Resultados de provas e exames nacionais Língua Portuguesa e Matemática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resultados de provas e exames nacionais Língua Portuguesa e Matemática"

Transcrição

1 Resultados de provas e exames nacionais Língua Portuguesa e Matemática Avalia a progressão entre os resultados das provas de aferição e dos exames nacionais do ensino básico e secundário entre anos consecutivos, nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática (ensino público). Cálculo: Para os 4º e 6º e 9º anos de escolaridade: são as percentagens de alunos com classificações positivas (A, B e C) nas provas de aferição e exames nacionais do Unidade Orgânica: Agrupamento de s da Pedrulha 2010/ / / / / Língua Portuguesa - 4º Ano 91.0 % 94.7 % 95.7 % 96% % 96% % 96% % 96% % 96% % 95.0 % % % % % % % % % % % % % % % % % % % 2009/2010 Metas para a Unidade Orgânica 2010/ / / / / Meta Nacional Matemática - 4º Ano 88.0 % 92.8 % 93.0 % 93% % 93% % 93% % 93% % 93% % 92.0 % % % % % % % % % % % % % % % % % % %

2 Unidade Orgânica: Agrupamento de s da Pedrulha Resultados de provas e exames nacionais Língua Portuguesa e Matemática Avalia a progressão entre os resultados das provas de aferição e dos exames nacionais do ensino básico e secundário entre anos consecutivos, nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática (ensino público). Cálculo: Para os 4º e 6º e 9º anos de escolaridade: são as percentagens de alunos com classificações positivas (A, B e C) nas provas de aferição e exames nacionais do ensino básico, num ano lectivo. 2010/ / / / / Língua Portuguesa - 6º Ano 88.0 % 92.6 % 83.7 % 85% 87% 89% 91% 92% 92.0 % Matemática - 6º Ano 76.0 % 83.3 % 72.8 % 75% % 77% % 79% % 80% % 80% % 80.0 % Língua Portuguesa - 9º Ano 71.0 % 88.5 % 88.2 % 89% 89% 89% 90% 90% 75.0 % Matemática - 9º Ano 51.0 % 71.9 % 48.5 % 50% % 52% % 54% % 56% % 58% % 55.0 %

3 Unidade Orgânica: Agrupamento de s da Pedrulha Taxas de Repetência por ano de escolaridade Avalia o grau de sucesso nos diversos anos de escolaridade, relativamente a cada agrupamento ou escola não agrupada do sistema educativo público. Cálculo: Relação entre o número de alunos que não transita para o ano de escolaridade subsequente relativamente ao total de alunos matriculados e avaliados num determinado ano de escolaridade, expressa em percentagem. 2010/ / / / / 1º ano 0.0 % 0.0 % 0.0 % % 0,0% % 0,0% % 0,0% % 0,0% % 0,0% 0,00% 2º ano 7.6 % 5.0 % 1.8 % % 1,8% % 1,8% % 1,8% % 1,5% % 1,4% 1,50% % % % % % % % % % % % 3º ano 3.3 % 1.9 % 1.5 % 1,5% % 1,5% % 1,5% % 1,3% % 1,2% % 1,30% % % % % % % % % % % % 4º ano 4.2 % 3.3 % 3.7 % 3,5% % 3,4% % 3,2% % 3,0% % 2,8% % 3,00% % % % % % % % % % % 1º Ciclo 4.1 % 2.6 % 1.8 % 2.0 %

4 Taxas de Repetência por ano de escolaridade Avalia o grau de sucesso nos diversos anos de escolaridade, relativamente a cada agrupamento ou escola não agrupada do sistema educativo público. Cálculo: Relação entre o número de alunos que não transita para o ano de escolaridade subsequente relativamente ao total de alunos Unidade Orgânica: Agrupamento de s da Pedrulha 2009/2010 Metas para a Unidade Orgânica 2010/ / / / / Meta Nacional 5º ano 7.6 % 5.6 % 8.4 % 8,0% % 7,0% % 6,5% % 6,0% % 5% % 5% 6º ano 8.6 % 6.1 % 8.6 % 8,0% % 7,0% % 6,5.% % 6,0% % 5% % 5% 2º Ciclo 8.1 % 5.8 % 8.5 % 5.0 % 7º ano 16.7 % 10.0 % 6.7 % 6,5% % 6,5% % 6,0% % 5,5% % 5,0% % 5% 8º ano 11.0 % 7.7 % 3.8 % 3,5% % 3,0% % 3,0% % 3,0% % 3,0% % 3,00% 9º ano 12.7 % 9.3 % 11.2 % 10,0% % 9,0% % 8,0% % 7,0% % 6,0% % 6,00% 3º Ciclo 13.6 % 9.1 % 8.0 % 10.0 %

5 Taxas de Desistência aos 14, 15 e 16 anos Avalia o grau de cumprimento do objectivo de assegurar a escolaridade obrigatória de 12 anos. Cálculo: Taxa de desistência aos 14 anos - percentagem dos alunos matriculados no sistema público de educação aos 14 anos em 2008/2009 e que não se matricularam no mesmo sistema em 2009/2010, a nível nacional e concelhio. Este indicador não é calculado para os concelhos com menos de 21 alunos com a idade de 14 anos em 2009/2010. Taxa de desistência aos 15 anos - percentagem dos alunos matriculados no sistema público de educação aos 15 anos em 2008/2009 e que não se matricularam no mesmo sistema em 2009/2010, a nível nacional e concelhio. Este indicador não é calculado para os concelhos com menos de 21 alunos com a idade de 15 anos em 2009/2010. Taxa de desistência aos 16 anos - percentagem dos alunos matriculados no sistema público de educação aos 16 anos em 2008/2009 e que não se matricularam no mesmo sistema em 2009/2010, a nível nacional e concelhio. Este indicador não é calculado para os concelhos com menos de 21 alunos com a idade de 16 anos em 2009/2010. Unidade Orgânica: Agrupamento de s da Pedrulha alunos em ataxa de abandono Alunos nascidos em 1995 (14 ano em 2009) ,95% Alunos nascidos em 1994 (15 ano em 2009) ,56% Alunos nascidos em 1993 (16 ano em 2009) ,45% 2010/ / / / / aos 14 anos 1.8 % 0.0 % 0,95% % 0,9% % 0,9% % 0,9% % 0,9% % 0,9% < 1.0 % aos 15 anos 9.3 % 0.0 % 5,56% % 4,0% % 3,5% % 3,0% % 2,5% % 2,0% < 2.0 % aos 16 anos 13.1 % 0.0 % 45,5% % 30% % 20% % 10% % 5% % 4% < 4.0 %

Programa Educação 2015

Programa Educação 2015 Elevar as competências básicas dos alunos portugueses Assegurar o cumprimento da escolaridade obrigatória de 12 anos Reforçar o papel das Escolas Introdução Elevar as competências básicas e os níveis de

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA ANO LETIVO /13 Escola Básica e Secundária de São João da Pesqueira. Resultados Internos e Externos do Agrupamento

AVALIAÇÃO INTERNA ANO LETIVO /13 Escola Básica e Secundária de São João da Pesqueira. Resultados Internos e Externos do Agrupamento 3333333333333 2012/13 Escola Básica e Secundária de São João da Pesqueira AVALIAÇÃO INTERNA Resultados Internos e Externos do Agrupamento (1º Ciclo, 2º Ciclo, 3º Ciclo e Secundário) LETIVO 2014-15 1 1.

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento 1º Ciclo Grupos: 110 2016/2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEL CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO UTILIZADOR Critérios

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

TIPOLOGIA DE OPERAÇÃO: CURSOS VOCACIONAIS DE 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

TIPOLOGIA DE OPERAÇÃO: CURSOS VOCACIONAIS DE 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Grelha de Análise e Seleção de Candidaturas TIPOLOGIA DE OPERAÇÃO: CURSOS VOCACIONAIS DE 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO AVISO n.º POCH - 66-2015-07 Nota Metodológica I - FIXAÇÃO DOS LIMIARES NAS ESCALAS BASEADAS

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 ESCOLA: NOME: TURMA:

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

Critérios de constituição de turmas para o ano letivo 2013/2014

Critérios de constituição de turmas para o ano letivo 2013/2014 Critérios de constituição de turmas para o ano letivo 2013/2014 A constituição de turmas dos alunos do ensino diurno que ingressem pela primeira vez na Escola far-se-á de acordo com o determinado no Despacho

Leia mais

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO CONTRADITÓRIO 1.RESULTADOS É excluído por omissão o que foi escrito no documento de apresentação, no que concerne ao Contexto e caracterização da Escola, e proferido em reunião do painel do Conselho Executivo,

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Exames Nacionais de Língua Portuguesa e Matemática 9º ANO As provas de exame de Língua Portuguesa e de Matemática incidem sobre as aprendizagens e competências

Leia mais

Uma Leitura Quantitativa do Sistema Educativo

Uma Leitura Quantitativa do Sistema Educativo Uma Leitura Quantitativa do Sistema Educativo M.ª Emília São Pedro M.ª Fátima Santos M.ª Rosário Baptista Paula Correia NOTAS BIOGRÁFICAS MARIA EMÍLIA SÃO PEDRO. Licenciada em Economia pelo Instituto Superior

Leia mais

Análise dos resultados finais de ciclo. Ano Letivo

Análise dos resultados finais de ciclo. Ano Letivo Análise dos resultados finais de ciclo Ano Letivo 203 20 Resultados da conclusão do 2º ano 203/20 Após a primeira fase alunos % 5 alunos 2% Distribuição total dos alunos ª Fase 0 alunos 38% Anulou Matrícula

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

Indicador de resultados em contexto Nota técnica

Indicador de resultados em contexto Nota técnica Indicador de resultados em contexto Nota técnica 1 Preâmbulo Desde o ano letivo 2012/13 que os indicadores de resultados em contexto têm vindo a ser integrados pela Inspeção Geral de Educação e Ciência

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Agrupamento de Escolas Dr. Alberto Iria Olhão ANO LETIVO 2015/2016 RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO EQUIPA: Ana Avó, Ema Salero, Marília Estriga, Vanda Estevens Índice QUADRO SÍNTESE DA POPULAÇÃO ESCOLAR

Leia mais

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos Metas Indicadores 1. Promover a Educação Intercultural/ Melhorar valências da escola Inclusiva. a) Reduzir a taxa de desistência escolar

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Critérios Específicos de Avaliação 2013/2014 Introdução Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Melgaço. Critérios gerais e específicos e instrumentos de avaliação 2014/2015

Escola Básica e Secundária de Melgaço. Critérios gerais e específicos e instrumentos de avaliação 2014/2015 Matemática - Ensino Básico Critérios gerais de avaliação definidos em Conselho Pedagógico Saber e Saber Fazer 80% Conhecimento e domínio de diferentes tipos de conceitos e procedimentos. Capacidade de

Leia mais

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município:

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município: Boletim da O SARESP 2009 033583 ANTONIO DEVISATE ETE / Município: MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 11º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2016/2017 1 O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação,

Leia mais

50 Anos de Estatísticas da Educação (ensino não-superior)

50 Anos de Estatísticas da Educação (ensino não-superior) 5 Anos de Estatísticas da Educação (ensino não-superior) A publicação 5 Anos de Estatísticas da Educação apresenta um conjunto de indicadores estatísticos demonstrativos da evolução do sistema educativo:

Leia mais

Agrupamento de Escolas Miguel Torga Escola EB1/JI de Massamá

Agrupamento de Escolas Miguel Torga Escola EB1/JI de Massamá Agrupamento de Escolas Miguel Torga Escola EB1/JI de Massamá Agrupamento de Escolas Miguel Torga Escola EB1/JI de Massamá INDICE 1 Introdução.2 2 -Instrumentos de Avaliação. 2 3 - Modalidades da Avaliação.4

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE OS RESULTADOS DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO SOBRE OS RESULTADOS DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO SOBRE OS RESULTADOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 Agrupamento de Escolas de Fernando Pessoa Página 1 ÍNDICE Introdução...4 Parte I Dados referentes ao 1º ciclo...5 1. Avaliação interna..........6 1.1

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano)

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano) DE FINAL DE ANO (6.º ano) As competências essenciais deverão estar desenvolvidas. INTERNA A avaliação sumativa interna corresponde à avaliação de final de ano letivo EFEITOS DA INTERNA Condições de admissão

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) Nos termos da alínea e) do art.º 33.º do Regime de Autonomia, Administração e Gestão, constante do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22

Leia mais

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO:

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO: LINHAS DE ACTUAÇÃO: OBJECTIVOS: Incentivar a criação das associações de pais e EE, do ensino não superior; Intervir e defender os interesses dos educandos, fomentando a colaboração entre pais, alunos e

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS GESTÃO DO PROGRAMA Cristina Pecante - Médica, Saúde Pública Fátima Neves - Enfermeira Especialista, Saúde Comunitária

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 27150 Diário da República, 2.ª série N.º 119 23 de Junho de 2008 Da homologação cabe recurso, a interpor no prazo de 10 dias úteis a contar da publicação da presente lista. 12 de Junho de 2008. A Vogal

Leia mais

Relatório de análise dos resultados da Avaliação 3.º Período - História

Relatório de análise dos resultados da Avaliação 3.º Período - História Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra - Montijo Relatório de análise dos resultados da Avaliação 3.º Período - História O presente relatório tem por base as reflexões individuais registadas em documento

Leia mais

REVISÃO DA CARTA EDUCATIVA MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ. Ano letivo 2014/2015

REVISÃO DA CARTA EDUCATIVA MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ. Ano letivo 2014/2015 ESTRUTURA DO RELATÓRIO 1. INTRODUÇÃO 2. METODOLOGIA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DO SISTEMA EDUCATIVO: CARACTERIZAÇÃO ATUAL E EVOLUÇÃO RECENTE 4. TENDÊNCIAS EVOLUTIVAS DA POPULAÇÃO ESCOLAR 5. PROPOSTA DE

Leia mais

OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA

OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA As metas que aqui se apresentam constituem uma referência relativamente aos resultados de aprendizagem dos alunos

Leia mais

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa : Melhorar a competência de números e cálculo dos alunos no fim do 5º ano Taxa de insucesso na avaliação interna Taxa

Leia mais

Critérios pedagógicos para a constituição de turmas

Critérios pedagógicos para a constituição de turmas Critérios pedagógicos para a constituição de turmas ANEXO I Critérios Pedagógicos para a elaboração de Turmas 2014/2015 Artigo 1º Preâmbulo Com este regulamento pretende-se uniformizar, de uma forma esclarecedora,

Leia mais

3.13. Síntese do diagnóstico Educação pré-escolar

3.13. Síntese do diagnóstico Educação pré-escolar 3.13. Síntese do diagnóstico 3.13.1. Educação pré-escolar A capacidade instalada (oferta) na educação pré-escolar ao nível concelhio é composta por 36 estabelecimentos, 28 da rede pública, 3 da rede solidária

Leia mais

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES 3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) é o indicador nacional que reflete a situação da unidade escolar a partir do resultado de dois componentes:

Leia mais

Identificação do avaliado. Escola Secundária de Amares. Identificação do avaliador / relator. Grupo disciplinar 510

Identificação do avaliado. Escola Secundária de Amares. Identificação do avaliador / relator. Grupo disciplinar 510 Identificação do avaliado Escola Secundária de Amares Nome: Pedro Paulo Costa Cerqueira Identificação do avaliador / relator Nome: Relator 1 Grupo disciplinar Escala 1 Escala 2 3 Sempre / Quase sempre

Leia mais

Almada. o teu futuro passa por aqui. Oferta Formativa. a iniciar Ano Lectivo 2009/2010. Suplemento do Boletim Municipal Nº 149 Maio 2009

Almada. o teu futuro passa por aqui. Oferta Formativa. a iniciar Ano Lectivo 2009/2010. Suplemento do Boletim Municipal Nº 149 Maio 2009 Suplemento do Boletim Municipal Nº 149 Maio 2009 Oferta Formativa a iniciar Ano Lectivo 2009/2010 Almada o teu futuro passa por aqui Almada o teu futuro passa por aqui Almada Escolas Para a Vida Pelo terceiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º xx/2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º xx/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º xx/2012 A presente Portaria regulamenta a avaliação do desempenho docente dos diretores de agrupamentos de escolas ou escolas não agrupadas, dos diretores

Leia mais

Avaliação do Desempenho de Docentes

Avaliação do Desempenho de Docentes Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Avaliação do Desempenho de Docentes Decreto Regulamentar 2/2010 de 23 de Junho Julho/2010 Em Destaque: 1. Objectivos da avaliação do desempenho. 2. Relevância da

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Autonomia Avaliação externa dos estabelecimentos de educação e ensino Delegação de competências Professor bibliotecário Manuais escolares

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

Língua Portuguesa Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico

Língua Portuguesa Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico 2011 PROVAS DE AFERIÇÃO Língua Portuguesa Matemática INFORMAÇÃO-PROVAS DE AFERIÇÃO 2.º Ciclo do Ensino Básico GAVE Provas de Aferição 2010-2011 1_7 INTRODUÇÃO Nos próximos dias 6 e 11 de Maio, de manhã,

Leia mais

Língua Portuguesa Matemática. 1.º Ciclo do Ensino Básico

Língua Portuguesa Matemática. 1.º Ciclo do Ensino Básico 2011 PROVAS DE AFERIÇÃO Língua Portuguesa Matemática INFORMAÇÃO-PROVAS DE AFERIÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico GAVE Provas de Aferição 2010-2011 1_7 INTRODUÇÃO Nos próximos dias 6 e 11 de Maio, de manhã,

Leia mais

Educação Física - 10º/11º/12º anos

Educação Física - 10º/11º/12º anos CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Educação Física - 10º/11º/12º anos CONSIDERAÇÕES GERAIS A avaliação na disciplina de Educação Física centra-se nas três áreas de desenvolvimento das aprendizagens, definidas

Leia mais

Relatório de Análise Comparada dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Secundário 11º e 12ºano

Relatório de Análise Comparada dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Secundário 11º e 12ºano Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 Relatório de Análise Comparada dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Secundário 11º e 12ºano Equipa: Rosa Cruz (RD Pré-Escolar) Eliana Antunes (RD

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário

Exames Nacionais do Ensino Secundário 2014 Exames Nacionais do Ensino Secundário DECRETO-LEI N.º 139/2012 [PLANO DE ESTUDOS] PORTARIA N.º 243/2012 [AVALIAÇÃO] DESPACHO N.º 8248/2013 [CALENDÁRIO DE EXAMES] NORMA 01/JNE/2014 [INSTRUÇÕES PARA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro Sistemas de Avaliação Bonificação por Desempenho Maria Helena Guimarães de Castro Sistema Estadual de Educação de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental 2.900.000 Ensino Médio 1.500.000 EJA 600.000

Leia mais

ALUNO Indivíduo que frequenta o sistema formal de ensino após o acto de registo designado como matrícula.

ALUNO Indivíduo que frequenta o sistema formal de ensino após o acto de registo designado como matrícula. GLOSSÁRIO AGRUPAMENTOS DE DISCIPLINAS Conjunto de disciplinas dos cursos científico-humanísticos do ensino secundário, organizados segundo uma dominante do conhecimento científico, em cinco áreas: ciências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 1º CICLO 1. Critérios Gerais Evolução da aquisição das aprendizagens; Utilização correta da língua

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Foi aprovado a 17 de março de 2016, em Conselho de Ministros, o Decreto-Lei que procede à terceira alteração ao Decreto-Lei

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº 2 de Beja. Maria José de Jesus Santos Chagas Teresa Santos Rocha Isabel Maria Matos Mourão

Agrupamento de Escolas nº 2 de Beja. Maria José de Jesus Santos Chagas Teresa Santos Rocha Isabel Maria Matos Mourão Agrupamento de Escolas nº 2 de Beja Maria José de Jesus Santos Chagas Teresa Santos Rocha Isabel Maria Matos Mourão junho de 2016 1 1. ENQUADRAMENTO 1.1. Enquadramento Territorial O Município de Beja situa-se

Leia mais

Quais os principais desafios. do contexto atual. Juventude

Quais os principais desafios. do contexto atual. Juventude Novo Ensino Médio Novo Ensino Médio Como o Novo EM garante uma educação que promova o pleno desenvolvimento, o preparo para o exercício da cidadania e a qualificação para o trabalho previstos na CF/88

Leia mais

Taxa de Analfabetismo no Concelho do Sabugal, na Região Centro e em Portugal. Taxa de Analfabetismo Zona

Taxa de Analfabetismo no Concelho do Sabugal, na Região Centro e em Portugal. Taxa de Analfabetismo Zona - Taxa de Analfabetismo no Concelho do Sabugal, na região Centro e em Portugal - População residente, segundo o nível de instrução - População residente, segundo o nível de ensino atingido, por sexo -

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário ANÁLISE DE RESULTADOS POR DISCIPLINA

Exames Nacionais do Ensino Secundário ANÁLISE DE RESULTADOS POR DISCIPLINA Exames Nacionais do Ensino Secundário ANÁLISE DE RESULTADOS POR DISCIPLINA Média das classificações de exame (CE) e das classificações internas finais () de alunos internos, e diferença /CE por prova 1.ª

Leia mais

Revisão da Carta Educativa do Concelho de Cascais Elaboração do Plano Estratégico Educativo Municipal. Metodologia e Programa de Trabalhos

Revisão da Carta Educativa do Concelho de Cascais Elaboração do Plano Estratégico Educativo Municipal. Metodologia e Programa de Trabalhos Revisão da Carta Educativa do Concelho de Cascais Elaboração do Plano Estratégico Educativo Municipal Metodologia e Programa de Trabalhos 24 de fevereiro 2016 Agenda 1. Equipa de trabalho 2. Carta Educativa:

Leia mais

Escola Portuguesa da Guiné-Bissau

Escola Portuguesa da Guiné-Bissau Escola Portuguesa da Guiné-Bissau RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO ANO LETIVO - 4 / 5 I Enquadramento legal A Escola Portuguesa da Guiné-Bissau é uma escola de iniciativa privada, fundada pela Associação da

Leia mais

Relatório de Análise da Comparativa dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Básico_9ºano

Relatório de Análise da Comparativa dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Básico_9ºano Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 Relatório de Análise da Comparativa dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Básico_9ºano Equipa: Rosa Cruz (RD Pré-Escolar) Eliana Antunes (RD Pré-Escolar)

Leia mais

Exames Nacionais Provas de Equivalência à Frequência Ensino Secundário

Exames Nacionais Provas de Equivalência à Frequência Ensino Secundário 2016 Exames Nacionais Provas de Equivalência à Frequência Ensino Secundário DECRETO-LEI N.º 139/2012 [PLANO DE ESTUDOS] PORTARIA N.º 243/2012 [AVALIAÇÃO] DESPACHO N.º 7104-A/2015 [CALENDÁRIO DE EXAMES]

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA MERCADO DE TRABALHO O quadro sociodemográfico apresentado tem consequências directas no mercado de trabalho. Segundo os últimos Censos, os concelhos de Penamacor, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão surgiam

Leia mais

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e DL 433/2014 2014.10.16 De acordo com as prioridades estabelecidas no programa do XIX Governo Constitucional, o Ministério da Educação e Ciência tem vindo a introduzir alterações graduais no currículo nacional

Leia mais

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas.

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas. Os objetivos prioritários da política educativa do XXI Governo Constitucional, configurados no seu programa estratégico, contêm duas medidas essenciais, a de garantia da estabilidade do trabalho nas escolas

Leia mais

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I ANO LECTIVO DE 2015-2016 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Disciplina de Matemática Critérios de Avaliação

Leia mais

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística.

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. ANEXO 1 Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. 1. Qualificação da população activa portuguesa Gráfico 1.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Orientações da SADD. SADD 2012 Orientações para ADD Página 1

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Orientações da SADD. SADD 2012 Orientações para ADD Página 1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Orientações da SADD SADD 2012 Orientações para ADD Página 1 0 - Notas introdutórias Avaliação do Desempenho Docente Âmbito Periocidade e requisito temporal Aplica-se aos docentes

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

INSTITUTO MACHADO DE ASSIS Seriedade, compromisso e competência.

INSTITUTO MACHADO DE ASSIS Seriedade, compromisso e competência. CARGO: PROFESSOR DE ARTES D A B C D A D B B A B B C B B A A B C D CARGO: PROFESSOR DE CIÊNCIAS D A B C D D A A B A C B D C D C C D C B CARGO: PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA D A B C D C B A D D D A D C A

Leia mais

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Agrupamento de Escolas Dr. Alberto Iria Olhão C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Ano Letivo 2015-2016 Critérios Gerais de Avaliação 2015-2016 1 1. Avaliação A avaliação constitui um processo

Leia mais

Avaliação do Projeto Educativo (2015/2016)

Avaliação do Projeto Educativo (2015/2016) Avaliação do Projeto Educativo (2015/2016) Segue-se uma análise à consecução dos objetivos e metas previstas no Projeto Educativo do nosso Colégio, relativa a este ano letivo. Estes objetivos e metas surgiram

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Ano Letivo 2014/15

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Ano Letivo 2014/15 EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Ano Letivo 2014/15 AVALIAÇÃO 5º ANO 1 Ordem de Trabalhos Ponto um Boas- vindas/apresentação dos intervenientes Ponto dois Desenho curricular e sistema de avaliação no Ensino

Leia mais

O SUCESSO ESCOLAR NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO. Outubro 2012

O SUCESSO ESCOLAR NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO. Outubro 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO O SUCESSO ESCOLAR NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais Rita Magalhães Outubro

Leia mais

Plano de Melhoria para o ano letivo 2012/2013

Plano de Melhoria para o ano letivo 2012/2013 Plano de Melhoria para o ano letivo 2012/2013 Nome do Agrupamento/Escola não Agrupada: Agrupamento de Escolas de Fajões Este Plano deverá ser preenchido e devolvido até ao dia 17 de Julho para isabel.simoes.olivei

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro

Sistemas de Avaliação. Bonificação por Desempenho. Maria Helena Guimarães de Castro Sistemas de Avaliação Bonificação por Desempenho Maria Helena Guimarães de Castro Sistema Estadual de Educação de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental (1ª a 8ª séries) 2.900.000 Ensino Médio (1ª

Leia mais

...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Profissional.

...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Profissional. ...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Profissional. http://aecc.ccems.pt/index.php/spo spo@aecoelhocastro.pt http://www.facebook.com/spo.fiaes Atualizado em 29.10.2016 Mundo do Trabalho

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA EDUCAÇÃO 2014/2015 BREVE SÍNTESE DE RESULTADOS

ESTATÍSTICAS DA EDUCAÇÃO 2014/2015 BREVE SÍNTESE DE RESULTADOS ESTATÍSTICAS DA EDUCAÇÃO 2014/2015 BREVE SÍNTESE DE RESULTADOS Objetivo do presente documento 1/ A Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência desempenha as funções de órgão delegado do Instituto

Leia mais

Observatório - 1º Ciclo

Observatório - 1º Ciclo Agrupamento de Escolas de amora Correia Centro Escolar e EB1 das Acácias Observatório - 1º Ciclo Ano letivo 2011-2012 Apresentação de resultados Avaliação do 2º Período Agrupamento de Escolas de amora

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação ÍNDICE 1 - PROCESSO DE AVALIAÇÃO... 3 2 INTERVENIENTES NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO SUMATIVA EXTERNA... 5 3 INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO... 5 4 - ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO... 6 5 - CRITÉRIOS

Leia mais

Bonificação por Desempenho

Bonificação por Desempenho Bonificação por Desempenho Sistema Educacional do Estado de São Paulo Número de alunos Ensino Fundamental (1ª a 8ª séries) 2.900.000 Ensino Médio (1ª a 3ª séries) 1.500.000 EJA 700.000 Total 5.100.000

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

INSUCESSO E ABANDONO ESCOLARES EM PORTUGAL

INSUCESSO E ABANDONO ESCOLARES EM PORTUGAL INSUCESSO E ABANDONO ESCOLARES EM PORTUGAL O XV Governo Constitucional assumiu como um dos seus objectivos estratégicos o combate ao insucesso e abandono escolares. Os números até então conhecidos eram

Leia mais

BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para bolsas sociais 2012

BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para bolsas sociais 2012 BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para bolsas sociais 2012 A Associação EPIS Empresários Pela Inclusão Social foi criada em 2006 por empresários e gestores portugueses, na sequência de

Leia mais

Critérios específicos de avaliação

Critérios específicos de avaliação Critérios específicos de 1. Aspetos a considerar na específica A sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática no 4º ano

Leia mais

RELATÓRIO DO 1.º PERÍODO 2015/2016

RELATÓRIO DO 1.º PERÍODO 2015/2016 AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA MONITORIZAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS E DOS RESULTADOS ESCOLARES DAS CRIANÇAS E DOS ALUNOS RELATÓRIO DO 1.º PERÍODO 2015/2016 Departamento de Monitorização,

Leia mais

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Objetivos Promover o desenvolvimento adequado dos processos de avaliação dos alunos tendo em vista

Leia mais