Ensino Secundário. Critérios de Avaliação. Outubro Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensino Secundário. Critérios de Avaliação. Outubro Colégio de Nossa Senhora do Rosário"

Transcrição

1 Ensino Secundário Critérios de Avaliação Outubro Colégio de Nossa Senhora do Rosário

2 Pág.1

3 Índice Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Desenho 3 Geometria Descritiva A 9 Oficina Multimédia 15 Aplicações Informáticas 18 Oficina de Artes 21 Departamento de Ciências Físico-Químicas Física e Química, Física, Química 28 Departamento de Ciências da Natureza Biologia, Biologia e Geologia 36 Departamento de Ciências Humanas e Socias Direito, Economia, Filosofia, Geografia, História, História da Cultura e das Artes, Psicologia, Sociologia 43 Departamento de Educação Física Educação Física 50 Departamento de Educação Moral e Religiosa Católica Educação Moral e Religiosa Católica 55 Departamento de Línguas Estrangeiras Inglês, Espanhol 60 Departamento de Língua Portuguesa Português 66 Departamento de Ciências Matemáticas Matemática A, Matemática B, Matemática Aplicada às Ciências Sociais 76 Pág.2

4 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias DESENHO A Pág.3

5 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Critérios de Avaliação Instrumentos de avaliação Desenhos, concretizações gráficas ou outros objectos produzidos no âmbito da disciplina; Trabalhos de casa; Trabalhos de recuperação e/ou remediação propostos; Trabalhos de investigação individual / grupo; Apresentação oral de trabalhos; Textos produzidos (sínteses críticas, relatórios, comentários, textos de reflexão); Exposições regulares ou pontuais; Roteiros de exploração; Diários gráficos / Cadernos de esquiços; Fichas de trabalho; Fichas de autoavaliação; Testes diagnósticos. Critérios de Classificação Ponderação da classificação Trabalhos realizados - 65% Trabalhos complementares das atividades letivas 20% Trabalhos de casa; Diário Gráfico /Caderno de esquiços; Recolha e seleção de informação; Trabalho de grupo / trabalhos de pesquisa; Fichas de trabalho; Textos produzidos (trabalhos, relatórios, comentários, textos de reflexão e respectiva apresentação oral; Sebenta com resumos de conteúdos programáticos definidos pelo professor; Pág.4

6 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Atitudes e valores 15% Assiduidade; Pontualidade; Comportamento adequado; Apresentação do material necessário; Participação oral e escrita; Respeito pelos outros; Interesse demonstrado; Capacidade de decidir e agir com autonomia; Capacidade de criar e executar projetos; Espírito de iniciativa, criatividade e sentido crítico; Interiorização e aplicação dos valores decorrentes do Compromisso Educativo do Colégio; Cumprimento das normas do Regulamento Interno; Critérios específicos de classificação A classificação a atribuir ao aluno resultará da articulação entre as competências, capacidades, atitudes e valores e será: 0 4 VALORES O aluno: Apresenta um estádio de desenvolvimento e percepção sem qualquer evolução até à data da classificação; Não possui os conceitos elementares da disciplina; Apresenta classificações muito reduzidas nos trabalhos desenvolvidos; Não cumpre os trabalhos de casa e respetivos prazos de entrega; Não utiliza corretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Não progride no domínio das técnicas e procedimentos; Não possui caderno de esquiços; Não apresenta o material necessário ao decurso de cada aula; Não participa; Apresenta dificuldades de organização e concentração; Apresenta fraca assiduidade e pontualidade; Demonstra irresponsabilidade e comportamento inadequados; Não demonstra sentido estético e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Pág.5

7 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Não utiliza corretamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Revela ausência de valores cívicos, morais e éticos VALORES O aluno: Não atinge os objetivos mínimos propostos, embora manifeste alguma evolução até à data da classificação; Revela dificuldade na aquisição de conhecimentos; Não demonstra capacidade de aplicar os conhecimentos a novas situações; Apresenta classificações não satisfatórias nos trabalhos realizados; Não cumpre os trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega; Usa incorretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Apresenta dificuldade na progressão do domínio das técnicas e procedimentos; Não apresenta o material necessário ao decurso de cada aula; Não possui caderno de esquiços; Mostra-se pouco interessado e pouco participativo; Não é assíduo e pontual; Revela uma atitude social e comportamento inconstantes; Manifesta dificuldade em assumir valores como a autonomia com esforço e empenho pessoal; Demonstra fraco sentido estético e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Revela dificuldade no uso da língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Revela dificuldade em assumir valores cívicos, morais e éticos VALORES Revela alguma evolução na apreensão dos conhecimentos, atingindo os objetivos mínimos propostos; Aplica com alguma Correção os conhecimentos adquiridos e, por vezes, a novas situações; Tem uma classificação de trabalhos satisfatória; Cumpre alguns trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega; Possui o material necessário ao decurso de cada aula; Apresenta progressão no domínio das técnicas e procedimentos; Pág.6

8 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Utiliza corretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Apresenta caderno de esquiços revelando alguma qualidade; Revela alguma persistência na resolução dos trabalhos propostos; Mostra algum interesse nos trabalhos de investigação; Participa com algum interesse nas aulas; Revela algum empenho e envolvimento pessoal; É assíduo e pontual, salvo algumas excepções; Demonstra uma atitude social e comportamento correctos; Manifesta dificuldade em assumir valores como a autonomia com esforço e empenho pessoal; Revela algum sentido estético e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Usa corretamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Manifesta alguns valores cívicos, morais e éticos VALORES Adquire e relaciona os conhecimentos com facilidade, atingindo os objetivos da disciplina com facilidade; Apresenta boa capacidade de aplicação dos conhecimentos adquiridos; Tem uma boa classificação nos trabalhos realizados; Cumpre os trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega; Possui o material necessário ao decurso de cada aula; Domina técnicas e procedimentos; Utiliza corretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Possui um caderno de esquiços revelando boa qualidade; Revela persistência na resolução dos trabalhos propostos; É cumpridor, interessado e participativo; Demonstra autonomia e iniciativa própria; Mostra algum interesse nos trabalhos de investigação; Apresenta sentido crítico, sendo criativo e original; Revela algum empenho e envolvimento pessoal; É assíduo e pontual; Demonstra uma atitude social e comportamento correctos; Revela sentido estético e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Usa corretamente da língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Manifesta valores cívicos, morais e éticos. Pág.7

9 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias VALORES Adquire e relaciona excelentemente os conhecimentos, atingindo plenamente os objetivos da disciplina; Adapta os conhecimentos adquiridos a novas situações com muita facilidade e eficiência; Obtém classificação muito boa nos trabalhos realizados; Cumpre os trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega; Apresenta pleno domínio das técnicas e procedimentos; Utiliza corretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Possui o material necessário ao decurso de cada aula; Tem caderno de esquiços revelando muita qualidade; Envolve-se nos trabalhos propostos; É muito cumpridor, interessado e participativo; Toma iniciativas individualmente ou em grupo e contribui para o êxito das aulas; Executa trabalhos de investigação; Apresenta sentido crítico, sendo muito criativo e original; Demonstra excelente organização e responsabilidade; É assíduo e pontual; Apresenta uma atitude social e comportamento correctos; Usa corretamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Revela sentido estético apurado e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Demonstra interiorização e aplicação dos valores cívicos, morais e éticos. Pág.8

10 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias GEOMETRIA DESCRITIVA A Pág.9

11 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Critérios de avaliação Competências específicas da disciplina O aluno deve ser capaz de: Desenvolver a percepção dos espaços, das formas visuais e das suas posições relativas; Desenvolver a visualização mental e representação gráfica, de formas reais ou imaginadas; Desenvolver a interpretação de representações descritivas de formas; Comunicar através de representações descritivas; Formular e resolver problemas; Desenvolver a criatividade; Desenvolver a auto exigência de rigor e o espírito crítico; Desenvolver a realização pessoal mediante o desenvolvimento de atitudes de autonomia, solidariedade e cooperação. Instrumentos de avaliação Testes de avaliação sob formato de desenho técnico rigoroso; Correção dos testes de avaliação; Trabalhos de casa resolução de exercícios propostos; Fichas de trabalho práticas; Fichas de autoavaliação; Cadernos diários e blocos com o registo e acompanhamento das matérias leccionadas; Resolução de exercícios de recuperação. Pág.10

12 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Critérios de classificação Ponderação da classificação A classificação a atribuir ao aluno resulta da seguinte ponderação: Testes de avaliação sob formato de desenho técnico rigoroso 70% Empenho 15% Material necessário ao decurso da aula e sua utilização adequada; Pontualidade; Assiduidade; Participação oral e escrita (espontânea e solicitada); Capacidade de decidir e agir com autonomia; Comportamento e respeito pelos outros; Interesse demonstrado e persistência em ultrapassar dificuldades; Espírito de iniciativa, criatividade, sentido crítico e responsabilidade; Interiorização e aplicação de valores coerentes com o Compromisso Educativo do Colégio; Cumprimento das normas do Regulamento Interno do Colégio. Trabalhos complementares às atividades letivas 15% Trabalhos de casa realizados; Cadernos diários e blocos de exercícios organizados e actualizados. Critérios específicos de classificação A classificação a atribuir ao aluno resultará da articulação entre as competências, capacidades, atitudes e valores e será: 0 4 VALORES O aluno: Apresenta um estádio de desenvolvimento e percepção sem qualquer evolução até à data da classificação Não possui os conceitos elementares da disciplina Apresenta classificações muito reduzidas nos trabalhos desenvolvidos Não cumpre os trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega Não utiliza corretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina Não progride no domínio das técnicas e procedimentos Pág.11

13 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Não possui caderno diário Não apresenta o material necessário ao decurso de cada aula Não participa Apresenta dificuldades de organização e concentração Apresenta fraca assiduidade e pontualidade Demonstra irresponsabilidade e comportamento inadequados Não utiliza corretamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio Revela ausência de valores cívicos, morais e éticos 5 9 VALORES O aluno: Não atinge os objetivos mínimos propostos, embora manifeste alguma evolução até à data da classificação Revela dificuldade na aquisição de conhecimentos Não demonstra capacidade de aplicar os conhecimentos a novas situações Apresenta classificações não satisfatórias nos trabalhos realizados Não cumpre os trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega Usa incorretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina Apresenta dificuldade na progressão do domínio das técnicas e procedimentos Não apresenta o material necessário ao decurso de cada aula Não possui caderno diário Mostra-se pouco interessado e pouco participativo Não é assíduo e pontual Revela uma atitude social e comportamento inconstantes Manifesta dificuldade em assumir valores como a autonomia com esforço e empenho pessoal Revela dificuldade no uso da língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio Revela dificuldade em assumir valores cívicos, morais e éticos Pág.12

14 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias VALORES O aluno: Revela alguma evolução na apreensão dos conhecimentos, atingindo os objetivos mínimos propostos Aplica com alguma Correção os conhecimentos adquiridos e, por vezes, a novas situações Tem uma classificação de trabalhos satisfatória Cumpre alguns trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega Possui o material necessário ao decurso de cada aula Apresenta progressão no domínio das técnicas e procedimentos Utiliza corretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina Apresenta caderno diário revelando alguma qualidade Revela alguma persistência na resolução dos trabalhos propostos Participa com algum interesse nas aulas Revela algum empenho e envolvimento pessoal É assíduo e pontual, salvo algumas excepções Demonstra uma atitude social e comportamento correctos Manifesta dificuldade em assumir valores como a autonomia com esforço e empenho pessoal Usa corretamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio Manifesta alguns valores cívicos, morais e éticos VALORES O aluno: Adquire e relaciona os conhecimentos com facilidade, atingindo os objetivos da disciplina com facilidade Apresenta boa capacidade de aplicação dos conhecimentos adquiridos Tem uma boa classificação nos trabalhos realizados Cumpre os trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega Possui o material necessário ao decurso de cada aula Domina técnicas e procedimentos Utiliza corretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina Possui um caderno diário revelando boa qualidade Revela persistência na resolução dos trabalhos propostos Pág.13

15 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias É cumpridor, interessado e participativo Demonstra autonomia e iniciativa própria Apresenta sentido crítico, sendo criativo e original Revela algum empenho e envolvimento pessoal É assíduo e pontual Demonstra uma atitude social e comportamento correctos Usa corretamente da língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio Manifesta valores cívicos, morais e éticos VALORES O aluno: Adquire e relaciona excelentemente os conhecimentos, atingindo plenamente os objetivos da disciplina Adapta os conhecimentos adquiridos a novas situações com muita facilidade e eficiência Obtém classificação muito boa nos trabalhos realizados Cumpre os trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega Apresenta pleno domínio das técnicas e procedimentos Utiliza corretamente os materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina Possui o material necessário ao decurso de cada aula Tem caderno diário revelando muita qualidade Envolve-se nos trabalhos propostos É muito cumpridor, interessado e participativo Toma iniciativas individualmente ou em grupo e contribui para o êxito das aulas Apresenta sentido crítico, sendo muito criativo e original Demonstra excelente organização e responsabilidade É assíduo e pontual Apresenta uma atitude social e comportamento correctos Usa corretamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio Demonstra interiorização e aplicação dos valores cívicos, morais e éticos Pág.14

16 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias OFICINA MULTIMÉDIA Pág.15

17 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Critérios de avaliação O empenhamento e persistência na realização das tarefas propostas; O espírito de iniciativa, a criatividade e o sentido crítico; A participação espontânea bem como a participação solicitada; A progressão gradual no domínio dos métodos de trabalho e de organização; O desenvolvimento gradual da autonomia no estudo; A capacidade de resolução estratégica dos problemas; A utilização correta da língua portuguesa em diferentes contextos de comunicação; O domínio progressivo das competências inerentes às tecnologias de informação e comunicação para a realização de trabalhos criativos, tendo como base os conhecimentos adquiridos nas diferentes disciplinas de Artes; A capacidade de colaboração e de partilha de informação e conhecimentos; A capacidade de auto e heteroavaliação; O cumprimento de normas decorrentes do Regulamento Interno; A interiorização dos valores religiosos, espirituais, estéticos, morais e cívicos decorrentes do Compromisso Educativo do Colégio de Nossa Senhora do Rosário. Critérios de classificação Ponderação da classificação Atitudes/valores - 15% Fichas de trabalho 10% Trabalhos individuais ou trabalhos de grupo 75% Aluno com classificação compreendida entre 0 e 4 valores: 1. Revela desinteresse pela disciplina/aula; 2. Não participa na dinâmica da aula; 3. Não colabora nas atividades propostas; 4. Perturba o normal funcionamento da sala de aula; 5. Não colabora em trabalhos de grupo; Pág.16

18 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias 6. Durante o período de aprendizagem não apresenta evolução; 7. Revela dificuldades psicomotoras no manuseamento do equipamento e programas; 8. Não revela atitudes que o identificam com o Compromisso Educativo do Colégio; 9. Não utiliza as tecnologias da informação para a realização de trabalhos criativos, tendo como base os conhecimentos adquiridos nas diferentes disciplinas de Artes. Aluno com classificação compreendida entre 5 e 9 valores: Revela alguma evolução, embora com alguma insegurança, nos pontos contemplados de 1 a 9. Aluno com classificação compreendida entre 10 e 13 valores: Revela uma evolução mais consistente nos pontos contemplados de 1 a 9, e: 10. Manifesta, ainda, pouca segurança no manuseamento das tecnologias da informação. Aluno com classificação compreendida entre 14 e 17 valores: Contempla os pontos de 1 a 10 com Correção e: 11. Desenvolve interesse pelas tecnologias de informação e capacidades para as acompanhar com autonomia e cooperação; 12. Adquire um saber criativo, um saber fazer e capacidade de pensar por si próprio; 13. Reconhece a interdisciplinaridade com outros ramos do saber. Aluno com classificação compreendida entre 18 e 20 valores: Satisfaz plenamente os 13 pontos anteriormente mencionados e: 14. Revela grande criatividade e empenho; 15. Manifesta capacidade de resolução de problemas e de comunicação, assim como rigor e espírito crítico; 16. Colabora nas atividades propostas que envolvem toda a Comunidade Educativa. Pág.17

19 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B Pág.18

20 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Critérios de avaliação O empenhamento e persistência na realização das tarefas propostas; O espírito de iniciativa, a criatividade e o sentido crítico; A participação espontânea bem como a participação solicitada; A progressão gradual no domínio dos métodos de trabalho e de organização; O desenvolvimento gradual da autonomia no estudo; A capacidade de resolução estratégica dos problemas; A utilização correta da língua portuguesa em diferentes contextos de comunicação; O domínio progressivo das competências inerentes às tecnologias de informação e comunicação para a realização de trabalhos criativos, tendo como base os conhecimentos adquiridos nas diferentes disciplinas de Artes; A capacidade de colaboração e de partilha de informação e conhecimentos; A capacidade de auto e heteroavaliação; O cumprimento de normas decorrentes do Regulamento Interno; A interiorização dos valores religiosos, espirituais, estéticos, morais e cívicos decorrentes do Compromisso Educativo do Colégio de Nossa Senhora do Rosário. Critérios de classificação Ponderação da classificação Atitudes/valores - 15% Fichas de trabalho 10% Trabalhos individuais ou trabalhos de grupo 75% Aluno com classificação compreendida entre 0 e 4 valores: 1. Revela desinteresse pela disciplina/aula; 2. Não participa na dinâmica da aula; 3. Não colabora nas atividades propostas; Pág.19

21 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias 4. Perturba o normal funcionamento da sala de aula; 5. Não colabora em trabalhos de grupo; 6. Durante o período de aprendizagem não apresenta evolução; 7. Revela dificuldades psicomotoras no manuseamento do equipamento e programas; 8. Não revela atitudes que o identificam com o Compromisso Educativo do colégio; 9. Não utiliza as tecnologias da informação para a realização de trabalhos criativos, tendo como base os conhecimentos adquiridos nas diferentes disciplinas de Artes. Aluno com classificação compreendida entre 5 e 9 valores: Revela alguma evolução, embora com alguma insegurança, nos pontos contemplados de 1 a 9. Aluno com classificação compreendida entre 10 e 13 valores: Revela uma evolução mais consistente nos pontos contemplados de 1 a 9, e: 10. Manifesta, ainda, pouca segurança no manuseamento das tecnologias da informação. Aluno com classificação compreendida entre 14 e 17 valores: Contempla os pontos de 1 a 10 com Correção e: 11. Desenvolve interesse pelas tecnologias de informação e capacidades para as acompanhar com autonomia e cooperação; 12. Adquire um saber criativo, um saber fazer e capacidade de pensar por si próprio; 13. Reconhece a interdisciplinaridade com outros ramos do saber. Aluno com classificação compreendida entre 18 e 20 valores: Satisfaz plenamente os 13 pontos anteriormente mencionados e: 14. Revela grande criatividade e empenho; 15. Manifesta capacidade de resolução de problemas e de comunicação, assim como rigor e espírito crítico; 16. Colabora nas atividades propostas que envolvem toda a Comunidade Educativa. Pág.20

22 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias OFICINA DE ARTES Pág.21

23 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Critérios de avaliação Competências específicas da disciplina O aluno deve ser capaz de: Identificar elementos estruturais da linguagem plástica, bem como os efeitos expressivos que deles resultem; Demonstrar e desenvolver competências nos domínios da representação bidimensional e/ou tridimensional; Aplicar e explorar técnicas de representação expressiva e/ou rigorosa do espaço e das formas que o habitam; Demonstrar e compreender a funcionalidade comunicativa de certos tipos de iconicidade; Demonstrar, conhecer e entender as fases metodológicas de um projeto; Desenvolver e aplicar conhecimentos e competências já adquiridos em áreas afins, relacionando-os e adequando-os aos diversos modos de projectar; Desenvolver capacidades de trabalho em equipa, necessárias à consecução de projetos; Adquirir competências que lhe permitam prosseguir autonomamente o enriquecimento dos seus conhecimentos e competências no domínio da comunicação visual; Exprimir-se e comunicar correta e fundamentadamente utilizando suportes escritos, computacionais, gráficos ou linguagem oral e visual; Gerir e desenvolver projetos de pequena dimensão (projetos individuais) ou de média dimensão (projetos em grupo); Pág.22

24 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Critérios de classificação Ponderação da classificação Trabalhos realizados 70% Domínio das técnicas e dos procedimentos Utilização correta de utensílios e ferramentas Compreensão de formas e cor Criatividade Sentido estético Trabalhos complementares das atividades letivas 15% Recolha e seleção de informação Trabalho de grupo / trabalhos de pesquisa Trabalhos de casa Diário visual da disciplina Empenho 15% Comportamento Assiduidade Pontualidade Apresentação do material necessário Participação oral e escrita Respeito pelos outros Interesse demonstrado Capacidade de decidir e agir com autonomia Capacidade de criar e executar projetos Pág.23

25 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Critérios específicos de classificação 0 4 VALORES Estádio de desenvolvimento e percepção sem qualquer evolução até à data da classificação; Não possui os conceitos elementares da disciplina; Classificações muitos reduzidas nos trabalhos desenvolvidos; Incumprimento dos trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega; Uso incorreto dos materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Ausência de progressão no domínio das técnicas e procedimentos; Inexistência de diário visual da disciplina; Falta do material necessário ao decurso de cada aula; Participação nula; Dificuldade de organização e concentração; Fraca assiduidade e pontualidade; Irresponsabilidade e comportamento inadequados; Ausência de sentido estético e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Uso incorreto da língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Ausência de valores cívicos, morais e éticos. 5 9 VALORES Não atinge os objetivos mínimos propostos, embora manifeste alguma evolução até à data da classificação Revela dificuldade na aquisição de conhecimentos; Incapacidade de aplicar os conhecimentos a novas situações; Classificações não satisfatórias nos trabalhos realizados; Incumprimento dos trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega; Uso incorreto dos materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Dificuldade na progressão do domínio das técnicas e procedimentos; Ausência do material necessário ao decurso de cada aula; Inexistência de um diário visual da disciplina; Minimamente interessado mas pouco participativo; Fraca assiduidade e pontualidade; Atitude social e comportamento inconstantes; Pág.24

26 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Manifesta dificuldade em assumir valores como autonomia com esforço e empenho pessoal; Fraco sentido estético e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Revela dificuldade no uso da língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Revela dificuldade em assumir valores cívicos, morais e éticos VALORES Revela alguma evolução na apreensão dos conhecimentos, atingindo os objetivos mínimos propostos; Aplica com alguma Correção os conhecimentos adquiridos e, por vezes, a novas situações; Classificação dos trabalhos satisfatória; Cumprimento de alguns dos trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega; Possui o material necessário ao decurso de cada aula; Progressão no domínio das técnicas e procedimentos; Utilização correta dos materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Diário visual da disciplina revelando alguma qualidade; Revela alguma persistência na resolução dos trabalhos propostos; Mostra algum interesse nos trabalhos de investigação; Participa com algum interesse nas aulas; Revela algum empenho e envolvimento pessoal; Assíduo e pontual, salvo algumas excepções; Atitude social e comportamento correctos; Manifesta dificuldade em assumir valores como autonomia com esforço e empenho pessoal; Revela algum sentido estético e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Uso correto da língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Manifesta alguns valores cívicos, morais e éticos VALORES Adquire e relaciona os conhecimentos com facilidade, atingindo os objetivos da disciplina com facilidade; Boa capacidade de aplicação dos conhecimentos adquiridos; Pág.25

27 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Boa classificação dos trabalhos realizados; Cumprimento dos trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega; Possui o material necessário ao decurso de cada aula; Domínio das técnicas e procedimentos; Utilização correta dos materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Diário visual da disciplina revelando boa qualidade; Revela persistência na resolução dos trabalhos propostos; Cumpridor, interessado e participativo; Demonstra autonomia e iniciativa própria; Mostra algum interesse nos trabalhos de investigação; Apresenta sentido crítico, sendo criativo e original; Revela algum empenho e envolvimento pessoal; Assíduo e pontual; Atitude social e comportamento correctos; Revela sentido estético e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Uso correto da língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Manifesta valores cívicos, morais e éticos VALORES Adquire e relaciona excelentemente os conhecimentos, atingindo plenamente os objetivos da disciplina; Adapta os conhecimentos adquiridos a novas situações com muita facilidade e eficiência; Classificação muito boa nos trabalhos realizados; Cumprimento dos trabalhos de casa e respectivos prazos de entrega; Pleno domínio das técnicas e procedimentos; Utilização correta dos materiais próprios ao desenvolvimento da disciplina; Possui o material necessário ao decurso de cada aula; Diário visual da disciplina revelando muita qualidade; Envolve-se nos trabalhos propostos; Muito cumpridor, interessado e participativo; Toma iniciativas individualmente ou em grupo e contribui para o êxito das aulas; Executa trabalhos de investigação; Apresenta sentido crítico, sendo muito criativo e original; Demonstra excelente organização e responsabilidade; Assíduo e pontual; Pág.26

28 Departamento de Artes Visuais e Tecnologias Atitude social e comportamento correctos; Uso correto da língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; Revela muito sentido estético e cultura artística como espaço de desenvolvimento pessoal; Interiorização e aplicação dos valores cívicos, morais e éticos. Pág.27

29 Departamento de Ciências Físico-Químicas FÍSICA E QUÍMICA A FÍSICA QUÍMICA Pág.28

30 Departamento de Ciências Físico-Químicas Critérios de avaliação A avaliação nas disciplinas de Física e Química A e de Física ou Química (12.ºano) incide sobre os objetivos gerais e específicos que definem os respectivos programas. É necessário, portanto, explicitar quais são os objetivos gerais de aprendizagem neste grupo disciplinar para depois, associando-os ao programa das disciplinas, apresentar as modalidades e instrumentos de avaliação com eles relacionados. As disciplinas de Física e Química A, e Física permitirão aos alunos alcançar saberes, competências, atitudes e valores que, em termos gerais e de acordo com o programa, a seguir se apresentam. 1. Caracterizar o objecto de estudo da Física e da Química enquanto Ciências. 2. Compreender conceitos (físicos e químicos) e a sua interligação, leis e teorias. 3. Compreender a importância de ideias centrais (leis da conservação, organização da tabela periódica, etc.). 4. Compreender o modo como alguns conceitos físicos e químicos se desenvolveram, bem como algumas características particulares do trabalho científico que permitiram esse desenvolvimento. 5. Compreender alguns fenómenos naturais com base em conhecimentos de Física e/ou Química. 6. Conhecer marcos importantes na História da Física e Química. 7. Reconhecer o impacto do conhecimento físico e químico na sociedade. 8. Diferenciar a explicação científica da não científica. 9. Reconhecer áreas de intervenção destas disciplinas em contextos diferenciados (pessoais, sociais, políticos, ambientais ). 10. Interpretar a diversidade de materiais existentes e a fabricar. 11. Desenvolver competências sobre processos e métodos da Ciência, incluindo a aquisição de competências práticas/laboratoriais/experimentais. Numa perspectiva transversal de educação para a cidadania há ainda que referir as seguintes aprendizagens: 12. Compreender a ligação e contributo das diferentes disciplinas na construção do conhecimento científico. 13. Desenvolver a capacidade para seleccionar, analisar e avaliar de modo crítico, informações em situações concretas. Pág.29

31 Departamento de Ciências Físico-Químicas 14. Desenvolver capacidades de trabalho em grupo: confrontação de ideias, argumentação e contra-argumentação na resolução de tarefas com vista à apresentação de um produto final. 15. Desenvolver capacidades de comunicação de ideias oralmente e por escrito. 16. Apresentar posições críticas fundamentadas quanto à defesa e melhoria da qualidade de vida e do ambiente. 17. Desenvolver o gosto pela aprendizagem permanente. Competências Competências a adquirir através da preparação, realização e avaliação de atividades laboratoriais. A Competências do tipo processual /conceptual Recolher, registar e organizar os dados resultantes de observações (quantitativas e qualitativas) Elaborar e interpretar representações gráficas/tabelas. Interpretar e apreciar criticamente os resultados Resolver os problemas Planear de experiências Seleccionar e identificar o material de laboratório adequado Manipular corretamente o material e equipamento Executar corretamente a técnica Actuar de acordo com as regras de segurança Trabalhar de forma organizada Compreender a Ciência, a Tecnologia e a Sociedade no âmbito da Física e Química. B - Competências de Comunicação Interpretar informação de fontes diversas Seleccionar a informação e retirar os dados importantes Utilizar de modo correto a língua portuguesa, ao nível da compreensão e da expressão oral e escrita Utilizar formatos diversos para aceder e apresentar informação, nomeadamente as TIC. Discutir limites de validade dos resultados obtidos Pág.30

32 Departamento de Ciências Físico-Químicas Elaborar um relatório ou outra forma de comunicação/síntese do trabalho efectuado Redigir textos revelando capacidade de organização lógico-temática Demonstrar capacidade de síntese e utiliza terminologia científica adequada Expor dúvidas e ideias C Competências do tipo Atitudinal Desenvolver o respeito pelo cumprimento das normas de segurança: gerais, de proteção pessoal e do ambiente. Assumir responsabilidade nas suas posições e atitudes. Rentabilizar o trabalho de equipa. Reflectir sobre pontos de vista diferentes dos seus. Agir com autonomia e sentido crítico. Revelar organização e método. Participar com interesse nas atividades propostas. Cooperar com os colegas em tarefas e projetos comuns Revelar pontualidade/assiduidade Técnicas e instrumentos de avaliação Nas disciplinas de Física e Química A, Química e Física os instrumentos e técnicas utilizados na avaliação dependerão do tipo de aprendizagem em curso mas deverão acompanhar de perto o decorrer das tarefas. Exemplos: - Problemas na sala de aula a serem resolvidos pelos alunos (APSA). - Correção de trabalhos de casa. - Fichas individuais ou de grupo a serem corrigidas na aula ou em casa pelo professor. - Perguntas acompanhando as atividades laboratoriais. - Registos no caderno dos resultados dos trabalhos laboratoriais. - Relatórios dos trabalhos experimentais. - Trabalhos de pesquisa individual/grupo - Fichas de preparação, anteriores aos testes que se destinam a avaliação formal, que deverão ser corrigidas em tempo útil ao esclarecimento de dúvidas. - Apresentação oral/escrita de resultados ou de trabalhos de pesquisa. - Grelhas de observação e registos. - Listas de verificação - Testes escritos Pág.31

33 Departamento de Ciências Físico-Químicas Quadro síntese de ponderação Na disciplina de Física e Química A Ponderação Geral Competências Instrumentos e ponderação específica Saberes específicos Testes escritos 65% = 55% ( teórico/prático) + 10% (relativo a atividades experimentais) 85% Competências do tipo processual conceptual Competências de comunicação Práticas e/ou experimentais (20%) (desempenho na sala de aula, no laboratório e no pós aula): Trabalho de pesquisa; Trabalho laboratorial; Atividades de resolução de problemas (APSA) Relatórios 15% Competências do tipo atitudinal Registo de observações (15%) (desempenho na sala de aula e no laboratório) Observação direta Lista de verificação Pág.32

34 Departamento de Ciências Físico-Químicas Quadro síntese de ponderação Nas disciplinas de Física e de Química Ponderação Geral Competências Instrumentos e ponderação específica Saberes específicos Testes escritos 50% = 40% ( teórico/prático) + 10% (relativo a atividades experimentais) 80% Competências do tipo processual conceptual Competências de comunicação Práticas e/ou experimentais (30%) (desempenho na sala de aula, no laboratório e no pós aula): Trabalho de pesquisa; Trabalho laboratorial; Atividades de resolução de problemas (APSA) Relatórios 20% Competências do tipo atitudinal Registo de observações (20%) (desempenho na sala de aula e no laboratório) Observação direta Lista de verificação Critérios de classificação Níveis entre 0 e 4 (mau) O aluno: não revela sinais de evolução no processo de ensino-aprendizagem. é incapaz de enunciar corretamente leis e princípios físicos e químicos; mostra-se incapaz de enquadrar os conteúdos considerados essenciais num determinado contexto científico; revela muitas dificuldades na leitura e interpretação de textos/tabelas/gráficos e na comunicação cientificamente correta; Pág.33

35 Departamento de Ciências Físico-Químicas não respeita normas de segurança: gerais, de proteção pessoal e do ambiente; não colabora nos trabalhos de grupo nos espaços sala de aula/laboratório; não identifica material e equipamento de laboratório; não participa na dinâmica das atividades letivas, mesmo quando solicitado para o efeito; não revela interesse pelas atividades propostas; não revela qualquer atitude que o identifique com os valores do Compromisso Educativo do Colégio; em média, obtém nos testes e outros instrumentos de avaliação, classificações correspondentes ao nível proposto. Níveis entre 5 e 9 (suficiente) O aluno: não demonstra evolução significativa no processo de ensino-aprendizagem, não atingindo as competências mínimas propostas; revela dificuldades em enunciar corretamente leis e princípios físicos e químicos; revela alguns conhecimentos mas mostra-se incapaz de enquadrar os conteúdos considerados essenciais em novas situações; por vezes colabora nos trabalhos de grupo nos espaços sala de aula ou no laboratório; revela dificuldades na leitura e interpretação de textos/tabelas/gráficos e na comunicação cientificamente correcta; raramente respeita normas de segurança: gerais, de proteção pessoal e do ambiente; identifica algum material e equipamento de laboratório; frequentemente não participa na dinâmica das atividades letivas, mesmo quando solicitado para o efeito; frequentemente não revela interesse pelas atividades propostas; frequentemente demonstra pouco ou nenhum interesse pelos valores do Compromisso Educativo do Colégio; em média, obtém nos testes e outros instrumentos de avaliação, classificações correspondentes ao nível proposto. Níveis entre 10 e 13 (suficiente) O aluno: demonstra uma ligeira evolução no processo de ensino-aprendizagem, atingindo as competências mínimas propostas; Pág.34

36 Departamento de Ciências Físico-Químicas enuncia leis e princípios físicos e químicos; é capaz de estabelecer relação concreta entre a teoria e a prática; revela dificuldades na leitura e interpretação de textos/tabelas/gráficos e na comunicação cientificamente correcta; tem dificuldades em produzir, em função de contextos, diferentes tipos de escritos (esquemas, tabelas, gráfico, registos das experiências, ) como processo de autoaprendizagem e de organização de pensamento; respeita de forma satisfatórias normas de segurança: gerais, de proteção pessoal e do ambiente; revela certa capacidade de experimentação e de análise crítica; colabora nos trabalhos de grupo nos espaços sala de aula/laboratório; identifica grande parte do material e equipamento de laboratório assim como a sua utilização; participa nas aulas, mas não de forma sistemática e empenhada; revela algum interesse pelas atividades propostas; cumpre de forma satisfatória as regras de trabalho nos espaços sala de aula/laboratório; respeita, de forma satisfatória, os valores decorrentes do Compromisso Educativo do Colégio; em média, obtém nos testes e outros instrumentos de avaliação, classificações correspondentes ao nível proposto. Níveis entre 14 e 17 (bom) O aluno: atinge a maior parte das competências propostas; aplica com alguma facilidade as leis e princípios físicos e químicos relacionando-os com o quotidiano; identifica e utiliza com rigor, vocabulário específico, no contexto do discurso próprio da área disciplinar em questão; tem facilidade em produzir diferentes tipos de escritos, em função dos contextos, (esquemas, tabelas, gráfico, registos das experiências, ) como processo de autoaprendizagem e de organização de pensamento; respeita as normas de segurança: gerais, de proteção pessoal e do ambiente; não apresenta especiais dificuldades em seleccionar conhecimentos e em tirar conclusões adequadas aos temas científicos em estudo; identifica o material e equipamento de laboratório assim como a sua utilização; reconhece a interdisciplinaridade da Física e da Química entre si e delas com os outros ramos a saber; Pág.35

37 Departamento de Ciências Físico-Químicas participa nas aulas, de forma sistemática e empenhada; colabora em trabalho de grupo, organizando as suas tarefas e ajudando os colegas; cumpre as regras de trabalho nos espaços sala de aula/laboratório; participa nas atividades letivas, respeitando dessa forma os valores decorrentes do Compromisso Educativo do Colégio; em média, obtém nos testes e outros instrumentos de avaliação, classificações correspondentes ao nível proposto. Níveis entre 18 e 20 (muito bom) O aluno: atinge plenamente os objetivos propostos para a disciplina; revela grande criatividade no conhecimento científico; relaciona com facilidade os conhecimentos adquiridos, aplicando-os a novas situações; produz com rigor e objectividade diferentes tipos de escritos, em função dos contextos, (esquemas, tabelas, gráfico, registos das experiências, ) como processo de auto-aprendizagem e de organização de pensamento; respeita as normas de segurança: gerais, de proteção pessoal e do ambiente; manifesta capacidade de resolução de problemas e de comunicação, assim como rigor e espírito crítico; participa de forma organizada e com qualidade; manifesta iniciativa e curiosidade científica; compreende o papel decisivo da Física e da Química; adquire capacidade de abstração baseada na especulação teórica dos factos experimentais e quotidianos; revela hábitos de trabalho sistemático e regular; assume conscientemente os valores do Compromisso Educativo do Colégio; em média, obtém nos testes e outros instrumentos de avaliação, classificações correspondentes ao nível proposto. Pág.36

38 Departamento de Ciências da Natureza BIOLOGIA BIOLOGIA E GEOLOGIA Pág.37

39 Departamento de Ciências da Natureza Critérios de avaliação As aprendizagens realizadas e o grau de desenvolvimento das competências gerais e específicas; O interesse demonstrado pela aprendizagem e pelo saber; O espírito de iniciativa, criatividade e o sentido crítico; O grau de autonomia na aprendizagem, nomeadamente no domínio dos métodos e hábitos de trabalho e de estudo; A qualidade dos trabalhos produzidos na aplicação das aprendizagens realizadas e das competências desenvolvidas; O cumprimento das tarefas propostas e o empenho demonstrado na sua realização. A participação oportuna e adequada nas diferentes situações de aprendizagem; O espírito de entreajuda, bem como a capacidade de trabalho em grupo e de partilha de informação e conhecimentos; A capacidade de identificação e de resolução de situações-problema, adotando estratégias adequadas; A capacidade de manipular corretamente e em condições de segurança, os equipamentos, materiais e reagentes usados nas atividades laboratoriais; A capacidade de interpretar e tirar conclusões a partir de gráficos, esquemas e resultados de atividades experimentais; A correta utilização da língua portuguesa, ao nível da compreensão e da expressão oral e escrita, em diferentes contextos de comunicação; O domínio e a correta utilização do vocabulário científico; A utilização das tecnologias de informação e comunicação e a sua aplicação progressiva em situações de aprendizagem; O cumprimento de normas decorrentes do Regulamento Interno; A atuação de acordo com os valores religiosos, espirituais, morais e cívicos decorrentes do Compromisso Educativo do Colégio; A apresentação nas diferentes atividades com o material requerido, devidamente organizado; A pontualidade e a assiduidade nas diferentes atividades da escola. Pág.38

40 Departamento de Ciências da Natureza Competências a adquirir através da preparação, realização e avaliação de atividades laboratoriais. A Competências do tipo processual /conceptual Recolher, registar e organizar os dados resultantes de observações (quantitativas e qualitativas) Elaborar e interpretar representações gráficas/tabelas. Interpretar e apreciar criticamente os resultados Resolver os problemas Planear de experiências Selecionar e identificar o material de laboratório adequado Manipular corretamente o material e equipamento Executar corretamente a técnica Atuar de acordo com as regras de segurança Trabalhar de forma organizada Compreender a Ciência, a Tecnologia e a Sociedade no âmbito da Biologia e Geologia. B - Competências de Comunicação Interpretar informação de fontes diversas Selecionar a informação e retirar os dados importantes Utilizar de modo correto a língua portuguesa, ao nível da compreensão e da expressão oral e escrita Utilizar formatos diversos para aceder e apresentar informação, nomeadamente as TIC. Discutir limites de validade dos resultados obtidos Elaborar um relatório ou outra forma de comunicação/síntese do trabalho efetuado Redigir textos revelando capacidade de organização lógico-temática Demonstrar capacidade de síntese e utiliza terminologia científica adequada Expor dúvidas e ideias C Competências do tipo Atitudinal Desenvolver o respeito pelo cumprimento das normas de segurança: gerais, de Proteção pessoal e do ambiente. Assumir responsabilidade nas suas posições e atitudes. Rentabilizar o trabalho de equipa. Refletir sobre pontos de vista diferentes dos seus. Agir com autonomia e sentido crítico. Revelar organização e método. Pág.39

41 Departamento de Ciências da Natureza Participar com interesse nas atividades propostas. Cooperar com os colegas em tarefas e projetos comuns Revelar pontualidade/assiduidade Nas disciplinas de Biologia e Geologia e Biologia os instrumentos e técnicas utilizados na avaliação dependerão do tipo de aprendizagem em curso mas deverão acompanhar de perto o decorrer das tarefas. Exemplos: ü ü ü ü ü ü ü ü Problemas na sala de aula - Biogeodesafios. Correção de trabalhos de casa. Fichas individuais ou de grupo a serem corrigidas na aula ou em casa pelo professor. Relatórios dos trabalhos experimentais. Trabalhos de pesquisa individual/grupo Apresentação oral/escrita de resultados ou de trabalhos de pesquisa. Grelhas de observação e registos. Testes escritos Quadro síntese de ponderação a usar na disciplina de Biologia e Geologia Ponderação Geral Competências Instrumentos e ponderação específica Momentos de avaliação escrita: 70% 85% 15% Saberes específicos Competências do tipo Processual Conceptual Competências de comunicação Competências do tipo atitudinal Testes escritos: 55% ( teórico/prático) + 10% (relativo a atividades experimentais) = 65% Biodesafios: 5% Práticas e/ou experimentais: 15% Desempenho na sala de aula, no laboratório e no pós aula: Trabalho de pesquisa; Trabalho laboratorial; Relatórios Registo de observações: 15% Desempenho na sala de aula e no laboratório Observação direta Lista de verificação Pág.40

42 Departamento de Ciências da Natureza Quadro síntese de ponderação a usar na disciplina de Biologia Ponderação Geral Competências Instrumentos e ponderação específica 80% Saberes específicos Competências do tipo Processual Conceptual Competências de comunicação Momentos de avaliação escrita: 50% Testes escritos: 30% Biodesafios: 5% Práticas e/ou experimentais: 30% Desempenho na sala de aula, no laboratório e no pós aula: Trabalho de pesquisa; Trabalho laboratorial; Relatórios. 20% Competências do tipo atitudinal Registo de observações (20%) Desempenho na sala de aula e no laboratório - participação, comportamento, cumprimento de regras de segurança, pontualidade, assiduidade Observação direta Lista de verificação Nota: Na disciplina de Biologia de 12.º ano poderão ser valorizados alguns trabalhos de projeto / investigação sendo-lhes atribuído, na classificação do período / ano de escolaridade, uma ponderação equivalente a um teste escrito Pág.41

43 Departamento de Ciências da Natureza Critérios de classificação Níveis entre 0 e 4 O aluno não revelou sinais de evolução durante o período de aprendizagem. É incapaz de definir conceitos considerados essenciais nas disciplinas e que comprometem as futuras aprendizagens; Mostra-se incapaz de enquadrar os conteúdos considerados essenciais num determinado contexto científico; Revela dificuldades na leitura e interpretação de textos ou outro material de pesquisa e na comunicação, cientificamente correta, dos conteúdos implícitos a essas aprendizagens ou de conhecimentos básicos previamente aprendidos; Não respeita as regras previamente estabelecidas para os trabalhos de grupos quer de cariz investigativo ou laboratorial nos espaços sala de aula/ laboratório Demonstra pouco ou nenhum interesse por valores como o trabalho, a persistência e o respeito pelos outros, desrespeitando sistematicamente os valores do Compromisso Educativo do Colégio; Não participa na dinâmica das atividades letivas, mesmo quando solicitado para o efeito; Não realiza as tarefas extraletivas que lhe são solicitadas; Aluno que em média, obtém nos testes e outros trabalhos de avaliação, classificações correspondentes ao nível proposto. Níveis entre 5 e 9 O aluno não demonstra evolução significativa, não atingindo assim as competências mínimas propostas para a disciplina; Revela dificuldades em definir conceitos considerados essenciais nas disciplinas e que comprometem as futuras aprendizagens; Revela alguns conhecimentos mas mostra-se incapaz de enquadrar os conteúdos considerados essenciais em novas situações; Aluno que embora tenha atingido as competências ao nível cognitivo não satisfaz nos outros parâmetros de avaliação; Revela dificuldades na leitura e interpretação de textos ou outro material de pesquisa e na comunicação, cientificamente correcta, dos conteúdos implícitos a essas aprendizagens ou de conhecimentos básicos previamente aprendidos; Pág.42

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR DE BIOLOGIA E GEOLOGIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem e deve ser sistemática e cuidadosa para ser objetiva e rigorosa.

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA E QUÍMICA A

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA E QUÍMICA A AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LOUSÃ-161391 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA E QUÍMICA A ENSINO SECUNDÁRIO Ano Letivo 2015/2016 A avaliação à disciplina

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%) PORTUGUÊS DOMÍNIOS DE Leitura / Educação literária (25) Escrita (25) Gramática (15) Oralidade (15) 80 Assiduidade/Pontualidade (2) Comportamento / Relação com os outros (6) Organização do material (2)

Leia mais

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo A função de avaliação corresponde à análise cuidada das aprendizagens conseguidas relativamente às planeadas, devendo traduzir-se numa descrição

Leia mais

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo Objeto de avaliação Conhecimentos e Capacidades Específicos Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo 2016-2017 Itens/Parâmetros Compreensão histórica (Temporalidade Espacialidade

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V Ensino Básico 2º Ciclo CIÊNCIAS NATURAIS Peso na Avaliação Final Testes de avaliação e/ou outros trabalhos escritos; Aquisição de conhecimentos; Domínio da Língua Portuguesa ao nível da expressão oral

Leia mais

Critérios de avaliação Geometria Descritiva A 10º/11º

Critérios de avaliação Geometria Descritiva A 10º/11º 1. Finalidades da Disciplina Segundo o programa da disciplina de Geometria Descritiva: http://sitio.dgidc.minedu.pt/recursos/lists/repositrio%20recursos2/attachments/235/geometria_desc_a_10_11.pd f Desenvolver

Leia mais

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO ATITUDES E VALORES (5%) CONHECIMENTOS E CAPACIDADES (95%) Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN 2016/2017 Português Leitura/ Educação Literária Componente escrita: Compreensão de textos escritos

Leia mais

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros:

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros: 3º ciclo Oferta Complementar: Apoio ao estudo da disciplina de Português Domínios Ponderação Componente cognitiva (capacidades e conhecimentos) Oralidade Leitura Escrita Gramática 80% Componente socioafetiva

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Psicologia B 12º ano Ano lectivo 2011/2012 Critérios de avaliação Competências: Equacionar a Psicologia no panorama geral das ciências; Capacidades de

Leia mais

Ponderação dos domínios por disciplina

Ponderação dos domínios por disciplina Critérios de Avaliação - 1º ciclo Domínio Instrumentos de avaliação Peso % Cognitivo Trabalhos individuais e de grupo 15% Participação e intervenção 15% Fichas de avaliação 50 % Socioafetivo Registos 20%

Leia mais

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano Critérios de Avaliação de Francês 2016 / 2017 7ºano A avaliação certifica as aprendizagens e tem como objetivo a melhoria dessas aprendizagens. Os conteúdos programáticos serão trabalhados, desenvolvendo

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo Setembro 2015 Este documento pretende dar a conhecer a todos os intervenientes no processo educativo os critérios de avaliação, e respetivas percentagens, a que

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A letivo: 2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Francês, 3º Ciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês Aprender a ser / Aprender a viver com os outros Pilar de Aprendizagem Aprender a conhecer / Aprender a fazer CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de 2.º Ciclo ED. SETEMBRO DE 2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais

Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo

Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/2017 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 1. A avaliação é contínua e sistemática.

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Ciências Naturais / CEF COZINHA -2º ano Planificação a Longo Prazo 2012-2013

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

Critérios específicos de avaliação

Critérios específicos de avaliação Critérios específicos de 1. Aspetos a considerar na específica A sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática no 4º ano

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 Competências Transversais Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 9.ºANO 1º Período 39/42 aulas previstas

Leia mais

Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/ Data de fim: 30/06/2015)

Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/ Data de fim: 30/06/2015) Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ Disciplina: Físico-Química Ano: 8.º Professores: Ana Padilha e Alberto Morgado Ano Letivo: 2016-2017 Índice 1. Previsão do número de aulas de 45

Leia mais

L. PORTUGUESA /PORTUGUÊS. Ensino Básico e Secundário

L. PORTUGUESA /PORTUGUÊS. Ensino Básico e Secundário Ano Letivo 2012/2013 L. PORTUGUESA /PORTUGUÊS Ensino Básico e Secundário Critérios de Avaliação COMPETÊNCIAS PONDERAÇÃO ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO COGNITIVAS / OPERACIONAIS Æ 60% Testes / Fichas de Avaliação

Leia mais

Curso Vocacional de Saúde e Ambiente Noções Básicas de Saúde / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo

Curso Vocacional de Saúde e Ambiente Noções Básicas de Saúde / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Curso Vocacional de Saúde e Ambiente Noções Básicas de Saúde / 3º Ciclo Planificação

Leia mais

DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD.

DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD. 1 DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD. 145348 ESCOLA SECUNDÁRIA C/3.º CICLO DE VILA REAL DE SANTO

Leia mais

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I ANO LECTIVO DE 2015-2016 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Disciplina de Matemática Critérios de Avaliação

Leia mais

Ano letivo

Ano letivo ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO VISEU (401626) Critérios de avaliação das disciplinas do Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância Ano letivo 2016-2017 DEPARTAMENTO: LÍNGUAS DISCIPLINA: PORTUGUÊS

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões Critérios de Avaliação Departamento de Expressões 2015/2016 5.º ano Disciplina Educação Visual instrumental 60% Trabalhos realizados de acordo com a planificação da disciplina Interesse e empenho 10% Comportamento/adequação

Leia mais

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016 Curso Formação Geral Formação específica Matemática A (disciplina Curso Ciências e Tecnologia A - Biologia Química Física Geologia B - Psicologia B Inglês Aplicações Informáticas B (ver síntese pp. 4 e

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO Prova de Equivalência à Frequência de 302 - BIOLOGIA (ter como referência o Desp.Norm. nº 1-G/2016) Ano letivo 2015/2016 I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação. Atividades de planeamento de produções orais: grelhas

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

Critérios de Avaliação 2015/2016

Critérios de Avaliação 2015/2016 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Critérios de Avaliação 2015/2016 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e Agora Serviço de Psicologia e Orientação Psicóloga Eduarda Seabra Dossier Informação Escolar e Profissional Pág.1 1 Natureza dos Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Domínios e subdomínios Metas/Objetivos Objetivos gerais 3º Ciclo Matemática 7º Ano Conteúdos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de Avaliação Números e Operações: Números racionais Álgebra:

Leia mais

Planificação anual de Português 12º ano

Planificação anual de Português 12º ano Planificação anual de Português 12º ano 1 OBJETIVOS Desenvolver os processos linguísticos, cognitivos e metacognitivos necessários à operacionalização de cada uma das competências de compreensão e produção

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria Cetec nº 774 de 24 / 09 / 2015. ETEC de Tiquatira Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Direcção Regional de Educação do Centro CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Domínios Capacidade/Conhecimentos (70%) Critérios Aquisição, compreensão e aplicação Expressão Progressão na aprendizagem Atitudes

Leia mais

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 8º ANO A Ano Letivo: 2012/2013 Introdução /Metas Consigna-se no Despacho n.º 5306/2012, de 18 de abril de 2012, que o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância da Lezíria Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Jardim de Infância do Centro Escolar de Porto Alto Jardim de Infância

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600)

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600) Direcção Regional de Educação do Centro AULA ASSISTIDA Nº 16 PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA EM ARTES VISUAIS ANO LECTIVO 2011/2012 PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA IDENTIFICAÇÃO PROFESSOR ESTAGIÁRIO

Leia mais

Competências a Desenvolver

Competências a Desenvolver ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE GONDOMAR Curso Profissional Técnico de Construção Civil Turma: 12º12 Disciplina de OFICINA TECNOLÓGICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DAS ATIVIDADES LETIVAS 2013/2014

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS - Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável. (C. G. 6) - Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas

Leia mais

A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias

A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 7º Ano (PCA) TIC Planificação Anual 2015-2016 METAS CURRICULARES DOMÍNIO A informação,

Leia mais

Critérios de Avaliação de Educação Tecnológica 5ºAno

Critérios de Avaliação de Educação Tecnológica 5ºAno Técnica T5 Dominios Aptidões /Capacidades/Conhecimentos 1.1: Identificar o conceito de tecnologia e diferenciá-lo da noção de técnica Reconhecer o papel da tecnologia. Discriminar a relevância do objeto

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo:

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: Planificação Anual Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Representação

Leia mais

TÉCNICO DE ELETRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES

TÉCNICO DE ELETRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Núcleo de Ofertas Formativas CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO DE 2016/2017 TÉCNICO DE ELETRÓNICA,

Leia mais

Critérios de Avaliação de Matemática

Critérios de Avaliação de Matemática COLÉGIO DA RAINHA SANTA ISABEL MATEMÁTICA Critérios de Avaliação de Matemática º e 3º Ciclo do Ensino Básico 01/013 A avaliação consiste no processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Farmácia Qualificação:

Leia mais

Planificação do trabalho a desenvolver com a turma

Planificação do trabalho a desenvolver com a turma Planificação do trabalho a desenvolver com a turma DISCIPLINA: PORTUGUÊS (METAS) Módulo 1 - (Poesia trovadoresca/ Fernão Lopes) Módulo 2- (Gil Vicente/ Rimas de Camões) Módulo 3 - Textos dos Media I Módulo

Leia mais

Critérios de Avaliação 2014/2015. Cursos Profissionalizantes

Critérios de Avaliação 2014/2015. Cursos Profissionalizantes Critérios de Avaliação 2014/2015 Cursos Profissionalizantes Índice Português 2 Comunicar em francês 3 Economia/Área de Integração/Gestão e Controlo/Comercializar e Vender/Comunicar no Ponto de Venda/Organizar

Leia mais

Educação / Expressão Expressões Artística s Plástica. Físicomotoras. Artísticas Musical

Educação / Expressão Expressões Artística s Plástica. Físicomotoras. Artísticas Musical Fevereiro Janeiro Dezembro Novembro Setembro Outubro Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Estudo do Meio Língua Portuguesa Matemática Físicomotoras Educação / Expressão Expressões Artística

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL ANO: 8º ANO LECTIVO 010/011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS

Leia mais

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Nº de aulas (45 minutos) 1º Período 2º Período 3º Período Total Previstas 41 31 27 99 /Correção 6 6 6 18 Tema 4: As atividades económicas*

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3 Índice 1. Princípios orientadores e funções da avaliação 2 2. Objetivos da avaliação 2 3. Processos de avaliação 3 3.1. Diagnóstica 3 3.2. Formativa 3 3.3. Instrumentos de avaliação 4 3.3. Períodos de

Leia mais

DOCENTE: MICAEL ALVES

DOCENTE: MICAEL ALVES Planificação anual Curso Vocacional de Ensino Básico Ano letivo 2015 / 2016 CURSO VOCACIONAL DE INFORMÁTICA E MULTIMÉDIA ANO: 9.º DISCIPLINA: APLICAÇÕES DE ESCRITÓRIO DOCENTE: MICAEL ALVES COMPETÊNCIAS

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Química Série: 1º Eixo Tecnológico:

Leia mais

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação TURISMO Conferências Visitas de Estudo O Turismo é o profissional que executa serviços de informação, animação e organização de eventos em empresas de turismo, de reservas em agências de viagens e de receção

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA Abril 2016 Prova 302 2016 12º Ano de escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Domínios e subdomínios Metas/Objetivos Objetivos gerais 2º Ciclo Matemática 5º Ano Conteúdos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de Avaliação NÚMEROS E OPERAÇÕES/ ÁLGEBRA: -Números naturais

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

ANO LETIVO 2016/2017 PROFISSIONAIS

ANO LETIVO 2016/2017 PROFISSIONAIS ANO LETIVO 2016/2017 PROFISSIONAIS Departamento: Línguas Românicas Grupo Disciplinar: 350 Disciplina: ESPANHOL Módulo: 1 a 6 Ano: 1º, 2º, 3º Curso: Ensino Profissional- componente sociocultural Objeto

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO REGULAMENTO INTERNO - ADENDA Artigo 88º Medidas de recuperação e de integração 8- As atividades de recuperação da aprendizagem, quando a elas houver lugar, são decididas

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 5ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 5ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 5ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: Distinguir características de vários materiais riscadores (lápis de grafite, lápis de cor, lápis de cera,

Leia mais

DISCIPLINA: Expressões Artísticas CÓDIGO DA PROVA: 23. CICLO: 1º Ciclo ANO DE ESCOLARIDADE: 4º

DISCIPLINA: Expressões Artísticas CÓDIGO DA PROVA: 23. CICLO: 1º Ciclo ANO DE ESCOLARIDADE: 4º DISCIPLINA: Expressões Artísticas CÓDIGO DA PROVA: 23 CICLO: 1º Ciclo ANO DE ESCOLARIDADE: 4º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova final de equivalência a frequência

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO PARA O CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO PARA O CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO PARA O CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Euler Maciel Dantas * Hallissa Simplício Gomes Pereira ** Isabelita Duarte

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL 7.º Ano Unidade Temática e Conteúdos Domínios/Subdominios Descritores (objetivos Especificos) Estratégias de Aprendizagem N.º

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática Ano Letivo Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática (De acordo com o Capítulo III, Artigo 18º do Regulamento das Provas e dos Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário, anexo ao Despacho

Leia mais

CURSO OPERADOR DE INFORMÁTICA

CURSO OPERADOR DE INFORMÁTICA Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO ANO LETIVO DE 2016/2017

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014 Anexo 2 Atribuições dos Cargos AGENTE DE APOIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Acompanhar, auxiliar e orientar os alunos nas Atividades de Vida

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

E S C O L A S E C U N D Á R I A C O M 2 º E 3 º C I C L O S A N S E L M O D E A N D R A D E. Departamento de Línguas Ensino Básico - 3º Ciclo

E S C O L A S E C U N D Á R I A C O M 2 º E 3 º C I C L O S A N S E L M O D E A N D R A D E. Departamento de Línguas Ensino Básico - 3º Ciclo Proposta de Critérios Específicos de Avaliação de Língua Estrangeira Disciplina: Espanhol nível de Iniciação 7º/ 8º e 9º Ano Letivo: 2013/ 2014 Domínios Competências Gerais Competências Específicas Peso

Leia mais

Testes Sumativos Peso 3*

Testes Sumativos Peso 3* I. INTEGRAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONALIZANTE Participação no contexto escolar de forma responsável e cooperativa Assiduidade e pontualidade Material (portefólio, outro material necessário) Sentido de responsabilidade

Leia mais

Sistema Educativo Português 2011/2012

Sistema Educativo Português 2011/2012 Sistema Educativo Português 011/01 Objectivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades e valores profissionais) Auto Conhecimento; Explorar o Mundo das Profissões; Explorar as oportunidades

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL DEPARTAMENTO: PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: DISCIPLINA: Matemática A (12.º ano) Matemática e Ciências Experimentais 2015/2016 UNIDADE Tema 1 - Probabilidades e Combinatória

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO ANO LETIVO 2013/2014

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO ANO LETIVO 2013/2014 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO ANO LETIVO 2013/2014 Previsão de aulas 8º B Aulas previstas 33 1º Período 14 2º Período 12 3º Período 7 Planificação anual resumida

Leia mais

Departamento de Matemática Ano letivo 2016/17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO BÁSICO Grupo 230 Matemática (2ºciclo)

Departamento de Matemática Ano letivo 2016/17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO BÁSICO Grupo 230 Matemática (2ºciclo) Departamento de Matemática Ano letivo 2016/17 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO BÁSICO Grupo 230 Matemática (2ºciclo) Objeto de avaliação Itens/Parâmetros Instrumentos Ponderação Conteúdos da Testes

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais