Educação, Interdisciplinaridade e Desenvolvimento Sustentável: a Experiência de um Projeto de Formação Técnico-Agropecuária na Transamazônica, Pará

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação, Interdisciplinaridade e Desenvolvimento Sustentável: a Experiência de um Projeto de Formação Técnico-Agropecuária na Transamazônica, Pará"

Transcrição

1 Educação, Interdisciplinaridade e Desenvolvimento Sustentável: a Experiência de um Projeto de Formação Técnico-Agropecuária na Transamazônica, Pará Soraya A. de Carvalho 1 ; Flávio B. Barros 2 ; Ana Lúcia M. da Silva 3 ; Thomeson Nascimento 3 ; Danielle W. Silva 3 e Simão L. de Souza 4 1 Zootecnista, Doutoranda pela AgroParisTech/França, Docente da UFPA/NEAF/Campus de Altamira; Pesquisadora do Lab. Agroecológico da Transamazônica (LAET). 2 Biólogo, Doutorando em Biologia da Conservação pelo Centro de Biologia Ambiental da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa/Portugal, Docente da UFPA/Campus de Altamira; Pesquisador do LAET. 3 Educador (a) do Projeto Curso Técnico Agropecuário; 4 Lic. em Ciências Agrícolas, Docente da UFPA/Campus de Altamira; Pesquisador do LAET. para correspondência: Resumo A região da Transamazônica e Xingu, situada no sudoeste do Pará, tem na agropecuária a atividade principal. A falta de políticas públicas voltadas à Educação se apresenta como um dos principais entraves para o desenvolvimento local. Com base na perspectiva de um desenvolvimento embasado na formação de sujeitos críticos e transformadores da realidade local; e considerando as especificidades do território em questão, a ausência histórica do Estado brasileiro no âmbito da Educação e o perfil agropecuário regional, a UFPA/Campus de Altamira, por meio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA), que atua no território desde 2002 com a implantação do Programa Educação-Cidadã, surgiu então a proposta da construção de um curso de formação técnico-profissionalizante em nível médio em agropecuária com ênfase em desenvolvimento sustentável como uma estratégia para a formação de jovens agricultores dos Projetos de Assentamento (PA) da região. O projeto está fundamentado na Pedagogia da Alternância, que considera momentos formativos denominados Tempo-Escola e Tempo-Comunidade. Esta fundamentação leva em conta, entre outros fatores, a possibilidade dos educandos de obter uma formação integrada, mais contextualizada com sua vida no Campo. O projeto concebe a formação a partir de eixos temáticos, como opção de uma formação profissional embasada na idéia do pensamento complexo, sistêmico, integrativo. O exercício do rompimento da formação pautada no paradigma disciplinar, cartesiano, nãointegrativo, descontextualizado, tem sido um eterno desafio no cotidiano do projeto. Assim, o presente ensaio traz uma socialização da experiência do projeto que se encontra em andamento.

2 Introdução O acesso a uma Educação de qualidade no Campo tem sido um desafio histórico travado pelos sujeitos que nele vivem e constroem suas histórias de vida. Há muito que existe a idéia de que o Campo é um lugar do atraso e da ignorância, do homem e da mulher que deve aprender o suficiente para saber ler, escrever e contar. Esse pensar, infelizmente, ainda permeia a mentalidade de boa parte da nossa sociedade contemporânea. Pode até não ser explicitada, mas muitas das vezes aparece num ou outro discurso, fortalecendo a tese de que o Campo é muito mais um espaço de trabalho do que um lugar de produção da vida, da cultura, do desenvolvimento embasado na valorização dos múltiplos saberes que são peculiares desse lugar, o Campo. Até hoje, em pleno limiar do século XXI, um dos maiores anseios dos atores (crianças, jovens, homens e mulheres do campo, educadores e educadoras do campo, Movimentos Sociais, entre outros) que têm uma forte ligação com o Campo, tem sido a consolidação de uma política de Educação do Campo que considere o contexto do lugar, pautada na diversidade sociocultural inerente ao espaço campesino, com todas as suas complexidades. O Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA), vinculado ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), por meio do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) tem se constituído como uma ação do Governo Federal a fim de dirimir as agruras da Educação na reforma agrária do Brasil. É importante salientar, no entanto, que este Programa é fruto da luta histórica dos Movimentos Sociais, que de forma organizada exigiram do Governo a implementação de ações que fossem dirigidas para o povo do campo. O Programa atende especificamente os assentados (e seus dependentes ou agregados diretos e indiretos) dos Projetos de Assentamento (PA's) da reforma agrária brasileira e tem apoiado, nos últimos anos, diversos projetos de Educação nos diferentes níveis da Educação Básica e Superior. A Universidade Federal do Pará (UFPA), com uma sólida inserção neste Programa, tem desenvolvido diversas experiências de formação envolvendo os sujeitos do campo dos PA's de diferentes regiões do Estado do Pará. Nossa trajetória no âmbito do PRONERA tem ocorrido desde a alfabetização de jovens e adultos até os Cursos de Nível Superior. O presente texto, nesta perspectiva, pretende socializar a experiência de um projeto de formação em nível médio e técnico-profissionalizante no Território da Transamazônica, no Pará, que está inserido no âmbito do Programa Educação Cidadã na Transamazônica, que reúne outros projetos, todos vinculados ao PRONERA. O Território da Transamazônica como espaço de luta por uma Educação do Campo O Território da Transamazônica está localizado no sudoeste do Estado do Pará (Figura 1) numa extensão de ,30 Km 2, sendo formado pelos seguintes municípios: Altamira, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Pacajá, Senador José Porfírio, Uruará e Vitória do Xingu. Com habitantes, dos quais (52,94%) vivendo na área rural, o Índice de Desenvolvimento

3 Humano (IDH) médio do território é 0,70. É constituído por agricultores familiares, famílias assentadas, 66 PA s, 831 pescadores e 15 terras indígenas (CADERNO TERRITÓRIO/SDT/MDA, s.d.). A Transamazônica tem a sua história marcada por uma colonização agrícola iniciada nos anos 1970 com a abertura da Rodovia Transamazônica BR 230, pelo então governo militar General Emílio Médici, onde se tinha como slogan homens sem terra, para terra sem homens. Este plano de ação, então chamado de Plano de Integração Nacional (PIN), tinha como objetivos resolver conflitos agrários no Sul e a seca no Nordeste, bem como ocupar a Amazônia. Até então a região era isolada por via terrestre do restante do Brasil. Com a construção da rodovia, milhares de migrantes chegaram à região, estes oriundos de diversas partes do Brasil, mas principalmente das regiões Nordeste e Sul. O projeto de colonização foi marcado por diversos problemas, a começar pela falta de planejamento e implementação do mesmo. No momento da instalação dos assentamentos não se teve o cuidado necessário com relação aos solos que seriam mais apropriados para a atividade agrícola. Não se tinha naquela época conhecimentos dos cultivos mais adequados à região; somado a isso as famílias que vieram de outras regiões do país não tinham familiaridade com as condições edafoclimáticas e ambientais da Amazônia, além disso, faltou assistência técnica e o apoio à comercialização. Nesse processo surgiram vários tipos de efeitos, o qual não se pode deixar de citar o uso inadequado dos recursos naturais, grilagem de terra, conflitos no campo, dentre outros. Como nos retrata MCGRATH (s.d), "Os custos sociais, econômicos, ecológicos da Transamazônica foram elevados". Mediante as várias dificuldades existentes na região, o acesso a uma educação de qualidade se configura entre os entraves enfrentados pela sociedade local, principalmente a camada mais jovem. A falta de políticas públicas voltadas à Educação do Campo que valorize o campo como território legítimo de produção da existência humana e não só da produção agrícola, e conforme nos diz JESUS (2004), uma visão da Escola como espaço para a construção do conhecimento, mas um conhecimento pautado no contexto local, e, para se discutir que futuro se quer para o Campo, considerando seu contexto na totalidade; observância da temporalidade como forma de atribuir vida àquilo que se considera primitivo e tradicional, mas não é; assim, possibilitando a produção de conhecimento de qualidade com temporalidades diferentes, respeitando o ritmo e a cultura de cada grupo social e o ambiente físico, bem como a valorização por parte dos sujeitos, considerando seus ciclos de vida e os ciclos de vida na terra, se apresenta como um dos principais problemas para o desenvolvimento local, pois os jovens, na falta de oportunidades nas comunidades onde estão inseridos, muitas vezes vêem na cidade a possibilidade de obtenção de uma formação educacional-profissional mais conduzente. Com base nesta expectativa e considerando as especificidades do território em questão, a ausência histórica do Estado brasileiro no que diz respeito à Educação e o perfil agropecuário regional, a Universidade Federal do Pará/Campus de Altamira, por meio do Programa Nacional de Educação

4 na Reforma Agrária (PRONERA) que atua no território desde 2002 com a implantação do Programa Educação-Cidadã, através dos cursos de alfabetização e escolarização, surgiu então a proposta da construção de um curso de formação técnico-profissionalizante em nível médio em agropecuária com ênfase em desenvolvimento sustentável como uma estratégia para a formação de jovens agricultores dos PA s da região. Figura 1: Mapa de localização da Transamazônica. Contextualizando o Projeto A dinâmica de construção do projeto se deu com base em diversas reuniões de trabalho, envolvendo os parceiros (Sindicatos de Trabalhadores Rurais dos municípios abrangentes, ONG s, INCRA, e diversas outras instituições locais), a fim de discutir sobre os pressupostos político-pedagógicos que norteariam a proposta, como metodologia, avaliação e currículo. O exercício da construção coletiva do curso foi essencial para o seu bom andamento. O projeto está fundamentado na Pedagogia da Alternância, dividido em momentos formativos denominados Tempo-Escola (TE), com 20 dias e Tempo-Comunidade (TC), com 40 dias, tendo como carga horária total 3384 horas. Esta fundamentação considera, entre outros fatores, a possibilidade dos educandos de obter uma formação integrada, mais contextualizada com sua

5 vida no Campo, pois, o momento vivenciado durante o TC oportuniza ao educando refletir sobre os conteúdos trabalhados no TE, havendo assim uma integração entre os saberes formais e empíricos, entre a teoria e a prática, que são, enfim, indissociáveis. Considerando a demanda levantada pelo INCRA e Organizações de Agricultores nos municípios, chegou-se a um total de 180 jovens assentados aptos a participarem do curso. Entretanto, o projeto foi concebido para atender oitenta educandos, em duas turmas, tendo sido necessário a realização de uma seleção, a qual foi previamente discutida de forma democrática entre todos os parceiros do projeto, sendo que o TE ocorre ao mesmo tempo e no mesmo local para as duas turmas, permitindo inclusive que algumas atividades sejam desenvolvidas conjuntamente. Um dos critérios utilizados foi garantir que em ambas as turmas fosse contemplado tanto a diversidade de gênero, bem como PA s e municípios de origem de cada educando. Os 80 educandos são oriundos de 17 PA s da Transamazônica (Figura 2). Desses, 58 são homens e 16 são mulheres, com faixa etária variando de 15 a 55 anos (Figura 3). Relação PA x Número de Educandos N de PA e Educandos PA Educandos Altamira Brasil Novo Medicilândia Uruará Anapu Pacajá Senador José Porfírio Municípios Figura 2: Número de educandos por Projeto de Assentamento.

6 Educandos por Gênero e Faixa Etária Número de Educandos Homens Mulheres Faixa Etária Figura 3: Número de educandos por faixa etária e gênero. O caráter inovador e interdisciplinar do Curso também se dá no desenho curricular, quando se optou pela conexão orgânica dos conteúdos relacionados ao ensino médio e ao campo profissional. A partir dessa opção, o projeto propõe momentos de seminários de planejamento, os quais se realizam nas comunidades dos educandos, com o envolvimento do maior número e diversidade de atores locais a fim de discutir e identificar os temas mais relevantes a serem tratados durante o ano. O projeto não concebe a formação com base disciplinar, mas a partir de eixos temáticos, como opção de uma formação profissional embasada na idéia do pensamento complexo, sistêmico, integrativo. A adequação do Curso a realidade dos educandos se dá também na perspectiva do planejamento integrado, onde as temáticas centrais abordadas correspondem às expectativas identificadas e discutidas nas comunidades dos referidos educandos. Assim, o projeto concebe uma formação profissional centrada numa relação ao mesmo tempo dialógica, contextualizada e pensada em sintonia com estratégias de desenvolvimento regional. A parceria com a Escola Agrotécnica Federal de Castanhal (EAFC) foi essencial para o funcionamento do Curso, pois a UFPA não dispõe de uma Unidade Acadêmica voltada para a formação na área de Ciências Agrárias em nível médio. Neste sentido, o diálogo junto a EAFC foi fundamental, tanto no sentido da construção do Projeto, quanto no que diz respeito aos detalhamentos pedagógicos do mesmo para que pudesse atender formalmente as exigências (carga horária, sistema de notas, nome formal do Curso para registro junto ao Ministério da Educação, etc.) da Escola, que está vinculada ao Ministério da Educação. Além desses fatores, contar com a sensibilidade e com a abertura da EAFC quanto ao formato curricular e didáticopedagógico foi igualmente importante, pois pensar um Projeto de formação nestes moldes

7 constitui ainda hoje um desafio em nosso meio. A EAFC é, portanto, a Instituição certificadora do Projeto. A interdisciplinaridade no contexto da Educação do Campo: um desafio O reducionismo é um recurso incorporado ao nosso modo de pensar, trazido pelo princípio cartesiano de descontextualizar, simplificar e reduzir cada vez mais, quando um fenômeno é complexo (DESCARTES, 1973, apud. SANTOS, 2005). A interdisciplinaridade surge como um processo produtor de novos conhecimentos, através do entrelaçamento de diversas disciplinas que procurem redefinir o objeto de conhecimento. Não se trata apenas da integração sociedade-natureza, mas da abertura de um diálogo e da hibridização entre ciência, tecnologia e saberes para a produção de novos paradigmas e sua articulação para transformar a natureza e a sociedade (RATTNER, 2005). A cultura da formação disciplinar e fragmentada está há muito inserida nos nossos espaços educativos, desde a escola básica até a Universidade. Nossa opção de trabalhar com esse enfoque reflete a trajetória e o esforço de pensar e materializar a interdisciplinaridade no nosso cotidiano. Por isso, como diz POMBO (s.d), é possível olhar a floresta e não somente as árvores; para contemplarmos um todo, não esquecendo que as partes são importantes. Também entendemos que esse todo organizado produz qualidades e propriedades que não existem nas partes isoladamente (MORIN, 2006), o que acontece na maioria das vezes nos currículos disciplinares, aspecto que o projeto tenta romper. Não existe um conteúdo único para interdisciplinaridade, cada enfoque depende basicamente da linha teórica de quem pretende definí-la. Contudo, os diferentes trabalhos apontam para uma noção de interdisciplinaridade como princípio de unificação e não unidade acabada (SANTOS, 2005). Segundo PIETROCOLA et. al. (2003) apud. SANTOS (2005), a interdisciplinaridade se constitui como uma forma de se fazer uma leitura mais adequada da realidade. Esses autores sugerem que no lugar de transformar os objetos de mundo de forma a integrá-los às teorias, é possível proceder de forma inversa, ou seja, submeter os conhecimentos disponíveis a projetos de ação sobre o mundo. Conforme as Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Médio, a interdisciplinaridade parte do princípio de que...todo conhecimento mantém um diálogo permanente com outros conhecimentos, que pode ser de questionamento, de negação, de complementação, de ampliação, de iluminação de aspectos não distinguidos. Propõe-se, portanto, neste projeto, tanto uma estrutura curricular quanto alguns procedimentos operacionais que possam garantir, de fato, uma formação interdisciplinar. O desafio de pensar a interdisciplinaridade esteve presente em

8 toda trajetória do projeto, desde sua concepção. Este enfoque interdisciplinar tornou-se ainda mais desafiador porque até então a equipe de docentes da UFPA nunca antes tinha tido a experiência de trabalhar um projeto de formação voltado para o ensino médio. Unir sujeitos de diferentes municípios, de grandes distâncias quilométricas, de diferentes histórias de vida, de diversas faixas etárias, de diferentes níveis de formação (muito embora todos tivessem concluído o Ensino Fundamental); tudo isso representou um arsenal de complexidade para a equipe que pensou o projeto; mas sempre com a expectativa de construção de uma experiência significativa - o rompimento de barreiras epistemológicas, formação de sujeitos do campo para atuar no campo, o respeito aos contextos da região e, principalmente, a instituição de um diálogo com a diversidade. Não somente para a equipe de trabalho de elaboração da proposta este desafio se fez presente, mas também para grande parte dos educandos, que nunca tinham vivido uma realidade escolar pensada a partir de uma visão sistêmica. Por outro lado, para os educandos oriundos das Casas Familiares Rurais, onde a concepção de formação está fundamentada na Pedagogia da Alternância, tal dificuldade não se fez presente. Um ponto a se refletir é o quadro de recursos humanos envolvidos nas atividades pedagógicas. O pensar a partir da metodologia interdisciplinar requer do profissional uma formação também interdisciplinar, o que de fato não existe. Nesse sentido, é relevante destacar também que a equipe de formadores foi composta inicialmente por três pedagogos e um licenciado em Ciências Agrárias. Esses formadores foram selecionados por uma comissão composta por diversos representantes da equipe de elaboração do Curso e vários critérios foram alocados para a apreciação desses profissionais, como perfil sistêmico, experiência docente, disponibilidade de deslocamento, dedicação exclusiva. Atualmente, esta equipe está composta por dois Agrônomos, uma Pedagoga e uma Licenciada em Letras, que vem respondendo a contento os desafios cotidianamente impostos pelo projeto. Nele trabalha-se com uma concepção mais abrangente do que seja o educador. Neste caso, consideramos que o educador é aquela pessoa que tem no trabalho principal o fazer e o pensar a formação humana e não somente restringir a repassar os conhecimentos; pelo contrário, estes conhecimentos são construídos de forma recíproca, onde educador e educando dialogam coletivamente neste processo de construção do conhecimento. É importante destacar ainda que a Educação do Campo, no nível do Ministério da Educação, tem pouco mais de quatro anos, sendo que esta bandeira de luta é muito mais antiga. Reconhecendo a diversidade do campo, do povo que nele vive, da produção que neste campo se faz, não somente a produção alimentar, mas a produção da cultura e da vida, trazer o debate da interdisciplinaridade entrelaçada com as idéias do Desenvolvimento Sustentável é mais do que urgente. Assim, a interdisciplinaridade pode se configurar como uma porta para a quebra das deficiências históricas dos processos educativos vivenciados na escola do campo; por isso, é preciso pensar em um ambiente educativo que combine múltiplas atividades voltadas às diversas

9 dimensões de formação da pessoa (KOLING et. al. 1999). Nosso maior campo de batalha tem se dado no sentido de priorizar o alcance desses sonhos, dessas realidades. Assim, o projeto concebe uma formação profissional centrada numa relação ao mesmo tempo dialógica e contextualizada; em que a Educação do Campo assume sua particularidade, que é o vínculo com sujeitos sociais concretos, e com um recorte específico de classe, mas sem deixar de considerar a dimensão da universalidade: antes (durante e depois) de tudo ela é educação, formação de seres humanos (CALDART, 2004) O enfoque do Desenvolvimento Sustentável A idéia de Desenvolvimento Sustentável é colocada como um novo paradigma para a sociedade contemporânea e que muitas vezes é utilizada de maneira errônea, tornando-se, inclusive, um modismo. Hoje, essa terminologia é comentada e discutida nos mais diferentes setores da sociedade, mas a grande reflexão surge na questão do que vem a ser o Desenvolvimento Sustentável, ou seja, para quê e para quem se destina tal desenvolvimento. De acordo com o Relatório de Brundtland, divulgado no Brasil em 1987 como Nosso Futuro Comum, a idéia de Desenvolvimento Sustentável aparece como sendo aquela capaz de garantir as necessidades das gerações futuras. Segundo BECKER et. al. (2002), a noção de Desenvolvimento Sustentável vem sendo utilizada como portadora de um novo projeto para a sociedade, capaz de garantir, no presente e no futuro, a sobrevivência dos grupos sociais e da natureza. Dentro das discussões ocorridas no GRUPO PERMANENTE DE EDUCAÇÃO DO CAMPO/MEC (2003), a educação deve ser uma estratégia para o Desenvolvimento Sustentável, onde neste ponto leva-se em consideração o respeito às diversidades, da situação histórica particular de cada comunidade, dos recursos disponíveis e, os anseios e necessidades dos que vivem no campo. A participação coletiva dos diversos atores está inserida num projeto maior de estabelecimento de uma melhoria na qualidade de vida, considerando todos os elementos que constituem o cenário rural em conexão com o cosmos. Pelo caráter de produção agrícola e pecuária que a Transamazônica apresenta, onde muitas vezes essas atividades produtivas são feitas de maneira inadequada, é que se pensou em construir um curso baseado nos pressupostos do Desenvolvimento Sustentável, onde o perfil do profissional que se quer formar possa atender de maneira equilibrada as diferentes características socioeconômicas, culturais e ambientais da região, a partir de uma produção agropecuária. Desse modo, busca-se a médio ou longo prazo, fundamentar na região uma formação profissional voltada para a prática adequada do uso do solo e de outros recursos naturais (floresta, água, etc.), considerando para isso todas as especificidades locais.

10 Neste sentido buscou-se construir um Projeto Político-Pedagógico, onde se primou por um currículo onde o eixo transversal do curso é o Desenvolvimento Sustentável e o tema central dos três anos é o AMBIENTE, considerado na sua complexidade, ou seja, envolvendo todos os aspectos biofísicos e socioculturais. Assim, considera-se que o ser humano, a família e a comunidade fazem parte do ambiente. Cada ano possui um foco temático dentro do AMBIENTE, que possui, por sua vez, sub-temas que envolvem os diversos conteúdos trabalhados. No primeiro ano foi realizado o diagnóstico socioambiental envolvendo a família e principalmente a comunidade. Através deste diagnóstico preliminar, o aluno trouxe elementos da realidade em que vive, passando a conhecer melhor o ambiente e refletindo sobre ele (como é o solo, os demais recursos naturais, o que as famílias fazem, que problemas existem no nível do uso dos recursos, que conseqüências sobre a sustentabilidade, que relações entre as famílias, religião, parentesco, formas de organização, discussão dos problemas e soluções no PA, etc.). No 2 o ano, o foco temático foi a Análise e Aprofundamento do Diagnóstico. O aluno teve a oportunidade de aprofundar cada elemento que ele observou do cenário do PA no ano anterior, conhecendo melhor os sistemas de produção, o manejo das culturas, do solo, etc. No 3 o ano, está se trabalhando o Plano de Ação com experimentações no nível dos estabelecimentos agrícolas e comunidade. Avanços e Fragilidades Muitos avanços foram obtidos desde o decorrer do projeto até o momento, a saber: sensibilização quanto ao modo inovador de concepção de formação profissional (não-disciplinar e nãofragmentado) por parte dos educandos; relações humanas pautadas no exercício da ética e do respeito ao outro como verdadeiro outro; desenvolvimento e sensibilização aos aspectos ligados a arte e cultura (estímulo a música, ao teatro, a pintura, desenho, produção literária, poesias, etc.); visão integrada ser humano x meio ambiente; percepção da importância de um profissional técnico que saiba respeitar diferentes saberes, entre outros. Outro avanço que se tem observado é quanto a percepção dos educandos sobre sua própria realidade, por meio do exercício do uso da abordagem sistêmica na realização das atividades de campo e diagnóstico do estabelecimento e comunidade, passando a perceber o estabelecimento agrícola como Agroecosistema e valorizar o saber local. Nas atividades pedagógicas desenvolvidas tanto no TE (Figuras 5 e 6) como no TC, se investe muito no exercício dos diagnósticos pautados nas temáticas abordadas na alternância e a partir desses diagnósticos são levantados debates acerca da realidade dos municípios. O diagnóstico é uma ferramenta importante por influenciar diretamente na metodologia interdisciplinar, pois além de apontar a realidade sobre a qual se debate, é a partir dos dados observados que se tenta construir os momentos formativos.

11 No âmbito da interdisciplinaridade, um avanço importante no processo da educação é a didática usada pelos educadores, como é o exercício do feedback na construção do conhecimento, estabelecendo uma relação dialógica para exercitar a capacidade crítica dos educandos. Além do diagnóstico feito a partir de pesquisa de campo, são feitas problematizações a partir de questõeschave que acabam induzindo a novos diagnósticos e que instigam os educandos a perceberem a sua realidade e o seu papel dentro desse contexto (tanto no campo técnico da produção, como no âmbito ambiental e humanitário). O que vem se percebendo no ensaio do exercício da atividade profissional no TE (através de atividades pedagógicas, como seminários, dramatizações e debates), os educandos se posicionam como agentes de desenvolvimento e, apesar da discussão sobre Agroecologia ainda ser timidamente compreendida pelos educandos, concebem o Desenvolvimento Sustentável como inerente ao Desenvolvimento Rural. A partir da intenção de se pensar os conteúdos a serem trabalhados de acordo com um tema gerador elencado pelos agricultores (educandos e comunidade), a falta de domínio de conteúdos específicos, principalmente da Base Nacional Comum do Ensino Médio, dificultou algumas vezes o exercício da construção dos conteúdos da Base Profissionalizante. Neste caso, foi previsto no projeto a contratação de profissionais, chamados de facilitadores, para intervenção pedagógica durante os TE s. Esses facilitadores atuam em determinados momentos dos TE s, quando os educadores permanentes do projeto sentem necessidade da intervenção. Esse tipo de inserção é considerado importante no sentido de aprofundamento dos conteúdos e temáticas das áreas do conhecimento a qual o facilitador é requisitado. Todavia, a inserção de profissionais que não trabalham a partir do princípio da interdisciplinaridade na equipe, mesmo que somente em algum período do TE, pode vir a fragilizar o processo de interligação dos conteúdos pelo risco do não entendimento da metodologia do curso por parte do facilitador. Assim, a preocupação de escolher facilitadores que minimamente percebam o enfoque do projeto se apresenta sempre como uma preocupação da coordenação pedagógica do curso, muitas vezes fomentada a partir de reuniões e oficinas de preparação e discussão da dinâmica do projeto.

12 Figura 4: Educandos em aula prática sobre curva de nível. Figura 5: Educandos em aula prática sobre a cultura do cacau. Considerações Finais O rompimento da formação baseada nos princípios da visão cartesiana, disciplinar, fragmentada, não constitui tarefa fácil. O exercício diário deste projeto nos mostrou claramente que muito temos ainda para caminhar, aprender, experimentar; mas o exercício inicial tem sido possível. O desafio se fez presente desde a elaboração da proposta aos dias de hoje. A quebra de nossa estrutura educacional enraizada no sistema disciplinar surge como um grande anseio, pois esse tal sistema, muitas das vezes burocratizado, deixa-nos amarrados a seguir regras que dificultam a prática e o cotidiano da viagem pelo caminho da interdisciplinaridade. O exercício vivenciado mostra-nos que um outro formato de formação profissional é viável, apesar dos entraves que nos são colocados permanentemente. A prática diária dos educandos em suas localidades, seus discursos, suas

13 produções escritas, suas expectativas, tornam-se elementos vivos dessa possibilidade. O enfoque no Desenvolvimento Sustentável se mostrou igualmente relevante como uma mudança de paradigma que pode ser seguida, mas antes de tudo, uma reflexão a ser feita, um caminho a ser trilhado. Os efeitos significativos do projeto são de sobremaneira importantíssimos para o desenvolvimento da Transamazônica, um território historicamente esquecido no âmbito das políticas públicas voltadas para uma educação libertadora, pautada nos princípios da dialogicidade, do senso crítico e da figura humana como elemento-chave da transformação da realidade. A escolha do tema Ambiente, como ponto norteador de toda trajetória do Curso, possibilitou um cenário riquíssimo de debates e reflexões, o que não podia deixar de ser, pois a Transamazônica tem sido até os nossos dias um território fértil de luta pela justiça no campo, pela educação pública, gratuita e de qualidade, pela reforma agrária e pelo desenvolvimento baseado nos princípios do respeito a diversidade socioambiental, bem como sua proteção. Agradecimentos Agradecemos imensamente aos agricultores e agricultoras da Transamazônica e Xingu, aos Movimentos Sociais da região; ao INCRA - Superintendência de Belém, na pessoa do Donato Alves; às Casas Familiares Rurais de Uruará e Brasil Novo; à Embrapa Amazônia Oriental; à CEPLAC-Altamira; ao Laboratório Agroecológico da Transamazônica (LAET); e todos aqueles que direta ou indiretamente contribuem de alguma forma para o sucesso do Projeto. Referências bibliográficas BECKER, D. F. et. al. Desenvolvimento Sustentável: necessidade e/ou possibilidade? 4ª edição. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, CADERNO DO TERRITÓRIO/SDT/MDA. Transamazônica, Volume I. <http://www.territoriosdacidadania.gov.br/dotlrn/clubs/territriosrurais/transamaznicapa2>. Acesso em: 21 de abril CALDART, R. S. Elementos para construção do Projeto Político e Pedagógico da Educação do Campo. In: MOLINA, M. C. & JESUS, S. M. S. A. (Orgs.) Por uma Educação do Campo: contribuições para a construção de um Projeto de Educação do Campo. Brasília, Vol JESUS, S. M. S. A. de. Questões paradigmáticas da construção de um projeto político da Educação do Campo. In: MOLINA, M. C. & JESUS, S. M. S. A. de (Orgs.) Por uma Educação do Campo: contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Coleção por uma Educação do Campo, n 5. Brasília, DF, 130 p., 2004.

14 KOLLING, E. J.; NÉRY, I. F & MOLINA, M. C. (Orgs.). Por uma Educação Básica do Campo Memória, Coleção Por uma Educação Básica do Campo, Nº 1, Brasília, McGRATH, D. G. Poeiras e esperanças na Transamazônica de hoje. <http://www.comciencia.br/200404/reportagens/07>. Acesso em: 21 de abril MORIN, E. Complexidade e ética da solidariedade. In: CASTRO, G.; CARVALHO, E. de A. & ALMEIDA, M. da C. de (Orgs.) Ensaios de Complexidade. 4ª edição, Porto Alegre: Editora Sulina, POMBO, O. A Ciência e as Ciências. Centro de Filosofia das Ciências, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Acesso em: S.D. RATTNER, H. Abordagem sistêmica, interdisciplinaridade e desenvolvimento sustentável. Notas sobre pensamento sistêmico. São Paulo SANTOS, A. Teorias e métodos pedagógicos sob a ótica do pensamento complexo. In: LIBÂNEO, J. C. & SANTOS, A. (Orgs.). Educação na era do conhecimento em rede e transdisciplinaridade. Alínea Editora: Campinas, Coleção Educação e Debate SANTOS, A. C. S. dos. Formação de professores e os aspectos interdisciplinares e transdisciplinares da educação em Química: uma experiência vivida através da prática de ensino.in: LIBÂNEO, J. C. & SANTOS, A. (Orgs.). Educação na era do conhecimento em rede e transdisciplinaridade. Alínea Editora: Campinas, Coleção Educação e Debate

DESAFIOS DE UMA PRÁTICA INOVADORA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: REFLEXÃO SOBRE O CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA COM ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESAFIOS DE UMA PRÁTICA INOVADORA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: REFLEXÃO SOBRE O CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA COM ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESAFIOS DE UMA PRÁTICA INOVADORA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: REFLEXÃO SOBRE O CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA COM ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ketiane dos Santos Alves 1 ; Milca Jorge de Souza 1 ; José

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE Ana Jéssica Soares Barbosa¹ Graduanda em Ciências Agrárias ajsbarbosa_lca@hotmail.com Centro de Ciências

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) para atuação na área de suporte técnico e avaliação das políticas de fortalecimento da agricultura familiar, com enfoque nos princípios da

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Roteiro Pedagógico e Metodológico Parte 1. Identificação do Projeto 1.1. Instituição de ensino proponente, com a respectiva identificação 1.2. Título do Projeto/Objeto

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO

PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Alunos Apresentadores:Aline Inhoato; Rafhaela Bueno de Lourenço; João Vitor Barcelos Professor Orientador: Mario Ubaldo Ortiz Barcelos -Email: muobubaldo@gmail.com

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA DINIZ, Diana Costa 1 ; CAVALCANTI, Cacilda Rodrigues 2 ; COUTINHO, Adelaide Ferreira 3 ; MACÊDO, Marinalva Sousa 4 ; NASCIMENTO, Cristiane

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

PLANO 24 horas (Etapa V)

PLANO 24 horas (Etapa V) PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO MEC / FNDE GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PROEX NÚCLEO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS

CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS O Território da Transamazônica O Papel da Fundação Viver, Produzir e Preservar NOSSA MISSÃO: Contribuir para as Políticas

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Andréa Pereira de Souza Gestora da Formação Permanente na Secretaria Municipal de Educação do município de Mogi das Cruzes. Cintia

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ Eliangela Palharini de Carvalho (Discente Licenciatura em Ciências Naturais UFFS Realeza/PR Bolsista extensão

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais