Processo: / Volume: Parte:Companhia Brasileira de Asfalto da Amazônia- Importação e Expostação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo: 50300.002015/2014-18 Volume:1 1111. Parte:Companhia Brasileira de Asfalto da Amazônia- Importação e Expostação."

Transcrição

1 d}antaq Agência Nacional de Transportes Aquaviários PROCESSO N Processo: / Volume: Data:15/09/ :24:15 Parte:Companhia Brasileira de Asfalto da Amazônia- mportação e Expostação. Classificação:EST AÇÃO DE TRANSBORDO DE CARGAS.CONSTRUÇÃO, EXPLORAÇÃO E AMPLAÇÃO DE TERMNAL PORTUÁRO Resumo:SOLCTAÇÃO DE OUTORGA PARA EXPLORAÇÃO, CONSTRUÇÃO E AMPLAÇÃO DE ESTAÇÃO DE TRANSBORDO DE CARGA.! J -~ ANOTAÇÕES..' 1 :~... /

2 .!:.. { "'.. :"Lf..., -. t... J 't ;'f j ' _..!"....:..., ' ; f ~. 'o i ~ i ~

3 L22) ANTAQ DESPACHO DE ABERTURA DE PROCESSO PRoroco11 F. n _Q 1 Proc. no~ii;{! Rubrica:,..,. ~~~ N. de solicitação: 05 nteressado: COMPANHA BRASLERA DE ASFALTO DA AMAZ MPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO L TOA. PROTOCOLO: Assunto: Autorização para Exploração de Transbordo de Cargas Solicito autuar a documentação anexa, composta por 111 folhas, para abertura de processo. Brasília, 08 de mb o de j4. AGLAR~~~ CJ~O. /E ~STA Gerencia de T~ nais e Uso Privativo

4 .. : ' ).

5 c~ COMPANHA BRASLERA DE ASFALTO DA AMAZÔNA REQUERMENTO Sistema de Gestão da Qualidade PRorocor.,r F. 0 O Proc. ~11_-, Data: _1WJ!L ' Rubrica: limo. Sr. Diretor-Geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários - ANTAQ a empresa COMPANHA BRASLERA DE ASFALTO DA AMAZONA MPORTACAO E EXPORTACAO, com sede no Distrito ndustrial de Ananindeua- Setor "C", Quadra 08, Lote 3 a 6- CEP , município de Ananindeua, estado do Pará, inscrito no CNPJ / , vem por meio deste requerimento e documentos em anexo solicitar outorga de Estação de Transbordo de Cargas - ETC. Neste ato, representada por Luiz Gustavo Dias dos Santos, CPF Nestes Termos, Pede deferimento. Ananindeua (PA), 19 de março de \ f)jl FALTO DAAMAlONA-MPORTACAO E EXPORTACAO ( DSTRTO NDUSTRAL- Setor C, Q 8, Lotes 3 a 6 CEP ANANNDEUA/PA. Fone (91) Fax (91) CNPJ n.º / nscrição Estadual n.º

6

7 L1f) ANTAQ ANEXO A- RESOLUÇÃO N 2520-ANTAQ, DE 20 DE JUNHO DE nn" ro::>r n da Sede: Distrito ndustrial de Ananindeua- Setor "C", Quadra 08, Lote 3 a 6- CEP Complemento: Bairro: Distrito ndustrial Município: Ananindeua UF: Pará Telefone: (91) CEP: Fax: (91) CNPJ/MF (Sede): br / Nome do Administrador Responsável: Roberto Jordão Lo bato Cargo: Diretor Telefone Comercial: (91) Celular: (91) 8334-J E-ma1l: / i?i',\';~:~4~:+' 7 ; ~ ~f::l. :'', o.t.;d'ó's,ba'erê r "' " ~~, -,..zt'. ','5, ~','>.. f,,, o Nome da ETC: (vide documentos da Capitania dos Portos) N do Contrato de Adesão ou Termo de Autorização: Localização da ETC (aquática): Endereço da ETC: Complemento: Bairro: Município UF: CEP: Telefone Comercial: ( ) Fax: ( ) CNPJ/MF: Nome do Responsável pela ETC: Cargo: Telefone Fixo: ( ) Celular: ( ) Nome: (vide documentos da Capitania dos Portos) Cargo: Telefone Comercial: ( ) Celular: ( ) o, o ',',;,; ''::','':' J,,' :~ : '., ' Nome: Cargo: Telefone Comercial: ( ) Celular: ( ) Nome: Cargo: Telefone Comercial: ( ) Celular: ( ) Nome: Roberto Jordão Lobato

8

9 L1ZJ ANTAQ Cargo ou Relação com a Empresa: Diretor Local e Data: 19/03}~~4 Assinatura:./ i(~~ PROTOCOLe A.rf <04 Proc. noxj s!{ r ( Data:.dsLQi!li_ Rubrica:JLu..l,.lu.}-,.,.. -r--- fs :;;~~~t~~a '';';.. ' C~RACTERS;;f;C~S'DA ETC (vid~:rdocufuentos-da'êâpitaniã:;dõ!?'f>ortôs)r ---- ~- Localização da ETC em coordenadas geográficas (grau, minutos e segundos): Acessos (terrestres, fluviais e lacustres): Cais N de berços: Comprimento: Calado autorizado: Píeres Quantidade: Comprimento: Quantidade de Quantidade de Pontes de Quantidade de Boias: Delfins: Atracação: Canal de Comprimento: Acesso Largura: Calado autorizado: Bacia de Comprimento: Evolução Largura: Calado autorizado: Capacidade nstalada: Utilizada: Expansão: Descrição das nstalações Gerais, de Acostagem e de Armazenagem: Descrição dos Equipamentos: Especificação das Principais Cargas:.,,,,;>.....,.,._.,,i "i'' --. Movimentação d~ Cargas ;_. '!'/ :. :;._~ 1 ir ,.,. _,,,. ;--..- Quantidade i.,.,, - - i. Ano A Ano A+1 AnoA+2 Carga Geral (t) Granéis Sólidos (t) Granéis Líquidos (t) Contêineres (T.E.U.) Observações:

10 r--

11 Comprovante de nscrição e de Situação Cadastral :r-"' ~ Contribuinte, PR'OTOCOLCZ3 F. 0 l05 Proc. no :lo.{(!; fft ~ Confira os dados de dentificação da Pessoa Jurídica e, se houver qualquer divergência, providencie junto à RFB a sua atualização cadastral. REPÚBLCA FEDERATVA DO BRASL CADASTRO NACONAL DA PESSOA JURÍDCA NÚMERO DE NSCRÇÃO / MATRZ COMPROVANTE DE NSCRÇÃO E DE STUAÇÃO DATADEABERTURA CADASTRAL 26/10/1984 NOME EMPRESARAL COMPANHA BRASLERA DE ASFALTO DA AMAZONA -MPORTACAO E EXPORTACAO -- TÍTULO DO ESTABELECMENTO (NOME DE FANTASA) CBAA CÓDGO E DESCRÇÃO DA ATVDADE ECONOMCA PRNCPAL Fabricação de produtos do refino de petróleo CÓDGO E DESCRÇÃO DAS ATVDADES ECONOMCAS SECUNDÁRAS Comércio atacadista de outros produtos químicos e petroquimicos não especificados anteriormente Representantes comerciais e agentes do comércio de combustíveis, minerais, produtos siderúrgicos e químicos Representantes comerciais e agentes do comércio de máquinas, equipamentos, embarcações e aeronaves Comércio atacadista de Máquinas e equipamentos para uso industrial; partes e peças Transporte rodoviário de produtos perigosos CÓDGO E DESCRÇÃO DA NATUREZA JURÍDCA SOCEDADE ANONMA FECHADA LOGRADOURO DT NDUSTRAL DE ANANNDEUA NÚMERO S/N COMPLEMENTO SET.C QD 08 LT. 3 A 6 CEP BARRO/DSTRTO DSTRTO NDUSTRAL MUNCÍPO ANANNDEUA STUAÇÃO CADASTRAL ATVA DATA DA STUAÇÃO CADASTRAL 03/11/ MOTVO DE STUAÇÃO CADASTRAL STUAÇÃO ESPECAL ******** Aprovado pela nstrução Normativa RFB n 1.183, de 19 de agosto de Emitido no dia 17/03/2014 às 15:16:19 (data e hora de Brasília). Voltar DATA DA STUAÇÃO ESPECAL ******** Página: 1/1 A RFB agradece a sua visita. Para informações sobre política de privacidade e uso, clique aqui. Atualize sua página

