EMERGÊNCIAS EM CAPRINOS E OVINOS. Profa Dra. Sara Vilar Dantas Simões Hospital Veterinário Universidade Federal da Paraíba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMERGÊNCIAS EM CAPRINOS E OVINOS. Profa Dra. Sara Vilar Dantas Simões Hospital Veterinário Universidade Federal da Paraíba"

Transcrição

1 EMERGÊNCIAS EM CAPRINOS E OVINOS Profa Dra. Sara Vilar Dantas Simões Hospital Veterinário Universidade Federal da Paraíba

2 EMERGÊNCIAS CASOS QUE IMPLICAM EM RISCO DE VIDA OU LESÕES IRREPARÁVEIS.

3 ANEMIA SECUNDÁRIA A PARASITOSE GASTRINTESTINAL

4

5

6

7

8 ANEMIA HEMATÓCRITO MENOR QUE 10% CAPRINOS - 22% A 39% OVINOS - 27% A 45% POR QUÊ TRATAR?

9 TRATAMENTO TRANSFUSÃO DE SANGUE: Volume: 10 a 20 ml/kg. VELOCIDADE DE INFUSÃO: 10 ml/kg/hora ANIMAL DE 50 KG 500 ML 500 ml /60 minutos

10 QUANTO RETIRAR DO DOADOR? APROXIMADAMENTE 10 A 15 ML/KG/PV. TEMPO DE VIDA DAS HEMÁCIAS 2,4 A 5,1 DIAS.

11 COLETA SEM BOLSA Catéter de grosso calibre (16 G) Recipiente com citrato de sódio a 4% na proporção de 1: 4. Citrato de sódio: Solução salina 0.85%: 3,8 g 100 ml Dissolver e autoclavar (121ºC - 15 min).

12 CITRATO DE SÓDIO 1 GOTA PARA 3 ML DE SANGUE.

13

14 INDIGESTÃO AGUDA POR CARBOIDRATOS (ACIDOSE RUMINAL)

15 INGESTÃO DE CARBOIDRATOS DE RÁPIDA FERMENTAÇÃO GRÃOS RESTOS DE COMIDA CASEIRA.

16 PATOGENIA ACIDOSE Rápida fermentação dos carboidratos Queda no ph ruminal Morte de protozoários, microrganismos celulolíticos e utilizadores de lactato.

17 PATOGENIA ACIDOSE Crescimento de gram positivos (Streptococcus bovis) e produtores de ácido láctico Acidose rumenal Hiperosmolaridade Desidratação grave. Acidose sistêmica.. Ruminite química.

18 Foto: Clínica de Bovinos de Garanhuns

19

20

21

22 ATENÇÃO Conteúdo ruminal firme... Gemidos, ranger de dentes... ph próximo a neutralidade. ACESSO AOS GRÃOS COM RÚMEN PLENO DE FORRAGENS!

23

24 TRATAMENTO CLÍNICO Sinfonagem do rúmen Antiácidos orais Transfaunação TRATAMENTO CIRÚRGICO Ruminotomia Feno ou forragem verde Transfaunação Antimicrobianos Anti-inflamatórios CORREÇÃO DA DESIDRATAÇÃO E ACIDOSE SISTÊMICA

25

26

27

28 TRATAMENTO CIRÚRGICO

29 ACIDOSE

30 ACIDOSE

31 CORREÇÃO DA DESIDRATAÇÃO Identificar grau de desidratação Repor perdas e assegurar manutenção CORREÇÃO DA ACIDOSE METABÓLICA Utilizar bicarbonato endovenoso

32 ESTIMATIVA DA DESIDRATAÇÃO E DÉFICIT DE BASE DESIDRATAÇÃO DÉFICIT DE BASE 5-7% % 10 >10% % 20

33 CORREÇÃO DA ACIDOSE METABÓLICA Cabra de 40 kg com déficit de base de 10 meq/l NaHCO3 (meq) = 10 x 0,3 x 40 = 120 meq/l 1g de NaHCO 3 12 meq X 120 meq X= 10 g de NaHCO3 Concentração da solução de bicarbonato 6%: 100 ml 6g de NaHCO 3 X 10 g X= 166,7 ml

34 ENTEROTOXEMIA

35 ENTEROTOXEMIA Clostridiose Clostridium perfringens Tipo D Toxina epsilon: aumento da permeabilidade vascular Epidemiologia

36 SINAIS CLÍNICOS ENTEROTOXEMIA MORTE SÚBITA Ovinos Sinais nervosos e respiratórios Caprinos Cólicas e enterite hemorrágica

37

38

39

40

41

42

43 Fotos Prof. Suedney Lima

44 Foto :Prof. Suedney Lima

45 Ovino: Intestino delgado, com áreas avermelhadas na serosa

46 Ovino jovem - encéfalo com presença de liquido na leptomeninge e área focal de hemorragia no córtex temporal.

47 TRATAMENTO E CONTROLE ENTEROTOXEMIA Fluidoterapia Penicilina Flunixin meglumina Vacinação Mães: seis a três semanas antes da parição Crias: 4 semanas de idade VACINAR TODO REBANHO EM CASO DE SURTO

48 COMPLEXO HIPOTERMIA/DESNUTRIÇÃO

49 COMPLEXO DESNUTRIÇÃO/HIPOTERMIA HIPOTERMIA EXCESSIVA PERDA DE CALOR REDUZIDA PRODUÇÃO DE CALOR LEVE A MODERADA : 37 A 39 C SEVERA: ABAIXO DE 37 C

50 COMPLEXO DESNUTRIÇÃO/HIPOTERMIA NEONATOS - Debilidade e baixo peso corpóreo. - Indisponibilidade de colostro e leite. ANIMAIS ADULTOS - Idosos - Com baixo escore corporal - Anêmicos

51

52 TRATAMENTO NEONATO (opção 1) COLOSTRO VIA TUBO ESTOMACAL (200 ML 3 X DIA) TOMAR TEMPERATURA DE HORA EM HORA ATÉ RESTABELECIMENTO.

53 Fonte: sheepandgoat.com

54 TRATAMENTO NEONATO (opção 2) Glicose a 20% - via intraperitoneal 10 ml por kg Contenção Local de aplicação/ posição da agulha 45º Colostro via sonda (200 ml 3 x dia) TOMAR TEMPERATURA DE HORA EM HORA ATÉ RESTABELECIMENTO.

55

56 OUTROS CUIDADOS Caixa de aquecimento. Aquecimento lento. Corrigir glicemia antes do aquecimento. Não imergir em água quente Não alimentar cordeiros hipotérmicos.

57 TOXEMIA DA PRENHEZ

58 TOXEMIA DA PRENHEZ: FISIOPATOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO TOXEMIA DA PRENHEZ DISTÚRBIO NO METABOLISMO DOS CARBOIDRATOS E GORDURAS. OVELHAS/CABRAS TERÇO FINAL DA GESTAÇÃO

59 TOXEMIA DA PRENHEZ: NA GESTAÇÃO OVELHA EM BALANÇO ENERGÉTICO NEGATIVO.

60 RELAÇÃO FETO/MASSA CORPÓREA DA MÃE Fetos: aproximadamente 10 quilos 20% da massa corpórea de uma ovelha com 50 kg.

61 TOXEMIA DA PRENHEZ: FATORES PRECIPITANTES Falha no plano alimentar Parada súbita na alimentação Estresse Outras enfermidades

62 O QUE É FEITO QUANDO OCORRE DÉFICIT DE ENERGIA?

63 TOXEMIA DA PRENHEZ: FISIOPATOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO RÁPIDA METABOLIZAÇÃO DO TECIDO ADIPOSO AUMENTO DOS CORPOS CETÔNICOS (ACETOACETATO, B-HIDROXIBUTIRATO E ACETONA) COMBUSTÍVEIS METABÓLICOS IMPORTANTES PRODUZIDOS PARA NÃO HAVER DESPERDÍCIO DE ACETIL-COA.

64 CORPOS CETÔNICOS SE PRODUÇÃO EXCEDE USO: ACETONEMIA.

65 TOXEMIA DA PRENHEZ: FISIOPATOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO RÁPIDA METABOLIZAÇÃO DO TECIDO ADIPOSO Acúmulo de ácidos graxos (Esteatose hepática). Menor capacidade neoglicogênica deste órgão. Agrava hipoglicemia e acetonemia.

66 EXAMES LABORATORIAIS HIPOGLICEMIA/HIPERGLICEMIA CETONÚRIA

67 SINAIS CLÍNICOS ANOREXIA SINAIS NEUROLÓGICOS DECÚBITO, COMA E MORTE (3 A 7 DIAS)

68

69

70 TOXEMIA DA PRENHEZ: FISIOPATOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

71

72

73

74 TRATAMENTO Desidratação e distúrbios eletrolíticos múltiplos Acidose metabólica Hipo ou hiperglicemia DOIS PRINCÍPIOS GERAIS Administrar fontes de energia Remover os fatores que aumentam os requerimentos de energia.

75 TOXEMIA DA PRENHEZ: FISIOPATOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO TRATAMENTO HIPOGLICÊMICO: GLICOSE A 5% Hiperglicêmico: > mg/dl Insulina 20 a 40 unidades a cada 48 horas (3 dias)

76 PROTOCOLO 5 a 7 g de glicose intravenosa a cada 3 ou 4h 100 a 200 ml de propilenoglicol (Função hepática...) 60 ml 2 vezes por dia Borogluconato de cálcio (20%) 50 a 125 ml Flunixin 2,5 mg/kg durante 3 dias.

77

78 HIPOCALCEMIA

79 HIPOCALCEMIA ENFERMIDADE SUBDIAGNOSTICADA... ASSOCIAÇÃO COM TOXEMIA DA PRENHEZ... PERÍODO DE OCORRÊNCIA... DIAGNÓSTICO TERAPÊUTICO...

80

81 TRATAMENTO Borogluconato de cálcio IV ( ml a 23%. Aplicação oral ou subcutânea prevenir recidivas. Diluir em 1 litro de solução de glicose a 5% administrar volume ao longo de 10 minutos.

82 TORÇÃO UTERINA

83

84 OBSTRUÇÕES INTESTINAIS

85 Foto: Prof. Riet Correa

86 Foto: Prof. Riet Correa

87 Foto: Prof. Riet Correa

88 Foto: Prof. Riet Correa

89

90

91

92

93

94 POLIOENCEFALOMALÁCIA

95 OBRIGADA PELA ATENÇÃO!

3) Complicações agudas do diabetes

3) Complicações agudas do diabetes 73 3) Complicações agudas do diabetes Hiperglicemias As emergências hiperglicêmicas do diabetes melitus são classificadas em: cetoacidose diabética (CAD) e estado hiperglicêmico hiperosmolar (EHH), que

Leia mais

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico Regulação do volume hídrico Alteração do equilíbrio hídrico em que a perda de líquidos do organismo é maior que o líquido ingerido Diminuição do volume sanguíneo Alterações do equilíbrio Hídrico 1. Consumo

Leia mais

Metabolismo da Glicose. Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas. Metabolismo da Glicose. Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo

Metabolismo da Glicose. Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas. Metabolismo da Glicose. Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Metabolismo da Glicose CHOs Polissacarídeos Dissacarídeos (MAL, SAC, LAC) Monossacarídeos (Glic, Frut, Galact, Mano e

Leia mais

*Distúrbio do metabolismo de CHO devido ao aumento da demanda por glicose pelos fetos em desenvolvimento nas últimas 6 semanas de gestação

*Distúrbio do metabolismo de CHO devido ao aumento da demanda por glicose pelos fetos em desenvolvimento nas últimas 6 semanas de gestação Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo *Doença metabólica de ovelhas que ocorre durante as últimas semanas de gestação *Caracterizada por hipoglicemia e cetose *Fígado gorduroso e encefalopatia hepática *Sinonímias

Leia mais

Aumento nas concentrações de isopropanol em vacas leiteiras com cetose e a produção de isopropanol a partir da acetona no rúmem

Aumento nas concentrações de isopropanol em vacas leiteiras com cetose e a produção de isopropanol a partir da acetona no rúmem Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Veterinária Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Aumento nas concentrações de isopropanol em vacas leiteiras com cetose

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO integração e regulação alimentado jejum catabólitos urinários. Bioquímica. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

METABOLISMO ENERGÉTICO integração e regulação alimentado jejum catabólitos urinários. Bioquímica. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes METABOLISMO ENERGÉTICO integração e regulação alimentado jejum catabólitos urinários Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes REFERÊNCIA: Bioquímica Ilustrada - Champe ESTÁGIOS DO CATABOLISMO

Leia mais

CRISE HIPOXÊMICA. Maria Regina da Rocha Corrêa

CRISE HIPOXÊMICA. Maria Regina da Rocha Corrêa CRISE HIPOXÊMICA Maria Regina da Rocha Corrêa Crise Hipoxêmica Introdução Fisiopatologia Quadro clínico Fatores Precipitantes Tratamento Crise Hipoxêmica Cardiopatia Cianótica crise hipoxêmica Tratamento

Leia mais

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS REIDRATAÇÃO DE VITELOS NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS A nova solução para diarreias em vitelos Compatível com o leite Boa palatibilidade Correção da acidose, desidratação e hipoglicémia

Leia mais

Tetania da. Lactação e das. Pastagens

Tetania da. Lactação e das. Pastagens Tetania da Lactação e das Pastagens Tetania da Lactação e das Pastagens Hipomagnesemia Conjunto de fatores: Desequilíbrio da ingestão e excreção de Mg Estresse - esteróides endógenos Cátions com ação neuromuscular

Leia mais

Avaliação nutricional do paciente

Avaliação nutricional do paciente Avaliação nutricional do paciente Muito gordo ou muito magro? O que fazer com esta informação? Avaliação nutricional do paciente 1) Anamnese (inquérito alimentar) 2) Exame físico 3) Exames laboratoriais

Leia mais

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira O papel da suplementação na Pecuária Leiteira Nutrição e Suplementação... São a mesma coisa? Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição É o processo biológico pelo qual

Leia mais

29/08/2016. Sistema Digestório de Ruminates INDIGESTÕES ALIMENTARES.

29/08/2016. Sistema Digestório de Ruminates INDIGESTÕES ALIMENTARES. 1 Sistema Digestório de Ruminates INDIGESTÕES ALIMENTARES. 2 3 4 5 6 Introdução Compartimentos Rumenorreticular Omasal Microbiota Saliva Contrações Eructação Introdução Contrações primárias (1/min) Ciclo

Leia mais

Alternativas terapêuticas para o tratamento de cetose clínica

Alternativas terapêuticas para o tratamento de cetose clínica Alternativas terapêuticas para o tratamento de cetose clínica Apresentação: Fabiane de Moraes Orientação: Paula Montagner Caso Clínico ANAMNESE - Parto gemelar - 7dpp Dia 16/09 o animal apresentou-se em

Leia mais

Frutose 5% Forma farmacêutica: Solução injetável

Frutose 5% Forma farmacêutica: Solução injetável Frutose 5% Forma farmacêutica: Solução injetável 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável - 50 mg/ml Frasco plástico transparente com 500 ml USO INTRAVENOSO USO ADULTO E PEDIÁTRICO TEXTO

Leia mais

A Diabetes É uma doença metabólica Caracteriza-se por um aumento dos níveis de açúcar no sangue hiperglicemia. Vários factores contribuem para o apare

A Diabetes É uma doença metabólica Caracteriza-se por um aumento dos níveis de açúcar no sangue hiperglicemia. Vários factores contribuem para o apare Diabetes Mellitus Tipo I Licenciatura em Bioquímica 1º ano 2005/2006 Duarte Nuno Amorim dos Santos A Diabetes É uma doença metabólica Caracteriza-se por um aumento dos níveis de açúcar no sangue hiperglicemia.

Leia mais

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto HIPERÊMESE GRAVÍDICA Msc. Roberpaulo Anacleto Introdução A ocorrência ocasional de náuseas e vômitos até 14 semanas de gestação, mais comum no período da manhã, é rotulada como êmese gravídica e pode ser

Leia mais

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM RECOMENDAÇÕES DO ACSM PARA NUTRIÇÃO RECOMENDAÇÃO ACSM 6-10g/kg por dia HCO PELAS RAZÕES ABAIXO REFERIDAS, DEVEM SER PRIVILEGIADOS OS ALIMENTOS RICOS EM AMIDO E CELULOSE (POLISSACARIDEOS)

Leia mais

ELETRÓLITOS: Iniciar com 48hs de vida, segundo a tabela abaixo. SUPORTE NUTRICIONAL REQUERIMENTOS

ELETRÓLITOS: Iniciar com 48hs de vida, segundo a tabela abaixo. SUPORTE NUTRICIONAL REQUERIMENTOS NUTRIÇÃO PARENTERAL OBJETIVOS - Manter adequado aporte calórico e balanço nitrogenado positivo - Prevenção da deficiência de ácidos graxos essenciais - Promover o crescimento. A nutrição parenteral (NP)

Leia mais

Frutose 5% Forma farmacêutica: Solução injetável

Frutose 5% Forma farmacêutica: Solução injetável Frutose 5% Forma farmacêutica: Solução injetável 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável - 50 mg/ml Frasco plástico transparente com 500 ml USO INTRAVENOSO USO ADULTO E PEDIÁTRICO TEXTO

Leia mais

30/05/2017. Metabolismo: soma de todas as transformações químicas que ocorrem em uma célula ou organismo por meio de reações catalisadas por enzimas

30/05/2017. Metabolismo: soma de todas as transformações químicas que ocorrem em uma célula ou organismo por meio de reações catalisadas por enzimas Metabolismo: soma de todas as transformações químicas que ocorrem em uma célula ou organismo por meio de reações catalisadas por enzimas Metabolismo energético: vias metabólicas de fornecimento de energia

Leia mais

Quem vence é o que melhor se adapta

Quem vence é o que melhor se adapta Quem vence é o que melhor se adapta Tecnologia dos Óleos Funcionais em Ruminantes Dra Juliane Diniz Magalhães Gerente de Ruminantes da Oligo Basics Região Sul São Paulo-SP Junho de 2016 Perfil dos confinamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Período seco

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Período seco UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA Aula - Período seco Prof. Luciane Rumpel Segabinazzi Bovinocultura de Leite II 1º sem. 2016 Secagem da vaca 1. O que é o secar a vaca??

Leia mais

BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL

BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL Profa. Dra. Maria Rosimar Teixeira Matos Docente do Curso de Nutrição da UECE TERAPIA NUTRICIONAL Suprir as necessidades

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA GLICÓLISE Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Glicose e glicólise Via Ebden-Meyerhof ou Glicólise A glicólise,

Leia mais

O segredo é a conciliação de recrias intensivas, com abates precoces e de alta taxa de ganho.

O segredo é a conciliação de recrias intensivas, com abates precoces e de alta taxa de ganho. Atualmente o Brasil confina em torno de 2,5 milhões de bovinos, produzindo cerca de 600 mil toneladas de carne de melhor qualidade, tendo em vista não só o sistema de produção em si, mas também pela menor

Leia mais

Por que não toma o que necessita?

Por que não toma o que necessita? Por que não toma o que necessita? Mãe Idade (quantidade e qualidade) Primeiro parto 25% menos de colostro. Maior taxa de subrevivência 3-77 anos. Avaliar idade do rebanho (80% entre 1 e 7 anos)* Enfermidades

Leia mais

Caixa de Primeiros Socorros

Caixa de Primeiros Socorros Primeiros Socorros em Medicina Veterinária Objetivos: Vias de administração de drogas nas diferentes espécies Noções básicas de fluidoterapia Noções básicas de transfusão sanguínea Objetivos Prática: Avaliação

Leia mais

Sistema Urinário. Patrícia Dupim

Sistema Urinário. Patrícia Dupim Sistema Urinário Patrícia Dupim Insuficiência Renal Ocorre quando os rins não conseguem remover os resíduos metabólicos do corpo. As substância normalmente eliminadas na urina acumulam-se nos líquidos

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 0 de 6 RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO LACTATO DE RINGER BRAUN VET, associação, solução injectável para bovinos,

Leia mais

Metabolismo Energético em Ruminates. Integrantes: Êmili H, Mariéli M. e Theline R.

Metabolismo Energético em Ruminates. Integrantes: Êmili H, Mariéli M. e Theline R. Metabolismo Energético em Ruminates 1 METABOLISMO VISCERAL Integrantes: Êmili H, Mariéli M. e Theline R. INTRODUÇÃO 2 Os animais necessitam de um aporte de energia química para realizar suas diversas funções;

Leia mais

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias; Alterações do potássio; Acidoses

Leia mais

ÁGUA Porque a água é tão importante para vida: A água é o principal constituinte dos fluidos do corpo humano, que é composto por mais de 60% de água.

ÁGUA Porque a água é tão importante para vida: A água é o principal constituinte dos fluidos do corpo humano, que é composto por mais de 60% de água. Abiogênese ÁGUA Porque a água é tão importante para vida: A água é o principal constituinte dos fluidos do corpo humano, que é composto por mais de 60% de água. É essencial para dissolver e transportar

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. O Pâncreas. Prof. Wagner de Fátima Pereira

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. O Pâncreas. Prof. Wagner de Fátima Pereira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Endócrina O Pâncreas Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências Biológica e da Saúde

Leia mais

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012 Animais Monogástricos Digestão e Absorção de Carboidratos Animais monogástricos e ruminantes Prof. Dr. Bruno Lazzari de Lima Principais fontes de glicídeos: Polissacarídeos. Amido. Glicogênio. Dextrinas.

Leia mais

Fluidoterapia. Vias de Administração. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Enteral Via oral Via intra retal

Fluidoterapia. Vias de Administração. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Enteral Via oral Via intra retal Vias de Administração Enteral Via oral Via intra retal Parenteral Via Subcutânea Via Intramuscular Via endovenosa Via Intra Óssea Via Intra Cardíaca Via Intra Traqueal Via Epidural Via Subaracnóidea Via

Leia mais

BE066 - Fisiologia do Exercício BE066 Fisiologia do Exercício. Bioenergética. Sergio Gregorio da Silva, PhD

BE066 - Fisiologia do Exercício BE066 Fisiologia do Exercício. Bioenergética. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Fisiologia do Exercício Bioenergética Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos Definir Energia Descrever os 3 Sistemas Energéticos Descrever as diferenças em Produção de Energia Bioenergética Estuda

Leia mais

Rubens Alves Pereira Mestrando em Biotecnologia Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia PPGB/UFPEL Núcleo de Pesquisa,

Rubens Alves Pereira Mestrando em Biotecnologia Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia PPGB/UFPEL Núcleo de Pesquisa, Rubens Alves Pereira rubens_ap@yahoo.com.br Mestrando em Biotecnologia Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia PPGB/UFPEL Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária - NUPEEC www.ufpel.edu.br/nupeec

Leia mais

Q U E S T Ã O 4 6. É INCORRETO afirmar:

Q U E S T Ã O 4 6. É INCORRETO afirmar: 27 Q U E S T Ã O 4 6 Uma encruzilhada metabólica celular interessante, que leva à liberação de energia química para diversos metabolismos celulares, está representada abaixo. Aminoácidos Monossacarídeos

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR POLPA CÍTRICA REVISÃO BIBLIOGRAFICA

INTOXICAÇÃO POR POLPA CÍTRICA REVISÃO BIBLIOGRAFICA INTOXICAÇÃO POR POLPA CÍTRICA REVISÃO BIBLIOGRAFICA MARTINS, Angela Cristiane de Oliveira¹; SILVA, Vanusa Israel da 1 ; ZANATTA, Liliane 2 ; ROSSATO, Cristina Krauspenhar 3 Palavras-Chave: Polpa cítrica.

Leia mais

Status Epilepticus. Neurologia - FEPAR. Neurofepar Dr. Roberto Caron

Status Epilepticus. Neurologia - FEPAR. Neurofepar Dr. Roberto Caron Status Epilepticus Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Roberto Caron Estado de Mal Epiléptico Classificação das Epilepsias Definição Status Epilepticus: Crise epiléptica com duração de pelo menos 5 minutos.

Leia mais

Clostridioses em Bovinos

Clostridioses em Bovinos Clostridioses em Bovinos Capacitação Continuada de Técnicos da Cadeia Produtiva do Leite Várzea Grande, 4 de outubro de 2011 Pedro Paulo Pires pedropaulo@cnpgc.embrapa.br O grupo de infecções e intoxicações

Leia mais

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Interpretação de Exames Laboratoriais Aplicados à Nutrição Clínica Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Prof. Marina Prigol Investigação da função renal Funções do rim: Regulação do

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

D e s n u t r i ç ã o. Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS

D e s n u t r i ç ã o. Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS D e s n u t r i ç ã o Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS O estado nutricional de uma população é um excelente indicador de sua qualidade de vida, espelhando o modelo

Leia mais

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas Anatomia Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Sistema Nervoso Central (SNC) Cérebro Medula espinhal Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos Cranianos Nervos Espinhais Fisiologia

Leia mais

Pâncreas Endócrino Controle da glicemia

Pâncreas Endócrino Controle da glicemia Pâncreas Endócrino Controle da glicemia Curso de Odontologia da UEM Prof. Kellen Brunaldi Silverthorn (Cap. 22) Guyton (Cap. 78) O SNC é responsável por cerca de 50% da glicose diariamente consumida para

Leia mais

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS Capítulo Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Conhecer os tipos de diabetes mellitus. Descrever os mecanismos de descompensação

Leia mais

TT-EEFEUSP TT-EEFEUSP

TT-EEFEUSP TT-EEFEUSP emergências ambientais Exposição a condições extremas de temperatura Calor EMERGÊNCIAS AMBIENTAIS Frio Prof ª. Dra. Taís Tinucci Socorros de Urgência queimadura solar Eritema e dor na pele que se inicia

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS Avaliação do Estado Nutricional. CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Química e Bioquímica Aplicada Prof.

EXAMES LABORATORIAIS Avaliação do Estado Nutricional. CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Química e Bioquímica Aplicada Prof. m CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Química e Bioquímica Aplicada Prof. Adriano Silva Estado Nutricional Composição da alimentação (tipo e quantidade dos alimentos ingeridos); Necessidades do organismo

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES Disciplina Nutrição aplicada à Educação Física e ao Esporte Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior HISTÓRICO

Leia mais

POLIOENCEFALOMALACIA EM RUMINANTES REVISÃO DE LITERATURA POLIOENCEPHALOMALACIA

POLIOENCEFALOMALACIA EM RUMINANTES REVISÃO DE LITERATURA POLIOENCEPHALOMALACIA POLIOENCEFALOMALACIA EM RUMINANTES REVISÃO DE LITERATURA POLIOENCEPHALOMALACIA ZAPPA, Vanessa. Médica Veterinária Docente do Curso de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça- FAEF Rodovia Comandante

Leia mais

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO HIPONATREMIA Dosagem de sódio ( Na ) sérico < 130mEq/L Oferta hídrica aumentada; Baixa oferta de sódio; Redistribuição osmótica de água ( p.ex. hiperglicemia); Excreção

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino. Pâncreas Endócrino. Anatomia Microscópica. Anatomia Microscópica

Fisiologia do Sistema Endócrino. Pâncreas Endócrino. Anatomia Microscópica. Anatomia Microscópica Fisiologia do Sistema Endócrino Pâncreas Endócrino Prof. Dr. Leonardo Rigoldi Bonjardim Profa. Adjunto do Depto. De Fisiologia-CCBS-UFS Material disponível em: http://www.fisiologiaufs.xpg.com.br 2006

Leia mais

Impacto Econômico das Doenças do Periparto de vacas leiteiras

Impacto Econômico das Doenças do Periparto de vacas leiteiras 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Impacto Econômico das Doenças do Periparto de vacas leiteiras Pedro Augusto Silva Silveira Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato.

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato. no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Manejo pré-parto; parto; Introdução Manejo parto; Manejo do Neonato. 1 Manejo pré-parto parto local de parto um mês antes do

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

Diagnóstico, tratamento e prevenção das principais enfermidades de caprinos e ovinos no semiárido

Diagnóstico, tratamento e prevenção das principais enfermidades de caprinos e ovinos no semiárido Diagnóstico, tratamento e prevenção das principais enfermidades de caprinos e ovinos no semiárido Elza Maria Galvão Ciffoni Arns Universidade Tuiuti do Paraná 21 de julho de 2012 Fortaleza - CE Cauterizar

Leia mais

Água. A importância da água para a vida.

Água. A importância da água para a vida. Bioquímica Celular Água A importância da água para a vida. A água é principal constituinte dos fluidos do corpo humano, que é composto por mais de 60% de água. É essencial para dissolver e transportar

Leia mais

D) Como seria a correção desse distúrbio? A correção seria atuar na causa e proporcionar eliminação de CO2 por aumento da ventilação alveolar.

D) Como seria a correção desse distúrbio? A correção seria atuar na causa e proporcionar eliminação de CO2 por aumento da ventilação alveolar. Exercícios de Gasometria Arterial - Gabarito Docente responsável: Profª Paula C Nogueira Para as situações abaixo, responda às seguintes questões: Considere os seguintes valores de referência: ph: 7,35-7,45

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE UniRV NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV O Reitor da UniRV, no uso de suas atribuições legais, na forma do que dispõe

Leia mais

PROTOCOLO DE MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR DE ORGÃOS

PROTOCOLO DE MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR DE ORGÃOS Data de 1. Definições: Procedimento que detalha o manejo de pacientes com morte encefálica, com potencial para doação de órgãos 2. Objetivos Traçar as diretrizes para manutenção do potencial doador de

Leia mais

Epinefrina, glucagon e insulina. Hormônios com papéis fundamentais na regulação do metabolismo

Epinefrina, glucagon e insulina. Hormônios com papéis fundamentais na regulação do metabolismo Epinefrina, glucagon e insulina Hormônios com papéis fundamentais na regulação do metabolismo Epinefrina ou adrenalina Estímulos para a secreção de epinefrina: Perigos reais ou imaginários Exercício físico

Leia mais

Transfusão Em Cirurgia

Transfusão Em Cirurgia Transfusão Em Cirurgia Dante Mário Langhi Jr Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo 2006 Transfusão em Cirurgia Lesões traumáticas - importante causa de morte entre 1 e 44 anos de idade

Leia mais

INTRODUÇÃO. Emprego do termo clostridiose como diagnóstico de uma determinada doença

INTRODUÇÃO. Emprego do termo clostridiose como diagnóstico de uma determinada doença INTRODUÇÃO Emprego do termo clostridiose como diagnóstico de uma determinada doença Doenças com sinais clínicos, epidemiologia, patogenia,patologia distintos Termos gangrena ou gangrena gasosa como sinônimos

Leia mais

ACIDOSE LÁCTICA RUMINAL EM OVINO - RELATO DE CASO

ACIDOSE LÁCTICA RUMINAL EM OVINO - RELATO DE CASO ACIDOSE LÁCTICA RUMINAL EM OVINO - RELATO DE CASO Bruno Pasqual; Fernanda Schoma de Oliveira; Jayme Augusto Peres; Thalita Mye Ishiy; Margarete Kimie Falbo (Orientadora), e-mail: margaretefalbo@hotmail.com

Leia mais

CLOSTRIDIOSES. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses CLOSTRIDIOSE 22/06/2011. Solo. Vegetais Água.

CLOSTRIDIOSES. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses CLOSTRIDIOSE 22/06/2011. Solo. Vegetais Água. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DISCIPLINA: HIGIENE ANIMAL DOCENTE: JEAN BERG ALVES DA SILVA CLOSTRIDIOSES PRELECIONISTA: MANUELLA DE OLIVEIRA CABRAL ROCHA Etiologia Clostridium ssp. Mais de 150

Leia mais

Aspectos básicos na nutrição da vaca leiteira no pré-parto

Aspectos básicos na nutrição da vaca leiteira no pré-parto Universidade Federal de Pelotas Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária Grupo de estudos Nutrição de Ruminantes Aspectos básicos na nutrição da vaca leiteira no pré-parto A preparação para o

Leia mais

Cuidados com cordeiros hipotérmicos

Cuidados com cordeiros hipotérmicos ISSN 0100-8625 Cuidados com cordeiros hipotérmicos 33 A mortalidade perinatal de cordeiros ainda é um dos grandes gargalos na produção ovina em condições extensivas de criação. Alguns estudos apontam o

Leia mais

CETOACIDOSE DIABÉTICA E HIPERGLICEMIA HIPEROSMOLAR NÃO-CETÓTICA

CETOACIDOSE DIABÉTICA E HIPERGLICEMIA HIPEROSMOLAR NÃO-CETÓTICA ATUALIZAÇÃO DE CONDUTAS EM QUADROS EMERGENCIAIS CETOACIDOSE DIABÉTICA E HIPERGLICEMIA HIPEROSMOLAR NÃO-CETÓTICA GIOVANNA BALARINI IMPORTÂNCIA CLÍNICA - CAD e HHNC - Complicações metabólicas agudas mais

Leia mais

Diarreia de leitões na maternidade

Diarreia de leitões na maternidade Diarreia de leitões na maternidade Autor: Professor Carlos Alexandre Oelke Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui É muito comum observar em granjas produtoras de suínos que cerca de 70% dos casos

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED Folheto informativo: Informação para o utilizador Dextrose em Soro Fisiológico 55 mg/ml + 9 mg/ml solução para perfusão Glucose + Cloreto de sódio Leia com atenção todo este folheto antes de começar a

Leia mais

Jose Roberto Fioretto

Jose Roberto Fioretto Jose Roberto Fioretto jrf@fmb.unesp.br Professor Adjunto-Livre Docente Disciplina de Medicina Intensiva Pediátrica Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP 1988 Hipoglicemia Distúrbio metabólico mais comum

Leia mais

Introdução. Definição e atuação dos ionóforos

Introdução. Definição e atuação dos ionóforos Introdução É fato conhecido às transformações ocorridas na pecuária de corte nos últimos anos, principalmente com relação a sua rentabilidade, de altos e baixos. Comenta-se muito sobre os avanços tecnológicos,

Leia mais

Disciplina: Clínica Médica de Pequenos Animais

Disciplina: Clínica Médica de Pequenos Animais Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG Departamento de Medicina Veterinária Maria Clorinda Soares Fioravanti (clorinda@vet.ufg.br) Disciplina: Clínica Médica de Pequenos Animais Choque Definição O que

Leia mais

Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel

Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel Insuficiência Renal Crônica Claudia Witzel A insuficiência renal crônica (IRC) é o resultado das lesões renais irreversíveis e progressivas provocadas por doenças que tornam o rim incapaz de realizar as

Leia mais

COMPLICAÇÕES MAIS FREQUENTES DURANTE A SESSÃO DE HEMODIÁLISE

COMPLICAÇÕES MAIS FREQUENTES DURANTE A SESSÃO DE HEMODIÁLISE COMPLICAÇÕES MAIS FREQUENTES DURANTE A SESSÃO DE HEMODIÁLISE Profª:Enfª:Darlene Carvalho Diálise : Aula III (DARLLENECARVALHO@YAHOO.COM.BR COMPLICAÇÕES DURANTE A HEMODIÁLISE Hipotensão (20%-30% ) Cãibras(5%-20%),

Leia mais

Como o organismo perde água? No corpo humano, 71% do nosso peso é água. Contém 85% de água no nosso sangue, 80% no cérebro, 70% na pele e 30% nos

Como o organismo perde água? No corpo humano, 71% do nosso peso é água. Contém 85% de água no nosso sangue, 80% no cérebro, 70% na pele e 30% nos Bioquímica Celular Água A importância da água na vida do planeta é de tamanha proporção, posto que é um elemento essencial para a sobrevivência de animais e vegetais na Terra. Estamos tão habituados à

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO. Profa. Ainá Innocencio da Silva Gomes

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO. Profa. Ainá Innocencio da Silva Gomes Profa. Ainá Innocencio da Silva Gomes CONCEITOS BÁSICOS ESPORTISTA - Praticante de qualquer atividade física com o intuito da melhoria da saúde ou de lazer, sem se preocupar com alto rendimento. ATLETA

Leia mais

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira Procedimentos de Emergência Obstrução das Vias Aéreas MANOBRA DE HEIMLICH Obstrução das Vias Aéreas Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo

Leia mais

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINARIA BOVINOCULTURA DE CORTE 1. Introdução Por que estudar a fisiologia do Crescimento corporal? FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO EM

Leia mais

Meu Deus, ajude me a passar na prova de Química. Amém. a) 0,9. b) 1,3. c) 2,8. d) 5,7. e) 15.

Meu Deus, ajude me a passar na prova de Química. Amém. a) 0,9. b) 1,3. c) 2,8. d) 5,7. e) 15. Meu Deus, ajude me a passar na prova de Química. Amém LISTA DE EXERCÍCIOS DE QUÍMICA - 2 ANO 01. A concentração de íons fluoreto em uma água de uso doméstico é de 5,0 10 5 mol/litro. Se uma pessoa tomar

Leia mais

Cronograma. Introdução à disciplina de FISIOLOGIA. Conceito de Homeostasia AULA 1 - FISIOLOGIA APLIC. A ATIV. MOTORA

Cronograma. Introdução à disciplina de FISIOLOGIA. Conceito de Homeostasia AULA 1 - FISIOLOGIA APLIC. A ATIV. MOTORA Cronograma Introdução à disciplina de FISIOLOGIA Conceito de Homeostasia EMENTA: Estudo do funcionamento dos órgãos e sistemas orgânicos (cardiovascular, respiratório, muscular e neuroendócrino) no repouso

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS Coerências das solicitações; Associar a fisiopatologia; Correlacionar os diversos tipos de exames; A clínica é a observação

Leia mais

Embalagens de 20, 60 e 100 comprimidos de libertação modificada

Embalagens de 20, 60 e 100 comprimidos de libertação modificada Acalka (Citrato de Potássio) Embalagens de 20, 60 e 100 comprimidos de libertação modificada Cada comprimido contém como princípio activo 1080 mg de citrato de potássio (equivalente a 10 meq de potássio).

Leia mais

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml Forma farmacêutica:solução injetável MODELO DE BULA GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. GLYCOPHOS (glicerofosfato

Leia mais

Equilíbrio térmico durante o exercício

Equilíbrio térmico durante o exercício Equilíbrio térmico durante o exercício Objetivo da termorregulação? - Manutenção da temperatura interna constante - Manter a proporção em produção e perda de calor Centro de controle da temperatura? -

Leia mais

Corpos cetônicos e Biossíntese de Triacilglicerois

Corpos cetônicos e Biossíntese de Triacilglicerois Corpos cetônicos e Biossíntese de Triacilglicerois Formação de Corpos Cetônicos Precursor: Acetil-CoA Importante saber!!!!!!!!!!!! http://bloglowcarb.blogspot.com.br/2011/06/o-que-acontece-com-os-lipidios.html

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de MEDICINA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de MEDICINA VETERINÁRIA Prof. Dra. Luciana Batalha de Miranda UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Curso de MEDICINA VETERINÁRIA INTRODUÇÃO Contenção FÍSICA X Contenção QUÍMICA - Imobilização do animal em - Inconsciência??? pleno estado

Leia mais

Considerações Gerais sobre Hemogasometria

Considerações Gerais sobre Hemogasometria Considerações Gerais sobre Hemogasometria Exame hemogasométrico Grande importância na avaliação do equilíbrio ácido-básico Diagnóstico e prognóstico de inúmeras enfermidades Cuidados importantes para obtenção

Leia mais

Menor custo de Produção de Bezzeras Mais leite para a indústria

Menor custo de Produção de Bezzeras Mais leite para a indústria Menor custo de Produção de Bezzeras Mais leite para a indústria Os Produtos Neolac é uma linha de sucedâneos de leite para bezerras lactantes. São produtos completos, com 20% de proteína bruta e alta energia,

Leia mais

Liberação de glicose pelo fígado, diminuição da utilização periférica de glicose causando hiperglicemia e hiperosmolaridade;

Liberação de glicose pelo fígado, diminuição da utilização periférica de glicose causando hiperglicemia e hiperosmolaridade; . DEFINIÇÃO A cetoacidose diabética (CAD) é uma complicação grave do diabetes mellitus (DM), resultante da combinação de deficiência absoluta ou relativa de insulina associada ao aumento de hormônios contrarreguladores

Leia mais

Nutrição Parenteral em Pediatria

Nutrição Parenteral em Pediatria NUTRIÇÃO PARENTERAL OBJETIVO Quantidade e Qualidade - Volume correto - Oferta Calórica adequada - Equilíbrio: CH / Proteina/Gordura - Na, K, Ca, Mg, Cl, P - Vitaminas e Oligoelementos Grandes Desafios

Leia mais

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Dra. Camila da Silva Frade ? Para a manutenção da vida dos animais, pois obtêm nutrientes essenciais para os processos corpóreos a partir

Leia mais

Doenças Transmitidas por Alimentos. Prof.: Alessandra Miranda

Doenças Transmitidas por Alimentos. Prof.: Alessandra Miranda Doenças Transmitidas por Alimentos Prof.: Alessandra Miranda Origem das Doenças Biológica Química Físicas Grupos Vulneráveis Crianças de 0 a 5 anos Mulheres grávidas Doentes e pessoas com baixa imunidade

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Metabolismo Muscular Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Atividade muscular Principais fontes de energia: 1- Carboidratos

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais