UHE JIRAU PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS DO CANTEIRO DE OBRAS PORTO VELHO-RO, SETEMBRO DE 2011.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UHE JIRAU PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS DO CANTEIRO DE OBRAS PORTO VELHO-RO, SETEMBRO DE 2011."

Transcrição

1 UHE JIRAU PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS DO CANTEIRO DE OBRAS PORTO VELHO-RO, SETEMBRO DE Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 1

2 1 APRESENTAÇÃO O presente Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) apresenta as atividades para a restauração das áreas degradadas oriundas da instalação do canteiro de obras da UHE Jirau, a ser implantada no Rio Madeira. As áreas que se encontram dentro da área de inundação estarão fora do âmbito do presente PRAD. A seguir será apresentado um embasamento teórico, e posteriormente a descrição das atividades para cada uma das 36 áreas previstas do canteiro de obras (16 Na Margem Esquerda e 20 na Margem Direita), totalizando ,53 m 2 (683,8 hectares) ( ,00 m² na Margem Esquerda e ,53 m² na Margem Direita). Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 2

3 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO Identificações Proprietário do Imóvel Executora Responsabilidade Técnica Localização do imóvel: coordenadas dos vértices do polígono do canteiro de obras INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS META METODOLOGIA REMOÇÃO, ARMAZENAMENTO E MANEJO DO MATERIAL VEGETAL E DO HORIZONTE SUPERFICIAL LIMPEZA DAS ÁREAS DE TRABALHO REAFEIÇOAMENTO DO TERRENO TÉCNICAS NUCLEADORAS TRANSPOSIÇÃO DE SOLO ESPÉCIES HERBÁCEAS CULTIVADAS/HIDROSSEMEADURA TRANSPOSIÇÃO DE GALHARIA PLANTIOS DE MUDAS EM GRUPOS DE ANDERSON TRATOS CULTURAIS DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE RESTAURAÇÃO EM CADA ÁREA DEGRADADA MARGEM DIREITA ÁREA 1 CASCALHEIRA ÁREA 2 CASCALHEIRA ÁREA 3 ESTOQUE DE MADEIRA 02- PORTARIA ÁREA 4 PORTARIA PRINCIPAL ÁREA 5 ESTOQUE DE MADEIRA 04 (INDUSTRIAL) ÁREA 6 POÇO ARTESIANO PRÓXIMO ETA ATRACADOURO ÁREA 7 CANTEIRO PIONEIRO ÁREA 8 ESTOQUE DE MADEIRA 03 (ÁREA 69) ÁREA 9 ESCRITÓRIO DEFINITIVO ÁREA 10 ALOJAMENTO A/B ÁREA 11 ALOJAMENTO C ÁREA 12 LIGAÇÃO ETE ACAMPAMENTO/LAGOA DE TRATAMENTO ÁREA 13 ÁREA DE EMPRÉSTIMO (AO LADO DO ALOJAMENTO C ) ÁREA 14 ÁREA ENESA ÁREA 15 ÁREA DE EMPRÉSTIMO (ACESSO PORTO/CANTEIRO) ÁREA 16 CANTEIRO INDUSTRIAL E CENTRAL DE BRITAGEM ÁREA 17 JAZIDA A3/A ÁREA 18 PAIOL DE EXPLOSIVOS ÁREA 19 ACESSOS ÁREA 20 ACAMPAMENTO CFJ MARGEM ESQUERDA ÁREA 1 ATRACADOURO ÁREA 2 CANTEIRO PIONEIRO ÁREA 3 PAIOL DE EXPLOSIVOS ÁREA 4 CANTEIRO INDUSTRIAL ÁREA 5 PÁTIO ENESA ÁREA 6 ACAMPAMENTO ENESA ÁREA 7 BOTA-FORA ÁREA 8 BOTA-FORA ÁREA 9 BOTA-FORA ÁREA 10 BOTA-FORA ÁREA 11 ESTOQUE DE ROCHA ÁREA 12 CENTRAL DE BRITAGEM ÁREA 13 ACESSOS ÁREA 14 ESTOQUE DE MADEIRA ÁREA 15 ESTOQUE DE MADEIRA ÁREA 16 ÁRES DE EMPRÉSTIMO, ESTOQUE DE MADEIRA E ÁREA DE PEDREIRA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 3

4 2. INFORMAÇÕES GERAIS 2.1. Identificações Proprietário do Imóvel NOME: ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL S.A. ENDEREÇO: BR 364 KM 824 UHE JIRAU BAIRRO: JACI-PARANÁ CEP: TELEFONE: (69) CNPJ: / MUNICÍPIO: Porto Velho UF: RO Executora Construções e Comércio Camargo Corrêa NOME: S.A. ENDEREÇO: BR 364 KM 824 UHE JIRAU BAIRRO: JACI PARANÁ CEP: TELEFONE: (69) CNPJ: / MUNICÍPIO: Porto Velho UF: RO Responsabilidade Técnica PEIXOTO E MARIOT ORG. PLANEJ. BIODIVERSIDADE LTDA. NOME: CREA: 4166EMRO TÉCNICO RESP. ALEXANDRE MARIOT HABILITAÇÃO: Eng. Agrônomo CREA: D SC / ENDEREÇO: RUA ELIAS GORAYEB Nº 900 BAIRRO: N. SENHORA GRAÇAS CEP: MUNICÍPIO: Porto Velho UF: RO CONTATO: Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 4

5 Localização do imóvel: coordenadas dos vértices do polígono do canteiro de obras Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 5

6 3 - INTRODUÇÃO Devido a grande degradação que o Bioma Amazônia sofreu e continua sofrendo, diversas ações no sentido de recuperar esse ecossistema tão importante devem ser realizadas. Uma dessas ações é a restauração dessas áreas degradadas. A restauração dos ecossistemas degradados pode ser um instrumento para a formação de corredores que venham a unir fragmentos remanescentes, permitindo assim a continuidade do fluxo gênico, necessário para a manutenção das espécies e da variabilidade de suas populações. Para a restauração da vegetação de uma determinada área deve ser priorizada a utilização de espécies nativas que ocorram naturalmente em condições de clima, solo e umidade semelhantes às da área a ser recomposta, visando minimizar a introdução de espécies exóticas. Esse aspecto deve ser obedecido devido aos genótipos ocorrentes na área, o que facilita a adaptação do material a ser introduzido. A distinção entre processos de recuperação e restauração tem como fundamentos detalhes da ecologia básica e neste contexto torna-se muito significativa a preocupação com os processos interativos entre plantas e animais (Reis et al., 2003). A importância desta distinção ficou reforçada no Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Lei no 9.985, 18/07/2000, Diário Oficial 19/07/2000): Art. 2º Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por: XIII - RECUPERAÇÃO: restituição de um ecossistema ou de uma população silvestre degradada a uma condição não degradada, que pode ser diferente de sua condição original; XIV - RESTAURAÇÃO: restituição de um ecossistema ou de uma população silvestre degradada o mais próximo possível da sua condição original. Portanto, em algumas áreas, como taludes em estruturas definitivas, a recuperação através de uma hidrossemeadura poderá atender aos objetivos propostos: proteger o solo contra a erosão, restituindo a área a uma condição não Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 6

7 degradada. Porém, em outras áreas, como nas áreas planas das áreas de apoio (alojamentos, escritórios, etc.), a restauração do ecossistema deve ser o objetivo. A restauração deve ser através do plantio, não só de espécies arbóreas, mas também com as distintas formas de vida existentes no ecossistema original, como as ervas, os arbustos, as lianas e as epífitas, em plantios de ilhas de alta diversidade ou grupos de Anderson (Reis et al., 2003). A presença de espécies pertencentes a diferentes formas de vida é um dos critérios mencionados por vários autores (Leitão-Filho, 1992; Rodrigues & Nave, 2000) quando se considera a restauração de uma área. Apesar de não haver um consenso quanto ao número mínimo de espécies a ser utilizado em projetos de restauração, acredita-se que quanto maior o grau de fragmentação do habitat, maior deve ser este número (Rodrigues & Nave, 2000). A restauração de uma área degradada através do plantio heterogêneo de mudas de espécies nativas em grandes áreas torna-se oneroso e tende a fixar a composição no processo sucessional por um período mais prolongado, promovendo inicialmente apenas o crescimento dos indivíduos das espécies plantadas. Para Ferretti (2002) e Kageyama et al. (2002), os princípios e conceitos envolvidos no processo de sucessão secundária parecem ser os mais apropriados a serem utilizados, já que é através deste processo que as espécies se regeneram naturalmente nas formações florestais tropicais, e devem consistir, antes de tudo, na adoção de um conjunto de medidas voltadas a acelerar o processo natural de sucessão em direção ao estágio climáxico, visando sempre a redução dos custos envolvidos em tal processo (Kageyama & Gandara, 2000). Técnicas de restauração através da nucleação possibilitam a diminuição dos custos de implantação, além de propiciar uma significativa melhoria nas qualidades ambientais, permitindo um aumento na probabilidade de ocupação deste ambiente por outras espécies. Como técnicas nucleadoras para restauração podemos citar a transposição de solo, a semeadura direta e hidrossemeadura, os poleiros artificiais, a transposição de galharia e o plantio de mudas em ilhas de alta diversidade (grupos de Anderson) (Reis et al., 2003). Essas técnicas são muito aplicáveis na paisagem a ser recuperada, tornando-se uma tentativa de Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 7

8 recriar-se artificialmente o processo sucessional (Kageyama & Gandara, 2000), pois possibilitam o aumento gradativo da biodiversidade local, obedecendo aos estágios sucessionais naturais de uma floresta nativa, onde os núcleos formados irradiarão biodiversidade para as áreas circundantes. Portanto, o processo de restauração de uma área não deve ser um processo estanque no tempo, onde ocorre uma revegetação com espécies arbóreas num primeiro momento e a área é abandonada. É um processo gradual e longo, onde a própria natureza se encarrega de sua continuidade e do incremento da biodiversidade local, tanto vegetal quanto animal, sendo o monitoramento uma prática constante e de fundamental importância para a efetivação desse processo. Como conseqüência da restauração de áreas ocorrerá uma maior cobertura do solo, ocasionando a proteção ambiental das encostas, melhoria das propriedades físico-hidrológicas dos solos no que se refere à estruturação, infiltração e percolação; recarga do lençol freático e melhor administração do recurso água nas bacias; estabilização e minimização do processo erosivo dos solos e assoreamento dos rios e represas. A restauração de áreas atualmente degradadas é, incontestavelmente, essencial para a sobrevivência da fauna regional, representando para ela local de refúgio, água (também como local de nidificação, entre outros) e alimento. Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 8

9 3 OBJETIVOS 3.1 GERAL O objetivo geral deste PRAD é restaurar as áreas degradadas na abrangência do canteiro de obras da UHE Jirau OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Restabelecer a relação solo/água/planta nas áreas atingidas pelo empreendimento; - Controlar os processos erosivos e minimizar o possível carreamento de sedimentos e a degradação ambiental; - Contribuir para a reconstituição da vegetação em suas condições originais, nas áreas impactadas pelo canteiro de obras; - Recompor a paisagem tanto quanto possível; - Recuperar a estabilidade dos terrenos frente aos processos da dinâmica superficial; - Monitorar as áreas recuperadas visando à manutenção das ações implementadas até o ano agrícola seguinte ao plantio. 4 - META Recuperar e recompor todos os sítios onde se verificará intervenção para implantação do canteiro de obras da UHE JIRAU. Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 9

10 5 - METODOLOGIA A seguir são apresentadas as descrições das metodologias a serem implementadas nesse projeto, sendo que na seqüência são citadas as metodologias adotadas em cada área a ser restaurada. As fotos utilizadas nesse projeto são oriundas do processo de restauração de outros canteiros de obras da CCCC REMOÇÃO, ARMAZENAMENTO E MANEJO DO MATERIAL VEGETAL E DO HORIZONTE SUPERFICIAL Nos processos de restauração de áreas degradadas as deficiências de solo são sempre o grande problema. Cada vez que vai ocorrer um impacto mais profundo dever-se-ia inicialmente retirar a camada fértil do solo para posterior uso (Foto 01). Quando este processo é demorado, se perdem as sementes do banco de plântulas e toda a fauna associada, incluindo os microorganismos. A remoção e o armazenamento, de forma adequada, do material vegetal e das camadas superiores do solo, para futura utilização, constituem uma prática comprovada e eficiente na recuperação de áreas degradadas, pois é na camada superior do solo que se concentram os teores mais altos de matéria orgânica e a atividade microbiológica. Portanto, no momento do refeiçoamento do terreno para a instalação do canteiro de obras as camadas superiores, onde a topografia permita, serão removidas e armazenadas para posteriormente serem utilizadas para restaurar as áreas impactadas, trazendo vantagens. Essa atividade aproveita o banco de sementes e toda a fauna do solo associada. É possível programar para resgatar o banco de sementes de diferentes tipologias vegetacionais da região impactada, levando uma fina camada de solo que além de conter muitas sementes de espécies pioneiras, propícias para restaurar áreas degradadas, acompanha uma rica diversidade de microorganismos. Pode-se também conservar espécies comuns e raras, desde que seja do grupo ecológico das espécies pioneiras ou secundárias iniciais. O Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 10

11 solo removido para a instalação do canteiro de obras será estoque em pilhas com altura não superior a 2,5 metros de altura. Foto 01 Remoção do solo vegetal LIMPEZA DAS ÁREAS DE TRABALHO Antes de iniciar os serviços de restauração das áreas afetadas, a CCCC irá executar uma limpeza do terreno na qual serão removidos os vestígios de construção ou de exploração existentes (Foto 02). As benfeitorias e equipamentos do canteiro de obras serão retirados pela CCCC para utilização em outras obras. É o caso dos alojamentos, escritórios, oficinas, laboratórios e demais estruturas provisórias que são desmontadas e transportadas para outras obras. Os resíduos e entulhos das obras, bem como restos de estruturas e de instalações temporárias, estoques de material excedente ou inútil, bases (pisos) e fundações serão retirados e depositados nas depressões do terreno que foram Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 11

12 formadas pelas instalações da obra, processo este denominado de preenchimento. Nas áreas onde eventualmente restarem matacões, sobras ou entulhos de obras civis, estes serão removidos ou, na impossibilidade, reagrupados junto às paredes dos taludes com declividades mais acentuadas, para serem recobertos com terra, de modo a se integrarem à topografia adjacente. As estradas serão raspadas para retirada da camada de forro de pátio, sendo o material distribuído nas estradas localizadas nas proximidades ou depositado nas depressões do terreno que foram formadas pelas instalações da obra. Foto 02 Limpeza das áreas de trabalho REAFEIÇOAMENTO DO TERRENO O reafeiçoamento do terreno tem como objetivo a recomposição final do relevo, mediante o redimensionamento dos taludes de corte e aterro e a Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 12

13 reordenação de linhas de drenagem, procurando harmonizar a morfologia do conjunto das áreas afetadas com o seu futuro uso e a paisagem (Foto 03). O trabalho será composto da Sistematização do Terreno e do Preparo do Solo. A Sistematização do Terreno é composta pelo conjunto de serviços que, objetivando a configuração final do terreno, facilitará a introdução da futura cobertura vegetal. Esta etapa iniciará com o retaludamento, que consiste na atividade de remodelação dos taludes de corte e aterro, mediante a redução de sua extensão e declividade, e a suavização dos contornos e contatos com as demais linhas do relevo da área. Foto 03 Reafeiçoamento do terreno. Quando ocorrerem situações em que a topografia resultante no canteiro de obras apresente superfícies inclinadas muito extensas e com declividades muito acentuadas, os taludes serão desdobrados, criando patamares (ou terraços) escalonados. Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 13

14 Nos locais onde a exploração de materiais para a obra provocar a formação de crateras, devido a escavações profundas, será necessário reafeiçoar o seu interior, através da ação combinada de preenchimento da cratera com rejeitos de outras áreas (item Limpeza das Áreas de Trabalho) e de redução da declividade dos taludes de cortes. Nos casos em que as escavações forem superficiais, os cortes de vertentes serão atenuados e as superfícies aplainadas reconstruídas. Em seguida será realizado o reordenamento das linhas de drenagem. Os solos das áreas degradadas, principalmente daquelas com intensa movimentação de máquinas e/ou sem cobertura, possuem baixa taxa de infiltração, aumentando o escorrimento superficial e a ocorrência de processos erosivos. Quando a declividade não for acentuada, serão implantados canais de drenagem e camaleões diretamente no terreno, para conduzirem o excesso de águas pluviais até as estruturas de drenagem construídas nas extremidades do terraço. Essa solução ajudará o desenvolvimento da cobertura vegetal que for implantada, já que facilitará a infiltração da água. Com o tempo, esses dispositivos acabarão se integrando à paisagem. No caso de declividades mais acentuadas, as soluções requeridas para a drenagem da área poderão exigir tratamento mais elaborado como, por exemplo, a utilização de canaletas de concreto, caixas coletoras para dissipação de energia, canal coletor de sedimentos, controle do grau de inclinação dos canais e valetas. A etapa de Preparo do Solo será realizada após a Sistematização do Terreno através de diversos procedimentos. O primeiro deles é a escarificação/subsolagem de solo compactado, que tem por finalidade revolver a superfície do terreno, rompendo as camadas compactadas e impermeáveis, fatores prejudiciais ao desenvolvimento da vegetação a ser implantada. Essa atividade será realizada nos locais onde o solo encontra-se compactado pela terraplenagem necessária à implantação das estruturas da obra (benfeitorias provisórias) ou pela circulação de equipamentos pesados (estradas que serão desativadas e pátios de estacionamento). Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 14

15 Para a descompactação das camadas superficiais será utilizado escarificador, enquanto que as camadas mais profundas serão descompactadas com subsolador. Em ambos os casos, os trabalhos serão realizados com solo seco e obedecendo as curvas de nível para evitar a formação de depósitos de água. Após a descompactação do solo, será realizada a adição da camada fértil de solo, onde a topografia permitir e for necessário. Será transposto solo armazenado no início da instalação do canteiro de obras e do solo retirado das áreas que serão inundadas pelo lago quando possível, sendo essa técnica descrita no item Técnicas Nucleadoras. A espessura dessa camada dependerá da disponibilidade de material. O material será espalhado uniformemente sobre toda área afetada, obedecendo a conformação topográfica do terreno. Procurarse-á cobrir todo o solo com essa camada fértil, porém, quando o material não for suficiente, serão depositados em núcleos. Em locais onde a área a ser recuperada não apresentar mais os horizontes do solo, como os locais de exploração de pedreiras, será depositado uma camada de aproximadamente 20 cm de subsolo sobre a rocha e daí então será depositada a camada fértil de solo. Após a adição da camada fértil do solo, o mesmo será corrigido quanto à fertilidade (100 kg/hectare, N-P-K) e acidez (1,0 toneladas/hectare, calcário) quando necessário, objetivando proporcionar condições favoráveis à germinação das sementes e ao desenvolvimento das mudas. A adubação será realizada ao nível de correção no momento do plantio das mudas e ao nível de manutenção de acordo com as necessidades identificadas. Após a distribuição, o calcário e o adubo serão incorporados através de gradagem ou subsolagem. 5.4 TÉCNICAS NUCLEADORAS Nas áreas a serem restauradas serão utilizadas as seguintes técnicas nucleadoras, baseadas em Reis et al. (2003) e Mariot (2005). São técnicas inovadoras que estão resultando em restaurações de áreas muito eficientes, possibilitando a conexão de áreas anteriormente separadas pela fragmentação da Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 15

16 floresta. Essas técnicas já foram aplicadas com grande êxito na UHE Campos Novos (SC), Salto Pilão (SC), Foz do Chapecó (SC/RS), Serra do Facão (GO) e Batalha (GO/MG), e já estão incorporadas no novo formulário de Projetos de Recuperação de Áreas Degradadas do IBAMA-SC. Portanto, os textos a seguir são descrições destes métodos nucleadores. TRANSPOSIÇÃO DE SOLO O solo a ser transposto (Figura 01) e utilizado na restauração das áreas degradadas será o utilizado e oriundo da descrição do item REMOÇÃO, ARMAZENAMENTO E MANEJO DO MATERIAL VEGETAL E DO HORIZONTE SUPERFICIAL. Essa técnica foi utilizada na UHE Campos Novos com grande êxito, tornando desnecessário o plantio de mudas em muitos casos pela germinação das sementes presentes no banco de sementes do solo. Figura 01. A transposição de solo permite a colonização da área degradada com uma diversidade de micro, meso e macro organismos capazes de nuclear um novo ritmo sucessional (Fonte Reis et al., 2003). ESPÉCIES HERBÁCEAS CULTIVADAS/HIDROSSEMEADURA Após as atividades de Limpeza das Áreas de Trabalho e Reafeiçoamento do Terreno o solo das áreas estará exposto, sem cobertura vegetal, que é a Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 16

17 defesa natural e mais eficiente contra erosão. Para uma rápida cobertura do solo, reestruturação do mesmo e o desenvolvimento de um sistema radicular que controlará o processo erosivo, serão utilizadas espécies de gramíneas, leguminosas e crucíferas. Está sendo proposta uma combinação de gramíneas (painço (50 kg/ha); aveia-preta (50 kg/ha)), leguminosas (calopogônio (10 kg/ha); crotalária (50 kg/ha)) e crucífera (nabo-forrageiro (50 kg/ha)), para as áreas de plantio de mudas, e a semeadura de brachiária (100 kg/hectare) para as áreas sem plantio de mudas, como os Acampamentos da Margem Direita pois retornarão as fazendeiros da região. As gramíneas desempenharão importante papel na produção de massa verde, as leguminosas na fixação biológica de nitrogênio e as crucíferas na produção de massa verde e no rompimento de possíveis camadas compactadas do solo através de sua raiz pivotante. Caso haja dificuldade na disponibilização de sementes na ocasião do plantio poderão ser utilizadas outras espécies, desde que atendam aos objetivos propostos. Visando a obtenção de melhores resultados, será realizada consorciação das espécies citadas acima. O consórcio a ser utilizado dependerá, basicamente, da disponibilidade de sementes no mercado. Quando a semeadura for realizada em áreas de baixa declividade, o processo de recomposição vegetal será composto pelo plantio das espécies herbáceas consorciadas com posterior implantação das outras técnicas nucleadoras. Após o lançamento das sementes será realizada a cobertura das mesmas através de uma gradagem leve. Em locais de declividade acentuada, principalmente taludes de corte de estradas e aqueles formados para implantação das estruturas da obra, a técnica de plantio das espécies herbáceas será a de hidrossemeadura (Foto 04). Esta técnica vem sendo empregada com sucesso em diversas obras e consiste na utilização de uma mistura aquo-pastosa composta por adubos orgânicos e minerais, celulose ou papel picado para conservar a umidade (acetamulch), adesivo específico para fixar a semente e celulose, e sementes de herbáceas, que serão colocadas por último na mistura visando reduzir sua quebra por atrito mecânico. O plantio será realizado em época chuvosa, evitando-se a rega. Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 17

18 Antes da hidrossemeadura será realizada a repicagem do talude, ou seja, serão feitos sulcos ou pequenas covas nos taludes. Estes sulcos poderão ser em linhas horizontais longitudinais ao longo do talude, tendo 20 a 30 cm de distância entre os sulcos e 3 a 5 cm de largura, sendo ligeiramente inclinado para dentro do talude, ou em pontos distanciados 10 cm entre si e distribuídos irregularmente sobre a superfície do talude. Nos dois casos os sulcos terão boa profundidade (cerca de 5 cm), formando reentrâncias no solo que irão melhorar as condições de penetração das sementes e manutenção da umidade. Foto 04 Hidrossemeadura. TRANSPOSIÇÃO DE GALHARIA Em áreas degradadas pela retirada das camadas superiores do solo a principal preocupação consiste na reposição de matéria orgânica para que microorganismos possam disponibilizar nutrientes (sais minerais) para as plantas colonizadoras. Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 18

19 Fontes disponíveis e baratas de matéria orgânica nem sempre estão disponíveis próximo de áreas degradadas. No processo de enchimento dos reservatórios das Usinas Hidrelétricas grandes quantidades de galharias são acumuladas próximo à barragem e este material pode ser retirado e colocado junto as área em processo de restauração para que propiciassem um ambiente adequado para a formação de solo (Figura 02). Esse material também pode ser oriundo do desmatamento para a instalação do canteiro de obras e da área a ser inundada. Figura 02. Restos de vegetação, quando enleirados podem oferecer excelentes abrigos para uma fauna diversificada e um ambiente propício para a germinação e desenvolvimento de sementes de espécies mais adaptadas aos ambientes sombreados e úmidos. Na UHE Itá Reis (2001) e na UHE Campos Novos constatou-se que: Troncos maiores e de madeiras mais moles, rapidamente mostraram sinais de trituramento realizado, principalmente, por larvas de coleópteros. Este processo representa que há uma colonização de insetos capazes de atrair seus predadores. Caracterizou o início de uma cadeia alimentar tanto para os animais predadores destes insetos como para as plantas que poderiam aproveitar os sais minerais disponibilizados pelo trituramento da madeira; Muitas aves começaram a utilizar estes montes na procura de insetos e para fazerem ninhos; Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 19

20 Foi observado que a galharia passou a servir de abrigo para ratos e cobras; Alguns troncos ou árvores arrancadas iniciaram um processo de brotamento formando plantas novas. Isto foi observado para plantas de figueiras, bambus, capins; Os montes de galharia foram sendo, aos poucos, cobertos por vegetação; A vegetação dos montes foi ocupando as linhas entre as fileiras de galharia. Essa técnica nucleadora é uma forma eficiente de obtenção de matéria orgânica para as áreas. O fato de muitos pássaros virem até a galharia para caçarem insetos trará para estes montes muitas sementes através de suas fezes. Muitos pássaros que comem insetos são onívoros, ou seja, se alimentam também de frutos (Foto 05). A quantidade de galharia utilizada será variável em função da disponibilidade de material, sendo transposto em no máximo 4 pontos por hectare. Foto 05 Pássaro pousado sobre galharia. Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 20

21 PLANTIOS DE MUDAS EM GRUPOS DE ANDERSON A implantação de mudas produzidas em viveiros florestais é uma forma de gerar núcleos capazes de atrair maior diversidade biológica para as áreas degradadas, conforme Anderson (1953). Esses núcleos são compostos por cinco mudas plantadas em formato de +, sob espaçamento 1 metro x 1 metro, com 4 mudas nas bordas e uma central (Foto 06). Considerando uma área de bordadura, cada núcleo ocupará uma área de 7 m². Foto 06 Mudas plantadas em núcleo. O plantio de toda uma área degradada com mudas geralmente é oneroso e tende a fixar o processo sucessional por um longo período promovendo apenas o crescimento dos indivíduos das espécies plantadas. Esse pensamento se deve a visão dendrológica reforçada pela incorporação da fase arbórea, pulando todas as demais fases iniciais da sucessão, dando importância à estrutura da floresta em detrimento dos processos dinâmicos naturais (Reis et al., 2006). A produção de ilhas como defendido por Reis et al. (2003) e Kageyama & Gandara (2000) sugere a formação de pequenos núcleos onde são colocadas plantas de distintas formas de vida (ervas, arbustos, lianas e árvores). Espécies Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 21

22 com maturação precoce têm a capacidade de florir e frutificar rapidamente atraindo predadores, polinizadores, dispersores e decompositores para os núcleos formados. Isso gera condições de adaptação e reprodução de outros organismos, como as plantas nucleadoras registradas nos trabalhos que embasaram a teoria desta proposta de restauração, e resgatam as interações entre os organismos do sistema, possibilitando a expressão dos fenômenos eventuais, considerados mais importantes que os normais. O reflorestamento total de uma área degradada impede que os fenômenos eventuais possam se expressar, impedindo a entrada de fluxos externos. O conjunto de núcleos criados através das ilhas de alta diversidade tornase mais efetivo quando seu planejamento previr uma produção diversificada de alimentos durante todo o ano. Damasceno (2005), realizando monitoramento em áreas restauradas através de plantio convencional de mudas, verificou que essa metodologia não garante a auto-sustentabilidade do sistema. A autora verificou que as espécies regenerantes foram as mesmas das espécies plantadas, pelo impedimento da eventualidade de se expressar, ou seja, novas espécies não entraram no sistema. Além disso, esses ambientes apresentaram baixa diversidade de formas de vida (poucas árvores com presença de lianas e epífitas) e baixa complexidade florística. O plantio é apenas o primeiro passo na restauração de uma área degradada, porém é crucial para o sucesso da implantação, devendo ser executado com o maior cuidado possível. O plantio será realizado na época das chuvas, de outubro à março de cada ano. Será realizado em covas executadas manualmente que terão dimensões mínimas de 40 cm de diâmetro por 40 cm de profundidade. No ato do plantio, a embalagem da muda será retirada totalmente, tomando-se o cuidado para não destorroar o substrato original. O colo da muda ficará no mesmo nível que a superfície do terreno, e será recoberto por uma fina camada de terra. A adubação será realizada na própria cova misturado homogeneamente com o solo, na quantidade de 50, 100 ou 150 g por cova, variando de acordo com a exigência nutricional de cada espécie. Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas UHE Jirau 22

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

A GENÉTICA COMO FERRAMENTA NA RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS: O CASO DA USINA HIDRELÉTRICA CAMPOS NOVOS

A GENÉTICA COMO FERRAMENTA NA RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS: O CASO DA USINA HIDRELÉTRICA CAMPOS NOVOS COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T99 A10 A GENÉTICA COMO FERRAMENTA NA RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS: O CASO DA USINA HIDRELÉTRICA

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes.

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes. 1 Chave para escolha de métodos de restauração florestal Uma forma de fazer essa associação entre o diagnóstico e as ações de restauração é por meio de um modelo semelhante a chaves dicotômicas usadas

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A RESTAURAÇÃO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS: BIOMA CERRADO Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Educação Ambiental nas Escolas junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Educação Ambiental nas Escolas junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Educação Ambiental nas Escolas junho/2013 RECUPERAÇÃO FLORESTAL Recuperação Florestal e Restauração Florestal RESTAURAÇÃO: é a restituição de um ecossistema ou

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

Na definição de área de preservação permanente, na mesma lei, colhemos:

Na definição de área de preservação permanente, na mesma lei, colhemos: Restauração ambiental e o sistema jurídico brasileiro Julis Orácio Felipe Advogado em Santa Catarina Segundo Deisy Trés e Ademir Reis, no livro Perspectivas sistêmicas para a conservação e restauração

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA

SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA CONAMA/MMA PAULO KAGEYAMA. SBF. MMA. RESTAURAÇÃO DE APPs: BIODIVERSIDADE; GRUPOS SUCESSIONAIS INTRODUÇÃO HISTÓRICO: EVOLUÇÃO

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

11º Relatório de Monitoramento Socioambiental

11º Relatório de Monitoramento Socioambiental Foto 01: A área de empréstimo teve a exploração de solo encerrada e passou a receber tratamento para encerramento e recuperação. A superfície do terreno foi reconformada, com a eliminação das cavas, pilhas

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

ES MA 05 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA UTILIZAÇÃO DE ÁREAS DE JAZIDAS, CAIXAS DE EMPRÉSTIMOS E BOTA FORA. 1. Generalidades

ES MA 05 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA UTILIZAÇÃO DE ÁREAS DE JAZIDAS, CAIXAS DE EMPRÉSTIMOS E BOTA FORA. 1. Generalidades ES MA 05 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA UTILIZAÇÃO DE ÁREAS DE JAZIDAS, CAIXAS DE EMPRÉSTIMOS E BOTA FORA 1. Generalidades A presente Especificação Técnica trata dos procedimentos para a utilização

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 10º GT Restauração e Recuperação de Áreas de Preservação Permanente-APPs Processo n Nº 02000.002082/2005-75 Assunto: Definir

Leia mais

PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA

PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA Luana Auxiliadora de Resende (1) Graduanda em Gestão Ambiental pelo IFSULDEMINAS Campus

Leia mais

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Silvicultura de Nativas (além da Restauração...) Silvicultura de Nativas Restauração Ecológica

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Parque Dr. Luiz Carlos Raya (2004) Extração de basalto para brita, Município de Ribeirão Preto

Parque Dr. Luiz Carlos Raya (2004) Extração de basalto para brita, Município de Ribeirão Preto Parque Dr. Luiz Carlos Raya (2004) Extração de basalto para brita, Município de Ribeirão Preto Parque Dr. Luiz Carlos Raya (2004) Extração de basalto para brita, Município de Ribeirão Preto Parque Dr.

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ESTIMATIVA DE CUSTOS PARA RECUPERAÇÃO DA VEGETAÇÃO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL NO ESTADO DE SANTA

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA

RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO N.º 036/2009 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: ACP 2008.72.04.002971-7 No dia 17 de agosto do corrente ano, foi realizado

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS SOB A INFLUÊNCIA DE EROSÕES DE GRANDE PORTE

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS SOB A INFLUÊNCIA DE EROSÕES DE GRANDE PORTE COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T99 A17 RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS SOB A INFLUÊNCIA DE EROSÕES DE GRANDE PORTE Adalberto

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho. PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho. PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste PROBACIAS Sistema de Proteção da Amazônia Sipam Centro Técnico e Operacional

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DO ENTORNO DA MATA DO QUILOMBO (CAMPINAS/SP)

PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DO ENTORNO DA MATA DO QUILOMBO (CAMPINAS/SP) PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DO ENTORNO DA MATA DO QUILOMBO (CAMPINAS/SP) Zangirolami, G.F. (*), Longo, R.M. 2, Bettine, S.C. 3, Demamboro, A.C. 4, Ribeiro, A.I. 5 * Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Construção de Charcos*

Construção de Charcos* Construção de Charcos* O que são, e para que servem? Os charcos são massas de água parada ou de corrente muito reduzida, de carácter permanente ou temporário, de tamanho superior a uma poça e inferior

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 PROJETO DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL PARQUE ECOLÓGICO DO TIETÊ 1 RELATÓRIO DE PLANTIO IBDN ANO BASE 2011/2012 O Instituto Brasileiro de Defesa da Natureza

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Manejo Sustentável da Caatinga Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Fortaleza / CE 2015 Semiárido» Nordeste: 1,56 milhões de km²;» Semiárido: 982.563 km²;» Chuva concentrada em poucos

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

Metodologias para recomposição de florestas nativas

Metodologias para recomposição de florestas nativas Metodologias para recomposição de florestas nativas Resumo do texto de autoria de S. Gandolfi & R. R. Rodrigues intitulado Recomposição de florestas nativas: algumas perspectivas metodológicas para o Estado

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO 1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO Mobilização inicial até 30 de janeiro 2009 CAÇU E SÃO SIMÃO JANEIRO DE 2009 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO... 3 2.1. EMPREENDEDOR...

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 02/2011 Número de mudas plantadas: 300 (Trezentas) Data dos plantios: dez/ 2010 Patrocinadores: gência r - XVIII Congresso rasileiro de utomática 2010

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA - Escolha dos métodos e práticas de conservação. Práticas Vegetativas Práticas Edáficas Práticas Mecânicas PRÁTICAS VEGETATIVAS -

Leia mais

ÍNDICE. 12.2 - Plano de Conservação da Flora... 1/10. 12.2.1 - Programa de Supressão da Vegetação... 1/10

ÍNDICE. 12.2 - Plano de Conservação da Flora... 1/10. 12.2.1 - Programa de Supressão da Vegetação... 1/10 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 12.2 - Plano de Conservação da Flora... 1/10 12.2.1 - Programa de Supressão da Vegetação... 1/10 Índice 1/1 2619-00-EIA-RL-0001-00

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS - PRAD

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS - PRAD PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS - PRAD Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.2 Detalhar todos os programas de prevenção, controle

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Estabelece as orientações, diretrizes e critérios sobre restauração ecológica no Estado de São Paulo, e dá providências correlatas. O Secretário do Meio Ambiente, Considerando

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 7º GT Restauração e Recuperação de Áreas de Preservação Permanente-APPs Data: 02 e 03/10/2008 Processo n Nº 02000.002082/2005-75

Leia mais

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO RELATÓRIO N.º 023/2012 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: Processo Judicial 2008.72.04.002971-7

Leia mais

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA Sistemas de Nucleação

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA Sistemas de Nucleação MATACILIAR RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA Sistemas de Nucleação GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA Sistemas de Nucleação UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO

Leia mais