ESASP. Direito Material. Cálculos Trabalhistas. Aula 3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESASP. Direito Material. Cálculos Trabalhistas. Aula 3"

Transcrição

1 ESASP Direito Material e Cálculos Trabalhistas Aula 3 Profª. Ignez Corner 2.016

2 Jornada de Trabalho Aula 3 Equivalência de Minutos e Centésimos de Hora Sempre que formos efetuar um cálculo de qualquer verba resultante de horas, devemos converter a quantidade de minutos do sistema sexagesimal para o sistema centesimal centésimos de hora. 1 hora = 60 minutos. Calculadoras e computadores não entendem o sistema de minutos, portanto devemos converter a quantidade de minutos em centésimos de hora regra de três. 25 minutos minutos X centésimos centésimos 60x = X = = 41,66 60 Portanto, 41,66 centésimos de hora corresponde a 25 minutos, ou 25 minutos corresponde a 41,66 centésimos de hora. CLT, art. 58 A duração do trabalho para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de oito horas diárias, desde que não seja fixado expressamente outro limite. CF/88 a partir de 05/10/88 jornada semanal 44 horas correspondentes a 220 horas mensais. 44 horas semanais : 6 dias (2ª a sábado) = 7,33 horas dia. 7,33 horas corresponde a 7horas e 20 minutos 7,33 x 30 dias = 220 horas mensais 60 minutos minutos x 60x = 2000 x = 2000 = 33, centésimos = 60 min x 33% = 20 minutos Ou 1 hora minutos 0:33 horas x X = 0:33 x 60 = 19,80 => 20 minutos

3 Jornada de Trabalho Exceções - Bancários = 180 horas mensais 6 horas diárias - Médicos e Dentistas = 120 horas mensais 4 horas diárias - Jornalistas = 150 horas mensais 5 horas diárias - Telefonistas = 180 horas mensais 6 horas diárias - Ascensoristas = 180 horas mensais 6 horas diárias - Professores = número de horas contratadas Bancário cargo de confiança Enc 232 TST O bancário sujeito à regra do art. 224, 2º da CLT cumpre jornada de trabalho de 8 horas, sendo extraordinárias as trabalhadas além da oitava hora. Médicos e Dentistas quando trabalham como empregados, respeitadas as prerrogativas da categoria (mínimo de 02 a 4 horas diárias e salário mínimo profissional), nada mais o diferencia das demais categorias profissionais, estando enquadrados no regime de 220 horas mensais. Essa categoria poderá contratar trabalho por uma ou várias vezes, em jornada de 12 ou 24 horas (plantões). Para apurar-se a base-hora => salário mensal contratado número de horas contratadas Horas Extras Valor x nº horas-extras - Enc. 60 Adicional noturno habitual integra o salário para todos os efeitos. - Enc. 191 Periculosidade adicional incide apenas sobre o salário e não sobre este acrescido de outros adicionais. - Enc. 226 Gratificação por tempo de serviço integra o cálculo das horas-extras. - Enc. 264 remuneração (hora normal + integração das parcelas de natureza salarial) x adicional (lei, CCT, AC ou Sentença Normativa) - Enc. 340 Comissionista Hora extra = adicional sobre comissões a ela referentes (a comissão já é um % sobre as vendas).

4 - Enc. 354 Gorjetas cobradas na nota de serviço ou oferecidas espontaneamente pelos clientes integram a remuneração, mas não compõem a base de cálculo para o Aviso Prévio, Ad. Noturno, horasextras e DSR. - Súm. 191 Periculosidade adicional incide apenas sobre o salário e não sobre este acrescido de outros adicionais. - TST, Súm. 132 I- Adicional de periculosidade. Integração. O adicional de periculosidade, pago em cará ter permanente, integra o cálculo da indenização e de horas extras. - II TST,SDI, OJ nº 47 Hora Extra. Adicional de Insalubridade. Base de Cálculo A base de cálculo da hora extra é o resultado da soma do salário contratual mais o adicional de insalubridade. - MTE/SIT Ato Dec. Nº 10 DOU PRECEDENTE ADMINISTRATIVO nº 76 Adicional de Insalubridade. Reflexo Sobre Horas Extras. Revisão Prec. Adm. Nº 67 A Remuneração do Trabalho Extraordinário realizado em condições insalubres deve ter como base de cálculo o salário normal acrescido do adicional de insalubridade. Referência Normativa: art. 59, 1º e art. 192 da CLT. Horas Extras Adicional mínimo de 50% Ex.: Salário hora = R$ 8,20 hora extra = R$ 8,20 x 150% = R$ 12,30 Produção (igual à comissão) remunera todas as horas efetivamente trabalhadas. - hora extra => paga-se somente o adicional. Ex.: total produção R$ 613,25 horas trabalhadas 152,30 R$ 613,25 = R$ 4,03 (produção por hora) 152,30 h.e. = R$ 4,03 x 50% = R$ 2,02

5 Periculosidade Valor hora = R$ 8,20 Periculosidade = R$ 8,20 x 30% = R$ 2,46 (periculosidade por hora) Hora extra = R$ 2,46 x 100% = R$ 2,46 (não incide adicional sobre adicional) 1 hora-extra = R$ 12,30 + R$ 2,02 + R$ 2,46 = R$ 16,78 Hora-Extra = hora normal x adicional Salário mensal converter em salário - hora Salário mensal - Remunera 30 dias - 8 horas Diárias - 44 horas Semanais/6 dias 7,20 h/dia = 7,33 s. - DSR s Mês = 7,33 x 30 dias = 220 horas Salário mensal nº horas mensais = valor hora/dia 6 horas diárias x 30 dias = 180 horas/mês 40 horas semanais 40 x 30 = 200 horas/mês 6 Exercício 1. Salário mensal R$ 870,00 Jornada de trabalho 44 horas semanais Jornada mensal = 44 x 30 = Salário hora = 870,00 = 3, Hora-Extra = 3,95 x 150% = 5,93 Exercício 2. Salário mensal R$ 1.025,00 Bancário jornada 6 horas/dias

6 Exercício 3. Salário mensal R$ 2.255,00 Jornada Semanal 20 horas Exercício 4. Salário mensal R$ 990,00 Gratificação por Tempo de Serviço R$ 125,00 Jornada 44 horas semanais Exercício 5. Salário mensal R$ 1.250,00 Prêmio R$ 620,00 Jornada 44 horas semanais * Prêmio valor fixo sobre determinada meta já remunera os 30 dias/mês, incluídos os DSR s. ** Comissão percentual sobre montante de venda. Não remunera DSR s. Exercício 6. - Comissão R$ 2.023,00 - Horas trabalhadas 257

7 Exercício 7. - Salário mensal R$ 875,00 - Periculosidade Cálculos Trabalhistas Exercício 8. - Março /2009 SM = R$ 465,00 - Salário hora R$ 12,20 - Insalubridade grau máximo Exercício 9. - Salário mensal R$ 1.130,00 - Periculosidade - Turno Ininterrupto de Revezamento Exercício 10. Salário mensal/maio 2009 R$ 420,00 Insalubridade grau médio Comissão R$ 723,30 Horas trabalhadas - 182

8 Exercício 11. Salário mensal novembro/2009 R$ 620,00 Insalubridade grau mínimo Produção R$ 335,00 Horas trabalhadas 202,50 Exercício 12. Comissão 2% Vendas R$ ,00 Horas normais 157,20 Horas Extras - 32,30 Dias úteis 25 DSR s 5 Adicional Hora-extra 60%

9 Exercício 13. Salário Hora R$ 9,30 Adicional Periculosidade Horas Trabalhadas 127,50 Horas Extras 62 4 faltas justificadas Dias úteis 24 DSR s 5 Cálculos Trabalhistas Horas Extras Horas Singelas Cálculo elaborado com base no número de horas laboradas transformadas em horas extras (perigosas, insalubres) e ao final, multiplicado pelo valor hora normal. Exemplificando com o exercício anterior Exercício 13. Salário Hora R$ 9,30 Adicional Periculosidade Horas Trabalhadas 127,50 Horas Extras 62 4 faltas justificadas Dias úteis 24 DSR s 5

10 ESASP Cálculos Trabalhistas Aula 4 Profª. Ignez Corner 2.016

11 Número de Horas Extras Aula 4 Hora-Extra além do limite de jornada legal Excede - as 8 horas diárias - as 44 horas semanais convencional Exceções jornadas especiais - bancários, - engenheiros, - advogados (categoria diferenciada) - turnos ininterruptos de revezamento - Intervalos mínimos sonegados refeição e descanso jornada 4 horas/dia - 0 (intrajornada) - jornada 6 horas/dia 15 minutos - jornada > 6 horas/dia 1 hora - Intervalo entre jornadasentre o fim do dia e início do dia seguinte de trabalho) mínimo de 11 horas; - folgas e feriados trabalhados - desde que não compensados com folga em outro dia da semana (mesma semana e não folgas agrupadas). Intervalos mínimos sonegados pagamento como hora extra - 3 entendimentos: a) pagamento somente do período não gozado como hora-extra; b) pagamento do intervalo todo, independentemente do período parcial gozado; c) não pagamento como hora-extra, mas,indenização pelo não gozo do intervalo. Hora Extra x Indenização com reflexos sem reflexos Jornada de Trabalho horas efetivamente trabalhadas

12 Minutos Residuais tolerância de minutos que antecedem/sucedem a jornada de trabalho - hoje 5 minutos Ex: 7:55-8:00 7:54-8:00 Não é considerado como hora extra - considerado como início da jornada e,portanto,5 minutos de hora-extra. - Considera-se como h.e. todo o período que chegou/iniciou antes Horas Reduzidas Horário Noturno trabalhador urbano entre 22:00 e 5:00 horas _ trabalhador rural agrícola entre 21:00 e 5:00 horas _ pecuária entre 20:00 e 4:00 hs Hora Noturna Hora reduzida 52 minutos e 30 segundos - Adicional 20% 1 hora... 52`:30 => 52 :50 X hora... 60` X = 60` = 1, => 1,1429 hora (hora noturna de 60`) 52`:50 então, a hora noturna tem redução de 14,29% em relação à hora diurna (1,1429 x ) Portanto: entre 22:00 e 5:00 horas 60` + 14,29% de redução - para cada 60`paga-se 1,1429 horas Hora Noturna reduzida = nº de horas noturnas x 0,1429 (14,29%:100) Ex.1-22:00 e 6:00 horas total de horas com 60`= 8 horas hora noturna/redução 8 x 0,1429 = 1,14 jornada noturna = 8 + 1,14 = 9,14 horas

13 Ex.2-22:00 e 5:00 horas e considerando-se o intervalo para refeição e descanso 22:00 e 5:00 horas = 7 horas (-) intervalo 1 hora Hora reduzida 6 x 0,1429 = 0,85 jornada noturna = 6 + 0,85 = 6,85 horas Ex.3 Jornada das 18:00 às 6:00 horas * das 18:00 às 22:00 horas jornada normal ** das 22:00 às 6:00 horas jornada noturna 8 horas x 0,1429 = 1,14 Jornada Noturna = 8 + 1,14 = 9,14 horas Jornada total = 4 + 9,14 = 13,14 horas Prorrogação de Horas Jornada das 22:00 às 7:00 horas As horas laboradas após às 5:00 horas também serão consideradas hora noturna. Jornada das 22:15 às 7:00 horas As horas laboradas após às 5:00 horas não serão consideradas hora noturna. Conversão de Minutos em Horas 1 hora = 60 minutos 1:15 conversão de 15`em decimal => 15 = 0,25 60 Então: 1:15` = 1,25 horas Conversão = Minuto 60 30` = ½ hora => 30 = 0, :30` = 1,5 hora

14 Ex.: Jornada - das 8:04 às 16:50 horas 04 = 0,066 => 0,07 50 = 0, :00 + 0,07 = 8,07 horas 16:00 + 0,83 = 16,83 horas Jornada final 16,83 horas (-) Jornada inicial 8,07 horas Jornada total = 8,76 horas hora extra - 0,76 horas 0,76 x vr h.e. = h.e. Jornada trabalhada = hora trabalhada + hora reduzida Hora Reduzida = hora noturna final hora noturna inicial Demonstrando: 21:20 6: :33 6:33 Jornada reduzida => 6:33 22:00 (porque o horário noturno é das 22:00 às 5:00 horas) 6:33 22:00 = -15, ( quebra do relógio, volta p/ o 0 - Jornada inicia num dia e termina em outro dia) = 8,33 8,33 x 0,1429 = 1,19 (jornada reduzida) Então: 21:33 6:33 6:33-21:33 = = 9 horas (noturnas) + 1,19 (horas reduzidas) = 10,19 (jornada) Hora Extra SDI-1, OJ 97 Horas Extras. Adicional Noturno. Base de Cálculo. O adicional noturno integra a base de cálculo das horas extras prestadas no período noturno.

15 Exercício Apurar a jornada de trabalho: 1) 7:37 17:35 2) 6:22 18:57 3) 16:35 22:00 4) 21:20 6:20 Exercício 5. Seg. 10:55 13:00 intervalo 14:00 21:30 Ter. 10:50 13:05 13:35 20:55 Quar. 10:45 14:05 15:30 21:40 Quin. 10:30 14:30 15:30 21:35 Sex. 10:32 14:00 14:25 22:00 Sábado - Folga Domingo 8:15 14:25

16

17 Exercício 6. Seg. 19:35 21:30 22:30 7:25 Ter. 22:05 1:50 2:30 6:55 Qua. 23:30 3:00 3:35 5:35 Quin. 18:50 5:00 5:30 7:30 Sex. 17:30 19:30 21:30 4:25 Sáb. 22:30 5:00

18 Seg. 2º passo Horas Trabs. 4º passo Horas reduzidas 5º passo H.trabs. + H.redzs. 6º passo Excesso jornada/dia (5ºp 8:00) 7º passo Excesso semanal [(5ºp 6ºp) 44 8º passo Supressão intervalo Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Total de horas devidas -

19 Horas Extras Apuração Jornada Noturna 1º passo converter minutos em fração de horas Fórmula: min 60 2º passo Apurar o número de horas para cada período de trabalho Fórmula: horário final (-) do horário inicial Obs.: se o resultado for negativo, somar 24 ( quebra do relógio) (nº de horas negativas + 24). 3º passo - Verificar se há jornada noturna (das 22:00 às 5:00 horas). Se positivo, apurar o número de horas noturnas. Fórmula: horário noturno final (-) horário noturno inicial. Obs.: se o resultado for negativo, somar 24 (nº de horas negativas + 24). 4º passo Apurar o número de horas extras reduzidas. Fórmula: nº de horas noturnas (x) 14,29% (0,1429) 5º passo Somar o total de horas (2º passo) e o número de horas reduzidas (4º passo). Fórmula: nº de horas trabalhadas (+) nº de horas reduzidas = total horas/dia. 6º passo Apurar o excesso diário de jornada. Fórmula: total de horas por dia (-) limite diário Obs.: se o resultado for negativo NÃO há horas extras (excesso de jornada). 7º passo Apurar o excesso semanal Fórmula: total de horas por semana (-) limite semanal (-) soma de horas extras diárias. Obs.: se o resultado for negativo NÃO há horas extras (excesso de jornada). 8º passo apurar o intervalo concedido. Fórmula: horário final do intervalo (-) horário inicial do intervalo. 9º passo Apurar o intervalo NÃO concedido. Fórmula: intervalo mínimo legal ou convencional (-) intervalo concedido. Obs.: se o resultado for negativo NÃO há horas extras ou intervalos a serem indenizados. 10º passo - Verificar se não houve trabalho em domingos e feriados SEM folga compensatória na mesma semana. Se positivo, TODAS as horas trabalhadas nestes dias são horas extras com acréscimo mínimo de 100%.

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST JORNADA DE TRABALHO Tempo efetivamente Trabalhado; Tempo à disposição do empregador Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST Conceito Jornada é o lapso de tempo durante o qual o empregado

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba DIREITO DO TRABALHO II Profa. Graciane Saliba - Apresentação do site - Apresentação do plano de ensino e temas que serão tratados - Horários de aula - Trabalhos em sala e em equipe - Ausência e chamadas

Leia mais

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011)

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Salário: Art. 7º C.F. São direitos dos trabalhadores além de outros IV salário mínimo, fixado em lei, nacionalidade unificado, capaz de atender as suas necessidades vitais

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna 30/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações

Leia mais

Caderno de Exercícios - Departamento Pessoal - Aluno

Caderno de Exercícios - Departamento Pessoal - Aluno 1. O empregado na função de pizzaiolo foi contratado a tempo parcial com jornada de trabalho de 24 horas semanais. Os empregados na mesma função, com jornada normal de 220 horas, ganhavam o piso salarial

Leia mais

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5 MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1.

Leia mais

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1. ATIVIDADES RURAIS... 3 3.5.3. ADICIONAL

Leia mais

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS ENTRADA DE DADOS - Convenção Coletiva de Trabalho 2013/2014 DATA BASE DA CATEGORIA: 01 de março I - REMUNERAÇÃO

Leia mais

Curso de Cálculo Trabalhista Parte Teórica Módulo 03

Curso de Cálculo Trabalhista Parte Teórica Módulo 03 Curso de Cálculo Trabalhista Parte Teórica Módulo 03 MÓDULO III Horas extras ou Horas Extraordinárias A jornada de trabalho tem a duração normal de 08 (oito) horas diárias, em qualquer atividade privada

Leia mais

TESTE CONHECIMENTO ESPECÍFICOS

TESTE CONHECIMENTO ESPECÍFICOS NOME: TESTE CONHECIMENTO ESPECÍFICOS LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1 - Verifique se este teste de conhecimento específico contém 10 (dez) questões objetivas. 2 - Para o presente teste de conhecimento

Leia mais

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11)

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11) NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11) CUSTÓDIO NOGUEIRA Advogado militante especializado em Direito Civil e Processo Civil; Sócio da Tardem e Nogueira Assessoria

Leia mais

PREGÃO 132/2013 OBS; AS EMPRESAS QUE DESEJAREM, PODERÃO SOLICITAR A PLANILHA EM EXCEL PARA PREENCHIMENTO ATRAVÉS DO SITE:

PREGÃO 132/2013 OBS; AS EMPRESAS QUE DESEJAREM, PODERÃO SOLICITAR A PLANILHA EM EXCEL PARA PREENCHIMENTO ATRAVÉS DO SITE: PREGÃO 132/2013 CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE VIGIA/GUARDIÃO, (ITEM 09 CLAUSULA 3ª. DA CCT 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR 005473/2012), CONTROLADOR DE ACESSO E SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DO SISTEMA

Leia mais

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas?

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? ENTENDA SEUS DIREITOS O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? O chamado banco de horas é uma possibilidade admissível de controle e compensação

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 Convenção Coletiva de Trabalho, que entre si ajustam a FEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS EM POSTOS DE SERVIÇOS DE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS DE PETRÓLEO - FENEPOSPETRO,

Leia mais

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS.

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. IV JORNADA JURÍDICA CNTQ Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Químico TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. Gabriel Lopes Coutinho Filho Outubro/2013 Camboriú -

Leia mais

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada.

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada. As faltas não justificadas por lei não dão direito a salários e demais conseqüências legais, e podem resultar em falta leve ou grave, conforme as circunstâncias ou repetição; mas podem ter justificativa

Leia mais

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos www.fagnersandes.com.br Preparando você para o sucesso! Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos Regulamentado pela Lei Complementar n. 150/15, empregado doméstico é aquele que presta serviços

Leia mais

PLANILHA+ Planilha+ 1 CÁLCULO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO, SEGURO DESEMPREGO E HORAS EXTRAS

PLANILHA+ Planilha+ 1 CÁLCULO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO, SEGURO DESEMPREGO E HORAS EXTRAS 1 PLANILHA+ CÁLCULO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO, SEGURO DESEMPREGO E HORAS EXTRAS Planilha de fácil utilização. Pode ser utilizada até por pessoas com poucos conhecimentos em direitos trabalhistas.

Leia mais

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO 1 1. EMENTA - Parecer sintético sobre COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO abrangendo aspectos gerais dos regimes de "BANCO DE HORAS", "SEMANA INGLESA" e "SEMANA

Leia mais

Sumário. Introdução, 1

Sumário. Introdução, 1 S Sumário Introdução, 1 1 Folha de Pagamento, 7 1 Salário, 8 1.1 Salário-hora para 40 horas semanais: divisor 200 (duzentos), 9 1.2 Depósito de salários em conta bancária, 9 2 Horas extras, 10 2.1 Integração

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 35/2014 Serviços de Limpeza da Federação: DF Data de início

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANA PLANILHA DE CUSTOS

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANA PLANILHA DE CUSTOS EMPRESA: PROCESSO LICITATÓRIO: OBJETO DA LICITAÇÃO: Data apresentacao proposta Regime Tributário da Empresa: (se lucro real, lucro presumido ou beneficiária do tratamento diferenciado às DISCRIMINAÇÃO

Leia mais

Slide 1. Slide 2 SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO. Slide 3 CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO PALESTRA: ROTINA DE PESSOAL

Slide 1. Slide 2 SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO. Slide 3 CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO PALESTRA: ROTINA DE PESSOAL Slide 1 - CONSULTORIA TRABALHISTA - PERÍCIA CONTÁBIL - CURSOS E PALESTRAS PALESTRA: ROTINA DE PESSOAL LUCIANO DOS SANTOS NUNES Perito-Contador Slide 2 SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO EMPREGADO É A PESSOA

Leia mais

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento Curso de 13 Salário Capacitação e Treinamento Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

REMUNERAÇÃO E ADICIONAIS LEGAIS

REMUNERAÇÃO E ADICIONAIS LEGAIS REMUNERAÇÃO E ADICIONAIS LEGAIS 1 Conceito Salário complessivo corresponde aos pagamentos efetuados diretamente pelo empregador em favor do empregado, em virtude da vigência do contrato de trabalho, bem

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR000662/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/02/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067963/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.002882/2011-14 DATA DO

Leia mais

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº /

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº / TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - 2007/2009 PROCESSO Nº 46218.001339/2009-25 EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICACOES S.A - EMBRATEL, CNPJ n. 33.530.486/0001-29, com sede na Av. Presidente Vargas,

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Que entre si celebram SINDICATO DOS TRABALHADORES EM COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS, AGRÍCOLAS e AGROINDUSTRIAIS DE MEDIANEIRA E REGIÃO - SINTRASCOOM, inscrito no CNPJ sob nº 01.619.942/0001-15,

Leia mais

Cálculo de Hora Extra:

Cálculo de Hora Extra: Cálculo de Hora Extra: Confira como resolver, em poucos passos, um cálculo com o aplicativo Debit Trabalhista. Este cálculo contém: Horas Extras (hora + adicional) 13º salário Férias Aviso prévio Multa

Leia mais

A hora noturna não atende aos padrões temporais convencionados. A hora noturna não corresponde a 60 minutos, mas sim a 52 minutos e 30 segundos.

A hora noturna não atende aos padrões temporais convencionados. A hora noturna não corresponde a 60 minutos, mas sim a 52 minutos e 30 segundos. 1 Aula 04 1 Duração do trabalho 1.1 Repouso O legislador ordinário, buscando, dentre outros objetivos, preservar a saúde do empregado, previu regras atinentes ao repouso durante a jornada, bem como entre

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2002 O Pró-Reitor Administrativo da Fundação Universidade Federal do Rio Grande,

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas (Aula 3) Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Alteração do contrato 1. Complete a frase: A mudança

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

TABELA DE CÁLCULO DE VERBAS RESCISÓRIAS

TABELA DE CÁLCULO DE VERBAS RESCISÓRIAS TABELA DE CÁLCULO DE VERBAS RESCISÓRIAS Saldo de Salário Aviso Prévio Férias Vencidas Férias Proporcionais Férias 1/3 adicional Décimo Terceiro Salário Adicional de Insalubridade Mensalista: dividir a

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Mediador - i',xtrato Acordo Coletivo http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resurnovisualiz... ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000118/2016 DATA DE REGISTRO NO

Leia mais

Indicações de bibliográficas: CLT. Leis e artigos importantes: OJ até 421 SÚMULAS TST até 444

Indicações de bibliográficas: CLT. Leis e artigos importantes: OJ até 421 SÚMULAS TST até 444 CURSO: OAB X EXAME - NOITE DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO PROFESSOR: JULIANA MONTEIRO AULA 01 BLOCO: 01- MATÉRIA: INTRODUÇÃO (LEI TRABALHISTA NO TEMPO E ESPAÇO, FONTES, EMPREGADO). Indicações de bibliográficas:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

Parcela do Empregado (6% do salário base mensal)

Parcela do Empregado (6% do salário base mensal) POSTO 12 HORAS DIÁRIAS - DIURNO (de segunda-feira a domingo) Quantidade de vigilantes por posto: 02 MEMORIA DE CALCULOS - SALÁRIOS E ENCARGOS Salário base mensal 2.436,30 Adicional de Periculosidade 30%

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. JORNADA DE TRABALHO (art. 4º, CLT) O instituto tem origem na

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos Guia de leitura da Coleção... 17

Coleção Sinopses para Concursos Guia de leitura da Coleção... 17 Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Capítulo 1 FONTES DO DIREITO DO TRABALHO... 19 1. Conceito... 19 2. Classificação... 19 2.1. Fontes materiais... 19 2.2. Fontes formais...

Leia mais

Aula 3 MODALIDADES DO CONTRATO DE TRABALHO

Aula 3 MODALIDADES DO CONTRATO DE TRABALHO Aula 3 MODALIDADES DO CONTRATO DE TRABALHO Prazo indeterminado: O contrato de trabalho comum. Não há prazo para seu encerramento. Prazo determinado: Contrato de trabalho com tempo determinado para sua

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº do Processo: Nº da Licitação: Data / Hora: Discriminação do Seviços (dados referente à contratação)

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº do Processo: Nº da Licitação: Data / Hora: Discriminação do Seviços (dados referente à contratação) PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº do Processo: Nº da Licitação: Data / Hora: 59800.000305/201291 3/2012 04/12/2012 10:00 horas Discriminação do Seviços (dados referente à contratação) A Data de

Leia mais

POWER WORK RH CURSO ANALISTA DE FOLHA DE PAGAMENTO

POWER WORK RH CURSO ANALISTA DE FOLHA DE PAGAMENTO POWER WORK RH CURSO ANALISTA DE FOLHA DE PAGAMENTO INTRODUÇÃO Muitos profissionais desta área se sentem perdidos quando falamos sobre a elaboração da Folha de Pagamento. Ficam cheios de dúvidas em meio

Leia mais

Curso de Orientação Jurisprudencial prof. Homero Batista Mateus da Silva.

Curso de Orientação Jurisprudencial prof. Homero Batista Mateus da Silva. Curso de Orientação Jurisprudencial prof. Homero Batista Mateus da Silva. Início: 2 de agosto de 2016. Término: 6 de dezembro de 2016. Total: 18 aulas de 80min. Tema: Remuneração, salário e benefícios.

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 19/02/2015 14:00 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000233/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076924/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.030044/2014-53

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO

JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO - Até meados de 1800, na maioria dos países da Europa, a jornada de trabalho era de 12 a 16 horas, inclusive entre mulheres e crianças. Muitos protestos surgiram, pretendendo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 1.440/2015

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 1.440/2015 * > MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 1.440/2015 Referência : Correio eletrônico, de 6/5/2015. Protocolo AUDIN-MPU nº 1291/2015.

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000101/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/01/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001516/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.000750/2015-21

Leia mais

LEGENDA CLAUSULA MODIFICADA (ACRESCIDA) CLAUSULA NOVA CLAUSULA MANTIDA CLAUSULA ALTERADA PELOS FUNCIONÁRIOS EM 24/02/2010

LEGENDA CLAUSULA MODIFICADA (ACRESCIDA) CLAUSULA NOVA CLAUSULA MANTIDA CLAUSULA ALTERADA PELOS FUNCIONÁRIOS EM 24/02/2010 LEGENDA CLAUSULA MODIFICADA (ACRESCIDA) CLAUSULA NOVA CLAUSULA MANTIDA CLAUSULA ALTERADA PELOS FUNCIONÁRIOS EM 24/02/2010 PAUTA PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 A ALSTOM Brasil Energia e Transporte

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Fundado em 01 de março de 1996 Entidade reconhecida no Arquivo de Entidades Sindicais do MTE sob o nº 46000-006947/96

Leia mais

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA Kelly Amichi O custo de mão-de-obra refere-se ao montante das despesas dos serviços prestados pelos funcionários à empresa. É o segundo maior custo no segmento de refeições

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000382/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/07/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR036243/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001138/2012-01

Leia mais

SUGESTÕES DOS TRABALHADORES CAMPANHA SALARIAL 2015/16

SUGESTÕES DOS TRABALHADORES CAMPANHA SALARIAL 2015/16 SUGESTÕES DOS TRABALHADORES CAMPANHA SALARIAL 2015/16 Segue minha sugestão para este sindicato, acreditando que seja a posição de muitos: Para o Cargo de Agente Operacional Técnico III, que é a maioria

Leia mais

DIÁRIAS: Os empregados em viagem fora da sua sede receberão diárias, observadas as seguintes condições:

DIÁRIAS: Os empregados em viagem fora da sua sede receberão diárias, observadas as seguintes condições: ATA DA REUNIÃO A partir das 10:00 horas, do dia 21 de Janeiro de 2016, na cidade de Araraquara/SP, realizou-se a 3ª reunião para tratar da negociação para celebração do Acordo Coletivo de Trabalho, Data-Base

Leia mais

14 - Encargos Sociais e Trabalhistas. 2

14 - Encargos Sociais e Trabalhistas. 2 14 - Encargos Sociais e Trabalhistas. 2 14.1 - Introdução 2 14.2 Cálculo dos Encargos 3 14.2.1 - Contribuição ao INSS 3 14.2.2 - Encargos Previdenciários Básicos. 4 14.2.3 - Cálculo do DSR. 4 14.2.4 -

Leia mais

Aprova modelos de Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho e implanta o Sistema Homolognet.

Aprova modelos de Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho e implanta o Sistema Homolognet. PORTARIA n.º 1.474, de 29 de JUNHO de 2010 Aprova modelos de Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho e implanta o Sistema Homolognet. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições

Leia mais

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE PETIÇÃO, provenientes da MM. 02ª VARA DO TRABALHO DE LONDRINA - I.

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE PETIÇÃO, provenientes da MM. 02ª VARA DO TRABALHO DE LONDRINA - I. V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE PETIÇÃO, provenientes da MM. 02ª VARA DO TRABALHO DE LONDRINA - PR, sendo Agravante FERNANDO HENRIQUE FRANCO e Agravado IRMÃOS MUFFATO & CIA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001718/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058992/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46271.000918/2010-40 DATA

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO

CONTABILIZAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO CONTABILIZAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO DEFINIÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO A Folha de Pagamento representa as obrigações do empregador com seus empregados, como salários, gratificações, comissões, etc., assim

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS

COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS Historicamente, o repouso semanal teve origem em tradição de caráter religioso. Segundo as escrituras sagradas, Deus, ao criar o Mundo, repousou no sétimo dia. Em Moisés,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Gab Des Jose Carlos Novis Cesar Av. Presidente Antonio Carlos, 251 6o andar - Gab.48 Castelo Rio de Janeiro 20020-010

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000257/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031201/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46207.005077/2011-11 DATA

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO DOMÉSTICO (Via Empregador) Pelo presente instrumento e na melhor forma de direito, as partes: 2 [nome],

CONTRATO DE TRABALHO DOMÉSTICO (Via Empregador) Pelo presente instrumento e na melhor forma de direito, as partes: 2 [nome], CONTRATO DE TRABALHO DOMÉSTICO (Via Empregador) Pelo presente instrumento e na melhor forma de direito, as partes: 1 [nome], [nacionalidade], [estado civil], [profissão], portador(a) da cédula de identidade

Leia mais

18 Tabelas Tabela de incidência de INSS, IR e FGTS. Parcela INSS FGTS IRRF Abono pecuniário de férias (CLT, 143 e 144)

18 Tabelas Tabela de incidência de INSS, IR e FGTS.  Parcela INSS FGTS IRRF Abono pecuniário de férias (CLT, 143 e 144) 18 Tabelas 18.1 Tabela de incidência de INSS, IR e FGTS Abono pecuniário de férias (CLT, 143 e 144) art. 28 parág. 9 o, alínea e, item 6, redação dada 9 o, alinea i. Art. 144, CLT e Lei 8036/90 art.15,

Leia mais

Disposição Preliminar

Disposição Preliminar Disposição Preliminar ART. 57 - Os preceitos deste Capítulo aplicam-se a todas as atividades, salvo as expressamente excluídas, constituindo exceções as disposições especiais, concernentes estritamente

Leia mais

O Prefeito Municipal de Major Sales, estado do Rio Grande do Norte, no uso de suas atribuições,

O Prefeito Municipal de Major Sales, estado do Rio Grande do Norte, no uso de suas atribuições, Decreto nº 003, de 21 de janeiro de 2014. Regulamenta a concessão da gratificação pela prestação de serviço extraordinário e do adicional noturno. O Prefeito Municipal de Major Sales, estado do Rio Grande

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 1.736/2016

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 1.736/2016 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Referência Assunto PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 1.736/2016 : Correio eletrônico. Protocolo AUDIN-MPU nº 1043/20l6. : Administrativo.

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RETIFICAÇÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RETIFICAÇÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RETIFICAÇÃO Na Instrução Normativa nº 2, de 30 de abril de 2008, publicada no Diário Oficial da União do

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000249/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022255/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.000856/2015-03

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO Gestão de Pessoas é uma área ou departamento da organização que se ocupa com um conjunto de atividades relacionadas às pessoas (funcionários, familiares, comunidade,

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000542/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047856/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001655/2015 15 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS 1 de 5 24/11/2014 10:40 TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002656/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067249/2014 NÚMERO DO

Leia mais

Gestão de Pessoas I AULA 4 30_31-03-2016. Prof.Procópio

Gestão de Pessoas I AULA 4 30_31-03-2016. Prof.Procópio Gestão de Pessoas I AULA 4 30_31-03-2016 Prof.Procópio Adicional de Periculosidade Exemplos Para mensalista, diarista e horista : a) Mensalista com Salário Básico de R$ 1.180,00, por mês: 30% (trinta por

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA DEFINIÇÃO III DA JORNADA E DO HORÁRIO DE TRABALHO

I - DA FINALIDADE II - DA DEFINIÇÃO III DA JORNADA E DO HORÁRIO DE TRABALHO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade regulamentar a jornada de trabalho dos empregados do Conselho Federal de Medicina CFM. II - DA DEFINIÇÃO 2. Entende-se por jornada de trabalho

Leia mais

CALCULOS TRABALHISTAS PARA PETIÇÃO INICIAL

CALCULOS TRABALHISTAS PARA PETIÇÃO INICIAL SHIGUEMORI CURSOS E PALESTRAS CALCULOS TRABALHISTAS PARA PETIÇÃO INICIAL COORDENAÇÃO E ELABORAÇÃO: GERSON SHIGUEMORI Avenida Liberdade, 21 4º andar - Conj. 411 São Paulo SP CEP: 01503-901. Telefone/Fax:

Leia mais

Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem. Profa. Dra. Ana Maria Laus

Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem. Profa. Dra. Ana Maria Laus Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem Profa. Dra. Ana Maria Laus analaus@eerp.usp.br ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... cuidado de enfermagem prestado nas 24 horas elaboração de uma escala de trabalho

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS002155/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067103/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47157.001673/2015-51 DATA

Leia mais

Profissão de Motorista Mudanças na CLT

Profissão de Motorista Mudanças na CLT Profissão de Motorista Mudanças na CLT Lei 13.103 de 2 de março de 2015 Resumo A Lei 13.103 de 02/03/2015 promoveu alterações na CLT em relação à profissão de motoristas, cujo conteúdo segue nos slides

Leia mais

INDENIZAÇÃO ADICIONAL - DEVIDA NA DESPEDIDA ANTES DA DATA-BASE

INDENIZAÇÃO ADICIONAL - DEVIDA NA DESPEDIDA ANTES DA DATA-BASE INDENIZAÇÃO ADICIONAL - DEVIDA NA DESPEDIDA ANTES DA DATA-BASE A Lei 6.708/79 e a Lei 7.238/84, ambas no artigo 9º, determinam uma Indenização Adicional, equivalente a um salário mensal, no caso de dispensa

Leia mais

Exemplos de Modelos de Acordo de Compensação Meramente informativo ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORAS REF. JOGOS DO BRASIL NA COPA MUNDO 2014

Exemplos de Modelos de Acordo de Compensação Meramente informativo ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORAS REF. JOGOS DO BRASIL NA COPA MUNDO 2014 Exemplos de Modelos de Acordo de Compensação Meramente informativo Modelo 1 ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORAS REF. JOGOS DO BRASIL NA COPA MUNDO 2014 CLÁUSULA PRIMEIRA: * FASE DE GRUPOS Dia 12/06/2014 (quinta-feira)

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000982/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/06/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR030709/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008759/2016-61 DATA DO

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058065/2014 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE NOVO HAMBURGO, CNPJ n. 91.695.288/0001-11, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho I Professora: Cláudia Glênia JUR: 3231 MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 3. SALÁRIO 3.1 RECEBIMENTO DO SALÁRIO No comércio o pagamento de salários ocorre de várias formas. Alguns empregadores fazem o depósito em conta corrente e fornecem o comprovante de pagamento discriminando

Leia mais

Direito Trabalhista 1

Direito Trabalhista 1 Direito Trabalhista 1 Horas extras, adicionais, gratificações, repouso semanal remunerado, participação nos lucros e resultados As horas extras A legislação trabalhista vigente estabelece que a duração

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR005168/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR065084/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46294.001057/2014-82 DATA DO

Leia mais

O legislador pátrio ao editar a CLT, distinguiu salário de remuneração. Trata-se, portanto, de institutos distintos.

O legislador pátrio ao editar a CLT, distinguiu salário de remuneração. Trata-se, portanto, de institutos distintos. 1 Aula 05 1 Remuneração e salário O legislador pátrio ao editar a CLT, distinguiu salário de remuneração. Trata-se, portanto, de institutos distintos. 1.1 Salário Segundo José Cairo Júnior o salário pode

Leia mais

Tron Informática

Tron Informática 13º Salário Gratificação Natalina 1 Veja uma vídeo-aula sobre este assunto em: http://www.trontv.com.br/t/index.php/videos/gestao-contabil/fp/76-como-calcular calcular-o-13-salario.html A Gratificação

Leia mais

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Capítulo 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 109 CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário é devido aos empregados urbanos, rurais e domésticos, bem como aos trabalhadores

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10a Turma RECURSO ORDINÁRIO. INTERVALO INTRAJORNADA. CONCESSAO PARCIAL. O intervalo intrajornada tem como finalidade a segurança e a saúde do trabalhador. Depois de diversos estudos, chegou-se

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000305/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR012534/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.003956/2012-80 DATA

Leia mais

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA

REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 101 REFLEXOS, REPERCUSSÕES, INCIDÊNCIAS E INTEGRAÇÕES NAS PARCELAS TRABALHISTAS PLEITEADAS NA PETIÇÃO INICIAL E DEFERIDAS NA SENTENÇA 1 INTRODUÇÃO Rodrigo Ribeiro Bueno* Os reflexos das parcelas trabalhistas

Leia mais

2012 Cartilha do Comércio

2012 Cartilha do Comércio 2012 Cartilha do Comércio APRESENTAÇÃO O Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Tubarão e Região SINDILOJAS, no atendimento das necessidades dos seus representados, reuniu as principais dúvidas

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT)

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) Aula 4 Direito do Trabalho Duração do Trabalho. Férias. Repouso Semanal Remunerado. Maria Inês Gerardo DURAÇÃO DO TRABALHO (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT Jornada

Leia mais

HORAS EXTRAS - Considerações Gerais. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 17/02/2012. Sumário:

HORAS EXTRAS - Considerações Gerais. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 17/02/2012. Sumário: HORAS EXTRAS - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 17/02/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Jornada de Trabalho 4 - Horas Extras - Limite 4.1 - Necessidade

Leia mais