12 - l

13 - impresso aa t ll rage 1 or L. GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARA DE ESTADO DA FAZENDA FCHA DE NSCRÇÃO CADASTRAL - FC ~SCRÇÃO ESTADUAL r--s_c_r_ç_ã_o_n_o_cnp~. ~i=-c_p..,f ~ / OME EMPRESARAL EST TRANSPORTES E CONSTRUCOES LTDA TfTULo DO ESTABELECMENTO!EST SEDE lcerat MARTUBA PROTOCOtJ A. no O (p Proc.no~ Data: ll_ ~_Qj_tJ_1 Rubrica: SCRÇÃO NA JUNTA COMERCAL ENDEREÇO LOT DSTRTO NDUSTRAL DE ANANNDEUA.L'OTES 03 Á 06, DSTRTO NDUSTRAL SETOR C QD 08 fregme DE PAGAMENTO!MUNCÍPO ~rmal ANAMNDEUA :::re=~::::~ 21 =A:::: 1 ~::::~::inf::;:c;::o::::;d=a=a::::t;vd;::;:;=ad::;:;:e=::::::: 1 ~~AÇAO CADASTRAL DGO DE ATVDADE PRNCPAL Transporte rodoviário de carga, exceto produtos perigosos e mudanças, munieipal DGO DE ATVDADE SECUND Gestão de redes de es oto lêõdgo DE ATVDADE SECUNDARA 1! Construção de edifícios CóDGO DE ATVDADE SECUNDARA Construção de rodovias e ferrovias CODGO DE ATVDADE SECUNDARA Pintura para sinalização em pistas rodoviárias e aeroportos CODGO DE ATVDADE SECUNDARA Obras de urbanização- ruas, piaças e calçadas CO DGO DE ATVDADE SECUNDARA ~ Construção de redes de abastecimento de água, coleta de esgoto e construções correlatas, exceto obras de irrigação CODGO DE ATVDADE SECUNDARA Obras de terraplenagem CODGO DE ATVDADE SECUNDARA Serviços de preparação do terreno não especificados anteriormente CODGO DE ATVDADE SECUNDARA Servicos de pintura de edificios em 2eral lêõdgo DE ATVDADE SECUNDÁRA ~ otfrâs de fundações!êôdígo DE ATVDADE SECUNDÁRA!! Admmis~y~Ção de obras CODGO DE ATVDADE SECUNDARA Transporte rodovíáfio de carga, exceto produtos perigosos e mudanças, intermunicipal, interestadual e internacional,, CÓDGO DE ATVDADE SECUNDARA Transporte rodoviário de Produtos perigosos CóDGO DE ATVDADE SECUNDARA Serviços de arquitetura https:/ /app.sefa.pa.gov. br/consultafc/co!}sulta.byie.do " 19/01/2012

14

15 impresso aa til DGO DE ATVDADE SECUNDARA Atividades ais ísticas Aprovado pelo Decreto n 4676 de 18 de Junho de Emitido no dia 19/01/2012 às 17:36:09 pelo Portal de Serviços da SEFA https:/ /app.sefa.pa.gov. br/consultafc/consultabyie.do '!'. 19/

16 .. '

17 mpresso da FC Página 1 de 1 PROTOC,.o[ã'! GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARA DE ESTADO DA FAZENDA FCHA DE NSCRÇÃO CADASTRAL- FC!iNscRÇÃO ESTADUAL,...N_S_C_R_Ç_A O_N_O_C_N_P_J_/C_P..., ~ / F. n O<{ Proc.~~l~l~~ Data:-4-l1Ji1J!i ~~~ NSCRÇÃO NA JUNTA COMERCA OME EMPRESARAL OMPANHA BRASLERA DE ASFALTO DA AMAZONA- MPORTACAO E EXPORTACAO ftítulo DO ESTABELECMENTO ~BAA SEDE CEEAT SUBSTTUÇAO TRBUTARA NDEREÇO OT DSTRTO NDUSTRAL DE ANANNDEUA, COQUERO LOT 3 A 6- QD 8- SETOR C!REGME DE PAGAMENTO ~rmal MUNCPO jananndeua ~A~T~A~D;E~N~C;O;;D=A=A~T;V~;D~A~D;E====~~:UAÇAOCADASTRAL 17/ ~tlvo CODGO DE ATVDADE PRNCPAL Fabricação de produtos do refino de petróleo CODGO DE ATVDADE SECUNDARA Representantes comerciais e agentes do comércio de combustíveis, minerais, produtos siderúrgicos e químicos CODGO DE ATVDADE SECUNDARA Representantes comerciais e agentes do comércio de má uinas, equipamentos, embarcações e aeronaves ODGO DE ATVDADE SECUNDARA Comércio atacadista de máquinas e equipamentos para uso industrial; partes e peças CO DGO DE ATVDADE SECUNDARA Comércio atacadista de outros produtos químicos e petroquímicos não especificados anteriormente CODGO DE ATVDADE SECUNDARA Transporte rodoviário de produtos perigosos Aprovado pelo Decreto no 4676 de 18 de Junho de Emitido no dia 19/03/2014 às 10:32:58 pelo Portal de Serviços da SEFA https://app.sefa.pa.gov.br/consultafc/consultabyie.do 19/03/2014

18 l -

19 :.t -.-:2:.,.....,. / CONDU R - A t2 0 Originar. dou fé. BR.}. PROTOCOU 4 ( ~ i}jl( - o.jfm1: -. ~~4~~~ de Assembleia Geral de ConstHulçao:e.. coi M~HA LLERA DE ASFALTOS DA ~L~ZÔNA - CBA. \ ( } ' "'-- _;,..,-- \ zessete (17) dias do mês de outubro do ano mil novecentos e oitenta e quatro (1984), às dezesseis (16) horas, no Km-6 da Ls trada do Tapanã, Distrito do Coqueiro, Município de Ananindeua, Estado do reuniram-se, em Asse:r:.bleia Geral, para a qual fora;:n convocados por cart-t, de Parã, to<>s os subscritores do capital da COMPANHA BRASLERA DE ASFALTOS DA AY,\:'.Ô:;A- CBA, conforme ficou verificado da Lista de Presença conferido com os boletins de subs. crição. Ass~~iu a presidência, por aclamação, o fundador Rogélio Fernandez Filho que, para secretirio, convidou o subscritor Djalma Bezerra. O presidente por instalada a assembléia e ordenou. a leitura d2 convocação, do seguinte deu teor: "COMPANHA BRASLERA DE ASFALTOS 8A Aê{,\.ZÔ:-ilA - CBA - Em organização- Assembléia Geral de Constituição - Convu:::,:: ;8o - Convidas.- se os subscritores do capital da COMPA.NHA BRl1.SLERA DE ASFALTOS DA. AlfAZÔt-.ílA - CBA, ora em organização, para se reunirem em Assembléia Geral a ser realizada as 16 horas do dia 17 de outubro de 1984, no Km-6 da Estrada do Tapanã, Distrito do Coqueiro, Município de Ananin deua, Estado do Pará, para apreciarem e decidirem a seguinte ordem do dia: a) Ve -rificação da subscrição da totalidade do capital; b) Constatação do depósito ban ó.irio das entradas em dinheiro destinadas à integralização do capital; c) Apr~ ciação do estatuto; d) Constituição da sociedade; e) eleição da Diretoria; f) Fi xaç~o de honorários dos Diretores; g) O que ocorrer. Ananindeua-PA., 10 de outu bro à'e Rogélio Fernandez Filho, Marcos Marcelino de Oliveira, Luiz Soares dos Santos e Djalma Bezerra: Fundadores". O presidente, cumprindo a ordem do dia, exibiu aos presentes o Boletim de Subscrição da totalidade do capital inicial da sociedade, exibindo, outrossim, o recibo do depósito bancário das entradas;abriu discussão sobre o projeto do estatuto, que, submetido a votação, foi aprovado por unanimidade. Cumpridas as formalidades legais, o presidente, sob assentimen to dos presentes, declarou definitivamente constituída a COMPANHA BRASLERA DE ALFALTOS DA AMAZÔNA - CBA, determinando se procedesse a eleição dos Diretores. Foram eleitos: Rogélio Fernandez Filho - Diretor-Presidente; Marcos Marcelino de Oliveira - Diretor Financeiro; Djalma Bezerra - Diretor Comercial e Luiz Soares -:;- --~ ; ; ,_, dos Santos - Diretor Administrativo, cujas qualificações se encontram no Boletim de Subscrição que é parte integrante desta ata. Esclareceu o presidente que a Di reteria estava eleita, de conformidade com o estatuto, pelo período de 3 anos,ou seja, até 17 de outubro de Submeteram-se a decisão os honorários dos Dire tores, f i c a n d 0 estabelecido o valor de Cr$ (Quatro milhões de cruzeiros) mensais que distribuirão entre si. Decidiu-se ainda que a sociedade passava a ter como sede o endereço onde estava reunida a Assembléia, ou seja,

20 r '

21 K~r6 da Estrada do Tapan~, Distrito do Coqueiro, Municipio de Ananindeua, Est~do do Pará. Foi suspensa a sessão para lavratura desta ata. Reaberta a sessão,a ata foi lida, achada conforme, sendo assinada por todos. Ananindeua-PA., 17 de outubro de ) ~ ---==-=- CART,L '"' vente ~> 25 VÁLDO S0f'-1ENTE COM O SELO "u.. DE SEGURANÇA

22 E\\' BRANCO CONDURÚ

23 PROTOC COMPANHA BRASLERA DE ASFALTO DA AMAZôNA - CBAA ================================================== ~ : E S T Ã T U T S C A L =================~=~==========,.\, \ \.;',..,. (o

24 r e e e e

25 f~l COMPANHA BRASLERA DE ASFALTO DA AMAZ6NA :BAA PROTOCOVZf F. 0 J c2 Proc. nojfj'l~uf_l Oat<}='l: Rtthnca:.- ""'"-"'..... :::: :,,, :::;:.:: ::,; ::,:..;: :.:. ;;:. -~ :..: :;;;::::;,,;:-MO;;,;:::::::::,,::;:::.::-:::::;,;:;:,::~::::::..:::::::.::::,,:::::::::.::;;;;.:::::::.:::.:::::..::.:.:.:..;;:;::::::::;;,,:::.,ooo oo E S T A T U T O S O C A!... CAPíTULO Da Denomina~~o, Sede, Foro, Objeto e Duraç~o: Art. iq- A Companhia Br~sileiva de Asf~lto da Amaz&r:ia- CBAA i uma sociedad~ ~":"i.itüi!~m::t de c~i.pit~i.".!. :: :tijt.cr i:..~.~~:::.do 7 r (.: 91dü PDí.. e-:::.\.f:~~ E :::-tatu-i::ü t: : p:::: l:.:;_ Le9 i ~=:-1 ~~'-';:~{o q ug 1 h E füi... =;i.{j 1 i c~=~- \:'f: 1 :; ~-; ~.3 t!:"td ~:\m,::: n t if:: ~::~. L< ::. i 6 "-4{14 d!f:: i~:.~ d ;.-:: Dezembro de 1976 r.: L. - u C: fl.t!' G i!'..l Parágrafo único P od t:r ~ :1. ::; i. Cotnp a1 i h i <:i. por d c.:~ i b t: r <":~.(;.~ to da Di ~ E :t Dr! i~t :.- c,.. i ~~." <:: t:: ~{ t: i n :.:.1 u. ~ r V! 1 i ~l : ;:~ :-- :~~Si &: n c i ;~' == :~ :::-u c u r s a i ~~ :: d r.~~- ~dsitos e outras dcpendfncias sociais em qualqu~r ;:! l.l~i. 1 Gf:JE t de h:, Ar-t. 3Q.. H Cotn;:;~:tii~!i<:t t:e m por c.~bjf::t!'./0 :r.\ ;:;rodu.\;~~o.::.: come; c~~=~.li:.~:ac;~\o cit::~ ;'f::hiuif.;~\ü ~sfill ica a frio e ~ro~ut~s correlatos. Par~grafo único- PoJerá a Companhia, ouvido c Conselho de Administra~~o, participar de outr~s sociedades, de qualquer natureza sempre que o procedimento for considef~do reco~endável ~ realiz~c~o do objeto socia] ou à obtençjc de incentivos fiscais. CAPiTULO Do Capital Social~ 15/i2/76. poder~ emitir a~~es representativas do seu capital ati o o montante de R ,00 (Hum MilhJo de Real l. obedecida a ~,. L " Ci fl '!:: ordinárias e / (Setecentos e Cinquenta Mil) de a~jes prefereciais, tod~s no v~lor nomin~l de 1,00 (Hum Real) ~ada uma ( AGE/AGO

26

27 :.} PROTOCOLe Fl.n" z_cj Proc. rf. '4~ ;J~~~l Art. 69- ó Capital Social Autorizado poderá $er subscrito progresst~ e integralizado em moeda corrente do paí~ bu em b~nsr direitos considerados de interesse par~ a socie~a~e. c~~ditos ou êrt. 79- A emissão de novas aç:ões dentro do 1 i.mit.e do capital autor izado será feita por deliber aç:ão do Conselho de Administraç:ão, apreciando proposta da Diretoria. Parágrafo 19 O ato do Conselho de Administraç:ào que determina a emissão de novas aç:ões estabelecerá tamblm o respectivo montante, especte ou categoria e condiç:ões de subscriç:ão e integralização. e e Parágrafo 22 - Na hipótese de integralização mediante pagamento parcelado a entrada não será inferior ao mtntmo estabelecido pelo Conselho Monetário ~acionai, podendo o restante s~r desdobrado em 6 (seis) parcelas mensais. Art. 89- Os l:sens, cr éditos ou dir eitos oferecidos para incorporação ao capital social, deverão ser previamente avaliados, obedecidas as disposlcies do artigo 170, 39, da Lei 6.404/76, combinado com o artigo 89 do mesmo diploma legal. Parágrafo 19 A incorporação a que se refere este também formalizada por deliberaç:ão do AdministFaç:ão, desde que o respectivo ceda o limite do capital autorizado. artigo será Conselho de valor não ex- (---- \, - - e e Parágrafo 29 A incorporação não poderá ser feita por valor superior ~o que tiver sido atribuído pelo subscritor, prevalecendo, porém, o valor atribuído pelo laudo pericial se este for inferior ao dado pelo subscritor, cabendo à Assembléia, em qualquer caso, aprovar ou não o laudo de avaliaç:ão. Art. 99- As Aç:ies de qualq.1er espécie ou categoria poderão ser representadas por títulos simples ou mdltiplos. Parágrafo iq Enquanto não forem emitidos os títulos representativos das aç:ões, após cada subscriç:ão, a Diretoria fornecefá aos acionistas, cautelas PFovisórias, também simples ou mdlt iplas. Parágrafo 22 - Tanto os t(tulos representativos das aç:ões como as cautelas provtsortas serão assinadas por 2 <dois> membros da Diretoria, entre os quais o Diretor-PFes i dente. Art.iM- As aç:ões de qualq.1er espécie ou categoria serão indivisíveis perante a soe iedacie. Cada aç:ão ordinária dará direito Assemb 1 é i a Ger a 1 As ações ordinárias a 1 <hum> voto nas deliberações da L

28 - l e e e e

29 ''. Parágrafo 1! Parágrafo 29 PROTOCOU J /1 F. n ll.i r Proc. no ())($ / f lf Data:M3,ll{ r Rubrica: A~~ -~~- As aç:ões or dinár ias n.ão ~erão cnnve?;r!iív~is em enendossáve i s. e v i c;e-v~rfia dev'fri ser ~ o~_.tu 1 ado à Diretoria. correndo por conta do acionista interessado as despesas corre,spondentes. Nos 8 Coito) di~s que precedem a realizaç:ão de r eun i ões em Assemb 1 é i a Gera 1. não serão processados pedidos de conversão de aç:ões de transforma ~ão ou substitui~ão de títulos representativos ou de registros de transferência de propriedade. Art Os titular es de aç:ões ordinár ias ter ão preferência para a subscriç:ão de novas aç:ões, pr oporc i onalmente ao númer o de aç:ões que possu irem por ocasião de cada emissão. Parágrafo 19 Para os efeitos deste artigo, a Diretoria, caaunicará a todos os titulares de.aç:ões ordinárias, através de carta registrada ou protocolizada ou por edital publicado pelo menos 2 <duas) vezes em érgão da imprensa diária de Belém, cada emissão de aç:ões, indicando o respectivo montante e as condiç:ões de subscriç:ão e de integralizaç:ão.., Parágrafo 2Q - O direito de preferência assegurado por este artigo dever á ser exerci do no prazo improrrogável de 3$ <trinta> dias contados da data do recebimento da carta reg, i st rada ou da pr i me i r a pub 1 i cação do edita 1 após o que sercf admiti da a subscr i ç:io por qualquer dos demais titulares de a~ões ordinárias que tenham pedido no boletim ou lista de subscriç:ão r eserva de sobras, sobre a forma de rateiof se após o rateio ainda restarem sobras pod-erão estas ser subscritas por terceiros. Art O titular de aç:íioes ordinárias que desejar transferi-las a títulos oneror os será obrigado a com.micar seu propósito por escrito à Diretoria, com a indicaç:ão do preco e forma de pagamento pretendido,fic:ando assegur ado aos demais titulares de aç:-õe-s o direito de preferência à respectiva aquisicão. em igualdade de condiç:ões com terceiros. Parágrafo 19 O direito de preferência de que trata este artigo deverá ser exercido no prazo improrrogável de 3t <trinta) dias contados da data do recebittento da respectiva comunicaç:ão da Diretoria. que dará imediato conhecimento da mesma a todos os demais titulares de aç:ões ordinárias, por.qualquer das formas previstas no parágrafo primeiro do artigo anterior. Parásraf'o 212 Na concor rênc ia de intere$,1i4h as aç:ões oferecidas serão transfe-ri das a todos. os acionistas p idirio entre si na p que possuíres. ~

30 1 ' -1

31 .. ~"::-----' -~:~~-~~ -~, ~~fi}9tj!':." :~ ~.;:rr;~~- ""~~~ :''-"f" ' _,.. ' '. ' ~..... '......, -~ "\ ~- ~ ~ -~. ~ ~,.' ; "''o" ~ '-~~;.~-~.:~f{:, <?Ju.~ ' ~. J:- ~ ':),...,.:.. '':' ""' ~tas.. _t;ft--t ~ et'.. i'lt - o. t,.tt t r -ita ~ç õ c>rtj-:tn.- tá's... dt..,.ia, t,f tvló * a ; i ~ ncaj~til~ cvt:t~ em éf.k~t~là..'j; 'im:.w:l'-cif'al~*' 7 9YJ4ri~ ~t,ros. ffu~~s i,.pjtf,tft t }:~Jl'é l~t:t.(»$... Geral j: -~'io:rtres:io netâr ia_ fo.,it i:v.fl... ~ '62 * *'''"'t..st - As... ot tw$n;t::i:e+, ttti 8lÍJ!iu::ti~,., 1 i tj*~11t J '*' ~to;, )1: n~ : ~to:... t:.1jiita:l ~... ~- ~~- f)ré~.etê#t: la i: ~ til'.tlft -. ti!~.. ~ l.t ljtrerl.~m di ~---,Jij-a: ' Í'en9 :e v,;ep:~dpí~~~~: ;-= -.u ~-::Q::.~'.. \ :. ~ ~...,..~.; ~~""' ~- ~:--...>.' : :t,,.:~~~-; c llí-?; hiif4 B'' '.,,. ~;l~ ' ;,;.:; ' '

32 .

33 Oa Assembléia Geral: CAPÍTUlO ---~ Art.ifH}- A Assembléia Geral r eunir-se-á, ordinariamente, para os fins previstos em lei, dentro dos cento e vinte dias subsequentes ao. encerramento do exercício social e extraordinariamente sempre que houver necessidade ou conveniência para a sociedade. Art A Assembléia Geral será convocada pelo Conselho de Administra~ão e nos casos previstos em lei, por qualquer Diretor, pelo Conselho Fiscal quando em f Jncionamento ou por qualquer acionista ou grupo de acioni!:>tas. Parágrafo único - As r eüniõe!:> de Assembléia Geral serão presididas pelo Presidente do Conselho de Administraç:ão ou na sua falta ou impedimento, por quem o plenário designar. Art.2eQ- A Assembléia Geral Ordinária e a Assembléia Geral Extraordinária, poderão ser convocada* cumulativamente e realizadas no mesmo local, data e hora e i nst nlment a das em ata única. Art.212- Nas Assembléias Gerais, os acionistas somente poderão fazer-se representar por procur-ador constituído há menos de i<hum> ano e que seja advogado, administrador da sociedade ou ainda instituição financeira. condi Parágrafo único- Os representantes legais dos acionistas tem ções âe representá-los. CAPiTULO V Da Administraç:ão Social: Art.22Q- A Companhia ser á administrada por um Conselho de Administraç:ão e uma Diretor ia, Órgãos esses que terão os poderes conferidos por Estatuto e pela Lei. por este Art.232- A representação da Companhia é privativa dos Diretores, na forma do q Je dispõe este Estatuto; o Conselho de Admin istraçio é órgão de deliberaç:ão colegiada. Parágrafo 12 Os membros do Conselho de Administraç:ão serão obrigat-oriamente acionistas, enquanto os coaponenponentes da Diretoria poderão ser acionistas ou não. Parágrafo 29 Os constide seus

34

35 .:' ""' /"'',. "'! 1"~ -~ :~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ -. '.t- -~ ~ ~ - ~~ ~~... -~ ;.., "..,....,.~.-. ~ ")o:-)0_ '.' :> ~..,., o.,. < '..-.;,. f!!..,'*ht 8 às... 1nlf.. t~otes... ~~;z_~~a\ve :t ;;;;;;r.,:-, n~d:~. ':;1í iif.tur..~~~l "'- no 'l ivr.ó :6 :. t!:o :"~'- _" ';tibc ttt ~---:t!jf,lft1.. ~ "!.. ' } -~~--~.,;. '..;.,., i;):_ ' D ir t:qt.aa- Sftu~- o. _ _.pv.a o_, el ejtos _ c.,~: ;a, Jfiv~1iti1J'Wi',a n.io aeé:ir,1r,._, \t ~~ pr 6prj1)- 6fi1i -.la,e ~o:e~, ca o êà... o.u.:o,~;o..-u - r-ã da resr)écti'ri ata~.. - r.r ~-.M:t - il ~.,UJl ht i struio será anrst l hdtao -de, - t-i- : }-(:$) sy,tenfe:~_,. resi:tlates nô ~a.+a-".., -ele i ti$: Oli'i l:. í'ir lh;;r ': o ~d~o #os:~os._ :Clonselh.'k s t': td#''~t-'"t,_(~)....,.ir~":fiiijildo b~r :'- 'Ma ~t~l:ãi;t~a r-e~mtio.p.tao. is de.~~ ~::!tonse:itro dv lj~í-i-n.rstrado :~té$lcii;ít-~.tp- ór-gio. :lit~:,é,. ~-.-- Se oc~rj:er- a v_aç4nç i a d~_, t;~qc:j!dj '!~/~~t 1 ho dfl Adm in fst raç:ão p :citbf~ :à: tn:r;tifif:ii:t Assembléia Geral para~;};,~~ o:jí.titi..~.\ ~:..,,.,

36 .,

37 f- ~r ~ -ar ~ ~c;r_. l- '1'-''.:ruttt 'Cm~,~~~~~': _... ':, ~~.. (J;f:> )~\ ' ~ _.._;:.,..--.

38

39 PROTOCOLO F. rf _..,..:L.,-L,cr--. - ~~:,~\ Data: \J.-,-º3)_11 Rubrica: ni\f' bens móveis ou -imóveis; constituir proc~rador ad rtegptia" e "ad judicia"; concordar, novar, compensar,_~ransig if, dl!s;iõtir, feceber e dar quitaç:ão; impor e compensai>: c.jbrigit.::;e.s;, poót"n;jo: assina-r, para tanto, quaisquer instrumentos públ i cós ou pad lcula.res, independeritemente de deliberaç:io da Assembl.ia Geral. Parágrafo único - Os atos que impliquem al ienaç:io ou oneraç:io de bens imóveis, ainda que e garantia de e!préstitto ou financiamentos, dependerão da prévia autorizacão do Conselho de Administraç:ão. i~: ( Art.299- Todos os poderes atribuídos pelo artigo anterior a dois quaisquer Dir etores podem ser exercidos isoladamente pelo Diretor-Presidente. Art.3t2- Constituem obrigaç:ões dos membros da Diretoria: 1> do Di retor-presidente: a)representar a Companhia judicial ou extra-judicialtaente e praticar os demais atos previstos no artigo 282, conforme esta-belecido no artigo anterior; b> Presidir as reuniões da Diretoria; c> Coordenar as atividades da Diretor ia; d) Exercer outras ativida-d-es ou encargos q1je lhe sejam atribuídos pela Diretoria, pelo Conselho de Administraç:ão ou pela Assembl.ia Geral. 2> Do Diretor-Financeiro: a) planejar, or ganizar, dirigir e controlar as atividades de natureza financeira e outras de apoio; b> representar a Companhia judicial ou extra-judicialmente e praticar os deaais atos previstos no artigo 282 com outro Diretor; c> exercer outras atividades ou encargos que lhe sejam atribuídos pela Diretoria, pelo Conselho de Adtlinistrai:âO ou pela Assembl.ia Geral. 3> Do Diretor-Coaerc ial: a> planejar, organizar, dirigir e contr olar as atividades de natureza ccmbercial e outras de apoio; b) representar a Companhia judicial ou extrajudicialmente e praticar os demais atos previstos no artigo 282 com outro Diretor; c> exerc er outras atividades ou encargos que lhe s-ejam atribuídos pela Diretoria, pelo Conselho de Administraç:io ou pela Assembl.ia Geral; 4>Do Diretor-Administrativo: a) planej-ar, organizar, dirigir e controlar as atividades de natureza administrativa e outras de apoio; b>representar a Companhia jl.tdicial ou extra-judicialmente e praticar os demais atos previstos no artigo 282 com outro Diretor; c> e>:ercer outros encargos ou atividades que sejam atribuídas pela Diretoria, pelo Conselho de Administraç:io ou pela Assembl.ia Geral. Art.312 Fica vedado o uso da denominaç:ão social na emissão, a-ceite, endo1iso ou aval de títulos de mero favor ou na outorga de fianç:a ou q-.ualqu er obrigaç:ão desse gênero em benefício de terceiros, ainda que acionista, impor tando a inobservância dessa proibid(o na responsabilidade pessoal e exclusiva do Diretor que a infringir,. salvo se tal obrigadáo for contraída cotao condiç:io adjeta de ato relacionado com os objetivos sociais. ért.32ft- A rewneraç:io dos membr os do Conselho de Administraç:io e de Oireteria será fixada pela Assembl.ia Geral. Parágrafo lln i co - Além da remuneraç:ão mensal de que tra ta ft's:te art i go, os membros da Dire-toria far.ão Ju.s a.hli.l gratif'icaç:ão anual de Ut~ < c:ros da Companhia,

40 - 1

41 ,., PROTOCOL( 30 A.rf /20 ~ ~if!!l =~1:1H p~ejuízos acumulados, se houver, e a provjsao para o mposto de Renda. EGsat ~rat ific~ção ~i -) pode ultrapassar o total da ;,.-e.punera{:.ão anual d'ls Direton?s, prevalecendo o limi-te que for menor. - Os Diretores perderão o direito à gratificação de que trata o artigo anter ior, quando os lucros 1 íquidos do exercício forem insuficientes para assegurar os dividendos de 64 <seis por cento> para as açies pr eferenciais e dividendos de 64 <seis por cento> para as a'ç:ões ordinárias, calculados sobre o respectivo valor nominal. CAPiTULO V h Conselho Fisc;ll:: Art.:Me- A CotaPanhia terá um Conselho Fiscal cujo o funcionamento só se verificará nos exercicios sociais em que for instalado a pedido de acionistas. Art.359- O Conselho Fiscal será coaposto por 3(tris> membros efetivos e 3 <três> suplentes, acionistas ou não, ele i tos pela Assembléia Geral, podendo ser reeleitos. Parágrafo único- Para o exercício do cargo de membro do Conselho Fiscal~ indispensável que o eleito seja titular de diploma de curso de nível universitário, ou que, tenha exercido anteriormente por prazo mínimo d«3 <três> anos o cargo de administrador de empresas ou de Conselho Fiscal. Art A instala~ão do Conselho Fiscal será determinada Geral a pedido de acionistas que representem no décimo> das ações com direito a voto e cada período se esgotará na primeira Assembléia Geral Ordinária após a sua instala~ão. pela Asseabléia mínimo i/1e <um de funciona~mnto que se realizar Parágrafo único - Mesmo q Je a matéria não conste no anúncio de convocação, o pedido de funcionamento do Conselho Fiscal poderá ser formulado em qualquer Asse11bl~ia Geral, que elegerá os seus membros. Art.379- Não podem ser eleitos para o Conselho Fiscal as pessoasm enumerad,as nos parágrafos do a-rt ig o 147 da Lei 6.404/76, membros dos órgãos de administração e empregados da companhia ou de sociedade controlada ou do ES.O 9-rupo e o cônjuge ou parente at~ 39 g_rau de administrador da COlWPanhia. A Assembléia Geral que eleger os membr os do Conselho Fiscal, fix-ará a re11unera.ç:ão e seus membros ef'et i vos, não DClldl!!~lii'"i"ii'inw~imrfljf.ZfWF.B~ inferior a 1/10 <um décimo> da que, em!hdiar~ -w

42 ..,

43 '' : ~. Diretor, não computada a participa~ão nos lucros. - Quando o Conselho Fiscal estiver em fu"lc~onaaerto-r é ot-r:pt.rio o compare c i men to de pe 1 o menos um de se.us aembr os às r eun i õ,es de ~ bleia Geral r para responde!'" aos pedidos _de infofmaç:õ.es formuladas pelos acionistas. Parágrafo dnico - Sen\ obr igatório o coap.arecimento d a total idade d01s membros do Conselho Fiscal, quando este ntivw n funcionamento, nas Feuniões do Conselho de Adeinistr aç:ão que deliberarem sobre assuntos que exija11 o pronunciamento daquele órgão. CAPílULO '11 Do Exercício Social: Art.44K! - O exercício soe i al terminará em 31 de Dezembro de cauta ano c i v i 1, apó~ o que serão efetivadas as seguintes providê.ncias& 1) Balanço Patrimonial' 2> D.emonstntç:ão dos Lucros ou Prejuízos Acueulados; 3) Demonstraç:ão do Resultado do ExercícioJ 4) Demonstraç:ão das Origens e Aplicaç:ões dos Recursos. Parágrafo único- As deilonstraç:ões de cua exerc1c1o serão publicadas com a indicação dos valores correspondentes das demonstraç:ões do exercício an'ter ior. Art.412- Os lucr~ l,iquidos apurados após a constituiç;io de fundos e provisões para atender ao desgaste ou uso dos ben-s ou valores imobilizados pela Ca.panb i a ou a 1 i qui daç:ão de gastos diferi do.s e.para abri r os r i scos nas d (vidas ativas, assim como para a-tender aos encargos do li'tiposto â:e Ra a do exercício social, t erio a seguinte a:p licaç:io: a> 5% <ci,.nco por cento> Para a Reserva Legal ât é at ingi.r H-% <viate per cento> do ta1).ital S.otial; b> 25~ (vinte p~r c:'ent.o).. 3'0 MAO~ p;ara a temt er ao pagam.ent:o: die divid~n(j'os -~ açi:f,m..f>stas re~.pe'itadas as re- 91"H d:o art fgo 169..~ seus,pilfi\v.atos.. nto às prior idmjc.s; c > par:tcela.d'út in,a;ita a atend~r a gr.at i~ i e-lo.dà tl.t1'"'et-or i a r Gb:u-rvadas a-s ne;rmas tf;q artl:;so 32,í! e s~u.par,gya'f'ô-:e art ig:o $gg deste Esta tuto; d> o :rest-:antt: s~r á colocado à dlsposi. da Assembléia Geral, com proposta Paf'a e.levac ão ctos divide'ados e/ou para constituir reservas ou a tin.da dest i na'g:âo espec í f i c a de atender as provi sies., grat if'ic:aç:ies., aquisiç;ão de móveis ou tmoveis ou qualqu.e.r outra. final idade julgada de interesse par a a Companhia. Art.o429- Os d ividendosr a critério da Diretoria., podefão ::z~~;;q~~w.~~~~~d uea só vez ou em parcelas até o máximo de 4 <.. dentro do e>a?rc íc i o em que ocorrer a Assembléia

CERTIDÃO CONJUNTA NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO

CERTIDÃO CONJUNTA NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional Secretaria da Receita Federal do Brasil CERTIDÃO CONJUNTA NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO Nome:

Leia mais

Regularidade Fiscal Ipiranga (Matriz e Filiais)

Regularidade Fiscal Ipiranga (Matriz e Filiais) Regularidade Fiscal Ipiranga (Matriz e Filiais) Regularidade Fiscal Ipiranga (Matriz) https://www.sifge.caixa.gov.br/empresa/crf/crf/fgecfsimprimirpapel.asp?varpes... Página 1 de 1 05/02/2013 Certificado

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral Contribuinte, Confira os dados de Identificação da Pessoa Jurídica e, se houver qualquer divergência, providencie junto à RFB a sua atualização cadastral.

Leia mais

Conforme disposto nos arts. 205 e 206 do CTN, este documento tem os mesmos efeitos da certidão negativa.

Conforme disposto nos arts. 205 e 206 do CTN, este documento tem os mesmos efeitos da certidão negativa. MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional Secretaria da Receita Federal do Brasil CERTIDÃO CONJUNTA POSITIVA COM EFEITOS DE NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA

Leia mais

Regularidade Fiscal Ipiranga (Matriz e Filiais)

Regularidade Fiscal Ipiranga (Matriz e Filiais) Regularidade Fiscal Ipiranga (Matriz e Filiais) Regularidade Fiscal Ipiranga (Matriz) http://www.receita.fazenda.gov.br/aplicacoes/atspo/certidao/cndconjuntasegvia... Página 1 de 1 05/03/2013 MINISTÉRIO

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta

TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 9 de março de 2009 1. Data, Hora e Local. Realizada, em primeira

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

II. MESA: Presidente: Paulo Roberto Lopes Ricci Secretário: Luiz Cláudio Ligabue

II. MESA: Presidente: Paulo Roberto Lopes Ricci Secretário: Luiz Cláudio Ligabue BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.) ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 I. DATA, HORA E LOCAL: Em 31 de dezembro de 2012

Leia mais

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - Sob a denominação de MINASMÁQUINAS S/A,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações.

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações. ESTATUTO SOCIAL Pettenati S/A Indústria Têxtil Atualizado até 29/10/2010 ESTATUTO SOCIAL I Denominação, sede, objeto e duração da sociedade Art. 1º - A sociedade terá por denominação social Pettenati S/A

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DOC I CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA REDI NETO CONSTRUÇÕES LTDA. PELO MINERVA S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA REDI NETO CONSTRUÇÕES LTDA. PELO MINERVA S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA REDI NETO CONSTRUÇÕES LTDA. PELO MINERVA S.A. Pelo presente Instrumento Particular: (a) MINERVA S.A., sociedade anônima, com sede na Cidade de Barretos, Estado

Leia mais

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL 1. DA ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO 1.1. Os interessados em se inscrever e/ou renovar o Registro Cadastral junto ao GRB deverão encaminhar a documentação a seguir estabelecida,

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG SUPERINTENDENCIA DE AGUA E ESGOTO DE ARAGUARI DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS COMISSÃO ESPECIAL DE CADASTRO/SETOR DE CADASTRO INSTRUÇÕES GERAIS 1. OBJETIVO Estabelecer normas e procedimentos para

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG)

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG) COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA MG CNPJ/MF 17.281.106/0001 03 Rua Mar de Espanha, 453 / Sto. Antônio Belo Horizonte (MG) NORMAS DE CREDENCIAMENTO PARA INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS 1. DA FINALIDADE

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO 1 FUNDAMENTAÇÃO Este Manual contem regras para Cadastramento com fins de Licitação, nos termos da Lei 8.666/93 e alterações posteriores. e está disponível no site www.aracaju.se.gov.br/emurb. REGRAS PARA

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATO RICO ESTADO DO PARANÁ CNPJ - 95.684.510/0001-31 COMISSÃO MUNICIPAL DE LICITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATO RICO ESTADO DO PARANÁ CNPJ - 95.684.510/0001-31 COMISSÃO MUNICIPAL DE LICITAÇÃO DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REGISTRO CADASTRAL (Conf. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993) I - Para a habilitação jurídica: a) Cédula de identidade e registro comercial na repartição competente, para

Leia mais

Inscrição: 13553626/0001-77 Razão Social: ELISA ROSA LOPES TRANSPORTESS ME Endereço: R ROBERTO CHAMMAS 3 / VILA MARIANA / SAO PAULO / SP / 4121-020

Inscrição: 13553626/0001-77 Razão Social: ELISA ROSA LOPES TRANSPORTESS ME Endereço: R ROBERTO CHAMMAS 3 / VILA MARIANA / SAO PAULO / SP / 4121-020 https:/mww.sifge.cab(a.gov.br/empresa/crf/crf/fgecfslmprimirpa...gui=3 08/05/1410:35 CAIXA CAIXA ECONÒMíCA FEDERAL Certificado de Regularidade do FGTS - CRF Inscrição: 13553626/0001-77 Razão Social: ELISA

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS REALIZADA EM 04 DE MAIO DE 2012 I. Data, Hora e Local da Reunião: Aos 03 de maio,

Leia mais

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos.

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos. Documento 1 Estatuto ou Contrato Social consolidado com todas as alterações realizadas, devidamente arquivado no registro de comércio da sede da sociedade participante. É o documento pelo qual uma empresa

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS - DNRC

INSTRUÇÕES NORMATIVAS - DNRC INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 88, DE 02 DE AGOSTO DE 2001 Dispõe sobre o arquivamento dos atos de transformação, incorporação, fusão e cisão de sociedades mercantis. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Resolução n o 623, de 18 de Outubro de 2013 1. Qual a Resolução que trata sobre Conselho de Usuários e onde ela está disponível? Trata-se da Resolução n

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

MODELOS DE DOCUMENTOS CONDOMINIAIS

MODELOS DE DOCUMENTOS CONDOMINIAIS MODELOS DE DOCUMENTOS CONDOMINIAIS ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO CONDOMÍNIO EDIFÍCIO. Aos dias do mês de de, reuniram-se em Assembléia Geral (Ordinária ou Extraordinária) os Senhores Condôminos

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CNPJ Nº 00.108.786/0001-65 NIRE Nº 35.300.177.240 COMPANHIA ABERTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CNPJ Nº 00.108.786/0001-65 NIRE Nº 35.300.177.240 COMPANHIA ABERTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CNPJ Nº 00.108.786/0001-65 NIRE Nº 35.300.177.240 COMPANHIA ABERTA ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Aos 18

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ.

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. PREÃMBULO 1994 EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. A Prefeitura Municipal de Marabá, por intermédio

Leia mais

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Alto Paraíso de Goiás Estado de Goiás

Prefeitura Municipal de Alto Paraíso de Goiás Estado de Goiás jjpparaíso Adm 201312016 Prefeitura Municipal de Alto Paraíso de Goiás Estado de Goiás FUNDO MUNICIPAL DE SÃ ÚDE E SANEAMENTO Contrato Prestação de Serviços FMS n. 007 12015 Contrato de prestação de serviços

Leia mais

ESTADO DO(A) BAHIA CAMARÁ MUNICIPAL DE AMARGOSA. Amarqosa EXERCÍCIO 2013 PROCESSO DE PAGAMENTO N. 206 DATA: 06/05/2013

ESTADO DO(A) BAHIA CAMARÁ MUNICIPAL DE AMARGOSA. Amarqosa EXERCÍCIO 2013 PROCESSO DE PAGAMENTO N. 206 DATA: 06/05/2013 ESTADO DO(A) BAHIA CAMARÁ MUNICIPAL DE AMARGOSA Amarqosa EXERCÍCIO 2013 PROCESSO DE PAGAMENTO N. 206 DATA: 06/05/2013 CREDOR: LOCAWEB SERVIÇOS DE INTERNET S.A. VALOR BRUTO R$ VALOR DAS DEDUÇÕES R$ VALOR

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONES: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO:

Leia mais

DOCUMENTOS DO VENDEDOR PESSOA FÍSICA. Cópia da Carteira de Identidade com o nome correto, conforme comprovante de estado civil atualizado;

DOCUMENTOS DO VENDEDOR PESSOA FÍSICA. Cópia da Carteira de Identidade com o nome correto, conforme comprovante de estado civil atualizado; DOCUMENTOS DO VENDEDOR PESSOA FÍSICA Cópia da Carteira de Identidade com o nome correto, conforme comprovante de estado civil atualizado; Nota: caso o proponente for casado(a), enviar também os documentos/certidões

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

Câmara Municipal de Itatiba

Câmara Municipal de Itatiba DOCUMENTOS PARA EFETUAR CADASTRO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL "CRC" INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES Razão Social: Endereço: Bairro: Cidade: CEP: CNPJ: Inscrição Estadual:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicada no DOE(Pa) de 29.11.05. Alterada pela IN 05/13. Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Informações Econômico-Fiscais - DIEF relativa

Leia mais

CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA VENDA DE BENS IMÓVEIS

CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA VENDA DE BENS IMÓVEIS CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA VENDA DE BENS IMÓVEIS O Liquidante da CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 PUBLICADO EM PLACAR Em / / Dispõe sobre a regulamentação da Lei Complementar nº 187, de 12 de agosto de 2009, que autoriza a transação tributária para fins de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009 MNSTÉRO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACONAL DE DESENVOLVMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELBERATVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRL DE 2009 Estabelece os documentos necessários à certificação da situação de regularidade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO DOC IV Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

PRÉ- REQUISITOS CADASTRO ELETRÔNICO

PRÉ- REQUISITOS CADASTRO ELETRÔNICO CADASTRO ELETRÔNICO Abaixo seguem as orientações sobre os serviços mais utilizados do Cadastro no efisco - ARE Virtual. OBS: Use sempre o navegador Internet Explorer para acessar o efisco - ARE Virtual

Leia mais

Formulário de Cadastro da Empresa Brasileira de Navegação

Formulário de Cadastro da Empresa Brasileira de Navegação Requerimento de outorga de autorização para a prestação de serviço de transporte de passageiros e de serviço de transporte misto na navegação interior de percurso longitudinal interestadual e internacional.

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

Quais são as 4 principais certidões indispensável para participar em uma licitação?

Quais são as 4 principais certidões indispensável para participar em uma licitação? Quais são as 4 principais certidões indispensável para participar em uma licitação? As certidões indispensáveis à participação nas licitações, conforme previsto no artigo 27 da Lei 8.666/93, são: certidão

Leia mais

MENDES JÚNIOR ENGENHARIA S.A. CNPJ/MF n.º 17.162.082/0001-73 NIRE 31300056392 COMPANHIA ABERTA ATA DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA

MENDES JÚNIOR ENGENHARIA S.A. CNPJ/MF n.º 17.162.082/0001-73 NIRE 31300056392 COMPANHIA ABERTA ATA DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA 1/5 MENDES JÚNIOR ENGENHARIA S.A. CNPJ/MF n.º 17.162.082/0001-73 NIRE 31300056392 COMPANHIA ABERTA ATA DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA REALIZADAS EM 30 DE ABRIL DE 2008 DATA, HORA E LOCAL:

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS ABERTURA Pessoa da cooperativa que não fará parte da mesa verifica o número de associados presentes certificando o quorum

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PORTARIA CONJUNTA PGFN/RFB Nº 15, DE 22 DE AGOSTO DE 2014. Regulamenta o art. 33 da Medida Provisória

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 Publicada no DOE em 01/12/2011 Dispõe sobre a solicitação eletrônica de baixa de inscrição no Cadastro Geral da Fazenda (CGF), e dá outras providências.

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SERVIÇOS DO VALE DO RIO PARDO - CISVALE

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SERVIÇOS DO VALE DO RIO PARDO - CISVALE HABILITAÇÃO JURÍDICA Documentos para Credenciamento - Registro comercial no caso de empresa individual; - Ato Constitutivo, Estatuto ou Contrato Social em vigor, devidamente registrado em se tratando de

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO CYRELA COMERCIAL PROPERTIES INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.,

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO CYRELA COMERCIAL PROPERTIES INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A., PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA CYRELA COMERCIAL PROPERTIES INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. PELA CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Pelo presente instrumento

Leia mais

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO Artigo 1º: A MARISOL S.A. é uma Sociedade Anônima de capital aberto,

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 O Município de Vale do Sol, RS, através do Prefeito Municipal. Sr. Clécio Halmenschlager, comunica aos interessados que está procedendo ao CREDENCIAMENTO de pessoas

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE 1 A - PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS MUNICIPAIS 1 Em regra, os créditos tributários junto à Fazenda Municipal de Porto Alegre podem ser pagos em até 24 (vinte e

Leia mais

PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES DA NATURA COSMÉTICOS S.A. ANO CALENDÁRIO DE 2010

PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES DA NATURA COSMÉTICOS S.A. ANO CALENDÁRIO DE 2010 INTRODUÇÃO O presente instrumento foi elaborado com o objetivo de formalizar o Plano, para o ano de 2010, de outorga de opção de compra ou subscrição de ações ordinárias da NATURA COSMÉTICOS S.A., doravante

Leia mais

Certidão de Tributos Mobiliários

Certidão de Tributos Mobiliários 08/11/12 Certidão de Tributos Mobiliários Certidão de Tributos Mobiliários Certidão número : I275822-2012 C.C.M. : 3.465.844-0 CNPJ / CPF : 07.717.171/0001-85 Contribuinte : PRAXIAN CONSULTORIA LTDA -

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

MINERVA S.A. CNPJ nº 67.620.377/0001-14 NIRE 35.300.344.022. Ata de Reunião do Conselho de Administração realizada em 03 de abril de 2012

MINERVA S.A. CNPJ nº 67.620.377/0001-14 NIRE 35.300.344.022. Ata de Reunião do Conselho de Administração realizada em 03 de abril de 2012 MINERVA S.A. CNPJ nº 67.620.377/0001-14 NIRE 35.300.344.022 Ata de Reunião do Conselho de Administração realizada em 03 de abril de 2012 Data, Horário e Local: 03 de abril de 2012, às 9h00, na sede social

Leia mais

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações A Banrisul Armazéns Gerais S.A., atendendo ao disposto nos arts. 13 e 25 II da lei nº 8.666/93,

Leia mais

Comunicado. Edital de Concurso para Admissão de Estagiários de Direito para a Procuradoria Regional da Grande São Paulo Seccional de Osasco

Comunicado. Edital de Concurso para Admissão de Estagiários de Direito para a Procuradoria Regional da Grande São Paulo Seccional de Osasco Comunicado Edital de Concurso para Admissão de Estagiários de Direito para a Procuradoria Regional da Grande São Paulo Seccional de Osasco O Procurador do Estado Chefe da Procuradoria Regional da Grande

Leia mais

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE Artigo 1.º Natureza jurídica e denominação social A Sociedade, que adota a denominação de Banco Primus SA («a Sociedade»),

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 O Município de Boa Vista do Buricá, comunica aos interessados

Leia mais

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE REGULAMENTO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO -- FGTS CARTEIRA LIVRE, doravante designado abreviadamente

Leia mais

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA 1. Na renovação a empresa deverá informar, por escrito, se houve ou não alteração dos documentos de Qualificação Técnica

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS)

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) ÍNDICE: RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE EMPRESAS INTERESSADAS NA EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE TERRENOS, LOJAS E ESPAÇOS DE PROPRIEDADE DA COMPANHIA DO

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo ORDEM DE SERVIÇO IRF/SPO Nº 12, DE 24 DE MAIO DE 2011 Dispõe, provisoriamente, sobre a

Leia mais

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais para o exercício de 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso das atribuições

Leia mais

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 Aprova o Estatuto da Fundação Cidade das Artes. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que dispõe o Decreto

Leia mais

Parágrafo único As aplicações realizadas no FUNDO não contam com a garantia da ADMINISTRADORA ou do Fundo Garantidor de Créditos FGC.

Parágrafo único As aplicações realizadas no FUNDO não contam com a garantia da ADMINISTRADORA ou do Fundo Garantidor de Créditos FGC. CAPÍTULO - DO FUNDO Artigo 1º O CAXA FUNDO MÚTUO DE PRVATZAÇÃO FGTS CARTERA LVRE PETROBRAS RENDA FXA 49 CAXA FMP FGTS CL, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é uma comunhão de recursos, constituído

Leia mais

Anexo I - Regulamento Seu Cartão Dá Sorte

Anexo I - Regulamento Seu Cartão Dá Sorte Anexo I - Regulamento Seu Cartão Dá Sorte CREDZ ADMINISTRADORA DE CARTÕES DE CRÉDITO Endereço: AVENIDA BRIGADEIRO FARIA LIMA, Nº 1309 11º ANDAR JARDIM PAULISTANO, SÃO PAULO - SP CNPJ 12.109.247/0001-20

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS

CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS CADASTRO DE FORNECEDORES E RENOVAÇÃO CADASTRAL DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED DOS PROCEDIMENTOS A Supervisão de Suprimentos é a responsável pelo cadastramento dos fornecedores, bem como pela renovação cadastral

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana

ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE REGISTRO CADASTRAL 1 Preenchimento pela Prefeitura Municipal de Viana São campos de informações, destinado exclusivamente a Prefeitura Municipal de Viana.

Leia mais

PROTOCOLO DE INCORPORAÇÃO DA PELÁGIO OLIVEIRA S/A PELA M. DIAS BRANCO S/A INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS

PROTOCOLO DE INCORPORAÇÃO DA PELÁGIO OLIVEIRA S/A PELA M. DIAS BRANCO S/A INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS PROTOCOLO DE INCORPORAÇÃO DA PELÁGIO OLIVEIRA S/A PELA M. DIAS BRANCO S/A INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS M. DIAS BRANCO S/A INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS, sociedade anônima constituída e existente

Leia mais

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto;

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto; CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2014 QUALIFICAÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE O Município de Fontoura Xavier, Estado do Rio Grande do Sul, pessoa jurídica

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO 003/2015

EDITAL DE CREDENCIAMENTO 003/2015 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 003/2015 AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR, pessoa jurídica de direito público interno, inscrita no CNPJ/MF sob n.º 18.137.082/0001-86, neste ato representado por seu

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. CNPJ 02.328.280/0001-97 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.238.280/0001-97 Rua Ary Antenor de Souza, nº 321,

Leia mais