PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde"

Transcrição

1 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1

2 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO Instrumento da política industrial do governo para o setor farmacêutico. IDÉIAS CENTRAIS AUMENTAR A PRODUÇÃO LOCAL, DE FORMA COMPETITIVA, DE PRINCÍPIOS ATIVOS E MEDICAMENTOS INOVAÇÃO 2

3 Carteira Situação setembro/2007 Nível Financiamento (R$ mil) Projeto (R$ mil) nº operações Contratada Aprovada Em Análise Enquadrada TOTAL

4 O Novo PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde 4

5 Complexo Industrial da Saúde Indústrias Produtoras de Bens Cadeia Farmacêutica P & D PRODUÇÃO DO PRINCÍPIO ATIVO MEDICAMENTOS MARKETING E VENDAS Indústria de Vacinas Indústria de Hemoderivados Indústria de Reagentes de Diagnóstico Indústria de Equipamentos Médicos e Insumos Fonte: Carlos Gadelha 2 o Seminário Nacional Sobre o Complexo Industrial da Saúde, BNDES, set/

6 Visões Norteadoras do Novo PROFARMA Complexo Industrial da Saúde X Cadeia Farmacêutica Gastos com Saúde como Investimento Saúde como elemento endógeno ao desenvolvimento Complexo da Saúde 8% do PIB e 10% do emprego formal Setor indutor e propagador da inovação tecnológica Efeito duplo: econômico + eqüidade social Busca de interseções entre a Política Industrial e a Política Nacional de Saúde 6

7 Novo PROFARMA Estruturação Orçamento = R$ 3 bilhões Validade: 31/07/2012 INOVAÇÃO REESTRU- TURAÇÃO PRODUÇÃO PITCE PNS EXPOR- TAÇÃO PRODU- TORES PÚBLICOS 7

8 Produção Objetivos Apoiar investimentos direcionados ao aumento da capacidade produtiva. Apoiar a adequação aos padrões regulatórios da ANVISA, de órgãos regulatórios internacionais e da OMS. Apoiar iniciativas para melhoria na estrutura organizacional, administrativa, de gestão, comercialização, distribuição e logística da empresa. Formas de Apoio Direta Indireta (não-automática e automática) Mista 8

9 Itens Passíveis de Apoio: obras civis, montagem e instalação; estudos e projetos; aquisição de equipamentos novos nacionais; importação de equipamentos sem similar nacional; despesas de internalização de equipamentos importados; gastos de capacitação gerencial e treinamento; contratação de estudos e assessorias técnicas; aquisição de softwares nacionais; transferência de tecnologia; despesas pré-operacionais; capital de giro associado; PROFARMA Produção investimentos para a adequação aos padrões regulatórios nacionais e/ou internacionais. 9

10 Produção Condições do Financiamento Direto Valor mínimo para apoio: R$ 1 milhão Participação do BNDES: até 90% dos itens financiáveis. Prazo de utilização, carência e amortização: até 13 anos. Porte Micro, Pequena e Média Empresa Grande Empresa Taxa de Juros: Custo Financeiro TJLP Remuneração Básica do BNDES (% a.a.) 1,0 1,5 Garantias: possibilidade de dispensa de garantias reais para operações de até R$ 3 milhões de MPME No PROFARMA não se aplica o spread de risco 10

11 Condições do Financiamento Indireto PROFARMA Produção Participação do BNDES: até 90% dos itens financiáveis. Prazo de utilização, carência e amortização: até 13 anos. Garantias: conforme Políticas Operacionais do BNDES em vigor. Taxa de Juros: Porte Custo Financeiro Remuneração Básica do BNDES (% a.a.) Remuneração do Agente Micro, Pequena e Média Empresa Grande Empresa TJLP 1,0 1,5 a ser negociado entre o agente e o beneficiário 11

12 Produção Subscrição de Valores Mobiliários: Condições gerais: sociedade anônima, acordo de acionistas e possibilidade de participação no conselho administrativo, constituição de fundo de resgate e previsão de abertura de capital. Valor mínimo para apoio: a partir de R$ 1 milhão. Participação do BNDES no Capital: até 40%. 12

13 Inovação Objetivos: apoiar projetos de P,D&I no Complexo Industrial da Saúde; induzir e apoiar projetos de P,D&I no Complexo Industrial da Saúde, aderentes com a Política Nacional de Saúde; induzir e apoiar a construção de infra-estrutura para P,D&I em saúde no país. Forma de Apoio Direta. Modalidades de Apoio Financiamento Participação de risco no projeto Participação acionária na empresa 13

14 Inovação Itens Passíveis de Apoio: investimento em infra-estrutura de P&D necessária ao desenvolvimento de inovações tecnológicas; aquisição de equipamentos novos para P&D; importação de equipamentos novos para P&D, desde que não haja similar nacional; despesas de internalização; manutenção de patentes no Brasil e no exterior; aquisição de material e matéria-prima; treinamento e capacitação tecnológica; contratação de estudos e assessorias técnicas; despesas de viagens, mão-de-obra direta, assuntos regulatórios, e com a introdução das inovações no mercado. 14

15 Inovação Condições do Financiamento Participação do BNDES: até 100% dos itens financiáveis Garantias: Conforme as Políticas Operacionais do BNDES (possibilidade de dispensa de constituição de garantias reais para projetos de até R$ 10 milhões) Taxa de juros = 4,5 % a.a. Prazo = até 15 anos 15

16 Inovação Participação nos resultados do projeto Instrumento: contrato de risco com participação futura nas vendas do produto desenvolvido. Objeto de apoio: desenvolvimento de novos produtos, que contemplem significativo desafio tecnológico, com caráter prioritário para a Política Nacional de Saúde e cujo principal mercado seja o público. Prazo máximo de utilização e carência: até 15 anos. Participação do BNDES: até 90%. 16

17 Inovação Subscrição de Valores Mobiliários: condições gerais: sociedade anônima, acordo de acionistas e possibilidade de participação no conselho administrativo, constituição de fundo de resgate e previsão de abertura de capital no mercado novo; valor mínimo para apoio: a partir de R$ 1 milhão; participação do BNDES no Capital: até 40%. 17

18 Reestruturação Objetivo Apoiar a incorporação, aquisição ou fusão de empresas que resultem na criação de empresas de controle nacional de maior porte e/ou mais verticalizadas. Forma de apoio Direta. Linhas de apoio Financiamento e/ou subscrição de valores mobiliários. 18

19 Reestruturação Itens Passíveis de Apoio Despesas com incorporação, fusão ou aquisição de empresas da cadeia produtiva farmacêutica. Condições de financiamento Participação do BNDES: até 75%. Taxa de Juros: TJLP + 3% a.a. Prazos: até 10 anos. Garantias: conforme Políticas Operacionais do BNDES em vigor. 19

20 Subscrição de Valores Mobiliários PROFARMA Reestruturação Condições gerais: sociedade anônima, acordo de acionistas e possibilidade de participação no conselho administrativo, constituição de fundo de resgate e previsão de abertura de capital no mercado novo. Valor mínimo para apoio: a partir de R$ 500 mil. Participação do BNDES no Capital: até 40%. 20

21 Produtores Públicos Objetivos: induzir e colaborar para a otimização da estrutura pública de produção de bens do Complexo Industrial da Saúde; colaborar com os Produtores Públicos no sentido de adequação aos padrões regulatórios da ANVISA, de órgãos regulatórios internacionais e da OMS; apoiar de forma diferenciada projetos inovadores dos Produtores Públicos; contribuir com projetos de construção e consolidação da infraestrutura da inovação em saúde no País. 21

22 Fase 1 Contratação de consultoria especializada em gestão e planejamento. Objetivo PROFARMA Produtores Públicos Elaboração de Plano de Ação para otimização da estrutura de produtores públicos do Complexo Industrial da Saúde Ação conjunta BNDES + MS + Produtores Públicos Prazo estimado de 1 ano 22

23 Forma de Apoio Recursos não reembolsáveis do Fundo Social e do Fundo Tecnológico (FUNTEC). Condições Gerais PROFARMA Produtores Públicos Fase 2 Apoio a projetos dos produtores públicos do Complexo Industrial da Saúde aderentes ao Plano de Ação elaborado na Fase 1 Participação do BNDES: até 80% ficando os 20% restantes sob a responsabilidade do Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais ou Municipais. Projetos devem ser pré-aprovados pelo MS. 23

24 Produtores Públicos Projetos relativos a melhorias de gestão, sistemas de garantia da qualidade e obtenção de Boas Práticas de Fabricação e Boas Práticas de Laboratório Produtor Público que tenha fornecido produtos ao SUS nos últimos cinco anos. Projetos relativos à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) Produtor Público que tenha realizado nos últimos cinco anos ações de P&D, internamente ou por meio de contrato ou convênios com instituições de pesquisa. O objeto da pesquisa deve estar contemplado nas diretrizes específicas do FUNTEC. 24

25 Exportação Pré Embarque Objetivo Financiar a produção de bens destinados à exportação. Forma de Apoio Direta Indireta Setores Passíveis de Apoio Cadeia Farmacêutica Cadeia Médico-hospitalar 25

26 Condições do Financiamento Participação Máxima do BNDES: até 100% do valor FOB da exportação. Prazo de financiamento e embarque: até 36 meses. Taxa de Juros: direto: custo financeiro + Remuneração Básica do BNDES; indireto: custo financeiro + Remuneração Básica do BNDES + Remuneração do Agente. Porte Custo Financeiro Remuneração Básica do BNDES (%a.a.) Micro, Pequena e Média Empresa TJLP 1,0 Grande Empresa TJLP 2,0 PROFARMA Exportação Garantias: possibilidade de dispensa de garantias reais para operações de até US$ 2 milhões de MPMEs. 26

27 Exportação Pós-embarque Objetivo Apoiar a comercialização no exterior de aparelhos e máquinas de aplicação médica e odontológica desenvolvidos no País. Forma de Apoio Direta 27

28 Exportação Condições do Refinanciamento Participação do BNDES: até 100% do valor exportado; Prazo do Refinanciamento: negociado de acordo com os itens financiados durante a operação; Taxa de Desconto: LIBOR + Remuneração Básica do BNDES (0,5%); Outros Encargos e Comissões: os mesmos em vigor para a Linha de Financiamento BNDES exim Pós-embarque; Garantias: título de crédito, carta de crédito aberta por Instituição Financeira Credenciada, seguro de crédito à exportação; outras garantias a critério do BNDES. 28

29 Muito Obrigado! Luciana Capanema - Wu Yong Lei 29

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Seminário Internacional sobre Diretivas RoHS e WEEE Brasília, 08 de fevereiro de 2011 Complexo Industrial da Saúde

Leia mais

Financiamento para o Complexo Industrial da Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Rio de Janeiro, maio de 2008

Financiamento para o Complexo Industrial da Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Rio de Janeiro, maio de 2008 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Financiamento para o Complexo Industrial da Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Rio de Janeiro, maio de 2008 1 PROFARMA - 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

A atuação do BNDES na Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Odontológicos e Hospitalares

A atuação do BNDES na Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Odontológicos e Hospitalares A atuação do BNDES na Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Odontológicos e Hospitalares 1º CIMES São Paulo, abril 2012 Agenda Complexo Industrial da Saúde A Indústria de EMHO Desafios e propostas

Leia mais

Apoio do BNDES Complexo Industrial da Saúde. Rio de Janeiro, 21 de outubro de 2010

Apoio do BNDES Complexo Industrial da Saúde. Rio de Janeiro, 21 de outubro de 2010 Apoio do BNDES Complexo Industrial da Saúde Rio de Janeiro, 21 de outubro de 2010 Seminário Áreas Estratégicas na Indústria de Saúde São Paulo, 26 de outubro de 2010 Complexo Industrial da Saúde - CIS

Leia mais

O BNDES e as Possibilidades de Apoio à Biotecnologia no Brasil

O BNDES e as Possibilidades de Apoio à Biotecnologia no Brasil O BNDES e as Possibilidades de Apoio à Biotecnologia no Brasil I SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA -ABRIL/2008 Política Nacional de Biotecnologia Instituída

Leia mais

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008 Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G Helena Tenório Chefe do Departamento de Programas e Políticas do 2 de julho de 2008 Parceria Petrobras INVESTIMENTO FINANCIAMENTO Desenvolvimento da

Leia mais

BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS)

BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS) BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS) Britcham: Políticas Públicas e Desenvolvimento Industrial do Setor de Saúde São Paulo, novembro de 2012 Agenda Saúde como desenvolvimento Transições

Leia mais

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Brasília, 28 de Setembro de 2016 Apoio do BNDES: Aspectos Básicos OPERAÇÕES DIRETAS OPERAÇÕES INDIRETAS Empresa financiada diretamente pelo BNDES Empresas financiadas

Leia mais

Apoio à Inovação. Novembro 2009

Apoio à Inovação. Novembro 2009 Apoio à Inovação Novembro 2009 Agenda O BNDES Inovação Política de Inovação do BNDES Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Prioridades 1950 1960 1970 1980 1990 Infra-estrutura

Leia mais

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado INOVAR PARA CRESCER QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo. Atua como banco de desenvolvimento apoiando financeiramente às iniciativas que estimulam o crescimento

Leia mais

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação PROSOFT Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Prosoft Exportação Florianópolis, 16 de novembro de 2009 1 Apresentação do BNDES Fundado

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

Parque Tecnológico de Botucatu Junho / 2015

Parque Tecnológico de Botucatu Junho / 2015 Parque Tecnológico de Botucatu Junho / 2015 São Paulo Inova O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em

Leia mais

LIVRO VERDE DO ETANOL

LIVRO VERDE DO ETANOL III Workshop INFOSUCRO sobre Economia do Etanol e Indústria Sucroenergética O Apoio do BNDES ao Setor Sucroenergético Carlos Eduardo Cavalcanti Chefe do Dept de Biocombustíveis - BNDES Rio, 26/11/2010

Leia mais

Apresentação INOVACRED

Apresentação INOVACRED Apresentação INOVACRED Financiamento Reembolsável Objetivo: Financiar empresas no desenvolvimento e/ou aprimoramento de produtos, processos ou serviços, bem como inovação em marketing ou inovação organizacional,

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Complexo Industrial da Saúde no Brasil Financiamento e Trajetória de Atuação do BNDES. Pedro Palmeira Filho 7º ENIFarMed São Paulo - agosto de 2013

Complexo Industrial da Saúde no Brasil Financiamento e Trajetória de Atuação do BNDES. Pedro Palmeira Filho 7º ENIFarMed São Paulo - agosto de 2013 Complexo Industrial da Saúde no Brasil Financiamento e Trajetória de Atuação do BNDES Pedro Palmeira Filho 7º ENIFarMed São Paulo - agosto de 2013 Agenda Evolução da indústria farmacêutica brasileira Atuação

Leia mais

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Apresentação Finep APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Agenda A FINEP Inova Empresa Modalidades de Financiamento (reembolsável, não reembolsável, renda variável)

Leia mais

Apoio à Inovação Nov/2015

Apoio à Inovação Nov/2015 Apoio à Inovação Nov/2015 http://www.bndes.gov.br O objetivo do BNDES é fomentar e apoiar operações associadas à formação de capacitações e ao desenvolvimento de ambientes inovadores, com o intuito de

Leia mais

Missão do BNDES MPME. Promover o desenvolvimento econômico e social. Redução das desigualdades sociais e regionais Geração de emprego e renda

Missão do BNDES MPME. Promover o desenvolvimento econômico e social. Redução das desigualdades sociais e regionais Geração de emprego e renda BNDES APLs como Estratégia de Desenvolvimento de MPMEs Brasília DF novembro 2007 Missão do BNDES Promover o desenvolvimento econômico e social Redução das desigualdades sociais e regionais Geração de emprego

Leia mais

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet Feira de Santana BA 30/09/2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? No de operações 2013 R$ 1,1 milhões

Leia mais

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ):

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ): BNDES/GOIÁSFOMENTO CARTA-CONSULTA 1. RESUMO DA OPERAÇÃO PROPOSTA: 1.1. Sobre a Empresa 1.1.1. Empresa/Proponente: 1.1.2. Objetivo Social: 1.1.3. Localização do Empreendimento Proposto (município): 1.2.

Leia mais

BRDE ENERGIA. Linhas de financiamento para geração de energia e eficiência energética

BRDE ENERGIA. Linhas de financiamento para geração de energia e eficiência energética BRDE ENERGIA Linhas de financiamento para geração de energia e eficiência energética Felipe Castro do Couto: Gerente de Planejamento - BRDE Santa Catarina Um pouco de BRDE Banco público de fomento, criado

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE 2 Complexo Industrial da Saúde (CIS)

Leia mais

Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Fiesp, 02 de maio de 2013

Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Fiesp, 02 de maio de 2013 Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Fiesp, 02 de maio de 2013 Agenda O que é o Inova Saúde? Linhas Temáticas Instrumentos Disponíveis Etapas do Inova Saúde O Inova Saúde é parte do Plano Inova

Leia mais

Agência do Paraná. Paulo Marques Ferreira. Analista econômico-financeiro e representante do BRDE na região Oeste do PR

Agência do Paraná. Paulo Marques Ferreira. Analista econômico-financeiro e representante do BRDE na região Oeste do PR Agência do Paraná Paulo Marques Ferreira Analista econômico-financeiro e representante do BRDE na região Oeste do PR O BRDE Região de atuação: MS - PR SC - RS Criado em 1961 por três estados da região

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG "Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia para a retomada do desenvolvimento INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG BDMG: Foco em Inovação Novembro/14 Dezembro/15 O BDMG em resumo 2 O Banco de Desenvolvimento de Minas

Leia mais

Apoio à Inovação e à Indústria de Defesa. 1º Seminário de Inovação Outubro 2016

Apoio à Inovação e à Indústria de Defesa. 1º Seminário de Inovação Outubro 2016 Apoio à Inovação e à Indústria de Defesa 1º Seminário de Inovação Outubro 2016 Objetivos Estratégicos do BNDES Infraestrutur a Equacionar os gargalos estruturais (energia, logística, transporte e telecom)

Leia mais

Evolução da indústria farmacêutica brasileira

Evolução da indústria farmacêutica brasileira 7 o Encontro de Pesquisa Clínica do CEPIC Apoio à inovação no Brasil: a participação do BNDES 08/06/2013 Agenda Evolução da indústria farmacêutica brasileira Oportunidade em biotecnologia Cenário de pesquisa

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010

O BNDES Mais Perto de Você. Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010 O BNDES Mais Perto de Você Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010 Material de apoio Formulário de Perguntas Formulário de Avaliação 3 1 7 5 Informações Institucionais Informações gerais Quem somos

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet São José do Rio Preto - SP 29.setembro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas

Leia mais

Seminário Investimentos em BIODIESEL

Seminário Investimentos em BIODIESEL Seminário Investimentos em BIODIESEL João Carlos Cavalcanti Superintendente da Área de Infra-estrutura do BNDES 16 de março de 2006 Agenda BNDES Formas de Atuação Programa de Financiamento para BNDES Formas

Leia mais

Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina. André Medrado Florianópolis 04/08/2014

Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina. André Medrado Florianópolis 04/08/2014 Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina André Medrado Florianópolis 04/08/2014 Condições do Programa Porte: MPME s Beneficiárias Controle do Capital: Nacional ou Estrangeiro Financiamento

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 27/03/2014

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 27/03/2014 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Sorocaba SP 27/03/2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Apoio do BNDES à Inovação 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Margarida Baptista 31 de Março, 2011 BNDES Instrumento chave para implementação de Políticas

Leia mais

LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO BNDES

LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO BNDES LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO Linhas de Financiamento para Geração Distribuída O APOIO DO AO SETOR SOLAR FOTOVOLTAICO NELSON TORTOSA - Credenciamento Setor Solar Fotovoltaico EMPRESAS CREDENCIADAS NO Já

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 04/06/2014

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 04/06/2014 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Sorocaba SP 04/06/2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais

Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha. Anália Francisca Ferreira

Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha. Anália Francisca Ferreira Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha Anália Francisca Ferreira Oqueé Incluída nos contratos de concessão desde a Rodada Zero, institui a obrigação do concessionário investir em atividades

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Londrina - PR 26.janeiro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações

Leia mais

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável Financiamento do Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Visão Participativa - Concertação BB Associações Universidades Região Empresas

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. São Paulo,

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. São Paulo, Política para o Complexo Industrial da Saúde FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação São Paulo, 12.11.2008 Sobre a FINEP Empresa pública federal vinculada ao Ministério

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 Institui linha de crédito denominada PROGER Urbano Micro e Pequena Empresa Capital de Giro, no âmbito do Programa de Geração

Leia mais

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 188 PDI 2015-2019 11.1 Planejamento orçamentário e financeiro O Orçamento Público, em sentido amplo, é um documento legal (aprovado por lei)

Leia mais

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Reservas Petrolíferas do Pré-Sal Audiência Pública

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) Normas BACEN Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 SETOR INDUSTRIAL DE MT QUEM SOMOS INDICADOR MT INDÚSTRIA % FONTE Número de empresas (Dez/2010) 70.877 9.126 13% RAIS 2010 VAB (Produção)

Leia mais

A Cadeia Produtiva da Indústria: Desafios e Oportunidades

A Cadeia Produtiva da Indústria: Desafios e Oportunidades A Cadeia Produtiva da Indústria: Desafios e Oportunidades Workshop sobre o Marco Regulatório do Pré-Sal CNI 01.10.2009 Mensagem Inicial Pré-sal: Grande oportunidade para o Brasil Investimentos pré-sal:

Leia mais

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA APOIO AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS A Norgarante é uma Sociedade de Garantia Mútua que: Apoia Micro, Pequenas e Médias Empresas da zona Norte e Centro Norte

Leia mais

Vanderlan Vasconselos. Coordenação MCT/FINEP/RS. Agência Brasileira de Inovação 2004/2005

Vanderlan Vasconselos. Coordenação MCT/FINEP/RS. Agência Brasileira de Inovação 2004/2005 Vanderlan Vasconselos Coordenação MCT/FINEP/RS. Agência Brasileira de Inovação 2004/2005 MISSÃO Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim SEMINÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes Deputado Arnaldo Jardim 21.07.11 Política Nacional de Resíduos SólidosS Diretrizes Internalizar

Leia mais

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação CONFERÊNCIA O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação Prof. Dr. Spartaco Astolfi Filho spartaco.biotec@gmail.com

Leia mais

Prof. Dr. Fernando Sarti

Prof. Dr. Fernando Sarti Os Desafios do Pré-sal: Riscos e Oportunidas para o País Sessão 3: O Brasil po se tornar uma referência em petróleo em águas profundas? As Políticas Industrial e Inovação Prof. Dr. Fernando Sarti Unicamp,

Leia mais

WORKSHOP A INCORPORAÇÃO DE VACINAS ATRAVÉS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO BRASIL

WORKSHOP A INCORPORAÇÃO DE VACINAS ATRAVÉS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO BRASIL WORKSHOP A INCORPORAÇÃO DE VACINAS ATRAVÉS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NO BRASIL Transferência de tecnologia e autossuficiência em vacinas Gina Camilo de Oliveira Coordenação Geral de Base Química e

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 Ref.: Linhas de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque, Pré-embarque Ágil, Préembarque Empresa Âncora

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. Seu objetivo é atuar

Leia mais

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES 2009-2014 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS MINHA CASA, MINHA VIDA - ENTIDADES PMCMV ENTIDADES/ FDS Produção e aquisição de unidades habitacionais

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP

1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP 1º Simpósio de Inovação Tecnológica - UNESP Fernando de Nielander Ribeiro Diretor Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP São Paulo, 25 de setembro de 2007. Estrutura do MCT Conselho Nacional de C&T

Leia mais

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações 1 PROEX Programa de Financiamento às Exportações 2 Banco do Brasil e o Exportador Garantias Crédito Serviços Mecanismos de Apoio às Exportações 3 ACC/ACE Banco do Brasil e o Exportador Linhas de Crédito

Leia mais

BNDES Funtec. Abril, 2016

BNDES Funtec. Abril, 2016 BNDES Funtec Abril, 2016 Mecanismos de Financiamento à Inovação Start-up MPME Média-Grande/Grande Produtos BNDES Linha BNDES Inovação/ Programas Setoriais Participação Acionária CRIATEC Fundos de Investimento

Leia mais

PANAMÁ. Aprovações 232 1,000 Risco soberano Risco privado Desembolsos 6 84 Risco soberano 6 83 Risco privado 0 1

PANAMÁ. Aprovações 232 1,000 Risco soberano Risco privado Desembolsos 6 84 Risco soberano 6 83 Risco privado 0 1 PANAMÁ A CAF financia a análise da construção de um túnel no Canal do Panamá para o estudo aerodinâmico das estruturas sujeitas à interação de diversos fluídos. Com esta operação, promove-se a investigação

Leia mais

Há espaços competitivos para a indústria farmoquímica brasileira?

Há espaços competitivos para a indústria farmoquímica brasileira? Há espaços competitivos para a indústria farmoquímica brasileira? Reflexões e propostas para políticas públicas Trabalho publicado da Revista BNDES Setorial em março de 2015 Reunião de Conselho da Abifina

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Área de Insumos Básicos Seminário sobre Petróleo e Gás APIMEC RIO Agosto/2012 BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral

Leia mais

COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE

COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos SCTIE Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde DECIIS Coordenação Geral de Equipamentos

Leia mais

Documento de Referência para o Pólo de TIC de Maceió

Documento de Referência para o Pólo de TIC de Maceió Página 01 Empreendimentos de tecnologia da informação e inovação tecnológica contribuem significativamente para o desenvolvimento sustentável de forma sólida e perene. Entretanto, isto só se torna possível,

Leia mais

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016 Agenda Internacional da Indústria 22 de setembro de 2016 Apresentação 1. Panorama do Comércio Exterior Brasileiro 2. CNI 3. Área Internacional da CNI 4. Agenda Internacional da Indústria 5. Pesquisa Desafios

Leia mais

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final Orçamento (continuação) Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas

Leia mais

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO PARQUE INDUSTRIAL BRASILEIRO MAIO DE 2009

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO PARQUE INDUSTRIAL BRASILEIRO MAIO DE 2009 PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO PARQUE INDUSTRIAL BRASILEIRO MAIO DE 2009 Há uma forte correlação entre investimento e crescimento Evolução do PIB per capita versus participação da FBCF no PIB desempenho médio

Leia mais

Os recursos para o Prime são provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

Os recursos para o Prime são provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT). Perguntas Frequentes O que é o Programa Primeira Empresa Inovadora (Prime)? Trata-se de um programa inovador criado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e sua Agência Financiadora de Estudos e

Leia mais

10º Encontro Anual PRH / ANP. Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás

10º Encontro Anual PRH / ANP. Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás 10º Encontro Anual PRH / ANP 18-19.06.2008 Painel: A contribuição do CT-PETRO na formação de Recursos Humanos para o setor de Petróleo e Gás Rogério Amaury de Medeiros Área de Planejamento medeiros@finep.gov.br

Leia mais

Financiamento e fomento para a Inovação. Núcleo SOFTEX Campinas

Financiamento e fomento para a Inovação. Núcleo SOFTEX Campinas Financiamento e fomento para a Inovação Núcleo SOFTEX Campinas Palestrante Luciano de Assis Diretor Adjunto do Núcleo SOFTEX Campinas Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Pesquisador de PD&I

Leia mais

IPT e Unidade Embrapii - IPT

IPT e Unidade Embrapii - IPT IPT e Unidade Embrapii - IPT Coordenação Geral Diretoria de Inovação - Zehbour Panossian Coordenação de Operação Coordenadoria de Planejamento e Negócios - Flávia Motta Sumário Sistema Embrapii Unidade

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. São Paulo SP 22.jul.2016

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. São Paulo SP 22.jul.2016 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas São Paulo SP 22.jul.2016 Agenda 1. 2. Quem pode solicitar financiamento? O que podemos financiar? Principais produtos do BNDES para apoio às MPMEs Cartão

Leia mais

Financiamento para o Setor Autopeças

Financiamento para o Setor Autopeças Financiamento para o Setor Autopeças Principais linhas do BNDES Inovação e Competitividade Financiamento para o Setor Autopeças Principais linhas do BNDES Inovação e Competitividade São Paulo, agosto de

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Micro, Pequena e Média Empresa Inovadora BNDES MPME Inovadora

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Micro, Pequena e Média Empresa Inovadora BNDES MPME Inovadora CIRCULAR SUP/AOI Nº 26/2016-BNDES Rio de Janeiro, 24 de maio de 2016. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio a Micro, Pequena e Média Empresa Inovadora BNDES MPME Inovadora A Superintendente

Leia mais

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade Objetivo do programa Desenvolvimento competitivo e sustentável Produtividade Promoção de parcerias estratégicas Valor agregado Ganho de qualidade Contextualização Os 3 Pilares para o desenvolvimento da

Leia mais

CAPACITAÇÃO DA INDÚSTRIA DA SAÚDE NO BRASIL

CAPACITAÇÃO DA INDÚSTRIA DA SAÚDE NO BRASIL AVALIAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO SUS E DO FINANCIAMENTO PÚBLICO DA SAÚDE CAPACITAÇÃO DA INDÚSTRIA DA SAÚDE NO BRASIL 1º março de 2010. A EDUCAÇÃO NO BRASIL Pequena análise da situação da escolaridade do

Leia mais

Programa BNDES FINAME de Modernização de Máquinas e Equipamentos instalados no país BNDES Finame-Moderniza BK

Programa BNDES FINAME de Modernização de Máquinas e Equipamentos instalados no país BNDES Finame-Moderniza BK CIRCULAR Nº 127/2009 Rio de Janeiro, 30 de dezembro 2009 Ref.: Ass.: Produto BNDES FINAME Programa BNDES FINAME de Modernização de Máquinas e Equipamentos instalados no país BNDES Finame-Moderniza BK O

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Roberto Schaeffer (PPE/COPPE/UFRJ) Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, 23 de maio de 2013 Objetivo

Leia mais

FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS

FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ARRECADAÇÃO DE TRIBUTOS E PAGAMENTO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL H I S T Ó R I C O ESTRUTURA ATUAL AUTORID. MONETÁRIAS AUTORID. DE APOIO INST.

Leia mais

COMPRAS GOVERNAMENTAIS: ANÁLISE DE ASPECTOS DA DEMANDA PÚBLICA POR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES

COMPRAS GOVERNAMENTAIS: ANÁLISE DE ASPECTOS DA DEMANDA PÚBLICA POR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES COMPRAS GOVERNAMENTAIS: ANÁLISE DE ASPECTOS DA DEMANDA PÚBLICA POR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES Rodrigo Abdalla Filgueiras de Sousa João Maria de Oliveira Brasília, 28 de outubro de 2010. Objetivos,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 197, DE 2004

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 197, DE 2004 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 197, DE 2004 CÉSAR MATTOS Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional SETEMBRO/2004 César Mattos 2 2004 Câmara

Leia mais

CARTÃO BNDES. Nome do Banco Emissor. Departamento de Operações de Internet - BNDES. 22 de agosto de 2007

CARTÃO BNDES. Nome do Banco Emissor. Departamento de Operações de Internet - BNDES. 22 de agosto de 2007 CARTÃO BNDES Departamento de Operações de Internet - BNDES Nome do Banco Emissor 22 de agosto de 2007 Agenda Um novo produto no mercado Conceito O Portal de Operações do Cartão BNDES Rede de Compradores

Leia mais

O FUTURO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS DE UMA PESQUISA DE PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL

O FUTURO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS DE UMA PESQUISA DE PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL Seminário Internacional Sobre Prospecção em C,T&I Perspectivas de Integração Ibero-Americana 07 e 08 de julho de 00 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Tecnologia

Leia mais

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil João Carlos Cavalcanti Superintendente da Área de Infra-Estrutura Salvador, 16 de novembro de 2005 www.bndes.gov.br

Leia mais

Financiamentos à Inovação Agência do Rio Grande do Sul

Financiamentos à Inovação Agência do Rio Grande do Sul Porto Alegre - 2016 Financiamentos à Inovação Agência do Rio Grande do Sul Estados-sócios BRDE É uma instituição pública de fomento, constituída como banco de desenvolvimento. Área de Atuação PRESENÇA

Leia mais

Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística

Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística Jose Henrique Germann Diretoria de Consultoria e Gestão Gestão de Suprimentos e Logística CONTEXTO DE SUPRIMENTOS Dilema na Elaboração da Política de

Leia mais

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES O m ercado de crédito e o papel do B N D ES Demian Fiocca Presidente do BNDES FELABAN 13 DE NOVEMBRO DE 2006 www.bndes.gov.br 1 O CRÉDITO NA AMÉRICA LATINA A relação Crédito/PIB na América Latina é expressivamente

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação Federação das Indústrias do Estado do Ceará Sistema FIEC Fortaleza, 18 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a inovação João Carlos Ferraz Vice-Presidente 1 Mundo 2 Crise de longa

Leia mais

Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional BNDES Finame Componentes

Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional BNDES Finame Componentes Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 08/2015-BNDES Rio de Janeiro, 06 de março de 2015 Ref.: Ass.: Produto BNDES Finame Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças,

Leia mais

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Hernon José Ferreira - Presidente Mercado Florestal A indústria de base florestal no Brasil vive um momento de franca expansão, devido principalmente

Leia mais

Internacionalização das PME Qualificação das PME

Internacionalização das PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização PME Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio

ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio Tecnológico Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira

Leia mais

Os instrumentos constantes deste Guia estão classificados em dois tipos: Apoio tecnológico financeiro:

Os instrumentos constantes deste Guia estão classificados em dois tipos: Apoio tecnológico financeiro: 1 2 Desde a publicação do Guia de Apoio à Inovação em XXX mais de XXX acessos foram realizados. Sendo uma ferramenta de apoio cuja finalidade principal é apresentar os mecanismos e programas de apoio à

Leia mais

A INOVAÇÃO FARMACÊUTICA E A ATUAÇÃO DO BNDES

A INOVAÇÃO FARMACÊUTICA E A ATUAÇÃO DO BNDES BNDES A INOVAÇÃO FARMACÊUTICA E A ATUAÇÃO DO BNDES Caracterização, Realizações e Desafios 2 o ENIFarMed São Paulo 12-13 de novembro / 2008 Cadeia Produtiva - Caracterização Competências para a inovação:

Leia mais