Definição. Conceitos Básicos de Cinesioterapia. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros 27/2/2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Definição. Conceitos Básicos de Cinesioterapia. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros 27/2/2012"

Transcrição

1 Definição Conceitos Básicos de Cinesioterapia Prof Christiane Riedi Daniel Disciplina: Cinesioterapia Cinesioterapia - s.f. Tratamento pelo movimento no sentido geral: mobilização ativa e passiva dos exercícios terapêuticos, com ou sem aparelhos, de terapia ocupacional e de todos os meios neurofisiológicos. F. Kinesis (movimento) + Therapeia (tratamento) + ia A.C KUNG FU por monges budistas Pratica de exercícios por militares chineses: preservação de doenças causadas pelas chuvas 800 A.C. O Atharva-Veda( Índia): execuções e massagem para tratamento do reumatismo Séc. III A.C. Médicos britânicos: agentes físicos e exercícios individuais para tratamento de diferentes partes do corpo. Grécia Templos dedicados à Esculápio/Deus da medicina) Praticantes de medicina Sarcerdote-médicos Filósofos Ginastas Herodicus: desenvolveu a Ars Gymnastica Hipocrates: exercicios Fortalecimento muscular 3 4 Roma Antiga 25 A.C. Cornelius Celsus Estuda hemiplegia: exercícios graduais e caminhar o quanto possível 131 D.C. Galeno Prestar atenção ao corpo que executa exercícios que devem ser interrompido assim que surjam sinais adversos Roma Antiga século V Caelius Aurelianus: hidroterapia, suspensão exercícios com pesos e roldadas e exercícios pós-operatórios 5 6 1

2 Idade Média Séculos XVI/XVIII/XIX Avicenna: para cada órgão, existe um exercício sem exercícios= com remédios Arnold da Villanova ( Séc XIV): necessidade de remédios, exercicios e alegria Séc. XVI Leonard Fichs: Terapia Cinética Educacional Ambrosie Paré: exercicios dos membros após fraturas Sec. XVIII Hoffmann: dissertações Fisico-Médicas: cap. Do movimento Sec XIX Gustavo Zander: maquinas para tratamento através de exercícios, alavancas, rodas e pesos 7 8 Século XX Klapp: método para o tratamento de deformidade da medula espinhal Lovett: treino muscular no tratamento da poliomielite Paul G. Williams: série de Williams Codman: exercícios pendulares Herman Kabat: método de faclitação proprioceptiva( F.N.P.) Introdução aos exercícios terapêuticos 9 Programa de exercícios Anatomia Individualizada Compreensão dos efeitos das diferentes formas de exercício nos tecidos e sistemas Ciências comportamentais Avaliação Tratamento Fisiologia Avaliar o paciente Traçar os objetivos Alta Elaborar o diagnóstico cinesiofuncional Montar o programa de tratamento Recuperação funcional do paciente Patologia Cinesiologia

3 Exercício Terapêutico/Cinesioterapia Treinamento planejado e sistemático de movimentos corporais, posturas ou atividades físicas com o objetivo de proporcionar ao paciente meios de : Tratar ou prevenir complicações Melhorar, restaurar ou potencializar a função física Prevenir u reduzir fatores de risco ligados a saúde Otimizar o estado de saúde geral, seu preparo físico ou sensação de bem-estar Equilíbrio/ controle postural Estabilidade Desempenho postural FUNÇÃO Controle / coordenação Resistência / Cardiopulmonar Mobilidade/ Flexibilidade Equilíbrio: Habilidade de alinhar os segmentos do corpo contra a gravidade para manter ou mover o corpo dentro da base de apoio disponível, SEM CAIR. Preparo cardiopulmonar: Habilidade de realizar movimentos corporais completos, repetitivos e de baixa intensidade durante um longo período de tempo Coordenação: Cadencia e sequenciamento correto dos disparos musculares combinados com a intensidade apropriada de contração muscular que leva ao inicio, condução e graduação efetiva do movimento Flexibilidade Habilidade de mover-se livremente, sem restrições ( mobilidade) Mobilidade: Habilidade de estruturas ou segmentos do corpo se moverem ou serem movidos de modo a permitir a ocorrência de adequada amplitude de movimento( ADM) para as atividades funcionais Passiva: depende dos tecidos moles Ativa: ativação

