PROJETO DE PESQUISA. Centro Universitário de Brasília

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE PESQUISA. Centro Universitário de Brasília"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM PSICOLOGIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE PSICOLOGIA PROJETO DE PESQUISA I Identificação do Projeto 1. Nome: A Síndrome de Asperger: sujeito e linguagem 2. Grupo de Pesquisa: Estudos Discursivos CNPq 3. Linha de Pesquisa: Subjetividade e Linguagem 4. Áreas de Conhecimento: Lingüística e Psicologia 5. Instituições em parceria: Universidade Católica de Brasília 6. Coordenadoras: Centro Universitário de Brasília Pela UCB : Dra. Mariza Vieira da Silva SQN 203 Bloco I Apto Brasília/DF Fone: (61) / Pelo CEUB: Msc. Simone Roballo SHCGN 708 Bloco P Apto Brasília/DF Fone: (61) Equipe 2 Bolsistas de Iniciação Científica do Curso de Psicologia da UCB 2 Bolsistas de Iniciação Científica do Curso de Psicologia do CEUB 8. Duração: 12 meses 9. Vigência: 01/08/2002 a 01/08/2003

2 2 II Detalhamento do Projeto 1. Justificativa Este projeto integra o Grupo de Pesquisa Estudos Discursivos, criado no CNPq em 1999, vinculado a Universidade Católica de Brasília - UCB, com o objetivo de trabalhar a discursividade em seu real contraditório, envolvendo diferentes áreas do conhecimento e tendo a língua como base para a compreensão dos processos discursivos que estruturam e organizam a sociedade brasileira. Objetiva, ainda, a construção de múltiplos dispositivos de leitura e de interpretação de textos que trabalhem o discurso como efeito de sentidos entre locutores. Do trabalho que vimos realizando no Mestrado em Psicologia da UCB, articulando o lingüístico e o psicológico, nasceu uma linha de pesquisa denominada Subjetividade e Linguagem, que visa compreender o processo de constituição do sujeito enquanto sujeito de linguagem e do discurso, bem como compreender os processos de subjetivação, marcados pela ação do Estado e de suas instituições, observando os sentidos possíveis que estão em jogo em uma posição-sujeito dada. Assim, este projeto dá continuidade a uma dissertação de mestrado O outro lado da Síndrome de Asperger -, defendida em novembro de 2001, no Mestrado em Psicologia da Universidade Católica de Brasília. Neste trabalho, buscou-se a compreensão da constituição do sujeito com Síndrome de Asperger, com ênfase nas questões de linguagem, observadas na prática clínica e tratadas na revisão bibliográfica, tendo como referencial teórico e metodológico a Análise de Discurso da escola francesa, o que possibilitou um entendimento específico do funcionamento da linguagem do indivíduo não apenas como transmissão de informações, mas como um complexo processo de constituição do sujeito em formações discursivas determinadas. Neste sentido, as chamadas faltas ou dificuldades do sujeito com SA adquiriram outros significados e certas noções genéricas e indeterminadas foram ganhando uma determinação e uma especificidade próprias. Trabalhando com os conceitos da Análise de Discurso, inúmeras questões foram emergindo em relação a própria posição-psicólogo e aos conceitos da Psicologia enquanto ciência, levando a realização de um trabalho de des-construção e compreensão do funcionamento discursivo do campo disciplinar da Psicologia e, conseqüentemente, da

3 3 concepção de deficiência daí decorrente, bem como de tomada de consciência das contradições existentes nos conceitos de normal e anormal. A partir da análise discursiva do processo de constituição da subjetividade das crianças com Síndrome de Asperger, através dos discursos da e sobre a síndrome, pôde-se apreender e compreender que se trata de uma constituição específica e, portanto, de um indivíduo que apresenta uma forma própria de interação social e verbal, que merecia ter sua compreensão ampliada. Delineando o nosso problema de pesquisa atual: a constituição do sujeito com Síndrome de Asperger. Este projeto visa, assim, buscar esta compreensão ampliada de uma forma de individuação, através da descrição-análise-interpretação da linguagem das crianças com Síndrome de Asperger, em um espaço-tempo histórico determinado, observando o seu funcionamento e apreendendo suas regularidades e/ou sistematicidades. No discurso de um sujeito nomeado como portador de déficits e falhas, vamos encontrar manifestações de rupturas de uma organização psicológica e social, que nos remete a uma ordem significante em que o simbólico e o político se articulam. Pensamos que há uma sobredeterminação do discurso da Psicologia sobre a criança que silencia esse sujeito, que homogeiniza o modo de significar essa criança e dela se significar. Nosso objetivo é, pois, atravessar o empírico e o imaginário dessas discursividades presentes na linguagem desse sujeito, para compreender a ordem do discurso do sujeito com SA. Acreditamos, assim, estar criando condições para inaugurarmos essa linha de pesquisa do Grupo de Estudos Discursivos, sobre as relações entre linguagem e sujeito, na área denominada psicologia do desenvolvimento, trabalhando assim de forma bastante produtiva a interdisciplinaridade. Pensamos, ainda, que esta parceria poderá ser um momento importante para estimular e fomentar o intercâmbio e a cooperação entre instituições locais, bem como fortalecer os cursos e programas de Letras e de Psicologia a elas afetos. 2. O problema No trabalho de dissertação, procedeu-se a uma revisão bibliográfica que norteou e continuará a nos nortear nesta pesquisa, devidamente acrescidos de outras fontes, que se apresentarem como pertinentes, e que passamos a apresentar.

4 4 O Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais - DSM IV (1995) da Associação Psiquiátrica Americana (APA), em sua 4 a. edição, e o Código Internacional de Doenças - CID 10 (1993) da Organização Mundial de Saúde (OMS), em sua 10 a. edição, trazem a caracterização mais recente da Síndrome de Asperger e, atualmente, as diretrizes diagnósticas propostas ali são as mais utilizadas para se fechar o diagnóstico da referida síndrome, por serem considerados os manuais oficiais de classificação das doenças. As crianças que deverão participar desta pesquisa, foram diagnosticadas com Síndrome de Asperger (SA), com base nos critérios deste DSM IV (1995), que as classifica dentro dos Transtornos Invasivos do Desenvolvimento (TID), caracterizando este transtorno da seguinte forma: Os Transtornos Invasivos de Desenvolvimento caracterizam-se por prejuízo severo e invasivo em diversas áreas do desenvolvimento: habilidades de interação social recíproca, habilidades de comunicação, ou presença de comportamentos, interesses e atividades estereotipados. Os prejuízos qualitativos que definem essas condições representam um desvio acentuado em relação ao nível de desenvolvimento ou idade mental do indivíduo. (:65). E quanto ao Transtorno de Asperger aponta:... as características essenciais do Transtorno de Asperger são: prejuízo severo e persistente na interação social, desenvolvimento de padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesse e atividades. A perturbação deve causar prejuízo significativo nas áreas social, ocupacional ou outras áreas importantes de funcionamento. (:74). O DSM IV (1995) diferencia o Transtorno de Asperger do Transtorno Autista por considerar que o primeiro não apresenta atrasos clinicamente significativos na linguagem, isto é, as palavras e frases com função comunicativa aparecem na idade adequada de desenvolvimento, além de não existir no portador de SA atrasos clinicamente significativos de desenvolvimento cognitivo, de comportamento adaptativo, de habilidades de auto-ajuda e da curiosidade a cerca do ambiente. Ainda no DSM IV (1995), encontraremos considerações a respeito do curso da SA como contínuo e de duração vitalícia. Essa síndrome pode ser identificada mais tarde que o transtorno autista, geralmente no período escolar, em cujo contexto a dificuldade na interação social e os interesses idiossincráticos são mais manifestos. Atrasos motores e

