de Educação Tecnológica Paula Souza. Foi revisto e adaptado em setembro de 2001.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de Educação Tecnológica Paula Souza. Foi revisto e adaptado em setembro de 2001."

Transcrição

1 ELABORAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS E PROJETOS DE PESQUISA 1 Jorge Megid Neto (FE-Unicamp) Introdução Para efeito de obtenção de financiamento junto a organismos públicos ou privados, podemos considerar duas categorias de projetos: Projetos Técnicos e Projetos de Pesquisa. Os Projetos Técnicos comumente estão associados à implantação ou melhoria de infra-estrutura escolar e didática: criação de laboratórios, salas-ambiente, bibliotecas, centros esportivos, entre outros, e ainda ampliação e/ou modernização desses espaços. Existem algumas linhas de financiamento para esse tipo de projeto na área de Educação. Entretanto, cada vez mais as agências solicitam a vinculação de um projeto técnico ao desenvolvimento de uma pesquisa educacional. Daí a importância de se averiguar, com mais particularidade, as características de uma pesquisa científica. Os Projetos de Pesquisa visam diretamente o planejamento, desenvolvimento, avaliação e divulgação de pesquisas de natureza científico-educacional no âmbito escolar. O aspecto fundamental para a configuração de uma pesquisa científica refere-se à identificação/concepção de um problema de investigação. Toda pesquisa busca solucionar, ao menos parcialmente, um problema bem delimitado, ou ainda elucidar suas causas e fatores intervenientes, caso a solução do problema não esteja ao alcance dos pesquisadores ou da comunidade escolar. A pesquisa assim entendida, corresponde a um estudo cuidadoso, sistemático e paciente em um determinado campo do conhecimento, visando a formulação ou estabelecimento de fatos ou princípios a respeito do problema ou assunto em questão (Charles, 1988, p. 2). Nesse contexto, não é possível confundir o termo pesquisa (científica) com simples coleta de dados ou enquete de opiniões, como se costuma associar às pesquisas bibliográficas escolares e às pesquisas eleitorais, por exemplo. Segundo Lüdke & André (1986), o ato de pesquisar subentende promover o confronto entre os dados, as evidências, as informações coletadas sobre determinado assunto e o conhecimento teórico acumulado a respeito dele (p.1). Consideramos que toda pesquisa deva circunscrever um problema central e a ele dar tratamento ao longo do trabalho. A necessidade de realização da pesquisa deve brotar da insatisfação do pesquisador frente a um determinado problema, que o questiona, instiga e desafia. Na tentativa de solucioná-lo, ou ao menos dar-lhe tratamento, o pesquisador debruça-se por completo na investigação. Desse modo, o assunto abordado no estudo, bem como o procedimento metodológico da pesquisa, devem visar ao tratamento de um determinado problema, claramente identificado pelo autor do trabalho. Severino (1984), ao discutir a questão do problema em trabalhos acadêmicos, salienta que 1 Texto elaborado em 1999 para um Curso de Extensão para Diretores de Escolas Técnicas do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza. Foi revisto e adaptado em setembro de 2001.

2 (...) a visão clara do tema do trabalho, do assunto a ser tratado, a partir de determinada perspectiva, deve completar-se com sua colocação em termos de problema. O raciocínio parte essencial de um trabalho não se desencadeia quando não se estabelece devidamente um problema. Em outras palavras, o tema deve ser problematizado. Toda argumentação, todo raciocínio desenvolvido num trabalho logicamente construído é uma demonstração que visa solucionar determinado problema. (p ) Assim, na descrição do problema envolvido pelo trabalho, espera-se encontrar, de forma explícita, a questão fundamental da investigação. E também a apresentação e discussão dos pólos de contradição de onde emerge a problemática do estudo. Conforme Severino (1984): Antes de se partir para a pesquisa propriamente dita, é preciso ter-se uma idéia bem clara do problema a se resolver. Trata-se de definir bem os vários aspectos da dificuldade, de mostrar o seu caráter de aparente contradição, esclarecendo devidamente os limites dentro dos quais se desenvolverão a pesquisa e o raciocínio demonstrativo." (p. 202) É preciso ressaltar que "solucionar" ou "resolver" um problema por intermédio de uma pesquisa científica, por exemplo, talvez seja muita pretensão, ou mesmo impossível, quando este se trata de um problema educacional. Em primeiro lugar, porque somente a prática educacional pode nos fornecer indicadores de que determinado problema está ou não sofrendo processo de solução. Em segundo, porque as raízes e causas desse problema podem ser tão diversas e múltiplas que sua solução por vezes não se encontra ao alcance de apenas um trabalho acadêmico, exigindo quase sempre transformações do próprio sistema educacional ou do sistema sócio-político-econômico. A solução pode estar circunscrita à atuação de órgãos governamentais, administrações públicas, leis, regimentos, verbas, formação de profissionais, situação sócioeconômica da população, aspectos culturais, históricos, políticos, entre outros fatores, inviabilizando a proposta de se "resolver" determinado problema tão somente através de uma pesquisa acadêmica. Nesse caso, é esperado que, pelo menos, o trabalho investigue as origens do problema, identifique suas causas, indique possíveis caminhos para sua superação. Enfim, que a pesquisa dê tratamento ao problema identificado. Muitos poderão argumentar que essa forma de conceber pesquisa científica e problema de pesquisa é marcadamente positivista, carregando com isso um certo menosprezo a essa linha de trabalho acadêmico e científico. Existe inclusive quem propugne que uma pesquisa acadêmica não pode ter em momento algum o endereçamento ao tratamento de um problema, devendo se constituir unicamente em uma descrição/apreensão da realidade e análise dos fenômenos que ali comparecem. Não compartilhamos de tal argumento. Acreditamos que, por mais que se queira mascarar ou desmitificar a questão do problema de pesquisa, existe sempre uma razão, um interesse um anseio mais forte,... uma questão (!) que impele desde o início o pesquisador a realizar sua investigação. Se ao longo do trabalho essa problemática vai se configurando mais especificamente como um problema de pesquisa, ou vai tomando outros rumos,

3 outros contextos, trazendo indagações, ou configurando novo(s) problema(s) de pesquisa, o lançar-se ao trabalho definirá com mais exatidão. Somos contrários, sim, à visão estreitamente rígida e, esta sim, mecanicista e indutivista, de que o pesquisador deva seguir rigidamente um programa de pesquisa previamente definido, com etapas fixas e imutáveis, sendo a primeira delas a concepção do problema de pesquisa. Agora, a consciência clara do quê e do porquê se deseja realizar o estudo, do objeto de pesquisa, da problemática relativa a esse objeto, conformada por uma compreensão ainda que parcial ou provisória do contexto e das contradições referentes à realidade em que o objeto de pesquisa está inserido nunca poderá ser descartada muito menos negada, sob pena de se realizar um empreendimento etéreo. Em suma, uma pesquisa científica deve: a) produzir conhecimentos. sobre determinado assunto ou área; b) solucionar problemas reais (imediatos ou não) concebidos por um indivíduo ou grupo; c) compreender o funcionamento da natureza/sociedade, do ambiente educacional escolar ou não-escolar; d) intervir nos processos educacionais, visando a melhoria dos mesmos. (Devemos sempre nos perguntar qual o significado que está sendo atribuído à melhoria educacional e a serviço de quem se coloca essa melhoria). Historicamente, a pesquisa era encarada tão-somente numa perspectiva empírico-indutiva, em que o papel do sujeito (pesquisador) é de mero observador neutro da realidade, sendo impregnado exclusivamente pelas emanações do objeto em estudo. A atividade do pesquisador resumia-se a extrair, de maneira sensorial e indutiva, o conhecimento que está posto no objeto (não-sujeito). Contrapondo-se a essa prevalência do objeto, entende-se contemporaneamente que o conhecimento é elaborado pela mente humana a partir de uma relação dialética sujeito-objeto. Ou seja, o conhecimento resultante da atividade científica (pesquisa) não está previamente situado no objeto, nem tampouco é formulado pelo sujeito a partir de reflexão exclusivamente teórica (racionalismo). O pesquisador ao se debruçar sobre determinada porção de realidade para estudo e investigação (objeto), já observa essa realidade de maneira não neutra, face a toda sua experiência de vida antecedente e a todo o cabedal de conhecimento que acumula. Ao mesmo tempo, a realidade observada interfere nessa percepção, modificando o sujeito incessantemente. Na relação articulada e concomitante sujeito-objeto, o conhecimento se assenta no entrelaçamento interativo e constitutivo de ambos, sem haver centração ou privilégio de um ou outro. Nas palavras de Lorenzato & Fiorentini (1999), a concepção de pesquisa recebeu várias contribuições positivas nas últimas décadas, com o reconhecimento de que: - o conhecimento está sempre comprometido com sua realidade histórica; - a pesquisa traz consigo, inevitavelmente, uma carga de valores; - é impossível separar-se o sujeito da pesquisa, o pesquisador e o objeto de estudo; - todo ato de pesquisa é um ato político; - fatos e dados não se revelam gratuita e diretamente aos olhos do pesquisador; - todo pesquisador possui seus princípios e pressuposições que o colocam longe da neutralidade científica; - na pesquisa social, os procedimentos subjetivos de coleta e análise de dados passaram a ser reconhecidos pela comunidade científica como válidos e consistentes, tanto no aspecto teórico quanto metodológico.

4 Estrutura e Etapas do Projeto Quais seriam as funções que um Projeto Técnico ou Projeto de Pesquisa poderiam cumprir? Por que é importante ou necessário constituir formalmente um projeto? Ora, de imediato pode-se argumentar que o Projeto é necessário para obter financiamento para o trabalho. A formulação de um projeto de qualidade é um dos principais requisitos solicitados pelas agências. (Outro requisito fundamental é a competência/vivência profissional e acadêmica do grupo executor do projeto, o currículo dos pesquisadores envolvidos). Mas não é só por esta razão, mesmo porque muitas e muitas pesquisas são realizadas sem apoio financeiro específicos de órgãos públicos ou privados. Procuremos discutir vários outros motivos. 1. O projeto organiza as idéias e formas de estruturação do trabalho segundo as percepções, interesses, anseios e competências dos membros envolvidos. 2. Ele constitui um dos elementos de ligação internas do grupo e de relacionamento do grupo com a comunidade (divulgação). 3. Ele fornece elementos para nortear a execução e avaliação do trabalho dentro de critérios estabelecidos pelo grupo, autonomamente ou não. 4. É, sobretudo, um guia de todo o trabalho, embora não necessariamente as etapas previstas tenham de ser cumpridas de modo rígido, linear e seqüencialmente; ou seja, é um guia de trabalho individual ou coletivo e não um cabresto para o grupo. Podemos comparar as funções e importância do Projeto à seguinte situação: imagine que você queira andar por determinados locais de uma cidade grande. Por exemplo, conhecer as praças públicas da cidade de São Paulo. Há diversas maneiras de se fazer isto, não é mesmo? Tais condições hão de depender de situações de contorno, por exemplo: quanto tempo você dispõe?; quanto dinheiro você tem para esse fim?; de que recursos dispõe?; conhecer unicamente as praças do ponto de vista físico é o seu único interesse, ou você deseja conversar com as pessoas ali presentes, conhecer seus hábitos, histórias de vida, etc.?; ou, ainda, você deseja também aprender a se movimentar autonomamente por São Paulo? Pense um pouco; pondere as inúmeras possibilidades; decida sobre os caminhos a seguir; estabeleça finalidades, prazos, material e recursos de apoio, etc. Enfim, discuta um plano de ação. Eis aí o seu projeto. E não espere que tudo transcorra como você planejou. Conforme for implementando o projeto, há necessidade freqüente de avaliações e replanejamento. É preciso constantemente refletir sobre cada passo dado, sobre cada resultado obtido. Refletir sobre a prática, replanejar, retomar o trabalho e assim sucessivamente. Imagine que você decida se deslocar pela cidade com auxílio de um mapa e de um roteiro turístico sobre a cidade e suas praças. Ora, eles ajudam muito, mas nunca serão suficientes. Ao longo do passeio, você deverá superar informações ali não contidas ou não previstas. Enfrentar situações do tipo: aquela rua está interrompida, e agora, qual desvio devo tomar? Ou então: a expansão de certa região da cidade foi tão rápida, que o mapa ficou desatualizado naquele setor; e agora, por onde seguir? Estas dificuldades podem ser superadas com a colaboração das pessoas que vivem na região ou por sucessivos processos de tentativa-e-erro. Se você cuidar de anotar os novos passos, os procedimentos usados para superar as dificuldades, o mapa da cidade e o guia turístico ficarão mais próximos do real. O conhecimento sobre a cidade ficará mais completo, mais fidedigno. Outras pessoas poderão também se beneficiar dessas mudanças, caso você registre essa caminhada e os novos conhecimentos e divulgue-os amplamente.

5 Ter ou conceber um problema, refletir sobre ele, formular possíveis soluções, estabelecer as mais plausíveis; delinear um projeto e implementá-lo; avaliar seus resultados e divulgar os novos conhecimentos alcançados. Eis a trajetória de uma pesquisa científica. Antes de iniciar a elaboração do Projeto (Técnico ou de Pesquisa), é preciso ter claro o tema ou assunto de estudo e a problemática geradora da necessidade de realizar o trabalho. Afinal, o que se deseja pesquisar? Por que se deseja empreender o trabalho? Quais as razões ou motivações que solicitam o Projeto? Após terem ficado mais ou menos claras estas questões, deve-se também pensar no como se pretende desenvolver o trabalho? Por fim, quais os possíveis resultados e contribuições que se espera alcançar? Qual a importância e relevância da pesquisa? Para que realizá-la? Desse modo, o que, por que, como e para que são quatro questões básicas que deverão nortear todo o processo de elaboração, execução, avaliação e divulgação do projeto. As etapas ou a estrutura do texto do projeto podem ser variadas. Variam com a área de pesquisa; com os autores no campo da metodologia científica; com as agências ou instituições acadêmicas; com as convicções e características peculiares de pesquisadores ou grupos de pesquisa. Toda via, em linhas gerais sempre contemplam as quatro questões ou quatro etapas citadas, embora as denominações possam variar. Por exemplo, Lorenzato & Fiorentini (1999) assumem as seguintes etapas: Tema; Justificativa; Bibliografia (ou revisão bibliográfica); Problema e objetivos da pesquisa; Procedimentos metodológicos; Resultados esperados; Cronograma. Severino (1986), por sua vez, admite o seguinte conjunto: Título; Tema e Problema; Hipóteses; Quadro Teórico; Procedimentos Metodológicos e Técnicos; Cronograma; Referências Bibliográficas Básicas. Agências como a FAPESP sugerem as seguintes partes: Resumo; Introdução e Justificativa, com síntese da bibliografia fundamental; Objetivos; Plano de Trabalho e Cronograma; Material e Métodos; Forma de Análise dos Resultados. Tendo por base os exemplos apresentados, bem como os inúmeros projetos que temos realizado ou observado, podemos destacar três partes principais de um projeto técnico ou projeto de pesquisa: Parte Inicial onde o autor ou autores apresentam o tema ou assunto escolhido para o estudo, as justificativas do trabalho, demonstrando sua importância, a necessidade de sua realização, que pode incluir uma breve revisão bibliográfica apontando a ausência de estudos relacionados com o tema escolhido e que contemplem possíveis soluções para o problema a ser investigado. Parte Intermediária onde se apresentam o problema e os objetivos da pesquisa de forma sucinta, uma vez que esses aspectos já devem ter sido abordados na parte anterior, bem como os procedimentos metodológicos do trabalho. Estes devem ser bem detalhados, compreendendo as etapas seqüenciais em que se pretende desenvolver o estudo, mesmo que sejam admitidas como iniciais e suscetíveis a mudanças no desenrolar do trabalho e decorrentes das constantes avaliações de sua execução. O problema, conforme mencionamos, explicita a questão central de investigação, desencadeadora do trabalho e norteadora das etapas a serem executadas, dos métodos e técnicas de pesquisa, etc. Os objetivos podem ser configurados sob a forma de Objetivo Geral e um conjunto de Objetivos Específicos (que ajudarão a configurar as etapas do trabalho), ou então podem ser delineados sem se explicitar a diferenciação entre objetivo geral e específico, apontando-se apenas os Objetivos do Trabalho. Nesse caso, é comum registrar o objetivo mais geral em primeiro lugar.

6 Os procedimentos metodológicos devem contemplar, além da descrição das etapas do trabalho, os sujeitos que serão envolvidos na pesquisa, o ambiente a ser investigado (escola, sala de aula, outros espaços), os instrumentos de coleta de dados (questionários, roteiros de entrevistas, diário de campo, bases de dados bibliográficos, etc.), o tipo de pesquisa e métodos/técnicas que se pretende/imagina utilizar (levantamento bibliográfico, observação, entrevistas, aplicação de questionários, simulação, contagens, etc.). Também devem ser previstos os materiais e recursos (físicos e humanos) necessários à realização do trabalho, além do orçamento de todo o projeto. Não há necessidade de se explicitar as hipóteses de trabalho, porém, elas devem estar implícitas na introdução e discussão teórica, bem como devem nortear a configuração das etapas do projeto e do modelo de pesquisa. Se possível, é conveniente indicar como se pretende organizar os dados (tabelas simples, tabelas de cruzamento de variáveis, listas de palavras ou frases, etc.), e também como se pretende analisá-los: análise de conteúdo; análise estatística; cruzamentos e comparações entre dados ou fontes (por exemplo, fala do professor, fala do aluno, registros do pesquisador, outros documentos), seguindo o método da triangulação de dados. Além disso, nesta parte deve-se destacar as categorias de análise a serem utilizadas para dar tratamento ao problema e para discutir as hipóteses levantadas. Geralmente, a fundamentação teórica do trabalho ajuda a estabelecer as categorias de análise, as quais estão entrelaçadas à questão e às hipóteses de investigação. Lorenzato & Fiorentini (1999) citam um exemplo bastante ilustrativo a esse respeito: (...) consideremos a seguinte pergunta de investigação: Quais as contribuições de um curso de especialização em educação Matemática em termos de mudanças de idéias e práticas do professor de Matemática?. Há várias formas de tentar responder a essa pergunta. Para verificar a mudança em termos de idéias, poderiam ser realizadas entrevistas semiestruturadas em três momentos diferentes: uma antes de iniciar o curso, outra na metade do curso e uma terceira após a conclusão do curso. Duas preocupações surgem para o investigador: Que perguntas deveriam ser formuladas nas entrevistas? De que forma as entrevistas poderiam ser analisadas? É aqui que podem entrar as categorias de análise. Podemos traduzir as idéias dos professores por crenças, concepções e representações acerca: do que é a matemática escolar (categoria 1); de como deve ser uma aula de matemática (categoria 2); de como os alunos aprendem Matemática (categoria 3); de como devem ser as atividades (tarefas) matemáticas em sala de aula (categoria 4); de como deve ser feita a avaliação da aprendizagem dos alunos (categoria 5); das finalidades do ensino da Matemática (categoria 6); etc. (p. 26, grifos dos autores). Na descrição dos procedimentos do projeto, deve-se explicitar, sempre que possível, a metodologia da pesquisa que se pretende realizar, bem como o tipo de gênero de trabalho científico em que se enquadra o projeto. Considerações a esse respeito, relativamente detalhadas para o contexto deste trabalho, são apresentadas no Anexo 1. Parte Final considerações finais destacando os resultados e as contribuições esperadas com o desenvolvimento do trabalho. Aqui se deve ressaltar a relevância e mérito do Projeto, especialmente no caso de solicitação de financiamento para o mesmo. Afinal, por que se deve investir no projeto? Qual sua importância para a

7 comunidade escolar, para a comunidade acadêmica e/ou científica? Por fim, deve-se incluir o cronograma do trabalho e a bibliografia. O Cronograma costuma-se apresentar na forma de tabela, enumerando as etapas do projeto e os respectivos meses de execução, conforme exemplo a seguir. Os prazos e etapas podem ser alterados no decorrer da execução do projeto, porém as alterações devem ser muito bem justificadas no relatório final. Exemplo de Cronograma de um Projeto de Pesquisa Atividade/Mês Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Levantamento Bibliográfico X X Seleção de Documentos X X Aquisição de Documentos X X X X X X Identificação de Descritores X X para Classificação Classificação de Documentos X X X X X Descrição de Características e X X X Tendências do Material Elaboração de Artigo X Criação do Acervo e do Banco X X X de Dados Relatório Final X No caso da Bibliografia, ela pode ser subdividida em: Referências Bibliográficas, correspondendo aos trabalhos efetivamente citados no texto do projeto, e Bibliografia propriamente dita, onde são registrados todos os trabalhos consultados para a elaboração do projeto, repetindo aqueles já citados nas referências e mencionando os trabalhos porventura identificados como de interesse para o projeto, porém não consultados no momento, e que muito provavelmente virão a ser utilizados durante a pesquisa. Muitos pesquisadores têm preferido apresentar unicamente a Bibliografia (tanto no projeto, quanto no relatório final), a qual já incorpora as referências bibliográficas. Vários periódicos científicos também sugerem tal prática.

8 Relatório Final O relatório final do projeto técnico ou de pesquisa pode conter as seguintes partes principais: Introdução; Desenvolvimento do Trabalho; Considerações Finais (ou Conclusões); Bibliografia; Anexos (se existirem). Além destas, deve-se incluir a Capa ou páginas de rosto do relatório, um Sumário (lista de títulos e subtítulos das várias partes do texto e correspondentes páginas) e um Resumo, onde se assinala o que foi pesquisado, como foi executado o trabalho e principais resultados obtidos. Na Introdução, apresenta-se o trabalho, situando o tema e a problemática da pesquisa, bem como as justificativas e importância do projeto realizado. Relata-se sucintamente os objetivos do trabalho, o problema mais específico de investigação e uma breve descrição dos procedimentos metodológicos. Caso o relatório seja muito extenso, subdividido em partes ou capítulos, faz-se uma rápida descrição de cada parte ou capítulo. Em Desenvolvimento do Trabalho, descreve-se minuciosamente etapa por etapa do projeto, iniciando pela revisão bibliográfica sobre o tema abordado (se existir, o que é bastante necessário). A seguir, o relato da pesquisa de campo ou da pesquisa teórica, apresentando dados, listas, tabelas, gráficos. documentos e informações obtidas. Prossegue-se com a análise dos dados e o detalhamento dos resultados alcançados. Em Considerações Finais, são retomadas sucintamente as conclusões porventura já apresentadas (quando da discussão dos resultados), estabelecendo-se uma síntese de todo o trabalho e sinalizando com a continuidade do trabalho, com novas investigações decorrentes de questões que ficaram em aberto ou que surgiram no decorrer do trabalho. Caso o relatório seja muito extenso, essa parte deve ser iniciada por uma sucinta retomada de todo o projeto (tema, problema e objetivo central, procedimentos metodológicos), de tal forma que, se for lida somente essa parte do relatório, é possível ter-se uma visão geral e suficiente de todo o trabalho. No Anexo 4, apresentamos informações mais detalhadas a respeito da forma de apresentação e redação de trabalhos científicos e acadêmicos (relatórios de projetos, monografias, trabalhos de conclusão de curso, dissertações e teses, etc.), extraídas de orientações do setor de Biblioteca da Faculdade de Educação da UNICAMP. Bibliografia BEST, J.W. Como investigar en educacion. 2. ed. Madrid : Ediciones Morata, p. BOGDAN, Robert C., BIKLEN, Sari K. Qualitative research for education: na introduction to theory and methods. Boston : Allyn and Bacon, BORG, Walter R., GALL, Meredith D. Educational research: an introduction. 5 ed. New York : Longman, p. ELLIOTT, John. Educational theory and the professional learning of teachers: an overview. Cambridge Journal of Education, v. 19, n. 1, LORENZATO, Sérgio, FIORENTINI, Dario. Iniciação à investigação em Educação Matemática. Campinas-SP : CEMPEM/FE-UNICAMP: COPEMA, p. (mimeo)

9 LÜDKE, Menga, ANDRÉ, Marli E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo : EPU, p. MEGID NETO, Jorge. Pesquisa em ensino de Física do 2 o grau no Brasil: concepção e tratamento de problemas em teses e dissertações. Campinas : Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, p. (Dissertação de mestrado). MEGID NETO, Jorge, PACHECO, Décio. Pesquisa sobre o ensino de Física do 2 o grau no Brasil: concepção e tratamento de problemas em teses e dissertações. In: NARDI, Roberto (org.). Pesquisa em ensino de Física. São Paulo : Escrituras, p. (Coleção Educação para a ciência). SANTOS, Gildenir C., SILVA, Arlete I.P. da. Normas para referências bibliográficas: conceitos básicos (NBR-6023/ABNT ). Campinas, : UNICAMP/FE, p. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 13 ed. São Paulo : Cortez : Autores Associados, p.

10 TRANSPARÊNCIAS Projetos de Pesquisa : planejamento, desenvolvimento, avaliação e divulgação de pesquisas de natureza científica. Pesquisa busca solucionar, ao menos parcialmente, um problema bem delimitado, ou ainda elucidar suas causas e fatores intervenientes, caso a solução do problema não esteja ao alcance dos pesquisadores ou da comunidade. Pesquisa corresponde a um estudo cuidadoso, sistemático e paciente em um determinado campo do conhecimento, visando a formulação ou estabelecimento de fatos ou princípios a respeito do problema ou assunto em questão (Charles, 1988, p. 2).

11 Não é possível confundir o termo pesquisa (científica) com simples coleta de dados ou enquete de opiniões, como se costuma associar às pesquisas bibliográficas escolares e às pesquisas eleitorais, por exemplo. O ato de pesquisar subentende promover o confronto entre os dados, as evidências, as informações coletadas sobre determinado assunto e o conhecimento teórico acumulado a respeito dele (Lüdke & André, 1986).

12 O projeto organiza as idéias e formas de estruturação do trabalho segundo as percepções, interesses, anseios e competências dos membros envolvidos. Constitui um dos elementos de ligação internas do grupo e de relacionamento do grupo com a comunidade (divulgação). Fornece elementos para nortear a execução e avaliação do trabalho dentro de critérios estabelecidos pelo grupo, autonomamente ou não. É um guia de todo o trabalho, embora não necessariamente as etapas previstas tenham de ser cumpridas de modo rígido, linear e seqüencialmente; ou seja, é um guia de trabalho individual ou coletivo e não um cabresto para o grupo.

13 Ter ou conceber um problema, refletir sobre ele, formular possíveis soluções, estabelecer as mais plausíveis; delinear um projeto e implementá-lo; avaliar seus resultados e divulgar os novos conhecimentos alcançados. Eis a trajetória de uma pesquisa científica.

14 Exemplo de Cronograma de um Projeto de Pesquisa Atividade/Mês Levantamento Bibliográfico Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago X X Seleção de Documentos X X Aquisição de Documentos X X X X X X Identificação de Descritores X X para Classificação Classificação de Documentos X X X X X Descrição de Características e Tendências do Material Elaboração de Artigo Criação do Acervo e do Banco de Dados Relatório Final X X X X X X X X

15

COMO ELABORAR PROJETOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

COMO ELABORAR PROJETOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO COMO ELABORAR PROJETOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO Jorge Megid Neto Faculdade de Educação - UNICAMP Os Projetos de Pesquisa em Educação visam diretamente o planejamento, desenvolvimento, avaliação e divulgação

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Metodologia Científica PROJETO DE PESQUISA

Metodologia Científica PROJETO DE PESQUISA Metodologia Científica PROJETO DE PESQUISA Curso: Especialização em Redes Convergentes e Tecnologia de Voz sobre Ip Disciplina:Metodologia Científica Profa. : Kátia Lopes Silva FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática

Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática ANEXO 1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA Aos candidatos ao Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática solicita-se anexar, no ato de inscrição on line, uma Proposta

Leia mais

MODELO PRÉ-PROJETO TCC 2012

MODELO PRÉ-PROJETO TCC 2012 MODELO PRÉ-PROJETO TCC 2012 1 2 1.4 FORMATO 1.4.1 Espacejamento Papel branco, formato A4 (21 cm x 29,7 cm), impressões com tinta preta (com exceção das ilustrações) e o texto deve ser digitado no anverso.

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA Estrutura do Projeto de Pesquisa CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO 1. RESUMO 2. PROBLEMA DE PESQUISA OU INTRODUÇÃO 3. REFERENCIAL TEÓRICO (REVISÃO DE

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER.

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO NOME DO AUTOR TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. SÃO BERNARDO DO CAMPO 2014 2 NOME DO AUTOR TÍTULO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

MODELO BÁSICO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO BÁSICO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO BÁSICO DE PROJETO DE PESQUISA 2 CAPA 3 cm CENTRO UNIVERSITÁRIO CÂNDIDO RONDON - UNIRONDON NOME DO ALUNO (Centralizado e em letras maiúsculas) PROJETO DE MONOGRAFIA APLICABILIDADE DA TEORIA DOS FATOS

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ Projeto de Pesquisa PROJETO DE PESQUISA Em uma pesquisa, nada se faz ao acaso. Tudo é previsto no PROJETO DE PESQUISA deve ser detalhado e apresentar rigor

Leia mais

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA PROJETO DE PESQUISA DA FACULDADE DE IMPERATRIZ

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA PROJETO DE PESQUISA DA FACULDADE DE IMPERATRIZ MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA PROJETO DE PESQUISA DA FACULDADE DE IMPERATRIZ IMPERATRIZ 2010 MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA MONOGRAFIAS DA FACULDADE DE IMPERATRIZ Curso de Odontologia Faculdade de Imperatriz

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo ILHÉUS - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo Módulo

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA 3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA NOME DO AUTOR (fonte tamanho 12, arial, todas em maiúscula, negrito, centralizado) ESTÁGIO SUPERVISIONADO I OU II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa Nova Mutum MT 2012 Nome dos acadêmicos em ordem alfabética

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS O QUE É UM PROJETO? É um documento que organiza idéias para se realizar um empreendimento, explicitando o motivo de realizá-lo, as etapas de trabalho, as

Leia mais

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2015 1 O que é pesquisa? Pode-se definir pesquisa como:

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA FILOMENA MARIA RATES SOARES VITOR TENÓRIO NOVA

Leia mais

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa Nova Mutum 2009 Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA. Prof.º Evandro Cardoso do Nascimento

METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA. Prof.º Evandro Cardoso do Nascimento METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA Prof.º Evandro Cardoso do Nascimento DEFINIÇÕES Metodologia Científica: Universalização da comunicação do conhecimento científico; Dessa forma, pode-se deduzir que a

Leia mais

Ao tratar da questão da Qualidade de Vida nas Escolas, um grande

Ao tratar da questão da Qualidade de Vida nas Escolas, um grande 14 Elaboração de Projetos Voltados para a Qualidade de Vida na Escola Maria Auxiliadora de Freitas Reis Especialista em Ontologia da Linguagem na PUC Brasília Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PRÉ-PROJETO DE TCC

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PRÉ-PROJETO DE TCC CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PRÉ-PROJETO DE TCC Cuiabá/MT 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 3 3. OBJETIVOS... 3 3.1 GERAL... 4 3.2 ESPECÍFICOS... 4 4. REFERENCIAL

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS Projeto de Trabalho de Curso apresentado em cumprimento parcial às exigências do Curso de da Universidade Estadual

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER)

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) UBERLÂNDIA 2013 NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: subtítulo do projeto (se houver) Projeto de Pesquisa

Leia mais

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica Introdução Métodos Introdução Metodologia científica é a forma como se conduz uma pesquisa,

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO MONIKE CRISTINA SILVA BERTUCCI Universidade Federal de São Carlos mobertucci@yahoo.com.br RESUMO Este artigo relata uma

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIENCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO ACADÊMICO NOME DO(A) CANDIDATO(A) TÍTULO Projeto de pesquisa

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Metodologia Científica Projeto de Pesquisa Orientações Gerais Projeto de pesquisa Questões a responder o que fazer? formulação do problema,

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 Jaciara-MT 2013 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO FORMATO Os trabalhos acadêmicos devem ser em conformidade com os apontamentos a seguir. Papel branco, Formato A4 (21

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Dicas sobre o projeto de pesquisa.

Dicas sobre o projeto de pesquisa. Dicas sobre o projeto de pesquisa. Profa. Dra. Ana Mauriceia Castellani Oferecimento e apoio: Objetivos desta palestra Destacar os principais pontos de um projeto de pesquisa. Indicar problemas que podem

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO)

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) O RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. CONCEITO DE RELATÓRIO Exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO Projetos de orientação educacional Conforme foi caracterizado, o plano anual de ação estabelece as linhas globais da Orientação Educacional para um dado ano e é caracterizado

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas

Leia mais

Definição do tema, problema e hipóteses de trabalho. Com quais recursos pesquisar? Estabelecimento do orçamento.

Definição do tema, problema e hipóteses de trabalho. Com quais recursos pesquisar? Estabelecimento do orçamento. Como Começar O projeto de pesquisa é o mapa a ser seguido durante o processo de investigação. Constitui-se em um importante eercício de previsão dos desafios (teóricos, práticos, materiais) que serão enfrentados

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Valdir Amâncio da Silva 1 Angélica da Fontoura Garcia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E SOCIEDADE CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA Nova

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA A primeira etapa para a organização do TCC nos cursos de pós-graduação lato sensu a distância consiste na elaboração do projeto de pesquisa,

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Metodologia Científica. Metodologia Científica

Metodologia Científica. Metodologia Científica Metodologia Científica Metodologia Científica Seqüência da Apresentação Introdução Tipos de pesquisa Tipos de fontes de dados Pesquisa na área de Informática Projeto de pesquisa Metodologia Formato de

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS DOS TRABALHOS Formato: A4 Cor preta Espaçamento entre linhas: 1,5cm Fonte texto: Times New Roman, 12 ou Arial, 11 Margem superior

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO

O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO Objetivos: Apresentar a estrutura básica de um projeto de pesquisa com vistas a sua elaboração FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO DA COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA

Leia mais

Associação de Ensino Superior da Amazônia - AESA Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia - FARO

Associação de Ensino Superior da Amazônia - AESA Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia - FARO Coordenação de Pesquisa e Extensão. Título do Projeto de pesquisa/ Iniciação Cientifica. Coordenador do projeto: Curso de: Instruções para Preenchimento do Formulário. PESQUISA Caracterização e Objetivos:

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais