CUSTEIO ABC: FERRAMENTA QUE AUXILIA AS TOMADAS DE DECISÕES. Juliana dos Santos Matos - Graduando em Administração Universidade Federal de Roraima UFRR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CUSTEIO ABC: FERRAMENTA QUE AUXILIA AS TOMADAS DE DECISÕES. Juliana dos Santos Matos - Graduando em Administração Universidade Federal de Roraima UFRR"

Transcrição

1 CUSTEIO ABC: FERRAMENTA QUE AUXILIA AS TOMADAS DE DECISÕES Juliana dos Santos Matos - Graduando em Administração Universidade Federal de Roraima UFRR Quézia Amorim Corrêa - Graduando em Administração Universidade Federal de Roraima - UFRR Dyeimison Brandão Campos - Graduando em Administração Universidade Federal de Roraima - UFRR RESUMO O cenário mundial globalizado faz com que a gestão dos custos seja um fator determinante para a competitividade e sobrevivência das organizações. Nesse novo cenário é necessário que os gestores disponham de sistemas capazes de prover informações precisas e significativas acerca dos custos de cada atividade desenvolvida pela empresa para que as decisões tomadas sejam as mais acertadas. Levando em consideração essa necessidade, este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da utilização do Custeio ABC como ferramenta de auxílio às tomadas de decisões dos gestores. O ABC desempenha esse papel porque é, na realidade, uma ferramenta de gestão de custos, muito mais do que de custeio de produtos. O estudo aqui desenvolvido é fruto de uma pesquisa bibliográfica. Palavras-chave: Custeio ABC. Tomadas de decisões. Ferramenta de auxílio. ABSTRACT The globalized world stage makes management of costs be a determining factor for competitiveness and survival of organizations. In this new scenario it is necessary that managers are provided with systems capable of providing accurate and meaningful information about the costs of each activity performed by the company so that the decisions taken are the right ones. Taking into account this need, this article aims to highlight the importance of using ABC costing as a tool to aid managers decision making. The ABC plays this role because it is, in fact, a cost management tool, much more than product costing. The study here developed is the result of a literature research. Key-words: ABC Expense. Management. Decision Making. Auxiliary Tool.

2 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O advento das indústrias e o desenvolvimento tecnológico mudaram o modo de produzir e trouxeram a diversificação dos produtos, o que gerou um significativo aumento de competitividade nos mercados, com isso os custos tornaram-se altamente relevantes quando da tomada de decisões em uma empresa e a sua alocação tornou-se mais complexa, exigindo dos gestores uma adaptação a esse novo cenário. Segundo Kraemer (1995) com as mudanças no ambiente empresarial, vieram à tona as deficiências dos sistemas tradicionais de custeio, dado que eles não mais respondiam, satisfatoriamente, às necessidades de informação impostas pelo atual ambiente competitivo. Nesse mercado de constante mutação e de produtos similares, conhecer as causas dos custos além de ser vital para saber se, uma atividade ou produto é rentável ou não, e saber se é possível reduzir os custos do mesmo, é um fator de vantagem competitiva. Daí a importância do uso de um sistema de custeio que além de ferramental contábil seja um gerador de informações relevantes para a gestão. A Contabilidade de Custos dispõe de sistemas de informações que permitem um melhor gerenciamento dos Custos. Nascida da Contabilidade financeira a Contabilidade de Custos, surgiu para suprir a necessidade de avaliar os estoques na indústria, mais especificamente com o início da Revolução industrial. Segundo Martins (2003 p. 13) até a Revolução Industrial (século XVIII), quase só existia a Contabilidade Financeira (ou Geral), que, desenvolvida na Era Mercantilista, estava bem estruturada para servir as empresas comerciais. Nas últimas décadas a Contabilidade de Custos passou de mera auxiliar na avaliação de estoques e lucros globais para importante arma de controle e decisão gerenciais (MARTINS, 2003 p.15). Para saber, onde? Como? E quanto? gastar, os gestores precisam ter domínio de informações e sistemas de custeio, que assumam papéis fundamentais como ferramentas de gestão, isso é decisivo para a sobrevivência das organizações. O Custeio ABC surge dessa necessidade, visto que os sistemas tradicionais de custeio não dão conta de suprila devido às distorções causadas pelo rateio arbitrário. O Custeio ABC (Activity Based Costing) é um dos métodos de custeio dispostos pela Contabilidade de Custos, foi desenvolvido com o objetivo de aprimorar a alocação dos custos indiretos devido à arbitrariedade causada pelo rateio utilizado pelos os sistemas tradicionais de custeio (VCB). Para Martins (2003, p.60) o ABC é uma metodologia de custeio que procura reduzir sensivelmente as distorções provocadas pelo rateio arbitrário dos custos indiretos. Nascido como um ferramental contábil para aprimorar a alocação dos custos indiretos, devido ao seu poder informacional, o Custeio ABC é fortemente recomendado para fins gerenciais. O mesmo indica as origens dos custos por meio dos direcionadores de custos (cost drivers) e facilita a eliminação de desperdício, propiciando visibilidade das atividades que não agregam valor, dando assim ao gestor elementos relevantes para uma tomada de decisão mais acertada. 2 SISTEMAS TRADICIONAIS DE CUSTEIO Os denominados sistemas tradicionais de custeio são aqueles cuja alocação dos custos é baseada no volume de produção. Segundo Nakagawa(1994 p. 36) o VBC assume o pressuposto que são os produtos que consomem os recursos necessários para fabricá-los ou comercializá-los.

