Situação Atual da Reavaliação Ambiental de Agrotóxicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Situação Atual da Reavaliação Ambiental de Agrotóxicos"

Transcrição

1 Situação Atual da Reavaliação Ambiental de Agrotóxicos Colmeia Viva, 01/09/16 Flávia Viana-Silva Colaboração: Equipe Reavaliação

2 Risco Especificamente falando de substâncias tóxicas: Risco é a probabilidade de efeito adverso resultante da exposição a uma substância química ou mistura delas. Risco = Toxicidade x Exposição O oposto do risco é a segurança, definida como a certeza calculada que a exposição a um agente tóxico sob certas circunstâncias não resultará em efeitos adversos.

3 Conceitos importantes Exposição: contato ou co-ocorrência de um agrotóxico com um organismo. Toxicidade: a capacidade de uma substância causar efeitos adversos. Efeito: mudança no estado ou dinâmica de um organismo, sistema ou população causada pela exposição a um agente estressor. Efeito adverso: mudança na fisiologia, morfologia, crescimento, desenvolvimento, reprodução ou tempo de vida de um organismo, sistema ou população que resulta em uma incapacidade funcional, ou incapacidade em compensar o estresse adicional, ou um aumento na susceptibilidade a outras influências. Endpoint: resposta mensurável a um estressor; parâmetro que representa o efeito e é expresso numericamente (ex: DL 50, CL 50, NOEC, etc).

4 Avaliação de Risco Ambiental Processo que avalia a probabilidade de que um efeito ecológico adverso possa ocorrer, ou esteja ocorrendo, como resultado da exposição a um ou mais agrotóxicos (USEPA, 1988).

5 Abelhas Organismos indicadores para insetos polinizadores.

6 Fonte: USEPA, Guidelines for Ecological Risk Assessment, 1998.

7 - Hipótese de risco - Todas informações disponíveis - Diagramas conceituais - Objetivos de proteção - Cenários (solo + cultivo + clima) - Fontes, distribuição e concentrações esperadas no ambiente - Vias de exposição - Rótulo / bula - Recomendações de uso propostas - Estudos dos registrantes - Uso de modelos preditivos - Dados de monitoramento - Dados de literatura Fonte: USEPA, Guidelines for Ecological Risk Assessment, 1998.

8 Objetivos de Proteção Gerais I - proteger os insetos polinizadores e sua biodiversidade e II - garantir os serviços ecossistêmicos fornecidos por eles, incluindo o serviço de polinização, a produção de produtos da colônia (mel, própolis, cera, etc) e a provisão de recursos genéticos.

9 Cenários de exposição de abelhas a agrotóxicos Apis e nativas Contato com: - a nuvem de pulverização; - as superfícies atingidas pela aplicação; Consumo de néctar e pólen contaminado: - pela pulverização ou - pela translocação. Contato com: - a deriva (pulverização / poeira); - as superfícies atingidas pela deriva (pulverização / poeira); Consumo de néctar e pólen contaminado: - pela deposição da deriva.

10 Diagrama conceitual

11

12 - Magnitude e tipos de efeitos - Relação estressor-resposta - Seleção de endpoints para responder às hipóteses de risco - Estudos dos registrantes - Dados de literatura - Ocorrências, acidentes Fonte: USEPA, Guidelines for Ecological Risk Assessment, 1998.

13 Caracterização da exposição Para que se consiga saber quanto do estressor pode entrar em contato com o receptor ecológico são calculadas as CAE do estressor no ambiente. Para se predizer essa concentração, são utilizados modelos matemáticos de exposição (BeeREX, AgDrift).

14 Árvore de decisão para determinar se há exposição das abelhas

15 Modo, forma e época de aplicação do produto Integração entre os componentes do risco = exposição x toxicidade

16 - Exposição + efeitos - Incertezas, pontos fortes e limitações da análise. - Quantitativa (medida) / qualitativa (não medida) - Determinística: usa estimativas pontuais - Tomada de decisão regulatória - Medidas de mitigação Fonte: USEPA, Guidelines for Ecological Risk Assessment, 1998.

17 Gerenciamento do Risco

18 Créditos: Prof. Dra. Andrea Waichman - UFAM Universidade Federal do Amazonas.

19 Esquema de ARA para abelhas

20 Reavaliação ambiental Reavaliação é do i.a. Reanálise de produtos já registrados e em uso no mercado. Devido a indícios de ocorrência de risco ao meio ambiente, ou de redução da eficiência, verificados em momento posterior à concessão do registro.

21 Base legal Lei nº 7.802/ Parágrafo 4º, Art. 3º Decreto nº 4.074/ Inciso VI, Art. 2º INC n 2/2006: procedimentos para reavaliação agronômica ou toxicológica ou ambiental dos agrotóxicos, seus componentes e afins. IN nº 17/2009 instituiu os procedimentos administrativos no âmbito do IBAMA para a reavaliação ambiental dos agrotóxicos, seus componentes e afins.

22 Reavaliação ambiental anterior solicitação do MMA Triclorfom - aves, abelhas, aquáticos; Empresas não manifestaram interesse em defender a molécula; IBAMA cancelou o PPA dos produtos. Forato - aves, organismos aquáticos Empresas: aportaram novos estudos / informações; Porém Anvisa suspendeu o PT, IBAMA cancelou PPA do produto.

23 Reavaliação dos neonicotinóides e fipronil DOU 139, de 19/07/2012 Início formal do processo de reavaliação de agrotóxicos relacionados a efeitos nocivos às abelhas (Alta toxicidade aguda, sistêmicos, translocação).

24 Reavaliação dos neonicotinóides e fipronil Ocorrência de casos de mortandade de abelhas suspeitos de estarem relacionados a agrotóxicos ; 24

25 Imidacloprido Início do processo: 07/2012; Força Tarefa (30 empresas) para geração dos estudos solicitados; Estudos: Toxicidade Residual Foliar (RT25); Resíduos (8 culturas): cana-de-açúcar, citros, milho, soja, café, algodão, melancia e melão. Relatórios finais (resíduos) já entregues ao IBAMA; Estudos em revisão após exigência técnica do IBAMA. EM ANDAMENTO...

26 Tiametoxam Início do processo: 04/2014; Estudos: Resíduos (13 culturas): cana-de-açúcar, cebola, algodão, café, citrus, feijão, girassol, melancia, melão, soja, tomate, morango e pepino em diferentes locais; Testes de Heubach; Toxicidade Residual Foliar (RT25); Teste de deriva: terreste, aérea e poeira do tratamento de sementes. EM ANDAMENTO...

27 Clotianidina Início do processo: 04/2014; Estudos: Toxicidade Residual Foliar (RT25); Resíduos (6 culturas): algodão, feijão, melão, pepino, soja e tomate em diferentes regiões; Testes de Heubach; Teste de deriva: terreste, aérea e poeira do tratamento de sementes; EM ANDAMENTO...

28 Medidas de mitigação Inclusão da seguinte frase de advertência nas bulas e rótulos: "Este produto é toxico para abelhas. A aplicação aérea NÃO É PERMITIDA. Não aplique este produto em época de floração, nem imediatamente antes do florescimento ou quando for observada visitação de abelhas na cultura. O descumprimento dessas determinações constitui crime ambiental, sujeito a penalidades."

29 Medidas de mitigação Até o final da reavaliação a aplicação aérea de qualquer produto contendo qualquer destes ingredientes ativos é autorizada apenas para (INC 1 de 28/12/12): Soja, Cana de açúcar, Arroz, Trigo Algodão de acordo com o disposto na INC 01 de 31/12/2014.

30 Medidas de mitigação Algodão Proibido: Aplicação no período de floração da cultura compreendido entre o 55 e o 100 dias após a emergência das plantas; No horário de maior visitação das abelhas, entre as 10 e 15 horas do dia; Em distância menor do que 300 m da divisa com áreas de vegetação natural e culturas agrícolas em fase de florescimento, para quaisquer finalidades autorizadas em qualquer período de aplicação. Em culturas de inverno utilizadas no sistema de plantio direto instaladas a menos de 300 (trezentos) metros da divisa com áreas de cultivo do algodoeiro em fase de florescimento. (INC 01 31/12/2014)

31 Medidas de mitigação Uso de técnicas que visem reduzir a deriva: Ajuste de equipamentos; Não realizar aplicação com ventos fortes; Ajuste do tamanho da gota; Entre outros aspectos. Aplicação terrestre permitida para todas a culturas fora do período de floração.

32 Medidas de mitigação * Os produtores rurais deverão notificar os apicultores localizados em um raio de 6 km das propriedades onde os produtos serão aplicados, com antecedência mínima de 48 horas. Usos foliares e aplicação aérea de fipronil foram cancelados pela empresa dona da molécula.

33 O que pode acontecer? Decreto nº 4.074/ Art. 19: Manter Adequações Redução da eficiência, indícios de danos à saúde ou ao meio ambiente Início do processo Resultados Alterações Restrições Suspensão Cancelamento

34 Consulta Pública Proposta de IN para a avaliação de risco de agrotóxicos para abelhas. Escopo: ias ainda não registrados; ias submetidos à reavaliação ou à revisão. O aviso de consulta foi publicado no DOU de 31/05/2016 e o prazo para envio de comentários e sugestões foi até 19/07/2016.

35 Foram recebidas 88 contribuições válidas (questionários completos). Consulta Pública

36 Consulta Pública

37 Consulta Pública Segmento 25% 11% 41% 10% 13% Ex.: comunidade, apicultores / meliponicultores, empresas e labs pesquisa

38 Consulta Pública *Associação, entidade de classe ou instituição representativa de categoria ou setor da sociedade civil.

39 Consulta Pública

40 Próximas etapas: Consulta Pública Análise das contribuições da consulta pública Finalização do manual de avaliação de risco de agrotóxicos para abelhas Publicação da IN estabelecendo legalmente o procedimento de avaliação de risco de agrotóxicos para abelhas

41 Agradeço a atenção! Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Diretoria de Qualidade Ambiental - DIQUA Coordenação Geral de Avaliação e Controle de Substâncias Químicas - CGASQ SCEN trecho 2, Ed. Sede, Bloco C, 1º andar. Brasília DF (61)

Aplicação aérea de inseticidas, efeito sobre as abelhas e períodos em que as aplicações são necessárias em soja

Aplicação aérea de inseticidas, efeito sobre as abelhas e períodos em que as aplicações são necessárias em soja Aplicação aérea de inseticidas, efeito sobre as abelhas e períodos em que as aplicações são necessárias em soja Audiência pública Câmara Federal 11 de dezembro de 2012 Alexandre J. Cattelan Chefe-Geral

Leia mais

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Karina Cham Analista Ambiental Carlos Tonelli Analista Ambiental Programação Papel do Ibama no Registro

Leia mais

Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil. Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental

Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil. Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental Workshop Agrotóxicos: onde estamos? Jaguariúna, 8 de outubro de 2013 1 Registro de Agrotóxicos

Leia mais

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016 PAINEL Aspectos Regulatórios da Área de Agrotóxicos: Processo de Reavaliação de Herbicidas no Brasil Avaliação e Reavaliação de Herbicidas: como funciona e o que o MAPA pode fazer. XXX Congresso Brasileiro

Leia mais

Aplicação aérea de inseticidas, efeito sobre as abelhas e períodos em que as aplicações são necessárias em soja

Aplicação aérea de inseticidas, efeito sobre as abelhas e períodos em que as aplicações são necessárias em soja Aplicação aérea de inseticidas, efeito sobre as abelhas e períodos em que as aplicações são necessárias em soja Audiência Pública Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Câmara dos Deputados

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DO MEL E PRODUTO DAS ABELHAS REGISTRO DE AGROTÓXICOS E POLINIZADORES

CAMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DO MEL E PRODUTO DAS ABELHAS REGISTRO DE AGROTÓXICOS E POLINIZADORES INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA CAMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DO MEL E PRODUTO DAS ABELHAS REGISTRO DE AGROTÓXICOS E POLINIZADORES Marcio Rosa Rodrigues

Leia mais

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6.

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6. Defensivos Agrícolas, Produtos Fitossanitários, Agrotóxicos ou Pesticidas? FCA / UNESP Campus de Botucatu DPV Defesa Fitossanitária raetano@fca.unesp.br TERMINOLOGIA Agrotóxicos: Lei dos Agrotóxicos 7.802/89

Leia mais

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS VEIS - IBAMA Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos Reunião da Câmara Temática de Insumos Agropecuários

Leia mais

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Camila Queiroz Moreira Coordenação de Reavaliação Gerência de Pós-registro Gerência Geral de Toxicologia 23

Leia mais

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 17, DE 29 DE MAIO DE 2009 O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V, art.

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS- IBAMA

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS- IBAMA DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS- IBAMA "Debate: a intoxicação de profissionais e estudantes da Escola Municipal de São José do Pontal, localizada na zona rural do Município de Rio Verde, estado de Goiás,

Leia mais

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 RESUMO Legislação Federal de Agrotóxicos Necessidade do

Leia mais

A tecnologia INSIDE protegendo o potencial de sementes e plântulas

A tecnologia INSIDE protegendo o potencial de sementes e plântulas A tecnologia INSIDE protegendo o potencial de sementes e plântulas João Carlos Nunes - Ger. TS Latam Nufarm CSM PR _ Agosto, 2016 INSIDE FS é o novo inseticida para tratamento de sementes no portfólio

Leia mais

Registro de Agrotóxicos no Brasil

Registro de Agrotóxicos no Brasil Produtos Fitossanitários Registro de Agrotóxicos no Brasil HELEN CALAÇA 02/08/2016 O que é um agrotóxico? Produtos correlatos Impurezas FORMULAÇÃO INGREDIENTE ATIVO Produto Formulado Produto Comercial

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO NORTE 2014/2015. dekalb.com.

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO NORTE 2014/2015. dekalb.com. LANÇAMENTO DKB 290 O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES + MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO NORTE 2014/2015 dekalb.com.br ASAS PARA O SEU POTENCIAL. DKB 310 Alto potencial produtivo

Leia mais

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015. dekalb.com.

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015. dekalb.com. LANÇAMENTO DKB 290 O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES + MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015 dekalb.com.br ASAS PARA O SEU POTENCIAL. DKB 290 O novo híbrido para altas

Leia mais

Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção

Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção Eng. Agr. Jesus Carmo Desenvolvimento Tecnico de Mercado Cana-de-Açúcar Syngenta jesus.carmo@syngenta.com O atual cenário Os desafios no

Leia mais

Mapeamento de Abelhas Participativo (MAP) Relatório Prévio Primeiro ano desde o lançamento (Junho/2015 a Maio/2016)

Mapeamento de Abelhas Participativo (MAP) Relatório Prévio Primeiro ano desde o lançamento (Junho/2015 a Maio/2016) Mapeamento de Abelhas Participativo (MAP) Relatório Prévio Primeiro ano desde o lançamento (Junho/05 a Maio/06) INTRODUÇÃO Idealizado pelo setor de defensivos agrícolas, por meio do Sindicato Nacional

Leia mais

Os Riscos Ambientais dos Pesticidas Neonicotinoides: uma análise das evidências pós-2013

Os Riscos Ambientais dos Pesticidas Neonicotinoides: uma análise das evidências pós-2013 Os Riscos Ambientais dos Pesticidas Neonicotinoides: uma análise das evidências pós-2013 Greenpeace União Europeia Leia o estudo completo em inglês: http://www.greenpeace.org/france/global/international/publications/agriculture/2017/n

Leia mais

5.9 Controle de Pragas e Doenças

5.9 Controle de Pragas e Doenças 5.9 Controle de Pragas e Doenças 1 5.9.1 Medidas gerais de controle de pragas 2 a) Métodos Legislativos -Realizado pelo serviço de vigilância sanitária; - Consiste na fiscalização de portos, aeroportos,

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

A polinização é um fenômeno essencial para a manutenção da biodiversidade e imprescindível para a propagação de muitas espécies.

A polinização é um fenômeno essencial para a manutenção da biodiversidade e imprescindível para a propagação de muitas espécies. Gimnospermas A polinização é um fenômeno essencial para a manutenção da biodiversidade e imprescindível para a propagação de muitas espécies. Entre os agentes polinizadores os mais abundantes são os insetos

Leia mais

D.O.U, de 23/12/2009 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. RESOLUÇÃO-RDC No- 67, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009

D.O.U, de 23/12/2009 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. RESOLUÇÃO-RDC No- 67, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009 D.O.U, de 23/12/2009 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC No- 67, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre normas de tecnovigilância aplicáveis aos detentores de registro de produtos para

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas Secretaria de Defesa Agropecuária Luís Eduardo Pacifici Rangel

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes.

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. Gerência Geral de Toxicologia - GGTOX Gerência de Saneantes - GESAN Diretoria de Autorização

Leia mais

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal José Eduardo Vieira de Moraes ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal São Paulo, 25 de agosto de 2014 Desafios Por que Precisamos das

Leia mais

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas. Edivandro Seron

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas. Edivandro Seron Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas Edivandro Seron Foz do Iguaçu, 25 de agosto de 2016 Aplicação da Legislação Lei nº 7.802 de 11 de julho de 1989 Decreto nº 4.074 de 4 de janeiro

Leia mais

MISTURAS DE DEFENSIVOS

MISTURAS DE DEFENSIVOS MISTURAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM TANQUE Ac. Albert Kenji Hirose Ac. André Hiroshi Kobayashi Ac. Fausto Nimer Terrabuio Ac. Gustavo Takeshi Hacimoto INTRODUÇÃO Misturas em tanque associações de dois

Leia mais

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

Polinização com abelhas: o novo fator de produção agrícola no sertão empreendedor

Polinização com abelhas: o novo fator de produção agrícola no sertão empreendedor XIX Seminário Nordestino de Pecuária PEC Nordeste 2015 Fortaleza CE, 16 a 18 de junho de 2015 Polinização com abelhas: o novo fator de produção agrícola no sertão empreendedor Prof. Breno M. Freitas Breno

Leia mais

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... PREFÁCIO... IX XI CAPÍTULO 1 Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia.... 1 1.1 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS.... 5 1.1.1 A Substância... 6 1.1.2 O Organismo Afetado....

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO no uso das atribuições

Leia mais

Licença de Instalação Obras Serra do Cafezal

Licença de Instalação Obras Serra do Cafezal Licença de Instalação Obras Serra do Cafezal Os documentos Nº 688 e 689/2010, expedidos em 5 de abril de 2010 pelo IBAMA, dizem respeito às licenças de instalação para as obras de duplicação da Serra do

Leia mais

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Seminário FIESP Cooperação Brasil-Holanda: Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas Recuperação de

Leia mais

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no site da Anvisa.

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no site da Anvisa. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 217, de 28 de junho de 2016 D.O.U de 29/06/2016 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública n 325, de 21 de março de 2017 D.O.U de 22/03/2017

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Consulta Pública n 325, de 21 de março de 2017 D.O.U de 22/03/2017 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 325, de 21 de março de 2017 D.O.U de 22/03/2017 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6 Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: HCl Algicida Choque Aplicação: Eliminação de Algas Nome da Empresa: Hidroall

Leia mais

IV Fórum de Recursos Hídricos

IV Fórum de Recursos Hídricos IV Fórum de Recursos Hídricos CRQ-IV São Paulo, 17 de março de 2016 Panorama da Situação Atual das Áreas Contaminadas Eng. Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Avaliação e Auditoria de Áreas Contaminadas

Leia mais

Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização

Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização Reprodução Assexual Propagação vegetativa Sem fusão de gametas Multiplicação comercial das espécies - RÁPIDA E UNIFORME

Leia mais

Instrução Normativa AGRODEFESA nº 8 DE 06/11/2014

Instrução Normativa AGRODEFESA nº 8 DE 06/11/2014 Instrução Normativa AGRODEFESA nº 8 DE 06/11/2014 Norma Estadual - Goiás Publicado no DOE em 11 nov 2014 Dispõe sobre ações e medidas fitossanitárias que visem à prevenção e controle da Ferrugem Asiática

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 181, de 18 de setembro de 2003)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 181, de 18 de setembro de 2003) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 252, DE 16 DE SETEMBRO DE 2003 (Publicada em DOU nº 181, de 18 de setembro de 2003) A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

GESTÃO DAS COLMEIAS EM ZONAS CONTAMINADAS POR FOGO BACTERIANO

GESTÃO DAS COLMEIAS EM ZONAS CONTAMINADAS POR FOGO BACTERIANO Seminário de Apicultura GESTÃO DAS COLMEIAS EM ZONAS CONTAMINADAS POR FOGO BACTERIANO Sandra Patrocínio Engª Agrícola Seminário de Apicultura O que é o fogo bacteriano? Qual o papel das abelhas na disseminação

Leia mais

Os Novos Procedimentos para o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo

Os Novos Procedimentos para o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Os Novos Procedimentos para o Gerenciamento de Áreas Contaminadas no Estado de São Paulo Base Legal no Estado de São Paulo Lei 13.577, de 08/07/09 - dispõe sobre diretrizes e procedimentos para a proteção

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS GLOSSÁRIO Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011 Glossário

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Carta Preto BSN liq 0060 Página 1 / 5

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Carta Preto BSN liq 0060 Página 1 / 5 Carta Preto BSN liq 0060 Página 1 / 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Carta Preto BSN liq 0060 nº Material: 184299 nº Material:184299 Código Interno de Produto : 000000121486 Identificação

Leia mais

European Seed Association ESPECIFICAÇÕES/NORMAS PARA SEMENTES DE HORTÍCOLAS

European Seed Association ESPECIFICAÇÕES/NORMAS PARA SEMENTES DE HORTÍCOLAS 31.01.2011 ESA_11.0086.3 PT ESPECIFICAÇÕES/NORMAS PARA SEMENTES DE HORTÍCOLAS As seguintes especificações de, pureza varietal e requisitos de sanidade de sementes, são baseadas em padrões de recomendação

Leia mais

DominiSolo. Empresa. A importância dos aminoácidos na agricultura. Matérias-primas DominiSolo para os fabricantes de fertilizantes

DominiSolo. Empresa. A importância dos aminoácidos na agricultura. Matérias-primas DominiSolo para os fabricantes de fertilizantes DominiSolo Empresa A DominiSolo é uma empresa dedicada à pesquisa, industrialização e comercialização de inovações no mercado de fertilizantes. Está localizada no norte do Estado do Paraná, no município

Leia mais

CGCRE / INMETRO. Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das Boas Práticas de Laboratório - BPL

CGCRE / INMETRO. Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das Boas Práticas de Laboratório - BPL CGCRE / INMETRO Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das Boas Práticas de Laboratório - BPL Rio de Janeiro, 10 de maio de 2012 Elisa Rosa dos Santos Assessoria Técnica - DICLA/CGCRE/INMETRO INMETRO:

Leia mais

ROTATIVO. 6-24h R$2.165,00. Giro do Boi R$ 4.344,00. Mercado & Cia - 12h20 R$ 5.563,00. Mercado & Cia - 18h30 R$ 5.563,00. Rural Notícias R$ 5.

ROTATIVO. 6-24h R$2.165,00. Giro do Boi R$ 4.344,00. Mercado & Cia - 12h20 R$ 5.563,00. Mercado & Cia - 18h30 R$ 5.563,00. Rural Notícias R$ 5. Tabela de Preços Preços da tabela expressos em reais. Base 30 ROTATIVO 6-24h R$2.165,00 DETERMINAÇÃO POR PROGRAMA VALOR POR INSERÇÃO Giro do Boi R$ 4.344,00 Mercado & Cia - 12h20 R$ 5.563,00 Mercado &

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO MANEJO DA

MANEJO DA IRRIGAÇÃO MANEJO DA MANEJO DA IRRIGAÇÃO Prof o Dr. Marcos Vinícius Folegatti LER 1571 Irrigação EVAPOTRANSPIRAÇÃO E O MANEJO DA IRRIGAÇÃO ETP, ETo & ETR Penman Monteith (FAO56) Tanque Classe A Thornthwaite Camargo Hangreves

Leia mais

Abelhas X Agrotóxicos

Abelhas X Agrotóxicos Abelhas X Agrotóxicos Informativo aos apicultores e meliponicultores 2ª Edição 2016 Abelhas X Agrotóxicos Informativo aos apicultores e meliponicultores Autores: Wilson José Gussoni (wjgussoni@hotmail.com)

Leia mais

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Roteiro Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Definição de termos e justificativa do estudo Hidrossedimentologia O que é? Por que estudar? Como pesquisar?

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: ANTEPROJETO DE LEI Dispõe sobre o cadastro, a avaliação e o controle de substâncias químicas industriais. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. Conceito Por Aramis Cardoso GHS é significa Sistema Harmonizado

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 1 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 CONSÓRCIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA: COMPREENDENDO OS RISCOS DO ESTRESSE HÍDRICO NA

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS COGAP COMITÊ DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA VEGETAL ANDEF Rua Capitão Antônio Rosa, 376, 13º andar 01443-010 -

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Identificação e classificação de produtos perigosos: Sistema harmonizado globalmente para a classificação

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS,

Leia mais

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza (theos@usp.br) Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano (Conferência de Estocolmo) 1972, Estocolmo, Suécia 113

Leia mais

Resolução nº 55 de 17/03/2005 / ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária (D.O.U. 21/03/2005)

Resolução nº 55 de 17/03/2005 / ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária (D.O.U. 21/03/2005) Resolução nº 55 de 17/03/2005 / ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária (D.O.U. 21/03/2005) Fica estabelecidos, por meio do presente regulamento, os requisitos mínimos relativos à obrigatoriedade,

Leia mais

Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia ADAB

Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia ADAB Ag ên cia Est ad u al d e D ef es a Ag ro p e cu ári a d a B ah ia AD AB Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia ADAB PORTARIA N.º 408 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2016 O DIRETOR

Leia mais

AGRONEGÓCIO. Agricultura Pecuária. Dentro da Porteira. Depois da Porteira. Antes da Porteira. Do Plantio à Colheita

AGRONEGÓCIO. Agricultura Pecuária. Dentro da Porteira. Depois da Porteira. Antes da Porteira. Do Plantio à Colheita SEGUROS RURAIS Antes da Porteira AGRONEGÓCIO Agricultura Pecuária Dentro da Porteira EVENTOS CLIMÁTICOS PREJUDICAM TODA A CADEIA Depois da Porteira Do Plantio à Colheita Safra Agrícola 2014 / 2015 VISÃO

Leia mais

O aumento da produtividade nas lavouras de Girassol (Helianthus annuus L.) através da polinização apícola

O aumento da produtividade nas lavouras de Girassol (Helianthus annuus L.) através da polinização apícola O aumento da produtividade nas lavouras de Girassol (Helianthus annuus L.) através da polinização apícola Gustavo Nadeu Bijos Médico Veterinário CRMV MS 2100 Consultor para Apicultura e Meliponicultura

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 ALTERADA PELA PORTARIA MMA Nº 98/2015, PORTARIA MMA Nº 163/2015. PORTARIA MMA Nº 163, DE 08 DE JUNHO DE PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 2015 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis Competências a serem trabalhadas nesta aula Conhecer o segmento econômico da Agroindústria

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública n 284, de 13 de janeiro de 2017 D.O.U de 16/01/2017

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Consulta Pública n 284, de 13 de janeiro de 2017 D.O.U de 16/01/2017 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 284, de 13 de janeiro de 2017 D.O.U de 16/01/2017 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Agrotóxicos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Agrotóxicos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Avaliação Ecotoxicológica de Agrotóxicos Intercâmbio de informações sobre Avaliação Toxicológica

Leia mais

23/10/2014. DIRETRIZES BÁSICAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - CNEN-NN-3.01 jan/05 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR

23/10/2014. DIRETRIZES BÁSICAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - CNEN-NN-3.01 jan/05 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR Tabela 13.1 Recomendações sobre os limites de dose de radiação para IOE Ss (ou trabalhadores com radiação na nomenclatura das recomendações mais antigas). Na 1ª coluna está o ano, na 2ª coluna o país (comissão

Leia mais

INTRUÇÕES PARA ACOMPANHAMENTO DE SINISTRO

INTRUÇÕES PARA ACOMPANHAMENTO DE SINISTRO Manual de Sinistros de Seguros Agrícolas (Kit de Sinistro) Produtos: 622 - Colheita Garantida 623 - Canavial Seguro 624 - Granizo 625 - Granizo de Frutas 627 - Cafezal Seguro 651 - Seguro Floresta Página

Leia mais

FENSEG Federação Nacional de Seguros Gerais

FENSEG Federação Nacional de Seguros Gerais Federação Nacional de Seguros Gerais Gerenciamento de Áreas Contaminadas Estratégias, Legislação e Oportunidades (Lei 13.577 e Decreto 59.263) Sindicato da Seguradoras de São Paulo São Paulo, Abril de

Leia mais

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III...

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III... RDC Nº 23 /2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Página 1 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Identificação da sociedade/empresa Clariquimica Comercio de Produtos Quimicos Ltda. Rua Manoel Vitorino,353 Cumbica 07232-110 Guarulhos

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Estudos de análise de risco em instalações com produtos perigosos José Carlos de Moura Xavier CETESB Análise

Leia mais

Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas. Rodrigo Cunha CETESB

Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas. Rodrigo Cunha CETESB VI Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas AVALIAÇÃO DE RISCO NOVOS PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELA CETESB Rodrigo Cunha CETESB São Paulo, 25 de setembro de 2008 PROCEDIMENTO

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS EM PARQUES AQUÍCOLAS. Dra. Rachel Magalhães Santeiro INCISA Instituto Superior de Ciências da Saúde

QUALIDADE DAS ÁGUAS EM PARQUES AQUÍCOLAS. Dra. Rachel Magalhães Santeiro INCISA Instituto Superior de Ciências da Saúde QUALIDADE DAS ÁGUAS EM PARQUES AQUÍCOLAS Dra. Rachel Magalhães Santeiro INCISA Instituto Superior de Ciências da Saúde Desenvolvimento da aqüicultura estudos limnológicos manejo para manutenção de alta

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS GEOGRAFIA 5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS 1. Observe os mapas: Mapa 1 Fonte: IBGE. Atlas geográfico escolar. 6. ed. Rio de Janeiro, 2012. Adaptação. Parte integrante do livro didático

Leia mais

Agroclimatologia : Prof.Dr. José Alves Júnior EVAPOTRANSPIRAÇÃO

Agroclimatologia : Prof.Dr. José Alves Júnior EVAPOTRANSPIRAÇÃO Agroclimatologia : Prof.Dr. José Alves Júnior EVAPOTRANSPIRAÇÃO Como é praticamente impossível se distinguir o vapor d água proveniente da evaporação da água no solo e da transpiração das plantas, a evapotranspiração

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ / MSDS) PEROXYDEX LOÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ / MSDS) PEROXYDEX LOÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ / MSDS) PEROXYDEX LOÇÃO 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Identificação do produto: Uso do produto: Descrição do produto: PEROXYDEX LOÇÃO

Leia mais

NORMAS PARA ESCOLHA DE LOCAIS PARA INSTALAÇÃO DE REATORES DE POTÊNCIA

NORMAS PARA ESCOLHA DE LOCAIS PARA INSTALAÇÃO DE REATORES DE POTÊNCIA Resolução CNEN 09/69 Junho / 1969 NORMAS PARA ESCOLHA DE LOCAIS PARA INSTALAÇÃO DE REATORES DE POTÊNCIA Resolução CNEN 09/69 Publicação: DOU 31.07.1969 SUMÁRIO Resolução 09/69 - NORMAS PARA ESCOLHA DE

Leia mais

Planejamento Ambiental

Planejamento Ambiental Universidade de São Paulo PHD2344 Manejo de recursos Naturais Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Planejamento Ambiental Aula 2 Prof. Dr. Arisvaldo V. Méllo Júnior Enga. Carla Voltarelli da

Leia mais

O Mercado de Tecnologia em Nutrição Vegetal 2016

O Mercado de Tecnologia em Nutrição Vegetal 2016 Yeb Inteligência de Mercado O Mercado de Tecnologia em Nutrição Vegetal 2016 Anderson Nora Ribeiro VII Fórum e Exposição Abisolo Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública n 246, de 5 de setembro de 2016 D.O.U de 6/09/2016

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Consulta Pública n 246, de 5 de setembro de 2016 D.O.U de 6/09/2016 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 246, de 5 de setembro de 2016 D.O.U de 6/09/2016 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07 Data da Autorização -14.04.2016 PRODUTO: Pedido de autorização excecional ao abrigo do Art.º 53 do Regulamento (CE) nº 1107/2009, de 21 de outubro para utilização

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia

Leia mais

Catálogo de produtos. Viapax Produtos orgânicos e naturais

Catálogo de produtos. Viapax Produtos orgânicos e naturais Catálogo de produtos Viapax Bio Produtos orgânicos e naturais @viapaxbio FAZ BEM Somos naturais, saudáveis, saborosos e ricos em nutrientes. Preservando a qualidade natural e os sabores das frutas, grãos

Leia mais

Pulverização aérea no Paraná O Direito de Saber SOJA

Pulverização aérea no Paraná O Direito de Saber SOJA Pulverização aérea no Paraná O Direito de Saber Quase nada se sabe sobre a pulverização aérea no Paraná. Em análise do banco de dados da ADAPAR, há um grande numero de produtos liberados; inseticidas,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Kênia Godoy

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Kênia Godoy MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA 48º CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA Lei dos agrotóxicos e implicações em minor crops

Leia mais

Análise de Riscos Ambientais. Roteiro. Conceitos

Análise de Riscos Ambientais. Roteiro. Conceitos Análise de Riscos Ambientais Lupércio F. Bessegato lupercio@est.ufmg.br Roteiro 1. Conceitos 2. Ferramentas de Análise de Riscos: APP Hazop FMEA e FTA 3. Modelos de Decisão: Determinísticos Probabilísticos

Leia mais

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007 Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º Abordagem presente Trabalho em curso Perspectiva futura Artigo 5.º Novos estabelecimentos

Leia mais

MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS VERÃO REGIÃO NORTE 2014/2015 REFÚGIO E COEXISTÊNCIA

MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS VERÃO REGIÃO NORTE 2014/2015 REFÚGIO E COEXISTÊNCIA REFÚGIO E COEXISTÊNCIA PLANTIO DO REFÚGIO O plantio das áreas de refúgio representa o principal componente do plano de Manejo de Resistência de Insetos (MRI) dos híbridos com as Tecnologias VT PRO. A preservação

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016.

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016. Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016. O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS

Leia mais

A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s).

A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s). Workshop Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s). 29 de Junho de 2016 Maria Manuel Garrão

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Gestão de Riscos Transporte e Armazenamento de Petróleo, Derivados e Gás Natural

Gestão de Riscos Transporte e Armazenamento de Petróleo, Derivados e Gás Natural Aon Risk Solutions Gestão de Riscos Transporte e Armazenamento de Petróleo, Derivados e Gás Natural Risk. Reinsurance. Human Resources. Integração de riscos de processo, projetos, governança e seguros

Leia mais

Normas para importação de sementes beneficiadas de pupunha.

Normas para importação de sementes beneficiadas de pupunha. Normas para importação de sementes beneficiadas de pupunha. Foto: http://www.projetoreca.com.br/site/?page_id=98 Cósam de Carvalho Coutinho Diretor Departamento de Sanidade Vegetal DSV/SDA/MAPA I Simpósio

Leia mais