INFLUÊNCIA DOS PROCEDIMENTOS PRÉ-ANALÍTICOS NA DETERMINAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DOS PROCEDIMENTOS PRÉ-ANALÍTICOS NA DETERMINAÇÃO"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DOS PROCEDIMENTOS PRÉ-ANALÍTICOS NA DETERMINAÇÃO DE GLICOSE NO SORO INFLUENCE OF PRE-ANALYTICAL PROCEDURES FOR THE DETERMINATION OF GLUCOSE IN SERUM INFLUENCIA DE LA PRE-ANALÍTICOS PROCEDIMIENTOS PARA LA DETERMINACIÓN DE GLUCOSA EN SUERO JOSE, EDCO SCOTTI DUTRA, ROSILENE FRITZEN, MÁRCIO GESSER, HUBERT CHAMONE RESUMO O gel é um polímero que funciona como barreira física entre as hemácias e o plasma. Estes contem um acelerador de coagulação que pode causar variação no volume da amostra e interferir na dosagem de glicose no sangue. Com base nestes dados o objetivo do trabalho é avaliar a influência do gel nos resultados obtidos de glicose em soro humano de pacientes Diabéticos coletados com gel separador e com fluoreto de sódio. Foram selecionadas amostras aleatórias de 20 pacientes diabéticos coletados em tubos contendo gel separador e fluoreto de sódio. Os testes foram realizados em triplicata. Comparando as análises não foi observado diferença significativa entre os resultados, foi obtido um p > 0,05 para o teste-f e p > 0,05 para o teste-t. Cocluí-se que o uso do gel separador não mostrou uma diferença

2 significativa quando comparados aos resultados obtidos nas amostras coletadas com fluoreto de sódio, podendo ser utilizados em rotinas de laboratórios clínicos. Palavras-chave: gel separador; fluoreto de sódio; glicose ABSTRACT The gel is a polymer which acts as a physical barrier between the RBCs and plasma. These coagulation contains an accelerator which may cause variation in sample volume and interfere with measurement of blood glucose. Based on these data the objective is to evaluate the influence of the gel on the results of glucose in human serum collected from patients Diabetics separating gel and sodium fluoride. We selected random samples of 20 diabetic patients collected in tubes containing separating gel and sodium fluoride. The tests were performed in triplicate. Comparing the analyzes was not significant difference between the results was obtained with p> 0.05 for the F-test p> 0.05 for the t-test. Cocluí that the use of the separating gel showed no significant difference when compared to results obtained in the samples with sodium fluoride, may be used in routine clinical laboratories Keywords: separator gel, sodium fluoride, glucose RESUMEN El gel es un polímero que actúa como una barrera física entre el RBC y el plasma. Estos coagulación contiene un acelerador que puede causar una variación en el volumen de la muestra e interferir con la medición de glucosa en sangre. En base a estos datos, el objetivo es evaluar la influencia del gel sobre los resultados de glucosa en suero humano recogido de pacientes diabéticos que separan gel y fluoruro de sodio. Se seleccionaron muestras aleatorias de 20 pacientes diabéticos recogidas en tubos conteniendo gel de separación y el fluoruro de sodio. Las pruebas se realizaron por triplicado. La comparación de los análisis no se encontró

3 diferencia significativa entre los resultados se obtuvo con p> 0,05 para el F-test, p> 0,05 para la prueba de la t. Cocluí que el uso del gel de separación no mostraron diferencias significativas en comparación con los resultados obtenidos en las muestras con fluoruro de sodio, puede ser utilizado en la rutina de los laboratorios clínicos. Palabras clave: gel separador, fluoruro de sodio, glucosa INTRODUÇÃO Exames laboratoriais constituem uma importante ferramenta no diagnóstico, prognóstico e acompanhamento do tratamento de doenças. Por isso, é fundamental que os resultados de tais exames tenham boa exatidão 1. Neste sentido, o procedimento de coleta das amostras biológicas utilizadas para realização dos exames deve ser efetuado com muito critério 2. Recentes publicações revelam que 68 a 93% dos erros laboratoriais encontrados são conseqüência da falta de padronização na fase pré-analítica. As boas práticas na fase préanalítica consistem na padronização dos procedimentos envolvidos no processo analítico, desde a preparação e orientação do cliente antes da coleta do espécime diagnóstico, até o inicio da fase analítica, com o objetivo de minimizar e/ou eliminar os erros potenciais 2,3,4. Quando o exame não é realizado imediatamente após a coleta, o sangue é colhido em tubos contendo uma substância gelatinosa com a finalidade de funcionar como barreira física entre as hemácias e o plasma ou soro, após a centrifugação 5. Este gel é um polímero com densidade específica de 1,040 contendo um acelerador da coagulação e pode, eventualmente, liberar partículas que interferem com eletrodos seletivos e membranas de diálise. Em alguns casos, pode causar variação no volume da amostra e interferir em determinadas dosagens como a dosagem de glicose no soro 5,6. O Objetivo do trabalho é avaliar a influência dos

4 procedimentos pré-analíticos nos resultados obtidos de glicose em soro humano de pacientes Diabéticos coletados em tubos com gel separador e com fluoreto de sódio. MATERIAIS E MÉTODOS Foram selecionadas amostras aleatórias de 20 pacientes diabéticos para a realização dessa pesquisa na Unidade Sanitária Municipal de Major Gercino. As amostras de sangue total foram coletadas em tubo contendo anticoagulante fluoreto de sódio e tubo contendo gel separador. Todas as amostras de sangue coletadas com fluoreto de sódio e gel separador foram centrifugadas 10 minutos após a coleta para separação da parte líquida. As dosagens de glicose no soro dos pacientes em estudo foram feitas no laboratório didático de Bioquímica da Faculdade Estácio de Sá seguindo o procedimento operacional padrão. Os testes foram realizados em triplicata para garantir uma maior precisão. Logo forão feita a media dos três resultados obtidos a partir da análise. O projeto foi aprovado no Comitê de ética e Pesquisa da Faculdade Estácio de sá de Santa Catarina processo nº 024/2010 e todos os pacientes assinaram o termo de consentimento para realização do estudo. ANÁLISE ESTATÍSTICA Foram feitos teste-f para avaliar a equivalencias entre as variâncias e teste-t para avaliar as diferenças significativas entre as médias obtidas. RESULTADOS E DISCUSSÃO

5 Foram analisados 20 amostras de soro contendo gel separador e 20 amostras sem gel separador e os resultados podem ser observados na Tabela 1 (Anexo I). Conforme mostra os resultados obtidos na Tabela 1, foram dosados a glicose no sangue dos pacientes coletados com fluoreto de sódio e com gel separador. Comparando as análises obtidas não foi observado diferença significativa entre os resultados obtidos nas amostras coletadas com e sem gel separador. Foram feitos testes estatísticos Teste-F para avaliar a equivalencias entre as variâncias e Teste-T para avaliar as diferenças obtidas entre os dois tipos de amostras coletadas de cada paciente, nos resultados foram obtidos um valor de 0, para F sendo p > 0,05 confirmando assim que as variancias são equivalentes, e um valor de 0, para T sendo p > 0,05 mostrando que as médias dos grupos não podem ser consideradas diferentes. O gel separador funcionou como barreira física entre as hemácias e o plasma, o polímero não interferiu na molécula de glicose. Portanto, para as dosagens de glicose que não serão realizadas imediatamente após a coleta, os tubos com o gel separador podem ser utilizado na rotina das coletas dos laboratórios de análises clínicas. CONCLUSÃO O uso de gel separador utilizado nas coletas de sangue para dosagens de glicose no soro dos pacientes em estudo não mostraram uma diferença significativa quando comparados aos resultados obtidos nas amostras coletadas com fluoreto de sódio, podendo ser utilizados em rotinas de laboratórios clínicos.

6 REFERÊNCIAS 1BAYNES, J.; DOMINICZAK, M. Bioquímica Médica. 2ª Ed. Elsevier, CLINICAL AND LABORATORY STANDARDS INSTITUTE (CLSI/ NCCLS). Collection, Transport, and Processing of Blood Specimens for Testing Plasma-Based Coagulation Assays and Molecular Hemostasis Assays; Approved Guideline- Fifth Edition. CLSI/NCCLS document H21-A5 Vol.28 Nº5 (Replaces H21-A4 Vol.23 Nº35). Wayne, PA USA: NCCLS, Sociedade Brasileira de Patologia Clínica / ML para Coleta de Sangue Venoso, 1ª.ed./elaborado pelo Comitê de Coleta de Sangue da SBPC/ML e BD Diagnostics - Preanalytical Systems. São Paulo, p. 4YOUNG, D. S. Effects of Preanalytical Variables on Clinical Laboratory Tests. 2 nd edition, AACC Press, Washington, LARSON, L; OHMAN, S. Effect of silicone-separator tubes and storage time on ionized calcium in serum. Clin Chem. 31: , ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Laboratório Clínico Requisitos de segurança NBR 14785:2001. Rio de Janeiro, 2001.

7 ANEXO I Tabela 1. Resultados das dosagens de colesterol total nas amostras coletas com fluoreto de sódio e com gel separador. Amostra Dosagem com gel separador em mg/dl Dosagem com gel separador em mg/dl

8

Influência do Tempo na Determinação de Glicose Sanguínea Influence of Time on the Determination of Blood Glucose

Influência do Tempo na Determinação de Glicose Sanguínea Influence of Time on the Determination of Blood Glucose Influência do Tempo na Determinação de Glicose Sanguínea Influence of Time on the Determination of Blood Glucose Artigo original RESUMO Larissa Ágata Amaral Becher 1 Franciele Bona Verzeletti 2 Os laboratórios

Leia mais

Procedimentos de coleta de sangue. Práticas de Biomedicina ll Prof: Archangelo Padreca Fernandes

Procedimentos de coleta de sangue. Práticas de Biomedicina ll Prof: Archangelo Padreca Fernandes Procedimentos de coleta de sangue Práticas de Biomedicina ll Prof: Archangelo Padreca Fernandes Fases da realização do exame Fase pré-analítica: 46-68% dos erros. Fase analítica: 7-13% dos erros. Fase

Leia mais

Coleta de Amostras Biológicas. Enf Karin

Coleta de Amostras Biológicas. Enf Karin Coleta de Amostras Biológicas Enf Karin Material Biológico (Amostras): Líquidos Secreções Excreções Fragmentos de tecido Mais utilizados: sangue e urina Coletas laboratoriais Normas e Rotinas O resultado

Leia mais

Controlo de Qualidade

Controlo de Qualidade Controlo de Qualidade Definição: toda a acção sistemática necessária para dar confiança ao resultados laboratoriais, satisfazendo a necessidades dos clínicos para melhor ajudar os utentes Visa reconhecer

Leia mais

Célia Fagundes da Cruz

Célia Fagundes da Cruz LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR Célia Fagundes da Cruz Julho/2012 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SVS LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR LACEN/PR: 117 anos

Leia mais

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR)

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

AVALIAÇÂO DO HEMATÓCRITO E DA PROTEÍNA PLASMÁTICA EM SANGUES HEMODILUÍDOS

AVALIAÇÂO DO HEMATÓCRITO E DA PROTEÍNA PLASMÁTICA EM SANGUES HEMODILUÍDOS AVALIAÇÂO DO HEMATÓCRITO E DA PROTEÍNA PLASMÁTICA EM SANGUES HEMODILUÍDOS GOMES, Keila R. SANTOS, Michelli Gonçalves C. FRANCO, Débora Fernandes PIRES, Rosemeire Batista Alunas do Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

Controle da qualidade na coleta do espécime diagnóstico sanguíneo: iluminando uma fase escura de erros pré-analíticos

Controle da qualidade na coleta do espécime diagnóstico sanguíneo: iluminando uma fase escura de erros pré-analíticos J Bras Patol Med Lab CONTROLE DE QUALIDADE QUALITY CONTROL Controle da qualidade na coleta do espécime diagnóstico sanguíneo: iluminando uma fase escura de erros pré-analíticos Primeira submissão em 26/09/07

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO Marina

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA HELOÍSA HELENA FONSECA DE LIMA SARAIVA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA HELOÍSA HELENA FONSECA DE LIMA SARAIVA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA HELOÍSA HELENA FONSECA DE LIMA SARAIVA INFLUÊNCIA DO TEMPO NA DOSAGEM DE GLICEMIA NO PLASMA FLUORETO

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

CO 2 PRINCÍPIO. REVISÃO ANUAL Revisto por: Data. Data APLICAÇÃO

CO 2 PRINCÍPIO. REVISÃO ANUAL Revisto por: Data. Data APLICAÇÃO Sistemas SYNCHRON CX Ficha de Informação Química Copyright 2007 Beckman Coulter, Inc. CO 2 Dióxido de carbono N.º de Referência do Conjunto 450214, 472515 N.º de Referência do Conjunto 443320, 443330,

Leia mais

TÍTULO: DIFERENÇAS DE VOLUME SANGUÍNEO COLETADO E SUA INFLUÊNCIA NO HEMOGRAMA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: DIFERENÇAS DE VOLUME SANGUÍNEO COLETADO E SUA INFLUÊNCIA NO HEMOGRAMA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIFERENÇAS DE VOLUME SANGUÍNEO COLETADO E SUA INFLUÊNCIA NO HEMOGRAMA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: características clínicas e microbiológicas

das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: características clínicas e microbiológicas GISELE MADEIRA DUBOC DE ALMEIDA Rhodotorula spp. isoladas de hemocultura no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: características clínicas e microbiológicas Tese

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 12 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Processamento de Sangue POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli Aprovação Profa.

Leia mais

DIFFERENCES IN CANINE ERYTHROCYTE OSMOTIC FRAGILITY USING SODIUM FLUORIDE/EDTA (NAF/EDTANA2) AND EDTA (EDTA K2) TUBES RESUMO

DIFFERENCES IN CANINE ERYTHROCYTE OSMOTIC FRAGILITY USING SODIUM FLUORIDE/EDTA (NAF/EDTANA2) AND EDTA (EDTA K2) TUBES RESUMO DIFERENÇAS NA FRAGILIDADE OSMÓTICA DE ERITRÓCITOS CANINOS UTILIZANDO TUBOS DE COLETA CONTENDO FLUORETO DE SÓDIO/EDTA (NAF/EDTANA 2 ) E SOMENTE EDTA (EDTA K 2 ) DIFFERENCES IN CANINE ERYTHROCYTE OSMOTIC

Leia mais

PRINCÍPIO AMOSTRA. N.º de Referência do Conjunto REVISÃO ANUAL Revisto por: Data. Data APLICAÇÃO

PRINCÍPIO AMOSTRA. N.º de Referência do Conjunto REVISÃO ANUAL Revisto por: Data. Data APLICAÇÃO Sistemas SYNCHRON CX Ficha de Informação Química Copyright 2007 Beckman Coulter, Inc. Proteínas totais N.º de Referência do Conjunto 442740 Para utilizar no diagnóstico in vitro REVISÃO ANUAL Revisto por:

Leia mais

Estudos de fontes de erros nos processos de flebotomia com ênfase na estase venosa em parâmetros bioquímicos.

Estudos de fontes de erros nos processos de flebotomia com ênfase na estase venosa em parâmetros bioquímicos. GABRIEL DE SOUZA LIMA OLIVEIRA Estudos de fontes de erros nos processos de flebotomia com ênfase na estase venosa em parâmetros bioquímicos. Tese apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr.

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Fernando Ananias NOME: RA: ATIVIDADE PRÁTICA 1 A- ESPECTROFOTOMETRIA Espectroscopia

Leia mais

Teores de nitrito, nitrato, cloreto, fluoreto e fósforo de água potável

Teores de nitrito, nitrato, cloreto, fluoreto e fósforo de água potável Teores de nitrito, nitrato, cloreto, fluoreto e fósforo de água potável Renan Lopes Gomes, Ana Carolina Ferreira, Priscilla C. Zucco dos Santos 3, Otávio Augusto Martins,3, Renato C. F. Neves 2* Departamento

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DOS INSUMOS UTILIZADOS NA COLETA DO ESPÉCIME DIAGNÓSTICO SANGUÍNEO NA AMERICA LATINA

GESTÃO DA QUALIDADE DOS INSUMOS UTILIZADOS NA COLETA DO ESPÉCIME DIAGNÓSTICO SANGUÍNEO NA AMERICA LATINA GESTÃO DA QUALIDADE DOS INSUMOS UTILIZADOS NA COLETA DO ESPÉCIME DIAGNÓSTICO SANGUÍNEO NA AMERICA LATINA QUALITY GESTION OF THE MATERIALS ON COLLECTION OF DIAGNOSTIC BLOOD SPECIMENS IN LATIN AMERICAN Abrahão,

Leia mais

DBIL PRINCÍPIO AMOSTRA. N.º de Referência do Conjunto (200 testes/cartucho) N.º de Referência do Conjunto (300 testes/cartucho)

DBIL PRINCÍPIO AMOSTRA. N.º de Referência do Conjunto (200 testes/cartucho) N.º de Referência do Conjunto (300 testes/cartucho) Sistemas SYNCHRON CX Ficha de Informação Química Copyright 2008 Beckman Coulter, Inc. Bilirrubina directa N.º de Referência do Conjunto 439715 (200 testes/cartucho) N.º de Referência do Conjunto 476856

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS.

DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS. 67 DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS. Juliana Salomão Doretto 1 ; Maria Adriana Machado Lobo e Silva 1 ; Marina Santo Lagos 2 RESUMO A determinação sérica

Leia mais

Programas de Controlo de Qualidade Externo UK NEQAS. HORMONAS PEPTÍDICAS, MARCADORES TUMORAIS E TESTE DE GRAVIDEZ hcg

Programas de Controlo de Qualidade Externo UK NEQAS. HORMONAS PEPTÍDICAS, MARCADORES TUMORAIS E TESTE DE GRAVIDEZ hcg Programas de Controlo de Qualidade Externo UK NEQAS HORMONAS PEPTÍDICAS, MARCADORES TUMORAIS E TESTE DE GRAVIDEZ hcg Programa Analito Nº de distribuições por ano Nº de amostras por distribuição Péptidos

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL ARTICLE

ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL ARTICLE Acta Farmacêutica Portuguesa 2016, vol. 5, n.1, pp. 80-88 Auditorias na fase Pré-Analítica Uma ferramenta para Autoavaliação do Laboratório Auditing Pre-Analytical Phase - A Tool For Laboratories Auto

Leia mais

Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar

Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar Bárbara de Castro Borges 1 Tania Cristina Andrade 2 Resumo A manutenção da glicemia normal depende principalmente da capacidade

Leia mais

Cuidados com a amostra de líquor para fazer o VDRL

Cuidados com a amostra de líquor para fazer o VDRL Aula 3 Reação de VDRL em amostras de líquor A realização do VDRL em amostras de líquor é uma ferramenta fundamental para o diagnóstico da sífilis congênita ou da neurossífilis. Para analisar amostras de

Leia mais

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas Membrana e Organelas Membrana e Organelas 1. As funções das células estão relacionadas com sua estrutura e com sua atividade metabólica. Apresenta-se abaixo uma tabela em que estão discriminadas, em porcentagens,

Leia mais

O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE

O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL DE SÃO PAULO O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE ANA FLÁVIA NOGUEIRA SALIBA São Paulo 2012 ANA

Leia mais

Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a própria amostra.

Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a própria amostra. II.2 INTRODUÇÃO À QUÍMICA ANALÍTICA II.2.1 Análise, determinação e medida Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

Your Power for Health. Erros Pré-Analíticos. Palestrante : Breno M. Brito Greiner Bio-One. Realização : Apoio :

Your Power for Health. Erros Pré-Analíticos. Palestrante : Breno M. Brito Greiner Bio-One. Realização : Apoio : Erros Pré-Analíticos Palestrante : Breno M. Brito Greiner Bio-One. Realização : Apoio : Sumário Fases laboratoriais Pré analítica Analítica Pós-analítica Erros pré-analíticos Definição Estudos em literatura

Leia mais

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL DO TRIANGULO MINEIRO

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL DO TRIANGULO MINEIRO QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL DO TRIANGULO MINEIRO Bruna Santos Morais 1, Danusa Carolina Santos Fernandes 2, Thaís Cristina Carneiro Gonçalves 3, Elizabeth Uber Bucek 4, Ana Claudia Chesca

Leia mais

COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES

COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES PROFESSOR ENFERMEIRO DIÓGENES TREVIZAN Definição Consiste em colher sangue, urina, fezes e secreções, solicitados pelo médico, durante a internação do paciente. Em muitos

Leia mais

CURSO PARA REMETENTES Módulo I Termos Utilizados na Expedição de Substâncias Infecciosas

CURSO PARA REMETENTES Módulo I Termos Utilizados na Expedição de Substâncias Infecciosas Módulo I Agosto 2011 Sumário Página 2 de 20 Produtos perigosos Substâncias infecciosas Culturas e espécimes de pacientes Embalagem Etiquetagem Marcação Exercício I: Diferenças entre PI620 e PI650 Página

Leia mais

Folha de protocolo do QIAsymphony SP

Folha de protocolo do QIAsymphony SP Folha de protocolo do QIAsymphony SP Protocolo DNA_Buffy_Coat_400_V6_DSP Informações gerais Para utilização em diagnóstico in vitro. Este protocolo destina-se à purificação de ADN total genómico e mitocondrial

Leia mais

III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru

III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru Roney Caetano Gerente de Produtos QSD 17 de Outubro de 2012 Qualidade - Definições Totalidade das características que um produto ou serviço

Leia mais

EFEITO DA ESTIMULAÇÃO VESTIBULAR NO PERFIL SENSORIAL DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO ALEATORIZADO

EFEITO DA ESTIMULAÇÃO VESTIBULAR NO PERFIL SENSORIAL DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO ALEATORIZADO 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA YASMIN SANTANA MAGALHÃES EFEITO DA ESTIMULAÇÃO VESTIBULAR NO PERFIL SENSORIAL DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL: ENSAIO

Leia mais

Medicina Veterinária. Soluções completas para a colheita de sangue em medicina veterinária

Medicina Veterinária. Soluções completas para a colheita de sangue em medicina veterinária Medicina Veterinária Soluções completas para a colheita de sangue em medicina veterinária XXXX Colheita XXXXXXX de sangue Animais de pequeno porte Colheita XXXX XXXXXXX de sangue Animais de pequeno porte

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTERFERÊNCIA DO EDTA NO HEMOGRAMA RELACIONADO A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES SANGUE/ANTICOAGULANTE

AVALIAÇÃO DA INTERFERÊNCIA DO EDTA NO HEMOGRAMA RELACIONADO A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES SANGUE/ANTICOAGULANTE 45 AVALIAÇÃO DA INTERFERÊNCIA DO EDTA NO HEMOGRAMA RELACIONADO A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES SANGUE/ANTICOAGULANTE EVALUATION OF THE INTERFERENCE OF EDTA IN THE BLOOD COUNT RELATED TO DIFFERENT CONCENTRATIONS

Leia mais

ANÁLISE DO TEOR DE SÓDIO E IODO PRESENTE NO SAL DE COZINHA COMERCIALIZADO NA CIDADE DE APUCARANA E REGIÃO

ANÁLISE DO TEOR DE SÓDIO E IODO PRESENTE NO SAL DE COZINHA COMERCIALIZADO NA CIDADE DE APUCARANA E REGIÃO ANÁLISE DO TEOR DE SÓDIO E IODO PRESENTE NO SAL DE COZINHA COMERCIALIZADO NA CIDADE DE APUCARANA E REGIÃO PAULA, K. L¹; TROMBINI, R. B.² ¹ Estudante do curso de Ciências Biológicas da Faculdade de Apucarana-FAP

Leia mais

Dica de Manejo - Coleta de Sangue

Dica de Manejo - Coleta de Sangue Dica de Manejo - Coleta de Sangue Introdução A coleta de sangue deve ser uma prática conhecida pelos encarregados das granjas. A partir do sangue coletado, uma grande quantidade de testes pode ser realizada,

Leia mais

VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA

VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA A. SPINA-FRANÇA * A pressão normal do líquido cefalorraqueano (LCR) ao nível do fundo de saco lombar varia entre 7 e 18 cm

Leia mais

Colheita de produtos biológicos destinados à investigação laboratorial virológica

Colheita de produtos biológicos destinados à investigação laboratorial virológica ETAPA DE MINIMIZAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Colheita de produtos biológicos destinados à investigação laboratorial virológica 1. Condições de segurança Os produtos biológicos colhidos a doentes

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas Profa. Dra. Ângela Líbia M. P. Cardoso www.ufam.edu.br angelalibia@gmail.com Fone: 9254 6673 02 QUALIDADE NO LAC

Leia mais

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Na aula de hoje, vamos falar de: 1. Importância da análise de amostras biológicas como ferramentas de diagnóstico 2. Composição dos dois fluidos mais analisados:

Leia mais

Introdução aos métodos titulométricos volumétricos. Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Introdução aos métodos titulométricos volumétricos. Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Introdução aos métodos titulométricos volumétricos Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Definições ² Métodos titulométricos: procedimentos quantitativos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Coleta e Conservação de Material Biológico

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Coleta e Conservação de Material Biológico FACULDADE DE IMPERATRIZ FACIMP Associação Região Tocantina de Educação e Cultura S/C Ltda. Telefax: (99) 524-8298 site: www.facimp.edu.br e-mail: facimp@facimp.edu.br. Av. Prudente de Morais, s/nº, Qd.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas)

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) Disciplina: Química Trimestre: 1º Professor(a): Rodrigo Valério e Georgia Monique. Série: 1º Turmas: 101,102,103,104. Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) 1-

Leia mais

Comparação da contagem de plaquetas entre o método de Fônio e automação

Comparação da contagem de plaquetas entre o método de Fônio e automação Comparação da contagem de plaquetas entre o método de Fônio e automação Comparison of the platelet count between the Fonio method and automation Avila FA a, Oliveira LS a a: Faculdades Metropolitanas Unidas

Leia mais

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016)

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Skoog Capítulo 5: Erros em análises químicas 5-1. Explique a diferença entre: a) erro constante e erro proporcional b) Erro aleatório

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 01

2005 by Pearson Education. Capítulo 01 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 1 Introdução: matéria & medida David P. White O estudo da química A perspectiva molecular da química A matéria é o material físico do universo. A matéria é

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL URBANO E RURAL ROBERTO CORRÊA DA SILVA

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL URBANO E RURAL ROBERTO CORRÊA DA SILVA UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL URBANO E RURAL ROBERTO CORRÊA DA SILVA Plano Diretor como Indicador de Políticas Públicas para o Desenvolvimento do Município de São Bento

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade Versão: 1 Pág: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 Dr. Renato

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

Para acessar a plataforma, eles precisam acessar

Para acessar a plataforma, eles precisam acessar O nosso curso está disponível na plataforma Constructore da UFRJ" Para acessar a plataforma, eles precisam acessar http://ltc.nutes.ufrj.br/constructore/ Na página fazer o cadastro de aluno e em seguida

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

EFEITO ANTIAGREGANTE DA VITAMINA D3 EM RATOS DIABÉTICOS

EFEITO ANTIAGREGANTE DA VITAMINA D3 EM RATOS DIABÉTICOS Trabalho Submetido para Avaliação - 13/09/2012 12:50:21 EFEITO ANTIAGREGANTE DA VITAMINA D3 EM RATOS DIABÉTICOS PAULINE DA COSTA (line.dct@gmail.com) / FARMÁCIA/UFSM, SANTA NICÉIA SPANHOLI CALGAROTO (nice.calgaroto@gmail.com)

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal Anexo 1 Determinação do Índice de Massa Corporal* O índice de massa corporal (BMI) é um instrumento utilizado para determinar o estatuto de peso corporal nos seres humanos. Os seus valores variam em função

Leia mais

Nova Zelândia variedade branca

Nova Zelândia variedade branca Nova Zelândia variedade branca White New Zealand rabbits Artur Canella Avelar [a], Walter Motta Ferreira [b] doi: 10.7213/academica.7693 ISSN 0103-989X Licenciado sob uma Licença Creative Commons Resumo

Leia mais

Procedimentos Técnicos. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes. Gerente da Qualidade Biomédico

Procedimentos Técnicos. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes. Gerente da Qualidade Biomédico Versão: 01 Pg: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes Biomédico 01/10/2009 Gerente da Qualidade Biomédico 20/10/2009 Dr. Jose Carlos

Leia mais

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS CBHPM 4.03.0.01-6 AMB 8.01.096-5 CBHPM 4.14.01.16-6 Sinonímia: Gasometria de Siggaard-Andersen. Teste de exercício em ergômetro com realização de gasometria arterial. Gasometria

Leia mais

Controle de qualidade dos testes de floculação. Aula 5. Soros controles. A qualidade dos resultados é fundamental na prática laboratorial.

Controle de qualidade dos testes de floculação. Aula 5. Soros controles. A qualidade dos resultados é fundamental na prática laboratorial. Aula 5 Controle de qualidade dos testes de floculação A qualidade dos resultados é fundamental na prática laboratorial. Para ter a garantia de execução correta do trabalho, é importante adotar medidas

Leia mais

PRINCÍPIO. N.º de Referência do Conjunto 442755. REVISÃO ANUAL Revisto por: Data. Data APLICAÇÃO

PRINCÍPIO. N.º de Referência do Conjunto 442755. REVISÃO ANUAL Revisto por: Data. Data APLICAÇÃO Sistemas SYNCHRON CX Ficha de Informação Química Copyright 2007 Beckman Coulter, Inc. Cálcio N.º de Referência do Conjunto 442755 Para utilizar no diagnóstico in vitro REVISÃO ANUAL Revisto por: Data Revisto

Leia mais

Controle da qualidade na coleta do espécime diagnóstico sangüíneo: iluminando uma fase escura de erros pré-analíticos

Controle da qualidade na coleta do espécime diagnóstico sangüíneo: iluminando uma fase escura de erros pré-analíticos Brás Patol Med Lab v. 45 n.6 p.441-447 dezembro 2009 CONTROLE DE QUALIDADE QUAMCONTROL Controle da qualidade na coleta do espécime diagnóstico sangüíneo: iluminando uma fase escura de erros pré-analíticos

Leia mais

Desempenho de rigor e precisão do Sistema Accu-Chek Active. Introdução. Método

Desempenho de rigor e precisão do Sistema Accu-Chek Active. Introdução. Método Desempenho de rigor e precisão do Sistema Accu-Chek Active I. RIGOR O rigor do sistema foi avaliado através da norma ISO 15197. Introdução Este estudo teve como objectivo determinar o rigor do sistema

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 16:00 às 22:00 2ª sessão - 9:00 às 14:00 INVESTIMENTO FORMADOR

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 16:00 às 22:00 2ª sessão - 9:00 às 14:00 INVESTIMENTO FORMADOR ANáLISES CLíNICAS: DA COLHEITA à INTERPRETAçãO (MAI 2016) LISBOA A interpretação de exames laboratoriais é uma realidade incontestável do dia-a-dia dos enfermeiros. Mas será que todos os enfermeiros estão

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Mesa Redonda: Qualidade Pré-Analítica em Laboratório de Médio e Grande Porte Desafios e Soluções RISCO Risco significa que mais coisas podem acontecer

Leia mais

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde)

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) CPHD SMP 35 FRAÇÃO ÁCIDA cloreto de sódio + cloreto de potássio + associações APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Solução para hemodiálise bombona plástica de 5 ou

Leia mais

NOVAS ABORDAGENS INTENSIVAS PARA O CONTROLE DO DIABETES TIPO 2

NOVAS ABORDAGENS INTENSIVAS PARA O CONTROLE DO DIABETES TIPO 2 NOVAS ABORDAGENS INTENSIVAS PARA O CONTROLE DO DIABETES TIPO 2 DR. AUGUSTO PIMAZONI NETTO Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes Hospital do Rim Universidade Federal de São Paulo UNIFESP

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias TABELA DE PREÇOS ANÁLISE CITOLÓGICA VALOR MATERIAL PRAZO Líquidos cavitários (pleural, pericárdico e peritoneal) 100,00 Fluido em tubo seco e EDTA 24 horas Líquor 100,00 Fluido em tubo seco 24 horas Citologia

Leia mais

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho Controlo da qualidade e supervisão laboratorial Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho A importância do diagnóstico precoce PHOTO CAPTION A realização dos testes de rastreio vão permitir

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Patrocinado pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas QUALIDADE

Programa Nacional de Controle de Qualidade Patrocinado pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas QUALIDADE QUALIDADE Luiz Fernando Barcelos * Farmacêutico pela UFRGS * Farmacêutico Bioquímico pela UFRGS * Especialização em Bioquímica Clínica na Keyo University Tóquio/Japão * Especialização em Administração

Leia mais

Procedimentos relativos ao envio de amostras biológicas para o Serviço de. Anatomia Patológica

Procedimentos relativos ao envio de amostras biológicas para o Serviço de. Anatomia Patológica Serviço de Anatomia Patológica 10.01.2014 Procedimentos relativos ao envio de amostras biológicas para o Serviço de Anatomia Patológica Margarida Ferreira Mariana Cruz INTRODUÇÃO A qualidade de um exame

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR QUALIDADE DOS HEMOCOMPONENTES PRODUÇÃO vs CONTROLE 2012 QUALIDADE DOS HEMOCOMPONENTES Qualidade do Sangue/Hemocomponentes Definição de

Leia mais

PARECER TÉCNICO 001/2014/CRFMG

PARECER TÉCNICO 001/2014/CRFMG PARECER TÉCNICO 001/2014/CRFMG Orientações quanto à publicidade e identificação dos estabelecimentos de saúde denominados como Laboratório de Análises Clínicas e Posto de Coleta. O Conselho Regional de

Leia mais

Desempenho quanto à Exatidão e Precisão do Sistema Accu-Chek Performa. Introdução I. EXATIDÃO. Método

Desempenho quanto à Exatidão e Precisão do Sistema Accu-Chek Performa. Introdução I. EXATIDÃO. Método Desempenho quanto à Exatidão e Precisão do Sistema Accu-Chek Performa Introdução A exatidão do sistema foi avaliada em conformidade com a norma EN ISO 15197:2003 (Sistemas para testes diagnósticos in vitro

Leia mais

Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público?

Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público? Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público? Cual es período de retorno de una inversión en geoprocesamento por parte de una administración pública? Xavier

Leia mais

Procedimentos para coleta de sangue venoso

Procedimentos para coleta de sangue venoso 1 PATRICIA GOMES DE ASSIS Procedimentos para coleta de sangue venoso GOIÂNIA 2009 2 PATRICIA GOMES DE ASSIS Procedimentos para coleta de sangue venoso Trabalho de Conclusão do Curso ONLINE de Procedimentos

Leia mais

4. PROCESSAMENTO DE MATRIZES BIOLÓGICAS PARA ANÁLISE ANTIDOPING

4. PROCESSAMENTO DE MATRIZES BIOLÓGICAS PARA ANÁLISE ANTIDOPING Programa de Pós-Graduação em Metrologia da PUC-Rio 58 4. PROCESSAMENTO DE MATRIZES BIOLÓGICAS PARA ANÁLISE ANTIDOPING O presente capítulo descreve a rotina das atividades desenvolvidas no laboratório para

Leia mais

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg)

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) USO PRETENDIDO O ensaio HBsAg é um imunoensaio de micropartículas por quimioluminescência (CMIA) para a determinação quantitativa do

Leia mais

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados COLHEITA DE AMOSTRAS PARA CONTROLO OFICIAL OUTUBRO 2009 ANA PAULA BICO Reg. (CE) 882/2004 1. Estabelece normas gerais para a realização de controlos oficiais

Leia mais

Relações entre fase cefálica da digestão e reatividade microvascular de indivíduos saudáveis

Relações entre fase cefálica da digestão e reatividade microvascular de indivíduos saudáveis Relações entre fase cefálica da digestão e reatividade microvascular de indivíduos saudáveis Dr a. Caroline Buss Nutricionista caroline.buss@uerj.br Orientadores: Prof. Dr. Luiz Guilherme Kraemer de Aguiar

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF.

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. Sidney Figueiredo de Abreu¹; Arsênio Carlos Andrés Flores Becker² ¹Meteorologista, mestrando

Leia mais

04/07/2008 Dra. Claudia Meira

04/07/2008 Dra. Claudia Meira 42º Congresso Brasileiro de Patologia Clinica / Medicina Laboratorial 04/07/2008 Não-conformidades: Como tratá-las de forma eficaz? 04/07/2008 04/07/2008 Como classificá-las? A competitividade é a palavra

Leia mais

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - Identificar compostos e determinar suas purezas usando

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E O TRANSPORTE DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE CLÍNICA.

A RELAÇÃO ENTRE A ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E O TRANSPORTE DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE CLÍNICA. CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 A RELAÇÃO ENTRE A ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E O TRANSPORTE DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE CLÍNICA. Janderson

Leia mais

Medicina laboratorial na medicina de bovinos de carne. Miguel Quaresma DVM, PhD

Medicina laboratorial na medicina de bovinos de carne. Miguel Quaresma DVM, PhD Medicina laboratorial na medicina de bovinos de carne Miguel Quaresma DVM, PhD 1 A utilidade da Medicina Laboratorial Nada substitui um Médico Veterinário com um estetóscopio, um termómetro e um cérebro

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 78/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 78/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 78/X Exposição de Motivos A recente alteração ao Código da Estrada, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 44/2005, de 23 de Fevereiro, veio introduzir modificações no procedimento para fiscalização

Leia mais

Projecto Ciência Viva. 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões

Projecto Ciência Viva. 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões Projecto Ciência Viva 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões Introdução O Diabetes mellitus é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do

Leia mais

ANÁLISE QUALIQUANTITATIVA DE EXAMES DE HEMOGRAMAS DE PACIENTES DE UM MUNICÍPIO DO SUL DE MINAS GERAIS

ANÁLISE QUALIQUANTITATIVA DE EXAMES DE HEMOGRAMAS DE PACIENTES DE UM MUNICÍPIO DO SUL DE MINAS GERAIS 9 ANÁLISE QUALIQUANTITATIVA DE EXAMES DE HEMOGRAMAS DE PACIENTES DE UM MUNICÍPIO DO SUL DE MINAS GERAIS ANALYSIS OF TESTS QUALITATIVE AND QUANTITATIVE OF HEMOGRAMS PATIENTS OF A TOWN SOUTH OF MINAS ANÁLISIS

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000 ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430M ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430 100 Determinações - Volume: 100 ml 200 Determinações - Volume: 200 ml 3-Para a Calibração, usar o Padrão do kit ou Calibrador Gold Analisa Cat. 410. 4-É importante

Leia mais

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances Comparando riscos e chances Risco relativo e Razão de Chances Exemplo Inicial Estudo para verificar se a ingestão de extrato de guaraná tem efeito sobre a fadiga em pacientes tratados com quimioterapia

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DOS EFEITOS DA FUMAÇA SOBRE O CÁLCULO DO NDVI

MINIMIZAÇÃO DOS EFEITOS DA FUMAÇA SOBRE O CÁLCULO DO NDVI MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-8976-TDI/810 MINIMIZAÇÃO DOS EFEITOS DA FUMAÇA SOBRE O CÁLCULO DO NDVI Marcelo Lima de Moura Dissertação de Mestrado em

Leia mais

MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS

MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 192, de 28 de maio de 1981 Publicado no DOERJ de 30 de junho de 1981, com incorreções

Leia mais