5 5 falta de destreza também são citados na identificação da síndrome. Quanto à etiologia, não existe referência a mesma no DSM IV, por não ter sido comprovado empiricamente a causa básica dos TIDs, por não terem conseguido, ainda, identificar um marcador biológico específico e comum a todos os casos. No entanto, vários artigos estão sendo publicados com a compreensão de que fatores biológicos estão implicados na sua etiologia. O pensamento vigente é o da multicausalidade. Em alguns casos há também um forte componente genético, que parece ser mais comum no SA que no autismo clássico. O DSM IV (1995) traz como critérios diagnósticos para o Transtorno de Asperger: A. Prejuízo qualitativo na interação social, manifestado por pelo menos dois dos seguintes critérios: (1) prejuízo acentuado no uso de múltiplos comportamentos não-verbais, tais como contato visual direto, expressão facial, posturas corporais e gestos para regular a interação social (2) fracasso para desenvolver relacionamentos apropriados ao nível de desenvolvimento com seus pares (3) ausência de tentativa espontânea de compartilhar prazer, interesses ou realizações com outras pessoas (por ex., deixar de mostrar, trazer ou apontar objetos de interesse a outras pessoas) (4) falta de reciprocidade social ou emocional. B. Padrões restritos, repetitivos e estereotipados de comportamento, interesses e atividades, manifestados por pelo menos um dos seguintes quesitos: (1) insistente preocupação com um ou mais padrões estereotipados e restritos de interesses, anormal em intensidade ou foco (2) adesão aparentemente inflexível a rotinas e rituais específicos e não funcionais (3) maneirismos motores estereotipados e repetitivos (por ex., dar pancadinhas ou torcer as mãos ou dedos, ou movimentos complexos de todo o corpo) (4) insistente preocupação com partes de objetos. C. A perturbação causa prejuízo clinicamente significativo nas áreas social e ocupacional ou outras áreas importantes de funcionamento. D. Não existe um atraso geral clinicamente significativo na linguagem (por ex., palavras isoladas são usadas aos 2 anos, frases comunicativas são usadas aos 3 anos). E. Não existe um atraso clinicamente significativo no desenvolvimento cognitivo ou no desenvolvimento de habilidades de auto-ajuda apropriadas à idade, comportamento adaptativo (outro que não na interação social) e curiosidade a cerca do ambiente na infância.

6 6 F.Não são satisfeitos os critérios para um outro Transtorno Invasivo do Desenvolvimento ou Esquizofrenia. (:76) Quase oficialmente, diríamos, são estes os parâmetros para o diagnóstico e classificação de crianças com Transtorno de Asperger. Muitos trabalhos, contudo, vêm sendo desenvolvidos desde 1944, quando Hans Asperger descreveu a síndrome pela primeira vez. Podemos, assim, considerar como um marco de referência a década de 40, quando Kanner descreveu, em 1943, onze crianças com um quadro único de desordem mental severa. Suas colocações trouxeram referenciais importantes para o quadro de desordens mentais infantis, pois apresentavam, como critérios, distorções no processo de desenvolvimento não mais baseados nas psicoses do adulto. Nessa ocasião, ele denominou essa patologia distúrbio autístico do contato afetivo, onde as características principais eram incapacidade para relacionamentos com pessoas e obsessiva insistência em permanecer na mesmice. Kanner chegou a inferir que essas crianças tinham uma incapacidade inata para fazer contato afetivo normal com pessoas - um dado biológico - assim como outras crianças chegam ao mundo com deficiências físicas ou intelectuais inatas (em Araújo, 1997). Mais tarde, substituiu-se a denominação do quadro por autismo infantil precoce. Um ano depois, independentemente de Kanner, um pediatra vienense, Hans Asperger descreveu quatro casos que denominou de patologia autística da infância e esboçou como principais características, segundo Bowler (1992). As crianças e adolescentes descritos por ele tinham aparência normal, mas tinham distintos prejuízos de fala e de comunicação não-verbal, bem como de habilidades interpessoais e sociais. Sua fala, embora surgisse numa idade adequada e apresentasse sintaxe normal, era caracterizada por inversão pronominal, especialmente em crianças mais jovens. Embora houvesse alguma ecolalia, a principal característica da linguagem dos casos de Asperger era o uso do pedantismo e às vezes se envolvia com estilo de fala literal ou concreta. Aspectos não-verbais da comunicação, tais como uso de gestos espontâneos e expressões faciais estavam ausentes, exagerados ou usados inapropriadamente. Nos testes de inteligência obtiveram resultados medianos e a performance em testes de memória foi melhor. Alguns tinham desenvolvido interesses específicos.(...) Mas a principal anormalidade notada por Asperger foi os comportamentos sociais ingênuos e peculiares, sugerindo que eles tinham perda de qualquer

7 7 conhecimento intuitivo de como se comportar em situações sociais. Apesar de se retirarem ou evitarem situações sociais, seus pacientes eram capazes de interagir com outras pessoas, mas somente de maneira estranha, parcial e na qual demonstravam quase uma completa falta de compreensão de regras que governam interações sociais. (:877 e 878). A literatura pesquisada revela que, por volta dos anos 50, Asperger reconheceu a similaridade de seus casos com os de Kanner, muito embora em 1979 tenha reconhecido também serem tipos basicamente diferentes. Por outro lado, Kanner mesmo tendo acesso a trabalhos com crianças que apresentavam traços similares à patologia autística de Asperger, não mencionou o trabalho deste último. Apesar de, mesmo no início dos anos 40, Asperger já ter apontado características da síndrome que a diferenciavam do autismo, descrito originalmente por Kanner, somente em 1981, Lorna Wing fez a primeira descrição sistemática do quadro que recebeu o nome de Síndrome de Asperger. Wing estudou 34 casos, na Inglaterra, e encontrou em sua amostra, complementando as características descritas por Asperger, o que chamou de ausência de jogo simbólico e ausência de atenção dirigida. Desde a publicação de Asperger em 1944 até o início dos anos 80, ou seja, durante quase 40 anos, somente 4 publicações foram feitas referindo-se à patologia autística da infância, com exceção dos próprios artigos de Asperger (Gillberg, 1998). Entendemos que a descoberta de Asperger não teve repercussão nem reconhecimento da comunidade científica até essa época e, basicamente, quase todas as crianças com traços similares eram diagnosticadas como pertencendo ao quadro do autismo infantil de Kanner. Apesar de existir, atualmente, um diagnóstico oficial, diríamos, para a Síndrome de Asperger, os artigos recentemente publicados ainda apresentam ambigüidade e confusão nos critérios diagnósticos, bem como no uso da nomenclatura. Consideramos importante fazermos uma breve revisão destes estudos, o que redundará na apresentação de diversos pontos de vista, que dão ênfase a um ou outro aspecto da síndrome, sendo que muitas vezes ou quase sempre - esse embate vai estar centrado principalmente no aspecto da linguagem dos portadores da SA. Segundo Bowler (1992), embora houvesse diferenças marcantes entre os casos descritos por Kanner e os casos descritos por Asperger e Wing, as características encontradas em ambos os casos sugeriam uma compreensão comum da patologia. Por essa

