Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO CURSO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO AMBIENTAL PERFIS METÁLICOS e LAMINADOS PLANOS Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008

2 2 ÍNDICE 1. Introdução Normalização A NBR 7007 da ABNT Propriedades mecânicas e equivalências com a ASTM Composição química dos aços NBR Efeito dos elementos de liga Soldabilidade Classificação dos Perfis Metálicos Propriedades Mecânicas dos Aços Estruturais Classificação dos aços para fins estruturais Propriedades dos aços estruturais Produtos importados Normas de fabricação Os produtos importados pelo Brasil: Perfis de abas paralelas e estreitas (série européia) Perfis de abas paralelas e largas (série européia) Perfis de abas paralelas e largas (série americana) Perfis U de abas inclinadas (série standard) Produtos nacionais laminados a quente Produtos para serralheria Normas de fabricação Barra chata Cantoneira Barra quadrada Barra redonda Barras laminadas endireitadas Normas de fabricação Barra redonda Tolerâncias dimensionais Barras redondas Normas de fabricação Barra redonda para serralheria Barra redonda para fins mecânicos Barras hexagonais Normas de fabricação Barra hexagonal laminada Barras chatas Normas de fabricação Barra chata Barra quadrada Normas de fabricação Barra quadrada laminada Barra quadrada trefilada Cantoneira de abas iguais Normas de fabricação Série métrica Série em polegadas Perfil U - Padrão americano Normas de fabricação Dimensões Características Perfis leves para serralheria Perfil U - Estrutural leve Fabricação Perfil I - Padrão americano Normas de fabricação Dimensões Características Perfil I Estrutural leve... 19

3 Fabricação Perfil I Abas paralelas Normas de fabricação Perfil I Dimensões Características Perfil H Abas paralelas Normas de fabricação Perfil H Dimensões Características Perfil T Normas de fabricação Perfil T Dimensões Perfil T xadrez - Dimensões Trilhos Generalidades: Normas de Fabricação Dimensões Básicas: Produtos laminados planos Normas de classificação Normas de fabricação Propriedades mecânicas Chapas grossas Dimensões Chapas finas a frio Dimensões Chapas de pisos (xadrez) Dimensões Chapa de piso qualidade comercial Chapas finas a quente Dimensões Chapa zincada Dimensões Produtos nacionais obtidos por solda Norma de fabricação NBR Séries de perfis - série simétrica Material Dimensões Perfis soldados por eletrofusão - Série CE Perfis soldados por eletrofusão - Série CVE Perfis soldados por eletrofusão - Série VE Perfis soldados por eletrofusão - Série VEM Perfis soldados por eletrofusão - Série TE Norma de fabricação NBR Séries de perfis - série simétrica Material Dimensões Produtos Nacionais obtidos por dobra Fabricação Fabricação Dimensões: Perfil U Enrijecido Dimensões: Perfil U Simples Referência Bibliográfica... 62

4 4 1. Introdução 1.1. Normalização O que é uma norma? R. De um modo bem abrangente é a atividade que padroniza todas as características que um determinado produto deve possuir ao ser oferecido ao mercado consumidor. Quais os objetivos de uma norma? R. O econômico: Proporcionando a redução dos produtos oferecidos no mercado com as mesmas características. R. A comunicação: Proporcionando a facilidade da troca de informação entre aqueles que oferecem o produto e os consumidores. R. A segurança: De um modo geral preservar a vida humana, a saúde e o meio ambiente. R. Proteção do consumidor: Dar meios à sociedade de conferir a qualidade dos produtos oferecidos. R. Eliminar barreiras comerciais: Eliminar normas conflitantes sobre produtos e serviços de diferentes produtos e serviços em um mesmo país ou ainda em países diferentes A NBR 7007 da ABNT A NBR 7007 tem por objetivo estabelecer requisitos mínimos para os aços carbono e os chamados aços microligados, laminados a quente para aplicação em perfis para uso estrutural. Os aços abrangidos por essa norma são classificados segundo suas propriedades mecânicas, nos seguintes graus: o aço carbono NBR 7007 grau MR 250 e os aços microligados NBR 7007 grau AR 350, NBR 7007 grau AR 415 e NBR 7007 grau AR 350 COR. Página: Fundada em 1940, a ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o órgão responsável pela normalização técnica no Brasil, fornecendo a base necessária ao desenvolvimento tecnológico nacional. É uma entidade privada, sem fins lucrativos, reconhecida como Fórum Nacional de Normalização ÚNICO através da Resolução n.º 07 do CONMETRO, de É membro fundador da ISO (International Organization for Standardization), da COPANT (Comissão Pan-americana de Normas Técnicas) e da AMN (Associação Mercosul de Normalização).

5 Propriedades mecânicas e equivalências com a ASTM GRAU NBR 7007 LIMITE DE ESCOAMENTO RESISTÊNCIA A TRAÇÃO (MÍNIMA) ASTM Norma americana LIMITE DE ESCOAMENTO RESISTÊNCIA A TRAÇÃO MPa kgf/cm 2 MPa kgf/cm 2 MPa kgf/cm 2 MPa kgf/cm 2 MR A AR A572 / 50 T AR A572 / 60 T AR 350 COR A588 / B NBR é a sigla de Norma Brasileira aprovada pela ABNT ASTM American Society for Testing and Materials 1.4. Composição química dos aços NBR 7007 GRAU MR 250 AR 350 AR 350 COR (**) AR 415 ELEMENTOS QUÍMICOS (%) C Mn (*) Si P S Cu Nb Cr Ni Mo 0,23 0,23 0,20 0,26-0,50 a 1,35 0,50 a 1,35 0,50 a 1,35 0,40 0,40 0,15 0,40 0,04 0,04 0,04 0,04 0,05 0,05 0,05 0,05 0,35 0,35 0,25 a 0,50 0,35-0,050 0,050 0,050 0,35 0,35 0,40 a 0,70 0,35 0,35 0,35 0,50 0,35 0,05 0,05 0,10 0,05 (*) Para cada recuo de 0,01% no teor máximo de carbono especificado será permitido um aumento de 0,06% no teor de Manganês até o máximo de 1,5%. (**) O aço NBR 7007 / AR350 COR possui resistência à corrosão atmosférica superior aos outros graus desta mesma norma Efeito dos elementos de liga Carbono: A quantidade de carbono influi na dureza, no limite de resistência e na soldabilidade. Manganês: O manganês, quando adicionado em quantidade conveniente, aumenta a resistência do aço ao desgaste e aos choques, mantendo-o dúctil. Silício: Torna o aço mais duro e tenaz. Previne a porosidade e concorre para a remoção dos gases e dos óxidos. Influi para que não apareçam falhas ou vazios na massa do aço. É um elemento purificador e tem o efeito de isolar ou suprimir o magnetismo. Fósforo: Em teores elevados torna o aço frágil e quebradiço, motivo pelo qual deve-se reduzir ao mínimo possível sua quantidade, já que não se pode eliminá-lo integralmente. Considerado como uma impureza.

6 6 Enxofre: É um elemento prejudicial ao aço. Torna-o granuloso e áspero, devido aos gases que produz na massa metálica. Enfraquece a resistência do aço. Considerado como uma impureza. Cromo: O cromo confere ao aço alta resistência, dureza, elevado limite de elasticidade e boa resistência à corrosão em altas temperaturas. Níquel: Foi um dos primeiros metais utilizados com sucesso para dar determinadas qualidades ao aço. O níquel aumenta a resistência e a tenacidade do mesmo, eleva o limite de elasticidade, dá boa ductilidade e boa resistência à corrosão. Molibidênio: Emprega-se, em geral, adicionado com cromo, produzindo os aços cromomolibdênio, de grande resistência, principalmente a esforços repetidos Soldabilidade Os aços desta norma são considerados soldáveis por métodos normais de fusão quando o Carbono Equivalente for menor ou igual a 0,55%. % Mn (% Cr + % Mo + % V ) (% Ni + % Cu) % Ceq = % C Classificação dos Perfis Metálicos Os perfis metálicos podem ser obtidos por um processo siderúrgico ou ainda por um processo metalúrgico. Produtos siderúrgicos: são chapas, barras e perfis laminados a quente. Produtos metalúrgicos: são perfis obtidos pela dobra de tiras de aço ou ainda por composição de chapas dobradas.

7 Propriedades Mecânicas dos Aços Estruturais PROPRIEDADES Módulo de Elasticidade E 205 GPa kgf/cm 2 Coeficiente de Poisson v a 0,3 Coeficiente de Dilatação Térmica β 12x10-6 C Peso Específico γ a 78 kn/m ,8 kg Módulo de Elasticidade Transversal G 78,93 GPa ,8 kgf/cm Classificação dos aços para fins estruturais Série ASTM Norma Grau Limite de Escoamento (MPa / kgf/cm 2 ) AÇO CARBONO Resistência a Tração (MPa / kgf/cm 2 ) Aplicação e propriedades ASTM A / a 550 / 4080 a 5610 Perfis, chapas e barras ASTM A / / 3672 Perfis dobrados / / 3876 Maleável / / 4182 ASTM A500 A 232 / / 3264 Tubos redondos B 296 / / 4162 com ou sem costura A 274 / / 3264 Tubos retangulares B 323 / / 4162 com ou sem costura ASTM A / / 4162 Tubos pesados Quadr., retangular, redondo Norma Grau Limite de Escoamento (MPa / kgf/cm 2 ) AÇO CARBONO DE ALTA RESISTÊNCIA Resistência a Tração (MPa / kgf/cm 2 ) Aplicação e propriedades ASTM A / / 4947 Estruturas metálicas / / 4947 Alta resistência / / 4692 ASTM A / / / / 4590 AÇO CARBONO DE ALTA RESISTÊNCIA MECÂNICA E A CORROSÃO ATMOSFÉRICA Norma Grau Limite de Escoamento (MPa / kgf/cm 2 ) Resistência a Tração (MPa / kgf/cm 2 ) Aplicação e propriedades ASTM A / / 4896 Estruturas expostas / / 4896 Alta resistência à corrosão / / 4692 ASTM A / / 4947 Pontes e viadutos

8 8 Série ABNT Norma Grau Limite de Escoamento (MPa / kgf/cm 2 ) AÇO PARA PERFIS ESTRUTURAIS Resistência a Tração (MPa / kgf/cm 2 ) Aplicação e propriedades NBR 6648 CG / / 3876 Chapas grossas CG / / 4182 NBR 6649 CF / / 3774 Chapas finas CF / / 4182 laminadas a frio NBR 6650 CF / / 3774 Chapas finas CF / / 4182 laminadas a quente CF / / 4488 CF / / Propriedades dos aços estruturais Ductilidade Fragilidade Resiliência Tenacidade Dureza Fadiga PROPRIEDADES Capacidade de deformação sob a ação de cargas Oposto de ductilidade A fratura frágil é característica do aço em baixas temperaturas Capacidade do aço absorver energia mecânica em regime elástico Capacidade do material absorver energia mecânica com deformações elásticas ou plásticas Resistência superficial ao risco e à abrasão Resistência a cargas repetitivas

9 9 2. Produtos importados 2.1. Normas de fabricação Os perfis metálicos importados pela Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira são produzidos de aço carbono (aço microligado) conforme a norma americana ASTM A572 / 50 semelhante a norma brasileira NBR 7007 / AR 350, com baixo teor de carbono permitindo uma ótima soldabilidade. Estruturalmente apresentam uma relação inércia/peso de muito boa performance, e que permite encontrar uma solução bem econômica ao projeto. São encontrados em comprimentos de 12 metros. A composição química é assegurada por padrões internacionais com certificado de qualidade fornecido para cada peça. Aços disponíveis: ASTM A36 Sob consulta ASTM A992 / GR50 Todos o perfis ASTM A572 / GR50 Todos os perfis 2.2. Os produtos importados pelo Brasil: Perfis de abas paralelas e estreitas (série européia) Principais aplicações: Elementos fletidos Construções industriais Vigas de coberturas Vigas treliçadas Vantagens e características: Alta relação módulo de flexão / peso Facilidade de conexão Dimensões: Fabricadas na Europa Altura: 80mm a 750mm Largura: 45mm a 268mm Importadas pelo Brasil: Altura: 100mm a 400mm Largura: 55mm a 180mm

10 Perfis de abas paralelas e largas (série européia) Principais aplicações: Elementos fletidos Estruturas de pontes Colunas pesadas Vantagens e características: Excelente resistência nos dois eixos Dimensões: Fabricadas na Europa Altura: 91mm a 1118mm Largura: 100mm a 417mm Importadas pelo Brasil: Altura: 96mm a 283mm Largura: 100mm a 300mm Perfis de abas paralelas e largas (série americana) Principais aplicações: Elementos fletidos Colunas Vigas Vantagens e características: Grande variedade de dimensões de abas para uma mesma altura Dimensões: Fabricadas nos EUA Altura: 100mm a 1100mm Largura: 100mm a 450mm Importadas pelo Brasil: Altura: 150mm a 450mm Largura: 100mm a 200mm Perfis U de abas inclinadas (série standard) Principais aplicações: Vigas de construções leves Vigas para treliças Elementos de máquinas Vantagens e características: Excelente alternativa para elementos fletidos. Inclinação da aba de 8%. Dimensões: Fabricadas nos EUA Altura: 80mm a 400mm Largura: 45mm a 110mm Importadas pelo Brasil: Altura: 200mm a 300mm Largura: 57mm a 77mm

11 11 3. Produtos nacionais laminados a quente 3.1. Produtos para serralheria As principais aplicações são: elementos de serralheria, estruturas metálicas leves, nas composições estruturais, elementos de máquinas e na indústria mecânica em geral. São fornecidos em barras no comprimento de 6,0m Normas de fabricação A linha de perfis e barras para serralheria é produzida por laminação com aços de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36). Também podem ser produzidas segundo as normas NBR 7007 / AR350 e NBR 7007 / AR350 COR Barra chata ESPESSURA MASSA (kg/m) LARGURA 3/8 1/2 5/8 3/4 7/ /4 2,5mm - 0,25 0, /8 0,24 0,32 0,40 0,48 0,55 0,63 0,79 3/16-0,47 0,59 0,71 0,83 0,95 1,19 1/ ,95 1,11 1,27 1, Cantoneira MASSA (kg/m) ESPESSURA LARGURA 3/8 1/2 5/8 3/4 7/ /4 2,5mm - 0,57 0, /8-0,55 0,71 0,87 1,03 1,19 1,50 3/ ,73 2,20 1/ ,20 2, Barra quadrada MASSA (kg/m) 5/16 3/8 1/2 5/8 3/4 BITOLAS 0,49 0,71 1,27 1,98 2, Barra redonda MASSA (kg/m) 1/4 5/16 3/8 1/2 5/8 3/4 7/8 1 BITOLAS 0,25 0,39 0,56 0,99 1,55 2,24 3,04 3,98

12 Barras laminadas endireitadas Normas de fabricação As barras laminadas endireitadas são obtidas por um simples endireitamento do fiomáquina e corte em barras de 3,0m a 6,0m. São produzidas com aços de baixo teor de carbono: SAE 1006 / 1010 / 1015 / 1020 e Com aços de médio teor de carbono: SAE 1035 / Com aços ligados: 9254 / 4141 / 5135 e Com aços microligados ao boro: PL22. São utilizados em diversas aplicações tais como componentes mecânicos e ferramentas onde se exigem menores tolerâncias em relação à bitola Barra redonda 5,50 6,50 7,00 8,00 9,00 10,00 10,50 11,00 BITOLAS MASSA (kg/m) 0,19 0,26 0,30 0,39 0,50 0,62 0,68 0,75 11,50 12,00 12,70 14,30 15,90 17,50 18,30 19,05 BITOLAS - - 1/2 9/16 5/8 11/16-3/4 MASSA (kg/m) 0,81 0,89 0,99 1,26 1,56 1,89 2,06 2,24 20,64 22,50 23,81 25,40 27,00 28,58 31,75 - BITOLAS 13/16-15/ /16 1.1/8 1.1/4 - MASSA (kg/m) 2,63 3,12 3,49 3,98 4,49 5,03 6, Tolerâncias dimensionais BITOLA TOLERÂNCIA (mm) OVALIZAÇÃO (mm) 5,50 a 10,00 +/- 0,20 0,32 10,50 a 19,05 +/- 0,25 0,40 20,64 a 24,00 +/- 0,30 0,48 24,00 e maiores +/- 0,40 0, Barras redondas Normas de fabricação As barras redondas são produzidas por laminação com aços de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36) para fins estruturais e de serralheria. Também podem ser produzidas segundo as normas SAE 1010 / 1020 / 1045 para fins mecânicos. Conforme a norma SAE 12L14 de fácil usinagem. Conforme a norma SAE 4140 / 8620 para fins mecânicos. São fornecidas no comprimento de 6,0m.

13 Barra redonda para serralheria 6,35 7,94 9,52 12,70 15,88 19,05 22,22 25,4 BITOLAS 1/4 5/16 3/8 1/2 5/8 3/4 7/8 1 MASSA (kg/m) 0,25 0,39 0,56 0,99 1,55 2,24 3,04 3, Barra redonda para fins mecânicos 6,35 7,94 9,52 12,70 14,29 15,88 19,05 20,64 BITOLAS 1/4 5/16 3/8 1/2 9/16 5/8 3/4 13/16 MASSA (kg/m) 0,25 0,39 0,56 0,99 1,26 1,55 2,24 2,63 22,22 25,4 28,58 30,16 31,75 33,34 34,93 36,51 BITOLAS 7/ /8 1.3/16 1.1/4 1.5/16 1.3/8 1.7/16 MASSA (kg/m) 3,04 3,98 5,04 5,61 6,22 6,85 7,52 8,22 38,10 30,99 41,28 44,45 46,04 47,63 50,80 BITOLAS 1.1/2 1.9/16 1.5/8 1.3/4 1.13/16 1.7/16 2 MASSA (kg/m) 8,95 9,71 10,50 12,20 13,10 14,00 15,90 52,39 53,98 57,15 58,74 60,33 61,91 63,50 65,09 BITOLAS 2.1/16 2.1/8 2.1/4 2.5/16 2.3/8 2.7/16 2.1/2 2.9/16 MASSA (kg/m) 16,90 18,00 20,10 21,30 22,40 23,60 24,90 26,10 66,68 69,85 73,03 76,20 77,79 79, BITOLAS 2.5/8 2.3/4 2.7/ /16 3.1/8 - - MASSA (kg/m) 27,40 30,10 32,90 35,80 37,30 38, Barras hexagonais Normas de fabricação As barras hexagonais são produzidas de acordo com as normas SAE 1212 E4 e SAE 12L12 E1. São barras destinadas a usinagem. São fornecidas no comprimento de 3,0m Barra hexagonal laminada 17,45 19,05 20,64 22,00 22,22 23,81 24,00 25,4 BITOLAS 11/16 3/4 13/16-7/8 15/16-1 MASSA (kg/m) 2,07 2,47 2,90 3,29 3,36 3,86 3,92 4,39 26,99 28,58 30,00 31,75 34,93 36,00 36,51 38,10 BITOLAS 1.1/16 1.1/8-1.1/4 1.3/8-1.7/16 1.1/2 MASSA (kg/m) 4,95 5,55 6,12 6,85 8,29 8,81 9,06 9,87

14 14 41,28 44,45 47,63 50, BITOLAS 1.5/8 1.3/4 1.7/ MASSA (kg/m) 11,59 13,44 15,42 17, Barras chatas Normas de fabricação As barras chatas são laminadas com aços produzidos de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36) para fins estruturais e de serralheria. Também podem ser produzidas segundo as normas SAE 1020 / 1045 / 1060 e As principais aplicações são na mecânica em máquinas e equipamentos e na indústria mecânica em geral. São fornecidas no comprimento de 6,0m Barra chata ESPESSURA MASSA (kg/m) LARGURA 3/8 1/2 5/8 3/4 7/ /4 1.1/2 2,5mm - 0,25 0, /8 0,24 0,32 0,40 0,48 0,55 0,63 0,79 0,95 3/16 0,36 0,47 0,59 0,71 0,83 0,95 1,19 1,42 1/4-0,63 0,79 0,95 1,11 1,27 1,58 1,90 5/ ,99 1,20 1,40 1,58 1,98 2,37 3/ ,19 1,42 1,66 1,99 2,37 2,85 7/ / ,90 2,20 2,53 3,16 3,80 5/ ,16 3,95 4,75 3/ ,80 4,75 7, ,59 ESPESSURA MASSA (kg/m) LARGURA 2 2.1/4 2.1/ / ,5mm /8 1,27-1,58 1,90 2,21 2, /16 1,90-2,37 2,85 3,32 3, /4 2,53 3,56 3,17 3,80 4,42 5, /16 3,17 4,27 3,96 4,75 5,53 6, /8 3,80 4,30 4,74 5,69 6,64 7, / , /2 5,06 5,70 6,33 7,60 8,86 10, /8 6,33 7,12 7,92 9,50 11,08 12, /4 7,59 8,85 9,49 11,40 13,28 15, ,12 11,39 12,65 15,19 17,7 20, Em negrito: produção de linha da siderúrgica Belgo-mineira. Em itálico: Produzido por outras siderúrgicas Fonte Catálogo da Horse Distribuidora de Aços Ltda.

15 Barra quadrada Normas de fabricação As barras quadradas são laminadas com aços produzidos de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36) para fins estruturais e de serralheria. Também podem ser produzidas segundo as normas SAE 1020 e As principais aplicações são na mecânica em máquinas e equipamentos e na indústria mecânica em geral. São fornecidas no comprimento de 6,0m Barra quadrada laminada Aplicação na serralheria e peças de máquinas e na indústria mecânica em geral. MASSA (kg/m) BITOLA 5/16 3/8 1/2 5/8 3/4 7/ /4 1.5/16 1.1/2 1.3/4 7,94 9,53 12,70 15,88 19,05 22,23 25,40 31,75 33,34 38,10 44,45 0,50 0,71 1,27 1,98 2,85 3,88 5,06 7,91 8,50 11,15 15, Barra quadrada trefilada Obtida por trefilação a frio das barras laminadas e usadas na usinagem de porcas e parafusos MASSA (kg/m) BITOLA 4,76 6,35 7,93 9,52 11,11 12,70 14,28 15,88 17,46 19,05 20,63 0,18 0,32 0,50 0,71 0,97 1,27 1,60 1,98 2,39 2,85 3,34 MASSA (kg/m) BITOLA 22,22 23,81 25,40 26, ,88 4,45 5,06 5, Cantoneira de abas iguais Normas de fabricação As cantoneiras são laminadas com aços produzidos de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36) para fins estruturais e de serralheria. Também podem ser produzidas segundo as normas NBR 7007 / AR350 / AR415 e AR350 COR. As principais aplicações são em estruturas metálicas e equipamentos e na indústria mecânica em geral. São fornecidas no comprimento de 6,0m.

16 Série métrica ESPESSURA (mm) MASSA (kg/m) LARGURA (mm) ,84 2,09 2, ,42 2,74 3,06 3,70 4, ,97 3,38 3,77 4,57 4,98 5, ,47 5,42 5,91 6,87 8,30 9, ,92 9,60 10, ,73 8,95 10,90 12, ,03 12, ,00 13,40 15, , , ,20 Nota: A siderúrgica Belgo-Mineira produz cantoneiras de 55, 70, 80 e 125 sob consulta. ESP. (pol) Série em polegadas MASSA (kg/m) LARGURA (pol) 1 1.1/4 1.1/2 1.3/ / / /8 1,19 1,50 1,83 2,14 2, /16 1,73 2,20 2,68 3,15 3,63 4,57 5, /4 2,20 2,86 3,48 4,12 4,75 6,10 7,29 8,63 9,82-5/ ,83 7,44 9,08 10,70 12,20 15,33 3/ ,99 8,78 10,70 12,50 14,60 18,30 7/ ,40-16,80 21,30 1/ ,00-19,00 24,10 5/ ,40 - Nota: A siderúrgica Belgo-Mineira produz cantoneiras de 1/2, 5/8, 3/4 e 7/8 na espessura de 1/ Perfil U - Padrão americano Normas de fabricação Os Perfis U são laminados com aços produzidos de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36) para fins estruturais, maquinário, rodoviários, agrícolas e de serralheria. Também podem ser produzidas segundo as normas NBR 7007 / AR350 / AR415 e AR350 COR. As principais aplicações são em estruturas metálicas e equipamentos e na indústria mecânica em geral. São fornecidas no comprimento de 6,0m.

17 Dimensões ESPES. LARG. ESPES. DESIGNAÇÃO ÁREA ALTURA MASSA ALMA ABA ABA ALTURA x MASSA cm 2 h (mm) t (mm) b (mm) e (mm) kg U3 x 6,10 1ª ALMA 7,78 76,20 4,32 35,80 6,93 6,10 U3 x 7,44 2ª ALMA 9,48 76,20 6,55 38,00 6,93 7,44 U4 x 8,04 1ª ALMA 10,10 101,60 4,67 40,20 7,52 8,04 U4 x 9,30 2ª ALMA* 11,90 101,60 6,27 41,84 7,52 9,30 U6 x 12,20 1ª ALMA 15,50 152,40 5,08 48,80 8,71 12,20 U6 x 15,63 2ª ALMA 19,90 152,40 7,98 51,70 8,71 15,63 *Não faz parte da norma ASTM A Características DESIGNAÇÃO ALTURA x MASSA Jx cm 4 Wx cm 3 Rx cm Jy cm 4 Wy cm 3 Ry cm U3 x 6,10 1ª ALMA 68,90 18,10 2,98 8,20 3,32 1,03 U3 x 7,44 2ª ALMA 77,20 20,44 2,85 10,30 3,82 1,04 U4 x 8,04 1ª ALMA 159,50 31,04 3,97 13,10 4,61 1,14 U4 x 9,30 2ª ALMA* 174,40 34,30 3,84 15,50 5,10 1,14 U6 x 12,20 1ª ALMA 546,00 71,20 5,94 28,80 8,16 1,36 U6 x 15,63 2ª ALMA 632,00 82,63 5,63 36,00 9,24 1,34 *Não faz parte da norma ASTM A Perfis leves para serralheria ESP. LARG. ESPES. DESIGNAÇÃO ÁREA ALTURA MASSA ALMA ABA ABA ALTURA x MASSA cm 2 h (mm) t (mm) b (mm) e (mm) kg U1 x 1,20 1,58 25,4 0,41 1,27 0,41 1,20 U1.1/4 x 1,47 1,89 31,8 0,47 1,27 0,47 1,47 U1.1/2 x 1,63 2,13 3,81 0,49 1,27 0,49 1,63 U2 x 2,41 * 3,03 50,8 0,32 2,54 0,32 2,41 U2 x 3,50 * 4,38 50,8 0,48 2,54 0,48 3,50 * Perfis de abas paralelas 3.9. Perfil U - Estrutural leve Fabricação H e d B y x e O perfil estrutural leve é um produto laminado de fabricação da Gerdau. Suas abas paralelas asseguram uma boa inércia e facilitam o encaixe e a montagem. É empregado principalmente em estruturas metálicas, carrocerias, chassis, estocadores, suporte de placas de sinalização, componentes de máquinas e implementos agrícolas, entre outras aplicações.

18 18 DESIGNAÇÃO Área Massa H B e d cm² kg/m mm mm mm mm 50,8X25,4X2mm 1,95 1,6 50,8 25,4 2,0 7,09 76,2X38,1X2,5mm 3,68 2,94 76,2 38,1 2,5 10,45 76,2X38,1X3,17mm 4,63 3,68 76,2 38,1 3,17 10,70 101,6X50,8X2,5mm 4,95 3,97 101,6 50,8 2,5 13,63 101,6X50,8X3,17mm 6,24 4,98 101,6 50,8 3,17 13,88 101,6X50,8X4,76mm 7,76 6,16 101,6 50,8 4,76 16,44 DESIGNAÇÃO W x J x W y J y r x r y cm 3 cm 4 cm 3 cm 4 cm cm 50,8X25,4X2mm 3,06 7,76 0,66 1,22 1,99 0,79 76,2X38,1X2,5mm 8,77 33,4 1,89 5,23 3,00 1,19 76,2X38,1X3,17mm 10,82 41,23 2,36 6,46 2,98 1,18 101,6X50,8X2,5mm 15,98 81,16 3,42 12,70 4,05 1,6 101,6X50,8X3,17mm 19,86 100,87 4,28 15,79 4,02 1,59 101,6X50,8X4,76mm 26,4 134,1 6,04 20,75 4,16 1, Perfil I - Padrão americano Normas de fabricação Os Perfis I são laminados com aços produzidos de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36) para fins estruturais, maquinário, rodoviários e agrícolas. Também podem ser produzidas segundo as normas NBR 7007 / AR350 / AR415 e AR350 COR. As principais aplicações são em estruturas metálicas e equipamentos e na indústria mecânica em geral. São fornecidas no comprimento de 6,0m Dimensões DESIGNAÇÃO ALTURA x MASSA ÁREA ALTURA ESPES. ALMA LARG. ABA ESPES. ABA MASSA cm 2 h (mm) t (mm) b (mm) e (mm) kg I4 x 11,40 1ª ALMA 14,5 101,6 4,83 67,6 7,4 11,40 I4 x 12,70 2ª ALMA 16,1 101,6 6,43 69,2 7,4 12,70 I4 x 14,10 3ª ALMA 18,0 101,6 8,28 71,0 7,4 14,10 I5 x 14,80 1ª ALMA 18,8 127,0 5,33 76,2 8,3 14,80

19 19 I5 x 18,20 2ª ALMA 23,2 127,0 8,81 79,7 8,3 18,20 I6 x 18,50 1ª ALMA 23,6 152,4 5,84 84,6 9,1 18,50 I6 x 22,00 2ª ALMA 28,0 152,4 8,71 87,5 9,1 22,00 I6 x 25,70 3ª ALMA 32,7 152,4 11,81 90,6 9,1 I25, Características DESIGNAÇÃO ALTURA x MASSA Jx cm 4 Wx cm 3 Rx cm Jy cm 4 Wy cm 3 Ry cm I4 x 11,40 1ª ALMA 252,0 49,7 4,17 31,7 9,4 1,48 I4 x 12,70 2ª ALMA 266,0 52,4 4,06 34,3 9,9 1,46 I4 x 14,10 3ª ALMA 283,0 55,6 3,96 37,6 10,6 1,45 I5 x 14,80 1ª ALMA 511,0 80,4 5,21 50,2 13,2 1,63 I5 x 18,20 2ª ALMA 570,0 89,8 4,95 58,6 14,7 1,59 I6 x 18,50 1ª ALMA 919,0 120,6 6,24 75,7 17,9 1,79 I6 x 22,00 2ª ALMA 1003,0 131,7 5,99 84,9 19,4 1,74 I6 x 25,70 3ª ALMA 1095,0 143,7 5,79 96,2 21,2 1, Perfil I Estrutural leve H Fabricação B y x e f O perfil estrutural leve I é um produto laminado de fabricação da Gerdau. Suas abas paralelas asseguram uma boa inércia e facilitam o encaixe e a montagem. É empregado principalmente em estruturas metálicas, carrocerias, chassis, estocadores, suporte de placas de sinalização, componentes de máquinas e implementos agrícolas, entre outras aplicações. DESIGNAÇÃO Área Massa H B e f cm² kg/m mm mm mm mm 75 X 4,5 kg/m 5,36 4,54 76,2 57,2 2,29 3, X 5,4 kg/m 6,52 5,45 101,6 57,2 3,18 3,05

20 20 DESIGNAÇÃO W x J x W y J y r x r y cm 3 cm 4 cm 3 cm 4 cm cm 75 X 4,5 kg/m 14,82 56,28 3,59 10,27 3,24 1, X 5,4 kg/m 21,26 107,75 3,33 9,51 4,06 1, Perfil I Abas paralelas Normas de fabricação Os Perfis I de abas paralelas são laminados com aços produzidos de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36) para fins estruturais, maquinário, rodoviários e agrícolas. Também podem ser produzidas segundo as normas NBR 7007 / AR350 COR. As principais aplicações são em estruturas metálicas e equipamentos, na indústria mecânica em geral e principalmente na indústria da construção civil. São fornecidos no comprimento de 6,0 a 24,0m sob consulta Perfil I Dimensões DESIGNAÇÃO ALT. x MASSA ESPES. LARG. ESPES. ÁREA ALTURA MASSA ALMA ABA ABA cm 2 h (mm) t (mm) b (mm) e (mm) kg W150 x 13,0 16, , ,9 13,0 W150 x 18,0 23, , ,1 18,0 W200 x 15,0 19, , ,2 15,0 W200 x 19,3 25, , ,5 19,3 W200 x 22,5 29, , ,0 22,5 W200 x 26,6 34, , ,4 26,6 W200 x 31,3 40, , ,2 31,3

21 21 W250 x 17,9 23, , ,3 17,9 W250 x 22,3 28, , ,9 22,3 W250 x 25,3 32, , ,4 25,3 W250 x 28,4 36, , ,0 28,4 W250 x 32,7 42, , ,1 32,7 W250 x 38,5 49, , ,2 38,5 W250 x 44,8 57, , ,8 W310 x 21,0 27, , ,7 21,0 W310 x 23,8 30, , ,7 23,8 W310 x 28,3 36, ,9 28,3 W310 x 32,7 42, , ,8 32,7 W310 x 38,7 49, , ,7 38,7 W310 x 44,5 57, , ,2 44,5 W310 x 52, , ,2 52,0 W360 x 32,9 42, , ,5 32,9 W360 x 39,0 50, , ,7 39,0 W360 x 44,0 57, , ,8 44,0 W360 x 51,0 64, , ,6 51,0 W360 x 57,8 72, , ,1 57,8 W360 x 64,0 81, , , W360 x 72,0 91, , ,1 72,0 W360 x 79,0 101, , ,8 79,0 W410 x 38,8 50, , ,8 38,8 W410 x 46,1 59, ,2 46,1 W410 x 53,0 68, , ,9 53,0 W410 x 60,0 76, , ,8 60,0 W410 x 67,0 86, , ,4 67,0 W410 x 75,0 95, , ,0 75,0 W460 x 52,0 66, , ,8 52,0 W460 x 60,0 76, ,3 60,0 W460 x 68,0 87, , ,4 68,0 W460 x 74,0 94, ,5 74,0 W460 x 82,0 104, , ,0 82,0 W460 x 89,0 114, , ,7 89,0 W530 x 66,0 83, , ,4 66,0 W530 x 72,0 91, ,9 72,0 W530 x 74,0 95, , ,6 74,0 W530 x 82,0 104, , ,3 82,0 W530 x 85,0 107, , ,5 85,0 W530 x 92,0 117, , ,6 92,0 W610 x 101,0 130, , ,9 101,0 W610 x 113,0 145, , ,3 113,0 W610 x 125,0 160, , ,6 125,0 W610 x 155,0 198, , ,0 155,0 W610 x 174,0 222, ,6 174,0

22 Características DESIGNAÇÃO ALT. x MASSA Jx cm 4 Wx cm 3 Rx cm Jy cm 4 Wy cm 3 Ry cm W150 x 13, ,8 6, ,4 2,22 W150 x 18, ,8 6, ,7 2,32 W200 x 15, , ,4 2,12 W200 x 19, ,1 8, ,7 2,14 W200 x 22, , ,9 2,22 W200 x 26, ,3 8, ,6 3,10 W200 x 31, ,7 8, ,2 3,19 W250 x 17, ,6 9, ,1 1,99 W250 x 22, , ,1 2,06 W250 x 25, , ,3 2,14 W250 x 28, , ,8 2,20 W250 x 32, , ,8 3,35 W250 x 38, , ,8 3,46 W250 x 44, , ,1 3,50 W310 x 21, ,2 11, ,5 1,90 W310 x 23, ,9 1,94 W310 x 28, , ,08 W310 x 32, , ,6 2,13 W310 x 38, ,6 13, ,1 3,82 W310 x 44, , ,0 3,87 W310 x 52, , ,9 3,91 W360 x 32, , ,9 2,63 W360 x 39, , ,6 2,73 W360 x 44, , ,7 3,77 W360 x 51, , ,3 3,87 W360 x 57, , ,4 3,92 W360 x 64, , ,7 4,8 W360 x 72, , ,8 4,84 W360 x 79, , ,7 4,89 W410 x 38, ,5 15, ,7 2,83 W410 x 46, ,7 16, ,4 2,95 W410 x 53, , ,84 W410 x 60, , ,4 3,98 W410 x 67, , ,1 4,00 W410 x 75, , ,2 4,03 W460 x 52, ,8 17, ,5 3,09 W460 x 60, ,6 18, ,1 3,23 W460 x 68, ,7 18, ,2 3,28 W460 x 74, , ,8 4,18 W460 x 82, , ,22 W460 x 89, , ,28

23 23 W530 x 66, ,2 20, ,9 3,20 W530 x 72, , ,20 W530 x 74, , ,5 3,31 W530 x 82, ,8 21, ,1 4,41 W530 x 85, , ,2 3,42 W530 x 92, , ,6 4,50 W610 x 101, , ,8 4,76 W610 x 113, , ,5 4,86 W610 x 125, , ,5 4,96 W610 x 155, ,7 25, ,6 7,38 W610 x 174, , ,5 7, Perfil H Abas paralelas Normas de fabricação Os Perfis H de abas paralelas são laminados com aços produzidos de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36) para fins estruturais, maquinário, rodoviários e agrícolas. Também podem ser produzidas segundo as normas NBR 7007 / AR350 COR. As principais aplicações são em estruturas metálicas e equipamentos, na indústria mecânica em geral e principalmente na indústria da construção civil. São fornecidos no comprimento de 6,0 a 24,0m sob consulta Perfil H Dimensões ESPES. LARG. ESPES. DESIGNAÇÃO ÁREA ALTURA MASSA ALMA ABA ABA ALT. x MASSA cm 2 h (mm) t (mm) b (mm) e (mm) kg W150 x 22,5 29, , ,6 22,5 W150 x 29,8 38, , ,3 29,8 W150 x 37,1 47, , ,6 37,1 W200 x 35,9 45, , ,2 35,9 W200 x 46,1 58, , ,1 HP200 x 53,0 68, , ,3 53,0 W200 x 71,0 91, , ,4 71,0 HP250 x 62,0 79, , ,7 62,0 W250 x 73,0 92, , ,2 73,0 W250 x 80,0 101, , ,6 80,0 HP250 x 85,0 108, , ,4 85,0 W250 x 89,0 113, , ,3 89,0

24 24 HP310 x 79,0 100, ,0 HP310 x 93,0 119, , ,1 93,0 W310 x 97,0 123, , ,4 97,0 W310 x 107,0 136, , ,0 HP310 x 110,0 141, , ,5 110,0 W310 x 117,0 149, , ,7 117,0 HP310 x 125,0 159, , ,4 125,0 W360 x 110,0 140, , ,9 110,0 W360 x 122,0 155, , ,7 122, Características DESIGNAÇÃO ALT. x MASSA Jx cm 4 Wx cm 3 Rx cm Jy cm 4 Wy cm 3 Ry cm W150 x 22, ,7 6, ,9 3,65 W150 x 29, ,5 6, ,6 3,80 W150 x 37, ,0 6, ,8 3,84 W200 x 35, ,0 8, ,6 4,09 W200 x 46, ,6 8, ,2 5,12 HP200 x 53, ,0 8, ,7 4,96 W200 x 71, ,2 9, ,3 5,28 HP250 x 62, ,6 10, ,0 6,13 W250 x 73, ,9 11, ,5 6,47 W250 x 80, ,5 11, ,3 6,51 HP250 x 85, ,9 10, ,0 6,24 W250 x 89, ,1 11, ,2 6,52 HP310 x 79, ,3 12, ,7 7,25 HP310 x 93, ,1 12, ,7 7,32 W310 x 97, ,0 13, ,8 7,68 W310 x 107, ,3 13, ,9 7,72 HP310 x 110, ,1 12, ,3 7,39 W310 x 117, ,6 13, ,9 7,76 HP310 x 125, ,6 13, ,6 7,45 W360 x 110, ,9 15, ,2 6,29 W360 x 122, ,5 15, ,4 6,29

25 Perfil T Normas de fabricação Os Perfis T são laminados com aços produzidos de acordo com a norma brasileira NBR 7007 / MR250 (ASTM A36) para fins estruturais, maquinário, rodoviários e agrícolas. Também podem ser produzidas segundo as normas NBR 7007 / AR350 COR. As principais aplicações são em estruturas metálicas e equipamentos e na indústria mecânica em geral. São fornecidos no comprimento de 6,0m Perfil T Dimensões BITOLA (pol.) b (mm) e (mm) MASSA (kg/m) ÁREA (cm 2 ) Jx (cm 4 ) Wx (cm 3 ) Rx (cm) Jy (cm 4 ) Wy (cm 3 ) Ry (cm) 5/8x1/8 15,88 3,18 0,71 0,90 0,20 0,19 0,47 0,11 0,14 0,35 3/4x1/8 19,05 3,18 0,86 1,13 0,36 0,27 0,57 0,19 0,20 0,41 7/8x1/8 22,22 3,18 0,99 1,34 0,59 0,38 0,67 0,33 0,27 0,48 1x1/8 25,4 3,18 1,18 1,54 0,90 0,50 0,77 0,44 0,35 0,54 1.1/4x1/8 31,75 3,18 1,50 1,92 1,84 0,81 0,98 0,86 0,54 0,67 1.1/2x1/8 38,10 3,18 1,82 2,32 3,24 1,18 1,18 1,47 0,77 0,80 1.1/4X3/16 31,75 4,76 2,16 2,79 2,56 1,16 0,96 1,29 0,82 0,68 1.1/2X3/16 38,10 4,76 2,65 3,40 4,56 1,70 1,16 2,22 1,17 0,81 1.1/2x1/4 38,10 6,35 3,42 4,44 5,77 2,20 1,14 2,99 1,57 0,82 2x3/16 50,80 4,76 3,62 4,61 11,33 3,12 1,57 5,24 2,06 1,07 2x1/4 50,80 6,35 4,74 6,05 14,47 4,04 1,55 7,03 2,77 1, Perfil T xadrez - Dimensões BITOLA b e MASSA ÁREA Jx Wx Rx Jy Wy Ry (pol.) (mm) (mm) (kg/m) (cm 2 ) (cm 4 ) (cm 3 ) (cm) (cm 4 ) (cm 3 ) (cm) 1.1/4x1/8 31,75 3,18 1,50 1,92 1,84 0,81 0,98 0,86 0,54 0,67 O perfil T xadrez é principalmente utilizado para a fabricação dos degraus das escadas de acesso a caixas d água e torres Trilhos Generalidades: Trilho é um perfil de seção transversal especial, destinado a formar a pista de rolamento de veículos ferroviários, também chamadas de vias permanentes. É um produto laminado a quente, obtido no laminador de trilhos e perfis. Pode ser produzido em aço-carbono ou aço-ligado.

26 Normas de Fabricação Os trilhos de aço-carbono para ferrovias são fabricados pela CSN e obedecem aos requisitos da norma ABNT EB-119 (1978), são classificados conforme a norma ABNT CB-23 (1978), são marcados e identificados segundo a norma ABNT PB-12 (1978), com as modificações constantes do catálogo da CSN Dimensões Básicas: C D B A TRILHO DIMENSÕES BÁSICAS (mm) MÓDULO DE RESISTÊNCIA (cm 3 ) TR kg/m A B C D BOLETO PATIM 25 24,6 98,4 98,4 54,0 11,1 81,6 86, ,0 112,7 112,7 61,1 12,7 120,8 129, ,1 122,2 122,2 62,7 13,5 149,1 162, ,6 142,9 130,2 65,1 14,3 205,6 249, ,3 152,4 136,5 68,2 14,3 247,4 291, ,9 168,3 139,7 69, ,0 360, ,6 185,7 152,4 74,6 17,4 391,6 463,8

27 27 4. Produtos laminados planos 4.1. Normas de classificação Os produtos laminados são classificados pela ABNT segundo as normas da ABNT NBR e Normas de fabricação Aços de qualidade estrutural - Normas. NORMA GRAU C Mn Si P S Cu (mín) CF-21 0,20 CF-24 NBR 6650 CF-26 0, ,040 0,040 - CF-28 CF-30 0,30 ASTM A36-0,26 (2) 0,40 0,040 0,050 (1) ,90-36 / 1 ASTM A / 2 0,25 1,35 0,40 0,035 0,040 (1) 40 0, ,35 50 A 0,14 B 0,17 ASTM A283 0,90 0,40 0,035 0,040 (1) C 0,24 D 0,27 Notas: 1. Quando especificado, 0,20% (mín.) 2. Para cada redução de 0,01% do carbono máximo especificado, um acréscimo de 0,06% de manganês até o máximo de 1,35% Propriedades mecânicas NORMA GRAU LIMITE DE ESCOAMENTO (MPa) LIMITE DE RESISTÊNCIA (MPa) DOBRAMENTO A 90 CF ,0e CF ,5e NBR 6650 CF ,0e CF ,5e CF ,0e ASTM A ,0e ,0e 36 / ,5e ASTM A / ,0e ,0e ,0e ,5e A ASTM A283 B C D e = espessura da chapa

28 Chapas grossas São produtos oriundos do laminador de chapas grossas (LCG) e do laminador de tiras a quente (LTQ). São fornecidos nas espessuras de 1/4 a 4 nas larguras de 1000mm a 2440mm Dimensões CHAPAS GROSSAS POL 1/4 5/16 3/8 1/2 5/8 3/4 7/8 1 ESPESSURA mm 6,3 8,0 9,5 12,5 16,0 19,0 22,4 25,0 MASSA kg/m 2 49,46 62,80 74,58 98,13 125,60 149,15 175,80 196,25 CHAPAS GROSSAS POL 1.1/4 1.1/2 1.3/ / ESPESSURA mm 31,5 37,5 44,5 50,0 63,0 75,0 100,0 - MASSA kg/m 2 247,28 294,38 349,33 392,50 494,55 588,75 785, Chapas finas a frio Produto laminado a frio com espessuras que variam de 0,45mm a 1,90mm e larguras entre 1000mm e 1500mm Dimensões CHAPAS FINAS A FRIO MSG ESPESSURA mm 0,45 0,60 0,75 0,85 0,90 1,06 1,20 1,50 1,90 MASSA kg/m 2 3,53 4,71 5,89 6,67 7,06 8,32 9,42 11,78 14, Chapas de pisos (xadrez) Produto laminado com detalhes em alto relevo, utilizadas para pisos em geral. São produzidas nas espessuras de 0,30mm a 9,5mm e na largura de 1200mm Dimensões CHAPA DE PISO - XADREZ POL 1/8 3/16 1/4 5/16 3/ ESPESSURA mm 3,00 4,75 6,3 8,0 9, MASSA kg/m 2 24,00 38,00 49,39 62,72 74, Chapa de piso qualidade comercial. As chapas de piso são fornecidas em qualidade comercial, portanto sem garantia de composição química ou propriedades mecânicas. Mediante acordo prévio poderão ser fornecidas segundo normas estruturais com o limite de resistência inferior a 490MPa (LR < 490MPa).

29 Chapas finas a quente Produto oriundo do laminador de tiras a quente. São produzidas nas espessuras de 1,20mm a 4,75mm e na largura de 1000mm a 1500mm Dimensões CHAPA FINA A QUENTE MSG ESPESSURA POL / mm 1,20 1,50 1,90 2,25 2,65 3,00 3,35 3,75 4,25 MASSA kg/m 2 9,42 11,78 14,92 17,66 20,80 23,55 26,30 29,44 33,36 CHAPA FINA A QUENTE MSG ESPESSURA POL - 3/ mm 4,50 4, MASSA kg/m 2 35,32 37, Chapa zincada Produto laminado a frio e revestido integralmente com uma camada de zinco pelo processo de imersão a quente. São produzidas nas espessuras de 0,35mm a 1,95mm e na largura de 1000mm a 1500mm Dimensões CHAPA ZINCADA MSG ESPESSURA mm 0,35 0,43 0,50 0,65 0,80 0,95 1,11 1,25 1,55 1,95 MASSA kg/m 2 2,80 3,44 4,00 5,20 6,40 7,60 8,88 10,00 12,40 15,60

30 30 5. Produtos nacionais obtidos por solda 5.1. Norma de fabricação NBR Perfis I, H ou T soldados por eletrofusão, são produtos metalúrgicos constituídos por tiras de chapas de aço estrutural, unidas entre si pela fusão devida ao calor gerado pela resistência à passagem de uma corrente elétrica de alta freqüência, e pela aplicação simultânea de pressão, formando em sua seção transversal um I, H ou T Séries de perfis - série simétrica Série composta por perfis que apresentam simetria na sua seção transversal em relação aos eixos X-X (linha paralela à mesa, que passa pelo centróide (CG) da seção transversal do perfil) e Y-Y (linha perpendicular ao eixo X-X, que passa pelo centróide (CG) da seção transversal dos perfis) Material Para fabricação de perfis soldados por eletrofusão, devem ser usadas chapas de aço, laminadas a quente, especificadas conforme as recomendações da ABNT NBR Outros materiais que não estão citados na ABNT NBR 8800 podem ser utilizados, desde que seja previamente acordado entre fabricante e consumidor. As tolerâncias dimensionais das chapas devem estar em conformidade com a NM 144-2, para chapas provenientes de laminadores de tiras a quente, ou NM 144-3, para chapas provenientes de laminadores de chapas grossas. Caso haja divergência entre as seções da NM ou da NM e as seções de especificação particular do produto, prevalecem as seções com tolerâncias mais rigorosas Dimensões bf bfs bfs d h tf x y CG tw x d h tfs x y tw CG x d h tfs x y tw CG x d2 d1 tf y tfi Série simétrica Série monossimétrica Série TE y bfi Exemplo de designação de um perfil soldado segundo a norma NBR CE300x76: Perfil série CE com 300mm de altura e massa linear aproximada de 76kg por metro. y

31 Perfis soldados por eletrofusão - Série CE PERFIL CE Massa Área Altura Alma Mesas Eixo X Eixo Y Torção m A d t w h t f b f I x W x r x Z x I y W y r y Z y r t I t kg/m cm 2 mm mm mm mm mm cm 4 cm 3 cm cm 3 cm 4 cm 3 cm cm 3 cm cm 4 CE100x11 10,8 13, , , , , ,69 1,1 CE150x20 20,1 25, , , , , ,10 3,1 CE150x26 25,5 32, , , , , ,10 6,3 CE 200x22 22,0 28, , , , , ,36 2,1 CE 200x29 29,3 37, , , , , ,37 5,1 CE 200x34 34,3 43, , , , , ,45 8,5 CE 200x39 38,9 49, , , , , ,50 13,1 CE 250x43 43,1 54, , , , , ,81 10,6 CE 250x49 48,8 62, , , , , ,87 16,3 CE 250x63 63,2 80, , , , , ,89 36,6 CE 300x52 51,8 66, , , , , ,16 12,7 CE 300x62 62,4 79, , , , , ,14 22,1 CE 300x76 76,1 97, , , , , ,27 44,0 Série CE Perfis tipo pilar onde d/bf= Perfis soldados por eletrofusão - Série CVE PERFIL CVE Massa Área Altura Alma Mesas Eixo X Eixo Y Torção m A d t w h t f b f I x W x r x Z x I y W y r y Z y r t I t kg/m cm 2 mm mm mm mm mm cm 4 cm 3 cm cm 3 cm 4 cm 3 cm cm 3 cm cm 4 CVE 200x22 21,9 27, , , , , ,03 3,3 CVE 200x28 28,0 35, , , , , ,02 6,8 CVE 250x31 30,7 39, , , , , ,75 6,8 CVE 250x38 37,6 47, , , , , ,72 12,1 CVE 300x47 47,5 60, , , , , ,28 16,4 CVE 300x55 54,9 70, , , , , ,71 19,2 CVE 350x48 48,0 61, , , , , ,65 11,5 CVE 350x54 53,8 68, , , , , ,74 17,2 CVE 400x69 68,7 87, , , , , ,98 23,8 CVE 450x86 85,6 109, , , , , ,07 46,5 Série CVE Perfis tipo viga-pilar onde 1<d/bf<1,5

32 5.7. Perfis soldados por eletrofusão - Série VE PERFIL VE Massa Área Altura Alma Mesas Eixo X Eixo Y Torção m A d t w h t f b f I x W x r x Z x I y W y r y Z y r t I t kg/m cm 2 mm mm mm mm mm cm 4 cm 3 cm cm 3 cm 4 cm 3 cm cm 3 cm cm 4 VE 150x13 12,7 16, , , , , ,60 1,2 VE 150x18 17,6 22, , , , , ,71 3,9 VE 200x16 16,4 20, , , , , ,22 1,6 VE 200x25 24,9 31, , , , , ,30 5,9 VE 250x18 18,3 23, , , , , ,14 1,8 VE 250x27 27,4 34, , , , , ,23 6,3 VE 300x26 25,7 32, , , , , ,89 3,6 VE 300x33 33,0 42, , , , , ,87 7,6 VE 350x34 34,4 43, , , , , ,63 7,2 VE 350x43 42,6 54, , , , , ,59 12,9 VE 400x44 44,0 56, , , , , ,36 12,8 VE 400x49 48,8 62, , , , , ,25 14,8 VE 450x51 51,3 65, , , , , ,19 15,2 VE 450x59 58,8 74, , , , , ,61 18,0 VE 500x61 61,3 78, , , , , ,55 18,5 VE 500x67 67,5 86, , , , , ,41 22,7 VE 500x73 72,7 92, , , , , ,70 36,7 VE 500x79 78,9 100, , , , , ,58 40,9 Série VE Perfis tipo viga onde 1,5<d/bf<4

33 5.8. Perfis soldados por eletrofusão - Série VEM PERFIL VEM MASSA ÁREA ALTURA ALMA MESAS CG EIXO X EIXO Y TORÇÃO m A d t W h b fs b fs t fs t fs d 2 I x W xs W xi r x Z x I y W y r y Zy r t I t kg/m cm 2 mm mm mm mm mm mm mm mm cm 4 cm 3 cm 3 cm cm 3 cm 4 cm 3 cm cm 3 cm cm 4 VEM 350 x 27 26,6 33, , , , , , , ,10 4 VEM 350 x 34 34,2 43, , , , , , , ,48 8 VEM 400 x 39 38,9 49, , , , , , , ,29 8 VEM 400 x 41 40,9 52, , , , , , , ,26 10 VEM 450 x 44 44,2 56, , , , , , , ,91 9 VEM 450 x 49 49,0 62, , , , , , , ,06 13 VEM 500 x 58 58,4 74, , , , , , , ,41 16 VEM 500 x 70 70,3 89, , , , , , , ,19 29 Série VEM Perfis tipo viga onde 1,5<d/b< Perfis soldados por eletrofusão - Série TE PERFIL TE MASSA ÁREA ALTURA ALMA MESAS CG EIXO X-X EIXO Y-Y TORÇÃO m A d t W h t fs b fs d 2 I x W xs W x r x Z x I y W y r y Zy I t kg/m cm 2 mm mm mm mm mm mm cm 4 cm 3 cm 3 cm cm 3 cm 4 cm 3 cm cm 3 cm 4 TE 80x8 7,7 9,8 80 6, , ,7 60,3 27,0 10,5 2,5 20,7 27,3 6,8 1,7 10,9 1,3 TE 100x12 12,1 15, , , ,0 148,2 53,0 20,6 3,1 40,7 67,1 13,4 2,1 21,5 3,3 TE 125x15 15,2 19, , , ,8 296,2 86,6 32,6 3,9 64,5 130,7 20,9 2,6 33,1 4,1 TE 150x18 18,3 23, , , ,5 519,8 128,4 47,5 4,7 93,8 225,6 30,1 3,1 47,3 5,0 TE 175x21 21,5 27, , , ,3 834,6 178,6 65,1 5,5 128,6 358,0 40,9 3,6 63,9 5,8 TE 200x29 29,1 37, , , ,5 1475,6 275,6 100,7 6,3 199,3 634,7 63,5 4,1 99,3 11,2 TE 250x37 36,6 46, , , ,0 2922,6 442,5 158,9 7, ,7 99,1 5,2 153,9 14,0 TE 300x44 44,0 56, , , ,5 5097,6 649,0 230,2 9,5 454,7 2139,6 142,6 6,2 220,3 16,9 Série TE Perfis onde 1<d/b

34 5.10. Norma de fabricação NBR 5584 Perfis I ou H obtidos por solda são produtos metalúrgicos constituídos por tiras de chapas de aço estrutural, unidas entre si pela solda elétrica, formando em sua seção transversal um I ou H Séries de perfis - série simétrica Série composta por perfis que apresentam simetria na sua seção transversal em relação aos eixos X-X (linha paralela à mesa, que passa pelo centróide (CG) da seção transversal do perfil) e Y-Y (linha perpendicular ao eixo X-X, que passa pelo centróide (CG) da seção transversal dos perfis) Material Os aços aprovados para uso nesta norma para perfis, barras e chapas são aqueles com qualificação estrutural assegurada por norma brasileira ou norma ou especificação estrangeira, desde que possuam resistência característica ao escoamento máxima de 450 MPa e relação entre resistências características à ruptura e ao escoamento não inferior a 1,18. Permite-se ainda o uso de outros aços estruturais desde que tenham resistência característica ao escoamento máxima de 450 MPa, relação entre resistências características à ruptura e ao escoamento não inferior a 1,18 e que o responsável pelo projeto analise as diferenças entre as especificações desses aços e daqueles mencionados em e, principalmente, as diferenças entre os métodos de amostragem usados na determinação de suas propriedades mecânicas Dimensões bf d h tf x y tw CG x tf y Exemplo de designação de um perfil soldado segundo a norma NBR CS200x41: Perfil série CS com 200mm de altura e massa linear aproximada de 41kg por metro.

DITUAL TUBOS E AÇOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS

DITUAL TUBOS E AÇOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS DITUAL TUBOS E AÇOS CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTOS ÍNDICE Sobre a Ditual... 3 Tubos Industriais / Estruturais... 5 Tubos Redondos... 6 Tubos Retangulares... 8 Tubos Quadrados... 10 Tubos de Condução... 11

Leia mais

ASTM A-36. NBR ASTM APLICAÇÕES

ASTM A-36. NBR ASTM APLICAÇÕES Perfis Cantoneiras de Abas Iguais Principais aplicações: Estruturas metálicas; Torres de linhas de transmissão de energia elétrica; Torres de telecomunicações; Máquinas e implementos agrícolas; Indústria

Leia mais

1 AÇOS ESTRUTURAIS 1.1 INTRODUÇÃO E HISTÓRICO 1.2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO 1.3 CARACTERÍSTICAS DO AÇO ESTRUTURAL

1 AÇOS ESTRUTURAIS 1.1 INTRODUÇÃO E HISTÓRICO 1.2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO 1.3 CARACTERÍSTICAS DO AÇO ESTRUTURAL 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1.1 INTRODUÇÃO E HISTÓRICO As primeiras obras de aço surgiram praticamente ao mesmo tempo em que se iniciou a produção industrial desse material, por volta de 1780 existe registro da

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Quando você usa a ampla linha de barras e perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008. O Processo Siderúrgico. Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão Maj

ESTRUTURAS METÁLICAS DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008. O Processo Siderúrgico. Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão Maj ESTRUTURAS METÁLICAS DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008 O Processo Siderúrgico Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão Maj O Processo Siderúrgico É o processo de obtenção do aço, desde a chegada

Leia mais

CANTONEIRAS DE ABAS IGUAIS GERDAU

CANTONEIRAS DE ABAS IGUAIS GERDAU CANTONEIRAS DE ABAS IGUAIS GERDAU CANTONEIRA DE ABAS IGUAIS GERDAU Por sua ampla gama de bitolas e pela qualidade de seu aço, proporciona flexibilidade no dimensionamento das mais diversas estruturas,

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Quando você usa a ampla linha de barras e perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO

AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 113 ESTRUTURAS DE CONCRETO, METÁLICAS E DE MADEIRA AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS

Leia mais

A Empresa. Entre em contato conosco: Fundada em 1991, a Açoplano Indústria e Comércio de Aços LTDA, atua na industrialização

A Empresa.  Entre em contato conosco: Fundada em 1991, a Açoplano Indústria e Comércio de Aços LTDA, atua na industrialização A Empresa Fundada em 1991, a Açoplano Indústria e Comércio de Aços LTDA, atua na industrialização e distribuição de aços para indústrias em geral, fábricas de estruturas metálicas, construtoras e serralherias.

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Arame Recozido BWG Nº 3 6 11 13 14 16 1 Diâmetro 6,04 5,16 4,19 3,40 3,05 2,77 2,50 2,00 1,60 1,25 Peso aproimado kg/m 0,225 0,164 0, 0,071 0,057 0,047 0,039 0,025 0,016 0,0 - Pode

Leia mais

Produtos para Construção Mecânica

Produtos para Construção Mecânica Produtos para Construção Mecânica FIO-MÁQUINA Construção Mecânica FIO-MÁQUINA Produto obtido por laminação a quente com seção transversal circular. Este produto é fornecido em rolos com 830 kg amarrados

Leia mais

270 Estruturas metálicas

270 Estruturas metálicas 270 Estruturas metálicas x y bf CG x x Tabela E.1 Cantoneiras de abas iguais Propriedades para dimensionamento bf tf z b f P A t f I x = I y W x = W y r x = r y r z min x pol cm kg/m cm 2 pol cm cm 4 cm

Leia mais

Propriedades dos Aços e sua Classificação

Propriedades dos Aços e sua Classificação O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido Propriedades dos Aços e sua Classificação Objetivo Conhecer as características mecânicas, principalmente em termos de tensões e deformações Propriedades

Leia mais

PERFIS SOLDADOS SEGUNDO NBR5884

PERFIS SOLDADOS SEGUNDO NBR5884 PERFS SOLDADOS SEGUNDO NBR5884 1 Séries de perfis 1.1 Série simétrica: Série composta por perfis que apresentam simetria na sua seção transversal em relação aos eios X-X (linha paralela à mesa, que passa

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 4 O Material aço Índice Características de Aço da Construção Civil Propriedades Modificadas Ligas Metálicas Ligas Ferrosas Ligas Não-Ferrosas Teor de Carbono

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Aços para concreto armado Notas de aula da disciplina AU414 - Estruturas IV Concreto armado Prof. Msc. Luiz Carlos

Leia mais

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS A Apolo Tubos e Equipamentos S.A, fundada em 1938 na cidade do Rio de janeiro, foi a primeira empresa industrial do Grupo Peixoto de Castro. Pioneira no Brasil na fabricação

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 Estruturas Metálicas e suas aplicações

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 Estruturas Metálicas e suas aplicações PUC Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Civil ESTRUTURAS METÁLICAS 1 Estruturas Metálicas e suas aplicações Professor Juliano Geraldo Ribeiro Neto, MSc. Goiânia, 2016.

Leia mais

Tubos Estruturais sem Costura Graus de Aço, Propriedades Mecânicas e Aplicações

Tubos Estruturais sem Costura Graus de Aço, Propriedades Mecânicas e Aplicações Tubos Estruturais sem Costura Graus de Aço, Propriedades Mecânicas e Aplicações Vallourec é líder mundial em soluções tubulares premium, presente nos setores de energia, petrolífero, automotivo e construção,

Leia mais

Aços para Construção Mecânica

Aços para Construção Mecânica Aços Longos Aços pa Construção Mecânica ARCE10090201_Aços pconst. Mecanica.indd 1 20/01/14 15:44 Aços pa Construção Mecânica Os processos de conformação mecânica alteram a geometria do material por meio

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 7 Características dos aços Índice Perfis Estruturais Tipos de Perfis Perfil Laminado Perfil de Chapa Dobrada Perfil de Chapa Soldada Perfil Calandrado Cantoneiras

Leia mais

Aços Longos. Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria

Aços Longos. Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria Aços Longos Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria Padrão de qualidade O padrão de qualidade dos produtos ArcelorMittal está presente também na linha

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Ms. Patrícia Corrêa. Metais: Conformação

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Ms. Patrícia Corrêa. Metais: Conformação FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Ms. Patrícia Corrêa Metais: Conformação Conformação: É o processo de transformação dos materiais (metálicos), através da ação de tensões

Leia mais

GERDAU AÇOS ESPECIAIS

GERDAU AÇOS ESPECIAIS AÇOS ESPECIAIS GERDAU AÇOS ESPECIAIS A Gerdau está entre os maiores fornecedores mundiais de aços especiais, com diversas usinas localizadas no Brasil, na Espanha, nos Estados Unidos e na Índia. Essa diversificação

Leia mais

C A T Á L O G O C O M P A C T O D E P R O D U T O S

C A T Á L O G O C O M P A C T O D E P R O D U T O S C A T Á L O G O C O M P A C T O D E P R O D U T O S CONSTRUÇÃO CIVIL VOTORAÇO VS 50 Características dimensionais e de propriedades mecânicas do produto, conforme a ABNT NBR 7480. Massa Linear (kg/m) Especificação

Leia mais

Avenida Senador Robert Kennedy, São Torquato - Vila Velha ES

Avenida Senador Robert Kennedy, São Torquato - Vila Velha ES 27 3354-7450 Avenida Senador Robert Kennedy, 157 - São Torquato - Vila Velha ES Mecânico Cantoneira de Abas Iguais (pol.) Dimensões (kg/m) x 1/2" x 12,70 0,57 x 5/8" x 15,88 0,75 x 3/4" x 19,05 0,87 x

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos 2 a bernifer A Bernifer Perfilados de Aço, com mais de 40 anos de experiência em siderurgia, distribui e processa aço para diversos segmentos, tais como: construção civil, óleo e gás,

Leia mais

Produtos para Construção Civil

Produtos para Construção Civil Produtos para Construção Civil VS 50 Construção Civil VERGALHÕES VS 50 Fabricados por laminação a quente, com superfície nervurada que garante alta aderência ao concreto, na forma de rolos com 830 kg amarrados

Leia mais

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões REPRODUÇÃO LIVRE NBR 8964 JUL 1985 Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões Origem: Projeto 01:022.05-004/1985 CB-01 - Comitê Brasileiro de Mineração e Metalurgia CE-01:022.05 - Comissão

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá Metais Ferrosos Formas usuais de Metais Ferrosos Ferro fundido; Ferro forjado; Aço. Metais Ferrosos Aço e o ferro fundido são ligas de ferro

Leia mais

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado AULA 5 Materiais de Construção II II Aços para Construção Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado; Estruturas de Aço;. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

Aços Planos Gerdau Chapas Grossas

Aços Planos Gerdau Chapas Grossas Aços Planos Gerdau Produção de 1 Tesoura Divisora Características Técnicas Largura Mínima Largura Máxima Espessura Mínima Espessura Máxima 1. mm 3.6 mm 6 mm 15 mm 4 Laminador Equipamento de última geração,

Leia mais

(nome do empreendimento) CADERNO DE ENCARGOS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Materiais e Elementos de Construção. (Cliente)

(nome do empreendimento) CADERNO DE ENCARGOS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Materiais e Elementos de Construção. (Cliente) 1.1. ÂMBITO Esta especificação refere-se ao Aço Perfilado para Estruturas Metálicas, e pretende descrever o material, fornecendo informações relativas às dimensões, características físicas e químicas e

Leia mais

Superfícies Crivantes TALLERES NÚÑEZ

Superfícies Crivantes TALLERES NÚÑEZ hapa Perfurada Superfícies rivantes 8 8. hapa Perfurada 8.1. Aço ao arbono Aço Inoxidável Aço Anti desgaste 8.2. Tipos de perfuração TALLERES NÚÑEZ 89 90 TALLERES NÚÑEZ 8 hapas Perfuradas Pela sua resistência

Leia mais

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil 1. PRODUTOS

Leia mais

MÓDULO 2: Propriedades mecânicas dos metais. Deformação elástica, Deformação plástica

MÓDULO 2: Propriedades mecânicas dos metais. Deformação elástica, Deformação plástica MÓDULO 2: Propriedades mecânicas dos metais. Deformação elástica, Deformação plástica Propriedades mecânicas dos metais Muitos materiais, quando em serviço, são submetidos a forças ou cargas. O comportamento

Leia mais

Aula 10 - Laminação. Para ter acesso a esse material acesse:

Aula 10 - Laminação. Para ter acesso a esse material acesse: Aula 10 - Laminação Para ter acesso a esse material acesse: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/keli Classificação Processos de Fabricação Processos de Fabricação Com remoção de cavaco Sem remoção de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01 / 04 / 2013 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso de cabeça quadrada utilizado nas Redes e Linhas de Distribuição da

Leia mais

Concepções estruturais. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz

Concepções estruturais. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Concepções estruturais Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Tipos de perfis utilizados em estruturas metálicas Os perfis de aço podem ser obtidos pelos seguintes métodos: laminação; solda; dobramento

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas Belgo

Telas Soldadas Nervuradas Belgo Telas Soldadas Nervuradas Belgo As Telas Soldadas de Aço Nervurado são uma armadura pré-fabricada, constituída por fios de aço Belgo 60 nervurado longitudinais e transversais, de alta resistência mecânica,

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.117.01 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de pino de isolador para utilização

Leia mais

UM MUNDO DE SOLUÇÕES PARA VOCÊ. TUBOS TREFILADOS CALDEIRARIA

UM MUNDO DE SOLUÇÕES PARA VOCÊ. TUBOS TREFILADOS CALDEIRARIA UM MUNDO DE SOLUÇÕES PARA VOCÊ. TUBOS TREFILADOS CALDEIRARIA APRESENTAÇÃO 2015 Conte com o mundo de soluções da Tubos Ipiranga Com matriz localizada em Ribeirão Pires SP, sete filiais, uma unidade industrial

Leia mais

Aços Longos. Soluções em aço para Construção Civil, Indústria e Agronegócio

Aços Longos. Soluções em aço para Construção Civil, Indústria e Agronegócio Aços Longos Soluções em aço para Construção Civil, Indústria e Agronegócio Transformar o amanhã. Mais do que um desafio, um compromisso ArcelorMittal. A Belgo agora é ArcelorMittal. Essa nova denominação

Leia mais

MOLA MECÂNICA. Arames de Alto Teor de Carbono

MOLA MECÂNICA. Arames de Alto Teor de Carbono MOLA MECÂNICA Arames de Alto Teor de Carbono Belgo Bekaert Arames. Qualidade que faz a diferença. Produto A linha de produtos de arames para mola mecânica da Belgo Bekaert Arames é indicada para aplicações

Leia mais

Generalidades. Metal. Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia

Generalidades. Metal. Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia Materiais Metálicos Generalidades Metal Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia Alta dureza Grande resistência mecânica Elevada

Leia mais

Aços Longos. Aços Especiais

Aços Longos. Aços Especiais Aços Longos Aços Especiais Transformar o amanhã. Mais do que um desafio, um compromisso ArcelorMittal. A Belgo agora é ArcelorMittal. Essa nova denominação é o resultado da união dos dois maiores fabricantes

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MECÂNICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MECÂNICAS DOS MATERIAIS CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MECÂNICAS DOS MATERIAIS PROF. M. SC. MARCONI FURTADO 2013 Importância. Propriedades físicas dos materiais Comportamento

Leia mais

VENDAS GOIÂNIA TEL (62) FAX (62) PORTO ALEGRE TEL (51) FAX (51) RECIFE TEL (81) FAX (81)

VENDAS GOIÂNIA TEL (62) FAX (62) PORTO ALEGRE TEL (51) FAX (51) RECIFE TEL (81) FAX (81) ARAMES_INDUSTRIAIS.qxd 20.07.06 16:09 Page 1 Oz Design www.gerdau.com.br gpm@gerdau.com.br VENDAS GOIÂNIA TEL (62) 4005 6031 FAX (62) 4005 6001 PORTO ALEGRE TEL (51) 3323 2939 FAX (51) 3323 5288 RECIFE

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas Nervuradas da ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 18 / 02 / 2014 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padronizam as dimensões e as características mínimas exigíveis para a haste de aterramento e acessórios utilizados nas Redes de Distribuição,

Leia mais

Aços Longos. Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria

Aços Longos. Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria Aços Longos Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria Padrão de Qualidade O padrão de qualidade dos produtos ArcelorMittal está presente também na linha

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 09 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso olhal utilizado nas Redes e Linhas de Distribuição da Companhia Energética

Leia mais

Intermediação de Negócios

Intermediação de Negócios Intermediação de Negócios Catálogo 2016 A BAGÉ Serviços Administrativos LTDA é uma empresa intermediadora de negócios no setor de Construção Civil, tendo em seu portfólio os seguintes produtos: Vergalhões

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Dez/2009 VERSÃO DEZ/2009 ACABAMENTOS NATURAL: O acabamento padrão da chapa possui baia reflectância e pode apresentar variações de brilho. BRILHANTE: Esse

Leia mais

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP L U M I N U M MANUAL TÉCNICO Francisco Ceará Barbosa, 859 - Campo dos Amarais - Campinas - SP - 1.08-00 fibralit.com.br - PABX: 19 16 000 - DDG: 0800 701 0809 - luminum@fibralit.com.br PROPRIEDADES DOS

Leia mais

OBR Equipamentos Industriais Ltda Perfis em Alumínio

OBR Equipamentos Industriais Ltda  Perfis em Alumínio OBR Equipamentos Industriais tda www.obr.com.br Perfis em Alumínio Os Perfis de Alumínio OBR oferecem uma grande quantidade de seções com elementos de conexão e acessórios adequados à sua necessidade.

Leia mais

NOTAS DE AULAS - VII

NOTAS DE AULAS - VII Mar/203 Módulo: Processo de Fabricação VII TREFILAÇÃO. A trefilação é uma operação de conformação que visa produzir materiais de secção transversal, devidamente calibrada. Esta ação se faz, onde a matéria-prima

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá LIGAÇÕES Edificações Ligações entre vigas; Ligações entre viga e coluna; Emenda de colunas; Emenda de vigas; Apoio de colunas;

Leia mais

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Aula: Materiais e Vida da Ferramenta

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Aula: Materiais e Vida da Ferramenta SEM534 Processos de Fabricação Mecânica Aula: Materiais e Vida da Ferramenta Materiais para Ferramenta Propriedades desejadas: Dureza a Quente Resistência ao desgaste Tenacidade Estabilidade química Evolução

Leia mais

Prof. Mayara Queiroz Moraes. Materiais metálicos

Prof. Mayara Queiroz Moraes. Materiais metálicos Materiais metálicos METAIS Metais Materiais Metálicos: combinação de elementos metálicos. Ligação Metálica Possui como principal característica a presença de elétrons livres em torno de cátions e átomos

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS ESTRUTURAS METÁLICAS Disciplina: Projeto e dimensionamento de estruturas de aço em perfis soldados e laminados. Curso: Especialização em Engenharia de Estruturas Professor: Carlos Eduardo Javaroni Mini

Leia mais

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas 1 Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas Liga / tratamento resistência escoamento Alongamento em 50mm 1 [%] Resistência à corrosão (geral) 2 Conformação a frio 3 Usinagem

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Quando você usa a ampla linha de barras e perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3 1) Os suportes apóiam a vigota uniformemente; supõe-se que os quatro pregos em cada suporte transmitem uma intensidade igual de carga. Determine o menor diâmetro dos pregos em A e B se a tensão de cisalhamento

Leia mais

Equipamentos Industriais Perfis em Alumínio

Equipamentos Industriais  Perfis em Alumínio Equipamentos Industriais www.obr.com.br Os Perfis de Alumínio OBR oferecem uma grande quantidade de seções com elementos de conexão e acessórios adequados à sua necessidade. Os Perfis de Alumímio são extrudados

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO PROPRIETÁRIO: Município de Três Arroios OBRA: Pavilhão em concreto armado, coberto com estrutura metálica, destinado a Ginásio de Esportes (1ª etapa) LOCAL: Parte do lote

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DE

PROPRIEDADES MECÂNICAS DE DE MATERIAIS METÁLICOS CONCEITO DE TENSÃO E DEFORMAÇÃO Formas de aplicação de carga: 2 1 COMPORTAMENTO ELÁSTICO E PLÁSTICO 3 COMPORTAMENTO ELÁSTICO E PLÁSTICO 4 2 COMPORTAMENTO ELÁSTICO 5 COMPORTAMENTO

Leia mais

BROCA PARA APLICAÇÃO UNIVERSAL DE ALTA PERFORMANCE MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

BROCA PARA APLICAÇÃO UNIVERSAL DE ALTA PERFORMANCE MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCA PARA APLICAÇÃO UNIVERSAL DE ALTA PERFORMANCE MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS ALTA DURABILIDADE E DESEMPENHO ESTÁVEL EM UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS. Conheça suas características: TRATAMENTO

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Lista de Exercício Aula 3 TENSÃO E DEFORMAÇÃO A - DEFORMAÇÃO NORMAL 1 - Ex 2.3. - A barra rígida é sustentada por um pino em A e pelos cabos BD e CE. Se a carga P aplicada à viga provocar um deslocamento

Leia mais

Aço na Construção Civil

Aço na Construção Civil Aço na Construção Civil AÇO Liga Ferro-Carbono (0,006% < C < 2%) Denso; Bom condutor de eletricidade e calor; Opaco; Comportamento elasto-plástico. Estrutura cristalina polifásica (grãos com diferentes

Leia mais

Da importância do aço

Da importância do aço Da importância do aço Imaginemos um mundo sem aço pregos e parafusos motores eléctricos armaduras para betão trilhos e rodas de comboios carrosserias e jantes para automóveis embalagens de bebidas equipamento

Leia mais

Tubos de cobre, pancake e drysealed

Tubos de cobre, pancake e drysealed Tubos de cobre, pancake e drysealed Empresa classificada entre as maiores indústrias privadas brasileiras, é líder no setor de transformação de metais nãoferrosos cobre e suas ligas em produtos semielaborados

Leia mais

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino.

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino. 26 / 07 / 2011 1 de 10 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pino de isolador para utilização nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

O que é Tratamento Térmico de Aços?

O que é Tratamento Térmico de Aços? O que é Tratamento Térmico de Aços? Definição conforme norma NBR 8653 Operação ou conjunto de operações realizadas no estado sólido compreendendo o aquecimento, a permanência em determinadas temperaturas

Leia mais

AÇO INOXIDÁVEL. Tubos Barras Chapas Bobinas Cantoneiras

AÇO INOXIDÁVEL. Tubos Barras Chapas Bobinas Cantoneiras AÇO INOXIDÁVEL Tubos Barras Chapas Bobinas Cantoneiras Empresa Certificada C R C C PETROBRAS www.elinox.com.br ÍNDICE Empresa...2 Visão, Missão e Valores... 3 Qualidade...4 Produtos...5 Chapas/Bobinas...6

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

Fau USP PEF 604. Estruturas em aço. Prof. Francisco Paulo Graziano. Baseado em anotações e apresentações do Prof. Waldir Pignata

Fau USP PEF 604. Estruturas em aço. Prof. Francisco Paulo Graziano. Baseado em anotações e apresentações do Prof. Waldir Pignata Fau USP PEF 604 Estruturas em aço Baseado em anotações e apresentações do Prof. Waldir Pignata Disponibilidade de produtos Tipo de Aço f y f u (MPa) (MPa) ASTM A-36 250 400 ASTM A-570 250 360 (Gr 36) COS-AR-COR

Leia mais

MECSOL34 Mecânica dos Sólidos I

MECSOL34 Mecânica dos Sólidos I MECSOL34 Mecânica dos Sólidos I Curso Superior em Tecnologia Mecatrônica Industrial 3ª fase Prof.º Gleison Renan Inácio Sala 9 Bl 5 joinville.ifsc.edu.br/~gleison.renan Tópicos abordados Conceito de Tensão

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível.

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FERROS FUNDIDOS Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FF CINZENTO (Gray iron) FF DÚCTIL ou Nodular (Spheroidal iron) FF BRANCO

Leia mais

Elementos de máquina. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Diego Rafael Alba E Diego Rafael Alba Rebites Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. A solda é um bom meio de fixação, mas, por causa do calor, ela

Leia mais

ESTAMPAGEM ESTAMPAGEM

ESTAMPAGEM ESTAMPAGEM ESTAMPAGEM Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 INTRODUÇÃO Estampagem consiste em todas as operações de corte e conformação de materiais metálicos planos, a fim de lhe conferir a forma e a precisão desejada,

Leia mais

Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1. Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc.

Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1. Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc. Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1 Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc. Willian de Araujo Rosa Engenheiro Civil UFMS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01 / 04 / 2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de arruela quadrada para utilização nas redes e linhas de distribuição e subestações

Leia mais

INTRODUÇÃO: Devido a importância dos aços como matéria prima para a produção de elementos de máquinas, um. necessário neste momento.

INTRODUÇÃO: Devido a importância dos aços como matéria prima para a produção de elementos de máquinas, um. necessário neste momento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Devido a importância dos aços

Leia mais

Vamos consultar o catálogo?

Vamos consultar o catálogo? Vamos consultar o catálogo? As normas técnicas foram criadas para facilitar a vida dos consumidores e dos fabricantes. Elas são as responsáveis por uma coisa muito importante chamada normalização. A normalização

Leia mais

USINA SIDERÚRGICA BRASILEIRA

USINA SIDERÚRGICA BRASILEIRA FUNDIÇÃO CONTÍNUA TARUGO MANUAL TÉCNICO www.usibras.com.br tarugo@usibras.com.br 1 de 29 2 de 29 Índice Introdução. Definição de ferro fundido... 02 Vantagens da Fundição Contínua... 03 Aplicações Típicas

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 0 O vergalhão que está por dentro das melhores obras. VERGALHÃO GERDAU GG 0 Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o Vergalhão Gerdau GG 0. Produzido

Leia mais

Classificação dos produtos siderúrgicos

Classificação dos produtos siderúrgicos Classificação dos produtos siderúrgicos FERRO FORJADO AÇO FERRO FUNDIDO,5% ~1,5% 5% (Fe macio) macio duro %C Maleável. Não temperável Maleável. Temperável Frágil. Resistente à corrosão Temp.. de fusão:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 28/06/2005 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para manilhasapatilha utilizada nas Redes de Distribuição da Companhia Energética do

Leia mais

Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loja A1 1

Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loja A1 1 Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para mezaninos Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loja A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Vigas principais

Leia mais

Workshop. Alumínio 100% a Favor

Workshop. Alumínio 100% a Favor Alumínio 100% a Favor O Que é o Alumínio? O símbolo químico do alumínio é Al e tem o número atómico 13 (o que quer dizer que tem 13 protões e 13 electrões). À temperatura ambiente é sólido, sendo o elemento

Leia mais

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Arame Recozido Trançadinho Recozido Prático Sapatas Recozido Fácil Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração

PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Regime plástico Propriedades

Leia mais