1) LIVRE NEGOCIAÇÃO ENTRE AS OPERADORAS E AS REPRESENTAÇÕES DA CATEGORIA MÉDICA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1) LIVRE NEGOCIAÇÃO ENTRE AS OPERADORAS E AS REPRESENTAÇÕES DA CATEGORIA MÉDICA."

Transcrição

1 RELATÓRIO SOBRE AS TRÊS CÂMARAS TÉCNICAS E UMA AUDIÊNCIA PÚBLICA REALIZADAS PELA A.N.S. PARA REGULAMENTAÇÃO DA LEI /14 QUE TRATA PRINCIPALMENTE DA OBRIGATORIEDADE DE CONTRATO POR ESCRITO ENTRE PRESTADORES DE SERVIÇO E OPERADORAS A FENAM está representada pelos diretores Dr. Marlonei Santos e Dr. Márcio Bichara, representadas também o C.F.M., A.M.B., A.P.M., CREMERJ, CREMESP. Presentes também ABRANGE (medicina de grupo), UNIDAS (autarquias), FENASAÚDE(seguradoras e bancos), UNIMED, Hospitais particulares e filantrópicos, Laboratórios e outros profissionais da saúde(dentistas, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas, fonoaudiólogos). As reuniões tem sido tensas e com muita discussão. As operadoras querem manter a situação como está onde elas tem lucros elevados e nos pagam uma remuneração inadequada e em alguns casos indigna. A regulamentação tem prazo final, estabelecido pela ANS, até 05 de dezembro, pois a Lei /14 entra em vigor dia 24 de dezembro de Não há votação das propostas, a ANS tenta o consenso, que na maioria das situações não é possível, pois os interesses são opostos. A FENAM já na primeira Câmara Técnica, em setembro, foi a única entidade que apresentou uma proposta concreta e detalhada, através de um modelo de Contrato de Prestação de Serviços, com dezesseis cláusulas. A FENAM e as demais entidades médicas estão atuando unidas e tem o foco voltado para: 1) LIVRE NEGOCIAÇÃO ENTRE AS OPERADORAS E AS REPRESENTAÇÕES DA CATEGORIA MÉDICA. Comentários: é fundamental que haja livre negociação entre as entidades representativas da categoria médica(fenam,cfm,amb e Sociedades de Especialidades), pois se assim não for a situação não vai mudar em nada, vai continuar as operadoras mandando para os nossos consultórios contratos leoninos, com cláusulas definidas por eles, apenas para nós assinarmos. Na verdade não é um contrato para ser negociado mas sim para simples adesão. As operadoras insistem em querer que haja uma negociação individual com cada médico e a operadora, o que fragiliza a relação. É indispensável que a categoria esteja unida e uma das formas de união É NÃO ASSINAR NENHUM CONTRATO INDIVIDUALMENTE. O médico deve aguardar as negociações conduzidas pelas entidades nacionais e suas orientações. Já temos duas decisões favoráveis do Superior Tribunal do Trabalho, ajuizadas pelos Sindicatos do Rio de Janeiro e do Paraná, deixando claro que a nossa relação com as operadoras se não é de emprego com vínculo empregatício, certamente é uma relação de trabalho. Sendo uma relação de trabalho o Artigo 8 o inciso VI da Constituição Federal, não deixa dúvidas, ao dispor: é obrigatória a participação do sindicato nas negociações coletivas de trabalho. Nesta disposição leia-se Sindicatos, Conselhos e Associações Médicas e Sociedades de Especialidades. A A.N.S. tem ficado em cima do muro, declara que para ela tanto faz que a negociação seja coletiva ou individual, posição esta que favorece as operadoras. A FENAM tem insistido com a direção da ANS que sendo ela um órgão de governo não pode ignorar o dispositivo constitucional, como resposta ela diz que segue orientação de seu jurídico. Jurídico por jurídico o da

2 FENAM tem posição contrária ao jurídico da ANS. Temos a sensação de que se esta posição for mantida a situação vai derivar para a judicialização. 2) DATA BASE PARA NEGOCIAÇÃO EM 1 o DE JANEIRO Comentários: a data base para reajuste dos contratos deve ser 1 o de janeiro, como a própria lei diz no início do ano calendário 3) ÍNDICE DE NEGOCIAÇÃO PARA REAJUSTE ANUAL, UTILIZAR INPC-IBGE OU IPCA-IBGE Comentários: A posição da FENAM e das demais entidades médicas é que o índice de reajuste pode ser o INPC-IBGE que nos últimos 12 meses foi de 6,34% ou o IPCA-IBGE que nos últimos 12 meses foi 6,59%. Entretanto qualquer dos percentuais deve ser entendido como apenas reposição da inflação, isto é, a negociação de ter estes índices como referencial para o piso e não como índice fixo para reajuste total. É fundamental que se negocie um ganho real acima do piso. As operadoras logicamente aceitam qualquer um dos dois índices desde que seja o único percentual de reajuste. O grande problema é que ao findar o prazo de negociação em 30 de março, caso não haja acordo, a ANS definirá o percentual de reajuste, cujo índice ela já dá a entender que será um dos dois acima mencionados, sem qualquer acréscimo. Em princípio pode parecer um avanço, já que hoje não temos qualquer garantia de reajuste e as operadoras dão o que bem entendem. Entretanto, como hoje temos a lei que obriga a ter contratos por escrito é fundamental que utilizemos o dispositivo legal para estarmos de acordo com o mercado e para recuperarmos toda a exploração que há anos temos sofrido. 4) QUE O REAJUSTE ACORDADO EM JANEIRO POSSA SER APLICADO NO ANIVERSÁRIO DO CONTRATO, MAS CORRIGIDO Comentários: a negociação do índice de reajuste será feita até 30 de março, se não houver acordo a ANS definirá o índice. Acontece que os contratos deverão ser reajustados anualmente, isto é, no mês em fizerem um ano de sua assinatura. A nossa posição é de concordar que eles sejam reajustados no mês em que completarem um ano desde que o percentual ajustado seja corrigido no mês do aniversário do contrato. Exemplo: se o aniversário do contrato for em agosto, o índice será o valor corrigido naquele mês. PROPOSTAS DA ANS AINDA NÃO DEFINIDAS A seguir transcrevemos algumas cláusulas já propostas pela ANS mas ainda não definidas. Abaixo de cada uma delas vamos fazer um comentário sobre a posição da FENAM com relação a elas. Comunicamos a todos os Sindicatos ou outras entidades médicas que receberem este documento, que a FENAM está à disposição de todos para receber críticas e sugestões, com base nelas poderemos alterar nossa posição, acrescentando ou subtraindo. A regulamentação da Lei /14 se dará através da emissão pela ANS de Resolução Normativa. A ANS estabeleceu até o dia 25 de novembro próximo como data final para receber sugestões que serão levadas a última

3 Câmara Técnica a ser realizada dia 05 de dezembro: as sugestões podem ser enviadas para a FENAM ou para o Critérios de Equivalência para Substituição de Prestadores não Hospitalares A operadora deve observar os seguintes critérios de equivalência quando da substituição de um estabelecimento não hospitalar, pessoa jurídica, exceto consultório isolado, por outro em sua rede assistencial: I Tipo de Estabelecimento, conforme classificação constante do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde CNES; II Serviços Especializados, conforme classificação constante do CNES; III localização no mesmo município: a) em caso de indisponibilidade ou inexistência de prestador no mesmo município poderá ser indicado prestador em município limítrofe a este; b) em caso de indisponibilidade ou inexistência de prestador nos municípios limítrofes poderá ser indicado prestador na Região de Saúde à qual faz parte o município. Art. XX Não se aplicam as regras de substituição previstas nos artigos XX e XX desta Instrução Normativa nas seguintes situações: I - transferência de carteira que ocasione redução de beneficiários do produto da operadora cedente no município onde o prestador a ser excluído está localizado; II rescisão de contrato coletivo que ocasione redução de beneficiários do produto da operadora no município onde o prestador a ser excluído está localizado; III ausência de prestação de serviços nos últimos 12 meses. Adaptação dos Contratos Vigentes As regras em sua maioria já estavam nas RNs vigentes. O que não está contemplado (periodicidade dos reajustes e novas regras) deve ser adaptado em 12 meses. Regra de transição por 12 meses para artigo que trata dos reajustes. Proposta de Redação Adaptação dos contratos As operadoras e os prestadores deverão proceder à revisão de seus contratos escritos atualmente em vigor, a fim de adaptá-los ao disposto nesta Resolução Normativa, no prazo de 1 ano, a contar da data de publicação desta RN, caso necessário. Comentário da FENAM: a posição da FENAM é de que os contratos ora existem devem ser adequados na data de seu término, pois tem muitos que findam em menos de um ano. Regras relativas às normas vigentes da saúde suplementar.

4 Vedações para as operadoras - Estabelecer regras que impeçam o acesso do prestador às rotinas de auditoria técnica ou administrativa, bem como o acesso às justificativas das glosas. - Estabelecer quaisquer regras que impeçam o prestador de contestar as glosas. - Glosar o pagamento de procedimentos previamente autorizados pela operadora e efetivamente realizados pelo prestador, desde que não tenham sido faturados a maior e observem às demais condições estabelecidas no contrato. - Formas de reajuste condicionadas à sinistralidade da operadora; Comentário: estes dispositivos de vedação a ANS recolheu da proposta apresentada pela FENAM. As operadoras terão de parar de justificar a falta de reajuste em razão da sinistralidade(inclusive algumas UNIMEDs) e ter mais cuidados com as glosas. Vedações para os Prestadores Deve haver previsão expressa no contrato que: I - é vedado qualquer tipo de exigência de prestação pecuniária por parte do prestador ao beneficiário de plano de saúde, por qualquer meio de pagamento, referente aos procedimentos contratados, excetuado os casos previstos na regulamentação da saúde suplementar de Mecanismos de Regulação Financeira; Comentário da FENAM: somos contra esta posição, isto não quer dizer que somos a favor da cobrança por fora, somos contra porque existem vários procedimentos médicos que são legais e éticos e que as operadoras glosam ou a ANS multa a operadora. O dispositivo como está redigido generaliza. Aqui está em jogo a soberania do médico em determinar seus honorários de forma ética e legal. O exemplo disto é a taxa de disponibilidade que está sendo cobrada pelos obstetras e reconhecida como ética pelo C.F.M. II é vedada a suspensão dos serviços contratados antes da efetiva rescisão contratual. Comentário da FENAM: este dispositivo é flagrantemente ilegal e inconstitucional, pois o Artigo 9 o da Constituição Federal assegura aos trabalhadores o direito de greve.

5 Frações ou Percentuais de Índice de Reajuste Não pode fração do índice PROS Possibilidade de reajustes capazes de recompor os preços no setor Pode tudo Permite a livre negociação Possibilita a discussão em torno das alterações efetivamente observadas nos custos Parâmetro externo Imparcialidade Recomposição dos preços com base em indicadores de conhecimento público CONTRAS Retroalimentação inflacionária Impacto no reajuste dos planos de saúde Manutenção do status quo Não leva em consideração as alterações específicas dos custos Comentários da FENAM: vejam o quadro acima que diz sobre o índice de reajuste dos contratos. Na coluna dos PROS está a FENAM a favor da livre negociação, da recomposição dos preços, da imparcialidade e de indicadores de conhecimento público, isto é, a favor da transparência. Na coluna dos CONTRAS estão as operadoras querendo manter o status quo e com o argumento esdrúxulo de que o reajuste acima do índice oficial vai retroalimentar a inflação. Em outras palavras deixa de ser o tomate o responsável pelo aumento da inflação e passa a ser os honorários médicos. É brincadeira. Outros Entendimentos Aplicação de regras regulatórias: houver suspensão do atendimento em massa como método coercitivo de negociação. a operadora comprovar que houve qualquer tipo de exigência de prestação pecuniária por parte do prestador ao beneficiário de plano de saúde, por qualquer meio de pagamento, referente aos procedimentos contratados, excetuado os casos previstos na regulamentação da saúde suplementar de Mecanismos de Regulação Financeira.

6 Comentário da FENAM: é necessário esclarecer que a Lei 9656/98 que regula as operadoras não subordina os médicos à ANS e isto também se confirma na Lei /14. Isto é: quem está subordinado as determinações e regulações da ANS são as operadoras e não os médicos e demais profissionais da saúde. Regras de Reajuste Aplicação na data de aniversário do contrato. Anualidade. Definição em contrato do critério e forma de reajuste. Contratos com previsão de livre negociação: Prazo de 90 dias, contados a partir de 1 o de janeiro de cada ano, para negociação e definição do reajuste. O reajuste acordado deve ser aplicado na data de aniversário do contrato. O contrato (SADT e Hospitais) pode estabelecer, alternativamente, o prazo de 90 dias antes da data de aniversário do contrato como período para negociação. Índice definido pela ANS: Índice de preços: IPCA ou INPC. Aplicável apenas aos contratos com previsão de livre negociação como forma de reajuste. Aplicável apenas quando não houver acordo entre as partes ao término do período de negociação. Não substitui o índice, a fórmula ou o percentual de reajuste estabelecido no contrato. Índice definido pela ANS: No primeiro ano de aplicação da Lei (2015), o índice da ANS será usado nos casos de ausência de cláusulas contratuais, e deverá ser aplicado na data de aniversário do inicio da prestação de serviço. A partir de 2016, 100% dos contratos devem estar assinados e de acordo com a regulamentação da Lei. O índice de reajuste adotado pela ANS será multiplicado por um fator de qualidade a ser definido através de Instrução Normativa. Fica estabelecido o prazo de 2 anos (referente aos reajustes a serem outorgados em 2015 e 2016) para vigência da regra de transição, segundo a qual o fator de qualidade é igual a um.

7 FATOR DE QUALIDADE Consultórios Para pessoas físicas ou jurídicas responsáveis por consultórios ou clínicas/centros de especialidades será estabelecida uma certificação de qualificação por atualização/aprimoramento a ser concedida pelos respectivos Conselhos Regionais dos Profissionais de Saúde SADT Para SADT apresentação de certificados de qualidade Hospitais Para serviços hospitalares certificação de qualidade Comentário da FENAM: veja bem, está proposta veio da própria ANS., quando na terceira reunião eles apresentaram esta proposta de remuneração do trabalho através da qualificação, eles propuseram um percentual sobre o índice de reajuste, de acordo com a qualificação do médico, mas não apresentaram os critérios de como se avaliaria esta qualificação. A proposta foi de que se o profissional não apresentasse provas de sua qualificação receberia 0,75% do índice de reajuste e se comprovasse qualificação receberia integral. Isto é, estão propondo um deflator de 25% sobre o nosso trabalho. A FENAM foi veemente, incisiva e contundente em não aceitar a proposta e contrapropôs, que o titulo de especialista concedido pelas sociedades de especialidade proporcione 25% a mais para seu titular. Isto é, propomos um plus e não um deflator. Como o assunto foi muito polêmico a posição da ANS foi de abrir um prazo de 24 meses a partir da vigência da Lei, para o debate com todos os setores envolvidos, inclusive ouvindo setores da sociedade e após deliberar. É uma proposta que agrada em muito as operadoras, temos de ficar atentos. Substituição de Rede Não Hospitalar Definição de porte de estabelecimentos para equivalência na substituição Número ou % de perda de beneficiários para isenção de substituição obrigatória (caso de redução de carteira) Como proceder nos casos em que o prestador decidir parar de atender os beneficiários e não notificar à operadora, ocasionando o descumprimento do prazo de comunicação ao beneficiário da substituição prevista no art. 17? Comunicação em casos de substituição na rede indireta Garantia de recursos assistenciais necessários aos beneficiários para continuidade de tratamento em situações especiais (ex.: pré-natal, quimioterapia, radioterapia, hemodiálise, cirurgias agendadas) em prestador a ser descredenciado

8 Cláusulas Obrigatórias(proposta) Definir a forma de descrição de todos os serviços contratados: Utilizar tabelas TUSS e descrever os valores dos serviços? Descrever os serviços e valores que compõem o pacote? Constar expressamente especialidades e área de atuação? Regime de atendimento (ambulatorial, hospitalar, urgência-emergência) Comentário do representante da FENAM: A atuação das UNIMEDs nas Câmaras Técnicas: é lamentável que as UNIMEDs presentes se comportem como as operadoras. Em nenhum momento se posicionaram para defender o trabalho médico. Parece até que esqueceram que são cooperativas de trabalho médico e que a UNIMED é uma instituição privada a serviço do médico e de sua remuneração. Dr. Marlonei Silveira dos Santos ;

Lei nº 13.003/2014. Jacqueline Torres Gerente Executiva. GERAR Gerência Executiva de Aprimoramento do Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Lei nº 13.003/2014. Jacqueline Torres Gerente Executiva. GERAR Gerência Executiva de Aprimoramento do Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Lei nº 13.003/2014 Jacqueline Torres Gerente Executiva GERAR Gerência Executiva de Aprimoramento do Relacionamento entre Operadoras e Prestadores O porquê de uma nova lei O mercado de planos de saúde organiza-se

Leia mais

Lei nº 13.003/2014. Novembro de 2015

Lei nº 13.003/2014. Novembro de 2015 Lei nº 13.003/2014 Novembro de 2015 Informações Gerais 1173 operadoras com beneficiários cadastrados 72 milhões de beneficiários - planos de assistência médica e/ou planos odontológicos Receita bruta de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

Lei nº 13.003/2014. Coletiva de Imprensa. Rio de Janeiro, Dezembro de 2014

Lei nº 13.003/2014. Coletiva de Imprensa. Rio de Janeiro, Dezembro de 2014 Lei nº 13.003/2014 Coletiva de Imprensa Rio de Janeiro, Dezembro de 2014 As metas da ANS Melhores resultados em saúde Aumenta a qualidade na prestação de serviços na saúde suplementar Garantia da rede

Leia mais

Lei nº 13.003/14 e resoluções. Contratualização entre OPS e prestadores

Lei nº 13.003/14 e resoluções. Contratualização entre OPS e prestadores Lei nº 13.003/14 e resoluções Contratualização entre OPS e prestadores Normas aplicáveis: Lei nº 13.003/2014 altera a Lei nº 9.656/98 ANS: RN nº 363/2014 regras pra celebração de contratos RN nº 364/2014

Leia mais

Regulamentação da Lei nº 13.003, de 24 de junho de 2014. Câmara Técnica Rio de Janeiro, 4/11/2014

Regulamentação da Lei nº 13.003, de 24 de junho de 2014. Câmara Técnica Rio de Janeiro, 4/11/2014 Regulamentação da Lei nº 13.003, de 24 de junho de 2014. Câmara Técnica Rio de Janeiro, 4/11/2014 Roteiro da Apresentação Regras da Câmara Técnica. Temas para Debate. ATENÇÃO: DEBATE NA PARTE DA TARDE.

Leia mais

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas APRESENTAÇÃO A Federação Baiana de Hospitais e a Associação de Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia, cumprindo com a função de orientar e assessorar hospitais,

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013.

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. Dispõe sobre a obrigatoriedade dos Contratos firmados entre as Operadoras de Planos de Saúde e os Médicos seguirem as Normativas da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

Regulamentação da Lei nº 13.003, de 24 de junho de 2014. Câmara Técnica Rio de Janeiro, 17/10/2014

Regulamentação da Lei nº 13.003, de 24 de junho de 2014. Câmara Técnica Rio de Janeiro, 17/10/2014 Regulamentação da Lei nº 13.003, de 24 de junho de 2014. Câmara Técnica Rio de Janeiro, 17/10/2014 Roteiro da Apresentação Regras da Câmara Técnica. Temas para Debate Consolidado da contribuições e entendimentos

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Operadora: Unimed Curitiba Sociedade Cooperativa de Médicos CNPJ: 75.055.772/0001-20 Nº de registro na ANS: 30470-1 Site: http://www.unimedcuritiba.com.br Tel:(41) 3019-2000 Exclusivo para liberações de

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS JAN/10 TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O presente aditamento é parte integrante do Contrato de Assistência Médica

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. Operadora: Unimed Campo Grande MS Cooperativa de Trabalho Médico. CNPJ: 03.315.918/0001-18 Nº de registro na ANS: 312851 Site: http://www.unimedcg.com.br

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS Operadora: ELOSAÚDE - CNPJ: 11.593.821/0001-03 03 - N ANS: 41729-7 - Site: www.elosaude.com.br - Tel.: (48) 3298-5555 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde Operadora: Allianz Saúde CNPJ: 04.439.627/0001-0 Nº de registro na ANS: 00051-5 Nº de registro do produto: conforme contratado pelo estipulante Site: www.allianz.com.br Telefone: 0800 7228148 Manual de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO Edição: 25/02/14 Direito de migrar para plano individual ou familiar aproveitando carência do plano coletivo empresarial Os beneficiários

Leia mais

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde A celebração dos contratos entre as operadoras e os prestadores de serviço, regulada pelas Resoluções Normativas

Leia mais

A Sua Senhoria o(a) Senhor(a) Proprietário(a) de empresa de fisioterapia e/ou terapia ocupacional

A Sua Senhoria o(a) Senhor(a) Proprietário(a) de empresa de fisioterapia e/ou terapia ocupacional Ofício-Circular 001/2015/GAPRE/CREFITO-4 Belo Horizonte, 22 de janeiro de 2015. A Sua Senhoria o(a) Senhor(a) Proprietário(a) de empresa de fisioterapia e/ou terapia ocupacional Assunto: Novas normas para

Leia mais

Diferenças entre adaptação e migração nos planos privados de assistência à saúde

Diferenças entre adaptação e migração nos planos privados de assistência à saúde Diferenças entre adaptação e migração nos planos privados de assistência à saúde ADAPTAÇÃO MIGRAÇÃO Conceito É a alteração (aditamento) do contrato antigo, assinado antes de janeiro de 1999, para adequá-lo

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO Operadora: GreenLine Sistema de Saúde - LTDA CNPJ: 61.849.980/0001-96 Nº de Registro na ANS: 32.507-4 Site: http://www.greenlinesaude.com.br Tel: 0800-776 - 7676 Manual de Orientação

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

ÍNDICE TISS versão 3.0 Implantação 31/05/2014

ÍNDICE TISS versão 3.0 Implantação 31/05/2014 1 ÍNDICE 1. Visão Geral 3 2. O que é a TISS 3 3. Histórico da evolução do modelo 3 4. O que faz parte da TISS 4 5. Guias e demonstrativos 4 6. Plano de contingência 4 7. Guia de consulta 5 8. Guia de SP/SADT

Leia mais

Com 30 participantes ou mais

Com 30 participantes ou mais MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE CUNHA ODONTOLOGIA S/S LTDA CNPJ n : 06.216.938/0001-20 N de registro na ANS: 41695-9 Site: www.cunhaodontologia.com.br Tel: Serviços: (62) 3945.5673

Leia mais

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 NORMATIVOS Resolução Normativa nº 356, de 2014 Altera a RN nº 85, de 2004. Altera a RN nº 89, de 2003. Altera a RN nº 309, de

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS 2 Diferenças entre planos individuais e coletivos: Os planos com contratação individual ou familiar são aqueles contratados

Leia mais

Por que criar um padrão?

Por que criar um padrão? Tópicos Abordados Por que padronizar O que regulamenta Prazos Responsabilidades Entendendo a norma Webservices Mensagens TUSS Demonstração de uso de Webservices TISS Por que criar um padrão? Para colocar

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Funcionamento de um plano de autogestão: Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida

Leia mais

Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste.

Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 309, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste. A Diretoria

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida com recursos dos associados e da patrocinadora

Leia mais

GUIA BÁSICO DE ORIENTAÇÃO AO CIRURGIÃO-DENTISTA CREDENCIADO.

GUIA BÁSICO DE ORIENTAÇÃO AO CIRURGIÃO-DENTISTA CREDENCIADO. GUIA BÁSICO DE ORIENTAÇÃO AO CIRURGIÃO-DENTISTA CREDENCIADO. COMISSÃO DE CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO CRO-RJ DE 2015 Segundo a lei 13003/2014 que discorre sobre contrato, reajuste e reposição de profissionais,

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE UNIMED CASCAVEL Nº 155/13

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE UNIMED CASCAVEL Nº 155/13 TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE UNIMED CASCAVEL Nº 155/1 ADERENTE: CNPJ: Endereço: CEP: Cidade: UF: Representante legal: CPF: RG: Endereço: CEP: Cidade: CLÁUSULA PRIMEIRA: A ADERENTE, doravante

Leia mais

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Guilherme Portes Rio de Janeiro 08 de agosto de 2014 Advogado e Sócio

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde Operadora: Prodent Assistência Odontológica Ltda CNPJ: 61.590.816/0001-07 N de registro na

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE REGULAMENTADOS

PLANOS DE SAÚDE REGULAMENTADOS PLANOS DE SAÚDE REGULAMENTADOS Com relação a este tema, vamos explanar onde tudo começou: O Estatuto do Idoso (Lei n 10.741, de 01.10.03), reconhecendo a hipossuficiência do idoso, trouxe algumas conseqüências

Leia mais

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar PLANO DE SAÚDE Tenha em mãos informações importantes Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora

Leia mais

Prezado (a) Associado (a),

Prezado (a) Associado (a), Prezado (a) Associado (a), Seguem abaixo os itens do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico que estão em Audiência Pública

Leia mais

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Primeiramente, ressaltamos a relevância do tema e reafirmamos nossa atuação com o intuito de regular o mercado de planos privados de assistência à saúde.

Leia mais

Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos

Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos Câmara dos Deputados (PL 3466/2004) PL 3466/2004 Deputado Inocêncio de Oliveira (PR/PE) Autor do projeto Banco de images / Câmara FOTO: BANCO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Estabelece padrão obrigatório para a troca de informações entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde

Leia mais

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE História Recente na Saúde Suplementar Planos de Saúde Contratos Código do Consumidor Planos de Saúde = relação de consumo Lei dos Planos Obrigação de Coberturas

Leia mais

ASSUNTO: REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO DOS NORMATIVOS DA LEI 13

ASSUNTO: REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO DOS NORMATIVOS DA LEI 13 RELATÓRIO 206 ASSUNTO: REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO DOS NORMATIVOS DA LEI 13.003/14 E DO GT DE REGULAMENTAÇÃO DO FATOR DE QUALIDADE PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS HOSPITALARES E DE SADT DATA:

Leia mais

São Paulo, 30 de abril de 2015. ABR.029/15 SIN.006/15

São Paulo, 30 de abril de 2015. ABR.029/15 SIN.006/15 São Paulo, 30 de abril de 2015. ABR.029/15 SIN.006/15 Ao Sr. Rafael Pedreira Vinhas Gerente-Geral de Estrutura e Operação dos Produtos GGEOP Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos DIPRO Agência

Leia mais

Divulgação Novo TISS 3.02.00

Divulgação Novo TISS 3.02.00 Manual TISS 3.0.00 Índice Tema Introdução Conteúdo e Estrutura Guia de Consulta Legenda Guia de Consulta Guia SP SADT Legenda Guia SP SADT Guia Solicitação de Internação Legenda Guia Solicitação de Internação

Leia mais

Guia Prático. do seu PLANO DE SAÚDE. Rio

Guia Prático. do seu PLANO DE SAÚDE. Rio Guia Prático do seu PLANO DE SAÚDE Rio Bem -vindo à ALIANÇA ADMINISTRADORA! Sumário Informações Importantes...3 Guia de Leitura Contratual...6 Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde...8

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU nºs 20 e 21, de 7 de

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS (ADAPTADO às RESOLUÇÕES NORMATIVAS N.ºs 363, 364 e SÚMULA 26 DA ANS)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS (ADAPTADO às RESOLUÇÕES NORMATIVAS N.ºs 363, 364 e SÚMULA 26 DA ANS) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS (ADAPTADO às RESOLUÇÕES NORMATIVAS N.ºs 363, 364 e SÚMULA 26 DA ANS) I CONTRATANTE : Nome Operadora de Saúde Endereço: R...., nº... Bairro... - Cidade/ Capital

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

TISS 3.01.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS. 2. Material TISS 3.01.00. 3. Componentes da TISS 3.01.00

TISS 3.01.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS. 2. Material TISS 3.01.00. 3. Componentes da TISS 3.01.00 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS CARTILHA TISS 3.01.00 2. Material TISS 3.01.00 3. Componentes da TISS 3.01.00 4. Rotina Operacional Central de Atendimento Autorização 5. Rotina Operacional Contas Médicas

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS Para que todos os empregados possam ter suas dúvidas esclarecidas, os questionamentos recebidos pela Comissão Saúde serão respondidos

Leia mais

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência Irene Minikovski Hahn novas tecnologias remuneração pela doença transição demográfica falta de incentivo para avaliação de qualidade

Leia mais

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto.

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto. 1- INTERCÂMBIO A negociação entre as UNIMEDS do País, que geram relações operacionais específicas e normatizadas para atendimento de usuários na área de ação de uma cooperativa ou contratados por outra

Leia mais

CARTILHA PARA BENEFICIÁRIOS - F U R B

CARTILHA PARA BENEFICIÁRIOS - F U R B CARTILHA PARA BENEFICIÁRIOS - F U R B Caro beneficiário A FURB e a UNIMED estão em negociações com vistas à migração do atual Plano de Saúde, para um mais moderno e com muito mais coberturas assistenciais

Leia mais

Manual TISS Troca de Informaçõ

Manual TISS Troca de Informaçõ Manual TISS Troca de Informaçõ ções em Saúde Suplementar Versão o 1.1 Instruçõ ções para preenchimento das guias PREENCHER EXCLUSIVAMENTE COM CANETA PRETA OU AZUL GCES A Unimed Natal desenvolveu este manual

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 259, DE 17 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 259, DE 17 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 259, DE 17 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre a garantia de atendimento dos beneficiários de plano privado de assistência à saúde e altera a Instrução Normativa IN nº 23, de 1º de

Leia mais

Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato

Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato Muito se discute hoje acerca das contribuições compulsórias destinadas aos Sindicatos, em especial das contribuições assistencial e confederativa.

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos Assistência Farmacêutica, Qualificação de Prestadores, Ouvidoria, CNS e Pagamento por Pacotes Erimar Carlos Brehme de Abreu Águas de Lindóia 13/09/2012

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS Padrão TISS Atendendo à exigência da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a partir do dia 31 de Agosto do corrente ano, a Unimed Sobral se adequará ao padrão

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS Este aditivo é parte integrante do Seguro Saúde contratado pelo Estipulante abaixo indicado, bem como de suas Condições Gerais. Número

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 265, DE 19 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 265, DE 19 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 265, DE 19 DE AGOSTO DE 2011 Dispõe sobre a concessão de bonificação aos beneficiários de planos privados de assistência à saúde pela participação em programas para Promoção

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação

Leia mais

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1.

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1. VERSÃO 1.0 CARTILHA TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 4. Rotina Operacional 5. Rotina Operacional Autorizações Contas

Leia mais

Registro de Produtos. Treinamento

Registro de Produtos. Treinamento Registro de Produtos Treinamento CENÁRIO REGULAMENTAR PARA REGISTRO DE PRODUTOS Cronologia das Resoluções referentes ao Produto Adequação, Registro e Manutenção. Atuação da Equipe Rede de Recursos quanto

Leia mais

Fator de Qualidade. Rio de Janeiro

Fator de Qualidade. Rio de Janeiro Fator de Qualidade Rio de Janeiro Roteiro da Apresentação 1. Fator de Qualidade - RN 364; 2. Resumo das contribuições recebidas após a terceira reunião; 3. IN n.º 61/2015 2 Reajuste ANS Índice de Reajuste

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 186, DE 14 DE JANEIRO DE 2009

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 186, DE 14 DE JANEIRO DE 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 186, DE 14 DE JANEIRO DE 2009 Dispõe sobre a regulamentação da portabilidade das carências previstas no inciso V do

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02. Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 SUMÁRIO 1. Divulgação 3.02.00 - Unimed Taubaté/ANS...2 3.2.1. Guias

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME 1 Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão de OPME Palestrante: Diana Indiara Ferreira Jardim diana.jardim@unimedpoa.com.br 2 Sobre as OPME, no site da ANS circula no mercado

Leia mais

Reajuste de mensalidade

Reajuste de mensalidade Reajuste de mensalidade Conceitos básicos Reajuste por variação de custos Reajuste por mudança de faixa etária SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Reajuste de mensalidade SÉRIE PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 Altera a Resolução Normativa RN nº 124, de 30 de março de 2006, que dispõe sobre a aplicação de penalidades para as infrações à legislação dos

Leia mais

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015)

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) Empresa Participante: INTELIG TELECOMUNICAÇÕES LTDA., com sede na Rua Fonseca Teles, nº 18, A30, bloco B, Térreo, São

Leia mais

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Formulários do Plano de Contingência

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Formulários do Plano de Contingência PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA Formulários do Plano de Contingência Padrão TISS - Componente de Conteúdo e Estrutura - Novembro 2013 311 Logo da Empresa GUIA DE CONSULTA 2- Nº Guia no Prestador

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Treinamento. Gerência Técnica Especializada consultoria@bolsin.net. Janis Kotke consultoria@bolsin.net

Treinamento. Gerência Técnica Especializada consultoria@bolsin.net. Janis Kotke consultoria@bolsin.net Apresentação: Janis Kotke O objetivo deste boletim informativo técnicos é esclarecer alguns detalhes da Resolução da Agência Nacional de Saúde Suplementar. Todo o conteúdo foi extraído da sua própria fonte

Leia mais

Seção II Das Definições

Seção II Das Definições RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 310, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre os princípios para a oferta de contrato acessório de medicação de uso domiciliar pelas operadoras de planos de assistência à saúde.

Leia mais

O que é Saúde Complementar

O que é Saúde Complementar O que é Saúde Complementar A Lei 9.656/1998 define Operadora de Plano de Assistência à Saúde como sendo a pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade

Leia mais

Instrumento de Comercialização de Planos de Saúde

Instrumento de Comercialização de Planos de Saúde De 30 à 99 vidas Com Coparticipação 1. DAS PARTES: 1.1. Celebra(m) o presente instrumento, na qualidade de CONTRATANTE(S), a(s) pessoa(s) jurídica(s) abaixo qualificada(s): RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA:

Leia mais

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados Cartilha de Extensão de Benefício do Seguro-saúde Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou Aposentados Dezembro / 2013 Índice Introdução... 02 1. Definições...

Leia mais

Gestão em Faturamento, Auditoria de Contas e Administração Comercial Hospitalar Capítulo B Gestão Comercial Hospitalar Simulado da Prova de Conceito

Gestão em Faturamento, Auditoria de Contas e Administração Comercial Hospitalar Capítulo B Gestão Comercial Hospitalar Simulado da Prova de Conceito Questão B.1.1 Sobre o escopo e abrangência da Gestão Comercial Hospitalar A) O escopo e abrangência da Gestão Comercial Hospitalar é igual à pratica nas empresas de outros segmentos de mercado B) Abrange

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

São Paulo, 04 de Maio de 2015 Ofício SINOG 022/2015

São Paulo, 04 de Maio de 2015 Ofício SINOG 022/2015 São Paulo, 04 de Maio de 2015 Ofício SINOG 022/2015 À Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos - DIPRO Gerente-Geral de Estrutura e Operação dos Produtos

Leia mais

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos Índice FenaSaúde na Redação Reajuste dos Planos de Saúde Apresentação 6 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 8 2. Como funcionam as regras de reajuste dos planos de saúde? 3. Quais as regras

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Pelo presente instrumento, com fundamento nos termos que dispõe o art. 5º, 6º, da Lei 7.347/85, bem como no art. 5º e 6º do Decreto 2.181/97 e art. 5º da Lei Complementar

Leia mais

TERMO ADITIVO Á CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

TERMO ADITIVO Á CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO TERMO ADITIVO Á CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1 Entre as partes, de um lado o SINDICATO DOS EMPREGADOS VENDEDORES E VIAJANTES DO COMÉRCIO, PROPAGANDISTAS, PROPAGANDISTAS VENDEDORES E VENDEDORES DE PRODUTOS

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA Ao Senhor Presidente Marcio Serôa de Araujo Coriolano Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) Rua Senador Dantas 74, 8º andar Centro Rio de Janeiro, RJ - CEP

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 05 de junho de 2015. OJ-GER/021/15 Orientações Jurídicas Reajuste anual dos planos de assistência médico-hospitalar, com ou sem cobertura odontológica. Planos de contratação individual/familiar.

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 13 de agosto de 2015. OJ-GER/030/15 Orientações Jurídicas Legitimidade da cobrança da taxa de adesão nos planos de saúde. Devido a inúmeros questionamentos acerca da licitude da cobrança da

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR 1. DA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR: 1.1. A assistência domiciliar caracteriza-se pela prestação de serviços médicos e terapias adjuvantes na residência do paciente

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS

PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS O Sindicato dos Administradores, dando continuidade aos procedimentos para ajuizar ação judicial contra a Caixa Econômica Federal, na Justiça

Leia mais

1 O que é a TISS 3.02.00?

1 O que é a TISS 3.02.00? 1 O que é a TISS 3.02.00? O Padrão TISS possui padrão obrigatório para trocas eletrônicas de dados de atenção à saúde dos beneficiários de planos, entre os agentes da Saúde Suplementar. Tem por finalidade

Leia mais

1 Cartilha de Extensão de Benefício do Plano de Saúde Coletivo Empresarial aos

1 Cartilha de Extensão de Benefício do Plano de Saúde Coletivo Empresarial aos Cartilha de Extensão de Benefício do Plano de Saúde Coletivo Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou RN nº 279, da ANS, de 24 de novembro de 2011, a qual

Leia mais

A AGENDA REGULATÓRIA DA ANS ADMINISTRADORAS DE BENEFÍCIOS

A AGENDA REGULATÓRIA DA ANS ADMINISTRADORAS DE BENEFÍCIOS A AGENDA REGULATÓRIA DA ANS ADMINISTRADORAS DE BENEFÍCIOS Dra. Sílvia Helena Rondina Mateus Médica Pneumologista, cooperada da Unimed Campinas Especialista em Planejamento e Gestão Hospitalar FCM UNICAMP

Leia mais