3 2.1 Custeio Por Absorção O Custeio por Absorção é o método proveniente dos princípios de contabilidade geralmente aceitos. Consiste na apropriação de todos os custos de produção aos bens elaborados, todos os gastos relativos ao esforço de fabricação são distribuídos para todos os produtos feitos (MARTINS 1995 p. 41). 2.2 Custeio Variável ou Direto Segundo Martins(1996 p. 216) esse método somente os custos variáveis são alocados aos produtos, enquanto que, os custos os fixos são separados, considerados como despesas do período e transferidos diretamente para o resultado. Considera-se que o custeio variável fere os Princípios Contábeis, quando o mesmo reconhece as despesas do período antes da sua realização. Isto acontece quando os custos indiretos são lançados no resultado do exercício independentemente da sua venda. 2.3 Custo-Padrão O Método do Custo-Padrão tem uma origem norte-americana e foi concebido no final do século XIX (KRAEMER 1995). Segundo Kraemer (1995 p. 29) esse método foi concebido para orientar o processo de detecção dos desvios de custos e de suas prováveis causas, ou seja, voltado ao controle e acompanhamento da produção, ou seja, criar um padrão de comparação, sendo assim a medição dos seus custos é um fator secundário. Segundo Kraemer (1995) podese concluir que o Método do Custo-Padrão não consegue mais captar o real custo dos produtos vendidos, já que grande parte do ambiente fabril redirecionou sua forma organizacional. Além de serem direcionados apenas a custeio de produto, os métodos tradicionais utilizam o rateio para alocar os custos indiretos aos produtos, este procedimento muitas vezes comete arbitrariedade na alocação e provoca distorções no preço do produto. Devido a isso o Custeio ABC é recomendado tanto para a alocação dos custos indiretos quanto para geração de informações sobre o produto e sobre todas as atividades desenvolvidas na organização. 3 CUSTEIO ABC Alguns autores apontam que o Custeio Baseado em Atividades (Activity - Based Costing - ABC) surgiu, nos Estados Unidos, há alguns anos, e foi desenvolvido pelos professores Robert Kaplan e Robin Cooper da Harvard Business School, com o objetivo principal de aprimorar a alocação dos custos e das despesas indiretas fixas (overheard) aos produtos. Segundo Catelli e Guerreiro (1995 apud BOTELHO 2006) o ABC foi codificado pelo professor Robin Cooper, na década de 70 e, a partir dos anos 80, começou a ser mais amplamente desenvolvido por intermédio de empresas de consultoria. No Brasil, as pesquisas sobre este novo sistema tiveram seu início em 1989, no departamento de Contabilidade e Atuária da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, com o Prof. Nakagawa. Segundo Nakagawa (1994 p. 41) para alguns autores, aspectos das técnicas do ABC já eram conhecidos por volta de 1800 e início de Já para outros autores como Latshaw e Cortese-Danile (2002), o início do uso dessa técnica se deu na década de 60 pela General Eletric (GE), nos Estados Unidos.

4 Segundo Botelho, em termos de publicação de livros, o primeiro de que se tem notícia foi publicado em 1971, nos Estados Unidos, intitulado de Activity Costing and Input-Output Accounting. (IOB, 1994). O consenso entre os autores é que o ABC surgiu para suprir a necessidade deixada pelos sistemas de custeio tradicionais. Em relação ao novo cenário que determinou o nascimento do ABC, Nakagawa(1991), expressa o seguinte: com o ressurgimento da função produção como elementochave das estratégias de empresas que pretendem vencer com sucesso em um mercado global extremamente competitivo, a educação e a prática baseada nos sistemas tradicionais de custos já não estão atendendo, satisfatoriamente, às necessidades informativas dos gestores das áreas funcionais, que, ao tomarem decisões operacionais, que, ao tomarem decisões funcionais e de investimentos, devem fazê-los de forma completamente integrada. Segundo Kraemer( 1995 p. 2) a maior diversificação dos produtos, entre outros, aumentaram a participação dos custos fixos indiretos no custo total dos produtos vendidos(...) o que faz aumentar os chamados custos de complexidade. Os sistemas tradicionais de Custeio eram relevantes até o ponto em que as firmas só produziam produtos homogêneos, no momento em que há diversificação da produção, os sistemas de custeio tradicionais baseados em volume perdem a sua relevância. Nakagawa (1991) afirma que: Para as primeiras firmas manufaturadoras dos anos 1880 até os primeiros anos do século XX, que buscavam o sucesso de seus empreendimentos reduzindo o custo do produto através de economias de escala, os sistemas de custeio então desenvolvidos eram bastante relevantes para todas as decisões gerenciais que afetassem a eficiência e a lucratividade, porque as empresas operavam apenas uma planta e produziam um único produto. Os métodos tradicionais de Custeio, como o Custeio por Absorção e o Custeio Direto, apresentam distorções e pouca precisão nos seus dados. Segundo Botelho (2006), o que diferencia o ABC dos sistemas tradicionais de custeio é que, nos sistemas tradicionais, os custos indiretos são rateados para os produtos ou serviços; o que acaba causando distorções e, conseqüentemente, poderá levar a tomadas de decisões equivocadas. Já no sistema ABC, segundo Nakagawa (1994 apud Botelho, 2006) procura-se rastrear os custos das organizações para analisar e monitorar as rotas de consumo dos recursos diretamente identificáveis com suas respectivas atividades e destas para os produtos ou serviços da organização. 4 EVOLUÇÃO DO ABC Nakagawa(1994 p. 68) apresenta duas versões do Custeio ABC. A proposta sobre a evolução do sistema ABC publicada por Mencione&Bell (1995) apresenta uma classificação desse sistema em quatro gerações (BOTELHO, 2006). A primeira geração do sistema ABC é uma evolução dos sistemas tradicionais de custos que se referem à metodologia de tratamentos dos custos indiretos, cujos objetivos, segundo Rebull (2002 apud Botelho, 2006) seriam: identificar os custos incorridos no período; calcular os custos das atividades que se

5 realizam dentro da empresa e determinar os custos dos produtos e dos serviços fabricados ou prestados respectivamente. Martins (2003) afirma que a primeira geração do ABC é uma visão extremamente funcional e de custeio de produtos. Segundo Nakagawa(1994 p. 68) a primeira versão do ABC, preocupava-se em como melhor apropriar o consumo de recursos da empresa aos diversos grupos de atividades, que era, por sua vez, consumidos pelos produtos. Para MENCIONE; BELL, (1995) apud BOTELHO (2006) a primeira geração do sistema ABC estava voltado para um melhor uso dos recursos da organização e não por processo, já que não considerava as atividades dependentes umas das outras. A primeira limitação dessa geração é falta de informações diretas sobre as atividades existentes nos centros de custos, já que elas se apresentam de forma agrupada. Além dessa limitação faltava a essa primeira versão condições de segregar do grupo de atividades aquelas que eram mais relevantes a fim de identificar seus tributos e desempenho (NAKAGAWA 1994 p. 69). Nakagawa(1994 p. 69) afirma que como consequência dessa dificuldade de separar as atividades mais relevantes foi desenvolvida a segunda versão do ABC. Segundo Nakagawa (1994) na segunda versão do ABC, a preocupação são as informações necessárias a dois propósitos, por isso apresenta-se com duas visões: a visão econômica e de custeio e a visão de aperfeiçoamento do processo. a) a visão econômica de custeio, que é uma visão vertical, no sentido de que apropria os custos aos objetos de custeio através das atividades realizadas em cada departamento; Essa visão vertical de custeio fornece basicamente os mesmos dados que já estavam contemplados na primeira versão do ABC. b) a visão de aperfeiçoamento de processos, que é uma visão horizontal, no sentido de que capta os custos dos processos através das atividades realizadas nos vários departamentos funcionais. A visão horizontal, de aperfeiçoamento de processos, reconhece que um processo é formado por um conjunto de atividades encadeadas, exercidas através de vários departamentos da empresa. Esta visão horizontal permite que os processos sejam analisados, custeados e aperfeiçoados através da melhoria de desempenho na execução das atividades. A segunda geração do sistema ABC consistiu em uma aplicação significativa da primeira geração, fazendo um enfoque no processo, já que as organizações necessitam de informações de custos tanto do processo como do produto ou serviço. O processo que é a ênfase dessa segunda geração do sistema ABC inclui segundo Mencione e Bell (1995): produção, distribuição, venda administração e outras funções da organização (BOTELHO, 2006). Segundo REBULL, (2002 apud Botelho, 2006) com essa evolução do ABC surgiu um novo conceito estratégico, passando a enfatizar a gestão de custo baseada em atividade ou Activity-Based Management (ABM), o que significa que a determinação do custo baseado em atividade não é tão importante, mas sim a gestão destas atividades. O ABM (Activity Based Management) segundo TURNEY (1992 apud Botelho, 2006) visa duas metas, ambas comuns a qualquer companhia. A primeira é oferecer produtos/serviços com qualidade e preço. A segunda é aumentar a lucratividade da empresa. Estas duas metas são possíveis de serem alcançadas com a aplicação do gerenciamento das atividades. A terceira geração do ABC tem uma visão sistêmica e esta geração estuda as atividades desenvolvidas na organização para descobrir de que forma podem ser aproveitadas para obter ganho de vantagem competitiva. Esta geração considera, dentro do ambiente do sistema, tanto as atividades internas como as externas, ou seja, leva em conta a empresa e suas relações com outras áreas dentro e fora da organização.

6 Há uma possível quarta geração do sistema ABC, a qual daria uma ênfase na determinação dos custos dos produtos, na análise das atividades para uma melhora contínua e no estudo da organização desde o enfoque da cadeia de valor. Esta geração deveria representar uma aproximação mais orientada para um nível macro e micro, ampliando o sistema na relação existente entre unidades separadas dentro da cadeia de valor, mas esta quarta geração ainda não está bem definida (REBULL, 2002 apud BOTELHO, 2006). De forma resumida, na primeira geração, a organização se concentra na determinação dos custos dos produtos/serviços baseados nas atividades; na segunda geração enfatiza o custo do processo; na terceira, enfatiza o cálculo do custo da cadeia de valor. (MENCIONE; BELL, 1995 apud BOTELHO, 2006). 5 PRESSUPOSTO DO CUSTEIO ABC Nota-se o poder informacional do Custeio ABC a partir da sua segunda geração que apresenta uma abordagem mais ampla desse método, por isso o foco será o Custeio ABC nessa geração. Segundo Martins(2003) o Custeio ABC é, na realidade, uma ferramenta de gestão de custos, mais do que de custeio de produtos. A idéia do ABC é simples e parte do princípio de que os recursos são consumidos pelas atividades e estas, por sua vez, são consumidas pelos objetos de custos. Na empresa o ABC deve analisar cada área, cada atividade executada em relação ao produto a ser produzido, ou seja, o ABC deve analisar quanto cada atividade consome dos recursos, quais os recursos são consumidos, quais os clientes de cada atividade e como os clientes consomem essa atividade. Identifica qual o centro de custo é responsável por essa atividade e quais os direcionadores para medir o seu desempenho. É por meio desse processo que são geradas informações que identificam gastos excessivos e que possibilitam a elaboração de um plano de gestão para estes custos. Martins (2003, p.72) enfatiza que para a utilização do Custeio ABC é necessária a definição das atividades relevantes dentro dos departamentos da entidade. Lambert e Whitworth, (1996 apud Bittencourt, 1999). Afirmam que o ABC é uma sistemática que compreende a análise das atividades de um processo, dentro de cada departamento, questionando por que e sob que circunstâncias, cada atividade é feita; com que freqüência e para quem a atividade é realizada; quais os recursos consumidos durante a atividade; e, quais fatores que determinam ou direcionam a atividade ou o recurso. Lembrando que os custos variáveis são alocados diretamente ao objeto de custeio e os custos indiretos são rastreados. Direcionadores de recursos ou de primeiro estágio: segundo Martins (2003) é fator que determina a ocorrência de uma atividade. Como as atividades exigem recursos para serem realizadas, deduz-se que o direcionador é a verdadeira causa dos custos. Ele identifica a maneira como as atividades consomem recursos e servem para custeá-las, ou seja, demonstra a relação entre os recursos gastos e as atividades. Direcionadores de atividade ou de segundo estágio: Segundo Martins (2003), identifica a maneira como os produtos/serviços consomem atividades e serve para custear os objetos de custos, ou seja, indica a relação entre a atividade e os objetos de custos.

7 Rastreamento: é uma alocação com base na identificação da relação de causa e efeito entre a ocorrência da atividade e a geração dos custos (MARTINS 2003 p. 63) Recursos: são todos os insumos econômicos aplicados ou utilizados para a realização de uma atividade dentro de uma organização. Salários, aluguel, energia elétrica, insumos de produção são alguns exemplos de recursos (ECR Brasil, 1998 apud Mauad e Pamplona 2002). Atividade: é uma ação que utiliza recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros para se produzirem bens ou serviços. E composta por um conjunto de tarefas necessárias ao seu desempenho. É através da geração de informações que o Custeio ABC se coloca como uma ferramenta de auxilio as tomadas de decisões. O detalhamento e gerenciamento dos custos em todos os níveis proporcionam aos gestores informações relevantes relacionadas com custos e desempenho de processos, atividades, produtos, serviços e clientes. O rastreamento feito por ele produz informações acerca dos custos das atividades desenvolvidas pela organização. Diferente dos custeios tradicionais de custeio, o ABC em sua segunda geração está voltado para o gerenciamento da empresa. Ao seccionar as atividades e identificar quanto custa cada uma delas, o ABC permite que o gestor saiba quais dessas atividades geram mais custos e quais geram mais benefícios a organização. Essa é uma vantagem reforçada pela afirmativa de Kraemer(1995 p. 55) o método ABC explicita aquelas atividades que não agregam valor ao produto de forma direta, como por exemplo: movimentação, recebimento, expedição, atividade administrativa (...). 6 REFERENCIAL TEÓRICO Segundo Keegan e Eiler (1994 apud Bittencourt, 1999) o ABC (Activity-Based Costing) é uma técnica voltada à melhoria do custeio do produto, proporcionando informação para a estratégia de preços, processo de melhoria e posicionamento no mercado. Proporciona, também, uma visão útil a respeito da relação entre custos indiretos e os produtos ou serviços. O ABC (Activity-Based Costing ou Custeio Baseado em Atividades) foi desenvolvido, inicialmente, para atender às empresas de manufatura que precisavam melhorar a gestão dos custos, a fim de aprimorar os processos de produção e atendimento ao cliente, transformando, assim, a função financeira de mera narrativa passiva do passado em agente preventivo do futuro (KAPLAN, 1998 apud MAUAD; PAMPLONA, 2002). Para Player et al.(1997, p. 3 apud Botelho, 2006), o sistema ABC: [...] é uma metodologia que mensura o custo e o desempenho de atividades, recursos e objeto de custo. Os recursos são destinados às atividades que, por sua vez, são atribuídas aos objetos de custo, com base em seu uso. Baker (1998) apud Bittencourt (1999) reafirma o conceito dado por Player et al.(1997) e define o ABC como um método que mensura custo e desempenho de atividades, recursos e objetos de custo. O artigo publicado no jornal Gazeta Mercantil GAZ[90] apud Kraemer(1995) ressaltou que: Ao adotar novas técnicas de produção como projeto auxiliado por computador (CAD), gerência de estoques just in time e controle de qualidade total, muitas indústrias estão descobrindo

8 que seus sistemas de contabilidade têm de ser trazidos à força para a década de 90. A menos que os contadores adiram à revolução tecnológica, a tradicional contabilidade de custos terá pequena utilidade na fábrica do futuro. Botelho (2006), em sua tese, cita três autores que trazem as vantagens do Método ABC: Cogan (1994), Brimson (1996) e Lima (1997). 1) O ABC permite uma melhora nas decisões gerenciais, pois deixa-se de ter produtos de decisão empresarial. 2) Permite estabelecer metas de custo e desempenho mais realistas, derivadas do planejamento estratégico; 3) Nos serviços de saúde, este sistema fornece informações mais realísticas, que podem ser usadas para estudar tendências e comparar custos por diagnósticos, por atendimento médico, ou por pacientes de diferentes planos de saúde. O ABC é um sistema aplicável a todo tipo de organização. [...] o ABC é uma técnica de controle e alocação de custos que permite: identificar os processos e as atividades existentes nos setores produtivos, auxiliares ou administrativos de uma organização, seja qual for sua finalidade (industrial prestadora de serviços, instituição financeira, entidade sem finalidade lucrativa, etc.); identificar, analisar e controlar os custos envolvidos nesses processos e atividades; atribuir os custos aos produtos, tendo como parâmetro a utilização dos direcionadores (ou geradores) de custos (PEREZ JR, J.H.; OLIVEIRA, L.M. de; COSTA, R.G., 2003, p. 227 apud BERTOLINO; FARIA). Quanto ao poder informacional do Custeio ABC, Kraemer(1995 p. 58), expressa que: as informações geradas pelo método ABC servem como base para a tomada de decisão da gerência quanto às atividades responsáveis pelo custo dos produtos, o que propicia melhor visualização do impacto causado por estas decisões, melhorando o controle dos custos fixos. Segundo Kennedy e Afflec-Graves (2001) e Cardinaels et al. (2004) apud Lima (2010) também defendem que, devido ao mais preciso sistema de atribuição de custos aos produtos e serviços, o ABC pode ser determinante por proporcionar informação relevante para a tomada de decisões, o que em última análise terá impacto nos resultados da empresa e consequentemente no seu valor. No ABC/ABM e BSC - Como essas ferramentas podem se tornar poderosas aliadas dos tomadores de decisão das empresas de Mauad e Pamplona(2001) mostra a evolução dos sistemas de custeio e enfoca o sistema de custeio ABC, as principais características do ABM e do BSC proporcionando uma visão, para as empresas que queiram adotar esse modelos de forma conjunta e integrada, de como maximizar seus lucros e criar valor econômico a longo prazo. Em seu estudo sobre a Gestão estratégica de custos como elemento de suporte da competitividade: a utilização do sistema de custo abc (activity based costing/custeio baseado em atividade) na Região de ribeirão preto, Aparecido e Renata (1995) apud Mauad e Pamplona(2001) afirmam que um dos benefícios obtidos com o "ABC" é permitir uma

9 melhoria nas decisões gerenciais, pois se deixa de ter produtos "subcusteados" ou "supercusteados", permitindo-se a transparência exigida na tomada de decisão empresarial, que busca, em última análise, otimizar a rentabilidade do negócio. 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS O Custeio ABC não é só uma ferramenta de custeio de produtos, o mesmo pode ser utilizado para prover o gestor de informações relevantes e necessárias para as tomadas de decisões. As informações geradas pelo ABC podem ser usadas para o desenvolvimento de estratégias que permitam sustentar uma vantagem competitiva. A literatura analisada apontou que o custeio ABC pode ser aplicado em toda e qualquer instituição, sendo necessária apenas uma adequação de acordo com a finalidade da organização. Ressalta-se que o presente estudo não é uma recomendação a substituição dos sistemas tradicionais de custeio pelo Custeio ABC, visto que os sistemas tradicionais possuem sua área de atuação e são eficazes ao que se propõem, o objetivo é fornecer informações que expressem a importância do uso do Custeio Baseado em Atividades como ferramenta informacional para as tomadas de decisões. O ABC proporciona aos gestores melhores critérios para administrar as atividades que comandam os custos diretos e indiretos, proporciona uma maior facilidade de identificar os custos relevantes, ajudando-o a tomar melhores decisões a respeito de: fixação de preços; administração das relações com clientes; mix de produtos; projeto de produtos; melhoria de processos; aquisição de tecnologia. O gestor também pode utilizar essas informações para negociar com os fornecedores os preços dos insumos, reduzir custos excessivos e formular estratégia.

10 REFERÊNCIAS BITTENCOURT, Otávio Neves da Silva. O emprego do método de custeio baseado em atividades activity-based costing (ABC) como instrumento de apoio à decisão na área hospitalar. Porto Alegre, UFRGS, Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Administração. Programa de Pós-Graduação em Administração. Porto Alegre BR RS BOTELHO, Ernani Mendes - Custeio Baseado em Atividades - ABC: Uma Aplicação em uma Organização Hospitalar Universitária / Ernani Mendes Botelho / Tese (Doutorado em Administração) - Universidade de São Paulo. São Paulo - USP, KRAEMER, Tânia Henke. Discussão de um sistema de custeio adaptado às exigências da nova competição global / Tânia Henke Kraemer / Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção); Universidade Federal do Rio Grande do Sul- PPGEP/UFRGS, MARTINS, Eliseu, Contabilidade de custos / Martins, Eliseu ed. - São Paulo: Atlas, MAUAD, Luiz Guilherme A. e PAMPLONA, Edson de O.O custeio abc em empresas de serviços: avaliação dos problemas da implantação em uma empresa de pesquisa. VIII Congresso Brasileiro de Custos, outubro de 2001, Rio Grande do Sul. Disponível em: < em: 18 jun NAKAGAWA, Masayuki. ABC: custeio baseado atividades / Masayuki Nakagawa.--São Paulo : Atlas, 1994.

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING Métodos de Custeio Os métodos de custeio são as maneiras de alocação dos custos aos produtos e serviços. São três os métodos mais utilizados: Custeio por absorção

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC

APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC Leo Brunstein Universidade Paulista UNIP Rua Dr. Bacelar 1212 CEP 04026-002 São Paulo SP Fone/Fax (0xx11) 5586-4145 lbab@bol.com.br

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS José Henrique de Freitas Gomes (UNIFEI) ze_henriquefg@yahoo.com.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Resumo CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Ana Paula Ferreira Azevedo Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e da Computação Dom Bosco Associação Educacional Dom Bosco E-mail: apfazevedo@ig.com.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Ciências Contábeis Nome do projeto: LEVANTAMENTO E APLICAÇÃO DO OS MÉTODOS

Leia mais

O CUSTEIO ABC EM EMPRESAS DE SERVIÇOS: AVALIAÇÃO DOS PROBLEMAS DA IMPLANTAÇÃO EM UMA EMPRESA DE PESQUISA

O CUSTEIO ABC EM EMPRESAS DE SERVIÇOS: AVALIAÇÃO DOS PROBLEMAS DA IMPLANTAÇÃO EM UMA EMPRESA DE PESQUISA O CUSTEIO ABC EM EMPRESAS DE SERVIÇOS: AVALIAÇÃO DOS PROBLEMAS DA IMPLANTAÇÃO EM UMA EMPRESA DE PESQUISA Prof: Luiz Guilherme Azevedo Mauad, MsC. Prof: Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Escola Federal de

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA Diego Leal Silva Santos RESUMO Nos dias atuais têm surgido vários trabalhos que versam sobre custos, tais como, artigos, livros, monografias,

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Revista Contemporânea de Contabilidade ISSN: 1807-1821 sensslin@gmail.com Universidade Federal de Santa Catarina Brasil

Revista Contemporânea de Contabilidade ISSN: 1807-1821 sensslin@gmail.com Universidade Federal de Santa Catarina Brasil ISSN: 1807-1821 sensslin@gmail.com Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Queiroz, Antônio Diomário de; Costa, Renato; Gomes Silva, Sônia Maria da O ABC em uma empresa de desenvolvimento de Software:

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS A disciplina está dividida em 02 unidades. Unidade I 1. Custos para Controle 2. Departamentalização 3. Custo Padrão Unidade II 4. Custeio Baseado

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CCSADFCMT01 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Marília Caroline Freire Cunha (1) ; Maria Sueli Arnoud Fernandes (3). Centro de Ciências Sociais Aplicadas/Departamento

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC VANTAGENS E DESVANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC Cristiane Meurer Pós-Graduanda do Curso de Pós-Graduação lato sensu em Gestão e Auditoria de Negócios da UNICENTRO. 2006 Jéferson Lozeckyi

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

TÍTULO: ABORDAGEM CONCEITUAL DO SISTEMA DE CUSTEIO NA TOMADA DE DECISÃO

TÍTULO: ABORDAGEM CONCEITUAL DO SISTEMA DE CUSTEIO NA TOMADA DE DECISÃO TÍTULO: ABORDAGEM CONCEITUAL DO SISTEMA DE CUSTEIO NA TOMADA DE DECISÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE SANTA FÉ DO SUL

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues Orientador Prof.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br Artigo 31/10 A utilização da contabilidade de custos na formação do preço de venda INTRODUÇÃ O Atualmente a Contabilidade de Custos é vista sob dois

Leia mais

APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE CLÍNICA

APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE CLÍNICA ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC EM UM LABORATÓRIO

Leia mais

Terminologias e Classificações

Terminologias e Classificações Terminologias e Classificações Ramos da Contabilidade Definições Contabilidade Financeira: ciência social aplicada que capta, registra, resume, interpreta e evidencia fenômenos que afetam a situação financeira

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

O uso do abc como ferramenta de gestão

O uso do abc como ferramenta de gestão O uso do abc como ferramenta de gestão João Murta Alves (ITA) murta@ita.br Marcelo Simoni Quintino da Silva (ITA) marceloq@siberdobrasil.com.br Odair Ferreira da Costa (ITA) odair.costa@pop.com.br Resumo

Leia mais

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas Prof. Mestre Renato silva 1 Resumo: Este artigo tem o propósito de apresentar a importância da contabilidade gerencial no contexto da geração

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais

ABC E BSC FERRAMENTAS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL

ABC E BSC FERRAMENTAS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO ABC E BSC FERRAMENTAS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Maria Luiza Grillo Renó Orientador: Professor Edson

Leia mais

Sugestão de implantação do método de custeio baseado em atividade (ABC) para fins gerenciais em uma empresa de serviço.

Sugestão de implantação do método de custeio baseado em atividade (ABC) para fins gerenciais em uma empresa de serviço. Sugestão de implantação do método de custeio baseado em atividade (ABC) para fins gerenciais em uma empresa de serviço. Renan dos Santos Toledo (FARN) renan@ruicadete.com.br Dannyel Cardoso D avilla (FARN)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

XI-021 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

XI-021 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA XI-021 GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Maria da Paz Dantas (1) Engenheira Civil, Universidade de Brasília. Analista Operacional da Superintendência de Operação

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 O CUSTEIO ABC COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLE DOS PROCESSOS GERENCIAIS NO SETOR INDUSTRIAL: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA 1 Andréa de Oliveira Lessa 2 Alex Santos Almeida 3 Cleaylton Ribeiro de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIEL BENDER CALESSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIEL BENDER CALESSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIEL BENDER CALESSO Análise de custos com foco nos métodos ABC, Variável e Absorção Orientador: Prof. Dr. Paulo Schmidt Porto Alegre

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL ANDRADE, Luís¹ Filipe Veri de VEGGIAN, Viviane¹ Amaro SCARPINELLI,

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

A contabilidade de custos surgiu em meados do século XVIII, período em que ocorreu em Inglaterra, a revolução industrial.

A contabilidade de custos surgiu em meados do século XVIII, período em que ocorreu em Inglaterra, a revolução industrial. Método das Secções Homogéneas versus ABC Custeio Baseado em Actividades Activity-Based Costing ABM Gestão Baseado em Actividades Activity Activity-based management Novas Tendências da Contabilidade de

Leia mais

MÉTODOS DE CUSTEIO COMO REFERENCIAL PARA A COMPOSIÇÃO DE UM MODELO DE LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

MÉTODOS DE CUSTEIO COMO REFERENCIAL PARA A COMPOSIÇÃO DE UM MODELO DE LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO MÉTODOS DE CUSTEIO COMO REFERENCIAL PARA A COMPOSIÇÃO DE UM MODELO DE LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO ALVES, Vanessa T. 1 ; BARCHET, Isabela 2 ; EVANGELISTA, Mário Luiz 3 ; MULINARI, Marieli 4 ; SHIMITH, Cristiano

Leia mais

Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br Isac de Freitas Brandão (UVA) - isacdefreitas@hotmail.com. Resumo:

Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br Isac de Freitas Brandão (UVA) - isacdefreitas@hotmail.com. Resumo: Uma análise comparativa da aplicação dos métodos de custeio tradicionais e do ABC (Activity Based Cost) em uma empresa de pequeno porte de produção de sorvetes Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br

Leia mais

O Método de Custeio ABC como instrumento de gestão

O Método de Custeio ABC como instrumento de gestão O Método de Custeio ABC como instrumento de gestão Cézar Volnei Mauss 1 Ricardo Miguel Costi 2 cezarvolnei@yahoo.com.br rcosti@hotmail.com 1 Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Faculdade de Administração

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

A Contabilidade Estratégica na Gestão da Qualidade Ambiental

A Contabilidade Estratégica na Gestão da Qualidade Ambiental A Contabilidade Estratégica na Gestão da Qualidade Ambiental Valério Vitor Bonelli Antonio Robles Junior Resumo: A adequação às exigências ambientais dos mercados, governos e sociedade, apesar de demandar

Leia mais

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Lisberto Cavalcanti Diretor Administrativo- financeiro da Solumax Soluções e Tecnologia,

Leia mais

ANÁLISE PARA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADE ABC EM UMA CORRETORA DE SEGUROS

ANÁLISE PARA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADE ABC EM UMA CORRETORA DE SEGUROS ANÁLISE PARA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADE ABC EM UMA CORRETORA DE SEGUROS Sabrina Batista TORRES Universidade Católica de Brasília UCB (Brazil) Alexandre dos Santos SILVA Universidade

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO

CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Cabrelli, Fantine Lígia Discente Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: fannligia@hotmail.com Ferreira, Ademilson.

Leia mais

IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO NA GESTÃO DE CUSTOS DE QUATRO EMPRESAS DE MÉDIO E GRANDE PORTE

IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO NA GESTÃO DE CUSTOS DE QUATRO EMPRESAS DE MÉDIO E GRANDE PORTE IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO NA GESTÃO DE CUSTOS DE QUATRO EMPRESAS DE MÉDIO E GRANDE PORTE Christiane Mendes Hypolito Mestranda em Engenharia de Produção Edson de Oliveira

Leia mais

METODOLOGIA ABC: IMPLANTAÇÃO NUMA MICROEMPRESA

METODOLOGIA ABC: IMPLANTAÇÃO NUMA MICROEMPRESA METODOLOGIA ABC: IMPLANTAÇÃO NUMA MICROEMPRESA v.7, n.2, p. 118-135, ago. 2000 Orlando Duran Lucas Radaelli Faculdade de Engenharia e Arquitetura Universidade de Passo Fundo Passo Fundo RS E-mail: duran@upf.tche.br

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL Ítalo Alves Gomes Rafael Rocha Salvador Prof Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Saraceni Profª M. Sc. Máris

Leia mais

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Manoel Salésio Mattos (UNesc) salesio@unescnet.br Joselito Mariotto (UNESC) joselito@unescnet.br Wilson Antunes Amorim (UNESC) wilson@unescnet.br

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção Sistema de Custos ABC 85 As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção 86 80% 70% 60% 50% 40% As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Leia mais

SISTEMAS ESPECIALISTAS PARA DETERMINAÇÃO DE CUSTOS DENTRO DA FILOSOFIA ABC

SISTEMAS ESPECIALISTAS PARA DETERMINAÇÃO DE CUSTOS DENTRO DA FILOSOFIA ABC SISTEMAS ESPECIALISTAS PARA DETERMINAÇÃO DE CUSTOS DENTRO DA FILOSOFIA ABC Eli Márcio Fonseca Universida Feral Uberlândia Faculda Engenharia Mecânica Departamento Processos e Produção Campus Santa Mônica

Leia mais

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA NETO, Antonio Rodrigues¹ PORFÍRIO, Anderson Cassiano¹ SILVA, Carlos Eduardo Candido da¹ OLIVEIRA, Dirce Benedita de¹ SARAIVA, Antonio W. Pereira² RESUMO

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Patricia Colletti Graduanda em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá. E-mail: patriciacolletti@hotmail.com

Patricia Colletti Graduanda em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá. E-mail: patriciacolletti@hotmail.com PROPOSTA DE UM QUESTIONÁRIO PARA IDENTIFICAÇÃO DA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DAS EMPRESAS DE CONFECÇÕES EM RELAÇÃO ÀS PRÁTICAS GERENCIAIS DA CONTABILIDADE CUSTOS Patricia Colletti Graduanda em Ciências Contábeis

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE RESUMO. 1. Introdução

CUSTOS DA QUALIDADE RESUMO. 1. Introdução CUSTOS DA QUALIDADE Rodrigo Barbosa Campo 1. RESUMO Este artigo analisa bibliografias relativas aos custos da qualidade, levantando a importância deste assunto para a competitividade e rentabilidade atual.

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária II

Contabilidade Financeira e Orçamentária II Contabilidade Financeira e Orçamentária II Curso de Ciências Contábeis - 7º período Prof. Edenise Tópicos Iniciais Plano Orçamentário compreende: todo o processo operacional da empresa. Envolve todos os

Leia mais

Lívia DA SILVA MODESTO RODRIGUES. (Brasil)

Lívia DA SILVA MODESTO RODRIGUES. (Brasil) A CONTABILIDADE DE CUSTOS E O PROCESSO DECISÓRIO: ESTUDO DOS CICLOS OPERACIONAIS INTERNOS E O USO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES PARA A TOMADA DE DECISÃO. João ALVES CARVALHO FILHO Fundação Visconde de Cairu

Leia mais

O CUSTEIO ABC EM EMPRESAS DE SERVIÇOS: CARACTERISTICAS OBSERVADAS NA IMPLANTAÇÃO EM UMA EMPRESA DO SETOR

O CUSTEIO ABC EM EMPRESAS DE SERVIÇOS: CARACTERISTICAS OBSERVADAS NA IMPLANTAÇÃO EM UMA EMPRESA DO SETOR O CUSTEIO ABC EM EMPRESAS DE SERVIÇOS: CARACTERISTICAS OBSERVADAS NA IMPLANTAÇÃO EM UMA EMPRESA DO SETOR Prof: Luiz Guilherme Azevedo Mauad, M.Sc. Prof: Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Universidade Federal

Leia mais

Informação baseada em atividades integrando a estratégia de operações

Informação baseada em atividades integrando a estratégia de operações Informação baseada em atividades integrando a estratégia de operações José Augusto da Rocha de Araujo (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo)jose.augusto@poli.usp.br Reinaldo Pacheco da Costa

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

Contabilidade Enxuta A Contabilidade para a Empresa Lean Samuel Cogan Doutor em Engenharia da Produção; Professor associado aposentado da UFRJ;

Contabilidade Enxuta A Contabilidade para a Empresa Lean Samuel Cogan Doutor em Engenharia da Produção; Professor associado aposentado da UFRJ; Contabilidade Enxuta A Contabilidade para a Empresa Lean Samuel Cogan Doutor em Engenharia da Produção; Professor associado aposentado da UFRJ; A produção enxuta representa, para a empresa, o melhor dos

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

Custeio Baseado nas Actividades

Custeio Baseado nas Actividades Custeio Baseado nas Actividades João Carvalho das Neves Professor Catedrático, ISEG Lisboa Professor Convidado, Accounting & Control, HEC Paris Sócio de Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC Email:

Leia mais

ADEQUAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTOS AOS DIFERENTES AMBIENTES DE MANUFATURA

ADEQUAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTOS AOS DIFERENTES AMBIENTES DE MANUFATURA ADEQUAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTOS AOS DIFERENTES AMBIENTES DE MANUFATURA Israel Brunstein *Escola Politécnica USP/SP Av. Prof. Almeida Prado, 531, 2º andar; CEP: 05508-900 São Paulo SP - Brasil Fone: (011)

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Um Estudo Sobre Sistemas de Custeio em Empresas do Setor Hoteleiro: O Caso da Rede Carioca de Hotéis S.A.

Um Estudo Sobre Sistemas de Custeio em Empresas do Setor Hoteleiro: O Caso da Rede Carioca de Hotéis S.A. Um Estudo Sobre Sistemas de Custeio em Empresas do Setor Hoteleiro: O Caso da Rede Carioca de Hotéis S.A. Adriano Rodrigues Ricardo de Assis Faria Maria Luiza de Souza Fuentes Resumo: Este estudo se propõe

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A GESTÃO DE CUSTOS NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A GESTÃO DE CUSTOS NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A GESTÃO DE CUSTOS NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Por: Ricardo Dufrayer Gomes Orientador Prof. Nelsom Magalhães Rio de Janeiro

Leia mais

Aprimoramento do sistema de custos de uma empresa do setor metal-mecânico

Aprimoramento do sistema de custos de uma empresa do setor metal-mecânico Aprimoramento do sistema de custos de uma empresa do setor metal-mecânico Tiago Pascoal Filomena (UFRGS) tiagopf@producao.ufrgs.br Fernando de Oliveira Lemos (UFRGS) ferlemos@producao.ufrgs.br Francisco

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

O MÉTODO DE CUSTEIO ABC: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE FUNDIÇÃO

O MÉTODO DE CUSTEIO ABC: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE FUNDIÇÃO O MÉTODO DE CUSTEIO ABC: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE FUNDIÇÃO (THE COSTING METHOD ABC: A CASE STUDY IN A FOUNDRY COMPANY ) Keli Cristina de Almeida 1; Daniel Maggri Tostes 1; Carlos Alberto Grespan

Leia mais

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Giovanna Fornaciari Mestranda da FUCAPE Maria Mariete A. M. Pereira Mestranda da FUCAPE

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

Maximização de Resultados Econômicos em Empresas Industriais que Utilizam os Sistemas de Custeio e de Gestão ABC/ABM Combinados com o EVA

Maximização de Resultados Econômicos em Empresas Industriais que Utilizam os Sistemas de Custeio e de Gestão ABC/ABM Combinados com o EVA Maximização de Resultados Econômicos em Empresas Industriais que Utilizam os Sistemas de Custeio e de Gestão ABC/ABM Combinados com o EVA JURACY VIEIRA DE CARVALHO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS-UNISANTOS

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL MARCO POLO SCHEFFLER A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: O CASO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO ABC NA COMPOSIÇÃO DE CUSTOS UNITÁRIOS DOS SERVIÇOS DE CHAPISCO E REBOCO.

APLICAÇÃO DO MÉTODO ABC NA COMPOSIÇÃO DE CUSTOS UNITÁRIOS DOS SERVIÇOS DE CHAPISCO E REBOCO. APLICAÇÃO DO MÉTODO ABC NA COMPOSIÇÃO DE CUSTOS UNITÁRIOS DOS SERVIÇOS DE CHAPISCO E REBOCO. Cícero Marciano da Silva Santos (1) ; José Augusto Gomes Neto (2). (1) IFPB, e-mail: cicero_marciano@yahoo.com.br;

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais