Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco"

Transcrição

1 RENOVAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE LISBOA Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco Instalação por entubamento Tubo DN500 PEAD PE100 SDR17

2 Actividades criticas do processo de reabilitação 1. Recepção de Materiais 2. Soldadura 3. Instalação 4. Ensaios 5. Documentação de controlo

3 1. RECEPÇÃO DE MATERIAIS

4 Conformidade da tubagem e acessórios é avaliada de acordo com os critérios do Caderno de Encargos e da Norma EN 12201: Plastics piping systems for water supply - Polyethylene (PE). Todos os tubos e acessórios recepcionados em obra são acompanhados de certificado do Tipo 3.1 de acordo com a Norma EN Metallic products - Types of inspection documents.

5 De forma a verificar a conformidade do processo de fabrico e dos tubos com a Norma acima referida foi realizada uma inspecção técnica à tubagem, na Fabrica, pela EPAL e o ISQ Instituto de Soldadura e Qualidade.

6 Durante a recepção de materiais efectuada em obra e na fábrica foram controladas os seguintes itens: Verificação da conformidade documental e rastreabilidade dos tubos; Verificação dos registos e resultados dos ensaios realizados à matéria-prima e aos tubos; Verificação visual e dimensional dos tubos; Controlo da armazenagem e manuseamento incluindo a delimitação e organização das zonas de armazenagem de materiais bem como a sua segregação.

7 Ensaios destrutivos Após a chegada da tubagem à obra foram retiradas provetes de forma a serem realizados, no laboratório do ISQ, ensaios destrutivos às soldaduras e à tubagem para verificar a sua conformidade com a norma de fabrico. Estes ensaios permitiram aferir os resultados dos realizados pelo fabricante e que estão evidenciados no certificado da tubagem realizados de acordo com a Norma acima referida. Foram realizados ensaios de tracção, para controlo de alongamento e ruptura, à tubagem e soldaduras topo a topo.

8 ENSAIOS DESTRUTIVOS

9 ENSAIOS DESTRUTIVOS

10 2.- SOLDADURA

11 Realizada, pelo ISQ, a qualificação dos soldadores para o processo de topo a topo e de electrosoldadura de acordo com a Norma EN 13067: Plastics welding personnel - Qualification testing of welders - Thermoplastics welded assemblies; Realizada, pelo ISQ, a certificação das máquinas de soldar de acordo com a Norma ISO 12176: Plastics pipes and fittings Equipment for fusion jointing polyethylene systems.

12 A parametrização das soldaduras cumpre a Norma DVS 2207: Welding of thermoplastics, e é evidenciada em registos automáticos de soldadura emitidos pelas máquinas de soldar para todas as soldaduras realizadas; A verificação das soldaduras é efectuada de acordo com os critérios de aceitação da Norma DVS 2202: Imperfections in thermoplastic welding joints - Features, descriptions, evaluation.

13 Durante o processo de soldadura são controlados os seguintes itens: Controlo da certificação de soldadores e equipamentos de soldadura ; Controlo da correcta utilização e manutenção dos equipamentos; Controlo das condições de execução e dos parâmetros de soldadura; Controlo da Identificação e rastreabilidade de todas as soldaduras; Inspecção visual final/ controlo dimensional da soldadura; Controlo da realização dos ensaios destrutivos e respectivos resultados.

14 3.- INSTALAÇÃO/ENTUBAMENTO

15 Limpeza da tubagem utilizando equipamento adequado; Passagem de provete com 6 metros de comprimento de forma a assegurar a boa condição de limpeza interior da tubagem existente antes de se proceder ao entubamento do tubo em PEAD DN 500; Verificação do nível de defeitos introduzidos no calibre utilizando como critério a Norma DVS 2202, considerando-se aceitáveis entalhes na superfície com um valor limite de 1 mm (espessura mínima da parede do tubo de 29,7 mm); Verificação do traçado do entubamento, considerando-se a introdução de acessórios em curvas com raios de curvatura inferiores 50 X DN; Enchimento do espaço anelar com Bentonite.

16 4.- ENSAIOS E DESINFECÇÕES

17 Os ensaios hidráulicos da tubagem serão executados de acordo com o Caderno de Encargos e com a norma EN805: Water supply. Requirements for systems and components outside buildings ; Toda a tubagem instalada será ensaiada no mínimo a uma pressão 1,5 x Pressão de serviço mas nunca inferior a 9 bar ; A desinfecção da tubagem será realizada de acordo com o procedimento operativo da EPAL PO-MN LAVAGEM E DESINFECÇÃO DE CONDUTAS;

18 Todos os aparelhos de registo e medida terão um certificado de calibração individual com validade máxima de um ano. Serão utilizados os seguintes instrumentos de medida para o ensaio: Um manómetro de leitura directa de classe 0,6; Um registador de pressão e temperatura; Um manómetro digital de classe 0,1 com uma precisão mínima de10 milibar;

19 5.- DOCUMENTAÇÃO DE CONTROLO

20 Listas de Coordenadas geradas por levantamento topográfico de todas as soldaduras, acessórios e órgão de manobra; Planta e perfil evidenciando o traçado quer planimétrico quer altimétrico permitindo a correcta instalação de Descargas de Fundo e Ventosas para purga de ar conforme aplicável; Livro de tubos com alinhamento de todos os tubos, acessórios e órgãos de manobra instalados evidenciando os respectivos lotes de fabrico, as soldaduras, os soldadores que as efectuaram, e os comprimentos instalados; Registos de soldaduras, ensaios e desinfecções realizadas.

21

VÁLVULAS EM POLIETILENO

VÁLVULAS EM POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 304 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 304 21 de Maio de 2008 Página 1 de 18 ÍNDICE Registo das revisões... 3 Preâmbulo...4 1. Objectivo...4 2. Âmbito...4 3. Referências...4 4. Definições...

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES ET Modo IPQ 107-1 Produção Biológico ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS... 3 5. ESQUEMA

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

CD15R00 PEAD TUBOS DE DRENAGEM AMBIDRENOS MANUAL DM-AM

CD15R00 PEAD TUBOS DE DRENAGEM AMBIDRENOS MANUAL DM-AM CD15R00 PEAD TUBOS DE DRENAGEM AMBIDRENOS MANUAL #01 AMBIDRENO A tubagem de drenagem destina-se a captar o excesso de água existente nos solos, resultante do índice de pluviosidade e da capacidade de retenção

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS Execução e Controlo da Qualidade

ESTRUTURAS METÁLICAS Execução e Controlo da Qualidade ESTRUTURAS METÁLICAS INTRODUÇÃO As estruturas metálicas são constituídas por elementos metálicos, chapas e perfis, ligados entre si por aparafusamento e/ou por soldadura. A Qualidade final destas estruturas

Leia mais

ACESSÓRIOS DE POLIETILENO PARA GÁS

ACESSÓRIOS DE POLIETILENO PARA GÁS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 302 18 de dezembro de 2012 Página 2 de 20 ÍNDICE Registo das revisões... 3 Preâmbulo... 4 1. Objetivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 3.1. Referências externas... 4 3.2.

Leia mais

Procedimentos de Aprovação & Recepção

Procedimentos de Aprovação & Recepção Page no. 1 of 5 1 Norma de referência A norma de referência é o Regulamento de Estruturas de Aço para Edifícios. 2 Procedimento aprovação 2.1 Geral Em geral, o procedimento de aprovação inclui a submissão

Leia mais

Procedimento. Qualificação de Empresa Instaladora - ABPE P011 JANEIRO 2016 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS E SISTEMAS

Procedimento. Qualificação de Empresa Instaladora - ABPE P011 JANEIRO 2016 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS E SISTEMAS JANEIRO 2016 Qualificação de Empresa Instaladora - Procedimento Origem abpe - Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas CN - Comissão de Normalização Polyethylene (PE) Pipes And Fittings

Leia mais

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP.

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP. Ficha de Produto Edição de fevereiro de 2017 Nº de identificação: 07.201 Versão nº 4 Lâminas em PVC-p para selagem de juntas Descrição do produto Lâminas flexíveis em PVC-p, produzidas em perfis específicos

Leia mais

1 - abpe/gq01: setembro 2011 Programa de Gestão da Qualidade para Tubulações Poliolefínicas e Procedimentos de Instalação

1 - abpe/gq01: setembro 2011 Programa de Gestão da Qualidade para Tubulações Poliolefínicas e Procedimentos de Instalação Normas e Padrões. A qualidade e os padrões dos tubos de PEAD são controlados por órgão nacionais e internacionais como a ABNT (Agência Nacional de Normas Técnicas) e o ISO (International Organization for

Leia mais

Apresentação dos produtos

Apresentação dos produtos Apresentação dos produtos Tubo de Polietileno Reticulado com Barreira à Difusão de Oxigénio Marca: DOUBLE; Formatos: Redondo; Medidas: Comprimentos: a 600 metros; Diâmetros: 12 a 32 mm (diâmetro exterior);

Leia mais

ENSAIOS DE RESISTÊNCIA MECÂNICA E DE ESTANQUICIDADE

ENSAIOS DE RESISTÊNCIA MECÂNICA E DE ESTANQUICIDADE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 651 15 de dezembro de 2014 ÍNDICE Página 2 de 18 Registo das revisões... 4 Preâmbulo... 5 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 6 3.2. Internas...

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO Modo Produção Biológico CONDIÇÕES PARTICULARES EN 694

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO Modo Produção Biológico CONDIÇÕES PARTICULARES EN 694 REGULAMENTO GERAL DE CONDIÇÕES CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PARTICULARES PROCESSO E SERVIÇO Modo Produção Biológico CONDIÇÕES PARTICULARES EN 694 ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 4

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE RAMAIS ISOLADOS EM POLIETILENO

CONSTRUÇÃO DE RAMAIS ISOLADOS EM POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 602 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 602 16 de Novembro de 2007 Página 1 de 9 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1.

Leia mais

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT DATA DA REALIZAÇÃO DA VD: / / Profissional Avaliado: N O SEQUI: Modalidade Nível: Data da certificação: Empregador: Supervisor Responsável: Empreendimento/Obra: Fabricante / Fornecedor: Empresa de Inspeção:

Leia mais

Tubos PVC U Saneamento

Tubos PVC U Saneamento Mar. 13 Tubos PVC U Saneamento Tubos em PVC destinados a saneamento básico para escoamento de águas sem pressão. Especificação Técnica Produto Aplicação Matéria Prima Embalagem Dimensões (mm) Marcação

Leia mais

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações.

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Caleira Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Especificações técnicas do produto Caleiras 102 E 150 Condução de águas pluviais Tubo em PVC rígido Cor: cinza (existe ainda a possibilidade

Leia mais

Especificações técnicas para os materiais de PEAD a utilizar em infra-estruturas de distribuição de água

Especificações técnicas para os materiais de PEAD a utilizar em infra-estruturas de distribuição de água Resumo dos procedimentos a adoptar em sistemas públicos de distribuição de água e de drenagem de águas residuais, de acordo com o Regulamento dos Sistemas Públicos de Abastecimento de Água e de Águas Residuais

Leia mais

ALTERAÇÕES: Portaria n.º 99/96, de 1 de Abril, a itálico a texto. Quadros não disponíveis no texto. Solicitar se necessários.

ALTERAÇÕES: Portaria n.º 99/96, de 1 de Abril, a itálico a texto. Quadros não disponíveis no texto. Solicitar se necessários. DATA: Sexta-feira, 7 de Agosto de 1992 NÚMERO: 181/92 SÉRIE I-B EMISSOR: Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO: Portaria n.º 770/92 SUMÁRIO: Regulamenta as exigências essenciais de segurança e

Leia mais

GAMA AMBICABOS CD26R02

GAMA AMBICABOS CD26R02 GAMA AMBICABOS ÍNDICE 1. Apresentação do Tubo... 3 2. Materiais e Plano de Inspecção e Ensaio de Recepção...3-4 3. Especificações Técnicas... 4-5 4. Acessórios... 6 5. Instalação / Utilização... 6 Data.

Leia mais

ÂMBITO E DEFINIÇÕES. Os equipamentos excluídos da aplicação destes procedimentos encontram-se tipificados na legislação aplicável (veja-se Exclusões).

ÂMBITO E DEFINIÇÕES. Os equipamentos excluídos da aplicação destes procedimentos encontram-se tipificados na legislação aplicável (veja-se Exclusões). Direcção Regional de Lisboa e Vale do Tejo Estrada da Portela-Zambujal Apartado 7546-Alfragide 2721-858 Amadora Tel.: 21 472 95 00 Fax: 21 471 40 80 E-mail:mail.geral@dre-lvt.min-economia.pt ÂMBITO E DEFINIÇÕES

Leia mais

AdP - ÁGUAS DE PORTUGAL

AdP - ÁGUAS DE PORTUGAL 1 LIGAÇÕES 1.1 As uniões são do tipo flangeadas ou soldadas, conforme indicado nos desenhos de projecto, à excepção das com diâmetro igual ou inferior a 65 mm que poderão ser do tipo roscado. 1.2 Nas ligações

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TUBOS E CONEXÕES DE POLIETILENO NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-002 ET-65-200-CPG-002 1 / 8 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA

Leia mais

Lista e especificação dos processos tecnológicos / operações unitárias envolvidos.

Lista e especificação dos processos tecnológicos / operações unitárias envolvidos. Eurocastt Aveiiro,, S..A.. FORMULÁRIIO LUA -- MEMÓRIIA DESCRIITIIVA-- MÓDULO IIII Liistta e especiiffiicação dos processos ttecnollógiicos // operações uniittáriias envollviidos Lista e especificação dos

Leia mais

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento.

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Betão, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2017 01 02 Edição: 5ª. Substitui a edição de JUN

Leia mais

Varão de aço para armadura PEQ 084 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6

Varão de aço para armadura PEQ 084 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6 Procedimento Específico da Qualidade PÁGI: 1/6 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento refere-se às condições que devem ser satisfeitas na aquisição, recepção e inspecção de aços para armaduras de betão

Leia mais

Instruções de Instalação e Manutenção

Instruções de Instalação e Manutenção Antes da instalação, estas instruções devem ser objecto de leitura e de compreensão na totalidade Desembalagem O dessobreaquecedor SPID ( Small Pipe Inline Desuperheater ) é embalado com o máximo de cuidado

Leia mais

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415.

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Cabos, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv EMD-.014 1/06 DESENHO MANTA COBERTURA- CLASSE 15 kv Código Tensão Dimensões (mm) CEB (kv) Largura Comprimento 92020176 13,8 140 200 92020174 13,8 200 400 DESENHO MANTA COBERTURA CLASSE 35 kv Código Tensão

Leia mais

5 Procedimento de Ensaio

5 Procedimento de Ensaio 89 5 Procedimento de Ensaio 5.1 Introdução A estabilidade da massa de um padrão de massa é altamente dependente da estrutura da superfície do padrão de massa. Uma superfície suave tem uma área eficaz menor

Leia mais

abpe/e006 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação

abpe/e006 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação ABR 98 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação Especificação Origem: abpe - associação brasileira de tubos poliolefínicos e sistemas CTPE - Comissão Técnica

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 060

Norma Técnica SABESP NTS 060 Norma Técnica SABESP NTS 060 Execução de solda em tubos e conexões de polietileno por termofusão (solda de topo) Procedimento São Paulo Dezembro - 2004 NTS 060 : 2004 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SOLDAS EM TUBOS E ACESSÓRIOS EM POLIETILENO PE 80 / PE 100 NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-005 ET-65-940-CPG-005 1 / 5 CONTROLE DE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SOLDAS EM TUBOS E ACESSÓRIOS DE AÇO NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-004 ET-65-940-CPG-004 1 / 6 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA

Leia mais

LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO

LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO ETM 002 VERSÃO 0 Jundiaí 2013 Aplicação: GAE e GME ETM-002 Sumário 1 Objetivo...3 2 Referências normativas...3 3 Definições...3 4 Requisitos gerais...4 4.1 Condições de

Leia mais

Definição dos requisitos de produto

Definição dos requisitos de produto Definição dos requisitos de produto www.hotelar.net 2/8 Introdução Este documento serve de base para enumerar as especificações genéricas dos produtos / artigos / peças a serem fornecidos à Hotelar Têxteis

Leia mais

Controlo da Qualidade Fabrico de misturas betuminosas

Controlo da Qualidade Fabrico de misturas betuminosas Controlo da Qualidade Fabrico de misturas betuminosas Controlo do Processo Com esta função pretende-se proceder à análise prévia dos processos de fabrico/execução, particularmente daqueles que mais influem

Leia mais

Requisitos do Processo de Certificação de Pessoas em Soldadura

Requisitos do Processo de Certificação de Pessoas em Soldadura Requisitos do Processo de Certificação de Pessoas em Soldadura Índice 1. Introdução 1 2. Objectivo 1 3. Campo de aplicação 1 4. Confidencialidade 2 5. Descrição 2 5.1. Candidatura 2 5.2. Avaliação 3 5.3.

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 298

Norma Técnica SABESP NTS 298 Norma Técnica SABESP NTS 298 Tubos de ferro fundido dúctil para sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário Especificação São Paulo Julho - 2013 NTS 298: 2013 Norma Técnica SABESP S U M Á

Leia mais

ENCANAMENTOS FLEXÍVEIS

ENCANAMENTOS FLEXÍVEIS ENCANAMENTOS FLEXÍVEIS Mangueira Hidráulica Acessórios de Cravar para Mangueira Flanges SAE Meias-Luas Máquinas de Cravar Acessórios para Mangueira Acoplamentos Rápidos www.cudell.pt B Linha de apoio:

Leia mais

Sistema da Indústria Responsável Entidades Acreditadas

Sistema da Indústria Responsável Entidades Acreditadas 2013-01-22 Sistema da Indústria Responsável Entidades Acreditadas DL 169/2012, de 1 de agosto Artº 10 - Entidades acreditadas 1 As entidades acreditadas pelo IPAC, I. P., podem, nos termos do disposto

Leia mais

Directiva Equipamentos sob Pressão. Nova Directiva 2014/68/UE

Directiva Equipamentos sob Pressão. Nova Directiva 2014/68/UE Uma Rede de Tecnologia e Qualidade Directiva Equipamentos sob Pressão Nova Directiva 2014/68/UE instituto de soldadura e qualidade Apresentação: Mário Sapatinha ISQ Visão geral Fundado em 1965; Cerca de

Leia mais

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR /

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR / Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR 15270-1 / 15270-2 Página 1/1 Revisão: 01 Data: 05/05/2016 Código: FT - 076 FORNECEDOR: ENDEREÇO

Leia mais

O tritubo é aplicado nas condutas subterrâneas para proteção de fibras ópticas. O seu interior estriado melhora a passagem da fibra óptica.

O tritubo é aplicado nas condutas subterrâneas para proteção de fibras ópticas. O seu interior estriado melhora a passagem da fibra óptica. Mar.13 Tritubo O tritubo é aplicado nas condutas subterrâneas para proteção de fibras ópticas. O seu interior estriado melhora a passagem da fibra óptica. Especificações técnicas do produto Documento Produto

Leia mais

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6 Número: EEM 80998 Rev.: 0 Fl. 1/6 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 00 06/10/2015 Emissão inicial em substituição a especificação EEM 80998 Rev07 Gerson Andreoti Coordenador CQ Mário Alonso

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APSEI. Referencial APSEI para certificação serviço instalação e manutenção de sistemas SCIE

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APSEI. Referencial APSEI para certificação serviço instalação e manutenção de sistemas SCIE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APSEI Referencial APSEI para certificação serviço instalação e manutenção de sistemas SCIE PARA QUE SERVE A CERTIFICAÇÃO? COMO SE FAZ A CERTIFICAÇÃO? A INTERVENÇÃO DA APSEI A CERTIFICAÇÃO

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

GESTRA Steam Systems VK 14 VK 16. Português. Manual de Instruções Visores Vaposkop VK 14, VK 16

GESTRA Steam Systems VK 14 VK 16. Português. Manual de Instruções Visores Vaposkop VK 14, VK 16 GESTRA Steam Systems VK 14 VK 16 PT Português Manual de Instruções 818585-02 Visores Vaposkop VK 14, VK 16 1 Índice Avisos importantes Página Utilização...4 Instruções de Segurança...4 Perigo...4 Atenção...4

Leia mais

Rotonivo. Série RN 3000 RN 4000 RN Instrução de operação

Rotonivo. Série RN 3000 RN 4000 RN Instrução de operação Rotonivo Série RN 3000 RN 4000 RN 6000 Instrução de operação 010516 1 UWT GmbH Westendstraße 5 Tel.: +49 (0)831 57123-0 Internet:www.uwt.de D-87488 Betzigau Fax: +49 (0)831 76879 E-Mail: info@uwt.de Esta

Leia mais

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade)

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade) Procedimento do SGI PSG-17 (Rastreabilidade) Índice 1. Objectivo 4 2. Campo de Aplicação 4 3. Actividades 4 3.1 1ª Actividade: Identificação e Rastreabilidade 4 3.1.1 Responsabilidades 5 3.2 2ª Actividade:

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PERIÓDICA CONFORME NR-13 (Redação dada pela Portaria MTE n.º 594, de 28 de abril de 2014)

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PERIÓDICA CONFORME NR-13 (Redação dada pela Portaria MTE n.º 594, de 28 de abril de 2014) CLIENTE: MARFRIG GLOBAL FOODS ALEGRETE RS RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PERIÓDICA CONFORME NR13 (Redação dada pela Portaria MTE n.º 594, de 28 de abril de 2014) Tubulações de AMÔNIA Ano 2015 Rua: Glauber Rocha,

Leia mais

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR /

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR / Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR 15270-1 / 15270-2 Página 1/1 Revisão: 01 Data: 05/05/2016 Código: FT - 076 FORNECEDOR: ENDEREÇO

Leia mais

FITA DE SINALIZAÇÃO E DELIMITAÇÃO DE ÁREA COM RECOLHEDOR - Especificação Técnica

FITA DE SINALIZAÇÃO E DELIMITAÇÃO DE ÁREA COM RECOLHEDOR - Especificação Técnica FITA DE SINALIZAÇÃO E DELIMITAÇÃO - Especificação Técnica CELG Distribuição S/A SESMT- Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho 1 de 5 ÍNDICE ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

Palavra Chave: Tubos poliolefínicos e conexões

Palavra Chave: Tubos poliolefínicos e conexões Setembro / 2011 Fundamentos do Programa da Qualidade para Tubulações Poliolefínicas e para Procedimentos de Instalações Origem: 07/04/1998 abpe - associação brasileira de tubos poliolefínicos e sistemas

Leia mais

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/7

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/7 Número: EMP-82301 Rev.: 0 Fl. 1/7 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 0 11/06/2013 Emissão inicial Sebastião Carvalho Engª de Produto Daniel Pedrosa Engª de Processo Número: EMP-82301 Rev.:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO ENSAIOS DO BETÃO NAS ESTRUTURAS DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE ESCLEROMÉTRICO (Ensaio não destrutivo) DOCENTE:

Leia mais

AULA 17 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. SANEAMENTO Aula 17 - Sumário. Acessórios Mapas de Nós Instalações Complementares Mapas de trabalhos Vala tipo

AULA 17 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. SANEAMENTO Aula 17 - Sumário. Acessórios Mapas de Nós Instalações Complementares Mapas de trabalhos Vala tipo SANEAMENTO Aula 17 - Sumário REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Acessórios Mapas de Nós Instalações Complementares Mapas de trabalhos Vala tipo Aula 17 [1] Mapa de nós Aula 17 [2] Redes de Distribuição / Mapas

Leia mais

UBK 46. Instruções de funcionamento Purgador termostático de condensados UBK 46

UBK 46. Instruções de funcionamento Purgador termostático de condensados UBK 46 UBK 46 Instruções de funcionamento 810761-00 Purgador termostático de condensados UBK 46 1 Índice Avisos importantes Aviso de segurança...7 Perigo...7 Esclarecimentos Conteúdo da embalagem...8 Descrição

Leia mais

CONCEPÇÃO E EXECUÇÃO DA EMPREITADA DE REABILITAÇÃO DA PISTA DE ATLETISMO N.º 2 DO CENTRO DESPORTIVO NACIONAL DO JAMOR CRUZ QUEBRADA - OEIRAS

CONCEPÇÃO E EXECUÇÃO DA EMPREITADA DE REABILITAÇÃO DA PISTA DE ATLETISMO N.º 2 DO CENTRO DESPORTIVO NACIONAL DO JAMOR CRUZ QUEBRADA - OEIRAS CONCEPÇÃO E EXECUÇÃO DA EMPREITADA DE REABILITAÇÃO DA PISTA DE ATLETISMO N.º 2 DO CENTRO DESPORTIVO NACIONAL DO JAMOR CRUZ QUEBRADA - OEIRAS PROGRAMA DE TRABALHOS 1 - OBJECTIVOS DA OBRA O presente programa

Leia mais

Tubos compósitos de fibra Watertec/Climatec» Made in Germany « PP-RCT/PP-RCT-GF/PP-RCT. BRBänninger. PP-RCT

Tubos compósitos de fibra Watertec/Climatec» Made in Germany « PP-RCT/PP-RCT-GF/PP-RCT. BRBänninger.  PP-RCT Tubos compósitos de fibra Watertec/Climatec» Made in Germany «PP-RCT/PP-RCT-GF/PP-RCT PP-RCT www.baenninger.de BRBänninger Máxima eficácia para as exigências mais elevadas A tecnologia do PP-RCT Os tubos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à realização do ensaio de pressão a efetuar nas condutas dos sistemas de abastecimento de água. O seu objetivo é permitir verificar a estanquidade e a estabilidade

Leia mais

1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. TERMINOLOGIA 4. INSTRUMENTOS E ACESSÓRIOS 5. EXECUÇÃO 6. ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO 7. ANEXO

1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. TERMINOLOGIA 4. INSTRUMENTOS E ACESSÓRIOS 5. EXECUÇÃO 6. ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO 7. ANEXO ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA CÁLCULO E LOCAÇÃO DE CURVA HORIZONTAL PELO PROCESSO DA DEFLEXÃO Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando

Leia mais

Plano de Monitorização Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Plano de Monitorização Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Actividade Tipo de Inspecção Como Inspeccionar Não Conforme 1. Recepção dos Materiais Constituintes: a) Micro esferas de Vidro; b) Cargas (Carbonatos de Cálcio) c) Pigmentos; d) Ligante; e) Aditivos. 2.

Leia mais

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Implementação de um SCP Marcação CE de Vigotas NP EN 15037-1 Helena Teixeira Sistemas de Gestão e Melhoria 1 CTCV 09/DEZ/2010 centro tecnológico

Leia mais

Fig. 1 - Monómero de Etileno. Fig. 2 - Macromolécula de PEAD

Fig. 1 - Monómero de Etileno. Fig. 2 - Macromolécula de PEAD 1. Polietileno de alta densidade, composição e caracterização 1.1 A matéria prima PEAD As tubagens FILÁGUA são compostas por polietileno de alta densidade. O polietileno de alta densidade (PEAD) é um polímero

Leia mais

INSPEÇÃO DE SOLDAGEM. Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores

INSPEÇÃO DE SOLDAGEM. Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores INSPEÇÃO DE SOLDAGEM Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores e Soldadores Definições Peça de Teste Chapa ou tubo de teste Chapa ou Tubo de Teste Peça soldada para a qualificação de procedimento

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 187

Norma Técnica SABESP NTS 187 Norma Técnica SABESP NTS 187 Tubos e conexões de PVC Exigências de desempenho complementares à NBR 5647-1, NBR 5648, NBR 5685, NBR 7362-1 e NBR 7665 Especificação São Paulo Abril - 2014 - revisão 1 NTS

Leia mais

Fig. 1 - Monómero de Etileno. Fig. 2 - Macromolécula de PEAD

Fig. 1 - Monómero de Etileno. Fig. 2 - Macromolécula de PEAD 1. Polietileno de alta densidade: composição e caracterização. 1.1 A matéria prima PEAD As tubagens FILGÁS são compostas por polietileno de alta densidade. O polietileno de alta densidade (PEAD) é um polímero

Leia mais

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga.

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. DISCIPLINA DE SANEAMENTO AULA 8 / SUMÁRIO AULA 8 ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. SANEAMENTO / FEVEREIRO

Leia mais

Pontos críticos na avaliação de um Laboratório Ambiental o ponto de vista de um avaliador de laboratórios

Pontos críticos na avaliação de um Laboratório Ambiental o ponto de vista de um avaliador de laboratórios Oficinas Analíticas 2015 Meio Ambiente Pontos críticos na avaliação de um Laboratório Ambiental o ponto de vista de um avaliador de laboratórios Maria Teresa Raya Rodriguez Este ensaio seria Reconhecido?

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

Membrana polimérica para impermeabilização de coberturas

Membrana polimérica para impermeabilização de coberturas Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 09.105 Versão nº 1 Sarnafil TG 66-20 Membrana polimérica para impermeabilização de coberturas Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Este documento de procedimentos de processo de fabrico é distribuído a todos os colaboradores com responsabilidades a nível de operação de mistura. Todos os trabalhadores envolvidos na operação de mistura

Leia mais

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC http://www.brc.org.uk/standards Luísa Pestana Bastos 1 Referencial Global para a Segurança Alimentar 2 OBJECTIVO Desenvolvido para ajudar as empresas a cumprir

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s 4. Lavagem/ desinfecção (PCC1) - Concentração (dosagem) do desinfectante desinfecção - Realização de uma boa pré-lavagem Conforme N- DSA-9 Em cada desinfecção, para todos os lavagem/ hortícolas e desinfecção

Leia mais

Reguladores Automotores Acessórios

Reguladores Automotores Acessórios Reguladores Automotores Acessórios Pote de condensação Instalação do parafuso Peça de expansão cónica Kit da linha de comando Linha de comando Aplicação Acessórios para Reguladores de Pressão Tipo 39-2,

Leia mais

Beira Tradição, Certificação de Produtos da Beira, Lda Gouveia, 24 de Janeiro de 2012 Luísa Barros, António Mantas

Beira Tradição, Certificação de Produtos da Beira, Lda Gouveia, 24 de Janeiro de 2012 Luísa Barros, António Mantas A Certificação de Produtos lácteos na Serra da Estrela Beira Tradição, Certificação de Produtos da Beira, Lda Gouveia, 24 de Janeiro de 2012 Luísa Barros, António Mantas A CERTIFICAÇÃO de um produto (ou

Leia mais

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR 0 v1.0-030510 Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR APRESENTAÇÃO A Estação Elevatória é uma estação completa de recolha e elevação para águas carregadas pronta a ser instalada. É composta por um reservatório

Leia mais

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS SANEAMENTO Aulas 11 e 12 - Sumário AULAS 11 e 12 ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO Tipos, função e localização. Exemplos CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS Disposições dos órgãos

Leia mais

MANÓMETROS DE TUBO DE BOURDON

MANÓMETROS DE TUBO DE BOURDON ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 671 2 de abril de 2013 Página 2 de 11 ÍNDICE Registo das revisões... 3 Preâmbulo... 4 1. Objetivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 3.1. Externas... 4 3.2. Internas... 5

Leia mais

Membrana em FPO totalmente ancorada ao betão, em formato L para utilização no sistema SikaProof A

Membrana em FPO totalmente ancorada ao betão, em formato L para utilização no sistema SikaProof A Ficha de Produto Edição de maio de 2015 Nº de identificação: 07.802 Versão nº 1, A-12 Edge Membrana em FPO totalmente ancorada ao betão, em formato L para utilização no sistema SikaProof A Construction

Leia mais

Diâmetro Mínimo da Tubagem Escolha a tubagem pelo caudal máximo que pode passar

Diâmetro Mínimo da Tubagem Escolha a tubagem pelo caudal máximo que pode passar Diâmetro Mínimo da Tubagem Escolha a tubagem pelo caudal máximo que pode passar PN 4 (PEBD) PN 6 PN 8 PN 10 l/seg (m3/h) l/seg (m3/h) l/seg (m3/h) l/seg (m3/h) ø 16mm 0,20 0,72 0,16 0,59 ø 25mm 0,51 1,83

Leia mais

Membrana polimérica para impermeabilização de coberturas

Membrana polimérica para impermeabilização de coberturas Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 09.101 Versão nº 1 Sarnafil G 410-12EL Felt Membrana polimérica para impermeabilização de coberturas Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

VASOS DE EXPANSÃO E ACESSÓRIOS. Código * * Certificado CE. Código. Código /4 13,

VASOS DE EXPANSÃO E ACESSÓRIOS. Código * * Certificado CE. Código. Código /4 13, VASOS DE EXPANSÃO E ACESSÓRIOS 5557 cat. 0079 Vaso de expansão para instalações sanitárias. Certificado CE. Membrana atóxica em butilo. Pressão máx.: 0 bar. Temperatura máx.: 99 C. 5558 cat. 0079 Vaso

Leia mais

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Marcação CE Estruturas Metálicas Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Objectivos Apresentação da EN ISO 9606-1:2013; Definição das variáveis essenciais na certificação dos

Leia mais

FÁBRICA DE TUBOS PLÁSTICO-METÁLICOS, S.A TEL: FAX: TRAVASSÔ ÁGUEDA PORTUGAL. - GSP Junho /59

FÁBRICA DE TUBOS PLÁSTICO-METÁLICOS, S.A TEL: FAX: TRAVASSÔ ÁGUEDA PORTUGAL. - GSP Junho /59 TUBO TUBE TUBO DOUBLE TUBO PERFIL - GSP Junho 2009 1/59 Apresentação da empresa Constituída em 1999 fabrica TUBOS EM MATERIAIS PLÁSTICOS em várias cores, medidas, tipos, desenhos e para todos os fins.

Leia mais

ACSS ACSS. do Sistema de Saúde, IP. Tubagem em instalações de águas de edifícios hospitalares ET 07/2009. Especificações Técnicas para

ACSS ACSS. do Sistema de Saúde, IP. Tubagem em instalações de águas de edifícios hospitalares ET 07/2009. Especificações Técnicas para Especificações Técnicas para Tubagem em instalações de águas de edifícios hospitalares ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ET 07/2009 Administração Central ACSS do Sistema de Saúde Ministério

Leia mais

# $ %&' ( ) # " # % " *! " $ % + (, " $ - & "! "! " $ %&. ' ( ) #! " $ %' & +!

# $ %&' ( ) #  # %  *!  $ % + (,  $ - & ! !  $ %&. ' ( ) #!  $ %' & +! / 0 1 0 2 5 4 4 0 3 4 4 ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G DATA 01.09.99 01.09.99 10.07.00 EXECUÇÃO J.S. J.S. J.S. VERIFICAÇÃO J.S. J.S. J.S. APROVAÇÃO 6 1.0 0BJETIVO O objetivo

Leia mais

Validação de Processos de Embalagem para Materiais Médico-Hospitalares. Maria Águida Cassola

Validação de Processos de Embalagem para Materiais Médico-Hospitalares. Maria Águida Cassola Validação de Processos de Embalagem para Materiais Médico-Hospitalares Maria Águida Cassola with compliments of BHT and Belimed ESTERILIZAÇÃO LIMPEZA Validação EMBALAGEM washing disinf. packaging sterilization

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO GERAL TUBAGEM FLOWTITE DE POLIÉSTER REFORÇADO COM FIBRA DE VIDRO (PRFV)

ESPECIFICAÇÃO GERAL TUBAGEM FLOWTITE DE POLIÉSTER REFORÇADO COM FIBRA DE VIDRO (PRFV) ESPECIFICAÇÃO GERAL TUBAGEM FLOWTITE DE POLIÉSTER REFORÇADO COM FIBRA DE VIDRO (PRFV) 1 CADERNO DE ENCARGOS DE ESPECIFICAÇÕES: TUBAGENS DE PRFV À PRESSÃO 1 OBJECTO E ÁREA DE APLICAÇÃO 2 2 NORMAS DE APLICAÇÃO

Leia mais

A «marcação CE» dos equipamentos sob pressão

A «marcação CE» dos equipamentos sob pressão Seminário A nova directiva dos Equipamentos Sob Pressão e a marcação CE Ordem dos Engenheiros Lisboa, 2015-11-11 A «marcação CE» dos equipamentos sob pressão Alberto Fonseca A ESTRUTURA LEGAL E NORMATIVA

Leia mais

DEFINIÇÃO DOS PREÇOS

DEFINIÇÃO DOS PREÇOS MOZ174 TERMO DE REFERÊNCIAS Relativos ao concurso de obras para a construção de redes de distribuição de água por conectar em unidades de dessalinização, na Província de Gaza PARTE D DEFINIÇÃO DOS PREÇOS

Leia mais

Purgador de condensados BK BK 212-ASME P T. Manual de Instruções Português

Purgador de condensados BK BK 212-ASME P T. Manual de Instruções Português Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T Português Manual de Instruções 810769-02 1 Índice Pág. Informações Importantes Utilização... 3 Instruções de segurança... 3 Perigo... 3 Atenção... 3 Aplicação

Leia mais

Perfuração Horizontal Dirigida (HDD Horizontal Directional Drilling )

Perfuração Horizontal Dirigida (HDD Horizontal Directional Drilling ) Perfuração Horizontal Dirigida (HDD Horizontal Directional Drilling ) 1. Introdução Desenvolvimento e utilização Originalmente utilizada nos anos 70, as travessias horizontais dirigidas são um casamento

Leia mais

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 442 11 de maio de 2012 Página 2 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Definições / Siglas... 4 5. Características de fabrico...

Leia mais

A Marcação CE de Estruturas Metálicas

A Marcação CE de Estruturas Metálicas A Marcação CE de Estruturas Metálicas Marcação CE de Produtos de Construção - EN 1090 Alberto Malafaya Cenfim-Trofa, 2014/05/06 Estruturas Metálicas ENQUADRAMENTO Directivas Nova Abordagem Normas Europeias

Leia mais

Implantação de controle de qualidade de soldas em trilho por centelhamento. Thiago Gomes Viana 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

Implantação de controle de qualidade de soldas em trilho por centelhamento. Thiago Gomes Viana 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Implantação de controle de qualidade de soldas em trilho por centelhamento Thiago Gomes Viana 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP 2 Sobre o autor Thiago Gomes Viana Engenheiro Metalurgista

Leia mais

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas:

VANTAGENS. Modularidade. Máxima Flexibilidade. Inspecção. Montagem. As vantagens deste novo sistema são numerosas: O sistema Giacoklima é um sistema inovador ideal para a climatização no Verão e Inverno, que alia o bem estar ao baixo consumo energético. O elemento chave deste sistema é a utilização da água, que permite

Leia mais