BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985."

Transcrição

1 BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.

2

3 Alfredo Bosi (São Paulo, 26 de agosto de 1936) é um professor universitário, crítico e historiador de literatura brasileira, e também imortal da Academia Brasileira de Letras.

4 O que se entende por arte Provocar o sentimento do belo; Objeto (material); O receptor (o homem do seu tempo) percebe, sente, aprecia (efeito psicológico); Possibilidade de consumo e fruição; Uso social; Representa a criatividade do ser humano. Os homens entram em relação com o universo e consigo mesmos.

5 3 vias da reflexão estética: O fazer; O conhecer; O exprimir.

6 Arte é construção: Arte é transformar; Arte é um fazer; Qualquer atividade humana, conduzida regulamente a um fim, pode ser artística; Arte é produção (trabalho) arranca o ser do não ser. Techné; Ars (latim) matriz de arte, raiz do verbo articular.

7 Platão criação (poiesis)- Passe do não ser ao ser da criação. Artesãos são criadores ou poetas (poietés) (Banquete) Império Romano: artes liberales (homens livres) X artes serviles (ofícios, homens humildes) Poética do Barroco artificialidade da arte (dado por Deus X forjado pelos homens) Séc. XX Objeto artístico construído (não é mais natural, ser dado)

8 Madame, isto não é uma mulher, é uma tela.

9 Arte e jogo Arte como jogo Kant em Crítica do Juízo : arte como atividade desinteressada, prazer estético que anima o jogo da criação é subjetivo (representações). Baumgarten empregou o termo estética pela 1ª vez: ao artista é dado combinar sensações, imagens, representações; ao filósofo cumpre articular conceitos (p.15)

10 Estética Romântica Fantasia ou imaginação criadora. Homo Ludens (p.16) Palavra de ordem : " é preciso liberar a emoção". Em vez da serenidade, objetividade, ponderação, disciplina, temos a efusão violenta de efeitos e paixões, as dissonâncias, a desarmonia em vez de harmonia. Tudo leva a um subjetivismo radical: ímpeto irracional, selvagem, patológico. Daí a ênfase no noturno e nas trevas: mórbido, doentio, demoníaco.

11 A liberdade e as técnicas: Enthousiasmós entusiasta: aquele que recebeu um deus dentro de si. O homem como medida de todas as coisas.

12 As convenções e os gêneros: Wassily Kandinsky: Todos os procedimentos são sagrados quando interiormente necessários (Do espiritual na arte). (p.21) Moscovo I, Kandinky, 1916, óleo sobre tela

13 No limiar da forma: (...) Que nossa imaginação aguce nossa inteligência, e que nossa inteligência assegure nossa imaginação; sem esta reciprocidade de ação, a investigação tem todas as probabilidade de ser quimérica (Pierre Boulez, A música Hoje) p.22

14 Técnica, maneira e maneirismo: O uso leva ao costume; Uma forma artística pode ganhar em expressão e em adaptabilidade.

15 Platão: conhecimento e analogia Arte como mímeses (p.29);

16 Arte é conhecimento Saber para melhor sentir Leonardo da Vince e o olho da inteligência

17 Cada época é qualificada, rica de conteúdos próprios, constituída de sistemas de significação, universos de valores que a distinguem de outras épocas. (p.44)

18 Arte e expressão O corpo que baila busca incessantemente sair de si, encontrar-se com um ser- ou em um ser- que lhe dê em plenitude aquela mesma vida que o aquece em move cada gesto (p.53).

19 A expressão e as fronteiras da identidade Tendência à metamorfose; Apanhar a identidade profunda dos seres; A tragédia é o momento em que se forçam os limites e tocam-se os extremos. Rompemse os ligamentos dos ossos. O sangue esguicha. A pele murcha. Os membros incham ou estiolam-se. Sob as linhas do rosto desenha-se caveiras (p.66).

20 O homem será barata, será monstro, será espectro, será vampiro, será anjo, será demônio. A voz do homem preferirá o grito ou o silêncio à mediação do discurso. O som musical descerá ou subirá até as fronteiras do ruído. A paisagem será pesadelo e alucinação. A História, à espera de um novo Gênesis, será Apocalipse. (p.67)

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS ARTES CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto Como pode a escola católica promover o desenvolvimento da inteligência espiritual? O A educação deve

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

DEUS. Único Deus. Ser que não foi criado. Sem princípio ou fim O Eterno. Sua existência é um fato estabelecido

DEUS. Único Deus. Ser que não foi criado. Sem princípio ou fim O Eterno. Sua existência é um fato estabelecido Único Deus DEUS Ser que não foi criado Sem princípio ou fim O Eterno Sua existência é um fato estabelecido A Bíblia não tem a necessidade de provar a existência de Deus O fato dele ser o Criador, já define

Leia mais

Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou

Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada a partir da percepção, das emoções

Leia mais

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Disciplina: Artes Curso: Técnico Em Eletromecânica Integrado Ao Ensino Médio Série: 1º Carga Horária: 67 h.r Docente Responsável: EMENTA O universo da arte, numa abordagem

Leia mais

O Impressionismo é um movimento artístico surgido na França no século XIX que criou uma nova visão conceitual da natureza utilizando pinceladas

O Impressionismo é um movimento artístico surgido na França no século XIX que criou uma nova visão conceitual da natureza utilizando pinceladas O Impressionismo é um movimento artístico surgido na França no século XIX que criou uma nova visão conceitual da natureza utilizando pinceladas soltas dando ênfase na luz e no movimento. Geralmente as

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Série: 6ª - Ensino Fundamental Professora: Ione A. Botelho Atividades para Estudos Autônomos Data: 23 / 05 / 2016 Aluno(a): N o.: Turma: ORIENTAÇÕES:

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

VI Encontro Mineiro Sobre Investigação na Escola /II Seminário Institucional do PIBID-UNIUBE TITULO O FOLCLORE BRASILEIRO DENTRO DA EDUCAÇÃO

VI Encontro Mineiro Sobre Investigação na Escola /II Seminário Institucional do PIBID-UNIUBE TITULO O FOLCLORE BRASILEIRO DENTRO DA EDUCAÇÃO VI Encontro Mineiro Sobre Investigação na Escola /II Seminário Institucional do PIBID-UNIUBE TITULO O FOLCLORE BRASILEIRO DENTRO DA EDUCAÇÃO Rosimeire Cristina da silva rosicristinadasilva@gmail.com Linha

Leia mais

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX)

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX) ROMANTISMO E IDEALISMO O Idealismo alemão sofreu forte influência, na sua fase inicial, do Romantismo, movimento cultural que se manifestou na Arte, na Literatura e na Filosofia. No seu ponto culminante,

Leia mais

FAZENDO A R T E COM TARSILA

FAZENDO A R T E COM TARSILA FAZENDO A R T E COM TARSILA Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Subsídios para implementação do Plano de Curso de Educação Artística Ensino

Leia mais

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular.

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Poesia Miguel Reale Eterna juventude Quando em meus olhos os teus olhos pousas vejo-te jovem como via outrora: luz interior

Leia mais

Teorias Motivacionais

Teorias Motivacionais Teorias Motivacionais A perspectiva biológica A perspectiva Biológica da Motivação pode subdividir-se em 3 categorias: As contribuições genéticas para o comportamento motivado A Motivação como estimulação

Leia mais

O DESENHO DO MUNDO NA CARA DE TUTUNHO. Um corpo cheio de marcas, sinais que cresceram com o passar do tempo e

O DESENHO DO MUNDO NA CARA DE TUTUNHO. Um corpo cheio de marcas, sinais que cresceram com o passar do tempo e O DESENHO DO MUNDO NA CARA DE TUTUNHO Marlyvan Moraes de Alencar 1 Um corpo cheio de marcas, sinais que cresceram com o passar do tempo e que se modificaram como assim se modificou a vida do artista Tutunho,

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

Missa do Dia. «Todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus»

Missa do Dia. «Todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus» 80 TEMPO DO NATAL Missa do Dia LEITURA I Is 52, 7-10 «Todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus» Leitura do Livro de Isaías Como são belos sobre os montes os pés do mensageiro que anuncia

Leia mais

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO 1º Bimestre Para o 1º Ano do Ensino Médio, propomos o estudo do Teatro Popular Tradicional, uma modalidade de representação

Leia mais

POEMA NENHUM DEVANEIO

POEMA NENHUM DEVANEIO SENHA DE ENTRADA O mirone é um ser peculiar. O mirone quer saber de tudo. Quer coscuvilhar, meter o nariz onde não é chamado, espreitar. É totalmente dominado pela curiosidade. Quer experimentar novos

Leia mais

PEB II - ARTES PROFESSOR EM EDUCAÇÃO BÁSICA II DE ARTES

PEB II - ARTES PROFESSOR EM EDUCAÇÃO BÁSICA II DE ARTES PEB II - ARTES PROFESSOR EM EDUCAÇÃO BÁSICA II DE ARTES 01. A arte na contemporaneidade (e seu ensino) busca ser conectada à cultura e sua diversidade. Nesse sentido, para uma educação multicultural, é

Leia mais

3- Mas ao entrarmos nesse caminho de conhecer ao Senhor, enfrentamos questões cruciais na vida que nos leva a pensar em nosso relacionamento com Deus.

3- Mas ao entrarmos nesse caminho de conhecer ao Senhor, enfrentamos questões cruciais na vida que nos leva a pensar em nosso relacionamento com Deus. SUGESTÃO DE QUEBRA GELO / DINÂMICA: MÍMICA Objetivo: Descontrair o grupo, quebrar o gelo. Material: Um prêmio (Caixa de bombom, balas, pirulitos, etc.). Desenvolvimento: 1. Divida a célula em grupos (dois

Leia mais

CADERNO DE ENCENAÇÃO. Publicação do Curso de Graduação em Teatro Escola de Belas Artes/ UFMG

CADERNO DE ENCENAÇÃO. Publicação do Curso de Graduação em Teatro Escola de Belas Artes/ UFMG CADERNO DE ENCENAÇÃO Publicação do Curso de Graduação em Teatro Escola de Belas Artes/ UFMG Volume 2 - número 9 2009 CADERNO DE ENCENAÇÃO / publicação do Curso de Graduação em Teatro. - v. 2, n. 9 ( set.

Leia mais

Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus?

Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus? A ESSÊNCIA DE TUDO, O Que Significa Ser Feito à Imagem de Deus? Nº3 Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus? Em Gênesis 1:26 27 (ESV), a Bíblia diz: E disse Deus: Façamos

Leia mais

IMPRESSIONISMO. As figuras não devem ter contornos nítidos, pois a linha é uma abstração do ser humano para representar imagens.

IMPRESSIONISMO. As figuras não devem ter contornos nítidos, pois a linha é uma abstração do ser humano para representar imagens. IMPRESSIONISMO O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX. Havia algumas considerações gerais, muito mais

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Agradecimentos. Aos meus pais que se encontram em outra dimensão e que foram importantes nos meus ensinamentos;

Agradecimentos. Aos meus pais que se encontram em outra dimensão e que foram importantes nos meus ensinamentos; Índice 01 Índice; 02 Agradecimentos; 03 Senhor... 04 Sigmund Freud; 05 Para Tânia; 06 DEUS sobre todas as coisas; 07 Eu Conto Com Medo de Contar; 08 Um baile à fantasia; 13 Desorganização; 16 Caso inusitado;

Leia mais

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I ANEXO I QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I Desemho básico Desemho intermediário Desemho básico de observação Desenho de observação Fotografia

Leia mais

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR Expressionismo ALUNOS: EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR DEFINIÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Movimento heterogêneo

Leia mais

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Definição de Patrimônio l Patrimônio cultural é um conjunto de bens materiais e imateriais representativos da cultura de um grupo ou de uma sociedade. Problematização

Leia mais

Afinal, o que é patrimônio cultural?

Afinal, o que é patrimônio cultural? Afinal, o que é patrimônio cultural? http://www.youtube.com/watch?v=6afujb7cuq0&feature=relmfu São considerados patrimônio cultural : - os monumentos: obras arquitetônicas, esculturas ou pinturas monumentais,

Leia mais

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 01 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Afirmar a importância do estudo da história para a compreensão da Psicologia contemporânea. Destacar a relevância das forças

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Dados de identificação: Curso: Ensino Fundamental II Série: 6 Ano Professora: Denise dos Santos Silva Rocha Disciplina: Ensino Religioso Ano: 2016. Plano de curso 1-Objetivo

Leia mais

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS Planificação Anual / Mensal 2º ANO 2014/2015 Agrupamento PARA O de Escolas Piscinas - Olivais PLANIFICAÇÃO ANUAL / MENSAL DE PORTUGUÊS 2º ANO 1.º PERÍODO

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga De: Para: Assunto: Data: Geração Sem Medo Lobitos, Exploradores, Pioneiros, Caminheiros e Dirigentes ARAE 2015 Oportunidades Educativas 07/10/2015 Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga Oportunidades

Leia mais

PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES (MAGIA E RITUAL VENATÓRIO)

PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES (MAGIA E RITUAL VENATÓRIO) ARTE E RELIGIÃO Formas tão díspares como as pirâmides do Egito, as catedrais cristãs, as mesquitas muçulmanas ou as colossais imagens japonesas de Buda correspondem, em seu fundamento, à mesma inquietação

Leia mais

BAUMGARTEN E O BELO SCHILLER E O JOGO ESTÉTICO

BAUMGARTEN E O BELO SCHILLER E O JOGO ESTÉTICO COLÉGIO ESTADUAL YVONE PIMENTEL ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Sebastião Malucelli, 1312 CEP 81050-270 Fone/Fax:3246-3945/3248-6033/3346-4230 Curitiba Paraná BAUMGARTEN E O BELO Baumgarten define Estética,

Leia mais

Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano

Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Unidade: O Romantismo Inglês Poesia Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Contextualização Histórica O período romântico inglês dura cerca de 40 anos e foi influenciado: Pela Revolução Francesa;

Leia mais

A principal forma de organização da sociedade grega durante a Antiguidade é a Polis, cidade-estado que produzia todos os bens necessários à

A principal forma de organização da sociedade grega durante a Antiguidade é a Polis, cidade-estado que produzia todos os bens necessários à A principal forma de organização da sociedade grega durante a Antiguidade é a Polis, cidade-estado que produzia todos os bens necessários à subsistência do ser humano à época. Tinha autonomia política

Leia mais

A vida tem sentido? O que eu faço tem algum sentido? Qual o valor tudo o que eu fiz nesse ano? Qual o propósito de viver uma vida que não encontramos

A vida tem sentido? O que eu faço tem algum sentido? Qual o valor tudo o que eu fiz nesse ano? Qual o propósito de viver uma vida que não encontramos A vida tem sentido? O que eu faço tem algum sentido? Qual o valor tudo o que eu fiz nesse ano? Qual o propósito de viver uma vida que não encontramos significado? Se existe algum propósito na vida? Como

Leia mais

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo

OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. Resumo OFICINA: HISTÓRIA DA MATEMÁTICA Resumo Os grandes matemáticos surgiram antes e depois de Cristo, inventando novas fórmulas, soluções e cálculos. A inteligência do homem era algo tão magnífico, que a matemática

Leia mais

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I 4 MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I MINISTRADA PELO PROFESSOR MARCOS PEIXOTO MELLO GONÇALVES PARA A TURMA 1º T NO II SEMESTRE DE 2003, de 18/08/2003 a 24/11/2003 O Semestre

Leia mais

A coleção está organizada em cinco séries temáticas, por faixa etária:

A coleção está organizada em cinco séries temáticas, por faixa etária: Coleção GIRA MUNDO Educação Infantil Na coleção Gira Mundo o brincar, o cantar e o fazer artístico são os eixos que atuam como forma de expressão da cultura da infância. São os grandes articuladores do

Leia mais

Roteiro para Recuperação anual Filosofia 2014

Roteiro para Recuperação anual Filosofia 2014 CENTRO EDUCACIONAL JUSCELINO KUBITSCHEK 6º Ano Ensino Fundamental 5ª série (6º Ano): Unidade 3 do livro: O homem é a medida de todas as coisas O que é o homem? O homem é uma máquina que pensa. O homem

Leia mais

Seminário 1 O mundo de Sofia - Aristóteles

Seminário 1 O mundo de Sofia - Aristóteles Seminário 1 O mundo de Sofia - Aristóteles Leonardo Mendes Padilha Alex Campolina Marcelo Melo Flávio Gonçalves Jacqueline Pawlowsk Gerson Freitas Wellington Souza Fernanda Modesto Departamento de Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

A QUÍMICA DO AMOR. Aline Castelo Branco Educadora Sexual, jornalista e escritora. Pesquisadora do Nusex ( Unesp)

A QUÍMICA DO AMOR. Aline Castelo Branco Educadora Sexual, jornalista e escritora. Pesquisadora do Nusex ( Unesp) A QUÍMICA DO AMOR Aline Castelo Branco Educadora Sexual, jornalista e escritora. Pesquisadora do Nusex ( Unesp) SERÁ? ROLOU UMA QUÍMICA ENTRE NÓS! EXPLICAÇÃO CIENTÍFICA REAÇÕES DOS SENTIMENTOS O AMOR

Leia mais

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR Letícia Tadra do Carmo 105 Universidade

Leia mais

Cores na Inteface Gráfica

Cores na Inteface Gráfica Cores na Inteface Gráfica Ana Paula Costa Fabiano Gonçalves Maria Cristina Díez Renato Pantel Introdução O uso correto da cor, facilita a formação do modelo mental. O uso adequado da cor pode facilitar

Leia mais

UNESP 2013 (Questão 12)

UNESP 2013 (Questão 12) UNESP 2013 (Questão 12) Do lado oposto da caverna, Platão situa uma fogueira fonte da luz de onde se projetam as sombras e alguns homens que carregam objetos por cima de um muro, como num teatro de fantoches,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. 17031461 DISCIPLINA EVOLUÇÃO DAS ARTES VISUAIS I ETAPA 1 CH ANO 2009 CRÉDITOS

Leia mais

Aula 01 O conhecimento vivo

Aula 01 O conhecimento vivo Metodologia da Pesquisa Científica Aula 01 O conhecimento vivo Bloco 1 Dra. Rita Mazaro Na nossa vida diária utilizamos e convivemos com conhecimentos construídos ao longo da história por diferentes povos

Leia mais

Aula 4.1 Conteúdo: Arte Barroca Europeia Arte Barroca Brasileira Neoclássica Europeia e Brasileira. CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 4.1 Conteúdo: Arte Barroca Europeia Arte Barroca Brasileira Neoclássica Europeia e Brasileira. CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 4.1 Conteúdo: Arte Barroca Europeia Arte Barroca Brasileira Neoclássica Europeia e Brasileira. 1 Habilidades: Reconhecer características e produções artísticas dos períodos denominados: Barroca Europeia

Leia mais

Expressionismo abstrato. Clique para adicionar texto

Expressionismo abstrato. Clique para adicionar texto Expressionismo abstrato. Clique para adicionar texto Conceito Foi um movimento artístico com origem nos Estados Unidos da América, muito popular no pós-guerra. Ele foi o primeiro movimento especificamente

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES - 10.º ANO ANO LECTIVO DE 2010/2011

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES - 10.º ANO ANO LECTIVO DE 2010/2011 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES - 10.º ANO ANO LECTIVO DE 2010/2011 Módulos/Conteúdos Tronco Comum Módulo inicial Criatividade e Rupturas A Cultura, a Arte e a História; as artes

Leia mais

Módulo Inicial. Pedro Bandeira Simões Professor. Ano Letivo 2011/2012 HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES. 10º Ano Apresentação nº 1

Módulo Inicial. Pedro Bandeira Simões Professor. Ano Letivo 2011/2012 HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES. 10º Ano Apresentação nº 1 Ano Letivo 2011/2012 HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES Escola Secundária/3 Rainha Santa Isabel, Estremoz 10º Ano Apresentação nº 1 Módulo Inicial Pedro Bandeira Simões Professor Three Tales, Steve Reich

Leia mais

Pensamento e Sentimento

Pensamento e Sentimento Pensamento e Sentimento Pensar - Sentir - Fazer Espiritualidade e Evolução Amor-sabedoria Verdade -- Justiça A Conexão com a Consciência Superior Instr. Eliseu Mocitaíba da Costa Pensamento e Sentimento

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 1, Ano SOBRE A ARTE. Graça Castell

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 1, Ano SOBRE A ARTE. Graça Castell 72 SOBRE A ARTE Graça Castell graca.castell@bol.com.br Brasília-DF 2006 73 SOBRE A ARTE Resumo Graça Castell 1 graca.castell@bol.com.br Este é um pequeno comentário a respeito da Arte, seu significado,

Leia mais

PROGRAMA QPP - QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA LIVROS NAS CRECHES

PROGRAMA QPP - QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA LIVROS NAS CRECHES PROGRAMA QPP - QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Ana Paula Dias Torres Maria Lucia de A. Machado São Paulo dezembro 2015 1 LIVRO É OBJETO PORTADOR DE CULTURA Dentre os diversos instrumentos do homem, o livro

Leia mais

Sala: 4 meses aos 12 meses (Berçário) Educadora: Idalina Barros

Sala: 4 meses aos 12 meses (Berçário) Educadora: Idalina Barros Sala: 4 meses aos 12 meses (Berçário) Educadora: Idalina Barros CALENDARIZAÇÃO TEMAS/CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS SETEMBRO Adaptação Os primeiros grupos sociais Observar e explorar ativamente

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 4 Anos

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 4 Anos DGEstE Direção de Serviços da Região Norte Agrupamento de Escolas LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 Departamento da Educação Pré-Escolar Ano Letivo 2016/2017 Perfil de Aprendizagens Específicas,

Leia mais

Um Problema Emergente!

Um Problema Emergente! Um Problema Emergente! I. O crescente número de divórcios. Se não der certo.... Individualismo Hedonista Jesus respondeu: Moisés permitiu que vocês se divorciassem de suas mulheres por causa da dureza

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 7 - O EVANGELHO NO MUNDO ACADÊMICO E POLÍTICO Prof. Lucas Neto A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO O EVANGELHO DE CRISTO NA ACADEMIA E NA POLÍTICA A evangelização cristã no meio acadêmico e político é

Leia mais

Arte Alvaro Roteiro de estudos 2º/ /08/2016 Capítulos:

Arte Alvaro Roteiro de estudos 2º/ /08/2016 Capítulos: Nome Nº Ano Ensino Turma 9 o Fund. II Disciplina Professor Natureza Trimestre/Ano Data Arte Alvaro Roteiro de estudos 2º/2016 03/08/2016 Capítulos: 4 - A Arte na Hélade Grécia Antiga 5 - A Arte na Roma

Leia mais

ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA

ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia- Corpo, movimento e linguagem na era da informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 2.2 Conteúdos Cores

Leia mais

O HOMEM AGENTE CULTURAL

O HOMEM AGENTE CULTURAL CAPÍTULO 10 O HOMEM AGENTE CULTURAL Fonte: www.afam.com.br/img/jpg/livros-cultural.jpg "O homo culturalis representa a dimensão cultural do próprio homem em sua produção geral, ou seja, a cultura implica

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr.

ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com PLOTINO A BELEZA FÍSICA É UMA IMAGEM QUE POSSIBILITA AO HOMEM PRESSENTIR A BELEZA DA ALMA, A QUAL, EM

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: modernismo - joão cabral de melo neto Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: modernismo - joão cabral de melo neto Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: modernismo - joão cabral de melo neto Prof. IBIRÁ Literatura A POESIA DE 1945 JOÃO CABRAL DE MELO NETO (1920-1999) Obras: Pedra do sono (1942),O Engenheiro (1945), Psicologia

Leia mais

Ponderação dos domínios por disciplina

Ponderação dos domínios por disciplina Critérios de Avaliação - 1º ciclo Domínio Instrumentos de avaliação Peso % Cognitivo Trabalhos individuais e de grupo 15% Participação e intervenção 15% Fichas de avaliação 50 % Socioafetivo Registos 20%

Leia mais

Corpo e Emoções: Uma Resenha

Corpo e Emoções: Uma Resenha Corpo e Emoções: Uma Resenha LE BRETON, David, 2009. As Paixões Ordinárias: Antropologia das Emoções. Petrópolis, Vozes. David Le Breton possui doutorado em Antropologia e é professor na Universidade de

Leia mais

o som das cartas A morte deixou um vazio inexplicavelmente cheio de sua presença, ele a vê em tudo, até quando se olha no espelho.

o som das cartas A morte deixou um vazio inexplicavelmente cheio de sua presença, ele a vê em tudo, até quando se olha no espelho. A morte deixou um vazio inexplicavelmente cheio de sua presença, ele a vê em tudo, até quando se olha no espelho. Sinopse: conta a história de um homem que tornou-se prisioneiro de suas lembranças após

Leia mais

1 EU - PESSOA. Meu corpo muda e se constrói minha identidade. Na construção do amor

1 EU - PESSOA. Meu corpo muda e se constrói minha identidade. Na construção do amor Meu corpo muda e se constrói minha identidade Quando eu era criança, falava como uma criança ( ) Quando me tornei um homem, terminei com as coisas de criança. 1 Cor 13,11 1 Quando eu era criança, falava

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

CUBISMO ANALÍTICO E SINTÉTICO

CUBISMO ANALÍTICO E SINTÉTICO CUBISMO ANALÍTICO E SINTÉTICO O Cubismo Surgiu no século XX, sendo que o marco inicial foi em 1907 com a obra Les Demoiselles d Avignon de Picasso. Principais fundadores foram Pablo Picasso e Georges Braque,

Leia mais

E nós conhecemos, e cremos no amor de Deus que nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. I João 4:16

E nós conhecemos, e cremos no amor de Deus que nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. I João 4:16 E nós conhecemos, e cremos no amor de Deus que nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. I João 4:16 INTRODUÇÃO A pregação do Amor de Deus, por ser a primeira em uma série de

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: pintura - tarsila do amaral Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: pintura - tarsila do amaral Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: pintura - tarsila do amaral Prof. IBIRÁ Literatura TARSILA DO AMARAL Introdução Tarsila do Amaral foi uma das mais importantes pintoras brasileiras do movimento modernista.

Leia mais

ARTE: Conceito, Origem e Função

ARTE: Conceito, Origem e Função ARTE: Conceito, Origem e Função Irama Sonary de Oliveira Ferreira Lívia Freire de Oliveira INTRODUÇÃO Arte é conhecimento, e partindo deste princípio, pode-se dizer que é uma das primeiras manifestações

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

Amor & Sociologia Cultural - Oswaldo Montenegro & Raul Seixas

Amor & Sociologia Cultural - Oswaldo Montenegro & Raul Seixas Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Sociologia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Amor & Sociologia

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos DGEstE Direção de Serviços da Região Norte Agrupamento de Escolas LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 Departamento da Educação Pré-Escolar Ano Letivo 2016/2017 Perfil de Aprendizagens Específicas,

Leia mais

PÓS-MODERNISMO E CONTEMPORANEIDADE

PÓS-MODERNISMO E CONTEMPORANEIDADE PÓS-MODERNISMO E CONTEMPORANEIDADE SÉC. XX - XXI História da Arte Profª Natalia Pieroni PÓS-MODERNISMO - Produção artística a partir dos anos 60 (pós movimento modernista), caracterizada pelas inquietações

Leia mais

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas Mensagem Fernando Pessoa Análise de poemas é o último poema da segunda parte de Mensagem: Mar Português ( Possessio Maris ); Os poemas anteriores exaltam a História de Portugal: Portugal feito ser ; A

Leia mais

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI INÍCIO NA INGLATERRA E NA ALEMANHA ATÉ METADE DO SÉC. XIX; DISPUTAS DE PODER, FIM DA NOBREZA E ARISTOCRACIA; LITERATURA PARA A BURGUESIA E VISTA COMO ENTRETENIMENTO.

Leia mais

Pela beleza que há no amor e na pureza da inspiração que não morre, e que adormece dentro de cada um, despertada no som do silêncio.

Pela beleza que há no amor e na pureza da inspiração que não morre, e que adormece dentro de cada um, despertada no som do silêncio. Pela beleza que há no amor e na pureza da inspiração que não morre, e que adormece dentro de cada um, despertada no som do silêncio. Que esta passagem por aqui seja alicerçada na harmonia da afeição natural

Leia mais

1. Verificar a Validade de silogismos: - Em cada caso identifique os termos, as figuras e os modos.

1. Verificar a Validade de silogismos: - Em cada caso identifique os termos, as figuras e os modos. 1 Exercícios de Lógica: 1. Verificar a Validade de silogismos: - Em cada caso identifique os termos, as figuras e os modos. 1.a Nenhum palhaço é feliz Alguns comediantes não são felizes Alguns comediantes

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

OS 33 GRAUS.. DA CARBONÁRIA FILOSÓFICA

OS 33 GRAUS.. DA CARBONÁRIA FILOSÓFICA OS 33 GRAUS.. DA CARBONÁRIA FILOSÓFICA O aprendizado Carbonário está dividido por etapas. Cada etapa é desenvolvida numa Câmara própria, com seus respectivos graus. São elas: Vendas Simbólicas (do 1º ao

Leia mais

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos.

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos. Aos Poetas Venho prestar homenagem a uma grande nação, Que são os nossos poetas que escrevem com dedicação, Os poemas mais lindos e que por todos são bemvindos, Que vem trazer esperança a um povo tristonho,

Leia mais

Cultura Moçambicana: Fonte da nossa auto-estima, da consolidação da Unidade Nacional e da promoção do nosso bem-estar 1

Cultura Moçambicana: Fonte da nossa auto-estima, da consolidação da Unidade Nacional e da promoção do nosso bem-estar 1 Cultura Moçambicana: Fonte da nossa auto-estima, da consolidação da Unidade Nacional e da promoção do nosso bem-estar 1 O desfile que acabámos de assistir e a alegria, energia e cor que vimos estampadas

Leia mais

Filosofia da Arte Aula 01. Introdução à compreensão da arte e sua história. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr.

Filosofia da Arte Aula 01. Introdução à compreensão da arte e sua história. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. Filosofia da Arte Aula 01 Introdução à compreensão da arte e sua história Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com Trivium (Gramática, a Retórica e a Lógica/Dialética) Quadrivium (Música,

Leia mais

MATERIAIS EDUCATIVOS MAR MUSEU DE ARTE DO RIO

MATERIAIS EDUCATIVOS MAR MUSEU DE ARTE DO RIO MATERIAIS EDUCATIVOS MAR MUSEU DE ARTE DO RIO Livros do aluno Escola do olhar Rio de imagens uma paisagem em construção A apresentação de paisagens do Rio de Janeiro em diferentes épocas, representadas

Leia mais

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon A estética de Hegel Antonio Rodrigues Belon A necessidade universal da arte é, pois, a necessidade racional que o ser humano tem de elevar a uma consciência espiritual o mundo interior e exterior, como

Leia mais

ESCREVA BEM E INSPIRE PESSOAS. 5 dicas de redação para mudar a imagem do seu clube + dica de ouro

ESCREVA BEM E INSPIRE PESSOAS. 5 dicas de redação para mudar a imagem do seu clube + dica de ouro ESCREVA BEM E INSPIRE PESSOAS 5 dicas de redação para mudar a imagem do seu clube + dica de ouro Você conhece o poder de uma boa redação? No Brasil, cerca de 57% da população não entende bem como funciona,

Leia mais

GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MÓDULO 2/MATUTINO PROJETO INTEGRADOR PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS

GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MÓDULO 2/MATUTINO PROJETO INTEGRADOR PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS 1- Tela principal do Projeto de Software (MONSTROS DO ROCK): 2-Tela principal chamando a tela Cadastro de Clientes 3-Tela principal chamando tela Cadastro de Fornecedores 4- Tela principal chamando tela

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina Processos Psicológicos Básicos Professor(es) Paulo Sérgio Boggio DRT 112311-5 Claudio Bastidas Martinez

Leia mais

O começo da história

O começo da história O começo da história Fotografia: Anastácia de Moura Leonardo Koury Martins O começo da história Todos nós temos um começo, um início, uma primeira vez. O importante é que desde este primeiro passo, possamos

Leia mais

Expressionismo e Arte Pop

Expressionismo e Arte Pop Courtauld Institute Galleries, London Expressionismo e Arte Pop Índice Expressionismo Arte Pop Autorretrato com Orelha Cortada, de Vincent Van Gogh (1889). Óleo sobre tela, 60,5 x 50 cm. Courtauld Institute

Leia mais