4 Desempenho muscular: Capacidade do músculo produzir tensão e realizar trabalho físico, engloba força, potência, resistência muscular Controle Neuromuscular Interação dos sistemas sensorial e motor possibilitando que os músculos sinergistas, agonistas e antagonistas, neutralizadores e estabilizadores, prever ou responder as informações proprioceptivas e cinestésica Estabilidade: Habilidade do sistema de manter um segmento corporal proximal ou distal em uma posição estacionária ou de controlar um base estável durante um movimento Condicionamento aeróbico Tipos de intervenção com exercícios terapêuticos Exercícios de desempenho muscular: Força, potência, e resistência Alongamento Exercícios de relaxamento Incapacidade Impacto e consequências funcionais de condições agudas ou crônicas tais como doenças, lesões e anormalidade congênitas ou desenvolvimento sobre sistemas específicos. Controle Controle postural Exercícios de equilíbrio Exercícios respiratórios Treinamento Funcional 21 FISIOTERAPIA = RESTAURAR A FUNÇÃO FUNCIONALIDADE Classificação Internacional de Funcionalidade(CIF) 22 Comprometimentos Físicos Musculoesqueléticos Dor Fraqueza muscular Diminuição na resistência a fadiga Limitação da ADM Hipermobilidade articular Má postura Desequilíbrios entre comprimento e a força muscular Comprometimentos Físicos Neuromuscular Dor Comprometimento do equilíbrio Descoordenação Desenvolvimento motora tardio Cardiovascular/Pulmonar Capacidade aeróbica diminuída Circulação comprometida Dor durante atividade física sustentada Tegumentares Hipomobilidade da pele

5 NÃO ESQUECER!!! Resultados Intervenção Plano terapêutico Objetivos Diagnóstico Avaliação

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular BE066 Fisiologia do Exercício Flexibilidade Prof. Sergio Gregorio da Silva Flexibilidade É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular É altamente adaptável e é! aumentada

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Miostática (miogênica)- A unidade musculotendínea está adaptativamente encurtada com perda significativa de ADM, mas sem patologia muscular específica. Embora possa haver uma redução

Leia mais

Amplitude de Movimento. Amplitude de Movimento. Tipos de ADM 27/2/2012

Amplitude de Movimento. Amplitude de Movimento. Tipos de ADM 27/2/2012 Amplitude de Movimento Amplitude de Movimento Professora: Christiane Riedi Daniel É o movimento completo de uma articulação ADM completa depende de: ADM Articular termos como flexão, extensão... goniometria

Leia mais

Treinamento: Controle Postural e Locomoção em Idosos. Prof. Dr. Matheus M. Gomes

Treinamento: Controle Postural e Locomoção em Idosos. Prof. Dr. Matheus M. Gomes Treinamento: Controle Postural e Locomoção em Idosos Prof. Dr. Matheus M. Gomes 1 Queda Principal causa de morte acidental de idosos 2/3 Deandrea et al. 2010 5 Quedas 30% idosos caem pelo menos uma

Leia mais

Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas. Prof. Dra. Bruna Oneda 2012

Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas. Prof. Dra. Bruna Oneda 2012 Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas Prof. Dra. Bruna Oneda 2012 Capacidades Físicas Ou habilidades físicas são o conjunto de capacidades individuais, orgânicas, musculares e neurológicas que

Leia mais

Poliomielite um novo Olhar, comemorando a Vida, cuidando da Saúde!

Poliomielite um novo Olhar, comemorando a Vida, cuidando da Saúde! COMO TRATAR A FRAQUEZA MUSCULAR: EXCLUSIVO PARA SÍNDROME PÓS PÓLIO Esse artigo foi extraído do Manual de Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Síndrome Pós-Poliomielite e Co-morbidades. Editado

Leia mais

PRINCÍPIOS E CONCEITOS DAS TÉCNICAS DE MOBILIZAÇÃO E MANIPULAÇÃO ARTICULAR. Tatiana Teixeira Álvares

PRINCÍPIOS E CONCEITOS DAS TÉCNICAS DE MOBILIZAÇÃO E MANIPULAÇÃO ARTICULAR. Tatiana Teixeira Álvares PRINCÍPIOS E CONCEITOS DAS TÉCNICAS DE MOBILIZAÇÃO E MANIPULAÇÃO ARTICULAR Tatiana Teixeira Álvares MOBILIZAÇÕES X MANIPULAÇÕES Movimentos clássicos que resulta de contrações musculares e movem o osso

Leia mais

FLEXIBILIDADE É A AMPLITUDE DE MOVIMENTO DISPONÍVEL AO REDOR DE UMA ARTICULAÇÃO OU DE UMA SÉRIE DE ARTICULAÇÕES. A FLEXIBILIDADE É IMPORTANTE NÃO

FLEXIBILIDADE É A AMPLITUDE DE MOVIMENTO DISPONÍVEL AO REDOR DE UMA ARTICULAÇÃO OU DE UMA SÉRIE DE ARTICULAÇÕES. A FLEXIBILIDADE É IMPORTANTE NÃO FLEXIBILIDADE É A AMPLITUDE DE MOVIMENTO DISPONÍVEL AO REDOR DE UMA ARTICULAÇÃO OU DE UMA SÉRIE DE ARTICULAÇÕES. A FLEXIBILIDADE É IMPORTANTE NÃO APENAS PARA O SUCESSO NO DESEMPENHO FÍSICO, MAS TAMBÉM

Leia mais

Nome: F. Idade: 25 Morada: Contacto:

Nome: F. Idade: 25 Morada: Contacto: Dados Pessoais: Nome: F. Idade: 25 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Estudante e Jogador de Futebol Diagnóstico Médico: -------- História Clínica: (26/03/2013) Utente de raça caucasiana,

Leia mais

n Desempenho muscular comprometido n Trauma dos tecidos resultando em inflamação ou dor

n Desempenho muscular comprometido n Trauma dos tecidos resultando em inflamação ou dor Flexibilidade Flexibilidade e Alongamento Capacidade de mover uma articulação, ou uma série de articulações, por meio de amplitude de movimento total Cinesio Prof. Vinicius Coca ALONGAMENTO É um termo

Leia mais

ASPECTOS METODOLÓGICOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO. PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO

ASPECTOS METODOLÓGICOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO. PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO ASPECTOS METODOLÓGICOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO Mestre em saúde coletiva Especialista em Fisiologia do

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA 1 a Atividade Física 2013.indd 1 09/03/15 16 SEDENTARISMO é a falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa. A falta de atividade física

Leia mais

Defeitos osteoarticulares

Defeitos osteoarticulares Osteoartrite Descrição Osteoartrite ou doença articular degenerativa ( artrose ) caracteriza-se pela perda progressiva da cartilagem articular e alterações reacionais no osso subcondral e margens articulares,

Leia mais

Cinesiologia e Biomecânica Prof. Sandro de Souza

Cinesiologia e Biomecânica Prof. Sandro de Souza CINESIOLOGIA E BIOMECANICA CINÉTICA ANGULAR CINÉTICA - Ramo da mecânica que estuda as causas do movimento. CINÉTICA ANGULAR Ramo da mecânica que estuda as causas do movimento angular. 1) TORQUE É definido

Leia mais

Cursos de Extensão. Técnicas Miofasciais (Tratamento da Disfunção dos Tecidos Moles)

Cursos de Extensão. Técnicas Miofasciais (Tratamento da Disfunção dos Tecidos Moles) Cursos de Extensão Técnicas Miofasciais (Tratamento da Disfunção dos Tecidos Moles) Duração do Curso: - 2 dias, horário integral, perfazendo a carga horária de 20 horas de teoria e prática, sendo 80% prático;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada:

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada: AVALIAÇÃO DO OMBRO 1. Anatomia Aplicada: Articulação esternoclavicular: É uma articulação sinovial em forma de sela com 3 graus de liberdade; A artic. esternoclavicular e a acromioclavicular habilitam

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA 1 DEFICIÊNCIA FÍSICA SIMONE MILANI

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA 1 DEFICIÊNCIA FÍSICA SIMONE MILANI EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA 1 DEFICIÊNCIA FÍSICA SIMONE MILANI 21 DE SETEMBRO DE 2009 Deficiência Física Definição É a disfunção ou interrupção dos movimentos de um ou mais membros: superiores, inferiores

Leia mais

Abordagem do Pilates em Fisioterapia

Abordagem do Pilates em Fisioterapia Programa de Educação Continuada em Saúde Abordagem do Pilates em Fisioterapia INSTITUTO QUALIENF CURSOS www.qualienfcursos.com.br 2 Conteúdo Programático: 1 INTRODUÇÃO AO MÉTODO PILATES... 3 2 HISTÓRIA

Leia mais

MOBILIZAÇÕES DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS

MOBILIZAÇÕES DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS Pontifícia Universidade Católica de Goiás MOBILIZAÇÕES DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS Professor Esp. Kemil Sousa DEFINIÇÃO Técnicas de terapia manual usadas para modular a dor e tratar as disfunções articulares

Leia mais

TMSA TERAPIA MANUAL SUB-AQUÁTICA Isidro Marques

TMSA TERAPIA MANUAL SUB-AQUÁTICA Isidro Marques TMSA TERAPIA MANUAL SUB-AQUÁTICA Isidro Marques INDRODUÇÃO A TMSA Terapia Manual Sub-Aquática, vem resgatar para a Hidroterapia, o instrumento mais importante do Fisioterapeuta, a Manualidade, ao mesmo

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Semiologia Geral ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Generalidades sobre diagnóstico e avaliação AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA EM II - Avaliação da coluna (postura) -

Leia mais

A Savita apresenta um conceito inovador em reeducação corporal no Recife.

A Savita apresenta um conceito inovador em reeducação corporal no Recife. A Savita apresenta um conceito inovador em reeducação corporal no Recife. Contamos com uma equipe de especialistas em Fisioterapia e Educação Física sob a coordenação técnica da fisioterapeuta Fátima Tedim,

Leia mais

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 Componente: Teórica AULA n.º: 1 Turno n.º: 0 Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 Dia 16-09-2014 das 14:00 às 17:00 Local: SJ2C25 - Auditório Nutrição

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE COSMETOLOGIA E ESTÉTICA DISCIPLINA: TEORIAS E TÉCNICAS DE MASSAGEM AVALIAÇÃO CORPORAL

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE COSMETOLOGIA E ESTÉTICA DISCIPLINA: TEORIAS E TÉCNICAS DE MASSAGEM AVALIAÇÃO CORPORAL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE COSMETOLOGIA E ESTÉTICA DISCIPLINA: TEORIAS E TÉCNICAS DE MASSAGEM AVALIAÇÃO CORPORAL PROF.ª: DANIELLA KOCH DE CARVALHO A avaliação é a coleta e interpretação

Leia mais

Estabilidade Dinâmica / Gesto Desportivo

Estabilidade Dinâmica / Gesto Desportivo Estabilidade Dinâmica / Gesto Desportivo Estabilidade Dinâmica Williams et al.(2001): - Geometria articular; - Restrições dos tecidos moles; - Cargas aplicadas na articulação; - Atividade muscular. Estabilidade

Leia mais

Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto DOENÇAS MUSCULARES Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo DOENÇAS MUSCULARES

Leia mais

SAÚDE DO TRABALHADOR - LER. Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa

SAÚDE DO TRABALHADOR - LER. Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa SAÚDE DO TRABALHADOR - LER Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa Este trabalho tem por objetivo trazer mais conhecimento sobre uma patologia que aflige muitas pessoas atualmente

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER

ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER INSTITUTO CENTRAL Hospital das Clínicas da Faculdade da Medicina da Universidade de São Paulo Av. Enéas de Carvalho Aguiar n.º 255 CEP 05403-900 São Paulo Brasil ANEXO 1 ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA

Leia mais

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL -

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA HUMANA TURMA 11-2014 CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - PROFª DRª VILMA G. 1. NÍVEL DE CONTROLE LOCAL A MEDULA ESPINAL:

Leia mais

Qualidade de Vida 02/03/2012

Qualidade de Vida 02/03/2012 Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle Descreve a qualidade das condições de vida levando em consideração fatores como saúde, educação, expectativa de vida, bem estar físico, psicológico, emocional e mental.

Leia mais

Saúde no âmbito da Educação no Trabalho. L.E.R. e as Tecnologias Digitais

Saúde no âmbito da Educação no Trabalho. L.E.R. e as Tecnologias Digitais Saúde no âmbito da Educação no Trabalho L.E.R. e as Tecnologias Digitais O QUE É L.E.R. Lesão do esforço repetitivo, D.O.R.T.(Distúrbio OsteomuscuIares Relacionados ao Trabalho),e tantas outras denominações,

Leia mais

Prof. Ms. Sandro de Souza

Prof. Ms. Sandro de Souza Prof. Ms. Sandro de Souza As 5 leis básicas do Treinamento de Força 1º - ANTES DE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR, DESENVOLVA FLEXIBILIDADE Amplitude de movimento Ênfase na pelve e articulações por onde passam

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Esternoclavicular: Artic.

Leia mais

FORTALECIMENTO MUSCULAR. Ft. Marina Medeiros

FORTALECIMENTO MUSCULAR. Ft. Marina Medeiros FORTALECIMENTO MUSCULAR Ft. Marina Medeiros Tratamento fisioterapêutico dor dor Mobilidade dor Mobilidade Força e Controle motor dor Mobilidade Força e Controle motor PERFORMANCE Como Fazer? Como Fazer?

Leia mais

Treinamento Funcional

Treinamento Funcional Treinamento Funcional Sumário: Introdução... 02 O que é Treinamento Funcional?... 03 Atividades diárias e o Treinamento Funcional... 04 Como deve ser o Treinamento Funcional então?... 06 Características

Leia mais

RPG. Reeducação Postural Global

RPG. Reeducação Postural Global RPG Reeducação Postural Global Criador do Método Philippe Emanuel Souchard Físico/Fisioterapeuta Criado em 1980 O que é a RPG? Micro e macro-ajustamento do sistema músculo-esquelético em decoaptação,detorção,

Leia mais

QUEDAS NA IDADE SÉNIOR: DO RISCO À PREVENÇÃO!

QUEDAS NA IDADE SÉNIOR: DO RISCO À PREVENÇÃO! QUEDAS NA IDADE SÉNIOR: DO RISCO À PREVENÇÃO! Janeiro, 2015 Sumário Processo de envelhecimento Incidência das quedas em Portugal Complicações das quedas Do risco à prevenção de quedas Envelhecimento Velhice

Leia mais

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA ~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA Isadora Carneiro Kovalhuk 1 Daniela dos Santos 2 Recebido em: 20.10.2013 Aceito em: 20.11.2013 Resumo: Lombalgia é o

Leia mais

Bem estar e produtividade no trabalho

Bem estar e produtividade no trabalho Bem estar e produtividade no trabalho Camila Greco Müller dos Santos Fisioterapeuta Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro Especialista em osteopatia, terapia manual e biomecânica clínica O bem-estar

Leia mais

TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA 4- CADEIAS CINÉTICAS 19/8/2011 PESOS LIVRES:

TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA 4- CADEIAS CINÉTICAS 19/8/2011 PESOS LIVRES: PESOS LIVRES: MENOR CUSTO, MOVIMENTOS FUNCIONAIS VS RESISTÊNCIA VERTICAL, LIMITE DE CARGA, COMPENSAÇÕES POSTURAIS. MÁQUINAS: ELÁSTICOS E MOLAS: MAIOR CARGA, (maior seletividade?, postura de execução?)

Leia mais

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Estudo do Movimento Professor Ricardo Ramos Ano letivo 2014/2015 Módulo 4 Qualidades Físicas Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Aluno: N.º : Classificação:

Leia mais

Treino de marcha assistido por estimulação elétrica funcional. Gabriel Xavier Marantes Médico Fisiatra CREMERS RQE 24140

Treino de marcha assistido por estimulação elétrica funcional. Gabriel Xavier Marantes Médico Fisiatra CREMERS RQE 24140 Treino de marcha assistido por estimulação elétrica funcional Gabriel Xavier Marantes Médico Fisiatra CREMERS 32992 RQE 24140 Aparelho de estímulo elétrico funcional substituto de órtese Estímulo elétrico

Leia mais

Fisioterapia na Saúde da Pessoa Idosa

Fisioterapia na Saúde da Pessoa Idosa Unidade 01 Fisioterapia na Saúde da Pessoa Idosa O Papel do Fisioterapeuta Os objetivos dessa unidade são: Conhecer os objetivos da Fisioterapia na saúde da pessoa idosa; Reconhecer os exercícios terapêuticos

Leia mais

Técnicas em Fisioterapia Respiratória

Técnicas em Fisioterapia Respiratória Programa de Educação Continuada em Saúde EAD Técnicas em Fisioterapia Respiratória INSTITUTO QUALIENF CURSOS www.qualienfcursos.com.br 2 Conteúdo Programático: 1 INTRODUÇÃO À FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA...

Leia mais

Isabel Piatti

Isabel Piatti Isabel Piatti isabel@buonavita.com.br LIFE-BREATH MASSAGE Bem estar e qualidade de vida. Diminui estresse e potencializa resultados Isabel Piatti isabel@buonavita.com.br DEFINIÇÃO DE ESTRESSE Estresse

Leia mais

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES INTRODUÇÃO Um número cada vez maior de pessoas apresenta, em seu cotidiano, atividades repetitivas e restritivas, que conduzem a uma perda do sinergismo

Leia mais

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE.

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. CARLA CARVALHO HORN IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. Dissertação de Mestrado em Gerontologia Biomédica Para a obtenção do

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Faculdade de Filosofia e Ciências CURSO: Fisioterapia

Leia mais

Introduçã o. Mestre Tiago Pimenta Orçamento Participativo Jovem Projeto Hydro Therapeia

Introduçã o. Mestre Tiago Pimenta Orçamento Participativo Jovem Projeto Hydro Therapeia Introduçã o A água, para o ser vivo, representa um dos elementos essenciais para a sua sobrevivência. Ao Ser Humano, para além de inúmeras utilidades, este líquido engloba benefícios incalculáveis quando

Leia mais

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração.

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. ESQUELETO ARTICULAÇÃO LESÕES MUSCULARES, ESQUELÉTICAS E ARTICULARES Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. Junção de ossos (dois ou mais) Estruturas Ligamentos Ligar ossos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLUNA CERVICAL

AVALIAÇÃO DA COLUNA CERVICAL AVALIAÇÃO DA COLUNA CERVICAL 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas articulações: Artic. Atlantoccipital (C0-C1); Artic. Atlantoaxial Mediana (C1-C2): artic. axial (trocóidea) / Artic.

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 3-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE JANEIRO DE 2013. REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 12/2015-CEPE/UNICENTRO. Aprova o Curso de Especialização em Fisioterapia Traumato-Ortopédica Funcional, modalidade modular,

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

A EFICÁCIA DO MÉTODO PILATES NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA

A EFICÁCIA DO MÉTODO PILATES NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA A EFICÁCIA DO MÉTODO PILATES NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA Nicole Trento Moraes¹ Thaine Cristina Garlet 1 Daniela Branco Liposcki 1,2 1 Centro Universitário Unifacvest, Lages, SC, Brasil 2 Pontifícia Universidade

Leia mais

Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Princípios científicos do treinamento Princípio da Individualidade biológica cada pessoa nasce com uma

Leia mais

CORRENTES INTERFERENCIAIS. Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added

CORRENTES INTERFERENCIAIS. Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added CORRENTES INTERFERENCIAIS Prof. Ms. Marco Aurélio N. Added 1 INTRODUÇÃO n A terapia com Correntes Interferenciais Vetoriais (CIV) de média frequência é utilizada principalmente para: u Reparação de tecidos

Leia mais

A L.E.R. e as ferramentas de TIC s no trabalho

A L.E.R. e as ferramentas de TIC s no trabalho A L.E.R. e as ferramentas de TIC s no trabalho Esta revista tem por objetivo esclarecer dúvidas sobre Lesão por Esforço Repetitivo (L.E.R) no ambiente de trabalho; quais as suas causas, formas de prevenção,

Leia mais

Ementas das Disciplinas de Fisioterapia

Ementas das Disciplinas de Fisioterapia s das Disciplinas de Fisioterapia s das Disciplinas (Semestre/Ano/Período/Termo/Módulo) Carga horária ATIVIDADES COMPLEMENTARES 204 INTRODUÇÃO E PRÁTICA FISIOTERAPÊUTICA I (405576) 34 Abordagem histórica,

Leia mais

VERTEBRAL (OUT 2016) - PORTO

VERTEBRAL (OUT 2016) - PORTO MANIPULAçãO VERTEBRAL (OUT 2016) - PORTO A manipulação vertebral é um recurso da terapia manual bastante popular entre os profissionais de saúde, um dos mais procurados e que maior impacto causa junto

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão Fratura Distal do Úmero Fratura da Cabeça do Rádio Fratura do Olecrâneo

Leia mais

SESEB - COMUNIDADE TERAPEUTICA BATUÍRA CENTRO DE ACOLHIMENTO PARA IDOSOS PROJETO SOCIAL HIDROGINÁSTICA PARA IDOSOS

SESEB - COMUNIDADE TERAPEUTICA BATUÍRA CENTRO DE ACOLHIMENTO PARA IDOSOS PROJETO SOCIAL HIDROGINÁSTICA PARA IDOSOS SESEB - COMUNIDADE TERAPEUTICA BATUÍRA CENTRO DE ACOLHIMENTO PARA IDOSOS PROJETO SOCIAL HIDROGINÁSTICA PARA IDOSOS BRASÍLIA DF OUTUBRO / 2012 1. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. OBJETIVO

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão Lesões do Ombro e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA 1 2 SEDENTARISMO é a falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa. A falta de atividade física não está ligada a não praticar esportes.

Leia mais

A APTIDÃO FÍSICA NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DGE / SPEF / CNAPEF 11 DE ABRIL DE 2016 CASTELO BRANCO

A APTIDÃO FÍSICA NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DGE / SPEF / CNAPEF 11 DE ABRIL DE 2016 CASTELO BRANCO A APTIDÃO FÍSICA NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DGE / SPEF / CNAPEF 11 DE ABRIL DE 2016 CASTELO BRANCO SUMÁRIO Enquadramento do FITescola em relação aos Programas Nacionais de Educação Física

Leia mais

Cristiano Saldanha de Oliveira

Cristiano Saldanha de Oliveira Cristiano Saldanha de Oliveira PRINCIPAIS QUALIFICAÇÕES Vivência no atendimento a pacientes em diversas modalidades; Disponibilidade para atendimento domiciliar, mediante prévia agenda; Discrição e conduta

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Anatomia II Código: Fisio-105 Pré-requisito: Anatomia I Período Letivo: 2016.1

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TRAUMA Definição: Problema de saúde pública Principais causas: acidentes e violência

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

NORM.TEC.Nº003/2010/DIR (Normativa possui ANEXOS I e II) Maringá, 17 de março de 2010

NORM.TEC.Nº003/2010/DIR (Normativa possui ANEXOS I e II) Maringá, 17 de março de 2010 NORM.TEC.Nº003/2010/DIR (Normativa possui ANEXOS I e II) Maringá, 17 de março de 2010 Ref.: Protocolo para liberação de Toxina Botulínica. (De acordo com Portaria Nº 376 e 377 de 10 de novembro de 2009)

Leia mais

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias Daniel Gonçalves Objectivos: Aliviar dor Alterar o processo de cicatrização dos tecidos Alterar as propriedades plásticas dos tecidos conectivos (músculo, tendão, ligamento e cápsula articular) Métodos:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Idosos Ativos, Idosos Saudáveis Mestrado em Fisioterapia. Apêndices. Ana Dias Andrade

Idosos Ativos, Idosos Saudáveis Mestrado em Fisioterapia. Apêndices. Ana Dias Andrade Apêndices 71 Apêndice 1 Consentimento Informado Por favor, leia com atenção a seguinte informação. Se achar que algo está incorreto ou que não está claro, não hesite em solicitar mais informações. Se concorda

Leia mais

Trail Running Entorse de Tornozelo Prevenção

Trail Running Entorse de Tornozelo Prevenção Trail Running Entorse de Tornozelo Prevenção O entorse de tornozelo é uma das lesões mais comuns nas atividades esportivas e no trail running. O mecanismo de lesão mais comum ocorre com o tornozelo em

Leia mais

EXIN FISIOTERAPIA

EXIN FISIOTERAPIA EXIN FISIOTERAPIA 2016.2 SÉRIE 4MA e 4MB Assuntos Avaliação do Tônus e Força Muscular. Avaliação da Marcha. Noções de Avaliação em Fisioterapia Neurológica. ADF 3 Avaliação da Coordenação e Equilíbrio.

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA CAPACIDADES FÍSICAS. Prof. Drd. Daniel Bocchini

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA CAPACIDADES FÍSICAS. Prof. Drd. Daniel Bocchini UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA * CAPACIDADES FÍSICAS Prof. Drd. Daniel Bocchini Definições: É uma característica humana com a qual move-se uma MASSA (seu próprio corpo ou um implemento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Estimulação elétrica neuromuscular; Exercícios fisioterapeutico; Lesão cerebrovascular.

PALAVRAS-CHAVE: Estimulação elétrica neuromuscular; Exercícios fisioterapeutico; Lesão cerebrovascular. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O USO DA ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA FUNCIONAL ASSOCIADO A CINESIOTERAPIA CLÁSSICA NO TRATAMENTO DA ESPASTICIDADE EM INDIVÍDUOS

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

Data: 03/08/2014 NOTA TÉCNICA 157/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Data: 03/08/2014 NOTA TÉCNICA 157/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura NOTA TÉCNICA 157/2014 Solicitante: Dr. Wauner Batista Ferreira Machado Juíz de Direito da Comarca de Belo Horizonte Processo número: 0024.14.151.997-5 Data: 03/08/2014 Medicamento Material Procedimento

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

Ministério da Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 304, DE 8 DE JUNHO DE 2016

Ministério da Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 304, DE 8 DE JUNHO DE 2016 Ministério da Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 304, DE 8 DE JUNHO DE 2016 A PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

Provas de Função Muscular

Provas de Função Muscular Provas de Função Muscular Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João TROFISMO MUSCULAR Trofismo ou Trofia Muscular - é a variação da secção

Leia mais

FACULDADE SÃO JOSÉ Curso de Fisioterapia CINESIOTERAPIA PROF. Vinicius Coca Exercicios de CODMAN, ROCKWOOD, WILLIANS, McKENZIE e KLAPP

FACULDADE SÃO JOSÉ Curso de Fisioterapia CINESIOTERAPIA PROF. Vinicius Coca Exercicios de CODMAN, ROCKWOOD, WILLIANS, McKENZIE e KLAPP FACULDADE SÃO JOSÉ Curso de Fisioterapia CINESIOTERAPIA PROF. Vinicius Coca Exercicios de CODMAN, ROCKWOOD, WILLIANS, McKENZIE e KLAPP Exercícios de Codman Ernest Amory Codman, (1869-1940) foi um cirurgião

Leia mais

Avaliação de Força Muscular e Função Sensitiva

Avaliação de Força Muscular e Função Sensitiva Avaliação de Força Muscular e Função Sensitiva Marcos F. Calixto Terapeuta Ocupacional Realizou Aprimoramento Profissional em Terapia Ocupacional Reabilitação Física no Instituto Lauro de Souza Lima, Bauru/SP

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE FISIOTERAPIA INTRODUÇÃO E PRÁTICA FISIOTERAPÊUTICA I 34 Abordagem histórica, generalista, ética e científica sobre aspectos fundamentais da profissão de fisioterapia

Leia mais

METODOLOGIA DO TREINO DA FLEXIBILIDADE

METODOLOGIA DO TREINO DA FLEXIBILIDADE METODOLOGIA DO TREINO DA Indíce de Flexibilidade Métodos de Treino Para o Desenvolvimento da Flexibilidade Vantagens e Desvantagens da Utilização dos Diferentes Tipos de Métodos Características da Dinâmica

Leia mais

Biomecânica dos Músculos Esquelético. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina professormoises300@hotmail.

Biomecânica dos Músculos Esquelético. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina professormoises300@hotmail. Biomecânica dos Músculos Esquelético Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina professormoises300@hotmail.com O SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO Propriedades dos músculos: Elasticidade

Leia mais

Neurofisiologia do Movimento. Dr. Fábio Agertt

Neurofisiologia do Movimento. Dr. Fábio Agertt Neurofisiologia do Movimento Dr. Fábio Agertt Córtex Motor Planejamento, iniciação, direcionamento do movimento Núcleos da base Ajuste da iniciação Centros do tronco cerebral Movimentos básicos e controle

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Fisioterapia Campus: Niterói Missão O curso de Fisioterapia da Universidade Estácio de Sá, através de uma estrutura embasada em princípios contemporâneos, tem por missão

Leia mais

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento CINESIOLOGIA Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009 Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento Estímulo sensitivo Medula Resposta Aula 4 1 ESTRUTURA FUNCIONAL DO SISTEMA

Leia mais

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Apresentação Olá, esse conteúdo é a realização de uma parceria entre a Cefig e a Fisioterapia Integrativa. Nesse E-book vamos abordar algumas dicas para prevenção

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

Doença arterial periférica não revascularizável

Doença arterial periférica não revascularizável Reabilitação cardiovascular para além do enfarte do miocárdio: o que existe de novo? Doença arterial periférica não revascularizável Ângela Maria Pereira Sobrevivência (%) Doença Arterial Periférica Sobrevivência

Leia mais

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Articulação Tibiofibular Superior: É uma articulação sinovial plana entre a tíbia e a cabeça da fíbula.

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Articulação Tibiofibular Superior: É uma articulação sinovial plana entre a tíbia e a cabeça da fíbula. AVALIAÇÃO DO JOELHO 1. Anatomia Aplicada: Articulação Tibiofemoral: É uma articulação em dobradiça modificada que possui 2 graus de liberdade; Posição de repouso: 25 de flexão; Posição de aproximação máxima:

Leia mais

ARTROPATIA DE CHARCOT (NEUROARTROPATIA DE CHARCOT)

ARTROPATIA DE CHARCOT (NEUROARTROPATIA DE CHARCOT) ARTROPATIA DE CHARCOT (NEUROARTROPATIA DE CHARCOT) MAURO FUCHS Rotina / consultório / Pé Diabético: prontuário/dia proprio ex. clínico/art/neuro hemograma glicemia HB glicosilada PT totais creatinina

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CRONOGRAMA DE EXTENSÃO 2013

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CRONOGRAMA DE EXTENSÃO 2013 CURSO: BIOFÍSICA FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST MINISTRANTE: Prof. Drª. Adriana Leandro Camara PÚBLICO ALVO: Alunos da área de saúde: Cursos de Fisioterapia,Nutrição,Terapia Ocupacional,Fonoaudiologia,Enfermagem,Farmácia,Odontologia

Leia mais

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória 1. Anatomia e fisiologia do sistema cardiorrespiratório Egan. 1 ed. São Paulo: Manole, 2000. (Seção 3, caps.7 e 8) WEST, J.B. Fisiologia respiratória

Leia mais

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL 1 OBJETIVOS Discutir o mercado consumidor potencial do treinamento funcional; Discutir o conceito de treinamento funcional; Realizar uma dinâmica prática no formato

Leia mais

Linfedema e outras sequelas físicas pós câncer da mama. Fisioterapeuta Dra. Mirella Dias

Linfedema e outras sequelas físicas pós câncer da mama. Fisioterapeuta Dra. Mirella Dias Linfedema e outras sequelas físicas pós câncer da mama Fisioterapeuta Dra. Mirella Dias Sequelas câncer de mama Linfedema Síndrome da Rede Axilar Diminuição da ADM Alterações de sensibilidade Alterações

Leia mais