TÍTULO: REDUÇÃO DE REJEITOS EM UMA EMPRESA TEXTIL NO SETOR DE TECELAGEM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: REDUÇÃO DE REJEITOS EM UMA EMPRESA TEXTIL NO SETOR DE TECELAGEM"

Transcrição

1 16 TÍTULO: REDUÇÃO DE REJEITOS EM UMA EMPRESA TEXTIL NO SETOR DE TECELAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): ERIK COSTA BARBOZA ORIENTADOR(ES): JOSÉ HUMBERTO MACHADO TAMBOR

2 TÍTULO: TÍTULO: REDUÇÃO DE REJEITOS EM UMA EMPRESA TEXTIL NO SETOR DE TECELAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTORES: ADILSON CESAR DA SILVA E ERIK COSTA BARBOZA ORIENTADOR: JOSÉ HUMBERTO MACHADO TAMBOR

3 1. RESUMO No processo de confecção de saco de ráfia estão sobrando tubetes de trama e urdume com excesso de sobra de resíduos gerando uma grande quantidade de perdas, retrabalho e descarte. Estes fatos ocasionam um aumento no custo do processo e impacta diretamente no faturamento da empresa. A maior dificuldade que o setor de tecelagem enfrenta é fazer com que o indicador tenha uma estabilidade dentro das metas estabelecidas que são 3% ao mês, pois além de ter que diminuir rejeitos diariamente, no final de cada mês é feito umadistribuição, que é somada para todos os setores,de uma porcentagem feita em cima de todos os rejeitos que sobram na fábrica que não estão identificados de maneira correta ou até mesmo gerados por erro de apontamento no sistema. 2. INTRODUÇÃO Uma empresa têxtil que produz saco de ráfia tem um grande problema em relação ao alto índice de rejeitos na produção, sua produtividade está relacionada diretamente com os rejeitos que são gerados diariamente no processo produtivo que são acompanhados diariamente por meio de indicadores que apontam os maiores problemas de rejeitos na produção, os gestores utilizam a ferramenta adaptada com o nome de MZASP, ou seja, é um MASP com a logo da empresa. O MASP, também conhecido como Método para Análise e Solução de Problemas, é uma da ferramenta que auxilia os gestores na elucidação de falhas no processo produtivo. Para Penteado et al. (2009, p. 1), o mesmo tem como foco à identificação dos problemas e consequentemente a elaboração de ações corretivas e preventivas de forma a eliminar ou minimizar os problemas detectados. Dentro deste contexto as empresas têm como objetivo a otimização de seus processos produtivos, o controle e a redução de custos no processo produtivo, a produção de produtos confiáveis e seguros que proporcionam a garantia de qualidade dos mesmos. Conforme Flogiatto e Ribeiro (2009), a

4 qualidade está inter-relacionada com a confiabilidade dos produtos e processos. De acordo com Leemis (1995), confiabilidade é a probabilidade de um item desempenhar satisfatoriamente sua função requerida, sob condições especificadas em um período de tempo predeterminado. 3. OBJETIVOS Reduzir o indicador de rejeitos que está ultrapassando a meta mensal de 3%por mês analisando os principais problemas do processo produtivo que estão impedindo atingir a meta do indicador e consequentemente gerando um alto custo para a empresa com muita sobra de rejeitos. Melhorar o processo produtivo, capacitar os colaboradores, adequar melhorias que sejam eficazes para reduzir o excesso de refugo. 4. METODOLOGIA Desenvolver um estudo utilizando a ferramenta interna adaptada pela empresa chamada Mzasp que consiste na utilização das ferramentas da qualidade como diagrama de Pareto, 5w2h. Baseando-se no princípio de Pareto, um estudioso italiano, que dizia: poucas causas são vitais, sendo a maioria delas triviais, o gráfico de Pareto serve para apontar quantitativamente as causas mais significativas, em sua ordem decrescente, identificadas a partir da estratificação.(silva, 1995, p.23). Após a etapa onde são relacionadas às causas prováveis, com visualização das mais significativas (por ocorrências, volume e importância), pode-se estabelecer ações corretivas e prioridade para o desenvolvimento e implementação dos trabalhos. 5. DESENVOLVIMENTO Foram feitos estudos das possíveis causas da sobra dos rejeitos na produção, analisando a possibilidade de melhorias em vários pontos que podem fazer a diferença no processo de limpeza dos tubetes de trama e urdume que são retirados pelos operadores de dentro das lançadeiras e das gaiolas.

5 6. RESULTADOS PRELIMINARES Utilizando as ferramentas do Mzasp, foi desenvolvido um plano de ação como mostra na figura 1, foram levantados os problemas de maior incidência, utilizamos o diagrama de pareto, aonde detectamos algumas ações necessárias para chegarmos em nosso objetivo e na figura 2 foi realizado o plano de ação através do 5w2h para resolver o problema no indicador. FIGURA 1 LEVANTAMENTO DIAGRAMA DE PARETO 7. FONTE CONSULTADA PENTEADO, F. A. et al. Aplicação do método de análise e solução de problemas MASP. In: XVI CIC Congresso de Iniciação Científica. Novembro/2008. FLOGLIATTO, F. S.; RIBEIRO, J.L.D. Confiabilidade e manutenção industial. Rio de Janeiro: Elsevier, LEEMIS, L. Reability: probabilistic models and statistical methods. Nova York:Prentice-hall, SILVA, D. C. Metodologia de análise e solução de problemas: curso de especialização em qualidade total e marketing. Florianópolis: Fundação CERTI, 1995.

TÍTULO: REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA NA PRODUÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA NA PRODUÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS 16 TÍTULO: REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA NA PRODUÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): CLEBER FERREIRA CARVALHO ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Ferramentas da Qualidade UDESC/CCT

Ferramentas da Qualidade UDESC/CCT Ferramentas da Qualidade UDESC/CCT Ferramentas da Qualidade 1. Diagrama de Pareto 2. Diagrama de causa-efeito (Ishikawa) 3. Histogramas 4. Folhas de verificação 5. Gráficos de dispersão 6. Fluxogramas

Leia mais

Elaboração e implantação de um plano de manutenção produtiva total (TPM) em uma fazenda do município de Medeiros MG

Elaboração e implantação de um plano de manutenção produtiva total (TPM) em uma fazenda do município de Medeiros MG Elaboração e implantação de um plano de manutenção produtiva total (TPM) em uma fazenda do município de Medeiros MG Estefânia Paula da Silva (1) ; Rafaela Leite das Chagas (1) ; Rodrigo Caetano Costa (2)

Leia mais

Gráfico de Pareto. Ferramentas da Qualidade

Gráfico de Pareto. Ferramentas da Qualidade Gráfico de Pareto Gráfico de Pareto Ferramentas da Qualidade O que é? Gráfico de barras verticais que evidencia a priorização de temas. Princípio de Pareto (sociólogo e economista italiano - 80/20) Juran.

Leia mais

BUSCA DA MELHORIA PRODUTIVA COM AUXÍLIO DE ALGUMAS DAS FERRAMENTAS DA QUALIDADE: ESTUDO DE CASO REALIZADO EM UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO.

BUSCA DA MELHORIA PRODUTIVA COM AUXÍLIO DE ALGUMAS DAS FERRAMENTAS DA QUALIDADE: ESTUDO DE CASO REALIZADO EM UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO. BUSCA DA MELHORIA PRODUTIVA COM AUXÍLIO DE ALGUMAS DAS FERRAMENTAS DA QUALIDADE: ESTUDO DE CASO REALIZADO EM UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO. DENISSON DOS SANTOS BATISTA (UFS ) denissonbatista@hotmail.com JULIANA

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DO PDCL NO FORNECIMENTO DE SERVIÇOS AUTOMOTIVOS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: APLICAÇÃO DO PDCL NO FORNECIMENTO DE SERVIÇOS AUTOMOTIVOS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS 16 TÍTULO: APLICAÇÃO DO PDCL NO FORNECIMENTO DE SERVIÇOS AUTOMOTIVOS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): PATRÍCIA FRANCO

Leia mais

AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre ISHIKAWA: classificou as técnicas de controle estatístico em três grupos de complexidade

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO?

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS FATORES DE PRODUÇÃO, MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, PROCESSOS E RECURSOS HUMANOS, VOLTADOS PARA A SOBREVIVÊNCIA DA EMPRESA, ATRAVÉS DA BUSCA CONSTANTE

Leia mais

Módulo 8 Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 8.4 e 8.5

Módulo 8 Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 8.4 e 8.5 Módulo 8 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 8.4 e 8.5 Estrutura da norma Sistema de Gestão da Qualidade 4 C L I E N R E Q U I S 5 Responsabilidade da

Leia mais

TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL

TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL 16 TÍTULO: O CICLO PDCA IMPLANTADO NA REDUÇÃO DE TROCA DE FUSO ESFÉRICO DE UM CENTRO DE USINAGEM CNC HORIZONTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora).

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). 5453 - Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). Aula 1 Capítulo 1 - Fundamentos do TPM 1. Origem...26 2. Conceitos...28 3. Etapas de Implantação... 31 4.

Leia mais

TÍTULO: RESOLUÇÃO DAS FALHAS ENCONTRADAS EM CAMPO RELACIONADO AO MODULO T76 UTILIZANDO A FERRAMENTA SEIS SIGMA (DMAIC)

TÍTULO: RESOLUÇÃO DAS FALHAS ENCONTRADAS EM CAMPO RELACIONADO AO MODULO T76 UTILIZANDO A FERRAMENTA SEIS SIGMA (DMAIC) 16 TÍTULO: RESOLUÇÃO DAS FALHAS ENCONTRADAS EM CAMPO RELACIONADO AO MODULO T76 UTILIZANDO A FERRAMENTA SEIS SIGMA (DMAIC) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento para elaboração e implementação de ações preventivas no Sistema de Gestão da Qualidade da (Seduc). 2. Documentos complementares 2.1 Norma EDSGQN003 Registros

Leia mais

2.6 Conceito de controle de processo...47 2.6.1 Manutenção de equipamentos e processo gerencial...48 2.7 GQT e atividades de manutenção de

2.6 Conceito de controle de processo...47 2.6.1 Manutenção de equipamentos e processo gerencial...48 2.7 GQT e atividades de manutenção de Sumário Prefácio à 2ª edição...11 Prefácio...13 1 Visão geral da manutenção de equipamentos...17 1.1 Introdução...19 1.2 Conceito de manutenção...19 1.3 Abrangência das atividades de manutenção...21 1.4

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA ESPECIALISTA PARA MAPEAMENTO DE FALHAS EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

TÍTULO: SISTEMA ESPECIALISTA PARA MAPEAMENTO DE FALHAS EM VEÍCULOS AUTOMOTORES 16 TÍTULO: SISTEMA ESPECIALISTA PARA MAPEAMENTO DE FALHAS EM VEÍCULOS AUTOMOTORES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): AIRTON

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE NÃO- CONFORMIDADE E AÇÕES CORRETIVAS. Bárbara Pereira Albini

INVESTIGAÇÃO DE NÃO- CONFORMIDADE E AÇÕES CORRETIVAS. Bárbara Pereira Albini INVESTIGAÇÃO DE NÃO- CONFORMIDADE E AÇÕES CORRETIVAS Bárbara Pereira Albini Mini currículo Farmacêutica Industrial e Bioquímica pela UFPR Especialista em Gestão e tecnologia farmacêutica Engenharia farmacêutica

Leia mais

FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS

FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Economia, Administração e Sociologia LES0778 Gestão da Qualidade I FAILURE MODE AND EFFECT ANALYSIS (Análise do

Leia mais

Sumário. Introdução } 24/05/16 } 1. } Estatística: ciência que trata da coleta, processamento e disposição de dados.

Sumário. Introdução } 24/05/16 } 1. } Estatística: ciência que trata da coleta, processamento e disposição de dados. Sumário } FERRAMENTAS DA QUALIDADE: INTRODUÇÃO FLUXOGRAMA ESTRATIFICAÇÃO FOLHA DE VERIFICAÇÃO GRÁFICO DE PARETO DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO HISTOGRAMA DIAGRAMA DE DISPERSÃO CARTA DE CONTROLE } CONCLUSÃO

Leia mais

Unidade II TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade II TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade II TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS Prof. Me. Livaldo dos Santos Objetivos Ferramentas para análise dos processos Etapas do Processo de Racionalização Outras técnicas de apoio à melhoria

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PROJETOS APLICADA NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETO MULTIDISCIPLINAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PROJETOS APLICADA NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETO MULTIDISCIPLINAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO 16 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PROJETOS APLICADA NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETO MULTIDISCIPLINAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

TÍTULO: AUTOMAÇÃO DE MÁQUINA DE PRÉ-FORMAGEM DE LAGRES FLEXIVEIS DE PVC PARA BOTIJÃO DE GÁS 13KG

TÍTULO: AUTOMAÇÃO DE MÁQUINA DE PRÉ-FORMAGEM DE LAGRES FLEXIVEIS DE PVC PARA BOTIJÃO DE GÁS 13KG 16 TÍTULO: AUTOMAÇÃO DE MÁQUINA DE PRÉ-FORMAGEM DE LAGRES FLEXIVEIS DE PVC PARA BOTIJÃO DE GÁS 13KG CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC

Leia mais

Conteúdo 2 -Qualidade em Saúde. Profª Melissa Rodrigues de Lara

Conteúdo 2 -Qualidade em Saúde. Profª Melissa Rodrigues de Lara Conteúdo 2 -Qualidade em Saúde Com o fenômeno da globalização da economia, aliado ao código do consumidor, as exigências do mercado consumidor, coloca as empresas e hospitais em desafio frente aos novos

Leia mais

Estágio II. Aula 01 Qualidade de Software. Prof. MSc. Fred Viana

Estágio II. Aula 01 Qualidade de Software. Prof. MSc. Fred Viana Estágio II Aula 01 Qualidade de Software Prof. MSc. Fred Viana Agenda Qualidade de Software Definições Dimensões Qualidade e Produtividade Por que testar um software Definições de Teste Motivação Por que

Leia mais

FACULDADE SENAI DE TECNOLOGIA GRÁFICA. Carlos Martins Diego Alvarenga Diogo Felipe Bonfim Sidnei Baptista Junior

FACULDADE SENAI DE TECNOLOGIA GRÁFICA. Carlos Martins Diego Alvarenga Diogo Felipe Bonfim Sidnei Baptista Junior li ' ' : ~, :~~. '.'- FACULDADE SENAI DE TECNOLOGIA GRÁFICA Curso Superior de Tecnologia em Produção Gráfica Carlos Martins Diego Alvarenga Diogo Felipe Bonfim Sidnei Baptista Junior RESUMO AUMENTO DE

Leia mais

AUTOR(ES): GUILHERME CANDIDO LOPES, ALESSANDRA GOMES DOS SANTOS, VICTOR PAULINO LESCANO

AUTOR(ES): GUILHERME CANDIDO LOPES, ALESSANDRA GOMES DOS SANTOS, VICTOR PAULINO LESCANO 16 TÍTULO: PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE FONTES SUSTENTÁVEIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): GUILHERME CANDIDO LOPES,

Leia mais

Administrando Organizações & Negócios através de Indicadores (KPIs)

Administrando Organizações & Negócios através de Indicadores (KPIs) KPIs? KPIs? KPIs? KPIs? Administrando Organizações & Negócios através de Indicadores (KPIs) Uma nova visão de gestão, controle e crescimento organizacional A nova dinâmica dos Negócios Em um cenário que

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC)

CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC) CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC) Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Objetivos de uma empresa Objetivo principal Pessoas Meios Satisfação das necessidades das pessoas CONSUMIDORES EMPREGADOS ACIONISTAS

Leia mais

Tema PANORAMA DE MANUTENÇÃO FROTA

Tema PANORAMA DE MANUTENÇÃO FROTA Tema PANORAMA DE MANUTENÇÃO FROTA Objetivo Apresentar novos conhecimentos técnicos a todos os participantes e que permita obter a máxima redução de custos, maior disponibilidade de equipamentos e aumento

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Gestão Ambiental é compreendida. Sistema de gestão ambiental. no SENGE-RS utilizando a ferramenta desenvolvida na UFRGS.

Gestão Ambiental é compreendida. Sistema de gestão ambiental. no SENGE-RS utilizando a ferramenta desenvolvida na UFRGS. Sistema de gestão ambiental no SENGE-RS utilizando a ferramenta desenvolvida na UFRGS Darci Barnech Campani: Gestão Ambiental - UFRGS Acadêmica de Engenharia Ambiental: Tailana Bubolz Jeske Introdução

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO 25

GESTÃO DA MANUTENÇÃO 25 25 CONFIABILIDADE É a capacidade de um item desempenhar uma função requerida sob condições especificadas, durante um intervalo de tempo. A Confiabilidade é a probabilidade de um item desempenhar uma função

Leia mais

Técnicas e Ferramentas da Qualidade. Organização da Aula. Aula 5. Diagrama de Pareto. Profa. Rosinda Angela da Silva. Diagrama de Pareto

Técnicas e Ferramentas da Qualidade. Organização da Aula. Aula 5. Diagrama de Pareto. Profa. Rosinda Angela da Silva. Diagrama de Pareto Técnicas e Ferramentas da Qualidade Aula 5 Organização da Aula Diagrama de Pareto Diagrama de causa e efeito Gráfico de dispersão Profa. Rosinda Angela da Silva Matriz G.U.T. Diagrama de Pareto Criado

Leia mais

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA.

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. Bem vindos ao Treinamento sobre Conceitos Básicos de Manutenção da... AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. ELÉTRICA ELETRÔNICA MECÂNICA HIDRÁULICA PNEUMÁTICA AZ PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUTOMAÇÃO

Leia mais

Gestão da Qualidade Viabilidade Financeira

Gestão da Qualidade Viabilidade Financeira Gestão da Qualidade Viabilidade Financeira Case: Instituto de Nefrologia de Mogi das Cruzes e Instituto de Nefrologia de Suzano Silvana Kesrouani XI Encontro Paulista de Nefrologia 2007 Campos do Jordão

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof.: Heloisa Campos COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL SATISFAÇÃO DOS CLIENTES! INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

TÍTULO: AUTOMATIZAÇÃO DA MAQUINA DE AGRUPAR LAMINAS DE ENCOSTO DE CADEIRA

TÍTULO: AUTOMATIZAÇÃO DA MAQUINA DE AGRUPAR LAMINAS DE ENCOSTO DE CADEIRA 16 TÍTULO: AUTOMATIZAÇÃO DA MAQUINA DE AGRUPAR LAMINAS DE ENCOSTO DE CADEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): DIOGO DA

Leia mais

MANUTENÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO COM FOCO NAS FERRAMENTAS DA QUALIDADE

MANUTENÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO COM FOCO NAS FERRAMENTAS DA QUALIDADE 47 MANUTENÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO COM FOCO NAS FERRAMENTAS DA QUALIDADE Diego Gomes de Matos - Faculdades Integradas de Taquara FACCAT 1 José de Souza - Faculdades Integradas de Taquara FACCAT 2 Palavras

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

Palavras-chave: Ferramentas da Qualidade. Qualidade. Revisão Bibliográfica.

Palavras-chave: Ferramentas da Qualidade. Qualidade. Revisão Bibliográfica. ANÁLISE DE APLICAÇÕES DAS SETES FERRAMENTAS DA QUALIDADE: UMA ABORDAGEM TEÓRICA Raphaelly Antunes Alves¹, Paulo Henrique Paulista² (1) Acadêmico do curso de Engenharia de Produção do Centro Universitário

Leia mais

V LAIA MARCO UM E O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO DO SGA NO PRÉDIO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA UFRGS

V LAIA MARCO UM E O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO DO SGA NO PRÉDIO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA UFRGS V-004 - LAIA MARCO UM E O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO DO SGA NO PRÉDIO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA UFRGS Leandro Ravel de Freitas Ventura (1) Licenciado em História pela PUC II de Uruguaiana, Graduando em

Leia mais

TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS NA FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS NA FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS NA FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA

Leia mais

Fábrica de Software Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás. Plano de Medição

Fábrica de Software Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás. Plano de Medição Plano de Medição Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Objetivos Organizacionais 4. Armazenamento 4. Questões e Indicadores 5. Métricas 1. Introdução Este documento descreve o plano para a execução da

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA PNEUMÁTICA PARA EMBALAR TUBOS DE AÇO

TÍTULO: APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA PNEUMÁTICA PARA EMBALAR TUBOS DE AÇO 16 TÍTULO: APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA PNEUMÁTICA PARA EMBALAR TUBOS DE AÇO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): DIEGO CAMILO

Leia mais

ESTUDO DAS PERDAS NO PROCESSAMENTO DE TEMPERO EM TABLETES. Ângelo Queiroz Aragão 1 ; Mariana Ferreira Oliveira²

ESTUDO DAS PERDAS NO PROCESSAMENTO DE TEMPERO EM TABLETES. Ângelo Queiroz Aragão 1 ; Mariana Ferreira Oliveira² ESTUDO DAS PERDAS NO PROCESSAMENTO DE TEMPERO EM TABLETES Ângelo Queiroz Aragão 1 ; Mariana Ferreira Oliveira² 1 Graduando do Curso de Química Industrial, UnU CET - UEG. 2 Orientadora, docente do Curso

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP Gestão Estratégica e BSC Balanced Scoredcard GESTÃO ESTRATÉGICA GESTÃO

Leia mais

Utilização de Dados de Histórico na Manutenção Preditiva de Equipamentos Elétricos, Eletrônicos e Programáveis em Aplicações Metroferroviárias

Utilização de Dados de Histórico na Manutenção Preditiva de Equipamentos Elétricos, Eletrônicos e Programáveis em Aplicações Metroferroviárias Utilização de Dados de Histórico na Manutenção Preditiva de Equipamentos Elétricos, Eletrônicos e Programáveis em Aplicações Metroferroviárias Eng. Antonio Vieira da Silva Neto Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

Leia mais

QUALIDADE Grau até o qual um conjunto de características satisfaz as necessidades! Cumprimento dos requisitos pré determinados no Escopo do projeto;

QUALIDADE Grau até o qual um conjunto de características satisfaz as necessidades! Cumprimento dos requisitos pré determinados no Escopo do projeto; SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2 COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO SATISFAÇÃO DOS CLIENTES! INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Disciplina: Gestão da Qualidade

Disciplina: Gestão da Qualidade Disciplina: Gestão da Qualidade Controle do Processo pelo PDCA 2ª Parte Prof. Fernando Porto Introdução Já foi dito que o Ciclo PDCA é um método para a prática do controle de processos, e constitui o fundamento

Leia mais

setor da construção civil Construção Civil, Cliente Final

setor da construção civil Construção Civil, Cliente Final O setor da construção civil está em um momento de transição com as empresas sofrendo crescentes pressões do mercado em busca de menores custos, melhorias em qualidade e flexibilidade no atendimento das

Leia mais

Introdução ao CEP- Controle Estatístico de Processo

Introdução ao CEP- Controle Estatístico de Processo Introdução ao CEP- Controle Estatístico de Processo Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ Grupo de Estudo e Pesquisa em Qualidade DEP- UFSCar 1. A METODOLOGIA DO CONTROLE DA QUALIDADE E O CEP O controle da

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA

PROGRAMA DE MELHORIA Sistema de Abastecimento de Água (SAA) PROGRAMA DE MELHORIA - do planejamento à aplicação real - Engª Priscila Faria CREA-RJ 2006129552 Agosto 2012 Quem Somos? Atendimento a 6.2 milhões de habitantes Planejamento

Leia mais

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016 Manutenção de Software Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016 Processos de Ciclo de Vida de Software Processos Fundamentais Aquisição Processos de Apoio Documentação

Leia mais

MELHORIA NO ACESSO ATRAVÉS DA REDUÇÃO DO TEMPO DE ESPERA DO ACOLHIMENTO

MELHORIA NO ACESSO ATRAVÉS DA REDUÇÃO DO TEMPO DE ESPERA DO ACOLHIMENTO MELHORIA NO ACESSO ATRAVÉS DA REDUÇÃO DO TEMPO DE ESPERA DO ACOLHIMENTO Atenção Básica (PSF) / Acolhimento Modalidade: PDSA Fase 01 Planejar Atualmente o acolhimento da UBS apresenta um gargalo durante

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE PERFORMANCE - MIP

MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE PERFORMANCE - MIP XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Marcelo Costa de Moraes marcelo.costa@energisa.com.br Davir Castro dos Santos davir.santos@energisa.com.br

Leia mais

PROJETO DE REJEIÇÃO DE CARGA EM SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA

PROJETO DE REJEIÇÃO DE CARGA EM SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA PROJETO DE REJEIÇÃO DE CARGA EM SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA SCURA, José Dirlei 1 1 Acadêmico do curso de graduação em Engenharia Elétrica da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva FAIT RESUMO

Leia mais

Disciplina: Gerência da Manutenção

Disciplina: Gerência da Manutenção Disciplina: Gerência da Manutenção Sistema de Tratamento de Falhas 2ª Parte Prof. Fernando Porto 5W1H, PDCA e Ishikawa O exemplo vem de um trabalho apresentado no XI SIMPEP (Bauru, 2004), desenvolvido

Leia mais

Aplicar as técnicas de controle estatístico dos processos em sistemas produtivos.

Aplicar as técnicas de controle estatístico dos processos em sistemas produtivos. Página 1 de 8 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO C E P Objetivo geral: Aplicar as técnicas de controle estatístico dos processos em sistemas produtivos. Etapa 1 Para refletir: De acordo com a definição de

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN

SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN Manutenção Produtiva Total Prof a Carla R. Pereira 1 FOCO NOS EQUIPAMENTOS Foco nos equipam entos Redução de setup Prevenção

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE E PRIORIZAÇÃO DE RISCOS PELOS PATROCINADORES DO PROJETO

MODELO DE ANÁLISE E PRIORIZAÇÃO DE RISCOS PELOS PATROCINADORES DO PROJETO ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE E PRIORIZAÇÃO DE RISCOS PELOS PATROCINADORES DO PROJETO Matheus Curty de Figueiredo (LATEC / UFF) Resumo: Neste trabalho é proposto um modelo para auxiliar os patrocinadores/sponsors

Leia mais

AUTOR(ES): LUCAS TEIXEIRA DOS SANTOS SANTANA, JOSE HAMILTON DA PAZ HAMORIM

AUTOR(ES): LUCAS TEIXEIRA DOS SANTOS SANTANA, JOSE HAMILTON DA PAZ HAMORIM 16 TÍTULO: OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENROLAMENTO DE FITA PERFURADA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): LUCAS TEIXEIRA DOS

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL)

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ONTEM (MERCADO FECHADO E PROTEGIDO): CUSTOS + LUCRO = PREÇO DE VENDA A PROTEÇÃO AMBIENTAL é vista como um fator de

Leia mais

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP Controle - 3 Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho 1 Realizar o Controle da Qualidade Preocupa-se com o monitoramento dos resultados do trabalho, a fim de verificar se estão sendo cumpridos

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento. Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento. Instrutor: José Roberto Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 5 S Introdução PROGRAMA 5 S Surgiu no Japão final da década de 60 - É a visão sistêmica de todos os agentes envolvidos no processo produtivo,

Leia mais

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica Antonio Cabral acabral@maua.br Roteiro Desafio; Sistemas; O custo e o valor do controle de processo; Mapeamento; Principais indicadores usados

Leia mais

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim A Estrutura do Atuação Responsável Elemento Visão Missão Valores Princípios Diretrizes

Leia mais

Pergunta importante:

Pergunta importante: Conceitos e visões sobre os custos da Qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A qualidade é custo ou investimento? Pergunta importante: O custo da qualidade da sua organização está revertendo em

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH MITRAUD Diana Palhano Ludmila Ventilari O que é Qualidade? Conceito de gestão: Conforme Deming: é a satisfação do cliente e melhoria contínua O que

Leia mais

PROCEDIMENTO DO GRUPO LET PGL 12 MELHORIA CONTÍNUA

PROCEDIMENTO DO GRUPO LET PGL 12 MELHORIA CONTÍNUA Página: 1 de 5 1. OBJETIVO. Este procedimento estabelece as diretrizes para a melhoria contínua da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade do. 2. REFERÊNCIAS. ABNT NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão

Leia mais

Introdução à Qualidade

Introdução à Qualidade Introdução à Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Introdução A Gerência da Qualidade quando focada na busca pela Qualidade Total possibilita a empresa dirigir seus esforços para: Melhorar de

Leia mais

Padronizar para não desperdiçar. Com a padronização ninguém fica na mão. PDCA

Padronizar para não desperdiçar. Com a padronização ninguém fica na mão. PDCA Padronizar para não desperdiçar. Com a padronização ninguém fica na mão. PDCA IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA Falta de padronização nos processos, gerando retrabalho aos profissionais e interferindo diretamente

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 OBJETIVOS O que é Qualidade Entender o ciclo PDCA Apresentar técnicas para garantir a qualidade de software Apresentar ferramentas para

Leia mais

MEDE, NÃO SE GERENCIA."

MEDE, NÃO SE GERENCIA. "O QUE NÃO SE MEDE, NÃO SE GERENCIA." (Adaptado de William Edwards Deming) O encontro das competências gerenciais da Mereo e ISAT Consulting aliadas à plataforma MEREO proporcionam condições de gerenciamento

Leia mais

Maior eficiência no controle da mão de obra com o uso do Módulo de Apontamento do Mobuss Construção

Maior eficiência no controle da mão de obra com o uso do Módulo de Apontamento do Mobuss Construção Maior eficiência no controle da mão de obra com o uso do Módulo de Apontamento do Mobuss Construção A relevância da mão de obra no ambiente da Construção Civil A importância da apropriação da mão de obra

Leia mais

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015 Manutenção de Software Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015 Processos de Ciclo de Vida de Software Processos Fundamentais Aquisição Processos de Apoio Documentação

Leia mais

TÍTULO: OTIMIZAÇÃO DO TRANSPORTE DE EMBALAGENS PLÁSTICAS UTILIZANDO O TUBO DE VENTURI

TÍTULO: OTIMIZAÇÃO DO TRANSPORTE DE EMBALAGENS PLÁSTICAS UTILIZANDO O TUBO DE VENTURI 16 TÍTULO: OTIMIZAÇÃO DO TRANSPORTE DE EMBALAGENS PLÁSTICAS UTILIZANDO O TUBO DE VENTURI CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES):

Leia mais

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - OUTROS TEMAS RELACIONADOS A TEMÁTICA DO EVENTO BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NA INDÚSTRIA

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - OUTROS TEMAS RELACIONADOS A TEMÁTICA DO EVENTO BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NA INDÚSTRIA ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - OUTROS TEMAS RELACIONADOS A TEMÁTICA DO EVENTO BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NA INDÚSTRIA IORRANA VASCONCELOS COIMBRA, JOSÉ DAMATO NETO Iorrana Vasconcelos (Acadêmico-

Leia mais

Gestão da Qualidade: Gerenciamento das Diretrizes

Gestão da Qualidade: Gerenciamento das Diretrizes Gestão da Qualidade: Gerenciamento das Diretrizes Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade de Engenharia do Campus

Leia mais

Prova Discursiva Engenharia de Software

Prova Discursiva Engenharia de Software Prova Discursiva Engenharia de Software Quais são os principais fatores de qualidade de software definidos pela ISO 9126? 1-Funcionalidade 2-Confiabilidade 3-Usabilidade 4-Eficiencia 5-Facilidade de Manutenção

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais

Título: A importância de um sistema de Gestão Ambiental em restaurantes universitários.

Título: A importância de um sistema de Gestão Ambiental em restaurantes universitários. Título: A importância de um sistema de Gestão Ambiental em restaurantes universitários. Autora: Diuliana Catlen Kuspik Pereira (1) Filiação: (1) Assessoria de Gestão Ambiental, Universidade Federal do

Leia mais

TÍTULO: CONFORMAÇÃO MECÂNICA DE PEÇAS METÁLICAS ESTUDO SOBRE ESTAMPAGEM

TÍTULO: CONFORMAÇÃO MECÂNICA DE PEÇAS METÁLICAS ESTUDO SOBRE ESTAMPAGEM 16 TÍTULO: CONFORMAÇÃO MECÂNICA DE PEÇAS METÁLICAS ESTUDO SOBRE ESTAMPAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): MARCOS CESAR

Leia mais

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA MASP PARA REDUÇÃO DAS PERDAS NA PRODUÇÃO DE CABOS DE FERRAMENTAS AGRÍCOLAS: UM ESTUDO DE CASO.

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA MASP PARA REDUÇÃO DAS PERDAS NA PRODUÇÃO DE CABOS DE FERRAMENTAS AGRÍCOLAS: UM ESTUDO DE CASO. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT

DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT Jessica Syrio Callefi Universidade Estadual de Maringá jeh_callefi@hotmail.com Daiane Maria De Genaro Chiroli Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Aula 09 Prof. Ewerton Monti Objetivo principal das empresas: Satisfação das necessidades das pessoas. Incluindo consumidores, empregados, acionistas, sociedade, fornecedores

Leia mais

Gestão da Manutenção.

Gestão da Manutenção. Gestão da Manutenção carloreg@sc.usp.br carlos.regattieri@fatec.sp.gov.br Definição de Manutenção ð A Função Manutenção é a combinação de todas as ações técnicas e administrativas, destinadas a manter

Leia mais

Exercícios. Custos da Qualidade

Exercícios. Custos da Qualidade Exercícios Custos da Qualidade Qual da categorias de custos que se reduz drasticamente à medida que as não-conformidades tendem a zero? Justifique sua reposta. Resposta: Custo de falhas (internas + externas),

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO Dalila Regina Fernandes 1, Sérgio Augusto Rodrigues 2 1 Discente do curso de Produção Industrial

Leia mais

Modelando uma estratégia de melhoria e análise de processo no desenvolvimento de um Mini Baja

Modelando uma estratégia de melhoria e análise de processo no desenvolvimento de um Mini Baja Modelando uma estratégia de melhoria e análise de processo no desenvolvimento de um Mini Baja Narã Vieira Vetter 1 Thiago Teixeira dos Santos 2 Renato Moraes dos Santos 3 nara.vetter@volkswagen.com.br

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Agosto 2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Agosto 2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Agosto 2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Introdução

Leia mais

TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA

TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA 16 TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO. Diagnóstico Interno. Apoio do GESPÚBLICA. Patrocínio e participação da Alta Direção. Equipe de Autoavaliação. Utilização do IAGP

AUTOAVALIAÇÃO. Diagnóstico Interno. Apoio do GESPÚBLICA. Patrocínio e participação da Alta Direção. Equipe de Autoavaliação. Utilização do IAGP Diagnóstico Interno Apoio do GESPÚBLICA AUTOAVALIAÇÃO Patrocínio e participação da Alta Direção Equipe de Autoavaliação Utilização do IAGP Elaboração do PMG AUTOAVALIAÇÃO Elaborar RG Acesso à Alta Direção

Leia mais

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS Ferramentas da Qualidade CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS (3/4) Gráficos de controle Gráfico de controle de variáveis Gráfico de controle de atributos Gráficos de Controle

Leia mais

Aula 2 Estágios de Uso Estratégico dos Sistemas de Informaçã

Aula 2 Estágios de Uso Estratégico dos Sistemas de Informaçã Aula 2 Estágios de Uso Estratégico dos Sistemas de Informaçã ção Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Agenda Histórico da

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA 1/ 22 LOCAL: Sala de Reunião Presidência HORÁRIO: 14:00 H Assuntos tratados: 1. Resultados das auditorias internas e das avaliações do atendimento aos requisitos legais e outros subscritos pela organização

Leia mais

Reunião do Grupo de RH Pesquisa de Clima Organizacional Setembro Carlos Bertazzi

Reunião do Grupo de RH Pesquisa de Clima Organizacional Setembro Carlos Bertazzi Reunião do Grupo de RH Pesquisa de Clima Organizacional Setembro 2016 Carlos Bertazzi www.rh4youconsultoria.wordpress.com O que é? Clima é a percepção coletiva que as pessoas têm da empresa, por meio do

Leia mais

5ª Jornada Científica e Tecnológica da FATEC de Botucatu 24 a 27 de Outubro de 2016, Botucatu São Paulo, Brasil

5ª Jornada Científica e Tecnológica da FATEC de Botucatu 24 a 27 de Outubro de 2016, Botucatu São Paulo, Brasil ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM ALTERNATIVA PARA O ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE PRODUTOS PLÁSTICOS EM UMA EMPRESA TRANSFORMADORA DE PLÁSTICOS NA REGIÃO DE BOTUCATU Wagner Bento Pessoa 1, Adolfo

Leia mais

METODOLOGIA. 250 empresas avaliadas 2 formas de análise: Análise Comparativa de Performance Qualitativa Análise de Processos - quantitativa

METODOLOGIA. 250 empresas avaliadas 2 formas de análise: Análise Comparativa de Performance Qualitativa Análise de Processos - quantitativa METODOLOGIA 250 empresas avaliadas 2 formas de análise: Análise Comparativa de Performance Qualitativa Análise de Processos - quantitativa ANÁLISE COMPARATIVA DE PERFORMANCE - QUALITATIVA Faturamento mensal

Leia mais

QSD EXPLORANDO A QUALIDADE DE CIMA A BAIXO EM UMA LINHA DE

QSD EXPLORANDO A QUALIDADE DE CIMA A BAIXO EM UMA LINHA DE QSD EXPLORANDO A QUALIDADE DE CIMA A BAIXO EM UMA LINHA DE PRODUÇÃO Julio Bertolini Junior Robert Bosch LTDA E-mails: julio.bertolini@br.bosch.com RESUMO QSD (Quality Stand Down) e uma ferramenta da Qualidade

Leia mais