síntese estatística do emprego público 1.º trimestre 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "síntese estatística do emprego público 1.º trimestre 2016"

Transcrição

1 síntese estatística do emprego público 1.º trimestre de maio 216 A Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP) é uma publicação trimestral, através da qual a Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) divulga informação estatística de síntese sobre emprego público no âmbito das estatísticas do mercado de trabalho. A informação disponibilizada centra-se no universo de entidades que compõem o sector público na ótica da contabilidade nacional, classificadas em: administrações públicas (capítulo I) e sociedades financeiras e não financeiras públicas (capítulo II), consistente com o respetivo universo definido pelo Instituto Nacional de Estatística, I.P. (INE, IP). O conjunto de dados e indicadores apresentados incidem sobre o número de trabalhadores (emprego), os fluxos de entradas e de saídas e indicadores sobre remunerações e ganhos médios. Como fontes estatísticas são privilegiados os dados recolhidos através do Sistema de Informação da Organização do Estado (SIOE) da DGAEP e informação complementar das entidades do universo, em paralelo com outras fontes produzidas por entidades estatísticas nacionais e internacionais. A série de dados e indicadores, desde embro / 4.º trimestre 211, incorpora o universo de entidades definido pelo INE, IP na aplicação do novo referencial metodológico introduzido pelo Sistema Europeu de Contas Nacionais e Regionais 21 (SEC 21), de utilização obrigatória em todos os Estados Membros da União Europeia, por força do Regulamento (UE) n.º 549/213 do Parlamento Europeu e do Conselho de 21 de maio de 213. O universo de entidades é consistente com a lista de entidades que integram o sector das administrações públicas do INE, I.P., bem como com informação das contas nacionais sobre as entidades que integram os subsectores das sociedades não financeiras e financeiras públicas Em Notas técnicas, no final, são referidos os principais conceitos e metodologias incluindo política de revisões. Em anexo apresentase a lista de unidades do tipo empresarial públicas classificadas nas administrações públicas, bem como as entidades que integram os subsectores das sociedades públicas, em contas nacionais. A informação estatística mais detalhada é apresentada em formato Excel, o qual contém todos os indicadores atualizados para toda a série. I. ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS 1. Emprego e remunerações no sector das administrações públicas - situação global 1.1 Emprego no sector das administrações públicas por subsector A de março de 216, o emprego no sector das administrações públicas situava-se em postos de trabalho, indiciando um aumento de cerca de,8 em termos homólogos (mais postos de trabalho) e uma quebra de 9, face a de dezembro de 211 (correspondente a uma redução de postos de trabalho). A administração central é o subsector que revela a maior diminuição de emprego face ao final de 211: postos de trabalho, que traduzem, em termos percentuais, uma quebra de 8,3 (Quadro 1.1 e Gráficos 1.1 a 1.3). Em comparação com de dezembro de, o emprego nas administrações públicas no final do 1.º trimestre de 216, cresceu em 3 7 postos de trabalho (,6), em resultado essencialmente do aumento do número de trabalhadores da administração central (mais correspondente a um crescimento de,7 em relação ao trimestre anterior). Os novos contratos a termo de médicos e enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde (em particular nas Entidades Públicas Empresarias) bem como de docentes nos estabelecimentos de educação e ensino básico e secundário representam cerca de 82 do acréscimo líquido de trabalhadores na administração central no final do trimestre (Quadros 2.1, 2.2, 2.5, 2.6 e 3.1). ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS - Subsectores - Quadro 1.1 Emprego no sector das administrações públicas por subsector mar Variação Variação Variação mar trimestre homóloga mar-16/dez (p) N.º N.º N.º ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS , , , ADMINISTRAÇÃO CENTRAL , , ,3 ADMINIST. REGIONAL E LOCAL , , ,2 Administ. Regional dos Açores , , ,5 Administ. Regional da Madeira , , ,2 Administração Local , , ,7 FUNDOS DE SEGURANÇA SOCIAL , -58 -, ,6 3 jun 3 set Fontes: DGAEP SIOE (dados disponíveis em ); DGAEP/DEEP p - dados provisórios 1 direção-geral da administração e do emprego público

2 Variação face a -dezembro N.º Variação face a -dezembro-211- síntese estatística do emprego público 1.º trimestre 216 Gráfico 1.1 Variação do emprego nas administrações públicas e por subsector face a de dezembro /3 3/6 3/9 /12 /3 3/6 3/9 /12 /3 3/6 3/9 /12 /3 3/6 3/9 /12 /3 Variação face a -dezembro N.º Variação face a -dezembro Administrações públicas (N.º) Administração central (N.º) Adm. regional e local (N.º) F. Segurança social (N.º) Administrações públicas () Administração central () Adm. regional e local () F. Segurança social () -24 Gráfico 1.2 Variação homóloga do emprego nas administrações públicas /12 /3 3/6 3/9 /12 /3 3/6 3/9 /12 /3 3/6 3/9 /12 /3 4, Variação homóloga do emprego - N.º ,, -2, -4, -6, -8, -1, -12, Variação homóloga do emprego Administração central (N.º) Adm. regional e local (N.º) F. Segurança social (N.º) Administrações públicas () Administração central () Adm. regional e local () F. Segurança social () -14, Gráfico 1.3 Variação trimestral do emprego nas administrações públicas /3 3/6 3/9 /12 /3 3/6 3/9 /12 /3 3/6 3/9 /12 /3 3/6 3/9 /12 / Administrações públicas (N.º) Administração central (N.º) Adm. regional e local (N.º) F. Segurança social (N.º) Administrações públicas () Administração central () Adm. regional e local () F. Segurança social () -24 Fonte (Gráficos 1.1 a 1.3): DGAEP SIOE (dados disponíveis em ); DGAEP/DEEP 2

3 Gráfico 1.4 Peso do emprego nas administrações públicas por subsector de administração, de março 216 Fundos de segurança social 1,5 Administração local 16,6 Administração regional 5,6 AR Madeira 3, AR Açores 2,6 Gráfico 1.5 Taxa de feminização nas administrações públicas e na população ativa, março / 1.º trimestre 216 Em percentagem ,5 62, 66,2 7,3 43, 81,1 Pop. ativa 49, 2 Administração central 76,3 Fontes: INE, IP Estatísticas do Emprego, 1.º trimestre 216; DGAEP SIOE (dados disponíveis em ); DGAEP/DEEP A de março de 216, o emprego por subsectores nas administrações públicas apresenta uma estrutura semelhante à do final do 4.º trimestre de, com um ligeiro aumento no peso dos trabalhadores na administração central (de 76,2 para 76,3) em contrapartida a uma ligeira diminuição do peso dos trabalhadores na administração local (de 16,7 para 16,6) (Gráfico 1.4). O peso na população total mantém-se em 6,4 (rácio de administração). A de março de 216, o emprego no sector das administrações públicas representa cerca de 12,8 da população ativa e de 14,7 da população empregada. No último dia do 1.º trimestre de 216, em cada 1 trabalhadores das administrações públicas, 6 são mulheres, mantendo a taxa de feminização no sector acima do mesmo indicador para a população ativa. Na mesma data, as mulheres trabalhadoras nas administrações públicas representam 15,6 da população ativa do mesmo sexo (Gráficos 1.5 e 1.6). Adm. públicas Adm. central Adm. regional Açores Adm. regional Madeira Adm. local Fundos segur. social 24 Gráfico 1.6 Peso do emprego no sector das administrações públicas no mercado de trabalho Em percentagem ,2 17,8 17,9 17,7 17,8 16, 15,4 15,3 15,3 15,5 15,6 14,6 14,7 14,4 14,7 12,8 12,6 12,7 12,7 12,8 12, 11,6 11,6 11,4 11,6 1, 1,1 1,1 1, 1,2 7,5 6,6 7,1 7,1 7,2 7,3 6,3 6,3 6,4 5,6 6,4 5,5 5,5 5,5 5,5 4 H M HM H M HM H M HM H M HM H M HM mar mar 216 População Total População Ativa População Empregada Fontes: INE, IP Estatísticas do Emprego, 1.º trimestre 216; DGAEP SIOE (dados disponíveis em ); DGAEP/DEEP 1.2 Remunerações no sector das administrações públicas por subsector Ao longo da série, associado ao impacto de medidas de reorganização administrativa em todos os subsectores das administrações públicas e à variação do número de trabalhadores, a remuneração base média mensal e o ganho médio mensal no sector, desde outubro 211, têm apresentado variações por efeito da aplicação de diferentes medidas de política de reduções remuneratórias, conforme detalhado no capítulo 7. Notas Técnicas, pág. 27. Em outubro de 214, na aplicação da Lei 75/214, de 12 de setembro, as remunerações ilíquidas mensais acima de 1 5 sofreram uma redução entre 3,5 e 1, dependendo do valor total da remuneração mensal do trabalhador. Por outro lado, os trabalhadores abrangidos pela Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG) tiveram uma atualização de 2 na remuneração de base, que passa de 485 para 55 (DL 144/214, de 3/9), valor que vigorou entre 1 de outubro de 214 e de dezembro de. Durante todo o ano de, nos termos da mesma Lei 75/214, ao valor das remunerações acima de 1 5 aplica-se a reversão de 2 da redução remuneratória. Em 216, nos termos da Lei n.º 159-A/ de 3 de dezembro, a redução remuneratória prevista na Lei n.º 75/214 será progressivamente eliminada ao longo do ano, com reversões trimestrais. No 1.º trimestre de 216 é aplicada uma reversão de 3

4 Variação homóloga da remuneração base mensal () Variação homóloga do ganho médio mensal () Variação no trimestre do ganho médio mensal mensal () síntese estatística do emprego público 1.º trimestre da redução remuneratória nas remunerações pagas a partir de 1 de janeiro de 216. Por outro lado, o Decreto-Lei n.º 254-A/, de /12, atualizou o valor da Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG), a qual passou de 55 para 53, a partir do primeiro dia do ano de 216. Neste contexto, em janeiro de 216, o valor da remuneração base média mensal dos trabalhadores a tempo completo no sector das administrações públicas situava-se em cerca de 1 417,, correspondendo a uma variação global média de 1,1 em relação ao mês de referência do trimestre precedente (outubro) e a uma variação homóloga de,8, por efeito conjugado do impacto das políticas remuneratórias referidas e da entrada e saída de trabalhadores com diferentes níveis remuneratórios. O ganho médio mensal das administrações públicas é estimado, para janeiro de 216, em 1 623,4, indiciando uma variação global no trimestre de,3, e a variação homóloga de,6, pelos motivos referidos para a remuneração base média. Gráficos 1.7 a 1.12 Remuneração de base média mensal e ganho médio mensal no sector das administrações públicas por subsector Remuneração base média mensal Ganho médio mensal Euros Euros out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. 5 out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS Administração central ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS Administração central Administração regional dos Açores Administração regional da Madeira Administração regional dos Açores Administração regional da Madeira Administração local autárquica Fundos de segurança social Administração local autárquica Fundos de segurança social Variação trimestral (*) da remuneração base média mensal Variação trimestral (*) do ganho médio mensal Variação no trimestre da remuneração base mensal () jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS Administração central Administração regional dos Açores Administração regional da Madeira Administração local autárquica Fundos de segurança social jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS Administração central Administração regional dos Açores Administração regional da Madeira Administração local autárquica Fundos de segurança social Variação homóloga da remuneração base média mensal Variação homóloga do ganho médio mensal out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS Administração central Administração regional dos Açores Administração regional da Madeira Administração local autárquica Fundos de segurança social out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan. abr. jul. out. jan ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS Administração central Administração regional dos Açores Administração regional da Madeira Administração local autárquica Fundos de segurança social Fonte (Gráficos 1.7 a 1.12: DGAEP SIOE (dados disponíveis em ) DGAEP/DEEP (*) Corresponde à variação dos valores do 1.º mês do trimestre (n) em relação aos valores do 1.º mês do trimestre anterior (n-1) 4

5 2. EMPREGO NAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS Quadro 2.1 Emprego no sector das administrações públicas por subsector mar 3 jun mar 216 (p) Variação Variação Variação Peso trimestre homóloga mar-16/dez-11 N.º N.º N.º ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS - Total , , , ADMINISTRAÇÃO CENTRAL , , , ,3 Estado ,1 917, , ,3 Serviços e Fundos Autónomos , , , ,4 Estado e Serviços e Fundos Autónomos , , , ,4 Órgãos de Soberania e Entidades Independentes (i) ,1-48 -, , ,6 Presidência do Conselho de Ministros ,2 43 3, 94 6,8-3 -,2 Ministério da Administração Interna ,1-13 -, , ,8 Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural ,9 36,6-22 -, ,6 Ministério do Ambiente , , , ,7 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior ,7 285,8 48 1, ,7 Ministério da Cultura , ,2 1, , Ministério da Defesa Nacional ,3 142, , ,8 Ministério da Economia , , -39-1, ,4 Ministério da Educação ,2 1 1, , ,7 Ministério das Finanças ,9-2, -12 -, ,3 Ministério da Justiça ,3-5, , ,4 Ministério do Mar ,1 13 1,6 16 1, ,7 Ministério dos Negócios Estrangeiros ,4-8 -, , ,7 Ministério do Planeamento e das Infraestruturas ,4 75 3, , ,2 Ministério da Saúde , , , ,5 Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social ,7, -3 -, ,1 Sector Empresarial do Estado - Entidades Reclassificadas (ii) , , , ,8 Trabalhadores em Requalificação (iii) , , , ,6 Instituições sem Fim Lucrativo da Administração Central ,2-8 -,1 28, ,5 ADMINISTRAÇÃO REGIONAL E LOCAL ,2 48, , ,2 ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DOS AÇORES , , , ,5 Órgãos do Governo Regional dos Açores ,8 79, , ,1 Serviços e Fundos Autónomos da AR dos Açores , , ,8-19 -,3 Órgãos de Soberania e Entidades Independentes ,, 1,6-5 -2,7 Presidência do Governo Regional dos Açores , 2 1, 13 7,1 1,5 Vice-Presidência, Emprego e Competitividade Empresarial ,1 8 1, 26 3, ,8 Secretaria Regional da Solidariedade Social , -1 -,5 8 4,1 12 6,3 Secretaria Regional da Saúde ,3 5,3 4 2, ,5 Secretaria Regional da Educação e Cultura ,2 36, , ,6 Secretaria Regional do Turismo e Transportes ,2 14 1,3 18 1, ,1 Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia , -2-2,4 2 2, , Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente ,3 25 1,3 39 2, ,1 Sector Empresarial da RAA - Entidades Reclassificadas (ii) , , ,8 57 1,7 ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DA MADEIRA , -6, , ,2 Órgãos do Governo Regional da Madeira , , , ,9 Serviços e Fundos Autónomos da AR da Mdadeira , 136 2,2 25, , Órgãos de Soberania e Entidades Independentes ,, 1,9-7 -5,7 Presidência do Governo Regional da Madeira , 1,6-2 -1, ,8 Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais ,1-7 -1, , ,1 Secretaria Reg. dos Assuntos Parlamentares e Europeus , , , ,8 Secretaria Reg. das Finanças e da Administração Pública ,1-3 -,5-6 -,9 7 12,1 Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais ,1 2 8, , ,6 Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura ,1 12 2,4 1, ,8 Secretaria Regional da Educação , , , ,8 Secretaria Regional da Saúde , 1, , ,6 Secretaria Regional de Agricultura e Pescas ,2-2 -,2 53 5, ,4 Sector Empresarial da RAM - Entidades Reclassificadas (ii) ,8 7, , ,2 ADMINISTRAÇÃO LOCAL ,6-17 -, , ,7 Distritos (iv) ,, -16-1, -39-1, Municípios , , , ,7 Freguesias ,7-1, -12 -,1-79 -,7 Serviços Autónomos da Administração Local , , , ,5 dos quais: Sector Empresarial Local - Entidades Reclassif. (ii) , , , ,2 Instituições sem Fim Lucrativo da Administração Local ,1 12 3, , , FUNDOS DE SEGURANÇA SOCIAL ,5 94 1, -58 -, ,6 Fundos de Segurança Social da Administração Central ,2 14 1,3-15 -, ,4 Fundos de Segurança Social da Adm. Regional dos Açores ,1 1,2-5 -, ,3 Fundos de Segurança Social da Adm. Regional da Madeira ,2-11 -, , , Notas: (i) Inclui também tribunais e magistrados; dados não disponíveis para Assembleia da República e Serviços de Apoio ao Presidente da República; (ii) Sector Empresarial inclui todas as unidades reclassificadas no sector das administrações públicas em contas nacionais (SEC 21); (iii) Inclui os trabalhadores ex-sme e os trabalhadores em situação de requalificação; (iv) Segundo o novo Regime Jurídico das Assembleias Distritais (Lei n.º 36/214, de 26/6) os trabalhadores destas entidades transitaram para outras. Ver também Capítulo 7. Notas Técnicas relativas a tratamento dos dados. p - dados provisórios 5

6 síntese estatística do emprego público 1.º trimestre 216 Quadro 2.2 Emprego no sector das administrações públicas por tipo de entidade Notas: (a) E.P.E não incluindo unidades do Serviço Nacional de Saúde (S.N.S); (b) Hospitais, centros hospitalares e unidades locais de saúde do tipo E.P.E.; (c) Exceto Universidades e Institutos Politécnicos e unidades hospitalares do tipo I.P.; (d) Tribunais superiores, de 2.ª e 1.ª instância e serviços de apoio; (e) Unidades hospitalares do tipo I.P.; (f) Inclui Universidades e respetivas Faculdades, Institutos Politécnicos e respetivas Escolas Superiores e outras unidades de ensino superior não integradas em Universidades ou Institutos Politécnicos; (g) Assembleia Distrital: segundo o novo Regime Jurídico das Assembleias Distritais (Lei n.º 36/214, de 26/6) os trabalhadores destas entidades transitaram para outras entidades; (h) Entidades Regionais de Turismo passaram para a tutela do Ministério da Economia, nos termos da Lei n.º 33/213, de 16/5 e do Decreto-Lei n.º 11/214, de 22/1, estando incluídas, a partir de março 214, em estruturas atípicas da administração central. Ver também Capítulo 7. Notas Técnicas. p - dados provisórios Peso N.º N.º N.º ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS - Total , 3 7, , , ADMINISTRAÇÃO CENTRAL , , , ,3 Agrupamento de Centros de Saúde , , , ,6 Associação, Cooperativa e Fundação ,6 13, , ,4 Centro de Formação Profissional ,2-1 -,1-6 -, ,2 Direção Regional ,5-1 -, , ,8 Direção-geral ,3 14,1 12, ,1 Entidade Administrativa Independente ,2 14 1, , ,9 Entidade Pública Empresarial - exceto do SNS (a) ,9 37, , ,1 Entidade Pública Empresarial - do SNS (b) , , , ,2 Estabelec. de Educação e Ensino Básico e Secundário , , , ,6 Estrutura Atípica e Estrutura de Missão , , ,4-83 -,9 Forças Armadas ,1 129, , ,5 Forças de Segurança , , ,9-9 -2, Gabinete de Membros do Governo , ,9 46 4,6 87 9,2 Inspeção-geral ,3-4 -,2 16, ,5 Instituto Público (c) ,7 52, , ,3 Órgão Independente ,1 1,2 7 1,6-7 -1,5 Secretaria-geral , ,5 48 2, ,5 Serviços externos MNE ,2-12 -,8-1 -, ,8 Sociedade Anónima , , , , Trabalhadores em Requalificação , , , ,6 Tribunal (d) ,8-66 -, , ,2 Unidade hospitalar - Instituto Público (e) ,4 19,8-2 -, , Unidade Orgânica de Ensino e Investigação (f) ,3 55 1, , , ADMINISTRAÇÃO REGIONAL E LOCAL ,2 48, , ,2 ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DOS AÇORES , , , ,5 Direção Regional ,4 37 1,4 14 4, 65 2,5 Entidade Pública Empresarial Regional ,5 69 2,3 32 1, ,8 Estabelec. de Educação e Ensino Básico e Secundário ,1 37, , ,9 Estrutura atípica ,2 5,4 2 1, ,1 Gabinete de Membros do Governo Regional , 2 1,5 1,8 12 9,9 Inspeção Regional , -1 -,8 1,8 4 3,1 Instituto Público ,1 1,2-2 -,4-1 -1,7 Órgão Independente ,, 1,6-5 -2,7 Secretaria-geral ,, 6 7,5 2 2,4 Sociedade Anónima , , , ,1 Unidade de Saúde ,3 6,4 37 2, ,8 ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DA MADEIRA , -6, , ,2 Direção Regional , , , , Entidade Pública Empresarial Regional ,7 21, , ,8 Estabelec. de Educação e Ensino Básico e Secundário ,3 8, , ,4 Estrutura Atípica e Associação , -3-3,5-6 -6,7 6 26,9 Gabinete de Membros do Governo Regional , , , ,3 Inspeção Regional , , , ,3 Instituto Público ,1 1 25, , ,6 Órgão Independente ,, 1,9-7 -5,7 Sociedade Anónima e Sociedade por Quotas , ,9-4 -1, ,7 ADMINISTRAÇÃO LOCAL ,6-17 -, , ,7 Área Metropolitana , 12 33, ,5 24 1, Assembleia Distrital (g) ,, -16-1, -39-1, Associação; Cooperat; Fundação; Comunid Intermunic ,2 17 1, , ,9 Câmara Municipal , , , ,7 Empresa Municipal e Intermun; Entid. Empres. Municip , , , ,5 Entidade Regional de Turismo (h) Junta de Freguesia ,7-1, -12 -,1-79 -,7 Sociedade Anónima e Sociedade por Quotas ,1 29 6,3 22 4, , FUNDOS DE SEGURANÇA SOCIAL ,5 94 1, -58 -, ,6 Instituto Público e Fundo de Segurança social ,5 94 1, -58 -, ,6 mar 3 jun mar 216(p) Variação trimestre Variação homóloga Variação mar-16/dez-11 6

7 Em percentagem Em percentagem síntese estatística do emprego público 1.º trimestre 216 Quadro 2.3 Emprego nas administrações públicas por atividade económica ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS - Total Secção CAE Rev.3 Designação mar 3 jun mar 216 (p) Variação Peso trimestre Variação Variação homóloga mar-16/dez-11 N.º N.º N.º C+D+ E+F Total Indúst. transformadoras; Eletr., gás, vapor, água quente e fria e ar frio; Captação, tratam. e distrib. de água; saneam., gestão de resíduos e despoluição; Construção , 3 7, , , ,7 32,7 29 4, ,4 H Transportes e armazenagem , ,9 74 9, ,8 G+I+ Comércio por grosso e a retalho; Alojamento, restauração e L+N similares; Ativ. imobiliárias; Atividades administrativas ,1-6 -6, , ,4 J Atividades de informação e de comunicação ,3-16 -, , ,8 K Atividades financeiras e de seguros , -3-1, -3-8, ,6 M Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares , , , ,9 O Administração Pública e Defesa; Seg. Social Obrigatória , , , ,4 das quais: Administração pública em geral, económica e social , , , , Negócios estrangeiros, defesa, justiça, segurança, ordem pública e proteção civil ,1-3, 563, ,7 Atividades de segurança social obrigatória ,5 93,9-58 -, ,7 P Educação , , , ,3 das quais: Educação pré-escolar, Ensino básico e secundário , , , , Ensino superior , , ,2-5 -,1 Outras atividades educativas ,5-3 -,1 88 2, ,4 Q Atividades de saúde humana e apoio social , , , ,4 das quais Atividades de saúde humana , , ,7-4, Ativ. de apoio social com e sem alojamento ,3-27 -,3-25 -, ,8 R Atividades artísticas, de espetáculos, desport. e recreat ,4 - -1, , ,8 das quais: Ativ. de teatro, música, dança, outras artísticas e literár ,1 21 3, -4 -, ,1 Ativ. das bibliot., arquivos, museus, outras ativ. culturais ,2-1 -,1 28 2, , Atividades desportivas, de diversão e recreativas , , , ,2 S Outras atividades de serviços ,1 15 2,1-3 -4, ,3 Notas: (i) Atividade económica resultante da atribuição da CAE Rev.3 à atividade principal da entidade pública em termos de emprego, e dependente do nível de desagregação dos dados recolhidos e disponibilizados pelo SIOE. (ii) No subsector da administração local, a internalização de empresas de serviços municipais cujos trabalhadores passaram para as Câmaras Municipais, tem impacto nos indicadores de emprego e remunerações em secções particulares da CAE como o grupo das secções G+I+L+N. p - dados provisórios Gráfico 2.1 Variação homóloga do emprego nas administrações públicas por atividade económica () Gráfico 2.2 Variação face a embro 211 do emprego nas administrações públicas por atividade económica () dez mar 3 jun 3 set dez mar 3 jun 3 set dez mar 3 jun 3 set dez mar mar 3 jun 3 set dez mar 3 jun 3 set dez mar 3 jun 3 set dez mar 3 jun 3 set dez mar ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS - Total Administração Pública e Defesa; Seg. Social Obrigatória Educação Atividades de saúde humana e apoio social Outras atividades ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS - Total Administração Pública e Defesa; Seg. Social Obrigatória Educação Atividades de saúde humana e apoio social Outras atividades 7

8 Quadro 2.4 Emprego no sector das administrações públicas por subsector, segundo a modalidade de vínculo -mar- -mar-216 (p) Comissão Serviço, CargoPol./ Mandato Contrato Notas: De (i) a (iv): Ver notas Quadro 2.1 (a) Inclui Comissão de Serviço no âmbito da LTFP e do Código de Trabalho, Cargo Político e Mandato; (b) inclui Nomeação definitiva e transitória por tempo determinado e por tempo determinável; (c) inclui Contrato de Trabalho em Funções Públicas e Contrato de Trabalho no âmbito do Código de Trabalho, por tempo indeterminado; (d) Inclui Contrato de Trabalho em Funções Públicas e Contrato de Trabalho no âmbito do Código de Trabalho, a termo resolutivo certo e incerto. p - dados provisórios por tempo indeterm. Contrato a termo TOTAL Comissão Serviço, CargoPol./ Mandato Nomeação Nomeação Contrato por tempo indeterm. Contrato a termo (a) (b) (c) (d) (a) (b) (c) (d) ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS - Total ADMINISTRAÇÃO CENTRAL Estado Serviços e Fundos Autónomos Estado e Serviços e Fundos Autónomos Órgãos de Soberania e Entidades Independentes (i) Presidência do Conselho de Ministros Ministério da Administração Interna Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural Ministério do Ambiente Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Ministério da Cultura Ministério da Defesa Nacional Ministério da Economia Ministério da Educação Ministério das Finanças Ministério da Justiça Ministério do Mar Ministério dos Negócios Estrangeiros Ministério do Planeamento e das Infraestruturas Ministério da Saúde Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Sector Empresarial do Estado - Entidades Reclassificadas (ii) Trabalhadores em Requalificação (iii) Instituições sem Fim Lucrativo da Administração Central ADMINISTRAÇÃO REGIONAL E LOCAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DOS AÇORES Órgãos do Governo Regional dos Açores Serviços e Fundos Autónomos da AR dos Açores Órgãos de Soberania e Entidades Independentes Presidência do Governo Regional dos Açores Vice-Presidência, Emprego e Competitividade Empresarial Secretaria Regional da Solidariedade Social Secretaria Regional da Saúde Secretaria Regional da Educação e Cultura Secretaria Regional do Turismo e Transportes Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Sector Empresarial da RAA - Entidades Reclassificadas (ii) ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DA MADEIRA Órgãos do Governo Regional da Madeira Serviços e Fundos Autónomos da AR da Mdadeira Órgãos de Soberania e Entidades Independentes Presidência do Governo Regional da Madeira Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais Secretaria Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus Secretaria Regional das Finanças e da Administração Pública Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura Secretaria Regional da Educação Secretaria Regional da Saúde Secretaria Regional de Agricultura e Pescas Sector Empresarial da RAM - Entidades Reclassificadas (ii) ADMINISTRAÇÃO LOCAL Distritos (iv) Municípios Freguesias Serviços Autónomos da Administração Local (v) dos quais: Sector Empresarial Local - Entidades Reclassif. (ii) Instituições sem Fim Lucrativo da Administração Local FUNDOS DE SEGURANÇA SOCIAL Fundos de Segurança Social da Administração Central Fundos de Segurança Social da RA dos Açores Fundos de Segurança Social da RA da Madeira TOTAL 8

9 síntese estatística do emprego público 1.º trimestre 216 Quadro 2.5 Variação do emprego no sector das administrações públicas por subsector, segundo a modalidade de vínculo Variação no trimestre -mar-16 / -dez-15 (N.º) Contrato a termo TOTAL Comissão Notas: De (i) a (iv): Ver notas Quadro 2.1 (a) Inclui Comissão de Serviço no âmbito da LTFP e do Código de Trabalho, Cargo Político e Mandato; (b) inclui Nomeação definitiva e transitória por tempo determinado e por tempo determinável; (c) inclui Contrato de Trabalho em Funções Públicas e Contrato de Trabalho no âmbito do Código de Trabalho, por tempo indeterminado; (d) Inclui Contrato de Trabalho em Funções Públicas e Contrato de Trabalho no âmbito do Código de Trabalho, a termo resolutivo certo e incerto. 9 Serviço, CargoPol. / Mandato Comissão Contrato Serviço, Nomeação por tempo CargoPol. indeterm. / Mandato Nomeação Variação homóloga -mar-16 / -mar-15 (N.º) Contrato por tempo indeterm. Contrato a termo (a) (b) (c) (d) (a) (b) (c) (d) ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS - Total ADMINISTRAÇÃO CENTRAL Estado Serviços e Fundos Autónomos Estado e Serviços e Fundos Autónomos Órgãos de Soberania e Entidades Independentes (i) Presidência do Conselho de Ministros Ministério da Administração Interna Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural Ministério do Ambiente Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Ministério da Cultura Ministério da Defesa Nacional Ministério da Economia Ministério da Educação Ministério das Finanças Ministério da Justiça Ministério do Mar Ministério dos Negócios Estrangeiros Ministério do Planeamento e das Infraestruturas Ministério da Saúde Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Sector Empresarial do Estado - Entidades Reclassificadas (ii) Trabalhadores em Requalificação (iii) Instituições sem Fim Lucrativo da Administração Central ADMINISTRAÇÃO REGIONAL E LOCAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DOS AÇORES Órgãos do Governo Regional dos Açores Serviços e Fundos Autónomos da AR dos Açores Órgãos de Soberania e Entidades Independentes Presidência do Governo Regional dos Açores Vice-Presidência, Emprego e Competitividade Empresarial Secretaria Regional da Solidariedade Social Secretaria Regional da Saúde Secretaria Regional da Educação e Cultura Secretaria Regional do Turismo e Transportes Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente Sector Empresarial da RAA - Entidades Reclassificadas (ii) ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DA MADEIRA Órgãos do Governo Regional da Madeira Serviços e Fundos Autónomos da AR da Mdadeira Órgãos de Soberania e Entidades Independentes Presidência do Governo Regional da Madeira Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais Secretaria Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus Secretaria Regional das Finanças e da Administração Pública Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura Secretaria Regional da Educação Secretaria Regional da Saúde Secretaria Regional de Agricultura e Pescas Sector Empresarial da RAM - Entidades Reclassificadas (ii) ADMINISTRAÇÃO LOCAL Distritos (iv) Municípios Freguesias Serviços Autónomos da Administração Local (v) dos quais: Sector Empresarial Local - Entidades Reclassif. (ii) Instituições sem Fim Lucrativo da Administração Local FUNDOS DE SEGURANÇA SOCIAL Fundos de Segurança Social da Administração Central Fundos de Segurança Social da RA dos Açores Fundos de Segurança Social da RA da Madeira TOTAL

10 Quadro 2.6 Emprego no sector das administrações públicas por cargo/carreira/grupo ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS -dez- -dez- -dez- -dez- -mar- 3-jun- -dez- -mar- CARGO / CARREIRA / GRUPO (p) Total , 3 7, , , Representantes do poder legislativo (a) , , -57-2, ,9 Dirigente superior ,2 1, , ,5 Dirigente intermédio ,4 58,6 22, ,3 Técnico Superior ,8 252,4 84 1,4 145,3 Assistente técnico/administrativo (b) ,8-18 -, , ,4 Assist. operacional/operário/auxiliar (c) ,1 117, , , Informático ,7 1, 12, ,7 Magistrado ,6-18 -,5 - -,8 44 1,2 Diplomata , ,7 14 4, -9-2,4 Pessoal de Investigação Científica ,2 4,3 3, ,5 Docente Ensino Universitário ,1 43, ,1 23,2 Docente Ensino Superior Politécnico , ,1 23 2, ,7 Educ.Infância e Doc. E. Básico/Secund ,7 972, , ,9 Pessoal de Inspecção ,2 3,2 16 1, ,3 Médico , ,5 96 3, ,7 Enfermeiro , , 1 5 3, ,2 Téc. Diagnóstico e Terapêutica ,3 16 1,2 25 2, ,2 Técnico Superior de Saúde ,3-2 -, , ,9 Administração Tributária e Aduaneira ,4-4 -, , ,2 Conservador e Notário ,1 3,5-7 -1, ,5 Oficial dos Registos e do Notariado ,6 1,3-36 -, ,2 Oficial de Justiça ,1-53 -, , ,4 Forças Armadas ,4 15, , ,2 Forças de segurança ,9-11 -, , ,1 Bombeiro ,3-9 -,4-3 -, ,1 Polícia Municipal (d) ,2-9 -, , ,3 Peso Variação Variação Variação trimestre homóloga mar-16/dez-11 N.º N.º N.º ADMINISTRAÇÃO CENTRAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL E LOCAL FUNDOS DE SEGURANÇA SOCIAL CARGO / CARREIRA / GRUPO -mar- -dez dez- 216(p) Peso -mar- -dez- -mar mar- -dez- 216(p) Peso -dez- -mar- -dez- -mar (p) Peso Total , , , Representantes do poder legislativo (a) , ,5, Dirigente superior , , ,2 Dirigente intermédio , , ,8 Técnico Superior , , ,5 Assistente técnico/administrativo (b) , , ,2 Assist. operacional/operário/auxiliar (c) , , ,8 Informático , , , Magistrado ,8,, Diplomata ,1,, Pessoal de Investigação Científica , ,, Docente Ensino Universitário ,8,, Docente Ensino Superior Politécnico ,8,, Educ.Infância e Doc. E. Básico/Secund , , ,2 Pessoal de Inspecção , , ,1 Médico , ,8, Enfermeiro , , , Téc. Diagnóstico e Terapêutica , , ,1 Técnico Superior de Saúde , ,1, Administração Tributária e Aduaneira , ,1, Conservador e Notário , ,, Oficial dos Registos e do Notariado , ,1, Oficial de Justiça ,5,, Forças Armadas ,8,, Forças de segurança , ,1, Bombeiro, ,4, Polícia Municipal (d), ,8, Notas: (a) inclui representantes do poder legislativo e de órgãos executivos; (b) inclui pessoal dos serviços externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros - assistente técnico; (c) inclui pessoal dos serviços externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros assistente operacional; e aprendiz e praticante; (d) inclui pessoal da carreira especial da Polícia de Segurança Pública (PSP) integrado na Polícia Municipal de Lisboa e Porto. p - dados provisórios 1

11 Quadro 2.6 Emprego no sector das administrações públicas por cargo/carreira/grupo (continuação) CARGO / CARREIRA / GRUPO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL E LOCAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DOS AÇORES ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DA MADEIRA ADMINISTRAÇÃO LOCAL Peso -dez- -mar- -dez- -mar (p) -dez- -mar- -dez- -mar (p) Peso -dez- -mar- -dez- -mar (p) Peso Total , , , Representantes do poder legislativo (a) , , ,8 Dirigente superior , , ,2 Dirigente intermédio , , ,2 Técnico Superior , , ,7 Assistente técnico/administrativo (b) , , ,4 Assist. operacional/operário/auxiliar (c) , , ,2 Informático , , ,3 Pessoal de Investigação Científica, ,, Educ.Infância e Doc. E. Básico/Secund , , ,4 Pessoal de Inspecção , ,3, Médico , ,8 1 2, Enfermeiro , , , Téc. Diagnóstico e Terapêutica , ,5, Técnico Superior de Saúde , ,5, Administração Tributária e Aduaneira, ,, Conservador e Notário, ,1, Oficial dos Registos e do Notariado, ,5, Forças de segurança 8 8, ,4, Bombeiro,, ,9 Polícia Municipal (d),, , Fontes (Quadro 2.6 e Gráficos 2.3 e 2.4): DGAEP - SIOE (dados disponíveis em ); DGAEP/DEEP Notas: (a) a (d) ver Notas Quadro 2.6 p - dados provisórios Gráfico 2.3 Distribuição do emprego das administrações públicas por cargo/carreira/grupo em de março 216 em comparação com de dezembro 211 Postos de trabalho (N.º) mar-216 (p) -dez-211 Pessoal Docente Assistente Operacional Assistente Técnico Forças Arm e Segurança Técnico Superior Pessoal de Saúde, exceto médico Médico Pessoal de Justiça Dirigente Adm Tributária e Aduan Informático Magistrado Bombeiro e Polícia Munic Rep Legisl e Executivo Pessoal Inspeção Diplomata Gráfico 2.4 Variação do emprego das administrações públicas por cargo/carreira/grupo em de março 216 face a de dezembro 211 Variação face a embro N.º Variação face a embro Rep Legisl e Executivo Dirigente Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Magistrado Diplomata Pessoal Docente Pessoal Inspeção Médico Outro Pessoal de Saúde Adm Tributária e Aduan Pessoal de Justiça Forças Arm e Segurança Bombeiro e Polícia Munic -3,9-15,4-13,4-12, -5,7-2,4-12,5-8,3-1,4-5,2-8,2-7,8-1,5,3 1,2 13,7 Rep Legisl e Executivo Dirigente Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Magistrado Diplomata Pessoal Docente Pessoal Inspeção Médico Outro Pessoal de Saúde Adm Tributária e Aduan Pessoal de Justiça Forças Arm e Segurança Bombeiro e Polícia Munic 11

síntese estatística do emprego público 2.º trimestre 2014

síntese estatística do emprego público 2.º trimestre 2014 Variação trimestral do emprego - N.º Variação trimestral do emprego - Variação homóloga do emprego - N.º Variação homóloga do emprego - síntese estatística do emprego público 2.º trimestre 14 de agosto

Leia mais

síntese estatística do emprego público 4.º trimestre 2013

síntese estatística do emprego público 4.º trimestre 2013 trimestral de postos de trabalho (N.º) trimestral de postos de trabalho (%) homóloga de postos de trabalho (%) síntese estatística do emprego público 4.º trimestre 17 de fevereiro 2014 A Síntese Estatística

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIREÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Taxas

Leia mais

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho GANHOS MÉDIOS Abril 2014 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do ME - Gabinete de Estratégia e Estudos do

Leia mais

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da GANHOS MÉDIOS Abril 2015 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do trabalho e da Ação Inspetiva e Gabinete de Estratégia e

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES CONSTITUIÇÕES OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de Constituições registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por

Leia mais

E S T A T Í S T I C A S

E S T A T Í S T I C A S Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia E S T A T Í S T I C A S e m S í n t e s e Estatísticas dos Empregos Vagos 2º Trimestre - 2013 Portugal Principais resultados No 2º trimestre de 2013,

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços Janeiro de 2017

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços Janeiro de 2017 13 de março de 2017 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços Janeiro de 2017 Índice de Volume de Negócios nos Serviços 1 desacelerou O índice de volume de negócios

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

E S T A T Í S T I C A S

E S T A T Í S T I C A S E S T A T Í S T I C A S e m S í n t e s e Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Estatísticas dos Empregos Vagos 4º Trimestre - 2014 Portugal Principais resultados Em Portugal, no 4º trimestre

Leia mais

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2009-2013 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro setorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

A degradação dos serviços públicos prestados à população em Portugal

A degradação dos serviços públicos prestados à população em Portugal CAUSAS DA DEGRADAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM PORTUGAL A degradação crescente dos serviços públicos prestados à população é visível já para a opinião pública. Cerca de 1.700.000 portugueses estão sem

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi de 16,4%

A taxa de desemprego estimada foi de 16,4% 7 de agosto de 2013 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2013 A taxa de desemprego estimada foi de 16,4% A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2013 foi de 16,4%. Este valor é superior

Leia mais

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2008 17 de Fevereiro de 2009 A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2008 foi de 7,8%. Este

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi de 15,6%

A taxa de desemprego estimada foi de 15,6% 7 de novembro de 2013 Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2013 A taxa de desemprego estimada foi de 15,6% A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2013 foi de 15,6%. Este valor é inferior

Leia mais

Taxa de desemprego de 17,7%

Taxa de desemprego de 17,7% 9 de maio de 2013 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2013 Taxa de desemprego de 17,7% A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2013 foi de 17,7%. Este valor é superior em 2,8 pontos percentuais

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Novembro de 2016

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Novembro de 2016 nov-14 jan-15 mar-15 mai-15 jul-15 set-15 nov-15 jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 nov-14 jan-15 mar-15 mai-15 jul-15 set-15 nov-15 jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 10 de janeiro de 2017

Leia mais

Entidades do Subsector Institucional da Administração Pública Regional da Madeira

Entidades do Subsector Institucional da Administração Pública Regional da Madeira Entidades do Subsector Institucional da Administração Pública Regional da Madeira 2015 As tabelas seguintes contêm a lista das entidades que, em 2015, integravam o subsector institucional da Administração

Leia mais

Quadro 1 Empregos ocupados e vagos por secção e grupo de secções de atividade da CAE rev.3 (1)

Quadro 1 Empregos ocupados e vagos por secção e grupo de secções de atividade da CAE rev.3 (1) E S T A T Í S T I C A S e m S í n t e s e Estatísticas dos Empregos Vagos 4º Trimestre - 2016 Principais resultados Portugal No 4º trimestre de 2016, a taxa de empregos vagos cifrou-se em 0,7%. Tal valor

Leia mais

Nota metodológica. Sistema de Contas Integradas das Empresas

Nota metodológica. Sistema de Contas Integradas das Empresas Nota metodológica Sistema de Contas Integradas das Empresas Série (SEC2010) - 2010 em diante Objetivo do SCIE O objetivo principal do Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE) consiste na caracterização

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2009-2013 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

Acidentes de trabalho e problemas de saúde relacionados com o trabalho (ATPS 2013)

Acidentes de trabalho e problemas de saúde relacionados com o trabalho (ATPS 2013) Acidentes de e problemas de saúde relacionados com o (ATPS 2013) Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego DES/Serviço de Estatísticas das Condições de Vida 14ª Reunião da Secção Permanente de Estatísticas

Leia mais

Função Pública tem as remunerações congeladas desde 2009, e reposição não tem efeitos para 44% trabalhadores

Função Pública tem as remunerações congeladas desde 2009, e reposição não tem efeitos para 44% trabalhadores REMUNERAÇÕES NA FUNÇÃO PÚBLICA ESTÃO CONGELADAS DESDE 2009, MAIS DE 280.000 TRABALHADORES NEM TIVERAM A ILUSÃO DA REPOSIÇÃO DO CORTE DE REMUNERAÇÕES, POR ISSO É NECESSÁRIO QUE NÃO SEJAM ESQUECIDOS NO OE-2017

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011 O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA 2011 Funchal, 10 de Novembro de 2011 BUSINESS PLAN Financial Analysis Agenda O tecido empresarial

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TRABALHO

ESTATÍSTICAS DO TRABALHO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO ESTATÍSTICAS DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÕES MÍNIMAS MENSAIS GARANTIDAS NA REGIÃO)

Leia mais

A taxa de desemprego de novembro de 2016 foi de 10,5%

A taxa de desemprego de novembro de 2016 foi de 10,5% Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego embro de 30 de janeiro de 2017 A taxa de desemprego de novembro de foi de 10,5% A taxa de desemprego de novembro de situou-se em 10,5%, menos 0,1 pontos percentuais

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentua diminuição

Valor médio de avaliação bancária acentua diminuição 25 de novembro de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Outubro de 2014 Valor médio de avaliação bancária acentua diminuição O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País diminuiu 1,5%

Leia mais

Apresentação Geral da CAE-Rev.3

Apresentação Geral da CAE-Rev.3 Apresentação Geral da CAE-Rev.3 Estrutura Secção* Divisão* Grupo* Classe* Subclasse DESIGNAÇÃO CAE- Rev.2.1 A Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca Ap Bp Kp 01 Agricultura, produção animal,

Leia mais

O Índice de Custo do Trabalho diminuiu 2,8% face ao trimestre homólogo de 2014

O Índice de Custo do Trabalho diminuiu 2,8% face ao trimestre homólogo de 2014 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 2T14 3T14 4T14 1T15 2T15 3T15 13 de novembro de 2015 Índice de Custo do Trabalho 3.º trimestre de

Leia mais

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2010-2014 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro setorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

A taxa de desemprego de março foi de 9,8%

A taxa de desemprego de março foi de 9,8% Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego il de 30 de maio de A taxa de desemprego de março foi de 9,8% A taxa de desemprego de março de situou-se em 9,8%, menos 0,1 pontos percentuais (p.p.) do que

Leia mais

GLOSSÁRIO/THESAURUS. Sistema de Informação da Organização do Estado (SIOE-E)

GLOSSÁRIO/THESAURUS. Sistema de Informação da Organização do Estado (SIOE-E) GLOSSÁRIO/THESAURUS Sistema de Informação da Organização do Estado (SIOE-E) Dezembro 2014 ÍNDICE 1. Data da pesquisa... 3 2. Formas de pesquisa... 3 3. Campos de pesquisa... 3 4. Campos visualizados sem

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÕES MÍNIMAS MENSAIS GARANTIDAS NA REGIÃO) Abril de 2009. ANEXO:

Leia mais

E S T A T Í S T I C A S

E S T A T Í S T I C A S E S T A T Í S T I C A S e m S í n t e s e Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Estatísticas dos Empregos Vagos 1º Trimestre - 2014 Portugal Principais resultados No 1º trimestre de 2014,

Leia mais

LINHAS GERAIS. Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações (LVCR) Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro

LINHAS GERAIS. Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações (LVCR) Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro LINHAS GERAIS DA Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações (LVCR) Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro Arnaldo Azevedo 1 Quadros e carreiras Vínculos Mobilidade Regime remuneratório rio 2 Quadro de pessoal

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em 2014

VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em 2014 Empresas em Portugal 2010-28 de setembro de 2015 VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em Os dados preliminares de das estatísticas das empresas reforçam os sinais positivos

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal passou do 14º para o 5º lugar do ranking do desemprego

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DE TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DE TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DE TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Proteção Social de Trabalhadores em Funções Públicas

Leia mais

Mobilizar a Agenda dos Recursos Humanos ESPAP Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa

Mobilizar a Agenda dos Recursos Humanos ESPAP Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa Mobilizar a Agenda dos Recursos Humanos ESPAP Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa Joana Ramos 26 de novembro de 2014 Diagnóstico de peso excessivo

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Nota de enquadramento à norma de redução remuneratória

Nota de enquadramento à norma de redução remuneratória Nota de enquadramento à norma de redução remuneratória 1. A norma da redução remuneratória assegura uma diminuição global de 5% na despesa com remunerações, conjugando-se com o impedimento de quaisquer

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé Turismo Interno Mercados em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015 INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015 INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE 2015 G4-10 NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES Discriminados por contrato de trabalho e género - por região (2015) (em número) 2 CGD,SA

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços 1 Fevereiro de

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços 1 Fevereiro de 0099 DDEE AABBRRI IIL L DDEE 22000099 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços 1 Fevereiro de 2009 2 Volume de Negócios nos Serviços prossegue trajectória descendente

Leia mais

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012 Perfil da presença feminina no tecido empresarial português Sumário executivo Em Portugal : 54,9% das empresas têm pelo menos uma mulher nos seus cargos de gestão e direcção: 44,8% têm uma equipa mista,

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% 06 de janeiro de 2015 Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego embro de A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% A taxa de desemprego (15 a 74 anos) ajustada de sazonalidade estimada para

Leia mais

Exmo. Senhor (Nome e morada)

Exmo. Senhor (Nome e morada) Exmo. Senhor (Nome e morada) Na sequência da reclamação apresentada em (data de apresentação da reclamação), do acto de processamento do seu vencimento, relativo ao mês de Janeiro de 2011, e em resposta

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé Turismo Interno Mercado em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO ANÁLISE SETORIAL

ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO ANÁLISE SETORIAL ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO ANÁLISE SETORIAL Novembro 2016 ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, ÁGUA QUENTE E FRIA E AR FRIO O presente documento constitui um resumo analítico do desempenho

Leia mais

Estatísticas da Dívida Pública

Estatísticas da Dívida Pública Estatísticas da Dívida Pública José Sérgio Branco 20 de março de 2015 Conselho Superior de Estatística Estatísticas da dívida pública ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. Enquadramento II. Principais resultados

Leia mais

concedidos pelo setor financeiro residente

concedidos pelo setor financeiro residente NOTA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 22 2016 Novas estatísticas sobre empréstimos concedidos pelo setor financeiro residente 22 de fevereiro de 2016 O Banco de Portugal apresenta hoje novas estatísticas sobre

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (1ª Notificação de 2017)

Procedimento dos Défices Excessivos (1ª Notificação de 2017) Procedimento dos Défices Excessivos 1ª Notificação 2017 24 de março de 2017 Procedimento dos Défices Excessivos (1ª Notificação de 2017) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia ao Eurostat,

Leia mais

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO)

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO) RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS E DOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO Página 1/8 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL 20 981 20 981 20 981 20 981 ENTIDADE REGULADORA PARA

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas no Comércio a Retalho Dezembro 2016

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas no Comércio a Retalho Dezembro 2016 3ºt 2015 4ºt 2015 1ºt 2016 2ºt 2016 3ºt 2016 4ºt 2016 30 de janeiro de 2017 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas no Comércio a Retalho Dezembro 2016 Índice de Vendas

Leia mais

Janeiro de 2009 As Encomendas recebidas na indústria diminuíram 12,6%

Janeiro de 2009 As Encomendas recebidas na indústria diminuíram 12,6% ÍNDICE DE NOVAS ENCOMENDAS NA INDÚSTRIA 10 de Março de 2009 Janeiro de 2009 As Encomendas recebidas na indústria diminuíram 12,6% Em Janeiro de 2009 1, o valor das novas encomendas recebidas pelas empresas

Leia mais

As Encomendas recebidas na indústria diminuíram 20,7%

As Encomendas recebidas na indústria diminuíram 20,7% 00 77 DDEE MAAI IIOO DDEE 22000099 ÍNDICE DE NOVAS ENCOMENDAS NA INDÚSTRIA Fevereiro de 2009 e Março de 2009 As Encomendas recebidas na indústria diminuíram 20,7% Em Março de 2009, o valor das novas encomendas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA NA RAM

EVOLUÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA NA RAM REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA GABINETE DO SECRETÁRIO REGIONAL Observatório do Sistema Educativo e Cultural da RAM EVOLUÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTÍNUA NA RAM

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL Decreto-Lei nº 19/96, de 9 de Outubro 215 IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ENTIDADE Código 236 Serviço / Entidade: Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. Nota: Em

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Análise fenómeno a fenómeno. Barómetro distrital. Análise de tendências. Constituições

Dados mensais. Barómetro sectorial. Análise fenómeno a fenómeno. Barómetro distrital. Análise de tendências. Constituições Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Constituições Constituições vs dissoluções naturais Mensal Acumulado Mensal Acumulado Dissoluções

Leia mais

FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E DE MATÉRIAS PLÁSTICAS ANÁLISE SETORIAL

FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E DE MATÉRIAS PLÁSTICAS ANÁLISE SETORIAL FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E DE MATÉRIAS PLÁSTICAS ANÁLISE SETORIAL Novembro 2016 FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E DE MATÉRIAS PLÁSTICAS O presente documento constitui um resumo analítico do

Leia mais

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística.

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. ANEXO 1 Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. 1. Qualificação da população activa portuguesa Gráfico 1.

Leia mais

Estatísticas de Alojamento turístico, 2015

Estatísticas de Alojamento turístico, 2015 Estatísticas de Alojamento turístico, 2015 Departamento de Estatísticas Económicas Serviço de Estatísticas de Comércio, Turismo e Transportes Rute Cruz Calheiros CSE - GT DEM, 27/10/2016 As estatísticas

Leia mais

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE Em que consiste Concessão de um apoio financeiro à renovação, à conversão de contratos de trabalho a termo ou à celebração de novos contratos de trabalho com ex-trabalhadores

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal abril 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 05 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9.

Leia mais

Desemprego na Construção atinge novo máximo

Desemprego na Construção atinge novo máximo Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 59 Fevereiro

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 5 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego (corrigido às 16:40) 2º trimestre de 2014 (substituição do gráfico 1, na página 2, e do gráfico 3, na página 3, por existir um erro nos eixos das ordenadas)

Leia mais

A taxa de desemprego situou-se em 10,5% no 4.º trimestre e em 11,1% no ano de 2016

A taxa de desemprego situou-se em 10,5% no 4.º trimestre e em 11,1% no ano de 2016 8 de fevereiro de 217 Estatísticas do Emprego 4.º trimestre de 216 A taxa de desemprego situou-se em 1,5 no 4.º trimestre e em 11,1 no ano de 216 A taxa de desemprego do 4.º trimestre de 216 foi de 1,5.

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Janeiro de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Janeiro de 2014 06 de março de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Janeiro de 2014 Índice de Volume de Negócios na Indústria apresentou variação homóloga negativa

Leia mais

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS

CAE 27 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS CAE Rev. 2.1 - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS DE BASE ESTATÍSTICA DAS EMPRESAS Totais Nacionais % no total da Indústria Transformadora 2000 2001 2002 2003 2004* 2005* 2006* 2007* 2008 2000 2001 2002 2003 2004*

Leia mais

DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS PARA C&T E I&D 2015

DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS PARA C&T E I&D 2015 PARA C&T E I&D 2015 FICHA TÉCNICA Título Dotações Orçamentais para C&T e I&D 2015 Autor Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatística da Ciência e Tecnologia

Leia mais

Turismo ANÁLISE SETORIAL

Turismo ANÁLISE SETORIAL Turismo ANÁLISE SETORIAL Novembro 2016 TURISMO O presente documento constitui um resumo analítico do desempenho recente dos setores: Alojamento; Agências de viagem, operadores turísticos, outros serviços

Leia mais

A TODOS OS DEPARTAMENTOS DO ESTADO SE COMUNICA:

A TODOS OS DEPARTAMENTOS DO ESTADO SE COMUNICA: MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DO ORÇAMENTO GABINETE DO DIRECTOR-GERAL Circular Série A Nº. 1276 A TODOS OS DEPARTAMENTOS DO ESTADO SE COMUNICA: ASSUNTO: Processamento de vencimentos, de harmonia

Leia mais

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO NOVEMBRO 2011 SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO NOVEMBRO/10 OUTUBRO/11 NOVEMBRO/11 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Homólogo Anterior DESEMPREGO REGISTADO 15.737 100,0 17.831 100,0 18.600 100,0

Leia mais

AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL

AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL A situação da mulher em Portugal Pág. 1 AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NÃO ESTÃO A DIMINUIR EM PORTUGAL RESUMO DESTE ESTUDO No 8 de Março de 2008, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher,

Leia mais

Gabinete de Gestão Financeira

Gabinete de Gestão Financeira Gabinete de Gestão Financeira Í N D I C E Pág. ORÇAMENTO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PARA 2 0 0 8 EVOLUÇÃO DA DESPESA CONSOLIDADA - 2007 / 2008 2 DESPESA CONSOLIDADA SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

Estimativa da taxa de desemprego em maio: 13,2%

Estimativa da taxa de desemprego em maio: 13,2% Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego o de 29 de junho de Estimativa da taxa de desemprego em maio: 13,2% A estimativa provisória da taxa de desemprego para maio de situa-se em 13,2%, valor superior

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

QUESTIONÁRIO RAF Administração Pública. Equipa Marina Pereira Catarina Ivens Ferraz Cláudia Anjos Fátima Carrêlo

QUESTIONÁRIO RAF Administração Pública. Equipa Marina Pereira Catarina Ivens Ferraz Cláudia Anjos Fátima Carrêlo QUESTIONÁRIO RAF 2014 Administração Pública Equipa Marina Pereira Catarina Ivens Ferraz Cláudia Anjos Fátima Carrêlo Índice QUESTIONÁRIO RAF... 2 Os trabalhadores da entidade não realizaram formação profissional

Leia mais

Lei n.º 75/2014 de 12 de setembro Estabelece os mecanismos das reduções remuneratórias temporárias e as condições da sua reversão

Lei n.º 75/2014 de 12 de setembro Estabelece os mecanismos das reduções remuneratórias temporárias e as condições da sua reversão Lei n.º 75/2014 de 12 de setembro Estabelece os mecanismos das reduções remuneratórias temporárias e as condições da sua reversão A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º

Leia mais

Desemprego da Construção em máximo histórico

Desemprego da Construção em máximo histórico Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 62 Agosto

Leia mais

Presença feminina nas empresas em Portugal

Presença feminina nas empresas em Portugal Presença feminina nas empresas em Portugal 4ª Edição, Março 2014 ESTUDO INFORMA D&B A Informa D&B, como especialista no conhecimento da informação sobre o tecido empresarial, tem vindo a acompanhar esta

Leia mais

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Fevereiro de 2010 26 de Março 2010 Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição O valor médio de avaliação bancária 1 de habitação no

Leia mais

NOTA INFORMATIVA. ASSUNTO: Orçamento de Estado 2014 l Processamento de Remunerações

NOTA INFORMATIVA. ASSUNTO: Orçamento de Estado 2014 l Processamento de Remunerações NOTA INFORMATIVA ASSUNTO: Orçamento de Estado 2014 l Processamento de Remunerações Considerando o disposto na Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro, diploma que aprova o Orçamento de Estado para 2014, cumpre

Leia mais

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO MAIO/16 ABRIL/17 MAIO/17 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Homólogo Anterior DESEMPREGO REGISTADO 21 658 100,0 19 124 100,0 18 301 100,0-15,5-4,3 Homens 11 645

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Fevereiro de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Fevereiro de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Fevereiro de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento,

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas Taxas Contributivas TAXAS CONTRIBUTIVAS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM ENTIDADE EMPREGADORA TRABALHADOR GLOBAL Trabalhadores em geral 23,75% 34,75% Membros dos órgãos estatutários das pessoas colectivas

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

INQUÉRITO ÀS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO DAS MICROEMPRESAS DA RAM 2006/2008

INQUÉRITO ÀS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO DAS MICROEMPRESAS DA RAM 2006/2008 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL INQUÉRITO ÀS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO DAS MICROEMPRESAS DA RAM 2006/2008 SÍNTESE DE INFORMAÇÃO

Leia mais

A SITUAÇÃO REAL DOS TRABALHADORES DA FUNÇÃO PÚBLICA E A TENTATIVA DO GOVERNO PARA OS APRESENTAR COMO UM GRUPO DE PRIVILEGIADOS

A SITUAÇÃO REAL DOS TRABALHADORES DA FUNÇÃO PÚBLICA E A TENTATIVA DO GOVERNO PARA OS APRESENTAR COMO UM GRUPO DE PRIVILEGIADOS Campanha de manipulação do governo baseada na mentira contra os trabalhadores da Função Pública - Pág. 1 A SITUAÇÃO REAL DOS TRABALHADORES DA FUNÇÃO PÚBLICA E A TENTATIVA DO GOVERNO PARA OS APRESENTAR

Leia mais

Direito Constitucional Português

Direito Constitucional Português Direito Constitucional Português Legislação Fundamental I CONSTITUIÇÃO E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR 1. Constituição da República Portuguesa (depois da VII revisão constitucional Lei Constitucional nº 1/2005,

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1%

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1% 09 de maio de 2014 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1. Este

Leia mais

Empresas exportadoras são maioritariamente de pequena dimensão, mas quase metade do valor exportado provém de empresas com mais de 250 trabalhadores

Empresas exportadoras são maioritariamente de pequena dimensão, mas quase metade do valor exportado provém de empresas com mais de 250 trabalhadores Comércio Internacional por Características das Empresas 2013 23 de outubro de 2014 Empresas exportadoras são maioritariamente de pequena dimensão, mas quase metade do valor exportado provém de empresas

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE JANEIRO/07 DEZEMBRO/07 JANEIRO/08 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 8895 100,0 8773

Leia mais