8 8 razão, Wing e Gould, em 1979, desenvolveram o termo continuum autístico, argumentando que indivíduos autistas podem exibir vários níveis de prejuízos, em diferentes dimensões, do funcionamento psicológico, porém todos demonstram alterações no que se refere à interação social recíproca. O quadro clínico será determinado pelo grau do prejuízo e pela forma particular das funções prejudicadas. A idéia de continuum implica que a Síndrome de Asperger e o Autismo clássico representam subclasses de uma larga população com prejuízos de interação social. Como os enfoques atuais dos diagnósticos se prendem a idéia de desenvolvimento, ou seja, o importante é reconhecer os efeitos desses transtornos nas etapas do desenvolvimento, a revisão da 3 a. edição do DSM (1980) introduziu o termo Pervasive Developmental Disorders para designar as subcategorias de transtornos que apresentam prejuízo na qualidade da interação social e nas habilidades de comunicação verbal e não-verbal. Em nossa tradução oficial, CID 10 (OMS, 1993), esse termo foi traduzido por Transtornos Invasivos do Desenvolvimento. O Transtorno de Asperger é citado como subcategoria desta classificação. Alguns autores, como Gillberg (em Cox, 1991) e Wing criticam esse termo pervasive por considerarem que as desordens incluídas nesta categoria são especificas e/ou parciais, ao invés de penetrantes, e preferem o termo continuum autístico, pois este sugere uma variação de graus de habilidades nas áreas de interação e comunicação social, que vai de indivíduos com incapacidades mais severas a indivíduos mais capazes, com um mínimo de deficiência, podendo ser considerados, então, como indivíduos estranhos ou bizarros. Gillberg & Gillberg (1989), em um artigo em que tece algumas considerações epidemiológicas sobre a SA, sugeriram um esquema para explica as desordens do espectro autista, onde crianças com retardo mental estariam no extremo final (deficiências extremas), seguidas pelo autismo de Kanner estando as crianças com SA na porção média - e, no outro extremo, representado por menor comprometimento, as crianças descritas por Gillberg com déficit de atenção, de controle motor e de percepção (DAMP). Gostaríamos de chamar atenção, nesse momento, para a proximidade entre os limites definidores da Síndrome de Asperger e os transtornos da atenção e da percepção. Estudos neuropsicológicos de Ehlers e cols. (1997) têm demonstrado que crianças com Síndrome de Asperger apresentam déficits de execução o que os levam a inferir acerca de

9 9 disfunções no lobo pré-frontal, característica também presente em outras síndromes associadas com déficits de atenção. Ehlers e cols.(1997) afirmam que crianças com SA geralmente apresentam como problemas associados dificuldades de atenção. Concluem que a Síndrome de Asperger, aparentemente, apresenta algumas disfunções neuropsicológicas pertencente tanto ao quadro do Autismo como ao do Transtorno de Déficit da Atenção e Hiperatividade (TDAH). Entretanto, para outros autores, esta idéia de continuum favorece o estabelecimento de uma confusão na diferenciação entre os diagnósticos de Autismo clássico, definido por Kanner, e a Síndrome de Asperger. Uma similaridade que gera pontos de vistas divergentes no diagnóstico da Síndrome de Asperger é o Autismo de Alto-funcionamento. Elizabeth Newson, já em 1970, referiu-se a pessoas autistas mais capazes e, a partir da década de 80, surgiu o termo Autismo de Alto-funcionamento (HFA) para designar indivíduos autistas com bom potencial cognitivo. Alguns autores questionam se a SA apresenta características clínicas diferentes o bastante para receber uma outra nomenclatura ou se é fenomenologicamente a mesma de HFA. Gillberg (1998), por exemplo, considera que em um determinado momento uma pessoa pode ser considerada autista e em outro momento asperginiana. Para ele, existem algumas limitações que dificultam o estabelecimento dessa diferença entre SA e HFA pois: 1) não existem critérios bem definidos para o Autismo de Alto-funcionamento; 2) pouco se conhece acerca do prognóstico e dos tratamentos apropriados à Síndrome de Asperger e ao Autismo de Alto-funcionamento. Gillberg ainda concebe que indivíduos com a Síndrome de Asperger podem ter mais habilidades que os Autistas de Alto-funcionamento e levanta alguns pontos importantes para estabelecer e marcar diferenças entre eles: 1. os problemas de coordenação motora são mais freqüentes em SA, mesmo não sendo um pré-requisito para se fechar o diagnóstico; 2. a Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que os critérios definidores da SA não são compatíveis com retardo geral; 3. a questão diagnóstica mais difícil relaciona-se ao desenvolvimento da linguagem. O CID 10 (1993) e o DSM IV (1995) relatam que não há sinais de retardo ou anormalidades na linguagem inicial dos portadores da SA, e não se referem ao desenvolvimento posterior da fala nem a problemas de linguagem. No entanto, Gillberg (1998) propõe que algumas peculiaridades da fala e da linguagem têm estado

10 10 presentes nos portadores de SA. Os primeiros casos descritos por Gillberg apresentaram atrasos de fala e linguagem. Ele próprio considera que esse critério talvez seja difícil de determinar pois, os casos de SA são acompanhados por especialistas, geralmente, só a partir dos 7 anos de idade, quando as crianças entram na escola, e aí só se dispõe dos pais para informar se houve ou não atraso de linguagem ou anormalidades; 4. tanto o HFA como a SA afetam mais meninos que meninas e ambos são mais comuns do que se acredita, sendo a Síndrome de Asperger cinco vezes mais comum que o Autismo. Temos outra vertente, a representada por Rutter, Baron-Cohen, Frith, Boucher e Happé (em Araújo, 1997), que explica o autismo através do que denominam "teoria cognitiva", em que procuram demonstrar que há uma relação entre o déficit cognitivo e o déficit primário no Autismo, o que levaria a dizer que as anormalidades sociais poderiam ter suas origens no déficit cognitivo. Esses autores, citados por Araújo, compartilham da idéia de que os autistas teriam um déficit cognitivo específico que impediriam o desenvolvimento da teoria da mente. Teoria da mente é a capacidade do indivíduo em atribuir estados mentais a outros, o que seria uma meta-representação ou representação secundária. Segundo Araújo: Baron-Cohen (1991) ressaltou que o autismo altera a meta-representação requerida nos padrões sociais. (...) Isto transforma a capacidade para desenvolver o faz-de-conta, o jogo simbólico e a criatividade e originalidade, alterando também a adaptação pragmática do mundo. Para ele, os déficits sociais e os déficits pragmáticos estão associados, uma vez que o pragmatismo é parte da competência social. (:3 - grifo nosso) Contudo, outros autores da teoria cognitiva, como Ozonoff, Rogers e Pennington (1991), mostram que os prejuízos cognitivos não são encontrados em todos os indivíduos do continuum autístico como na Síndrome de Asperger, por exemplo. Desta forma diferenciam o HFA e a SA, através de evidências empíricas, em termos de medidas neuropsicológicas que são independentes dos critérios diagnósticos, e questionam a primazia da falta de uma teoria da mente como déficit primário no autismo. Bowler (1992) diferencia autistas de Auto-Funcionamento de crianças com Síndrome de Asperger, dizendo que essas últimas têm mais habilidades de resolver tarefas

11 11 da teoria da mente e de memória verbal. Os partidários desta teoria afirmam que as pessoas com Síndrome de Asperger, por possuírem uma boa habilidade cognitiva, têm conseguido contornar sua falta de conhecimento intuitivo e passado nos testes da teoria da mente (atribuir estados emocionais aos outro), porém esses indivíduos teriam dificuldades na aplicação destes conhecimentos para a vida real. Tais pesquisadores argumentam que as pessoas com SA usam processos cognitivos para resolverem problemas que são, geralmente, tratados como sendo dos domínios afetivos e emocionais. Com isso os portadores de SA apresentariam soluções corretas para os problemas que requerem teoria da mente, mas fazendo-o por caminhos por eles considerados lentos e incômodos, fazendo com que os portadores da SA pareçam estranhos em interações sociais do cotidiano. Concluem que a relação entre habilidades cognitivas e os prejuízos sociais nos indivíduos com SA não é uma relação direta, que os prejuízos sociais são muito mais uma inabilidade da função executiva, isto é, da aplicabilidade do conhecimento para a solução de problemas de vida real, do que ausência de conhecimento. Para esses autores, o déficit primário do continuum autístico não seria a teoria da mente, ou seja, a capacidade para mentalizar, mas o uso da capacidade, a aplicação do conhecimento uma função executiva. Porém não descartaram o déficit de mentalização na justificativa da tríade de sintomas autistas. Diferenciaram os portadores de HFA e os de SA, afirmando que crianças autistas teriam dificuldades em três áreas: na força organizadora coesiva central, ou seja, capacidade para levar em conta o contexto; na função executiva e na percepção emocional de si próprio e dos outros, enquanto as crianças SA evidenciariam mais problemas na função denominada executiva. Baseados nessas diferenças, esses autores sugeriram a hipótese de uma disfunção no córtex pré-frontal responsável por esses déficits. Diante do exposto, Araújo (1997) acrescenta que estudar quadros com distúrbio abrangente do desenvolvimento, mas com a inteligência preservada, como é o caso da Síndrome de Asperger, permite compreender a estruturação de uma outra forma de mente, diferente, e não necessariamente patológica. Para este autor, as crianças com SA mostram uma alteração nos padrões básicos da espécie humana, em relação à reatividade e à interação mediante códigos, tendo por conseqüência um funcionamento mental estruturado em outras bases, e desenvolvendo uma forma de estar no mundo e de se adaptar a ele por manobras compensatórias. Essas manobras são formas atípicas de perceber a realidade e de se relacionar com ela, são compensações adaptativas conseguidas com sofrimento.

12 12 Para Araújo (1997), apesar da adequação dos portadores de SA às normas sociais, eles sempre passam uma certa estranheza em seus comportamentos e cita Van Krevelen (1971) que diz que essas crianças com inteligência preservada vivem no nosso mundo à maneira deles e para isso servem-se de manobras compensatórias, que não são mecanismo de defesa. Araújo aponta algumas manobras que seriam: o mundo interpessoal das experiências sociais regulado por intenções é transformado em um mundo de eventos causais; o aprendizado das normas sociais leva a rigidez na adaptação; a previsibilidade, isto é, a antecipação das situações a serem vividas é utilizada para controlar a ansiedade. Araújo (1997) finaliza seu artigo interrogando-se sobre as possibilidades de ajudá-los, sobre como compreendê-los na sua tarefa de se adaptarem ao mundo, questões também postas por nós nesta dissertação e na prática da clínica. Um outro aspecto, apontado inclusive pelo DSM IV (1995) como marco diferenciador entre Autismo de Alto-funcionamento e Síndrome de Asperger, e que compõe o principal interesse deste estudo, é o desenvolvimento da linguagem e da constituição do sujeito e do sentido que aí acontece. A presença de atraso de linguagem inicial indicaria o Autismo, enquanto que, a classificação oficial da SA caracteriza-a por não apresentar este atraso. Tal afirmação e os critérios concernentes a prejuízos de comunicação são apresentados na literatura, de forma controvertida e, parece-me, de forma inconsistente. Em sua descrição original, Hans Asperger (em Eisenmajer e cols, 1998), já apontava problemas de comunicação tais como: questionamentos repetitivos, fala pedante, uso de neologismos, déficit da linguagem atualmente denominada de pragmática, e não acreditava que seus pacientes apresentassem atraso da linguagem adquirida inicialmente. Entretanto, Gillberg (1998) usa o atraso do desenvolvimento da linguagem e prejuízos leves a moderados da linguagem compreensiva, apesar de apresentarem uma linguagem expressiva superficialmente perfeita, como critério diagnóstico da Síndrome de Asperger. Nos critérios da Síndrome de Asperger descritos por Gillberg, em relação à linguagem ele aponta: Problemas de fala e de linguagem se apresentam como: a) atraso de desenvolvimento da linguagem comparado com o desenvolvimento de linguagem social de crianças normais; b) linguagem expressiva superficialmente perfeita com uma forte tendência a tornar-se formal e pedante e usualmente monótona, prosódia diferenciada e c) prejuízos leves

13 13 a moderados da linguagem compreensiva com a interpretação tendendo ao concreto contra um desempenho muito melhor da linguagem expressiva. (:203) Esses critérios de Gillberg (1998) contribuíram ainda mais para obscurecer o estabelecimento das diferenças entre Autismo de Alto-funcionamento e Síndrome de Asperger. Szartmari e cols. (1995) realizaram um dos primeiros estudos para distinguir e classificar as crianças entre autista e portadora da Síndrome de Asperger com base nos critérios de atraso e de desvios do desenvolvimento da linguagem. Os resultados encontrados demonstraram que as crianças autistas apresentavam mais prejuízos que as crianças SA em relação aos seguintes aspectos: comportamentos sociais, isto é, perda de intencionalidade social, de reciprocidade social, de afetividade, procura de conforto, comportamentos de saudação; presença maior de comportamentos estereotipados, ou seja, ritualísticos e resistência à mudança; pior desempenho nos testes de linguagem. Estes autores sugeriram que o critério de desvios e atraso de linguagem poderia ser um diferenciador dos subgrupos dos Transtornos Invasivos do Desenvolvimento, porém recomendaram a necessidade de realização de estudos com crianças mais velhas. (em Eisenmajer e cols. (1998). Em seguida, Eisenmajer e cols. (1998) desenvolveram um estudo para verificar esta conclusão a que haviam chegado, (o uso do critério de atraso de linguagem como validade discriminatória entre os subgrupos dos TIDs) e descobriram que esse atraso também está associado a um atraso global do desenvolvimento, tornando possível predizer a sintomatologia numa idade mais jovem, mas não numa idade mais avançada. É possível que os atrasos permaneçam em forma de habilidades de linguagem receptiva mais fracas comparadas às das crianças que não experenciaram um atraso na linguagem inicial, afirma essa vertente teórica. A Teoria da Mente, como já foi mencionado, é utilizada por alguns autores para explicar as deficiências apresentadas pelas crianças que fazem parte do continuum autístico, (inclusive as crianças com Síndrome de Asperger) e explica pelo mesmo princípio os problemas da linguagem: como derivados de um déficit cognitivo específico na habilidade de atribuir estados mentais a outros, isto é, do que denominam mentalizar. De acordo com esta abordagem, pressupõe-se que, para que se produza uma comunicação

14 14 humana normal é necessário o reconhecimento das intenções do emissor no ato da comunicação, quando se usa a forma literal e/ou a figurativa. Wing, Frith e Tantan (1991) colocam que o sujeito com SA apresentaria uma inabilidade para usar o contexto social, teriam dificuldades em manter diálogos e prosseguir coerentemente com o tema (em Pastorello, 1996). Happé (1991) considera que as pessoas com SA teriam dificuldades com a teoria de relevância: não conseguiriam calcular o que é relevante nos diálogos, mudando o foco da atenção e observação, bem como inferir as intenções do outro. Segundo Happé as idiossincrasias, os mal-entendidos e a incoerência são resultantes do cálculo de relevância que esses sujeitos realizam por analogias, ou seja, como apresentam excelente capacidade de memória associam a situação atual a situações já vivenciadas (em Pastorello, 1996). Scheuer (em Pastorello, 1996), à luz da teoria da mente, relata que as crianças SA atêm-se aos aspectos estruturais e de organização do discurso e por isso têm dificuldades em interpretar e fazer inferências. Assinala, ainda, que essas crianças, pelas dificuldades interpretativas, evitam o confronto com situações de comunicação que não sabem lidar, utilizando estratégias de defesa. Segundo Happé (1994), quando a linguagem é utilizada como código não haverá impedimentos para que a comunicação se efetue, porém, quando a linguagem é usada como expressão dos pensamentos do falante ou como expressão de significados, o indivíduo autista pode demonstrar prejuízos específicos (em Araújo, 1997). Todos os autores, na literatura sobre a Síndrome de Asperger, constatam alterações, diferenças em relação a um padrão diríamos, na linguagem do portador da síndrome, porém discordam quanto à posição que essas alterações ocupam no transtorno. Szatmari (1991), Cox (1991) e Wolf (1990) colocam que tais alterações são um sintoma, caracterizam o quadro. Wing (1991) e Bishop (1989) consideram-nas como elementos definidores, ou seja, consideram essas alterações de linguagem como sendo eletivas e determinantes da síndrome. Happé (1991) aponta esses elementos como responsáveis pela patologia (em Pastorello, 1996). Este contato com a literatura específica sobre o nosso tema de trabalho traz inúmeros questionamentos pela imprecisão e ambigüidade dos conceitos propostos enquanto critérios para o estabelecimento do próprio diagnóstico e, conseqüentemente,

15 15 para a caracterização e representação do sujeito-sa - uma subjetividade específica -, sinalizando para a necessidade de se proceder a uma análise dos mesmos. Esses trabalhos reafirmam o nosso interesse em pensar e compreender a estrutura e o funcionamento da linguagem e das línguas, a relação entre práticas científicas e práticas sociais e políticas, como são as práticas pedagógicas e as terapêuticas, a relação do sujeito com o texto que produz em instituições determinadas historicamente como são a escola e a clínica, os diferentes modos como o sujeito se inscreve no texto que produz. Nosso objetivo é o de compreender o estabelecimento e a transformação de uma forma de individualização do sujeito em relação à sociedade, ao Estado, produzindo diferentes efeitos nos processos de identificação: o do sujeito-sa. Pensamos ver no tema da subjetividade, como diz Orlandi (1999: 17), o acontecimento do significante no homem que possibilita o deslocamento heurístico da noção de homem para a de sujeito. 3. Referencial Teórico-Metodológico Neste projeto, trabalhamos sob o crivo teórico da Análise de Discurso (AD), fundada na década de 60 na França, com os trabalhos de Michel Pêcheux. A AD é um dispositivo teórico e um instrumento de análise para interpretar textos, em que as palavras não são tomadas como significando por si mesmas, mas pelas posições que ocupam as pessoas que as falam, sendo a naturalidade dos sentidos construída histórica e ideologicamente. A AD surge como crítica à Análise de Conteúdo, principal método de análise de textos utilizado pela Psicologia Social, principalmente na forma de conceber as noções de linguagem, de sujeito e de sentido. Ela surge de uma preocupação em produzir mudanças nas práticas das Ciências Sociais e de significar a linguagem de uma maneira particular, teorizando a relação do lingüístico com uma exterioridade. Pêcheux para construir esse instrumento articula três áreas de conhecimento: a do Materialismo Histórico, a da Lingüística e a da Psicanálise. Na revisão bibliográfica feita, pudemos observar que a linguagem é vista como transparente, a língua como um código - um sistema fechado de signos, autônomo e completo -, o texto como uma unidade significativa que para ter coerência necessita apresentar um começo, meio e fim, o sentido como conteúdo e o sujeito como consciente e

16 16 intencional capaz de codificar e decodificar uma mensagem, e controlá-la, durante todo o processo de interlocução. E a AD é uma teoria e um instrumento que nos possibilitará questionar tais conceitos. A Análise de Discurso mostra que existe uma opacidade na linguagem que não permite o seu controle por um sujeito cognoscente e intencional, assim como não há uma relação palavra-coisa, pois sempre há a mediação da linguagem, que é simbólica, e do discurso que não é sinônimo de fala, mas objeto teórico produzido a partir de hipóteses histórico-sociais. Discurso que é efeito de sentido entre locutores e parte do funcionamento geral de uma sociedade dada. Discurso é uma construção teórica, um objeto de estudo cuja especificidade está em que sua materialidade é lingüística. A linguagem, neste contexto, é tomada como prática, não é um mero instrumento de comunicação, mas mediação entre o homem e a realidade objetiva, produção social, trabalho simbólico. É a ação que transforma, que constitui identidades. No funcionamento da linguagem não se dá apenas transmissão de informações, mas um complexo processo de constituição de sujeitos e de produção de sentidos, colocando em relação sujeitos e sentidos afetados pela língua e pela história, o que nos permite pensar de um outro lugar teórico a linguagem das crianças portadoras da Síndrome de Asperger. São processos de identificação do sujeito, de argumentação, de subjetivação, de construção da realidade etc. A linguagem serve para comunicar e para não comunicar. As relações de linguagem são relações de sujeitos e de sentidos e seus efeitos são múltiplos e variados. (Orlandi,1999b: 21). Essa noção de discurso defendida pela AD diferencia-se muito do esquema informacional adotado pela maioria dos autores da área de saúde mental para caracterizar a linguagem dos portadores da Síndrome de Asperger como deficiente e sem sentido. O conceito de comunicação adotado nos trabalhos resenhados refere-se a uma transmissão de informação, a uma passagem de um sentido único, o poderia ser representado da seguinte maneira: um emissor envia uma mensagem ao receptor, sendo esses sujeitos caraterizados como presenças físicas, cognoscentes e intencionais, ou seja, pessoas que controlam plenamente o que está sendo dito e ouvido, pressupondo a linguagem enquanto instrumento pronto e acabado, ficando as incompreensões por conta de eventuais "ruídos". E, finalmente, para que se

17 17 estabeleça a comunicação é necessário que a mensagem enviada se refira a um código comum - algo pronto e acabado - e que requeira um contato entre eles. Para a AD, a noção de comunicação é uma ideologia cuja função nas ciências Humanas e Sociais é negar ou apagar o político no sentido de transformar as diferenças e as contradições de uma sociedade de classes em problemas de comunicação, de adequação a situações lingüísticas. A linguagem serve tanto para comunicar como para não comunicar. Para Pêcheux considerar que a linguagem tem apenas uma função de comunicação, mesmo que isso seja feito de forma muito complexa e elaborada, é reduzir o homem e a sociedade humana aos mesmos princípios dos animais, pois, mesmo não possuindo uma linguagem como os humanos, os animais também se comunicam. Temos, neste conceito, a naturalização das relações sociais determinadas historicamente em uma sociedade dada. E é sob a forma do discurso que estão apagadas as dissimetrias e as dissimilaridades entre os agentes do sistema de produção, o que não acontece de forma explícita, mas pelo viés da comunicação que pressupõe-impõe sempre um único sentido, a ser transportado de um indivíduo para outro. O que precisa ser compreendido é como os agentes deste sistema reconhecem eles próprios seu lugar sem terem recebido formalmente uma ordem, ou mesmo sem 'saber' que têm um lugar definido no sistema de produção. Quando alguém se vê obrigado a ocupar um lugar dentro de um sistema de trabalho, este processo já se deu anteriormente; tal pessoa sabe, por exemplo que é um trabalhador e sabe o que tudo isto implica. O mesmo acontece quando alguém é, por exemplo juiz. O processo pelo qual os agentes são colocados em seu lugar é apagado... (Henry,1990:26) Uma outra noção cara a AD é a de condições de produção. As condições de produção englobam os sujeitos envolvidos no processo de interlocução, em um sentido restrito, o contexto de produção dos enunciados (eu/tu aqui agora) e, em um sentido mais amplo, incluem o contexto histórico, ideológico, pois os sentidos são historicamente construídos e a AD vai trabalhar com a relação da língua com a história. A noção de historicidade é crucial para a AD, possibilitando estabelecer uma relação da memória com o discurso, entre o dito e o já-dito e para tanto propõe a noção de interdiscurso, definindo-o como:

18 18... aquilo que fala antes, em outro lugar, independentemente. Ou seja, é o que chamamos memória discursiva: o saber discursivo que torna possível todo dizer e que retorna sob a forma do pré-construído, o já dito que está na base do dizível, sustentando cada tomada da palavra. O interdiscurso disponibiliza dizeres que afetam o modo como o sujeito significa em uma situação discursiva dada. (Orlandi, 1999b:31). A linguagem não é vista como origem, mas, sim, como algo exterior e maior que cada falante, exterioridade essa que vai definir a posição enunciativa do sujeito. Sujeito e indivíduo (biológico, empírico) não são, assim, termos intercambiáveis. Todo discurso remete a outro discurso, a uma exterioridade discursiva que afeta a textualidade, isto é, todo dizer é uma relação com outros dizeres não ditos e já-ditos uma memória do dizer. Ao falar de sujeito-sa estamos, pois, falando de um posição enunciativa, de um lugar social de fala e de escuta, de leitura e de escrita, construído historicamente, e onde as coisas já significam, já que temos uma língua funcionando porque a história intervém. O sujeito é, portanto, determinado, mas para agir, deve ter a ilusão de ser livre mesmo quando se submete. Para subjetivar-se o sujeito se submete a uma língua que já tem um funcionamento próprio e já significa quando o filho do homem se torna falante; se o indivíduo não se assujeitar à língua e à história ele não se constitui como sujeito, não produz sentido. Não há como não se ser sujeito. Como diz Orlandi (1999b, pág.18), a subjetivação é uma questão de qualidade, de natureza: não se é mais ou menos sujeito, não se é pouco ou muito subjetivado. O discurso tem como ponto fundamental à subjetividade, que é constituída a partir da materialidade do discurso. Subjetividade que resulta da polifonia de formações discursivas a que cada indivíduo, no processo de interpelação de entrada na rede de sentidos já existentes - se filia de forma histórica e inconsciente. E para tanto, Pêcheux trabalha com a noção de forma-sujeito: Todo indivíduo humano, isto é, social, só pode ser agente de uma prática se se revestir da forma-sujeito, que é a forma existência histórica de qualquer indivíduo, agente das práticas sociais.(1988:183) A noção de sujeito é, pois, histórica; o sujeito resulta de um processo discursivo histórico e inconsciente que é apagado, tornando-se este sujeito, então como causa de si e origem do seu dizer. O sujeito constitui-se, pois, pelo esquecimento daquilo que o

19 19 determina. Esquecimento que não significa perda de alguma coisa que se tenha sabido um dia, mas o acobertamento da causa do sujeito no próprio interior de seu efeito, e se apresenta sob duas formas que Pêcheux denomina de esquecimento nº 1 e esquecimento nº 2. O primeiro dá conta do fato de que o sujeito-falante não pode, por definição, se encontrar no exterior da formação discursiva que o domina (Pêcheux, 1988:173); trata-se de um esquecimento da instância do inconsciente e é ele que nos dá a ilusão de ser a origem do dizemos quando, na realidade, retomamos sentidos pré-existentes. Quanto ao segundo, diz respeito ao intradiscurso - a seqüência discursiva - e trata-se do esquecimento que produz em nós a impressão da realidade do pensamento - a ilusão referencial -, estabelecendo uma relação "natural" entre as palavras e as coisas. Essa entrada do indivíduo no simbólico, pela interpelação ideológica, se faz por sua inscrição em determinada formação discursiva referida às formações ideológicas e, portanto, esse assujeitamento, como afirma Silva (2000a), vai se dar de formas diferentes. Para Pêcheux, a formação discursiva é:... aquilo que, numa formação ideológica dada, isto é, a partir de uma posição dada numa conjuntura dada, determinado pelo estado da luta de classes, determina o que pode e deve ser dito (articulado sob a forma de uma arenga, de um sermão, de um panfleto, de uma exposição, de um programa, etc.). (1988:160) Pela referência à formação discursiva, é que, segundo Orlandi (1999b), podemos compreender dois pontos fundamentais para a AD: 1) as palavras não têm sentido nelas mesmas, seus sentidos derivam das formações discursivas, e no discurso as formações discursivas representariam as formações ideológicas, o que torna possível compreender que os sentidos são determinados ideologicamente; 2) palavras iguais podem ter sentidos diferentes, porque seus usos se dão em condições de produção diferentes e se inscrevem em formações discursivas diferentes. A noção de sentido é, pois, histórica, e a transparência dos sentidos que emanam de um texto é aparente, pois há mecanismos ideológicos em jogo. Para a AD, não há sujeito sem ideologia. Orlandi (1999a) afirma que a ideologia é a condição para a constituição do sujeito e dos sentidos, para o indivíduo produzir linguagem. A ideologia, em AD, é a condição para a relação do mundo com a linguagem, não é um conteúdo, mas o mecanismo de produzir sentidos que se apresentam como

20 20 evidentes, naturais, universais. A ideologia, assim, conceituada, marca, pois, a diferença da AD em relação à Análise de Conteúdo, uma vez que essa trata dos conteúdos da linguagem, dos conteúdos da ideologia, pressupondo uma linguagem transparente e uma distinção entre forma e conteúdo, sendo aquela apenas a forma, o meio para expressarmanifestar este que já se encontra posto em outro lugar, como no mundo das idéias. Interessa-nos, ao contrário, não os conteúdos das palavras, que seriam reconhecidos uma vez atravessada uma linguagem transparente, mas o funcionamento do discurso na produção dos sentidos, possibilitando o reconhecimento e a compreensão dos mecanismos ideológicos que o sustentam. Como diz Orlandi (1999a): Na figura da interpelação estão criticadas essas duas formas de evidência: a da constituição do sujeito e do sentido. Crítica feita pela teoria (materialista) do discurso à filosofia idealista da linguagem que se apresenta quer sob o modo do objetivismo abstrato (a língua como sistema neutro, abstrato), ou do subjetivismo idealista (o sujeito como centro e causa de si).(:9) Todo dito já é uma interpretação, pois filia-se a determinada(s) formação(s) discursiva(s). Compreender a interpretação, produzida e reproduzida nos enunciados, nos textos, é esclarecer a relação entre ideologia e inconsciente, tendo a língua como lugar onde isso se dá materialmente. Analisar discursividade num enunciado não é atribuir sentidos, é entender a opacidade do texto, explicitar como um sujeito simbólico produz sentidos, o que resulta saber que o sentido sempre pode ser outro. Devemos entender como os textos produzem sentidos e a ideologia será então percebida como o processo de produção de um imaginário, isto é, produção de uma interpretação particular que apareceria, como a interpretação necessária e que atribui sentidos fixos às palavras, em um contexto histórico dado. (Orlandi, 1998b:.65). Não temos como não interpretar. Isso significa que os enunciados da fala do sujeito-sa já estão interpretados, sendo o nosso desafio compreender as interpretações ali existentes, uma vez que diferentes formas de linguagem, com suas diferentes materialidades, significam de modos distintos. Os sentidos não são evidentes, fechados e prontos para serem utilizados, embora pareçam ser. A incompletude é constitutiva da linguagem; e o sentido sempre pode ser outro, mas não qualquer um, porque há a determinação. E é no lugar deste movimento que se dá o processo de estabilização e de transformação.

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

O OUTRO LADO DA SÍNDROME DE ASPERGER

O OUTRO LADO DA SÍNDROME DE ASPERGER UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA O OUTRO LADO DA SÍNDROME DE ASPERGER Simone Roballo Dissertação apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Psicologia da Universidade

Leia mais

Síndrome de Asperger: sujeito e linguagem 1[1] Simone Roballo 2[2] Centro Universitário de Brasília

Síndrome de Asperger: sujeito e linguagem 1[1] Simone Roballo 2[2] Centro Universitário de Brasília Síndrome de Asperger: sujeito e linguagem 1[1] Simone Roballo 2[2] Centro Universitário de Brasília Este trabalho faz parte de um projeto de pesquisa denominado, Síndrome de Asperger: sujeito e linguagem,

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Definição e Histórico Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Autismo Nome criado por Eugen Bleuler em 1911 Dementia Praecox ou Grupo da Esquizofrenias Termo extraído dos estudos sobre

Leia mais

ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS

ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS Resumo A temática da inclusão de alunos com autismo tem merecido maior atenção, após a promulgação da Política Nacional de Educação Especial

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25)

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL LAUDO DE AVALIAÇÃO AUTISMO (Transtorno Autista e Autismo Atípico) Serviço Médico/Unidade

Leia mais

Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo.

Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo. Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo. 1. O Professor Christopher Gillberg é médico, PhD, Professor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

Autismo Rede Biomédica de Informações

Autismo Rede Biomédica de Informações Autismo Rede Biomédica de Informações DSM-IV Critérios, Transtornos Invasivos do Desenvolvimento 299.00 Transtornos Autisticos A. Um total de seis ( ou mais) itens de (1), (2) e (3), com pelo menos dois

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER

SÍNDROME DE ASPERGER Philipe Machado Diniz de Souza Lima CRM 52.84340-7 Psiquiatra Clínico Psiquiatra da Infância e Adolescência Atuação: CAPSI Maurício de Sousa Matriciador em Saúde Mental AP3.3 SÍNDROME DE ASPERGER Síndrome

Leia mais

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento.

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento. Autismo: Definição Causas Conceitos centrais Diagnóstico O QUE É O AUTISMO? O autismo é uma disfunção no desenvolvimento cerebral que tem origem na infância e persiste ao longo de toda a vida. Pode dar

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO DEFINIÇÃO Os alunos da área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento apresentam

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Transtorno de Deficiência

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER Pontos importantes para compreender eintervir

SÍNDROME DE ASPERGER Pontos importantes para compreender eintervir SÍNDROME DE ASPERGER Pontos importantes para compreender eintervir Texto organizado pela psicóloga Ingrid Ausec (Núcleo de Acessibilidade da UEL) para subsidiar o acompanhamento de estudantes com Síndrome

Leia mais

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico do TEA Suspeita dos pais/cuidadores/professores Avaliação médica e não-médica (escalas de

Leia mais

CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA

CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA Mariele Zawierucka Bressan 1 INICIAR É PRECISO... DO CORPO E DA CULTURA: ALGUMAS PONDERAÇÕES Tomamos, em nosso trabalho,

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Conceito Incidência Causas do Autismo Manifestações mais comuns O espectro de manifestações autistas Como é feito o diagnóstico de autismo Instrumentos para

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO. Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso

PROJETO DE PESQUISA AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO. Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso PROJETO DE PESQUISA AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso Candidata: Cynara Maria Andrade Telles Orientador: Prof. Dr. Roberto Leiser Baronas 2 AUTISMO:

Leia mais

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ)

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Da anomia à heteronomia na infância Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Hipótese mais difundida: indiferenciação primordial entre mãe e bebê

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Victor Mendes) Altera a redação do parágrafo único do art. 3º e os artigos 5º e 7º da Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Diagnóstico das Mulheres & Raparigas no Espetro do Autismo e Implicações na Vida Futura

Diagnóstico das Mulheres & Raparigas no Espetro do Autismo e Implicações na Vida Futura Diagnóstico das Mulheres & Raparigas no Espetro do Autismo e Implicações na Vida Futura Dr Judith Gould Director The NAS Lorna Wing Centre for Autism Porquê o interesse O número crescente de raparigas

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Psicologia, 4º Período Componente Curricular: Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem III Professora:

Leia mais

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO AUTISMO NA ESCOLA Letícia Soares da Silva Tati Ana Soares Costa Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO Este trabalho apresenta as principais dificuldades de aprendizagem em crianças portadoras

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Autismo. Eu conheço. Eu respeito. Aprenda mais com a Casa de David sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA). para Doações: www.casadedavid.org.

Autismo. Eu conheço. Eu respeito. Aprenda mais com a Casa de David sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA). para Doações: www.casadedavid.org. www.casadedavid.org.br Sede São Paulo: Rodovia Fernão Dias, Km 82, Vila Airosa, São Paulo SP / Estrada Unidade II Atibaia: Municipal Juca Sanches, 1000, Bairro Boa Vista, Atibaia /SP E-mail: falecom@casadedavid.org.br

Leia mais

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL Luiz Francisco DIAS Universidade Federal de Minas Gerais Passados 20 anos da morte de Michel Pêcheux, os estudos em torno das suas idéias

Leia mais

TÍTULO: MÉTODO DE ANALISE DO COMPORTAMENTO APLICADA (ABA) E PORTADORES DO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA)

TÍTULO: MÉTODO DE ANALISE DO COMPORTAMENTO APLICADA (ABA) E PORTADORES DO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA) TÍTULO: MÉTODO DE ANALISE DO COMPORTAMENTO APLICADA (ABA) E PORTADORES DO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

CENTRO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CEPEC-TO ANO 2013

CENTRO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CEPEC-TO ANO 2013 CENTRO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CEPEC-TO ANO 2013 TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO-TGD ANO 2013/2 O QUE SÃO TGD S? Na CID-10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

Escuta e Interpretação na Clínica Fonoaudiológica

Escuta e Interpretação na Clínica Fonoaudiológica PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM FONOAUDIOLOGIA LINHA DE PESQUISA LINGUAGEM E SUBJETIVIDADE Escuta e Interpretação na Clínica Fonoaudiológica CASTELLANO,

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES Cristiane Renata da Silva Cavalcanti 1 Silmara Dela Silva 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atravessada pela historicidade constitutiva do

Leia mais

Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda

Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda Allmeida Marques Profª da Sala de Recursos Os Transtornos

Leia mais

ABAIXO O ACUMULO! PALAVRAS-CHAVE: efeitos de sentido, discurso publicitário, slogans, evidências naturais.

ABAIXO O ACUMULO! PALAVRAS-CHAVE: efeitos de sentido, discurso publicitário, slogans, evidências naturais. ABAIXO O ACUMULO! CARMO, Alex Sandro de Araujo (PG UNIOESTE) RESUMO: Para compreender os efeitos de sentido contidos nos discursos é preciso considerar, dentre alguns fatos, as junções do texto e do contexto,

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO RINALDIi, Andréia Cristina Alves; ROSA, Antonio Valin; TIVO,,Emerson dos Santos; OLIVEIRA JÚNIOR, José Mendes de; REIS, Marcela Alves dos; SANTOS JÚNIOR,Sergio Silva dos; FREITAS,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Aquisição da linguagem oral e escrita

Aquisição da linguagem oral e escrita Aquisição da linguagem oral e escrita Castilho Francisco Schneider INTRODUÇÃO Behavioristicamente, o termo aquisição de linguagem pode ser aceito sem questionamentos. Já sob o enfoque chomskiano, parece-nos

Leia mais

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo Setembro 2014 A Associação Onda de Palavras é um projeto jovem e pioneiro. Princípios: simplicidade, eficácia, rigor e excelência. Principal

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Inger Nilsson Introdução à educação especial para pessoas com transtornos do espectro autístico e dificuldades semelhantes de aprendizagem

Inger Nilsson Introdução à educação especial para pessoas com transtornos do espectro autístico e dificuldades semelhantes de aprendizagem Inger Nilsson Introdução à educação especial para pessoas com transtornos do espectro autístico e dificuldades semelhantes de aprendizagem Sumário Capítulo I Retardo mental ou incapacidade intelectual

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

DISCURSO MÉDICO E O PSICOLÓGICO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA DECISÃO JUDICIAL

DISCURSO MÉDICO E O PSICOLÓGICO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA DECISÃO JUDICIAL DISCURSO MÉDICO E O PSICOLÓGICO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA DECISÃO JUDICIAL Cibeli Simoes Santos 1 O embate entre o Discurso Jurídico e o Discurso Médico-psiquiátrico foi colocado mais uma vez em questão

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE ICMS PARA PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA, OU AUTISTA

DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE ICMS PARA PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA, OU AUTISTA DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE ICMS PARA PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA, OU AUTISTA OBJETIVO DO SERVIÇO: Conceder isenção de ICMS para portadores de deficiência física, visual,

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel.

Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel. Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel. Isenção de IPI As pessoas portadoras de deficiência física, visual, mental severa ou profunda, ou autistas, ainda

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

AUTISMO, TRANSTORNO DE ASPERGER E ESCOLARIZAÇÃO: PESQUISA E INTERVENÇÃO EDUCATIVA

AUTISMO, TRANSTORNO DE ASPERGER E ESCOLARIZAÇÃO: PESQUISA E INTERVENÇÃO EDUCATIVA AUTISMO, TRANSTORNO DE ASPERGER E ESCOLARIZAÇÃO: PESQUISA E INTERVENÇÃO EDUCATIVA Nerli Nonato Ribeiro Mori - UEM No presente texto são discutidos os temas Autismo, Transtorno de Asperger e o trabalho

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA)

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

IN B R A P E - Instituto G lobal de E studos A vanç ados. A uxilium. Curso de E specialização em E ducação E special Inclusiva.

IN B R A P E - Instituto G lobal de E studos A vanç ados. A uxilium. Curso de E specialização em E ducação E special Inclusiva. IN B R A P E - Instituto G lobal de E studos A vanç ados U N ISA L E SIA N O - Centro U niversitá rio Cató lico Salesiano A uxilium Curso de E specialização em E ducação E special Inclusiva Autismo Fgª

Leia mais

ANÁLISE E TEORIAS DO DISCURSO 1

ANÁLISE E TEORIAS DO DISCURSO 1 ANÁLISE E TEORIAS DO DISCURSO 1 Karilene da Silva Corrêa PG-UEMS A AD Análise do Discurso é uma área da Linguística que tem como objeto de estudo o discurso do locutor. O estudo deste campo de análise

Leia mais

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14 Sumário Introdução 11 Os marcos teóricos de referência 14 Eixos didáticos convergentes 16 Anexo 1. Memória viva 19 Anexo 2. Algumas datas 22 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida

Leia mais

13 Teoria das inteligências múltiplas - Conteúdo

13 Teoria das inteligências múltiplas - Conteúdo Introdução Concepções de inteligência Inteligência para Gardner Inteligência e criatividade Tipos de inteligências Inteligência linguística e lógico-matemática Inteligência espacial e corporal-cinestésica

Leia mais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Índice O Que é AUTISMO? 03 04 Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO 06 07 Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Projeto de Integração Pró-Autista (Pipa) e a Terapia

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais