AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES RODRIGUES, Fernanda Nunes (UNITRI) ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) Resumo A ingestão alimentar e a condição nutricional de escolares são pontos importantes de serem monitorados para o bom desenvolvimento dos indivíduos. Objetivo: Avaliar a prática alimentar e o IMC dos escolares. Métodos: foi realizado um questionário de freqüência alimentar e feita a antropométrica com um grupo de 190 crianças que freqüentam escolas públicas, de ambos os sexos, com idade entre 8 a 13 anos. Foi efetuada a análise do IMC e da ingestão de proteína, vitamina C e magnésio. Resultados: Observou-se que consumo diário de proteína alcançou 34,2%, e que 1,05% dos escolares nunca ingeriram alimentos fonte de vitamina C. Já magnésio, o mineral de maior importância, faz parte da alimentação diária de 55,2% dos entrevistados. Verificou-se também que 55 % dos meninos e 56,35% das meninas apresentaram IMC com grau de desnutrição. Diante disso, os resultados mostram que estas crianças não tem uma alimentação adequada, no que se refere a ingestão de proteína, vitamina C e magnésio. O que pode influenciar no crescimento e no desenvolvimento, além disso, estes hábitos alimentares podem repercutir a longo prazo, na saúde futura do individuo adulto. Palavras - Chave: Índice de massa corporal, escolares, freqüência alimentar. Introdução Segundo Costa (ROSENBURG, 1978) a função da merenda é complementar as outras refeições do dia, durante as horas curriculares (BEZERRA, 2009) e deve ser elaborado por nutricionista habilitado. (FNDE, 2009). Para melhor exigir o fornecimento de nutrientes na merenda do escolar, foi criado o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), responsável pelo atendimento às crianças matriculadas em escolas públicas e filantrópicas e deve atender as necessidades nutricionais na escola, contribuindo para o crescimento, desenvolvimento, aprendizagem, o rendimento escolar (STURION, et al.,2005).

2 2 Segundo as recomendações nutricionais (RDA Recommended dietary allowances,) as crianças de 1 a 3 anos, necessitam de 16g de proteínas, de 4 a 6 anos, 24g de proteínas, e 7 10 anos, 28g de proteínas. Crianças que vivem com baixa ingestão de calorias e proteínas podem vir a desenvolver um quadro de desnutrição. (KRAUSE, 1998) Os minerais e as vitaminas são essenciais para o crescimento e o desenvolvimento normal de uma criança. A ingestão insuficiente desses elementos pode resultar em atraso de crescimento e em doenças como o raquitismo, anemia, infecções, depressão, entre outras. A vitamina C inibe a síntese química de nitrosaminas (a maioria delas é cancerígena), importante fator de risco para câncer do estômago. O estado nutricional de uma população e/ou indivíduo é um excelente indicador de sua qualidade de vida. A avaliação do estado nutricional é útil na verificação de possíveis riscos no crescimento e desenvolvimento infantil. As medidas antropométricas mais utilizadas para avaliação e monitoramento do crescimento durante a infância são peso e altura e o método mais utilizado é o Índice de Massa Corporal (IMC), pois, tem vantagens por ser barato, rápido, prático, não invasivo e de alta confiabilidade. Assim o objetivo deste estudo foi avaliar o IMC e a ingestão alimentar de escolares quanto a presença de alimentos fonte de proteína, vitamina C e magnésio em escolas públicas de Uberlândia M.G. Metodologia: Participaram desta pesquisa, 190 estudantes freqüentando escolas públicas, sendo 80 (42,10%), do sexo masculino e 110 (57,89%), do sexo feminino. O presente estudo foi aprovado pelo comitê de ética em pesquisa da UNITRI. A coleta de dados aconteceu no período de janeiro a junho de Foi usado o questionário de freqüência alimentar e feita a antropométrica dos escolares, usando peso e altura. Para o peso e altura foi usada uma balança antropométrica mecânica com régua. Os escolares foram pesados e medidos descalços e com roupas leves. Quanto ao questionário de freqüência alimentar os alimentos abordados foram os ricos nos nutrientes pesquisados(proteína, vitamina C e magnésio) além de alimentos comumente consumidos por essa faixa etária.

3 3 Resultados: Participaram desta pesquisa, 190 estudantes freqüentando escolas públicas, sendo 80 (42,10%), do sexo masculino e 110 (57,89%), do sexo feminino. Na tabela 1, estão demonstrados os valores mínimos, valores máximos e médias, relativos às idades, às medidas de peso e ao IMC dos estudantes. Tabela 1 - Valores mínimos, valores máximos e médias, relativos às idades, às medidas de peso e ao IMC dos estudantes. Variáveis Valores mínimos Valores máximos Medias Idade Peso 23,20 83,30 43,17 IMC 11,05 30,8 18,67 Na tabela 2, estão demonstrados valores de porcentagem, referentes ao consumo de proteína, vitamina C e magnésio. Tabela 2 - Valores de porcentagem referentes ao consumo de proteína, vitamina C e magnésio Consumo Proteína Vitamina C Magnésio Diariamente 34,2% 34,2% 55,2% Semanalmente 61,05% 61,05% 32,6% Mensalmente 2,65% 5,78% 1,6% Eventualmente 2,1% 12,65% 9% Nunca 0 1,05% 1,6%

4 4 Na tabela 3, estão demonstrados a classificação dos valores, referentes ao IMC. Tabela 3 Classificação referentes ao IMC. Classificação Masculino 80(42,10%) Feminino 110(57,89%) Desnutrição 44(55%) 62(56,35%) (IMC >P5) Eutrófico 33(41,25%) 43(39,1%) (P5 85) Sobrepeso 3(3,75%) 5(4,55%) (IMC< P85) Discussão: A Idade, peso e altura são ferramentas muito importantes que nos permite identificar riscos e agravos nutricionais, e avaliar riscos de determinadas doenças. A proteína é um macro nutriente que desempenha um papel muito importante na saúde do escolar, visto que a mesma é responsável pelo crescimento, conservação e reparação dos nossos órgãos, tecidos e células. (OLIVEIRA, 2008). No presente estudo o consumo diário de proteína alcançou 34,2%, sendo possível concluir que a ingestão desse nutriente não acontece diariamente por todos os escolares, o que pode representar prejuízo no crescimento e desenvolvimento. Durante a fase escolar as crianças ficam mais propicias a adquirir doenças, por isso a vitamina C deve estar presente na alimentação, pois ela é fundamental para fortalecer o sistema imunológico, combater infecções, dar resistência aos ossos e dentes, e ainda ajuda na absorção de ferro. (OLIVEIRA, 2008). Em 1,05% dos escolares entrevistados não ingeriram alimentos fonte de vitamina C mas a grande maioria faz a ingestão dessa vitamina semanalmente (61,05%).A baixa absorção de vitamina C pode representar déficits imunológicos futuros, afetar a síntese de colágeno e, principalmente, ser um componente importante na incidência de anemia ferropriva nessa população. O magnésio é um mineral de maior importância para o funcionamento do organismo (OLIVEIRA, 2008) e faz parte da alimentação diária de mais da metade

5 5 dos entrevistados. Ele é essencial em grande número de atividades metabólicas, regula a excitabilidade neuromuscular, atua no sistema cardiovascular e também atua na absorção de cálcio, sendo este muito importante para os escolares. Conclusão: A maioria escolares apresentou o IMC abaixo dos parâmetros estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os escolares apresentam baixa ingestão de proteínas e vitamina C, enquanto o consumo de magnésio é mais freqüente. No entanto, esta realidade pode ser mudada mediante ao consumo diário de ampla variedade de alimentos e um consumo moderado de cada tipo. Pode-se concluir que estas crianças não tem uma alimentação adequada, no que se refere a ingestão de proteína, vitamina C e magnésio, podendo assim influenciar no crescimento e no desenvolvimento. As autoras agradecem à FAPEMIG a concessão da bolsa de Iniciação Científica. Referencias Bibliográficas CAVADINI, C. Hábitos alimentares durante a adolescência: contribuição dos lanches. Resumo do 37º Seminário Nestlé Nutrition FIDELIS, C.; OSÓRIO, M. Consumo alimentar de macro e micronutrientes de crianças menores de cinco anos no Estado de Pernambuco. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil HOLLAND, C.V.; SZARFARC, S.C. Consumo energético do pré-escolar de creches. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. São Paulo, SP. p , jun., KRAUSE, M. V. Alimentos, nutrição e dietoterapia. 7. ed. São Paulo: Roca OLIVEIRA, D.J.E.; MARCHINI, J.S. Ciências Nutricionais : aprendendo a aprender. 2.ed. São Paulo, SP. Sarvier 2008.

6 6 ROSENBURG, O. A merenda escolar dos alunos das quatro primeiras séries de nível I das escolas da Rede Municipal de Ensaio de São Paulo. Rev. Saúde Públ., vol 12. São Paulo: SICHIERI, R.; COITINHO, D.; MONTEIRO, J.; COUTINHO, W. Recomendações de alimentação e Nutrição Saudável para a população Brasileira. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia STURION, G.L.; PANCIERA,A.L.; SILVA, M. V. Alimentação escolar: opções de consumo na unidade de ensino. In: Anais do 6o Simpósio Latino-Americano de Ciência de Alimentos. Campinas, SOARES, N.T. Um novo referencial antropométrico de crescimento: significados e implicações. Revista de Nutrição TOJO,R.; LEIS, R.; RECAREY, MD.; PAVOU, P. Hábitos alimentares das crianças em idade pré- escolar e escolar: riscos para a saúde e estratégias para a intervenção. Resumo do 37º Seminário Nestlé Nutrition.1995.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

- avaliar os hábitos alimentares e o consumo de energia e nutrientes de adultos e idosos; - analisar e adequar macro e micronutrientes de planos

- avaliar os hábitos alimentares e o consumo de energia e nutrientes de adultos e idosos; - analisar e adequar macro e micronutrientes de planos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE ACADÊMICA: FANUT CURSO: Nutrição DISCIPLINA: Nutrição e Dietética II GRADE: 2009

Leia mais

NUTRIÇÃO. Problemas nutricionais associados à pobreza: Desnutrição /Hipovitaminose / Bócio

NUTRIÇÃO. Problemas nutricionais associados à pobreza: Desnutrição /Hipovitaminose / Bócio NUTRIÇÃO NUTRIÇÃO Problemas nutricionais associados à pobreza: Desnutrição /Hipovitaminose / Bócio Problemas nutricionais associados à hábitos alimentares inadequados: Dislipdemias / Anemia / Obesidade

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

Projeto Nutricional Infantil

Projeto Nutricional Infantil Projeto Nutricional Infantil Agenda Objetivos Metas Benefícios do Consumo de Peixe Produto, Usos & Embalagem Objetivos Desenvolver um alimento a base de Músculo de Peixe com fortificação de micronutrientes

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E ADOLESCÊNCIA OMS: 10 a 19 anos Estatuto da criança e do adolescente:

Leia mais

Desnutrição na Adolescência

Desnutrição na Adolescência Desnutrição na Adolescência Adolescência CRIANÇA Desnutrição Anorexia/Bulimia Obesidade / Diabetes ADULTO Dietas não convencionais e restritivas Deficiência de ferro Cálcio, vitamina A, zinco, Vitamina

Leia mais

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei n.º 8.069/90 (BRASIL, 1990), circunscreve a adolescência como o período de vida que vai dos 12 aos 18 anos de idade e a Organização Mundial da Saúde (OMS) delimita

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Núcleo Temático: Disciplina:

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE)

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) ENTENDENDO O CARDÁPIO Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) O que é um cardápio? CARDÁPIO DO PNAE É a relação das preparações de alimentos a serem oferecidas em uma refeição.

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA DE PACIENTES SUBMETIDOS Á CIRURGIA BARIÁTRICA: HISTORICO DE PESO E COMPLICAÇÕES PÓS-CIRURGICAS

AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA DE PACIENTES SUBMETIDOS Á CIRURGIA BARIÁTRICA: HISTORICO DE PESO E COMPLICAÇÕES PÓS-CIRURGICAS 1 AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA DE PACIENTES SUBMETIDOS Á CIRURGIA BARIÁTRICA: HISTORICO DE PESO E COMPLICAÇÕES PÓS-CIRURGICAS GONTIJO, Pires Lidia (UNITRI) lpiresgontijo@yahoo.com.br ARAUJO, Thomas Cristina

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

Município. 4-5 (Pré-escola) Município e Estado em colaboração. Ensino Fundamental (duração de 9 anos) Ensino Médio (duração de 3 anos)

Município. 4-5 (Pré-escola) Município e Estado em colaboração. Ensino Fundamental (duração de 9 anos) Ensino Médio (duração de 3 anos) ETAPA FAIXA ETÁRIA COMPETÊNCIA Educação Infantil 0-3 (Creche) 4-5 (Pré-escola) Município Ensino Fundamental (duração de 9 anos) 6-14 anos Município e Estado em colaboração Ensino Médio (duração de 3 anos)

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AUDIÊNCIA PÚBLICA Lorena Chaves Nutricionista PNAE/FNDE Obesidade: problema de saúde pública 40% da população brasileira (POF) ESCESSO DE PESO Obesidade infanto-juvenil

Leia mais

Mostra de Projetos Projeto Municipal + Leite das Crianças

Mostra de Projetos Projeto Municipal + Leite das Crianças Mostra de Projetos 2011 Projeto Municipal + Leite das Crianças Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: Projetos Finalizados Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de Paranavaí - Secretaria

Leia mais

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS DADOS Neste capítulo, são discutidos os resultados, através da análise dos dados obtidos e da comparação dos estudos científicos apresentados na revisão da literatura. No que respeita

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA CIDADE DE SETE LAGOAS MG Anna Luiza Fernandes de SOUZA 1 Juliana Costa LIBOREDO

Leia mais

Trabalho de Conclusão da Disciplina-TCD

Trabalho de Conclusão da Disciplina-TCD Trabalho de Conclusão da Disciplina-TCD História Anos 50: Era das proteínas Anos 70: Fiasco da proteínas Natureza multifatorial Descrição Desnutrição Energético- Proteico Definição Causas Ingestão insuficiente

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTRICO EM PRÉ - ESCOLARES DA REDE PRIVADA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTRICO EM PRÉ - ESCOLARES DA REDE PRIVADA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR E ANTROPOMÉTRICO EM PRÉ - ESCOLARES DA REDE PRIVADA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO Rosana Aparecida dos Santos, Erika Lima Rodrigues Universidade do Vale do Paraíba - Faculdade de

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Dra. Helena Maia Nutricionista OBJECTIVOS Obesidade: Riscos, prevalências e tipos Nutrição / Nutrientes Roda dos Alimentos Alimentação Mediterrânica IMC Conclusão RISCOS RELACIONADOS

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-PNAE

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE 10 ELEMENTOS CHAVE Objetivo Apresentar o componente nutricional inserido na alimentação escolar Metodologia

Leia mais

Necessidades de Energia. Leylliane Leal

Necessidades de Energia. Leylliane Leal Necessidades de Energia Leylliane Leal Necessidade de energia É o nível de ingestão de energia a partir do alimento que irá equilibrar o gasto de energia quando o indivíduo possui um tamanho e composição

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Tainá Gomes Diniz; Caroline Severo de Assis; Suzy Souto de Oliveira Faculdade de Ciências

Leia mais

Ovos Além de poucas calorias, os ovos contêm mais de 12 vitaminas e minerais e ainda uma quantidade nada desprezível de proteínas, substância

Ovos Além de poucas calorias, os ovos contêm mais de 12 vitaminas e minerais e ainda uma quantidade nada desprezível de proteínas, substância Ovos Além de poucas calorias, os ovos contêm mais de 12 vitaminas e minerais e ainda uma quantidade nada desprezível de proteínas, substância essencial para a intensa produção de células que acontece no

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ana Paula Scherer de Brum* Patrícia Wolf** Paula Masiero*** RESUMO Para termos um corpo e uma mente sadia, devemos ter uma alimentação saudável, com propriedades que ajudam no desenvolvimento

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Nutrição na Adolescência. Profa. Msc. Milena Maia

Nutrição na Adolescência. Profa. Msc. Milena Maia Nutrição na Adolescência Profa. Msc. Milena Maia ADOLESCÊNCIA Segundo a OMS é o período da vida que se inicia aos 10 anos de idade e prolonga-se até os 19 anos, caracterizado por intensas modificações

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL Nº de Empresário Nome completo: Data: Telefone: e-mail: Data de nascimento: Idade: Sexo: Feminino Consome algum suplemento nutricional? Se sim, quantos? Sim Masculino Não Por

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

Princípios da Alimentação e Saúde

Princípios da Alimentação e Saúde Princípios da Alimentação e Saúde Alimentação é mais que ingestão de nutrientes Recomendações sobre alimentação devem estar em sintonia com seu tempo Alimentação saudável deriva de sistema alimentar socialmente

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE.

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. RAMON WAGNER BARBOSA DE HOLANDA PABLO RUDÁ FERREIRA BARROS

Leia mais

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 Débora Adriana Knoll Wagner 2, Maria Cristina Roppa Garcia 3, Franciéli Aline Conte

Leia mais

VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 VALORES CRÍTICOS DO IMC PARA A SAÚDE DOS ALUNOS DO 5º ANO DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FUHRMANN, Marlon 2 ; PANDA, Maria Denise Justo 3 Palavras Chave: IMC. PIBID. Saúde. Educação Física. Introdução

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE MICRONUTRIENTES CONTIDOS EM RECEITA DE PANQUECA INTEGRAL DE PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA

AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE MICRONUTRIENTES CONTIDOS EM RECEITA DE PANQUECA INTEGRAL DE PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA 93 AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE MICRONUTRIENTES CONTIDOS EM RECEITA DE PANQUECA INTEGRAL DE PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA Gabriela de Souza Oliveira¹,Vânia Mayumi Nakajima² Resumo: Considerando a importância

Leia mais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais M.S. 6.6969.0023.001-6 NERVITON MEGA Ômega 3 + 13 Vitaminas + 8 Minerais NERVITON MEGA é um produto inovador no Brasil, pois possui em sua fórmula o óleo de peixe ( ÔMEGA 3 ) e diversas vitaminas e minerais

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS 20 a 24 de outubro de 2008 ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS Gizele Regina Fanhani Casarin 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo,

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: ENFERMAGEM Professores:. Sandrea Tavares Período/ Fase: 4º Semestre: 1º Ano: 2013 Disciplina: NUTRIÇÃO Pré-Requisitos:

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I:

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I: Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS Unidade I: 0 Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS

Leia mais

Componente Curricular: Princípios Básicos da Nutrição. Pré-requisito: Titulação: Mestre em Meio Ambiente e Sustentabilidade. PLANO DE CURSO EMENTA

Componente Curricular: Princípios Básicos da Nutrição. Pré-requisito: Titulação: Mestre em Meio Ambiente e Sustentabilidade. PLANO DE CURSO EMENTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLÓGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA A u t o r i z a d o p e l a P o r t a r i a M E C n º 4 3 3 d e 2 1. 1 0. 1 1, D O U d e 2 4. 1 0. 1 1 Componente Curricular: Princípios Básicos da

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

INFORME SOBRE O RESULTADO DA PESQUISA SOBRE CONDUTAS DE SUPLEMENTAÇÃO PROFILÁTICA PARA PREVENÇÃO DA ANEMIA EM CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES.

INFORME SOBRE O RESULTADO DA PESQUISA SOBRE CONDUTAS DE SUPLEMENTAÇÃO PROFILÁTICA PARA PREVENÇÃO DA ANEMIA EM CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES. INFORME SOBRE O RESULTADO DA PESQUISA SOBRE CONDUTAS DE SUPLEMENTAÇÃO PROFILÁTICA PARA PREVENÇÃO DA ANEMIA EM CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES. Entre 28 de junho de 2016 e 20 de julho de 2016, foi realizada pesquisa

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Introdução O seguimento ambulatorial dos recém-nascidos (RN), iniciando até 7 dias após a alta hospitalar, é importante

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS:

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: Relato de Experiência Daiana Argenta Kümpel 1 Michele Marinho da Silveira 2 Josemara de Paula Rocha 3 Neida Maria da Luz de Jesus

Leia mais

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento ALBUMINA Proteína do ovo como suplemento INTRODUÇÃO Composto 100% natural, obtido da pasteurização e da secagem instantânea da clara de ovo, sem qualquer tipo de conservantes. A proteína é o elemento fundamental

Leia mais

EXIN Nutrição SÉRIE 4MA e 4NA Assuntos 1a chamada Assuntos 2a.chamada. Nutriçao Social

EXIN Nutrição SÉRIE 4MA e 4NA Assuntos 1a chamada Assuntos 2a.chamada. Nutriçao Social EXIN Nutrição 2016.2 SÉRIE 4MA e 4NA Assuntos 1a chamada Assuntos 2a.chamada Nutriçao Social Módulo Integrado de analise em Tecnologia de Aliemntos I Desnutrição e suas consequências DCNT (diabetes e HAS)

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS BÁSICOS SOBRE NUTRIÇÃO E O USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS BÁSICOS SOBRE NUTRIÇÃO E O USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS BÁSICOS SOBRE NUTRIÇÃO E O USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS POR PRATICANTES

Leia mais

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Ao final deste capítulo, você poderá Ø Explicar rótulos de alimentos Ø Decidir quais alimentos são melhores com base em três fatores Capítulo 13 Nutrição:

Leia mais

1ª Retificação Processo Seletivo - Edital nº 01/2014

1ª Retificação Processo Seletivo - Edital nº 01/2014 1ª Retificação - Edital de Abertura de Processo Seletivo Nº /24 1ª Retificação Processo Seletivo - Edital nº /24 A Prefeitura Municipal de Guarda-Mor/MG no uso de suas atribuições legais torna público

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLÓGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de , DOU de

CURSO SUPERIOR DE TECNOLÓGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de , DOU de CURSO SUPERIOR DE TECNOLÓGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Princípios Básicos da Nutrição Código: Pré-requisito: Período

Leia mais

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros

Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros Maria Laura da Costa Louzada Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde Efeito

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Alimentação e Saúde ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Todo ser vivo precisa se alimentar para viver. A semente, ao ser plantada, precisa ser adubada e molhada todos os dias

Leia mais

O pão engorda. Mitos Alimentares

O pão engorda. Mitos Alimentares Apesar do acesso facilitado e quase imediato à informação em todos os momentos, nem todas as afirmações feitas sobre a comida são baseadas em factos científicos, pelo que alguns mitos alimentares ainda

Leia mais

Prática Clínica Nutrição Esportiva

Prática Clínica Nutrição Esportiva Estratégias nutricionais para perda, manutenção e ganho de peso Profa. Raquel Simões Prática Clínica Nutrição Esportiva Manutenção do peso Saúde Desempenho esportivo Perda de peso (mais comum) Estética

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP AUTORES Juliane Tavares da SILVA Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos

Leia mais

Alimentação na Infância e Adolescência

Alimentação na Infância e Adolescência Alimentação na Infância e Adolescência Nutricionista Ana Helena Spolador Ribeiro Graduada pelo Centro Universitário São Camilo Pós-graduada em Obesidade e Emagrecimento pela Universidade Gama Filho Nutricionista

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS EM CRECHES BRASILEIRAS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS EM CRECHES BRASILEIRAS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS EM CRECHES BRASILEIRAS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Anna Virgínia Souto de Miranda¹; Jaielison Yandro Pereira da Silva 1 ; Sylmara Clementino Barbosa

Leia mais

A salada verde deveria fazer parte das refeições de todas as pessoas, pois as folhas,

A salada verde deveria fazer parte das refeições de todas as pessoas, pois as folhas, Alface, rúcula, agrião e acelga são aliados da dieta e ricos em nutrientes Essas folhas devem fazer parte da alimentação de todas as pessoas e fornecem vitaminas, minerais e outros componentes importantes

Leia mais

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS

TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ÍNDICE DE CONICIDADE EM ADULTOS SEDENTÁRIOS DA CIDADE DE CAMPO GRANDE-MS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS E ULTRAPROCESSADOS POR ESCOLARES DO IFAL CAMPUS MURICI

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS E ULTRAPROCESSADOS POR ESCOLARES DO IFAL CAMPUS MURICI AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS E ULTRAPROCESSADOS POR ESCOLARES DO IFAL CAMPUS MURICI João Victor Laurindo dos Santos (1); Clara Andrezza Crisóstomo Bezerra Costa (1); Ingrid Sofia Vieira

Leia mais

ANEMIA FERROPRIVA NO LACTENTE EM RELAÇÃO O AO ALEITAMENTO MATERNO E SUPLEMENTAÇÃO O DE FERRO

ANEMIA FERROPRIVA NO LACTENTE EM RELAÇÃO O AO ALEITAMENTO MATERNO E SUPLEMENTAÇÃO O DE FERRO AMAURI PINTO DA SILVA ANEMIA FERROPRIVA NO LACTENTE EM RELAÇÃO O AO ALEITAMENTO MATERNO E SUPLEMENTAÇÃO O DE FERRO Dissertação do programa de mestrado em Saúde Coletiva, área de concentração Saúde Pública

Leia mais

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira OBESIDADE NA INFÂNCIA Dra M aria Fernanda Bádue Pereira Obesidade infantil Um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. >>>>> Ingestão calórica e

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Altera a lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, para estabelecer o reajuste anual do valor per capita do PNAE, definindo o IPCA como índice utilizado para o cálculo

Leia mais

Palavras chave: avaliação nutricional, estado nutricional, índice de massa corporal

Palavras chave: avaliação nutricional, estado nutricional, índice de massa corporal AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS ADOLESCENTES INGRESSOS NO PRIMEIRO ANO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO, DO TURNO NOTURNO, NO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Campus São Miguel dos Campos. Lucas

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 atos relacionados: Resolução nº 18, 1994

revogada(o) por: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 atos relacionados: Resolução nº 18, 1994 título: Portaria nº 33, de 13 de janeiro de 1998 ementa não oficial: Adota valores como níveis de IDR para as vitaminas, minerais e proteínas publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT

GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT SUPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR O QUE É? Os suplementos vão muito além do mundo esportivo, sendo qualquer substância que venha a suprir necessidades de nutrientes no organismo,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista)

Leia mais

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins Gabriela de Medeiros Cabral 1, Avelino Pereira Neto 2 1 Professora do Ensino Básico,

Leia mais

O comportamento alimentar e as rejeições e aversões alimentares de estudantes adolescentes de escolas públicas e privadas de Teresina-PI.

O comportamento alimentar e as rejeições e aversões alimentares de estudantes adolescentes de escolas públicas e privadas de Teresina-PI. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA Iniciação Científica Voluntária - ICV Campus Universitário Ministro Petrônio

Leia mais

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste Prova de Resultado Lactance Terneira Desempenho de bezerros alimentados à base de ração peletizada x farelada Desempenho de bezerros alimentados

Leia mais

Exercícios sobre Vitaminas

Exercícios sobre Vitaminas Exercícios sobre Vitaminas Exercícios sobre Vitaminas 1. Tomando uma grande dose de vitaminas A, uma pessoa pode suprir suas necessidades por vários dias; porém, se fizer o mesmo em relação à vitamina

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA.

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA. CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CADERNO DE EXERCÍCIOS MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Ms.C. Ana Beatriz Monteiro http://avaliacaoemeducacaofisica.webnode.com Nome: Introdução Crescimento é a atividade biológica dominante

Leia mais

ZINCO. Papel no organismo

ZINCO. Papel no organismo ZINCO Ter uma alimentação rica em minerais é essencial para manter a saúde em dia. Mas, entre tantos nutrientes, um deles assume papel de destaque: o zinco. "Esse mineral é essencial para que nosso corpo

Leia mais

Descobre tudo sobre um...

Descobre tudo sobre um... Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Dia Mundial da Alimentação 16 de Outubro de 2010 Descobre tudo sobre um... PEQUENO-ALMOÇO PORQUÊ? Porque, após uma noite de sono, em que estivemos várias horas

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS A avaliação antropométrica em adultos envolve vários indicadores. A escolha do indicador dependerá do que se quer avaliar e

Leia mais

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda Determinantes Sociais da Saúde Professor: Dr. Eduardo Arruda Conteúdo Programático desta aula Epidemiologia social e os Determinantes Sociais da Saúde (DSS); Principais Iniquidades em Saúde no Brasil;

Leia mais

Ensino Fundamental II 8º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Ciências PROFESSOR Daniel Lucena Brasil CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO

Ensino Fundamental II 8º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Ciências PROFESSOR Daniel Lucena Brasil CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO Ensino Fundamental II 8º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Ciências PROFESSOR Daniel Lucena Brasil CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO TOTAL SEMANAL 45 semanas 4 horas 8º ano A 2017 EMENTA 1.1- Como nosso corpo

Leia mais

Cartilha de Alimentação Infantil para profissionais de saúde e educação

Cartilha de Alimentação Infantil para profissionais de saúde e educação Cartilha de Alimentação Infantil para profissionais de saúde e educação Cristiane Aparecida Azevedo de Assis Machado Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba Coordenação de Vigilância Nutricional II FÓRUM

Leia mais

TRISOJA INGREDIENTES. MINERAIS: Verifica-se no TRISOJA a presença de Ferro, Magnésio, Cobre, Potássio, Fósforo e ácidos orgânicos.

TRISOJA INGREDIENTES. MINERAIS: Verifica-se no TRISOJA a presença de Ferro, Magnésio, Cobre, Potássio, Fósforo e ácidos orgânicos. TRISOJA A industria de alimentos e suplementos naturais não para de crescer, motivada pela maior preocupação das pessoas com sua saude e qualidade de vida. Cada vez mais, novos produtos do gênero são lançados

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 360, DE 2016

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 360, DE 2016 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 360, DE 2016 Altera a lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, para estabelecer o reajuste anual do valor per capita do PNAE, definindo o IPCA como índice utilizado

Leia mais

PERSONAL DIET, INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM ÂMBITO DOMICILIAR: RELATO DE CASOS

PERSONAL DIET, INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM ÂMBITO DOMICILIAR: RELATO DE CASOS ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERSONAL DIET, INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM ÂMBITO DOMICILIAR: RELATO DE CASOS Denise Bertin

Leia mais

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Juliany Piazzon Gomes 1 Cristina Simões de Carvalho Tomasetti 2 Rejane Dias Neves Souza 3 RESUMO: Acompanhou-se 33 gestantes com a finalidade

Leia mais

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará ANEXO I APROVADO NA ATA DE ASSEMBLÉIA DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 TABELA DE HORONÁRIOS PARA O ANO DE 2015/2016 DEFINIDA E APROVADA EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 28/10/2014. Unidade de Serviço em Nutrição (USN)

Leia mais