APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO NTD 15

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO NTD 15"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO NTD 15

2

3 CONTROLE DE VERSÕES NTD 15 - APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO Nº.: DATA VERSÃO 01 05/1993 Original 02 04/2009 Revisão 01 EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 1/44

4 INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVO ÂMBITO DE APLICAÇÃO REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES CONCEITOS BÁSICOS Memorial Técnico Descritivo Planta Situação Diagrama Unifilar Quadro de Distribuição de Cargas Entrada de Serviço Diagrama Funcional Projeto de Instalação Interna Projeto de Rede de Distribuição Relação de materiais Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do CREA Termo de Responsabilidade de Passagem e Responsabilidade por Conservação do Ramal (Condomínio com medição única) Termo de Autorização de Passagem Termo de Conservação de Ramal Termo de Responsabilidade para uso de Geração Própria Perfil Planialtimétrico Croqui de Localização CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES ESPECIFICAS Consulta Prévia sob Viabilidade Técnica de Atendimento Carta para Encaminhamento do Projeto Locais de Apresentação do Projeto Padrões de Apresentação do Projeto Análise do Projeto EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 2/44

5 7 APRESENTAÇÃO DE PROJETO Subestação Transformadora em Média Tensão na classe de 13,8 e 34,5 kv PROJETO P/ATENDIMENTO DE EDIFICAÇÃO DE USO COLETIVO Diretamente da Rede de Distribuição Urbana (RDU) em tensão secundária Apresentação de Projeto Diretamente da Rede de Distribuição Urbana (RDU) em posto de transformação da Celpa, cuja demanda da edificação seja superior a 50kVA Apresentação de Projeto PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA URBANA Apresentação de Projeto Apresentação de Projetos Contratados pela Celpa PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA RURAL Apresentação de Projeto PROCEDIMENTO PARA PEDIDO DE VISTORIA E LIGAÇÃO VIGÊNCIA ANEXOS I... Modelo Carta Solicitando Análise de Projeto Elétrico II... Projeto de Localização (exemplo 1-Subestação Aérea Urbana) Projeto de Localização (exemplo 2-Subestação Aérea Rural) Projeto de Localização (exemplo 3-Aumento de Potência sem Deslocamento de Ramal) Projeto de Localização (exemplo 4-Aumento de Potência com Deslocamento de Ramal) Projeto de Localização (exemplo 5-Prédio de Múltiplas Unidades Consumidoras) Projeto de Localização (exemplo 6-Loteamento) III... Modelo do Memorial Técnico Descritivo de Uso Coletivo IV... Modelo do Memorial Técnico Descritivo (RDU) V... Modelo do Memorial Técnico Descritivo (RDR) VI... Modelo do Memorial Técnico Descritivo de Subestação Transformadora VII... Modelo da Planilha de Cálculo de Queda de Tensão VIII... Termo de Responsabilidade de Passagem e Responsabilidade por Conservação de Ramal IX... Termo de Autorização de Passagem (Trânsito Livre) X... Termo de Conservação de Ramal XI... Termo de Responsabilidade para Uso de Geração Própria XII... Modelo da Carta de Pedido de Vistoria e Ligação XIII... Modelo Solicitação de Viabilidade Técnica p/ligação Nova/Aumento de Carga XIV... Modelo de Etiqueta Padrão XV... Endereços Comerciais EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 3/44

6 A presente Norma Técnica de Distribuição, visa estabelecer as condições gerais de apresentação de Projeto Elétrico para Atendimento a Unidade Consumidora e Rede de Distribuição. Este documento normativo está em consonância com as normas da ABNT. Qualquer e todo caso não previsto por esta norma deverá ser submetido previamente à apreciação da CELPA. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 4/44

7 1. OBJETIVO A presente Norma estabelece os critérios para apresentação de projetos elétricos de instalações consumidoras e de redes de distribuição aérea, urbana e rural, a serem submetidos à análise das CENTRAIS ELÉTRICAS DO PARA S/A. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO As determinações contidas nesta Norma são válidas para instalações com qualquer potência, atendidas nas tensões primárias de distribuição até 34,5 KV, ou atendidas em tensão secundária de distribuição 220/127 V, em toda a área de concessão das CENTRAIS ELÉTRICAS DO PARA S/A. 3. REFERENCIAS COMPLEMENTARES Na utilização desta Norma recomenda-se consultar: - ABNT/NBR-5287: Pára-raios de resistor não linear a carboneto de silício para circuitos de potência de corrente alternada. - ABNT/NBR-5410: Instalações Elétricas de Baixa Tensão/Procedimento - ABNT/NBR-5419: Sistema de Proteção Contra Descarga Atmosférica (SPDA). - ABNT/NBR-5440: Transformadores para Redes Aéreas de Distribuição/Padronização. - ABNT/NBR-8124: Chaves Fusíveis de distribuição classe 2. - ABNT/NBR-8452: Especificação de poste de concreto armado para rede de distribuição. - ABNT/NBR-10068: Folha de Desenho - Leiaute e Dimensões/Padronização. - ABNT/NBR-10582: Conteúdo da Folha para Desenho Técnico/Procedimento. - ABNT/NBR-14039: Instalações Elétricas de Média Tensão (de 1,0kV a 36,2kV). - CELPA/NTD-01: Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária. - CELPA/NTD-02: Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária. - CELPA/NTD-03: Fornecimento de Energia Elétrica a Prédios de Múltiplas Unidades. - CELPA/NTD-05: Critérios para Projetos de Rede de Distribuição Aérea Rural. - CELPA/NTD-06: Critérios para Projetos de Rede de Distribuição Aérea Urbana. - CELPA/NTD-08: Critérios para Levantamento Topográfico. - CELPA/NTD-09: Estrutura de Rede Aérea Secundária com Cabo Multipexado. - CELPA/NTD-11: Montagem de Rede de Distribuição Aérea Urbana 13,8kV e 34 kv. - CELPA/ITD-14: Montagem de Rede de Distribuição Aérea Rural 13,8kV e 34 kv. 4. CONCEITOS BÁSICOS 4.1. Memorial Técnico Descritivo Componente do projeto onde devem constar suas características e outros dados necessários a sua perfeita compreensão. Tais como: - Dados sobre a instalação, incluindo nome, endereço e atividade a ser nela desenvolvida. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 5/44

8 - Descrição básica da entrada de serviço, com especificação dos principais equipamentos. - Descrição básica do sistema de operação e proteção. - Demonstrativo da demanda calculada. - Declaração de que o projeto foi elaborado em conformidade com as normas da ABNT, especificando-as. - Indicação dos dispositivos de proteção de circuitos alimentadores de motores e dos respectivos dispositivos de partida. - Características gerais do sistema de geração própria, nos casos em que o mesmo for utilizado, com a descrição do respectivo sistema de intertravamento, mostrando a impossibilidade de sua operação em paralelo com a alimentação através da rede CELPA Planta de Situação Desenho contendo os dados referentes á localização da rede de distribuição da CELPA e das derivações projetadas, com indicações das vias de acesso, de acidentes geográficos, de localidades e do geo-referenciamento em UTM do(s) poste(s) existente(s) e a instalar, ponto de derivação e postos de transformação Diagramas Unifilares Diagramas onde devem constar as características principais dos equipamentos previstos no projeto, além do dimensionamento da proteção parcial e/ou geral dos circuitos, se for o caso, e dos condutores de cada um dos ramais indicados Quadro de Distribuição de Cargas Quadro contendo os circuitos previstos na instalação, com indicação das fases em que estão ligados, do dimensionamento da proteção parcial e/ou geral, se for o caso, e dos condutores de cada circuito. Deverão ser apresentadas as demandas dos centros de distribuição e a demanda total da instalação Entrada de Serviço É o conjunto de equipamentos, condutores e acessórios instalados a partir do poste da CELPA até a medição. E constituída pelo ramal de ligação e ramal de entrada Diagrama Funcional Diagramas onde devem constar os esquemas de funcionamento, sinalização e alarme do sistema de proteção quando previsto no projeto Projeto da Instalação Interna Projeto com todos os detalhes necessários a compreensão das instalações internas.este projeto deverá ser desenvolvido conforme norma ABNT/NBR- 5410, deverá possuir, no mínimo, os seguintes elementos: Planta da instalação com a indicação dos pontos de consumo e respectivas cargas; Localização do(s) centro(s) de distribuição de cargas; Localização do sistema de geração própria, quando existir Projeto de Rede de Distribuição Projeto contendo os detalhes e as características da rede de distribuição a ser construída para atendimento a consumidor(es) Relação de Materiais Relação que deverá conter as especificações dos materiais previstos no projeto e suas quantidades. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 6/44

9 4.10.Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do CREA Documento fornecido pelo CREA, comprobatório de responsabilidade técnica pela autoria do projeto e execução da instalação Termo de Autorização de Passagem e Responsabilidade por Conservação do Ramal Documento assinado e reconhecido em cartório pelo(s) pretendente(s) a ligação, no qual o(s) mesmo(s) autoriza(m) a passagem de(as) rede(s) através de sua(s) propriedade(s); permite(m) a entrada de elementos credenciados da CELPA para a realização de vistorias na subestação, cabine de medição, na rede, e se responsabiliza(m) pela conservação da mesma. Ver modelo no Anexo VIII Termo de Autorização de Passagem Documento assinado e reconhecido em cartório pelo proprietário da área, permitindo a passagem, sobre a mesma, do ramal para atendimento a um pretendente. Ver modelo no Anexo IX Termo de Conservação de Ramal Documento assinado e reconhecido em cartório pelo(s) pretendente(s) a ligação no qual o(s) mesmo(s) declara(m) ter(em) construído rede de tensão primária dentro dos padrões da CELPA e se responsabiliza(m) pela conservação da mesma e por danos que a mesma venha causar. Ver modelo no Anexo X Termo de Responsabilidade para uso de Geração Própria Documento assinado pelo pretendente a ligação no qual o mesmo se responsabiliza por acidentes causados pelo uso de sistema de geração própria, quando utilizado simultaneamente ao sistema CELPA, ou em situações de emergência, na falta do atendimento desta. Ver modelo no Anexo XI Perfil Planialtimétrico Esta planta é destinada à locação das estruturas do projeto da rede primária e a representação planimétrica das redes primária e secundária. Deverá conter ainda: a) no desenho de perfil: a numeração das estacas, representadas em divisões de 10 em 10 unidades. Além disto, deverão ser registradas, em vertical, as cotas representativas do relevo do terreno; b) na vista planimétrica: os detalhes a seguir enumerados, desde que contidos na faixa de servidão da rede e ainda as edificações que representem ou não unidades consumidoras, distanciadas do eixo da rede de cerca de 100m: indicação de estradas de rodagem municipais, estaduais, federais e ferrovias; todos os caminhos, rios, lagoas, etc.; todas as linhas de transmissão, rede de distribuição urbana e rural e linhas de comunicação; indicação de cercas contendo o número e o tipo de fios de arame; divisões de propriedades, alturas, tipo de vegetação e solo; detalhes dos pontos de saída e chegada de rede, com indicação do alimentador existente, do angulo de derivação, poste e estrutura correspondente; núcleos populacionais; indicação das estacas, características de deflexão e saída de ramais; indicação de aeroportos. OBSERVAÇÃO: Um modelo deste perfil pode ser encontrado na NTD-05-anexo VI. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 7/44

10 4.16. Croqui de Localização Croqui com todos os detalhes necessários destinados à localização, conforme anexo II. Nesse croqui deverá conter: Identificação correta do endereço, quanto a localização do posto de transformação particular; Nome do município do estado; Nome do cliente e CNPJ e/ou CPF; A potência do transformador; As coordenadas em UTM do(s) poste(s) de derivação e do posto de transformação particular; As alturas e os esforços mecânicos dos postes envolvidos no levantamento e a posição do posteamento existente ou a instalar em relação a rua, travessia e etc; Os postes que possuem condutores de encabeçamento de baixa tensão; As estruturas de média tensão envolvidas no levantamento; Os condutores de média e baixa tensão envolvidos no levantamento; A distancia entre os postes; O numero de um equipamento existente em poste da rede de distribuição urbana ou rural. 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS Esta Norma poderá ser em qualquer tempo modificada, no todo ou em parte, por razões de ordem técnica ou legal, motivo pelo qual os interessados deverão, periodicamente, consultar a CELPA quanto a eventuais alterações, independente dos comunicados que a empresa tornar publico, através de mala direta ou meios de comunicação. As recomendações contidas nesta Norma não implicam em qualquer responsabilidade da CELPA com relação a qualquer dos materiais, a proteção contra riscos e danos á propriedade ou a segurança de terceiros. A análise do projeto, pela CELPA, não eximem o projetista e o executor de suas responsabilidades técnicas, nem das obrigações legais correspondentes. Qualquer esclarecimento sobre o assunto contido nesta Norma poderá ser obtido, junto ao Departamento de Projeto e Construção da Distribuição-DPC, na capital, ou Centros Regionais Serviços, no interior do Estado. 6. CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS 6.1. Consulta prévia sobre viabilidade técnica de atendimento O(s) pretendente(s) ou seu(s) representante(s), poderá manter contato prévio com a CELPA, no sentido de obter (em) informações referentes à viabilidade técnica do atendimento de energia elétrica pretendido para aumento de carga ou nova unidade consumidora. A viabilidade técnica de atendimento poderá ser solicitada juntamente com a analise de projeto elétrico. Ver modelo Anexo XIII. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 8/44

11 6.2. Carta para encaminhamento do projeto O projeto deverá ser encaminhado para análise da CELPA em 02 (duas) vias impressas e 01 (uma) cópia em CD (em CAD versão 2004) com etiqueta padrão (ver modelo Anexo XIV), através de carta assinada pelo(s) pretendente(s) ou seu(s) representante(s) ou, ainda, pelo responsável técnico pelo projeto. A carta deverá conter endereço para devolução do projeto após o mesmo ter sido analisado, além de informar a data provável de ligação da instalação. Recomenda-se informar também o número de telefone para eventuais contatos. Ver modelo Anexo I Locais de apresentação do projeto Os projetos objetos desta Norma deverão ser apresentados para análise nos locais abaixo, conforme as áreas em que serão implantados: a) Área Metropolitana de Belém (Belém, Ananindeua, Marituba, Icoaraci, Mosqueiro e Benevides): Local: Departamento de Administração Protocolo Geral b) Interior do Estado Local: Sedes dos Centros Regionais de Serviços (Santarém, Redenção, Altamira, Paragominas, Marabá e Castanhal). OBSERVAÇÃO: Os endereços destes locais constam do Anexo XV Padrões de apresentação dos desenhos dos projetos O projeto elétrico deverá ser plotado em folhas com formato padronizado, de acordo com o estabelecido pelas NBR's e Os desenhos de travessias e de ocupação de faixas de domínios, que necessitam de aprovação de outros órgãos, como por exemplo, DNIT, Prefeitura, Capitania dos Portos, etc., deverão ser contemplados no projeto Em todas as folhas de desenho deverá ser deixado um espaço em branco, logo acima da legenda, destinado ao assentamento de carimbos e outras anotações da CELPA Análise do projeto As análises dos projetos elétricos serão realizadas pelo Departamento de Projeto e Construção As análises dos projetos referidos no objetivo desta Norma serão efetuadas conforme Normas CELPA - NTD's: 01, 02, 03, 05, 06, 08, 09, 11, Os desenhos de travessias abaixo descriminadas deverão ser encaminhados a CELPA, juntamente com o projeto elétrico, também em 02 (duas) vias impressas e 01 (uma) em CD: Travessias sobre rodovias federais sob conservação federal; Ocupação de faixas de domínio de rodovias federais sob conservação federal; Travessias sobre ferrovias; Travessia sobre rios; Travessias sob linhas de transmissão com tensões maiores ou iguais a 34,5 kv. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 9/44

12 Após análise do projeto elétrico, o mesmo será devolvido ao interessado, juntamente com uma carta informando a conformidade ou não, do referido projeto com as Normas da CELPA Termos de Autorização e Responsabilidade de uso de Geração Própria Os termos de autorização de Passagem e Responsabilidade por conservação de ramal (anexos VIII, e IX), de Conservação de Ramal (anexo X) e de Responsabilidade para uso de Geração Própria (anexo XI) deverão acompanhar os projetos citados nos itens 7 e 8, quando aplicável. 7. APRESENTAÇÃO DE PROJETO A apresentação do projeto elétrico será necessária para atendimento de Subestação Transformadora, Edificação de Uso Coletivo, Rede de Distribuição em Aérea Urbana e Rural. 7.1 Subestação Transformadora em Média Tensão na Classe de 13,8 e 34,5 KV a) Ligação Nova e Aumento de Carga de Unidade Consumidora atendida em Baixa Tensão para Média Tensão Neste caso deverá ser apresentado os seguintes documentos: a.1) 02 (duas) vias da Carta de Solicitação sobre Análise do Projeto Elétrico, devidamente assinada pelo Responsável Técnico ou Proprietário, ou algum representante através de procuração (Ver anexo I). a.2) 01 (uma) via do formulário "Solicitação de Viabilidade Técnica p/ Ligação Nova/Aumento de Carga devidamente preenchido e assinado pelo Responsável Técnico ou Proprietário, ou algum representante através de procuração (Ver anexo XIII), ou carta da CELPA informando que é viável o atendimento. a.3) 01 (uma) via do Croqui de Localização, em caso de não constar no projeto elétrico, contendo a posição exata dos pontos do Poste Existente (Derivação) e/ou a instalar até o Posto de Transformação e/ou Cabine Primaria, Geo-referenciados em UTM-Fuso 22, delimitando a propriedade com terreno de terceiros e a via pública. O projeto deste Croqui de Localização deverá obedecer rigorosamente o procedimento, conforme o anexo II. a.4) 02 (duas) vias impressas e 01 (uma) em CD (em CAD versão 2004) com etiqueta padrão (ver modelo Anexo XIV), da Planta apresentando o desenho do Projeto Elétrico da Subestação, contendo detalhes das Vistas Frontal, Lateral, Superior, Diagrama Unifilar Geral, Quadro de Carga, detalhes e simbologias. Devendo ser a mesma, impressa em papel próprio e tamanho mínimo A2 e legível. a.5) 01 (uma) via da Anotação de Responsabilidade Técnica de Autoria do Projeto - ART/CREA. b) Aumento de Potência COM ou SEM deslocamento da subestação Neste Caso, os documentos necessários serão os mesmos do item 7.1 a), no entanto não será necessário que o Croqui de Localização esteja com os postes geo-referenciados em coordenadas UTM- Fuso 22. O Croqui de Localização deverá contemplar tanto o(s) Posto(o) de Transformação(ões) e/ou Cabine(s) Primaria a ser retirada(s) quanto a(s) ser(em) instalada(s). (Ver anexo II). EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 10/44

13 c) Rebaixamento de Potência e Modificação de Padrão de Medição de Média Tensão Neste Caso, os documentos necessários serão os mesmos do item 7.1 a), com exceção do sub-item a.2. O Croqui de Localização deverá contemplar tanto o(s) Posto(o) de Transformação(ões) e/ou Cabine(s) Primaria a ser retirada(s) quanto a(s) ser(em) instalada(s). (Ver anexo II). d) Unidade Consumidora de média tensão em situação desligada Serão considerados as seguintes situações: * UC DESLIGADA até 06 (seis) meses e possuir projeto elétrico analisado com validade, não será preciso apresentar projeto elétrico, desde que esteja de acordo com a norma técnica vigente. * UC DESLIGADA não inclusa nas condições supracitadas, deverá ser apresentado projeto elétrico, conforme procedimento do item 7.1 a). OBSERVAÇÃO: Toda Religação de UC estará condicionada, a execução ou não do ramal de média tensão, Vistoria Técnica e aos procedimentos comerciais da CELPA. NOTAS GERAIS: NOTA 1: Havendo extensão de rede em AT, superior á 120 metros deverá ser apresentado: 03 (três) vias do Perfil Planialtimétrico, quando o terreno for acidentado e/ou o(s) vão(s) for (em) superior (es) a 200 (duzentos) metros (NTD-05), de acordo com a escala abaixo: a) Sem levantamento planialtimétrico - Até 3.000m de extensão: 1:1000 ou 1:2000. b) Com levantamento planialtimétrico - Acima de 3000m de extensão: 1:500 (vertical) e 1:2000 (horizontal). NOTA 2: Quando a potência instalada da subestação for igual ou superior a 1000 kva, será obrigatório a apresentação do projeto completo do sistema de aterramento. NOTA 3: Todos os documentos impressos, com dados técnicos, deverão estar assinados pelo responsável do projeto 8. PROJETO PARA ATENDIMENTO DE EDIFICAÇÃO DE USO COLETIVO 8.1. Diretamente da Rede de Distribuição Urbana (RDU) em tensão secundária. Deverá ser apresentado para análise projeto elétrico de instalação a ser atendida em tensão secundária de 220/127V, edificações com múltiplas unidades, cuja carga instalada não seja superior a 50KW ou com mais de 09 (nove) unidades consumidoras polifásicas (bifásico e trifásico) ou com mais de 16 (dezesseis) unidades consumidoras monofásicas Apresentação do Projeto Deverão compor o projeto os seguintes elementos: - 02 (duas) vias da Carta de Solicitação da Análise do Projeto Elétrico, assinada por V.Sa., ou algum representante através de procuração, sendo uma devolvida ao cliente devidamente protocolada (ver anexo I); 01 (uma) via em CD (em CAD versão 2004) com etiqueta padrão (ver modelo Anexo XIV) e 02 (duas) vias impressas do Croqui de Localização do Posto de Transformação, Georeferenciado em UTM-Fuso 22 ou da localização do ramal de entrada e a planta de situação. No croqui deverá indicar o local, limites da propriedade, perímetro e número do imóvel, para melhor identificação do interessado, redes, postes e estruturas existentes na frente da propriedade, se for o caso (ver anexo II) ; EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 11/44

14 - 02 (duas) vias impressas da Planta com Desenho do Projeto Elétrico da Subestação e/ou padrão de entrada e 01 (uma) cópia em CD (em CAD versão 2004) com etiqueta padrão (ver modelo Anexo XIV, contendo diagrama unifilar e diagrama horizontal, planta baixa, detalhes das Vistas Frontal e Lateral do quadro de medição e simbologias. Devendo ser o mesmo, impressas em papel próprio e tamanho mínimo A2 e legível; - 02 (duas) vias do Memorial Técnico Descritivo com o cálculo de demanda e detalhes da carga instalada (Ver anexo III) e 01 (uma) cópia em CD; - 01 (uma) via da Anotação de Responsabilidade Técnica de Autoria do Projeto ART/CREA. Caso a execução do posto de transformação seja o mesmo profissional, apresentar também ART de execução. OBSERVAÇÃO: Todos os documentos impressos, com dados técnicos, deverão estar assinados pelo Eng Eletricista responsável pelo projeto Diretamente da Rede de Distribuição Urbana (RDU) em posto de transformação da Celpa, cuja demanda da edificação seja superior a 50kVA Apresentação do Projeto Deverão compor o projeto, os seguintes elementos: NOTAS GERAIS: - 02 (duas) vias da Carta de Solicitação da Análise do Projeto Elétrico, assinada por V.Sa., ou algum representante através de procuração, sendo uma devolvida ao cliente devidamente protocolada (Ver anexo I); - 01 (uma) via da Anotação de Responsabilidade Técnica de Autoria do Projeto ART/CREA. Caso a execução do posto de transformação seja o mesmo profissional, apresentar também ART de execução (duas) vias do Memorial Técnico Descritivo com o cálculo de demanda e detalhes da carga instalada (ver anexo III) e 01 (uma) cópia em CD; 02 (duas) vias impressas e 01 (uma) cópia em CD (em CAD versão 2004) com etiqueta padrão (ver modelo Anexo XIV) do Croqui de Localização do Posto de Transformação, Georeferenciado em UTM-Fuso 22 ou da localização do ramal de entrada e a planta de situação. No croqui deverá indicar o local, limites da propriedade, perímetro e número do imóvel, para melhor identificação do interessado, redes, postes e estruturas existentes na frente da propriedade, se for o caso (Anexo II); 02 (duas) vias da Planta com Desenho do Projeto Elétrico e 01 (uma) cópia em CD, contendo quadro de distribuição de carga, diagrama unifilar e diagrama vertical, planta baixa, detalhes das Vistas Frontal e Lateral do quadro de medição e simbologias. Devendo ser o mesmo, impressas em papel próprio e tamanho mínimo A2 e legível; NOTA 1: O projeto da instalação interna, desenvolvido conforme norma ABNT/NBR-5410, deverá possuir, no mínimo, os seguintes elementos: Planta do pavimento tipo e dos demais pavimentos do prédio, com as indicações dos pontos de consumo e as respectivas cargas. Localização do(s) centro(s) de distribuição. Localização do quadro de medidores. Desenho indicativo da prumada, desde a proteção geral até os quadros de distribuição das unidades de consumo. Localização do sistema de geração própria, quando este existir. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 12/44

15 NOTA 2: O quadro de distribuição de cargas deverá apresentar as seguintes características: Carregamento de cada circuito. Somatório das cargas de cada fase. Demanda parcial por unidade de consumo. Demanda de cada centro de distribuição. Demanda total diversificada, nos casos de instalação com mais de um centro de distribuição. OBSERVAÇÃO: Todos os documentos impressos, com dados técnicos, deverão estar assinados pelo responsável pelo projeto. 9. PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA 9.1. Apresentação de projeto Deverá ser apresentado projeto elétrico nos atendimentos em baixa tensão feitos através de eletrificação de loteamentos, conjuntos habitacionais e também nos casos de extensões de rede. O projeto deverá ser composto dos seguintes elementos: - 02 (duas) vias da Carta de Solicitação da Análise do Projeto Elétrico, assinada por V.Sa., ou algum representante através de procuração, sendo uma devolvida ao cliente devidamente protocolada (Ver anexo I); - 02 (duas) vias da carta de Estudo de Viabilidade Técnica de Fornecimento, assinada por V.Sa., ou algum representante através de procuração, sendo uma devolvida ao cliente devidamente protocolada (Ver anexo XIII); - 02 (três) vias impressas e 01 (uma) cópia em CD (em CAD versão 2004) com etiqueta padrão (ver modelo Anexo XIV) do Croqui de Localização do Posto de Transformação, Georeferenciados em UTM-Fuso 22 ou da localização do ramal de entrada e a planta de situação (Ver anexo II); - 02 (duas) vias da Planta com Desenho do Projeto Elétrico da Rede de Distribuição e 01 (uma) em CD, contendo detalhes e simbologias. Devendo ser desenhado em escala 1:1000, no formato A1; - 02 (duas) vias do Memorial Técnico Descritivo (Ver anexo IV); - 02 (duas) vias da Relação de material; - 01 (uma) Cópia do projeto em CD, com geo-referenciamento em UTM Fuso 22, identificando no mesmo, os nomes do engenheiro, do proprietário e endereço da propriedade; - 02 (duas) vias do Cálculo de Queda de Tensão (Anexo VII); - 01 (uma) via da Anotação de Responsabilidade Técnica de Autoria do Projeto ART/CREA. Caso a execução do posto de transformação seja o mesmo Engº Eletricista apresentar também ART de execução. OBSERVAÇÃO: Todos os documentos impressos, com dados técnicos, deverão estar assinados pelo Eng Eletricista responsável pelo projeto. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 13/44

16 9.2 Apresentação de Projetos Contratados pela CELPA Além dos elementos destacados no item 9.1 acima, deverá conter a apresentação da AES AUTORIZAÇÃO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇO), para as obras de universalização (art. 3 e art. 4 ), aumento de carga, nível de tensão, regularizaç ão de consumidores a mais de 30m, ramal de MT e também nos programas de funcionamento. O projeto deverá ser composto dos seguintes elementos: 02 (duas) vias da planta mostrando as seguintes simbologias: a) Postes existentes, projetados e removidos com suas respectivas alturas e esforços. b) Estruturas primárias e secundarias ao lado dos respectivos postes; c) Condutores existentes, projetados e removidos com suas respectivas bitolas; d) Equipamentos existentes, projetados e removidos (Regulador de tensão, religador, para raios, aterramentos,...); e) Os clientes a serem atendidos e os consumidores a serem regularizados (Para as obras de nível de tensão e regularização de consumidores a mais de 30m); f) Jumper e seccionamentos; g) Bases concretadas; h) Mapa urbano básico mostrando o encaminhamento da RD; i) 02 (duas) vias do diagrama de barra utilizadas nos cálculos de queda de tensão, tanto para a RD de MT como de BT; j) 01 (uma) via da ART (anotação de responsabilidade técnica); k) Iluminação pública existente; l) Relação das unidades consumidoras que serão atendidas por novo circuito, nos casos de obras de NT envolvendo rezoneamento de circuitos. Neste caso a CELPA deverá fornecer a relação das uc s envolvidas; m) Legendas. 01 (uma) cópia do projeto em CD, com georreferenciamento em coordenadas UTM fuso 22; 02 (duas) vias do cálculo de queda de tensão, exceto para as obras onde o departamento de planejamento já informe previamente os condutores a se utilizar. a) O cálculo de queda de tensão para projetos de UNIVERSALIZAÇÃO deve mostrar que os níveis de tensão estão adequados para atendimento, para tanto devem levar em consideração toda a extensão da rede de baixa tensão para o lado do circuito onde o cliente esteja situado. NOTAS GERAIS: NOTA 1: Nos projetos de regularização de nível de tensão envolvendo apenas adequação em BT, com necessidade ou não de rezoneamento de circuito, deverá constar no projeto a indicação de: Todos os condutores recozidos com necessidade de substituição por outro de bitola igual ou superior conforme resultado apresentado no cálculo de queda de tensão; EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 14/44

17 Substituição / instalação dos aterramentos nos transformadores envolvidos e finais de circuito observando o que recomenda as normas técnicas da CELPA NTD S 05, 06 E 09; Reaperto / substituição das conexões dos transformadores e jumpers dos circuitos de BT envolvidos; Substituição dos WPP S dos transformadores caso seja verificado dimensionamento inferior, bem como avarias provocados por ponto quente; NOTA 2: Nos projetos de Universalização ("PONTAS DE RUA"), deverá constar: A representação de toda a rede de baixa tensão existente referente ao "lado" do circuito do transformador que atenderá a estes clientes; A indicação dos clientes a serem atendidos bem como os consumidores a serem regularizados; 10. PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL 10.1 Apresentação do projeto Deverá ser apresentado projeto elétrico, em instalações a serem atendidas em tensão primária. O projeto deverá ser composto dos seguintes elementos: NOTAS GERAIS: - 02 (duas) vias da Carta de Solicitação da Análise do Projeto Elétrico, assinada por V.Sa., ou algum representante através de procuração, sendo uma devolvida ao cliente devidamente protocolada (Ver anexo I); - 02 (duas) vias do formulário "Solicitação de Viabilidade Técnica p/ Ligação Nova/Aumento de Carga" (Anexo XIII); - 02 (duas) vias do Perfil Planialtimétrico e 01 (uma) cópia em CD, quando o terreno for acidentado e/ou o(s) vão(s) for(em) superior(es) a 200 (duzentos) metros (NTD-05); - 02 (duas) vias da Planta com Desenho do Projeto Elétrico da Rede de Distribuição e 01 (uma) em CD. NOTA 1: No projeto da planta com Perfil Planialtimétrico deverá conter a definição da alturas de postes, vãos, estacas e marcos de amarração, deflexões, rios, igarapés, perfil planialtimétrico do terreno, natureza do terreno e vegetação, numeração das estruturas, etc. O projeto de rede de distribuição aérea rural deverá ser apresentado em folha de papel formato A-1, nas escalas abaixo: a) Sem levantamento planialtimétrico até 3.000m de extensão: 1:1000 ou 1:2000. b) Com levantamento planialtimétrico acima de 3000m de extensão: 1:500 (vertical) e 1:2000 (horizontal). NOTA 2: No projeto de travessias deverá conter, claramente, os pontos de travessias discriminados no item 6.5.2, porventura existentes, baseados em normas específicas (duas) vias do Memorial Técnico Descritivo (Ver anexo V); - 02 (duas) vias da Relação de material; - 01 (uma) Cópia do projeto em CD, com geo-referenciamento em UTM-Fuso 22, identificando no mesmo, os nomes do engenheiro, do proprietário e endereço da propriedade. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 15/44

18 - 01 (uma) via da Anotação de Responsabilidade Técnica de Autoria do Projeto ART/CREA. Caso a execução do posto de transformação seja o mesmo Engº Eletricista apresentar também ART de execução. OBSERVAÇÃO: Todos os documentos impressos, com dados técnicos, deverão estar assinados pelo responsável pelo projeto. 11. PROCEDIMENTO PARA PEDIDO DE VISTORIA E LIGAÇÃO Após aprovado o projeto, solicitar o pedido de vistoria e ligação, anexando os seguintes documentos: 02 (duas) vias da carta do pedido de Vistoria e ligação, assinada por V.Sa., ou algum representante através de procuração (Ver anexo XII); 01 (uma) via do Projeto Elétrico (completo) analisado pela Celpa; 01 (uma) cópia da carta de aprovação do projeto elétrico enviado pela Celpa; 01(uma) via da Anotação de Responsabilidade Técnica de Execução do Projeto ART/CREA. Nesta situação somente será preciso ser o Engº Eletricista não for o mesmo da autoria do referido projeto. 01(uma) via do Termo de Responsabilidade Por Uso de Geração Própria, caso possua Grupo Gerador, quando for o caso (Ver anexo XI); 01(uma) via do Termo de Autorização de Trânsito Livre (Ver anexo IX); 01(uma) via do Termo de Autorização de Passagem e Responsabilidade por Conservação de Ramal (Anexo VIII); 12. VIGÊNCIA A presente norma entra em vigor a partir de... de... de Otávio Luiz Renno Grilo Diretor Comercial e de Engenharia EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 16/44

19 ANEXO I MODELO DE CARTA SOLICITANDO ANÁLISE DE PROJETO ELÉTRICO A CENTRAIS ELÉTRICAS DO PARÁ S/A..., CPF/CNPJ n..., estabelecido a..., na cidade de...estado do... vem solicitar a V.Sa., providências para análise do projeto elétrico assinalado abaixo, que atenderá as instalações do (a)..., localizada no(a)..., na cidade de..., Estado do Pará. ( ) Rede de distribuição urbana. ( ) Rede de distribuição rural. ( ) Subestação de... KVA. ( ) Cabine de medição primária. ( ) Prédio de múltiplas unidades consumidoras. Atenciosamente... Em anexo: ( ) 02 Vias do Projeto Elétrico. ( ) 02 Cópias do Memorial Técnico Descritivo. ( ) 01 Cópia da ART. ( ) 02 Vias da Relação de Material, quando tratar-se de rede de distribuição. ( ) 02 Vias das Planilhas de Cálculo de Tensão. ( ) 01 Via do Projeto, com a memória de cálculo, da Malha de Aterramento, quando for o caso. ( ) 01 CD contendo a cópia do projeto EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 17/44

20 ANEXO II CROQUI DE LOCALIZAÇÃO - EXEMPLO 1 SUBESTAÇÃO AÉREA URBANA RUA C RUA A N1 11X300 3# 2(2)CA X Y NS N1 11X300 3# 2CA-13,8KV N2 11X300 RUA B 3# 2CA-13,8KV 30.0 X Y kva EXEMPLO 2 SUBESTAÇÃO AÉREA RURAL MUNICÍPIO A X Y RUA D N # 2CA-34,5KV N N N NS BC 20.0 N N BC # 2CA 13,8KV 80.0 N BC N X Y kva FAZENDA RURAL EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 18/44

21 CROQUI DE LOCALIZAÇÃO EXEMPLO 3 AUMENTO DE POTÊNCIA SEM DESLOCAMENTO DE RAMAL X Y RUA C RUA A N1 11X300 3# 2(2)CA NS N1 11X300 3# 2CA-13,8KV N2 11X300 RUA B a retirar 112,5kVA 3# 2CA-13,8KV 150 kva Ramal de Média Tensão Existente N1 NS 11X300 X Y EXEMPLO 4 AUMENTO DE POTÊNCIA COM DESLOCAMENTO DE RAMAL RUA C RUA A N1 11X300 3# 2(2)CA X Y N3A N1 11X300 3# 2CA-13,8KV # 2CA 13,8KV N2 11X300 RUA B 3# 2CA-13,8KV Ramal de Média Tensão Existente X Y N1 NS 11X300 Nome do cliente e CNPJ ou CPF Nº da UC de Média Tensão: EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 19/44

22 CROQUI DE LOCALIZAÇÃO EXEMPLO 5 Prédio de múltiplas unidades consumidoras AVENIDA FERNANDO GUILHON X Y Edifício Carpediem EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 20/44

23 CROQUI DE LOCALIZAÇÃO (EXEMPLO 6 Loteamento) X Y ,5 kva CIRC-II X Y ,5 kva CIRC-I EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 21/44

24 ANEXO III MODELO DO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO DE USO COLETIVO 1. DADOS DA INSTALAÇÃO: O presente memorial técnico descritivo trata das instalações elétricas da subestação transformadora para um edifício... com... (...) pavimentos, sendo... (...) níveis de garagem,... (...) pavimento típicos e... (...) apartamentos duplex, situado (a) no (a)... Bairro do (a)... Belém (Pa). Foram seguidas as normas brasileiras (ABNT NBR S 5356 e 5410) e a normas técnicas de fornecimento de energia elétrica a edificações de uso coletivo NTD 03, da Celpa. 2. CARACTERÍSTICAS DA ENTRADA DE SERVIÇO: O ramal de ligação será aéreo em cabo de alumínio de... x #... AWG-CA até os isoladores da cruzeta de concreto...x...x...mm. Aos condutores do ramal de entrada, serão conectados pára-raios (um para cada fase) e chaves fusíveis (uma para cada fase) através de fio de cobre nu de...mm 2 e destas até o transformador também em fio de cobre de nu de...mm 2, instalados no mesmo poste... dan, da subestação, conforme padrão estabelecido pela Celpa. Será instalado um transformador de... kva no poste acima especificado. A medição será direta para os apartamentos e condomínio, a saber: 3. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS: 4. PROTEÇÕES: - Transformador de... kva; - Atendimento em tensão primária:... kv; - Tensão no secundário do transformador: 220 / 127V; - Medição direta em baixa tensão; - Freqüência: 60 Hz; - Neutro acessível; - Ligação em delta - estrela aterrado Pára-raios: As características dos pára-raios serão as seguintes: - Capacidade de interrupção:...ka; - Classe de tensão:...kv; - Tensão nominal:...v Chaves Fusíveis: As características serão as seguintes: - Corrente nominal:...a; - Classe de tensão:...kv; - Freqüência: 60Hz; - Capacidade de interrupção:...ka; - Nível básico de isolamento:...kv; - Elo fusível:...k. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 22/44

25 4.3 - Proteção Geral de Baixa Tensão: Para proteção geral de BT, utilizaremos uma chave tipo faca, com acionamento sob carga, de corrente nominal...a (... amperès), com... (...) fusíveis tipo NH de...a (...amperès). 5. CONDUTORES: Utilizaremos os seguintes condutores:... x #...AWG-CA, para o ramal de AT;... x #...mm 2 de cobre nu, do ramal de AT até os pára-raios e chaves fusíveis, e destes até o transformador;...x...#...(...)mm 2 de cobre, com isolamento para...kv da saída do transformador até a chave geral de BT. 6. TUBULAÇÃO: Será de ferro galvanizado... da saída do transformador até a caixa de passagem no pé do poste, e desta até a última caixa de passagem será com eletroduto de PVC..., envelopado em concreto magro. 7. ATERRAMENTO: Conforme orientações contidas nas NTD 03 da CELPA. 8. CARGA INSTALADA DEMONSTRATIVO DE DEMANDA PROVÁVEL (exemplo): Edifício Exclusivamente Residencial: Características da Edificação: - Nº de pavimentos: 28 - Nº de apartamentos típicos: 44 - Nº de apartamentos duplex: 02 - Nº de níveis de garagem: 04 - Área útil do apartamento típico: 115,95m 2 - Área útil do apartamento duplex: 219,31mm Cálculo de Carga Instalada: Apartamento-tipo: QUANT DESCRIÇÃO CARGA UNITÁRIA (W) CARGA TOTAL (kw) 22 Tomada simples (TUG) 100 2,20 09 Tomada força (TUE) 300 2,70 05 Tomada força (TUE) ,00 03 Chuveiro elétrico ,00 01 Aquecedor de banheira ,20 04 Ar condicionado ,20 01 Ar condicionado ,40 08 Lâmpada incandescente 40 0,32 25 Lâmpada incandescente 60 1,50 08 Lâmpada incandescente 100 0,80 TOTAL 30,32 EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 23/44

26 Condomínio: QUANT DESCRIÇÃO CARGA UNITÁRIA (W) CARGA TOTAL (kw) 17 Tomada simples (TUG) 100 1,70 01 Tomada força (TUE) 300 0,30 68 Lâmpada incandescente 40 2, Lâmpada incandescente 60 13,20 34 Lâmpada incandescente 100 3,40 19 Lâmpada mista 160 3,04 03 Lâmpada HQI 150 0,45 01 Motor 1/2cv 220V(Filt) 570 0,57 01 Motor 3cv 220V(B.incend) ,21 02 Motor 7.5cv 220V(elevad) ,80 01 Motor 10cv 220V(Recalque) TOTAL 48, Apartamento Duplex: QUANT DESCRIÇÃO CARGA CARGA UNITÁRIA (W) TOTAL (kw) 32 Tomada simples (TUG) 100 3,20 05 Tomada força (TUE) 300 1,50 02 Tomada força (TUE) 600 1,20 05 Tomada força (TUE) ,00 05 Chuveiro elétrico ,00 01 Sauna ,00 01 Aquecedor de banheira ,20 05 Ar condicionado ,75 02 Ar condicionado ,80 10 Lâmpada incandescente 40 0,40 60 Lâmpada incandescente 60 3,60 12 Lâmpada incandescente 100 1,20 02 Motor 1/3 cv 127V(fil.hid) 410 0,82 TOTAL 46, Cálculo das Demandas: Edificação: Neste caso, o edifício é exclusivamente residencial. Portanto, utilizaremos o critério da área útil para os apartamentos típicos e apartamentos duplex, descrito no item da norma NTD - 03 e utilizaremos o critério da carga instalada para o condomínio onde: D = (D1 + D2 + D3) x fs D = Demanda total de edificação D1 = Demanda dos apartamentos típicos D2 = Demanda do condomínio D3 = Demanda dos apartamentos duplex fs = Fator de segurança Apartamento - tipo: (D1) D1 = s x f = 2,54 x 31,94 = 81,13 (Tab. 10 e 11) fs = 1,2 (Item tab. a) EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 24/44

27 Condomínio: (D2) *Demanda de iluminação: 22,81 x 100% x = 10,00 25% x = 3,20 13,20 kva *Demanda das tomadas: 2,00 x 0,20 = 0,40 kva *Demanda do motor de1/2 cv = 0,87 kva *Demanda do motor de 3cv = 4,04 kva *Demanda dos motores 7.5cv = 12,98 kva *Demanda do motor de 10cv = kva D2 = 13,20 + 0,40 + 0,87 + 4, , ,54 = 43,03 kva Padrão = 3P A Apartamentos duplex: (D3) D3 = s x f + (a+b) = 4,36 x 1,96 = 8,54 (tab. 10 e 11) a = Demanda da sauna: x 2 x 0,65 = 5,2 kva b = Demanda do aquecedor de banheira: 3,2 x 2 = 6,40 x 0,75 = 4,8 kva D3 = 8,54 + 5,2 + 4,8 = 18,54 kva D = (81, , ,54) x 1,2 = 171,24 kva Corrente de projeto = 450 A - Apartamento duplex (Demanda individual): DD = (a + b + c + d), onde: a = iluminação e tomadas 8,40 x 0,54 = 4,54 b = Aparelhos eletrodomésticos e de aquecimento : b1 = Chuveiro 10,00 x 0,62 = 6,20 b2 = Aquecedor de banheira 3,20 x 0,80 = 2,56 b3 = Fogão a aparelho tipo grill 2,70 x 0,56 = 1,51 b4 = Máquina de lavar louça, roupa, secar roupa e ferro elétrico 5,00 x 0,62 = 3,10 b5 = Sauna 4,00 x 0,80 = 3,20 c = Ar condicionado 12,55 x 0,90 = 11,30 d = Filtro de piscina 1/3cv - hidromassagem 1/3cv 0,82 x 0,56 = 0,46 DD = 4,54 + 6,20 + 2,56 + 1,51 + 3,10 + 3, ,30 + 0,46 = 32,87 kva Padrão = 3P A EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 25/44

28 - Apartamento tipo (Demanda individual): DT = (a + b + c + d), onde: a = iluminação e tomadas 4,82 x 0,68 = 3,28 b = Aparelhos eletrodomésticos e de aquecimento : b1 = Chuveiro 6,00 x 0,70 = 4,2 b2 = Aquecedor de banheira 3,20 x 0,80 = 2,56 b3 = Fogão a aparelho tipo grill 2,70 x 0,51 = 1,37 b4 = Máquina de lavar louça, roupa, secar roupa e ferro elétrico 5,00 x 0,62 = 3,10 c = Ar condicionado 8.6 : 0.92 x 1 = 9,35 DT = 3,28 + (4,2 + 2,56 + 1,37 + 3,1) + 9,35 = 23,86 kva Padrão = 3P - 70 A Tipo de fornecimento às unidades consumidoras: Apartamento tipo: O tipo de fornecimento será definido pela carga instalada calculada no item 8.5 (DT = 23,86 kva) Fornecimento = Trifásico 3 fases + neutro Proteção = Disjuntor tripolar de 70A Condutor = Ver esquema vertical. Foi considerado um queda de tensão de 2% Condomínio: O tipo de fornecimento será definido pela demanda calculada no item (D2 = 43,03 kva) Fornecimento = Trifásico 3 fases + neutro Proteção = Disjuntor tripolar de 120A Condutor = 3 x # 50 (# 50) mm 2 cobre /PVC 750V Apartamento duplex: O tipo de fornecimento será definido pela demanda calculada no item 8..4 (DD = 32,87 kva) Fornecimento = Trifásico 3 fases + neutro Proteção = Disjuntor tripolar de 100A Condutor = 3 x # 70 (# 50) mm 2 cobre /PVC 750V Demanda dos painéis de medidores: A demanda dos painéis de medidores será calculada pelo critério de área útil Painel I e II (16 caixas padrão polifásicas cada): DP I e II = (DI) x fs DI = s x f = 2,54 x 14,32 = 36,37 (tab. 10 e 11) Fs = 1,5 DP I e II = 36,37 x 1,5 = 54,56 kva Corrente nominal = 143,3A Painel III (14 caixas padrão polifásicas): a = 12 medidores típicos EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 26/44

29 b = 02 medidores duplex (calculada no item 8.3.4) DP III = (Da + Db) x fs Da = s x f = 2, ,20 = 28,45 Db = 18,54 DP III = (28, ,54) x 1,3 = kva Corrente Nominal = 160 A Tipo de fornecimento da edificação: O atendimento será através da rede primária, com SE construída pela concessionária, conforme indicado no item 5.3 da norma NTD De acordo com a tabela 3 do anexo I adotaremos: Transformador = 150 kva Proteção = Chave tipo faca 600A, com fusível tipo NH de 500A Condutores = 2 x 3 # 120 (120) mm 2 isolamento para 1kV Eletroduto = 4 - ferro galvanizado e PVC 9 - RAMO DE ATIVIDADE: A presente edificação trata de um edifício de múltiplas unidades consumidoras exclusivamente residenciais DATA PREVISTA PARA LIGAÇÃO DEFINITIVA:... de Belém (Pa),... de...de Assinatura do profissional CREA EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 27/44

30 ANEXO IV MODELO DO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO DE REDE AÉREA DE DISTRIBUIÇÃO URBANA- RDU Nome do loteamento (se for o caso):... Endereço da obra:... Município da obra:... 1 OBJETIVO DA OBRA O presente Memorial Descritivo tem por objetivo especificar as características construtivas da rede de distribuição e iluminação pública para o loteamento POSTEAMENTO Os postes serão de... conforme especificado no projeto (definir tipo de poste e capacidade). 3 - ESTRUTURA PRIMÁRIA Serão utilizadas cruzetas de concreto... m, do tipo... e..., conforme projeto (definir tipo de estrutura). 4 - CHAVES CORTA-CIRCUITO FUSÍVEIS: As chaves corta-circuitos fusíveis deverão ser do tipo distribuição, constituídas de corpo de porcelana, cartucho de fibra com tampo expulsável e conectores prateados, com conectores terminais próprios para cabos de 10mm² a 35mm. As chaves deverão ser projetadas e construídas de acordo com a norma ABNT NBR 8124 e apresentar as seguintes características principais: Tensão nominal kv Corrente nominal A Capacidade de interrupção (simétrica) KA Nível básico de isolamento KV 5 - PARA-RAIOS: Os pára-raios serão do tipo distribuição compostos de corpo de porcelana, centralizador de gap magnético, resistores não lineares, mola de suspensão, tampas de cobre, gaveta de borracha sintética, desligador automático e terminais para cabos de seção 10mm² a 70mm². Os pára-raios deverão ser projetados e fabricados de acordo com a última revisão da norma ABNT NBR 5287 e deverão apresentar as seguintes características principais: Tensão nominal eficaz KV Corrente de descarga nominal KA EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 28/44

31 6 - TRANSFORMADORES: Os transformadores de distribuição deverão ser do tipo para instalação externa, montagem em poste, resfriamento a óleo por circulação natural, operação contínua à plena carga na tensão e freqüência nominais, projetados e construídos em conformidade com a última revisão da norma ABNT NBR 5440 com as seguintes características principais: Tensão primária nominal KV. Tensão secundária nominal /127V (ou outro a definir) Ligação primária triângulo Ligação secundária estrela com neutro acessível Derivações do primário V Classe de isolamento: AT KV BT KV Tensão suportável de impulso atmosférico... KV 7 - CABOS Os cabos primários serão de... Alumínio nu (CA) em alumínio cobertos (cobertura em material polimérico), conforme normas e padrões da CELPA. Os cabos secundários serão multiplexados com neutro nu de...(3x35 + 1x35), (3x70 + 1x70) ou (3x x70) mm² em alumínio com isolação em XLPE, dimensionados de acordo com a necessidade e conforme normas e padrões da CELPA. 8 - ATERRAMENTO Conforme orientações contidas nas NTD s 09 e 11 da CELPA. 9 - ILUMINAÇÃO PÚBLICA Os conjuntos de iluminação pública serão do tipo...(curto, médio ou longo), com luminárias...(abertas ou fechadas de policarbonato). As lâmpadas serão de vapor de sódio com potência de...(70, 100, 150 e 250Watts), acompanhadas dos respectivos reatores. O acionamento será através de comando individual utilizando rele fotoelétrico de 220V PADRÃO DE ENTRADA O fornecimento de energia elétrica será em tensão secundária 220/127 Volts, sendo os clientes ligados em padrões...(monofásico, bifásico e trifásico) com medidores alojados em caixas tipo...(ii, III, IV, V), instalada em poste de... m de altura com resistência de...(90, 200 ou 300) dan DATA PREVISTA PARA A CONCLUSÃO DA OBRA: A data prevista para a conclusão da obra é:.../.../ Assinatura do profissional CREA EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 29/44

32 ANEXO V MODELO DO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL - RDR Nome do proprietário:... Nome da propriedade:... Endereço da propriedade:... Ramo de atividade:... Município:... Endereço para correspondência: OBJETIVO O presente Memorial Descritivo tem por objetivo especificar as características construtivas de um ramal rural, classe... KV, com... metros de extensão, com instalação de um transformador trifásico de... kva e uma medição... (definir tipo medição). 2 - POSTEAMENTO: Os postes serão de... conforme especificado no projeto (definir tipo de poste e capacidade). 3 - ESTRUTURA PRIMÁRIA Serão utilizadas cruzetas de concreto... m, do tipo... e..., conforme projeto (definir tipo de estrutura). 4 - CHAVES CORTA-CIRCUITO FUSÍVEIS: As chaves corta-circuitos fusíveis deverão ser do tipo distribuição, constituídas de corpo de porcelana, cartucho de fibra com tampo expulsável e conectores prateados, com conectores terminais próprios para cabos de 10mm² a 35mm. As chaves deverão ser projetadas e construídas de acordo com a norma ABNT NBR 8124 e apresentar as seguintes características principais: 5 - PARA-RAIOS: Tensão nominal kv Corrente nominal A Capacidade de interrupção (simétrica) KA Nível básico de isolamento KV Os pára-raios serão do tipo distribuição compostos de corpo de porcelana, centralizador de gap magnético, resistores não lineares, mola de suspensão, tampas de cobre, gaveta de borracha sintética, desligador automático e terminais para cabos de seção 10mm² a 70mm². Os pára-raios deverão ser projetados e fabricados de acordo com a última revisão da norma ABNT NBR 5287 e deverão apresentar as seguintes características principais: Tensão nominal eficaz KV Corrente de descarga nominal KA EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 30/44

33 6 - CONDUTORES: O condutor aéreo primário será de alumínio tipo CA, bitola...awg 7 - DATA PREVISTA PARA A CONCLUSÃO DA OBRA: A data prevista para a conclusão da obra é:.../.../ Assinatura do profissional CREA EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 31/44

34 ANEXO VI MODELO DO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO SUBESTAÇÃO TRANSFORMADORA 1.OBJETIVO: O presente memorial é parte integrante do projeto e tem como objetivos básicos: - Complementar os dados e/ ou de mais informações dos desenhos. - Descrever as características principais dos serviços a serem executados. - Fixar normas e orientações básicas na execução dos serviços. 2.DADOS DA INSTALAÇÃO: O presente memorial técnico descritivo refere-se as instalações elétricas da subestação transformadora monofásica ou trifásica de...kva, que atenderá a carga total da unidade consumidora nº de propriedade do(a)..., localizada no(a)..., nº..., Bairro do (a)..., no município de.../pa. Foram seguidas todas as normas brasileiras (ABNT - NBR S 5356 e 5410) e a normas técnicas de fornecimento de energia elétrica em tensão primária - NTD-02 e em tensão secundária - NTD-01 da Celpa. 3.CARACTERÍSTICAS DA ENTRADA DE SERVIÇO: O ramal de ligação será aéreo em cabo de alumínio de... x #... AWG-CA até os isoladores da cruzeta de concreto...x...x...mm. O(s) condutor(es) do ramal de entrada, será(ão) conectados pára-raio(s)(um para cada fase) e chave(s) fusível(is)(uma para cada fase) através de fio de cobre nu de 16mm² e destas até o transformador particular também em fio de cobre nu de 16mm², instalados no mesmo poste de.../... dan, da subestação, conforme padrão estabelecido pela Celpa. O transformador de...kva, será instalado no poste acima especificado. A medição será montada em..., conforme padrão da CELPA, e na mesma serão embutidas... (...) caixas, a saber: - Caixa Padrão, Tipo CM-..., com as dimensões:...x...x...mm ou CMI- COMPACTA para medições às claras; - Caixa Proteção dos TC`s, Tipo CTC-..., com as dimensões:...x...x...mm. (especificar somente quando o Padrão de Medição for com o emprego de TC s) 4.CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS: - Potência do transformador:...kva - Tensão Primária:...KV; - Ligação em Delta - Estrela aterrado; - Neutro acessível; - Tensão no secundário do transformador:.../...v; - Medição indireta em baixa tensão; - Freqüência: 60Hz; EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 32/44

35 5.PROTEÇÕES: 5.1.Pára-raios: Os pára-raios deverão possuir as seguintes características: - Capacidade de interrupção:...ka - Classe de tensão:...kv - Tensão nominal:...kv 5.2.Chaves Fusíveis: As chaves fusíveis deverão possuir as seguintes características: - Corrente nominal de...a; - Capacidade de interrupção de...ka; - Nível básico de isolamento de...kv; - Elo fusível de Proteção geral de BT: Para a proteção geral de BT, será usado um (a)...a, com...a. 6.CONDUTORES: Os condutores a serem usados serão os seguintes: -...#...AWG-CA para o ramal de AT; -...mm² cobre nu, do ramal de AT até os pára-raios e chaves fusíveis e dessas ao transformador; -...#...(...)mm²-..., da saída do transformador até os medidores e destes a proteção geral de BT. 7.TUBULAÇÃO: O ramal do eletroduto de entrada e saída será de ferro galvanizado de... com curva de ferro galvanizada de... de 135º. A caixa de proteção do medidor e dos TC S serão aterradas através de fio de cobre nu de...mm2 que será protegido por eletroduto de PVC de DISTRIBUIÇÃO DE FORÇA E LUZ: Da saída da bucha secundária do transformador sairão três cabos por fase com bitolas... e um cabo neutro com bitola de... que passarão pela caixa de proteção dos TC s e desde até a caixa de proteção geral de BT. Da caixa de proteção geral de BT, sairá a alimentação subterrânea ou aérea para os quadros de distribuição, com os condutores de...x...#...(...)mm² -... ou...kv em eletroduto de... envelopado em concreto. 9.ATERRAMENTO: Conforme orientações contidas nas NTD 02 da CELPA. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 33/44

36 10.CARGA INSTALADA / DEMONSTRATIVO DE DEMANDA CALCULADA: - Motores: 3 x 15cv + 3 x 7,5cv + 1 x 20cv (Tabelas 6 e 7 da NTD-02). - Ar Condicionado: 7 x BTU S + 2 x BTU S (Tabela 5 da NTD-02) - Iluminação: 40 x 40W + 50 x 250W + 08 x 160W (tabela 2.1 da NTD-02) - Tomadas: 5 x 100W + 2 x 600w + 3 x 200w (tabela 2.1 da NTD-02) - TOTAL DE CARGA INSTALADA:...W - TOTAL DA CARGA DEMANDADA:...KVA - TOTAL DA CARGA DEMANDADA:...KW 11.FATOR DE POTÊNCIA: foi considerado o fator de potência de 0.92%. 12.RAMO DE ATIVIDADE: O ramo de atividades será comercial. Ex.: madeireira. OBSERVAÇÃO: A autoria deste projeto elétrico será anulada parcial ou totalmente em caso, de no momento de sua execução, ocorrer: Não cumprimento do estabelecido nas especificações, critérios e procedimentos contidos no projeto. Alteração que ocorram sem o conhecimento prévio do projetista e/ou da concessionária. Belém,...de... de Assinatura do profissional CREA EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 34/44

37 ANEXO VII MODELO DA PLANILHA DE CÁLCULO DE QUEDA DE TENSÃO Empresa: Projeto: RDU Proprietário: Autor: Data: Local: Circuito Derivadas do 3Ø II-112,5 kva / Consumidor Fator de Potência Fator de crescimento% 1,5 0 Carga pesada (D/N) Tensão 220 0,92 N Monofásicas Horizonte de estudo Tensão 127 anos 0 Demanda Total kva 116,87 Maior queda acumulada % 4,27 Trafo a ser utilizado kva 112,5 Do ponto Trecho Ao Ponto Nº UC Cargas Especiais kva Carga Acumulada kva Configuração da Rede Condutor Fase (Neutro) K% Comprimento do Trecho m Queda de Tensão % no Trecho Queda de Tensão % Acumulada Corrente (Ampèrs) Saída do TRAFO 2 70,763 99, Saída 1 1 0,163 25, , ,5577 0, , ,163 23, , ,3997 0, , ,163 22, , ,2424 1, , ,163 21, , ,8892 2, ,6773 Lado A ,163 21, , ,7528 2, , ,163 18, , ,2442 3, , ,163 15, , ,4424 3, , ,163 12, , ,4840 4, , ,163 6, , ,2567 4, ,1737 Saída ,163 17, , ,4378 0, , ,163 14, , ,3805 0, , ,163 12, , ,1497 0, ,6307 Lado B ,163 12, , ,3233 1, , ,163 12, , ,2735 1, , ,163 9, , ,3440 1, , ,163 6, , ,2787 2, ,1737 EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 35/44

38 CROQUI DE QUEDA DE TENSÃO Legenda: Representa o número de consumidores, no caso, é indicado apenas o número 2. Ver planilha de cálculo de queda de tensão, na coluna n de UC ; Representa o número do poste, no caso, é indicado apenas o número 1. Ver planilha de cálculo de queda de tensão, coluna trecho. EMISSÃO: Abril/09 REVISÃO: 01 36/44

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA R3 DCMD 01/09/2014 01/10/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 01/09/2014 R3 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R1 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 R1 - Acrescentado Medição Agrupada, Cabinas e Postos

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R0 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 Página 2 de 10 1. ENCAMINHAMENTO Para apresentação

Leia mais

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Contratação de empresa c/ Tradição no Ramo (trabalha de forma especializada) p/ Locação e Execução (Instalação, Montagem, Manutenção, Operacionalização e Desmontagem)

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA ITEM ASSUNTO Página 01 FINALIDADE... 01 02 ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras PADRÃO DE M EDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO No

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Egenharia Processo de Engenharia e Obras 3$'5 2'(0(',d 2,1',9,'8$/'(&/,(17(6 (0%$,;$7(16 2 No DATA

Leia mais

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE 750kVA DESTINADA AO PRÉDIO DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DE PERNAMBUCO, SITUADO NO MUNICÍPIO DE RECIFE NO ESTADO DE PERNAMBUCO. MEMORIAL DESCRITIVO 1. FINALIDADE:

Leia mais

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Análise de Projetos Prediais ITD-14 Revisão 1 CEI.G DISTRIBUiÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ITD-14 Critérios

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2012 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com Padrão de Entrada Professor Cristiano prof.arbex@gmail.com Introdução O objetivo deste material é orientar os projetistas no que se refere ao projeto e dimensionamento do padrão de entrada, de acordo com

Leia mais

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Engenharia Elétrica - UniFOA 7 Período Professor Paulo André Dias Jácome Engenheiro Eletricista CREA-RJ 168734/D Bibliografia: Básica: - Instalações Elétricas Hélio Creder

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

NORMA DE FORNECIMENTO

NORMA DE FORNECIMENTO NORMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA REVISÃO: JULHO/2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 DEFINIÇÕES 3.1 - Aterramento 3.2 - Caixa de Barramentos 3.3 - Caixa de Medição 3.4 - Carga Instalada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS BALNEÁREO CACHOEIRA GRANDE Goiás GO Revisão Data Emissão Elaboração Aprovação Descrição 0 20/03/13 A RODRIGO Emissão inicial Emissão (A) Para aprovação (D)

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 4EN 2013/1 SOLIVAN ALTOÉ SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Transmissão de energia elétrica A tensão elétrica

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário 1. Objetivo... 6 2. Aplicação... 6 3. Documentos de referência... 6 4. Obtenção de dados preliminares... 6 4.1. Características do projeto... 6 4.1.1. Localização... 6 4.1.2. Tensão de operação... 6 4.1.3.

Leia mais

Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão

Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão ITA 001 Rev.3 Dezembro/2009 Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ CEP 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA CLIENTE: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS- DR/PE CNPJ 34.028.316/0021-57 LOCAL: AVENIDA GUARARAPES Nº250-SANTO ANTÕNIO RECIFE-PE.

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais ND-5.1 Companhia Energética de Minas Gerais Norma de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais Belo Horizonte - Minas Gerais

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Norma 05/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e Operação

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NDU-018 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2.

Leia mais

NORMA TÉCNICA Padrão para Entrada de Serviço Simplificada

NORMA TÉCNICA Padrão para Entrada de Serviço Simplificada NORMA TÉCNICA Padrão para Entrada de Serviço Simplificada DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DONOR - NTE 008 2ª Edição DPE/PPE 19/06/07 2 de 21 APRESENTAÇÃO Esta

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16 Página 1 de 16 COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NORMA TÉCNICA NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais Cuiabá Mato Grosso - Brasil ÍNDICE Pág. APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

Sumário. Instalações Elétricas II

Sumário. Instalações Elétricas II Sumário 1 Introdução... 3 1.1 Definições... 3 1.2 Partes componentes de um projeto elétrico... 3 2 Modalidade de ligações... 3 3 Ramais... 4 4 Etapas de um projeto... 5 4.1 Determinação da carga estimada...

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 KV NORTEC01 Capítulo Descrição Página 1 Finalidade 01 2 Âmbito

Leia mais

Sumário. Instalações Elétricas II

Sumário. Instalações Elétricas II Sumário 1 Introdução... 3 1.1 Definições... 3 1.2 Partes componentes de um projeto elétrico... 3 2 Modalidade de ligações... 4 3 Ramais... 4 Rede de Baixa Tensão... 5 4 Etapas de um projeto... 8 4.1 Determinação

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO TÍ TU L O ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V CÓDIGO VERSÃO Nº R2

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO TÍ TU L O ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V CÓDIGO VERSÃO Nº R2 TÍ TU L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R2 DATA DATA DA VIGÊNCIA 25/11/2013 ITEM ASSUNTO Página 01 FINALIDADE... 01 02 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 01 03 CONCEITOS BÁSICOS... 02 04 PROCEDIMENTOS... 04 05 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS De acordo com o item 7 do RIC de BT Fecoergs deverá ser apresentado projeto a Creluz nas seguintes situações: a) unidade consumidora com carga instalada superior a 75 kw; b) prédio de múltiplas unidades

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-01

CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-01 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-0 REDE DE DISTRIBUIÇÃO RURAL MONOFILAR DEPARTAMENTO DE NORMAS E PROCEDIMENTOS CP-003/2006 R-0 DOCUMENTO

Leia mais

Demanda, Diagrama Unifilar, Memorial descritivo e Orçamento

Demanda, Diagrama Unifilar, Memorial descritivo e Orçamento Demanda, Diagrama Unifilar, Memorial descritivo e Orçamento Demanda e Padrão de Entrada Diagrama Unifilar Memorial descritivo e Orçamento Diferentemente do restante da instalação, as normas que regem a

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.007 CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO POR TERCEIRO 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.007 CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO POR TERCEIRO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.007 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA - ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS

Leia mais

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO Contratação de Serviços de Engenharia para Instalação de Novos Pontos de IP e Complementação da Eficientização do Sistema de Iluminação Pública de Porto Alegre ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1 a 6 1. OBJETIVO Definir as especificações necessárias para instalação de padrão de entrada em baixa tensão para atendimento a núcleos habitacionais. 2. APLICAÇÃO Instalação de padrão de entrada em tensão

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais