: ateração do dieétrico diatação térmica das pacas d d

8 Transdutores apacitivos Ateração da Distância das Pacas apacitor Diferencia Função de d Transferência d A d A εrεo d d A ε ε r o d d d d Pacas Paraeas Minimiza a Infuência: ateração do dieétrico diatação térmica das pacas

9 Transdutores apacitivos Ateração da Área Efetiva de Pacas Paraeas Função de Transferência fixas apacitor de referência d d ε r εo A d A móve A Ae ε ε r o A A d A A Minimiza a Infuência: ateração do dieétrico diatação térmica das pacas

10 Transdutores apacitivos Ateração da Área Efetiva de Pacas Paraeas Função de Transferência apacitor de referência L πε r εo r n r L L r r Minimiza a Infuência: ateração do dieétrico diatação térmica das pacas πε r ε o L r n r L

11 Transdutores apacitivos Ateração da Área Efetiva de Pacas Paraeas apacitor Diferencia Função de Transferência fixas móve A A A ε ε r o A A d d d A A Pacas Paraeas Minimiza a Infuência: ateração do dieétrico diatação térmica das pacas ε ε r o A A d A A

12 Transdutores apacitivos Ateração da Área Efetiva de Pacas Paraeas apacitor Diferencia Função de Transferência d Pacas Paraeas A A A A A Minimiza a Infuência: ateração do dieétrico diatação térmica das pacas ε ε r ε ε r o o A A d A A d A A

13 Transdutores apacitivos Ateração da Área Efetiva de Pacas Paraeas apacitor Diferencia Função de Transferência L L L L r r Minimiza a Infuência: ateração do dieétrico diatação térmica das pacas L πε r εo r n r L πε r εo r n r L

14 Transdutores apacitivos Variação da Permissividade Mudança de posição do dieétrico Função de Transferência d Pacas Paraeas A ε εr o A εr εo d A A d εo r r εr d ( ε A ( ε ) A) Aterações na composição química do dieétrico ateram o sina de saída

15 Transdutores apacitivos d Variação da Permissividade Mudança do dieétrico Função de Transferência Pacas Paraeas A ( ε ε ) r r r ε o A d ε ε r

16 Transdutores apacitivos Apicações Sensores de Proximidade Transdutores de Pressão Transdutores de Fuxo Transdutores de Níve de Líquido Transdutores de Desocamento Transdutores de Aceeração Transdutores de Posição Anguar ou Linear Transdutores de Espessura odificadores apacitivos

17 Transdutores apacitivos Apicações Sensores de Proximidade Ateração do Dieétrico

18 Transdutores apacitivos Apicações Transdutores de Proximidade

19 Transdutores apacitivos Apicações Transdutores de Proximidade (touch pad) A posição do dedo é detectada na inha e couna que apresentarem o maior acopamento capacitivo. A aproximação do dedo aumenta a constante dieétrica

20 Transdutores apacitivos Apicações Transdutores de Pressão Mudança na distância entre pacas capacitor diferencia

21 Sensores de Pressão Microfabricados em Si apacitivo s

22 Transdutores apacitivos Apicações Transdutores de Pressão

23 Equação de Bernoui Descreve reação entre veocidade, pressão e atura

24 Restrição em tubuação

25 Tubo de Pitot O Tubo de Pitot é um instrumento utiizado para a medição de veocidades de escoamentos tanto internos quanto externos, para íquidos ou gases. Pressão Estática é a pressão rea ou a pressão termodinâmica que atua no fuido. Pode também ser definida como a pressão acusada por um sensor que acompanha o fuido, com a mesma veocidade deste. É medida através do uso de um pequeno orifício executado na parede da tubuação ou de outra superfície ainhada com o escoamento, tendose o cuidado de que esta medição atere o mínimo possíve o movimento do fuido. Pressão Dinâmica é a pressão decorrente da transformação da energia cinética do fuido em pressão, através de uma desaceeração isoentrópica do mesmo. Pressão Tota, de Impacto ou de Estagnação é a soma da pressão estática com a pressão dinâmica. A sua medição é feita através de uma tomada de pressão votada contra o escoamento e ainhada com as inhas de corrente, de forma a receber o impacto do fuido. Figura Leituras de pressões estática, tota e dinâmica.

26 Tubo de Pitot Utiizandose a Equação de Bernoui, temse que as energias potenciais dos pontos e são idênticas e não necessitam ser consideradas. Assim, temse do ado esquerdo da equação (), respectivamente, a energia cinética e a energia de pressão ou trabaho de escoamento do ponto. Do ado direito temse os mesmos termos reativos ao ponto. omo a veocidade no ponto, v, é nua, temse do ado direito apenas o termo reativo à pressão, no caso, à pressão tota ou de estagnação. Esta pressão é igua a pressão estática no ponto, adicionada àenergia cinética do escoamento no ponto, equação (). Nestas equações ρ é a massa específicado fuido em escoamento. Para a montagem da Figura 3 ou da própria Figura (c), a veocidade obtida através da Equação de Bernoui será dada pea Equação (3). sendo que ρf e ρm são as massas específicas do fuido em escoamento e do íquido manométrico, respectivamente, g é a aceeração gravitaciona e h a atura ida no manômetro.

27 Fuxímetros comuns por pressão diferencia: orifício O orifício é um método barato, mas tem aguns probemas por introduzir perda de energia devido as turbuências geradas pea mudança brusca da geometria.

28 Venturi e Boca O Tubo de Venturi possui uma geometria um pouco mais compexa, mas os resutados ficam mais próximos do esperado que o orifício O boca tem características dos primeiros métodos. É mais simpes que o tubo de Venturi mas possui uma curvatura que diminui consideravemente as turbuências.

29 Transdutores apacitivos Apicações Transdutores de Fuxo Transdutores de Pressão Diferencia (Equação de Bernoui) Paca de Orifícios P d a P v b β β b 4 ρ Da 4 P a pressão ata P b pressão baixa ρ densidade do íquido

30 Transdutores apacitivos Apicações Transdutores de Fuxo Transdutores de Pressão Diferencia (Equação de Bernoui) Tubo de Venturi Tubo de Pitot P d a P v b β β b 4 ρ Da 4 P a P v b ρ

31 P P Transdutores apacitivos Apicações P V ρ g P P A P Transdutores de Níve Transdutores de Pressão Diferencia A hρ g P pressão inferior P pressão superior P Peso do íquido V Voume do íquido ρ densidade do íquido g aceeração da gravidade

32 Transdutores apacitivos Apicações Transdutores de Níve Ateração da Posição do Dieétrico πε o L h r n r h πε r εo r n r h L r r h r n πεol r πε o ( ε ) r

33 Transdutores apacitivos Apicações Transdutores de Níve Ateração da Posição do Dieétrico Podem se tornar inexatos e/ou imprecisos no caso do íquido ser contaminado por agum agente que atere sua constante dieétrica

34 Método capacitivo Níve A variação do níve do materia entre duas pacas condutoras faz com que a capacitância varie. No caso de pacas paraeas: ε i d A onde é a permissividade do isoante (refete a habiidade para armazenar cargas) em e a distância de separação entre as pacas do capacitor. A permissividade para um isoante é dada por: ε ε ε i o r A Figura ao ado iustra um tanque e o capacitor ciíndrico equivaente, no qua o níve está sendo medido pea variação da capacitância. Podese observar um eetrodo de diâmetro, um isoante de diâmetro e um tanque de diâmetro. Desta forma a capacitância do sistema pode ser definida por: πε 0L d d 3 n n ε d ε d

35 Método capacitivo

36 Transdutores apacitivos Apicações Transdutores de Aceeração Ateração da Distância entre Pacas a F m k d m Aceeração

37 Transdutores apacitivos ondicionamento Não são estáveis com a temperatura, pois R varia de forma diferente de.

38 Transdutores apacitivos ondicionamento V 5/5V 40kHz R vo v o V

39 Transdutores apacitivos ondicionamento V 5/5V G R k 40kHz G demoduador síncrono 3 uf vo v o k

40 Transdutores apacitivos ondicionamento U U3 V 5/5V 40kHz R vo v o k V

41 Transdutores Indutivos Fornecem uma ateração da Indutância ou do Acopamento Magnético entre bobinas de um transformador em resposta ao estímuo Ateração da reutância magnética Indutor ou Transformador Indutância ou Acopamento Magnético

42 Transdutores Indutivos Tipos Indutor de Reutância Variáve Indutor Diferencia Variáve Transformador Diferencia Variáve (LVDT) Linear Rotativo Inductosin Linear Rotativo Resover

43 Transdutores Indutivos Indutor de Reutância Variáve Função de Transferência (aproximada) A N L µ A N A N L L L µ µ Desconsiderando a interação magnética de L com L A N L µ A N L µ L

44 Transdutores Indutivos Indutor de Reutância Variáve Função de Transferência (aproximada) T T N N N N N N T T Se as espiras estiverem uniformemente espaçadas k N k N T T e A N L µ A N N L T T µ A k L T T µ A k L T µ A k L T µ L A k A k T T µ µ T ( ) ( ) T T T A N L µ µ µ µ Fator de ocupação Lmin T / T / Lmax

45 Transdutores Indutivos Indutor de Reutância Variáve Apicação Sensor de Proximidade

46 Transdutores Indutivos Indutor de Reutância Variáve Apicação Sensor de Proximidade Linear Medindo de Espessura Medindo de Excentricidade Separando Peças Metáicas com Formas Diferentes

47 Transdutores Indutivos Indutor de Reutância Variáve Apicação Sensor de Proximidade Linear Determinando a Defexão de uma Serra Sensor de posição Linear

48 Transdutores Indutivos Indutor de Reutância Variáve Apicação Sensor de Proximidade On/Off Detectando a Presença de Tampas Metáicas Detectando a Presença de Materiais Metáicos na Esteira ontando Tubos Metáicos

49 Transdutores Indutivos Indutor de Reutância Variáve Apicação Sensor de Proximidade On/Off Detector de Posição de Engrenagens Detector de Posição de Eevador Detector de Fim de urso de Aavanca

50 Transdutores Indutivos Indutor diferencia Função de Transferência T T T L L T o L α L T L L α L L µ µ µ µ α onde: T o L α L

51 Transdutores Indutivos Indutor diferencia Apicações Transdutor de Pressão Transdutor de Aceeração

52 Transdutores Indutivos Indutor diferencia ondicionamento Demoduador Vo R7 R6 U3 R5 Zero R4 R3 Ganho R R U U T L L 5kHz V Vx L L L L L j L j L j j L j L j Vg Vg L Vg Vx ω ω ω ω ω ω

53 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Princípio de Funcionamento E s E p E s T T T Es Es k Ns Np Ep

54 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Princípio de Funcionamento Ed Es Es

55 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Princípio de Funcionamento

56 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Estrutura

57 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Função de Transferência Es E p i 0 φ s kφp Ns Es k Np E Ep N dφ Es k Ns Np Lp di 0 k Ns Ns ( Enaçadas ) T T Ns Ns T T Ns M k 0 Np Lp A Indutância Mútua M0 é inearmente proporciona ao desocamento

58 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Função de Transferência (aproximada) EdE s E s E s E p E s Ns Es k Np Ep T Se as espiras estiverem uniformemente espaçadas k T T Ed Ns Es Np ( k) Ep Se Ns Ns Ns então: Es Es (aproximada) Ns Ep Np T

59 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Função de Transferência Ep i 0 P M 0 M0 M 0 M 0 S M S M i Es i Es M 0 k Ns Np Lp M0 é inearmente α M k Np Ns Ls 0 dependem de M0 não é inearmente α

60 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Função de Transferência di0 di di M di Ep Rpi Lp M M M Ep Rpi Lp M M Eg Ep Rp i Ed di i Es di Es Ls di Rs i Es M M M Ls di 0 0 di di 0 Es Rs i Ls M 0 i di0 di 0 Lp dim 0 M di di 0 Es Rs Rs i Ls M M 0 i Es

61 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Função de Transferência Rp di M 0 di M 0 Ls M 0 di0 di M Rs i Es Ed i i Es Es Eg Ep i 0 Lp Ls M 0 di0 di M Rs i Es Ep di0 Rpi0 Lp di ( M M ) 0 0 Ed 0 ( Rs Rs ) i ( Ls Ls M M ) ( M M ) 0 0 Se i 0 temse di /0 Ep Rpi 0 Lp di 0 Ed di di ( ) 0 M 0 M 0 di

62 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Função de Transferência Eg Ep Rp M i 0 0 di M 0 Ns M 0 k Np di Lp Lp Ns Ls Ls M ( k) Lp M k 0 T Np 0 M di0 0 di0 di M di M T / Ed Rs Rs i Es i Edmax Es i i 0 Ep Ed Se NsNsNs Ns di0 Lp Np Rpi Edmin 0 ( M M ) 0 0 T 0 di0 Lp T / Ed di di0 Lp ( Ep Rpi ) 0 Ep Rpi Ns Np T 0

63 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Função de Transferência Eg Ep Rp di M 0 i 0 di M 0 Lp Ls Ls di M 0 0 M 0 di0 di M di M Rs i Rs i Es Es Ed ( Ep Rpi ) 0 i i 0 Ns Ns Ns Ns Np T Ed Ns Np Ep ωlp tg Rp Rp ( ωlp) ωlp T

64 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento Retificador Síncrono

65 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento Retificador Não Síncrono

66 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento Retificador Síncrono Ata imunidade a Ruído Sensibiidade a variação da fase do sina moduado Baixa sensibiidade a variação da freqüência e ampitude do sina de excitação com uso de ampificador ratiométrico Retificador Não Síncrono Baixa imunidade a ruído Não é sensíve a variação da fase do sina moduado Baixa sensibiidade a variação da freqüência e ampitude do sina de excitação com uso de ampificador ratiométrico

67 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento Retificador de Precisão Transdutor Síncrono

68 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento

69 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento

70 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento

71 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento

72 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento AD698 (Simpificado)

73 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) ondicionamento AD598 (Simpificado)

74 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Acondicionamento

75 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Apicações Transdutor de Aceeração Transdutor de Desocamento

76 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Apicações ontroe de quaidade na fabricação de garrafas inspecionando aturas e diâmetros

77 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Apicações Sensor de movimento do braço do operador de robôs ou sensor de posição das diversas partes móveis do braço do robô.

78 Transdutores Indutivos Transformador Diferencia Linear Variáve (LVDT) Apicações Detector de presença de notas de dinheiro entre os roos de transporte.

Medição de Nível. Sistema típico

Medição de Nível. Sistema típico Medição de Nível Nível pode ser definido como a altura de preenchimento de um líquido ou de algum tipo de material em um reservatório ou recipiente. A medição normalmente é realizada do fundo do recipiente

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 13 PREFÁCIO... 15 1 INTRODUÇÃO E DEFINIÇÕES GERAIS... 19 1.1 Aplicações da Simulação Dinâmica... 20 1.2 Tipos de Modelos para Sistemas Dinâmicos... 21 1.3 Modelos Matemáticos...

Leia mais

Escoamento em uma curva:

Escoamento em uma curva: Escoamento em uma curva: A vazão de ar nas condições padrões, num duto plano, deve ser determinada pela instalação de tomadas de pressão numa curva. O duto tem 0,3 m de profundidade por 0,1 m de largura.

Leia mais

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS LINEARES E NÃO LINEARES 7 9 CIRCUITOS MAGÉTICOS LIEARES E ÃO LIEARES Circuitos magnéticos são usados para concentrar o efeito magnético de uma corrente em uma região particuar do espaço. Em paavras mais simpes, o circuito direciona

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resistência, Indutância e Capacitância Resistor: permite variações bruscas de corrente e tensão Dissipa energia Capacitor:

Leia mais

Aula 02 : EM-524. Capítulo 2 : Definições e Conceitos Termodinâmicos

Aula 02 : EM-524. Capítulo 2 : Definições e Conceitos Termodinâmicos Aula 02 : EM-524 Capítulo 2 : Definições e Conceitos Termodinâmicos 1. Termodinâmica Clássica; 2. Sistema Termodinâmico; 3. Propriedades Termodinâmicas; 4. As propriedades termodinâmicas pressão, volume

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação Lista de exercícios 9 - Indução e Indutância 1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação φ B = 6,0t2 + 7,0t, onde φb está em miliwebers e t em segundos. (a) Qual

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO DE PERDA DE CARGA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO DE PERDA DE CARGA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM KIT DIDÁTICO DE PERDA DE CARGA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA AUTOR(ES): RAPHAEL

Leia mais

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros.

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Outubro de 21 1 Sensores Indutivos 2 Sensores Capacitivos 3 Sensores Piezoelétricos 4 Acelerômetros Sensores Indutivos I Princípio Físico

Leia mais

CONDENSADORES. Condensadores são equipamentos de troca de calor onde ocorre a mudança de fase vapor para líquido.

CONDENSADORES. Condensadores são equipamentos de troca de calor onde ocorre a mudança de fase vapor para líquido. CONDENSADORES Condensadores são equipamentos de troca de caor onde ocorre a mudança de ase vapor para íquido. Introdução Cassiicação Condensadores de superície Condensadores barométricos Condensadores

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

Física - 1. Dados numéricos

Física - 1. Dados numéricos Física - 1 Dados numéricos celeração da gravidade: 1 m/s Densidade da água: 1, g/cm 3 Velocidade da luz no vácuo: 3, x 1 8 m/s 1 atm = 1, x 1 5 N/m = 1 4 π o = 9, x 1 9 N.m C 1. O gráfico da velocidade

Leia mais

Convecção (natural e forçada) Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros

Convecção (natural e forçada) Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Convecção (natural e forçada) Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Convecção natural Convecção forçada Convecção natural A transmissão de calor por convecção natural ocorre sempre quando um corpo é

Leia mais

Halliday Fundamentos de Física Volume 2

Halliday Fundamentos de Física Volume 2 Halliday Fundamentos de Física Volume 2 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC Farmacêutica, LTC, Forense,

Leia mais

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica TE149 Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica Sinais elétricos Mundo Mundo Real Real Grandezas Físicas Físicas Sensor Atuador Condicionamento e Processamento

Leia mais

CIRCUITOS MAGNÉTICOS COM ÍMÃS PERMANENTES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS COM ÍMÃS PERMANENTES 145 14 CIRCUITO MAGNÉTICO COM ÍMÃ PERMANENTE Considere o núceo de materia ferromanético mostrado na fiura 14.1, enroado com um enroamento de N espiras. Fazendo circuar por este enroamento uma corrente

Leia mais

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Radiação térmica Propriedades básicas da radiação Transferência de calor por radiação entre duas superfícies paralelas infinitas Radiação térmica

Leia mais

QUESTÃO 16 QUESTÃO 17 PROVA DE FÍSICA II

QUESTÃO 16 QUESTÃO 17 PROVA DE FÍSICA II 7 PROVA DE FÍSICA II QUESTÃO 16 Uma barra homogênea de massa 4,0 kg e comprimento 1,0 m está apoiada em suas extremidades sobre dois suportes A e B conforme desenho abaixo. Coloca-se a seguir, apoiada

Leia mais

1.Introdução. hidráulica (grego hydoraulos) hydor = água; aulos = tubo ou condução.

1.Introdução. hidráulica (grego hydoraulos) hydor = água; aulos = tubo ou condução. 1.Introdução hidráulica (grego hydoraulos) hydor = água; aulos = tubo ou condução. Conceito : hidráulica é o ramo da engenharia que estuda a condução da água, seja através de tubulações fechadas, seja

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS ESTACIONÁRIAS E MHS ÍNDICE. Ondas Estacionárias

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS ESTACIONÁRIAS E MHS ÍNDICE. Ondas Estacionárias QUESTÕES CORRIGIDAS ESTACIONÁRIAS E MHS 1 ÍNDICE ONDAS ESTACIONÁRIAS 1 MHS 11 Ondas Estacionárias 1. (UNIFEI 1ª 2006) Seja T = 4,0 s o período de uma onda transversa senoida propagando-se da esquerda para

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia EXPERIÊNCIA - TORÓIDE FLUXÔMETRO A FLUXÔMETRO Instrumento por meio do qual pode ser executada a exploração de um campo magnético, podendo ser determinada a intensidade dos fluxos locais de indução magnética.

Leia mais

1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com

1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com 1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com dieléctrico. Utilidade: Armazenamento de carga e energia

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO

ESTUDO DIRIGIDO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE CAMPUS GARANHUNS CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM ELETROELETRÔNICA Disciplina: Instrumentação Industrial UNIDADE 2 Período Letivo: 2012.2

Leia mais

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v.

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v. 1) Um indutor de 10 mh tem uma corrente, i = 5cos(2000 t ), obtenha a tensão vl. V = 100 sen(2000 t ) V L 2) Um circuito série com R=10 Ω e L=20 mh, tem uma corrente de i = 2s en(500 t ). Calcule a tensão

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE FÍSICA 2º dia 1 FÍSICA VESTIBULAR Nas questões com respostas numéricas, considere π = 3,00 e o módulo da aceleração da gravidade como g = 10,0 m/s 2 1. Um tanque de uma refinaria

Leia mais

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Dispositivos Básicos e os Fasores Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Fasores Método válido porém longo é somar algebricamente as ordenadas em cada ponto ao longo da abscissa.

Leia mais

Fisica 1 A B. k = 1/4πε 0 = 9, N.m 2 /C Um automóvel faz o percurso Recife-Gravatá a uma velocidade média de 50 km/h.

Fisica 1 A B. k = 1/4πε 0 = 9, N.m 2 /C Um automóvel faz o percurso Recife-Gravatá a uma velocidade média de 50 km/h. Fisica 1 Valores de algumas constantes físicas celeração da gravidade: 10 m/s 2 Densidade da água: 1,0 g/cm 3 Calor específico da água: 1,0 cal/g C Carga do elétron: 1,6 x 10-19 C Velocidade da luz no

Leia mais

GABARITO LISTA 5 = REVISÃO GEOMETRIA ESPACIAL: PRISMAS, CILINDROS, PIRÂMIDES, CONES E ESFERAS.

GABARITO LISTA 5 = REVISÃO GEOMETRIA ESPACIAL: PRISMAS, CILINDROS, PIRÂMIDES, CONES E ESFERAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO - INSTITUTO DE MATEMÁTICA LABORATÓRIO DE PRÁTICA DE ENSINO EM MATEMÁTICA Professores: Luis Mazzei e Mariana Duro Acadêmicos: Marcos Vinícius

Leia mais

Escoamento completamente desenvolvido

Escoamento completamente desenvolvido Escoamento completamente desenvolvido A figura mostra um escoamento laminar na região de entrada de um tubo circular. Uma camada limite desenvolve-se ao longo das paredes do duto. A superfície do tubo

Leia mais

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 Fabio Iareke 19 de dezembro de 2011 1 Força Magnética sobre Condutores de Corrente 1.1 Roteiro de Estudos 1. Qual é a expressão para o campo magnético

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores

Fundamentos de Automação. Sensores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

Teo. 9 - Capacitância

Teo. 9 - Capacitância Teo. 9 - apacitância 9. Introdução Uma das importantes aplicações da Eletrostática é a possibilidade de construir dispositivos que permitem o armazenamento de cargas elétricas. Esses dispositivos são chamados

Leia mais

As figuras acima mostram as linhas de indução de um campo magnético uniforme B r

As figuras acima mostram as linhas de indução de um campo magnético uniforme B r 1) No sistema mostrado abaixo, as roldanas e os fios são ideais e o atrito é considerado desprezível. As roldanas A, B, e C são fixas e as demais são móveis sendo que o raio da roldana F é o dobro do raio

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

MODELAÇÃO DA PROPAGAÇÃO DE ONDAS SÍSMICAS ATRAVÉS DO MÉTODO DOS ELEMENTOS DE FRONTEIRA

MODELAÇÃO DA PROPAGAÇÃO DE ONDAS SÍSMICAS ATRAVÉS DO MÉTODO DOS ELEMENTOS DE FRONTEIRA MODELAÇÃO DA PROPAGAÇÃO DE ONDAS SÍSMICAS ATRAVÉS DO MÉTODO DOS ELEMENTOS DE FRONTEIRA P. F. A. SANTOS Assistente DEC-FCTUC Coimbra A. J. B. TADEU Prof. Associado DEC-FCTUC Coimbra SUMÁRIO Neste trabaho

Leia mais

Introdução de transdutores. Notas de aula: Valner Brusamarello

Introdução de transdutores. Notas de aula: Valner Brusamarello Introdução de transdutores Notas de aula: Valner Brusamarello Aula 06 Prof. Valner Brusamarello Transdutores Transdutores Definição: SENSOR: [VIM 2008] é um elemento de um sistema de medição que é diretamente

Leia mais

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Introdução Este catálogo apresenta os cabos nus de alumínio (CA) e alumínio com alma de aço (CAA), de fabricação Prysmian, nas bitolas padronizadas para distribuição

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 6.1 Máquinas Síncronas Prof. João Américo Vilela Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução à Eletrônica

Leia mais

Experiência. Medidores de vazão

Experiência. Medidores de vazão Experiência Medidores de azão Medidor de azão é todo dispositio que permite, de forma indireta, determinar o olume de fluido que passa atraés de uma dada seção de escoamento por unidade de tempo. Nesta

Leia mais

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado.

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Quando o circuito é puramente resistivo essas variações são instantâneas, porém

Leia mais

Comprimento do tubo L = 10,0 cm

Comprimento do tubo L = 10,0 cm 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 O sistema da figura abaixo é um leve flutuador de vidro formado por um tubo cilíndrico, fechado na parte superior, ligado a um balão esférico que tem uma abertura na sua parte inferior,

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética INDUÇÃO MAGNÉTIA Prof. ergio Turano de ouza Lei de Faraday Força eletromotriz Lei de Lenz Origem da força magnética e a conservação de energia.. 1 Uma corrente produz campo magnético Um campo magnético

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE 10.1 OBJETIVOS Determinar o valor da componente horizontal da indução magnética terrestre local. 10.2 INTRODUÇÃO Num dado lugar

Leia mais

Aula de Laboratório: DIODO

Aula de Laboratório: DIODO Aula de Laboratório: DIODO I.1 - Teste do estado de funcionamento de um diodo Utilizando a função apropriada do multímetro, meça a condutividade dos diodos fornecidos em ambos os sentidos de polarização.

Leia mais

As variáveis de rotação

As variáveis de rotação Capítulo 10 Rotação Neste capítulo vamos estudar o movimento de rotação de corpos rígidos sobre um eixo fixo. Para descrever esse tipo de movimento, vamos introduzir os seguintes conceitos novos: -Deslocamento

Leia mais

Theory Portuguese (Portugal) Antes de iniciar este problema, leia cuidadosamente as Instruções Gerais que pode encontrar noutro envelope.

Theory Portuguese (Portugal) Antes de iniciar este problema, leia cuidadosamente as Instruções Gerais que pode encontrar noutro envelope. Q1-1 Dois Problemas de Mecânica Antes de iniciar este problema, leia cuidadosamente as Instruções Gerais que pode encontrar noutro envelope. Parte A. O Disco Escondido (3,5 pontos) Considere um cilindro

Leia mais

Exercícios Primeira Prova FTR

Exercícios Primeira Prova FTR Exercícios Primeira Prova FTR ados gerais: g=9,81 m/s 2 =32,2 ft/s 2 ρ 2O =999 kg/m 3 =1,94 slug/ft 3 R g =13,6 1) pressão num duto de água é medida pelo manômetro de dois fluídos mostrados. valie a pressão

Leia mais

Física Módulo 2 Ondas

Física Módulo 2 Ondas Física Módulo 2 Ondas Ondas, o que são? Onda... Onda é uma perturbação que se propaga no espaço ou em qualquer outro meio, como, por exemplo, na água. Uma onda transfere energia de um ponto para outro,

Leia mais

A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas.

A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas. Grandezas Magnéticas Força e Campo Magnético A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas. Considere os dois fios condutores paralelos e imersos no espaço vazio representados na Figura

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS. Espaço dos estados Representação da dinâmica de um sistema de ordem n usando n equações diferenciais de primeira ordem. Sistema é escrito

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4 TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4 LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA I 2009/2010 1. Objectivo Determinação do coeficiente de convecção natural e

Leia mais

Equação da Energia Mecânica para Fluidos

Equação da Energia Mecânica para Fluidos Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Instituto Federal do Rio Grande do Norte Curso: Técnico em Mecânica Disciplina: Mecânica dos Fluidos 21 de Setembro de 2016 (Instituto Mecânica dos Fluidos

Leia mais

Roteiro - Aula Prática Perda de carga:

Roteiro - Aula Prática Perda de carga: Laboratório de Hidráulica - Aula Prática de Perda de Carga 1 Roteiro - Aula Prática Perda de carga: 1. Objetivo do experimento: Estudo de perda de carga distribuída e localizada. Medição de velocidade

Leia mais

O QUE É TERMOMETRIA E TEMPERATURA??

O QUE É TERMOMETRIA E TEMPERATURA?? TERMOMETRIA O QUE É TERMOMETRIA E TEMPERATURA?? Termometria: Área específica da Termodinâmica que estuda a temperatura e suas diferentes escalas usadas pelo mundo Temperatura: Parâmetro termométrico que

Leia mais

Projeto de Automação I

Projeto de Automação I Projeto de Automação I 14/06/2010 Paulo Oshiro 1 SISTEMAS AUTOMATIZADOS Evolução da Eletrônica; Substituição da tomada de decisão; Controles e auto-correções através de sensoriamento e ações similares

Leia mais

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior.

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior. Física 01. Uma haste de comprimento L e massa m uniformemente distribuída repousa sobre dois apoios localizados em suas extremidades. Um bloco de massa m uniformemente distribuída encontra-se sobre a barra

Leia mais

Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia

Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia Sistemas Em termodinâmica, o universo é formado

Leia mais

Instrumentação Transdutor de Posição com LVDT

Instrumentação Transdutor de Posição com LVDT Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Controle e Automação I Instrumentação Transdutor de Posição com LVDT Prof. José Carlos Rodrigues de Oliveira, Dr.

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA Os circuitos magnéticos dos transformadores e das máquinas CA são excitados por fontes CA. Com excitação CA, a indutância influi no comportamento do regime permanente. Joaquim Eloir Rocha 1 Com excitação

Leia mais

Relação Conceitual dos Medidores de Temperatura

Relação Conceitual dos Medidores de Temperatura ensão (Termopar) / Resistência (RTD ou Termistor) Lista 3 Sistemas de Instrumentação e Controle 1) Em relação a função de transferência resistência X temperatura em um RTD, resistência X temperatura em

Leia mais

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica : engenharia / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 50 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Eletrotécnica.

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 04

LISTA COMPLETA PROVA 04 ISTA OMPETA PROVA 4 APÍTUO 33 1E. A indutância de uma bobina compacta de 4 espiras vale 8. mh. alcule o fluxo magnético através da bobina quando a corrente é de 5. ma. 4,6 H que varia com o tempo t, conforme

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 2 RADIAÇÃO TÉRMICA E CORPO NEGRO Edição de janeiro de 2009 CAPÍTULO 2 RADIAÇÃO TÉRMICA E CORPO NEGRO ÍNDICE 2.1- Radiação Térmica 2.2-

Leia mais

Transmissão hidráulica de força e energia

Transmissão hidráulica de força e energia Líquidos Transmissão de força Intensificador de pressão Pressão em uma coluna de fluido Velocidade e vazão Tipos de fluxo Geração de calor Diferencial de pressão Transmissão Hidráulica de Força e Energia

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE DENSIDADE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE DENSIDADE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE DENSIDADE Introdução A medição da densidade de líquidos fornece uma informação valiosa para a determinação da concentração ou da composição de uma solução.

Leia mais

Soluções e Gases III. Gases

Soluções e Gases III. Gases Soluções e Gases III Gases Gases Gás é um material que preenche todo o espaço ou volume do recipiente em que se encontra, independentemente do tamanho do recipiente. Ar 78 % de N 2 21% de O 2 1% de outros

Leia mais

Experiência : RETIFICADORES MONOFÁSICOS COM FILTRO CAPACITIVO E ESTABILIZAÇÃO

Experiência : RETIFICADORES MONOFÁSICOS COM FILTRO CAPACITIVO E ESTABILIZAÇÃO ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Exercícios Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Exercício 01 01)

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Aula prática 1 EXERCÍCIO 1 Em Mecânica dos Fluidos é muito frequente que interesse medir a diferença entre duas pressões. Os manómetros de tubos em U, que são um dos modelos mais

Leia mais

CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS

CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS 7.1. INTRODUÇÃO As ondas mecânicas são fenómenos ondulatórios que necessitam de um meio material para se propagarem. Como exemplos destas ondas, vamos estudar neste capítulo

Leia mais

DESTILAÇÃO. Prof.: Dr. Joel Gustavo Teleken

DESTILAÇÃO. Prof.: Dr. Joel Gustavo Teleken DESTILAÇÃO Prof.: Dr. Joel Gustavo Teleken Definição A destilação é o método de separação baseado no equilíbrio líquido-vapor de misturas. Quando temos duas ou mais substâncias formando uma mistura líquida,

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Módulo IV POTÊNCIA E VALOR EFICAZ UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Potência Instantânea Potência entregue a um elemento em um

Leia mais

O CAPACITOR. -q E = V

O CAPACITOR. -q E = V MINISTÉRIO D EDUÇÃO SERETRI DE EDUÇÃO PROFISSIONL E TENOLÓGI INSTITUTO FEDERL DE EDUÇÃO, IÊNI E TENOLOGI DE SNT TRIN MPUS DE SÃO JOSÉ URSO TÉNIO INTEGRDO EM TELEOMUNIÇÕES Disciplina: nálise de ircuitos

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR resumo

TRANSMISSÃO DE CALOR resumo TRANSMISSÃO DE CALOR resumo convecção forçada abordagem experimental ou empírica Lei do arrefecimento de Newton Taxa de Transferência de Calor por Convecção 𝑞"#$ ℎ𝐴 𝑇 𝑇 ℎ 1 𝐴 ℎ - Coeficiente Convectivo

Leia mais

Transferência de Calor Condução e Convecção de Calor

Transferência de Calor Condução e Convecção de Calor Transferência de Calor Condução e Material adaptado da Profª Tânia R. de Souza de 2014/1. 1 O calor transferido por convecção, na unidade de tempo, entre uma superfície e um fluido, pode ser calculado

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA ª EXPERIÊNCIA - ESTUDO DAS BOMBAS APLICAÇÃO DA ANÁLISE DIMENSIONAL E DA TEORIA DA SEMELHANÇA 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS MÁQUINAS DE FLUXO ( BOMBAS, TURBINAS, COMPRESSORES, VENTILADORES) As máquinas que

Leia mais

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE VELOCIDADE E VAZÃO

DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE VELOCIDADE E VAZÃO Nome: unesp DEPARTAMENTO DE ENERGIA Turma: 1 - OBJETIVO LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE VELOCIDADE E VAZÃO Familiarização com as técnicas para a medidas de velocidades e vazões de fluidos.

Leia mais

Aula 4_1. Capacitores. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4

Aula 4_1. Capacitores. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4 Aula 4_1 Capacitores Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4 Capacitores Definição da Capacitância: capacitor e sua capacitância Carga de um capacitor Exemplos de Cálculo da Capacitância

Leia mais

Capacitância e Dielétricos

Capacitância e Dielétricos Capacitância e Dielétricos 1 Um capacitor é um sistema constituído por dois condutores separados por um isolante (ou imersos no vácuo). Placas condutoras Carga elétrica Isolante (ou vácuo) Símbolos Em

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO:

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 1 Essa prova destina-se exclusivamente a alunos da 1ª e 2ª Séries e contém dezesseis (16) questões. 2 Os alunos da 1ª Série devem escolher livremente oito (8) questões

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I Trabalho Prático «Caudal de quantidade de movimento e equação de Bernoulli»

Mecânica dos Fluidos I Trabalho Prático «Caudal de quantidade de movimento e equação de Bernoulli» Mecânica dos Fluidos I Trabalho Prático «Caudal de quantidade de movimento e equação de Bernoulli» Este trabalho consta de uma série de demonstrações no laboratório com o objectivo de: ilustrar a relação

Leia mais

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada TMFA Termodinâmica Aplicada 1) Considere a central de potência simples mostrada na figura a seguir. O fluido de trabalho utilizado no ciclo é água e conhece-se os seguintes dados operacionais: Localização

Leia mais

Mas Da figura, temos:

Mas Da figura, temos: 1. Na tubulação da figura 1, óleo cru escoa com velocidade de 2,4 m/s no ponto A; calcule até onde o nível de óleo chegará no tubo aberto C. (Fig.1). Calcule também a vazão mássica e volumétrica do óleo.

Leia mais

ENEM 2013 Resolução de Física Caderno ROSA = 5 40 = 0,125

ENEM 2013 Resolução de Física Caderno ROSA = 5 40 = 0,125 ENEM 203 Resolução de Física Caderno ROSA 47. Alternativa (B) Sendo uma troca de calor, podemos resolver da seguinte orma: Q q Q p m q c T m c T m q.. (70 30) m.. (25 30) m q. 40 m. 5 m q m 5 40 0,25 49.

Leia mais

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Objetivos da aula Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação triângulo e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores.

Leia mais

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo Aula 3 Instrumentos de Pressão Prof. Gerônimo Instrumentos para medir Pressão As variáveis mais encontradas nas plantas de processos são: pressão, temperatura, vazão e nível. Estudando instrumentos de

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 3 Gradadores, Dr. Eng. leandromichels@gmail.com

Leia mais

CIRCUITOS MAGNÉTICOS COM ÍMÃS PERMANENTES

CIRCUITOS MAGNÉTICOS COM ÍMÃS PERMANENTES APOTILA E ELETROMAGNETIMO I 146 16 CIRCUITO MAGNÉTICO COM ÍMÃ PERMANENTE Iniciamente vamos considerar um materia ferromanético iustrado na fiura 16.1, enroado com N espiras condutoras em que circua uma

Leia mais

O peso do carrinho vale: P = m g = 1,0 10 (N) P = 10 N a) No ponto A, o esquema das forças que agem no carrinho está dado abaixo:

O peso do carrinho vale: P = m g = 1,0 10 (N) P = 10 N a) No ponto A, o esquema das forças que agem no carrinho está dado abaixo: FÍSICA 1ª QUESTÃO Na figura seguinte, um carrinho de massa 1,0 Kg descreve movimento circular e uniforme ao longo de um trilho envergado em forma de circunferência de 2,0 m de raio. A velocidade do carrinho

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II. Revisão Conservação de Energia e Massa

LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II. Revisão Conservação de Energia e Massa LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II Revisão Conservação de Energia e Massa 1) Determinar a velocidade do jato de líquido no orifício do tanque de grande dimensões da figura abaixo. Considerar

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Robótica Industrial Aula 5 - Componentes III Sensores Controlador / Eletrônica de Controle Software / Programação IHM Eletrônica de Potência Classificação dos Sensores

Leia mais

(a) maior no processo A B C. I O período de pequenas oscilações é independente da temperatura.

(a) maior no processo A B C. I O período de pequenas oscilações é independente da temperatura. Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física II 2012/2 2 a CHMD: 06/03/2013 Versão: 1. figura a seguir apresenta a amplitude de oscilação de um sistema massa mola em função do tempo.

Leia mais

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Tubulações Prof. Vicente Luiz Scalon 1181 - Lab. Mecânica dos Fluidos Objetivo: Medida de perdas de carga linear ao longo de tubos lisos e rugosos.

Leia mais

Unifesp Física 3: prova específica 2002 a 2013 Resolução

Unifesp Física 3: prova específica 2002 a 2013 Resolução Unifesp Física 3: prova específica 2002 a 2013 Resolução 1. Estender as roupas no varal e puxar a água com rodo em um piso molhado têm como intuito aumentar a área da superfície do líquido, facilitando,

Leia mais

Universidade Federal do Paraná - Engenharia Mecânica DEMEC Prof. Alessandro Marques Disciplina: Sistemas de Medições 1 (Exercícios)

Universidade Federal do Paraná - Engenharia Mecânica DEMEC Prof. Alessandro Marques Disciplina: Sistemas de Medições 1 (Exercícios) 1) Um manômetro foi construído com estes módulos: a) Transdutor extensométrico Faixa de medição: 0 a 20 bar Sensibilidade: 2 mv/bar Incerteza Expandida (U TE ): ± 0,02 mv b) Amplificador Faixa de medição:

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Energia Potencial e Conservação da Energia

Física. Física Módulo 1 Energia Potencial e Conservação da Energia Física Módulo 1 Energia Potencial e Conservação da Energia No capitulo anterior: Trabalho, Energia Cinética, Potência O trabalho das forças resultantes que agem sobre um corpo é dado por: W res = F x ou

Leia mais