Documentos Técnicos Duração: 60 minutos. 1ª Parte - Análise da Qualificação de Soldadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documentos Técnicos Duração: 60 minutos. 1ª Parte - Análise da Qualificação de Soldadores"

Transcrição

1 Documentos Técnicos Duração: 60 minutos Introdução Na prova prática de documentos técnicos, o aluno deve verificar se a qualificação dos soldadores, designados a soldar uma determinada junta, atende às situações propostas e deve elaborar o controle de desempenho de soldadores/operadores de soldagem. O aluno deve selecionar dentre os documentos fornecidos aquele(s) que se aplica(m) à resolução das questões propostas. 1ª Parte - Análise da Qualificação de Soldadores Baseado na comparação entre as informações contidas na relação de soldadores e operadores de soldagem qualificados (Anexo B) e os dados da junta e do procedimento (Anexo A), deve-se analisar se dois soldadores em questão podem ou não realizar a soldagem. Deve-se verificar o soldador que está designado para soldar o passe de raiz e o que vai fazer o enchimento e acabamento. Os dados da junta que se repetirem no procedimento, não devem ser analisados novamente, pois os mesmos fazem parte dos parâmetros contidos no procedimento. Página 1

2 O aluno deve relatar na conclusão o sinete do soldador e a informação de que o mesmo pode ou não executar a soldagem. Em caso de reprovação deve-se informar na justificativa, o(s) parâmetro(s) em que a qualificação do soldador não atende. Deve-se também informar qual documento foi utilizado para resolver a questão. Página 2

3 Anexo A Baseado na relação de soldadores e operadores de soldagem qualificados, responder se os soldadores abaixo podem ou não realizar a soldagem. Em caso negativo justifique a resposta. Indique os documentos utilizados. Página 3

4 Anexo B Página 4

5 Importante verificar a última coluna da relação de soldadores e operadores de soldagem qualificados, pois pode apresentar uma observação referente à qualificação do soldador, a qual se deve analisar. No caso do soldador Carlos de Souza, sinete 41, a obs. 7 informa que a soldagem com F number 1, somente poderá ser executada por este soldador se houver cobre-junta. Como nos dados da junta foi informada a utilização de um F4 e o procedimento informa que tem cobre-junta, então não tem nenhuma não conformidade para o parâmetro cobrejunta. Alguns parâmetros inseridos no procedimento, não são informados na relação de soldadores e operadores de soldagem qualificados, portanto não há como comparar. Consideram-se então conformes ou não aplicáveis ao caso. Página 5

6 2ª Parte - Elaborar o Controle de Desempenho de Soldadores/Operadores : O aluno deve preencher o controle de desempenho dos soldadores de uma determinada semana, baseado nas informações da quantidade de soldas radiografadas que necessitam de reparos, encontradas no relatório de inspeção radiográfica. O controle de desempenho possui dados cumulativos e deve ser atualizado semanalmente. A quantidade de radiografias tiradas e reprovadas da semana atual, para cada soldador em questão, deve ser somada aos valores acumulados de radiografias tiradas e reprovadas até a semana anterior, para atualizar os dados acumulados. Página 6

7 A participação de um soldador específico na soldagem de juntas radiografadas em um determinado dia indica o número de radiografias tiradas. Deve-se verificar o laudo de cada radiografia tirada, para saber se está aprovada ou reprovada. Os valores a serem anotados no controle de desempenho de soldadores e operadores de soldagem são os resultados do total de radiografias tiradas e reprovadas na semana atual. Com estes valores atualizam-se os dados acumulados. Importante verificar a última coluna do relatório de inspeção radiográfica, pois pode apresentar uma observação referente ao soldador que inseriu um determinado defeito na solda tornando-a reprovada. Página 7

8 Página 8

9 Exemplo: Elaborar o controle de desempenho de soldadores na semana de 22/09/2004 a 28/09/2004. Página 9

10 Deve-se calcular para cada soldador, o percentual de radiografias reprovadas na semana em questão, o percentual de radiografias reprovadas do acumulado a ser atualizado e do anterior. Utiliza-se a regra de três simples para obter esta informação. Radiografias Tiradas 100% Radiografias Reprovadas x% x% = Rad. Reprovadas x 100% Rad. Tiradas Exemplos do cálculo de percentual de radiografias reprovadas: Soldador A1 semana de 22 a 28/09/2004 Radiografias Tiradas % Radiografias Reprovadas 9 x% 9 100% x% = x% = Soldador A1 Acumulado anterior Radiografias Tiradas % Radiografias Reprovadas 08 x% % x% = x% = 11,8 68 Soldador A1 Acumulado atualizado Radiografias Tiradas % Radiografias Reprovadas 17 x% % x% = x% = 19,3 88 Página 10

11 Conforme informado anteriormente deve-se verificar a quantidade de radiografias tiradas e reprovadas, para os soldadores determinados, durante a semana especificada e atualizar os resultados acumulados. Deve-se então analisar os relatórios de inspeção radiográfica, elaborados nas datas da semana especificada no controle de desempenho de soldadores e operadores de soldagem. O exemplo abaixo ensina a verificar a quantidade de radiografias tiradas e reprovadas apenas no dia 23/09/2004 para o soldador A1: Página 11

12 O soldador, identificado pelo sinete A1, participou da soldagem parcial e total de três juntas radiografadas no dia 23/09/2004. De acordo com o laudo de cada junta, as três estão reprovadas. O laudo da junta n.º 32A consta uma observação de que o defeito encontrado está no passe de raiz, logo a reprovação corresponde apenas ao soldador que executou a soldagem na raiz da junta. Caso não tenha nenhuma observação no laudo de uma determinada junta que esteja reprovada, esta reprovação corresponderá aos soldadores que participaram da soldagem da junta em questão. Você estudou neste texto que é preciso ter o cuidado ao selecionar o documento técnico correspondente à questão proposta durante a prova prática. Na prova prática você deverá verificar se os soldadores estão qualificados para proceder com a soldagem nas situações propostas e elaborar o controle de desempenho deles. Teste agora o seu nível de compreensão do texto respondendo às questões de revisão sobre Documentos Técnicos. Caso seja necessário releia o texto e/ou recorra aos tutores para resolver suas dúvidas. Página 12

13 Questões de Revisão 1) Como é realizada a Análise da Qualificação de Soldadores e o que esses dados informam? 2) A que se refere o Anexo A e B da 1º parte dos Documentos Técnicos? 3) Ao final da análise que cuidado deve ser tomado com relação ao relato da conclusão e dos casos de reprovação? 4) Qual procedimento deve ser adotado na 2º parte dos Documentos Técnicos e a que esses valores dizem respeito? 5) De que forma é obtido o percentual de radiografias reprovadas? Página 13

Ensaio Visual e Dimensional Duração: 180 minutos. 1ª PARTE Inspeção Visual e Dimensional de Juntas. Preparadas Para Soldagem

Ensaio Visual e Dimensional Duração: 180 minutos. 1ª PARTE Inspeção Visual e Dimensional de Juntas. Preparadas Para Soldagem Ensaio Visual e Dimensional Duração: 180 minutos Introdução Nesta prova prática, o aluno deve verificar as condições exigíveis para a realização de ensaio visual e dimensional de juntas preparadas para

Leia mais

INSPEÇÃO DE SOLDAGEM. Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores

INSPEÇÃO DE SOLDAGEM. Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores INSPEÇÃO DE SOLDAGEM Qualificação de Procedimentos de Soldagem e de Soldadores e Soldadores Definições Peça de Teste Chapa ou tubo de teste Chapa ou Tubo de Teste Peça soldada para a qualificação de procedimento

Leia mais

PETROBRAS N-2033 Inspeção de Fabricação Qualificação de Pessoal

PETROBRAS N-2033 Inspeção de Fabricação Qualificação de Pessoal 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos a Inspetor de Fabricação na Modalidade Caldeiraria e Tubulação CT - Nível 1, na realização dos exames de qualificação no SEQUI. 2.

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO 2016 Página: 1 de 7

PROVA DE SELEÇÃO 2016 Página: 1 de 7 Página: 1 de 7 1) Considerando as responsabilidades do Inspetor de Soldagem Nível 1, em relação à qualificação e certificação dos procedimentos de soldagem e às normas técnicas, identifique a única opção

Leia mais

3.2. PETROBRAS N-2033 Inspeção de Fabricação Qualificação de Pessoal.

3.2. PETROBRAS N-2033 Inspeção de Fabricação Qualificação de Pessoal. 1. OBJETIVO 1.1. Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos, a Inspetor de Fabricação, na modalidade Caldeiraria e Tubulação, na realização dos exames de qualificação no SEQUI. 2. APLICAÇÃO

Leia mais

Título: Exames de Conhecimentos Práticos - Instruções aos Candidatos

Título: Exames de Conhecimentos Práticos - Instruções aos Candidatos INSTRUÇÃO DE INTERFACE DO BUREAU DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO IIB - 004 Revisão: 8 Aprovação: Título: Exames de Conhecimentos Práticos - Instruções aos Candidatos Revisão Alteração nos Itens, Páginas

Leia mais

AS MAIS FREQUENTES NÃO CONFORMIDADES DETECTADAS NA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INSPETORES DE SOLDAGEM ETM-CORP/ST/SEQUI-ETCM/CEND

AS MAIS FREQUENTES NÃO CONFORMIDADES DETECTADAS NA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INSPETORES DE SOLDAGEM ETM-CORP/ST/SEQUI-ETCM/CEND AS MAIS FREQUENTES NÃO CONFORMIDADES DETECTADAS NA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INSPETORES DE SOLDAGEM ETM-CORP/ST/SEQUI-ETCM/CEND AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE IS O QUE É: A Avaliação de Desempenho consiste

Leia mais

PP-5EN ULTRASSOM - TOFD INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL - Rev.0 Anexo A

PP-5EN ULTRASSOM - TOFD INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL - Rev.0 Anexo A 1. OBJETIVO PP-5EN-00014 Este documento tem por objetivo, fornecer ao candidato as instruções necessárias para o exame teórico específico e prático no ensaio não destrutivo por ultrassom computadorizado

Leia mais

PP-5EN Rev.B ESTANQUEIDADE INSTRUÇÕES AO CANDIDATO EXAME PRÁTICO

PP-5EN Rev.B ESTANQUEIDADE INSTRUÇÕES AO CANDIDATO EXAME PRÁTICO 1. OBJETIVO Anexo A 1.1. Este procedimento tem como objetivo fornecer aos candidatos as instruções necessárias para a execução do exame prático no ensaio não destrutivo por meio de Estanqueidade, de acordo

Leia mais

Equipamentos e Técnicas de Pré, Pós-Aquecimento e Tratamento Térmico

Equipamentos e Técnicas de Pré, Pós-Aquecimento e Tratamento Térmico Equipamentos e Técnicas de Pré, Pós-Aquecimento e Tratamento Térmico Neste texto são apresentadas as técnicas e equipamentos utilizados nos processos de pré e pós-aquecimento e no tratamento térmico. São

Leia mais

Manual Mobuss Construção - Móvel

Manual Mobuss Construção - Móvel Manual Mobuss Construção - Móvel VISTORIA & ENTREGA - MÓVEL Versão 1.0 Data 22/04/2014 Mobuss Construção - Vistoria & Entrega Documento: v1.0 Blumenau SC 2 Histórico de Revisão Versão Data Descrição 1.0

Leia mais

Declarações Serviços Prestados

Declarações Serviços Prestados Declarações Serviços Prestados O que é isto? O que isto faz? Por meio desta página, um contribuinte classificado como prestador de serviços pode realizar a declaração dos serviços prestados. Nesta página,

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE BARREIRA (WAIST WATER COOLED BARRIER 685 DEEP PARALLEL INSTALLED CARRIAGE MTD. Nº Revisão 00 Data

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE BARREIRA (WAIST WATER COOLED BARRIER 685 DEEP PARALLEL INSTALLED CARRIAGE MTD. Nº Revisão 00 Data RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE BARREIRA (WAIST WATER COOLED BARRIER 685 DEEP PARALLEL INSTALLED CARRIAGE MTD Nº 2016-03 Revisão 00 Data 2016-8-15 Fabricante FÁBRICA MEDEIROS LTDA Endereço São José dos Campos

Leia mais

Ferramentas para o Controle e a Melhoria da Qualidade. Agradecimento ao Prof. M.Sc. Robson Miranda da Gama Pela apresentação original

Ferramentas para o Controle e a Melhoria da Qualidade. Agradecimento ao Prof. M.Sc. Robson Miranda da Gama Pela apresentação original Ferramentas para o Controle e a Melhoria da Qualidade Agradecimento ao Prof. M.Sc. Robson Miranda da Gama Pela apresentação original 1 Ferramentas da Qualidade Técnicas empregadas para investigar as causas

Leia mais

TUTORIAL DE COMO MANIPULAR A PLANILHA DE NOTAS DO R-IMA_online

TUTORIAL DE COMO MANIPULAR A PLANILHA DE NOTAS DO R-IMA_online TUTORIAL DE COMO MANIPULAR A PLANILHA DE NOTAS DO R-IMA_online INTRODUÇÃO... 2 1 IDENTIFICAÇÃO DO CONTEÚDO DA PÁGINA DA PLANILHA DAS NOTAS... 2 2 DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DO BC&T... 2 2.1 NOTAS DAS DISCIPLINAS

Leia mais

Declaração de Serviços Tomados

Declaração de Serviços Tomados Declaração de Serviços Tomados O que é isto? O que isto faz? Por meio desta página, qualquer contribuinte pode realizar a declaração dos serviços tomados para gerar as guias de Retenção. Nesta página,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DE PRODUÇÃO SERIADA

REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DE PRODUÇÃO SERIADA REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DE PRODUÇÃO SERIADA 1 OBJETIVO Estabelecer os requisitos técnicos que devem ser atendidos pelas Caldeiras e Vasos de Pressão de Produção

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES 1 de 9 DISTRIBUIDOR: Controle do Sistema de Gestão da Qualidade(CGQ) REV. DATA DESCRIÇÃO DA REVISÃO ELAB. VERIF. APR. 1ª 01/03/10 Edição Inicial OMV OMV MRP 2ª 20/04/14 IQS. Sistema Integrado da Qualidade

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 1 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 1 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS 1 de 11 1 OBJETIVO Este documento tem o objetivo de orientar o candidato para a execução dos exames de qualificação de Inspetor de Pintura Industrial Nível 1 do SNQC-CP. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Este documento

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 1 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 1 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS 1 de 11 1 OBJETIVO Este documento tem o objetivo de orientar o candidato para a execução dos exames de qualificação de Inspetor de Pintura Industrial Nível 1 do SNQC-CP. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Este documento

Leia mais

Solicitação do Cliente

Solicitação do Cliente Consultoria Solicitação do Cliente IDENTIFICAÇÃO Código do Provedor: 269 Nº Atendimento: 79581 Ambiente Ocorrência Aceite Cliente Externo Web Nova Implementação Impresso X Desk X Melhoria X Email Mobile

Leia mais

Terminologia de Soldagem Regiões e Geometria da Junta Soldada

Terminologia de Soldagem Regiões e Geometria da Junta Soldada Terminologia de Regiões e Geometria da Junta Soldada As regiões e a geometria da junta soldada possuem relação com a integridade estrutural da junta. Atribuir nomes às distintas regiões da junta equivale

Leia mais

Terminologia de Soldagem Equipamentos, Processos e Acessórios

Terminologia de Soldagem Equipamentos, Processos e Acessórios Terminologia Equipamentos, Processos e Acessórios Cada processo de soldagem demanda equipamentos e acessórios específicos. A grande variedade desses itens atualmente disponíveis no mercado oferece uma

Leia mais

PP-5EN rev.0 Procedimento Qualificação de Inspetor de Fabricação Modalidade Acessórios de Tubulação - AT- Nível 1 Instruções ao Candidato Geral

PP-5EN rev.0 Procedimento Qualificação de Inspetor de Fabricação Modalidade Acessórios de Tubulação - AT- Nível 1 Instruções ao Candidato Geral 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos a Inspetor de Fabricação, na Modalidade Acessórios de Tubulação AT - Nível 1, na realização dos exames de qualificação no SEQUI. 2.

Leia mais

PROCEDIMENTO QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE FABRICAÇÃO MODALIDADE - MECÂNICA - MC - NÍVEL 1- INSTRUÇÕES AO CANDIDATO -- GERAL.

PROCEDIMENTO QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE FABRICAÇÃO MODALIDADE - MECÂNICA - MC - NÍVEL 1- INSTRUÇÕES AO CANDIDATO -- GERAL. 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos a Inspetor de Fabricação, na modalidade Mecânica (IF- MC), Nível 1, na realização dos exames de qualificação no Sequi-ETCM. 2. APLICAÇÃO

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco operacional apresentada

Leia mais

Eletrodos Revestidos

Eletrodos Revestidos Eletrodos Revestidos O eletrodo revestido é um consumível composto formado por duas partes: uma metálica, chamada de alma, e outra na forma de massa, chamada de revestimento. Na soldagem de aços-carbono

Leia mais

E-QP-EIF-062 REV. D 31/Jan/2013 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO GERAL -

E-QP-EIF-062 REV. D 31/Jan/2013 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO GERAL - ETM-CORP ENGENHARIA, TECNOLOGIA E MATERIAIS CORPORATIVO PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO GERAL - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados

Leia mais

Elaborado por: 19/06/2006 Revisado por: 19/06/2006 Aprovado por: 19/06/2006

Elaborado por: 19/06/2006 Revisado por: 19/06/2006 Aprovado por: 19/06/2006 01/05 Elaborado por: 19/06/2006 isado por: 19/06/2006 provado por: 19/06/2006 Eduardo Teixeira de Souza Ruas SMT/MTZ Gilmar Wagner Carvalho SMT/MTZ irton Ferreira DMT/MTZ Objetivos: Estabelecer ações para

Leia mais

Procedimento. Qualificação de Empresa Instaladora - ABPE P011 JANEIRO 2016 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS E SISTEMAS

Procedimento. Qualificação de Empresa Instaladora - ABPE P011 JANEIRO 2016 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS E SISTEMAS JANEIRO 2016 Qualificação de Empresa Instaladora - Procedimento Origem abpe - Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas CN - Comissão de Normalização Polyethylene (PE) Pipes And Fittings

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Estruturas de Controle Parte I Prof. Ricardo J. G. B. Campello Créditos Parte dos slides a seguir foram adaptados dos originais de A. L. V. Forbellone e H. F. Eberspächer

Leia mais

Normas e Qualificação em Soldagem

Normas e Qualificação em Soldagem UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Soldagem I Normas e Qualificação em Soldagem (Adaptado e atualizado de texto escrito pelo prof. Michael D. Hayes)

Leia mais

RESUMO. Andrade, José L. M. 1. Secco, Arnaldo M. R. 2

RESUMO. Andrade, José L. M. 1. Secco, Arnaldo M. R. 2 EMENDAS COM SOLDA Cuidados e procedimentos básicos na confecção de emendas Andrade, José L. M. 1 Secco, Arnaldo M. R. 2 RESUMO A emenda de barras de aço destinadas a concreto armado apresenta grande uso

Leia mais

Morgana Pizzolato, Dr a. Aula 13 e 14 Planos de inspeção DPS1037 SISTEMAS DA QUALIDADE II ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CT/UFSM

Morgana Pizzolato, Dr a. Aula 13 e 14 Planos de inspeção DPS1037 SISTEMAS DA QUALIDADE II ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CT/UFSM Morgana Pizzolato, Dr a. Aula 13 e 14 Planos de inspeção DPS1037 SISTEMAS DA QUALIDADE II ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CT/UFSM TÓPICOS DESTA AULA Inspeção 100% Inspeção por amostragem 2 ATIVIDADE Cinco caixas

Leia mais

Boletim Técnico. Qualificação de Fornecedores. Desenvolvimento/Procedimento. Produto : RM Gestão de Estoques, Compras e Faturamento

Boletim Técnico. Qualificação de Fornecedores. Desenvolvimento/Procedimento. Produto : RM Gestão de Estoques, Compras e Faturamento Qualificação de Fornecedores Produto : RM Gestão de Estoques, Compras e Faturamento - 12.1.4 Processo : Módulo Qualificação de Fornecedores Subprocesso : N/A Data da publicação : 11/03/15 Com o objetivo

Leia mais

CÓDIGO: ETD DATA DE VIGÊNCIA: 20/12/2016 TÍTULO: Termo de Ocorrência e Inspeção SUMÁRIO

CÓDIGO: ETD DATA DE VIGÊNCIA: 20/12/2016 TÍTULO: Termo de Ocorrência e Inspeção SUMÁRIO SUMÁRIO Objetivo... 2 Características Gerais... 2 Material... 2 Gravações... 2 Vida Útil... 2 Homologação... 2 Inspeções e Ensaios... 3 Aceitação ou rejeição no recebimento... 3 Apresentação... 3 Blocos...

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO PORTAL CONTRACT

MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO PORTAL CONTRACT MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO PORTAL CONTRACT 1 BERNHOEFT AUDITORES GESTÃO DE RISCOS COM TERCEIROS MANUAL DO PORTAL: CONTRACT SÃO PAULO 2015 2 SUMÁRIO I. PORTAL: CONTRACT... 4 II. PÁGINA INICIAL... 5 CARREGAMENTO

Leia mais

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT DATA DA REALIZAÇÃO DA VD: / / Profissional Avaliado: N O SEQUI: Modalidade Nível: Data da certificação: Empregador: Supervisor Responsável: Empreendimento/Obra: Fabricante / Fornecedor: Empresa de Inspeção:

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 2 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 2 INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS 1 de 9 1 OBJETIVO Este documento tem o objetivo de orientar o candidato para a execução dos exames de qualificação de Inspetor de Pintura Industrial Nível 2 do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SOLDAS EM TUBOS E ACESSÓRIOS EM POLIETILENO PE 80 / PE 100 NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-005 ET-65-940-CPG-005 1 / 5 CONTROLE DE

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS TOTAL DE VAGAS PARA O ESTADO DE PERNAMBUCO: 1.221

INFORMAÇÕES GERAIS TOTAL DE VAGAS PARA O ESTADO DE PERNAMBUCO: 1.221 INFORMAÇÕES GERAIS TOTAL DE VAGAS PARA O ESTADO DE PERNAMBUCO: 1.221 LANÇAMENTO DO EDITAL: 07 de abril de 2008 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 07 a 25 de abril de 2008 PROVA NACIONAL: 25 de maio de 2008 GABARITO:

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco operacional apresentada

Leia mais

Introdução ao Excel 2007

Introdução ao Excel 2007 Status Habilitado Conteúdo Introdução ao Excel 2007 Iniciar Todos os Programas e Microsoft Excel. Quando você cria uma planilha nova, a tela do computador é dividida em linhas e colunas, formando uma grade.

Leia mais

SIRCP409 Versão: 1.1

SIRCP409 Versão: 1.1 Versão: 1.1 Lista de Figuras Figura 1 Tela Principal...4 2/8 Sumário Apresentação / Objetivo(s)...4 Gerando um Relatório...4 3/8 Apresentação / Objetivo(s) Apresentamos neste material o SIRCP409. Figura

Leia mais

E-QP-ETP-006 REV. C 1/Jul/2011

E-QP-ETP-006 REV. C 1/Jul/2011 E-QP-ETP-006 REV. C 1/Jul/2011 INSTRUÇÕES AO CANDIDATO DE TESTE POR PONTOS Procedimento Operacional ENGENHARIA Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando

Leia mais

PROCEDIMENTO IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO

PROCEDIMENTO IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO . NOME DA ATIVIDADE: RESULTADOS ESPERADOS: - VERIFICAR SE A EMPRESA ESTÁ ATENDENDO ÀS EXIGÊNCIAS LEGAIS. - MANTER O EMPREGADOR INFORMADO SOBRE AS EXIGÊNCIAS LEGAIS APLICÁVEIS AO SEU NEGÓCIO. - ORIENTAR

Leia mais

Instrução aos Competidores

Instrução aos Competidores 15º ENCONTRO REGIONAL DE TECNOLOGIA DE SOLDAGEM SENAI-SP OSASCO De 17 a 19 de Setembro de 2014 Prêmio Soldador Padrão 2014 SENAI-SP OSASCO Inscrições de 17/03 a 04/07/2014 Instrução aos Competidores INTRODUÇÃO

Leia mais

Exercícios. Custos da Qualidade

Exercícios. Custos da Qualidade Exercícios Custos da Qualidade Qual da categorias de custos que se reduz drasticamente à medida que as não-conformidades tendem a zero? Justifique sua reposta. Resposta: Custo de falhas (internas + externas),

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM NORMAS E QUALIFICAÇÃO EM SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM NORMAS E QUALIFICAÇÃO EM SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM NORMAS E QUALIFICAÇÃO EM SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 INTRODUÇÃO Códigos, leis, normas são regras de controle de atividades humanas A Revolução

Leia mais

Como lançar a Contribuição Assistencial descontando do empregado um determinado percentual?

Como lançar a Contribuição Assistencial descontando do empregado um determinado percentual? Como lançar a Contribuição Assistencial descontando do empregado um determinado percentual? Os dados a seguir foram elaborados para realizar a configuração de uma rubrica com desconto de Contribuição Assistencial

Leia mais

Parametrização do Banco de Dados PROGRESS Base de Dados Origem

Parametrização do Banco de Dados PROGRESS Base de Dados Origem A conversão dos dados do TMS 4.01 para o SIGAGFE Gestão de Frete Embarcador utiliza uma conexão de dados ODBC. Parametrização do Banco de Dados PROGRESS Base de Dados Origem 1. Configurar a base de dados

Leia mais

SAÚDE CONNECT 03.010 ALTERAÇÃO DE DADOS CADASTRAIS

SAÚDE CONNECT 03.010 ALTERAÇÃO DE DADOS CADASTRAIS SAÚDE CONNECT 03.010 ALTERAÇÃO DE DADOS CADASTRAIS ALTERAÇÃO DE DADOS CADASTRAIS - PRESTADOR... 3 1. CONSULTAR OU ALTERAR DADOS CADASTRAIS... 3 1.1. DADOS GERAIS... 3 1.2. ENDEREÇOS... 5 1.3. ESPECIALIDADES...

Leia mais

Esse manual visa fornecer orientações aos Coordenadores de Estágios dos Departamentos/Núcleos sobre como utilizar as funções do sistema de estágios

Esse manual visa fornecer orientações aos Coordenadores de Estágios dos Departamentos/Núcleos sobre como utilizar as funções do sistema de estágios Esse manual visa fornecer orientações aos Coordenadores de Estágios dos Departamentos/Núcleos sobre como utilizar as funções do sistema de estágios no SIGAA. Após entrar com usuário e senha no www.sigaa.ufs.br,

Leia mais

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação Submódulo 10.12 Operação das instalações da Rede de Operação Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Adequação ao artigo nº 20 da Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente

Leia mais

Curva ABC Itens Giro de Estoque e Nível de Preço

Curva ABC Itens Giro de Estoque e Nível de Preço Curva ABC Itens Giro de Estoque e Nível de Preço Tecinco Informática Ltda. Rua Minas Gerais, 1097 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Utilização no sistema TCar-Win... 3 Configuração

Leia mais

Guia de uso. TOTVS Saúde - Autorizador Web. Prestadores

Guia de uso. TOTVS Saúde - Autorizador Web. Prestadores Guia de uso TOTVS Saúde - Autorizador Web Prestadores O Novo Autorizador Web é um Portal de Autorização, através dele é possível realizar movimentação de registros de consultas médicas, SADT, consultas

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR Este Manual tem por finalidade orientar o preenchimento do Novo Portal de Serviços de Atendimento ao Prestador no atendimento aos beneficiários

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

ESCLARECIMENTO EMPRESA: ZIOBERBRASIL REFERÊNCIA: PREGÃO PRESENCIAL N 001/2016. Prezados Senhores,

ESCLARECIMENTO EMPRESA: ZIOBERBRASIL REFERÊNCIA: PREGÃO PRESENCIAL N 001/2016. Prezados Senhores, ESCLARECIMENTO EMPRESA: ZIOBERBRASIL REFERÊNCIA: PREGÃO PRESENCIAL N 001/2016 Prezados Senhores, A empresa ZIOBER BRASIL encaminhou a esta Comissão de Licitação sugestão para inclusão no Pregão Presencial

Leia mais

ANEXO 07 RELAÇÃO DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO CERÂMICA ELIZABETH DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO

ANEXO 07 RELAÇÃO DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO CERÂMICA ELIZABETH DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO Página 1 de 8 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE PESSOAL TÉCNICO Pela presente declaramos ter a disponibilidade do pessoal técnico abaixo relacionado, com o compromisso de utilizá-lo na execução do Contrato

Leia mais

Guia de uso TOTVS Saúde - Autorizador Web

Guia de uso TOTVS Saúde - Autorizador Web Guia de uso TOTVS Saúde - Autorizador Web O Novo Autorizador Web é um Portal de Autorização, através dele é possível realizar movimentação de registros de consultas médicas, SADT, consultas de produção

Leia mais

MANUAL RECURSO DE GLOSA

MANUAL RECURSO DE GLOSA MANUAL RECURSO DE GLOSA Este Manual tem por finalidade orientar o preenchimento do Recurso de Glosa no Portal de Serviços de Atendimento ao Prestador, bem como estabelecer normas de atuação que facilitem

Leia mais

PERFIL DIRETORIA E MUNICÍPIO

PERFIL DIRETORIA E MUNICÍPIO PERFIL DIRETORIA E MUNICÍPIO O perfil Diretoria/Município poderá realizar a manutenção (correção/alteração) dos seguintes campos: Denominação; Situação de Funcionamento; Regular/Vinculada; Endereço Principal;

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO PROGRESSÃO NA CARREIRA

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO PROGRESSÃO NA CARREIRA HEWLETT-PACKARD COMPANY INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO PROGRESSÃO NA CARREIRA IGeFE Cláudia Duarte (IGeFE) 15-05-2017 nn INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO PROGRESSÃO NA CARREIRA Entrar em www.igefe.mec.pt Aceder

Leia mais

Noções sobre Classificação AISI* para Aços Inoxidáveis

Noções sobre Classificação AISI* para Aços Inoxidáveis Noções Sobre Classificação AISI para Aços Inoxidáveis Noções sobre Classificação AISI* para Aços Inoxidáveis A classificação AISI (American Iron and Steel Institute) para aços inoxidáveis está contida

Leia mais

Adsim - Manual Sistema Pi Fácil. ADSIM - Sistemas Integrados de Mídia, Copyright Página 1 de 21

Adsim - Manual Sistema Pi Fácil. ADSIM - Sistemas Integrados de Mídia, Copyright Página 1 de 21 ADSIM - Sistemas Integrados de Mídia, Copyright 2010-2014 Página 1 de 21 Sumário 1. Apresentação... 3 1.1. Objetivo do Documento... 3 2. Detalhes explicativos de um pedido de inserção (PI) no sistema Pi

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS RESOLUÇÃO 02/2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS RESOLUÇÃO 02/2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS RESOLUÇÃO 02/2011 Dispõe sobre os requisitos necessários para a obtenção de inscrição dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais no

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE)

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Algoritmos e Estruturas de Dados 1 Prof. Eduardo 1 ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Já vimos entrada, processamento e saída, que compõem os algoritmos puramente

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 O que são vasos e caldeiras para fins de aplicação da NR 13? Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior

Leia mais

Orientações para preenchimento de propostas para FLD

Orientações para preenchimento de propostas para FLD Orientações para preenchimento de propostas para FLD O presente documento tem por objetivo orientar a/o requerente no preenchimento de uma proposta na nova área disponibilizada para este fim. Trataremos

Leia mais

Lógica e Linguagem de Programação Aula 03 - Estruturas de controle Estrutura Condicional - Exercícios Resolvidos Professor: Danilo Giacobo

Lógica e Linguagem de Programação Aula 03 - Estruturas de controle Estrutura Condicional - Exercícios Resolvidos Professor: Danilo Giacobo Lógica e Linguagem de Programação Aula 03 - Estruturas de controle Estrutura Condicional - Exercícios Resolvidos Professor: Danilo Giacobo Os problemas abaixo foram resolvidos usando a forma de pseudocódigo

Leia mais

ANEXO I ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DAS INFORMAÇÕES. Não inserir ou excluir colunas, tampouco alterar a ordem em que se apresentam.

ANEXO I ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DAS INFORMAÇÕES. Não inserir ou excluir colunas, tampouco alterar a ordem em que se apresentam. ANEXO I ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DAS INFORMAÇÕES ITEM 1 DO ARQUIVO O arquivo estará disponível no site da CGU pelo link http://www.cgu.gov.br/conexaocgu/terceirizados/planilha-terceirizados.xls.

Leia mais

ALONGAMENTO DE CHASSI

ALONGAMENTO DE CHASSI ALONGAMENTO DE CHASSI N IZ 10.32/01 Tipo INSTRUÇÃO 1. INTRODUÇÃO Nos caminhões, o quadro do chassi é o elemento fundamental tanto para o desempenho do trabalho ao qual ele se destina como, também para

Leia mais

MANUAL PARA CADASTRO DE FUNÇÕES DO CAIXA

MANUAL PARA CADASTRO DE FUNÇÕES DO CAIXA MANUAL PARA CADASTRO DE FUNÇÕES DO CAIXA Este manual tem o objetivo de orientar o procedimento de Funções do Caixa. Sempre que se fizer um destes procedimentos, os passos abaixo devem ser seguidos. AS

Leia mais

Os passos a seguir servirão de guia para utilização da funcionalidade Acordo Financeiro do TOTVS Gestão Financeira.

Os passos a seguir servirão de guia para utilização da funcionalidade Acordo Financeiro do TOTVS Gestão Financeira. Acordo Financeiro Produto : RM - Totvs Gestão Financeira 12.1.1 Processo : Acordo Financeiro Subprocesso : Template de Acordo Controle de Alçada Negociação Online Data da publicação : 29 / 10 / 2012 Os

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE JUNTAS SOLDADAS EM SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM PLANTAS QUÍMICAS E PETROQUÍMICAS. (CONTROLJUNT 3.0)

PROGRAMA DE CONTROLE DE JUNTAS SOLDADAS EM SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM PLANTAS QUÍMICAS E PETROQUÍMICAS. (CONTROLJUNT 3.0) PROGRAMA DE CONTROLE DE JUNTAS SOLDADAS EM SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM PLANTAS QUÍMICAS E PETROQUÍMICAS. (CONTROLJUNT 3.0) Autor: Valter Waselewske Resumo: Este trabalho define a necessidade de empresas

Leia mais

Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizados pelo SEQUI-ETCM/CEND.

Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizados pelo SEQUI-ETCM/CEND. 1 OBJETIVO Este documento tem por objetivo, fornecer ao candidato as instruções necessárias para o exame prático no ensaio não destrutivo por ultrassom computadorizado e mecanizado pela técnica ToFD no

Leia mais

EDITAL Nº 001/2016/FCNSV/DG

EDITAL Nº 001/2016/FCNSV/DG EDITAL Nº 001/2016/FCNSV/DG A Diretora Geral e a Vice-Diretora Geral da Faculdade Católica Nossa Senhora das Vitórias, no uso de suas atribuições e tendo como fundamento o Regimento Interno da Instituição,

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO Soldador (Código ASME Seção IX)

GUIA DO CANDIDATO Soldador (Código ASME Seção IX) GUIA DO CANDIDATO Soldador (Código ASME Seção IX) GC 07 Metalmecânica Rev: 03 Data: 26/11/2013 Pag: 1/10 2 Sumário Apresentação... 4 Processo de Certificação do Soldador (Código ASME Seção IX)... 5 Etapa

Leia mais

Portaria n.º 532, de 25 de outubro de CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Regulamento Técnico da Qualidade para Caldeiras e Vasos de Pressão

Portaria n.º 532, de 25 de outubro de CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Regulamento Técnico da Qualidade para Caldeiras e Vasos de Pressão Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 532, de 25 de outubro de 2012. CONSULTA

Leia mais

1. Definição de Carga Horária de Atividades Complementares

1. Definição de Carga Horária de Atividades Complementares Registro de Atividades Complementares Cadastro pelo aluno ANTES DE COMEÇAR... O registro de Atividades Complementares Cadastro pelo aluno consiste em que o próprio aluno faça o cadastro, pelo Q-Acadêmico

Leia mais

CENIBRA Logística Ltda. Manual de acesso ao portal do fornecedor.

CENIBRA Logística Ltda. Manual de acesso ao portal do fornecedor. CENIBRA Logística Ltda. Manual de acesso ao portal do fornecedor. Portal do fornecedor Seu objetivo é estreitar a relação entre a Cenibra Logística e seus fornecedores, visando agilidade e confiabilidade

Leia mais

COMUNICADO SPR N.º 007/94

COMUNICADO SPR N.º 007/94 COMUNICADO SPR N.º 007/94 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP, comunica que, a partir do dia 22.09.94,

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 035

Norma Técnica Interna SABESP NTS 035 Norma Técnica Interna SABESP NTS 035 Consumíveis de Soldagem Especificação São Paulo Dezembro - 1999 NTS 035 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 QUALIFICAÇÃO DE CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM...1

Leia mais

4ª Lista de Exercícios de Programação I

4ª Lista de Exercícios de Programação I 4ª Lista de Exercícios de Programação I Instrução As questões devem ser implementadas em C. 1. Faça um algoritmo que leia 10 valores inteiros armazenando-os em um vetor e depois calcule a soma dos valores

Leia mais

Processo de Controle

Processo de Controle Processo de Controle Visando o melhor funcionamento, prezando pela segurança e agilidade do sistema TCar, foi desenvolvido a tela PC001 - Processo Controle localizado no módulo PG Administrativo Controle

Leia mais

Odontologia Gestão de Plano de Saúde

Odontologia Gestão de Plano de Saúde Gestão de Plano de Saúde Sumário 1. Objetivo... 3 2. Introdução e Fluxo do Processo... 3 3. Preparando o Ambiente - Cadastros... 3 4. Cadastrando um Dente/Região... 4 5. Cadastrando uma Face... 6 4. Compreendendo

Leia mais

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA 1 Objetivo Este procedimento estabelece métodos para controle e calibração de equipamentos de inspeção, medição e ensaios. 2 Campo de Aplicação Aplica-se ao Laboratório de Radiometria Ambiental do Centro

Leia mais

Título: Como configurar e realizar o backup por dentro do sistema?

Título: Como configurar e realizar o backup por dentro do sistema? Título: Como configurar e realizar o backup por dentro do sistema? Através desta opção, você poderá configurar a execução da cópia de segurança do seu banco de dados. É importante que você realize o Backup

Leia mais

Para iniciar o processo de geração da RAIS, verificar as configurações abaixo:

Para iniciar o processo de geração da RAIS, verificar as configurações abaixo: Passo a Passo para interface da RAIS Para iniciar o processo de geração da RAIS, verificar as configurações abaixo: 1- Ir em opções, configurações, configurar ambiente, verificar se nos campos códigos

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Pagamentos. Cadastro de Verbas

RECURSOS HUMANOS. Pagamentos. Cadastro de Verbas RECURSOS HUMANOS Pagamentos Cadastro de Verbas Sumário Introdução... 4 1. Cadastro de Verbas.... 4 Identificação... 18 Acumulação (Configurações de acumulação)... 19 Lista de verbas... 20 São Paulo: 11

Leia mais

Algoritmos. Estrutura de decisão simples. if end. Grupos de Slides No 2. Prof. SIMÃO

Algoritmos. Estrutura de decisão simples. if end. Grupos de Slides No 2. Prof. SIMÃO Algoritmos Estrutura de decisão simples Se if Grupos de Slides No 2. Prof. SIMÃO Feito por Prof. Jean Marcelo SIMÃO e revisado por Prof. Luis Alberto LUCAS 1 Estrutura de Decisão ou Seleção Simples % se

Leia mais

Apoio para Participação Individual de Empresas em Feiras no Exterior

Apoio para Participação Individual de Empresas em Feiras no Exterior Unidade de Projetos Termo de Referência sobre Apoio para Participação Individual de Empresas em Feiras no Exterior REVISTO E ATUALIZADO Março de 2013 Elaborado por: Apex-Brasil Pág: 1 / 36 GESTOR DE PROJETOS

Leia mais

Solicitação de Autorização Intercâmbio

Solicitação de Autorização Intercâmbio Solicitação de Autorização Intercâmbio Passo a Passo - EQAT AGOSTO/2010 Por: Daniel Toledo 1 PARTE 1 PORTAL UNIMED... 4 1. ACESSO AO SITE... 4 2. SOLICITAÇÃO INTERCÂMBIO NACIONAL E ESTADUAL (EXCETO 0976

Leia mais

e-garantia Manual da Assistência Técnica

e-garantia Manual da Assistência Técnica Manual da Assistência Técnica Versão Ref.: V1.0 1. Índice 1. Índice 2. Introdução ao e-garantia 3. Glossário 4. Primeiro Acesso 4.1 Acesso ao Site 4.2 Troca de Senha 5. Inclusão do Orçamento 5.1 Incluir

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 298

Norma Técnica SABESP NTS 298 Norma Técnica SABESP NTS 298 Tubos de ferro fundido dúctil para sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário Especificação São Paulo Julho - 2013 NTS 298: 2013 Norma Técnica SABESP S U M Á

Leia mais

COMO EMITIR NOTA FISCAL DE SAÍDA

COMO EMITIR NOTA FISCAL DE SAÍDA AMBC Consultoria e Desenvolvimento de Sistemas Ltda. 1/13 Procedimentos Corporate Systems COMO EMITIR NOTA FISCAL DE SAÍDA Versão 1.0 19/05/2016 São Paulo AMBC Consultoria e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SOLDAS EM TUBOS E ACESSÓRIOS DE AÇO NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-004 ET-65-940-CPG-004 1 / 6 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Centro de Custos Sumário 1 CONCEITO... 3 2 REQUISITOS... 3 3 CONFIGURAÇÕES... 3 3.1 Permissões de Usuário... 3 3.2... 4 3.3 Empresas... 5 3.4 Motivos de Movimentação... 6

Leia mais