Projeto Educativo de Escola Triénio PROJETO EDUCATIVO. O XURURUCA Creche, Infantil e Primário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Educativo de Escola Triénio 2012-2015 PROJETO EDUCATIVO. O XURURUCA Creche, Infantil e Primário"

Transcrição

1 PROJETO EDUCATIVO 1 Da Multiculturalidade à Interculturalidade: um percurso

2 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Contexto Geográfico 7 3. Caraterização Institucional: 10 Designação 11 Breve Historial d O Xururuca 11 Espaço Envolvente 13 Espaço Físico Exterior 14 Espaço Físico Interior 16 População / Recursos Humanos 21 Equipamento e Material Didático 23 Organigrama 25 Estrutura Organizacional 26 Filosofia Pedagógica 27 Temática do P.E.E. 42 Objetivos do P.E.E. 46 Estrutura da Ação 50 Avaliação 52 Anexos 55 2

3 3

4 INTRODUÇÃO A importância da educação na sociedade atual envolve um número cada vez maior de pessoas. Não diz, exclusivamente, respeito aos professores ou aos pais, mas a todos os agentes educativos e a todos os indivíduos em geral. De facto, não há atividade profissional, social, política ou moral que não provenha da ação educadora. O seu alcance prolonga-se para além da juventude até à idade adulta, sendo este o grande papel que a educação desempenha na sociedade. Enquanto escola, o XURURUCA não deve, e não pode, descurar as potencialidades e características próprias de cada criança. É dever de todo o educador respeitar o ritmo desta, possibilitando-lhe o máximo de desenvolvimento da sua personalidade, no âmbito das suas faculdades e aptidões, aos níveis intelectual, afetivo e social. A educação compreende, pois, todas as influências que se podem exercer no indivíduo e, durante a sua vida, abrange quer a formação profissional ou social, quer a formação intelectual ou moral. Neste pressuposto este documento consagra a orientação educativa da instituição (...), com os princípios, os valores, as metas e as estratégias, segundo os quais a escola se propõe cumprir a função educativa (Decreto-Lei nº 115-A/98, art. 3º, ponto 2, alínea a). É pois um documento de verdadeira estratégia política e pedagógica para o XURURUCA. Potencializando as orientações educativas, o Projeto Educativo do XURURUCA pretende contribuir para a construção da identidade da escola, tornando-a responsável pela realização de um projeto integrador. 4

5 Estes são alguns dos princípios que norteiam a elaboração deste Projeto Educativo do XURURUCA, para o triénio, na convicção que subjacente a ele os intervenientes se questionem, analisem e diagnostiquem situações, no sentido de provocar aprendizagens significativas em todas as crianças que frequentam esta instituição. O Projeto Educativo, que ora se apresenta, integrará uma caracterização do meio envolvente, ao nível da freguesia de São João do Estoril; e também uma breve caracterização da Escola XURURUCA. Consagrará, ainda, os objetivos do projeto, explicitando o que se pretende, apresentando a ideia e o rumo que o XURURUCA pretende seguir relevando os princípios e os valores que norteiam a sua praxis educativa. Será ainda efetuada menção à conceção de educação e de escola que se pretende instituir e valorizar. O Projeto instituirá os princípios da ação educativa e pedagógica 5 imprescindível à operacionalização das ideias formuladas anteriormente. Assim, constataremos que o Projeto Educativo do XURURUCA renunciará à aridez e ao hermetismo que, muitas vezes, caracteriza este tipo de instrumentos, assumindo-se como uma carta de intenções e de referências-base no sentido de potenciar o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de todos os elementos que integram a comunidade educativa. Ao abordar uma metodologia de projeto não pretendemos apresentar nenhuma receita ou modelo ideal de conceção de Projeto Educativo de Escola. Pretendemos, pois, apresentar uma linha orientadora enraizada na literatura da área, que permitiu a adaptação à realidade do XURURUCA.

6 Por fim, os trabalhos de auscultação e de avaliação, relatórios e outras informações tornaram possível identificar áreas problemáticas do XURURUCA, às quais pretendemos dar resposta no triénio que agora se inicia. Crentes que um Projeto Educativo de Escola é uma estratégia para criar exigência de qualidade educativa, o XURURUCA pretende, neste documento, demonstrar a sua energia, força e determinação em prol de uma Escola de Qualidade. Através deste Projeto queremos educar a criança de hoje, homem do terceiro milénio, munido de valores de nobreza, justiça e solidariedade e preparado para os desafios constantes das novas tecnologias que este novo século revelará. A Equipa Educativa do XURURUCA 6

7 7

8 CONTEXTO GEOGRÁFICO O XURURUCA situa-se geograficamente na freguesia de São João do Estoril, Concelho de Cascais. Para melhor enraizarmos as nossas práticas educativas no contexto em que estamos inseridos, dando sentido pedagógico a todas as atividades de descoberta do meio local, apresentamos de seguida uma breve sinopse histórica referente à freguesia. A proeminência do Estoril teve início no começo do séc. XX através de Fausto de Figueiredo, detentor da concessão de exploração de jogo no Casino do Estoril. Em 1913, sob a visão de Fausto Cardoso de Figueiredo e do seu sócio, Augusto Carreira de Sousa, surge o projeto do Estoril enquanto 8 centro turístico de ambições internacionais. Nesta freguesia, na povoação de São João do Estoril, situava-se a residência de férias de António de Oliveira Salazar. Conta-se que terá sido a mando deste que se terá feito a Estrada Nacional n.º 6, mais conhecida como Avenida Marginal, para que este se pudesse deslocar de automóvel, mais depressa e mais despercebido a Lisboa, dado que o caminho até então se fazia por estradas em terra batida, onde se tinha de circular a uma velocidade bastante reduzida, com muitas paragens e, na altura, já aí circulavam bastantes automóveis. O XURURUCA fica situado em S. João do Estoril numa zona habitacional urbanizada e com população de estratos sociais médio e médio alto, confinando com um meio suburbano ainda caraterizado por precárias ou modestas condições de sobrevivência e habitabilidade.

9 Tal dicotomia é habitualmente patente na forma de ocupação do tempo das crianças: enquanto que, no segundo caso, as mesmas deambulam pela rua ou permanecem, quase sempre sozinhas, em casa, pelo menos após a saída da escola, no primeiro caso, desde tenra idade, as mesmas quase invariavelmente começam a frequentar escolas infantis para as quais são deslocadas, através de meios de transporte próprios, de familiares ou assegurados pelos respetivos colégios. É este último o perfil da criança que a nossa escola acolhe e educa, logo a partir dos quatro meses de idade e até completar o 1º ciclo do ensino básico, por volta dos dez anos. 9

10 10

11 DESIGNAÇÃO A palavra XURURUCA significa gostar muito de alguém e foi seu inventor o escritor brasileiro José Mauro de Vasconcelos, autor do livro O MEU PÉ DE LARANJA-LIMA, que a utilizou diversas vezes naquela história quando queria manifestar afeto por alguém. BREVE HISTORIAL DO XURURUCA Tendo como ponto de partida a sua designação, a escola O XURURUCA foi sonhada, pensada e criada tendo como base esse mesmo sentimento: gostar muito de alguém..., neste caso, crianças. Assim, o XURURUCA abriu as suas portas no ano letivo 90/91, tendo recebido onze crianças no dia 3 de Setembro de 1990, mas a sua especificidade de atendimento estava apenas relacionada com as faixas etárias inerentes as valências de Creche e Pré-Escolar. Para isso, encontrava-se equipado e licenciado nestas duas áreas de intervenção. Estes onze primeiros alunos distribuíram-se pelas salas: Bebé, Rosinha (1 ano) e Verde (3 anos). 11

12 O quadro técnico e auxiliar inicial era constituído por 9 colaboradores: Duas Educadoras de Infância (uma delas acumulando as funções de Diretora Pedagógica); Um Diretor Administrativo (colaboração em part-time/diário); Um Diretor Financeiro (colaboração semanal); Um Pediatra (colaboração semanal); Uma administrativa; Duas Vigilantes; Uma Empregada de Limpeza. No final do primeiro ano letivo de funcionamento o XURURUCA contava já com uma população de quarenta crianças. Durante os nove anos seguintes, o XURURUCA foi crescendo em utentes e colaboradores, tendo sido realizadas, com os alunos, atividades pedagógicas inovadoras, e de reconhecimento nacional, como foi o caso dos concursos de fotografia, apoiado pela Fuji, e o concurso de Jornalismo, apoiado pela revista Crescer. Na sequência de uma procura cada vez maior e da muita insistência por parte dos pais dos alunos, o XURURUCA aceitou o desafio de estender a sua atividade educativo-pedagógica à valência do 1º ciclo do Ensino Básico, o que viabilizou no ano letivo 1999/2000. Desde essa altura e até aos dias de hoje, o XURURUCA tem conseguido manter um nível de qualidade bastante notório que se espelha não só no número de crianças que acolhe, como também no grupo sólido e bem enraizado de colaboradores que trabalham na instituição. 12

13 ESPAÇO ENVOLVENTE O XURURUCA situa-se no Concelho de Cascais, na freguesia de São João do Estoril, na Rua Sacadura Cabral nº 202B. 13 Localiza-se na Quinta da Galiza, junto à nova Igreja de Nossa Senhora de Fátima da Galiza. Devido à sua situação geográfica, muito próxima do Estoril, a Escola acolhe preponderantemente crianças das freguesias de Cascais, Estoril e Parede. Tendo em conta esta localização, a escola abrange uma população considerada homogénea, de estratos socioeconómicos médios e, médios altos.

14 Espaço Físico Exterior 14 O XURURUCA é constituído por um único edifício, construído de raiz, onde funcionam, neste momento, as valências de creche, pré-escolar e 1º ciclo. A Escola é um espaço por excelência de aprendizagem técnica e científica, mas é simultaneamente um espaço onde se modelam vivências, atitudes e relações. Um espaço criativo, aberto, de relação profunda onde se gera e modela personalidades criativas, relacionais, capazes de aceitar desafios e de evoluir.

15 Ao nível de linguagem funcional, a Escola concebe-se como um elemento uno, no qual se integram diferentes graus de ensino de forma a, por um lado, aumentar a rentabilidade das instalações e, por outro, dar aos alunos a possibilidade de frequentar a mesma escola durante mais tempo. Neste contexto, a sua estrutura interna perspetivase segundo uma linguagem simples que tem por base os diferentes níveis/graus de ensino. 15 Trata-se de um espaço único que contempla a valência da creche (4 meses aos 3 anos), a valência do Ensino Pré-Escolar (3 anos aos 6 anos) e a valência do 1º Ciclo do Ensino Básico (dos 6 aos 9/10 anos de idade). Aquando da construção da Escola considerou-se a beleza e harmonia do edifício, dando-se primordial atenção à luz e ao espaço. A funcionar desde 1990, o Edifício do XURURUCA é um espaço educativo em que o processo ensino aprendizagem se desenvolve apostando numa pedagogia ativa, formando cidadãos responsáveis,

16 criativos e solidários, indo ao encontro das necessidades das crianças na sociedade atual. Até ao ano letivo 1998/1999 o Projeto Educativo da Escola contemplava apenas a Creche e o Pré-escolar. Tendo como objetivo a continuação deste Projeto até ao 4º ano de escolaridade, iniciou-se, como referido, em Setembro de 1999, a lecionação do 1º Ciclo do Ensino Básico. Foi também sendo efetuada, ao longo destes anos a requalificação do espaço exterior do XURURUCA, permitindo a melhoria do piso e das infraestruturas de brincadeira e atividade física inerentes ao recreio. 16 O Espaço Físico Interior Dotada de instalações modernas e adequadas, o XURURUCA conta com um espaço físico interior organizado em torno das três valências educativas em que presta serviço. Os espaços físicos que possui são, todos eles, construídos de raiz e planeados, tendo em conta as finalidades educativas que pretendemos

17 atingir e atendendo sempre às diretrizes, imposições e normativos legais geralmente emanadas do Ministério da Educação, através dos respetivos serviços competentes. Atualmente, dispomos das seguintes salas de aula, gabinetes, outras instalações e equipamentos: Salas de aula Na valência Creche e Jardim de Infância, para além da sala dos bebés (com espaço complementar específico para higiene e preparação das refeições) existem cinco salas para crianças cujas idades estão compreendidas entre um e cinco anos e a que, por escalões etários crescentes, correspondem as cores Rosinha, Rosa, Verde, Laranja e Azul. 17 Quanto ao 1º Ciclo, o XURURUCA dispõe de quatro salas de aula uma para cada ano devidamente equipadas e obedecendo igualmente a todos os requisitos oficialmente exigidos: todas são amplas, bem equipadas e com muita luz natural.

18 O XURURUCA aposta, também, na inserção das Novas Tecnologias ao serviço da educação como forma de apoio e enriquecimento dos conteúdos curriculares, dispondo também de uma sala de Informática e de uma biblioteca às quais, em diferentes horários, têm acesso alunos, quer do Jardim-de-Infância, quer do 1º Ciclo. Gabinetes Existem três: o Gabinete Médico, o Gabinete de Psicologia e o Gabinete da Direção. O Gabinete médico é o espaço onde o pediatra da Escola realiza o acompanhamento periódico, através de ações de observação médica dos alunos. Encontra-se equipado com mobiliário e utensílios médicos próprios para a satisfação das necessidades dos que a ele recorrem. O XURURUCA disponibiliza, também, gratuitamente o serviço psicopedagógico aos seus alunos, através da existência do gabinete de Psicologia. Este é atualmente, constituído por uma psicóloga que, para além do apoio aos alunos da escola, disponibiliza, igualmente, o atendimento ao corpo Docente do XURURUCA e aos encarregados de educação de todas as crianças do estabelecimento. 18

19 Outras instalações Projeto Educativo de Escola Triénio A escola está ainda dotada com: Refeitório Cozinha Sala de Reuniões Vestiário Ginásio Terraço com área parcialmente coberta (cerca de 200m2) Secretaria Despensas e zonas de arquivo Casa de máquinas O refeitório do XURURUCA é o maior espaço interior da Escola. 19 Dadas as suas dimensões é transformado em lugar de espetáculos no Natal e no Carnaval, e ainda em local de celebração de festas, como acontece com a dos Finalistas. Para estes fins dispõe de dois cenários em duas paredes diferentes, os quais servem de enquadramento aos eventos que aí são realizados. No dia-a-dia é o local onde são servidas as três refeições da escola, suplemento da manhã, almoço e lanche, de todas as crianças da Creche, Jardim de Infância e 1º Ciclo, quer tomem a alimentação da escola, quer a mesma seja trazida do exterior.

20 O Ginásio do XURURUCA é um espaço convidativo à prática do desporto. Possui uma enorme área para atividades, como é o caso da Educação Física, do Ballet e do Judo. 20 Para além do chão em madeira envernizada, dos espelhos e dos espaldares, está devidamente equipado com material adequado às atividades que aí são desenvolvidas. O XURURUCA possui ainda instalações sanitárias adequadas às várias idades e também para pessoas com mobilidade reduzida.

21 População / Recursos Humanos Com um corpo docente jovem e dinâmico, o XURURUCA engloba no seu Projeto Educativo a formação de crianças dos 5 meses aos 10 anos de idade, distribuídas pelas valências de Creche, Pré-Escolar e 1º Ciclo do Ensino Básico. A população do XURURUCA tem vindo a aumentar, ao longo dos quase vinte e dois anos de existência que a Escola já possui, em conformidade com o número de valências que vai adquirindo. Assim, e no âmbito daquelas valências que possui, o XURURUCA tem capacidade para atender a seguinte população: Valências Nº de Crianças Creche 40 Pré-Escolar 75 1º Ciclo 84 TOTAL Em conformidade com o que referimos no parágrafo anterior, o XURURUCA tem vindo a enriquecer os seus corpos docente e não docente, contando, no início do ano letivo 2012/2013, com os seguintes elementos:

22 Equipa Educativa Projeto Educativo de Escola Triénio Creche Diretora Pedagógica (em acumulação com desempenho do cargo de Educadora de 1 Infância) Educadoras 1 Vigilantes 4 Equipa Educativa Diretora Pedagógica e da 1 Instituição Pré-Escolar Educadoras 3 Vigilantes 3 Equipa Educativa 1º Ciclo Ensino Básico Diretora Pedagógica (em acumulação com o desempenho do cargo de 1 professora do 1º Ciclo) Professores 3 Vigilantes/Auxil. Refeitório 2 Pessoal não docente Assistentes Administrativos 2 Empregada de Limpeza 1 Auxiliares de Refeitório 1 22 Atividades de Enriquecimento Curricular Nº de Pessoas Tecnologias de Informação e Comunicação 1 Educação e Expressão Musical 1 Inglês 2 Educação Moral e Religiosa Católica 1 Educação e Expressão Físico-Motora 1 Atividades Extracurriculares Nº de Pessoas Teatro 1 Ballet 1 Badminton 1 Judo 1 Hip-Hop 1

23 Colaboradoria Nº de Pessoas Assessoria Pedagógica 1 Assessoria Financeira 1 Técnico de Contas 1 Engenheiro Informático 1 Terapeutas 3 Psicólogas 2 Médica pediatra 1 Equipamento e Material Didático 23 A Escola conta com materiais modernos e funcionais de modo a proporcionar às crianças comodidade, bem-estar e gosto pela vida na Escola, fundamental ao interesse pela aprendizagem. O equipamento e materiais didáticos existentes na Escola, não esgotando as necessidades reais do espaço, são fonte de enriquecimento sempre que possível. No que diz respeito ao equipamento e aos meios audiovisuais e informáticos, a Escola possui: Dois quadros eletrónicos Um computador e respetiva impressora, por sala Um computador e respetiva impressora na secretaria Um computador e respetiva impressora na direção

24 Uma fotocopiadora /Scanner Uma máquina de lavar a loiça Uma máquina de lavar a roupa Quatro frigoríficos e um com arca congeladora Equipamento audiovisual Aquecimento central Uma central telefónica Construções de madeira tratada (uma ponte, uma casa, e dois comboios) e um módulo de atividades para ocupação dos tempos livres das crianças Colchões, bolas, arcos, barras e outros objetos em plástico e madeira, destinados à prática de Educação Física, Ballet e Judo Dispositivos de alarme e segurança 24 Uma marquesa, um estetoscópio e um audioscópio A escola também dispõe de materiais específicos que dão resposta às necessidades concretas das áreas de Educação Física, Educação Musical, Ciências da Natureza e Matemática, podendo ser encontrados no espaço destinado a cada área, bem como num armário fixo no Gabinete da Direção do 1.º Ciclo.

25 ORGANIGRAMA DO XURURUCA Projeto Educativo de Escola Triénio Entidade Titular Direcção Pedagógica Assessores Direcção Financeira 25 Outros Colaboradores Creche e Jardim de Infância 1º Ciclo Secretaria Educadores Professores Vigilantes e Serviços de Limpeza Outros Docentes

26 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Projeto Educativo de Escola Triénio Para dar início a este Projeto Educativo, o XURURUCA encontra-se organizado, no ano letivo 2012/2013, do seguinte modo, nas suas três valências: CRECHE Nível Etário Designação da sala Número de alunos 4 meses 12 meses Sala Bebé 5 1 ano Sala Rosinha 8 2 anos Sala Rosa 12 Total 25 PRÉ-ESCOLAR Nível Etário Designação da sala Número de alunos 3 anos Sala Verde 15 4 anos Sala Laranja 18 5 anos Sala Azul 18 Total 51 1º CICLO Nível de Escolaridade Número de alunos 1º Ano de Escolaridade 15 2º Ano de Escolaridade 13 3º Ano de Escolaridade 11 4º Ano de Escolaridade 14 Total Total Geral 129

27 27

28 FILOSOFIA PEDAGÓGICA Projeto Educativo de Escola Triénio Refletir sobre a educação e o papel exercido pelas famílias e pelas escolas constitui, na segunda década do século XXI, uma atividade simultaneamente interessante e arriscada; interessante no que diz respeito à consciencialização mundial acerca da importância da educação; arriscada porque as mudanças são tão rápidas e fugazes que ainda ontem discutíamos assuntos que nos nossos dias já nem se mencionam, e o que hoje se comenta amanhã estará desatualizado. A educação está a converter-se numa atividade imprescindível, assumindo as etapas da educação Pré-Escolar e do Ensino Básico uma importância indiscutível pelo facto de constituírem as bases de uma educação que se desenvolve ao longo da vida de todo e qualquer indivíduo. Assim, o XURURUCA continua a sua missão assumindo como grandes vetores de filosofia pedagógica os princípios gerais enunciados na Lei Nº 46/86 Lei de Bases do Sistema Educativo: 0 sistema educativo responde às necessidades resultantes da realidade social, contribuindo para o desenvolvimento pleno e harmonioso da personalidade dos indivíduos, incentivando a formação de cidadãos livres, responsáveis, autónomos e solidários e valorizando a dimensão humana do trabalho. (artigo2º) A educação promove o desenvolvimento do espírito democrático e pluralista, respeitando os outros e as suas ideias, aberto ao diálogo e à livre troca de opiniões, formando cidadãos capazes de julgarem com espírito crítico e criativo o meio social em que se integram e de se empenharem na sua transformação progressiva. (artigo2º). 28

29 A evolução acelerada em todas as áreas do conhecimento, o impacto da sociedade da informação e do mundo científico e tecnológico, assim como as internacionalizações da economia e do conhecimento, implicam modificações radicais no trabalho e na organização da produção. Daí resulta que o XURURUCA, enquanto instituição educativa, deva ser uma organização em contínua mudança, prevendo, e adaptando-se às novas exigências. Esta perspetiva promove um novo modelo de escola onde educadores, professores, alunos, pais e outras entidades sociais traçam a sua própria trajectória enquanto comunidade educativa cada vez mais global e globalizante. Em consequência do que acabámos de referir, o XURURUCA organiza e gere o seu currículo subordinando-se aos princípios pedagógicos orientadores da reorganização curricular do Ensino Básico 29 expressa pelo Decreto-Lei 6/2001, de 18 de Janeiro (adapt artigo 3º) alterado: a) Coerência, sequencialidade e articulação entre o ensino pré-escolar e o 1º ciclo do ensino básico; b) Integração do currículo e da avaliação, assegurando que esta constitua o elemento regulador do ensino e da aprendizagem; c) Existência de áreas curriculares disciplinares e não disciplinares, visando a realização de aprendizagens significativas e a formação integral dos alunos, através da articulação e da contextualização dos saberes; d) Integração, com carácter transversal, da educação para a cidadania em todas as áreas curriculares;

30 e) Valorização das aprendizagens experimentais nas diferentes áreas e disciplinas, em particular, e com carácter obrigatório, no ensino das Ciências, promovendo a integração das dimensões teórica e prática; f) Racionalização da carga horária lectiva semanal dos alunos; g) Reconhecimento da autonomia da escola no sentido da definição de um projeto de desenvolvimento do currículo adequado ao seu contexto e integrado no respectivo projecto educativo; h) Valorização da diversidade de metodologias e estratégias de ensino e actividades de aprendizagem, em particular com recurso a tecnologias de informação e comunicação, visando favorecer o desenvolvimento de competências numa perspectiva de formação ao longo da vida; i) Diversidade de ofertas educativas, tomando em consideração as necessidades dos alunos, de modo a assegurar que todos possam 30 desenvolver as competências essenciais e estruturantes definidas para cada um dos ciclos e concluir a escolaridade obrigatória. Com base nestes princípios condutores de toda a acção educativa, O XURURUCA inventaria como grandes finalidades para os seus educandos: Crescer global e harmoniosamente em corpo e espírito Desenvolver as capacidades inatas de: linguagem psicomotricidade afetividade e autoestima socialização morais autónomas artísticas

31 Desenvolver capacidades através da construção de saberes e de estímulos exteriores de: memória raciocínio espírito científico criatividade e imaginação espírito crítico solidariedade Tal como a sociedade, a escola também está a mudar e a dinâmica deste processo radica no esforço e no empenhamento colectivo e individual, contemplando a dimensão interativa entre as duas primeiras. Esta ideia de Escola nova colhe impulso no esforço e dedicação dos professores, dos alunos e da comunidade escolar que a ela deverão aderir, procurando uma educação integral concebida na valorização dos valores cristãos, ao mesmo tempo globalizantes e criativos. 31 Procuramos uma Escola participada, útil e aberta à comunidade; uma Escola plural, contando com as diferentes realidades e promovendo a participação e o sentido crítico dos alunos. Será, pois, uma escola ativa e comprometida com a renovação pedagógica, na abertura a esquemas educativos de intercâmbio Escola- Meio. A educação é considerada uma atividade comum, uma partilha de cultura, através da exploração, discussão de tópicos e temas, realizados em conjunto por crianças e adultos.

32 As relações que se estabelecem entre crianças e adultos são relações de respeito mútuo e reciprocidade, onde o educador/professor deve valorizar a inteligência, cultura e saberes da criança e da sua família. Crianças, educadores/professores e famílias convivem reciprocamente como fonte de riquezas e recursos. A aprendizagem é um trabalho de grupo comum realizado através de projetos comuns. Não se pretende, no entanto, que as crianças atinjam todas o mesmo nível ou eliminar diferenças individuais e muito menos potenciar a competitividade e o individualismo. É por isso que os educadores/professores observam as crianças de modo a identificarem as suas capacidades e necessidades, tornando-os capazes de saber quando a criança está apta para receber o apoio necessário que a ajudará a avançar mais um passo no processo de aprendizagem. 32 Isto remete para uma imagem de criança com diferentes capacidades, ritmos de aprendizagem, necessidades e interesses, que os educadores/professores devem conhecer e respeitar. Só estando atento a estas diferenças se pode adaptar as atividades educacionais ao grupo e a cada criança individualmente. Baseada no estudo de diferentes teorias optou-se por uma Escola Ativa em que a educação é baseada nas relações, vinculações, cooperação, colaboração e comunicação entre todos os intervenientes no processo educativo da criança. É com base nestes pressupostos que se optou pela integração formal da componente informática nos currículos escolares pois num

33 mundo em que as inovações tecnológicas quase se ultrapassam a si próprias, a maior parte das pessoas está envolvida num processo de aprendizagem permanente ao longo da vida, já que até as formas de aprender e de reagir ao exterior são moldadas à medida que a tecnologia altera o ambiente. Neste sentido acentua-se ainda mais a responsabilidade do sistema educativo na perceção que as crianças e os jovens têm deste universo de mudança, de modo a fornecer-lhes capacidades e conhecimentos que lhes permitam uma adaptação progressiva às transformações que vão tendo lugar à sua volta. A integração dos computadores e da tecnologia educativa na dinâmica de aprendizagem permite oferecer a todos os estudantes uma mesma oportunidade de aprender, uma vez que corresponde a necessidades individuais de estudo, estilo e interesses, podendo ser, simultaneamente, catalisadores da motivação, participação e interação de todos os agentes do processo educativo, principalmente nas crianças do Pré-Escolar e do 1º Ciclo do Ensino Básico. Estas são intrinsecamente motivadas a prestar atenção, a explorar e a experimentar através de uma vasta diversidade de estímulos (visuais, auditivos e cinestésicos), envolvendo-se ativamente em todo o processo de aprendizagem. 33 A língua inglesa integra-se, igualmente, neste âmbito, uma vez que sendo uma língua universal é importante a iniciação precoce da sua aprendizagem, que lhes permita o domínio da comunicação com qualquer parte do mundo (por exemplo através da Internet). Sendo assim, optou-se pela integração desta área nos programas das crianças dos 5 anos e do 1º Ciclo, aparecendo como possibilidade extracurricular para as mais novas.

34 Igualmente importante - e para a faixa etária das crianças que frequentam o XURURUCA a música permite um desenvolvimento na perceção e acuidade auditiva, na estética e no ritmo, facilitadoras de muitas outras aprendizagens. Assim, a Educação Musical é orientada por um professor especializado em música de forma a atingir todos os objetivos propostos. Toda a organização das salas de aula e as respetivas atividades terão como pressuposto as considerações anteriores. Para que o desenvolvimento da criança seja global e harmonioso é facultada a Educação da Moral Religiosa. Subjacente à ação direta de formação estará sempre no espírito dos adultos proporcionar à criança uma atmosfera onde ela respire os verdadeiros valores humanos e onde os próprios adultos sejam reflexos do Amor de Deus. 34

35 CRIANÇA a FAMÍLIA ESCOLA COMUNIDADE 35 SOCIEDADE

36 Crescer Homem e Mulher Livres Responsáveis e Solidários Na Família Na Escola Na Comunidade Na Sociedade Saber estar em Família Viver a Escola na Escola Sentir a Escola na Comunidade Preparar-se para uma sociedade em mudança Valorizar a Família Interagir na comunidade educativa Conhecer o Meio Tornar-se um cidadão activo e participativo 36 Saber relacionarse e comunicar Aprender a aprender Ser um Adulto melhor

37 Algumas Referências Inspiradoras Projeto Educativo de Escola Triénio No XURURUCA não se pretende seguir um autor ou uma ideologia. O que se procura, no âmbito deste Projeto Educativo de Escola, é criar uma Pedagogia de Bom-Senso, seguindo orientação de vários autores ou Escolas sempre adaptando as suas ideias e ideais à realidade da sua comunidade Educativa. Assim, destacamos as seguintes fontes de inspiração: O Modelo de João de Deus Foi um eminente poeta lírico, considerado, à época, o primeiro do seu tempo e o proponente de um método de ensino da leitura, assente 37 na Cartilha Maternal por ele escrita, que teve grande aceitação popular, sendo ainda utilizada na iniciação da leitura e da escrita. O Modelo de C. Freinet Crítico da escola tradicional e das escolas novas, Freinet foi criador, na França, do Movimento da Escola Moderna. O seu objetivo básico era desenvolver uma escola popular. O movimento pedagógico por ele fundado caracteriza-se pela sua dimensão social, evidenciada pela defesa de uma escola centrada na

38 criança, que é vista, não como um indivíduo isolado, mas, fazendo parte de uma comunidade. Atribui grande ênfase ao trabalho: as atividades manuais têm tanta importância quanto as intelectuais, a disciplina e a autoridade resultam do trabalho organizado. Questiona as tarefas escolares (repetitivas e enfadonhas) opostas aos jogos (atividades lúdicas, recreio), apontando como essa dualidade, presente na escola, reproduz a dicotomia trabalho/prazer, gerada pela sociedade capitalista industrial. A escola por ele concebida é vista como elemento ativo de mudança social e é também popular por não marginalizar as crianças das classes menos favorecidas. Dá grande importância à participação e integração entre famílias/comunidade e escola, defendendo o ponto de vista de que "se se respeita a palavra da criança, necessariamente há mudanças". Algumas técnicas da pedagogia de Freinet: o desenho livre, o texto livre, as aulas-passeio, a correspondência interescolar, o jornal, o livro da vida (diário e coletivo), o dicionário dos pequenos, o caderno circular para os professores, etc. Essas técnicas têm como objetivo favorecer o desenvolvimento dos métodos naturais da linguagem (desenho, escrita, gramática), da matemática, das ciências naturais e das ciências sociais. Porém, essas técnicas não são um fim em si mesmas, mas sim momentos de um processo de aprendizagem, que, ao partir dos interesses mais profundos da criança, propicia as condições para o estabelecimento da apropriação do conhecimento. 38 Vemos que Freinet considera a aquisição do conhecimento como fundamental, mas essa aquisição deve ser garantida de forma significativa.

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo Creche Pré-Escolar 1º Ciclo A NOSSA MISSÃO É O NOSSO COMPROMISSO... Contribuir para o desenvolvimento integral dos nossos Alunos. Ser uma escola que marca a diferença fazendo melhor. Ensinar com amor.

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Ano Letivo: 2014/2015

Leia mais

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Projeto Curricular de Escola Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Lisboa Projeto Curricular de Escola 2 O valor das coisas não está No tempo em que elas duram,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. ANTÓNIO GRANJO Biblioteca Escolar Clube Web 2.0 PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros Ano letivo 2012-2013 Introdução Hoje é tido

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Externato Paroquial de Colares

Externato Paroquial de Colares Fazer uma escultura é muito simples, é só arranjar um bloco de pedra e depois tirar o que estiver a mais. ( ) Educar uma criança é um processo muito simples, é só arranjar uma criança e depois deixa-la

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 1.1. PRIORIDADES A NÍVEL DA ACTUAÇÃO EDUCATIVA... 4 1.2. PRIORIDADES A NÍVEL DO AMBIENTE EDUCATIVO... 4 II APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS... 5 2.1. SENSIBILIZAÇÃO

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha?

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? VIII Jornadas da Infância do Centro de Apoio Social e Acolhimento C.A.S.A. Bernardo Manuel Silveira Estrela PRÁTICAS EDUCATIVAS:

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

Anexo A. Organização do edifício de Creche

Anexo A. Organização do edifício de Creche Anexo A. Organização do edifício de Creche Rés-do-chão: Berçário Copa do leite Sala de atividades Refeitório para crianças Casa de banho para crianças Casa de banho para adultos Refeitório para adultos

Leia mais

PROJETO CLUBE EUROPEU

PROJETO CLUBE EUROPEU ESCOLAS BÁSICA DE EIXO PROJETO CLUBE EUROPEU Título: CLUBE EUROPEU Responsáveis: Maria de Lurdes Silva Maria Isaura Teixeira Páginas: 5 Ano letivo: 2014-2015 Escola Básica de Eixo Impresso a 12.11.14 Conteúdo

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI Ano lectivo 2009/2010 1 Princípios Orientadores de acordo com o Projecto Educativo A Lei

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M Projeto Educativo Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa Projeto Educativo V02 i ÍNDICE I. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA...1 1. O meio envolvente...1 2. O Colégio...2 3. Organização Estrutural...2 3.1. Órgãos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 (Resposta Social de Creche) DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS Setembro Integração/adaptação das Crianças Reunião de Pais 24/09/2014 Outono - Promover a integração

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3 ÍNDICE: 1. Introdução. 1 2. CONTEXTUALIZAÇÃO - Caracterização do meio 2 - Caracterização do espaço ATL... 2 3. Grupo - Caracterização do grupo. 3 - Caracterização da equipa/horário. 3 4. OBJETIVOS: - Objetivos

Leia mais

PES Promoção e Educação para a Saúde

PES Promoção e Educação para a Saúde (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto PES Promoção e Educação para a Saúde Equipa Dinamizadora: Alice Gonçalves e Rosa Rêgo Ano letivo 2014/2015

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

Projeto Pedagógico 2014/15

Projeto Pedagógico 2014/15 Projeto Pedagógico 2014/15 Introdução Um Projeto Educativo, qualquer que seja, compreende sempre um conjunto de intenções, de motivações, de interesses variados e está sujeito a alterações diversas conforme

Leia mais

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância Creche e Jardim de Infância O Jardim dos Palhacinhos Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância 1 Albufeira, Março 2014 Gerência: Índice Índice... 2 Introdução... 3 1. Caracterização da instituição...

Leia mais

Horário das aulas: De 2.ª a 6.ª feira das 07:30 às 19:30.

Horário das aulas: De 2.ª a 6.ª feira das 07:30 às 19:30. 12º Não é permitido aos Pais e Encarregados de Educação contactarem pessoalmente, ou através do telefone e, docentes e/ou alunos, durante os tempos letivos. 13º Os serviços cobertos pela anuidade obrigatória

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO Registo: CCPFC/ACC-76907/14, Nº Créditos: 1, Válida até: 10-02-2017

Leia mais

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Referencial de Educação Financeira em Portugal Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Educação para a Cidadania: novo quadro

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Programa de Apoio Educativo Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Ano Letivo 2013/2014 Índice 1- Fundamentação Legal 2 2- Definição de Programa de Apoio Educativo 2 3- Finalidades. 2 4- Destinatários.

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO

Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO 1 Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO Setembro Acolhimento das crianças - Integração e adaptação das crianças ao Centro Infantil Setembro Reunião de Pais e Encarregados

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

2010/2011 Plano Anual de Actividades

2010/2011 Plano Anual de Actividades 2010/2011 Plano Anual de Actividades Cristiana Fonseca Departamento de Educação para a Saúde 01-07-2010 2 Plano Anual de Actividades Introdução Quando em 1948 a Organização Mundial de Saúde definiu a saúde

Leia mais

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa:

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa: Palavras Soltas Equipa Educativa: Ana Maria Lopes; Ana Paula Neves; Daniela Bonito; Sandra Silva; Tathiana Germano; Teresa Ouro Índice Palavras Soltas 2 14 pág. Introdução... 5 I. Justificativa/ Tema...

Leia mais

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS O QUE SABEMOS UMA METODOLOGIA DE PROJETO PARA A EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE É O TRABALHO DE PROJETO? Os projetos da coleção «O Que Sabemos» enquadram-se numa metodologia

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais