PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE REDES WIRELESS EM DISTÂNCIAS DE 10 KM, 20KM E 50 KM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE REDES WIRELESS EM DISTÂNCIAS DE 10 KM, 20KM E 50 KM"

Transcrição

1 1 FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE REDES WIRELESS EM DISTÂNCIAS DE 10 KM, 20KM E 50 KM Acadêmico: JOÃO MOISÉS OLIVEIRA FIGUEREDO Orientador: CLEVERTON MARLON POSSANI BALSAS MA 2013

2 2 FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE REDES WIRELESS EM DISTÂNCIAS DE 10 KM, 20KM E 50 KM Por João Moises Oliveira Figueredo Trabalho de conclusão de curso II apresentado como exigência para obtenção do título de Bacharel no Curso de Sistemas de Informação à Faculdade de Balsas, sob orientação do Prof. Me. Cleverton Marlon Possani. BALSAS MA 2013

3 3 RESUMO A comunicação sem fio é uma tecnologia que faz parte do nosso dia a dia, tendo como principal ganho a mobilidade e redução de infraestrutura física, no entanto, algumas dessas tecnologias Wireless ainda são restritas a pequenas distâncias e velocidade limitada. Este projeto tem por objetivo desenvolver simulações com o objetivo de atingir as variáveis que podem influenciar em uma rede wireless de longa distância. Serão utilizadas pesquisas bibliográficas, análises de desempenho de equipamentos, condições climáticas regionais, relevo e com suporte do software Rádio Motion for Windows Freeware em uma área entre as cidades de Balsas - MA e Riachão - MA em distâncias de comunicação de 10 km, 20 km e 50 km. Ao término pretende-se identificar pontos de repetição, altura das torres, custos financeiros e outras condições que influenciam no resultado da pesquisa.

4 4 ABSTRACT Wireless communication is a technology that is part of our daily lives, having as main-pal gain mobility and reduction of physical infrastructure, however, some of these wireless technologies are still restricted to small distances and limited speed. This project aims to develop simulations with the goal of reaching the variables that can influ-ence on a wireless WAN. Literature searches, analysis of equipment performance, regional climate, topography and supported by Radio Motion Freeware software for Windows will be used in an area between the cities of Balsas - and Riachão MA - MA in communication distances of 10 km, 20 km and 50 km. At the end we intend to identify points of repetition, height of the towers, and financial costs, or other conditions that influence the search result.

5 5 LISTA DE FIGURAS FIGURA1: PADRÃO IEEE FIGURA2: PADRÃO IEEE MODELO OSI FIGURA3: PADRÃO IEEE MODELO TCP/IP FIGURA4: MÉTODO FHSS FIGURA5: MÉTODO DSSS FIGURA6: MÉTODO DSSS FIGURA7: REPRESENTAÇÃO DAS DISTÂNCIAS FIGURA8: FIGURA DO CENTRO DE BALSAS - MA (GOOGLE EARTH) FIGURA9: FIGURA DO CENTRO DE RIACHÃO - MA (GOOGLE EARTH) FIGUR10: DISTÂNCIA ENTRE BALSAS E RIACHÃO (GOOGLE EARTH) FIGURA11: SOFTWARE RÁDIO MOBILE BOTÃO ABRIR MAPA FIGURA12: SOFTWARE RÁDIO MOBILE PROPRIEDADE DO MAPA FIGURA13: SOFTWARE RÁDIO MOBILE COORDENADAS FIGURA14: SOFTWARE RÁDIO MOBILE CENTRO DO MAPA FIGURA15: SOFTWARE RÁDIO MOBILE ESCALA MAPA ELEVAÇÃO FIGURA16: SOFTWARE RÁDIO MOBILE ESCALA MAPA ELEVAÇÃO FIGURA17: SOFTWARE RÁDIO MOBILE PROPRIEDADES DA REDE FIGURA18: SOFTWARE RÁDIO MOBILE PROPRIEDADES DA REDE FIGURA19: SOFTWARE RÁDIO MOBILE LISTA DE ESTAÇÕES FIGURA20: ENLACE ENTRA BALSAS E RIACHÃO FIGURA21: ENLACE ENTRA BALSAS E RIACHÃO FIGURA20: ENLACE ENTRA BALSAS E RIACHÃO FIGURA21: ENLACE ENTRE BALSAS, RIO COCO (REPETIDORA) E RIACHÃO FIGURA22: SOFTWARE RÁDIO MOBILE COORDENADAS RIO COCO FIGURA23: SOFTWARE RÁDIO MOBILE COORDENADAS RIO COCO FIGURA24: CONFIGURAÇÃO ESTAÇÃO RIO COCO FIGURA25: RÁDIO MOBILE ENLACE ENTRE BALSAS E RIO COCO FIGURA26: RÁDIO MOBILE ENLACE ENTRE BALSAS E RIO COCO FIGURA27: RÁDIO MOBILE ENLACE ENTRE RIO COCO E RIACHÃO FIGURA28: GOOGLE EARTH AEROPORTO DE BALSAS MA FIGURA29: GOOGLE EARTH PADRINHO AÉREO AGRÍCOLA LTDA... 48

6 6 FIGURA30: RÁDIO MOBILE ENLACE ENTRE AEROPORTO DE BALSAS E PADRI- NHO AÉREO AGRÍCOLA LTDA FIGURA31: RÁDIO UBIQUITI ROCKET M FIGURA32: RÁDIO INTELBRÁS O PTP 5-23 MIMO PRO FIGURA33: RÁDIO MOTOROLA CANOPY PTP FIGURA34: BANDA PASSANTE EM ENLACE DE 50KM... 53

7 7 LISTA DE TABELAS TALELA 1 TRANSMISSÃO IEEE A TALELA 2 TRANSMISSÃO IEEE N TALELA 3 COMPARATIVO ENTRE EQUIPAMENTOS TALELA 4 INVESTIMENTOS TALELA 5 CENARIO EM UM ENLACE DE 50KM... 54

8 8 GLOSSÁRIO Wireless (rede sem fio, também chamada de Wi-fi). UTP ((Unshilded Twisted Par) IEEE (Institute of Electrical and Electronic Engineers) MHz (Megahertz) GHz (Gigahertz) Spread Spectrum (técnica de codificação para a transmissão digital de sinais) OSI (Open System Interconection) LCC (Controle de Link Logico) MAC (Controle de Acesso ao Meio) ACK (acknowledge) CSMA/CA (Carrier Sense Multiple Access with Collision Avoidance) FHSS (Frequency Hopping Spread Spectrum) FH-CDMA (Frequency Hopping Code Division Multiple Access) DSSS (Direct Sequence Spread Spectrum) OFDM (Ortogonal Frequency-Division Multiplexing) Mbps (Megabits por segundo) CCK (Complementary Code Keying) PSK (Phase Shift Keying) PHY (é uma abreviatura para a camada física do modelo OSI) µs (Microssegundo) Throughput (Taxa de transferência) mw (Megawatt) BPS (Binary Phase Shift Keying) QAM (Quadrature Amplitude Modulation) 64-QAM (64-bit Quadrature Amplitude Modulation) QPSK (Quadrature Phase Shift Keying) BPSK (Binary Phase Shift Keying)

9 9 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Metodologia REVISÃO BIBLIOGRÁFICA WIRELESS OU WI-FI Controle do Link Lógico (LLC, IEEE 802.2) Controle de Acesso ao Meio (MAC, IEEE ) Camada Física MÉTODOS DE TRANSMISSÃO FHSS (Frequency Hopping Spread Spectrum) DSSS (Direct Sequence Spread Spectrum) OFDM (Ortogonal Frequency-Division Multiplexing) PROTOCOLOS IEEE IEEE b IEEE a IEEE g IEEE n Alcance ANTENAS DESENVOLVIMENTO Distância entre os pontos remotos Levantamento das condições de relevo entre os pontos Levantamento da altura das antenas Torres de comunicação Levantamento dos equipamentos adequados para a distância Rádio Ubiquiti Rocket M Rádio Intelbrás O PTP 5-23 MiMo Pro com antena integrada de 23 dbi... 50

10 Rádio Motorola Canopy PTP Realização de simulações no ambiente, demonstração do enlace e comparativo entre equipamentos Investimentos Investimentos em um cenário com um enlace de 50 km CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 56

11 11 1. INTRODUCÃO Atualmente na área das telecomunicações ou redes sem fio de longa distância há cada vez mais a necessidade de se obter meios e maneiras eficientes de comunicação entre dois ou mais equipamentos. Desta forma, com o passar do tempo, muitas são as soluções desenvolvidas para agilizar esse processo e torná-lo economicamente viável, de forma mais recente estudos são feitos para se estabelecer essa comunicação a distâncias cada vez maiores, em algumas tecnologias utilizadas atualmente já é possível criar um enlace de dados de alta velocidade de até 200km com visada direta. Muitos meios de comunicações sem fio (Wireless) já foram e continuam sendo desenvolvidos, e o mais utilizado deles ainda é a transmissão de dados via cabo, sejam eles, cabos de rede (UTP) ou fibra ótica. Porém o uso de uma estrutura cabeada está dissipando-se cada vez mais devido à grande mão de obra necessária e também evidente necessidade de grandes distâncias a serem cobertas. As novas tecnologias de comunicação de dados sem fio têm desenhado um novo padrão para as comunicações em redes, tanto para aplicações individuais como as corporativas. É cada vez maior a convergência entre as novas tecnologias sem fio e os padrões de comunicação móvel em banda larga, favorecendo a interconexão dos mais diferentes tipos de dispositivos. Com relação aos padrões de comunicação Wireless o mais popular é o , esse possui muitas variações que são atualizações, novos recursos descobertos e com isso novos equipamentos foram desenvolvidos com maior capacidade de transmissão e alcance. Este é o padrão escolhido para realização deste trabalho. Basicamente as tecnologias Wireless são compostas por uma rede de antenas que irradia um sinal e os equipamentos, estas conseguem transmitir dados em alta velocidades que varia de acordo com a capacidade da tecnologia utilizada, nos capítulos a seguir veremos quais são essas tecnologias, quais equipamentos e mecanismos utilizados para atingir essa comunicação. Visada direta Termo que se utiliza quando não há obstáculos entre equipamentos que precisam se comunicar.

12 JUSTIFICATIVA A região sul do estado do Maranhão é desprovida de comunicação de qualidade. Desta forma surge a necessidade de estudos nessa área para melhorar e/ou ampliar o sistema de comunicação local. Este trabalho pode contribuir na tomada de decisão para implantação de um canal de comunicação sem fio de longa distância. Empresas como o Grupo Dharma Radiocomunicação (Maior Revenda Premium Motorola da América Latida) fazem esse estudo, no entanto, o alto custo de um projeto elaborado por essa empresa certamente tornaria inviável a implantação. Com o desenvolvimento desse trabalho pretende-se apresentar soluções técnicas e comerciais para a implementação de enlace entre dois pontos remotos em distâncias de 10km, 20km e 50 km. Em nossa região muitas fazendas podem ser beneficiadas com esse projeto, por exemplo, um pequeno agricultor que tem sua lavoura a uma distância de 20 km da cidade e pretende colocar internet em um escritório na própria lavoura, ele pode contratar uma internet na cidade e leva-la até a lavoura (fazenda, chácara) utilizando os princípios desse estudo.

13 OBJETIVOS Objetivo Geral: realizar análises da viabilidade técnica, de custos e implantação de uma rede sem fio entre a cidade de Balsas MA e a cidade de Riachão - MA Objetivos Específicos: a) Levantamento da distância entre os pontos remotos; b) Levantamento das condição do relevo entre os pontos (Se é plano, se tem visibilidade direta, se tem morros, rios); c) Levantamento da altura das antenas (Torres de comunicação); d) Levantamento dos equipamentos adequados para a distância, levando em consideração o custo benefício (Rádios, Antenas, Conectores); e) Levantamento / análises e testes para determinar a frequência (GHz) a ser utilizada; f) Realização de simulações no ambiente, demonstração do enlace e comparativo entre equipamentos.

14 METODOLOGIA A metodologia utilizada será através de pesquisas bibliográficas nos livros do Gabriel Torres, Andrew Tannenbaum, Simon Haykin, Michael Moher e com o auxílio do software de Propagação de Rádio e Mapeamento Virtual Radio Mobile for Windows Freeware, que servirá de apoio para fazer as devidas análises no ambiente onde será feita a instalação do link de dados ponto a ponto. Para atingir esses resultados devemos inserir todas as variáveis, sejam elas de ambiente ou equipamentos no software Rádio Mobile for Windows e com esse software podemos chegar aos resultados recomendados para conseguir atingir as taxas de transferências desejadas. Variáveis de ambiente a ser analisada: o mapa real da região se é cidade ou floresta com as coordenadas geográficas, refratividade da superfície, condutividade do solo (S/m), Permissividade média do solo, clima (equatorial, subtropical continental, subtropical marítimo, deserto, temperado continental, temperado marítimo sobre a terra e temperado marítimo sobre o mar). As variáveis de equipamentos que serão analisadas: frequência, polarização, modo estático, topologia, altura da antena, tipo de antena, direção da antena, azimute, ângulo de elevação, ganho da antena (dbi), modo de propagação de sinal, potência de transmissão (watt), limiar do receptor (µv), perda de linha (db) e perda de cabo adicional (db/m). Para fazer as análises será necessário realizar a coleta das variáveis, algumas delas podemos seguir padrões já definidos, as informações do clima, por exemplo, estão disponíveis do site do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), e inserir no software Rádio Motion, depois de coletadas e inseridas todas essas informações já será possível visualizarmos os cenários ideais para implantação e também será necessário fazer uma gestão das informações apresentadas via software, as expectativas a serem alcançadas com a execução do projeto e o que se pretende investir no enlace de dados.

15 15 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Neste capitulo serão abordados os conceitos necessários para desenvolvimento do trabalho de acordo com principais autores de livros sobre o assunto e também outros informações relacionados ao tema proposto. A Revisão Bibliográfica será apresentada da seguinte forma: Definições de Wireless, Métodos de transmissão de dados (FHSS, DSSS, OFDM), Protocolos (802.11, a, b, g e n), Alcance e Antenas. 2.1 WIRELESS OU WI-FI Existem várias tecnologias para montar uma rede sem fio, sendo o padrão IEEE o mais popular. Este padrão também é conhecido como Wi-fi, mas é importante saber que Wi-fi e IEEE não são a mesma coisa. Wi-fi é uma marca registrada da Aliança Wi-fi, um grupo formado por diversos fabricantes. Para um equipamento ter o direito de ser chamado de Wi-fi ele tem que ter passado pelo processo de certificação deste grupo. Sendo assim, todo equipamento Wi-fi é IEEE , mas nem todo equipamento IEEE é Wi-fi. No mundo Macintosh a arquitetura IEEE é também chama de AirPort. Deixando-se esta questão de nomenclaturas de lado, na prática todos acabam usando os termos Wifi, IEEE , Sem fio e Wireless como sinônimos (TORRES, 2009). O padrão IEEE é usado para modelagem de redes locais sem fio, usando transmissão por ondas de rádio (RF, Radiofrequência). A taxa de transferência e o alcance dependem do padrão usado na camada física de rede (IEEE b, IEEE g, IEEE n etc.), do ambiente e do tipo de ante usado. Esse é o propósito do nosso estudo, são vários padrões cada um deles com suas especificações, é preciso termos conhecimento de todos os padrões para que consigamos montar a melhor projeto para cada cenário. Continuemos entendendo os conceitos que são imprescindíveis para o domínio da tecnologia. Esse padrão opera nas camadas um e dois do modelo OSI e, portanto, responsável por pegar os pacotes de dados passados pelo protocolo de alto nível usado, dividi-los em quadros e transmiti-los via ondas de rádio. Observe na representação abaixo.

16 16 LIND DE DADOS FÍSICA CONTROLE DO LINK LOGICO (LLC) IEEE CONTROLE DE ACESSO AO MEIO (MAC) IEEE FÍSICA IEEE b, IEEE n, ETC. Figura1: Padrão IEEE (TORRES, 2009). Vejamos uma representação mais realista unindo arquitetura no padrão IEEE como o do modelo OSI APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE CONTROLE DO LINK LÓGICO (LLC) IEEE OSI CONTROLE DE ACESSO AO MEIO (MAC) IEEE FÍSICA IEEE b, IEEE n, ETC. WI-FI ) (IEEE Figura2: Padrão IEEE modelo OSI (TORRES, 2009).

17 17 Outra representação mais real é representada abaixo onde mostramos o modelo em camadas de uma rede Wi-fi usando a pilha de protocolos TCP/IP, que é o cenário mais comum. APLICAÇÃO TRANSPORTE TCP/IP REDE CONTROLE DO LINK LÓGICO (LLC) IEEE CONTROLE DE ACESSO AO MEIO (MAC) IEEE FÍSICA IEEE b, IEEE n, ETC. Figura3: Padrão IEEE modelo TCP/IP (TORRES, 2009). WI-FI ) (IEEE Controle do Link Lógico (LLC, IEEE 802.2) Nessa camada inclui as informações do protocolo de alto nível (isto é, operando na camada 3 do modelo OSI) que entregou o pacote de dados a ser transmitido. Com isso, a máquina receptora tem como saber para qual protocolo de alto nível ela deve entregar os dados de um quadro que ela acabou de receber. Esta camada é exatamente a mesma usada na arquitetura Ethernet Controle de Acesso ao Meio (MAC, IEEE ) Apesar do nome similar ao usado por redes Ethernet Controle de Acesso ao Meio ou MAC -, esta camada opera de maneira diferente da camada de mesmo nome usada por outras arquiteturas. O papel é o mesmo gerar o quadro de dados que será transmitido pelo meio físico (no caso de redes wireless, o ar), porém o padrão IEEE difere do IEEE (Ethernet) na maneira com que ele verifica se o meio está disponível para a transmissão. Além de dividir o pacote de dados em quadros e verificar se o meio está disponível para transmissão, em redes IEEE , a camada de Controle de Acesso ao Meio desempenha outras funções. Ela conforme se os dados foram recebidos corretamente, enviando um quadro chamado de acknowledge (ACK) de volta ao transmissor (fazendo com que as redes IEEE

18 sejam confiáveis, ou seja, orientadas à conexão) e também criptografa os dados, caso a criptografia esteja habilitada. A maior similaridade desta camada com a camada de mesmo nome usada na arquitetura Ethernet é o sistema de endereçamento físico (endereçamento MAC). O padrão IEEE utiliza um esquema de transmissão chamado CSMA/CA (Carrier Sense Multiple Access with Collision Avoidance). Nesse esquema, uma estação querendo transmitir dados primeiro escuta o meio (o ar) para ver se não há nenhuma outra comunicação em progresso. Se ninguém estiver usando o canal, a estação inicia a sua transmissão. Caso o canal esteja sendo usado, a estação espera um período de tempo aleatório até testar novamente se o canal está disponível, esse conteúdo de meio de transmissão e acesso a meio nos foi passado na disciplina de Administração e Gerencia de Redes ministrada pelo professor Cleverton Marlon Possani no semestre (6 período), além do CSMA/CA existem outros, mas vamos nos limitar a nos aprofundarmos nesse que faz parte do nosso objeto de estudo e pesquisa. Em teoria só há um único momento onde colisões podem ocorrer, isso acontece quando duas estações percebam, exatamente no mesmo tempo, que o canal está livre e tentam transmitir dados exatamente ao mesmo tempo Camada Física Esta camada é responsável por pegar o quadro de dados gerado na camada anterior (MAC) e transmiti-la via onda de rádio. A maneira com que isto é feito varia de acordo com o protocolo usado nesta camada, tais como IEEE a, IEEE b, IEEE g e IEEE n. Esses protocolos não só especificam a taxa de transferência máxima da conexão, mas também como exatamente os dados serão modulados e transmitidos via onda de rádio. Para uma correta compreensão de como esses protocolos funcionam, precisamos primeiro estudar as técnicas mais comuns para transmissão de dados através do espectro eletromagnético para podemos nos aprofundar nos padrões citados, no nosso caso especifico o padrão IEEE n que é o que nos permite transmitir dados a distancias mais longas e com altas taxas de transferências, mas para conseguimos implementar um enlace com todas essas características e principalmente extrair do máximo dos equipamentos que trabalham nesse padrão.

19 19 Redes Wi-fi usam sinais de rádio para se comunicarem e, portanto, precisam usar um frequência de transmissão, exatamente como acontece com estações de rádio comerciais. Duas faixas de frequência do espectro eletromagnético podem ser usadas: a faixa de 2,4 GHz e a faixa de 5 GHz. Essas duas faixas de frequência não necessitam de autorização ou licença para uso e por esse motivo foram escolhidas (rádios comerciais e estações de TV, por exemplo, necessitam de licença para transmissão, por transmitirem em uma faixa de frequência onde esse procedimento é necessário (TORRES, 2009). Como essas frequência são livres podem ser utilizadas sem a necessidade de autorização junto a qualquer órgão regulamentador, fez com o passar do tempo com que essas frequências ficassem poluídas e gerando interferências e isso compromete a transmissão de dados, reitero que pretendemos apresentar com o projeto meios para que, mesmo em locais com poluição de frequências é possível otimizar ao máximo o ganho dos equipamentos. 2.2 MÉTODOS DE TRANSMISSÃO Neste capitulo abordamos os conceitos e como é o funcionamento dos seguintes métodos de transmissão: FHSS (Frequency Hopping Spread Spectrum), DSSS (Direct Sequence Spread Spectrum) e OFDM (Ortogonal Frequency-Division Multiplexing) FHSS (Frequency Hopping Spread Spectrum) Esse método de transmissão, também chamado de FH-CDMA (Frequency Hopping Code Division Multiple Access), pega uma faixa de frequência e divide em vários canais. No caso do padrão IEEE a faixa disponível de MHz a MHz ( 2,4 GHZ ) é dividia em 96 canais de 1MHz cada (numerados de zero a 95). Desses canais, somente os canais de dois a 79 podem ser usados (2.402 MHz a MHz), e com isso temos 78 canais disponíveis. TORRES, 2009, afirma que em muitos livros e sites na internet informam que há 79 canais disponíveis, porém os mesmos cometem um equívoco de esquecer-se de descontar os canais que não podem ser usados.

20 20 De tempos em tempos o canal usado é alterado automaticamente, só que não de maneira sequencial (canal 1, canal 2, canal 3 etc.), mas sim de uma maneira aleatória. Assim podemos transmitir e receber dados, os dispositivos de rede necessitam saber a sequência exata dos canais a serem usados. Com isso, esse sistema oferece por si só uma segunda que no sistema de rádio usando um frequência só não há. Vamos fazer uma representação abaixo (figura 5) e darmos um exemplo para melhor compreensão do assunto. Nesse exemplo hipotético dividimos o espectro disponível em seis canais e o transmissor muda de tempos em tempos a frequência na qual ela está transmitindo. Nesse exemplo específico, os dados começaram a ser transmitidos no canal 4, depois passaram a ser transmitidos no canal 6, em seguida no canal 1 e assim por diante. Para conseguir capturar os dados sendo transmitidos corretamente, o receptor precisa saber a sequência usada. Como comentamos anteriormente, em redes IEEE usando esta técnica 78 canais são usados. Cada canal é usado por no máximo 400 ms. Frequência F6 (Canal 6) F5 (Canal 5) F4 (Canal 4) F3 (Canal 3) F2 (Canal 2) Tempo F1 (Canal 1) Figura4: Método FHSS (TORRES, 2009). Tempo Uma vantagem desse sistema é que várias redes operando por onda de rádio podem coexistir usando a mesma faixa de frequência na mesma região sem gerarem interferência de rádio entre elas. Normalmente, quando há dois sistemas de transmissão de rádio operando na mesma faixa de frequência dentro de uma mesma região de alcance, eles não funcionam corretamente, já que o sistema interferirá no outro, como mencionamos anteriormente sobre a poluição existente hoje, o índice é bem maior nas grandes cidades. Quando usamos a tecnologia FHSS, caso haja interferência, os sistema terão problemas de estar usando o mesmo canal somente durante no máximo 400 milissegundos. Como a

21 21 troca de canais é feita aleatoriamente, possivelmente o próximo canal usando pelos sistemas será diferente, eliminando o conflito. Em uma área que tenha dois sistemas FHSS operando, as chances de conflito de canal são de 1:78 (1,28%), já que existem 78 canais disponíveis. De fato probabilidade está correta, no entanto, sabemos que em regiões povoadas por dispositivos Wi-fi não existem somente 2 sistemas operando no mesmo canal, são inúmeros. A tecnologia FHSS, por causa das frequentes alternâncias de canal e por conta do tamanho do canal de penas 1 MHz, é bem mais lenta que a tecnologia DSSS que veremos a seguir, e por esse motivo atualmente não é mais usada. A tecnologia FHSS pode operar a taxas de transferências máximas teóricas de apenas 1 ou 2 Mbps DSSS (Direct Sequence Spread Spectrum) A tecnologia DSSS funciona de maneira diferente. Nela a faixa de frequência requerida para a transmissão dos dados é aumentada. Na parte superior da figura 5 nós podemos observar como os dados poderiam ser transmitidos, usando-se uma faixa de frequência pequena. No entanto, os dados são alterados para que sejam transmitidos usando-se uma faixa de frequência mais larga, como é mostrado na parte inferior da ilustração. Amplitude SINAL ORIGINAL Frequência SINAL TRANSMITIDO Amplitude Figura5: Método DSSS (TORRES, 2009). Frequência

22 22 A utilização de uma faixa de frequência maior traz duas vantagens básicas. Primeiro, o transmissor pode usar uma potência de transmissão menor (quanto mais espalhada a faixa de frequência for, menos potência de transmissão é requerida) repare como a amplitude ( altura ) do sinal transmitido é menor do que a amplitude do sinal caso ele fosse transmitido usando uma faixa de frequência mais estreita. Segundo, os dados ficam mais protegidos contra interferências. Esta característica merece uma explicação mais aprofundada. Fontes de interferência normalmente atacam somente uma parte restrita do espectro de frequência, ou seja, elas funcionam como o sinal superior da figura 5. Vejamos abaixo na figura 6. Amplitude RUIDO SINAL ESPALHADO Frequência Amplitude SINAL CORRESPONDENTE RUIDO Figura6: Método DSSS (TORRES, 2009). Frequência Como o receptor do sinal está sintonizado para receber um sinal espalhado no espectro, ou seja, ocupando uma faixa de frequência larga), a interferência, por estar em uma faixa de frequência pequena, pode ser ignorada pelo receptor. Na figura 6 apresentamos uma me-

23 23 lhor maneira de se explicar isso. Na parte superior temos o sinal contendo dados, espalhado no espectro de frequência. O ruído, como explicado, ocupa uma parte pequena do espectro. Na parte inferior temos o que o gráfico superior realmente significa para o rádio receptor. Como ele está sintonizado para receber um sinal espalhado, este sinal correspondente, para ele, a um sinal como se fosse transmitido em uma faixa de frequência curta. Por analogia, uma sinal que esteja em uma faixa curta de frequência é visto por ele como se fosse um sinal espalhado no espectro. Esse método de transmissão é usado pelos padrões IEEE E IEEE b OFDM (Ortogonal Frequency-Division Multiplexing) Outro método usado para transmitir dados em redes IEEE chama-se OFDM. Neste método um canal de transmissão, ou seja, uma determinada faixa de frequência do espectro é dividido em vários subcanais, e estes subcanais são usados para transmitir dados paralelamente, aumentando o desempenho. Ou seja, enquanto que os métodos anteriores só há uma transferência por vez, na OFDM há várias transferências ocorrendo em paralelo. Como exemplo, o padrão IEEE a cada canal é dividido em 52 subcanais e desses 48 são usados para a transmissão paralela de dados.

24 PROTOCOLOS Neste capitulo abordamos os seguintes padrões: IEEE , IEEE a, IEEE b, IEEE g e IEEE n IEEE A primeira especificação da camada física usada por redes IEEE recebia o mesmo nome, ou seja, não tem nenhuma letra a opôs o termo IEEE , e foi lançada em Esta especificação permitia três tipos de modo de transmissão: FHSS, DSSS e infravermelho. Ambas as técnicas de transmissão sem fio por ondas de rádio só tinham duas velocidades de transmissão possíveis, 1 Mbps e 2 Mbps, e operavam na faixa de frequência de 2,4 Ghz. Resumo do padrão IEEE : Taxas de transmissão disponíveis: 1 Mbps e 2 Mbps Método de transmissão: DSSS e FHSSS Faixa de frequência de transmissão: 2,4 GHz Número de canais sem sobreposição: 3 Tipo de Modulação: Codificação Barker + PSK (DSSS) ou GFSK (FHSSS) SIFS: 28 µs (FHSS ou 10 µs (DSSS) DIFS: 128 µs (FHSSS) ou 50 µs (DSSS) IEEE b Lançado em 1999, estre padrão expandiu o funcionamento do padrão IEEE para incluir as taxas de transferência de 5,5 Mbps e 11 Mbps. O padrão IEEE b transmite dados no modo DSSS, e utiliza-se de outro sistema de codificação, chamado CCK (Complementary Code Keying) para atingir taxas de transferências mais elevadas. Nesse método cada grupo de quadro ou oito bits de dados é convertido em um símbolo de oito bits. A transmissão ocorre usando o mesmo clock de 11 MHz, o que agora representa uma taxa de 1,375 milhão

25 25 de símbolos por segundo (11 MHz / 8 bits). Se cada símbolo representar um grupo de 4 bits de dados temos um taxa de 5,5 Mbps (1,375 milhão de símbolos por segundo x 4 bits), e quando cada símbolo representa um grupo de 8 bits de dados temos uma taxa de 11 Mbps (1,375 milhão de símbolos por segundo x 8 bits), TORRES, É importante observar e ter consciência que, enquanto profissional de TI que implementa soluções em redes wireless deve saber que os bits de dados a que nos referimos anteriormente refere-se a bits do quadro IEEE , que incluem bits de dados e bits de controle (cabeçalho do quadro). Por esse motivo, as taxas de transferências para redes Wi-fi são taxas impossíveis de serem obtidas na prática, pois para seus cálculos são considerados todos os bits do quadro, que inclui informação que não são dados do usuário. Resumo do padrão IEEE b: Taxas de transferência disponíveis: 5,5 Mbps e 11 Mbps Método de transmissão: DSSS Faixa de frequência de transmissão: 2,4 GHz Número de canais sem sobreposição: 3 Tipo de modulação: Codificação CCK e PSK SIFS: 10 µs DIFS: 50 µs IEEE a Este padrão foi lançado na mesma época do IEEE b (1999) para permitir redes sem fio operando a até 54 Mbps. Para conseguir atingir esta taxa de transferência, passou-se a usar o método OFDM. A faixa de frequência escolhida para o padrão IEEE a foi a de 5 GHz é que ela é menos utilizada e, portanto possui menos interferência, o que se traduz em uma maior taxa de transferência prática (throughput). No entanto, quanto maior a frequência de transmissão menor o alcance e, portanto, o alcance máximo deste padrão é inferior ao de redes IEEE b e IEEE ª ao mesmo tempo. É importante observar que ao utilizar a frequência de 5 GHz não é possível fazer com que dispositivos IEEE a seja diretamente compatível com o dispositivo IEEE b,

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 Ementa 1. Introdução a Tecnologias Sem Fio WLAN 2. Componentes básicos (Hardware) 3. Conceitos de espectro de Frequência e tecnologia de sinais

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Solução Acesso Internet Áreas Remotas

Solução Acesso Internet Áreas Remotas Solução Acesso Internet Áreas Remotas Página 1 ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL... 1 1. ESCOPO... 2 2. SOLUÇÃO... 2 2.1 Descrição Geral... 2 2.2 Desenho da Solução... 4 2.3 Produtos... 5 2.3.1 Parte 1: rádios

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

WL-5470POE Hi-Powered Ponto Acesso POE com oito Modos de Operação

WL-5470POE Hi-Powered Ponto Acesso POE com oito Modos de Operação WL-5470POE Hi-Powered Ponto Acesso POE com oito Modos de Operação omo fornecedor e líder global de soluções WISP, AirLive compreende as aplicações dos ambientes dos operadores WISP. Como resultado, estamos

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

WLAN WIRELESS STATION. Manual do usuário MAIT0078R00

WLAN WIRELESS STATION. Manual do usuário MAIT0078R00 WIRELESS STATION MAIT0078R00 Manual do usuário 8 1 Especificações Técnicas PQPL-24XX CPE Proeletronic Frequência Ganho VSWR Relação Frente/costa OE/OH Polarização cruzada Impedância PQPL-2412 PQPL-2417

Leia mais

Visão geral LigoPTP serie

Visão geral LigoPTP serie Visão geral LigoPTP serie Introdução Este documento descreve as características básicas e as principais da linha de produtos LigoWave LigoPTP. Para obter informações técnicas detalhadas, por favor, consulte

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos: Fundamentos Fabricio Breve Protocolos linguagem utilizada pelos diversos dispositivos para trocar informações Exemplos: TCP/IP, NetBEUI, SPX/IPX Premissas básicas A maioria

Leia mais

IEEE 802.11 a, b, g, n

IEEE 802.11 a, b, g, n IEEE 802.11 a, b, g, n Redes de Computadores I Professor Otto Carlos Muniz Bandeira Barreto Bruno Dias Martins Rodolfo Machado Brandão Costa Rodrigo Leite de Queiroz Sumário 1. Introdução 4. Perguntas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300

EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 Introdução O Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 fornece de alta velocidade com o padrão 802.11n, que realça a sua experiência em jogos online e multimídia.

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

Roteador wireless de dual band AC1750 com tecnologia StreamBoost

Roteador wireless de dual band AC1750 com tecnologia StreamBoost TEW-824DRU Roteador wireless de dual band AC1750 com tecnologia StreamBoost TEW-824DRU (v1.0r) Jogos de baixa latência/priorização de voz AC1750: 1,300 Mbps WiFi AC + bandas WiFi N de 450 Mbps Modelagem

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

Configurações do adaptador W-U3300nL

Configurações do adaptador W-U3300nL Configurações do adaptador W-U3300nL Introdução Obrigado por adquirir o adaptador para rede sem fio C3 Tech. Apresentando o que há de melhor em Tecnologia Wireless, o Adaptador para Rede Sem Fio C3 Tech

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

3.1. Principais características e implementações na Camada Física

3.1. Principais características e implementações na Camada Física 3 Padrão 802.11n Com o intuito de desenvolver um padrão que atendesse a crescente demanda por maior vazão, em julho de 2003 foi formado o grupo de trabalho para desenvolver o padrão 802.11n. O objetivo

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos.

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos. Página 1 de 9 PROJETOS / Telecom 25/08/2008 10:44:40 Sistemas Wireless em chão de fábricas. Existem diversas opções de padrões de conexão entre equipamentos industriais e computadores. Dentre essas opções,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - Padrão 802.11 - WIRELESS 1. INTRODUÇÃO O padrão IEEE 802.11 estabelece os padrões para redes locais sem fio. O modelo tem como premissa o funcionamento da rede de duas formas: - Na presença

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00. COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS Especificações Técnicas Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.058 Cod.

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 4: Multiplexação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

AULA 9: REDES SEM FIO

AULA 9: REDES SEM FIO AULA 9: REDES SEM FIO Objetivo: Detalhar conceitos sobre a aplicação, configuração, métodos utilizados para autenticação de usuários e segurança de acesso a redes sem fio. Ferramentas: - Emuladores de

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

Redes Locais de Computadores

Redes Locais de Computadores Redes Locais de Computadores Pós Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Controle de Acesso Múltiplo Prof. Josafá de Jesus Silva A tecnologia Ethernet AlohaNet inicio da década de 1960 -

Leia mais

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil Redes IEEE 802.11 Makoto Miyagawa 1 1 Faculdade de Tecnologia Universidade Federal do Amazonas Manaus Amazonas Brasil Resumo. A mobilidade oferecida pelas redes sem fio aos usuários, aliada ao baixo custo

Leia mais

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless!

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! AirWIRE é um dispositivo versátil para interconexão de equipamentos através de uma rede wireless de alta velocidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE LOGÍSTICA E FINANÇAS DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL FLORIANÓPOLIS JULHO

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

PROPOSTA PRELIMINAR DE PROJETO Estudo de viabilidade técnica e levantamento de requisitos para um canal de comunicação ( DOWNLINK ) para o SARVANT

PROPOSTA PRELIMINAR DE PROJETO Estudo de viabilidade técnica e levantamento de requisitos para um canal de comunicação ( DOWNLINK ) para o SARVANT PROPOSTA PRELIMINAR DE PROJETO Estudo de viabilidade técnica e levantamento de requisitos para um canal de comunicação ( DOWNLINK ) para o SARVANT INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CONTEÚDO Introdução...

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

IEEE 802.11a. IEEE 802.11b. IEEE 802.11a/b/g. IEEE 802.11g. IEEE 802.11n 23/09/2015. Histórico Funcionamento Padrões Equipamentos Wimax PLC

IEEE 802.11a. IEEE 802.11b. IEEE 802.11a/b/g. IEEE 802.11g. IEEE 802.11n 23/09/2015. Histórico Funcionamento Padrões Equipamentos Wimax PLC Redes de Computadores Fabricio Alessi Steinmacher Histórico Funcionamento Padrões Wimax PLC H I S T Ó R I C O Wire (cabo, fio) + Less (sem) IEEE 802.11a IEEE 802.11b IEEE 802.11g IEEE 802.11n Faixa 5GHZ

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Robert Metcalf, Xerox, 1973 1 Barra 2 Barra-Estrela: HUBS 3 Hubs, Concentradores e Switches Hub ou Switch 4 Barra 5 Arquitetura OSI Aplicação Apresentação Sessão Transporte

Leia mais

SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3

SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3 SOLUÇÃO MensorNet Datasheet Concentrador MLCON-RF3 Por favor, leia totalmente estas instruções antes de ligar o equipamento. Manual de Operação Descrição do Sistema O equipamento MLCON-RF3 é parte integrante

Leia mais

Integração das LANs das Delegações Remotas

Integração das LANs das Delegações Remotas Câmara Municipal do Funchal Integração das LANs das Delegações Remotas 2011 Índice Índice... 2 1 Objecto do Concurso... 3 2 Caracterização da actual Infra-Estrutura das redes remotas da CMF... 3 3 Descrição

Leia mais